Version classiqueVersion mobile

Elites e Indústria no Alentejo (1890-1960)

 | 
Paulo Eduardo Guimarães

Índice de figuras

Texte intégral

Figura 2.1 – Número de novas sociedades criadas, falências e dissoluções (eixo da esquerda), e volume de capital investido (eixo da direita) em Évora (1889-1960)

83

Figura 3.1 – Actividade de registo na 4.a CI (variação mensal)

137

Figura 3.2 (I) – Distribuição do número de registos de actividades industriais pela data de fundação declarada e pela data calculada

140

Figura 3.2 (II) – Distribuição dos registos industriais e do emprego industrial aparente pela data de fundação dos estabelecimentos (1922-1951)

141

Figura 3.3 – Duração das actividades registadas na 4.a CI e volume de emprego

146

Figura 3.4 – Evolução do número de cancelamentos de licenças industriais e do volume emprego eliminado na 4.a CI, nas actividades registadas no período 1921-1951

148

Figura 3.5 – Saldo líquido de actividades licenciadas e do emprego industrial nos registos efectuados na 4.a CI no período 1921-1952

150

Figura 3.6 – Valor acumulado das actividades licenciadas e do emprego industrial

150

Figura 3.7 – Minas de Aljustrel e São Domingos. Organograma da organização do trabalho

159

Figura 3.8 – Francisco Fino L.da (Fábrica de Lanifícios de Portalegre). Projecto de ampliação e remodelação nos anos ’50

187

Figura 4.1 – Número de estabelecimentos registados para o exercício da indústria corticeira (preparação e transformação), entre 1922 e 1952, na 4.a CI, por data de fundação

218

Figura 4.2 – Movimento industrial aparente no subsector corticeiro na área da 4.a CI: oferta de emprego e criação de novos estabelecimentos (1895-1952)

219

Figura 4.3 – Movimento de actividades canceladas na indústria corticeira (estabelecimentos registados na 4.a C.I. entre 1922 e 1952).

219

Figura 4.4 – (I) Empresas de debulha de cereais registadas na 4.a C I. (1922-1939), por data de fundação

224

Figura 4.4 – (II) Distribuição dos cancelamentos da actividade de debulha de cereais (estabelecimentos registados na 4.a C.I. entre 1922 e 1939)

224

Figura 4.5 – Moinhos de vento registados na área da 4.a CI (1922-1934) por data de fundação

227

Figura 4.6 – Azenhas registadas na área da 4.a CI (1922-1939) por data de fundação

228

Figura 4.7 – Moagens de cereais (fábricas) registadas na área da 4.a CI (1922-1939): número de registos e emprego por data de fundação

228

Figura 4.8 – Fornos de coser pão registados na área da 4.a CI (1922-1936) por data de fundação

235

Figura 4.9 – Padarias com forno registadas entre 1922 e 1936 segundo a data de fundação

236

Figura 4.10 – Padarias registadas entre 1922 e 1936 segundo a data de fundação

237

Figura 4.11 – Registos de fábricas e de lagares de azeite na 4.a CI (1922-1939) de acordo com a sua data de fundação

249

Figura 4.12 – Registo de fabricantes de vinhos e aguardentes na área da 4.a CI (1922-1952) segundo a data de fundação

257

Figura 4.13 – Registo de fabricantes de refrigerantes na área da 4.a CI (1922-1952) segundo a data de fundação

258

Figura 4.14 – Cancelamento da actividade de fabricantes de refrigerantes na área da 4.a CI e registada no período 1922-1952

259

Figura 4.15 – Registo da actividade de torrefacção e moagem de café na área da 4.a CI no período 1922-1952

263

Figura 4.16 – Cancelamento da actividade dos estabelecimentos de torrefacção e moagem de café na área da 4.a CI registados no período 1922-1952

264

Figura 4.17 – Distribuição geográfica (por concelhos) da actividade de torrefacção e moagem de café na área da 4.a CI registada no período 1922-1952

264

Figura 4.18 – Evolução da actividade de curtumes (estabelecimentos registados entre 1922 e 1951 na área da 4.a CI)

272

Figura 4.19 – Evolução dos cancelamentos da actividade de curtumes registada entre 1922 e 1951 na área da 4.a CI

273

Figura 4.20 – Registo de estabelecimentos de correeiro na 4.a CI no período 1922-1952 por data de fundação declarada

278

Figura 4.21 – Cancelamentos da actividade de correeiro nos estabelecimentos registados na 4.a CI no período 1922-1952

278

Figura 4.22 – Registo de alfaiatarias na 4.a CI no período 1922-1952 por data de fundação declarada

281

Figura 4.23 – Cancelamento da actividade de alfaiate registada na 4.a CI no período 1922-1952

282

Figura 4.24 – Distribuição dos estabelecimentos de sapataria e de fabrico de calçado na área da 4.a CI registados entre 1922 e 1952 por data de fundação

284

Figura 4.25 – Cancelamentos da actividade de sapataria e de fabrico de calçado na área da 4.a CI registados entre 1922 e 1952

284

Figura 4.26 – Distribuição da actividade de carpintaria na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952 por data de fundação)

288

Figura 4.27 – Cancelamentos da actividade de carpintaria na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

288

Figura 4.28 – Distribuição do fabrico de telha e de tijolo na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952 por data de fundação)

296

Figura 4.29 – Cancelamentos da actividade de fabrico de telha e tijolo na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

297

Figura 4.30 – Registos de fornos de cal na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação

297

Figura 4.31 – Cancelamentos da actividade de forno de cal na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

298

Figura 4.32 – Distribuição da actividade de canteiro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952 por data de fundação)

302

Figura 4.33 – Cancelamentos das actividades de canteiro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

302

Figura 4.34 – Registos de fabrico de loiça de barro na área da 4.a CI, realizados entre 1922 e 1952, por data de fundação dos estabelecimentos

305

Figura 4.35 – Cancelamentos da actividade de fabrico de loiça de barro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

306

Figura 4.36 – Registos de oficinas de ferreiro na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952, por data de fundação dos estabelecimentos

309

Figura 4.37 – Cancelamentos da actividade de ferreiro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

310

Figura 4.38 – Registos de oficinas de latoeiro e de funileiro na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação

311

Figura 4.39 – Cancelamentos das actividades de funileiro e de caldeireiro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

311

Figura 4.40 – Registos da actividade de serralharia na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação dos estabelecimentos

314

Figura 4.41 – Cancelamentos das actividades de serralharia na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

315

Figura 4.42 – Registos da actividade de carpintaria de carros na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação dos estabelecimentos

319

Figura 4.43 – Cancelamentos das actividades de carpintaria de carros na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

320

Figura 4.44 – Registos da actividade de carros de aluguer na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de início da actividade.

320

Figura 4.45 – Registos das actividades de reparações mecânicas, reparação e venda de automóveis, de garagens de automóveis e da indústria da vulcanização de borracha na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação

322

Figura 5.1 – C.ia Elvense de Moagens a Vapor. Capital e principais rubricas da receita (1923)

341

Figura 5.2 – C.ia Elvense de Moagens a Vapor. Lucros e principais rubricas da despesa (1923)

341

Figura 5.3 – Composição das vendas de energia pela Hidroeléctrica Alto Alentejo, 1952-1953

353

Figura 5.4 – Consumo de sulfato de amónio em Portugal e produção da UFA, 1952-1962

356

Figura 5.5-HEAA: formação de capital fixo (1926-1953)

357

Figura 6.1 – Distribuição dos eleitores que pagavam mais de 10 mil réis de contribuição por grupos socio-profissionais nos concelhos de Évora e de Reguengos (1901-1906)

366

Figura 6.2 – Distribuição etária dos eleitores cuja contribuição fiscal era superior a 10 mil réis em 1901/1906 em freguesias de Évora e de Reguengos

367

Figura 6.3 – Amplitude do valor tributado de acordo com o rendimento fiscal nas categorias de identificação social

369

Figura 6.4 – Distribuição etária dos eleitores que pagavam mais de 100 mil réis de imposto em Évora e em Reguengos (1901-1906)

370

Figura 6.5 – Industriais de Évora: distribuição etária em 1930 e em 1939

380

Figura 7.1 – Valor dos depósitos existentes nos Bancos do Alentejo e Eborense em Dezembro de cada ano (1875-1919)

432

Figura 7.2 – Evolução das contas dos agentes e correspondentes dos bancos Eborense e Alentejo (1875-1919)

437

Figura 7.3 – Relação entre contas dos agentes e correspondentes (1) e o crédito a curto prazo (2) nos bancos Eborense e Alentejo (1877-1919)

438

Figura 7.4 – Evolução do dinheiro disponível em caixa na sede dos bancos Eborense e Alentejo em 31 de Dezembro de cada ano, 1875-1914

441

Figura 7.5 – Evolução dos depósitos a prazo (eixo da esquerda), curto prazo e na Caixa Económica no Banco Eborense (eixo da direita), 1875-1919

444

Figura 7.6 – Evolução dos depósitos à ordem e a prazo no Banco do Alentejo (1894-1916)

444

Figura 7.7 – Valores dos fundos imobiliários nos activos do Banco Eborense e do Alentejo (1875-1919)

446

Figura 7.8 – Banco Eborense: evolução das operações de desconto de letras, créditos em conta corrente e empréstimos hipotecários (1877-1919)

448

Figura 7.9 – Evolução no volume das operações de desconto de letras e dos empréstimos a curto prazo no Banco do Alentejo (1875-1919)

448

Figura 7.10 – Investimento em títulos (fundos flutuantes) nos Bancos Eborense e do Alentejo (1876-1916)

450

Figura 7.11 – Banco do Alentejo: evolução dos fundos flutuantes em percentagem do seu capital (1876-1960)

452

Figura 7.12 – Banco Eborense: lucros e dividendos distribuídos (1875-1919)

454

Figura 7.13 – Banco Eborense: capital constituído e lucros declarados (1875-1919)

456

Figura 7.14 – Banco do Alentejo: capitais próprios (1875-1919)

456

Figura 7.15 – Volume total de depósitos nos Bancos Eborense e do Alentejo (1877-1960)

465

Figura 7.16 – Relação entre depósitos a prazo e os capitais próprios no Banco do Alentejo (1894-1958)

466

Figura 7.17 – Relação entre depósitos a prazo e os capitais próprios no Banco Eborense (1877-1919)

467

Figura 7.18 – Evolução dos depósitos à ordem e a prazo superior a 3 meses no Banco do Alentejo (1894-1960)

468

Figura 7.19 – Evolução das caixas económicas do Banco Eborense (1877-1919) e do Alentejo (1877-1959)

470

Figura 7.20 – Banco do Alentejo: capital social e fundos de reserva constituídos (1875-1960)

471

Figura 7.21 – Banco do Alentejo: evolução das operações de desconto de letras e de empréstimos em conta corrente (1875-1960)

473

Figura 7.22 – Banco do Alentejo: propriedades em carteira (1875-1960)

474

Figura 7.23 – Banco do Alentejo: evolução da participação na Empresa Transformadora de Lãs, L.da

477

Figura 7.24 – Banco do Alentejo: lucros realizados, 1875-1960

478

Figura 7.25 – Banco do Alentejo: dinheiro em caixa na sede (em percentagem do total disponível à ordem na sede e noutros bancos)

479

Figura 7.26 – C.ia de Seguros “A Pátria”: receitas com prémios de seguros por ramos cobertos em 1916, 1929 e 1934

483

Figura 7.27 – C.ia de Seguros “A Pátria”: dividendos por acção (em percentagem do capital), lucros líquidos declarados e capital accionista

485

© Publicações do Cidehus, 2006

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search