Versión clásicaVersión móvil

Elites e Indústria no Alentejo (1890-1960)

 | 
Paulo Eduardo Guimarães

Capítulo 6. Os industriais e o seu recrutamento

Texto completo

1A descrição que fizemos da constituição das sociedades, bem como do parque industrial alentejano, revelou que a actividade industrial apareceu muitas vezes como parte integrante de negócios ou de empresas de cariz essencialmente agrícola ou comercial. O Alentejo era uma região aberta à economia mundial e, por isso, alguns dos seus actores fundamentais nas áreas das minas ou da cortiça, por exemplo, obedeciam a motivações exteriores. Enfatizou-se também o papel da grande propriedade na estruturação do parque industrial, o qual aparecia, na maior parte, vocacionado para a transformação dos produtos do agro alentejano. No que respeitava às pequenas iniciativas, mostrou-se a importância das oficinas e, de um modo geral, das actividades vocacionadas para mercados rurais e de tecnologia pouco sofisticada. Ficou também explícito, quando se descreveu o processo de autonomização dessas indústrias face à agricultura, que os seus chefes foram recrutados largamente no comércio e na lavoura regionais.

2Neste capítulo iremos um pouco mais longe. Focaremos a nossa atenção sobre os industriais e o seu recrutamento, sendo visado o Alentejo como espaço de análise. Quem eram os industriais que aqui operavam? Qual a sua origem social? Enfim, quais os percursos que conduziram à actividade industrial nesta região? Que papel poderá ter desempenhado a educação formal nestes percursos?

  • 1 O termo burguesia é utilizado aqui de forma mais alargada que o de elite, incluindo os grupos da cl (...)

3Pretendemos responder a estas questões através de quatro exercícios de natureza distinta que desenvolvemos nesta exposição. Em primeiro lugar, tentámos identificar o espaço social ocupado pelos industriais no conjunto social que genericamente poderemos identificar com a burguesia nos cadernos de recenseamento eleitoral1. Seguidamente, identificámos os grupos sociais que participaram na actividade industrial, as áreas e a extensão dessa participação. Em terceiro lugar, descrevemos os industriais enquanto grupo emergente, tal como é possível perceber a partir do RTN e dos cadernos de recenseamento eleitoral. Finalmente, analisamos sucintamente alguns percursos de personalidades distintas com interesses na indústria, alargando a escala de análise a rodo o Alentejo. Assim, tal como tem sucedido até aqui, utilizaremos duas escalas analíticas: uma, mais fina, em torno da região de Évora, na qual recai o nosso esforço de quantificação; e outra, mais abrangente, que se estende a toda região e que a complementa com base na investigação empírica. Tentaremos com isto mostrar a pluralidade de canais e de percursos sociais que estiveram presentes na formação do patronato industrial, bem como a diversidade de interesses que nele é possível perscrutar.

6.1. Elites e industriais

  • 2 Em 1906, o (Real) Sindicato Agrícola funcionava na Praça do Giraldo e tinha à sua frente o grupo do (...)
  • 3 O trabalho de A. Cruz para o Porto oitocentista refere que foram poucos os eleitores inscritos sob (...)

4Nos princípios do século existiam em Évora, para além do Sindicato Agrícola, uma Associação Industrial e outra Comercial2. Esta separação das associações pode ser interpretada como o reflexo da autonomia relativa de cada um dos grupos deste interesse, traduzindo a forma institucional de uma consciência de si. No entanto, apesar de existir uma associação industrial, em vão procuraremos por “industriais” nos cadernos eleitorais dos princípios do século. Nesta fonte, que se preocupava com a exactidão da identificação social dos eleitores, as pessoas que desenvolviam uma actividade industrial e que nela tinham o seu principal interesse apareciam classificados como “fabricantes”, mais frequentemente, pelo seu ofício (sapateiro, carpinteiro, padeiro, etc.), outras vezes como “comerciantes” ou como “proprietários”3. Vejamos então quem estava presente na Associação Industrial Eborense.

  • 4 Já Manuel Villaverde Cabral (1977) notara este fenómeno para o conjunto do país. Cf. Freire (1992) (...)

5Os indivíduos que aparecem a subscrever a lista de fundadores (mais de uma centena) não pode ser identificada com uma elite envolvida nos negócios industriais. Bem pelo contrário. Entre eles encontramos fundamentalmente os oficiais “representativos” das principais indústrias da cidade (entendendo o termo num sentido lato), sendo de realçar os oficiais de sapateiro (os fabricantes, não os remendões), os alfaiates, os carpinteiros de branco, os marceneiros, os carpinteiros de carros, os serralheiros, os ferradores, os latoeiros e, como seria de esperar, os fabricantes de cortiça e alguns corticeiros (entenda-se, mestres de fábrica). Estes eram os grupos que formavam o núcleo das associações de artistas, como a que existia em Évora, em Beja e em muitas outras localidades do país, que se constituíram depois da guerra civil, mantendo essencialmente o carácter de associações de socorros mútuos. Assim, a constituição da Associação Industrial parece relacionar-se com as transformações que estavam a ocorrer nas relações de trabalho no seio da indústria4. Tal como pudemos apurar, entre a lista dos sócios fundadores encontramos verdadeiros empresários capitalistas ou chefes de firmas com projecção regional cujos nomes encontramos, por vezes, na lista dos accionistas do Banco do Alentejo. Estamos a pensar, por exemplo, no correeiro Bento Fialho Prego, no grupo ligado à electricidade e à moagem do qual fazia parte o conselheiro José António de Oliveira Soares, o industrial de serralharia Joaquim Perdigão Queiroga, em José Carlos Bastos, para além do grupo de industriais corticeiros como José Gomes Severino, Joaquim Augusto, Francisco Saragoça, Armando Areu, Lopes Braguez, entre outros.

Tabela 6.1 - Número de indivíduos designados como “industriais” nos recenseamentos eleitorais no concelho de Évora, 1911-1939

Tabela 6.1 - Número de indivíduos designados como “industriais” nos recenseamentos eleitorais no concelho de Évora, 1911-1939

Fonte: CME/RE (1911-1939)

6Não admira, por isso, que a formação de firmas industriais tenha contribuído decisivamente para que aquela representação de si mudasse gradualmente nas primeiras décadas do século XX, de acordo com as transformações que se estavam a operar nas relações de trabalho. Em 1911, foram registados quatro industriais entre os eleitores, em 1914, sete, em 1919, oito, em 1926, trinta e quatro, em 1930, quarenta e sete, e em 1939, cento e onze. Este aumento no número de industriais afectou quase todas as freguesias (tabela 6.1). A Azaruja (freguesia de São Bento do Mato), que não teve “industriais” até 1928, quando foram registados 8, passou para 11 em 1930, número que caiu para 8, em 1939, com a mudança de algumas indústrias para a cidade. A freguesia urbana de Santo Antão, por exemplo, que aparecia com 6 industriais em 1926, não registou nenhum em 1930 e teve 26 em 1939. Na Sé, cujo número de “industriais” aumentou constantemente até 1930, não registava nenhum em 1939. No entanto, São Mamede (outra freguesia urbana), passou de 5 em 1926, para 10 em 1930 e 48 em 1939! Nas freguesias rurais (excepção feita à Azaruja), os “industriais” rareavam. Porém, a Tourega registou 8 em 1930 (cf. tabela 6.1).

7Estas variações no número de “industriais” entre as diferentes freguesias expressam a transformação que se operou no tecido urbano durante as primeiras décadas do século XX. É perceptível a deslocação de indústrias do centro (Sé e São Pedro) para as margens (São Mamede e Santo Antão), bem como a transferência de alguns industriais corticeiros da Azaruja para Évora nos anos ’30. No entanto, o crescimento no número de “industriais” esteve longe de acompanhar o que se passou efectivamente no terreno.

8O nosso inquérito debateu-se, pois, com problemas de representação social. Deparámo-nos com o simples facto de que, a partir da I Guerra Mundial, o industrial emergiu como um grupo social que identificava (e com a qual se identificavam) pessoas com diferentes actividades económicas. À medida que avançamos pelos anos ’20 e ’30, cada vez mais pessoas que até então se identificavam pelo seu ofício, assumiram agora o estatuto de “industrial”.

  • 5 Em termos dicionariais, desde o século XIX que industrial designa o proprietário e o que dirige fáb (...)

9Correspondeu este fenómeno a uma efectiva mudança na posição social dos indivíduos? Vejamos alguns casos. José Gomes Severino, que representou a Associação Industrial Eborense no Congresso das Associações Comerciais e Industriais de Portugal, que ocorreu em Lisboa, em Dezembro de 1923, apareceu continuamente desde 1911 até 1939 nos recenseamentos eleitorais como industrial. Efectivamente, tratava-se dum industrial corticeiro, cuja fábrica, estabelecida na Rua Cândido dos Reis desde 1913, empregava 36 operários. Foi um caso excepcional por ter atravessado todo esse período como industrial. Vicente Surêda, corticeiro da Azaruja cuja família era de origem catalã, aparecia em 1914 como corticeiro e, a partir de 1923, como industrial. Sebastião José do Ó Severo, carpinteiro desde 1911 até 1926, apareceu em 1939 como industrial. Samuel Augusto de Carvalho, padeiro desde 1911 em São Pedro, em 1939 era industrial. Muitos outros exemplos poderiam ser dados. Se efectivamente não estamos perante um espaço económico que se orienta no sentido da industrialização, então o que emerge efectivamente é uma nova categoria que a sociedade rural reconhece5. Mas, tal como sucede com a categoria de “proprietário”, também o “industrial” constitui uma figura de status, denuncia movimentos socialmente ascendentes e o desejo de demarcação perante os ofícios entretanto desclassificados.

  • 6 A Associação Comercial e Industrial manteria, contudo, duas secções distintas (uma comercial e outr (...)

10Não deixa de ser sintomático desse processo, o facto, aparentemente contraditório, das associações comerciais e industriais unirem-se numa única entidade nos anos ’30, o que deve ser interpretado como sintoma da fragilidade dos interesses industriais após o encerramento de algumas unidades corticeiras na cidade e com o desgaste provocado pela concorrência fabril nas indústrias do calçado6. Carpinteiros, industriais de padaria, de fotografias e outros eram classificados cada vez mais como “industriais”.

11E o que era, então, ser industrial neste ambiente social dos anos ’30?

  • 7 A análise das relações de trabalho no sistema da oficina em Portugal neste período é feito por João (...)

12Ser industrial significava, em primeiro lugar, ser patrão, estar à frente dum estabelecimento que desenvolvia uma qualquer actividade de natureza industrial, enfim, dispor de algum capital e de crédito em praça. Acessoriamente significava ser mestre do seu ofício, conhecer a arte e o negócio. Em qualquer dos casos, era um modo de vida distinto e cujo rendimento era formado através do exercício duma qualquer indústria. O Estado, ao intervir no sentido do licenciamento obrigatório dessa actividade e na tecitura burocrática das relações sociais, reforçou esse estatuto na exacta medida em que dificultava administrativamente o seu acesso. O industrial era, nesta perspectiva, alguém que dispunha de uma licença ou dum alvará que lhe permitia exercer uma actividade de transformação de matérias-primas ou de execução de operações sobre objectos. Subjacente a este estatuto estava a clarificação das águas que separavam patrões e trabalhadores, enfim, a eliminação da ambiguidade que representavam as relações no interior da oficina7.

13O novo quadro de referência afectou as representações sociais no seu conjunto. Industriais e comerciantes apareciam também como “proprietários”, já que os termos não eram exclusivos, antes se completavam. “Comerciante e proprietário” ou “industrial e proprietário” eram identificações correntes nas escrituras notariais.

  • 8 ADE/RE (1901-1908), cadernos eleitorais das freguesias do concelho de Évora da Graça do Divor, N. S (...)

14Que lugar ocupavam então os industriais na sociedade rural alentejana dos princípios do século? Uma primeira aproximação pode ser alcançada a partir da análise dos recenseamentos eleitorais na área de Évora. O nosso exercício começou por isolar o grupo dos contribuintes que pagavam anualmente mais de 10 mil réis de imposto no total (predial, industrial, sumptuária e rendas de casa e juros). Embora tal critério de recorte censitário possa parecer arbitrário, incluíam-se neste conjunto indivíduos cujos atributos sociais, profissionais e de status os colocam na burguesia. Trata-se duma malha larga de observação. No topo encontramos os grandes proprietários, os lavradores, negociantes e altos funcionários do Estado (tabela 6.2). Na base começam a surgir alguns grupos inequivocamente “populares” (boeiros, carreiros, seareiros, etc.), enfim, “gente do povo” que logrou acumular alguns bens, sinal de que abaixo dos 10 mil réis entramos nos níveis inferiores desta sociedade. No conjunto, a nossa amostra agregou 146 eleitores em freguesias urbanas e rurais dos concelhos de Évora e Reguengos8. A sua distribuição pode ser feita por 9 grupos socioprofissionais, como mostra a tabela 6.2. O grupo mais numeroso era constituído pelos “proprietários” (1), seguido depois pelos comerciantes (7) e pelos trabalhadores de ofício (6). Um número restrito de indivíduos eram classificados pela sua formação superior ou elevada patente militar (2). Também o número de “lavradores” (4) era relativamente escasso, menor do que os negociantes (3) e o dos funcionários públicos inferiores e eclesiásticos (5). A figura 6.1. representa graficamente o peso de cada um destes grupos na nossa amostra.

15A questão que se coloca quando se pretende construir uma representação da sociedade alentejana dos princípios do século, é o de relacionar esses grupos com classes de rendimento e, finalmente, com a representação das classes sociais. Como veremos, a ordenação representada tinha alguma relação com uma graduação nos níveis de rendimentos. Por isso, os dois grupos inferiores eram representados por grupos populares (seareiro, singeleiro, carreiro, boeiro, etc.) ou por gente que vivia modestamente dos seus próprios rendimentos (“sua agência”, “agenciários”).

Tabela 6.2 – Distribuição dos eleitores que pagavam mais de 10 mil réis de contribuição por grupos socioprofissionais nos concelhos de Évora e de Reguengos (1901-1906)

Profissão, ocupação ou estatuto social

Número

%

1

Proprietário

57

39,0

2

Altos funcionários e doutores

5

3,4

3

Negociante

10

6,8

4

Lavrador

5

3,4

5

Funcionários públicos, eclesiásticos e profissões liberais

7

4,8

6

Oficiais

20

13,1

7

Comerciantes

25

17,1

8

Agenciário

6

4,1

9

Rurais

11

7,5

Total

146

100,0

Fonte: ADE/RE (1901-1906).
Legenda: Proprietário, negociante e lavrador: indivíduos identificados como tal; Altos funcionários e doutores: engenheiro agrónomo, engenheiro, médico, major (reformado), agente bancário. Funcionários e liberais: presbítero, professor, oficial do Gov. Civil, tesoureiro da Câmara, guarda-livros, solicitador. Oficiais: albardeiro, alfaiate, alveneo, carpinteiro de carros, canteiro, corrieiro, padeiro, relojoeiro, sapateiro, serralheiro, ferrador, ferreiro, forneiro. Comerciantes: comerciante, logista, merceeiro, peixeiro, taberneiro, tendeiro, vendedor, regatão, estalajadeiro, cortador, farmacêutico. Rurais: seareiro, singeleiro, carreiro, boeiro, carvoeiro, trabalhador. Agenciário: sua agência (sem actividade específica).

Tabela 6.3 – Valor mínimo e máximo de imposto pago por cada categoria de identificação social dos indivíduos eleitores utilizada em Évora e em Reguengos em 1901-1906

PROFISSÃO

Mínimo

Máximo

1

Proprietário

2

5173

2

Altos funcionários e doutores

19

858

3

Negociante

107

636

4

Lavrador

11

259

5

Funcionários públicos, eclesiásticos e profissões liberais

16

266

6

Oficiais

12

125

7

Comerciantes

13

106

8

Agenciário

12

62

9

Rurais

II

70

Fonte: ADE/RE (1901-1906). valores em mil réis
Legenda: v. tabela 6.2

Figura 6.1 – Distribuição dos eleitores que pagavam mais de 10 mil réis de contribuição por grupos socioprofissionais nos concelhos de Évora e de Reguengos (1901-1906)

Figura 6.1 – Distribuição dos eleitores que pagavam mais de 10 mil réis de contribuição por grupos socioprofissionais nos concelhos de Évora e de Reguengos (1901-1906)

Fonte: tabela 6.2.

16A distribuição etária deste grupo de eleitores dá-nos algumas pistas para respondermos à questão de saber se estamos a lidar sobretudo com rendimentos individuais ou, pelo contrário, com patrimónios representados através de chefes de família.

17A idade da grande maioria dos eleitores que pagavam mais de 10 mil réis situava-se entre os 40 e os 70 anos (74,3%). Por outras palavras, apenas 23% destes eleitores tinham menos de 40 anos. Muito poucos eram jovens. A curva de Gauss na distribuição etária desta amostra revela inequivocamente que estamos perante um grupo envelhecido (figura 6.2). Isto sugere que, em muitos casos, estamos perante chefes de famílias alargadas, proprietários agrícolas, comerciantes e mestres de ofício. Podemos então pensar que na nossa listagem aparecem cabeças de casal cuja longevidade lhes permitiu acumular bens no interior do seu grupo.

Figura 6.2 – Distribuição etária dos eleitores cuja contribuição fiscal era superior a 10 mil réis em 1901/1906 em freguesias de Évora e de Reguengos

Figura 6.2 – Distribuição etária dos eleitores cuja contribuição fiscal era superior a 10 mil réis em 1901/1906 em freguesias de Évora e de Reguengos

Fonte: tabela 6.5.

18Esta nota mostra-se importante para descrever as categorias utilizadas na identificação social dos eleitores. Para cada uma destas categorias coevas encontramos uma amplitude de contribuições fiscais que, grosso modo, correspondiam a uma banda de rendimentos reais. A amplitude dos rendimentos de cada categoria indicia a elasticidade social de cada categoria semântica utilizada na identificação social dos indivíduos. Por sua vez, a comparação entre as bandas de rendimento presumido das diferentes categorias permite-nos identificar pontos de contacto e de distinção entre essas diferentes categorias semânticas, contribuindo para uma primeira aproximação à identificação dos grupos superiores, médios e inferiores dessa “burguesia”.

19A tabela 6.3. indica o valor mínimo e máximo de imposto pago por cada categoria de identificação social dos eleitores utilizada em Évora e em Reguengos, em 1901-1906, de acordo com as fontes que temos vindo a utilizar. A figura 6.3. faz a sua representação, dando-nos uma imagem da amplitude da tributação fiscal aplicada em cada categoria usada na época.

20O primeiro facto que devemos realçar na leitura dessa figura relaciona-se com a enorme elasticidade de rendimentos que se apresentam por detrás do termo “proprietário”. Se a designação era socialmente precisa, na medida em que indicava alguém que vivia dos rendimentos que lhe proporcionavam os direitos adquiridos de propriedade, não deixa igualmente de ser ambíguo na medida em que apontava para um estatuto social que cobria quase todo o espectro de rendimentos. Era-se proprietário também na medida em que não se desempenhava uma actividade económica. Como tal, era um estatuto que percorria todo o tecido social criando uma clivagem com os despossuídos. Neste sentido, a sociedade alentejana era uma sociedade de proprietários. E como muito bem mostrou Helder Fonseca, o ser proprietário era muitas vezes o resultado final duma carreira de negócios diversificada e consolidada pela acumulação fundiária (Fonseca-1998). Os grandes proprietários fundiários ocupavam assim um lugar de destaque no estrato superior da burguesia regional, ou, se quisermos, no grupo identificado como a elite.

21Imediatamente abaixo destes grandes proprietários, encontrávamos os grandes lavradores, os altos funcionários do Estado, médicos, “profissionais liberais” e os chefes de empresa assalariados. Estes últimos formavam um grupo de pessoas com cursos superiores ou com elevada patente que ocupavam postos de alta administração muito bem remunerada e que gozavam de elevado prestígio social. De tal forma que um grande lavrador podia ser identificado pela sua profissão de médico, agrónomo, etc. mesmo que não a exercesse.

22Os negociantes apareciam nesta representação esquemática, numa posição intermédia, ao lado dos funcionários públicos, dos professores e eclesiásticos. Os negociantes, cujo rendimento derivava da especulação mercantil, tendiam a consolidar fortunas na propriedade fundiária graças às oportunidades que iam surgindo. Como já vimos, negociavam com os produtos da grande propriedade e, por isso, esta orientação fundiária era-lhe vantajosa. O poder que lhes era conferido como proprietários fundiários permitiam-lhes optar por “dar terras de renda” e converter a renda fundiária em espécie em renda capitalista. Os funcionários públicos, eclesiásticos e professores apresentavam uma grande amplitude nos seus rendimentos e tinham frequentemente laços de parentesco com os grupos superiores.

23Em seguida surgiam os comerciantes, lojistas e tendeiros, a par doí mestres de ofício. Como já vimos, muitos destes mestres de ofício tinham loja, empregavam gente e auferiam rendimentos elevados, embora não comparáveis de forma alguma aos dos grandes proprietários. Enfim, m base desta selecção encontrávamos o topo das fortunas de origem socia humilde e as pessoas que viviam de “sua agência”. Ser “agenciário” ou viver de “sua agência” era uma expressão que designava a pessoa que vivi; dos seus rendimentos ou negócios de natureza não especificada.

24Esta representação da sociedade alentejana foi naturalmente simplificada, pois, como já tínhamos mostrado no primeiro capítulo, muito: membros da elite eram simultaneamente descritos como “comerciantes e proprietários” ou “proprietários e lavradores”. Como é óbvio, ser lavrado não significava necessariamente ser grande lavrador e estes últimos eram quase sempre identificados como proprietários. Por outro lado, haver; que admitir a necessidade de reajustamentos entre grupos sujeitos a desigual incidência fiscal. Mas o que importa salientar agora é a elasticidade nos rendimentos presumidos em cada categoria. Quase todas incluíam indivíduos com baixos rendimentos (relativamente). Se fizermos um recorte nos 100 mil réis, critério cego que separava a burguesia dos que se situavam numa zona intermédia entre as classes populares e essa classe dominante, quatro grupos considerados ficariam inteiramente excluído (o 6.°, o 7.°, 8.° e o 9.° grupo). Proprietários, lavradores, negociantes comerciantes, funcionários e profissionais liberais atravessavam essas duas “zonas” divididas pelo critério dos 100 mil réis. Salientemos então que, ta como os pequenos comerciantes e lojistas, também os industriais (aqui representados pelos grupos de ofício) se situavam numa zona intermédia entre uma base popular e um topo burguês. A análise em diacronia deste grupo irá mostrar trajectos de mobilidade social diferenciada, passando uns a classificar-se como “industriais”, enquanto outros permaneceram nas suas categorias socialmente desclassificadas.

Figura 6.3 – Amplitude do valor tributado de acordo com o rendimento fiscal nas categorias de identificação social

Figura 6.3 – Amplitude do valor tributado de acordo com o rendimento fiscal nas categorias de identificação social

Nota: a escala de rendimentos não é proporcional. Níveis de tributação em mil réis de 1901. Fonte e legenda: tabela 6.3.

25O grupo dos eleitores contribuintes que pagavam mais de 100 mil réis (apenas 28) destacava claramente os proprietários (mais de metade do total), os negociantes, comerciantes, lavradores, empregados superiores e profissões liberais (tabela 6.4). De fora ficava uma multidão de gente que pertencia ao mundo dos lojistas, tendeiros e dos pequenos comerciantes, das oficinas e artesãos. Efectivamente, apenas um comerciante e um industrial de panificação puderam entrar neste grupo (tabela 6.4).

Tabela 6.4 – Eleitores contribuintes que pagavam mais de 100 mil réis de imposto em Évora e Reguengos, por categorias de identificação social (1901-1906)

Categoria

Número

Proprietário

15

Negociante, comerciante

4

Lavrador

2

Agente bancário, solicitador, tesoureiro da câmara

3

Médico, engenheiro

3

Industrial (Padeiro)

1

Total

28

Fonte: ADE/RE (1901-1906).

Figura 6.4 – Distribuição etária dos eleitores que pagavam mais de 100 mil réis de imposto em Évora e em Reguengos (1901-1906)

Figura 6.4 – Distribuição etária dos eleitores que pagavam mais de 100 mil réis de imposto em Évora e em Reguengos (1901-1906)

Fonte: ADE/RE (1901-1906). Cálculos nossos.

26A distribuição etária deste agrupamento apresenta uma curva de Gauss algo diferenciada da anterior, dado que os valores tendem a concentrar-se ainda mais no centro, ou seja, nas idades situadas entre os 40 e os 60 anos (cf. tabela 6.5). Não existiam eleitores com 70 anos ou mais e eram poucos os que tinham menos de 30 anos. 25 eram casados, 2 solteiros e apenas 1 era viúvo. Trata-se, pois, de um grupo sénior também, nascido na maior parte antes de 1860 e que viveu a juventude durante a 1.a Regeneração.

Tabela 6.5 - Distribuição etária dos eleitores que pagavam mais de I mil réis (A) e mais de 100 mil réis (B) de imposto em Évora e em Reguengos (1901-1906)

Tabela 6.5 - Distribuição etária dos eleitores que pagavam mais de I mil réis (A) e mais de 100 mil réis (B) de imposto em Évora e em Reguengos (1901-1906)

Fonte: ADE/GC/RE (1901-1906).

6.2. A formação do patronato industrial e a participação de outros grupos de interesse na indústria: o caso de Évora

27Vimos no ponto anterior como, ao longo da primeira metade do século XX, o industrial emergiu como categoria social distintiva, fenómeno que se expressou pela multiplicação do número de industriais. Por outro lado, o nosso estudo tem vindo a realçar a multiplicidade de interesses na actividade industrial. Consideramos que o reconhecimento desses interesses é importante quando se procura perceber o destino duma actividade. Não é indiferente o facto de, por hipótese, numa actividade como a serralharia, estarem ou não presentes interesses comerciais, ou de a produção de azeite ser feita quase exclusivamente por proprietários fundiários. O cruzamento da informação relativa aos requerentes ao licenciamento industrial, no quadro do RTN, com a sua identificação social nos cadernos eleitorais, permite-nos sistematizar a participação desses interesses. Considerámos as actividades onde participaram predominantemente:

  1. proprietários fundiários e lavradores;

  2. comerciantes;

  3. comerciantes, industriais e mestres de ofício;

  4. os industriais;

  5. os mestres de ofício;

  6. todos os grupos indistintamente.

28Antes de avançarmos nesta descrição, importa referir as dificuldades e os limites impostos por este exercício. Em primeiro lugar, estamos a cruzar informações relativas a actividades industriais (não a firmas) registadas a título individual no âmbito do RTN, por um lado, com referências relativas ao censo eleitoral de âmbito concelhio, por outro. Deste modo, ficaram de fora as associações entre indivíduos, ou seja, as firmas em nome colectivo responsáveis pelo registo de uma ou mais actividades industriais. Esta análise foi já feita anteriormente (capítulo 2). Os resultados agora apurados confirmaram conclusões anteriores e ampliaram o seu alcance. Houve, além disso, dificuldades em localizar socialmente muitos dos requerentes ao registo por não terem sido encontrados nos cadernos eleitorais. Isto pode explicar-se pelo facto dos requerentes não serem residentes no concelho ou, como sucedia frequentemente, pela baixa origem social de muitos artesãos ou ainda por qualquer outra razão.

29a) A participação dos “proprietários” nas actividades industriais registadas no âmbito do RTN foi relativamente limitada, já que o próprio termo de identificação social apontava para um status que remetia para uma posição retirada (ou de retaguarda) na actividade económica. A produção de carvão vegetal, a moagem de cereais e de pimentão, o fabrico do azeite foram as actividades onde os proprietários fundiários apareceram, de forma isolada ou em associação com os lavradores, com uma participação destacada. Nas restantes actividades ligadas directamente “à terra”, os proprietários participaram ao lado de outros. Assim, no caso da “debulha de cereais e enfardação de palha e feno”, os “proprietários” foram menos importantes do que “lavradores” e os “industriais”. No caso dos curtumes, eles aparecem ao lado dos industriais e, na correaria, participaram ao lado de mestres do ofício e de industriais. O termo “proprietário” pode dar lugar a equívocos já que, em alguns casos, estamos a falar de “grandes proprietários e lavradores” e, noutros, de pequenos proprietários em que, por exemplo, a pelaria surgia como uma actividade complementar.

30b) Os comerciantes e negociantes apareceram de forma destacada na produção de “vinhos e aguardentes”, “carnes fumadas e ensacadas”, no “fabrico de chocolates e amêndoas” e nas actividades associadas aos automóveis, máquinas (reparação, venda, garagem) e à fundição de metais. Este grupo, que frequentemente tinha uma base fundiária importante, desempenhava assim um papel de relevo na diversificação comercial dos produtos da terra alentejana. Ele terá sido muito afectado pelas medidas impostas pela regulação corporativa e autoritária da economia, impostas a partir da Ditadura Militar, orientando o seu investimento para a lavoura, área protegida por essa economia que visava defender “os produtores”. Além disso, orientou o seu investimento para o comércio de representação e consignações em novas áreas em expansão que encontravam nos lavradores e nos proprietários o seu principal mercado. Foi este o caso do comércio de automóveis e de máquinas agrícolas. Uma figura exemplar dum percurso ascensional nesta área, em Évora, é-nos dado pelo comerciante Arquimínio Caeiro que viria a ser presidente da Associação Comercial. Este, que começou o seu percurso como guarda-livros de António Simões Paquete que negociava em lãs por atacado, criou a sua própria empresa no ramo das representações automóveis, mantendo as melhores relações com a sua clientela agrária e burguesa. Trata-se, portanto, duma entrada recente sem qualquer ligação ao mundo industrial. Os seus filhos receberiam formação superior nas áreas da engenharia mas, a apesar disso, não viriam a tornar-se chefes de indústria.

31c) Na maior parte dos casos, as “actividades industriais” foram registadas por mestres do ofício, comerciantes e industriais. No caso das padarias, o número de registos efectuados por “padeiros” equivale aos dos “comerciantes”, sendo menos importante o número de “industriais”. Uma situação idêntica encontramos nas relojoarias, orientadas como estavam para a actividade comercial. O ofício aparecia, de forma exclusiva ou preponderante, nas actividades de “forno de coser pão”, “oficina de electricista”, “tanoaria”, “borracha (vulcanização)”, “ferraria”, “latoaria”, “funileiro” e “albardeiro. A designação de industrial, neste contexto, remete-nos para a escala e a qualidade das empresas em causa. Ao contrário do que sucedia com os fornos de pão, a actividade de “padaria/panificação” aparecia executada igualmente por “industriais”. No caso da “sapataria” ou do “fabrico de calçado”, e da “carpintaria” ou “indústria de mobílias”, os “industriais” eram tão importantes quanto os “mestres de ofício”. A ausência de “comerciantes” nestas duas actividades pode constituir uma pista que contribui para explicar a sua fragilidade. Por outras palavras, elas confirmam a ideia de que se trata de actividades orientadas para mercados locais ou sub-regionais, enfim, que não participavam em redes mais alargadas de abastecimento de mercados urbanos de luxo como era a capital. Esta articulação entre o comércio de média e longa distância e as empresas industriais encontramo-la no caso da cortiça. De facto, entre os “corticeiros” e antigos “rolheiros” encontramos comerciantes e industriais. O comerciante foi, neste caso, a figura fundamental que mobilizou a actividade exportadora. Por outro lado, a presença de tanta gente de ofício indicia a mobilidade social que a actividade proporcionou na ascensão de muitos à categoria de “industrial”.

  • 9 Basta pensar nas indústrias que se fixaram na região no ramo do vestuário e das confecções a partir (...)

32Também na alfaiataria encontramos comerciantes, industriais e mestres do ofício. A actividade surgia, muitas vezes, como sucedia no caso das modistas de vestidos, na sucessão lógica da venda de tecidos ao público. Face ao domínio do trabalho oficinal e doméstico na confecção, a área do “grande” negócio situava-se assim na venda de tecidos, como atestavam os repetidos anúncios no Notícias de Évora, no início dos anos ’20, sobre a “venda de retalhos” da sucursal na cidade dos Grandes Armazéns Grandela, de Lisboa. Neste caso, porém, a industrialização proporcionada com as vendas do “pronto a vestir” fez-se tardiamente e numa conjuntura fortemente marcada pela internacionalização dos factores produtivos não inteiramente desfavorável à região9.

33d) Os “industriais” apareceram de forma destacada no registo dum conjunto de actividades muito diversificadas e desconexas como foram os moinhos de vento, o fabrico de refrigerantes, a serralharia, a biselagem de vidro, a tipografia, a reparação de bicicletas e a oficina de canteiro. Dificilmente encontramos entre elas pontos de contacto que permitissem trocas de bens e serviços. A satisfação da procura urbana e do hinterland eborense parece ser o seu único ponto de união. Entre estas, a serralharia, que tinha forte dependência da clientela agrária, foi particularmente importante no recrutamento de industriais. A sua presença no grupo dos que tinham debulhadoras explica-se pela oportunidade do negócio quando estas se avariavam a meio das ceifas.

34e) As indústrias onde predominava o ofício eram marcadas pela pequenez do negócio. Estiveram nestes caso os fornos de pão, as oficinas de ferreiro, funileiro, tanoeiro, albardeiro, electricista e de vulcanização de borracha. Ao lado de actividades residuais e em declínio encontramos outras de manutenção dos novos produtos.

35A análise do percurso dos requerentes ao RTN nos livros de recenseamento eleitoral entre 1890 e 1935 dá-nos alguns elementos que nos permitem formar uma ideia das tendências de mobilidade social dos indivíduos em algumas actividades. Devemos, contudo, assinalar que a mobilidade não foi a regra neste período, como fica claro no pequeno número de casos identificados (35).

Tabela 6.6 – Participação de grupos de actividade nas indústrias registadas no RTN (1922-1935)

Tabela 6.6 – Participação de grupos de actividade nas indústrias registadas no RTN (1922-1935)

* barbeiro, sapateiro, seareiro, ferrador, albardeiro, taberneiro, trabalhador e outros, fonte: RTN

36O recrutamento dos industriais desta amostra fez-se, por via de regra, nos grupos de ofício, muito secundariamente entre os comerciantes (cf. tabela 6.7). Entre estes ofícios registámos como significativos os carpinteiros, os comerciantes, os latoeiros, os padeiros, os serralheiros e os sapateiros. Assim, o facto de ter havido pouca mobilidade de capitais oriundos do comércio para a “indústria” (expressa neste contexto em diversas actividades artesanais e de mão-de-obra intensiva), ao contrário do que sucedia nos casos das indústrias agro-alimentares, pode explicar (pelo menos em parte) as dificuldades de adaptação e de crescimento no médio prazo do conjunto daquelas actividades. As debilidades de indústrias como as do mobiliário, da confecção de vestuário e do calçado não deixaram de relacionar-se com a sua orientação para a satisfação de clientelas no hinterland económico das principais urbes alentejanas. Por outras palavras, a inexistência de redes comerciais alargadas de exportação para a produção artesanal que caracterizam as regiões proto-industriais, a ausência de sistemas de comercialização de produtos que utilizassem, de forma sistemática e intensiva, a mão-de-obra subaproveitada e disponível nos campos foi um traço fundamental que esteve subjacente na estrutura do tecido industrial que o nosso inquérito à mobilidade traduz. Neste contexto, a passagem da indústria para o comércio surgiu como o corolário lógico da perda de competitividade da produção local.

Tabela 6.7 – Casos de mobilidade indiciada pela identificação social dos indivíduos registados em Évora no âmbito do RTN

Tabela 6.7 – Casos de mobilidade indiciada pela identificação social dos indivíduos registados em Évora no âmbito do RTN

Fonte: RTN (1922-1952), concelho de Évora e ACME/RE.

37Também a mobilidade no sentido da lavoura foi excepcional neste contexto. Identificámos um único caso, um ferrador que, de seareiro, se tornou pequeno lavrador. Em dois casos, os lavradores tornaram-se “proprietários”, havendo também um cordoeiro que assumiu esse estatuto.

38Não podemos, contudo, identificar a mobilidade dos grupos socioprofissionais que registaram actividades industriais no âmbito do RTN com o recrutamento dos industriais. Uma aproximação mais rigorosa à origem social do patronato industrial (ou, se quisermos, daqueles que em meados dos anos ’30 se diziam e podiam ser identificados como industriais) pode ser feita a partir dos censos eleitoriais.

39A nossa atenção dirigiu-se inicialmente para os “industriais com passado”, ou seja, para o grupo de pessoas que durante décadas apareceram referidos como tal. Trata-se de um grupo muito restrito. Na nossa selecção de 165 industriais em listas eleitorais até 1939, apenas 15 foram seguramente industriais ao longo de várias décadas no concelho. Servem de exemplo, para além dos industriais corticeiros Francisco Oliveira Saragoça e José Gomes Severino já referidos, António do Anjo Messejana, este último correeiro na freguesia da Sé que foi sempre registado entre 1911 e 1930 como industrial. Mais importante foi a figura de Eugénio Alvarez, proprietário e gerente da Sociedade Alentejana de Moagem (Fábrica dos Leões) que passou a ser identificado como um industrial eborense deste 1923.

40Porém, em muitos casos, os industriais apareciam como figuras sem qualquer tipo de passado na vida económica da cidade. O seu número foi relativamente escasso até finais dos anos ’20, mas aumentou extraordinariamente ao longo dos anos ’30. Das 70 novas entradas no grupo, 53 realizaram-se nesta época. Podemos lançar várias hipóteses explicativas para a emergência deste numeroso grupo de “industriais sem passado”. A primeira prende-se com o aumento efectivo do número dos pequenos estabelecimentos, agora considerados como “industriais”, ao longo desse período, como mostrámos quando fizemos a descrição da evolução desse parque (capítulo 4). Ligado a este crescimento estiveram fenómenos de mobilidade geográfica que poderão explicar as ausências de informação anterior e inflacionar o número dos recém-chegados à indústria. Em terceiro lugar, a actuação do Estado, no sentido do condicionamento da actividade dos “grandes”, pode ter criado oportunidades para a entrada de recém-chegados à indústria. Por outras palavras, o controle corporativo burocrático da distribuição, dos preços e o condicionamento da actividade industrial retiraram capacidade de dissuasão à entrada por parte dos instalados, facilitando deste modo a entrada de gente de fora em alguns sectores. Em quarto lugar, podemos estar a lidar com pessoas que nunca antes tinham estado recenseadas devido ao seu baixo estatuto social. Finalmente, deverá considerar-se a demografia ou, se quisermos, a reprodução ampliada do próprio grupo.

41Se bem que todas estas hipóteses explicativas possam ter-se verificado em alguma medida, a que nos parece menos importante prende-se com a da reprodução social do grupo. A tendência para a terciarização por via das aquisições de competências escolares podem ter pesado no sentido inverso, atirando com muitos dos filhos destes “industriais” para os empregos oferecidos pela máquina burocrática do Estado e para outros empregos em firmas maiores. Seja como for, a análise dos sobrenomes não corrobora aquela hipótese, apontando para novas entradas efectivas. Assim, parece-nos mais importante o processo que esteve subjacente à actuação combinada de factores distintos como a multiplicação das pequenas unidades, a ascensão do estatuto social e o alargamento da base social do recenseamento como foi a que ocorreu, de facto, durante o Estado Novo.

42A análise do calendário das alterações de estatuto mostra que foi sobretudo a partir dos anos ’30 que o número de pessoas até aí identificadas pelo seu saber fazer profissional, pela mestria no seu ofício, passaram a ser referidas como industriais (tabela 6.8.). Até 1914, apenas 6 pessoas alteraram o seu estatuto, o dobro até 1926. Até 1930, somente 16 pessoas passaram a ser “industriais”. Em contrapartida, entre a Ditadura Militar e as vésperas da II Guerra Mundial, temos 35 alterações de estatuto, fenómeno que deve ser associado ao enorme número de novas entradas. A ideia vulgar de que a I Guerra Mundial criou muitas novas fortunas e oportunidades de mobilidade ascendente para os que vieram do fundo obscuro, não parece ter em Évora e no que respeita a esta categoria de gente, qualquer fundamento. Sem se negar que, nesse período, a correlação de forças entre os diferentes grupos possa ter-se alterado, fica patente que foi sobretudo a partir da Ditadura que os fenómenos de mobilidade aparente se podem detectar.

Tabela 6.8 – Número de novos industriais sem qualquer passado e de pessoas que passaram a identificar-se como industriais em diferentes épocas

Tabela 6.8 – Número de novos industriais sem qualquer passado e de pessoas que passaram a identificar-se como industriais em diferentes épocas

43Antes de prosseguirmos a análise da mobilidade aparente, façamos um pequeno desvio no sentido da determinação das representações sociais. Em que medida o industrial não emerge no novo contexto social como uma figura de status, ao mesmo título que a sociedade burguesa do século XIX criara a figura do proprietário? É interessante, a este respeito, fazer uma sondagem sobre a distribuição etária dos “industriais” eborenses identificados nos livros municipais do recenseamento eleitoral. Contrariamente ao que seria de esperar quando se está a lidar com uma área de actividade muito aberta, essa análise mostra que o grupo “envelhece” como resultado da entrada de novos “industriais” ao longo da década de ’30 (tabela 6.9, figura 6.5). Enquanto, em 1930, a maioria dos industriais tinha entre 30 e 40 anos, em 1939 estamos a falar de pessoas quase todas com idades situadas entre os 40 e os 70 anos. É assim muito provável que o termo tenha adquirido para “a pequena indústria” um novo atributo de status social. Efectivamente, o aumento que verificámos no número de industriais não teve uma tradução directa no robustecimento do sector industrial. Contudo, a transformação do artesanato em indústria acentuou a fronteira de classe entre o patronato e os trabalhadores assalariados. A representação em torno da nova figura de status foi certamente consolidada com o aumento do controlo administrativo imposto à indústria e com a imposição da organização corporativa, que veio separar as águas entre o patronato e os trabalhadores.

Tabela 6.9. Distribuição etária dos industriais de Évora em 1930 e em 1939

Tabela 6.9. Distribuição etária dos industriais de Évora em 1930 e em 1939

Fonte: CME/RE

  • 10 Cf. estudo comparativo de Hatmut Kaelble sobre o recrutamento do patronato industrial na Alemanha, (...)

44Vejamos então a origem das pessoas que viram o seu estatuto alterado. A grande maioria destes industriais teve origem no artesanato ou na própria indústria10. O nosso esforço de quantificação mostra que foram sobretudo as profissões de ofício a principal base de recrutamento dos industriais. 89% dos casos da nossa amostra tiveram aí essa origem, sendo particularmente importantes, como grupo de recrutamento, os corticeiros, os carpinteiros, os serralheiros e, na área da alimentação, os padeiros. E foram, afinal, estas as principais áreas de actividade registadas no âmbito do RTN, realidade que os inquéritos e censos industriais não deixaram de traduzir desde 1890. Um escasso número de comerciantes orientou a sua estratégia no sentido industrial, como se percebe pelo número reduzidíssimo de casos observados (cf. tabela 6.9). E, tal como seria de esperar, as entradas oriundas do Estado foram insignificantes.

Figura 6.5 – Industriais de Évora: distribuição etária em 1930 e em 1939

Figura 6.5 – Industriais de Évora: distribuição etária em 1930 e em 1939

Tabela 6.10 – Origem socio-profissional dos industriais identificados nos recenseamentos eleitorais em Évora, 1890-1939

Origem

Área de actividade

Profissão

N.°

Total

Agricultura

Proprietário

1

1

Indústria

44

Alimentação

Padeiro

5

Vestuário

Alfaiate

1

Calçado

Sapateiro

4

Curtumes e peles

Peleiro

1

Cortiça

Corticeiro

15

Artes dos metais

Ferrador, forjador, funileiro, serralheiro, latoeiro

8

Artes da madeira

Carpinteiro, abegão, marceneiro

7

Artes do papel

Tipógrafo

1

Construção

Alvenéu

1

Química

Fotógrafo

1

Comércio

Comerciante

3

3

Estado

Polícia

1

1

Serviços

Barbeiro

1

1

Outros

1

TOTAL

51

45A leitura da tabela 6.9 deve ter presente que ficaram de foram os numerosos “novos industriais” sobre os quais é difícil avançar com elementos sobre a sua origem. Sabemos que, em alguns casos, estamos perante pessoas que estiveram ligadas à gestão de estabelecimentos industriais de certa importância, firmas em nome colectivo, como foi o caso da família Alvarez que se ligara havia pouco tempo à cidade. Mas a dúvida permanece para a maior parte.

  • 11 V. DRME / Processo 2.521 da 7.a CI (Rilei 4/4283).

46Quando analisamos os processos das maiores empresas em cada sector à escala da região, a participação de gente com origem fundiária na gestão industrial foi bem mais importante do que este exercício deixa entrever. Um dos exemplos que pode ser dado é o da Moagem do Crato, L.da Alexandre de Castro Sá da Bandeira, classificado como proprietário e residente em Paris quando se constituiu a sociedade de moagens Sá, Santos & Silva, em 1917, aparecia classificado como viúvo e industrial em 1941 quando foi alterado o pacto social da Sá & Cia L.da, sociedade familiar que detinha aquela fábrica11. Neste, como noutros casos que fomos evidenciando ao longo do nosso estudo, foi a gestão fabril que transformou os “proprietários” em “industriais”. As indústrias alimentares constituíram uma porta de entrada privilegiada das elites para o universo industrial. No entanto, a oportunidade de sucesso no médio prazo foi limitada pela forte intervenção do Estado neste grupo de indústrias agro-alimentares, retirando-lhes grande parte do seu interesse económico e a sua possibilidade de crescerem através da livre concorrência.

47Em contrapartida, a engenharia constituiu uma importante estratégia de reprodução social para os grupos da elite fundiária. O nosso recenseamento nominal dos engenheiros residentes em Évora entre as duas guerras mundiais mostra que eles eram originários, não da indústria, mas da elite agrária e comercial. A simples leitura dos seus nomes revela fortes laços de parentesco com as “boas famílias” da elite agro-comercial eborense (cf. tabela 6.11). O capital técnico e social adquirido graças ao seu poder económico, numa sociedade onde a formação superior era fortemente elitista, permitia-lhes constituir um grupo privilegiado de recrutamento para as altas funções do Estado com grandes responsabilidades, não só na fiscalização e licenciamento das indústrias, como também na definição ou na execução de políticas que afectavam directamente os industriais. Um dos casos paradigmáticos, já referido, foi o de Adriano Augusto Monteiro, um dos chefes do “partido agrário” regional nos finais de Oitocentos, durante anos chefe da circunscrição industrial do sul.

  • 12 A acção dos engenheiros no processo de industrialização dos países da Europa do sul tem sido alvo d (...)

48Nenhum destes engenheiros foi empresário industrial ou parece ter usado do seu capital técnico para lançar, por sua iniciativa, novas indústrias12. A engenharia colava-se como um atributo excepcional aos proprietários e chefes de empresa, como sucedia com os agrónomos. Por outro lado, poucas eram as indústrias instaladas no Alentejo que tinham escala e complexidade suficientes para poderem precisar, ou até sustentar, um simples engenheiro. Nos casos identificados na análise dos processos em arquivo, a engenharia foi importante em alguns casos pontuais, como porta de entrada para o universo mineiro, metalúrgico, metalo-mecânico, para a grande moagem e para a produção e distribuição de electricidade. Apenas os grandes empreendimentos podiam empregar engenheiros a tempo inteiro, servindo-se deles nas tarefas de direcção técnica e de gestão industrial. Entre as empresas regionais que dispunham na sua direcção de engenheiros encontravam-se a Robinson de Portalegre, a Metalúrgica do Crato, L.da ou a Sociedade Exportadora do Norte, firma invicta que ficou com a fábrica de Moura da Sociedade de Azeites.

Tabela 6.11 – Engenheiros nos recenseamentos eleitorais em Évora (1919-1939)

Tabela 6.11 – Engenheiros nos recenseamentos eleitorais em Évora (1919-1939)

Legenda: E. Engenheiro; El. Engenheiro inspector; EA. Engenheiro auxiliar; EC. Engenheiro civil; Ei. Engenheiro industrial,
Fonte: Fonte: CME/RE

6.3. Percursos de empresários industriais no Alentejo entre as duas guerras.

49A descrição que fizemos da grande indústria revelou, desde meados de Oitocentos, a importância de actores exteriores à região que poucas vezes se integraram nas elites locais. Na indústria mineira, a necessidade de elevadas competências técnicas aliava-se, como um requisito para o sucesso, à capacidade de organização, de planeamento e administração industrial e um bom posicionamento face aos mercados. A formação em engenharia foi um requisito exigido pelo Estado para a direcção dos trabalhos mineiros. A presença de engenheiros ingleses, belgas e franceses relacionava-se intimamente com a direcção das sociedades sedeados no exterior. Outro tanto se passava com os grandes operadores no comércio de exportação da cortiça, onde pontuavam os ingleses, catalães, alemães e dinamarqueses. No domínio da grande moagem, encontramos também empresários que foram engenheiros de panificação de origem espanhola, representantes de empresas multinacionais de equipamento especializado como era o caso da Bühler, que tinha uma sucursal em Barcelona. Os engenheiros empresários foram ainda importantes, como já tem sido salientado, no lançamento de indústrias eléctricas. A este propósito o caso de José Custódio Nunes com a Hidroeléctrica Alto Alentejo é exemplar.

50Tais percursos foram, no entanto, excepcionais entre as elites alentejanas. Um inventário dos percursos biográficos das elites representadas no Álbum Alentejano revelou-nos que a maioria da mobilidade social ascendente representada se fez através da lavoura e no sentido da constituição de casas agrícolas. A narrativa do pequeno lavrador ou seareiro que vai acumulando terras à custa de arrendamentos e do “seu” esforço pessoal ao longo duma vida de trabalho é repetida entusiasticamente com uma frequência que parece querer destruir a imagem de uma elite fechada constituída durante as primeiras etapas do período liberal. E a origem desse esforço ascensional que nos é descrito quase sempre veio da lavoura.

  • 13 Um dos casos é relatado num artigo que recebeu um título elucidativo: “Como se consegue vencer na v (...)

51Nos percursos cuja origem se situava no comércio, não deixa de ser interessante notar que tal orientação se fez com o abandono das primeiras actividades13. Neste contexto foi excepcional o percurso de José Mendes Calado (1851-1927) que foi considerado o maior comerciante por grosso em cereais, carvão e palha em Alter do Chão. Quando investiu na moagem e lagar de azeite, passou a ser identificado como industrial. Contudo, o seu filho Rafael Mendes Calado teve casa agrícola (IM/AA, 579).

  • 14 V. DRME, Processo 4/2.266. Alvará 10.147.

52O caso mais importante que nos é relatado pelo Álbum foi o J. A. Bastos Ribeiro, considerado como um “Alfredo da Silva do Alentejo” (IM/AA-973). Tendo começado em 1922 a vida agrícola, com 3 herdades deixadas pelo pai, depressa enveredou pela actividade industrial. Em 1924, estabeleceu as suas primeiras oficinas de carpintaria e serralharia e, no ano seguinte, instalou a fábrica de moagem que tinha uma capacidade de produção de 20 toneladas diárias. Dois anos mais tarde, estendeu a sua actividade até à panificação. Depois, em 1930, firmou um contrato com o município para a produção de electricidade. Começou a fabricar gelo e, em 1932, azeites de marca Seizely. O seu complexo fabril, instalado no antigo convento de Santo António cobria uma área de 1500 m2 e integrava a produção de electricidade, a moagem de cereais, a panificação, destilaria, o fabrico de gelo, a destilação de bagaços, a refinação de azeites e o fabrico de sabão. O conjunto era assistido por oficinas mecânicas de estriagem de cilindros, carpintaria e serralharia14. Apesar da importância desta componente industrial, a exploração agrícola e pecuária continuava como uma parte importante do negócio, constituindo a parte essencial do seu património.

53Este percurso não deixa de ser similar ao de Francisco Barahona que fundou com outros lavradores a sociedade Portalegre Industrial, depois Moagem de Portalegre, e a fábrica de tecidos Sedas de Portalegre.

  • 15 Sobre a divulgação do uso de adubos veja-se Fernandes-1899, Prego-1902 e Silva-1917 e também o Bole (...)
  • 16 “Inventou uma prensa de fuso, com multiplicação de força; uma prensa hidráulica, com duplo efeito; (...)

54A actividade inventiva deste grupo esteve intimamente ligada à sua acção como lavradores e não parece ter tido quaisquer consequências a prazo. Os esforços realizados pelo lavrador Miguel Fernandes na criação de adubos fosfatados melhor adaptados às terras galegas e na sua divulgação não levaram o lavrador até à indústria, apesar das suas aplicações derem lugar a adubos de marca15. O mesmo não se terá passado com Joaquim Perdigão Queiroga, apresentado na Indústria Portuguesa como “alentejano ilustre” e “inventor ignorado” que “jamais tentou usar da influência do iminente tribuno (era sogro de António José de Almeida) para dar a conhecer os seus trabalhos, fugindo sempre à fácil popularidade que então podia criar, refugiando-se (...) modesto, simples, bondoso” (IM/IP-1928, 56, Out. 1932). Segundo a revista, o director técnico da Moagem e Electricidade de Arraiolos inventara e construíra “máquinas agrícolas e tractores portugueses”16. Com a sua fundição instalada em Évora, a principal actividade de Perdigão foi a produção e montagem de instalações de lagar completas e de moagens de ramas. A sua fábrica funcionou como uma verdadeira escola de fundição e de serralharia até à data da sua inesperada morte, altura em que o estabelecimento encerrou.

55No contexto das trajectórias empresariais com raízes fundiárias no Alentejo da primeira metade do século XX, António Lobo de Aboim Inglês (1860-1941) constituiu um caso excepcional. Foi por duas vezes presidente da Associação Industrial Portuguesa e, em 1920, fundou com Frederico Vilaret, Martinho Dardio Rosado e Agostinho Fortes a Liga Alentejana, uma experiência efémera. A sua casa em Lisboa, na Junqueira, era considerada nos anos ’20 e ‘30 como um verdadeiro centro de cultura, onde se reuniam republicanos e intelectuais que fervilhavam de ideias e projectos para o país. O seu percurso industrialista foi largamente tributário da sua visão do Alentejo, onde concentrou a sua actividade.

  • 17 Elementos colhidos na entrevista com o neto, o Dr. Francisco Aboim Inglês Barata, em 17 de Fevereir (...)
  • 18 Entrevista citada.

56Originário duma família de grandes proprietários de Aljustrel (distrito de Beja), a sua entrada na indústria fez-se por via da sua formação como engenheiro de minas17. A sua carreira profissional começou em Lisboa, após ter concluído a sua formação, em trabalhos de construção civil e em empresas da capital. Partiu depois para Espanha, onde trabalhou em várias minas, acabando por dirigir, no Huelva, as minas de São Miguel, que tinham participação de capitais portugueses. Republicano, conterrâneo e amigo de Manuel de Brito Camacho, chefe do partido unionista, regressou a Portugal pouco depois da implantação do novo regime político, tomando parte activa na propaganda dos unionistas. De acordo com a memória familiar, no seu comportamento empresarial teve um papel determinante a sua crença de que o futuro do Alentejo não podia residir no exclusivismo agrícola. As suas qualidades humanistas e o seu profundo amor ao Alentejo levaram-no a acreditar que o progresso da província era incompatível com uma economia assente numa agricultura pobre que nunca poderia remunerar bem o trabalho. Neste percurso, “teve colegas políticos mas não teve companheiros”, pessoas que, como ele, “quisessem desinteressadamente investir no Alentejo”18. Faz sentido, por isso, que nesse projecto tecnicamente sofisticado para a época que foi a Electro-Oleica de Moura (1913), ele aparecesse ao lado de quatro proprietários espanhóis. Em Moura fez também uma fábrica de enchidos (marca Nodar) que ficou entregue à direcção de Francisco Ramirez. Nos muitos negócios que se meteu, o lucro terá sido um móbil secundário. Contudo, é provável que estivesse subjacente nestes investimentos alguma estratégia de reprodução familiar que não passava unicamente pela terra. Aboim Inglês casou cedo e rapidamente viu-se com sete filhos. Sabemos que a fábrica de sabão, em Moura, foi feita para o seu filho primogénito. É possível que o empresário visse num futuro próximo a actividade industrial como o destino para alguns dos seus filhos, uma actividade mais remuneradora do que a lavoura e cuja rendibilidade dependia sempre da unidade do património. Por outro lado, parece que Aboim Inglês alimentava a ideia social de que a terra deveria pertencer aos rendeiros volvidos 25 anos de arrendamento ou de casa.

57Seja como for, o afastamento da gestão directa dos seus negócios industriais devido à sua participação activa na política unionista (foi deputado em 1919 e, em 1921, ministro da agricultura sob a presidência de António Granjo), poderá ter estado na origem de graves problemas de liquidez com que se defrontou. Aboim Inglês voltou-se então para a indústria mineira, explorando várias concessões de cobre e de manganês no Baixo Alentejo, entre elas a mina Saramaga, perto de Messines, e a Cova da Moura (S. Marcos da Serra). A maior delas todas, onde investiu todo o capital que lhe restava, foi nas Lagoas do Paço (em Montes Velhos, Aljustrel). Aí chegaram a trabalhar 600 pessoas. Mas esta exploração deparou-se com o grave problema da abundância de águas subterrâneas. Tentou, com isso, tirar partido quando elaborou projectos para abastecer de água os municípios de Beja, Ferreira e Aljustrel, que não foram por diante devido às limitações financeiras das câmaras. Neste trajecto, o empresário foi delapidando a sua fortuna e abandonando tudo o que era lavoura para se dedicar inteiramente à exploração mineira. No início dos anos ’30, a situação de Aboim Inglês era difícil.

58A recuperação deu-se gradualmente. O ambiente belicista que se começou a sentir na economia internacional a partir de meados dos anos ’30 foi particularmente favorável às minas de manganês, dado que este minério era utilizado na purificação do aço. Assim, os lucros proporcionados nos anos do conflito permitiram relançar a empresa. Contudo, à data da sua morte, em 1941, o valor do património constituído não cobria ainda as suas dívidas. Até essa data, nenhum dos filhos se tinha tornado empresário industrial. O mais velho, engenheiro de minas pelo I.S.T., tinha já falecido. Fora durante anos o seu braço direito até ingressar na indústria de refinação de petróleo como empregado superior da firma romena Sacor. Outro, que foi administrador da Mobil, era financeiro e, de acordo com o testemunho do familiar que temos vindo a seguir, “nada percebia de minas”. Carlos tornara-se militante comunista e vivia na clandestinidade. Finalmente, António Lopes, que era médico veterinário e professor da Sorbonne, foi quem veio para Portugal tomar conta de Lagoas do Paço.

59Os filhos associaram-se então na Sociedade Aboim Inglês L.da para a exploração mineira, ficando de fora o património fundiário que passou a ser gerido pelo grupo familiar de forma informal. O proprietário ribatejano Carlos Empis entrou na sociedade avançando com meios de pagamento mediante participação nos lucros, retirando-se quando a família pôde liquidar a dívida que vinha do passado.

60Depois da guerra, a actividade da sociedade ficou limitada ao abastecimento das fábricas de vidro de Fontela e Marinha Grande, onde o manganês era utilizado para dar a coloração âmbar às garrafas de champagne. A viabilidade do empreendimento passou pela aposta na electrificação, que exigiu pesados investimentos em infra-estruturas. Conotada politicamente com a Esquerda, a família sofria com dificuldades de relacionamento com as autoridades. Não conseguia vender à Siderurgia Nacional e estava-lhe vedada qualquer cooperação com as autoridades municipais que mais teriam a ganhar com as externalidades da mineração: o abastecimento de água e a produção de electricidade. Na década de ’60, a água das minas era distribuída para a cultura do tomate que alimentava uma fábrica ao pé da vila de Aljustrel. Com o aparecimento de sucedâneos para o manganês, a actividade mineira tornou-se inviável. As minas encerraram, finalmente, em 1974.

6.4. Condicionamento industrial e ascensão social na indústria – o caso dos irmãos Fialho (Évora)

  • 19 Foi este o caso de Confraria (1992). Veja-se também Brito (1989), Rosas (1986 e 1994) e Madureira ( (...)
  • 20 Os estudos de Makler (1969) sobre a elite industrial portuguesa, infelizmente, deixaram de fora o A (...)

61Os casos apontados de Francisco Barahona, J. A. Bastos Ribeiro, Perdigão Queiroga e Aboim Inglês constituem percursos no sentido industrial que partiram duma base fundiária, onde os interesses estratégicos da grande lavoura, por um lado, e o capital humano, por outro, desempenharam papéis distintos. Diferente foi, como vimos, o percurso no interior da indústria onde o número de indivíduos reconhecidos como industriais cresceu de forma exponencial numa região marcada pelos interesses agrários. Ora, a ideia que os estudos realizados em torno do condicionamento industrial transmitem é o de que o condicionamento protegeu os “interesses instalados”, substituindo a coligação entre industriais e os mecanismos de mercado por uma malha de decisões burocráticas, equiparável àqueles mecanismos utilizados nas economias capitalistas “abertas” para dissuadir a entrada de novos actores19. Nessa medida, terá limitado a mobilidade social no seio da indústria. Ora, tal imagem foi contrariada pela evidência empírica do empresariado industrial no sul20.

62A descrição que fizemos do parque industrial revela que os anos ’30 conheceram a substituição de alguns actores em empreendimentos importantes, sendo de assinalar a entrada de Francisco Fino, pequeno industrial originário da Covilhã, que ficou com a Fábrica de Lanifícios de Portalegre, ou de Carlos Roeder, em Beja. Nos anos ’50, uma nova geração de industriais começou a afirmar-se, cuja origem se inscreve na própria actividade, como foram os casos dos irmãos metalúrgicos Fialho, em Évora, ou da família Nabeiro, em Campo Maior.

63Foi neste contexto que o caso dos irmãos Fialho mereceu a nossa atenção, pois trata-se de uma entrada bem sucedida na indústria por parte de pessoas que vieram do trabalho de ofício. Trata-se de um caso notável, não apenas por se tratar de um percurso ascensional, mas também por ter sido uma entrada muito tardia, num sector fortemente condicionado e onde, havia décadas, actuavam grandes empresas metalúrgicas. É ainda notável devido á forma como esse percurso se realizou, servindo de ilustração das práticas culturais desenvolvidas pelos industriais na sua relação com o Estado salazarista, explicitamente reaccionário e anti-moderno na sua inspiração. É, finalmente, um caso que reflecte sobre a importância e o alcance do conceito de “capital humano” no sucesso empresarial, já que se tratou de uma entrada numa área tecnicamente avançada feita por pessoas com baixas qualificações formais. Cremos, porém, que este percurso foi apenas possível no ambiente económico e social criado pelo Salazarismo. Também não foi a excepção que confirma a (falsa) regra do imobilismo social. Bem pelo contrário, pensamos que ele ilustra um dos caminhos que esteve na origem da formação duma parte do empresariado português na segunda metade do século XX (cf. Makler-1969). Por tudo isto, foi um percurso exemplar que ilustra, na área industrial, a dinâmica gerada entre a sociedade civil e o Estado.

64Os irmãos Fialho, constituídos como industriais nos anos ’50, foram a segunda geração de serralheiros que aproveitou as oportunidades criadas pela motorização da lavoura alentejana no pós-guerra. O avô, que morou no Monte da Defesinha (Torre dos Coelheiros), foi singeleiro. Desbravava mato e fabricava carvão de pedra que vendia em Évora. Teve 21 filhos, um dos quais meteu como aprendiz de serralheiro numa oficina da cidade, que abastecia.

  • 21 De acordo com as palavras do industrial em entrevista gravada em Junho de 2001.

65José António Fialho (1878-1943) fez a maior parte do seu percurso como serralheiro em empresas da região. Aprendeu o ofício numa fundição que laborava perto do mercado da cidade, defronte da Igreja de São Francisco, e que era propriedade de um alemão21. Fabricava bombas manuais em ferro. Nos anos ’20, trabalhou na fundição de Perdigão Queiroga e depois, como serralheiro, na moagem de São Manços que instalou. O encerramento da moagem, em 1932, na sequência das medidas administrativas impostas, deixou-o desempregado. Foi nesta altura que montou uma pequena oficina onde fazia um pouco de tudo, desde espingardaria aos trabalhos de serralharia civil e, em especial, reparações em caldeiras e debulhadoras que o levavam a percorrer os montes das herdades. Politicamente, José Fialho viveu revoltado com a desigualdade social e assumiu ideais comunistas durante toda a vida.

  • 22 Idem, entrevista citada.

66Teve três filhos varões que não entraram todos de imediato na actividade industrial. Lenine Fialho, por exemplo, enquanto criança trabalhou “no campo” onde fez todo o tipo de trabalhos22. Em Março de 1948, veio para a cidade para entrar na Somefe, sociedade metalúrgica constituída na altura entre o comerciante Francisco Parreira Rosado, o lavrador Agostinho Inácio Gião, a Agência Comercial L.da (Évora), Albino J. Lopes Braguez e dois torneiros-mecânicos. Pouco meses foi trabalhar com o seu irmão e sogro nas oficinas da Fábrica dos Leões, as quais constituíram uma verdadeira escola de serralharia na região. O seu sogro José Baião, encarregado das oficinas de serralharia, abriu depois uma pequena oficina defronte dos Leões, que passou a dar assistência à fábrica e a máquinas de debulha.

67Várias circunstâncias favoreceram a passagem dos Fialhos para o campo do empresariado, a começar pelo facto de poderem contar com o apoio financeiro de um dos sogros e com as dificuldades com que Augusto Alves Leal se deparava na sucessão do negócio após a morte do gestor Álvaro Saraiva. Lenine Fialho e o seu irmão ficaram com o trespasse daquele agente da Tramagal por 80 contos, adquirindo o alvará e o estabelecimento que dispunha de algum equipamento. Contando com apenas com 20 contos de capital, a sociedade arrancava com um empréstimo contraído junto de um dos sogros e avalizado pelo terceiro irmão Rogério.

  • 23 Processo 3.148 da 4.a C.I. Fabrico de máquinas para a agricultura Rua do Mouro, 38 São Mamede-Évora (...)
  • 24 V. escritura no D.G., III série, de 14.jul.1958.
  • 25 Petição para que seja regularizada a situação da firma Fialho & Irmão L.da dirigida ao Secretário d (...)
  • 26 Memória Descritiva no processo citado.
  • 27 Indeferimento no Boletim da DGSI, 566, de 4-11-1959. A pretensão contou apenas com a oposição da Ca (...)
  • 28 Boletim da DGSI, 625, de 21-12-1960: pedido para adaptar o seu estabelecimento e fabricar alfaias p (...)

68A firma Fialho & Irmão L.da teve, no entanto, de travar uma longa luta para obter autorização para fabricar máquinas para a agricultura23. O alvará que dispunha dava-os como uma oficina de serralharia mecânica, repicagem mecânica de limas, soldadura autogénica e eléctrica. Nada mais. Ora, o seu objectivo era poderem fabricar “acessórios para máquinas agrícolas e industriais”, tal como constava no seu pacto social (ACRP/C1-1989-1960). Para o conseguirem, os dois irmãos gerentes defendiam, em requerimento junto da circunscrição industrial, que havia muito que se dedicavam à reparação de carros e de alfaias agrícolas de tracção animal. Afirmavam que a sociedade, constituída recentemente, tinha tomado de trespasse a casa de Augusto Alves Leal, a qual trabalhava desde 1924 com o alvará que estava em nome de Salvador Mirador & Irmão24. Com este alvará e outros títulos “esta casa vem fabricando charruas, arados, grades, há dezenas de anos”25. Em 1958 tinham aumentado as instalações, melhorado a qualidade do pessoal e começaram a fabricar equipamentos sem licença, confiando na grande solicitação de encomendas que vinha da lavoura. Com esta iniciativa, a empresa reconhecia “a necessidade de acompanhar o desenvolvimento que se acentua cada vez mais com a utilização de alfaias agrícolas de tracção mecânica nesta região”26. Em Janeiro de 1959, a empresa tentou, em vão, obter autorização para fabricar charruas de discos e de formões, grades de discos, escarificadores, pulverizadores, semeadores, reboques, facas e crivos para debulhadoras e ceifeiras debulhadoras27. Um novo pedido feito em Dezembro do ano seguinte voltou a ter o mesmo desfecho28. Malograda a estratégia de “esticar” os direitos transferidos do antigo alvará, tentava-se adoptar a política do facto consumado, levando as autoridades a aceitar uma situação de facto. No entanto, os serviços industriais acabaram por actuar, levando-os a tribunal por fabricarem equipamentos agrícolas sem alvará, apesar de se tratar de substituir bens importados. Salvou-os então uma amnistia geral decretada pelo governo.

69Lenine Fialho, que lidou sempre directamente com Lisboa por forma a contornar as enormes dificuldades criadas pelos serviços regionais em defesa dos “instalados”, acabou por ter a felicidade de ser chamado a Lisboa onde foi inquirido directamente por um alto funcionário acerca das suas actividades e competências - um autêntico exame oral que o obrigou a explicar como se construía um sistema novo e sofisticado utilizado nos novos tractores agrícolas. O mestre de ofício, que fizera a 4.a classe em adulto através de lições particulares, ficara agora aprovado como industrial numa especialidade que não tinha concorrentes. Os irmãos foram então autorizados a reiniciar o processo de licenciamento.

  • 29 Boletim da DGSI, 775, de 6-11-1963: pedido
  • 30 Boletim da DGSI, 779, de 4-11-1963.
  • 31 Boletim da DGSI, 805, de 3-6-1964

70Assim, em Novembro de 1963, os Fialhos apresentam um pedido “para manter em laboração o seu estabelecimento industrial o fabrico de alfaias agrícolas, charruas de tracção mecânica e grades de discos”29. Naturalmente, o processo ainda teve de percorrer a via dolorosa de todos os processos sujeitos ao condicionamento. Assim, os novos industriais depararam-se com a oposição de empresas de peso nesta pretensão: a Sociedade de Metais e Fundição L.da (SOMEFE), Metalúrgica Benaventense e a Metalúrgica Duarte Ferreira, SARL30. Apesar disso, o governo autorizou-o “a manter em laboração na sua oficina de serralharia, em Évora, o fabrico de alfaias agrícolas”31. Que acontecera?

71Tal como se pode perceber pelos pareceres aos dois primeiros requerimentos, as associações industriais e os organismos corporativos não deixaram de opor-se ao projecto invocando razões plausíveis: falta de condições técnicas mínimas para um projecto daquela envergadura (Associação Industrial Portuense e Associação Industrial Portuguesa), excessivo número de fabricantes (Grémio dos Industriais Metalúrgicos e Metalomecânicos do Norte) e necessidade de manter alguma prudência no alargamento sucessivo destes fabricantes na ausência de normas sobre a qualidade do fabrico (Grémio dos Industriais Metalúrgicos e Metalomecânicos de Braga). Em sua defesa, os Fialhos apenas acrescentaram 2 argumentos: a sua capacidade de expansão, mudando as oficinas para os Leões; e o facto dos serviços da 4.a CI concordarem na capacidade técnica da empresa.

  • 32 Parecer do agente técnico de 1.a classe da 4.a CI em 17.Dez.1963.

72No 3.° requerimento, os Fialhos (que empregavam já 20 trabalhadores) propunham-se mudar as oficinas para os Leões e ganhar capacidade técnica, já que afirmavam dispor de “crédito ilimitado”. Apesar da oposição da Somefe, contavam agora com novos aliados, entre eles o Governador Civil, o Grémio da Lavoura de Évora e de Viana do Alentejo e com um argumento de peso, também invocado por outro industrial de Estremoz, Trindade Pirra: o de que “o mercado local dispunha apenas de alfaias deficientes, insuficientes e inadaptadas às Províncias Alentejanas”. Apesar disso, o governo continuou a optar pelo indeferimento. Finalmente, numa petição, foram os próprios industriais que admitiram estar à margem da legalidade, quando apresentaram cartas de lavradores que louvavam a qualidade dos seus produtos. Enquanto os industriais do sector falavam na concorrência externa e na dispersão interna de fabrico, os Fialhos faziam coro com os lavradores falando na má qualidade dos produtos fabricados em Portugal. A sua estratégia explícita era acompanhar lavradores na sua utilização de equipamentos, prestando-lhe auxílio e colhendo informações. A Duarte Ferreira, que tinha quintas experimentais, era velada ou implicitamente acusada de incompetência. A lavoura, a braços com a emigração e com o aumento dos custos da mão de obra, bem como pela diminuição relativa dos preços dos cereais, em vez de fazer abrandar a procura de equipamento agrícola, estava a aumentá-la por forma a ganhar eficiência. Isso exigia igualmente cada vez mais eficiência dos instrumentos que utilizava. Os Fialhos propunham-se produzir exclusivamente alfaias, charruas e grades de disco e instrumentos de tracção mecânica. Segundo o parecer dos serviços, “para cada caso, [a empresa] tem um modelo original estudado em colaboração com lavradores e técnicos agrários da região, dos quais tem recebido bom acolhimento comprovado por um ritmo crescente de encomendas”32.

73A contestação de Francisco Parreira Rosado, gerente da Somefe, denunciava aquela firma por estar já a fazer charruas mecânicas e rulotes atreláveis a tratores. Tratava-se duma ilegalidade e duma reincidência! Denunciando a situação a que estava sujeita como “concorrência ilegal”, os seus argumentos finais iam, tal como os da Metalúrgica Benaventense, contra a dispersão do sector em pequenas unidades ineficientes.

  • 33 “Esta secção, revendo a posição da firma requerente que pretende legalizar-se no fabrico destes doi (...)
  • 34 Boletim da DGSI, 805, de 3-6-1964.

74Enfim, no processo de legalização da actividade, os Fialhos tiveram ainda de provar que, desde 1924, aquela casa fabricava alfaias agrícolas. Era uma ficção, já que a “casa”, depois de passar por duas transmissões, quase só existia no alvará. Fosse como fosse, no processo encontrámos apenas, como prova, um recibo da contribuição industrial de 1948 como carpinteiro de carros e serralheiro. Enfim, a política do “facto consumado” contribuiu para rever a posição dos serviços33. Em 1964, a empresa foi autorizada “a manter em laboração na sua oficina de serralharia em Évora o fabrico de alfaias agrícolas”34.

75Podemos encontrar no apoio local dos lavradores e na capacidade da empresa em “fazer emendas” às máquinas importadas, adaptando-as aos solos alentejanos, a razão final da anuência dos serviços a uma situação de facto, quando estavam pendentes dezenas de autorizações. O despacho final dos serviços do condicionamento foi elucidativo a este respeito:

“Esta secção, revendo a posição da firma requerente que pretende legalizar-se no fabrico destes dois tipos de alfaias, de que tem dado provas ter fabricado com boa qualidade, boa adaptação aos terrenos da região, boa aceitação da parte dos lavradores, e atendendo aos valores verificados na importação e ao esforço da firma que se lançou na remodelação e ampliação das suas instalações, tem a honra de submeter o assunto à consideração superior propondo o deferimento do pedido”. (29.Abr.1964).

76Os Fialhos teriam ainda de lutar contra a Câmara Municipal, que se recusava a licenciar um terreno para uso industrial às portas da cidade.

77Mais uma vez o problema foi contornado com a apresentação dum projecto dum barracão para instalar uma vacaria. Os barracões foram construídos. No entanto, nunca tiveram aquele fim.

6.5. Os industriais e a política

78A indústria regional constituiu uma actividade onde participaram diferentes grupos sociais, sendo a composição dessa participação distinta (e não apenas variável) de acordo com cada área de actividade. Este facto, claramente perceptível quando analisámos as sociedades constituídas em Évora, ficou agora sistematizada para toda a actividade registada neste concelho. Proprietários, lavradores, negociantes, comerciantes e mestres de ofício participaram de forma inteiramente distinta em áreas como o processamento de produtos primários ou a produção de bens finais. Diferentes graus de participação denunciam igualmente os diferentes interesses em presença. Em qualquer dos casos, porém, essa participação deu lugar a portas de entrada distintas no universo industrial. Corresponderam igualmente a diferentes escalas de negócio. Enquanto em áreas como a da cortiça encontrávamos essa “virtuosa” combinação entre o grande comércio de exportação e a pequena unidade empresarial, denunciada pela presença de negociantes e industriais, na maioria das actividades onde encontrávamos pequenas empresas não existia solução de continuidade com redes mais alargadas de comercialização. A maioria das actividades oficinais dependia directamente dos mercados locais ou encontravam nas feiras o seu circuito mais alargado de comercialização. O número de pequenas firmas prometedoras que encontrávamos já no Inquérito Industrial de 1890, as que empregavam 10 operários ou mais em áreas como a carpintaria ou o calçado, não se multiplicaram nem cresceram de forma sustentada nas décadas seguintes. Também estas indústrias, ao contrário do que sucedia no caso da cortiça, não mobilizaram contingentes de mão-de-obra rural. Por outro lado, tratando-se de pequenas firmas com distintas áreas de actividade, a maior parte não alimentava trocas locais com outras unidades. Assim, a ausência de relações entre as pequenas unidades constitui outro traço que emerge da análise dos interesses em presença. Podemos pensar que estes factores fragilizaram a posição do artesanato e da oficina, a sua capacidade de crescerem e de se modernizarem, tanto como o problema da formação técnica formal. No outro lado do espectro, nas moagens cereais e rações, na produção de electricidade, de azeite ou de sabões, assistimos à presença de membros da elite fundiária.

79Esta “estrutura de participações” deu lugar a diferentes portas de entrada no grupo dos industriais, ou se quisermos, na indústria moderna. Neste processo, a posição social de origem dos indivíduos, a sua formação técnica e experiência fabril, as oportunidades oferecidas pelo meio económico e pelo Estado, tiveram um papel relevante. Dois canais distintos devem ser considerados nesta análise: um, de entrada das pessoas de origem “popular”, na qual a mobilidade se fez, na maior parte dos casos, pela mestria no ofício e pela experiência na direcção dos trabalhos; outro, com origem nas elites mercantis e fundiárias, que assentou na autonomização das indústrias de processamento de produtos agrícolas, no aparecimento de indústrias tecnicamente sofisticadas, como era o caso da electricidade, e na formação técnica avançada, adquirida em instituições públicas superiores. Neste caso, a especialização proporcionada pelos lugares de direcção desempenhou um papel fundamental na reprodução alargada do grupo, dissociando o ramo agrícola do ramo industrial. Se quisermos representar estes dois caminhos em termos didácticos muito simples e esquemáticos podemos afirmar que os “carpinteiros com loja”, “os alfaiates com loja” que nos apareceram nos censos fiscais de Oitocentos (v. capítulo 1) deram lugar a partir dos anos ’20 aos “industriais”, tal como os encarregados das secções de carpintaria e de serralharia das grandes unidades industriais instaladas foram sérios candidatos a novos patrões. Mas também os grandes negociantes e proprietários fundiários, ou mais provavelmente alguns dos seus filhos, passaram a ser reconhecidos “industriais”, quando apareceram como proprietários de estabelecimentos ou directores fabris.

80Em certo sentido, pode defender-se que estamos perante fenómenos diferentes já que por detrás da mesma categoria de identificação social cabiam grandes empresários como Eugénio Alvarez ou Aboim Inglês e pessoas como fotógrafo da cidade Eduardo Nogueira. Mas isso não nos autoriza a afirmar que o aumento do número de “industriais” tinha apenas tradução simbólica, exprimindo o desejo de ascensão ou de reconhecimento social dos grupos inferiores. Ficou patente neste processo em que se afirmou um novo estatuto social, a transição duma sociedade fundamentalmente agrária e mercantil, na qual o artesanato surgia com um estatuto de classe “híbrido”, numa sociedade mais moderna em que as relações de classe foram clarificadas na exacta medida em que a indústria se distingue do artesanato. No que respeita aos grupos superiores, os resultados do nosso inquérito vão também no sentido dos estudos que vêm sendo realizados sobre a mobilidade social nos países da Europa Ocidental com a industrialização: os grandes empresários industriais foram durante este período indivíduos que vieram da classe superior ou média superior, pessoas com ligação ao mundo dos grandes negócios e que cresceram num meio social favorável (Kaelble-1979).

81A transição para a modernidade foi, quanto a nós, plena de consequências. Embora não esteja no âmbito deste inquérito analisar a relação destes grupos com as ideologias, não queremos deixar de assinalar que este processo deu lugar à emergência de movimentos sociais desde os finais de Oitocentos que reagiram contra esse capitalismo individualista e democrático, ao mesmo tempo criador e destruidor, desclassificador de competências e subversivo, na medida em que ameaçava igualmente as elites constituídas. Nesta perspectiva, a difusão de novos ideais como socialismo, o anarquismo, o comunismo, o mutualismo e o cooperativismo podem ser interpretados, no quadro da história dos movimentos sociais no Alentejo até aos anos ‘30, como formas ideológicas reactivas que radicaram nestes grupos que buscavam alternativas para a ameaça de desqualificação e miséria. No outro lado do espectro social, o nacionalismo, o tradicionalismo e o cristianismo social constituíram a resposta das elites à “anarquia” social que a guerra e o pós-guerra tinham criado.

82O recente estudo de Manuel Baiôa sobre as elites políticas em Évora na transição da I República para o Estado Novo colige elementos suficientes que nos permite desmontar a aparente ambiguidade política dos industriais eborenses (Baiôa-2000).

83O inventário dos candidatos em cada associação política constituída no concelho revela a presença de industriais em todas as associações, cobrindo praticamente todo o espectro político eleitoral. A lista de candidatos pelo “concelho” contava com 26,5% de industriais, 20,6% de lavradores e 17,6% de comerciantes (Bâioa-2000: tabelas em anexo). Esta participação política não era de estranhar numa candidatura que se pretendia a-política e unitária, numa palavra, municipalista. Da mesma forma, já anteriormente os industriais eborenses apareceram representados na União dos Interesses Económicos, associação, que por um momento, pensou ser capaz de pôr as forças vivas a gerir directamente o país, dispensando a classe política fortemente desgastada na legitimidade do exercício do poder.

84Na lista da Esquerda Democrática de 1925 existiam 17,6% de industriais (grupo que tinha um peso idêntico ao dos proprietários), 8,8% de lavradores e outro tanto de operários (entenda-se, de trabalhadores qualificados). Mas também a lista monárquica, onde encontrávamos os maiores proprietários, contava com industriais cooptados a outros agrupamentos políticos. Aqui eles representavam 11,8%, contra 35,3% de proprietários e 20,6% de lavradores. Em números absolutos temos 9 industriais na lista do concelho, 6 na esquerda e 4 entre os monárquicos, uma lista onde os comerciantes estavam ausentes. Significa isto que os industriais, ausentes de qualquer estratégia própria, aparecessem para “fazer número”, integrados como os artesãos em redes de clientelas pessoais? Não cremos. A presença de industriais, com um peso significativo, em todas as forças políticas pode explicar-se pela ambiguidade do sentido social do termo ou, se quisermos, pelos dois canais de recrutamento distinto que descortinámos. Embora a presença de redes clientelares possa ser percebida em alguns casos, foi fundamentalmente a unidade de interesses entre alguns sectores industriais e os grandes proprietários que deu origem a coligações de interesses aparentemente contraditórios. É interessante, nesta perspectiva, descrever o comportamento político dos industriais corticeiros da Azaruja. Assim, se André Camps Morra apareceu simultaneamente na Lista do Concelho e na Esquerda Democrática, uma parte significativa deles, como foi o caso de Inácio Ferrão Tique, Jacinto António Correia, Joaquim José Baptista e José Diogo Ferreira, que apareciam na Lista do Concelho, apareciam ligados às Juventudes Monárquicas, agrupamento onde pontuavam os grandes proprietários. Por outro lado, o grande proprietário Sebastião de Melo da Mota Cerveira, por estar ligado à C.ia Eborense de Electricidade, era nas vésperas do 28 de Maio presidente da “secção industrial” da Associação Comercial e Industrial. Ele, que estivera na União dos Interesses Económicos, aparecia em 1925 como candidato da Esquerda Democrática e pertencia às Juventudes Monárquicas. Tal como o industrial Arménio de Oliveira. “Alianças” deste tipo encontrávamos também com os comerciantes, como atesta o caso de Arquimínio Caeiro que, de guarda-livros do negociante Paquete, conquistou lugar de relevo na Associação Comercial. Foi ele um dos eleitos em 1925 e, tal como o lavrador Descalço, pertencera às Juventudes Monárquicas. Esta fidelidade na acção aos “senhores da terra” não ia para além das redes políticas dos monárquicos. Os industriais estiveram ausentes no Centro Católico Português, onde encontrávamos um recrutamento elitista por excelência, constituído por grandes proprietários, lavradores, eclesiásticos, tesoureiros e escrivãos, empregados bancários e professores.

85Neste contexto, o que nos parece notável é a presença de grandes proprietários e de seus amigos em todas as forças políticas e, inclusivé, na Associação Comercial e Industrial (reunida em 1925). Efectivamente, se encontrávamos corticeiros, carpinteiros de carros e industriais na lista do concelho, como Pepe da Cruz Duque, José Gomes Severino, Leonardo A. Caeiro, Francisco de Oliveira Saragoça ou Claudino Augusto Monginho, também lá apareciam proprietários como Sebastião José Perdigão. José Eduardo da Calça e Pina da Câmara Manuel, grande proprietário e monárquico que regressa ao poder após o 28 de Maio, era já vice-presidente da Assembleia Geral da Associação Comercial e Industrial de Évora (1925-1927), altura em que também foi Director da Escola Prática de Agricultura de Évora e Director da C.ia Eborense de Electricidade.

86Neste contexto, o Partido Republicano Nacionalista aparecia como um partido de advogados, funcionários públicos e empregados de escritório. As clivagens sociais mais acentuadas encontramo-los quando analisamos a lista das esquerdas (onde participaram comunistas). Aqui encontrávamos funcionários públicos e, pelo menos em número de candidatos, dominavam os artesãos. Na Azaruja, a lista destes candidatos encontrava igualmente industriais e corticeiros. De acordo com o inventário realizado por Baiôa, este parece ter sido igualmente o fundo sociológico onde o partido republicano radical foi buscar os seus membros, como se percebe pela presença do baixo funcionalismo, polícias, comerciantes, corticeiros, carpinteiros, tipógrafos e sapateiros. Esta parece ter sido efectivamente, a base de recrutamento do PCP, onde podíamos encontrar Joaquim Nogueira, um carpinteiro de carros, à frente da Comissão Administrativa da Comuna. Torneiros mecânicos, carpinteiros, alvenéos, pequenos proprietários e dois trabalhadores rurais completavam a lista de candidatos. Assim, é interessante verificar que encontramos grupos como os dos carpinteiros de carros, ameaçados pelo progresso técnico, em ruptura com o sistema capitalista ou coligados com os grandes proprietários. Não poderemos encontrar aqui um dos sintomas de fragilidade do PRP, identificado como um partido de classes (inter)médias mas onde, na base, o peso das pessoas de ofício teria sido importante no passado?

87A formação técnica desempenhou papéis diferentes nestes dois “canais”, já que estamos a falar de formações diferentes que conferiam estatutos diferenciados. Enquanto para os mestres de ofício a escolarização técnica desempenhava apenas um papel acidental (pois a formação era adquirida com a prática), para as elites a formação em engenharia revelou-se estratégica. Ao contrário do que sucedera ao longo do século XIX, a indústria moderna exigiu cada vez mais a presença de engenheiros teóricos. No contexto do Alentejo, isso aconteceu apenas nos casos circunscritos à grande indústria, presentes de forma excepcional na electricidade, nas minas e na grande moagem, ou seja, sectores onde a presença de estrangeiros foi dominante muito para aquém dos anos ’20. O alto funcionalismo oferecido pelo Estado constituiu um destino privilegiado para estes grupos cujo recrutamento era feito fundamentalmente entre as elites. A grande indústria foi outra porta de entrada, aberta quando um conjunto de diplomas e a pressão política actuaram no sentido de forçarem as grandes empresas estrangeiras a empregarem técnicos portugueses ameaçados pelo desemprego. Como vimos já, poucas empresas da região fora da área agrícola, no entanto, tinham escala para contratar engenheiros ou gestores.

88Mas se a formação em engenharia abriu uma porta de entrada privilegiada na indústria moderna, oferecendo meios de liderança em organizações modernas, outra coisa era a entrada independente no empresariado. A existência de capital, crédito, visão e experiência industrial foram fundamentais como se viu no caso de Aboim Inglês. No panorama social do Alentejo que descrevemos, apenas os grandes proprietários e negociantes podiam reunir as primeiras condições. Deste modo, estes industriais surgiam à frente de projectos que reuniam vários grupos familiares, como se viu no caso da C.ia Elvense de Moagens a Vapor.

89Para quem vinha de baixo, os casos conhecidos mostram que uma rede familiar e/ou social de apoio era fundamental para o êxito. Esta não tinha de ser necessariamente um capital previamente adquirido, mas algo que se podia ir construindo com a actividade. No caso dos Fialhos, essa rede veio do apoio dos consumidores que se traduziu num significativo apoio das poderosas forças da lavoura eborense, permitindo-lhe ultrapassar os obstáculos impostos pela “burocracia”.

90Ficou patente nestes processos de regulação da entrada na actividade industrial, que o papel do Estado foi crescente a partir dos anos ’20 e determinante, depois da Ditadura, na criação dum pequeno empresariado industrial devido à sua acção de multiplicação de autorizações e alvarás. Vejamos agora em que medida o crédito e as instituições financeiras controladas pelas elites regionais actuaram no tecido económico e, em especial, face aos industriais e às iniciativas industriais.

Notas

1 O termo burguesia é utilizado aqui de forma mais alargada que o de elite, incluindo os grupos da classe média. Veja-se a este respeito o artigo de Francisco Fuentes (1993). Sobre o conceito de burguesia e aristocracia veja-se também Fradera e Millãn (2000), em especial a síntese de Jurgen Kocka e também Kocka (1996), Daumard (1991). A análise da burguesia a partir dos recenseamentos eleitorais no século XIX foi feito para o Porto por Maria Antonieta Cruz (1999) que utiliza a grelha taxonómica utilizada por A. Daumard. Tal solução não resolve inteiramente, quanto a nós, problemas de representação dos grupos construídos a partir do vocabulário semântico utilizado nas fontes para identificar socialmente os indivíduos.

2 Em 1906, o (Real) Sindicato Agrícola funcionava na Praça do Giraldo e tinha à sua frente o grupo dos grandes proprietários fundiários e lavradores eborenses como Tiago Eleutério de Soure (presidente da Assembleia Geral), o conselheiro José António de Oliveira Soares (presidente da Direcção), António Torres Vaz Freire, Miguel José de Matos Fernandes, Tomás Fiel Gomes Ramalho (no Conselho Fiscal) e António José de Sá Potes (tesoureiro). A Associação Comercial funcionava então na Alcáçova de Cima e encontramos nela um grupo intermédio de comerciantes (V. “Évora”, Anuário Comercial, 1906: 1472). Era seu presidente Pedro Augusto de Azevedo. Não existia ainda a Associação Industrial que foi fundada em 1911. (Estatutos em 4 de Janeiro desse ano). Em contrapartida, havia uma Sociedade Artística Eborense, sobre a qual pouco sabemos. O Anuário desse ano registou apenas uma associação de classe: a de construções civis e artes auxiliares.

3 O trabalho de A. Cruz para o Porto oitocentista refere que foram poucos os eleitores inscritos sob a designação de industriais (1999: 176). Só em 1880 os industriais aparecem em número significativo, sendo 1% de todos os patrões. Estes 41 industriais eram donos de oficinas, dos quais 22 entravam na rubrica de eleitores com rendimentos superiores a 1 conto de réis. Em 1847 havia apenas 1 neste grupo. Em 1860 havia 1.422 “donos de oficinas” e apenas 6 “industriais”. Em 1.880, esse número tinha quase dobrado para os “donos de oficinas” (havia 2.110) e o número de “industriais” subia a 41. Mas esta é a classificação da autora que nela incluiu “os mestres de obras, os empresários, os construtores de navios, etc.” (Cruz-1999: 176).

4 Já Manuel Villaverde Cabral (1977) notara este fenómeno para o conjunto do país. Cf. Freire (1992) que, na primeira parte, descreve o mundo oficinal anterior à Ditadura Militar (1916). Note-se que em 1913 existia também uma Associação de Classe de Operários Corticeiros (cf. Anuário Comercial, 1913).

5 Em termos dicionariais, desde o século XIX que industrial designa o proprietário e o que dirige fábricas (cf. Cruz-1999). Tal como noutros casos, designava o exercício duma actividade. Isso não significava, porém, que existisse uma representação social do industrial como grupo social.

6 A Associação Comercial e Industrial manteria, contudo, duas secções distintas (uma comercial e outra industrial).

7 A análise das relações de trabalho no sistema da oficina em Portugal neste período é feito por João Freire (1992, cap. 2).

8 ADE/RE (1901-1908), cadernos eleitorais das freguesias do concelho de Évora da Graça do Divor, N. S.ra da Tourega, N. S.ra. da Boa-Fé, São Brás do Regedouro, São Matias, São Pedro e São Sebastião da Gesteira; e do concelho de Reguengos de Monsaraz, a freguesia de Santa Maria de Alagoa.

9 Basta pensar nas indústrias que se fixaram na região no ramo do vestuário e das confecções a partir de meados dos anos ’60.

10 Cf. estudo comparativo de Hatmut Kaelble sobre o recrutamento do patronato industrial na Alemanha, nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha (1979). O estudo que questiona a ideia da grande mobilidade ascensional proporcionada pela Revolução Industrial, apresenta resultados bem distintos destes pois centra-se no grande patronato industrial. A sua tese é a de que, numa visão de conjunto, os empresários da revolução industrial saíram na maior parte da classe superior e média superior, com raízes em famílias ligadas ao mundo dos negócios ou a um meio social favorável.

11 V. DRME / Processo 2.521 da 7.a CI (Rilei 4/4283).

12 A acção dos engenheiros no processo de industrialização dos países da Europa do sul tem sido alvo de atenção também entre nós. É de salientar os trabalhos de Brandão de Brito (1988 e 1989). Mais recentemente constituiu-se uma equipa de investigação sobre o tema cujos primeiros resultados foram apresentados no XX Encontro da APHES (Porto, 2000). Uma visão geral que constitui uma síntese do tema para o período aqui em estudo é feita por Nuno Madureira (2002).

13 Um dos casos é relatado num artigo que recebeu um título elucidativo: “Como se consegue vencer na vida. O exemplo de José Mendes contado por ele próprio” (IM/AA, 733). José Mendes começou a trabalhar como marçano numa refinaria de açúcar em Lisboa, passou para umas tabacarias e por fim para um depósito de máquinas de costura. Em 1882, apoiado na ajuda dum cambista lisboeta, Antonio Inácio da Fonseca, ficou como representante e depositário das máquinas de costura «Memória» em Elvas. Aqui constituiu uma sociedade com um amigo Baltazar Lino de Paiva que vendia máquinas, relógios, camas de ferro e mobílias a crédito. Em 1885 criou uma empresa de carros de aluguer em Elvas que trespassou em 1890, data em que começou a sua vida de lavrador. Outro caso de mobilidade do comércio para a lavoura descrito foi o de João Nunes Sequeira, em Marvão (IM/AA-835).

14 V. DRME, Processo 4/2.266. Alvará 10.147.

15 Sobre a divulgação do uso de adubos veja-se Fernandes-1899, Prego-1902 e Silva-1917 e também o Boletim do Agricultor. Revista Mensal. Propriedade da Fábrica Nacional d‘Óleos e adubos, Lisboa, ano 1, n.° 1, Agosto de 1903 e a Técnica Industrial Revista dos estudantes do Instituto Superior Técnico. Lisboa, ano I, n.° 1, Out. 1915.

16 “Inventou uma prensa de fuso, com multiplicação de força; uma prensa hidráulica, com duplo efeito; um moinho de cones, completamente móvel e de moagem contínua; um outro moinho, de galgas, de moagem alternada; uma bomba hidráulica de efeito dando-lhe corpos separados e sem choque; uma bomba de tracção animal, extraforte, elevando a pressão a mil atmosferas; uma ciranda-«lavrador», com trepidação, secagem de azeitona e elevador por sem-fim; um decantador automático, ligado a bomba de efeito duplo; um depurador automático, com aquecimento ou não, levando o azeite ao armazém; um extractor de azeite; um despolpador com aquecimento, lavagem e raspagem interior; um separador de terra e pedra e lavagem de azeitona; um esfarelador para reduzir a líquido a polpa da azeitona, e muitos outros pequenos inventos de grande utilidade para a agricultura” (IM/IP-1928, art. cit.).

17 Elementos colhidos na entrevista com o neto, o Dr. Francisco Aboim Inglês Barata, em 17 de Fevereiro de 1998, em Lisboa. V. tb. artigo “Inglês (António Aboim)” na Enciclopédia Luso-Brasileira.

18 Entrevista citada.

19 Foi este o caso de Confraria (1992). Veja-se também Brito (1989), Rosas (1986 e 1994) e Madureira (1998 e 2000).

20 Os estudos de Makler (1969) sobre a elite industrial portuguesa, infelizmente, deixaram de fora o Alentejo.

21 De acordo com as palavras do industrial em entrevista gravada em Junho de 2001.

22 Idem, entrevista citada.

23 Processo 3.148 da 4.a C.I. Fabrico de máquinas para a agricultura Rua do Mouro, 38 São Mamede-Évora. O requerimento é feito ao abrigo da lei 2.052 de 11.Mar. 1952 e do seu regulamento aprovado por decreto de 39.634 de 5.Maio. 1954.

24 V. escritura no D.G., III série, de 14.jul.1958.

25 Petição para que seja regularizada a situação da firma Fialho & Irmão L.da dirigida ao Secretário de Estado da Indústria em 20.Abr. 1961.

26 Memória Descritiva no processo citado.

27 Indeferimento no Boletim da DGSI, 566, de 4-11-1959. A pretensão contou apenas com a oposição da Casa Hipólito, de Torres Vedras, que se opunha ao fabrico de pulverizadores, coisa que não consta no requerimento!

28 Boletim da DGSI, 625, de 21-12-1960: pedido para adaptar o seu estabelecimento e fabricar alfaias para a agricultura (a lista de produtos foi a mesma da anterior). O pedido contou agora com a oposição da Sociedade de Metais e Fundição L.da (Somefe, Évora) e Metalúrgica Benaventense (Boletim da DGSI, 628, de 28-1-1961). Indeferimento publicado no mesmo boletim, 656, de 26-7-1961.

29 Boletim da DGSI, 775, de 6-11-1963: pedido

30 Boletim da DGSI, 779, de 4-11-1963.

31 Boletim da DGSI, 805, de 3-6-1964

32 Parecer do agente técnico de 1.a classe da 4.a CI em 17.Dez.1963.

33 “Esta secção, revendo a posição da firma requerente que pretende legalizar-se no fabrico destes dois tipos de alfaias, de que tem dado provas ter fabricado com boa qualidade, boa adaptação aos terrenos da região, boa aceitação da parte dos lavradores, e atendendo aos valores verificados na importação e ao esforço da firma que se lançou na remodelação e ampliação das suas instalações, tem a honra de submeter o assunto à consideração superior propondo o deferimento do pedido” (parecer de 29.Abr. 1964, proc. cit.).

34 Boletim da DGSI, 805, de 3-6-1964.

© Publicações do Cidehus, 2006

Condiciones de uso: http://www.openedition.org/6540

Esta publicación digital es el resultado de un proceso automático de reconocimiento óptico de caracteres.

Comprar

Volumen papel

amazon.fr
Buscar en OpenEdition Search

Se le redirigirá a OpenEdition Search