Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Leitura, educação e desenvolvimento pessoal e social: o papel das bibliotecas

Biblioteca pública

Caminhos que levam ao futuro

Kátia de Carvalho

Résumé

A biblioteca pública do futuro necessita resgatar a sua função de espaço destinado a formar leitores e levar o ser humano a desenvolver a sua capacidade crítica para atingir um crescimento social desejado. Uma sociedade cresce adequadamente se o desenvolvimento tecnológico ocorre de forma equivalente ao crescimento cultural. A ampliação das possibilidades de acesso à informação e conhecimento precisam ser monitoradas mediante uma articulação positiva entre governo e sociedade civil e por meio de ações coletivas contribuir para a democratização da leitura visando a mobilidade cidadã no País. Cabe a biblioteca pública ampliar sua capacidade e competência a favor da inclusão social, redimensionando questões relevantes, que se relacionem com o acesso e o excesso de informação para construir meios de assegurar o crescimento do conhecimento apoiando-se no uso adequado das tecnologias intelectuais. Trata-se de um artigo visando a discussão da biblioteca na sociedade atual ressaltando-se o papel do profissional da informação e a necessidade da sua mediação na biblioteca pública.

The public library of the future should recover its role as a space for readers to form and lead the human being to develop the critical skills to achieve a desired social growth. A society grows properly if the technological development occurs equivalent to cultural growth. The expansion of opportunities for access to information and knowledge need to be monitored by a positive link between government and civil society through collective actions contribute to the democratization of reading for mobility citizen in the country It is the public library to expand its capacity and competence for social inclusion, scaling relevant issues that relate to access and too much information to build means of ensuring the growth of knowledge by relying on the proper use of intellectual technologies. This is an article for the discussion of the library in today’s society emphasizing the role of information professionals and the need for mediation in the public library.

Texte intégral

Introdução

1A biblioteca pública para enfrentar as radicais e complexas transformações busca funções mais condizentes com a atual realidade e sendo uma instituição onerosa não tem vocação para a captação de recursos financeiros, dependendo do esforço do poder público para cumprir o papel de formadora de leitores e cidadãos. Muitas vezes desvirtuando-se, para assumir o papel de apoio à escola, em virtude da ausência de sistemas de bibliotecas escolares. Assim sendo, a biblioteca pública é uma vigorosa instituição e tem a missão de contribuir para a inclusão social.

2Desde a Antiguidade o registro do pensamento humano encontra-se entre as suas funções principais, privilegiando o acesso à informação e conhecimento, incentivando as relações interpessoais entre profissionais e leitores de forma dinâmica, cumprindo o papel de importante instituição social.

3No século XV uma poderosa tecnologia avançada para a época, a imprensa, introduz o livro que se legitima com a consolidação da ciência moderna, modificando e ampliando o conhecimento humano. A escrita que antecede a imprensa funcionava como elemento de convergência, possibilitando o registro da história cultural do homem, garantindo a passagem da sociedade gutenberguiana para a sociedade eletrônica e ainda assim, permanece a escrita, intocável em diferentes suportes, trazendo contribuições efetivas (CARVALHO, K., 1999). Pela imprensa potencializa-se a difusão da informação e do conhecimento, mantendo-se a escrita como instrumento de fixação de textos, legitimando o registro escrito original e probatório. A apropriação pelas ciências jurídicas concede o testemunho, em substituição ao testemunho oral, introduzindo a fixação, a permanência e a perenidade desejadas pela sociedade. Com a ciência afirma-se a interpretação e à medida que o homem assimila conhecimentos passa a produzir outros textos, projetando-se o pensamento científico de forma mais objetiva. Portanto, no século XVII reafirma-se um saber racional, com base na observação da realidade.

4O movimento de renovação foca o saber e valoriza a emergente atividade intelectual, sendo a produção de livros e a renovação dos processos tipográficos relevantes, exigindo novas técnicas e metodologias de controle da produção emergente. Assim, o projeto iluminista desencadeia um processo incontrolável de crescimento da imprensa escrita importante para a história cultural do homem.

5As idéias iluministas fortalecem os processos valorizam as bibliografias e catálogos, e antecipam, na forma manuscrita, a disseminação da informação referente aos acervos existentes. As bibliografias, a enciclopédia, projetam a biblioteca como a casa do saber, ocupando a centralidade em um sistema que gira em torno do livro, primeiro meio de comunicação. Seu prestigio amplia-se e outros tipos de bibliotecas influenciam o surgimento das bibliotecas instaladas nas casas de morada que traduzem o poder aquisitivo dos seus proprietários, e ainda as bibliotecas oficiais, religiosas e privadas.

6Nos séculos subsequentes o desenvolvimento social e o crescimento das cidades influenciam a fixação da população em núcleos, favorecendo o aparecimento de bibliotecas e de um público leitor, gradativamente. A partir da segunda metade do século XX, a biblioteca integra o elenco de instituições voltadas para o aprimoramento dos processos educacionais e no século XX a biblioteca pública passa a ser vista como uma instituição relevante para a formação do cidadão; na década de 70, a UNESCO encabeça um movimento em defesa da biblioteca publica, para conjuntamente com a escola diminuírem as conseqüências nefastas, produzidas pelo analfabetismo mundial. O Manifesto da UNESCO defende a gratuidade dos serviços desenvolvidos pela biblioteca pública em prol da diminuição do analfabetismo.

7Na sociedade atual as tecnologias intelectuais da informação revolucionam os serviços da biblioteca pública, favorecendo o acesso à informação com maior agilidade, garantindo seu lugar como espaço adequado às práticas de leitura, voltadas para a formação do cidadão, apoiando a pesquisa e a disseminação e uso da informação.

8As perspectivas atuais acreditam nas estruturas em rede para que se ampliem ainda mais os espaços de aprendizagem, de assimilação da informação e conhecimento, baseados em formatos eletrônicos e mídias disponíveis, entre elas as infovias e outras dimensões do ciberespaço. Esta percepção de mundo não mais se restringe ao espaço convencional destinado às instituições tradicionais porque surgem, cada vez mais, novos espaços de aprendizagem que apontam para alternativas que visam preparação de cidadãos, aumentando a auto-estima, estimulando a respeitabilidade do ser humano. A biblioteca pública minimiza a exclusão digital reduzindo o fosso existente entre pessoas que têm acesso ao mundo digital e aqueles que não tem acesso.

9Portanto, é importante que os países bem sucedidos invistam em políticas públicas de informação eficientes, para diminuir a população de excluídos, pelo analfabetismo cultural e informacional.

10Para a construção da cidadania a leitura é fundamental, cabendo as bibliotecas públicas atualizarem as suas práticas a começar pelo hábito de ler, realinhando ações de diferentes práticas que possam atender ao público. Escrita e leitura revisitadas e reformatadas pelas tecnologias intelectuais são fundamentais porque a biblioteca pública necessita atuar como uma instituição de integração e inclusão social, notadamente em países em desenvolvimento, podendo ser um instrumento eficaz contra o analfabetismo e a violência urbana; além de proporcionar um ambiente favorável ao acesso à informação e ao conhecimento. Deseja-se que este sentimento se expresse nos atos dos governantes, em busca da valorização do homem, construindo uma consciência crítica que pode levar ao sentimento de pertencer a um grupo social.

11Nesse cenário e considerando a realidade dos países mais carentes, políticas públicas são necessárias para repensar a formação continuada dos profissionais da informação que atuam utilizando meios tradicionais e interativos, além das ações tais como: criação de disciplinas dedicadas à Literatura Infantil e Juvenil, Fundamentos de Leitura, Formação de Leitores nos Cursos de Letras, Biblioteconomia, Arquivologia, Pedagogia e áreas afins; valorização do papel da pesquisa no campo específico; envolvimento de alunos de universidades em programas de leitura. O problema reside na execução dessas políticas públicas que, na maioria das vezes, não chegam a ser implantadas. É necessário o acesso ao livro e a leitura que são elementares para a erradicação do analfabetismo, presente nas camadas menos favorecidas da população.

12A sociedade civil em busca de interlocução mais adequada com o Estado procura contemplar os objetivos voltados para a expansão cultural e educacional de uma sociedade eminentemente plural, mediante ações positivas de fundamental importância: criação de bibliotecas em municípios, manutenção de equipamentos; dinamização de programas de leitura em bibliotecas públicas e escolares integradas ao projeto político-pedagógico da escola; estímulo a programas de valorização da função docente; incentivo à pesquisa que beneficie o custo de materiais básicos para a leitura; projetos de estímulo a leitura nas escolas; implantação de ações voltadas para zona rural; valorização de ações de autores nacionais e incentivo a concursos literários; ampliação de parcerias com instituições similares; e viabilização de oficinas de leitura e escrita. Finalmente, a articulação necessária entre a escola e a biblioteca, tendo a escola a missão de ensinar a ler e a biblioteca os meios para exercitar a leitura.

13O futuro da biblioteca pública privilegia questões basilares: práticas de leitura que assimilem facilidades proporcionadas pelas tecnologias intelectuais; observância de competências profissionais em um mundo hiperconectado: acesso gratuito a internet uma vez que a biblioteca pública não visa lucro; acesso direto ao impresso associado à comunicação multimídia, minimização do analfabetismo informacional; estímulo à inclusão digital favorecendo a comunidade (CASTELLS, 2000; CARVALHO, K., 2006).

14Diante disto são relevantes para o funcionamento da biblioteca pública: a leitura: novos desafios e o uso de tecnologias da informação. Países em via de desenvolvimento, com grande percentagem de excluídos necessitam fazer um esforço hercúleo para minimizar os não leitores, aumentando o contingente de verdadeiros cidadãos. De Fiore, resume os pressupostos que garantem uma política de estímulo à leitura no Brasil:

criação de programas de apoio às famílias predispostas a atuarem privilegiando a leitura com crianças que frequentam bibliotecas, sindicatos, igrejas, órgãos da sociedade, entre outros; fortalecimento da biblioteca escolar; introdução da leitura diária e prazerosa na escola; sensibilização e engajamento de docentes em programas de incentivo a leitura; expansão da rede nacional de bibliotecas públicas, estabelecendo ligações com as periferias; expansão de redes de livrarias que ampliam o comércio livreiro, facilitando a venda de livros; criação de programas de financiamentos para pequenas e médias editoras apoiando a distribuição de livros; criação de um sistema de fomento e financiamento a longo prazo; articulação de instituições mediante apoio do estado, com organizações da sociedade, empresas e universidades. (DE FIORE, 2000, p. 3-33)

15Acredita-se que na sociedade atual movimentos sociais possam desenvolver de forma criativa e adequada a identidade e a democracia, ressaltando os direitos já adquiridos pelo ser humano entre eles, a liberdade de escolha, o pensamento crítico, a diversidade cultural e a preservação da memória, pressupostos básicos indispensáveis à condição humana, em uma sociedade profundamente competitiva e marcada pela pluralidade cultural.

16No Brasil, a biblioteca pública do futuro necessita corrigir seus caminhos porque em alguns casos, distancia-se do seus objetivos que é formar leitores para atender as necessidades decorrentes das atividades curriculares dos estudantes do ensino médio, por falta de bibliotecas escolares que não tem compromisso com o desenvolvimento do hábito de ler. Os espaços destinados à leitura são fundamentais para o necessário exercício de ler e também as diferentes práticas culturais. Roger Chartier admite que: “a sociabilidade do convívio, intimidade familiar e doméstica e isolamento individual são as esferas da vida em que a leitura e o livro passam a ter uma privilegiada presença”. (CHARTIER, 1997).

17Convém salientar que nessa transição do mundo do impresso para o do eletrônico, interconectado, a presença humana é necessária e tem papel decisivo para viabilizar o uso das tecnologias em proveito próprio, de forma racional em diferentes suportes, técnicas e tecnologias passam a coexistir sucessivamente, aguçando a percepção que extrapola do discurso linear, próprio do impresso para o discurso circular, dos meios eletrônicos. Assim sendo são relevantes a leitura, o uso das tecnologias e o papel do profissional da informação.

A leitura: novos desafios

18A leitura tem um papel proeminente e depende da articulação entre escola, biblioteca e família. Ler é uma forma de acesso ao conhecimento e assim a leitura é uma via de acesso para a aquisição de novos conhecimentos que conduzem à cidadania. Segundo Barthes a leitura pode ser vista principalmente como técnica e como método. Como técnica, a leitura deve ser praticada com regularidade, para possibilitar a aquisição do hábito de ler, como exemplo a leitura dos textos sagrados na idade média, um exercício realizado com certa rigidez de horários, porém uma forma de praticar a leitura. No mundo moderno, aprende-se a ler na escola e encontra-se na biblioteca pública o espaço ideal para exercitar a leitura, oferecendo um universo de possibilidades e garantindo ao leitor a liberdade de escolha do que se quer ler (BARTHES, 1987). A leitura como método apoia a assimilação do texto, estimulando a inteligência de maneira critica em função da realidade. A inserção de novos suportes tecnológicos contribuem para que a biblioteca pública possa utilizar práticas adequadas para minimizar a exclusão social.

19Entre outras razões a imaterialidade dos textos eletrônicos exigem, muitas vezes, critérios condizentes com novas práticas, permitindo que a leitura incorpore novos sentidos, sabendo acessar os textos que são cada vez mais impositivos, provocando a ampliação do universo de trocas de informações e ideias uma vez que a escrita, a imagem e o som fundem-se em novas linguagens, no cinema, na televisão. Os processos de leitura passam a registrar a exatidão exigida pela ciência e também o prazer da estética do texto, assim sendo, a leitura possibilita o acesso a um mundo infinito e sucessivo de conhecimentos, de experiências, de sentidos que podem ser superdimensionados mediante o uso de tecnologias intelectuais, e na busca de conhecimentos possibilitam novos desafios: a conexão em redes mundiais e por oposição, a exclusão, colocam em evidência a pluralidade cultural e a pertinência de políticas públicas adequadas, necessárias e relevantes. Portanto, são importantes: o estímulo, as práticas de leitura a favor da pesquisa e o fortalecimento da biblioteca como lugar consagrado a leitura, com o objetivo de garantir a socialização, do conhecimento, da informação utilizando métodos convincentes de disseminação da informação e integração multimídia.

20No século XXI, acredita-se que a preservação do livro como objeto de leitura assegura o binômio, escrita e leitura, garantindo o acesso a informação e conhecimento, portanto impresso e digital podem coexistir, cabendo ao leitor a escolha dos formatos mais adequados às suas necessidades, em diferentes circunstâncias. Convém salientar que o livro impresso em papel pode preservar a sua característica lúdica e além de disseminar ideias. Portanto, a disseminação da informação representa uma das funções mais relevantes da biblioteca pública, na forma tradicional ampliando-se com as tecnologias da informação, tornando impresso e eletrônico complementares, dependendo da escolha do usuário. Reafirma-se o exemplo da enciclopédia, que encontra no eletrônico o suporte ideal, podendo ser atualizada com rapidez, ocupando espaço reduzido de armazenamento e mantendo custo acessível; esta é uma fonte de informação de expressiva relevância para a biblioteca pública. Algumas questões podem ser consideradas pilares que sustentam as práticas de leitura: a escola que ensina a ler; a biblioteca que é o espaço dedicado ao exercício da leitura; a família que contribui para criar um ambiente propício. A complexidade da articulação das três instâncias ressentem-se de políticas públicas articuladoras e acabam por se tornarem equivocadas e fragmentadas, tornando o papel da biblioteca e o objetivo da escola dissociados, em uma fase da vida que é importante para o ser humano. Se a escola e a biblioteca não conseguem estar associadas com o mesmo objetivo, cabe a família, na maioria das vezes, representada pela figura feminina, exercer o papel de motivadora da leitura; Nas comunidades carentes a ajuda da família é complexa e de difícil solução por múltiplas razões.

21A ausência de espaços de leitura pode ser um fator determinante do aparecimento da biblioteca comunitária que surge do empenho da sociedade civil e na maioria das vezes sem estrutura adequada, funcionando em garagens ou em pequenas salas, em casas localizadas em bairros periféricos, porém cumprindo o papel de auxiliar leitores desfavorecidos. As bibliotecas comunitárias necessitam ser avaliadas, no âmbito da pesquisa, que leva a compreender o que ela representa para o desenvolvimento cultural e para a inclusão social, sobrevivendo, muitas vezes apoiadas informalmente por Organizações Não Governamentais-ONG’s com a participação de órgãos, federal estadual e municipal.

22As bibliotecas comunitárias representam novos espaços de leitura que se inserem em bairros carentes na periferia das cidades. Diante disto, em Setembro de 2002, o Ministério da Cultura criou o Cadastro Nacional de Bibliotecas agrupando, conforme a função:

Tipo A – Bibliotecas escolares vinculadas, a escolas, e que prestam atendimento às comunidades.
Tipo B – Bibliotecas que integram organizações do terceiro setor, espaço de leitura com objetivo de disponibilizar informações oriundas de acervos próprios ou fontes diversas, priorizando aquelas voltadas para a promoção cultural e intelectual dos seus filiados, para subsidiar as ações próprias da organização e favorecimento do desenvolvimento social e comunitário (CARVALHO; GESTEIRA, 2006).

23As bibliotecas públicas brasileiras carecem de ações voltadas para a construção de um planejamento que articule em rede, segundo indicadores definidos, respeitando as peculiaridades das regiões de um país com dimensões continentais. Entre algumas políticas públicas brasileiras destacam-se:

  • Criação do Programa de Incentivo à Leitura-PROLER (1990). Tem o objetivo de atuar como uma política de leitura, visando colaborar para qualificar as relações sociais através do incentivo a práticas leitoras conscientes. Estruturado de forma a atuar em parceria entre governo federal, estadual e prefeituras, envolvem empresas públicas e privadas.

  • Programa Sociedade da Informação (2000). Constitui um conjunto de iniciativas, coordenadas pelo MCT, que prevê ações dos governos federal, estadual, municipal, junto com a iniciativa privada. O programa pretende viabilizar um novo estágio de evolução da Internet e suas aplicações no Brasil, tanto na capacitação de pessoal para pesquisa e desenvolvimento quanto na garantia de serviços avançados de comunicação. As suas propostas são apresentadas no Livro Verde – publicação que delineia os caminhos a serem percorridos pelo País rumo à Sociedade da Informação. As áreas de atuação estabelecem um conjunto de objetivos globais, com prioridade para ciência, tecnologia, educação, saúde e cultura, considerados indutores das demais.

  • Criação do FUST (Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações) – (2003), o programa prevê a instalação de 250 mil computadores com acesso à Internet em 12.500 escolas públicas de ensino médio do País e a instalação do Programa Uma Biblioteca Pública em cada Município, uma parceria entre o Ministério da Cultura e o FUST.

  • Criação da Política Nacional do Livro, Lei n.10.753 de 31 de outubro de 2003, direcionada para a União, Estados, Distrito Federal e Municípios. Voltada para livros e bibliotecas. O livro deixa de ser material permanente.

  • Criação do Programa Fome de Livro (2004) é um programa nacional de biblioteca pública e leitura, de responsabilidade do Ministério da Cultura, através da Biblioteca Nacional.

24Contudo a execução de programas se não é bem planejada pode ocorrer fragmentação. Neste sentido, as políticas públicas devem articular produção editorial, bibliotecas públicas e programas de leitura. As bibliotecas representam um alerta aos governos da necessidade de expansão de espaços que permitam a possibilidade de dialogo entre a sociedade civil e o estado e que ofereça condições de acesso a leitura e consequentemente ao conhecimento. É certo que a sociedade atual carece de espaços de sociabilidade e sugerem procedimentos adequados, relativos ao uso de tecnologias modernas, como apoio à função precípua da biblioteca que é formar leitores e mais que isto, formar cidadãos. Deste modo, mudanças significativas vão sucessivamente alterando o contexto desta sociedade em mudanças.

Uso das tecnologias intelectuais

25A convivência do impresso e do eletrônico, formas complementares aumenta as possibilidades de manter a função do livro e da leitura nas bibliotecas, responsáveis pela formação de uma consciência cidadã, embora alguns problemas possam ser atenuados, entre eles, o desgaste do livro impresso que reside no uso de cópias feitas em máquinas copiadoras indiscriminadamente, privilegiando a leitura de trechos de obras, sem sequer serem conhecidos os seus autores, e assim, a leitura do texto descaracteriza-se, deixando de lado a relação autor/texto. Assim, cabe à biblioteca pública o papel de preparar leitores para a leitura crítica e que leve a mudanças.

26Alguns fatores são perceptíveis nessa passagem do impresso para o eletrônico, a exemplo do uso da máquina de escrever que preservava as alterações na fase de preparação dos originais manuscritos, bem como o estilo do autor. Com o advento do computador, introduz-se um novo modelo, baseado na aglutinação, permitindo o uso de caracteres; inserção de fotos, desenhos; possibilidades de gravação para que os originais sejam encaminhados à imprensa.

27Certos aspectos são relevantes e devem ser observados pelo profissional da informação que atua na biblioteca pública: a necessidade de garantir a integridade original do texto; o uso do hipertexto, com possibilidades assombrosamente irreversíveis; autor/texto disputam o mesmo espaço. A nova maneira da escrita no suporte eletrônico é inovadora como: transposição à vontade de parágrafos inteiros; inserção de novos textos; autores modernos não deixam mais as suas marcas quando propõem correções nos textos. A partir da escrita eletrônica a importância do texto original é minimizada, perdendo-se a marca dos autores que teciam seus próprios comentários nas margens das páginas, valorizando esses exemplares. Vale ressaltar ainda a transmissão à distância de textos que permite cursos a distância e significa uma inovação relevante; como consequência, aparece um novo usuário, navegante em redes de informática, que reintroduz o poder da escrita vinculado à imagem, fortalecendo as possibilidades de um novo tipo de interação, a multimídia cada vez mais surpreendente.

28Nesse processo o profissional da informação desenvolve competências adequadas, porque o olhar humano deve acompanhar o movimento da tela. Através do computador, a palavra escrita deixa de ser estática e passa a ser volátil e a interação é permanente. O texto pode ser escrito e reescrito sendo possível, apagá-lo ou modificá-lo, além das possibilidades de articulação com hipertextos que interferem na narrativa do texto. O processo de aprender a ler inclui a associação de formas gráficas e fônicas e também a construção de um objeto conceitual, sendo a linguagem utilizada e o uso de linguagens cifradas no eletrônico, modificadores da escrita, que necessita ser pesquisada (CARVALHO, K., 2008).

29Essas questões interessam à biblioteca pública do futuro e cabe ao profissional da informação, ao bibliotecário em particular, conduzir o processo de modernização da organização das técnicas e dos processos a serem desenvolvidos nas bibliotecas. O elemento humano conduz o processo, coloca a biblioteca pública no centro de um processo que envolve mudanças radicais, isto porque o seu papel é nitidamente voltado para a inclusão social e digital.

O profissional da informação diante de novos desafios

30Revisitando o papel do profissional da informação como um agente no processo de transformação social, conduzido pela biblioteca pública, o ser humano é um mediador, um animador, conforme expressão utilizada por Kira Tarapanoff (2001) e mais que isto, um mediador entre o mundo real e o virtual. O profissional da informação, em particular o bibliotecário, surpreende-se com as mudanças, debruça-se sobre as atividades relativas a preparação do acervo, o processamento técnico das coleções, em detrimento da função precípua da biblioteca que é a relação com o público leitor, sendo a disseminação da informação relevante e depende dele, maior conhecedor dos respectivos acervos (CARVALHO, 2002).

31O bibliotecário evolui da função de zelador do livro para incorporar características do bibliófilo, que cultua o livro. Os conselhos profissionais consideram que além do princípio da organização e difusão do conhecimento, a ação desse profissional é marcadamente pedagógica, quando estimula o interesse pelo livro, pelo hábito de ler, contribuindo para o desenvolvimento intelectual do leitor, aprimorando a sua formação e direcionando as atenções para as tecnologias e conhecimento científico (CARVALHO, K., 2002).

32Ao longo da história, o bibliotecário, culto e dedicado a atividade intelectual, modifica-se e, cada vez mais, transforma-se de forma visível, pelas sucessivas reformas curriculares. Edson Nery da Fonseca (1998), ao estabelecer crítica à formação inadequada focada na técnica, relembra nomes de bibliotecários reconhecidamente homens cultos e de expressão, ressaltando-se o Padre Vieira, Lasso de la Vega, J. Luis Borges, Ortega y Gasset, Ramiz Galvão e deve-se acrescentar nessa lista, o próprio Edson Nery da Fonseca, entre muitos outros. No Brasil, desde a década de 70 até a década de 90, busca-se um perfil mais condizente com as exigências do mercado. Esse profissional transforma-se desenvolvendo competências necessárias para garantir a organização racional do trabalho, voltado para conhecimentos específicos, em detrimento de uma cultura humanística mais ampla. Historicamente, a influência da formação americana com ênfase nas técnicas, suplanta a escola europeia que privilegia as questões culturais e o domínio de outras línguas.

33No caso brasileiro é conveniente levar em consideração as transformações que ocorrem na realidade de um país, com dimensões continentais e a pluralidade cultural e que merecem ser levadas em consideração nessa complexa sociedade. Modelos curriculares adequados pregam a flexibilidade, autonomia, articulação e atualização para facilitar a construção de grades curriculares que possam ser direcionadas para a atuação do profissional em diferentes realidades. Entretanto, é preciso que as instituições de ensino formadoras de profissionais não negligenciem a base cultural e estejam atentas ao caráter estratégico presente nessa sociedade (FONSECA, 1992; SOUZA, 1977). Esse profissional, de organizador de acervos a profissional da sociedade da informação, ou seja, antes técnicos e responsáveis pela organização do conhecimento, catalogadores e classificadores, passam a ter um perfil profissional daquele que lida com o conhecimento e com a informação. O conhecimento gerado resultante das inovações científicas passa a necessitar de um profissional cada vez mais especializado e que exige um padrão de ensino mais adequado nas universidades (MILANESI, 2002, p. 8).

34Na nova sociedade da informação o conhecimento humanístico funciona como coadjuvante em detrimento das tecnologias intelectuais e assim, cabe aos Programas de Pós-graduação realinhar diretrizes que levem a mudanças. O profissional que parece ser vencedor é o que domina o discurso analítico e crítico, embora a base humanística seja necessária em qualquer situação. Reconhece-se duas tendências na formação profissional, voltadas para as humanidades e para a ciência. Na prática, o reconhecimento social do profissional bibliotecário é complexo porque nem sempre é ele quem ocupa posições de liderança na área (MILANESI, 2002, p. 12).

35A necessidade de privilegiar ações voltadas para a minimização do analfabetismo cultural parece ser o foco principal, neste caso, o planejamento adequado exige uma etapa anterior, de preparação dos usuários para o novo sistema de treinamento de profissionais com novas competências e habilidades para atuarem nos serviços de bibliotecas voltados para o público.

36No que tange a inserção das tecnologias da informação no universo da biblioteca pública, faz-se necessário contextualizar o processo para adequar as ações. Com relação à experiências bem sucedidas os sistemas, espanhol e português trilharam caminhos mais adequados fazendo a preparação de usuários com antecedência, enquanto no caso brasileiro esta etapa não se realizou de forma desejável, sendo que a falta de planejamento gerou distorções, fazendo surgir o analfabeto informacional que pouco se relaciona com as tecnologias da informação, criado pelo próprio sistema.

Considerações finais

37A biblioteca pública do futuro necessita resgatar a sua função de espaço destinado a formar leitores e levar o ser humano a desenvolver a sua capacidade crítica para atingir um crescimento social desejado. A aproximação com a comunidade deve refletir as necessidades vindas da população e intensificando a utilização dos aparatos tecnológicos a favor do acesso ao livro e leitura, privilegiando programas de literatura on line, virtualmente vinculado a professores; resgatando o acesso a imagens e demais acervos públicos, obedecendo a uma política de educação continuada para preparar usuários e/ou leitores; pensar tecnologias aliadas às políticas de leitura com o fim de facilitar o acesso às redes direcionadas para práticas de leitura; tornar a leitura crítica relevante para formar cidadãos; nesse cenário, necessita-se acessar informações em diferentes suportes, aproximando o impresso e o eletrônico e estes, utilizando linguagens e diferentes aparatos multimídia.

38Uma sociedade cresce adequadamente se o desenvolvimento tecnológico ocorre de forma equivalente ao crescimento cultural. Deste modo, a ampliação das possibilidades de acesso à informação e conhecimento precisam ser monitoradas mediante uma articulação positiva entre governo e sociedade civil e por meio de ações coletivas contribuir para a democratização da leitura visando a mobilidade cidadã no País. Cabe a biblioteca pública ampliar sua capacidade e competência a favor da inclusão social, redimensionando questões relevantes, que se relacionem com o acesso e o excesso de informação para construir meios de assegurar o crescimento do conhecimento no futuro.

Bibliographie

BARTHES, Roland; COMPAGNON, Antoine – Leitura In: ARGUMENTO, 11: oral, escrito, argumento. Lisboa: Nacional Casa da Moeda (1987), pp. 21-30.

CARVALHO, K. Admirável mundo da informação e do conhecimento: livro impresso em papel e livro eletrônico [Em linha]. BIBLIOS. Lima, Peru. v. 7, nº 24, (2006). [Consult. 31 de Julho 2009] Disponível em WWW: http://eprints.rclis.org/7175/1/2006_09.Pdf

CARVALHO, K. – Biblioteca Pública: em busca de novos caminhos. BOLETIN CORREO DE BIBLIOTECAS PUBLICAS IBEROAMERICANAS. Colômbia. vol. 25 (2008) pp. 1-6.

CARVALHO, K. M. C. C. C. -. K. Disseminação da Informação no âmbito da pesquisa e o papel dos organismos de fomento. DATAGRAMAZERO. [Em linha]. Rio de Janeiro. v.7, n º2 (2006). [Consult. 31 de Julho 2009] Disponível em www: http://dgz.org.br/abr06/F_I_art.Htm

CARVALHO, Kátia de – O complexo mundo da leitura. INFORMARE. [Em linha]. Rio de Janeiro. Vol. 5, n º1 (2006), pp. 30-41

CARVALHO, Kátia de – O Profissional da Informação: o humano multifacetado. DATAGRAMAZERO. [Em linha]. (Rio de Janeiro) v.3, n º5, (2002) [Consult. 31 de Julho 2009]. Disponível em www: http://dgz.org.br/out02/F_I_art.htm

CARVALHO, Kátia de; SILVA, Anna F. S. da – O Ideal de Disseminar: novas perspectivas, outras percepções. Salvador: EDUFBA, 2006. v.1. 228 p.

CARVALHO, Kátia. de; GESTEIRA, Ivana Aparecida Lins. Organizações sociais na atual sociedade: espaço de leitura. In: CARVALHO, Kátia de; SILVA, Anna F. S. da (Orgs.). -O ideal de disseminar: novas perspectivas, outras percepções. Salvador: EDUFBA, 2006, v. 1, pp. 41-53.

CARVALHO, Kátia de. – A travessia das letras. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 1999.

CASTELLS, Manuel – A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

CHARTIER, Roger – A história cultural entre práticas e representações. Lisboa: Difel; Rio de Janeiro: Bertrand Russel, 1989.

DE FIORE, Ottaviano – Como tornar o Brasil uma Nação letrada? JORNAL DA UBE. Brasília. Set (2000), pp. 3-33.

FONSECA, Edson Nery da – Introdução a biblioteconomia. Prefácio de Antonio Houaiss. São Paulo: Pioneira, 1992. 153 p.

ISER, Wolfgang – O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. São Paulo: Editora 34, 1999.

MILANESI, Luís. A formação do informador. INFORMAÇÃO & INFORMAÇÃO. [Em linha]. Londrina. v.7, n º1, (2002) p. 07-40. [Consult. 31 de Julho 2009] Disponível em WWW: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/1694/1445

TARAPANOFF, Kira (org.). – Inteligência organizacional e competitiva. Brasília: Ed. Da UNB, 2001.

Auteur

Coordenação Nacional do Programa de Estímulo à Leitura-PROLER (membro). Professora titular do Instituto de Ciência da Informação da Universidade Federal da Bahia, Campus Universitário do Canela, Salvador, Bahia, Brasil

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr