Version classiqueVersion mobile

Elites e Indústria no Alentejo (1890-1960)

 | 
Paulo Eduardo Guimarães

Índice de tabelas

Texte intégral

Tabela 1.1 – Repartição dos maiores contribuintes no concelho de Évora (imposto predial) por classes de rendimento, em 1890

37

Tabela 1.2 – Número de contribuintes, propriedades e rendimento predial colectável distribuídos pelos apelidos dos maiores contribuintes, no concelho de Évora em 1890

38

Tabela 1.3 – Distribuição dos maiores contribuintes prediais em Évora pelos seus atributos sociais, em 1890

40

Tabela 1.4 – Local de residência dos maiores contribuintes prediais de Évora, em 1890

40

Tabela 1.5 – Correlação entre a contribuição predial, industrial, sumptuária e juros na elite eborense

43

Tabela 1.6 – Distribuição por grupos sócio-profissionais do valor pago nas várias contribuições pelos eleitores recenseados em Évora e Beja

44

Tabela 1.7 – Lista dos eleitores maiores contribuintes industriais residentes em Évora

45

Tabela 1.8 – Artesãos e trabalhadores de ofício (sector I) no concelho de Évora em 1877

49

Tabela 1.9 – Artesãos e trabalhadores de ofício (sector II) no concelho de Évora em 1877

50

Tabela 1.10 – Fábricas e fabricantes (sector III), em Évora (1877)

50

Tabela 1.11 – Azenhas, moinhos, lagares, açougues e categorias sócio-profissionais associadas em Évora em 1877

51

Tabela 1.12 – Comércio por especialidades em Évora em 1877

53

Tabela 1.13 – Distribuição dos contribuintes industriais em Évora em 1877 pelos principais sectores do comércio e indústria

54

Tabela 1.14 – Grupos que mais pagavam contribuição industrial em Évora em 1877

55

Tabela 1.15 – Geradores e recipientes a vapor nos distritos de Évora e de Beja, 1901-1903 - Tipos de empresas proprietárias

57

Tabela 1.16 – Geradores, recipientes e motores a vapor nos distritos de Évora e de Beja, 1903-1904 - Aplicações em trabalho

58

Tabela 1.17 – Sociedades constituídas em Évora para a venda de cereais, 1889-1927

59

Tabela 2.1 – Distribuição do número de associações registadas em Évora de acordo com o seu tipo (1889-1960)

72

Tabela 2.2 – Distribuição do capital das associações registadas em Évora de acordo com o seu tipo (1889-1960)

76

Tabela 2.3 – Distribuição das sociedades registadas em Évora segundo o volume do capital social declarado (1889-1960)

77

Tabela 2.4 – Novas sociedades registadas, capital investido, sociedades canceladas ou dissolvidas e falências registadas em Évora (1889-1960).

80

Tabela 2.5 – Sociedades registadas em actividades industriais na área da 4.a Circunscrição Industrial, em Évora e total de registos industriais (1922-1951)

85

Tabela 2.6 – Maiores empresas industriais registadas em Évora, 1922-1951

86

Tabela 2.7 – Sociedades em comandita simples e por acções registadas em Évora (1889-1960)

88

Tabela 2.8 – Número de sociedades registadas em Évora distribuído por áreas de negócio (1889-1960)

94

Tabela 2.9 – Capital investido nas sociedades registadas em Évora, distribuído por áreas de negócio (1889-1960)

95

Tabela 2.10 – Elites eborenses - Participação em sociedades comerciais e industriais (1890-1960)

101

Tabela 3.1 – Estabelecimentos industriais registados nos distritos de Évora e de Beja (1902-1903)

124

Tabela 3.2 – Variação anual da actividade de registo na área da 4.a CI e processos transitados para o Ministério da Agricultura (1922-1951)

138

Tabela 3.3 – Número de estabelecimentos ou de actividades registadas e número de trabalhadores segundo a data de início da actividade estimada na área da 4.a CI

142

Tabela 3.4 – Principais actividades registadas na área da 4.a CI pelo RTN (1922-1951)

142

Tabela 3.5 – Distribuição das actividades registadas na 4.a CI pelo volume de emprego declarado, segundo as datas de início de laboração estimadas em diferentes épocas

143

Tabela 3.6 – Distribuição das actividades registadas na 4.a CI pelo volume de emprego declarado, segundo as datas de início de laboração estimadas em diferentes épocas (valores relativos)

144

Tabela 3.7 – Número de actividades registadas na 4.a CI, volume de emprego e dimensão média segundo a duração da actividade

147

Tabela 3.8 – Maiores empresas no Alentejo em 1925

152

Tabela 3.9 – Produções das minas da faixa piritosa alentejana e seu destino, 1938

157

Tabela 3.10 – C.ia Elvense de Moagens a Vapor - Lista dos maiores accionistas (1924)

178

Tabela 3.11 – Metalúrgica do Crato, L.da - Indicadores de evolução na década de 1950

182

Tabela 3.12 – As fábricas de lanifícios de Portalegre em 1881 e em 1923

189

Tabela 3.13 – Fábrica de Lanifícios de Portalegre-Encomendas do Estado, 1941-1962

192

Tabela 3.14 – Indústrias têxteis no Alentejo em 1957

194

Tabela 4.1 – Número de estabelecimentos e de trabalhadores registados na área da 4.a C.I - e directamente associados à Casa Agrícola alentejana (1922-1952)

204

Tabela 4.2 – Estabelecimentos registados de dimensão intermédia na 4.a C.I

206

Tabela 4.3 – Dimensão dos estabelecimentos corticeiros na área da 4.a C.I - registados entre 1922 e 1952

210

Tabela 4.4 – Número de estabelecimentos corticeiros e de trabalhadores na área da 4.a CI em 1890 e 1923

211

Tabela 4.5 – Inventário orfanológico de António Pais, industrial corticeiro da Azaruja, em 1899

212

Tabela 4.6 – Fábrica de preparação de cortiça de Pepe da Cruz Duque (Azaruja): situação em 1949 e em 1956

214

Tabela 4.7 – Fábrica de preparação e fabrico de rolhas de José Lopes dos Santos (Vendas Novas): situação em 1923, 1938 e 1942

215

Tabela 4.8 – Dispersão geográfica das actividades da fileira do pão na 4.a C.I

223

Tabela 4.9 – Lagares de azeite existentes no concelho de Aljustrel (distrito de Beja) em 24.Set. 1935

239

Tabela 4.10 – Distribuição geográfica das indústrias alimentares registadas na área da 4.a CI (1922-1952) *

252

Tabela 4.11 – Distribuição geográfica das indústrias de bebidas registadas na área da 4.a CI (1922-1952)

256

Tabela 4.12 – Distribuição geográfica das indústrias têxteis e anexas registadas na área da 4.a CI (1922-1952)

270

Tabela 4.13 – Indústria de fiação e tecelagem da lã no Alentejo em 1890 e em 1957

271

Tabela 4.14 – Distribuição geográfica das indústrias de curtumes, de correeiro e de albardeiro registadas na área da 4.a CI (1922-1952)

271

Tabela 4.15 – Distribuição por concelhos e sub-regiões dos estabelecimentos e emprego nas indústrias de curtumes no Alentejo em 1890 e em 1957

276

Tabela 4.16 – Distribuição geográfica das indústrias de vestuário e calçado registadas na área da 4.a CI (1922-1952)

281

Tabela 4.17 – Duração dos estabelecimentos de alfaiataria registados na área da 4.a CI entre 1922 e 1952

282

Tabela 4.18 – Duração dos estabelecimentos de sapataria e fabrico de calçado registados na área da 4.a CI entre 1922 e 1952

285

Tabela 4.19 – Distribuição geográfica das indústrias da madeira registadas na área da 4.a CI (1922-1952) *

285

Tabela 4.20 – Duração da actividade das oficinas de carpintaria registadas entre 1922 e 1952 na área da 4a CI

289

Tabela 4.21 – Distribuição geográfica das indústrias da construção registadas na área da 4.a CI (1922-1952)

290

Tabela 4.22 – Duração dos estabelecimentos de olaria e de fabrico de loiça registados entre 1922 e 1952 na área da 4.a CI

307

Tabela 4.23 – Distribuição geográfica das indústrias dos metais registadas na área da 4.a CI (1922-1952) *

309

Tabela 4.24 – Distribuição geográfica das indústrias dos transportes registadas na área da 4.a CI (1922-1952)

318

Tabela 5.1 – Trigos entrados na fábrica da Elvense entre Abril de 1917 e Fevereiro de 1918

339

Tabela 5.2 – Produtos da Elvense em armazém (1917-1918)

339

Tabela 5.3 – A activos da “secção eléctrica” da Elvense, 1913-1932

342

Tabela 5.4 – Receitas com a produção de electricidade e moagem de cereais, despesas de combustível e lucros

342

Tabela 5.5 – Hidroeléctrica Alto Alentejo: estrutura da produção e consumo de energia para venda, 1952-1953

352

Tabela 5.6 – Energia emitida e vendida pela Hidroeléctrica Alto Alentejo

352

Tabela 5.7 – União Fabril do Azoto: produção de sulfato de amónio, cota de mercado e resultados financeiros (1952-1962)

356

Tabela 6.1 – Número de indivíduos designados como “industriais” nos recenseamentos eleitorais no concelho de Évora, 1911-1939

362

Tabela 6.2 – Distribuição dos eleitores que pagavam mais de 10 mil réis de contribuição por grupos sócio-profissionais nos concelhos de Évora e de Reguengos (1901-1906)

365

Tabela 6.3 – Valor mínimo e máximo de imposto pago por cada categoria de identificação social dos indivíduos eleitores utilizada em Évora e em Reguengos em 1901-1906

366

Tabela 6.4 – Eleitores contribuintes que pagavam mais de 100 mil réis de imposto em Évora e Reguengos, por categorias de identificação social (1901-1906)

370

Tabela 6.5 – Distribuição etária dos eleitores que pagavam mais de 1.° mil réis (A) e mais de 100 mil réis (B) de imposto em Évora e em Reguengos (1901-1906)

371

Tabela 6.6 – Participação de grupos de actividade nas indústrias registadas no RTN (1922-1935)

375

Tabela 6.7 – Casos de mobilidade indiciada pela identificação social dos indivíduos registados em Évora no âmbito do RTN

376

Tabela 6.8 – Número de novos industriais sem qualquer passado e de pessoas que passaram a identificar-se como industriais em diferentes épocas

378

Tabela 6.9 – Distribuição etária dos industriais de Évora em 1930 e em 1939

379

Tabela 6.10 – Origem sócio-profissional dos industriais identificados nos recenseamentos eleitorais em Évora, 1890-1939

380

Tabela 6.11 – Engenheiros nos recenseamentos eleitorais em Évora (1919-1939)

382

Tabela 7.1 – Número médio anual de actos notariais por categoria (1880-1922)

410

Tabela 7.2 – Valor dos actos notariais em quatro categorias (média anual)

414

Tabela 7.3 – Média anual do número de actos notariais relativos empréstimos, dívidas contraídas e sua resolução em Évora no período 1880-1906 e em 1921

416

Tabela 7.4 – Média anual do valor dos actos notariais relativos empréstimos, dívidas contraídas e sua resolução em Évora no período 1880-1906 e em 1921

416

Tabela 7.5 – Número de actos de empréstimos e seu valor distribuídos por grupos sociais - Devedores e credores - (1880-1906)

421

Tabela 7.6 Número de actos de empréstimos e seu valor - Devedores e credores (1921)

421

Tabela 7.7 – Banco do Alentejo: número de acções e de accionistas (1907-1942)

434

Tabela 7.8 – Taxas municipais aplicadas sobre géneros pela Câmara Municipal de Évora e proposta do comércio

458

Tabela 7.9 – Caixa de Crédito Agrícola Eborense: empréstimos realizados e contraídos (1915-1922)

482

© Publicações do Cidehus, 2006

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search