Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Leitura, educação e desenvolvimento pessoal e social: o papel das bibliotecas

Bibliotecas comunitárias em Belo Horizonte

Atores em cena

Heloisa Maria Vieira et Alcenir Soares dos Reis

Résumé

Pesquisa sobre bibliotecas comunitárias em Belo Horizonte, como alternativa cultural para as classes populares. Identifica, caracteriza e analisa os fatores históricos e sociais relativos à implantação das bibliotecas comunitárias em Belo Horizonte, as estratégias de constituição das mesmas (infra-estrutura, acervos, pessoal, etc.) bem como busca apreender a importância e o significado do livro e da leitura, a partir da ótica dos usuários e criadores, no que se refere à inserção na cultura e no exercício da cidadania; em função de seus objetivos a metodologia utilizada tem um caráter qualitativo/quantitativo, tendo sido escolhida a entrevista como instrumento de coleta de dados. Apresenta como conclusões que a importância do livro está relacionada à educação formal e informal como única possibilidade de inserção social; que a biblioteca amplia o espaço para o sucesso no âmbito escolar – talvez a única chance de sucesso em uma sociedade letrada; que as bibliotecas comunitárias são iniciativa da própria comunidade para suprir suas necessidades de acesso ao livro e à leitura, na medida em que há falta ou ineficiência de bibliotecas públicas e escolares oficiais nas regiões periféricas onde atuam, e que elas constituem uma alternativa na busca da inclusão e da cidadania cultural.

This article presents a survey on community libraries in the city of Belo Horizonte, those libraries being considered as a means of cultural inclusion for the lower classes. The article aims to identify, characterize, and analyze historical and cultural factors behind the foundation of community libraries, along with the strategies that guided their constitution (e. g., infrastructure, collections, and human resources). It is also an attempt to evaluate the importance of books (and reading) as facilitators for libraries founders and users to achieve cultural inclusion, as well as exercising their citizenship rights. Based on the proposed objectives, a qualitative/quantitative methodology was adopted, and the interview was chosen as the primary tool for data collection. The article’s main conclusions are: 1) books importance derives from them being part of both informal and formal education, which are viewed as the only possible means of cultural inclusion; 2) the libraries increases the community members chances of succeeding in school; 3) they are a result of the communities own initiative to overcome the government failure to provide them with access to books; 4) they offer an alternative for the lower classes to achieve cultural inclusion and citizenship.

Note de l’auteur

Resumo da dissertação apresentada ao curso de Mestrado em Ciência da Informação da Escola de Ciência da Informação/Universidade Federal de Minas Gerais, em 24 de outubro de 2007.

Texte intégral

Introdução

1A motivação para essa pesquisa veio, concomitantemente, de dois fatos: de um lado, as inúmeras solicitações de ajuda para fortalecimento e criação de bibliotecas comunitárias, em bairros de periferia de Belo Horizonte – MG, ou de cidades do interior do Estado, endereçadas ao órgão de apoio a bibliotecas públicas municipais, onde trabalhávamos. De outro, uma série de notícias, publicadas pela mídia, de iniciativas privadas, individuais ou coletivas, de criação de bibliotecas em bairros de população de baixo poder econômico.

2Entendemos esses fatos como uma oportunidade de desenvolver uma pesquisa sobre o tema e nos propusemos a verificar por que, como e quando surgiram, como são mantidas e organizadas, quais os segmentos que elas atendem, qual o alcance do trabalho desenvolvido por essas instituições, qual a contribuição que elas têm dado às comunidades, no cenário da leitura e da cultura, qual a relação com o livro e a leitura têm os atores envolvidos com a sua existência.

3Elegemos como elementos constituintes do problema a ser pesquisado as circunstâncias e os fatores histórico-sociais que explicassem o surgimento e a constituição das bibliotecas comunitárias em Belo Horizonte, as estratégias adotadas para a constituição e manutenção das mesmas em termos de infra-estrutura, acervo, pessoal, etc. Além dessas indagações, ainda uma pergunta nos motivou para a pesquisa: qual seria a importância e o significado do livro e da leitura no cotidiano das classes populares, sob a ótica dos usuários e dos criadores das referidas instituições, em termos de inserção cultural e cidadania?

4Delimitamos como objetivo geral da investigação identificar, caracterizar e analisar os fatores históricos e sociais que levaram à constituição das bibliotecas comunitárias, assim como as estratégias desenvolvidas para criação e manutenção das mesmas (infra-estrutura, acervos, pessoal, etc.), e a importância e o significado do livro e da leitura, a partir da ótica dos usuários e criadores, no que se refere à inserção na cultura e no exercício da cidadania.

5O trabalho realizado, em função dos objetivos que o nortearam, teve como proposta uma pesquisa de caráter quantitativo/qualitativo, buscando apreender, no contexto das bibliotecas comunitárias, os desafios à sua atuação, assim como as limitações e dificuldades para o exercício de ação cultural bibliotecária naquele contexto, com vistas à promoção de inclusão social. O instrumento utilizado para obtenção dos dados foi a entrevista. Essa pesquisa apresentou também um caráter documental, na medida em que os dados sobre a disponibilidade da cultura no município e em relação aos aspectos sócio-espaciais de Belo Horizonte foram buscados em fontes oficiais e se encontram descritos na dissertação.

6Para o embasamento teórico relativo às questões nucleares da pesquisa procedemos a uma revisão de literatura que englobou campos diversificados, dada a natureza do assunto. Assim, para a história das bibliotecas nos valemos de Martins, W. (2002), Moraes, R. (2006), Villalta (1999), Martins, A. (1999), Gomes, S. (1982), entre outros.

7E no campo da ação cultural Teixeira Coelho Neto (1986, 2001, 2004), Flusser (1980, 1982, 1983).

8No campo específico das bibliotecas comunitárias são raros os trabalhos. Porém, contamos com dados importantes advindos do Diagnóstico das bibliotecas comunitárias realizado pela então Secretaria Municipal de Cultura de Belo Horizonte, em 2003, um artigo de Oswaldo Francisco de Almeida Jr., e ainda trabalhos teóricos que apontam as experiências de bibliotecas populares em períodos anteriores, notadamente os gabinetes de leitura, ainda na época colonial, as bibliotecas criadas no contexto do movimento anarquista, as propostas de Mario de Andrade, na década de 20/30, e outras.

9 A pesquisa contou, ao final, com um total de 22 participantes das entrevistas, assim identificados:

  • 9 bibliotecas comunitárias – 13 entrevistados

  • 3 centros culturais (foram incorporados à pesquisa por terem se originado de bibliotecas comunitárias) – 6 entrevistados

  • 2 instituições – 3 entrevistados

10Em síntese, participaram da pesquisa 14 instituições e 22 entrevistados.

2. Bibliotecas públicas e comunitárias: democratizando o saber

11A discussão que se apresenta neste tópico engloba alguns assuntos representativos do tema deste nosso estudo, considerando que a biblioteca comunitária tem as finalidades específicas da biblioteca pública como mediadora na conquista da democracia cultural, e que sua origem está vinculada à emergência dos movimentos sociais urbanos, a partir da década de 1960. Assim, entendemos necessário abordar alguns aspectos que caracterizam a biblioteca pública e a comunitária.

12Segundo Martins, W. (2002), as bibliotecas podem ser classificadas em particulares e oficiais, a partir do ponto de vista da sua administração e manutenção. Nas particulares estão englobadas as que pertencem a entidades civis ou corporações, as que fazem parte de ordens e sociedades, etc. As oficiais são mantidas pelas instâncias governamentais.

13Em relação ao público que atende, ela pode ser especializada ou pública. A primeira atende a um público particular, como as universitárias, administrativas, profissionais, etc., e sua denominação é variada. A biblioteca pública recebe esta denominação por ser aberta a todos os interessados. É uma instituição democrática, um espaço público. Essa tipologia da biblioteca é definida pelo público que ela congrega, evidentemente expressando necessidades comuns.

14A biblioteca pública, atende ao público, ou seja, a todos, sem exceção. O adjetivo público, em oposição a privado, não diz respeito à natureza da instituição que a mantém, de serviço público, que é um entendimento comum, mas diz respeito ao seu usuário, pelo menos potencial, que é o povo (a totalidade). Essa compreensão distorcida, melhor dizendo, essa realidade distorcida é que cunhou o termo biblioteca comunitária ou popular. Quem é o público da biblioteca comunitária ou popular? O povo, todos. Ela é, portanto, uma biblioteca pública. Por que, então, a diferença? Por que elas não são chamadas de bibliotecas públicas do bairro x ou y ou z, se atendem a todos da comunidade?

15Vejamos uma resposta plausível. Há duas possibilidades de interpretação: a primeira é que a biblioteca pública oficial é vista como a biblioteca da elite, porque assim ela tem sido desde sua origem. A biblioteca comunitária, no entanto, é do povo, identificando aqui a palavra povo, segundo o dicionário Houaiss, na acepção de

  1. conjunto de pessoas que pertencem à classe mais pobre, à classe operária; plebe;

  2. conjunto de cidadãos de um país, excluindo-se os dirigentes e a elite econômica.

16Portanto, a idéia de biblioteca comunitária está ligada à classe baixa, a da exclusão sócio-econômica e cultural.

17Outra interpretação está na sua criação/gestão/destinação. A biblioteca comunitária é criada, gerida e destinada à comunidade. Ela existe independentemente da vontade do governo. O adjetivo “comunitária”, portanto, significa um marco na conquista de um direito de cidadania pela comunidade. Independentemente do governo, que historicamente só atende os interesses da elite, o povo consegue ter acesso à leitura e ao livro pelo seu próprio esforço.

18Para entender, então, o papel da biblioteca pública/comunitária e suas possibilidades de atuação, veremos o que diz a UNESCO.

3.1. A biblioteca pública

19A International Federation of Libraries Associations-IFLA e a UNESCO, no documento em que apresentam as suas diretrizes para os serviços de biblioteca pública, declaram que ela é um fenômeno universal, que ocorre em uma variedade de sociedades, em culturas diferentes e em níveis de desenvolvimento diferentes. Assim a definem:

A biblioteca pública é uma organização estabelecida, mantida e subvencionada pela comunidade, por meio do governo federal regional ou local ou por alguma outra forma de organização comunitária. Ela provê o acesso ao conhecimento, à informação e às obras da imaginação por meio de uma gama de recursos e serviços e está disponível de modo igual para todos os membros da comunidade a despeito de raça, nacionalidade, idade, gênero, religião, língua, incapacidade, status econômico ou de emprego e nível educacional. (IFLA/UNESCO Guidelines). (Tradução e grifo nossos).

20Os objetivos principais da biblioteca pública são fornecer recursos e serviços em meios variados para atender indivíduos e grupos em suas necessidades educacionais, de informação e de desenvolvimento pessoal incluindo recreação e lazer. Ela tem um papel importante no desenvolvimento e manutenção de uma sociedade democrática ao disponibilizar, para o indivíduo, acesso a uma ampla e variada gama de conhecimento, idéias e opiniões. (IFLA/UNESCO Guidelines).

21Ainda nas “Diretrizes...” está dito que a razão para a criação e manutenção de bibliotecas públicas, e seu propósito primordial, é a necessidade de uma instituição disponível para todos, que forneça acesso ao conhecimento em qualquer formato, impresso ou não, como apoio à educação formal e não formal. Ao longo da vida as pessoas necessitam de educar-se, quer em instituições formais, como escolas, universidades, quer em contextos menos formais, como o emprego, ou a vida diária. A educação não termina com a finalização do período escolar formal, mas para a maioria das pessoas é uma atividade para toda a vida (IFLA//UNESCO Guidelines).

22A partir do referencial teórico sobre a natureza das bibliotecas abordado acima, podemos concluir, portanto, que a biblioteca comunitária é uma biblioteca pública, porque se destina à comunidade como um todo; é criada/gerida pela própria comunidade e é considerada como uma das possibilidades de acesso ao livro e à informação das classes populares e, portanto, um instrumento de inclusão cultural. Ela surge como resultado de movimentos sociais no nível local da comunidade para reivindicar seus direitos de cidadania cultural, e muitas vezes se vale da ação da sociedade civil organizada em parceria com intelectuais comprometidos com a justiça social, para abrir os caminhos em direção à democracia cultural.

23A revisão bibliográfica realizada para a pesquisa nos levou a algumas considerações sobre as bibliotecas comunitárias. Em primeiro lugar, surgem para atender necessidades de acesso à informação e leitura do próprio bairro; são mantidas pela igreja, ou pelo terceiro setor, sendo muito poucas as que são geridas por pessoas físicas, sem o apoio de alguma instituição. Supomos que o motivo para a sua criação seja, portanto, a solidariedade, sentimento presente nas ações da igreja e dos movimentos de bairro, na busca de solução para problemas comuns. Em seu quadro de pessoal contam apenas com voluntários, o que reforça o sentimento de solidariedade. Todavia, a regularidade no atendimento fica prejudicada por depender da disponibilidade de tempo dos agentes envolvidos que, por não terem vínculos empregatícios, atendem quando podem.

24Em segundo lugar, são consideradas instrumentos inclusivos na medida em que desempenham o papel de mediadoras de leitura, aumentando o número de leitores e diminuindo o índice de analfabetismo funcional, inserindo-os na sociedade da informação.

25Isto significa que se espera delas um trabalho bastante estruturado de combate ao analfabetismo e de desenvolvimento do gosto pela leitura, o que pressupõe a atuação de profissionais para atingir seus objetivos. Que estratégias usariam para realizar este trabalho, considerando que a regularidade das ações é um dos pressupostos para seu sucesso, e que uma das dificuldades enfrentadas é exatamente a oscilação na presença dos voluntários? E qual é a capacitação desses voluntários para o desenvolvimento desse trabalho?

26Além disso, a inclusão na sociedade da informação implica em domínio das novas tecnologias para a aquisição do conhecimento. Teriam elas condições estruturais para disponibilizar aos usuários o acesso à Internet e outros media de que necessitam para viabilizar a inclusão?

27Finalmente, muitas delas, pelo grande número de atendimentos a estudantes e orientação de pesquisa escolar, na verdade apenas cobrem a lacuna deixada pela ineficiência das bibliotecas escolares. Não estão, portanto, desempenhando a função de bibliotecas públicas, aberta a todos como foi pensado, mas de bibliotecas escolares. Seriam, todavia, comunitárias, se pensarmos que esta designação se relaciona exatamente a seu público, a comunidade?

3. Bibliotecas comunitárias em Belo Horizonte: atores em cena.

3.1 Processo e dinâmica da criação: época, razões e atores

28A partir da perspectiva dos entrevistados tornou-se possível destacar que as bibliotecas comunitárias estudadas foram criadas, em sua maioria, na década de 90, e a mais antiga ultrapassa os vinte anos de existência. Outras são mais recentes, nasceram com o século 21.

29Uma das justificativas para sua criação, e talvez a mais freqüente, é a necessidade de suporte para os estudos, especificamente dos setores mais vulneráveis da sociedade. Em todas as entrevistas está colocado, implícita ou explicitamente, o papel da biblioteca como apoio ao processo de escolarização, por vezes quase se confundindo com a biblioteca escolar. É interessante observar que na percepção de quase todos os entrevistados a biblioteca está relacionada quase que apenas à escola, como suporte para a educação formal, colocando em evidência a função educativa da biblioteca escolar.

30Na realidade, alguns poucos a percebem com objetivos mais amplos, como propiciar a leitura para o desenvolvimento cultural dos indivíduos e dos grupos sociais, o que a remete a uma função da biblioteca pública, que é a educação continuada, aquela que dura toda a vida. Assim ocorre um equívoco, fazendo com que haja um processo de escolarização da biblioteca pública, em função da precariedade de ofertas de bons serviços de biblioteca escolar, de forma que tal fato se constitui em um fenômeno que tem sido observado e relatado na literatura.

31Os dados também revelam que há um esforço da comunidade no sentido de resolver suas necessidades e carências, e de maneira fundamental garantir que crianças e jovens, tendo acesso à biblioteca e à escola, possam se integrar no contexto da sociedade, inserindo-se no âmbito da mesma em situações mais favoráveis, de forma a talvez, romper com a situação de exclusão à qual se encontram submetidos.

32O elemento de relevância apresentado pela análise dos dados colhidos é o papel que os atores participantes do processo de criação e administração das bibliotecas comunitárias desempenham. Esses atores são todos oriundos da sociedade civil, em sua maioria voluntários. O seu nível de escolaridade é variado, abrangendo, desde analfabetos, até pessoas de graduação superior. Sua integração ao trabalho de desenvolvimento comunitário se faz de diferentes maneiras: individualmente, via movimentos associativos, pela igreja ou ONGs.

33Considerando os elementos históricos da criação das bibliotecas comunitárias, pudemos perceber, nos vários relatos, que o fio que entrelaça e sedimenta as iniciativas comunitárias é o trabalho voluntário.

34Duas das bibliotecas foram criadas por iniciativa pessoal, em locais de alta vulnerabilidade social. Três, assim como as bibliotecas dos centros culturais, foram originadas de movimentos de bairro, tendo à frente, na maior parte dos casos, as associações comunitárias. (Os centros culturais foram criados em função da administração participativa da Prefeitura, o Orçamento Participativo.) e mais três delas tiveram como protagonistas os dirigentes e integrantes de obras sociais da Igreja Católica. Apenas uma pertence a uma ONG que se destinava, originalmente, ao atendimento de meninos de rua, e cujo trabalho foi iniciado na década de 80. Atualmente atende crianças de toda a comunidade.

35De acordo com os fatos apresentados torna-se evidente o interesse dos criadores em propiciar oportunidades para as comunidades em que realizam sua ação e demonstram, ainda, a compreensão de que a passagem pela escola e pela biblioteca representa uma chance importante para romper com o círculo vicioso da exclusão, bem como em exercer a dimensão de cidadania.

3.2. Estratégias de implementação

36Os dados sistematizados a partir das entrevistas nos permitiram concluir que, em relação às estratégias de organização, está subjacente a articulação entre os atores e a busca de suporte e sustentação grupal com vistas a sanar as dificuldades com as quais se defrontam para a consecução de seus objetivos. Elas se baseiam no apoio de indivíduos dentro e fora da comunidade para a obtenção de doações e captação de trabalho voluntário. O acervo e sua organização, o mobiliário e os equipamentos, a execução das atividades diárias, se fizeram e se fazem de modo solidário.

37Não há uma só biblioteca, em todo o universo pesquisado, cujo acervo não tenha sido formado por doações da comunidade (na maior parte) ou de entidades ligadas à indústria editorial e programas oficiais de apoio à leitura. Verbas para aquisição de livros são quase inexistentes. Os recursos obtidos para as poucas compras realizadas são decorrentes de taxas de multas ou programação de eventos para arrecadação de fundos.

38A mesma situação se repete em relação à aquisição de mobiliário e equipamentos, e quanto ao espaço físico ocupado há uma variedade de exemplos de estratégias buscadas para viabilizar o funcionamento das bibliotecas. Elas funcionam em espaços cedidos pelos próprios criadores e coordenadores em suas residências (alugadas); espaços fornecidos pela Igreja católica junto a obras sociais; integradas aos espaços ocupados pelas próprias associações ou ONGs que as mantêm, e espaço cedido em comodato por órgão governamental.

39Como se pode observar, nenhuma dessas instituições tem sede própria, e a permanência ou não das bibliotecas depende do seu nível de estruturação e capacidade de atendimento à demanda que a comunidade faz de seus serviços. Corre-se o risco de, em não sendo fortalecidas pela sua atuação, virem a desaparecer, como já aconteceu anteriormente com outras bibliotecas que foram fechadas.

3.3. Recursos humanos.

40Um dos problemas percebidos em relação ao funcionamento das bibliotecas comunitárias diz respeito à falta de um trabalho profissional bibliotecário, ausência que traz conseqüências negativas não só para a organização do acervo, como também para o desenvolvimento de um projeto de ação cultural. Portanto, os dados revelam que apenas uma é coordenada por uma bibliotecária, as outras receberam o apoio voluntário e apenas temporário de alguns bibliotecários ou estudantes de Ciência da Informação, em sua fase inicial, ficando o trabalho inacabado. Outras jamais receberam qualquer orientação profissional.

41Tendo em vista esta configuração e retomando nosso questionamento do início deste estudo, a respeito da falta de um profissional para geri--la e do comprometimento que esta falta traria para o sucesso da ação bibliotecária, pudemos constatar que, embora a organização do acervo na maioria dos casos, seja precária, isto não impede que as bibliotecas funcionem, mesmo porque, de modo geral, os acervos são de tamanho reduzido.

42Porém é relevante destacar que a falta de organização, nos moldes adequados, interfere na qualidade dos serviços prestados, e que esta poderia ser melhor. A ausência de um profissional, para otimizar o atendimento à demanda e para desenvolver um projeto de ação cultural, é apontada com maior freqüência como uma das lacunas que devem ser supridas, fato que traz à tona a questão da interação entre as instituições comunitárias e a universidade no seu papel de atender às demandas sociais.

3.4. Dimensões educativas e de ação cultural

43Em relação às dimensões educativas e de ação cultural, o que ganha foco na fala dos entrevistados, em um primeiro momento, diz respeito à ação da biblioteca no sentido de apoiar os estudos, ajudar nos deveres escolares, diminuir as dificuldades que as crianças têm para vencer os obstáculos inerentes à aprendizagem, principalmente no que respeita à leitura.

44Nesta linha de atuação ela busca muito mais suprir a ineficiência, ou até mesmo a ausência da biblioteca escolar. O entendimento de que a escola é um bem, e que, talvez, seja a única alternativa para o alcance de uma vida digna, do exercício da cidadania, levam-na a garantir esse atendimento básico à população.

45Isso pode ser verificado na fala de um dos entrevistados:

Biblioteca Comunitária do Movimento União Popular:
... É. Não tem como ter um acesso a um nível de vida melhor sem escola, não tem. E hoje em dia, se a criança não tiver muita falta, ela passa de ano sem saber nada (ENT. 7).

46Em relação à questão da ação cultural, torna-se presente o fato de que, na atualidade, o domínio das novas tecnologias é uma das possibilidades da inclusão cultural e de cidadania, e uma das condições precípuas à inserção do cidadão na sociedade da informação. Embora nem todas as bibliotecas tenham a Internet disponibilizada para os usuários, todos os entrevistados sabem da sua utilidade, e a apontam como uma ferramenta necessária.

Centro do Saber Paulo Freire
... os meninos estão se apossando dessa ferramenta e é a ferramenta que é absolutamente necessária pro mundo hoje em dia, pra ir pra escola, pra comunicação, pra tudo, e a gente está trabalhando no sentido de que eles usem a informática para conquistar mais plenamente a cidadania deles. Por exemplo, que eles usem pra divulgar idéias, divulgar críticas, que entrem em grupos de discussão pra divulgar problemas, pra reivindicar coisas.

47Mas outros objetivos são vislumbrados dentro de uma perspectiva de formação cultural cidadã. Assim, flui das entrevistas a determinação de incentivar a leitura, reivindicar o acesso a atividades culturais, viabilizar a inclusão digital, possibilitar a inserção dos indivíduos em seus direitos culturais, mesmo que não haja projetos sistematizados para alcançar esses objetivos.

Biblioteca Comunitária Casa Recriar:
Eu acho que as bibliotecas comunitárias são importantes pras comunidades, porque (...) nosso bairro é de classe baixa, nós não temos condições pra “tá” comprando livro e uma biblioteca igual à nossa, serve até como um meio de diversão, porque, às vezes, ela (a pessoa) não tem condição de sair, de ir a um teatro, pra ir num cinema, mas tem a biblioteca pra ler.... (ENT. 3) (Grifos nossos).

48Quanto à importância do livro na vida das pessoas, os entrevistados assinalam:

Biblioteca Comunitária do Movimento União Popular:
É fundamental. Acho que é a base, né, de tudo. Bertoldo Brecht fala, né, num trecho dele lá que, se a pessoa tem fome, ela tem que abraçar o livro. Então, assim, é fundamental.
.... Porque se a pessoa é pobre, pobre, pobre, ela tem que segurar o livro, ela tem que agarrar a escola, ela tem que andar pra frente.(ENT. 7).
Centro do Saber Paulo Freire:
Eu acho que o livro é um multiplicador cultural, um amplificador cultural imenso, né? Tanto a criança pode pegar o livro, ler simplesmente por brincadeira, de uma forma lúdica, agradável, né, prazerosa... Pode ser uma estrutura, não, um suporte muito bom pra reflexões dela, sobre a vida dela, sobre questões sociais, relacionamento social, sobre cidadania, principalmente, os contos. Por exemplo, os contos de fadas, né, têm aquelas possibilidades de vivências, de a criança ver e analisar situações difíceis num ambiente seguro. Por exemplo, os contos de Andersen, quando fala do patinho feio, o preconceito, né, e como é que ela tem que fazer pra não ter esse preconceito, pra demonstrar o que são, que têm valor; “A pequena vendedora de fósforos”, sobre as crianças que vendem coisas no metrô, na rua, nos sinais....(ENT. 4)

49Destaca-se assim, nas formulações dos entrevistados, que o livro não só significa abertura de oportunidades materiais, mas também a ampliação da visão de mundo e de conhecimento, a abertura das mentes, a oportunidade de se nivelar a outros, a inserção no mundo como cidadão, ideário que vai se repetir nos discursos transcritos a seguir:

Biblioteca Comunitária Casa Recriar (1):
... Não. Eu não leio. Nunca tive oportunidade de aprender. Então, a pessoa quando ela tem estudo, ela tem mais chance pra falar, ela tem mais sabedoria até pra procurar emprego, né? Isso tudo ajuda, porque a pessoa quando ela é muito..., tem muita capacidade de ter leitura, estudo, tudo pra ela se torna mais fácil, do que a pessoa que não sabe. Até pra chegar ao próximo é mais fácil pra ela. Então, o estudo, a leitura “tá” em primeiro lugar, no meu ponto de vista. (ENT. 3)

50Torna-se claro, ainda, que apesar das dificuldades de acesso e de domínio das habilidades de leitura, há uma compreensão que apropriar--se do livro e das possibilidades advindas em interação com o mesmo traz não só abertura em relação à realidade, mas propicia caminhos e alternativas de ação.

51Portanto, considerando esta apreensão da realidade das bibliotecas comunitárias, a partir dos dados obtidos com esta amostra, torna-se patente a lacuna a ser preenchida, em termos não só de instalação de bibliotecas, do trabalho cultural a ser desenvolvido, bem como traz à tona a necessidade de romper com a histórica omissão à qual estão submetidas as populações pertencentes às classes populares.

52Porém, é necessário lembrar que este universo contraditório demonstra que, ao se instituírem como bibliotecas comunitárias, evidenciam a importância da articulação dos diferentes grupos sociais, e ao se colocarem no espaço público tornam visíveis as contradições sociais e abrem o espaço para reivindicação de direitos e exercício de cidadania.

4. Conclusões

53Ficou evidente que o principal motivo que impulsiona a criação das bibliotecas é a solidariedade e o sentimento de união, que aglutinam a comunidade no enfrentamento das carências, nas lutas pela conquista dos direitos e superação da exclusão. Um dos direitos mais reivindicados é a educação, porque é ela, talvez, o único caminho para a inserção em uma sociedade que exige habilidades cada vez mais específicas para a obtenção de emprego. E a consciência de que é o livro o condutor desse conhecimento e que as escolas não suprem o ensino na qualidade necessária ou desejável faz com que a biblioteca seja vista como uma grande alternativa, talvez a única, para superar essas lacunas. Daí o suporte às crianças no “dever de casa”, o incentivo à leitura, o acesso à Internet porque, além da possibilidade do emprego, a possibilidade urgente de mantê-las longe das drogas, das acrobacias patéticas e do comércio marginal nos sinais de trânsito. O livro é uma das possibilidades de cidadania.

54Ficou evidente, também, que ainda faltam projetos de ação cultural, de uma ação proativa e planejada que envolva os vários setores sociais, principalmente educação e cultura, para mudar a realidade do analfabetismo, da ausência da leitura no cotidiano. A maioria das bibliotecas está se restringindo a disponibilizar livros, mas a tarefa de mediar leitores e livros ainda não se concretizou. Há necessidade de agentes culturais para fazer a ponte entre o livro e o leitor.

55Uma lacuna a ser preenchida se refere à quase total ausência de bibliotecários nesse universo. Os livros são organizados sem qualquer técnica, muito mais pela intuição. Portanto, seria interessante que as escolas formadoras de profissionais da Biblioteconomia se voltassem para esse público, numa parceria produtiva para ambos os lados, por meio de estágios ou serviços de extensão: as bibliotecas se beneficiariam pela assessoria técnica, e a academia se beneficiaria com um espaço para aprendizagem, não só no exercício da técnica biblioteconômica, mas principalmente no desenvolvimento de ação cultural e do incentivo à leitura, aspectos essenciais para a profissão, mas tão esquecidos nos atuais currículos. O papel social da universidade está aí para ser desempenhado.

56Em relação à importância do livro no cotidiano da vida das pessoas ficou claro que ela se manifesta muito mais na visibilidade das ações, na concretude das possibilidades de transformações sociais, do que na verbalização, à medida que, ao criar uma biblioteca, fica evidente a compreensão de que ela amplia o espaço para o sucesso no âmbito escolar, talvez a única chance de ter sucesso em uma sociedade letrada. Passar pelo livro é uma oportunidade de mudança.

57Essa possibilidade de mudança pode também ser expressa na busca de reconhecimento pela administração pública do esforço feito pela comunidade para se apropriar de um direito garantido pelas leis, mas ainda não exercido, de ter qualidade na educação. E a qualidade da educação só se alcança se for acompanhada de boas bibliotecas que possibilitem variedade de oferta de materiais e de opiniões, que vão formar o cidadão consciente. Quando a comunidade desenvolve uma ação desse tipo ela está tornando concreta e visível o atendimento a uma necessidade, a do acesso à leitura, que deveria ser da competência do governo. Na fala do Presidente do Conselho Comunitário do Bairro Ribeiro de Abreu:

...“porque quando a gente fala assim que o município não “tá” assumindo a parte dele é por isso aqui: o espaço é nosso, o aluguel da casa é nosso, a água é nossa, a luz é nossa, o telefone é nosso, as prateleiras são nossas, os livros são nossos, computador é nosso e a gente sabe que isso não é nosso papel, e a gente faz isso. A gente faz porque tem que fazer mesmo, mas a gente sabe que é papel do governo, que é papel fornecer essas bibliotecas e as pessoas ter acesso a elas. Então, o que a gente “tá” pedindo, não é pra fazer pra nós não, “tá” pedindo pra fazer junto, (ENT. 5)

58Finalmente, queremos dizer do significado desse estudo para nossa experiência pessoal: foi o desvelamento de um mundo surpreendente de ações solidárias e de lutas pela inserção social da comunidade, o contato com possibilidades concretas de abertura de caminhos para a democracia cultural. Essas experiências são moralmente edificantes e socialmente exemplares, na medida em que desenvolvem, na comunidade, a consciência de sua própria capacidade de realização, independente da ação do governo. Todavia, do ponto de vista do cidadão, isto não significa justiça, porque estar à mercê de sua própria sorte representa, com clareza, a realidade política do país: a exclusão da grande maioria da população de um dos direitos essenciais da pessoa humana: a dignidade da existência, expressa na dignidade da educação, do trabalho, da cultura e do lazer.

Bibliographie

ALMEIDA JR.; Oswaldo Francisco de – Bibliotecas públicas e alternativas. REVISTA BARSILERA DE BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃOE. São Paulo, v. 25, n. 1/2, (Jan./Jun. 1993), p. 115-127.

COELHO NETO, José Teixeira – Dicionário crítico de política cultural. 3ª ed. São Paulo: Iluminuras, 2004.

FLUSSER, Victor. – Uma biblioteca verdadeiramente pública. R. ESC. BIBLIOTECON. UFMG, v.9 n.2 (set. 1980), pp. 131-8.

FLUSSER, Victor. A biblioteca como um instrumento de ação cultural. R. R. ESC. BIBLIOTECON. UFMG, v. 12, n. 2, pp. 145-169, (set. 1983.)

FLUSSER, Victor – O bibliotecário animador: considerações sobre sua formação. R. ESC. BIBLIOTECON. UFMG, v.11, n.2, (set. 1982), pp. 230-236.

GOMES, Sonia de Conti. – Bibliotecas e sociedade na Primeira República. São Paulo: Pioneira; Brasília: INL, 1983.

MARTINS, Ana Luiza – Gabinetes de leitura do Império: casas esquecidas da censura? In: ABREU, Márcia (org.). LEITURA, HISTÓRIA E HISTÓRIA DA EITURA. Campinas, SP: Mercado das Letras: Associação de Leitura do Brasil; São Paulo: FAPESP. (1999), pp.395-410.

MARTINS, Wilson – A palavra escrita: história do livro, da imprensa e da biblioteca. 3ª ed. São Paulo: Ática, 2002.

MORAES, José Damiro de – Educação anarquista no Brasil da Primeira República. [Em linha] [Acesso em: 10/06/2007] Disponível em: www. histedbr. fae. unicamp. br/navegando/artigos _ frames/artigo _ 052. html

MORAES, Rubens Borba de – Livros e bibliotecas no Brasil colonial. 2ª ed. Brasília: Briquet de Lemos/Livros, 2006.

THE PUBLIC library service: IFLA/UNESCO guidelines for development//International Federation of Libraries Associations and Institutions. [Em linha] Ed. for the Section of Public Libraries by Phillip Gill et al. München: Saur, 2001. (IFLA Publications, 97). [Acesso em: 03/07/2006] Disponível em: http://www.iplb.pt/pls/diplb/get_resource?rid=938.

UNESCO – Manifesto da UNESCO sobre bibliotecas públicas. [Em linha] Novembro, 1994. [Acesso em: 03/07/2006] Disponível em http://www.iplb.pt/pls/diplb/get_resource?rid=938.

VASCONCELOS, Karina Teixeira; SILVA, Maria do Carmo Costa e; PEREIRA, Marlene Edite – 1 º Diagnóstico das Bibliotecas Comunitárias de Belo Horizonte. RELEITURA, Belo Horizonte, n. 18 (dez. 2004.), pp. 33-39,

VIEIRA, Heloisa Maria – Bibliotecas comunitárias em Belo Horizonte: atores em cena. 2007. [Em linha] Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Escola de Ciência da Informação Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br.

VILLALTA, Luiz Carlos – Os leitores e os usos dos livros na América Portuguesa. In: ABREU, Márcia (org.). LEITURA, HISTÓRIA E HISTÓRIA DA LEITURA. Campinas, SP: Mercado das Letras: Associação de Leitura do Brasil; São Paulo: FAPESP (1999) pp. 183-212.

Auteurs

Bibliotecária - Documentalista. Universidade Federal de Minas Gerais – Belo Horizonte – Br.

Professora Escola de Ciência da Informação. Universidade Federal de Minas Gerais – Belo Horizonte – Br.

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr