Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Leitura, educação e desenvolvimento pessoal e social: o papel das bibliotecas

A responsabilidade social da instituição bibliotecária municipal

Marco Luís

Résumé

A partir de uma citação atribuída a Jacques-Bénigne Bossuet, aborda-se a questão da Responsabilidade Social da instituição bibliotecária municipal, colocando-se em paralelo as ciências médicas (o profissional médico), com as ciências documentais (o profissional bibliotecário), atentando-se nas suas especificidades, mas igualmente nas suas semelhanças e dissemelhanças. Apela-se ao benchmarking relativo a boas práticas de serviços em bibliotecas, como forma de melhor cumprirem as suas Missões, baseadas nas funções informativa, educativa, cultural e de lazer, no respeito por todos os públicos. Por fim, equacionam-se algumas sugestões práticas de uniformização e melhoria dos serviços prestados pelas Bibliotecas Municipais, no privilégio pelos seus quatro principais stakeholders: os Colaboradores (Clientes Internos); os Leitores/Utilizadores (Clientes Externos); os Fornecedores e a Comunidade onde se inserem.

From a reference attributed to Jacques-Bénigne Bossuet, addresses the question of the Social Responsibility of the institution council library, placing it in parallel to medical science (the medical professional) with the science documentary (the professional librarian), attack – is in it’s specificities, but also on their similarities and dissimilarity. Calls to the benchmarking for good practice in services in libraries, so as to better fulfil their missions, functions based on information, education, culture and recreation, with respect to all audiences. Finally, equate are some practical suggestions for standardization and improvement of services provided by council libraries, the privilege for its four main stakeholders: the Employees (internal customers), the Readers/Users (external customers), the Suppliers and the Community where fall.

Texte intégral

Introdução

No Egipto, as bibliotecas eram chamadas “tesouros dos remédios da alma”. De facto é nelas que se cura a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras. Bossuet, Jacques-Bénigne

1A citação atribuída a Bossuet constitui um ponto de partida e nunca de chegada para se abordar a questão da Responsabilidade Social Organizacional (RSO) da Instituição Bibliotecária Municipal, explanando-se algumas das semelhanças e dissemelhanças entre o Profissional Bibliotecário e o Profissional Médico. Assim, as Ciências Médicas formam o Profissional Médico ao fim de oito anos de formação superior (6 anos de Licenciatura, mais 2 de Internato), enquanto as Ciências Documentais e da Informação formavam o Profissional Bibliotecário ao fim de seis ou sete anos (4 ou 5 anos, consoante os casos, de uma qualquer Licenciatura, acrescidos de uma Pós-Graduação ou Curso de Especialização na área das bibliotecas e documentação de duração não inferior a 2 anos); isto no período pré-Bolonha. Neste aspecto, não haveria grande diferença, nem em termos temporais, nem em termos de estratégia formativa, pois ambos iniciavam a sua formação do geral para o particular, especializando-se nos dois últimos anos de formação.

A Especialização

2Todavia, é na especialização de um e de outro profissional que ocorrerá já uma diferença bastante significativa. Assim, analise-se o seguinte: as carreiras médicas (pessoal médico) apresentam 3 domínios de especialização-base:

  1. Clínica Geral;

  2. Saúde Pública; e

  3. Medicina Hospitalar.

3Dentro do ramo da Medicina Hospitalar há 47 especializações (VER ANEXO I).

4Sucede que nas Ciências Documentais e da Informação, segundo o Euro-Referencial I-D (2005), há 5 domínios de especialização-base e depois 33 especializações, dentro destes. Os 5 domínios de especialização--base são os que se descrevem seguidamente:

  1. Informação;

  2. Tecnologias;

  3. Comunicação;

  4. Gestão; e

  5. Outros Saberes.

5Dentro do ramo da INFORMAÇÃO há 12 especializações; 5 no das TECNOLOGIAS; 7 no da COMUNICAÇÃO; 8 no da GESTÃO e, ainda, 1 no de OUTROS SABERES (VER ANEXO II). Tudo somado, resulta nas tais 33 especializações. O problema reside aqui, pois normalmente os dois anos de Pós-Graduação ou de Curso de Especialização apenas preparam o Profissional Bibliotecário para os domínios de especialização-base a) IN-FORMAÇÃO e b) TECNOLOGIAS, os quais constituem, de facto, o core da profissão. No entanto, como se viu, a mesma não se esgotará aí. Pelo contrário. Talvez por este motivo, exista uma diferenciação legal, ainda que ligeira, entre Bibliotecário e Técnico Superior de Biblioteca e Documentação, que muitos não se aperceberão, conforme se repara no exemplo do Mapa de Pessoal para 2009 da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim:

Fig. 1: Técnico Superior de Biblioteca e Documentação versus Bibliotecário
(Fonte: Mapa de Pessoal para 2009, da C. M. da Póvoa de Varzim)

6A carreira de Bibliotecário encontra-se legislada pelo Despacho n.º1/90 (VER ANEXO III), o qual foi publicado no DR, 2.ª série, de 27 de Janeiro de 1990. Já o Técnico Superior de Biblioteca e Documentação encontrava – até à sua revogação com a entrada em vigor da Lei n.º12-A/2008, de 27 de Fevereiro, ocorrida a 01 de Janeiro de 2009 –, enquadramento legal através do famoso Decreto-Lei n.º247/91 de 10 de Julho.

7Fácil será inferir que, com todas as suas atribuições – tantas e tão complexas, relativas ao Bibliotecário e ao Técnico Superior de Biblioteca e Documentação –, muito dificilmente um único profissional daria conta, com qualidade (eficiência e eficácia), de todas elas. Daí, também, a necessidade de haver vários Profissionais de I-D numa mesma Biblioteca Municipal (BM), até porque as questões da investigação e da inovação nunca poderão ser descuradas, pois que ambas permitirão explicar as boas práticas, mas igualmente as más.

8Neste “ramalhete” de conteúdos funcionais, havia ainda o Técnico Superior de Biblioteca e Documentação nas escolas; carreira com enquadramento legal através da Portaria n.º63/2001, de 30 de Janeiro, a qual incrivelmente foi extinta pouco tempo depois, através do Decreto-Lei n.º184/2004, de 29 de Julho, em nova “fúria” legislativa. Incrivelmente pelo “ressuscitar” das bibliotecas escolares que surgem hoje com uma forte pujança, com arejados e melhores espaços e também novas atribuições – de que o Plano Nacional de Leitura (PNL) será apenas a mais emblemática. Entretanto, já este ano, a 14 de Julho, foi publicada a Portaria n.º756/2009 que cria o cargo de Professor Bibliotecário, apesar de mais Professor e menos Bibliotecário, uma vez que o seu acesso é apenas facultado a docentes e, mesmo estes, apenas aos dos quadros, muito embora existam no mercado diversos Bibliotecários desempregados. Foi a opção política. Outro facto curioso nesta Portaria é que os Assistentes Técnicos, da área de biblioteca e documentação (os antigos Técnico-Profissionais), parecem completamente ausentes destas equipas.

9No entanto, se quisermos ser ainda mais exaustivos teremos de considerar também, a informação do IEFP, relativa à Classificação Nacional das Profissões (1994) (VER ANEXO III), a qual refere o Bibliotecário--Documentalista e suas atribuições.

A Responsabilidade Social do profissional Bibliotecário

10Porém, voltando ao nosso foco inicial, a grande diferença que encontramos entre o Profissional Bibliotecário e o Profissional Médico não estará no tempo da sua formação, nem no número de especializações, mas tão só no seu objecto epistemológico. Recordemos que a epistemologia é o ramo da filosofia que estuda a origem, a estrutura, a metodologia e a própria validade do seu conhecimento. Qual é, então, o objecto epistemológico da Medicina? É fácil identificá-lo, até pelo próprio juramento de Hipócrates (460-377 a. C.), fundador da Medicina, como é sabido: a pessoa doente (a pessoa com falta de saúde). Mas, e no caso da Biblioteconomia? Poderá parecer uma questão meramente retórica; no entanto, não será bem assim. O seu objecto epistemológico será o documento? Ou será a pessoa desinformada ou indocumentada (no sentido da pessoa com falta de informação)? A Professora Doutora Fernanda Ribeiro (Universidade do Porto) não parece ter dúvidas, quanto a este aspecto: o seu objecto de estudo e de trabalho é a informação. Cremos, no entanto, que a principal preocupação do profissional Bibliotecário deveria estar centrada na pessoa humana e não no objecto em si (enquanto documento), desencadeando-se todo o processo na seguinte questão: «Como vou tratar deste “paciente”?», daí derivando, então, todas as restantes: “Qual a origem do desconhecimento desta pessoa?” ou seja: para que precisa, esta pessoa, do conhecimento que procura? E, posteriormente: “Qual a estrutura cognitiva desta pessoa?”, para posteriormente: “Que metodologia (s) irei utilizar para tratar esta pessoa?” e, finalmente: “a Sociedade poderá validar o conhecimento que esta pessoa adquiriu após o tratamento?”; tal qual o Médico o fará, embora tratando-se de “pacientes” com “doenças” não da alma, mas do corpo. E, alguns, até com ambas. Aqui, neste exacto ponto do nosso raciocínio, poderemos entrar por outras questões, decorrentes daquelas, como por exemplo: serão os doentes quem escolhem os medicamentos ou, pelo contrário, serão os medicamentos (prescritos pelo Médico) a “escolher” os doentes? A este respeito, diga-se que a auto-medicação é tolerada pelos Médicos apenas em situações muito específicas, tais como: três dias no caso de febre; sete dias no alívio de sintomatologia pouco severa; e nunca – mas, nunca mesmo – no caso de grávidas, aleitantes, bebés, crianças e idosos; ou seja, públicos mais vulneráveis. De igual forma, poderemos questionar: serão os Leitores e/ou utilizadores de Bibliotecas a escolher os documentos – o que actualmente é permitido pelo livre-acesso – ou, pelo contrário, serão os documentos (seleccionados pelo Bibliotecário) que “escolhem” as pessoas – permitido pelo serviço de referência, hoje tão vulgarizado nas principais BMs, mas tão pouco explorado em toda a sua plenitude? Se admitirmos esta segunda hipótese teremos, desde logo, que o Bibliotecário terá de conhecer os públicos da “sua” Biblioteca. Mas, como poderá conhecê-los?

11Segundo dados do INE (2007), o rácio de Médicos/1 000 habitantes em Portugal é de, cerca de, 4 Médicos/1 000 habitantes. Em rigor, será de 3,6 Médicos/1 000 habitantes. Em igual período; i.e. no ano de 2007, a Ordem dos Médicos tinha inscritos 38 399 Médicos para uma população estimada pelo INE (2008) de 10 627 250 habitantes no país. No entanto, o rácio de Bibliotecários/1 000 habitantes é desconhecido. Porém, fazendo algumas contas simples, fica-se a conhecer esse rácio em alguns concelhos do país. Por exemplo, no concelho de Sta. Maria da Feira, há 0,028 Bibliotecários/1 000 habitantes, enquanto o rácio de Médicos/1 000 habitantes, neste mesmo concelho do distrito de Aveiro, segundo dados da própria autarquia, retirados da sua página na Internet, é de 0,52 Médicos/1 000 habitantes. Refira-se que aquele dado é bastante fiável, se comparado com o dado obtido pelo Ministério da Cultura – DGLB, segundo o qual o pessoal técnico afecto às Bibliotecas da RNBP (aqui englobando Técnicos Superiores e Assistentes Técnicos da área de Biblioteca e Documentação), no ano de 2007 era de 0,16/1 000 habitantes, numa amostra de 136 Bibliotecas da rede que responderam ao seu questionário. Voltando ao rácio Médicos versus Bibliotecários verifica-se, então, o seguinte:

Fig. 2: Rácio: Médicos versus Bibliotecários
(Fonte: própria baseada em dados do INE, Ordem dos Médicos e C. M. Sta. Maria da Feira)

12Note-se que, dos 75 Médicos existentes no concelho de Sta. Maria da Feira, 49 são especialistas. Ou seja, por cada 2 000 habitantes do concelho de Sta. Maria da Feira haverá 1 Médico e por cada 35 000 habitantes haverá apenas 1 Bibliotecário. Nesta complicada equação poderá entrar, ainda, um outro factor: em princípio, cada cidadão terá direito ao seu Médico de Família, com a importância por todos reconhecida. Mas, e se o conceito de Médico de Família pudesse ser alargado ao Bibliotecário de Família, também ele responsável por certo número de cidadãos, padecendo (de tempos a tempos) de uma qualquer “doença” (a falta de informação)? Tal medida poderia vir a ser uma boa solução, em termos de proximidade e apoio/ajuda ao cidadão desinformado que todos somos amiúde. Do ponto de vista teórico, não parecerão existir grandes dúvidas: melhor biblioteconomia, mais cidadania, apesar da biblioteconomia estar muito longe de puder ser considerada uma ciência exacta. Todavia, haverá uma correlação positiva entre estas duas variáveis? Em Sta. Maria da Feira, no corrente ano (e atendendo ao seu Mapa de Pessoal) seria difícil à BM participar na formação do cidadão integral, ao nível do Bibliotecário de Família. No entanto, uma medida desta natureza – o Bibliotecário de Família – iria, certamente, mexer com dois aspectos a que o Profissional Bibliotecário não estará muito habituado: (1) definição do que se entenderá por acto bibliotecário e de quem estará legalmente habilitado para o praticar, a exemplo do que sucede com o acto médico. A este nível, deverá dizer-se que para muitos autarcas deste país é perfeitamente indiferente ter à frente da BM um Bibliotecário ou ter qualquer outro profissional, porque a BM é vista não como um investimento para os munícipes, mas sim como uma despesa demasiado onerosa para o benefício; isto com o alheamento e distanciamento cúmplices do Estado, através do Ministério da Cultura que cria programas como o da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas (RNBP) e depois se esquece (?) de fiscalizar se os requisitos (mínimos) são efectivamente cumpridos e igualmente da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas (BAD). Poderá alguma Escola funcionar sem um único Professor? E um Jardim-de-Infância sem um Educador? E uma Farmácia sem um Farmacêutico? E uma Igreja sem um Padre? E um Hospital sem um único Médico? Pois, mas as Bibliotecas, crêem alguns políticos, pode funcionar sem um único Bibliotecário, quando na verdade necessitariam não apenas de um, mas de vários. É por pensamentos desta natureza que qualquer pessoa pode afirmar – e muitos fazem-no, em completa ignorância – que têm em casa uma biblioteca. Até o poderão fazer. Contudo, a realidade é bem diferente. O que efectivamente terão em casa será, meramente, um conjunto de livros arrumados em estantes. E nada mais, do que isto, porque uma biblioteca pressupõe um conjunto de documentos sob diferentes suportes – e não apenas livros –, devidamente tratados: catalogados, seleccionados, classificados, indexados, para além de outras tarefas menores como a carimbagem e a etiquetagem.

13No que concerne, ainda, a este tema, o “Programa de Apoio às Bibliotecas Municipais” que tem como horizonte, já bastante alargado, a criação da tal RNBP, define num quadro referencial mínimo a existência de 1 Técnico Superior (com formação específica na área das bibliotecas e documentação) e 4 Assistentes Técnicos (também com formação específica na área), para as BM1 (bibliotecas de concelhos até 20 mil habitantes). 2 Técnicos Superiores (com formação específica na área das bibliotecas e documentação) e 8 Assistentes Técnicos (também com formação específica na área), para as BM2 (bibliotecas de concelhos entre 20 e 50 mil habitantes). E 3 Técnicos Superiores (com formação específica na área das bibliotecas e documentação) e 12 Assistentes Técnicos (também com formação específica na área), para as BM3 (bibliotecas de concelhos com mais de 50 mil habitantes). Já as Directrizes da IFLA/UNESCO para as bibliotecas públicas, segundo o relatório coordenado por Maria José Moura (1996), são ainda mais ambiciosas ao proporem, de acordo com as Directrizes atrás referidas, que “(…) os quadros de pessoal deverão evoluir no sentido de 33% do total ser ocupado por bibliotecários, ou 40% no caso de um sistema com vários pólos. Quanto ao outro pessoal, (…), deverá corresponder a um por cada 2 000 habitantes.” (MOURA, 1996: 9).

14Por outro lado, e entrando no aspecto (2) parece ser unanimemente reconhecido o carácter eminentemente social da função bibliotecária. Ainda assim, na formação destes profissionais é, muitas vezes, negligenciada a componente ética e de responsabilidade social, como já se viu, focando-se tão só no ramo INFORMAÇÃO. No entanto, hoje em dia, fruto do “admirável mundo novo” da Internet e da panaceia das suas “ferramentas” sociais, todos podem ser “jornalistas” e editar conteúdos “noticiosos” em blogues, wikis, jornais digitais e outros. Igualmente todos parecem “advogar” em causa própria ou alheia, com a douta sabedoria da Wikipedia. Desta forma, o que poderá fazer a diferença, entre um Bibliotecário e um outro qualquer profissional a quem tenham sido confiados os destinos de uma BM? Desde logo, a adopção de um código ético e deontológico ajudará a fazer a diferença, contribuindo para o prestígio da profissão e, mesmo, para a coesão dentro desta, mediante a constituição de um ethos profissional. A BAD possui, realmente, um Código de Ética. Porém, este Código apenas é passível de ser subscrito pelos seus associados, os quais constituem uma pequena “gota de água” no imenso “mar” de profissionais formados nesta área.

15Voltando à comparação entre o Profissional Bibliotecário e o Profissional Médico vemos que, estes, trabalham geralmente em equipas pluridisciplinares e mesmo com vários outros Médicos de diferentes especialidades. Nas Bibliotecas raramente isto sucede. Um destes escassos exemplos é o proporcionado pela BM de Sta. Maria da Feira. Veja-se o seu Mapa de Pessoal para 2008:

Fig. 3: Mapa de Pessoal _ 2008 da BM de Sta. Maria da Feira
(Fonte: Araújo; Campos e Gonçalves, 2008)

16Que profissionais farão aqui o papel de “Enfermeiros”? A questão da equipa é fundamental. Tal como refere Johansson(2007), “Há poucas dúvidas de que equipas diversificadas (…) têm mais probabilidades de chegar a ideias excepcionais. Digo diversidade não apenas em termos de disciplinas, mas também no que respeita a cultura, grupo étnico, geografia, idade e género. Esta característica possibilita o surgimento de diferentes pontos de vista, abordagens e modelos mentais (…).” (JOHANSSON, 2007: 98).

17Veja-se o exemplo da descoberta da estrutura da dupla hélice de ADN, por Watson e Crick. Na realidade, o acontecimento mais crítico na sua descoberta, terá sido, como o próprio Watson reconheceu na sua polémica obra “A Dupla Hélice”: “A vantagem imprevista de ter Jerry [Jerry Donohue, o excelente bioquímico e cristalógrafo norte-americano e, provavelmente, à época dos acontecimentos, a segunda pessoa mais brilhante em todo o planeta, no âmbito da química] a partilhar o gabinete comigo, com Francis (Francis Crick) e com Peter (Peter Pauling), embora óbvia para todos, não foi mencionada. Se ele não tivesse estado connosco, eu poderia talvez continuar ainda a insistir numa estrutura de emparelhamento de bases iguais.” (WATSON, 1987: 183). Desta forma, ao terem Jerry Donohue na equipa, Watson e Crick puderam, a partir dessa altura, alinhar a informação de que dispunham – com os imensos conhecimentos fundamentados de Donohue –, dirigindo-se então na direcção mais correcta, pois este demonstrou-lhes onde estavam errados os manuais de Química Estrutural, em que eles não eram especialistas. Assim, todo o curso da investigação foi claramente beneficiado pela constituição de uma equipa pluridisciplinar. Através deste exemplo, e porque a biblioteconomia é, por natureza, uma ciência de interdisciplinaridade – porque há uma valorização de um grupo restrito de disciplinas que se inter-relacionam –, mas também, porque as Bibliotecas têm o dever de (com)participar da investigação e do desenvolvimento de novos produtos e serviços para os seus públicos e não apenas de permanecerem “aprisionadas” na divulgação documental, todas estas instituições, independentemente da sua tipologia (no continente: BM1, BM2 e BM3 e na R. A. Açores: BMa, BMb e BMc, respectivamente) deveriam ter na sua equipa (pelo menos) cinco Bibliotecários (a par de profissionais de outras áreas): um por cada uma das especializações preconizadas pelo Euro-Referencial I-D, o qual já foi referido. Porque é de massa crítica que a instituição bibliotecária municipal necessita para poder implementar verdadeiras políticas de Responsabilidade Social Organizacional (RSO).

18A RSO, por um lado, e a Gestão Ética, por outro, quando aplicadas à instituição bibliotecária municipal deverão possibilitar a atracção e, posterior, retenção dos seus melhores colaboradores e, simultaneamente, o reforço da Missão das bibliotecas públicas, através do benchmarking relativo a boas práticas de serviços em bibliotecas municipais, alicerçado nas suas 4 funções basilares: (1) a função informativa; i.e., deverão responder às necessidades de informação dos seus clientes/leitores/utilizadores; (2) a função educativa, respondendo igualmente, às suas necessidades de ensino (e de alfabetização), quer em termos de TIC, quer, ainda, da chamada aprendizagem ao longo da vida; (3) a função cultural (culturas linguística, científica, artística, etc.) e (4) a função recreativa, ou seja, respondendo às suas necessidades de lazer e divertimento, conforme é preconizado no Manifesto da IFLA/UNESCO para as bibliotecas públicas (1994). Os exemplos de boas práticas chegam da Municipal de Beja: “Palavras Andarilhas”; Municipal de Odivelas: “Bibliófilo vai a Casa”; Municipal de Oeiras: “Livrão”; Municipal de Oliveira de Azeméis: “Guardiões da Biblioteca”; Municipal de Mangualde “Baú da Avozinha”; Municipal de Silves “Palavras Andantes” (viagens à volta de livros e filmes, no Estabelecimento Prisional de Silves); Municipal de Tábua: “Tábua de Leituras”; entre muitos mais de outras bibliotecas.

19Não obstante, este “encanto e sedução” deverão estender-se à captação e permanência de Leitores Activos, porque o conceito de Responsabilidade Social pressupõe dignificação, respeito, participação – no duplo sentido de empowerment e de cidadania organizacional – e, ainda, valorização dos diversos stakeholders (partes interessadas). Este respeito não deve cingir-se, unicamente, ao par Leitores/Utilizadores (Clientes Externos), mas extensível a todos os seus Colaboradores (Clientes Internos), bem como à própria Comunidade onde se insira a BM – casos há, onde a nova BM veio trazer a falência e o encerrar de portas de negócios de nicho, como os videoclubes de antanho – e, igualmente, aos seus Fornecedores – o que a Web 2.0 pode trazer, conjugada com os direitos de autor, é a disponibilização on-line, no catálogo, de certo n.º de páginas do documento pelo qual o utilizador se interessou, bem como uma superior interactividade do público com os produtores de conteúdos, assim haja disposição destes para tal; para além (claro está) dos próprios utilizadores poderem colocar as suas experiências com o documento em questão, enriquecendo-o (também a questão do ajuste directo deve ser bem pensada), à Concorrência (as demais Bibliotecas Municipais) – uma vez que não devem ser todas iguais, mas sim competirem entre si, pelos melhores e mais inovadores serviços, pelos melhores Recursos humanos (RH), etc. – e, ainda, ao próprio Estado. Assim sendo, sugestões práticas de uniformização e melhoria dos serviços prestados pelas Bibliotecas Municipais, no privilégio pelos seus quatro principais stakeholders: Colaboradores, Leitores/Utilizadores, Fornecedores e Comunidade poderão passar pelo atrás exposto, mas também por uma revalorização do papel das Bibliotecas Escolares (BEs), enquanto equipamentos de base, estruturantes das freguesias, estendendo as BMs o seu “braço”, não só através do SABE (Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares), como também na reorganização dos horários das mesmas BEs e sua acessibilidade, criando-se públicos a montante (BEs) e a jusante (BMs) da cadeia. Este aspecto é particularmente relevante em concelhos, como o de Sta. Maria da Feira (31 freguesias), em que os Bibliomóveis não poderão ser a solução, mas sim as BEs, como primeiro apoio das Municipais, uma vez que estão presentes em praticamente todas as freguesias. Um outro aspecto a ser tido em conta é o proporcionado pelo protocolo Z39.50 que possibilita pesquisas multibase pelos catálogos das Bibliotecas da RNBP e que, apenas, pouco mais de uma dezena destas parece atribuir-lhe alguma importância, constatando-se os dados da DGLB. No entanto, tal é fulcral, quer ao nível do empréstimo interbibliotecas, quer ainda do próprio serviço de referência.

Considerações Finais

20Até há escassos anos, a Organização bibliotecária vivia fechada em si mesma, completamente indiferente ao meio em que se inseria. Parecia, até, alhear-se dos seus “clientes” (internos e externos). Porém hoje, sinal dos novos tempos, as boas Organizações bibliotecárias; i.e., aquelas onde é prazeroso trabalhar e com elas colaborar, as denominadas de “autentizóides”, termo que designa a Organização onde existe um bem-estar geral e onde se verifica a transparência (a todos os níveis), onde os colaboradores evidenciam uma elevada confiança nos órgãos de gestão, um respeito genuíno por estes e pelos outros, um claro orgulho no trabalho que desenvolvem e no cariz social do mesmo, um elevado brio profissional, um enorme sentido de entreajuda e de camaradagem, um aprofundado sentimento de pertença, flexibilidade no trabalho e felicidade no mesmo são igualmente as que estarão mais aptas a “abraçarem” o seu próprio desenvolvimento e a tornarem-no sustentável, pela endogenia e culturas próprias e não por algo artificial, imposto do exterior. Assim, na Gestão de Recursos Humanos (GRH), as áreas-chave são: o Recrutamento, Selecção e/ou Outsourcing; o Acolhimento e Integração; os Planos de Formação; a Gestão de Competências; a Gestão de Carreiras; a Gestão de Equipas (Team Building); a Gestão Ética e de RSO; a Política de Remunerações e de Incentivos; a Inteligência Emocional; a Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho; a Gestão do Tempo e da Mudança; e, finalmente, a Avaliação de Desempenho; o Head Hunting e a Retenção de Talentos; o Outplacement e a Gestão de Saídas.

21O Desenvolvimento Sustentável das Organizações, entre elas o da instituição bibliotecária, “alicerça-se” em três grandes “pilares”: (1) a Inovação; (2) a Eco-Eficiência; e (3) a Responsabilidade Social. E a melhoria dos serviços prestados pela instituição bibliotecária municipal passa, precisamente, por este triângulo equilátero virtuoso.

Bibliographie

ARAÚJO, Etelvina; CAMPOS, Rui & GONÇALVES, Tânia Biblioteca Municipal de Santa Maria da Feira: certificação: a qualidade ao serviço dos utilizadores. [on-line] 2008. [consult. 25/07/2009]. Disponível em: http://www.apcer.pt/arq/fich/Biblioteca_Sta_Maria_Feira.pdf.

CÂMARA MUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM. Mapa de Pessoal _ 2009. [ on-line]. [consult. 25/07/2009]. Disponível em: http://www.cm-pvarzim.pt/municipio/recursos-humanos/mapa-de-pessoal/Mapa%20Pessoal%20CMPV%202009.pdf/view.

DGLB – Estatística: Indicadores por 1000 habitantes. [ on-line]. [consult. 10/08/2009]. Disponível em: em: http://rcbp.dglb.pt/pt/ServProf/Estatística/Documents/RNBP_Recursos_por_1000H.pdf.

European Council of Information Associations (ECIA) – Euro-Referencial I-D. Lisboa: Edições INCITE, 2005. ISBN 972-98747-4-3.

IEFP – Classificação Nacional das Profissões: versão 1994. Lisboa: IEFP, 1994. ISBN 972-732-146-1.

IEFP – Classificação Nacional das Profissões: versão 94 – Adenda. Lisboa: IEFP, 1998. ISBN 972-732-485-1.

JOHANSSON, Frans – O efeito Medici. Cruz Quebrada: Casa das Letras, 2007. ISBN 978-972-46-1733-6.

MOURA, Maria José (Coord.) [et al.] Relatório sobre as Bibliotecas Públicas em Portugal. 1996. [on-line]. [consult. 05/05/2009]. Disponível em: http://rcbp.dglb.pt/pt/ServProf/Documentacao/Documents/16_RelatorioRNBP96.pdf.

PORTUGAL. Decreto-Lei n.º247/91 de 10 de Julho.

PORTUGAL. Decreto-Lei n.º184/2004, de 29 de Julho.

PORTUGAL. Despacho n.º1/90. DR: 2.ª série, de 27 de Janeiro de 1990.

PORTUGAL. Lei n.º12-A/2008, de 27 de Fevereiro.

PORTUGAL. Portaria n.º63/2001, de 30 de Janeiro.

PORTUGAL. Portaria n.º756/2009, de 14 de Julho.

RIBEIRO, Fernanda – Informação: um campo uno, profissões diversas? [on-line]. [consult. 30/06/2009]. Disponível em: http://badinfo.apbad.pt/congresso8/convidado4.pdf.

RODRIGUES, Luís A. Carvalho (Coord.) [ et al.] Compreender os Recursos Humanos do Serviço Nacional de Saúde. Lisboa: Edições Colibri, 2002. ISBN 972-772-314-4.

WATSON, James D. – A dupla hélice: um relato pessoal da descoberta da estrutura do ADN. 1.ªed. Lisboa: Gradiva, 1987.

Annexes

ANEXO I – Especializações da Medicina Hospitalar

1 – Anatomia Patológica;

2 – Anestesiologia;

3 – Angiologia e Cirurgia Vascular;

4 – Cardiologia;

5 – Cardiologia Pediátrica;

6 – Cirurgia Cardiotorácica;

7 – Cirurgia Geral;

8 – Cirurgia Maxilo-Facial;

9 – Cirurgia Pediátrica;

10 – Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Estética;

11 – Dermato-Venereologia;

12 – Doenças Infecciosas;

13 – Endocrinologia e Nutrição;

14 – Estomatologia;

15 – Gastrenterologia;

16 – Genética Médica;

17 – Ginecologia/Obstetrícia;

18 – Imunoalergologia;

19 – Imunohemoterapia;

20 – Farmacologia Clínica;

21 – Hematologia Clínica;

22 – Medicina Desportiva;

23 – Medicina do Trabalho;

24 – Medicina Física e de Reabilitação;

25 – Medicina Geral e Familiar;

26 – Medicina Interna;

27 – Medicina Legal;

28 – Medicina Nuclear;

29 – Medicina Tropical;

30 – Nefrologia;

31 – Neurocirurgia;

32 – Neurologia;

33 – Neurorradiologia;

34 – Oftalmologia;

35 – Oncologia Médica;

36 – Ortopedia;

37 – Otorrinolaringologia;

38 – Patologia Clínica;

39 – Pediatria;

40 – Pneumologia;

41 – Psiquiatria;

42 – Psiquiatria da Infância e da Adolescência;

43 – Radiodiagnóstico;

44 – Radioterapia;

45 – Reumatologia;

46 – Saúde Pública; e

47 – Urologia.

ANEXO II – Especializações das Ciências Documentais e da Informação

Ramo da INFORMAÇÃO:

1 – Relações com os Utilizadores e Clientes;

2 – Compreensão do Meio Profissional;

3 – Aplicação do Direito de Informação;

4 – Gestão dos Conteúdos e Conhecimentos;

5 – Identificação e Validação das Fontes de Informação;

6 – Análise e Representação da Informação;

7 – Pesquisa de Informação;

8 – Gestão das Colecções e Fundos;

9 – Enriquecimento das Colecções e Fundos;

10 – Tratamento Físico dos Documentos;

11 – Organização do Espaço e Equipamento; e

12 – Concepção de Produtos e Serviços.

Ramo das TECNOLOGIAS:

1 – Concepção Informática de Sistemas de Informação Documental;

2 – Desenvolvimento Informático de aplicações;

3 – Publicação e Edição;

4 – Tecnologias da Internet; e

5 – Tecnologias da Informação e Comunicação.

Ramo da COMUNICAÇÃO:

1 – Comunicação Oral;

2 – Comunicação Escrita;

3 – Comunicação Audiovisual;

4 – Comunicação pela Informática;

5 – Prática de uma Língua Estrangeira;

6 – Comunicação Interpessoal; e

7 – Comunicação Institucional.

Ramo da GESTÃO:

1 – Gestão Global da Informação;

2 – Marketing;

3 – Venda e Difusão;

4 – Gestão Orçamental;

5 – Gestão de Projecto e Planificação;

6 – Diagnóstico e Avaliação;

7 – Gestão de Recursos Humanos; e

8 – Formação e Acções Pedagógicas.

Ramo de OUTROS SABERES:

1 – Saberes Complementares.

ANEXO III – Legislação

Despacho n.º 1/90: funções do Bibliotecário:

a) Organizar colecções de livros, documentos, manuscritos, publicações periódicas ou outras recebidas ou existentes na biblioteca a fim de facilitar ao investigador ou simples leitor um pronto e fácil acesso à fonte de informação pretendida;

b) Propôr a aquisição de elementos que valorizem o espólio da biblioteca;

c) Acompanhar os registos de entrada, orientação e feitura dos verbetes para os diversos catálogos;

d) Cuidar da arrumação das várias publicações;

e) Velar pela sua conservação;

f) Tomar as medidas necessárias à reparação ou encadernação;

g) Montar serviços de leitura e de empréstimo domiciliário;

h) Indicar e aconselhar aos leitores as fontes apropriadas à finalidade da consulta ou fornecer-lhes quaisquer outros esclarecimentos, examinando os catálogos e os ficheiros;

i) Manter actualizado um boletim bibliotecário a fim de que qualquer leitor possa, a todo o momento, ser informado das últimas novidades existentes; e

j) Fazer circular catálogos, para dar a conhecer ao público os benefícios oferecidos pela biblioteca.

Decreto-Lei n.º 247/91 de 10 de Julho: funções do Técnico Superior de Biblioteca e Documentação:

a) Conceber e planear serviços e sistemas de informação;

b) Estabelecer e aplicar critérios de organização e funcionamento dos serviços;

c) Seleccionar, classificar e indexar documentos sob a forma textual, sonora, visual ou outra, para o que necessita de desenvolver e adaptar sistemas de tratamento automático ou manual, de acordo com as necessidades específicas dos utilizadores;

d) Definir procedimentos de recuperação e exploração de informação;

e) Apoiar e orientar o utilizador dos serviços;

f) Promover acções de difusão, a fim de tornar acessíveis as fontes de informação primária, secundária e terciária; e

g) Coordenar e supervisionar os recursos humanos e materiais necessários às actividades a desenvolver e proceder à avaliação dos resultados.

Portaria n.º 756/2009: funções do Professor-Bibliotecário:

a) Assegurar serviço de biblioteca para todos os alunos do agrupamento ou da

escola não agrupada; b) Promover a articulação das actividades da biblioteca com os objectivos do projecto educativo, do projecto curricular de agrupamento/escola e dos projectos curriculares de turma;

c) Assegurar a gestão dos recursos humanos afectos à (s) biblioteca (s);

d) Garantir a organização do espaço e assegurar a gestão funcional e pedagógica dos recursos materiais afectos à biblioteca;

e) Definir e operacionalizar uma política de gestão dos recursos de informação, promovendo a sua integração nas práticas de professores e alunos;

f) Apoiar as actividades curriculares e favorecer o desenvolvimento dos hábitos e competências de leitura, da literacia da informação e das competências digitais, trabalhando colaborativamente com todas as estruturas do agrupamento ou escola não agrupada;

g) Apoiar actividades livres, extracurriculares e de enriquecimento curricular incluídas no plano de actividades ou projecto educativo do agrupamento ou da escola não agrupada;

h) Estabelecer redes de trabalho cooperativo, desenvolvendo projectos de parceria com entidades locais;

i) Implementar processos de avaliação dos serviços e elaborar um relatório anual de auto-avaliação a remeter ao Gabinete Coordenador da Rede de Bibliotecas Escolares (GRBE); e

j) Representar a biblioteca escolar no conselho pedagógico, nos termos do regulamento interno.

Classificação Nacional das Profissões (1994): funções do Bibliotecário--Documentalista:

a) Organizar, adquirir, avaliar e conservar colecções de livros, documentos, manuscritos, publicações periódicas ou outras recebidas ou existentes na biblioteca, a fim de facilitar ao investigador ou ao leitor comum um acesso fácil à fonte de informação pretendida;

b) Conceber e planear serviços e sistemas de informação;

c) Estabelecer e aplicar critérios de organização e funcionamento dos serviços;

d) Seleccionar, classificar e indexar documentos sob a forma textual, sonora, visual ou outra, para o que utiliza, desenvolve e adapta sistemas de tratamento automático ou manual, de acordo com as necessidades específicas dos utilizadores;

e) Definir procedimentos de recuperação e exploração de informação;

f) Apoiar e orientar, quando solicitado, o utilizador do serviço;

g) Promover acções de difusão, a fim de tornar acessíveis as fontes de informação primária, secundária e terciária; e

h) Supervisionar o pessoal e as actividades a desenvolver.

E a sua Adenda (1998) refere, ainda, uma outra atribuição:

a) Copiar extractos e a redacção de resumos de artigos retirados de publicações periódicas.

Table des illustrations

Légende Fig. 1: Técnico Superior de Biblioteca e Documentação versus Bibliotecário(Fonte: Mapa de Pessoal para 2009, da C. M. da Póvoa de Varzim)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/584/img-1.jpg
Fichier image/, 248k
Légende Fig. 2: Rácio: Médicos versus Bibliotecários(Fonte: própria baseada em dados do INE, Ordem dos Médicos e C. M. Sta. Maria da Feira)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/584/img-2.jpg
Fichier image/, 76k
Légende Fig. 3: Mapa de Pessoal _ 2008 da BM de Sta. Maria da Feira(Fonte: Araújo; Campos e Gonçalves, 2008)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/584/img-3.jpg
Fichier image/, 145k

Auteur

Assistente Técnico. Biblioteca Escolar – EBI de Rabo de Peixe.

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr