Version classiqueVersion mobile

Elites e Indústria no Alentejo (1890-1960)

 | 
Paulo Eduardo Guimarães

Fontes e referências bibliográficas

Texte intégral

Arquivos. Fontes

ANTT – Arquivo Nacional da Torre do Tombo

ANTT/MI – 1931: Ministério do Interior, Gabinete do Ministro, 1931, Mç 451, cx. 4 (Comissões da União Nacional).

AIGM – Arquivo do Instituto Geológico e Mineiro

AIGM/PM – Processos de Minas relativos a São Domingos, Aljustrel, Caveira e Lousal.

MEPAT – Arquivo Histórico do Ministério das Obras Públicas

MEPAT/BE – Banco Eborense, balancetes mensais, 1875-1906.

MEPAT/II, 1890: Correspondência sobre o Inquérito Industrial de 1890.

ACME – Arquivo da Câmara Municipal de Évora

ACME/RE – Livros do recenseamento eleitoral (1890, 1911, 1914, 1919, 1926, 1930, 1939).

ACRP – Arquivo da Conservatória do Registo Comercial e Predial de Évora.

ACRP/E1 (1989-1926) - Livro E 1. Livro para as inscrições na secretaria do Tribunal Comercial do Distrito de Évora (1.Ago. 1889-20. Maio. 1926), 200 fls rubr.

ACRP/E2 (1926-1961) - Livro E 2. Livro para as inscrições na secretaria do Tribunal Comercial do Distrito de Évora (24.Maio.1926-26. Jan.1961), 200 fls rubr.

ACRP/C1 (1989-1960) - Livro C-1. Livro de matrícula das sociedades (12.Ago. 1889-13.Out.1960), 200 fls rubr.

ADB/GC – Arquivo Distrital de Beja / Governo Civil

ADB/GC/RE (1892) – Recenseamento geral dos cidadãos eleitores e elegíveis para deputados, cargos administrativos e maiores contribuintes, freguesias das Neves, Santa Maria, São João, São Salvador.

ADB/GC – Arquivo Distrital de Évora / Governo Civil

ADE/GC/RE (1901) – Lista dos eleitores inscritos..., freguesia N.a S.ra de Machede, São Mamede, São Pedro, Sé, V. Valongo, S. Miguel de Machede, S. V. Pigeiro, S. Manços, Santo Antão.

ADE/GC/RE (1904) – Cópia do recenseamento eleitoral... Évora.

ADE/RF – Arquivo Distrital de Évora / Repartição de Finanças (Évora)

ADE/RF/CP (1890) – Arquivo Distrital de Évora / Repartição de Finanças (Évora), Mapa da Repartição da Contribuição Predial.

ADE/RF/CI (1877) – Arquivo Distrital de Évora / Repartição de Finanças (Évora), Matriz da Contribuição Industrial.

ADE/ORF – Processos orfanológicos da comarca de Évora (1880-1930).

ADRME – Arquivo da Direcção Regional do Ministério da Economia

ADRME/RTN (1922-1966) – Livros de Registo do Trabalho Nacional: Estabelecimentos industriais (livros 1 a 14).

ADRME/CI – (1946-1967) – [Livros de registo de processos do] Condicionamento Industrial (3 livros).

ADRME/3 I.P.T. (1953-1970) – [Livros de Registo de processos] 3 I.P.T. (3 livros).

CGD/BNU – Arquivo da Caixa Geral de Depósitos

À data da consulta, o Arquivo Histórico do B.N.U. ainda funcionava na Rua Augusta e integrava o fundo do Banco Eborense. Este, apenas inventariado, era composto por alguns livros do seu arquivo primitivo. Referem-se apenas os livros consultados.

CGD/BNU/BE Banco Eborense

CGD/BNU/BE/AG – Livro das Actas da Assembleia Geral, 11-2-1854 a 18-1-1920, 100 fls.

CGD/BNU/BE/DCF – Livro de actas das sessões da Direcção e Conselho Fiscal do Banco Eborense, 1896-1919.

CGD/BNU/BE/DI, 1873-1910 – Diários. Livros n.° 1 a 30, de 3.11.1873 a 30.9.1910.

CGD/BNU/BE/RA, 1887-1911 – Razões. 9-19 de 1.9.1887 a 29.2.1911.

BPI / Centro de Documentação – Arquivo do Banco Português de Investimento

BPI/BA-Banco do Alentejo

BPI/BA/DI, 1875 – Livro das Actas da Comissão Instaladora do Banco do Alentejo, 1875.

BPI/BA/DI, 1943-1968 – Livro de actas da Direcção, s/ n.°, 1943-1968.

BPI/BA/AG, 1924-1974. – Livro de actas da Assembleia Geral, 1924-1974.

BPI/BA/CF, 1918-1975 – Livro de actas n.° 2 do Conselho Fiscal, 1918-1975.

BPI/BA/PO, 1879-1880. – Diário 3. Caixa Filial de Vila Nova de Portimão de 1879 a 1880.

BPI/BA/RE, 1906-1911. – Livro de Registo de escrituras do Banco do Alentejo, 23.Jun.1906 a 28.Jan.1911.

CO/BA – Companhias e bancos

CO – C.ias ou sociedades: Relatórios e Contas da Direcção, Estatutos e listas de accionistas.

CO/BA – BANCO DO ALENTEJO. Sociedade Anónima de Responsabilidade Limitada.

CO/BA/ES (1925) – Estatutos do Banco do Alentejo. – Évora.

CO/BA/ES (1968) – Estatutos do Banco do Alentejo, SARL. – Évora. – 13 p.

CO/BA/RC (1875-1975) – Relatórios e Contas da Direcção e Parecer do Conselho Fiscal. Lista de accionistas.

CO/BNA (1923) – BANCO NACIONAL AGRÍCOLA S.A.R.L. Relação dos senhores accionistas em 31 de Dezembro de 1922. – Lisboa: Pinheiro & Dias. – 25 p.

CO/BA/BE – BANCO EBORENSE.

CO/BA/BE/RC (1875-1919) – Relatórios e Contas da Direcção e Parecer do Conselho Fiscal. Lista de accionistas.

CO/PA – C.ia de Seguros “A Pátria” (1916-1950) – Relatório do Conselho de Administração. Relatório Técnico. Parecer do Conselho Fiscal. Lista de accionistas.

CO/CIE (1875) – COMPANHIA INDUSTRIAL EBORENSE – Estatutos da C.ia Industrial Eborense (Sociedade Anónima de Responsabilidade Limitada). – Lisboa: Tip. Universal, 1875

CO/CUF/RC (1898-1974) – C.U.E: C.ia União Fabril – Relatórios e contas.

CO/CMEE/RC (1931-1950) – COMPANHIA DE MOAGEM E ELECTRICIDADE, S.A.R.L., Relatório, Balanço e Contas do Conselho de Administração e Parecer do Conselho Fiscal.– Estremoz.

CO/CEEL/RC (1938) – COMPANHIA EBORENSE DE ELECTRICIDADE – Relatório da Gerência de 1937. – Lisboa: Soc. Tipográfica. – 6 p.

CO/CEMV/RC (1913; 1923-1965) – COMPANHIA ELVENSE DE MOAGENS A VAPOR – Relatórios e contas de gerência e parecer do conselho fiscal. – Eivas.

CO/HEAA/RC (1926-1954) – Hidroeléctrica Alto Alentejo.– Relatório e Contas da Direcção e Parecer do Concelho fiscal. – Lisboa.

CO/UFA/RC (1952-1965) – União Fabril do Azoto. Relatório do Conselho de Administração e Parecer do Conselho Fiscal. – Lisboa: CUF.

AS – Associações

AS/AIE/E-1911: Estatutos da Associação Industrial Eborense. – Évora: Minerva Comercial, 1911. – 15 pp.

IM – Imprensa. Publicações periódicas

IM/AA – Álbum Alentejano (1931).

IM/BDGSI – Boletim da Direcção Geral dos Serviços Industriais (Lisboa).

IM/BGA – Boletim do Grémio Alentejano (Lisboa).

IM/BM – Boletim de Minas (Lisboa), 1912-1955.

IM/BOE – Boletim da Ordem dos Engenheiros (Lisboa).

IM/BPI – Boletim da Propriedade Industrial (Apêndice ao Diário do Governo), (1891-1967).

IM/BTI – Boletim do Trabalho Industrial (Lisboa).

IM/DA – Diário do Alentejo (Évora).

IM/DG – Diário do Governo (Lisboa).

IM/IA – Ilustração Alentejana, 1925-1928.

IM/IP – Indústria Portuguesa. Revista da Associação Industrial Portuguesa.— Lisboa.

IM/LA – Almanaque Alentejano (1939).

IM/MM – The Mining Manual (Londres), 1889-1912.

IM/RC – Revista Comercial (Lisboa), 1902.

IM/TI – Técnica Industrial (Lisboa) 1915-1918.

Estatísticas. Inquéritos industriais. Relatórios.

Inquéritos Industriais

“Cadastro geral dos geradores e recipientes a vapor, inspeccionados pela aplicação do dec. de 30. Junho de 1884”, Boletim da Propriedade Industrial, 2.a série, 18.° ano (1901), Lisboa: Imprensa Nacional.

“Mapa dos geradores e recipientes de vapor experimentados no ano de 1903”, Boletim da Propriedade Industrial. Apêndice ao Diário do Governo, 1, 3.Jan.l905. (Relatório dos Serviços Técnicos da Industria, 3.a circunscrição industrial)

MONTEIRO, Adriano (1896) – “Cadastro Geral dos estabelecimentos industriais desta circunscrição... a 31.Dez.1896”, Boletim da Propriedade Industrial, 2.a série. – Apêndice ao Diário do Governo.

MONTEIRO, Adriano (1905) – “Cadastro Geral dos estabelecimentos industriais desta circunscrição”, Boletim da Propriedade Industrial, 2.a série, 18.° ano (Jan. a Dez. 1901).–Lisboa: Imprensa Nacional.

PORTUGAL. COMISSÃO CENTRAL DIRECTORA DO INQUÉRITO INDUSTRIAL REPARTIÇÃO DE ESTATÍSTICA (1881) – Documentos sobre o inquérito industrial de 1881. – Lisboa: Imprensa Nacional. – 32 p.

PORTUGAL. COMISSÃO CENTRAL DIRECTORA DO INQUÉRITO INDUSTRIAL (1882a) – Inquérito Industrial de 1881. – 3 volumes – Lisboa: Imprensa Nacional.

PORTUGAL. COMISSÃO CENTRAL DIRECTORA DO INQUÉRITO INDUSTRIAL (1882b) – “Relatório dos delegados da Comissão Central Directora do Inquérito Industrial nos distritos administrativos de Portalegre, Évora, Beja e Faro”, Inquérito Industrial de 1881. II parte. Inquérito Indirecto. Livro III. Visita às Fábricas. – Lisboa.

PORTUGAL. MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, COMÉRCIO E INDÚSTRIA. D1RECÇÃO GERAL DO COMÉRCIO E INDÚSTRIA (1891)
Inquérito Industrial de 1890. – Lisboa: Imprensa Nacional – 5 vols.

PORTUGAL. MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, COMÉRCIO E INDÚSTRIA. REPARTIÇÃO DO TRABALHO INDUSTRIAL. 3.a Circunscrição dos Serviços Técnicos da Indústria (1903) – “Relatório dos Serviços no ano de 1903”, apêndice ao Diário do Governo, 1, 3. Jan. 1905.

PORTUGAL. MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, COMÉRCIO E INDÚSTRIA. DIRECÇÃO GERAL DO COMÉRCIO E INDÚSTRIA (1905)
Estatística Industrial. 1.a série. Distritos de Évora, Beja e Faro. – Lisboa: Imprensa Nacional.

PORTUGAL. MINISTÉRIO DO TRABALHO. DIRECÇÃO GERAL DO TRABALHO. REPARTIÇÃO TÉCNICA DO TRABALHO – 2.a SECÇÃO (1926)
Estatística Industrial. Ano de 1917.– Lisboa, Imprensa Nacional.– (Boletim do Trabalho Industrial, 116)

PORTUGAL. MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, COMÉRCIO E INDÚSTRIA. DIRECÇÃO GERAL DO COMÉRCIO E INDÚSTRIA (1930)
– “Estatística dos alvarás de licença dos estabelecimentos industriais considerados insalubres, incómodos, perigosos ou tóxicos (Referida a 31 de Dezembro de 1929)”,
Boletim do Trabalho Industrial, 141, pp. 1-188.

PORTUGAL. MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, COMÉRCIO E INDÚSTRIA DIRECÇÃO GERAL DO COMÉRCIO E INDÚSTRIA (1931)
As Caldeiras que a indústria nacional utiliza (31.Dez. 1927).-Lisboa: Imprensa Nacional. Boletim do Trabalho Industrial, 140.

PORTUGAL. MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, COMÉRCIO E INDÚSTRIA DIRECÇÃO GERAL DO COMÉRCIO E INDÚSTRIA (1934).
Os motores que a Indústria Nacional Utiliza. Ano de 1927. – Lisboa: Imprensa Nacional. Boletim do Trabalho Industrial, 143.

PORTUGAL. MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, COMÉRCIO E INDÚSTRIA. DIRECÇÃO GERAL DO COMÉRCIO E INDÚSTRIA (1935)
“Registo do Trabalho Nacional. Estatística dos Estabelecimentos Industriais e pessoal empregado a 31 de Dezembro de 1931, Boletim do Trabalho Industrial, 150, Lisboa, Imprensa Nacional.

PORTUGAL. INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA (1957) – Inquérito Industrial – Lisboa.

SILVEIRA, J. H. Fradesso da (1864) – As Fábricas de Portugal. Lisboa.

Relatórios

APOLINÃRIO, Maximiano Gabriel 1930: “Relatório dos serviços da 3a circunscrição industrial no ano de 1926”, Boletim do Trabalho Industrial, 136.Coimbra: Imprensa da Universidade.Lisboa e margem sul, Leiria e Santarém]

FERREIRA, Luís Feliciano Marreca (1907) “A indústria das conservas na área desta circunscrição”, 3.° Circunscrição dos Serviços Técnicos da Indústria: Relatório Anual. 1905. Distritos de Leiria, Lisboa, Portalegre e Santarém, Lisboa, Imprensa Nacional, 77-199.

LEITÃO, João Maria (1861) “Relatório sobre a Mina de São Domingos”, Boletim do Ministério das Obras Públicas, Comércio e Indústria, XI, 398 e XII, 521.

MONIZ JÚNIOR, Manuel Jacinto Eloi 1926: “Relatório dos Serviços da 4.a Circunscrição Industrial”, Boletim do Trabalho Industrial, 128-129. Lisboa: Imprensa Nacional. [Distritos de Évora, Portalegre e Concelhos de Alcácer, Santiago e Sines].

PORTUGAL. MINISTÉRIO DO TRABALHO. DIRECÇÃO GERAL DO TRABALHO 1924: “Relatórios dos Serviços das Circunscrições Industriais no ano de 1921”, Boletim do Trabalho Industrial, 123. Lisboa: Imprensa Nacional.

QUINTAS JÚNIOR, João Simões 1926: ‘Relatório dos serviços da 5a circunscrição industrial, Boletim do Trabalho Industrial, 129. Lisboa: Imprensa Nacional. [Distritos de Beja e Faro].

SEQUEIRA, Pedro Victor da Costa Sequeira (1883) “Notícia sobre a mina de São Domingos”, Revista de Obras Públicas e Minas, tomo XIV, 163-164, Jul.-Ago., pp. 185-284 e 167-168, Nov.-Dez., pp. 377-409.

Legislação

BRITO, Elvino José de Sousa (1899) – Regimen dos Cereais. Proposta de lei apresentada à Câmara dos Senhores Deputados em 4 de Abril de 1899.– Lisboa: Imprensa Nacional.

CÓDIGO (1936) – Código Comercial Português. Edição actualizada e diplomas complementares. – 3.a ed. Lisboa: Empresa Nacional de Publicidade 376 p.

CRUZ, Justino (1956) – Condicionamento Industrial. – Braga: Livraria Cruz.

CRUZ, Justino (1960) – Legislação Industrial. – 3.a ed. Braga: Livraria Cruz. 642 p.

F.N.T.P.- Colectânea anotada da legislação concernente a trigo. – Lisboa: F.N.T.P., 1943.

PINTO, Joaquim Augusto (coord.) – Cortiças e Arvoredos. Descrição das leis de protecção dos arvoredos, resinagem, extracção, comércio e manifesto de cortiças, plantações de eucaliptos, etc. – Tomar: 1937.

PORTUGAL (1883) – Código da Contribuição Industrial Contendo a legislação promulgada até hoje sobre esta contribuição, acompanhada de todos os modelos e tabelas... – Porto: Liv. Archivo Jurídico. 237 p.

PORTUGAL. DIRECÇÃO GERAL DAS CONTRIBUIÇÕES DIRECTAS (1893), “Carta de lei dada em 21 de Julho de 1893”, Diário do Governo, 162, 22.Julho.1893, pp. 1.910-1.915

PORTUGAL. Ministério das Obras Públicas, Comércio e Indústria (1899) – Regimen dos Cereais Proposta de lei apresentada à Câmara dos Senhores Deputados em 4. de Abril de 1899.– Lisboa: 81 p.

PORTUGAL. MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, COMÉRCIO E INDÚSTRIA. DIRECÇÃO GERAL DO COMÉRCIO E INDÚSTRIA. (1932) – Condicionamento das Indústrias (Legislação Especial). – Lisboa: Imprensa Nacional. – Boletim do Trabalho Industrial, 156.

PORTUGAL. Federação Nacional dos Produtores de Trigo (1943) – Colectânea anotada da legislação concernente a trigo. – Lisboa: F.N.P.T.-385 p.

Estudos, obras de referência e outras fontes impressas

ABECASSIS, Duarte (1926) – Estudo Geral Económico e Técnico dos Portos do Algarve. – Porto: Junta Autónoma do Porto Comercial de V.R.S.A.

ABRAMOVITZ, Moses, ed. (1955) – Capital formation and economic growth. – Princeton.

ABREU, Armando Trigo (1969) – O crescimento regional em Portugal: análise da sua distribuição. – Lisboa: F. C. Gulbenkian; Centro de Estudos de Economia Agrária. 122 p.

ALMEIDA, Maria Antónia F. Pires de (1997) – Família e Poder no Alentejo: Elites de Avis, 1886-1941. – Lisboa: Colibri. 262 p.

ALMEIDA, Pinto de (1961) – A indústria portuguesa e o condicionalismo industrial. – Lisboa: Seara Nova.

ALVES, Ferro e SALREU, A. (1924) – A moagem. – Lisboa: Of. Gráficas d’O Debate’.

ALVES, Jorge Fernandes (1998), coord. – A Indústria Portuense em Perspectiva Histórica: Actas do Colóquio. – Porto: CLC FLUP. 477 p.

ALVES, Luís A. de Almeida (1954) “O problema actual dos adubos fosfatados”, Boletim da Ordem dos Engenheiros, III, 21 (62).

AMARAL, Isabel Maria da Silva Pereira (1993) – A Presença da C.ia União Fabril no contexto industrial português – de 1865 a 1977. – Lisboa: Universidade Nova//Faculdade de Ciências e Tecnologia provas de aptidão pedagógica.

AMARAL, J. M. Ferreira do (1966) – A Industrialização em Portugal. – Lisboa.

AMARAL, Luciano (1994): “Portugal e o Passado: política agrária, grupos de pressão e evolução da agricultura portuguesa durante o Estado Novo (1950-1973) ”, Análise Social, 128.

AMARAL, Luciano (1996): “Política e economia: o Estado Novo, os latifundiários alentejanos e os antecedentes da EPAC”, Análise Social, 136-137.

AMARAL, Monteiro do (1941) – O Alentejo na sua vida e na sua história. – s.l.264 p.

AMARO, António Manuel Antunes Rafael – Economia e Desenvolvimento da Beira Alta: Dos finais da Monarquia à II Guerra Mundial (1890-1939). – Coimbra: Universidade de Coimbra; Faculdade de Letras, 2003. 766 p.; dissertação de doutoramento em História Contemporânea.

AMBROSIUS, Gerold; HUBBARD, William H. (1992) – Historia social y económica de Europa en el siglo XX. – Madrid: Alianza Editorial. 394 p.

ANASTÁCIO, Jorge Esteves (2002) “The Banco Nacional Ultramarino as an Agent for the Government in the Colonies”, Tom de GRAAF, Joost JONKER e Jaap-Jan, European Banking Overseas, 19th-20th Century, Amesterdão, ABN AMRO Historical Archives, pp. 126-137.

ANDRADE, Anselmo de (1902) – Portugal económico. – Lisboa: Manuel Gomes. 489 p.

ANDRADE, Anselmo de (1925) – Política, Economia e Finanças. – Coimbra: Coimbra Editora, 151 p.

ANDRADE, Ruy D’ (1941) “A pecuária alentejana”, Monteiro do Amaral, O Alentejo na sua vida e na sua história, s.l., 133-215.

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE LISBOA (1890): A questão dos cereais. Representação... ao Ex.mo Ministro da Fazenda em 17.Out.1890.– Lisboa.

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUENSE (1910) – Situação da Indústria Nacional: Males e remédios. – Porto: Tip. Vapor da Empresa Guedes. 45 p. ; tese n.° 9 apresentada no Grande Congresso Nacional de Lisboa em 1910.

ASTON, T. S.; PHILPIN, C. H. E. (1985) – The Brenner Debate: Agrarian Class Structure and Economic Development in Pre-Industrial Europe – Cambridge: C.U.P.

BAIÔA, Manuel (1999): “Sociabilidade Política no final da I República em Évora. O Centro Republicano Nacionalista Eborense”, Maia, História Regional e Local: Actas do Congresso, Vol. III, Maia, Câmara Municipal da Maia, 85-101.

BAIÔA, Manuel (2000) – Elites Políticas em Évora da I República à Ditadura Militar (1925-26). – Lisboa: Cosmos. 242 p.

BAIÔA, Manuel; FERNANDES, Paulo Silva (2001) “Elites Agrárias e Acção Pública. O Alentejo entre 1800 e 1930”, Ler História, N.° 40, pp. 167-178.

BAIROCH, Paul (1982) “International Industrialization Levels from 1750 to 1980”, Journal of European Economic History, 11, 2, 269-333.

BALABANIAN, Olivier (1980) – Les exploitations et les problemes de l’agriculture en Estremadure Espaqnole et dans le Haute-Alentejo. Contribution a l’etude de campagnes mediteraneennes. – Braga: Ed. Autor. Resumo da sua tese Problemas Agrícolas e Reformas Agrárias no Alto Alentejo e na Estremadura Espanhola, Lisboa, 1984, 479 p.

BANCO TOTTA-ALLANÇA (1968) – O Banco Totta-Aliança. – Lisboa.

BAPTISTA, Fernando Oliveira (1993) – A política Agrária do Estado Novo. – Porto: Afrontamento. 414 p.

BAPTISTA, Fernando Oliveira (1995) “Agriculture, rural society and the land question in Portugal”, Sociologia Ruralis, XXXV, n.° 3/4, 309-321.

BAPTISTA, José Arthur (1908) – Breves considerações sobre a industria da moagem em Portugal. Dissertação inaugural apresentada ao Conselho Escolar do Instituto de Agronomia Veterinaria. – Lisboa: Ateliers Graphicos B. Nogueira, Sucessor.

BARBOSA, Daniel Maria Vieira (1952) – Realidades Económicas: Prelecções de Economia Aplicada. – Porto: Centro de Estudos Económicos. 329 p.

BAROSA, José Pedro (1996) “Os Burnay no vidro, ou um monopólio que não chegou a existir”, Análise Social, 136-137, pp. 487-525-

BARRETO, António; MÓNICA, Maria Filomena (1999-2001) coord. – Dicionário de História de Portugal (suplemento). Porto: Livraria Figueirinhas. vols. VII a IX.

BARRETO, Kalidás (1989) – Monografia do concelho de Castanheira de Pera. – Castanheira de Pera: Câmara Municipal. 402 p.

BARRETO, Kalidás (2000) “António Alves Bebiano. Visconde de Castanheira de Pera”, Linhas de Rumo da História Económica em Portugal. Comunicações, 2.° vol., Porto: XX, Encontro da Associação Portuguesa de História Económica e Social, 23-24. Novembro, sessão E2 mimeo.

BARROS, Henrique de; BASTO, E. A. Lima (1934) Dir. – Inquérito Económico-Agrícola. 1.° vol. Inquérito á freguesia de Cuba. – Lisboa: Universidade Técnica. 233 p.

BARROS, Henrique de; CASCAIS, Manuel (1956a) – A Cultura Arvense no Concelho de Serpa: Monografia Técnico-Económica. – Lisboa: F.N.P.T.-3 vols.

BARROS, Henrique de; CASCAIS, Manuel (1956b) – A cultura arvense no concelho de Beja: Monografia Técnico-Económica. – Lisboa: F.N.P.T.

BASTIAN, Jean (1983) – O Seguro de Crédito no Mundo Contemporâneo.– Lisboa: Cosec. 673 p. - trad. Maria do Rosário Torres. “Seguro de Créditos em Portugal”, apêndice à ed. portuguesa por Fernando Victória.

BASTO, E. A. Lima (1934) – Política Comercial Portuguesa. – Lisboa. 127 p.

BATEMAN, John (1983) – The Great Landowners of Great Britain and Ireland. – ed. David Spring (repr. 1971)

BAYLIS, D. J. [1998] – Growing up English: Memories of Portugal (1907-1930). – Lisboa: The British Historical Society of Portugal.

BECKETT, J. V. (1986) – The Aristocracy in England 1660-1914. – Oxford: Basil Blackwell. 495 p.

BENKO, Georges; LIPIETZ, Alain (1994) – As Regiões Ganhadoras Distritos e Redes: os novos paradigmas da geografia económica. – Lisboa: Celta.

BERNARDO, Hernâni Barros (1943) “O condicionamento comercial das cortiças”, Economia e Finanças: Anais do I.S. C.E.F., Lisboa: U.T.L., I.S.C.E.F., Vol. XI.

BERNARDO, Hernâni Barros (1946) “A indústria corticeira em Portugal”, Economia e Finanças: Anais do I.S.C.E.F. – Lisboa: U.T.L., I.S.C.E.F., Vol. XIV.

BERNARDO, Maria Ana (1996) “Espaços e práticas de sociabilidade: o associativismo no Alentejo durante o século XIX. Notas para o seu estudo, 2.° Encontro de História Regional e Local do Distrito de Portalegre: Actas, Lisboa, Associação de Professores de História.

BERNARDO, Maria Ana (1997) “Les elites agraires portugaises aux XIXe. siècle: entre groupes de pression et associations, Histoire, Economie et Société, 2.° trim., 16.° ano, 2, pp. 189-202.

BERNARDO, Maria Ana (2001) – Sociabilidade e Distinção em Évora no Século XIX. – Lisboa; Edições Cosmos.

BESSA, Daniel (1988) – O processo inflaccionário português 1945-1980. – Porto: Afrontamento. 722 p.

BORGES, J. Ferreira (1900) – A Silvicultura em Portugal. – Lisboa separata de Notas sobre Portugal I.

BORGES, J. Ferreira (1913) – Etat actuel de la sylviculture au Portugal. – Roma: Institute International d’Agriculture.

BOTTOMORE, T.B. (1993) – Elites and Society. – 2.a ed. Revista Londres e N. Iorque: Harmmondsworth, Routledge.

BOURDON, A. A.; BRANDÃO, F.; CUESTA, P.V.; et al. (1985) – Les Campagnes Portugaises de 1870 a 1930: images et realité Actes du colloque... Aix-en-Provence, 2-4 Decembre 1982 – Paris: F.C. Gulbenkian. 378 p.

BOURDON, Albert-Alain (1985) «L’Alentejo, espace mythique ou nouvelle frontiére?», Les Campagnes Portugaises de 1870 a 1930: images et realité, Paris, F. C. Gulbenkian.

BOUVIER, Jean (1972) «Rapports entre systémes bancaires et entreprises industrielles dans la croissance européenne au XIXe siècle», Pierre Léon et al. (dir.), L’industrialisation en Europe au XIXe siècle, Paris, 115-140.

BOUVIER, Jean (1981) “Relaciones entre sistemas bancarias y empresas industriais en el crecimiento europeo del siglo XIX”, KELLENBENZ, Hermann; GODECHOT, Jacques; MATHIAS, Peter; et al., La industrialización Europea: Estadios y tipos. – Barcelona: Crítica 319 p.

BRITO, Joaquim Pais de; BAPTISTA, Fernando Oliveira; PEREIRA, Benjamim (1996) coord. – O Voo do Arado.- Lisboa: Museu Nacional de Etnologia. 664 p.

BRITO, José Maria Brandão de (1985), “Corporativismo e Industrialização: elementos para o estudo do condicionamento industrial”, Ler História, 6, 51-60.

BRITO, José Maria Brandão de (1988), “Os Engenheiros e o Pensamento Económico do Estado Novo”, Contribuição para a História do Pensamento Económico em Portugal. – Lisboa: Dom Quixote.

BRITO, José Maria Brandão de (1989) – A Industrialização Portuguesa no pós-Guerra (1948-1965). O Condicionamento Industrial. – Lisboa: Dom Quixote.

BRITO, José Maria Brandão de (1993) “A «electrificação nacional» como base do desenvolvimento: Ezequiel de Campos e Ferreira Dias”, Actas do Encontro Ibérico sobre a História do Pensamento Económico. – Lisboa: CISEP, 1992.

BRITO, José Maria Brandão de; HEITOR, Manuel; ROLLO, Maria Fernanda (2002), coord. – Engenho e Obra: uma abordagem à história da Engenharia em Portugal no Século XX. – Lisboa: Instituto Superior Técnico; Dom Quixote. 317 p.; il.

BRITO, Manuel da Costa Zuzarte (2002) – Livro Genealógico das Famílias desta Cidade de Portalegre. – Lisboa: Ed. Autor.

BRUNEAU, Thomas C.; ROSA, Victor M. P. da; MACLEOD, Alex (1984) – Portugal in Development Emigration, Industrialization, the European Community. – Otava: University of Ottawa Press. 239 p.

BUSINO, Giovanni (1987) «La Theorie des Elites», Revue Européene des Sciences Sociales, Tomo XXV, 76.

CABEZAS AVILA, Eduardo (1999) – «Los de Siempre»: Poder, Família y Ciudad (Avila, 1876-1973). – Salamanca: Faculdad de Ciencias Sociales; Dep. Sociologia. Tese de doutoramento.

CABRAL, José Augusto C. Das Neves (coordenação); MONTEIRO, Severiano; BARATA, João Augusto (1889) – Exposição Nacional das Indústrias Fabris: Catálogo Descriptivo da Secção de Minas. Grupos I e II. – Lisboa; Imprensa Nacional. 496 p.

CABRAL, Manuel Villaverde (1979) – Portugal na Alvorada do Século XX. Forças Sociais – Poder Político e Crescimento Económico de 1890 a 1914. – Lisboa: A Regra do Jogo.

CABRAL, Manuel Villaverde (1974) – Materiais para a História da Questão Agrária em Portugal, séc. XIX e XX. Porto.

CABRAL, Manuel Villaverde (1977) – O Operariado nas Vésperas da República (1909-1910). – Lisboa: Presença, G.I.S.

CABREIRA, Tomás (1912) O problema financeiro e a sua solução. – Lisboa.

CAETANO, António Alves (2000) – A C.ia Fidelidade e os Seguros na Lisboa Oitocentista (1835-1907) I. Da Fundação à sede do Corpo Santo (1835-1863). – Lisboa: Ed. Autor.

CAETANO, Marcelo (1935) “A Codificação Administrativa em Portugal (Um Século de Experiência: 1836-1934) ”, Revista da Faculdade de Direito, Lisboa, II, pp. 324-405.

CAETANO, Marcelo (1938) – O Sistema Corporativo. – Lisboa.

CALDAS, Eugénio Castro; LOUREIRO, Manuel de Santos (1966) – Regiões Homogéneas no Continente Português. Primeiro Ensaio de Delimitação. – Lisboa: Fundação C. Gulbenkian. 208 p.

CALDAS, Eugénio de Castro (1957) – Industrialização e Agricultura. VII. A política agrária adoptada aos imperativos da Industrialização. Relatório apresentado ao II Congresso dos Economistas Portugueses. – Lisboa: INE.

CALDAS, Eugénio de Castro (1991) – A agricultura portuguesa através dos tempos. Lisboa: INIC. 641 p.

CALDAS, Eugênio de Castro; LOUREIRO, Manuel de Santos (1963) – Níveis de desenvolvimento agrícola no Continente Português. – Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian 383 p.

CALHEIROS, João (1934) “As cortiças em Portugal”, Congresso da União Nacional – Lisboa.

CÂMARA, João de Sousa da (1989) – História do Banco Pinto & Sotto Mayor: 1914-1989. Lisboa: B.P.S.M.

CAMERON, Rondo; CRISP, O.; PATRICK, H T.; TILLY, R. (1967) – Banking in the early stages of industrialization. – Nova Iorque.

CAMPOS, Ezequiel de (1913) – A Conservação da Riqueza Nacional: A Grei – Os Minerais – A terra – As Matas – Os Rios. – Porto: Ed. Autor.

CAMPOS, Ezequiel de (1918) – A Evolução e a Revolução Agrária. – Porto: “Renascença Portuguesa”. 99 p.

CAMPS, André – Posado, Presente y Futuro del Corcho y su Industria en Portugal y Espana. – Évora: 1880.

CANDELAS, Amável J. C. (1998) – Concentração Populacional nos Centros Urbanos da Região Alentejo. – Évora: Tese de Mestrado em Sociologia

CANNADINE, David (1980) – Lords and Landlords. The Aristocracy and the Towns, 1774-1967. – Leicester.

CARASA SOTO, Pedro, ed. (1994) – Elites: Prosopografίa Contemporánea. – Valladolid: Secretariado de Publicaciones, Universidad. 330 p.

CARDOSO, José Luís; BRITO, José Maria Brandão de; MENDES, Fernando Ribeiro; RODRIGUES, Maria de Lurdes (1999) – Empresários e Gestores na Indústria Portuguesa. – Lisboa: D. Quixote.

CARDOZA, Anthony L. (1982) – Agrarian Elites and Italian Fascism. The Province of Bologna, 1901-1926. – Princeton: Princeton University Press. 454 p.

CARDOZA, Anthony L. (1991) “Commercial agriculture and the crisis of landed power: Bologna, 1880-1930”, Ralph Gibson e Martin Blinkhorn (eds.), Landownership and Power in Modern Europe, Londres, Harper Collins, pp. 181-198

CARDOZA, Anthony L. (1997) – Aristocrats in Bourgeois Italy. The Piedmontese Nobility, 1861-1930. – Cambridge: Cambridge University Press. 240 p.

CARNEIRO, A. (1962) – Visão panorâmica económico-social da indústria nacional da cortiça. – Lisboa.

CARNEIRO, Henrique de Sá “Algumas considerações sobre a cultura cerealífera no último quarto de século”, Almanaque Alentejano, Lisboa, 1944, pp. 103-111.

CASSIS, Youssef, ed. (1992) – Finance and Financeers in European History, 1880-1960. – Cambridge: University Press.

CASSIS, Youssef; FELDMAN, Gerald D.; OLSSON, Ulf (1995), eds. – The Evolution of Financial Institutions and Market in Twentieth-century Europe. – Aldershot: Scolar Press. 337 p.

CASTRO, Armando (1945) – Alguns aspectos da agricultura nacional. – Coimbra. 185 p.

CASTRO, Armando (1973) – A Economia Portuguesa do Século XX (1900-1925). – Lisboa: Ed. 70. 290 p.

CASTRO, Armando NUNES, A. J. Avelãs et al. (1971) – Sobre o Capitalismo Português. – Coimbra: Atlântida.

CATITA, J. Sousa (1960) – Aspectos Económicos da Produção de Carne em Algumas Regiões Mediterrânicas. – Beja: Federação dos Grémios da Lavoura do Baixo Alentejo. 197 p.

CERUTTI, Mario (1992) – Burguesia, capitales e industria en el norte de México: Monterrey y su âmbito regional (1850-1910).- México: Alianza Editorial / Facultad de Filosofia y Letras de la Universidad Autónoma de Nuevo León. 381 p.

CERUTTI, Mario; VELLINGA, Menno (1989), comp. – Burguesias e Industria en America Latinay Europa Meridional. – Madrid: Alianza Editorial. 290 pp.

CHANDLER, Alfred D., Jr. (1996) – Escala y Diversificación: La dinâmica del capitalismo industrial. – Zaragoza: Prensas Universitarias. Tradução Jordi Pascual.

CHAVES, João Ubach (1957) – Indústria de Lanifícios. Relatório 2.1. II Congresso da Indústria Portuguesa. – Lisboa. 37 pp.

CHURCH, Roy (1980), ed. – The Dynamics of Victorian Business. Problems and perspectives to the 1870s. – Londres: George Allen & Unwin. 267 p.

COELHO, José Joaquim Pinto (1875) – Os bancos em Portugal em 1875. – Porto: Livraria Internacional.- 71 p.

CONFRARIA, João (1992) – Condicionamento Industrial: Uma Análise Económica. – Lisboa: DGI. 206 p.

CONFRARIA, João (1999) “Electrificação”, Dicionário de História de Portugal, 7, Lisboa, Figueirinhas, 605-607.

CONGRÈS de 1’Association française des Historiens Economistes, Mars 1980, (1983) – Entreprises et Entrepreneurs: XIX-XXème siècles. – Paris: Presses de 1’Université de Paris Sorbonne. 387 p. Civilisations, 7

CONGRESSO AGRÍCOLA, Segundo (1889) – Relatórios submetidos à discussão do Congresso pela Comissão Executiva. – Lisboa.

CONGRESSO das Associações Comerciais e Industriais de Portugal (1923) – Teses e Actas. – Lisboa.

CORDEIRO, José Manuel Lopes (1996) “Empresas e empresários portuenses na segunda metade do século XX”, Análise Social, XXXI (136-137), 2.°-3.°.

CORDEIRO, José Manuel Lopes (1999) – Exposição de Arqueologia Industrial: um século de indústria no Norte, 1834-1933. – Porto, A.I.P.

COSTA, Fernando da (1953) “Da indústria da moagem”, Boletim da Direcção Geral dos Serviços Industriais, ano V, 250-4, pp. 653-662; 669-676, 685-691, 701-705; 715-719.

COSTA, João Ferreira da (1935) “A cortiça em Portugal”, Economia e Finanças: Anais do I.S.C.E.E, Lisboa: U.T.L., I.S.C.E.F., Vol. III

COTTRELL, Philip L., ed. (1997), Rebuilding the Financial System in Central and Eastern Europe, 1918-1994, Aldershot, Scolar Press, pp. 91-114.

COTTRELL, Philip; REIS, Jaime (org.s); EUGENIA NÚÑEZ, Clara (1998), ed. – Finance and the making of the modern capitalist world, 1750-1931. – Sevilha: Fundación Fomento de la Historia Economica. 142 p. B9. Proceedings Twelfth International Economic History Congress.

CRUZ, João Perpétuo da (1926) “O problema do crédito industrial”, Revista de Obras Publicas e Minas, ano LVII, 638, 135-145.

CRUZ, Maria Alfreda (1973) – A Margem Sul do Estuário do Tejo: Factores e formas de organização do espaço. – Montijo: Ed. Autor. 412 p.

CRUZ, Maria Antonieta (1999) – Os burgueses do Porto na segunda metade do século XIX. – Porto: Fundação António de Almeida. 505 p.

CUSTÓDIO, Jorge (1996a) “Sistemas de lavra na mina de São Domingos (1854-1966) ”, Mineração no Baixo Alentejo. – Castro Verde: Câmara Municipal, pp. 174-184.

CUSTÓDIO, Jorge (1996b) “James Mason e a construção da imagem da mina de São Domingos”, Mineração no Baixo Alentejo. – Castro Verde: Câmara Municipal, 198-229.

CUTILEIRO, José (1977) – Ricos e Pobres no Alentejo: Uma Sociedade Rural Portuguesa (1971). Lisboa: Sá da Costa.

D’Albergo (1940) – Les banques italiennes. – Paris: Sirey.

DAUMARD, Adeline (1991) – Les Bourgeois et la Bourgeoisie en France depuis 1815. – Paris: Flammarion. 446 p.

DAUTON, M. J. (1989) “'Gentlemanly Capitalism’ and British Industry, 1820-1914”, Past & Present, 122 (Fev.), pp. 119-158.

DE ROSA, Luigi (1997) “The role of baking in Italy’s industrialization, nineteenth to twentieth century”, A. Teichova, G. K. Hentenryk e D. Ziegler, ed.s, Banking, Trade and Industry: Europe, America and Asia from the thirteenth to the twentieth century, Cambridge, University Press, pp. 50-68.

DEYON, Pierre; HIRSH, Jean-Pierre (1983) «Entreprise et Association dans 1’Arrondissement de Lille, 1830-1862», Entreprises et Entrepreneurs. XIX-XXe siècles, Paris, Press de l’Université de Paris Sorbonne, pp. 5-20.

DIAS JR., José do Nascimento Ferreira (1946) – Linha de Rumo: Notas de Economia Portuguesa. – 2.a edição. Lisboa: Livraria Clássica.

DIAS, Jaime Lopes (1946) – Cortiças da Beira Baixa. – Lisboa: Liv. Ferin.

DIAS, Jorge et al. (1959) – Sistemas primitivos de moagem em Portugal. Moinhos, azenhas e atafonas vol. I Moinhos de água e azenhas; vol. II: Moinhos de vento. – Porto: INIC/Centro de Estudos de Tecnologia Peninsular.

DINIS, Sofia Mascarenhas (2002) – Uma Sociedade Privada: Metalúrgica Alentejana. – Évora, 2002. (mimeo).

DINIZ, Augusto Alves (1923) “Crise cambial portuguesa”, Congresso das Associações Comerciais e Industriais de Portugal, Teses e Actas, Lisboa, pp. 13 a 48.

DIOGO, Helena I. B. Correia; e outros (1987) “Para o estudo da Nobreza Portuguesa Oitocentista Barões e Viscondes no Reinado de D. Maria”, Ler História, 10, 139-158.

EIGNER, Peter (1997) “Bank-Industry networks: the Austrian experience, 1895-1940”, Philip L. COTTRELL, ed., Rebuilding the Financial System in Central and Eastern Europe, 1918-1994, Aldershot, Scolar Press, pp. 91-114.

ESPADALÉ, Joseph; MARTI, Angela; SALVATELLA, Josep (2000) – Ricard Mur: Fotograf del suro – Palafrugell: Museu del Suro. 95 p.

FAUBEL, Arthur L. (1938) – Cork and the American cork industry. – Nova Iorque: Cork Institute of America.

FAUSTINO, Carla Sofia Ângelo (1996) – A Elite Política no Concelho de Arraiolos, (1890-1918) – Lisboa: Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa. Tese de mestrado em História Social Contemporânea.

FEINSTEIN, Charles H. (1995), ed. – Banking, Currency and Finance in Europe Between the Wars. – Oxford: Clarendon Press.

FERNANDES, Miguel E. O. (1897) – Subsídio para o estudo da Questão Agrícola. – Beja.

FERNANDES, Miguel E. O. (1899) – A cultura do trigo pelos adubos químicos no Baixo-Alentejo. Conferência realizada na Real Associação da Agricultura Portuguesa. – Lisboa: Tip. Universal. 64 p.

FERNANDES, Paulo Silva (1999) – Elites e Finanças Municipais em Montemor-oNovo do Antigo Regime à Regeneração (1816-1851). – Montemor-o-Novo: Câmara Municipal de Montemor-o-Novo.

FERNANDEZ CLEMENTE, Eloy (1996) – Portugal en los anos veinte: Los origenes del “Estado Novo”. – Valladolid: Universidade de Valladolid. 267 p.

FERRÃO, João (1987) – Indústria e valorização do Capital. – Lisboa: Centro de Estudos Geográficos. 387 p.

FERREIRA, Jaime Alberto do Couto (1988) “Subsídios para a história da moagem portuguesa: as origens da sociedade industrial Aliança”, Estudos e ensaios em homenagem a Vitorino Magalhães Godinho, Lisboa, Sá da Costa, 193-206.

FERREIRA, Jaime Alberto do Couto (1995) “Origem do proteccionismo da cerealicultura em Portugal”, Boletim de Ciências Económicas V., 38, p. 241-464.

FERREIRA, Jaime Alberto do Couto (1995) A dessacralização do Pão. Políticas de abastecimento no Antigo Regime: do Concelho ao Estado Iluminista. – Porto: Campo das Letras. 270 p.

FERREIRA, Jaime Alberto do Couto (1998) “Um século de moagem em Portugal, de 1821 a 1920: das fábricas às companhias e aos grupos da Portugal e Colónias e da Sociedade Industrial Aliança”, A Indústria Portuense em Perspectiva Histórica, Porto, CLC-FLUP, pp. 271-283.

FERREIRA, Jaime Alberto do Couto (1999) – Farinhas, Moinhos e Moagens. – Lisboa: Âncora. 267 p.

FILIPE, Alda Maria Martins Mourão – A Formação do Tecido Empresarial na Área Económica de Leiria (1836-1914). – Coimbra: Universidade de Coimbra; Faculdade de Letras, 2000. 493 p.; dissertação de Doutoramento em História.

FILIPE, Graça, dir. (2001) – Do Montado à Fábrica de Cortiça: fotografias de Júlio Pereira Dinis. – Seixal: Câmara Municipal. 67 p.

FLORESCANO, Enrique, Coord. (1985) – Origenes y desarrollo de la burguesia en América Latina, 1700-1955. – México: Nueva Imagen. 662 p.

FONSECA, Helder Adegar (1987) – Para o estudo dos investidores alentejanos: os lavradores da comarca de Évora no final do Antigo Regime. Alguns aspectos. – Coimbra: Faculdade de Letras. Separata da Revista Portuguesa de História, tomo XXII.

FONSECA, Helder Adegar (1988) “Sociedade e Elites Alentejanas no século XIX”, Economia e Sociologia, 45/6, Évora (63-105).

FONSECA, Helder Adegar (1995) “Economia y Actitudes Económicas en el Alentejo del Siglo XIX”, Noticiario de Historia Agraria. Revista Semestral del Seminario de Historia Agraria, III, 6, Murcia.

FONSECA, Helder Adegar (1996a) – O Alentejo no Século XIX. Economia e atitudes económicas no Alentejo Oitocentista. – Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda. 536 p.

FONSECA, Helder Adegar (1996b) “As elites económicas alentejanas: anatomia social e empresarial”, Análise Social, XXXI (136-137), 1996 (2.°-3.°), 711-748

FONSECA, Helder Adegar (1998) “Elites agrárias e crescimento económico na periferia portuguesa do século XIX: o exemplo do Alentejo na era liberal (1850-1910) ”, Análise Social, 146/147, XXXIII, 2.°-3.°, 497-538.

FONSECA, Helder Adegar (2002): “Agrarian Elites and Economic Growth in the Portuguese Periphery of the 19th Century: the Example of the Alentejo in the Liberal Era (1850-1910) ”, Social History.

FORSYTH, Douglas J.; VERDIER, Daniel (2002), ed. – The Origins of National Financial Systems: Alexander Gershenkron considered. – Londres e Nova Iorque: Routledge.

FRADERA, Josep M.; MILLÁN, Jesus (2000) eds. – Las burguesias europeas del siglo XIX: sociedade civil, política y cultura. – Madrid: Universitat de Valencia. – 398 p.

FRAILE BALBÍN, Pedro (1991) – Industrialización y grupos de pressión: La economia política de la protección en Espanha 1900-1950. – Madrid: Alianza Editorial. 232 p.

FRANÇA. Congrès de 1’Association française des Historiens Economistes, Mars 1980 (1983), Entreprises et Entrepreneurs: XIX-XXème siecles. – Paris: Presses de 1’Université de Paris Sorbonne. 387 p.

FRANCISCO FUENTES, Juan (1993) “Clase media y burguesia en la Espana liberal (1808-1874): ensayo de conceptualización”, Historia Social, 17, pp. 47-61.

FREIRE, João (1992) – Anarquistas e Operários. Ideologia, ofício e práticas sociais: o anarquismo e o operariado em Portugal, 1900-1940. – Porto: Afrontamento. 439 p.

FREIRE, João (1992) – Anarquistas e Operários. Ideologia, ofício e práticas sociais: o anarquismo e o operariado em Portugal, 1900-1940. – Porto Afrontamento. 439 p.

GALVAO, J. Mira (1931) “A cultura cerealífera no Baixo Alentejo”, Álbum Alentejano, 14-15

GALVÃO, João Alexandre Lopes (1928) – Indústrias hidro-eléctricas. Conferência realizada a 15 de Março de 1928 na Liga Naval. – Lisboa: Tipografia da “Illustração”.

GALVAO, José Martins de Mira (1932) “Inquilinato agrícola (Excertos dum inquérito)”, Boletim do Ministério da Agricultura I (III), 1-5 (Ag.-Dez.1932), p. 702 e ss.

GAMEIRO, Fernando (1993) “A alfabetização no Alentejo. Um estudo de caso”, Colóquio Educação e Sociedade, n.° 2, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.

GAMEIRO, Fernando et al. (2003) “O Liceu de Évora na formação das elites portuguesas. Percursos escolares e profissionais 1841-1960”, Actas do III Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação, Porto, SPCE.

GAMEIRO, Fernando Luís (1997) – Entre a Escola e a Lavoura: Ensino e Educação no Alentejo 1850-1910. – Lisboa: Instituto de Inovação Educacional/Ministério da Educação.

GARCÍA SANZ, Angel; GARRABOU, Ramon (1985) eds. – Historia agraria de la Espana contemporánea. – Barcelona: Crítica. 3 vols.

GARCIA, João Carlos (1988) “Portuguese copper and the sea trade in the Western Mediterranean from 1895 to 1909”, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, I, IV, 291-299.

GARCIA, João Carlos (1996) – A Navegação no Baixo Guadiana durante o Ciclo do Minério (1857-1917). – Porto: F.L.U.P. 1.200 p. Dissertação de doutoramento.

GARCIA, Joaquim Manuel dos Santos (1932) “Inquilinato Agrícola. Excertos dum inquérito...”, Boletim do Ministério da Agricultura, I (III série), 1-5, 1932, p. 645 e ss.

GARCIA, Santos [1931] “A Riqueza Agrícola do Distrito de Évora”, Álbum Alentejano, Lisboa: 225-232.

GARCIA, Santos (1935) – Latifúndio Alentejano. – Évora: Minerva Comercial.

GARCIA, Santos (1936) – Estado da Economia Agrícola da região de Évora: Causas e efeitos. – Évora, Minerva Comercial. sep. do Relatório da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Eborense relativo a 1935).

GARRABOU, Ramón (1982) – Enginyers industriais, modernització económica y burguesia a Catalunya (1850-inics del segle XX). – Barcelona: L’Avenc.

GASPAR, Jorge (1972) – A área de influência de Évora. Sistema de funções e lugares centrais. – Lisboa: Centro de Estudos Geográficos. 414 p.

GAUSLANDER, Olle (1962) – History of Scockholms Enskilda Bank to 1914. – Estocolmo. 643 p.

GERSCHENKRON, Alexander (1962) “Social Altitudes, Entrepreneurship, and Economic Development”, Economic Backwardness in Historical Perspective. A Book of Essays. – Cambridge: Belknap Press, pp. 52-71.

GIBSON, Ralph; BLINKHORN, Martin (1991), eds. – Landownership and Power in Modern Europe. – Londres: HarperCollins Academic. 253 p.

GIL, Luís (1996) – Cortiça: Produção, Tecnologia e Aplicação. – Lisboa: INET. 384 p.

GONÇALVES, Fausto (1964) – A Vida e a Obra de José Custódio Nunes: O Homem da Hidroeléctrica Alto Alentejo. – Lisboa: Liv. Portugal. 52 p.

GRAAF, Tom de; JONKER, Joost; MOBRON, Jaap-Jan (2002) – European Banking Overseas, 19th-20th Century. – Amesterdão: ABN AMRO Historical Archives.

GRAÇA, Laura Larcher (1999) – Propriedade e agricultura: evolução do sistema dominante de sindicalismo agrário em Portugal. – Lisboa: Conselho Económico e Social.

GRAÇA, Quartin (1954) “Evolução do Consumo dos Fertilizantes”, Boletim da Ordem dos Engenheiros, III, 20, Lisboa, (61).

GUERREIRO, Maria das Dores (1996) – Famílias na actividade empresarial: PME em Portugal. – Oeiras: Celta. 278 p.

GUIMARÃES, Paulo Eduardo (1989) – Indústria, Mineiros e Sindicatos: Universos operários do Baixo Alentejo: dos finais do século XIX à primeira metade do século XX. – Lisboa: Instituto de Ciências Sociais.113 p.

GUIMARÃES, Paulo Eduardo (1995) “A intervenção do Estado Novo na indústria mineira: a criação do Serviço de Fomento Mineiro”, Boletim de Minas, 32, 3, Lisboa, pp. 203-217.

GUIMARÃES, Paulo Eduardo (1996) – “O Alentejo e o Desenvolvimento Mineiro durante a Regeneração”, Mineração no Baixo Alentejo, Castro Verde, Câmara Municipal, pp. 114-129.

GUIMARÃES, Paulo Eduardo (1999a) - The Alentejo Agrarian Elite and the Protectionist Cereal Laws at the End of the 19th Century. – Évora. Texto apresentado no seminário da rede ESTER 1999.2 The History of European Elite Groups.

GUIMARÃES, Paulo Eduardo (1999b) “Minas e mineiros”, Dicionário de História de Portugal (suplemento). – Porto: Figueirinhas.

GUIMARÃES, Paulo Eduardo (1999c) “As minas portuguesas do Antigo Regime ao Liberalismo”, Arqueologia & Indústria, 2/3, pp. 53-80

GUIMARÃES, Paulo Eduardo (2000) “Siderurgia Nacional”, Dicionário de História de Portugal (suplemento). – Porto: Figueirinhas.

GUIMARÃES, Paulo Eduardo (2001) – Indústria e conflito no meio rural: os mineiros alentejanos (1858-1938). – Lisboa: Colibri.

HANSON, Per H. (1995) “Banking Crises and Lenders of Last Resort: Denmark in the 1920s and the 1990s”, Youssef CASSIS, Gerald D. FELDMAN e Ulf OLSSON, eds., The Evolution of Financial Institutions and Market in Twentieth-century Europe, Aldershot, Scolar Press, pp. 20-46.

HAU, Michel (1998) – De-industrialisation in Europe, 19th-20th centuries. – Sevilla: Fundación Fomento de la Historia Económica. 211 p.

HENTENRYK, G. Kurgan-van (1995) “Comercial Banks in Belgium, 1935-1990”, Youssef CASSIS, Gerald D. FELDMAN e Ulf OLSSON, ed.s, The Evolution ofi Financial Institutions and Market in Twentieth-century Europe, Aldershot, Scolar Press.

HERNÁNDEZ ANDREU, Juan; GARCÍA RUIZ, José Luis (1994), compiladores – Lecturas de Historia Empresarial. – Madrid: Editorial Civitas. 498 p.

HESS, Christel (2003) “La empresa Grunzweig + Hartmann: da la transformación del corcho a la producción de la fibra mineral una empresa y sus materiales de trabajo”, Cortiça, Património industrial e Museologia, Seixal, C.M.S. ed. em CD-ROM.

HONRADO, Fernando – José Anastácio Honrado (1901-1961): um industrial e uma indústria em Lisboa. – Lisboa: Câmara Municipal. 127 p.

JONES, E. L. (1987) The European Miracle Environments, economies and geo-politics in the history of Europe and Asia. 2a ed. Cambridge: Cambridge University Press. 274 p.

JULLLARD, Jacques (1997) – La faute aux élites. – Paris: Gallimard. 238 p.

JUSTINO, David (1988 e 1989) A formação do espaço económico nacional. Portugal 1810-1913, Lisboa, Vega. 2 vols.

KELLENBENZ, Hermann; GODECHOT, Jacques; MATHIAS, Peter; et al. (1981) – La industrialización Europea: Estadios y tipos. – Barcelona: Crítica. 319 p.

KEMP, Tom (1987) – A Revolução Industrial na Europa do Século XIX. – Lisboa: Ed. 70. 241 p.

KINDLEBERGER, Charles P. (1984) – A Financial History of Western Europe. – 2.a ed. Oxford: University Press. 524 p.

KINDLEBERGER, Charles P. (1993) “Banca e indústria entre las dos guerras: una comparación internacional“, Problemas históricos e interpretaciones económicas: Estudios de historia fmanciera. – Barcelona: Crítica. 329 p.

KNUTSEN, Sverre (1995), “Phases in the Development of the Norwegian Banking System, 1880-1890”, Youssef CASSIS, Gerald D. FELDMAN e Ulf OLSSON, eds., The Evolution of Financial Institutions and Market in Twentieth-century Europe, Aldershot, Scolar Press, pp. 78-121.

KOCKA, Jurgen (1996) – Les bourgeoisies européennes au XIXe siècle. – s. 1.: Belin.- 411 p. Textos traduzidos do alemão e do inglês.

KOZUB, Jacques (1978) dir. – Portugal. Agricultural Sector Survey. – Washington: The World Bank. Relatório do BIRD (International Bank for Reconstruction and Development).

LAINS, Pedro (1995) – A Economia Portuguesa no Século XIX: Crescimento económico e comércio externo 1851-1913. – Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda. LAINS, Pedro (2002) – História da Caixa Geral de Depósitos, 1876-1910: Política e Finanças no Liberalismo Português. – Lisboa: ICS. 340 p.

LAMOREAUX, Naomi R. Insider (1994) – Lending Banks, Personal Connections, and Economic Development in Industrial New England. – Cambridge: University Press. 170 p.

LANDES, David (1999) – The Wealth and Poverty of Nations: Why Some Are So Rich and Some So Poor. – Londres: Abacus. 650 p.

LANNON, Frances; PRESTON, Paul (1990), eds. – Elites and Power in Twentieth-Century Spain: Essays in Honour of Sir Raymond Car. – Oxford: Clarendon Press.

LASCOUMES, Pierre (1997) – Élites irrégulières: Essai sur la délinquance d’affaires. – Paris: Gallimard. 301 p.

LEITE (LUMBRALES), João Pinto da Costa (1926) – Organização bancária portuguesa. – Coimbra: Coimbra Editora, 1926.

LEONARDI, Robert; NANETTI, Raffaella Y. (1998), ed. – Regional Development in a Modern European Economy: The Case of Tuscany.-2.a ed. Londres: Pinter. 270 p.

LÉVÊQUE, Pierre (1991) “Large landed property and its influence in nineteenth-century Burgundy”, GIBSON, Ralph; MARTIN BLINKHORN (eds.), Landownership and Power in Modern Europe, Londres, HarperCollins, pp. 53-78

LEVY-LEBOYER, Maurice (1979) – Le Patronat de la Seconde Industrialisation. – Paris: Les Éditions Ouvrières. 320 p. Caderno do «Mouvement Social», n.° 4

LIEVEN, Dominic (1992) – The Aristocracy in Europe, 1815-1914. – Londres: MacMillan. 283 p.

LIMA, Maria Antónia Pedroso (2003a) "Relações familiares na elite empresarial de Lisboa", António Costa Pinto e André Freire (org.), Elites, Sociedade e Mudança Política, Lisboa, Celta, pp. 151-179.

LIMA, Maria Antónia Pedroso (2003b) – Grandes Famílias, Grandes Empresas: Ensaio antropológico sobre uma elite de Lisboa. – Lisboa: Dom Quixote. 342 p.

LISBOA, Manuel (2002) – A indústria portuguesa e os seus dirigentes: Crescimento na segunda metade do século XX e potencial de inovação das funções capitalista, empresarial e de gestão. – Lisboa: Educa. 617 p.

LOIO, Duarte Sampaio (1996) “C.ia Portuguesa de Fornos Eléctricos: subsídios para a sua história 1917-1967”, Análise Social, 136-137, Lisboa, pp. 545-577.

LOUREIRO, Fernando Pinto (1961) – A indústria da moagem ao serviço da Nação. Esboço histórico-económico. – Lisboa.

LOUREIRO, João Adolfo (1991) – Economia e Sociedade: A indústria no após-guerra. Anos 50 e 60. – Lisboa: Cosmos.

LOURENÇO, Nelson (1991) – Família Rural e Indústria: Mudança Social na Região de Leiria. – Lisboa: fragmentos. 356 p.

LUCENA, Manuel (1976) – A Evolução do Sistema Corporativo Português. – Lisboa: Perspectivas e Realidades. 2 vols.

LUCENA, Manuel (1978) “Sobre a evolução dos organismos de coordenação económica ligados à lavoura”, Análise Social, XIV (56), 817-862.

LUCENA, Manuel de; AMARAL, Luciano (2001) “Política e Economia: o Estado Novo, os Latifundiários Alentejanos e a Criação da Epac”, Instrumentos de Pesquisa para a História dos Organismos Responsáveis pela Política Cerealífera em Portugal no Século XX, Lisboa, pp. VII-XLIX.

LUEBBERT, Gregory M. (1997) – Liberalismo, Fascismo o Socialdemocracia: Clases sociales y orígenes políticos de los regímenes de la Europa de entreguerras. – Saragoça: Prensas Universitarias de Zaragoza. 611 p. tradução da 1.a edição inglesa de 1991.

LUNDBERG, Ferdinand (1968) – The Rich & The Super Rich: A study in Power of Money Today. – Nova Iorque: Lyle Stuart.

MACHADO, Alberto de Sousa; TEIXEIRA, João Carlos Reynolds de Sousa (1975) – Os Reynolds em Portugal. – S.l. 139 p. Mimeo

MADDISON, Angus (1991) – Historia del desarollo capitalista. Sus fuerzas dinámicas. Una visión comparada a largo plazo. – Barcelona: Ariel SA. 219 p.

MADDISON, Angus (1991) – Historia del Desarrollo Capitalista. Sus Fuerzas Dinámicas: Una visión comparada a largo plazo. Barcelona: Editorial Ariel SA. 216 p.

MADUREIRA, Nuno Luís (1994) “Crédito e mercados financeiros em Lisboa”, Ler História, 26, pp. 21-44.

MADUREIRA, Nuno Luís (1998) “O Estado, o patronato e a indústria portuguesa (1922-1957) ”, Análise Social, XXXIII (148), 4.°, 777-822.

MADUREIRA, Nuno Luís (2002) – A Economia dos Interesses: Portugal entre as Guerras. – Lisboa: Livros Horizonte. 132 p.

MAGALHÃES, Joaquim Romero (1999) – Tranquilidade: História duma C.ia de Seguros. – Lisboa.

MAKLER, Harry Mark (1969) – A “Elite” Industrial Portuguesa. – Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

MALEFAKIS, Edward (1991) – Southern Europe in the 19th & 20th Centuries: an historical overview.— Madrid: Instituto Juan Narch.

MANIQUE, António Pedro (1989) – Mouzinho da Silveira. Liberalismo e Administração Pública. – Lisboa: Livros Horizonte.

MARIANO, Mário (1993) – História da Electricidade. – Lisboa.

MARQUES, A. H. de Oliveira (1977) – Para a História dos Seguros em Portugal (Notas e Documentos). – Lisboa: Arcádia.

MARQUES, A.H. de Oliveira (1981) – Guia de História da 1.a República Portuguesa. – Lisboa: Estampa.

MARQUES, A. H. de Oliveira [et. al.] (1989) – C.ia Geral de Crédito Predial Português: 125 anos de história. – Lisboa: C.ia Geral de Crédito Predial Português.

MARQUES, A. H. Oliveira (coord.) – Nova História de Portugal: IX. Portugal. Da Monarquia à República. – Lisboa: Presença, 1991.

MARQUES, Alfredo (1988) – Política Económica e Desenvolvimento em Portugal (1926-1959): as duas estratégias do Estado Novo no período de isolamento nacional. – Lisboa: Livros Horizonte.

MARQUES, Paula (1996) – As Sociedades Recreativas Bejenses de Meados do Século XIX à Primeira República: Elites e Vida Associativa. – Évora: Universidade de Évora. Tese de Mestrado.

MARTINS, Conceição Andrade (1992) ‘Opções económicas e influência política de uma família burguesa oitocentista: o caso de São Romão e José Maria dos Santos’, Análise Social, 116-117.

MARTINS, Conceição Andrade (1996) ‘A intervenção política dos vinhateiros no século XIX’, Análise Social, 136-137

MARTINS, Joaquim Pedro de Oliveira (1957) – O Repórter [1888]. – Lisboa: Guimarães & C.ia Editores. 2 vols.

MARTINS, Joaquim Pedro de Oliveira (1994) – Fomento Rural e Emigração (1887). – 3.a ed. Lisboa: Guimarães. 233 p.

MARTINS, Joaquim Pedro de Oliveira; SÉRGIO, António, pref. (1974) – Teoria do Socialismo: Evolução Política e Económica das Sociedades na Europa. – Lisboa: Guimarães Editores. 324 p.

MARTINS, Joaquim Pedro de Oliveira; SÉRGIO, António, pref. (1990) – Portugal e o Socialismo (1873). – 3.a ed. Lisboa: Guimarães Editores. 261 p.

MARTINS, Maria Belmira Martins (1973) – Sociedades e grupos em Portugal. – Lisboa: Estampa.

MARVAUD, Angel (1912) – Le Portugal et ses colonies: Étude politique et économique. – Paris: Félix Alcan.

MATA, Maria Eugenia (1993) – As Finanças Pública portuguesas da Regeneração à Primeira Guerra Mundial. – Lisboa: Banco de Portugal, 276 p.

MATA, Maria Eugenia; VALÉRIO, Nuno (1994) – História Económica de Portugal: Uma perspectiva global. – Lisboa: Presença. 322 p.

MATHIAS, Peter (1969) – A Primeira Nação Industrial. Uma história económica da Inglaterra, 1700-1914. – Lisboa: Assírio & Alvim. 383 p.

MATOS, A. Pereira de (1901) “O problema da marinha mercante nas suas relações com o da agricultura nacional”, Boletim da Real Associação Central da Agricultura Portuguesa, III, Lisboa, p. 215 e ss.

MATOS, Ana Cardoso; MARTINS, Conceição Andrade; BETTENCOURT, Lurdes, coord.; REIS, Jaime Brown, pref. (1982) – Senhores da Terra. Diário de um Agricultor Alentejano (1832-1889). Lisboa: Imprensa Nacional.

MATOS, Ana Maria Cardoso (1991) “A indústria no distrito de Évora, 1836-1890», Análise Social, XXVI (112-113), (3°-4°), 561-581.

MATOS, Ana Maria Cardoso (1997) – Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Industrial no Portugal Oitocentista: 0 caso dos Lanifícios do Alentejo. – Évora: Universidade de Évora. Tese de doutoramento.

MATOS, Ana Maria Cardoso de (1990) “A Real Fábrica de Lanifícios de Portalegre 1772-1788”, Actas do I Encontro Nacional sobre o Património Industrial, 2. Coimbra: Coimbra Editora, 659-679.

MATOS, Ana Maria Cardoso (2001) – Aspectos técnicos, empresariais e sociais do abastecimento de gás e electricidade à cidade de Évora (1890-1942). – Évora. 24 p. ; texto da comunicação apresentada no Colóquio “O Século XX em Évora” em 2001 (no prelo).

MATOS, Sérgio Campos de (2002), coord. – Crises em Portugal nos Séculos XIX e XX. Actas do Seminário Organizado pelo Centro de História da Universidade de Lisboa. – Lisboa: Centro de História da U.L. 270 p.

MAYER, Arno (1983) – La Persistance de l’Ancién Régime L’Europe de 1848 à la Grande Guerre. – Paris: Flammarion. 316 p. Trad. do inglês J. Mandelbaum.

MAYER, Rui Ferro (1912) – A comercialização da agricultura. Aspectos do problema em Portugal. – Lisboa: Livraria Clássica Editora da A.M. Teixeira e C.a.99 p.

MCCLOSKEY, Donald N., SANDEBERG, Lars G. (1981) “From Damnation to Redemption: Judgments on the Late Victorian Entrepreneur”, Enterprise and Trade in Victorian Britain, Londres, George Allen & Unwin.

MCCRAW, Thomas K. (1997), ed. – Creating Modern Capitalism. How Entreperneurs, Companies, and Countries Triumphed in Three Industrial Revolutions. – Cambridge: Havard University Press. 692 p.

McDONOGH, Gary Wray (1989) – Las Buenas Familias de Barcelona: Historia social de poder en la era industrial. – Barcelona: Ediciones Omega. 333 p.; trad. da edição inglesa (1986).

MEDEIROS, Fernando (1978) – A Sociedade e a Economia Portuguesas nas Origens do Salazarismo. – Lisboa: A Regra do Jogo.

MELLO, José Maria Campos; CASTRO, Dom Luís, pref. (1907) – Lãs e lanifícios. – Coimbra: França Amado. 421 p.

MENDES, Américo Carvalho – La forêt médirranéenne et la trajectoire de la politique forestière portugaise au Portugal. – Lisboa: 2000. mimeo.

MENDES, José Maria Amado (1984) – A área económica de Coimbra. Estrutura e Desenvolvimento Industrial. – Coimbra: Comissão de Coordenação da Região Centro. 562 p.

MENDES, José Maria Amado (1990) “Bloqueio e Inovação no tecido industrial português em finais do século XIX Achegas para o seu estudo”, Revista de História, Porto, Vol. X, pp. 193-201.

MENDES, José Maria Amado (1993a) – A História como Ciência: Fontes, Metodologia e Teorização. – 3a ed. Coimbra: Coimbra Ed. 220 p.

MENDES, José Maria Amado (1993b) “Etapas e limites da industrialização”, História de Portugal: 5.° vol. O Liberalismo (1807-1890), Lisboa, Círculo dos Leitores, pp. 355-367.

MENDES, José Maria Amado (1994) – A História Económica e Social nos Últimos Vinte Anos: Principais Tendências e Metodologias. – Coimbra. Separata da “Revista Portuguesa de História (Tomo XXIX).

MICHOTTE, F. (1923) – Manuel de l’industrie du Liège.– Paris: Liv. Ballière et fil.

MILLS, Wright C. (1957) – La Élite del Poder. – México: Fondo de Cultura Económica. 378 p. Tradução castelhana de The Power Elite (Oxford, 1956).

MILWARD, Alan S. SAUL, S. B. (1977) – The Development of the Economies of Continental Europe (1850-1914). – Cambridge: Massachusetts Harvard University Press. 555 p.

MIRANDA, Sacuntala de (1987) “Crise económica, industrialização e autarcia na década de 30”, O Estado Novo: das Origens ao fim da autarcia, 1926-1959, vol. I, Lisboa, Fragmentos, pp. 249-257.

MIRANDA, Sacuntala de (1991) – Portugal: O círculo vicioso da dependência (1890-1939). – Lisboa: Teorema. 238 p.

MOKYR, JOEL (1990) – The Lever of Riches. Technological Creativity and Economic Progress. – Oxford: Oxford University Press. 349 p.

MONSARAZ, Conde de; SARDINHA, António, pref. (1954) – Musa Alentejana. Lira de Outono. – Lisboa: Livraria Férin. 240 p.

MONTEIRO, Angelo (1963) – Lanifícios de Portalegre. Do Passado ao Presente. – Portalegre.

MONTEPIO OPERÁRIO ARTÍSTICO PORTALEGRENSE (1894) “Catálogo e relatórios da exposição industrial, agrícola e de belas artes do distrito de Portalegre, promovida pela direcção do montepio operário artístico portalegrense em 1892”, Boletim da Propriedade Industrial. Apêndice ao Diário do Governo, 5, 6 de Abril de 1894.

MOORE JR., BARRINGTON (1975) – As Origens Sociais da Ditadura e da Democracia: Senhores e Camponeses na Construção do Mundo Moderno (1967). – Lisboa: Cosmos. 632 p.

MORAIS, Paulo de (1889) – Inquérito Agrícola. Estudo Geral da Economia da 7.a Região Agronómica. – Lisboa: Imprensa Nacional.

MOREIRA, Vergílio (1963) “Reformas Tributárias. Os Códigos da Contribuição Industrial e da Contribuição Predial e do Imposto sobre Indústria Agrícola.”, Revista de Economia, XV, FASC. IV, Dez.

MORENO LAZARO, Javier (1994) “Actividad económica y fe pública: los protocolos notariales como fuente de estudio del patriciado urbano en la Castilla de la Restauración”, P. Carasa Soto (ed.), Elites. Prosopografía contemporánea, Valladolid, Secretariado de Publicaciones, Universidad, parte I, cap. 4.

MORENO LÁZARO, Javier (1998), “Las transformaciones tecnologicas de la industria harinera española, 1880-1913”, em Santiago Lopez García y Jesús Maria Valdaliso (eds.), Que inventen ellos? Tecnologia, empresa y cambio económico en la Espana contemporánea, Madrid, Alianza Universitaria, 1998, pp. 213-248,

MOSS, M.; Slaven, A. (1998), org. – Entrepreneurial networks and busines culture. – Sevilla: Fundación Fomento de la Historia Económica. – 178 p.

MOURA, Francisco Pereira de (1956) – Estagnação ou crescimento da economia portuguesa? – Lisboa.

NADAL, Jordi (1975) – El fracaso de la Revolución industrial en Espana, 1814-1913. – Barcelona: Editorial Ariel SA. – 314 p.

NADAL, Jordi (1992) – Moler, tejer y fundir: estudios de historia industrial. – Barcelona: Editorial Ariel SA. – 334 p.

NADAL, Jordi; CARRERAS, Albert (1990) – Pautas Regionales de la Industrialización Espanola (siglos XIX y XX). – Barcelona: Ariel. – 419 p.

NADAL, Jordi; CARRERAS, Albert; SUDRIÁ, Carles (1994) – La economia espanholas en el siglo XX: una perspectiva histórica. – 5.a ed. – Barcelona: Editorial Ariel SA. – 379 p.

NATIVIDADE, J. Vieira (1950) – Subericultura. Lisboa: Ministério da Economia.

NEVES, Pedro (1995) – A agricultura portuguesa no período entre as guerras. Uma avaliação quantitativa. – Lisboa: Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica. – Dissertação de mestrado (mimeo).

NUNES, A. Sedas (1964) – “Portugal, sociedade dualista em evolução”, Análise Social, II, 7-8, pp. 407-461.

NUNES, A. Sedas; e outros (1964) – “Aspectos Sociais do Desenvolvimento Económico em Portugal”, Análise Social, II, 7-8 (2o semestre). – Lisboa; G.I.S.

NUNES, Ana Bela (1989) – População Activa e Actividade Económica em Portugal dos finais do Século XIX à actualidade: Uma contribuição para o estudo do crescimento económico português. – Lisboa. – Dissetação de doutoramento (mimeo).

NUNES, Ana Bela (1996) – Control and Regulation in the Portuguese Economy (1945-1973), Lisboa; I.S.E.G. – Working Paper 2.

NUNES, João Paulo Avelãs (1994) – «Inventores, Registos de Patentes e de Marcas e Arqueologia Industrial. Um exemplo concreto», Revista Portuguesa de História, XXIX, Coimbra, p. 181 e ss.

NÚÑEZ, Clara E.; TORTELLA, Gabriel (1993), eds. – La maldición divina: Ignorancia y atraso económico en perspectiva histórica. – Madrid; Alianza Editorial.

O’BRIEN, Patrick K.; QUINAULT, Roland (1993), eds. – The Industrial Revolution and British society. – Cambridge: University Press. – 287 p.

OLIVEIRA, Ernesto Veiga de; GALHANO, Fernando; PEREIRA, Benjamim (1983) – Alfaia Agrícola Portuguesa. – 2.a edição. – Lisboa: I.N.I.C./Centro de Estudos de Etnologia.

OLIVEIRA, Joaquim Morais (1998) – “A fábrica de lanifícios de Lordelo”, A Indústria Portuense em Perspectiva Histórica, Porto, CLC-FLUP, pp. 81-94.

PAIS, José Machado; et al. (1978) – «Elementos para a histótia do fascismo nos campos: a “Campanha do Trigo”, 1928-38», Análise Social, XIV (54), – 2.°.

PAIXÃO, Braga (1964) narração histórica e coord. de docs. – Cem anos do Banco Nacional Ultramarino na vida portuguesa, 1864-1964. Lisboa: Banco Nacional Ultramarino, 3 vols.

PARETO, Vilfredo (1968) – The Rise and Fall of Elites. An Application of Theoretical Sociology (1901). – Tottowa: Bedminster Press. – 120 p. (introd. Hans L. ZETTERBERG).

PARREIRA, José Joaquim A. (1998) – “A industrialização da cortiça no Norte de Portugal: o caso das Fábricas Menéres”, A indústria portuense em perspectiva histórica, Porto, CLC-FLUP, pp. 173-181.

Parsons, J.J. (1962) – “The cork oak forests and the evolution of the cork industry in Southern Spain and Portugal”, Economic Geography, 38 (July), 195-214.

PAXTON, Robert O. (1997) – French Peasant Fascism Henry Dorgère’s Greenshirts and the Crises of French Agriculture, 1929-1939. – Oxford: Oxford University Press. – 233 p.

PAYNE, P. L. (1988) – British Entrepreneurship in the Nineteenth Century. – 2.a ed. – Londres: MacMillan Education. – 93 p.

PEREIRA, A. Ramos (1953) – “A estrutura bancária portuguesa”, Revista de Economia, VI, Dez. Fasc. IV.

PEREIRA, Álvaro Ramos (1969) – O sistema de crédito e a estrutura bancária em Portugal. – Lisboa: Gabinete de Investigações Económicas.

PEREIRA, José de Campos (1919) – Portugal industrial. Características, números e comentários. – Lisboa: Livraria Profissional.

PEREIRA, José dos Campos (1915) – A Propriedade Rústica em Portugal. – Lisboa: Imprensa Nacional.

PEREIRA, Miriam Halpern (1979) – Política e Economia: Portugal nos Séculos XIX e XX. – Lisboa: Horizonte. – 152 p.

PEREIRA, Miriam Halpern (1983) – Livre-câmbio e desenvolvimento económico: Portugal na segunda metade do século XIX. – 2.a ed. – Lisboa: Sá da Costa.

PEREIRA, Miriam Halpern (1994) – Das Revoluções Liberais ao Estado Novo. – Lisboa: Presença. – 267 p.

PEREIRA, Miriam Halpern (2001) – Diversidade e Assimetrias: Portugal nos séculos XIX e XX. – Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais. – 222 p.

PEREIRA, R. Gonçalves (1918) – “Indústria mineira. A intervenção do Estado”, O Economista Português, 2a série, 1°ano, n°44, 1918, pp. 571-572.

PERY, G. Augusto (1883-1886) – Estatística agrícola do distrito de Beja (Concelhos de Beja, Cuba, Alvito e Vidigueira). – Lisboa. – 4 vols.

PICÃO, José da Silva (1983) – Através dos Campos: Usos e costumes agrícola-alentejanos (Concelho de Eivas) (1903). – 3.a ed. – Lisboa: Dom Quixote. – 425 p.

PIGUET, François (1998) – «Non-réforme agraire et modèle de developpement au Brésil», Tradition et Modernisation des Économies Rurales: Asie Afrique Amérique Latine, dir. Jean-Luc MAURER e Claude AUROI, Paris, P.U.F., pp. 311-331.

PINHO, Virgílio Bugalho (1902) – Dalgumas questões relativas às Associações Vinícolas de Produção. Dissertação inaugural apresentada ao Conselho Escolar do Instituto de Agronomia e Veterinária. – Évora: Tip. Eborense.

PINTO, Armando Sevinate; AVILLEZ, Francisco; ALBUQUERQUE, Luís; GOMES, Luís Frazão (1984) – A agricultura portuguesa no período 1950-1980.- Lisboa: Imprensa Nacional. – 70 p.

PIRES JIMENEZ, Luís Eduardo (2002) – “A Política Industrial de Portugal e Espanha durante o século 20. Divergências com a Europa”, Revista de História Económica e Social, 3, 2a série, 1.° semestre, pp. 15-66.

PI-SUNYER, Oriol (1974) – “Elites and Noncorporate groups in the European Mediterranean:a Reconsideration of the Catalan Case”, Comparative Studies in Societies and History, 16, 1, pp. 117-129.

POHL, Manfred, ed. (1994) – Handbook on the History of the History of European Banks. – Aldershot: Edward Elgar. – 1.272 p.

POISSON, Jean-Paul (1973) – «De quelques nouvelles utilisations des sources notariales en histoire économique (XIIe-XX siécle)», Revue Historque, 505, pp. 5-22.

POLLARD, Sidney (1980) – Region und Industrialisierung. Studien zur Rolle der Region in der Wirtschafisgeschichte der letzen zwei Jaharhunderte. – Gottingen: Vandenhoek & Ruprecht. – 293 p.

POLLARD, Sidney (1991) – “Regional Markets and National development”, Maxine Berg (ed.), Markets and Manufacture in Early Industrial Europe, Londres e Nova Iorque, Routledge, pp. 29-56.

POLLARD, Sidney (1995) – Peaceful Conquest: The Industrialization of Europe 1760-1970. – 5a ed. – Oxford: Oxford University Press. – 434

PORTAS, Carlos Martins (1967) – “A situação económica do Alentejo e o desenvolvimento regional”, Estudos Eborenses. – Évora: I.E.S.E., pp. 51-74.

PORTUGAL. FEDERAÇÃO AGRÍCOLA DO DISTRITO DE ÉVORA (1893) – Relatório da Direcção. – Évora: Minerva Eborense.

PORTUGAL. INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA (1953) – Classificação internacional tipo, por actividades, de todos os ramos da actividade económica. – Lisboa: INE.

PORTUGAL. MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Subsecretariado de Estado da Agricultura. Inspecção Geral das Indústrias e Comércio Agrícolas (1948) – Notas sobre a sua actividade nos anos de 1943 a 1946. – Lisboa.

PORTUGAL. MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA. DIRECÇÃO GERAL DA ESTATÍSTICA E DOS PRÓPRIOS NACIONAIS. 1a Repartição (1895-1902/3) – Estatística das Contribuições directas. Liquidação e cobrança de impostos. – 5 vols.– Lisboa.

PORTUGAL. Secretaria-Geral do Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas (2001) – Instrumentos de Pesquisa para a História dos Organismos Responsáveis pela Política Cerealífera em Portugal no Século XX. – Lisboa: M.A.D.R.P. – 332 p.

PREGO, João da Motta (1902) – Adubos e Terras. – Lisboa: Livraria Ferin. – 465 p.

PROSTES, Pedro (s.d.) – Indústria alimentar. – 2.a ed. – Lisboa: Aillaud e Bertrand. – 180 p.

QUADROS, Elias Jesus (1973) – Atitude de Évora frente à Industrialização do Alentejo: resultados duma sondagem. – Évora: I.S.E.S.E. – separata da Economia e Sociologia.

RAMALHO, Maria José Santos; PINHEIRO, António Cipriano Afonso (1999) – “Identificação de algumas variáveis que influenciam quantitativa e qualitativamente a produção de cortiça”, Economia e Sociologia, 67, Évora: 181-206.

RAMOS, Rui (1994) – História de Portugal. 6° vol. A Segunda Fundação (18901926). – Lisboa: Círculo de Leitores. – 682 p.

RAPOSO, José Hipólito [1977] – Alentejo: Dos princípios à chamada reforma agrária. – Lisboa: O Século. – 407 p.

RAPOSO, José Rebelo (1962) – Amargas Verdades Agrárias. – Lisboa: [ed. do autor]. – 88 p.

RAVEN, James (1989) – “British History and Entreprise Culture”, Past & Present, 123 (Maio), pp. 178-204.

REBELO, José Pequito (1979) – As falsas ideias claras em Economia Agrária (1926). Conferência realizada no salão nobre da Liga Naval, em 5 de Abril de 1925. – 3.a ed. – Lisboa: Ed. do autor. – 47 p.

REES, Tim (1991) – “Agrarian power and crises in soutern Spain: the province of Badajoz, 1875-1936”, GIBSON, Ralph; MARTIN BLINKHORN (eds.), Landownership and Power in Modern Europe, Londres, Harper Collins, pp. 235-253.

REGO, Rogério E (1963) – Federação Nacional dos Produtores de Trigo 1933-1963: Subsídios para o seu historial. – Lisboa.

REIS, Jaime (1995) – “Portuguese Banking in the Inter-War Period”, Charles H. Feinstein (1995), ed., Banking, Currency and Finance in Europe Between the Wars, Oxford, Clarendon Press, 1995, pp. 472-502.

REIS, Jaime (1996) – O Banco de Portugal. Das Origens a 1914. I volume. Antecedentes. Fundação. Consolidação. 1821-1857. – Lisboa: Banco de Portugal. – 430 p.

REIS, Jaime (2002) – “Bank structures, Gerschenkron and Portugal (pre-1914) ”, Douglas J. Forsyth e Daniel Verdier (2002), ed., The Origins of National Financial Systems: Alexander Gershenkron considered, Londres e Nova Iorque, Routledge, cap. 10, pp. 182-204.

REIS, Jaime Brown (1979) – «Lei da fome: as origens do proteccionismo cerealífero (1889-1914)», Análise Social, vol-XV n.° 60, p. 766

REIS, Jaime Brown (1982) – «Latifúndio e Progresso Técnico no Alentejo. A difusão da debulha mecânica no Alentejo, 1860-1930», Análise Social, Lisboa, N.° 71, 371-431

REIS, Jaime Brown (1987) – «A Industrialização num país de desenvolvimento lento e tardio: Portugal-1870-1913», Análise Social- 3.a série-XXIII- 2.°-207-228

REIS, Jaime Brown (1993) – O Atraso Económico Português em Perspectiva Histórica. Estudos sobre a Economia Portuguesa na Segunda Metade do Século XIX (1850-1930). p. Lisboa: Imprensa Nacional, p. 253 p.

REIS, Maria da Conceição (2002) – O Monte Alentejano: A transformação no século XX. O caso da Amoreira de Cima. p. Lisboa: Associação de Estudos Rurais, U.N.L. – 182 p., il.

RIBEIRO, J.M. Félix FERNANDES, Lino; RAMOS, Maria Manuel Carreira (1987) – “Grande Indústria – banca e grupos financeiros (1953-73) ”, Análise Social- 3.a série- XXIII – 5o-pp. 945-1018.

RIDINGS, Eugene (2001) – “Chambers of Commerce and Business Elites in Great Britain and Brazil in the Nineteenth Century: Some Comparisons”, Business History Review, 75, 4, pp. 739-773.

ROCHA, Albino Vieira da (1913) – Situação económica de Portugal: a alta de preços. -Coimbra: França & Arménio. – 201 p.

ROCHA, Albino Vieira da (1921) – Le Portugal au Travail. – Paris: Pierre Roger et C.ie – 318 p.

ROCHA, Maria Manuela (1994) – Propriedade e Níveis de Riqueza: Formas de estruturação social em Monsaraz na primeira metade do século XIX. – Lisboa: Cosmos. – 233 p.

ROCHA, Maria Manuela (2001) – “«Entre nós basta a palavra»: as práticas informais de crédito na investigação histórica”, Ler História, 41, pp. 161-182.

RODRIGUES, António Lopes (1943) – “Subsídios para a história da iluminação pública em Évora, A Cidade de Évora, ano I, 3 (Junho).

RODRIGUES, Manuel Ferreira (1994) – “A Fábrica Nacional de Vidros Aveirense, 1888-1891”, Estudos Aveirenses, 2, Aveiro, pp. 165-198.

RODRIGUES, Manuel Ferreira (1996) – “Os industriais de cerâmica: Aveiro, 1882-1923”, Análise Social, 136-137, Lisboa, pp. 631-682.

RODRIGUES, Manuel Ferreira; MENDES, José M. Amado (1999) – História da Indústria Portuguesa: da Idade Média aos nossos dias. – Mem Martins: A.I.P. Europa-América. – 465 p.

ROLDÁN, Manoel (1908) – “Jazigos de Minérios”, Notas sobre Portugal, vol. I, Lisboa Imprensa Nacional, pp. 227-224.

ROQUE, João Lourenço (2001) – “O «Mundo do Travalho» e o associativismo em Coimbra no século XIX (1850-1870) ”, Ler História, 183-227.

ROSA, Luigi (1982) – “Economics and Nationalism in Italy (1861-1914) ”, Journal of European Economic History, 11, 3.

ROSAS, Fernando (1986) – O Estado Novo nos Anos Trinta: Elementos para o Estudo da Natureza Económica e Social do Salazarismo (1928-1938). – Lisboa: Estampa.-311 p.

ROSAS, Fernando (1990) – Portugal entre a Paz e a Guerra (1939-1945): Estudo do Impacte da II Guerra Mundial na Economia e Sociedade Portuguesas (1939-1945). – Lisboa: Estampa. – 434 p.

ROSAS, Fernando, coord. (1994) – O Estado Novo. – Lisboa: Estampa. – 7.° volume da História de Portugal dirigida por José Mattoso.

ROSSI-DORIA, Manlio (1948) – Riforma agraria e azione meridionalista. – Bologna: Edizione Agricole.

ROTHENBERG, Winifred B. (1998) – “Mortage Credit: a proto-capital market in the Early Stages of Economic Development: Massachusetts, 1642-1770, F. Galassi, K. Kauffman e J. Liebowitz, Land, labour and tenure: the industrial arrangements of conflict and cooperation in comparative perspective, Sevilha, Fundación Fomento de la Historia Economica, pp. 41-51.

RUBINSTEIN, W.D. (1986) – «Education and the Social Origins of British Elites, 1880-1970», Past & Present, 112, 163-207

SANDBERG, Lars G. (1992) – “Ignorance, Poverty and Economic Backwardness in the Early Stages of European Industrialization: Variations on Alexander Gerschenkron’s Grand Theme” Journal of European Economic History, 11, pp. 675-698.

SANTOS, Pedro Ferreira dos (1904) – Guia pratico das associações agrícolas em Portugal. – Lisboa: Biblioteca da Real Associação Central da Agricultura Portuguesa. – com uma carta pref. de D. Luiz de Castro.

SANTOS, Rui (1993) – “Senhores da Terra, Senhores da Vila: Elites e Poderes Locais em Mértola no Século XVIII”, Análise Social, n.° 121, Lisboa, Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, pp. 345-370.

SARAIVA, José Hermano (1992) – A C.ia de Seguros Bonança. Notícia Histórica. – 2.a ed. – Lisboa: Bonança.

SCHMITTER, Philippe (1999) – Portugal: do Autoritarismo à Democracia. – Lisboa.

SCHNEIDER, Peter (1972) et al. – Modernization and development: the role of regional elites and non corporate groups in the European Mediterranean”, Comparative Studies in Societies and History, Vol. 14, n.° 3, pp. 328-350.

SCHUMPETER, Joseph A. (1996) – Ensaios. Empresários, inovação, ciclos de negócio e evolução do capitalismo. – Oeiras: Celta Editora.

SCHWARTZMAN, Kathleen (1985) – “The post-war democratic Economy of Portugal”, Conflitos e Mudanças em Portugal, 1974-1984, ed. org. Eduardo de Sousa Ferreira e Walter C. Opello Jr., Lisboa, Teorema, pp. 41-57.

SCHWARTZMAN, Kathleen (1989) – The Social Origins of Democratic Collapse: The first portuguese republic in the global economy. – Kansas: University Press. – 214 p.

SCOTT, John (1982) – The Upper Classes Property and Privilege in Britain. – Londres.

SEABRA, António Luiz de (1937) – Fomento Pecuário. – Lisboa: Repartição de Estudos. Informação e propagenda. – 62 p.

SERRA, João (1991) – ‘Os estudos sobre o Século XX na Historiografia Portuguesa do Pós-Guerra’ Penélope, N.° 5, Lisboa, pp. 111-150.

SERVIÇO DE FOMENTO MINEIRO (1990) – “Contribuição para a História do Serviço de Fomento Mineiro (1939-1989) ”, Estudos, Notas e Trabalhos do Serviço de Fomento Mineiro, Porto. – número especial.

SEVILLA GUZMÁN, Eduardo; GONZÁLEZ DE MOLINA, M.; HEISEL, Karl (1988), “El Latifundismo Andaluz en el pensamiento social agrario: de la revolucion burguesa al Regeneracionismo, As Regiões do Latifúndio Ibérico em Perspectiva Histórica (Actas do I Colóquio). – Lisboa: Instituto Superior Económico de Évora.

SILBERT, Albert (1978) – Le Portugal Méditerranéen à la fin de l’Ancien Regime. XVIII.e Début du XIXe Siécle: Contribution à l’histoire agraire comparée.– 2.a ed. – Lisboa: I.N.I.C. – 3 vols.

SILVA, J. Esteves da (1965) – Algumas questões de interesse geral para a reorganização da industria corticeira: relatόrio. – [Lisboa]: Comissão de Estudo da Reorganização das Actividades Corticeiras. – 20 p.

SILVA, J. M. Amado da Silva (1991) – Economia Industrial e Excesso de Capacidade. – Lisboa: Instituto Novas Profissões.

SILVA, J. M. Leal da (1996) – “À laia dum esboço histórico sobre a utilização industrial contemporânea das pirites do Alentejo”, Mineração no Baixo Alentejo I, Castro Verde, Câmara Municipal, pp. 231-252.

SILVA, Jacinto Vidigal da (1999) – “Estratégias óptimas de crescimento de empresas do sector dos mármores da região de Évora”, Economia e Sociologia, 67, Évora, 159-179.

SILVA, Luís Rebelo da (1917) – A Questão das Adubações. – 2.a ed. – Lisboa: imprensa Nacional.

SILVEIRA, Luís Nuno Espinha da (1997) – Território e Poder. Nas Origens do Estado Contemporâneo em Portugal. – Cascais: Patrimonia Historica. – 161 p.

SIMPSON, James (1995) – Spanish agriculture: the long Siesta.– Cambridge: Cambridge University Press. – 316 p.

SKOCPOL, Theda (1991) – “Temas emergentes y estrategias recurrentes en sociologia histórica”, Historia Social, 10, pp. 101-134.

SOARES, José António d’Oliveira; NETTO, Carlos Amaral; MEXIA, Joaquim Nunes (1912) – Produção e Industria Corticeira. – Lisboa. – 134 p.

SOARES, José de Oliveira (1923) – “A influência da moeda fiduciária circulante na economia nacional”, Congresso das Associações Comerciais e Industriais de Portugal, Teses e Actas, Lisboa, pp. 51-60.

SOARES, Manuel Lourenço (1968) – “Évora, Terra do passado virada ao futuro... para a sua industrialização”, Notícias de Évora, 16 e 28/08, 27/09 e 5/11/1968.

SODERBERG, Johan (1985) – “Regional Economic Disparity and Dynamics, 1840-1914: a Comparison between France, Great Britain, Prussia, and Sweden”, Journal of European Economic History, 14, 2, (273-296)

SOUSA, Albano de (1932), “As possibilidades económicas do Alentejo”, Indústria Portuguesa, ano 5, 54, Agosto, pp. 29-38.

SOUSA, Albano de (1933) – Estudo sobre o problema dos trigos em Portugal. – Lisboa: Tipografia da Empresa do Anuário Comercial. – 196 p.

SOUSA, Carlos Hermenegildo de [1942] – Tratado de Economia Corporativa. Teoria Geral da Economia. – Lisboa: Portugália.

SOUSA, Fernando de; ALVES, Jorge Fernandes (1995) – Aliança UAP. Uma História de Seguros. – Porto: Aliança UAP.

SOUSA, Francisco de Almeida e (1998) – “Subsídios para a história da electrificação portuguesa”, A Indústria Portuense em Perspectiva Histórica, Porto: CLC-FLUP, pp. 141-164.

SOUSA, João Manuel Santana de (1993) – História da Primeira Adega Social Portuguesa: Viana do Alentejo, 1893-1906. – Viana do Alentejo: Câmara Municipal. – 134 p.

SOUSA, José de Saldanha Oliveira e (1886) – Algumas Considerações sobre a Crise Agrícola em Portugal. 1a parte. – Lisboa: Tip. Eduardo Rosa. – 74 p.

SOUSA, Leogivildo Queimado de (1948) – A Situação Actual da Lavoura Alentejana. – Lisboa.

SOUSA, Leogivildo Queimado Franco de (1948) – A Situação Actual da Lavoura Alentejana. – Lisboa.

SPRING, David (1977), ed. – European Landed Elites in the Nineteenh century. – Baltimore: The Johns Hopkins UP. – 147 p.

STANWORTH, Philip; GIDDENS, Anthony (1974), ed.s – Elites and Power in British Society. – Cambridge.

SULEIMAN, Ezra N. (1978) – Les Élites en France: Grands Corps et Grandes Écoles. – Paris: Ed. Du Seuil. – 282 p.; trad. francesa de Elites in French Society: the politics of survival (1977).

SULEIMAN, Ezra; MENDRAS, Henri (1997) – Le recrutement des élites en Europe. – Paris: Editions La Découverte. – 264 p.

SYLLA, Richard; TONIOLO, Gianni (1991), ed. – Patterns of European Industrialization: The nineteenth century. – Londres: Routledge. – 269 p.

TEICH, Mikulás; PORTER, Roy (1996), eds. – The Industrial Revolution in National Context Europe and the USA. – Nova Iorque: Cambridge University Press. – 413 p.

TEICHOVA, Alice; HENTENRYK, G. Kurgan-van; Ziegler, Dieter, ed. (1997) – Banking, Trade and Industry: Europe, America and Asia from the thirteenth to the twentieth century. – Cambridge: University Press. – 413 p.

TELO, António José (1980) – Decadência e Queda da I República Portuguesa. – 1.° volume – Lisboa: A Regra do Jogo. – 379 p.

TORGAL, Luis Reis; Mendes, José Maria Amado; E Catroga, Fernando (1996) – História da História em Portugal, Séculos XIX-XX. – Lisboa: Círculo dos Leitores.

TORTELLA, Gabriel (1994) – El desarrollo de la Espana contemporánea: Historia económica de los siglos XIX y XX. – Madrid: Alianza. 429 p.

TREBILCOCK, Clive (1981) – The Industrialization of the Continental Powers. 1780-1914. – Londres e Nova Iorque: Longman. 453 p.

TRINDADE, Carla (1996) – Elites Locais e Eleições no Concelho de Moura (18601910). – Évora: Universidade de Évora. Tese de Mestrado.

VALÉRIO, Nuno, coordenação (2001) – Estatísticas Históricas Portuguesas. – 2 vols. Lisboa: I.N.E.

VENTURA, António (1982): “A Fundação da Associação Comercial e Industrial de Portalegre”, A Cidade. Revista Cultural de Portalegre, n.° 5, pp. 36-38.

VERLEY, Patrick (1994) – Entreprises et entrepreneus de XVIIIe siècle au debut du XXe siècle. – Paris: Hachette. 232 p.

VICENTE, Pedro Pinto (1957) “A indústria de aglomerados e granulados”, II Congresso da Indústria Portuguesa, Lisboa.

VILAR, Pierre (1960) – Croissance économique et analyse historique. – París-La Haya: Mouton.

VILLACORTA, Francisco (1980) – Burguesia y cultura. Los intelectuales espanoles en la sociedad liberal, 1808-1931. – Madrid: Siglo XXI.

WALLERSTEIN, Immanuel (1990) – O Sistema Mundial Moderno. – Porto: Afrontamento.2 vols.

ZAMAGNI, Vera (1993) – The Economic History of Italy 1860-1990. – Oxford: Clarendon Press. 413 p.

ZANDEN, Jan L. van (1998) – The Economic History ofthe Netherlands 1914-1995: A small open economy in the ‘long’ twentieth century. – Londres e Nova Iorque: Routledge. 200 p.

ZAPATA BLANCO, Santiago (1986) “El alcornoque y el corcho en España, 1850-1935”, História Agrária de la España Contemporánea. 3. El fin da la agricultura tradicional (1900-1960). – Barcelona: Crítica, pp. 230-279.

ZAPATA BLANCO, Santiago (1996) – “Corcho extremeno y andaluz, tapones gerundenses”, Revista de História Industrial, 10, 37-68.

© Publicações do Cidehus, 2006

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search