Version classiqueVersion mobile

Elites e Indústria no Alentejo (1890-1960)

 | 
Paulo Eduardo Guimarães

Capítulo 4. Tradição e modernidade na indústria alentejana (1922-1950): os estabelecimentos de pequena e de média dimensão

Texte intégral

1Constituem o objecto deste capítulo os estabelecimentos industriais de pequena e de média dimensão instalados na área da 4.a CI e considerados no RTN, no período 1922-1952. Dentro destas duas categorias cabiam um conjunto muito diversificado de contextos organizacionais e empresariais. As expressões “pequena”, “média” ou “grande” tiveram, nesta exposição, um valor meramente operatório, devendo ser consideradas mais como um atributo relativo do que uma distinção rigorosamente quantificável. Assim, considerámos como pequenos os estabelecimentos que, à data do registo, ocupavam menos de 10 trabalhadores; e de média dimensão os que empregavam entre 10 a 50 trabalhadores na actividade industrial registada. Recordemos que estamos a lidar com estabelecimentos e não com empresas e que, com frequência, os estabelecimentos constituíam actividades complementares ou acessórias de empresas de natureza prioritariamente comercial ou agrícola. Uma carpintaria de carros que ocupava 5 pessoas, considerada, sob este ponto de vista, como “pequena” tanto surgia como a oficina duma firma em nome individual especializada nessa actividade como poderia (como, de facto, acontecia) fazer parte integrante das múltiplas actividades duma grande casa agrícola. Do mesmo modo, um pequeno estabelecimento para fabrico de chocolates poderia integrar uma grande organização de comércio retalhista, como sucedeu no caso da Fomento Eborense (v. infra). Noutros casos, o registo de uma actividade de pequena dimensão combinava-se com outras dentro dum conjunto comercial e industrial de média ou de grande dimensão, como foi o caso, por exemplo, da Empresa Industrial de Bastos Ribeiro, em Sousel.

2Notemos, então, algumas combinações de actividades que surgiram, com alguma frequência, no quadro das pequenas ou médias empresas de natureza comercial e industrial neste período.

3Nas classes da alimentação e bebidas, encontramos as associações entre a pastelaria e a confeitaria, com uma orientação posterior para o fabrico de refrigerantes; entre a actividade de forneiro e a padaria; entre a confeitaria e a torrefacção de café; entre a produção de vinhos e licores e o fabrico de chocolate e amêndoas; e, finalmente, entre a moagem de cereais e a produção de electricidade. Nas classes relativas aos trabalhos em metais, foram frequentes as associações entre as ferrarias e as carpintarias de carros, as serralharias e as reparações mecânicas, ou entre as fundições e as serralharias.

  • 1 Os registos tiveram início em Março de 1922. Os valores apurados antes deste período referem-se ape (...)

4Um critério de registo similar, assente no estabelecimento, parece ter existido no Inquérito Industrial de 1890 e, por isso, o confronto entre as duas fontes permitiu-nos perspectivar, com algum detalhe, a evolução do parque industrial desde os finais do século XIX. A análise em diacronia das actividades considerou a sua duração e evidenciou conjunturas fundamentais que afectaram o tecido instalado. Os principais problemas que levantou a construção de séries cronológicas, a partir desta fonte, foram já identificados anteriormente1.

5A descrição do parque instalado atentou na mobilidade geográfica das actividades no interior da região, nos fenómenos que decorreram quer das oportunidades induzidas pela difusão tecnológica e pela especialização regional, quer das ameaças que representaram a concorrência externa e a obsolescência técnica.

  • 2 Os processos eram parte integrante do acto do RTN e do licenciamento das indústrias classificadas c (...)

6Para além do registo das actividades, compulsámos os processos instaurados, não eliminados e arquivados presentemente na Direcção Regional do Ministério da Economia, em Évora2. Tal como definia a lei, os processos compunham-se de plantas, memória descritiva, relação de equipamentos (máquinas, máquinas-ferramentas e instrumentos de trabalho), autos de vistoria e de inspecção, etc. Embora sejam escassos e pouco rigorosos os elementos económicos relativos à produção, que neles podemos encontrar, o seu estudo permitiu-nos formar uma ideia muito clara sobre a natureza de cada estabelecimento registado, o seu nível técnico e equipamento, o seu ambiente económico e mercados, enfim, as relações estabelecidas entre o Estado e os chefes de indústria. A caracterização dos estabelecimentos, feita selectivamente, recaiu sobre cerca de centena e meia de processos seleccionados de acordo com a importância dos estabelecimentos e com a natureza da actividade nos distritos de Portalegre, de Évora e de Beja. Deste modo, alargou-se a escala de observação a todo o Alentejo.

7A Casa Agrícola, expressão que designava a grande exploração agrícola capitalista, constituía o elemento “estruturante” do parque industrial instalado no Alentejo, quer na sua componente moderna, quer na sua componente tradicional (tabela 4.1). Em estreita ligação com a economia da grande propriedade, temos os registos de debulha de cereais, de moagem de cereais, de lagares de azeite, de fábricas de descasque de arroz, de rações para gado, fornos de pão, fornos de telha e de tijolo, de adegas e destilarias, de produção de carvão vegetal, de produção de carne ensacada, de salsicharia e fabrico manual de queijos. Isto resultava não apenas da natureza dos bens oferecidos pelo latifúndio ao conjunto da economia regional, como também da forma como a Casa Agrícola se articulava com estas actividades, as quais apareciam integradas na sua economia.

  • 3 Veja-se a este respeito o recente estudo monográfico sobre um monte alentejano na região de Montemo (...)

8Um indício desta tendência para a integração produtiva encontrava-se na localização dos estabelecimentos. Reconhecemos 890 registos de actividade (num total de 9.640) cuja localização se identificava através de expressões indiciadoras dessa integração, como era o nome duma herdade, quinta, monte, etc. A listagem, que abarcava um leque muito vasto de actividades, estendia-se desde as actividades extractivas (pedreiras, fabrico de carvão) até aos transportes (carros de aluguer), passando pelas agro-indústrias e indústrias alimentares, vestuário, calçado, indústrias da madeira e dos metais (tabela 4.1). Carpintarias, serralharias e ferrarias eram instalações correntes nas sedes das casas agrícolas, necessárias para satisfazer as suas necessidades quotidianas3.

  • 4 De acordo com Silva Picão, na freguesia da Santa Eulália (concelho de Eivas), constituíam factor de (...)

9Deste modo, podemos afirmar que uma das consequências da formação dos grandes domínios foi a tendência para a integração produtiva, a qual já tínhamos registado nas grandes unidades industriais instaladas na região (cf. capítulo 3). Para além dos grandes domínios realizarem a transformação dos produtos agrícolas, a aplicação do vapor na debulha criou também oportunidades para a autonomização da grande exploração face à moagem tradicional. A locomovei e a caldeira fixa foram aplicadas em moinhos de pedra (cereais) e de martelos (para fabrico de rações), em lagares de azeite e serviam para produzir electricidade, antes mesmo de se desenvolverem as empresas de electrificação rural. Ao mesmo tempo, a casa agrícola era largamente auto-suficiente e a produção alimentar estendia-se aos trabalhadores que recrutava, pagos com frequência à ração ou a meia ração4.

Tabela 4.1 – Número de estabelecimentos e de trabalhadores registados na área da 4.a C.I. e directamente associados à Casa Agrícola alentejana (1922-1952)

Área de actividade

Indústria

Estabelecimentos

Trabalhadores

Pedreiras

Canteiro (oficinas); pedreiras

3

8

Cortiça

Preparação e manufactura

27

199

Carvão vegetal

Carvoaria

6

20

Cereais

Debulha e enfardação de palha e feno
Azenhas e moinhos de vento
Moagem e descasque de arroz

105
150
100

1416
159
160

Alimentação

Padarias, forno de coser pão
Azeite (fabrico de)
Vinhos (e aguardente), destilarias
Carnes fumadas e carnes ensacadas
Pimentão (moagem de)
Gelados (fabrico de)
Queijos (fabrico manual de)
Rações (moagem de)

41
104
63
8
9
1
3
30

34
404
40
23
60
2
6
30

Construção e cerâmica

Cal (forno de)
Telha e tijolo
Cerâmica (materiais para construção)
Louça ordinária de barro (fabrico)

52
96
5
3

147
287
41
9

Calçado e vestuário

Sapataria
Alfaiataria
Curtumes

21
6
10

27
7
16

Metais e mecânica

Reparações mecânicas, serralharia
Ferraria/ferreiro
Carpintaria, serração (madeiras)
Carpintaria de carros

3
16
4
7

7
27
24
II

Transportes Têxteis

Carros de aluguer*
Espartaria
Canastreiro
Lavandaria
Outros

5
1
7
2
2

5
10
15
2
5

* Estes registos eram pouco rigorosos nas referências ao início e fim de actividade, o que sugere tratar-se dum acto posterior.
Fonte: DRME/R.T.N. (1922-1952).

10Descrições destas grandes unidades produtivas, feitas a partir dos registos orfanológicos, confirmaram esta evolução, como mostrou Hélder Fonseca, para a região de Évora, para contrariar a imagem de estagnação agrícola (1996a). Enquanto a Quinta da Malagueira, do Conde da Ervideira, era descrita na Ilustração Alentejana como uma “Versalles em tamanho pequeno” (IM/LA-1925, I, 1; cf. IM/AA-208) a sede da sua casa agrícola na Herdade da Furada era considerada, pelo Álbum Alentejano, como “um autêntico mundo de actividade agrícola (...). Todas as oficinas inerentes, correios, fábricas de moagem completo, tudo enfim que compõe uma cidadezinha industrial aqui se encontra. E dissemos cidadezinha visto que algumas vilas onde temos estado não possuem o movimento industrial que vimos na Furada” (IM/AA: 359).

11Da mesma forma, também o Esbarrondadouro, do lavrador eborense Manuel Dias Rodrigues Descalço, a “Central da Casa agrícola” era descrita como “um colosso, uma cidadezinha em miniatura, com central eléctrica, oficinas, armazéns” (AA, 365). No concelho de Grândola, as herdades de Canal e Caveira, a 7 km da vila, exploradas por Baptista Limpo que as tinha herdado do Morgado Champalimaud, seu sogro, tinham por “sede” um monte que dispunha de electricidade e de oficinas (AA-1056). Os exemplos podiam multiplicar-se.

12Já durante o Inquérito Industrial de 1890 se tinha apontado a fragilidade da posição dos artesãos e a sua relação com estas grandes empresas. A Comissão de Estremoz fazia notar aos seus superiores:

  • 5 Carta de 10 de Agosto de 1890, Arq. do Min. Obras Públicas, Documentos sobre o Inquérito Industrial (...)

“Existem, com efeito, um grande número de artífices de todas as classes; poucos são, porém, os que manipulam por conta própria, mas sim por conta dos proprietários que chama (sic) o pedreiro, o carpinteiro, etc. para a construção das obras que carecem, cuja retribuição é diária e por trabalho regular de sol a sol”5.

  • 6 Escritura de 18.Out.1918 no arq. da DRME, proc. 6 da 4.a CI (4/383), Moagem e Electricidade, L.da. (...)
  • 7 Veja-se na DRME/Proc. 19 da 4.a CI-Sociedade Fabril Alentejana L. da. Alvará 5.080 de 11.Dez. 1959.
  • 8 V. DRME/Proc. 4/2266, Alvará 10147. “As indústrias estavam instaladas em edifícios que constituíam (...)

13Por outro lado, a orientação comercial “exportadora” da grande agricultura comercial não suscitou, até relativamente tarde, o desenvolvimento dum sector agro-industrial autónomo. Este sector encontrava-se em rápido crescimento nos anos da Grande Guerra e nos anos imediatos do pós-guerra. Neste período de euforia, que encerra com a crise financeira de 1923, formaram-se um pouco por todo o Alentejo, nas sedes das principais povoações, sociedades orientadas para a transformação e comercialização dos produtos agrícolas e para a exploração da energia eléctrica. Trataram-se, na maior parte dos casos, de empresas de pequena ou média dimensão, constituídas por associação de capitais locais de origem fundiária e mercantil. Entre estas vale a pena referir, na linha da pioneira C.ia Elvense de Moagens a Vapor (1899), a Moagens e Electricidade L.da, constituída em 1918 na sede da Sociedade Recreativa, em Arraiolos; a Sociedade Fabril Alentejana (Sofal), constituída em 1921 na sede do sindicato agrícola de Vila Viçosa, com um capital de 900 contos; a Sociedade Industrial Alentejana e Sado L.da, de Santiago do Cacém (1922); a Sociedade de Moagem e Massas de Vendas Novas L.da (1921); A Campo Maiorense (mais tarde União Industrial Campo Maiorense); enfim, a C.ia Industrial Suzelense (1923), para além das já referidas Moagem Eborense (1928) e da Portalegre Industrial (1922). Em quase todos os casos estamos perante “estabelecimentos complexos”, isto é, combinados industriais polivalentes que procuravam articular, de forma eficiente, vários ramos de actividade, tendo em vista a utilização de novos recursos tecnológicos e energéticos. Assim, a sociedade de Arraiolos fora constituída para a “instalação e exploração duma fábrica de moagens e central eléctrica nesta vila, compra e venda de cereais e farinhas, panificação...”6. Do mesmo modo, a Sofal tinha um conjunto integrado de moagem de farinha espoada, lagar de azeite, extracção de óleos de bagaços por dissolventes, fábrica de sabão e refinação de azeite7. Noutros casos, tais conjuntos foram iniciativa de um só indivíduo, como sucedia na Empresa Industrial Bastos Ribeiro, no Cano (Sousel), que no vasto conjunto estabelecido na Cerca do Convento explorava as indústrias de moagem de farinha espoada, moagem de farinha para gados, padaria, lagar de azeite, extracção de óleo de bagaço, fábrica de sabão, fábrica de gelo, serralharia e carpintaria mecânica, destilaria e electricidade (que fornecia à vila de Sousel através de contrato com o município)8.

Tabela 4.2 – Estabelecimentos registados de dimensão intermédia na 4.a C.I.

Tabela 4.2 – Estabelecimentos registados de dimensão intermédia na 4.a C.I.

Nota: consideraram-se aqui os estabelecimentos registadas com mais de 20 trabalhadores e menos de 50. Não se incluíram os estabelecimentos de preparação e transformação de cortiça descritos no capítulo 3.
Fonte: DRME/R.T.N.

14A listagem das sociedades de tamanho intermédio revela um conjunto diversificado de actividades, a maior parte delas orientada para o processamento de produtos primários. Seguiam-se depois as actividades de mão-de-obra intensiva, manufactureiras, de origem antiga (alpergatas), revitalizadas neste período (tapetes de Arraiolos) ou estabelecidas pela primeira vez (sedas de Portalegre) ou de assistência mecânica (tabela 4.2). Alguns destes estabelecimentos eram bastante antigos, como sucedia com os que produziam as célebres ameixas de Elvas (conservas de fruta). Empresas de tipografia, fábricas de conserva de peixe e oficinas de carruagens datavam dos finais de Oitocentos. Assim, a maioria das firmas foi constituída em dois períodos distintos. O período republicano foi marcado pelas moagens, combinados industriais, fábricas de cerâmica e fundições; e os primeiros anos ’50, pelas moagens de pimentão, reparação automóvel e outras.

  • 9 V. a este respeito a tese de Jorge Gaspar sobre a cidade de Évora, centrada na teoria dos lugares c (...)

15A segunda fonte de registos de pequenos estabelecimentos encontrávamos nas necessidades correntes das populações rurais. Apesar do seu carácter artesanal, chegaram a constituir-se centros de produção especializada. Carpintarias, ferrarias, latoarias, sapatarias ou alfaiatarias continuavam a ser actividades marcadas pelo trabalho de ofício e pela proximidade da clientela que serviam. Realcemos, na geografia destes ofícios, a importância do aumento do povoamento rural até à década de 1950, marcado como foi pela dispersão da população em pequenos núcleos de povoamento (os montes e as aldeias). Neste quadro, as vilas e cidades, cuja população não ia além das 18 mil almas, constituíam fundamentalmente centros administrativos que concentravam actividades comerciais e industriais orientadas para a satisfação da população regional9. Por outras palavras, o urbanismo alentejano, se produziu um leque relativamente diversificado de actividades, algumas delas orientadas para o luxo e sofisticação burguesas, não encontrava uma escala suficiente para as fazer multiplicar. Por isso, eram muito mais frequentes as carpintarias do que as marcenarias, os fornos de pão do que as padarias e as confeitarias, enfim, as olarias do que as fábricas de cerâmica. Deste modo, os mercados exteriores (entenda-se, neste caso, aqueles que iam mais além do hinterland que a urbe servia) foram sempre fundamentais para a consolidação de iniciativas como o fabrico de chocolates, a torrefacção de café ou as conservas de frutas.

4.1. As indústrias dos produtos florestais: o carvão e a cortiça

16O RTN assinalou apenas 4 estabelecimentos para a produção de carvão vegetal a partir de 1922. Todos eles encerraram antes de 1952. Tratando-se duma actividade que conheceu um grande incremento durante a I Guerra Mundial, a par da destilação de álcool, por forma a suprir as enormes carências de combustível, terá porventura diminuído nos anos subsequentes. Seja como for, tudo indica ter sido uma actividade realizada geralmente no quadro das explorações agrícolas, não havendo, nestes casos, lugar a registo. Aqui estamos perante “fábricas de carvão”, ou seja, estabelecimentos com uma laboração comercial regular entre 1905 e 1936. Num dos casos, foi possível identificarmos o requerente a registo como proprietário fundiário que teve um estabelecimento comercial em Évora (na freguesia de São Mamede), entre 1936 e 1939.

Mapa 2. Estabelecimentos de preparação e manufactura de cortiça registados na 4CI

Mapa 2. Estabelecimentos de preparação e manufactura de cortiça registados na 4CI

Fonte RTN

  • 10 Para uma visão geral de natureza técnica e económica sobre a cortiça é útil consultar a síntese de (...)

17Muito mais importante foi, sem dúvida, a actividade comercial e industrial em torno da cortiça, produto que conheceu crescentes aplicações industriais no isolamento e no revestimento, até começar a sofrer a concorrência generalizada dos produtos sucedâneos obtidos a partir dos polímeros10. O registo distingue a actividade preparadora da manufactureira, que era menos frequente.

  • 11 A situação não deixava de ser semelhante ao que ocorria noutras regiões. Para a Estremadura espanho (...)

18O parque industrial corticeiro instalado ao longo da primeira metade do século XX foi marcado pela orientação da maioria das iniciativas para a actividade preparadora11. A produção de prancha e, acessoriamente, de quadros e de rolhas caracterizava a actividade da maioria dos pequenos estabelecimentos e concentrava-se em alguns pontos dispersos na região (mapa 2). Perto de 85% destes “pequenos estabelecimentos” ocupavam 10 trabalhadores ou menos (cf. tabela 4.3.). A maioria (55,7%) empregava apenas entre 2 a 5 trabalhadores e tinha uma actividade sazonal. Dos 323 registos, 44 estabelecimentos referiam-se a indústrias caseiras ou de actividade muito irregular.

  • 12 V. o Notícias de Évora, 1922.

19A perda da importância das pequenas “fábricas de rolhas” e da classe dos rolheiros, ainda antes da I Guerra Mundial, parece ter sido o fenómeno mais relevante quando se observa a evolução do sector (v. Soares, Neto e Mexia-1912). As lutas dos rolheiros e dos corticeiros para a adopção de políticas que levassem o país a responder ao proteccionismo dos países industriais e consumidores marcaram os últimos anos do regime monárquico e reacenderam-se durante os primeiros anos da República (Miranda-1991). A célebre lei Carlos Relvas, ao obrigar à preparação de toda a cortiça exportada, reforçou aquela orientação anterior. No início dos anos ’20, foram os industriais corticeiros eborenses os primeiros a conseguir obter a eliminação da taxa municipal sobre a cortiça, sem que houvesse qualquer reacção por parte do operariado corticeiro12.

Tabela 4.3 – Dimensão dos estabelecimentos corticeiros na área da 4.a C. I. registados entre 1922 e 1952

Número de trabalhadores

Estabelecimentos

%

menos de 2

44

13,6

2 a 5

180

55,7

6 a 10

50

15,5

11 a 20

29

9,0

21 a 40

10

3,1

41 a 100

7

2,2

101 a 140

3

0,9

Total

323

100,0

Fonte: DRME/RTN (cálculos nossos)

20Uma das questões que se pode colocar consiste em saber se a orientação da indústria para a actividade predominantemente preparadora e de intermediação comercial se traduziu numa perda absoluta no volume de emprego industrial. O confronto entre os valores apurados pelo Inquérito Industrial em 1890 e pelo RTN em 1922 e 1923 não sustenta tal hipótese. Apesar de se poder detectar um movimento de implantação de grandes unidades industriais nas margens do Alentejo a partir dos primeiros anos de Novecentos, as regiões produtoras não perderam efectivos (cf. cap. 3, supra). Salvo alguns casos pontuais (Santiago, Sines, Sousel e Estremoz), em todos os concelhos que em 1890 apareciam com indústrias, tinham a sua posição reforçada depois da guerra. Em termos gerais, havia mais 18 estabelecimentos e mais meio milhar de activos, pelo menos. Os concelhos que mais beneficiaram foram Évora e Vendas Novas.

21Contudo, este sucesso deve ser matizado quando se considera a expansão que se estava a verificar noutras regiões, com base nos fluxos de cortiça enviados do sul, o aumento demográfico entretanto ocorrido na região, bem como a natureza destas instalações industriais que, essencialmente, eram de pequena dimensão e de laboração temporária. Nesta medida, o balanço para a região não pode considerar-se satisfatório. Com a mecanização da rolha e com o aparecimento das novas tecnologias de processamento (granulados e aglomerados), a paisagem social nesta indústria transformou-se e com ela, porventura, a repartição dos rendimentos.

Tabela 4.4 – Número de estabelecimentos corticeiros e de trabalhadores na área da 4.a Cl em 1890 e 1923

Tabela 4.4 – Número de estabelecimentos corticeiros e de trabalhadores na área da 4.a Cl em 1890 e 1923

Fontes: Inquérito Industrial, 1890; DRME/RTM (cálculos nossos)
Legenda: Est. Número de estabelecimentos; Pe. Número de pessoas empregues na indústria.
Nota: o número de efectivos atribuído à fábrica da Robinson em Portalegre é o indicado pelo Inquérito de 1881.

22Vejamos então as características destas pequenas fábricas.

23A análise dos processos individuais mostra que estamos perante estabelecimentos que, por norma, se compunham duma vasta área para depósito de cortiças, de uma caldeira, de um poço, de um ou mais tanques para a cozedura da cortiça, de algumas máquinas simples e de uma poucas máquinas ferramentas (como eram as máquinas de rabanear, por exemplo). Estes industriais operavam, na maioria dos casos, como intermediários que se integravam numa cadeia comercial mais vasta dominada pelos grandes operadores internacionais. A sua actividade estendia-se da compra da cortiça à venda de produtos que constituíam matéria-prima para uma indústria em rápida transformação nas primeiras décadas do século – a prancha, as aparas e os quadros. A compra da cortiça era feita preferencialmente por ajuste directo ou mediante arrendamento, na árvore. Excepcionalmente, comprava-se a cortiça, já arrancada pelo proprietário, à porta da herdade.

24A fortuna de um industrial corticeiro compunha-se fundamentalmente de cortiça em rotação mercantil, a qual constituía o seu capital. A este respeito, serve-nos de exemplo António Pais, um industrial da Azaruja (concelho de Évora), cuja estrutura patrimonial mostra o seu papel de intermediação na formação do capital industrial, como ficou patente no seu inventário orfanológico (tabela 4.5).

Tabela 4.5 Inventário orfanológico de António Pais, industrial corticeiro da Azaruja, em 1899

Rubrica

Valor

Animais: tracção

25

Matérias primas

8.750

Propriedades

2.817

Dinheiro

2.934

Bens de casa

1.095

Dívidas passivas

-8.000

Total

7.621

Fonte: ADE/Orfanológicos (Évora), proc. 2860. Valores em mil réis correntes.

25A parte imaterial deste capital era formado pelo conhecimento directo que o comerciante e industrial tinha das árvores e do mercado comprador, enfim, do valor das diferentes qualidades de cortiça e do estado dos mercados. A proximidade das fontes de abastecimento das matérias-primas e as relações próximas com os grandes proprietários constituíram, pois, atributos do negócio que se procurava explorar diante dos competidores que vinham do exterior.

  • 13 DRME - Processo 3.716 da 4.a C.I. (RILEI 4/1048). Fábrica na Rua Nova-Azaruja, freguesia de S. Bent (...)
  • 14 Veja-se a este respeito os processos no arquivo do Governo Civil de Évora. Sobre este caso v. DRME, (...)
  • 15 V. folhas de inquérito autógrafas no processo.

26A fábrica de preparação de cortiça de Pepe da Cruz Duque, no centro corticeiro da Azaruja, serve-nos de exemplo para descrever este tipo de estabelecimentos13. O processo de licenciamento, iniciado em 1937, apresenta-nos uma fábrica em tudo idêntica às que encontrávamos já nos finais de Oitocentos14. Fundada em 1918, era composta fundamentalmente por uma vasta área para depósito de cortiça, uma zona coberta com telha marselhesa para processamento e um pequeno escritório. O equipamento limitava-se a uma caldeira a fogo directo, com uma capacidade de laboração para 2,4 toneladas diárias de cortiça, e a 2 prensas manuais. Trabalhavam ali o patrão-gerente, 4 operários e 1 servente. O capital, avaliado em 4 mil contos em 1956, era composto essencialmente por cortiça, pois as instalações não valiam mais do que 500 contos15. A estação dos caminhos de ferro que ficava a 4 km da povoação, nas terras de um grande proprietário, não era o único meio de transporte utilizado. A empresa continuou a utilizar os carros de besta para o transporte da matéria-prima até à fábrica até meados dos anos ’50, quando passou a dispor de uma camioneta. Produzia cortiça em prancha, aparas, bocados e quadros para o mercado nacional e estrangeiro. Para além da cortiça, os únicos bens consumidos consistiam em arco de ferro, importado da Bélgica e dos E.U.A., e arame de Sacavém.

27Os anos ’50 conheceram alguns sinais de modernização, registando-se igualmente um aumento da capacidade instalada em cerca de 50%, como se percebe pelo confronto das declarações do industrial em 1949 e 1956 (tabela 4.6).

28Em 1951 os serviços municipalizados procederam à instalação da rede de abastecimento de água e, algum tempo depois, a empresa começou a utilizar a camionagem. O aumento no número de efectivos, a partir dos anos ’30, traduz a evolução produtiva desta empresa que se situava num centro onde se encontravam muitas outras fábricas do mesmo tipo. A capacidade de indução de outras actividades em contexto local ou regional, suscitada pela expansão deste ramo de negócios, era deveras limitada. Estamos perante uma área de negócios que é muito mais “capital intensiva” do que “mão-de-obra intensiva” e os consumos industriais limitavam-se, como vimos, à cortiça, ao arco de ferro, à água e ao transporte. Por outro lado, durante os difíceis anos ‘50, o aumento no volume de processamento não terá tido correspondência directa nos lucros. Em Março de 1960 caducaram os dois alvarás deste industrial.

Tabela 4.6. Fábrica de preparação de cortiça de Pepe da Cruz Duque (Azaruja): situação em 1949 e em 1956

Rubricas

Mar. 1949

Jun.1956

Administração

1 gerente

1 gerente, 1 empregado de escritório

Trabalhadores

18 homens e 2 menores

20 operários: 1 passador, 6 recortadores, 2 enfaixadores, 2 traçadores, 2 raspadores, 3 caldeireiros, 4 faxinas

Transporte

1 chauffeur, 1 ajudante de chauffeur

Valor das instalações (em contos)

50

400

Caldeiras

1

2

Meios de transporte

caminho-de-ferro e via ordinária

camioneta e caminho-de-ferro

Prensas manuais

2

3

Abastecimento de água

fonte própria

rede pública

Capacidade de produção diária em regime de trabalho normal:

2,8 ton.

4 ton.

Fonte: DRME – Processo 3.716 da 4a C.I. (folhas de inquérito)

  • 16 DRME. Proc. em Vendas Novas de José Lopes dos Santos. Alvará 5880 de 12-3-1925. V. tb. D.G., 70, 2. (...)
  • 17 Despacho ministerial de 5 de Setembro de 1938. Montadas a 16 de Nov. 1938.

29A par dos estabelecimentos de preparadores e armazenistas de cortiça, existiam em menor número as fábricas de produção “integrada” que executavam todas as operações, desde a preparação ao fabrico de rolha, comercializando um leque de produtos mais diversificado. Podemos acompanhar a evolução duma destas fábricas a partir do caso do industrial José Lopes dos Santos, com fábrica em Vendas Novas e sede comercial em Lisboa, na Praça do Município16. A firma em nome individual, que sucedera à Santos & C.ia, é registada em 1923 como “fábrica de preparação de cortiça com caldeira e fabrico de rolhas” com apenas 8 trabalhadores manuais. A pequena empresa produzia prancha, quadros e rolhas para o mercado nacional. Em 1938, a firma aumentou a escala de operações, quando obteve autorização para instalar 30 garlopas.17 A produção de rolhas para produtos farmacêuticos e a “preparação de aparas virgem hidraulicamente prensadas” apareciam como a sua especialidade. A descrição do pessoal empregado revela que o emprego nas actividades manuais era sobretudo feminino e, por isso, mais mal remunerado. Dos 46 trabalhadores, 41 eram mulheres empregadas como garlopistas (27), escolhedoras de rolhas (8) e traçadeiras de quadros manuais (6). Neste processo de crescimento, os serviços não colocaram aparentemente qualquer obstáculo (cf. tabela 4.7). Em 1942 facilitaram a legalização de 16 máquinas de traçar e o número de trabalhadores subia aos 76. Apesar disto, a situação económica da fábrica não era famosa. No ano seguinte, era arrendada por 3 contos à Empresa Corticeira L.da, sociedade com sede em Vendas Novas e representada pelo comerciante António Libânio Correia e por C. Santos, L.da (o qual tinha uma oficina de reparação de automóveis na avenida da Liberdade, em Lisboa). Em Junho de 1945, o industrial retomou a exploração para não perder o alvará, pois havia mais de um ano que a fábrica se encontrava paralisada.

Tabela 4.7 – Fábrica de preparação e fabrico de rolhas de José Lopes dos Santos (Vendas Novas): situação em 1923,1938 e 1942

Ano

1923

1938

1942

1953

Caldeiras

1

1

1

1

Motores (a gaz pobre com 15 c.v.)

1

1

1

1

Administração (empregados de escritório)

2 **

?

?

3

Operários, trabalhadores

8

46

76

19*

Garlopas

8

38

40

Máquinas lixadeiras (para lixar a cabeça das rolhas)

3

3

Prensa hidráulica

1

3

Máquinas de traçar quadros

1

1

Máquinas manuais para fazer rolhas

8

50

50

Rebolos movido a gaz pobre

1

2

Máquinas manuais de cortar cabeças de quadros e de rolhas

Máquinas de rabanear e de espaldar cortiça

16

* 19 operários (dos quais 7 aprendizes) distribuídos pelas seguintes categorias: escolhedores, traçadores, passadores (3), recortadores (3), caldeireeiros, raspadores, prensadores (3), rabaneadores (3) indiferenciados (7)
** (os proprietários)
Fontes: DRME/proc. cit.

30Apesar de José Lopes dos Santos apresentar-se (assim mostrava o seu timbre comercial) como “fabricante e exportador de cortiça e seus derivados-fábrica e escritório em Vendas Novas”, nesta altura operava apenas como armazenista e exportador. Segundo confessava aos serviços industriais, ele não fazia mais do que comprar a cortiça em prancha a outros industriais. A sua ideia era remodelar completamente a fábrica e associar-se a outro industrial da sua família para, segundo afirmava, montar a primeira fábrica de discos do Alentejo, importada directamente dos EUA, em peso.

  • 18 Na sequência duma vistoria feita à fábrica em 1945, colocaram 15 condições higiénicas, muitas delas (...)

31Em 1947, José Lopes dos Santos tinha 64 anos, estava doente e sem dinheiro para investir. Gastara 8 contos com obras impostas pelos serviços industriais que, segundo ele, não faziam sentido, pois o que pretendia era vender a fábrica18. Como em Fevereiro a fábrica fazia 2 anos de paralisação, metera um operário a trabalhar durante um mês para poder ganhar tempo. Os nacionais ofereciam-lhe quantias irrisórias pela fábrica e a sua esperança era agora um investidor alemão. No entanto, só em 1952 conseguiu arrendar por baixo valor a fábrica a um espanhol que residia em Sintra. Neste processo perdeu os direitos de cozedura da cortiça, actividade fundamental para a viabilidade da fábrica. Assim, em 1952, a fábrica produzia apenas quadros e rolhas. E de imediato Lopes dos Santos comprou os direitos industriais da fábrica e da caldeira a outro industrial.

  • 19 V. requerimento de 8.Set.1956 (proc. cit.)

32Em 1956, a fábrica empregava 55 pessoas e mantinha a mesma linha de produção “integrada” e manual, como se percebe pela presença das 40 garlopas19. Contudo, existiam agora vários motores eléctricos e a maioria do pessoal era masculino. Em 1960 a fábrica foi vendida à Corticeira Lusitana, sociedade que se constituíra em Lisboa nessa altura.

33A descrição deste caso revela a importância da integração produtiva no interior de cada unidade empresarial, como uma característica que atravessa diferentes conjunturas económicas. A produção da rolha em contexto fabril não surgia neste ambiente económico do sul como uma actividade especializada, separada da preparação da prancha. O recurso à produção doméstica por parte destas fábricas não parece ter sido significativo e a transformação continuou a operar-se sobretudo em contexto fabril.

  • 20 A indústria caseira estava isenta do condicionamento industrial desde 1931 (dec. 19409 de 4. Março) (...)

34Por outro lado, foram excepcionais as indústrias caseiras registadas como tal, ao abrigo da legislação de referência20. Em alguns destes casos, os processos mostram como os serviços se preocuparam em separar a preparação (que envolvia o registo na Junta Nacional da Cortiça) da actividade manufactureira, alterando radicalmente as condições do negócio. Efectivamente, o decreto 36.443 de 30 de Julho de 1947 e, mais tarde, o decreto 39.634 de 5 de Maio de 1954 separava, de forma discricionária, esta indústria em preparação e transformação, aplicando-lhe critérios diferentes. Como explicava um industrial de Garvão, tais medidas não deixavam de se reflectir negativamente pois

  • 21 DRME/Processo 3.335 da 5.a C. I. (requerimento em 29/9/1946).

“todos os pequenos industriais (...), quando se lhes acaba a prancha que puderam comprar no princípio da safra, empregam os seus operários no aproveitamento dos seus restos para fazer alguns quadros, rolhas, bóias, discos, aparas e refugos para venda, ou vão tirar a cortiça das árvores que os patrões trazem de renda ou pesar a [cortiça] que os mesmas compram no mato, trabalhos que se fazem até à nova safra que começa em geral no último trimestre de cada ano”21.

35A proximidade das fontes de abastecimento, a orientação preparadora e a subsidiariedade da actividade transformadora constituíram, assim, vectores que estruturaram a organização e implantação das pequenas e médias empresas corticeiras no Alentejo.

36A distribuição geográfica deste parque foi coerente com a orientação preparadora e exportadora desta indústria. Assim, a esmagadora maioria dos registos nesta circunscrição recaiu sobre povoações portuárias como Sines (55), nós de escoamento do tráfego como Vendas Novas (41) ou Alcácer (10), ou sobre as grandes manchas de montado de sobro como os eixos Évora-Azaruja (56) e Estemoz (13), Grândola (32) e Santiago (30) (cf. mapa 2). Constituindo o fabrico de rolha uma actividade complementar, não é de estranhar que encontremos uma sobreposição geográfica nos dois casos. Efectivamente, Évora, Montemor-Vendas Novas, Santiago e Sines constituíam os centros de maior implantação, muito embora a maior fábrica se encontrasse, como vimos já, em Portalegre.

37A reconstituição da série cronológica dos registos obtida pelas datas de fundação dos estabelecimentos sugere a existência dum primeiro momento alto no início do século (pico em 1902) e uma depressão até ao início da Grande Guerra (figura 4.1). O segundo momento de expansão deu-se entre 1920 e 1925-Entre 1926 e 1939 os registos oscilaram, em baixa, em torno dos 5 novos estabelecimentos em cada ano. Sucedeu esse período de 13 anos de “depressão”, um curto período de expansão situado entre 1941 e 1945.

38O movimento dos registos de “fábricas de rolhas” e de estabelecimentos orientados para os produtos manufacturados e semi-manufacturados acompanhou, grosso modo, o das fábricas de preparação (cf. figura 4.1). A análise da correlação estatística entre as duas séries é moderadamente positiva (+0,4). Os primeiros anos ’20 e os anos que sucedem à II Guerra Mundial (1946-1950) foram os mais importantes para a transformação.

  • 22 Sobre as operações de trabalho com a cortiça e a sua divisão sexual veja-se o documento fotográfico (...)

39A figura 4.2. agrega as duas séries e considera o emprego industrial de acordo com as declarações dos requerentes no acto de registo. No total estamos perante 324 estabelecimentos que empregaram 2.497 trabalhadores, dos quais apenas 43 eram mulheres. A média de 7,8 trabalhadores por estabelecimento pode sugerir que estamos perante alguma sub-avaliação do emprego. A maioria destes estabelecimentos tinha frequentemente uma actividade sazonal, ocupando pouco mais de metade do ano, e o emprego variava de acordo com o andamento dos negócios. Devemos assim considerar o número de trabalhadores atribuído no acto do registo como o mínimo de efectivos. A escassa presença de mulheres explica-se pela natureza do trabalho da actividade preparadora que era dada, sobretudo, aos homens. Raspar cortiça, cozer prancha, aparar nas máquinas recortadoras, prensar eram actividades masculinas, ao contrário da maioria dos trabalhos de transformação que eram desempenhadas, sobretudo, por mulheres22.

Figura 4.1 – Número de estabelecimentos registados para o exercício da indústria corticeira (preparação e transformação), entre 1922 e 1952, na 4.a Cl, por data de fundação

Figura 4.1 – Número de estabelecimentos registados para o exercício da indústria corticeira (preparação e transformação), entre 1922 e 1952, na 4.a Cl, por data de fundação

Fonte: ADRME/RTN: 1922-1952 (cálculos nosso)

40A série do movimento aparente do emprego na indústria corticeira confirma os ciclos de expansão e de depressão anteriormente referidos. Depois de um período de alta nos finais de Oitocentos, foram os primeiros nos ’20, os anos imediatos da II Guerra Mundial e o início dos anos ’50, os momentos altos de actividade (figura 4.2).

Figura 4.2 – Movimento industrial aparente no subsector corticeiro na área da 4.a CI: oferta de emprego e criação de novos estabelecimentos (1895-1952)

Figura 4.2 – Movimento industrial aparente no subsector corticeiro na área da 4.a CI: oferta de emprego e criação de novos estabelecimentos (1895-1952)

Fonte:. ADRME/RTN: 1922-1952 (cálculos nossos)

Figura 4.3 – Movimento de actividades canceladas na indústria corticeira (estabelecimentos registados na 4.a C.I. entre 1922 e 1952)

Figura 4.3 – Movimento de actividades canceladas na indústria corticeira (estabelecimentos registados na 4.a C.I. entre 1922 e 1952)

Fonte: ADRME/RTN: 1922-1952 (cálculos nossos)

41A análise dos movimentos de cancelamento de actividades é um indicador dos períodos de dificuldades. Dispomos da data de cancelamento para 195 casos, ou seja, 60,2% dos registos. O facto do cancelamento afectar a perda de alvarás no período em que esta actividade estava condicionada deve levar-nos a pensar no seu significado. Não se trata de situações de paralisação temporária de actividade mas da sua cessação definitiva e irreversível. Por via de regra, os serviços davam a licença industrial como caduca quando não havia laboração pelo menos durante dois anos consecutivos, o que era indiciado pela falta do pagamento da contribuição industrial. Deste modo, os cancelamentos apontavam para movimentos de concentração industrial e/ou de “desindustrialização” em contexto local. Esse movimento indica que os anos de 1931 e 1932 foram, nesta perspectiva, comparativamente menos graves do que os vividos entre 1937 e 1939. A maioria dos cancelamentos teve lugar sobretudo a partir de 1949, acentuando-se nos primeiros anos da década de 1930 e arrastando-se depois até à década seguinte. Foi a conjuntura do início dos anos ‘50 marcada por graves dificuldades tanto para as indústrias preparadoras como transformadoras. À queda dos preços dos produtos manufacturados (motivada pelo aparecimento dum número crescente de materiais sucedâneos), por um lado, correspondeu à elevação dos preços da cortiça na árvore, por outro, levando todos os industriais a apelar à intervenção do governo (V. Carneiro-1962). Numerosas pequenas indústrias encerraram ou deslocaram-se para outros centros corticeiros mais importantes.

  • 23 DRME – processo 1.889 da 4.a Cl. (processo 3.356 da 5.a C.I.). Alvará 34.834 de 19/4/1952. Requerim (...)
  • 24 Requerimento de 3.Abr.1946 no proc. cit. Veja-se também no BDGSI, 449, 17/4/1946.
  • 25 V. escritura de trespasse de J. D. Neto, industrial residente em Messines, em 28.12.1946 no cartóri (...)
  • 26 V. edital no DA, 13. Jan.1947

42Podemos seguir este movimento de deslocalização destas pequenas indústrias, a partir do pós-II Guerra Mundial, seguindo o caso de um industrial de São Bartolomeu de Messines23. João Dias Neto, proprietário duma “fábrica de preparação de cortiça com caldeira” solicitou aos serviços industriais, em Abril de 1946, autorização para transferir a sua fábrica para Sabóia (Odemira)24. O seu mercado era Silves e, onde estava, encontrava dificuldades em obter cortiça. Sabóia, por outro lado, ficava numa região produtora com facilidade de transporte para a indústria. Além do mais, ele tinha conhecimentos locais. Em Fevereiro de 1947, o industrial organizou a Pereiras & Jaques (Sabóia)-Baixo Alentejo (antiga firma de João Dias Neto-Messines), sociedade composta por um proprietário e um comerciante local que recebeu a fábrica por 20 contos25. Em Setembro de 1947, a fábrica estava já instalada estrategicamente no Monte do Está Bem, perto da gare dos caminhos de ferro e da ribeira, necessária para alimentar a cozedura. As instalações compunham-se de 1 caldeira e de 1 prensa de enfardar e empregava 4 quadradores e 4 recortadores26.

  • 27 V. carta autógrafa de Manuel Francisco Pereira à CI em 14.Nov.1957 (proc. cit.) “Tomo a liberdade d (...)

43No inquérito preenchido em 1950, a fábrica, que tinha sido transferida de Messines (de acordo com o condicionamento), aparecia como tendo sido fundada em 1948. As instalações, avaliadas em 120 contos, compunham-se de “dois armazéns de alvenaria e uma caldeira cobertos de telha marselhesa”. A fábrica usava lenha como combustível, a água era tirada dum poço com bomba manual e não tinha esgotos. Empregava agora apenas 3 homens que laboravam de Novembro a Maio. Em Março de 1950, o proprietário Manuel Pereira ficou com a sociedade. Em 1957, ao fim de 3 anos consecutivos de prejuízos, o (agora) industrial Manuel Pereira solicitava autorização para mudar a fábrica para qualquer centro corticeiro onde esperava encontrar melhores condições de laboração27. Mais uma vez, os serviços não colocaram obstáculos à deslocação.

44Tudo aponta, pois, para que o período que decorre entre meados dos anos ’50 e o início dos anos ’60 tenha sido marcado pelo encerramento de numerosos pequenos estabelecimentos e por fenómenos de deslocação e de concentração em áreas industriais fora da região, como a Margem Sul e, a Norte, Vila da Feira.

4.2. As indústrias alimentares

45O processamento de produtos agrícolas foi uma das principais áreas de investimento na indústria regional. A par as grandes unidades moageiras (já descritas anteriormente), surgiram empreendimentos de média e pequena dimensão que combinaram várias actividades, merecendo especial destaque a que articulou a moagem de cereais, a electricidade e o aproveitamento integral da azeitona. Pequenos estabelecimentos ligados a novas actividades emergentes, como foi a indústria do gelo e dos refrigerantes, mantinham-se nas malhas do comércio local. Ao mesmo tempo, continuaram em actividade velhos moinhos, requisitados sempre que o mercado para a indústria o permitia. A dispersão geográfica, a sazonalidade da laboração e um baixo nível de equipamento técnico caracterizaram a maioria destas actividades.

46A nossa análise separou a alimentação das bebidas, que serão tratadas nos pontos seguintes: indústrias da fileira do pão (4.2.1), indústrias do azeite (4.2.2.), a transformação da carne (4.2.3), os doces e os chocolates (4.2.4), os vinhos, aguardentes e licores (4.3.1.), os refrigerantes (4.3.2) e, finalmente, a torrefacção de café (4.3-3.).

47A tecnologia foi um importante gerador de oportunidades e foi responsável pela emergência de novas áreas de negócio, tanto nos sectores mais enraizados como nos emergentes. À produção de farinhas extra-fina, de azeites refinados e da extracção de azeites por novos processos aliou-se a indústria dos refrigerantes e da torrefacção de café, que laboravam com matérias-primas importadas.

4.2.1. A fileira do pão

48O conjunto de actividades ligadas ao processamento dos cereais, desde a ceifa até ao fabrico de pão, representava 27% dos registos realizados no âmbito do RTN entre 1922 e 1952. Distribuídos pela debulha de cereais, moagem de cereais e de rações simples para gado e fabrico de pão, estas actividades tinham inscritos perto de 8 mil activos. Tal valor encontra-se provavelmente subestimado, não só porque entre 1937 e 1949 estas actividades caíram na alçada do Ministério da Agricultura, mas também pelo facto de ser difícil o controlo das actividades exercidas no âmbito das grandes explorações agrícolas.

49A fileira do pão apresentava, como características fundamentais, a dispersão geográfica e a coexistência de actividades tecnologicamente diferenciadas até um período bastante tardio (tabela 4.8). A presença de um sector industrial moderno e urbano na área da moagem e da panificação combinou-se com as actividades “tradicionais” que, como veremos, cresceram apesar disso. A maioria destes registos respeitavam a estabelecimentos que tinham uma actividade de natureza sazonal e que se integravam, de forma complementar, em organizações agrícolas ou comerciais de natureza distinta.

50Realizada frequentemente no quadro das Casas Agrícolas, a debulha de cereais deu lugar também a actividades de natureza comercial autónoma. Deste modo, ao lado de grandes proprietários fundiários apareciam, na qualidade de titulares, empresas comerciais como a Empresa de Debulha, L.da (Castelo de Vide), a Francisco Cunha e Manuel Luís Alves & Irmãos (Évora) ou a Albernú, Massano & Carvalho (Elvas). Noutros casos estávamos perante sociedades agrícolas e comerciais de natureza familiar como sucedia na José de Sousa Faria e Melo & Irmão (Viana do Alentejo) ou na Manuel Dias Nunes & Irmão (Bencatel, Vila Viçosa), quando não tomavam um aspecto cooperativo como sucedia no Lagar Social de Castelo de Vide, L.da.

Tabela 4.8 – Dispersão geográfica das actividades da fileira do pão na 4.a C.l.

Tabela 4.8 – Dispersão geográfica das actividades da fileira do pão na 4.a C.l.

* eliminados 3 registos de moleiros e I peneireiro.
Legenda: Freguesias: número de freguesias onde foi registada a actividade; Emprego: número total de trabalhadores adscritos a esse registo; Registos: total do número de registos na actividade; Max. Reg.: número máximo de registos numa Freguesia; Max. Empr.: número máximo de trabalhadores registados numa freguesia.
Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).

51Não existia uma relação directa entre o número de debulhadoras registadas e o fácies mais ou menos cerealífero dos concelhos. Encontrando-se praticamente em todas as freguesias na área da circunscrição, o maior número concentrava-se nos concelhos de Santiago do Cacém (41), Montemor (39), Évora (19), Arraiolos (16), Elvas (14), Portalegre (15) e Viana do Alentejo (12) (cf. tabela 4.8).

  • 28 De acordo com a série construída por Neves (1995) e adoptada por Valério (2001: I, 209-210), a prod (...)

52A série cronológica da debulha de cereais registou picos em 1925/6, 1932 e 1935 que se relacionam com os picos de produção cerealífera (figura 4.4.I.)28. A reconstrução da série antes de 1922, através da data de fundação, sugere uma oscilação regular, com ligeiro incremento no período final da guerra e em 1922. Foi particularmente importante o período 1930-1936, o qual acompanhou a Campanha do Trigo e prolongou-se no programa de protecção à lavoura, quando a economia mundial capitalista se afundava na depressão.

Figura 4.4 (I) – Empresas de debulha de cereais registadas na 4.a CI. (1922-1939), por data de fundação

Figura 4.4 (I) – Empresas de debulha de cereais registadas na 4.a CI. (1922-1939), por data de fundação

Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).

Figura 4.4. (II) – Distribuição dos cancelamentos da actividade de debulha de cereais (estabelecimentos registados na 4.a C.l. entre 1922 e 1939)

Figura 4.4. (II) – Distribuição dos cancelamentos da actividade de debulha de cereais (estabelecimentos registados na 4.a C.l. entre 1922 e 1939)

Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).
Nota: Não dispomos de elementos para 197 cancelamentos (57% dos casos).

53A série relativa aos cancelamentos, por outro lado, registou picos em 1938, 1949, sendo particularmente incisivo o período que se estende de 1952 a 1958, ou seja, aquele em que a lavoura do sul inicia novo processo de maquinização e de renovação de equipamentos (cf. figura 4.4.II).

Mapa 3 – Debulha mecânica registada na área da 4.a C.l. (1922-1950)

Mapa 3 – Debulha mecânica registada na área da 4.a C.l. (1922-1950)

Fonte: RTN

  • 29 V. a este respeito Dias (1953), Borges (1980 e 1981), Ferreira (1999). Sobre a evolução técnica e e (...)

54No período pré-industrial, a moagem de cereais era feita em moinhos de vento e em moinhos de água, cuja actividade se complementava ao longo do ano29. A moagem à maquia predominava nas relações entre os moleiros e os seus clientes. Da parte em cereal que o moleiro recebia pela moagem, pagava a renda ao proprietário do moinho, pagava a manutenção dos equipamentos e obtinha a remuneração do seu trabalho. Apesar das maquias terem evoluído para a forma monetária, a moagem mantinha-se subordinada à lavoura num quadro em que a relação entre a agricultura e a indústria não era mediatizada pelo mercado livre. A difusão do vapor permitiu o aparecimento de fábricas de moagem que, neste ambiente, continuavam a laborar à maquia, ao mesmo tempo que, de forma combinada, procuravam comercializar as suas farinhas em concorrência quer com a grande moagem de Lisboa e Porto, quer com o sector “tradicional”, que não tinha de suportar os custos do combustível.

Mapa 4 – Moinhos de vento registados na área da 4.a C.l. (1922-1950)

Mapa 4 – Moinhos de vento registados na área da 4.a C.l. (1922-1950)

Fonte: RTN

55Por isso, interessa acompanhar a evolução dos registos de actividade dos moinhos de vento e das azenhas. Ambas as séries estão longe de se apresentar como uma linha contínua descendente, o que seria de esperar num sector fortemente condicionado e intervencionado pelos governos, a braços com problemas resultantes do sobreequipamento industrial. No que respeita ao registo de moinhos de vento, os picos situaram-se em 1923/4, 1930/1, 1934 e 1950 (figura 4.5.). Ou seja, acompanham de perto os da debulha mecânica, os quais, por sua vez, seguem os da produção de trigo. Da mesma forma, o movimento de cancelamentos deu-se sobretudo entre 1951 e 1956. A explicação para esta estranha coincidência, entre o movimento (aparentemente) positivo na lavoura (no sentido da maquinização) e o regresso dos moinhos de vento, relacionou-se directamente com a armadura legislativa criada para fomentar a produção cerealífera.

Figura 4.5 – Moinhos de vento registados na área da 4.a Cl (1922-1934) por data de fundação

Figura 4.5 – Moinhos de vento registados na área da 4.a Cl (1922-1934) por data de fundação

Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).

56Embora estes moinhos tivessem uma actividade que não ia frequentemente além dos 60 dias no ano, eles desempenharam um papel económico importante e estratégico, quer porque continuavam a abastecer regularmente o sector tradicional da panificação de ramas (o chamado pão rural), quer porque constituíam uma verdadeira válvula de escape para os lavradores nos momentos em que a moagem industrial se encontrava inundada com cereal nacional. Deste modo, os moinhos começavam a trabalhar logo que houvesse “excesso” de produção. Enquanto o sector moderno era coagido a consumir todo o cereal, comprado a preços fixa dos administrativamente e remuneradores para a “lavoura”, a moagem tradicional podia obter cereais no mercado “livre” a preços inferiores ao que obtinha a indústria moderna.

Figura 4.6 – Azenhas registadas na área da 4.a Cl (1922-1939) por data de fundação

Figura 4.6 – Azenhas registadas na área da 4.a Cl (1922-1939) por data de fundação

Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).

Figura 4.7 – Moagens de cereais (fábricas) registadas na área da 4.a Cl (1922-1939): número de registos e emprego por data de fundação

Figura 4.7 – Moagens de cereais (fábricas) registadas na área da 4.a Cl (1922-1939): número de registos e emprego por data de fundação

Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).

  • 30 Geralmente esta motorização não passava do simples acoplamento de um motor a gaz ou a óleos pesados (...)

57Na perspectiva desta política de defesa do mundo rural, as azenhas tiveram um papel mais importante, já que a sua capacidade de trabalho era bem superior. Com a tecnologia das turbinas, alguns tornaram-se mais eficientes e passaram mesmo a trabalhar todos os meses do ano, quando se motorizaram30. A série cronológica reconstituída aponta para picos em 1910, 1923 e 1925 (figura 4.6). No conjunto, porém, foi mais importante o período 1929-1936, registando-se o pico em 1932, no ano em que a produção de cereais atinge o valor máximo excepcional de 648 mt. Em 1949 foram registadas 97 azenhas e, no ano seguinte, 316!

Mapa 5 – Moinhos de azenhas registadas na área da 4.a C.l. (1922-1950)

Mapa 5 – Moinhos de azenhas registadas na área da 4.a C.l. (1922-1950)

Fonte: RTN

58No entanto, os anos ’50 concentraram igualmente os cancelamentos de actividade que afectaram 907 dos 1.054 registos realizados até 1952.

Mapa 6 – Fábricas de moagem de cereais registadas na área da 4.a C.l. (1922-1950)

Mapa 6 – Fábricas de moagem de cereais registadas na área da 4.a C.l. (1922-1950)

Fonte: RTN

59Do ponto de vista geográfico, encontrávamos azenhas um pouco por toda a parte (com a excepção do concelho de Monforte), sendo o seu número maior nos concelhos mais bem servidos pela rede hídrica como Niza (150 registos!), Gavião (83!), Portalegre (71), Marvão, Alandroal, Arraiolos, Borba e Estremoz (mapa 5).

60Os registos de moagens de cereais dizem respeito tanto às moagens de ramas como às que disponham de peneiração. Embora todos os concelhos dispusessem de instalações de moagem mecânica motorizada, os concelhos que concentravam o maior número eram Évora (28), Montemor (27) e Estremoz (16) (mapa 6). A série cronológica apresenta uma curva bem distinta das anteriores, estando o maior número de registos concentrado no período 1918-1924 (figura 4.7). No entanto, 1928, 1930 e 1935 apresentam-se como picos duma actividade que foi sustentada principalmente pelas pequenas moagens de ramas, as quais não estavam sujeitas aos mesmos critérios de condicionamento administrativo das unidades maiores.

61No final da guerra, o relatório da Inspecção Geral das Indústrias e Comércio Agrícolas (IGICA) apresentava-nos o seguinte quadro do parque moageiro instalado no Alentejo (Portugal-1948):

62A par do moderno sector capitalista, representado pelas fábricas de cilindros espalhadas por todo o país, nos centros urbanos, persistia um largo sector “rural” de moagens de ramas, “organizado” pela Comissão Reguladora das Moagens de Ramas desde 1936 e cuja actividade acabou por ficar sob a alçada da IGICA. Assim, ao lado das 81 fábricas modernas de cilindros sobreequipadas continuavam a laborar 669 “fábricas motorizadas”, 6.920 azenhas e 1.524 moinhos de vento, para além das 5 mil moagens de exploração particular (v. tabela acima). No Alentejo tínhamos 28 moagens de cilindros (mais de 1/3 do total do continente), cerca de 2 centenas de fábricas motorizadas e perto de 5 centenas de azenhas, para além dos moinhos de vento. O escasso número de instalações particulares no sul indicia como o sistema das trocas e das maquias funcionava bem ao serviço dos lavradores e das populações rurais.

63A persistência deste sector “tradicional” era indissociável das relações a jusante, na distribuição de farinhas e na panificação. Enquanto as fábricas procuravam penetrar nas áreas rurais estabelecendo depósitos de farinhas nas principais povoações, a panificação continuava dominada pelos fornos de pão de origem pré-moderna.

64Quer nas zonas rurais quer nos centros urbanos, as pessoas continuavam a amassar em casa e a recorrer aos fornos (privados) para cozer. Ao lado dos fornos de pão, começam a surgir as padarias, muitas das quais recorriam aos fornos.

Mapa 7 – Fornos de cozer pão registados na área da 4.a C.l. (1922-1950)

Mapa 7 – Fornos de cozer pão registados na área da 4.a C.l. (1922-1950)

Fonte: RTN

65Os serviços industriais consideravam assim quatro tipos de instalações na área da panificação: os fornos de pão, as padarias sem forno, as padarias com forno e as padarias. Nos finais dos anos ’50, um novo tipo de registo começou a generalizar-se: o das “padarias de pão caseiro”, expressão que afinal indicava nada mais do que as “padarias com forno” sem, no entanto, prestaram serviço de cozedura ao público. O pós-guerra assiste ao aparecimento dum novo tipo de padaria: a “padaria mecânica”, assim designada por utilizar máquinas de amassar e fornos de grande capacidade. Ligadas normalmente às grandes unidades de produção, como sucedia na Fábrica dos Leões, por exemplo, estas padarias beneficiavam com economias de escala na cozedura e utilizavam farinha fina (espoada) para fabricar o pão alvo ao gosto burguês. Para as grandes unidades, tratava-se de obter ganhos substanciais em toda a fileira do pão.

  • 31 V. a este respeito a legislação publicada pela F.N.P.T. (Portugal, 1943) e as publicações da Inspec (...)

66A partir da Ditadura Militar, a intervenção por parte das autoridades sobre a panificação, tal como sucedia com o sector moderno moageiro, foi extremamente pesada e só acessoriamente interessada nas questões higienistas e de segurança. A intervenção, que recaía inicialmente sobre o controle dos cereais utilizados no fabrico do pão e do peso, acentuou-se nos anos ’30 quando se demarcavam claramente duas áreas de distribuição controladas pelo Estado: o das farinhas de ramas e o das farinhas espoadas31.

  • 32 DRME-Processo 202 da 4.a Cl. Requerimento a 28.11.1923. Alvará 3434 de 29.2.1924 para forno de pada (...)
  • 33 Podemos perceber as dificuldades que a panificação estava a atravessar através duma carta dum peque (...)

67O processo do forno de padaria de Francisco José Baltazar no Largo do Chão das Covas (São Mamede), em Évora serve-nos para ilustrar a evolução destas instalações na sua relação com as autoridades32. Tratava-se duma pequena morada de casas térreas com paredes de taipa caiadas e de telha vã, com uma planta quadrangular dividida em 4 divisões, enfim, um prédio de “tipo tradicional”. Uma das casas servia de armazém, noutra estava instalado o forno que era alimentado a lenha, noutra a amassaria e, finalmente, a quarta servia para as operações de alimentação e despejo do forno. Esta divisão, que comunicava com o armazém, tinha saída para o largo. A planta no processo sugere que as vendas se faziam à porta do estabelecimento. Registado em 1923, o forno, arrendado, dava trabalho apenas ao requerente. Em 1933, a vistoria dos serviços impôs ao proprietário forrar com azulejos até 1,5 m de altura a casa da amassaria, pintar o tecto, colocar um estrado de madeira no chão; na casa do forno, forrar o tecto por meio dum guarda-pó em madeira; na casa da venda, forrar o balcão e o aparador do pão, de mármore ou zinco, forrar o tecto de madeira e pintá-lo. Em Junho desse ano, Francisco Baltazar, com 70 anos, suicida-se por enforcamento33.

68Por detrás das dificuldades sentidas por parte destes industriais encontrava-se a “produção clandestina”. Era bastante clara a protecção das autoridades ao “fabrico do pão caseiro” (também chamado de “pão rural”) que logo encaminharam muitas destas situações para a legalização administrativa. Este pão, preferido pelas populações, tinha ainda a característica de sair barato. A protecção que foi dada à panificação caseira conduziu ao registo de grande parte desta actividade feita por todo o tipo de gente (bastante pobre na maior parte), sem que a indústria conseguisse pôr fim à entrada destes novos concorrentes.

  • 34 Autorização dada nos termos do art. 47 do decreto de 25.732 de 12.Ago.1935 (v. proc. 202 cit. acima

69Voltando ao forno de padaria que temos vindo a descrever, ele passou para Manuel Joaquim Almeida depois da morte do anterior proprietário. Em 1937, ele decide passar transitoriamente para as farinhas de ramas. A razão porque decidiu enveredar por uma actividade que lhe dava menos margem de lucro prendia-se com as regras da distribuição de farinha. Assim, como só havia uma padaria em Évora a trabalhar com ramas, os serviços não colocaram qualquer obstáculo34. Nessa altura, associa-se com a firma Paula & Gomes, L.da (outros comerciantes da cidade), formando a Manuel Joaquim Almeida & Cia L.da, com capital de 5 contos, facto que deu origem a contenciosos com o senhorio e com os serviços industriais por razões que se prendiam com o registo industrial. Em 1942, a padaria passou para as espoadas sob a alegação que não lhe estava a ser distribuída farinha em rama. Em 1954, pouco antes de Joaquim de Almeida sair da sociedade, a padaria empregava 1 amassador, 1 forneiro, 1 caixeira, usava um pequeno motor eléctrico de 2 c.v. na amassadeira mecânica e consumia cerca de 360 kg de farinha por dia.

Figura 4.8 – Fornos de coser pão registados na área da 4.a CI (1922-1936) por data de fundação

Figura 4.8 – Fornos de coser pão registados na área da 4.a CI (1922-1936) por data de fundação

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

70As novas regras impostas à indústria de panificação, em Maio de 1960, acabam por produzir efeitos apenas em meados dessa década, quando a padaria foi “concentrada” na Panificadora Central Eborense L.da.

71A descrição deste caso clarifica a descrição que faremos da evolução dos diferentes tipos de estabelecimentos de panificação na área da 4.a CI.

72A análise dos registos no RTN revela a presença por toda a parte dos fornos de pão, sendo numericamente mais expressiva nos concelhos de Avis, Elvas, Gavião, Mora, Marvão, Niza, Ponte de Sôr, Reguengos e Sousel (mapa 7). A reconstituição cronológica da série antes de 1922, sugere um movimento regular, com dois picos: um em 1905 e outro em 1920 (figura 4.8). Contudo, a partir da Ditadura e até 1930, o número de registos sofreu um crescimento exponencial (v. figura 4.8). Dos 356 fornos de pão registados até 1936, 325 foram cancelados provavelmente já depois do nosso período em estudo. Em 1936, as autoridades passaram apenas a permitir a laboração dos fornos à maquia que estivessem inscritos na IGICA, não permitindo a construção de novos fornos (v. decreto 18.820 desse ano). Estes estabelecimentos não poderiam amassar nem vender pão, a não ser mediante autorização prévia, podendo receber pão ou dinheiro pelo trabalho de cozedura.

Figura 4.9 – Padarias com forno registadas entre 1922 e 1936 segundo a data de fundação

Figura 4.9 – Padarias com forno registadas entre 1922 e 1936 segundo a data de fundação

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

73As padarias com forno apareciam concentradas nos principais centros urbanos como Évora e Estremoz e o movimento de registo acompanhou, grosso modo, o dos fornos de pão. Verificou-se um crescimento acentuado e quase constante desde 1926, atingindo o máximo em 1933 (figura 4.9.). Notam-se, porém, alguns cancelamentos nesta actividade ao longo dos anos ’30.

74No registo de padarias (propriamente ditas) o concelho de Évora destaca-se, isolado, com cerca de 50 estabelecimentos. Neste caso, os momentos mais importantes situaram-se entre 1919 e 1922 e em 1927-1928. Ao contrário do que sucede com a actividade “tradicional” foi notória a quebra registada nos anos ’30 (figura 4.10).

Figura 4.10 – Padarias registadas entre 1922 e 1936 segundo a data de fundação

Figura 4.10 – Padarias registadas entre 1922 e 1936 segundo a data de fundação

Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).

  • 35 Maiusculas no requerimento original. V. BDGSI, 745, de 10.4.1963 autoriza o agrupamento de 18 estab (...)

75Só a partir de finais da década de ’50 se notou um movimento de “concentração industriar que, de resto, foi apoiado pelas autoridades. As baixas margens de lucro, que os preços fixados administrativamente à panificação permitiam, podiam agora ser compensados com economias de escala realizadas com grandes fornadas. O elevado nível de produção apoiava-se nas redes de distribuição que a pequena camionagem permitia. Deste modo, entrava-se numa era em que as padarias se converteram em depósitos de pão de empresas de panificação “concentradas”. A Panificadora Central Eborense L.da (APCEL), constituída em 1963, foi de algum modo um modelo regional duma forma de organização que já tinha sido ensaiada em contexto urbano, nos anos ‘2035. O requerimento solicitava às autoridades que

  • 36 V. doc. no processo 3.903 da 4.a CI (RILEI 4/1164)

“não seja permitida a instalação ou transferência de novas unidades no CONCELHO DE ÉVORA sendo-lhe concedido o exclusivo da exploração da indústria de panificação em regime de CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL por período nunca inferior a 10 anos, comprometendo-se a requerente a estabelecer depósitos de venda de pão que se venham a verificar necessárias ao completo abastecimento do público consumidor”36.

  • 37 DRME/Proc. 9940 da 4.a CI - Um estabelecimento de fabrico de pão no Ferragial do Touro em Arraiolos (...)

76Entre outras concentrações realizadas na mesma época, destacamos a Panificadora Flor do Baixo Alentejo (Beja, 1959) ou SOPARLIM-Sociedade Panificadora Arraiolense, L.da que agrupava cerca de 15 estabelecimentos no concelho e empregava cerca de 19 pessoas37.

4.2.2. O azeite: dos lagares às fábricas de extracção

77A produção de azeite conheceu ao longo das primeiras décadas do século XX profundas alterações técnicas ao mesmo tempo que, do ponto de vista organizacional, se constituíram empresas industriais de tipo moderno. Tal como sucedeu com a moagem de cereais, também nesta actividade de natureza sazonal, predominavam as maquias na relação com a agricultura. O crescimento do mercado para os azeites finos, ligado à expansão da indústria de conservas de peixe nos finais do século XIX, exigia por parte dos produtores a adopção de medidas tendentes a qualificar o olival e a presença de novas técnicas de extracção de origem italiana (o sistema Veraci). O aparecimento de novas unidades de produção foi um processo relativamente lento, limitado inicialmente por factores institucionais que favoreciam a importação de azeites pela indústria (o drawback sobre o azeite que entrava nas conservas) e pelas características do olival alentejano (v. supra). A coexistência entre lagares antigos e modernos pode ser ilustrada com a simples descrição dos lagares instalados no concelho de Aljustrel, no Baixo Alentejo, em 1935-Das 14 instalações recenseadas pelos serviços oficiais nas 4 freguesias, cerca de metade continuavam a laborar seguindo métodos antigos, sendo a moenda feita por tracção animal (tabela 4.9).

Tabela 4.9-Lagares de azeite existentes no concelho de Aljustrel (distrito de Beja) em 24.Set.1935

Freguesia

Número

Sistema de produção

Capacidade de laboração

Energia

Aljustrel

1

Veraci

350

Vapor

Aljustrel

1

Veraci

700

Vapor

Ervidel

1

Veraci

600

Vapor

Ervidel

1

Vulgar

300

Vapor

Ervidel

1

Vulgar

600

tracção animal

Ervidel

1

Vulgar

300

tracção animal

Messejana

3

Vulgar

ISO

tracção animal*

Messejana

1

Vulgar

300

tracção animal

Messejana

1

Veraci

800

Vapor

Messejana

1

Veraci

500

Vapor

Montes Velhos

1

Veraci

1.500

Vapor

Montes Velhos

1

Vulgar

600

tracção animal

Montes Velhos

1

Veracci

350

Vapor

* impedido de laborar por imposição do delegado de saúde
Fonte: DRME-proc. 7285 da 4.
a Cl.

  • 38 V. DRME - proc. 7.285 da 4.a CI (proc. 588 na 5.a CI). Alvará 5.774, 14.Mar. 1925, DG 83, II, 10-4- (...)
  • 39 Alvará 18.131 de 22-11-1937. A soldadura foi obviamente averbada muito mais tarde na actividade.

78Muitos destes lagares integravam-se directamente na economia agro-comercial. A este respeito, serve de ilustração o lagar de Manuel António Lampreia, proprietário e comerciante com exploração agrícola e pecuária em Montes Velhos (concelho de Aljustrel, Baixo Alentejo) que, de acordo com o timbre da firma, negociava em cereais, legumes, azeites, cortiça, gados de várias espécies, lãs e queijos38. O estabelecimento com função industrial” foi registado em 1923 e tinha, em anexo, uma “oficina de serralharia e carpintaria com soldadura oxiacetilénica e eléctrica39, Equipado com 2 prensas hidráulicas, 1 moinho de azeitona, 1 moinho de bagaço, 1 detorroador de bagaço, 2 carros com cinchos, 3 carros para ceiras, 1 bateria com 2 bombas e 1 depósito em ferro para azeitona, empregava 7 homens e tinha uma capacidade de produção de 500 litros em 24 horas. Uma locomóvel a vapor accionava o moderno moinho de pedra e o processo de extracção fazia-se a frio pelo sistema Veraci. O bagaço da azeitona era utilizado na alimentação do gado, queimado como combustível e o excedente vendido para a indústria.

79As tentativas de modernização levadas a efeito, neste caso como noutros, esbarraram, a partir dos anos ’30, com a “burocracia”, a qual impedia o aumento da capacidade instalada, assim como o encerramento ou a concentração de instalações, por não se achar conveniente que os lavradores tivessem de transportar a azeitona mais de 10 km.

  • 40 DRME / Processo 6.637 da 4.a CI. Alvará 10.925 de 20.8.1938. Estamos perante uma sociedade agrícola (...)

80Um segundo exemplo de lagar de azeite integrado na exploração agrícola pode ser dado pelo processo da Sociedade Agrícola Palha Van-Zeller, L.da, inicialmente registado em 1928 por Fernando Van Zeller Pereira Palha na Horta Luísa Maria (Vidigueira)40. O registo, feito juntamente com a destilaria, na sequência da transformação do antigo lagar de varas, mostra-nos um estabelecimento que empregava 32 operários e 1 empregado de escritório e utilizava, como força motriz, uma locomovei Garrett de 10 c.v., um motor a gás pobre de 40 c.v. que accionava 2 bombas hidráulicas, 1 motor a petróleo com 5 c.v. e 1 dínamo de 110-180 kw. Equipado com 1 bomba de compressão, 9 bombas hidráulicas para prensar a azeitona e 3 moinhos de galgas, produzia 2.200 a 2.500 litros (1935). O estabelecimento trabalhava com azeitona própria e à maquia. Tal como sucedia no caso descrito anteriormente, também aqui os bagaços de azeitona eram utilizados como combustível para o motor a gás pobre, para aquecimento do lagar, alimentação dos gados da exploração, sendo o remanescente vendido para as fábricas de extracção de azeites por processos químicos.

  • 41 V. DRME - Processo 13.803/222, na Rua da Lagoa, Vidigueira (Beja). Requerimento em 16-12-1923. Alva (...)
  • 42 V. tb. DRME-Processo 383 (4/2450 3IPT). Moagem de farinha em rama de José Mendes Carvalho, Sobrinho (...)

81Finalmente, o lagar de azeite com “função industrial” da firma José Mendes Carvalho & Sobrinhos, também da Vidigueira, serve de ilustração para a natureza do equipamento instalado nestas pequenas unidades integradas numa economia comercial e agrícola41. A firma, constituída na sequência da morte do fundador, em 20 de Novembro de 1919, pela viúva, na qualidade de administradora dos bens da casa, tinha por fim “o exercício do comércio de cereais, vinhos, azeites e quaisquer outros géneros ou mercadorias e a indústria da moagem, panificação, oleificação ou qualquer outra que de futuro os sócios deliberarem explorar...”. Os 50 contos de capital da sociedade era representado pelos seus estabelecimentos de vinhos, azeites e cereais, pela fábrica de moagem, lagar de azeite e seu recheio, bem como todo o seu activo e passivo. Nesta sociedade, José Mendes Carvalho figura como “industrial, comerciante e proprietário” e outros sócios maiores como empregados do comércio. É, pois, no quadro dum estabelecimento comercial e agrícola que se coloca esta pequena instalação industrial42.

  • 43 V. proc. cit.
  • 44 V. folha de inquérito no proc. cit. acima.

82A instalação do lagar, concluída em Novembro de 1921, dispunha duma locomóvel Sans que accionava 2 moinhos. Todo o equipamento, de origem italiana, contava ainda com 4 prensas de 1.a pressão, 2 de 2.a pressão, 1 conjunto de bombas e 1 elevador para as azeitonas. Com uma laboração sazonal e à maquia, empregava 16 homens. Como esta instalação provinha dum antigo lagar que dava serventia às casas agrícolas, o proprietário obteve dispensa do alvará ao abrigo da tabela anexa “óleos vegetais, extracção por meio de pressão (exceptuam-se as explorações agrícolas)”43. Deste modo, o processo foi apenas retomado em 1935, no âmbito do condicionamento, quando foi necessário apresentar atestados das autoridades administrativas em como o lagar laborava desde 1931 e não aumentara a capacidade de laboração. Contudo, o inquérito de Novembro de 1935 indicava que as instalações dispunham agora de motor eléctrico com 40 c.v. e tinham 5 moinhos modernos em pedra, de duas galgas e 1 com 3 galgas cónicas. Havia, além disso, 2 centrifugadoras (sistema Westfália) e 1 filtro com bastidores verticais. O lagar, com uma capacidade de produção diária de 4 mil litros servia “para maquias e azeitona de produção própria e comprada”44.

83Em 1939 e 1940, verificou-se a substituição de equipamentos, indicando o relatório de inspecção de 12 de Maio de 1942 a presença de 7 prensas hidráulicas de ceiras, fabricadas pela Duarte Ferreira, outras cinco italianas (fabrico Fiense), 4 prensas de cinchos, Duarte Ferreira, outras cinco italianas, um moinho de tipo espanhol com 3 galgas, 4 baterias, 2 caloríferos. Na casa de decantação havia 38 tarefas, 1 calorífero, 2 centrífugas Westefália e, na casa do motor, 2 locomóveis, 1 lavador transportador, 1 filtro Soares Mendes e diversos depósitos de ferro e de folha da flandres para armazenamento do azeite.

  • 45 DRME-Processo 7.188 da 4.a CI. Um lagar de azeite, uma moagem de cereais (farinha em rama) e uma of (...)
  • 46 V. escritura de A FICALHENSE, S.A.R.L. de 26.Abr.1920 no D.G. 146, III série, 26.Jun.1920.
  • 47 V. DRME - Proc. 5016/658 Alvará 2435-M. A moagem dispunha agora de 3 casais de mós de 1,20 m accion (...)

84A par destas unidades integradas nas explorações agrícolas ou articuladas com a actividade comercial, encontramos lagares de azeite em fábricas que combinavam esta actividade com a moagem de cereais (ramas). Serve de exemplo deste estereótipo, a Ficalhense, constituída em Abril de 1920 entre a firma Lopes & Palma L.da (Serpa), que se associou a oito proprietários de Serpa, um professor primário e um farmacêutico45. Constituída como SARL para o fabrico de azeite e moagem de cereais, contava com 80 contos de capital divididos em 3.200 acções livres46. Tratava-se duma pequena unidade em que a moagem, alimentada por motor a gaz pobre de 28 c.v., empregava apenas 3 operários. O lagar, com uma capacidade de produção diária de 3 mil litros, dispunha apenas de 1 moinho de galgas e de 4 prensas hidráulicas, e não aproveitava os bagaços. Tal como a moagem, também trabalhava à maquia. A instalação atravessou os anos ’30 e ’40 sem alterações substanciais, fazendo prova da sua laboração regular. Em 1954, foram instaladas 1 batedeira, 1 centrifugadora, 1 bandeja e três pequenos motores47. O inquérito realizado no ano seguinte indicava deste modo a situação da Ficalhense, volvidas mais de 3 décadas:

Capital social:

80 (1920).

Valor das instalações:

1.500 (1955).

Comercialização:

A farinha fabricada era vendida directamente ao público e o azeite por intermédio dos respectivos armazéns.

Infraestruturas:

Água de nascentes e de carreto.

Capacidade de produção diária:

3.000 kg de farinha e 2.5001 de azeite.

Regime de laboração:

Todo o ano (moagem); entre Nov. a Fev. (o lagar).

85A partir desta altura, instalaram-se vários motores eléctricos (2 no lagar, 1 no armazém e outros 4 na moagem) e o conjunto passou a dispor de um triturador de rações para gado. A central eléctrica dispunha de 1 alternador accionado por um motor e 2 de electro-bombas para abastecimento de água. No total não empregava mais do que 7 operários de modo permanente.

  • 48 DRME - Processo 7.318 4.a CI (Rilei 4/1943): José Clemente Maltez, Rua Serpa Pinto e Lagar Novo, Cu (...)
  • 49 Inquérito de 20.Nov. 1952 no proc. cit.

86Outro estabelecimento deste tipo que pode ser indicado é o da Fábrica de Moagem de Cereais e Lagar de Azeite de José Clemente Maltez, em Cuba. Maltez, classificado como “proprietário e industrial” tinha fábricas de azeite no Alvito e em Cuba, moagem de cereais em Cuba e, além disso, negociava em palhas e cereais48. Enquanto a moagem de ramas dispunha de 3 casais de mós francesas de 1,20 m, movida por 1 motor a gaz pobre de 55 c.v., o lagar de azeite tinha ainda mais 1 motor de óleos pesados (com a potência de 20 c.v.) e 2 motores eléctricos. O lagar, com 3 moinhos modernos de pedra, utilizava o processo de extracção a frio e tinha uma capacidade de produção estimada em 3 mil litros em 24 horas. Empregava 4 operários no período das safras. Do ponto de vista comercial, trabalhava à maquia, comprava azeitona e utilizava azeitona das suas propriedades. Em 1941, quando mudou o proprietário, foram substituídos o moinho e as galgas, instalado um aparelho transportador elevador com lavagem para a azeitona e uma batedeira de massas. A substituição não encontrou oposição nos serviços industriais que, fazendo os cálculos da capacidade instalada à escala do concelho, defenderam não haver excesso de capacidade instalada. Em Novembro de 1952, a situação da fábrica “complexa” era a seguinte49:

Valor das instalações:

1.010 contos.

Transporte:

Matérias-primas e produtos laborados servidos por caminho de ferro e vias ordinárias.

Abastecimento de água e esgotos:

Água proveniente de 2 poços e servida por esgotos públicos.

Energia:

Electricidade fornecida (só para iluminação) pela firma local J. J. Palma Borralho.

Emprego-Moagem:

2 escriturários, 1 fiel de armazém, 1 moleiro, 1 serviçal, I maquinista e I serralheiro.

Emprego-Lagar:

15-20 homens pagos à hora entre Nov. e Jan.

Abastecimento:

cereais e azeitonas de «diversos concelhos do distrito de Beja».

Capacidade produtiva:

Moagem 360 kg por hora; lagar 1.500 Kg por hora.

Regime produtivo:

“A moagem trabalha quase todos os dias úteis do ano, conforme as necessidades, e o lagar trabalha dentro dos meses de Nov., Dez. e Janeiro”.

Economia:

Comprava o trigo a 3$10 o kg e vendia a farinha em rama a 3$40 (“Esta farinha é fabricada somente para trocos” (sic)); a azeitona comprava-se a l$80 kg e vendia-se o litro do azeite a 11$1O.

  • 50 DRME – Processo 6.618 da 4.a CI. Peninsular Oleícola Limitada (Alvito). Alvará 11228 de 21 Out. 192 (...)

87O mesmo José Clemente Maltez esteve na origem da fundação dum estabelecimento análogo, no Alvito, instalado nos finais da I Guerra Mundial junto à estação dos caminhos de ferro, aproveitando as dependências da fábrica de moagem. Na sua origem parece ter estado a Sociedade Osiris que, por sua vez, deu lugar à C.ia Oleícola Portuguesa, sociedade anónima constituída em Lisboa entre Maltez e 2 empregados de comércio. Esta sociedade foi depois liquidada em Agosto de 1924, quando o proprietário de Cuba ficou com a fábrica por 100 contos. Daqui nasceu a Peninsular Oleícola L.da, constituída no Alvito com um capital 50 contos, que levou por diante a exploração do azeite em toda a linha por processos avançados. Efectivamente, a fábrica em Vale de Lameiros (Alvito), para além de lagar, fazia a extracção de óleo do bagaço (por processos químicos), refinava o azeite e era saboaria50. Em finais de 1925, a fábrica, que dispunha de 2 pequenos motores a vapor e 1 dínamo com 110 kw, tinha uma capacidade de produção fixada em 3.000 litros de azeite em 24 h e empregava 5 trabalhadores na extracção química e outros 15 no lagar. Também aqui se comprava azeitona e se trabalhava à maquia.

  • 51 V. escritura de venda em 12.Set. 1938 de José Clemente Maltez e sua esposa das instalações a Franci (...)
  • 52 V proc. cit.

88Entre 1931 e 1934 a Peninsular teria trabalhado, em média 277 dias, tendo-lhe sido fixada uma capacidade de produção de 98 mil toneladas de azeitona ou 47 mil toneladas de bagaço. A firma, cuja produção estava orientada sobretudo para exportação, vivia com grandes dificuldades desde 1930. Em 1938, estava hipotecada à banca e Maltez viu-se obrigado a sair da sociedade51. A reabertura da fábrica em 1939 deu lugar à substituição de 7 prensas hidráulicas (que a Peninsular proclamava terem sido das primeiras a serem introduzidas em Portugal) e ao aumento de capacidade de produção, situação que foi resolvida com o pagamento de multa, apesar dos protestos doutros industriais. Nessa altura, a posição da Peninsular entre as restantes fábricas de extracção de óleo de bagaço no país era a seguinte52:

Firma

Local

Capacidade de produção diária

Peninsular Oleícola

Alvito

30 ton

João Andrade Bastos Ribeiro

Sousel

20 ton

Sociedade Oleícola

Borba

30 ton

Sociedade Fabril Alentejana

Vila Viçosa

30 ton

C.U.F.

Barreiro

60 ton

  • 53 V. Alvará 3.094 de 13. Mar. 1945 fixa a capacidade de laboração da fábrica em 3.760 kg de azeite re (...)

89Em 1941 foi instalada mais uma máquina a vapor de 30 c.v., 1 dínamo e 4 motores eléctricos com 23 c.v. de potência, entre outro equipamento53. Até finais dos anos ’50 não temos evidências de novas remodelações nem de aumentos de capacidade, a não ser em 1957, quando foi autorizada a instalação de mais um extractor de óleo. Em 1960, a fábrica foi adquirida pela firma industrial do ramo Mariano Lopes & Filhos, que tinha sede em Brinches, e se interessara apenas pelo seu alvará.

90A extracção de óleo de bagaço de azeitona aparecia, pois, como uma actividade integrada em unidades que procediam à produção em lagar e à refinação de azeites, e que se dispersavam na região transtagana, entre as maiores manchas de olival.

  • 54 Escritura no cartório de José Frasquilho de Moura. Tratavam-se e de D. Jacinto Navas Romero, médico (...)
  • 55 DRME – Processo 1.763 da 5.a CI. Requerimento entrado em 13-10-1930. A Electro-Oleica de Moura, L.d (...)

91Um segundo caso que mereceu a nossa atenção foi o da Electro-Oleíca de Moura, L.da, sociedade constituída em 30 de Janeiro de 1913 com um capital de 25 contos, entre o “unionista” António Lobo de Aboim Inglês e uma família de proprietários do Huelva, ligação que lhe ficou certamente da sua experiência no sul de Espanha como engenheiro de minas54. A sociedade, com sede em Moura, tinha por objecto “explorar o negócio do azeite, bagaços e extracção de azeites por estes bagaços por processos químicos, aproveitamento dos respectivos resíduos para produzir energia eléctrica pública e particular nesta vila de Moura, podendo ainda explorar indústrias derivadas daquelas explorações”. Deste modo, nasceria em Moura uma “fábrica de extracção de azeite pelo sulfureto de carbono, óleo de bagaço de azeitona, sabão, moagem e lagar de azeite”55.

92A fábrica, que ficou sob a gerência de Aboim Inglês, tinha uma caldeira, 2 motores a vapor com 48 c.v., um dínamo de 33 kw que alimentava 5 motores eléctricos e empregava cerca de 12 operários, 1 técnico e 1 empregado escritório. O bagaço de azeitona desengordurado servia de combustível aos motores que punham o dínamo a funcionar. Embora haja provas do seu funcionamento regular ao longo dos anos ’20, podemos especular que uma das limitações ao crescimento desta unidade integrada estava na dependência do fornecimento local de azeitona. A fábrica de bagaço estava em regime de 1abo ração contínua mas as restantes unidades, de acordo com as declarações na folha de inquérito, trabalhavam apenas “quando as exigências do mercado o determinavam”. Em 1938, foi instalado neste conjunto um estabelecimento para fabrico de cal, de telha e tijolo que empregava 6 operários. Dois anos mais tarde, pouco tempo antes de encerrar, Henrique Cansado indicava assim a distribuição de pessoal:

“os nossos operários trabalham nas diferentes secções da nossa fábrica pelo que não podemos indicar ao certo o seu número em cada uma delas. Como média podemos calcular para a extracção 15 operários, para o sulfureto 5 e para o sabão 3. Cerâmica 3 operários” (informação de 15.Fev.1940, proc. cit.).

  • 56 Veja-se, em Março de 1941, o processo do Condicionamento Industrial no proc. cit. para reabrir, tra (...)
  • 57 V. Processo 3.151, organizado pela extinta I.G.I.C.A. (no proc. cit.). A sociedade que tinha um cap (...)
  • 58 Por despacho ministerial de 24-5-1945. Oposição da Sofal em 19.Maio.1944.
  • 59 V. ofício da 2.a repartição (CI) da Direcção Geral dos Serviços Industriais, C.G.-M 1186/51 de 5.Ab (...)
  • 60 V. requerimento para o licenciamento destas actividades em 5.5.1951 (proc. cit.).
  • 61 Inquérito de 23 de Setembro de 1955 (proc. cit.).

93Em 1941, a fábrica foi autorizada a reabrir, a transformar-se e a ampliar-se pelos serviços do condicionamento, no meio dos protestos dos outros industriais do ramo56. Nesta altura, o estabelecimento pertencia já à Empresa Fabril de Moura, L.da, sociedade liderada pela família Cansado e que iniciara as suas actividades em 191357. A velha caldeira foi então substituída. A nova planta do conjunto industrial revelava a presença de 3 grandes edifícios ao correr do rio da Roda, um dos quais a fábrica do sulfureto. Esta constava na planta de 5 extractores e 2 destiladores quando, na verdade, só 3 extractores e 1 destilador se achavam operacionais. A reabertura da fábrica do óleo de bagaço e de sabão, em Maio de 1945, teve a oposição improcedente da Sociedade Fabril Alentejana, L.da (Vila Viçosa) dado que defendia estar autorizada e capacitada para laborar até 15 milhões de litros de óleo bruto!58 Em 1951 a sociedade foi autorizada a instalar um lagar de azeite, uma moagem de ramas e “uma destilação de figo e outros produtos”59. Um motor de combustão interna de 50 c.v. e 1 dínamo de 7 kw forneciam energia ao lagar de azeite e à moagem. O lagar empregava 12 operários, a moagem 4 e a destilação outros 360. No ano seguinte, a Empresa Fabril de Moura L.da era autorizada a instalar um grupo de soldadura autogénica para a sua fábrica de sulfureto de carbono, extracção de óleo de bagaço e fábrica de sabão. A sua situação era a seguinte61:

Fundação:

30.1.1913.

Capital social:

300 contos.

Valor das instalações:

3.000 contos.

Energia:

Central eléctrica própria com potência de 37 kva, corrente trifásica com 380/220 de tensão.

Motores:

Motor a vapor de 30-40 cv; a óleo: 1 de 37 cv; a gasolina: 1 de 4 c.v.

Combustível:

Bagaço extractado.

Transporte:

Caminhos de ferro, camiões e carros de tracção animal.

Infra-estruturas:

Água dos poços; esgotos naturais.

Emprego (por secções):

5 homens diversos; 12 na fábrica de sulfureto (5 meses); 18 na fábrica de extracção (2 a 5 meses) e 21 no lagar de azeite (1 a 3 meses).

Administração:

2 (1 gerente e 1 técnico português).

Capacidade de produção:

2 desagregadores 20 ton/8 h; I secador idem; 5 extractores idem; 3

destiladores 1,5 ton/8 horas; 2 moinhos, 10 prensas e 1 centrífuga com capacidade de 16 ton/8 h.

Matérias primas e preços (ao kg):

Azeitona 2$50; carvão vegetal $80; enxofre l$60; bagaço $35 (tudo do Alentejo).

Produtos e mercados:

óleo de bagaço 7-8$00 de exportação para o estrangeiro; sulfureto de carbono: 6$00 (Portugal); azeite (preço variável conforme a graduação) destinado às conservas de peixe.

Mapa 8 – Número de lagares de azeite registados na área da 4.a C.l. (1922-1950)

Mapa 8 – Número de lagares de azeite registados na área da 4.a C.l. (1922-1950)

Fonte: RTN

  • 62 DRME – Processo 1.994 da 4.a CI. Processo 3IPT 6.990. Notícia no Boletim da DGSI 209 de 31 Dez. 195 (...)
  • 63 As 17 fábricas existentes no país, embora tivessem capacidade para 33 mil toneladas, só laboravam 8 (...)

94Em 1953, a empresa conseguiu obter autorização superior para fabricar azeites refinados numa instalação com capacidade para produzir 10 toneladas em 24 horas, considerada “como complemento do ciclo das operações oleícolas a instaladas”62. Apesar da oposição de numerosas firmas industriais instaladas que argumentam com o excesso de capacidade instalada e da crise no sector, o projecto foi por diante63.

Figura 4.11 – Registos de fábricas e de lagares de azeite na 4.a CI (1922-1939) de acordo com a sua data de fundação

Figura 4.11 – Registos de fábricas e de lagares de azeite na 4.a CI (1922-1939) de acordo com a sua data de fundação

Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).

95Feita a caracterização dos principais tipos de estabelecimentos industriais dedicados ao processamento da azeitona e dados alguns elementos sobre a sua evolução, passemos à análise do conjunto dos registos relativos às fábricas e aos lagares de azeite realizados no âmbito do RTN na área da 4.a CI.

96Tal como ficou implícito na descrição dos lagares integrados ou articulados com a agricultura comercial latifundiária, a sua geografia aponta para a presença de lagares que se dispersavam por toda a área da 4.a CI. O maior número de unidades registadas encontrava-se no Gavião (30), em Sousel (29), Évora (27), Estremoz (26), Portalegre (25), Montemór (24) em Alcácer (22) e Avis (19), o que não deixava de relacionar-se com as áreas onde se apresentam as maiores manchas de olival.

97Em termos cronológicos, a série revela um aumento exponencial de registos a partir de 1918 e até 1924 (figura 4.11). Antes desta data, as declarações de fundação sugerem picos em 1883, 1904 e 1918 e uma tendência ascendente desde 1910. A partir de 1924 o movimento industrial manteve-se elevado até 1928, data em que sofreu uma quebra acentuada. A partir de 15 de Janeiro de 1932 foi formalmente proibida a instalação de novas unidades e o aumento da capacidade instalada (decreto 20.770). Os registos realizados depois dessa data foram feitos mediante intimação dos proprietários pelas autoridades, os quais deviam apresentar uma certidão da Repartição de Finanças como prova de laboração em data anterior. Tais processos corriam pela Inspecção Técnica das Indústrias e Comércio Agrícolas (ITICA, do Ministério do Comércio, Indústria e Agricultura).

4.2.3. A transformação da carne

98Embora menos importante do que o fabrico de azeite, as indústrias ligadas ao processamento das carnes, sobretudo de porco e de gado lanígero, destacaram-se pelo seu número entre as restantes indústrias alimentares. Cerca de 247 registos feitos nos anos ’30, a maior parte deles em 1936, dispersavam-se por cerca de 56 freguesias (tabela 4.10). Tratava-se duma actividade manual realizada em unidades quase sempre de pequena dimensão. Arraiolos, Crato, Estremoz, Marvão, Fronteira, Monforte e Mora foram os concelhos que tiveram o maior número de registos. A par dos estabelecimentos de carnes fumadas ou de carnes ensacadas, foram registadas 29 salsicharias em 18 freguesias, sendo os concelhos mais importantes Redondo, Reguengos Mora e Montemor. Além dos proprietários e dos comerciantes, as duas actividades revelaram a presença de actores tão diversos quanto a Sociedade de Comércio e Indústria de Gados Alto Alentejo L.da (Chança, Alter do Chão, 1924-1938), a Cooperativa de Crédito e Consumo na Igrejinha (Arraiolos) ou a Cooperativa Brotense (Brotas, Móra).

99Sendo o gado alentejano exportado sobretudo vivo, esta actividade parece ter estado orientada sobretudo para mercados locais, sofrendo a concorrência de unidades industriais situadas noutras regiões.

100O registo do fabrico manual de queijos foi feito acidentalmente em 1930 e 1931 apenas em Reguengos de Monsaraz.

Mapa 9 – Fabrico de carne ensacada na área da 4.a C.I. (1922-1950)

Mapa 9 – Fabrico de carne ensacada na área da 4.a C.I. (1922-1950)

Fonte: RTN

  • 1 não incluindo as indústrias da fileira do pão (cf. tabela 4.7.)

Tabela 4.10 – Distribuição geográfica das indústrias alimentares registadas na área da 4a Cl (1922-1952)1

Tabela 4.10 – Distribuição geográfica das indústrias alimentares registadas na área da 4a Cl (1922-1952)1

Legenda:
Freguesias: número de freguesias onde foi registada a actividade; Emprego: número total de trabalhadores adscritos a esse registo; Registos: total do número de registos na actividade; Max. Reg.: número máximo de registos numa freguesia; Max. Empr.: número máximo de trabalhadores registados numa freguesia.
Fonte: DRME/RTN (cálculos nossos).

4.2.4. Doces, chocolates e amêndoas

101Cerca de 70 registos diziam respeito a fabricos realizados por pastelarias e confeitarias. A pastelaria era uma actividade quase circunscrita a Évora, enquanto a confeitaria surgia também em Elvas e em Portalegre. Símbolo do luxo urbano, as pastelarias eram relativamente recentes, pois datavam as mais antigas dos anos ’20 e, a maior parte, dos anos ’40 e ’50. Évora e Estremoz destacavam-se pelos fabricos de chocolates e de amêndoas, enquanto Elvas se destacava pela doçaria e pelas conservas de frutas.

102O fabrico de chocolate encontrava-se já como a principal actividade, nos finais de Oitocentos, da firma Anselmo Dias Sucessores, de Évora, cujo mercado era verdadeiramente regional. Um dos seus sócios era viajante e tinha por missão angariar clientela em todo o interior e sul do país (Alentejo e Algarve). Noutros casos, o fabrico de chocolates e de amêndoas aparecia ligado à actividade comercial de grandes empresas de distribuição como a Fomento Eborense, L.da cujo âmbito de actividade era bastante diversificado.

  • 64 Seguimos a descrição feita pelo engenheiro Luís Ferreira (1907).

103Em Elvas, as conservas de frutas merecem uma referência especial. Quase todas as empresas que se dedicavam a esta actividade eram de fundação antiga (1834, 1863, 1872, 1873, 1924, etc.). Muitas delas viram a sua actividade cancelada entre os finais dos anos ’30 e o início dos anos ’50. Entre elas destacamos a José da Conceição Guerra & Irmão (1834) que empregava 30 trabalhadores, a Carvalho & C.ia (1872-1939) que empregava outros 27, que deu lugar à Carvalho & Sobrinho (cancelada em 1951). Nos princípios do século, a principal indústria estabelecida em Elvas era a de José da Conceição Guerra & Irmão. Tratava-se dum edifício de tijolo e ferro que ocupava vários andares onde se fabricavam conservas de frutas com ameixas (rainhas cláudias e ameixas compridas), figos, alperces e pêssegos64. Os frutos saíam principalmente das propriedades do dono da casa e o açúcar era comprado em Lisboa a negociantes. O resultado era um produto de luxo afamado que aparecia nos mostruários das mercearias e das confeitarias, em todas as povoações de maior importância de Portugal. Eram célebres as Ameixas de Elvas, “ora acondicionadas em bocetas de bem curada ornamentação, perfeitas no seu acabamento; ora a granel em caixotes vulgares e dali passadas para os mostruários das confeitarias, amontoadas” (Ferreira-1907: 79).

104Além disso, preparavam-se conservas de hortaliças para fabricar “a sopa juliana” e as “azeitonas de Elvas”, também conhecidas em todo o país e que tinham grande consumo. Entre a apanha e o fabrico, a fábrica maior ocupava mais de 60 mulheres nos meses de Julho e de Agosto.

105Também os fabricos de gelo e de gelados apareciam como indústrias urbanas ligadas a outras actividades do ramo alimentar. Não é de estranhar, assim, que encontremos à frente desta actividade empresas regionais que operavam no ramo da alimentação e das bebidas refrigerantes nas vertentes comerciais e industriais, como era o caso d’A Portalegre Industrial L.da, da Fomento Eborense L.da (Évora), d’A Sertoriana Lda (Évora) ou da Moraes & Irmãos Lda (Arronches). Em Sines, o fabrico de gelo interessou aos armadores como atesta o registo feito pelo Grémio dos Armadores de Pesca de Arrasto, em 1949.

106Em termos geográficos, a cidade de Évora destacava-se com 4 registos, seguida depois por Portalegre (2) e de Sines (2). Encontramos ainda registos em Elvas, Arronches, Alcácer e Estremoz. O fabrico de gelo foi uma actividade bastante recente (data somente de 1925) e o seu consumo acompanhou a generalização do consumo das bebidas refrigerantes. A maioria dos registos foi efectuada nos anos ’30 e ’40, com um número de trabalhadores que oscilava entre 1 (a norma) e 5, sendo os cancelamentos efectuados nos finais dos anos ’50, princípios da década seguinte.

4.2.5. Outras indústrias da alimentação

107Com excepção do descasque de arroz e das conservas de peixe (cuja análise é aqui deixada de fora), as restantes indústrias alimentares datavam dos finais dos anos ’40, quando se verificou a orientação de algumas explorações para a pecuária e surgiram as primeiras unidades ligadas ao regadio.

Mapa 10 – Moagem de rações para animais na 4.a C.I. (1949-1951)

Mapa 10 – Moagem de rações para animais na 4.a C.I. (1949-1951)

108No que respeita às fábricas de descasque de arroz, apenas em Santiago e em Alcacér do Sal encontramos registos, o mais antigo de 1896. Também neste caso, os momentos altos, concentrados em Alcácer, situaram-se entre 1922 e 1925.

109O registo de rações para gados foi feito entre 1949 e 1951 e dizia respeito à instalações de pequenos moinhos de martelos para cereais e legumes, realizadas geralmente em anexo às fábricas de moagens, a empresas comerciais que dispunham de estabelecimentos combinados agro-industriais (geralmente moagem e fabrico de azeite) ou a empresas agrícolas, sinal da orientação pecuária de algumas explorações. A maioria destas instalações irá desaparecer na década seguinte, impondo-se a produção de rações compostas para animais, uma actividade que suscitou a formação de empresas industriais distintas.

110O registo das unidades de moagem de pimentão iniciou-se em 1932 mas foi sobretudo a partir de 1948 que o seu número se tornou relevante. Ponte de Sôr, com 17 unidades, Elvas, com 7, e Marvão, com 4, foram os concelhos mais importantes. Participaram nesta actividade grandes proprietários como Filipe Reynolds de Sousa (Estremoz), cuja actividade foi cancelada em 1952, ou empresas como a “A Alentejana”, que tinha fábricas em Elvas e em Borba. A mais importante foi, no entanto, a de João Nunes Sequeira Fronteira, registada com 60 trabalhadores (cancelada em 1965). Os anos ’50 e ’60 seriam fatais para a maioria destas unidades.

4.3. As bebidas

  • 65 Nos concelhos de Odemira e Almodôvar, que pertenciam à 5.a CI, foi importante o registo de destilar (...)

111Cinco tipo de actividades distintas no domínio da produção de bebidas foram registadas na área da 4.a CI no âmbito do RTN: o fabrico de vinho e de aguardente, o fabrico de vinagres, o de xaropes e licores, o de refrigerantes e o de torrefacção e moagem de café e chicória (tabela 4.11). A mais importante dizia respeito às adegas e actividades acessórias de destilação, registadas quer como “fabrico de vinho e de aguardente” quer como “destilarias” (nos anos ’50), sendo objecto de particular atenção as actividades com “função industrial”, ou seja, cuja produção se destinava à comercialização. Se bem que a produção de álcool para combustível possa ter tido um lugar de relevo durante a I Guerra Mundial, durante o período em análise foi sobretudo o fabrico de aguardente vínica que frequentemente era registada nas adegas, sem que se atribuísse, por isso, qualquer trabalhador à actividade (cf. tabela 4.11)65. O registo do fabrico de vinagres, tal como o de xaropes e licores, foi feito apenas em 1950 e 1951. Em ambos os casos foram actos acidentais, pois tratavam-se de actividades sem grande expressão comercial. O mesmo já não sucedeu com a indústria de refrigerantes e com a de torrefacção e moagem de café, actividades em franca expansão a partir dos anos ’20.

Tabela 4.11 – Distribuição geográfica das indústrias de bebidas registadas na área da 4.a Cl (1922-1952)

Tabela 4.11 – Distribuição geográfica das indústrias de bebidas registadas na área da 4.a Cl (1922-1952)

Legenda e fonte: v. tabela 4.8.

4.3.1. Vinhos e aguardentes

112O fabrico de vinhos e de aguardentes era uma actividade desenvolvida tanto por grandes proprietários, no quadro das explorações agrícolas, como por comerciantes que, para além de trabalharem com uva de produção própria, a compravam aos pequenos produtores. Em Évora, ao lado de proprietários como D. Maria do Patrocínio de B. Lima d’Almeida e José Joaquim Almeida, aparecem comerciantes como Fernando Augusto (1925), Cláudio Augusto Mouginho (1928) ou António Anselmo Dias (1933), ou ainda firmas comerciais como a Mourão & Bila (Sé, 1922), Inácio Mendes Leão & F.° L.da (1927) ou a Fomento Eborense, L.da (1942), por exemplo. Exportadores como Frank Edward Pidwel, em Sines (1927), surgiam ao lado de empresas voltadas para a vinificação (a Vínicola do Alentejo, L.da em Santiago do Cacém, 1949-1953), para a produção de aguardentes (Destilaria Montemorense L.da, 1923) ou de vinagres (a Vinagreira Fraustagana, L.da, mais tarde nas mãos de Dias & Rosado, em Reguengos, 1950-1960). O registo das “destilarias” feito entre 1950 e 1951 acabou por destacar a presença dos grandes proprietários como, por exemplo, Francisco Rosado Ramalho (Redondo) e das grandes empresas agrícolas como foi o caso da Fundação da Casa de Bragança (Vila Viçosa), da Sociedade Agrícola Palha Van Zeller (Alcácer), da Sociedade Agrícola da Herdade da Palma L.da (Alcácer) ou da C.ia Agrícola da Barrosinha (Alcácer).

113Era, por isso, uma actividade que se encontrava um pouco por toda a parte, estando registada praticamente em todos os concelhos. Tratando-se duma actividade pouco concentrada em termos industriais e de baixa tecnologia, naturalmente que os maiores centros produtores foram também aqueles que registavam o maior número de estabelecimentos. Destacavam-se assim o Redondo (54 registos), Marvão (47), Borba (45), Reguengos (38), Évora (33), Mora (21), Santiago (20).

114A figura 4.11 mostra-nos a evolução do registo de fabricantes de vinhos e de aguardentes, de acordo com a data de fundação declarada, que incidiu sobre a actividade comercial. Por outras palavras, ficou aqui de fora o registo das 350 “destilarias”, efectuado a partir de 1950, que passou a considerar os alambiques instalados nas unidades agrícolas. Podemos então considerar esta série como indicador aproximado do dinamismo comercial nesta actividade. Ela mostra que a maioria destes 61 registos se concentraram na segunda metade dos anos ’20 e na primeira metade dos anos ’30. Por outro lado, a maioria dos cancelamentos em ambos os tipos de registos realizaram-se entre 1958 e 1962.

115O registo de fabrico de xaropes e de licores, feito muito tardiamente, refere apenas um caso em Ponte de Sôr (1952-1972), sinal de alguma subestimação nesta actividade que, sem ter grande expressão, aparecia recorrentemente nas exposições industriais dos distritos alentejanos.

Figura 4.12 – Registo de fabricantes de vinhos e aguardentes na área da 4.a Cl 1922-1952) segundo a data de fundação

Figura 4.12 – Registo de fabricantes de vinhos e aguardentes na área da 4.a Cl 1922-1952) segundo a data de fundação

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

4.3.2. Os refrigerantes

116Embora o registo mais antigo date de 1908, foi a partir dos finais da I Guerra Mundial que, no Alentejo, se desenvolveu o fabrico das bebidas refrigerantes, uma actividade que apareceu ora ligada a pequenos estabelecimentos comerciais de âmbito local, ora em estabelecimentos próprios que exploravam uma marca, que era objecto de registo, e cujo mercado raramente ultrapassava um grupo reduzido de concelhos circundantes. A distribuição cronológica dos 61 registos revela uma tendência crescente até 1930 (com picos em 1925 e 1930), caindo ao longo dos anos ’30 para um nível anual de registos que oscilava geralmente em torno dos 2-3. Nos finais dos anos ’40 verificou-se um novo impulso (cf. figura 4.12). O registo de cancelamentos, por outro lado, foi relativamente baixo ao longo de toda a série, com excepção dos anos de 1934, 1952 e 1965 (figura 4.13). Tais movimentos no início dos anos ’50 e em 1965 não deixam de ligar-se à acção reguladora do Estado sobre esta actividade que, através da imposição de regras crescentes de higiene e operacionalidade, acabaram por conduzir ao cancelamento de muitos dos velhos alvarás, favorecendo por outro lado as empresas melhor apetrechadas. Tal solução que visava já o condicionamento técnico (em vez do puramente administrativo) esteve longe, porém, de representar uma sentença de morte para toda a pequena indústria, como veremos.

117Embora sem a natureza dispersa que encontramos nos vinhos e nas aguardentes, encontramos registos em 38 freguesias, sendo de salientar a presença nos eixos de tráfego representados em Montemor-Vendas Novas (8) e Alcácer (4), nos centros urbanos e sedes de concelho (Alter do Chão, Arronches, Campo Maior, Castelo de Vide, Crato, Elvas, Évora, Vila Viçosa, Viana do Alentejo, Sousel, Sines, Santiago, Reguengos, Portalegre, Ponte de Sôr, Niza, Mourão, Mora e Estremoz). Sendo uma actividade sazonal, raramente tinham adscritos mais de 5 trabalhadores e tinham frequentemente associadas não apenas o fabrico de gelo, como seria de esperar, mas também outras actividades bastante díspares como o fabrico de perfumes, carnes fumadas ou de ladrilhos e mosaicos, a atestar a estreita dependência destes estabelecimentos de negócios multifacetados. Embora a maioria das actividades corresse em nome individual surgem, com algum relevo, sociedades especializadas como foram, por exemplo, a Empresa de Licores “A Sertoriana L.da” (Évora, 1925), a Empresa de Refrigerantes da Serra d’Ossa L.da (Redondo, 1925), a Mosaicos de Portalegre (1908), a Caios, Coelho & Guerreiro L.da (Alcácer, 1930-1939) ou a Sociedade de Produtos Malvar, L.da (Elvas, 1950-1955).

Figura 4.13 – Registo de fabricantes de refrigerantes na área da 4.a Cl (1922-1952) segundo a data de fundação

Figura 4.13 – Registo de fabricantes de refrigerantes na área da 4.a Cl (1922-1952) segundo a data de fundação

Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).

Figura 4.14 – Cancelamento da actividade de fabricantes de refrigerantes na área da 4.a Cl registados no período 1922-1952

Figura 4.14 – Cancelamento da actividade de fabricantes de refrigerantes na área da 4.a Cl registados no período 1922-1952
  • 66 DRME - Processo 4.382 (Rilei 4/2281) da 4.a CI. Alvará 34623
  • 67 Do requerimento no proc. cit.

118Podemos acompanhar a vida empresarial destes estabelecimentos a partir de três casos seleccionados, dois dos quais na área da 5.a CL O primeiro respeitava à Fábrica de Refrigerantes Universo L.da, em Estremoz, registado por Acácio Faustino em 194666. A “fábrica de refrigerantes engarrafados” confrontava com a habitação do proprietário e estava equipada com motor eléctrico de 2 c.v., “uma máquina marca “Universo”, composta de uma saturadora e dois enchedores para laranjadas e gasosas, e ainda um enchedor para pirolitos montado em coluna separada”67. Havia ainda “um chuveiro de 12 bicos para lavagem de garrafas” e “um filtro para xaropes e outro para água”. Empregava 1 empregado de escritório, 2 homens e 4 mulheres. O timbre da firma mostrava as áreas de negócio do empresário em Estremoz: “Construtor Civil. Fábricas de Refrigerantes «Universo». Fábricas de cortiças de Faustino & Gomes, L.da Camionagem de aluguer.”

119O inquérito autógrafo de Junho de 1951 sintetizava assim a situação deste estabelecimento:

Valor das instalações:

250 c

Transporte:

Caminhos de ferro e camiões

Infraestruturas:

Água e esgotos da rede municipal

Energia:

Sociedade Bonfim

Emprego:

1 homem, 3 mulheres e 11 raparigas

Equipamento:

2 máquinas eléctricas com capacidade de produção em 8 h de 200 caixas; 1 gasificadora e 3 enchedoras de fabrico nacional.

Matérias-primas:

Ácido cítrico italiano, gaz carbónico nacional, açúcar colonial, óleo de laranja e de limão italiano, pasta de laranja nacional

Mercados e produtos:

Pirolitos, laranjadas e gasosas vendidas no distrito de Évora e de Portalegre

Capacidade de produção:

200 caixas /dia

Regime de laboração:

6 meses / ano

  • 68 Entre as condições impostas nestes alvarás figuravam a obrigação de usar água “bacteriológicamente (...)

120A acção fiscalizadora do Estado foi marcada por exigências crescentes no exercício da indústria que, no entanto, não impediram de todo a presença da empresa no mercado. Efectivamente, em 1949 e em 1950 verificou-se a selagem temporária das instalações por incumprimento das condições impostas mas a acção foi realizada, por duas vezes, já fora do período de campanha e não terá perturbado a marcha do negócio68. O novo alvará passado em 21 de Maio de 1952 apresentava agora 32 artigos restritos e, no final dessa década, a portaria 17.264 de 11 de Julho 1959, passada na sequência da nova lei para a indústria dos refrigerantes, impôs novas condições de laboração mais restritivas. Na prática, os 36 artigos regulamentares da actividade impunham a automatização na produção fabril. Contudo, o texto da intimação recebida pelo industrial, em Novembro de 1969, e assinada pelo engenheiro chefe da 4.a CI, tinha alterado o texto impresso da portaria que aprovava o Regulamento do Exercício da Indústria de Refrigerantes. Foram eliminadas partes (em minuta impressa!) que obrigavam à automatização (transporte de garrafas entre máquinas e enchimento do líquido), sendo acrescentadas cláusulas que permitiam que essas operações continuassem a fazer-se manualmente.

  • 69 Tratava-se dum transportador mecânico accionado por 1 motor eléctrico de 1 c.v., 1 máquina automáti (...)

121As 3 fábricas de refrigerantes em Estremoz puderam continuar a laborar graças à colaboração e atitude compreensiva das autoridades. As alterações fizeram-se apenas em 1962, quando a fábrica esteve para ser selada. Nessa altura verificou-se que uma linha semi-automática estava a ser instalada para enchimento, gaseificação e capsulamento, a par dum sistema para tratamento de água (filtragem e desendurecimento) e fabrico de gelo69. Deste modo, o estabelecimento iria sobreviver até 1983.

  • 70 DRME - Processo 2.410 da 5.a CI/RILEI 5/152 Fábrica de Refrigerantes Engarrafados (Classe VIII Grup (...)

122Um segundo caso pode ser ilustrado com a Empresa Industrial de Refrigerantes L.da, em Mértola, cuja actividade principiou em 193670. A sociedade, constituída na localidade entre um solicitador forense e um comerciante aí residentes, dispunha de 15 contos de capital. A fábrica de refrigerantes de frutas e águas gaseificadas “Carasona” estava instalada numa simples casa térrea construída com paredes de taipa e telha algarvia. Utilizava uma máquina fabricada pela Vulcano & Colares (modelo de 1929) para a gaseificação da água Carasona e “fabrico de refrigerantes de frutas tais como pirolitos, laranjadas e de tangerina (sic)” e uma máquina manual L’Electric para a lavagem de garrafas com escovas, operada por mulheres. As matérias-primas eram adquiridas em Lisboa na L’Air Liquide e na Centeno & Neves L.da e, em Barcelona, na Adrian Klain. De acordo com a Memória Descritiva do projecto aprovado:

  • 71 Memória Descritiva, Abril de 1936, proc. cit.

“A água da “Carasona” para fabrico dos enumerados produtos, é transportada em bidões de ferro, convenientemente lavados e desinfectados, na camioneta do proprietário da mesma água. Este bidões vêm selados, com o selo da «Carasona». A condução dos produtos fabricados faz-se em carro de muar pertença dos requerentes e próprio para tal fim”71.

  • 72 Idem, idem.

123Os seus mercados eram “as povoações deste concelho, especialmente na margem direita do Guadiana e não se pensa ir mais além a não ser as povoações pequenas vizinhas ao concelho”72.

  • 73 2 em Almodôvar, 1 em Garvão e outro na Mina de São Domingos, da Sociedade Cooperativa Comércio Unid (...)

124Na verdade, este estabelecimento, que empregava apenas 1 homem e 2 mulheres, depressa passou a usar a água do poço quer para a lavagem quer para o fabrico de pirolitos. No Outono de 1951 os maquinismos foram selados devido à qualidade da água utilizada. Antes dele, tinham sido encerrados outros 4 na região73. Começava então o conflito entre o gerente e os serviços por causa das análises bacteriológicas da água numa vila que não dispunha de água canalizada. Paga a multa, feitas obras no poço e recorrendo acidentalmente à água de Carasona, a empresa conseguiu continuar a trabalhar. Quando o decreto 42.159 foi publicado, já o proprietário usava água da rede pública e deixara, por isso, de fazer análises. Até 1965, a agora Empresa Industrial de Refrigerantes Mirtilina L.da tinha conseguido ampliar as suas instalações e adaptar-se às novas exigências de laboração.

  • 74 DRME - Processo 7.401 da 4.a CI (RILEI 4/2370). Em 1950 foi feito o trespasse para Timóteo Moreno B (...)
  • 75 O fabrico de licores perdurou até 1975 e a empresa encerrou por volta de 1980.

125Um último estereótipo que descreveremos refere-se ao fabrico de refrigerantes pelo comércio armazenista local de mercearias. Servimo-nos, para simples descrição, da Moreno & Antunes L.da, em Ferreira do Alentejo, registada em 1947 para a “torrefacção de cafés e análogos, com fábrica de refrigerantes e licores”74. Também neste caso estamos perante um estabelecimento que empregava 3 indivíduos, 1 motor eléctrico de 1,5 c.v., 1 saturadora e 3 enchedoras de gasosas, de pirolitos e de laranjadas que, porém, usava água da rede. Em Novembro de 1951, estas instalações foram seladas por razões higiénicas que envolviam a própria concepção do projecto anteriormente aprovado. Porém, esta secção foi cancelada somente em 196375.

126A situação do comércio e armazém de mercearias, em Abril de 1953, era a seguinte:

Valor das instalações:

80 contos

Produção:

Pirolitos, laranjadas, licores e xaropes

Matérias-primas:

Açúcar, pasta de laranja e óleo de limão nacionais. Óleos essenciais provenientes da Holanda, etc.

Equipamentos (torrefacção e refrigerantes):

1 Torrador de bola de fabrico nacional 400/500 kg em 8 horas; 1 moinho nacional, 1 saturador Regina (alemão) e 3 máquinas de encher com capacidade para 7/8.000 garrafas em 8 h

Força-motriz:

3 motores eléctricos com potência de l,5 cv

Emprego:

2 homens, 2 mulheres e 1 menor

Regime de laboração:

Torrefacção e licores-trabalhava todo o ano a 8 h/dia; Refrigerantes-7 meses.

4.3.3. A torrefacção de café

127Tal como sucedia com a indústria das bebidas refrigerantes, a torrefacção de café foi uma actividade que não estava condicionada (sujeita ao regime do condicionamento industrial), aparecendo frequentemente associada, como acabámos de ver, aos negócios de mercearias. O registo mais antigo datava de 1921 e o incremento nesta actividade manteve-se relativamente baixo até aos anos ’30. Efectivamente, foi só a partir de 1938, na fase final da guerra civil de Espanha, que a actividade ganhou novo impulso. A tendência para a alta manteve-se até 1950, com picos acentuados em 1944 e 1946 (figura 4.15).

128Por outro lado, os cancelamentos só ganharam alguma expressão a partir dos anos ’50. A tendência para o aumento de cancelamentos arrasta-se até os princípios dos anos ’60, verificando-se picos em 1953, 1955, 1958 e 1962. Esta foi uma década de prosperidade verificando-se um nível muito baixo de cessação de actividades até ao início da década de ’70 (figura 4.16). Ao contrário do que sucederia com a indústria dos refrigerantes, o movimento de concentração industrial que os cancelamentos indiciam foi grandemente favorável à região que viu crescer, em Campo Maior, importantes empresas especializadas de base familiar.

Figura 4.15 – Registo da actividade de torrefacção e moagem de café na área da 4.a CI no período 1922-1952

Figura 4.15 – Registo da actividade de torrefacção e moagem de café na área da 4.a CI no período 1922-1952

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

Figura 4.16 – Cancelamento da actividade dos estabelecimentos de torrefacção e moagem de café na área da 4.a Cl registados no período 1922-1952

Figura 4.16 – Cancelamento da actividade dos estabelecimentos de torrefacção e moagem de café na área da 4.a Cl registados no período 1922-1952

Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).

Figura 4.17 – Distribuição geográfica (por concelhos) da actividade de torrefacção e moagem de café na área da 4.a Cl registada no período 1922-1952

Figura 4.17 – Distribuição geográfica (por concelhos) da actividade de torrefacção e moagem de café na área da 4.a Cl registada no período 1922-1952

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

Mapa II – Torrefacção e moagem de café na área da 4.a C.I. (1922-1950)

Mapa II – Torrefacção e moagem de café na área da 4.a C.I. (1922-1950)

Fonte RTN

129A distribuição geográfica mostra-nos uma actividade de registo muito desigual na região. Constituíram centros de implantação preferencial as urbes próximas da raia de Espanha como Campo Maior (com 25 registos), Elvas (16), Estremoz (12) e os maiores centros urbanos (Évora e Portalegre) (mapa 11).

  • 76 DRME-Processo 2.388 da 5.a circ. ind. (depois 6.876 da 4.a circ. ind.). Alvará 28448 de 5/3/1943 So (...)

130A proximidade do público urbano consumidor dava lugar à criação de sucursais. A Barquinha & Barros, L.da, estabelecida em Beja em 1943, não passava duma indústria filial da sociedade de Vila Franca de Xira76. De acordo com a Memória Descritiva, “o objecto desta instalação visa a que o café seja torrado, lotado e moído em local para venda imediata ao público e acompanhando as necessidades do consumo”.

131A produção média de café e misturas andaria nos 900 ou 1000 kg em 8 horas, sendo o café colonial comprado a negociantes de Lisboa.

  • 77 V. DRME – Processo 6.940 da 4.a CI. Alvará 37.261.
  • 78 No proc. cit.

132Contudo, era o mercado espanhol o principal responsável pela investimento nesta área, como ficou patente no processo de José Cláudio Gastão para montar, em Moura, uma torrefacção77. De acordo com o seu “estudo prévio” existiam, em 1948, 126 torrefações de cafés das quais apenas 1 se situava no distrito de Beja, o que ficaria explicado pelo facto da população do Baixo Alentejo ser “de baixo rendimento, segundo nos consta”78. A fábrica, instalada num edifício amplo, com 3 pisos, composto pela associação de vários prédios, dispunha de 2 torradores esféricos com capacidade de 60 kg cada, 2 torradores a ar quente, 2 moinhos mecânicos, 2 motores diesel de baixa potência e empregava 10 trabalhadores. Contava realizar um investimento inicial de mil contos e adquirir um camião com capacidade de carga de 3 a 5 toneladas para ser operado por 4 pessoas.

  • 79 DRME – Proc. 2.106 da 4.a CL
  • 80 Alvará 17349 de 24/11/1930 (D.G. 300, 2.a série de 24/12/1930).

133Longe desta escala de operações encontravam-se sociedades de comércio local como a Mendes, Meira & Niza, L.da que, de acordo com o timbre da firma, se dedicava ao comércio de mercearias, drogas e ferragens, louças e vidros, papelaria e artigos de escritório em Estremoz79. O licenciamento, realizado em 1930, revela uma escala de operações modesta: um simples torrador, accionado por um motor eléctrico de 2 c.v. que ocupava um único operário80. A “secção” seria depois aumentada em 1937 e em 1939.

  • 81 DRME – Proc. 3887 da 4.a CI. Alvará 30.477 de 9-7-1946
  • 82 DRME – Proc. 463 da 4.a CI. Alvará 8582 de 1.Jul.1926

134Também nesta cidade Eduardo de Carvalho associou a torrefacção e moagem de café, ao cacau e fabrico de chocolate em pó, actividade que, em 1940, empregava apenas 2 operários81. Em Évora, também a já referida firma de António Anselmo Dias, estabelecimento fundado em 1876, aparecia registada nas modalidades de torrefacção de café, cevada, cacau e milho, fabrico de amêndoas e chocolates82. Em 1946 começou igualmente a fabricar licores.

  • 83 DRME – Proc. 4178 (RILEI 4/1170) da 4.a Cl. Alvará 30446 de 9-7-1946. Este processo teve início com (...)

135Idêntica diversidade encontramos, também em Évora, na António Mira Vidigal (mais tarde António Mira Vidigal & Filho L.da) cujo processo dos Armazéns Titan se referia a um estabelecimento de “torrefacção e moagem de café, fabrico de chocolate em pasta e em pó, pastelaria com forno, confeitaria, fabrico de licores (sem destilação) e fabrico de amêndoas e rebuçados”83. O estabelecimento que, em 1940, empregava apenas 5 operários diversificou a sua produção a partir de então. Em 1949, começou a fabricar chocolates, em 1954, bolos e, no ano seguinte, amêndoas doces e rebuçados. Quando, em 1956, começou a fabricar licores, empregava mais de 18 pessoas. Depois, estes “armazenistas de mercearias”, a partir de 1960, entraram no negócio da confeitaria e das bolachas.

  • 84 DRME – Proc. 3591 da 4.a CI. Alvará 27.554 de 1.7.1940

136Também na Fomento Eborense L.da, empresa fundada em Novembro de 1930, encontramos torrefacção de café associada a actividades tão diferentes como o fabrico de gelo, o fabrico de doces, rebuçados, amêndoas, xaropes e licores84. O requerimento de 1936 indicava apenas 2 operários, 1 motor a óleos pesados, 2 motores eléctricos, 1 máquina de fazer gelo, 1 torrador, 1 moinho para café e 3 bacias para fabrico de amêndoa. Em 1942 começou a fabricar rebuçados e, quatro anos depois, amêndoa doce e licores. A situação da empresa, em Março de 1949, pode ser sistematizada da seguinte forma:

Capital social:

80 contos (sociedade por cotas)

Valor das instalações:

2.000 contos

Transportes:

Caminhos de ferro e camionagem

Infra-estruturas:

Poço próprio. Esgotos e água da rede pública.

Trabalhadores:

9 homens e 54 mulheres (mais 119 mulheres serventes adventícias).

Força motriz:

1 motor a óleo com 42 c.v.; 11 eléctricos com 24,5 c.v.

Máquinas (principais):

Torrador de café com capacidade para 480 kg/8h; máquina frigorífica produz 2 ton. de gelo em 8 h.

Matérias-primas:

Açúcar, café, amendoim colonial; miolo de amêndoa, marmelo, chicórea, glucose, cevada, grão preto do continente; e açucar do Brasil e do Perú.

Produção:

Gelo, marmelada, amêndoa, café, rebuçados, cafés, amendoim.

Regime:

Trabalha todos os meses

137Em meados da década de ’60, a Fomento Eborense, talvez a maior empresa armazenista alentejana, produzia ainda pastilhas elásticas, drops, caramelos e aniz escarchado.

138Ao contrário do que sucedia nestes estabelecimentos orientados para o fabrico de produtos de marca diversificados e destinados aos mercados regionais e nacional, os estabelecimentos de Campo Maior nasceram especializados na torrefacção. A prosperidade de alguns destes empreendimentos foi um fenómeno relativamente recente e extravasa o âmbito cronológico do nosso inquérito.

  • 85 DRME Proc. 4.756 da 4.a CI. Alvará 37.118.

139Um dos casos que importa descrever diz respeito à Torrefacção Camelo L.da. O processo teve início em 1948 com a transferência da casa do pequeno industrial José Luís Solas para a vila Campo Maior. No ano seguinte, a “fábrica” foi adquirida por António Azinhais Nabeiro e, em 1951, mudou de mãos novamente85. Do que estamos a falar? Tratava-se dum barracão com dimensões idênticas a uma vulgar casa de habitação, localizada em zona recuada em relação à rua e à linha de casas que dava forma a um dos quarteirões do Bairro Operário. Três pequenas divisões sucediam-se a partir da entrada, sendo as 2 primeiras destinadas a armazém e a última às máquinas: 3 torradores com 230 kg e 1 moinho. Em anexo, uma serração de madeiras era usada para a embalagem dos produtos (secção cancelada em 1951). Só em 1950 foi feito um projecto de uma planta industrial: um armazém iluminado e arejado através da cobertura, com paredes altas e de mediana dimensão. Em 1954, o estabelecimento, avaliado em 400 contos, empregava 3 motoristas, 11 homens, 22 mulheres e 4 empregados de escritório e tinha uma capacidade de produção em 8 h estimada em cerca de 2 toneladas. Finalmente, em 1958, o estabelecimento passou para a firma Torrefacção Camelo, L.da. Nova ampliação das instalações teria lugar em 1967/8.

4.4. As fibras têxteis e os seus fabricos

140A indústria fabril, na área dos têxteis, estava limitada à fábrica de Portalegre e, por isso, numa visão de conjunto, o sector era caracterizado pelas actividades artesanais ou manufactureiras diversificadas, ligadas à lã e às fibras têxteis, porém, de fraca expressão numérica. Na maior parte dos casos, tratam-se de actividades circunscritas a algumas localidades, sintoma ora da presença de circuitos de distribuição regional, ora de actividades residuais (cf. tabela 4.12).

141A cordoaria, por exemplo, limitava-se a Évora (com 5 registos), a Montemór (1) e a Alcácer (1). As oficinas, registadas quase todas em nome individual entre 1934 e 1951, empregavam entre 1 a 14 trabalhadores. Os cancelamentos foram particularmente incisivos na década de ’50. Começaram em 1951 e arrastaram-se até 1972. Estaremos perante uma “actividade residual”? Será este o resultado da longa decadência duma actividade que, no passado, teria tido maior expressão? Nada o indica. O Inquérito Industrial de 1890 registou apenas 6 oficinas para todo o Alentejo, em Évora, Estremoz, Elvas e Serpa que ocupavam, no total, 17 pessoas. Se, em algumas destas localidades, esta indústria desapareceu, foi porque se concentrou em Évora, em oficinas maiores, de natureza “mais capitalista”, apesar do seu aspecto arcaico. Também no que respeitava à colchoaria, ela aparecia limitada a 4 oficinas em Vila Viçosa (2), Évora e Alcácer. Mas em 1890 contaram-se apenas 3 estabelecimentos para todo o Alentejo, dois em Évora e um em Portalegre, que empregavam 5 pessoas.

142As 18 oficinas de canestreiro, registadas entre 1927 e 1939, apareciam quase todas na freguesia de Ribeira de Niza (Portalegre). Não empregavam mais do que 3 pessoas e, aparentemente, foram canceladas todas nos anos ’30, pouco tempo depois de serem registadas. O fabrico de cestos, registado no período 1922 e 1940, existia em Évora (3), Portalegre (3), Marvão (2) e Estremoz e era feito em oficinas de idêntica dimensão. O seu número, em 1890, era superior: 41 estabelecimentos no Alentejo, a maioria dos quais em Portalegre (24) e em Marvão (10). Também em Marvão se fazia o fabrico de objectos em vime (4 oficinas), uma actividade que também encontrávamos, isolada, em Estremoz (1) e Évora (1).

143Comparativamente, as oficinas de espataria estavam mais dispersas. Existiam em 8 concelhos, sendo os mais representativos, Elvas, Estremoz, Évora e Sousel. O estabelecimento mais antigo datava de 1917 e os 14 registos arrastaram-se até 1950, marco que abre a década dos cancelamentos. Em 1890, temos notícia de 8 oficinas que ocupavam 9 pessoas em todo o Alentejo. Assim, no que respeitava a este artesanato, o balanço até à década de 1950, relativamente aos finais de Oitocentos, não foi desfavorável à região.

Tabela 4.12 – Distribuição geográfica das indústrias têxteis e anexas registadas na área da 4.a CI 11922-19121

Tabela 4.12 – Distribuição geográfica das indústrias têxteis e anexas registadas na área da 4.a CI 11922-19121

* situação à data de registo (1923).
Legenda e fonte: v. tabela 4.9.

144No que respeita às lãs, o renascimento da manufactura de tapetes em Arraiolos e os novos fabricos em Portalegre deram origem a oficinas de “média” dimensão de natureza capitalista. Empresas como a de Jacinta Leal Rosado (1920), empregavam, em Arraiolos, 30 trabalhadores. Outras, como a Fábrica Nacional de Tapetes de Arraiolos, L.da ou a M. J. Pinto Xavier & C..a Lda registaram-se com apenas 8. Em Portalegre, destacou-se a Tapetes de Portalegre, L.da que, como vimos, funcionou integrada na fábrica de lanifícios (v. supra, cap. 3). Finalmente, referiremos no Alcorrego (concelho de Avis), a Sociedade Fabril Alentejana L.da.

145Embora o registo mais antigo date de 1920, foi a partir dos anos ’30 e, principalmente, nos meados da década de ’40 que ela ganhou maior incremento. Tal evolução é análoga ao das “oficinas mecânicas de tecelagem”, com registos em Portalegre, no Gavião e em Reguengos (3). Destacava-se nesta actividade a Sedas de Portalegre L.da que, em 1929, empregava 22 pessoas.

146O balanço do têxtil da lã no período 1890-1957, avaliado pelo confronto entre os elementos fornecidos pelos inquéritos industriais, revela-se um exercício complexo e de resultados contraditórios, pois estamos perante actividades de natureza distinta e que, por isso, obedeceram a ciclos produtivos diferentes. Assim, se na zona de Évora - Arraiolos - Reguengos se pode falar num “renascimento”, embora com resultados sociais limitados, nos concelhos do Campo Branco (Baixo Alentejo) foi o fabrico de mantas alentejanas (esse verdadeiro sector proto-industrial tardio) que, “invisível” no Inquérito de 1957, acusava o seu irremediável declínio (tabela 4.13). Também no Gavião e em Marvão ocorreu semelhante processo com a indústria doméstica. No que respeitava à actividade fabril, em Portalegre, vimos já como ultrapassou as conjunturas difíceis dos anos de 1890 e de 1930 e se adaptou a novas tecnologias, cresceu e diversificou, mudando nesse trajecto os seus protagonistas principais.

Tabela 4.13 – Indústria de fiação e tecelagem da lã no Alentejo em 1890 e em 1957

Tabela 4.13 – Indústria de fiação e tecelagem da lã no Alentejo em 1890 e em 1957

Fontes: Inquéritos Industriais de 1890 e de 1957.

147Assim, apenas no caso da indústria do linho, que tinha alguma expressão em 1890 em Niza (46 oficinas) e no Baixo Alentejo (Almodôvar, 89 oficinas; Aljustrel, 20; Beja, 9) se pode falar em verdadeira extinção. Efectivamente, estávamos perante uma actividade doméstica que sobreviveu, em ambiente pré-capitalista, até ao momento em que encontrou aplicação na sacaria, nos finais do século XIX – um produto que sofreu forte concorrência das fibras coloniais.

4.5. Os curtumes e as indústrias associadas

148Analisamos nesta rubrica, para além da indústria de preparação de couros e de peles, as correarias e as oficinas de albardeiro, estas últimas muito dependentes, tal como o ofício de cabresteiro, do uso da tracção animal no transporte e na lavoura. Como ocorreu até aqui, a análise do RTN incidirá sobre a área da 4.a CL Tentaremos depois tipificar alguns destes estabelecimentos a partir dos processos instaurados na área do Alentejo. Finalmente, faremos o balanço, confrontando os elementos quantificados pelos inquéritos de 1890 e de 1957, à luz dos elementos qualitativos e quantitativos compulsados.

Tabela 4.14 – Distribuição geográfica das indústrias de curtumes, de correeiro e de albardeiro registadas na área da 4.a CI (1922-1952)

Tabela 4.14 – Distribuição geográfica das indústrias de curtumes, de correeiro e de albardeiro registadas na área da 4.a CI (1922-1952)

Fontes e legenda: v. tabela 4.10.

149O estabelecimento mais antigo registado na indústria dos curtumes data de 1737, sendo o seguinte de 1884. A partir de 1907, a série cronológica é mais regular registando-se picos em 1924, 1930, 1945 e em 1949-1951 (figura 4.18). Perto de metade destas actividades foram canceladas a partir de 1938, sendo particularmente importante 1952 e o período situado entre os finais da década de ’50 e o início da década de ’60 (figura 4.19). Os registos recaíram sobre 19 concelhos ou 39 freguesias, sendo os centros mais importantes Évora (14 casos), Estremoz (10), Elvas (8), Redondo (7), Montemor (7), Vila Viçosa (6). Esta geografia industrial sugere uma dependência estreita desta actividade do volume de abate nos matadouros locais. Efectivamente, a exportação de animais vivos para os grandes centros de consumo e, em especial, para a região de Lisboa não terá favorecido o aparecimento de núcleos de curtimenta.

  • 86 V. Picão-1983, Amaral-1941, Andrade-1941, Barros-1934, Caldas-1991, Raposo-1974, Brito et al. (1996 (...)

150Do mesmo modo, as transformações que estavam a ocorrer na lavoura alentejana nos finais de Oitocentos conduziram à substituição do gado bovino como animal de tracção pela mula, um animal mais rápido e versátil, e pelo vapor, com a debulha mecânica86. A expansão cerealífera, se contribuiu para a redução do gado grosso manadio, teve, por outro lado, reflexos positivos no aumento dos efectivos dos pequenos quadrúpedes (Andrade-1941). Deste modo, o eventual declínio da actividade exportadora de couros de bovinos foi compensado pela actividade em torno das peles de ovinos, com ampla aplicação no vestuário rural alentejano. Ou seja, o crescimento desta actividade foi orientada para o consumo regional e, nessa medida, o aumento da população rural terá representado um estímulo importante.

Figura 4.18 – Evolução da actividade de curtumes (estabelecimentos registados entre 1922 e 1951 na área da 4.a CI)

Figura 4.18 – Evolução da actividade de curtumes (estabelecimentos registados entre 1922 e 1951 na área da 4.a CI)

Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).

Figura 4.19 – Evolução dos cancelamentos da actividade de curtumes registada entre 1922 e 1951 na área da 4.a CI.

Figura 4.19 – Evolução dos cancelamentos da actividade de curtumes registada entre 1922 e 1951 na área da 4.a CI.

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

  • 87 DRME - Processo 436 (4/3234) da 4.a CI. Alvará 6564 de 9.Maio. 1925 no D.G. 173, 2.a série de 25.7. (...)

151Alguns processos esclarecem-nos sobre a natureza destes estabelecimentos e a sua evolução no período. Um dos casos que mereceu atenção foi o estabelecimento de Nunes & Costa Lda, sociedade de Estremoz. O requerimento de 1924 solicitava um “alvará de licença para explorar no quintal da residência dos sócios (...) um estabelecimento de curtimenta de peles a pedra de hume”87.

152O desenho da planta revela-nos uma casa de habitação rural, sem janelas, que se desenvolvia em profundidade, onde se encontram as cavalariças, a casa das galinhas, ao lado duma pequena latrina e, sob um alpendre que dava para um quintal, 2 pequenos tanques de curtimenta. Segundo declarava, não trabalhava durante todo o ano e curtia apenas um pequeno número de peles de borrego e de ovelha. O seu estabelecimento comercial, um armazém, era de cabedais e solas que comprava já curtidas. Pouco depois, a Nunes & Costa deixou (aparentemente) de exercer qualquer indústria. Em 1936, com a dissolução da sociedade, a indústria passou a ser explorada por Francisco Martinho Costa, outro industrial e comerciante de Estremoz. Era agora referida a presença de 3 homens, 5 tanques de cimento armado, 3 potes de barro e 1 moinho de pedra para moer entrecasco. Em 1940, o estabelecimento voltou a mudar de mãos, passando para outro peleiro local. Em 1936, o novo proprietário esclareceu a entidade reguladora do sector, a Junta Nacional dos Produtos Pecuários, sobre a sua actividade desta forma:

  • 88 Ofício de João Augusto Marchante, presidente da J. N. dos Produtos Pecuários ao Sub secretário de E (...)

“A pequena unidade fabril de curtumes de que é possuidora a firma atrás aludida, dedica-se, principalmente, ao fabrico de curtidos de ovinos e de caprinos, e só acessoriamente e quase sempre por encomenda da lavoura-como de resto é norma na generalidade da indústria de curtumes do distrito de Évora – à curtimenta de couros e de peles de outras espécies provenientes de animais que morrem nas suas casas agrícolas, sendo os produtos curtidos utilizados em arreios, tractores, debulhadoras, etc.”88.

153Em 1951 foi-lhe negada a possibilidade de legalizar 2 potes de curtir com capacidade para 400 litros, com base no argumento de que estava em curso a “reorganização” do sector pela Comissão Reorganizadora das Indústrias.

  • 89 DRME-Processo n.° 1.204 da 5.a CI / Proc. 7.183 da 4.a CI / Proc. Rilei 4 / 1635. Alvará de 15.909 (...)
  • 90 Bilhete postal de Serpa de 1-10-1949 à 5.a CI no proc. cit.

154A oficina de curtimenta de peles de Manuel Henrique Chorão, em Serpa, registada com 5 operários em 1927, empregava em Janeiro de 1938 apenas 1 homem e 3 mulheres, entre Julho a Setembro89. O seu equipamento era constituído por uma roda de pedra para moer casca de azinheira e sobreira movida por uma muar, 1 ferro para descamar peles e 1 ferro para puxar peles. “Trabalha com peles de ovelha, cabra, porco e cavalar. Fabricam-se também algumas peles de cão, de vitela, de raposa mas são muito poucas porque só de vez em quando aparece uma de freguês”90. Em 1959, quando foi visitado, dispunha de 15 tanques de curtimenta e 1 pote.

  • 91 DRME – Proc. 1205 da 5.a CI / Proc. 7.184 da 4.a CI / proc. Rilei 4/1636. Alvará 15.910 de 8.Jul.19 (...)
  • 92 Ofício da firma Domingos António Janeiro, Serpa ao chefe da 5.a CI, em 2.Out.1949 no proc. cit.

155Em Serpa, outro estabelecimento trabalhava, em 1949, com “peles de ovinos para fabrico de carneiras”, “coiros de cavalos para usos industriais”, “peles de ovinos com lã e de cabra para fabricar seifões regionais”91. Segundo afirmava, “o meu fabrico é mais curtir peles para fabricar seifões regionais. Carneiras e coiros fabrico muito pouco, quase nada”92. Nele trabalhava apenas 1 operário e o proprietário. O seu equipamento constava de 1 moinho para casca, de tracção animal, e de 12 tanques.

156A situação destes estabelecimentos era tão precária quanto a situação económica dos seus artesãos proprietários. Em 1941, no meio das dificuldades vividas com a guerra, o proprietário deixara de pagar contribuição industrial durante dois anos, levando os serviços a querer cancelar o alvará. Em ofício dirigido ao Ministério da Economia, o chefe local dos serviços industriais dizia que

  • 93 V. ofício no proc. cit.

“Ana Palma Sota, de Serpa, tem sido avisada desde 1939 para pagar o selo anual do seu alvará, que continua em dívida. É de admitir que os proprietários de estabelecimentos miseráveis como este, desde que se atrasem no pagamento de alguns anos, já não podem pôr-se em dia e assim esta Circunscrição é de parecer que se anula a multa e se procure receber singelamente o emolumento anual, dentro das possibilidades da requerente”93.

  • 94 DRME – Proc. 4698 da 4.a CI. Req 7-5-1948
  • 95 Folha de inquérito de 13.Mar.1953.

157O mesmo tipo de “fábricas” encontramos na cidade de Évora, como se percebe no estabelecimento de Custódio José Machado, situado no Bairro do Escusa-Sacos (freguesia da Sé), transferido para aí, em 1943, de São Matias94. A “fábrica de curtimenta de peles para agasalhos e carneiras” empregava 3 operários e dispunha de 4 tanques para curtimenta, 2 tanques para águas e 1 moinho para moer casca. De acordo com a folha de inquérito preenchida em 1950, os produtos eram vendidos em feiras e mercados na região. A sua economia pode ser sistematizada assim95:

Valor das instalações:

40 c. (1953).

Equipamento:

9 tanques de curtimenta, 1 pote + 5 tanques e 1 pote.

Emprego:

2 homens (curtimenta) e 4 mulheres (fabrico de safões), 1 aprendiz.

Consumo:

4.391 peles de ovinos; casca de sobreiro 4,75 ton.; azinho 3 ton.; óleo de peixe, 150 kg; extracto de minerais, 150 kg.

Produção:

carneiras: 3.056 unidades; safões e plicas: 1.250.

Capacidade de laboração:

9 carneiras e 31 pares de safões ou plicas.

Regime de laboração:

Trabalha de Julho a Setembro e em Outubro só para o fabrico de safões.

Tabela 4.15 – Distribuição por concelhos e sub-regiões dos estabelecimentos e emprego nas indústrias de curtumes no Alentejo em 1890 e em 1957

Tabela 4.15 – Distribuição por concelhos e sub-regiões dos estabelecimentos e emprego nas indústrias de curtumes no Alentejo em 1890 e em 1957

Fonte: Inquéritos industriais de 1890 e de 1957.

158Desta forma, a produção de carneiras e de peças de vestuário como os safões e as pelicas combinavam-se na actividade destes estabelecimentos cuja actividade, embora sujeita à disciplina do condicionamento, estava limitada aos mercados regionais. O confronto entre os dados do Inquérito de 1890 e o de 1957 revela um aumento generalizado destes estabelecimentos, um pouco por toda a parte.

Mapa 12 – Fabricantes de curtumes na 4.a CI (1922-1950)

Mapa 12 – Fabricantes de curtumes na 4.a CI (1922-1950)

Fonte: RTN

159Os estabelecimentos de correeiro receberam um registo diferenciado. O mais antigo que foi identificado datava de 1908 e respeitava à firma Bento Fialho Prego & C.ia, em Évora. A série revela uma tendência para um aumento constante até 1925, caindo nos anos seguintes. Após uma breve recuperação nos finais da década de 1920, o nível de registo manteve-se baixo até finais dos anos ’40 (figura 4.20). O crescimento nos finais dos anos ’50 parece explicar-se mais pela substituição de alvarás, pois nessa data regista-se igualmente um número elevado de cancelamentos.

160Os cancelamentos desta actividade começaram na década de 1930 e prolongaram-se pela década seguinte num movimento de baixa intensidade (com excepção do ano de 1933) (cf. figura 4.21). A maioria dos cancelamentos verificaram-se, pois, no início da década de ’50 e em 1964.

Figura 4.20 – Registo de estabelecimentos de correeiro na 4.a CI no período 1922-1952 por data de fundação declarada

Figura 4.20 – Registo de estabelecimentos de correeiro na 4.a CI no período 1922-1952 por data de fundação declarada

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

Figura 4.21 – Cancelamentos da actividade de correeiro nos estabelecimentos registados na 43 CI no período 1922-1952

Figura 4.21 – Cancelamentos da actividade de correeiro nos estabelecimentos registados na 43 CI no período 1922-1952

Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).

161Na maioria dos casos estamos perante pequenas firmas comerciais registadas em nome individual, nas quais a actividade industrial decorria de forma subsidiária (ou que tinham evoluído neste sentido). Deste modo, o cancelamento da actividade industrial não significava necessariamente o fim da actividade comercial das firmas cujo mercado era sobretudo de âmbito local ou sub-regional.

4.6. As indústrias do vestuário e do calçado

162As indústrias de vestuário e do calçado permaneceram, até finais dos anos ’50, como indústrias oficinais de mão-de-obra intensiva especializada. Na área da 4.a CI encontramos registos referentes ao vestuário nas actividades de alfaiataria, modista de vestidos, chapelaria e barretes.

163No domínio do vestuário, distinguiam-se as sapatarias dos fabricantes de calçado, bem como o fabrico de alpergatas. Embora se tratassem quase sempre de estabelecimentos de pequena dimensão, a natureza da actividade era, por vezes, bem distinta. No caso das alfaiatarias, modistas e sapatarias, a actividade comercial associava-se ao ofício no estabelecimento. Ou seja, não estávamos, como sucedia com o fabrico de alpergatas, de barretes e de sapatos, perante estabelecimentos vocacionados essencialmente para a produção. Por esta razão, o registo deve-nos colocar de sobreaviso para a existência de muito trabalho doméstico oculto que era alimentado pelas lojas de modas e fazendas, sempre irregular, pouco visível e, por isso, de difícil quantificação.

164A maioria destas classificações foram usadas no Inquérito Industrial de 1890 e, por isso, é fácil perceber a evolução destas actividades durante o período em análise. Em quase todos os concelhos aumentou o número de estabelecimentos e de trabalhadores, o que não deixa de traduzir um padrão de crescimento que acompanha o aumento da população rural e urbana. Efectivamente, numa época em que o pronto-a-vestir e o pronto-a-calçar ainda não se tinham generalizado, e em que se afirmaram modelos regionais de vestuário e de calçado, estas actividades caracterizavam-se pela proximidade dos consumidores, pela associação entre o comércio e a indústria, pelo recurso intensivo à mão-de-obra especializada no ofício e por baixos níveis de empate de capital em equipamentos. Alguns destes estabelecimentos ancoraram-se em produtos especializados ao gosto regional, que não temiam a concorrência do exterior, como era o caso, por exemplo, dos célebres capotes alentejanos.

Mapa 13 – Oficinas de sapateiros e fabrico de calçado na área na 4.a C.I. (1922-1950)

Mapa 13 – Oficinas de sapateiros e fabrico de calçado na área na 4.a C.I. (1922-1950)

Fonte: RTN

165A associação entre o comércio e o ofício tornavam as alfaiatarias estabelecimentos urbanos que encontramos registados em todos os concelhos. O maior número encontrava-se em Niza (56), seguido de Évora (32), Móra (23), Gavião (17), Portalegre (19), Ponte de Sor (16), Estremoz, (15), Montemor (15), Elvas (14) e do Crato (14). A par da evidente relação entre a dimensão das urbes alentejanas e o número de estabelecimentos, encontra-se também alguns centros especializados cuja origem poderá eventualmente relacionar-se com a antiga presença de cristãs-novos em alguns daqueles centros. Embora na maioria dos casos estejamos perante estabelecimentos que ocupavam entre 1 a 5 pessoas, podemos identificar algumas oficinas de média dimensão em Elvas (18 e 16 pessoas), em Alcácer, Évora, Estremoz e Redondo (locais onde trabalhavam mais de 10 pessoas).

Tabela 4.16 – Distribuição geográfica das indústrias de vestuário e calçado registadas na área da 4a CI (1922-1952)

Tabela 4.16 – Distribuição geográfica das indústrias de vestuário e calçado registadas na área da 4a CI (1922-1952)

* não consideradas 5 lavandarias e I algibebe
Legenda e fontes: v. tabela 4.9.

166Em termos cronológicos, o registo mais antigo data de 1881. A partir dos princípios do século verificou-se uma tendência para um crescimento ligeiro, muito acentuado a partir de 1927 e até 1932. Outros dois picos verificam-se em 1935 e em 1939, data a partir da qual o número de registos caiu sucessivamente situando-se nos finais da guerra entre 1 e 2 por ano (cf. figura 4.22).

Figura 4.22 – Registo de alfaiatarias na 4.a CI no período 1922-1952 por data de fundação declarada

Figura 4.22 – Registo de alfaiatarias na 4.a CI no período 1922-1952 por data de fundação declarada

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

167A série de cancelamentos revela picos em 1938, 1949 e em 1952-1953. O período que se situa entre os finais dos anos ’40 e os princípios da década seguinte foi, pois, o mais intenso (figura 4.23).

Figura 4.23 – Cancelamento da actividade de alfaiate registada na 4.a CI no período 1922-1952

Figura 4.23 – Cancelamento da actividade de alfaiate registada na 4.a CI no período 1922-1952

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

168Podemos analisar a duração destes estabelecimentos a partir duma amostra de 61 casos em que nos é dada a data de fundação e de cancelamento. Os resultados mostram-nos que, na maioria dos casos, estamos perante estabelecimentos que seguem a vida activa dos proprietários. Cerca de 53% dos estabelecimentos duraram entre 21 e 40 anos e apenas 13% tiveram menos de 10 anos de vida (tabela 4.17).

169As modistas de vestidos foram registadas apenas entre 1934 e 1940 e aparecem somente em 6 concelhos, sendo os centros mais importantes Estremoz (13), Évora (8) e Elvas (6). Tratavam-se de casas que ocupavam quase sempre menos de 6 pessoas. O Inquérito de 1890 indica o fabrico de “roupa branca” como “indústria caseira” em alguns concelhos alentejanos. Tal esteve inteiramente ausente no RTN, sinal provável que se tratava duma indústria que desaparecera com a difusão das máquinas de costura pelas vilas e aldeias.

Tabela 4.17 – Duração dos estabelecimentos de alfaiataria registados na área da 4.a CI entre 1922 e 1952

Número de anos

Registos

Frequência relativa

<=5

5

8,2

6-10

3

4,9

11-20

12

19,7

21-30

20

32,8

31-40

12

19,7

41-50

8

13,1

>50

1

1.6

Total

61

100,0

Fonte: DRME / RTN (cálculos nossos).

170A chapelaria, registada como indústria de chapéus de feltro entre 1935 e 1939, existia em Évora (4 casos), Estremoz (4), aparecendo de forma isolada em Elvas, no Gavião e em Grândola. Houve cancelamentos em 1937-1938, 1939, 1952-1953 e em 1957. Os estabelecimentos ocupavam, no máximo, 5 indivíduos. Dois outros registos de barretes, referentes à oficina dum único indivíduo, revela uma actividade pouco expressiva que se desenrolou entre 1938 e 1961, em Elvas.

171Tal como já indicava o Inquérito de 1890, também no fabrico do calçado podemos encontrar estabelecimentos de mediana dimensão, muito embora na maioria dos casos estejamos perante oficinas que empregavam menos de 5 indivíduos. Em Évora, salientemos os casos de José Francisco Claudino dos Santos, de António Joaquim Mouginho, José Jacinto Tanganho (Sapataria Alentejana) cujas oficinas, fundadas em 1902, 1903 e 1919, empregavam mais de 10 pessoas. A evolução deste negócio revela que o aumento do número de estabelecimentos se traduz numa redução do número de pessoal empregado no fabrico, sinal porventura de que os consertos se tornaram mais importantes do que o fabrico.

172Muito mais numerosos foram os registos de sapatarias, ou seja, de estabelecimentos que também vendiam sapatos fabricados por outros. A distribuição geográfica dos 926 casos revelam a importância de Niza (87), Arraiolos (60), Castelo de Vide (44), Estremoz (58), Portalegre (46), Évora (41), Montemor (40), Mora (49) e Sousel (36). Tal como sucedia com a alfaiataria, sobressai não apenas a relação com a dimensão urbana mas também a importância de alguns antigos centros manufactureiros. Em termos cronológicos a série revela uma tendência de crescimento forte até 1930, mantendo-se em alta, com oscilações, até cerca de 1936, caindo acentuadamente depois (cf. figura 4.24).

173O movimento de cancelamento desta actividade teve início nos finais dos anos ’30, princípios dos anos ’40, sendo mais intenso no início dos anos ’50 e dos anos ’60 (figura 4.25). Ou seja, tudo indica que a concorrência movida pela indústria fabril tenha afectado este sector sobretudo a partir dos anos ’50, já que, tal como sucedia noutros casos, ele pode resistir ancorado em produtos especializados para a população rural ou nos simples consertos. Também neste caso, a maioria dos estabelecimentos terá continuado a operar na sua vertente comercial. Seja como for, estamos perante casas que acompanharam ciclos de vida activa dos seus proprietários. Efectivamente, em 55% dos casos que pudemos apurar, a sua actividade durou entre 21 e 40 anos. Apenas em 7% dos casos a actividade teve menos de 10 anos (tabela 4.18).

Figura 4.24 – Distribuição dos estabelecimentos de sapataria e de fabrico de calçado na área da 4.a Cl registados entre 1922 e 1952 por data de fundação

Figura 4.24 – Distribuição dos estabelecimentos de sapataria e de fabrico de calçado na área da 4.a Cl registados entre 1922 e 1952 por data de fundação

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

Figura 4.25 – Cancelamentos da actividade de sapataria e de fabrico de calçado na área da 4a CI dos estabelecimentos registados entre 1922 e 1952

Figura 4.25 – Cancelamentos da actividade de sapataria e de fabrico de calçado na área da 4a CI dos estabelecimentos registados entre 1922 e 1952

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

174O fabrico de alpergatas aparece registado a partir de 1932 em Portalegre e em Belver (Gavião). Trata-se duma actividade muito localizada, exercida apenas por 3 firmas em nome individual ou em pequena sociedade, que terá desaparecido nos anos ’50. A firma mais importante empregava 51 pessoas em 1935, sendo este número reduzido para 45 três anos depois.

Tabela 4.18 – Duração dos estabelecimentos de sapataria e fabrico de calçado registados na área da 4a CI entre 1922 e 1952

Número de anos

Registos

Frequência relativa

<=5

3

1,9

06-10

8

5,2

11-20

32

20,6

21-30

44

28,4

31-40

40

25,8

41-50

15

9,7

>50

13

8,4

Total

155

100,0

Fonte: DRME / RTN (cálculos nossos)

4.7. As indústrias da madeira e do mobiliário

175Trataremos nesta rubrica das carpintarias, das marcenarias, das serrações de madeiras, da tanoaria e da indústria do mobiliário. Deixaremos por agora de parte as carpintarias de carros, que serão objecto de atenção quando tratarmos das indústrias dos transportes.

  • 2 não incluídas as industrias relativas aos transportes.

Tabela 4.19 – Distribuição geográfica das indústrias da madeira registadas na área da 4.a C.I. (1922-1952)2

Tabela 4.19 – Distribuição geográfica das indústrias da madeira registadas na área da 4.a C.I. (1922-1952)2

Legenda e fontes: v. tabela 4.9.

176Neste sector, as carpintarias foram os estabelecimentos mais numerosos e dispersavam-se por toda a área da 4.a CI. 413 registos efectuados ocupavam perto de 8 centena de trabalhadores e distribuíam-se por 114 freguesias ou localidades. O máximo de ocorrências numa única freguesia foi de 20 estabelecimentos e 51 pessoas (v. tabela 4.18). A razão de tamanha dispersão prendia-se com a natureza assistencial e polivalente da actividade. As carpintarias tanto construíam como reparavam objectos de madeira utilizados nas edificações rurais e urbanas (portas, janelas, armários embutidos, etc.) como serviam ainda para a construção e reparação de peças que compunham as máquinas e os instrumentos utilizados na agricultura. Sintoma da sua flexibilidade, tais estabelecimentos apareciam, em alguns casos, associados à actividade de serração de madeiras, de ferreiro ou de fabrico de mobiliário. Encontramos oficinas de carpintaria tanto nas grandes explorações agrícolas, nos anexos dos montes, como nas grandes empresas industriais e mineiras. E, naturalmente, encontramos as carpintarias como estabelecimentos de ofício nas vilas e aldeias. Por essa razão, na esmagadora maioria dos casos, estamos perante estabelecimentos que empregavam 2 pessoas ou menos. Efectivamente, dos 413 casos assinalados 207 tinham atribuído apenas 1 trabalhador ou menos, 117 dois trabalhadores, 48 três trabalhadores, 29 entre 4 e 6 indivíduos e, finalmente, 11 oficinas empregavam entre 7 a 9 indivíduos.

Mapa 14 – Oficinas de carpintaria registadas na área na 4.a C.I. (1922-1950)

Mapa 14 – Oficinas de carpintaria registadas na área na 4.a C.I. (1922-1950)

Fonte: RTN

177A maioria dos estabelecimentos que identificámos como firmas de carpintaria foram registadas em nome individual ou em sociedade familiar. Servem de exemplo, neste caso, a Filipe Augusto Macedo & Irmão, em Montemor, que empregava 9 trabalhadores (1935-1955), a José António Macora & Filhos, em Évora, com 7 pessoas (1931-1949), a Guerra & Guerra (Irmãos), em Alter do Chão, com 5 pessoas (1928-1938). Noutros casos estamos perante pequenas sociedades como a Carlos M. da Costa & C.ia L.da, em Évora (1900-196?), a Prego, Correia & Gaspar, L.da (Reguengos, 1932-?) ou a Vidigal & Bernado, L.da, em Elvas (1949-?). Excepcionalmente, encontramos sociedades cooperativas como parece ter sido o caso da União de Artistas Reguenguense (1935).

178Ao contrário do que se poderia pensar, alguns destes estabelecimentos mecanizaram-se antes ainda da generalização da electricidade e das máquinas accionadas por pequenos motores eléctricos, movimento que é perceptível a partir de meados da década de 1950. Foi este o caso da “Carpintaria Mechanica Estremocense”, fundada em 1925 e que empregava 7 trabalhadores.

179A distribuição geográfica das carpintarias sugere alguma dependência do urbanismo a par de alguma especialização regional. O “centro” mais importante foi Évora, com 52 casos, seguido por Niza (38), Elvas (32) e Estremoz (24). Portalegre, no entanto, teve apenas 13 oficinas, menos uma do que Sousel (mapa 14).

180A oficina mais antiga identificada nos registos feitos a partir de 1922 foi a de Gilberto Augusto Carvalheira & Irmão, em Évora, que datava de 1870. A série cronológica, porém, revela dois grandes momentos de crescimento na primeira metade do século XX: o primeiro, curto, com início em 1920 e que vai até 1924 (com o pico em 1922); e o segundo, mais prolongado, que inicia em 1927 e se estende até 1946 (com picos em 1932, 1935, 1939 e 1946), com três curtos interregnos: em 1933-1934, em 1941-1942, e em 1944-1945 (cf. figura 4.26). O pós-guerra abre assim um período de menor dinamismo.

181Cerca de 45% das actividades registadas foram canceladas, sendo os momentos mais importantes 1938 (22 casos), 1949 (19), 1952-1953 (52) e 1956-1957 (30) (cf. figura 4.25). Assim, os anos ’50 parecem ter sido decisivos por inverterem a tendência para o crescimento que se assistiu até ao início dos anos ’40.

182A análise da duração da actividade, realizada a partir duma amostra de 65 casos, revela, em comparação com as actividades oficinais anteriores, um peso superior no caso dos estabelecimentos que duraram 10 anos ou menos, muito embora se note que a maioria teve uma duração superior a 20 anos. Por outras palavras, também aqui o ciclo de vida ligado ao ofício parece explicar a duração nos casos identificados (v. tabela 4.19).

183A marcenaria, ao contrário da carpintaria, era uma actividade especializada no fabrico e na reparação de mobiliário. Tratou-se duma actividade orientada para a satisfação duma clientela “burguesa” que, por isso, foi limitada pela capacidade de consumo da população rural e, além disso, sofria com a concorrência dos centros de produção especializada. Não menos importante terá sido a generalização entre as classes populares do mobiliário mais barato em ferro (como as camas) que concorriam directamente com a madeira. Tal como se tornava já perceptível no Inquérito Industrial de 1890, a marcenaria aparecia circunscrita a alguns centros, sendo o mais importante Évora (6 casos), seguido depois por Elvas (3). A capital alentejana acabaria, aliás, por ser bem sucedida na generalização dum estilo de mobiliário – as típicas mobílias de Évora – que ficaria identificado com a região. Entre as firmas orientadas para o fabrico de mobiliário nesta cidade, a maior era a Sociedade de Mobílias L.da, constituída em 1919 e que empregava 10 trabalhadores.

Figura 4.26 – Distribuição da actividade de carpintaria na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952 por data de fundação)

Figura 4.26 – Distribuição da actividade de carpintaria na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952 por data de fundação)

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

Figura 4.27 – Cancelamentos da actividade de carpintaria na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Figura 4.27 – Cancelamentos da actividade de carpintaria na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

Tabela 4.20 – Duração da actividade das oficinas de carpintaria registadas entre 1922 e 1952 na área da 4.a CI

Número de anos

Estabelecimentos

Peso relativo

Menos de 10 anos

14

21,5

II a20

15

23,1

21 a 30

15

23.1

31 a 40

13

20,0

41 a 50

6

9,2

mais de 51

2

3,1

Total

65

100,0

Fonte: DRME/RTN (cálculos nossos).

184Finalmente, encontramos 8 pequenas oficinas de tanoaria, a mais antiga de 1917, em Alcácer, Évora, Reguengos, Elvas, Montemor e Estremoz. Os cancelamentos desta actividade residual começaram em 1938 e arrastaram-se até 1972.

4.8. As indústrias da construção

185Os fornos de cal e as fábricas de telha e de tijolo foram as mais importantes indústrias ligadas à construção, consideradas quer sob o ponto de vista do número de estabelecimentos quer do emprego (tabela 4.21). Em contrapartida, foram escassas as iniciativas ligadas à produção de mosaicos, de materiais cerâmicos para construção ou de artigos em cimento, bem como as oficinas de canteiro, as serrações de mármore e a sua extracção. Trataram-se, nestes casos, de actividades geograficamente mais circunscritas, dependentes quer da existência local de matérias-primas (como foi o caso dos mármores) quer duma procura escassa de bens mais sofisticados. Tem interesse notar, por isso, que encontramos apenas 2 registos de estabelecimentos vocacionados para a espelhagem e biselagem do vidro, iniciativas tardias (pois datam de 1949 e 1950) e circunscritas a Évora.

186Este sector foi assim marcado até muito tarde pelo “tradicionalismo” nas técnicas utilizadas no fabrico, na natureza dos produtos fabricados, bem como nas relações com os restantes sectores.

Tabela 4.21 – Distribuição geográfica das indústrias da construção registadas na área da 4.a CI (1922-1952)

Tabela 4.21 – Distribuição geográfica das indústrias da construção registadas na área da 4.a CI (1922-1952)

Fonte: DRME / RTN (cálculos nossos).

187Os fornos de cal e as fábricas de telha e de tijolo foram actividades geograficamente dispersas, dado que o seu padrão de localização resultava da optimização entre a localização das matérias-primas e a geografia da procura, dados os elevados custos de transporte terrestre. Assim, as quase 3 centenas de fábricas de telha e de tijolo apareciam em 28 dos 32 concelhos que compunham a área da 4.a CI, sendo os mais importantes Évora (25), Ponte de Sôr (20), Grândola (21), Santiago do Cacém (17), Montemor (16), Aviz (17) (cf. tabela 4.21, mapa 15). Não há, pois, uma relação directa entre a dimensão das urbes e o número de estabelecimentos que eram de muito pequena escala. Efectivamente, apenas 22 estabelecimentos empregavam mais de 6 pessoas e o seu regime de laboração era, por via de regra, sazonal. Grande parte deles operava em contexto rural, integrados ou não na economia das grandes propriedades, como se percebe pelo facto de, em 89 casos, a sua localização ficar em herdades ou noutros prédios rústicos. Não admira, por isso, que apareçam igualmente grandes proprietários à frente do registo de tais estabelecimentos.

188As edificações rurais correntes continuavam a utilizar, acima de tudo, os materiais locais abundantes – a taipa, o xisto e a pedra – contribuindo para o fraco consumo do tijolo, material requerido nas construções mais sólidas, nos arcos e abóbadas, enfim, pelas obras de arte. O fraco índice de urbanização traçava o quadro duma procura muito dispersa, irregular e débil, sendo os mercados limitados pelos custos de transporte terrestre duma mercadoria de baixo valor unitário.

  • 96 DRME – Processo 7.028 da 5.a CI. Alvará 26.322 de 7-12-1938 no D.G. 297, II, de 23-12-1938.
  • 97 Requerimento feito em 9 de Abril de 1938 (proc. cit.)

189Alguns exemplos mostram-nos a natureza destes estabelecimentos. O primeiro caso refere-se à “fábrica de produtos cerâmicos (telha e tijolo)” do proprietário de Moura José Miguel Raposo de Oliveira, a qual não passava dum forno de cozer telha mourisca, tijolos, lambases e telheiro, localizado na sua herdade de Barreiros (concelho de Moura), que usava lenha do montado e água do poço96. Localizado a 250 metros da Estrada Nacional e a 9 Km da vila, o forno empregava apenas 2 homens e trabalhava durante 3 meses no verão para o consumo local. Produzia, em 1937, 400 peças diárias. Um novo requerimento feito no ano seguinte explicava o modo de funcionamento desta indústria. Deste modo, o proprietário desejava obter licença dos serviços industriais para a “laboração de um forno em regime de aluguer, como é uso da região, não é para a indústria de conta própria. Pessoal que trabalha no forno é um operário que aluga o forno e que trabalha por sua conta e emprega de rendeiro um ou dois serventuários nacionais, tudo homens”97.

Mapa 15 – Fornos de cal registados na área na 4.a C.I. (1922-1950)

Mapa 15 – Fornos de cal registados na área na 4.a C.I. (1922-1950)
  • 98 V. DRME - Processo 2.840 da 5.a CI. Alvará 27.266 de 28-12-1939.

190Na mesma época, também na “fábrica de telha, tijolo e ladrilho” da proprietária Catarina Rosa Ferreira, que ficava na Estrada do Carmo, na Vidigueira, trabalhavam 2 operários. Segundo afirmava, “não há máquinas. O trabalho é manual usando-se apenas formas de telha, tijolo e ladrilho”98.

191O mesmo tipo de estabelecimento encontramos na “fábrica de telha e tijolo” de Manuel de Brito Sampaio, na Herdade da Repoila, em Serpa. O registo, feito em Setembro de 1939, em nome do proprietário da herdade, afirmava que no telheiro trabalhavam apenas ele e um ajudante. “Duas formas antiquadas em madeira para fabrico de telha e tijolo” e 1 forno com capacidade de 14 m3 era tudo o que havia a anotar deste estabelecimento que nem todos os anos trabalhava.

  • 99 DRME - Processo 7.970 da 4.a CI. V. requerimento de 15.Maio. 1952
  • 100 Veja-se a folha de Inquérito de 12 Abr. de 1953 no proc. cit.

192Já numa época mais recente, a fábrica de telha e tijolo do Dr. Quintino Lopes no Bairro dos Leões (Sé-Évora), instalada em 1952, podia produzir anualmente 100 mil peças (lambaz, tijolos, etc.) e funcionava apenas durante 3 ou 4 meses, no verão, utilizando 3 homens e 1 encarregado99. A actividade dependia tanto da expansão urbana como da reserva local de argilas, razão pela qual o proprietário esperava mudar o estabelecimento ao fim de alguns anos. O estabelecimento não passava dum forno com um barracão anexo que utilizava apenas 1 motor de 2 c.v., formas e carrinhos de mão. Os produtos eram vendidos ao milheiro à boca do forno para o consumo de Évora100.

  • 101 DRME - Processo 8.796 (Rilei 4/463). Fábrica de Telha e Tijolo no Monte Novo, Mora. Alvará 48.776 d (...)
  • 102 V. requerimento de 1957 no proc. cit.
  • 103 Carta autógrafa de Mora, 19 de Junho de 1957 (proc. cit.). (Erros ortográficos corrigidos).

193Podemos acompanhar a evolução destes pequenos fornos de herdade a partir dos finais da década de ’50, seguindo o processo de Joaquim José (1913-?), agricultor do Cabeção que recebera de herança um pequeno prédio rústico com 2 hectares101. Incapaz de se sustentar da lavoura, consegue autorização dos serviços industriais para instalar uma “fábrica de telha e tijolo” em 1956. A fábrica, composta por um forno vulgar com 29 m3 e um barracão com 200 m2, utilizava um moinho para amassar barro movido por um animal, uma prensa manual para fazer telha, outra para tijolo, e empregava uma pessoa e “5 pessoas da família da casa”102. Na altura em que o fiscal ia fazer a vistoria, encontrou o proprietário ausente. Segundo afirmava, tinha sido “pelo motivo de eu ter ido com o meu pessoal ceifar umas searas que tenho tive de parar ali com os serviços do forno porque eu sou pessoa pobre e não tenho posses de fazer o movimento dos meus serviços ao mesmo tempo. Por isso venho fazer um grande pedido a vossa Excelência se poder ser eu agradeço-lhe bastante dar-me mais o mês de Julho para eu ter tempo de fazer o dito forno que já está começado e pôr tudo em condições de vossa Excelência nos vir fazer a visita se não puder ser tanto tempo”103.

  • 104 “Senhor Engenheiro eu e toda a minha família pedimos a Vossa Ex. ia e ao Senhor fiscal pela vossa r (...)

194No ano seguinte, foi instalada uma máquina de fazer tijolo accionado por um tractor de 20 c.v. e mais um forno para cozer tijolo. O proprietário produzia agora 3 qualidades de tijolo para o mercado de Mora, continuando o fabrico de telha a ser manual. Em Fevereiro de 1969, foi constituída a sociedade comercial Joaquim José & Filhos L.da, com sede nas Courelas do Monte Novo, em Mora, tendo por objecto a indústria e o comércio de cerâmica. O pai dava a cada um dos filhos uma cota de 5 contos em capital, reservava para si 30 contos e exigia a sua assinatura em todos os negócios. Foi nesta altura que as exigências colocadas pelo “condicionamento técnico” ameaçaram o encerramento, levando o industrial a apelar aos serviços104. Em vez de fiscalizar simplesmente a qualidade dos produtos fabricados que apareciam no mercado, o Estado exigia investimentos em equipamentos que a escala de operações do pequeno industrial não podia suportar.

  • 105 V. ofício de 6-6-1931. DRME-Processo 2.414 (Rilei 4/491) de Mora. Alvará 19.075 de 27-2-1932.

195Alguns estabelecimentos tiveram características mais “industriais” e, por isso, não tiveram o mesmo tratamento caridoso e compreensivo por parte dos serviços do Estado. Estava neste caso a Cerâmica Pereira, L.da, estabelecimento fundado em 1922 por Domingos José Pereira, comerciante de fazendas e de mercearias também em Móra. Em Junho de 1931, no auge da crise mundial, o administrador do concelho foi intimado pelos serviços industriais a impedir a laboração daquele forno enquanto o industrial não estivesse munido da “respectiva licença”105. Tratava-se de 1 forno com chaminé que dispunha de 1 motor semi-diesel de 10 c.v., 1 laminador mecânico (amassador de barro), 1 máquina de fazer telha e 1 prensa manual, e que empregava, pelo menos, 5 operários. A fábrica ficou, por isso, sujeita ao condicionamento industrial. Quando, em 1933, o industrial declara ter substituído “o motor Nunk de 10 HP por outro Crossely de 23 HP tendo também adicionado mais uma maquina destinada a preparação de barro, tendo vendido o Nunk ao Sr. Manuel Nunes Prates de Montargil”, recebe de imediato a seguinte resposta das autoridades industriais:

  • 106 V. ofício do engenheiro-chefe da 4.a circunscrição, Évora, 27 de Julho de 1933 no proc. cit.

“Em carta datada de 10 do corrente diz V. Ex.a que substituiu o motor de 10 c.v. por outro de 23. É caso para lhe preguntar (sic) quem o autorizou a fazer tal? Queira pois justificar-se e entregar nesta Circunscrição no prazo de 15 dias a contar da data desta notificação, requerimento solicitando a Sua Excelência o Senhor Ministro do Comércio e Industria, autorização a que se refere o art.° 2.° do regulamento sobre o condicionamento das indústrias aprovados (sic) pelo decreto N.° 19.409 de 4/3/1931”106.

196Em 1933, a fábrica de cerâmica empregava já 10 homens e 12 mulheres, tendo sido legalizada aquela acção do empresário. Em 1935 foi montado um novo motor e, em 1942, uma serra circular. O seu comportamento refractário à lei levou-o a ser multado nesta data por ter aumentado a dimensão do forno sem autorização. Nesta altura, a situação do estabelecimento que fabricava ladrilhos e mosaicos era a seguinte:

Valor das instalações:

400 contos (1948)

Emprego:

8 operários (2 mulheres)

Máquinas:

1 prensa revólver alemã com capacidade para 3 mil telhas em 8 horas, 2 prensas manuais para 1200 telhas, 1 fieira nacional para 5000 tijolos, 1 laminador alemão para preparar barros, 1 prensador de tijolo nacional para 600 em 8 horas, 1 serra mecânica para serrar lenha, 1 motor a óleos pesados com 23 c.v., 1 motor a vapor com 6 c.v. nominais (locomovei a funcionar até que lhe fossem fornecidos combustíveis)

Transportes:

Matérias primas chegam por carroças; exportação por caminho de ferro.

Regime de laboração:

Trabalha de Março a 31 de Outubro

Produção:

200 mil telhas, 100 mil tijolos furados, 20 mil tijolos para ladrilhos

Mercados:

o distrito de Évora

  • 107 V. ofício de Domingos José Pereira de Mora, em 19 de Junho de 1967, dirigida ao Director dos Serviç (...)

197As dificuldades em obter combustível durante a guerra levou o industrial a procurar queimar bagaços, serradura de mato e raspas de cortiça, situação que o obrigou a instalar outros motores. Só em 1956 se abateram os maquinismos instalados durante a guerra. Nessa altura existia já um novo forno (instalado no final dos anos ‘40) com dimensão idêntica aos dois anteriores e seis alimentadores mecânicos. A electrificação das operações foi feita apenas em 1963, quando se instalaram 7 motores eléctricos com 88,5 c.v. no total e 1 transformador de 75 kw. Quatro anos mais tarde, quando a concorrência se começava a fazer sentir com a entrada de novos operadores vindos da lavoura, o industrial sentindo-se objecto de fiscalização discricionária, queixava-se agora da liberdade que lhes era dada107.

198Este caso mostra que a proximidade do caminho de ferro e a produção de produtos mais especializados e de valor superior como os mosaicos permitiram o aparecimento de unidades de características mais industriais e que operavam para mercados mais alargados. Contudo, a existência destas unidades não impediu a entrada de estabelecimentos mais arcaicos, como se percebe pela análise dos processos industriais. É, pois, interessante analisar a evolução cronológica dos registos nesta perspectiva.

199O registo mais antigo data de 1891 mas foi a partir de 1902 que se verificaram registos com alguma regularidade. A 1.a fase de expansão ocorreu no período 1920-1924 que se prolongou, em alta, até 1930, após a breve interrupção registada em 1925 (cf. figura 4.28). A partir de 1930, a actividade caiu de forma continuada até 1933. A recuperação ocorre lentamente e com anos de quebra até 1945, ano que registou um aumento súbito importante, logo interrompido nos dois anos seguintes. Enfim, 1948-1950 constituem os últimos anos bons nesta série.

Figura 4.28 – Distribuição do fabrico de telha e de tijolo na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952 por data de fundação)

Figura 4.28 – Distribuição do fabrico de telha e de tijolo na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952 por data de fundação)

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

200A análise dos cancelamentos mostra que eles ocorreram sobretudo a partir dos anos ’50, com picos em 1953, 1958, 1961 e 1966, marcos que porventura assinalam processos de concentração/modernização, na qual a acção reguladora do Estado se fez sentir, como vimos.

201Os fornos de cal seguiram, em certa medida, um padrão de actividade análogo ao dos fornos de telha e tijolo. Estamos perante pequenos estabelecimentos que, por norma, não ocupavam mais do que 4 indivíduos que laboravam de forma sazonal e intermitente e que se dispersavam no espaço rural, de acordo com a localização da principal matéria-prima utilizada. Os fornos de cal aparecem assim em 16 concelhos ou 55 freguesias e lugares na área da 4.a CI, sendo de destacar Santiago do Cacém (23), Bencatel – Vila Viçosa (12), Elvas (17), Aramenha – Marvão (14), Alter do Chão (11), Borba (10) e Sousel (10).

Figura 4.29 – Cancelamentos da actividade de fabrico de telha e tijolo na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Figura 4.29 – Cancelamentos da actividade de fabrico de telha e tijolo na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

Figura 4.30 – Registos de fornos de cal na área da 4a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação

Figura 4.30 – Registos de fornos de cal na área da 4a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação

Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).

202Para além da construção, a cal conhecia igualmente muitas aplicações na agricultura, sendo de salientar a preparação das caldas bordalesas. Não é de estranhar assim que, ao lado de proprietários agrícolas e de firmas familiares, apareça registada A C.ia de Agricultura de Portugal, em Alcácer do Sal. A série cronológica revela picos regulares, quase sempre em cada três anos como se percebe na sequência 1916, 1919, 1922, 1924, 1930, 1934, 1936, 1942, 1945 e 1948 (cf. figura 4.30). Depois de 1924 verificaram-se 3 anos excepcionalmente bons entre 1928 e 1930 e, depois de 1936, 4 anos maus até 1941.

Figura 4.31 – Cancelamentos da actividade de forno de cal na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Figura 4.31 – Cancelamentos da actividade de forno de cal na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).

203A leitura dos novos registos deve ser comparada com a dos cancelamentos (figura 4.31). Esta apresenta picos em 1937-1938, 1949, 1953, 1959-1960, 1964 e 1971 sugerindo-nos que é sobretudo a partir dos anos ’50, graças à generalização do cimento portland e das novas técnicas de construção, que se verificou o fim da era dos fornos de cal.

  • 108 DRME-Processo 4.585 (Rilei 4/1340 Rilei). A legalização da secção dos blocos de cimento foi feita s (...)

204Efectivamente, a partir de 1945 vemos surgir os primeiros estabelecimentos de fabrico de artigos em cimento, pouco numerosos, em Évora, Arronches e Grândola. Naquela cidade, assinalemos as pequenas firmas de Rosaria M. L. de Carvalho, Manuel A. Filipe e Antero da Conceição (1947-1952) bem como a Empresa Eborense de Construção (1950-1952). A análise duma “indústria de blocos de cimento” estabelecida em Évora, em 1953, revela-nos uma pequena oficina na zona urbana, equipada com máquinas-ferramenta utilizadas no trabalho em madeira (garlopa, tupia, plaina, etc.), accionadas por motores eléctricos, e que empregava 12 homens108. Fabricava tubos, vigas e blocos de cimento, mosaicos, caixilharia e móveis para o mercado regional com madeiras que recebia das Beiras e do Ribatejo, cimento e grés que vinha do Outão, tintas de Lisboa, granulado de mármore de Pero Pinheiro e areia que vinha de Elvas. Ao contrário do que poderíamos pensar perante uma lista tão extravagante de fornecedores, a empresa prosperou até 1966, pelo menos, pois nessa altura dispunha de 17 motores eléctricos com 67 c.v. e empregava 21 trabalhadores e 4 pessoas no escritório.

  • 109 Ficava na Travessa da Banha, em Beja. V. DRME – processo 6.917 da 4.a CI. Alvará 30.670 de 5/12/194 (...)
  • 110 Da memória descritiva de 12.Jun.1939 no proc. cit.

205Fora da área da 4.a CI, podemos assinalar a “Fábrica de Mosaicos” de João da Palma, na cidade de Beja, também ela constituída para satisfazer o mercado do distrito a partir de matérias-primas importadas de origem bem distinta109. Fundada em Janeiro de 1939, os mosaicos hidráulicos eram produzidos com cimento que vinha de Setúbal, Leiria ou Alhandra, granito (marmorim) da Póvoa de Santa Iria, cimento branco e tintas metálicas importadas dos E.U.A., Inglaterra e Espanha, e óxido de ferro de origem nacional. Tratando-se duma pequena oficina que não empregava mais do que duas pessoas, a iniciativa não teve dificuldades em obter a aprovação dos serviços do condicionamento, apesar do protesto duma firma estabelecida no Algarve. O seu mercado era o de Beja onde existe um assinalável movimento de construção urbana e em projecto” e poderia ir até “aos concelhos vizinhos onde não existe nenhuma indústria similar montada”110. Servia-se do caminho de ferro e das caminonetas de carga para as mercadorias vindas de fora e da carroça vulgar de tracção animal para os produtos utilizados na confecção. Em 1942, a capacidade de trabalho do estabelecimento tinha triplicado e empregava já 4 pessoas, ou seja, menos dois do que em 1960.

  • 111 ADRME-Processo 6.673 da 4.a CI. (Rilei 4/586). Requerimento deferido ao abrigo do art.° 2.° do dec. (...)
  • 112 No proc. cit.

206Na Vidigueira encontramos também uma fábrica de mosaicos e de artigos de cimento em tudo semelhante à anterior111. Fundada em 1947, a Cerâmica Vasco da Gama L.da empregava apenas 4 pessoas e estava equipada com uma simples prensa hidráulica, uma máquina de blocos de cimento e 1 motor de combustão interna com 1,5 c.v. Com areia da Vidigueira, cimento do Outão, pó de pedra de Pero Pinheiro e tintas compradas em Lisboa, a firma produzia diariamente 600 mosaicos com destino a Lisboa! De acordo com as afirmações prestadas no boletim de inquérito, a firma trabalhava durante todo o ano, “paralisando por falta de cimento ou falta de colocação do material”112. No início dos anos ’50, a firma fabricava, para além de mosaicos, tubos e blocos de cimento.

  • 113 Do timbre da sua firma. V. ADRME-Processo 34-U da 4.a CI (Rilei 4/3241). Ficava na Rua das Alcaçari (...)

207Tudo indica, pois, que o crescimento urbano e a própria malha de povoamento condicionaram o potencial de crescimento destas pequenas iniciativas de âmbito sub-regional. Um breve apontamento de feição prosopográfica sobre a vida empresarial de uma das mais antigas fábricas de mosaicos da região fundamenta essa hipótese. Trata-se da “fábrica de mosaicos e de azulejos”, fundada em 1923 por António Rosado, industrial e proprietário eborense que, para além disso, “comercializava cimentos de todos os tipos113. Somente em 1939, ano em que se fizeram algumas modificações na “fábrica”, as prensas hidráulicas foram substituídas. Em 1946, quando foram instalados mais 1 acumulador eléctrico, 1 pulidor e 1 máquina misturadora, não empregaria mais do 3 pessoas. Três anos mais tarde, o negócio passou para a Pinto & Machado L.da, sociedade constituída entre um comerciante e um construtor civil. Em 1960, quando começou a fabricar manilhas de cimento, a empresa não empregava mais do que 10 operários.

208A par das fábricas de mosaicos e de azulejos, foram registadas 21 fábricas de cerâmica para materiais de construção, vocacionadas para a produção de manilhas em grés, pias, mosaicos, etc. Eram estabelecimentos geralmente de maior dimensão geridos por firmas especializadas como parece ser o caso de A. Regional L.da, em Arronches (1920-?) que empregava 11 trabalhadores, d’A C.ia das Fábricas Cerâmica Lusitânia, em Arraiolos (1925-1952), com 18 trabalhadores ou da Sociedade Cerâmica do Sul do Sado L.da (1938-?), em Santiago, com 22. Na maioria dos casos, porém, dominavam as firmas em nome individual, sendo a mais antiga de 1908. Em termos geográficos, Arronches e Portalegre reuniram a maioria destas iniciativas que podem ser encontradas também em Arraiolos, Campo Maior, Grândola, Évora, Montemor, Mora, Portalegre, Redondo e Santiago do Cacém.

Mapa 16 – Oficinas de canteiro na área da 4.a C.I. (1922-1950)

Mapa 16 – Oficinas de canteiro na área da 4.a C.I. (1922-1950)

Fonte: RTN

209De alguma forma associadas às indústrias da construção encontravam-se as oficinas de canteiro, as serrações de mármore e os estabelecimentos ligados à extracção e preparação de mármores. Ao contrário do que sucedia com os produtos cerâmicos, em que os mercados tinham uma dimensão local ou sub-regional, neste caso era principalmente a actividade exportadora que dinamizava este grupo de actividades. As oficinas de canteiro eram, neste panorama, uma excepção já que o mármore saía sobretudo em blocos.

210As oficinas de canteiro raramente ultrapassavam os 3 indivíduos e localizavam-se nas zonas de extracção (mapa 16). Deste modo, Borba (8 registos), Estremoz (8 registos) e Vila Viçosa (9) concentravam a maioria das oficinas. Évora, por sua vez, era igualmente um “centro” de produção (8 casos). Arraiolos, Elvas, Mόra, Portalegre e Reguengos foram as localidades que tiveram igualmente este tipo de oficinas orientada para a produção de objectos de culto e funerários.

211As figuras 4.32 e 4.33 mostram, respectivamente, a evolução do registo da actividade no período 1922-1952, por data de fundação dos estabelecimentos, e as datas de cancelamento declaradas. Nelas sobressaem os picos de actividade em 1925, 1931, 1938, 1940 e 1946, sendo o cancelamento um fenómeno que sobressai no início dos anos ’50 e em 1965.

Figura 4.32 – Distribuição da actividade de canteiro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952 por data de fundação)

Figura 4.32 – Distribuição da actividade de canteiro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952 por data de fundação)

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

Figura 4.33 – Cancelamentos da actividade de canteiro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Figura 4.33 – Cancelamentos da actividade de canteiro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

212A extracção e a preparação de mármores foi uma actividade mais “capitalista” que deu lugar à formação de sociedades que operavam em vários estabelecimentos distintos, com um número de trabalhadores sempre variável mas que, por vezes, ultrapassava a meia centena. Nos registos, todos em Estremoz e em Vila Viçosa, sobressaíam a Empresa de Mármores e Cerâmica de Estremoz e Borba L.da (Estremoz, 1918-) que empregava 70 trabalhadores, a Sociedade de Marmóres de Vila Viçosa L.da (1932-), com 38 trabalhadores, e a firma de Francisco Dias Ramos (1949-), também naquela vila, com 22 operários. Havia, porém, sociedades que operavam numa escala mais reduzida como acontecia, por exemplo, com a Sociedade dos Mármores de Portugal, L.da (1939-1952) ou com a União de Mármores, L.da, em Bencatel (1944-1971).

4.9. As indústrias cerâmicas

213Para além das indústrias cerâmicas ligadas à construção, o RTN inventariou o sector tradicional ligado à produção de objectos de barro de uso corrente sob a classificação ora de “olaria” ora de “fabricação de louça de barro ordinário”. O fabrico de pratos, enfusas, quartas, etc. era feito em pequenas oficinas que, por norma, não registavam mais do que 1 ou 2 trabalhadores e que vendiam à boca do forno ou em feiras e mercados regionais. O fabrico de grandes talhas para vinho, porém, era uma “indústria” à parte, muito mais especializada e circunscrita.

214Podemos encontrar oficinas de olaria ou estabelecimentos com fabrico de louça de barro em 20 dos 32 concelhos da 4.a CI (mapa 16). Contudo, esta aparente dispersão é enganadora já que, na maioria dos concelhos, a actividade aparecia de forma isolada ou residual. Tal acontecida em Alter do Chão (1 caso), Arraiolos (1), Campo Maior (2), Évora (2), Gavião (1), Montemor (2), Portalegre (3), Santiago (1) e Vila Viçosa (3). Noutros concelhos, porém, esta indústria predominantemente doméstica tinha maior expressão, como sucedia em Elvas (4), Estremoz (5) e Grândola (5). A esmagadora maioria dos estabelecimentos concentrava-se, porém, em algumas pequenas vilas ou aldeias. Tal acontecia no Redondo (50 casos), na aldeia de S. Pedro do Corval, no concelho de Reguengos (23 casos), em Flor da Rosa, no concelho do Crato (34 casos), em Viana do Alentejo (29) e, finalmente, em Niza (15).

215Aliava-se a essa especialização regional do trabalho de ofício, a produção de um produto com características estilísticas tão próprias que acabava por ter mercados algo diferenciados. Essa tipicidade, resultante das características peculiares das pastas cerâmicas, de alguma especialização, fixação técnica e estética, permitia identificar as loiças pela sua proveniência geográfica nos mercados regionais. Deste modo, a análise deve atentar nessa relação entre a produção doméstica, a comunidade e um produto específico na sua relação com os seus mercados. Mais do que um destino para a “loiça alentejana”, deparamo-nos com destinos diferenciados, obedecendo a cronologias diferentes, para as loiças da região. Assim, se nos parece seguro situar a entre os finais do século XIX e os princípios do séc. XX a “decadência” da loiça de Estremoz, já o mesmo não se aplica de todo a outras povoações. Ao contrário do que sucedia com a maioria da loiça da região, grosseira na matéria-prima utilizada, na cosedura e nos processos de fabrico, a loiça de Estremoz era apreciada pela pureza do seu barro, a que eram justamente atribuídas qualidades excepcionais. Ao contrário do que sucedia com a maioria da loiça da região, o seu mercado era nacional. Não é de estranhar, pois, encontrar naquela vila pequenas firmas de natureza comercial e industrial como a Cerâmica Estremocense LA1. Esta loiça, porém, depressa defrontou-se com a concorrência dos produtos esmaltados, bem como da entrada no mercado de operadores de outras regiões com pastas de qualidade superior. São Pedro do Corval, Viana ou a Flor da Rosa estiveram até muito tarde arredadas destas ameaças, vivendo duma clientela regional e popular. No contexto da economia rural doméstica, a concorrência movida pela latoaria e pelas fundições só parcialmente poderia ter afectado (se é que afectou!) o consumo regional de produtos em barro.

Mapa 17 – Fabrico de cerâmica (construção) e oficinas de oleiro na área da 4.a C.I. (1922-1950)

Mapa 17 – Fabrico de cerâmica (construção) e oficinas de oleiro na área da 4.a C.I. (1922-1950)

Fonte: RTN

Figura 4.34 – Registos de fabrico de loiça de barro na área da 4.a CI, realizados entre 1922 e 1952, por data de fundação dos estabelecimentos

Figura 4.34 – Registos de fabrico de loiça de barro na área da 4.a CI, realizados entre 1922 e 1952, por data de fundação dos estabelecimentos

Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).

216A evolução do registo da actividade, de resto, não sugere tal. A série cronológica revela uma tendência para um crescimento acentuado a partir dos finais da guerra, só quebrado em 1926. Depois desta data, registamos picos em 1931, 1940, 1947 e 1951 (figura 4.34). A análise da evolução dos cancelamentos, por seu turno, mostra que os 108 casos (cerca de metade dos registos) se distribuíram entre 1938 e 1964, estando os picos maiores em 1938, 1953 e 1959.

Figura 4.35 – Cancelamentos da actividade de fabrico de loiça de barro na área da 4,a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Figura 4.35 – Cancelamentos da actividade de fabrico de loiça de barro na área da 4,a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

217Esta análise “demográfica” deve ter em linha de conta que, mais uma vez, não estamos a lidar com empresas capitalistas mas, fundamentalmente, com indústrias domésticas ou com pequenas firmas familiares. Por tal razão, o aumento da população rural actuava duplamente sobre estas actividades: por um lado, aumentava por si só a procura global; por outro, esse aumento demográfico, ao afectar as próprias famílias de artesãos, conduzia à multiplicação dos estabelecimentos. Tais actividades eram frequentemente executadas a tempo parcial, sendo complementadas por ganhos obtidos na agricultura ou no comércio. As crises económicas permitiam assim a sobrevivência duma actividade cujo maior capital residia porventura no saber de ofício e nos laços familiares.

218A análise da duração das actividades foi apenas possível em 35 casos (16% do total). Nesta amostra menos de 9% dos estabelecimentos duraram menos de 10 anos. O conjunto dos registos, que teve uma actividade igual ou inferior a 20 anos, foi apenas de 23%. Em metade dos casos, a duração oscilou entre os 31 e os 50 anos. O número de casos em que se ultrapassaram os 50 anos foi inferior a 6%. Tais dados sugerem que estes estabelecimentos cumpriam 1 ou 2 ciclos de vida activa como uma actividade que passava de “pais para filhos”. Apesar disso, não tinha a dignidade suficiente para dar lugar à formalização de empresas familiares, como se percebe pelo carácter excepcional dos registos feitos por firmas familiares.

  • 114 ADRME – Processo 395 da 4.a CI (Rilei 4/3219). Alvará 6534 de 9.Maio. 925. Requerimento a 7.Set. 19 (...)

219A descrição de dois casos completa a nossa ronda por estas indústrias para ilustrar, não só a diversidade de situações que se “escondiam” por detrás destes pequenos estabelecimentos, como também a sua capacidade sobrevivência à indústria moderna. O primeiro caso refere-se à “oficina de cerâmica (louça de barro)” de Cassiano Ernesto, que ficava numa casa arrendada na Rua do Afan (na encosta norte do castelo) em Estremoz114. O estabelecimento, registado em 1924, compunha-se de “1 roda em madeira movida pelo pé do operário” e de “1 pequeno forno de sistema antigo, funcionando a lenha”. Tratava-se dum estereótipo que se repetia sucessivamente naquela vila. Em 1944, a oficina passou para outro oleiro, José António Ourelo, que tomara “aquela indústria ao concessionário do referido alvará”, o qual já se encontrava muito velho e doente.

Tabela 4.22 – Duração dos estabelecimentos de olaria e de fabrico de loiça registados entre 1922 e 1952 na área da 4.a CI

Número de anos

Estabelecimentos

Frequência relativa

Até 10

3

8,6

11-20

5

14,3

21-30

7

20,0

31-40

9

25,7

41-50

9

25,7

51-60

1

2.9

61 e mais

1

2,9

Total

35

100,0

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos)

  • 115 ADRME – Processo 5.523 (5.a CI). Alvará 36.591. Veja-se a este respeito o decreto 36.443 de 30/7/19 (...)

220O segundo caso refere-se a uma oficina localizada fora da área da 4.a CI, no sítio da Pouca Farinha, em São Teotónio (concelho de Odemira), registada em 1952 para o “fabrico de louça de barro ordinário” por José Candeias Ribeiro de Matos em virtude da intimação que recebera dos serviços industriais115. Este estabelecimento, que trabalhava de Abril a Setembro, empregava 3 pessoas (1 operário rodista, 1 aprendiz e 1 servente) e compunha-se de 1 forno a lenha e de 2 rodas de oleiro. Usava água dum poço e servia-se dos carros de besta para o transporte dos seus produtos. Nos anos ’60 o processo foi registado em nome dos herdeiros.

4.10. As indústrias dos metais

221Já nos princípios do século, o engenheiro Adriano Monteiro tinha inventariado as oficinas de serralharia, sendo notória a sua importância nos distritos de Évora e de Beja (Portugal-1905). A importância destas oficinas não deixava de relacionar-se também com a necessidade de prestar apoio às novas máquinas agrícolas em ferro e às caldeiras a vapor instaladas nas grandes explorações. Nesta perspectiva, o seu aumento pode indiciar um comportamento progressivo dos actores económicos, resultante da generalização do uso de instrumentos e de máquinas em ferro, de caldeiras e motores. Embora a construção e o equipamento urbano pudessem igualmente ter desempenhado algum papel, a verdade é que, como veremos, a actividade foi marcada sobretudo pela prestação de serviços, ou seja, orientou-se mais para a execução de encomendas ou para a realização de reparações, do que propriamente para o fabrico de peças para comercialização.

  • 116 O Inquérito Industrial acusava, para a área da circunscrição, 114 oficinas e, para todo o Alentejo, (...)

222A par desta actividade encontramos, na área dos trabalhos em metais, registos de ferrarias, das latoarias ou oficinas de caldeireiro, fundições de metais, fundições de objectos em bronze e fabricos de chocalhos (tabela 4.23). As ferrarias eram, de longe, a actividade mais importante (pelo número de registos e pelo volume de emprego) e também a mais disseminada no espaço. As oficinas de latoaria e as de funileiro empregavam 287 pessoas, mais 131 do que em 1890 e encontravam-se menos disseminadas116. Finalmente, temos 12 registos de fundições e 16 de fabricantes de chocalhos.

223Sendo o ofício de ferreiro uma actividade que dependia directamente da tracção animal aplicada sobretudo na agricultura e nos transportes, a evolução do número de estabelecimentos não deixa igualmente de ser um sintoma do estado da economia rural. De acordo com os dados do Inquérito Industrial, em 1890 existiam na área em análise 167 oficinas (ou 262 em todo o Alentejo) quando, em 1922, existiam 187. A série cronológica do registo de ferrarias revela uma linha de tendência para o crescimento até 1934, apresentando depois uma tendência para o declínio, contrariada em alguns momentos (1938, 1945, 1949). Deste modo, entre 1934 e 1951 houve 323 registos, mais 23 do que entre 1919 e 1933 (figura 4.36).

  • 3 Não foram incluídas nesta lista 6 registos de oficinas de soldadura ontogénio.

Tabela 4.23 – Distribuição geográfica das indústrias dos metais registadas na área da 4.a CI (1922-1952)3

Tabela 4.23 – Distribuição geográfica das indústrias dos metais registadas na área da 4.a CI (1922-1952)3

Fonte e legenda: v. tabela 4.8.

Figura 4.36 – Registos de oficinas de ferreiro na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952, por data de fundação dos estabelecimentos

Figura 4.36 – Registos de oficinas de ferreiro na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952, por data de fundação dos estabelecimentos

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

224De igual forma, os cancelamentos desta actividade não deixaram de ser, indirectamente, um indicador da motorização do conjunto da economia. Note-se que a taxa de sobrevivência foi elevada-dos 930 registos, 478 foram cancelados (51,4%). Porém, a sua distribuição sugere a existência de 3 períodos decisivos: o primeiro, nos finais dos anos ’30; o segundo, na primeira metade dos anos ’50; e, finalmente, o terceiro entre os finais dessa década e os primeiros anos ’60 (figura 4.37). Outras fontes, nomeadamente, os processos de condicionamento industrial relativos a oficinas de serralharia como eram a Somefe (Sociedade de Metais e Fundições), a Fialho & Irmão, L.da, em Évora, ou a Trindade Pirra, em Estremoz, atestam esse movimento de motorização da lavoura alentejana nos anos ’50

Figura 4.37 – Cancelamentos da actividade de ferreiro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Figura 4.37 – Cancelamentos da actividade de ferreiro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

225Sendo uma “indústria de serviço”, as ferrarias existiam em todos os concelhos e freguesias. O maior número estava em Niza (60), Évora (46), Montemór (44), Arraiolos (33), Santiago do Cacém (33) e em Estremoz (30). Tratavam-se de pequenos estabelecimentos, alguns deles integrados em propriedades agrícolas, nas sedes das casas de lavoura, como se depreende da sua localização ou do titular do registo. Neste contexto, firmas como a Carichas, Navarro & Bragão (Elvas), A Reparadora Elvense de Gravanças & Lopes, L.da, que empregavam 6 pessoas, constituem a excepção.

226Igualmente numerosas eram as oficinas de latoaria e de funileiro. Registadas de forma dispersa por 25 concelhos, raramente ocupavam mais de 3 pessoas. Em 1890, existiam 119 oficinas destas, as quais empregavam 156 indivíduos. Ora, até 1930 o RTN acusava apenas 69 estabelecimentos e 40 artesãos. Estaremos perante um caso de sub-avaliação ou de “decadência” desta actividade artesanal? A série cronológica revela que a maioria dos registos se realizaram depois daquela data. Efectivamente, os maiores picos desta série registaram-se em 1922, 1934, 1938 e 1941 (figura 4.38). A partir desta data, não voltamos a ter um número de novas entradas tão elevado.

227O nível de cancelamentos (55,8%) não parece ser extraordinariamente elevado, se atendermos ao facto de estarmos a lidar com uma actividade que conheceu a concorrência dos plásticos a partir dos anos ’50. Efectivamente, foi sobretudo nesta década que se registaram as maiores baixas (figura 4.39).

Figura 4.38 – Registos de oficinas de latoeiro e de funileiro na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação

Figura 4.38 – Registos de oficinas de latoeiro e de funileiro na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

Figura 4.39 Cancelamentos das actividades de funileiro e de caldeireiro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Figura 4.39 Cancelamentos das actividades de funileiro e de caldeireiro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

228Embora menos numerosas, as fundições merecem interesse pela diversidade de contextos empresariais em que operavam e dos produtos que fabricavam. Assim, uma das fundições registadas pela Empresa Exploradora de Minas L.da entre 1942 e 1952, apenas usava 8 pessoas na fundição dos concentrados de chumbo e de prata. Noutros casos, porém, tratava-se de produzir objectos em metal para uso agrícola ou doméstico ou peças de substituição. Foi este o caso, já referido no capítulo anterior, da Metalúrgica (mais tarde, Metalúrgica do Crato, L.da), que fabricava, entre outros produtos, instalações completas para lagares. Aqui nasceria também, em 1947, a Fundição do Crato L.da, empresa de menor dimensão que fabricava desde puxadores para móveis e portas até charruas em ferro e seus pertences, passando por vários tipos de peças para alfaias agrícolas, carros e noras. Também a João Trindade Pirra, em Estremoz, esteve orientada para uma vasta gama de produtos, satisfazendo um mercado essencialmente sub-regional.

229Vale então a pena seguir a trajectória desta empresa de média dimensão.

  • 117 DRME – Processo 3.548 na CI, no arquivo da antiga D.G.S.I. processos 38/328-9 e 38/328-10.

230Fundada em 1918, a firma de João Trindade Pirra começou a funcionar realizando consertos em máquinas para agricultura, servindo a fundição para o fabrico de peças de substituição117. De acordo com as declarações que prestou aos serviços de condicionamento industrial, só em 1930 começou a fabricar as primeiras máquinas-ferramentas para ferro e madeira, “as quais ficaram na minha casa e para minha utilidade”. Em 1940, o industrial comprou a patente para fabrico de cangas em tubo de ferro, tendo neste produto e no fabrico de diversas máquinas simples para a agricultura o seu principal negócio. Entre 1950 e 1955, a diversidade de produtos fabricados foi impressionante. Na lista das máquinas ferramentas temos tornos mecânicos, engenhos de furar mecânicos, aparelhos de frezar para adaptar a tornos mecânicos, aparelhos de retificar, máquinas verticais para molduras (tupias), serras de fita e máquinas de furar e de rasgar. Produzia, além disso, charruas de volta-aiveca de tracção animal, trituradores para cereais, descaroladores de milho, moinhos de martelos e bombas centrífugas para a agricultura. Em 1953, o seu estabelecimento empregava apenas 37 trabalhadores na produção e estava equipado com 45 motores com uma potência de 150 c.v. no total.

  • 118 DRME – Processo 5.723 (4/1934 3IPT). A sua laboração terminou em 1988.

231Enquanto alguns destes estabelecimentos tiveram uma trajectória de crescimento, outros mantiveram-se em escala pequena, como sucedeu com a firma de Augusto Alves Leal, fundada em 1859, em Évora, que em 1922 não empregava mais do que duas pessoas. Um destes pequenos estabelecimentos foi a “fábrica de chumbo de caça” de Cândido Augusto Gomes, na Azinhaga do Chafariz d’El-Rei, em Évora, registada em 1949 e que empregava apenas 4 operários118. Produzia, no máximo da sua capacidade, 800 quilos diários de chumbo para caça e trabalhava apenas de Agosto a Dezembro.

232O fabrico de chocalhos fazia-se também em oficinas que não ocupavam mais do que 3 pessoas. O centro de produção mais importante encontrava-se em Alcáçovas (Viana do Alentejo), mas havia também oficinas destas em Aviz, em Portalegre e em Estremoz.

233Vejamos, para finalizar esta rubrica, o comportamento neste período das oficinas de serralharia.

  • 119 Um dos casos de antigas oficinas que pudemos acompanhar diz respeito à Serralharia Montemorense, ca (...)

234Em 1890, existiam 280 oficinas de serralharia na área da 4.a CI que empregavam 363 pessoas pelo menos. No conjunto do Alentejo, existiam 489 serralharias classificados de “pequena indústria” que produziam e consertavam instrumentos agrícolas tão variados como grades, charruas, ferraduras, enxadas, picaretas, ferros, alviões, etc. Até finais de 1921 foram objecto do RTN apenas 31 estabelecimentos na área da 4.a CI. E até 1952 encontrámos 141 registos de estabelecimentos, dos quais apenas 12 tinham mais de 10 trabalhadores. A forte redução no número de oficinas não deixou certamente de relacionar-se com o desenvolvimento da produção industrial de peças estandardizadas para a agricultura, vendidas à vista ou por catálogo, e com o aparecimento de grandes empresas, como era o caso da Empresa Industrial Portuguesa, da Vulcano & Colares ou da Duarte Ferreira. Tal não significou, para a região, o completo esgotamento de oportunidades como se percebe pelos casos já analisados das “grandes empresas metalúrgicas em Beja ou no Crato. Sem disporem de mercados locais importantes fora da esfera agrícola, eventualmente sustentados pelas construções e pelos equipamentos urbanos que o moderno urbanismo permitiria, a serralharia tornou-se um ofício em declínio, facto que poderá explicar a presença destas secções nas maiores unidades de produção119. Por outro lado, como já tem sido afirmado, encontramos frequentemente oficinas de serralharia tanto em empresas metalúrgicas, como foi o caso da João Trindade Pirra, como na generalidade dos conjuntos industriais e agro-industriais. Deste modo, na lista de empresas com secções de serralharia temos, a mero título ilustrativo, no caso da cortiça, a Mundet & C.a L.da, a Sociedade Corticeira Robinson Bros., SARL; no caso dos têxteis, a Fábrica de Lanifícios de Portalegre L.da; no caso da moagem de cereais, a C.ia Elvense de Moagens a Vapor, a Moinhos de Santa Iria, L.da (Beja), a Fábrica dos Leões, os conjuntos fabris da Sociedade Fabril Alentejana L.da (Vila Viçosa), da Empresa Industrial Bastos Ribeiro (Sousel) ou a Fábrica de Moagem de Cereais e Lagar de Azeite de José Clemente Maltez, em Cuba. No caso das empresas mineiras, cujo registo estava fora do âmbito do RTN, encontramos serralharias onde chegavam a trabalhar mais de 60 pessoas como sucedia na Société Anonyme Belge des Mines d’Aljustrel onde, para além da reparação, se fabricavam alguns equipamentos. Contudo, a maioria dos estabelecimentos tomavam a forma de firmas em nome individual ou de pequenas sociedades, frequentemente familiares.

235A cronologia de implantação de novas unidades aponta para um período de expansão nos anos que sucederam à I Guerra Mundial. Depois do pico de 1922, sucederam-se, isolados, os anos de 1938, 1945 e de 1950 (figura 4.40).

236Ao longo deste período, a reparação dos novos motores de combustão interna foi um mercado de importância crescente que deu lugar à formação de firmas especializadas como foi o caso, por exemplo, da Empresa Mecânica de Reparação de Máquinas e Automóveis L.da (1921-?), d’Auto Évora L.da (1942-1962), d’A Comercial Reparadora L.da (1950-?), todas em Évora, da Auto-Reparadora L.da (1953), em Ponte de Sôr ou da Auto Portalegre, L.da (1950-?).

Figura 4.40 – Registos da actividade de serralharia na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação dos estabelecimentos

Figura 4.40 – Registos da actividade de serralharia na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação dos estabelecimentos

Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).

  • 120 Referimo-nos à razão entre (a) o total de cancelamentos verificados nas actividades e (b) o total d (...)

237A serralharia revelou uma mortalidade aparente na ordem dos 65,2%, mais elevada portanto do que as actividades anteriores120. Devemos notar que, na maior parte dos casos, o cancelamento de actividades não tinha por detrás o artesanato mas firmas de natureza comercial e/ou industrial. Três fenómenos parecem ter contribuído para esse resultado: em primeiro lugar, a formação de sociedades multiplicava os registos e os cancelamentos pelo simples facto das entidades proprietárias mudarem; em segundo lugar, muitos pequenos estabelecimentos de serviço apresentavam-se como negócios de curta duração (como sucedia no ramo da assistência automóvel); finalmente, muitas “secções” de serralharia nas grandes empresas acabaram por desaparecer quando a oferta local se revelou satisfatória. A série revela assim uma concentração dos cancelamentos na primeira metade dos anos ’50, quando se formam algumas empresas que se orientam para a assistência à nova lavoura mecânica (figura 4.41).

Figura 4.41 – Cancelamentos das actividades de serralharia na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Figura 4.41 – Cancelamentos das actividades de serralharia na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

  • 121 DRME – Processo 791 da 4.a CI. Ficava na Rua Romão Ramalho. Alvará 8603 de l. Jul. 1926 (DG 172, 2.(...)
  • 122 V. Boletins de inquérito no processo.

238Podemos acompanhar a história duma dessas pequenas empresas, em Évora, através da “Serralharia Mecânica de Serafim Henriques”. Registada em 1926, ocupava 5 operários, teve fundição de metais, que usava para fabricar componentes e, mais tarde, soldadura autogénia e eléctrica121. Em 1939, tinha já 16 máquinas, algumas especializadas para a reparação de automóveis e empregava 9 pessoas. O seu timbre revela-nos a sua área de actividade: reparações de automóveis, máquinas agrícolas, motores de explosão e combustão. Com a morte do proprietário, em 1947, a viúva constituiu uma sociedade com um antigo empregado. A evolução do estabelecimento pode ser sistematizada assim122:

1938

1955

1964

Capital social:

50

50

Valor das instalações:

70

?

150

Trabalhadores:

9

23

23

Motores:

3 motores com 20,5 cv

10 motores eléctricos com 26,5 c.v.

14 motores eléctricos com 31,75 cv

Máquinas

14

15

26

Consumos:

Aço e ferro inglês e alemão

ferro do Seixal; aço, carvão, latão e bronze importados, botijas de oxigénio francesas, eléctrodos suecos e nacional

Actividade:

Faz consertos em máquinas agrícolas e automóveis

Reparações diversas

  • 123 DRME – Processo 3.934 da 4.a CI

239A Emídio, Bigodes & Farto, em Estremoz, fundada em 1931 ilustra a evolução duma firma de serralharia que, da manutenção de máquinas, passou para a reparação automóvel e para o “fabrico de alfaias agrícolas e de outros utensílios para utilização na lavoura”123. Empregando sempre praticamente o mesmo número de pessoal (10-15 operários), a empresa consegue, em 1961, ver deferida a pretensão de anexar a actividade de “reparação de automóveis, bate-chapa e fabrico de alfaias agrícolas e outros utensílios para utilização na lavoura”. Apesar desta última autorização, a empresa não passou duma oficina de reparação de máquinas com capacidade para fabricar peças de substituição.

  • 124 DRME – Processo 9.405 da 4.a CI (Rilei 4/1900 3IPT). Alvará 54.978.

240No entanto, a abertura permitida pelo condicionamento possibilitou a formação de algumas empresas vocacionadas para a produção dos novos equipamentos agrícolas. Foi este o caso da União Metalúrgica de Montemor, L.da, sociedade por cotas constituída naquela cidade em 1952124. Em 1960, a “oficina de serralharia mecânica com soldadura oxicetilénica e eléctrica” começou a fabricar charruas de tipo pesado num pequeno edifício fabril de traços “modernos”. Empregava então 22 operários, 3 empregados no escritório, 1 desenhador e produzia bombas hidráulicas, subsoladores, escarificadores e charruas de marca própria (Almansor) de diversos tipos. Para além disso fazia reparações e modificações de tractores, máquinas e alfaias agrícolas. O percurso da União Metalúrgica invoca o de outra empresa com um percurso algo semelhante – a Fialho & Irmão, de Évora. Dela trataremos com detalhe quando analisarmos, noutro capítulo mais adiante, a relação dos indústrias com Estado, bem como o papel desempenhado pela regulamentação da actividade industrial.

  • 125 DRME – 4.a CI proc. 7.397 (Rilei 4/1236). Alvará 34.959 [de 19.Abr.1952]

241A análise da evolução duma empresa, mesmo quando centrada apenas em algumas “variáveis” de feição prosopográfica, não pode deixar de considerar o seu posicionamento estratégico face às restantes. Assim, o aparecimento duma empresa especializada na assistência às máquinas agrícolas “empurrava” as restantes para outros segmentos de actividade, como era a reparação automóvel. Serve, neste caso de exemplo, a pequena oficina de Albano Gonçalves, em Ferreira do Alentejo125. Fundada em 1942, fazia reparações em máquinas agrícolas e “fabricava aparelhos para debulha de grão, fava, arroz, etc. com montagem em qualquer debulhadora”. Em 1958, tinha aparelhos de soldadura e empregava 1 ferreiro, 1 serralheiro, 1 filho maior aprendiz e 2 filhos menores no escritório. Quando, em 1962, a casa foi trespassada, funcionava como oficina de reparação de automóveis. Agora, naquela vila as reparações de máquinas agrícolas faziam-se na Agro-Mecânica.

4.11. As indústrias dos transportes

242Entre as indústrias ligadas aos transportes, as carpintarias de carros foram as mais importantes. Vocacionadas para a construção e reparação de vários tipos de carros de tracção animal, bem como para o fabrico de charruas e alfaias em madeira, estiveram ameaçadas pelo progresso técnico. A sua importância fica atestada nos 400 registos que se distribuíam por 127 freguesias, uma actividade que ocupava perto de 8 centenas de artesãos (tabela 4.24). As restantes actividades diziam respeito à assistência aos veículos automóveis (reparação e venda de automóveis, reparações mecânicas, vulcanização de pneus) e à reparação de bicicletas. Embora fora do âmbito da actividade industrial, o RTN considerou ainda empresas de carros de aluguer e de transportes de passageiros e de mercadorias, cuja evolução apenas nos interessa por comparação com a evolução das restantes.

243A análise da evolução e distribuição destas actividades “antagónicas”, no seu conjunto, contribui para esclarecer a combinação entre a modernidade e o tradicionalismo na vida material. Em que medida a difusão do transporte automóvel liquidou o transporte animal? Quando se atingiu na região o ponto de inversão entre os dois tipos de transporte? Vimos na rubrica anterior como a difusão do transporte automóvel e dos pequenos motores de combustão interna constituíram uma oportunidade para as oficinas de serralharia, cujas competências na arte dos metais puderam ser transferidas com êxito para a mecânica. Tal não parece ser possível neste caso. Como se adaptaram então essas empresas? Que caminhos seguiram as que lograram sobreviver?

Tabela 4.24 – Distribuição geográfica das indústrias dos transportes registadas na área da 4.a Cl (1922-1952)

Tabela 4.24 – Distribuição geográfica das indústrias dos transportes registadas na área da 4.a Cl (1922-1952)

* não incluídos aqui 1 oficina de cabresteiro e 4 registos associados à assistência automóvel: 2 relativos à actividade de pintura à pistola, I de carga de baterias e I gasolina (depósito)
Legenda e fonte: v. tabela 4.9

244Ao contrário do que se poderia pensar, a carpintaria de carros não parece ter sofrido uma redução tão forte quanto a serralharia. Em 1890 havia em todo o Alentejo 211 oficinas de abegão que empregavam cerca de 3 centenas de pessoas. Até Dezembro de 1922, foram registadas na área da 4.a CI apenas 105 oficinas – cerca de metade das que existiam em 1890. Os carros de varas e os carros de canudo continuaram a ser utilizados até bastante tarde, sem que sofressem a concorrência de qualquer produção estandardizada. Continuavam a operar na região “grandes” oficinas de construção, como a de Joaquim José das Neves Severo & Filhos L.da (1883-195?) que, em Évora, empregava 13 pessoas ou a Rolim & Soares L.da, fundada em 1925 também nessa cidade, que empregava 7 pessoas. Tal como sucedida com as oficinas de ferreiro e de serralharia, era também frequente a sua localização nas sedes das casas agrícolas. Deste modo, entre as carpintarias de “média dimensão” encontramos as de grandes proprietários e lavradores eborenses como Manuel Dias Rodrigues Descalço, registada na freguesia rural de São Matias entre 1903 e 1952, com 6 activos, a de António Torres Vaz Freire, registada em S. Jordão (1913-?), a de Francisco Simões de Almeida Margiochi (1883-?), na freguesia da Sé com 3 activos, ou a de José Perdigão de Carvalho (Conde da Ervideira), em São Vicente do Pigeiro (1923-1963). Contudo, na maior parte dos casos, estamos perante firmas em nome individual ou, situação menos frequente, pequenas associações entre comerciantes, industriais ou artesãos. Parece ser este o çaso da Carichas, Navarro & Bragão, em Elvas (1939-?) ou da firma José de Oliveira & João da Costa Tição, em Mora, registada em 1949.

Figura 4.42 – Registos da actividade de carpintaria de carros na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação dos estabelecimentos

Figura 4.42 – Registos da actividade de carpintaria de carros na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação dos estabelecimentos

245Como era uma actividade ligada à reparação de veículos, instrumentos e máquinas em madeira, as oficinas de abegão dispersavam-se por 127 freguesias ou 30 concelhos, sendo as mais importantes Évora (32), Montemor (28), Santiago do Cacém (27), Reguengos (23), Sousel (20), Arraiolos (20) e Estremoz (20) (mapa 18).

246A evolução da actividade parece ter sido positiva até 1923, com oscilações breves (figura 4.42). Esta leitura optimista deve ter em atenção que não estamos perante o número de registos realmente efectuados nesse período, mas que se trata duma reconstrução feita a partir da data de fundação declarada nos registos realizados após 1922. Só a partir desta altura temos a segurança de estar a lidar com novos licenciamentos que podemos confrontar com o nível dos cancelamentos nesse período. Deste modo, a comparação entre os números do Inquérito Industrial de 1890 e os registos efectuados depois de 1922, cuja data de fundação foi declarada anterior a Dezembro de 1922, leva-nos a pensar que os anos subsequentes a 1890 foram marcados por saldos negativos no balanço entre as novas actividades e os cancelamentos. Seja como for, o período que se prolongou até aos finais da II Guerra Mundial foi marcado por níveis de registo sempre superiores aos que encontramos antes de 1922. A sequência dos maiores picos nesta série é esclarecedora: 1923, 1925, 1932, 1936 (o maior de todos) e, finalmente, 1940.

Figura 4.43 – Cancelamentos das actividades de carpintaria de carros na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Figura 4.43 – Cancelamentos das actividades de carpintaria de carros na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

Figura 4.44 – Registos da actividade de carros de aluguer na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de início da actividade

Figura 4.44 – Registos da actividade de carros de aluguer na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de início da actividade

247O número de actividades de abegão canceladas foram mais escassas do que o impacto do automóvel poderia sugerir. A persistência de atavismos na economia rural é uma explicação óbvia, quando pensamos na sobrevivência do “carro algarvio”, adoptado entretanto pela economia regional. Mas a capacidade de adaptação da actividade a novas funções poderá explicar resistência destas casas dispersas pela região que trabalhavam a madeira e que, na maior parte dos casos, não ocupavam mais do que 2 pessoas.

248Os 186 cancelamentos concentraram-se em 1939, 1950, 1952-1953 e em 1958-1959 (figura 4.43). Este movimento parece acusar o impacto da motorização e o início do movimento de emigração na região.

  • 126 Todos os registos realizados em 1932 foram cancelados nessa altura. Efectivamente, na maior parte d (...)

249É interessante comparar as séries de fundação e dos cancelamentos desta actividade com o do registo de carros de aluguer para transporte de carga e de passageiros efectuada entre 1923 e 1932 no âmbito do RTN Tratam-se de 154 registos distribuídos por 15 concelhos, sendo os mais importantes Arraiolos (47), Bencatel – Vila Viçosa (20), Portalegre (19), Montemor (21) e Fronteira (15). Neste caso, desde 1914 até 1925 verifica-se uma tendência para a alta, facto análogo ao que verificamos com o registo de carpintarias de carros. A partir desta data e até final da série, em 1932, verificamos uma tendência para o declínio, embora com fortes oscilações no registo de carros de aluguer, tal como sucede no caso acima (cf. figuras 4.42 e 4.43). Infelizmente, a partir desta data deixamos de ter tais registos, provavelmente porque se tratava duma atitude contraproducente que contribuía para eliminar a actividade, em vez de protegê-la126. Contudo, os registos de “reparação e venda de automóveis”, de “garagens de automóveis” e da industria da vulcanização de borracha dá-nos algumas indicações sobre a cronologia da intensificação das actividades de serviço ao automóvel, ou seja, serve-nos de indicador da progressão dos veículos motorizados na economia regional. Se assim foi, podemos classificar os anos 1930-1932, 1934-1936, 1938-1946 e 1950-1952 como os mais importantes nessa progressão, sendo notória a coincidência com os períodos de cancelamento das oficinas de abegão (cf. figuras 4.43 e 4.45).

Mapa 18 – Oficinas de abegão na área de 4.a C.I. (1922-1950)

Mapa 18 – Oficinas de abegão na área de 4.a C.I. (1922-1950)

Fonte: RTN

Figura 4.45 – Registos das actividades de reparações mecânicas, reparação e venda de automóveis, de garagens de automóveis e da indústria da vulcanização de borracha na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação

Figura 4.45 – Registos das actividades de reparações mecânicas, reparação e venda de automóveis, de garagens de automóveis e da indústria da vulcanização de borracha na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação

Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).

Mapa 19 – Número de oficinas de reparação mecânica, reparação de automóveis e oficinas de vulcanização registadas na área da 4.° C.I. (1922-1950)

Mapa 19 – Número de oficinas de reparação mecânica, reparação de automóveis e oficinas de vulcanização registadas na área da 4.° C.I. (1922-1950)

Fonte: RTN

  • 127 V. Alvará de 12.630 de 18.10.1928, no DG 27, 2.a série, de 30.10.1928. Ficava na Rua do Muro, em Év (...)
  • 128 V. DRME - Processo 1.435 da 4.a CI.
  • 129 V. boletins de informação no proc. cit.

250A análise de alguns casos permite-nos compreender a flexibilidade desta actividade. Uma das oficinas mais importantes no Alentejo foi a firma de Joaquim José das Neves Severo, fundada em 1883, em Évora, e que, em 1921, foi transformada em sociedade familiar127. Classificado como “ferraria, serração mecânica de madeiras, aparelhamento e carpinteiro de carros”, o estabelecimento usava madeira da região, carvão e ferro inglês para produzir “carros agrícolas”128. Nos finais da II Guerra Mundial, a distribuição do pessoal era a seguinte: 4 carpinteiros e 2 menores aprendizes, 1 ferreiro, 2 torneiros, 1 pintor, 1 ajudante, 3 malhadores, 1 escriturário e 1 servente. Até princípios dos anos ’50, a sua actividade foi moderadamente progressiva, como se pode observar a partir da sistematização de alguns elementos fundamentais da vida da empresa129:

1928

1941

1946

Forjas em alvenaria

3

3

3

Motores eléctricos

1 (14 c.v.)

1 (14 c.v.)

1 (14 c.v.)

Máquinas - ferramenta

8

11

10

Gerentes

3

3

3

Trabalhadores

8

8

3

Aprendizes

1

1

  • 130 V. carta em Abril de 1954 no proc. cit. acima.

251Em 1954, contudo, na sequência duma vistoria realizada pelas autoridades industriais, a empresa pedia para que lhe fossem anuladas as condições de laboração impostas “dado que estas oficinas estão condenadas a desaparecer devido à mecanização da lavoura e às pequenas oficinas clandestinas”130.

  • 131 Do timbre da empresa. Veja-se no DRME – proc. 210 (4/69) da 4.a CI. V. tb. alvará 4.878 de 29.10.19 (...)
  • 132 V. inquérito de 28.Fev.1952 autógrafo no proc. cit.

252Um segundo caso que mereceu a nossa atenção foi a Sociedade Comercial Alentejana de Alves, Pirra & Falcato, fundada em Março de 1920, em Estremoz. Instalada no Largo S. José, a empresa funcionava como “armazém de ferro, aço e carvão para forja, estância de madeiras nacionais e estrangeiras, oficinas de carpinteiro, ferreiro e serralheiro, depósitos de relhas e mais acessórios para charruas de diversas fábricas do país” e fazia “ferração de rodas de carro a frio”131. Mais tarde a sociedade foi dissolvida, passando a Alves & Falcato L.da. Em 1929, a firma estava já nas mãos de Júlio Alves Falcato, passando depois, em 1957, a constituir uma sociedade familiar da viúva e seus filhos. Embora trabalhasse durante todo o ano, na oficina não estavam mais do que 4 operários e 1 servente. No seu equipamento constava apenas 1 motor eléctrico com 7 c.v., 1 torno mecânico, 1 serra sem fim e 1 máquina de furar. Em 1946, instalou 1 forja e 1 máquina de repetar (sic) rodas e empregava 7 pessoas, mais 3 pessoas do que em 1952 e continuava a produzir carros de carga alentejanos com “madeiras alentejanas”132. Finalmente, em 1965, Acácio Faustino, construtor civil, arrendou o imóvel passando a trabalhar como carpintaria civil, equipada como máquinas eléctricas de tipo inteiramente diferente e adaptadas à sua nova actividade.

  • 133 V. DRME-Processo 2.413 da 4 CI (4/2174, 3IPT). Alvará 18.678 de 16.2.1931.

253Trajecto idêntico conhece a oficina de carpintaria de carros de Celestino das Neves Braguês, na Rua do Chão das Covas, em São Mamede (Évora)133. O registo, efectuado em 1931, dizia que na oficina trabalhavam apenas 5 pessoas que usavam 2 motores eléctricos com 9 c.v., 1 plaina, 1 serra de fita, 1 tupia, 1 torno mecânico, 1 forja e produzia carroças e carros com destino à região. Em 1954 foram instalados mais 2 motores eléctricos, não tendo existido aumento no número de efectivos. Finalmente, em Maio de 1966 foi legalizada a secção de construção civil e eliminada a actividade de carpintaria de carros. Ou seja, também neste caso, houve uma clara orientação para a actividade de serração de madeiras e para a construção civil.

  • 134 DRME - Proc. 1.435 da 4.a CI. Requerimento entrado em 7.2.1928.
  • 135 V. Alvará 25.649 de 17-5-1938 DG 147, 2.a série de 28-6-1938.

254A oficina de José de Jesus Imaginário, em Pias (Serpa), registada em 1928 como “ferraria, serração mecânica de madeiras, aparelhamento e carpinteiro de carros” teve um trajecto diferente134. Em 1938, empregava dois oficiais como carpinteiros de carros e outros dois como ferreiros. As “máquinas” limitavam-se a 1 engenho de furar e a 1 fole. De acordo com as suas declarações, para além de fabrico e consertos de carros, também fabricava alfaias agrícolas, actividade que o alvará não contemplava135. Em 1955, por seu falecimento a oficina passou para a posse de um ferreiro. Nessa altura, a oficina empregava 1 ferreiro e 2 aprendizes, tinha 2 forjas, 1 engenho de furar, 2 tornos de bancada, 2 cavaletes, 1 aparelho de soldar e apenas fazia consertos em alfaias agrícolas.

255Noutros casos verificou-se uma alteração substancial da actividade, havendo nada mais do que o aproveitamento dum antigo espaço “industrial”. Aconteceu isso no caso da Alves & Irmão L.da, em Évora, que recebeu o barracão de Manuel Joaquim Sezões, que funcionava como carpintaria de carros, e o adaptou para oficina de serração e cantaria em mármores.

256O registo das oficinas de reparações mecânicas e de comércio automóvel constituíram um ramo em expansão ao longo do período em análise. O registo mais antigo data de 1908, mas é a partir dos anos ’20 que ganha significado. Os 28 casos repartem-se da seguinte forma: 3 até 1925, 11 entre 1930 e 1939, 11 entre 1940 e 1949 e 3 entre 1950 e 1952 (figura 4.42). Com excepção de 4 casos, todas empregavam menos de 6 pessoas nesta actividade à data do registo. Sobressai, neste caso, a Empresa Electro-Metalúrgica L.da, fundada em 1922, em Évora (12). A sua distribuição geográfica revela a importância dos centros urbanos como factor de localização.: Évora (8 registos), Portalegre (5), Reguengos (4), Santiago, Montemor, Estremoz e Elvas (cada um com 2), Arraiolos e Móra (com 1).

257Finalmente, os 44 registos de oficinas de reparação de bicicletas acompanharam de perto a série anterior. Antes de 1930 temos apenas 1 caso, 25 entre 1930 e 1939 (ano que teve 11 registos!), 19 entre 1940 e 1949, e 1 em 1951. Distribuíram por 11 concelhos, sendo os mais importantes Évora (13), Estremoz (9), Santiago (5) e Montemor (4).

4.12. As indústrias químicas

258Foram escassas as indústrias químicas registadas: identificámos 3 oficinas de produção de insecticidas com 1 só trabalhador em Évora, Grândola e Fronteira, feitos entre 1936 e 1952; 3 pequenos fabricantes de perfumes (dois em Évora e um no Gavião), registados a partir de 1944; um alambique de extracção de óleos essenciais, em Santiago do Cacém, com 3 pessoas, registado em 1951; 5 drogarias, entre as quais a Sociedade Progresso Eborense, L.da, que fabricavam acessoriamente alguns produtos, dispersando-se por 5 concelhos; 18 casas de fotografia registadas a partir de 1931 que se dispersavam por Campo Maior, Elvas, Estremoz, Évora, Montemor, Ponte de Sôr, Portalegre, Santiago e Sines; e, enfim, 5 fabricantes de sabão registados entre 1928 e 1950. Estas actividades apareciam frequentemente integradas nas unidades de extracção de óleo a partir do bagaço da azeitona, como sucedia, por exemplo, na Empresa Industrial Basto Ribeiro, em Sousel. Para além deste caso merecem destaque a Saboari Baião, L.da (Viana do Alentejo) e a Américo da Cruz, L.da (Estremoz Estas empresas não empregavam mais do 5 pessoas nesta actividade.

4.13. Outras actividades

259Para finalizar esta ronda pelos pequenos estabelecimentos de laboração industrial na área da 4.a CI, agrupámos aqui as actividades relativas à industrias do papel, electricidade e as relojoarias. Todas elas representam de algum modo, sinais de urbanidade, sofisticação e luxo.

260Do ponto de vista do emprego, a indústria mais importante foi a tipografia que deu lugar a sociedades e estabelecimentos que promoviam edições de livros e de jornais de expansão local ou regional, ou que exploravam igualmente o comércio de papelaria e faziam encadernações. Salientemos, pela sua importância, as empresas gráficas de Évora como a Minerva Comercial L.da, firma constituída em 1894 que empregava 22 pessoas, a Gráfica Eborense 1935 (10 pessoas) e a Empresa Jornalística “Democracia do Sul” (1938). Encontramos empresas gráficas em 14 concelhos, havendo mais registos em Évora (12), Montemor (8), Portalegre (6) e em Elvas (6).

261Entre 1929 e 1945 foram registadas apenas 10 oficinas de electricista em Estremoz, em Borba e em Évora. Combinando muitas vezes o comércio com a reparação de máquinas eléctricas, não empregavam mais do que 5 pessoas cada uma. Mais numerosas foram as relojoarias. Existiam em 20 concelhos, sendo os mais importantes Évora (14), Estremoz (10), Alcácer (9), Elvas (5) e Reguengos (5). Em termos cronológicos, estes 72 casos distribuíram-se da seguinte forma: 5 até 1920, 10 entre 1921 e 1930, 39 entre 1931 e 1940 e 15 entre 1941 e 1950.

4.14. Elementos de configuração dos pequenos estabelecimentos industriais na RHA

262A descrição que fizemos do parque industrial alentejano revelou um tecido mais complexo e diversificado do que indicavam as representações estereotipadas sobre a região. As indústrias cobriam uma vasta gama de actividades, desde as indústrias da alimentação e das bebidas, até ao vestuário e calçado, passando pelas indústrias têxteis e dos metais. Nelas coexistiam elementos modernos e tradicionais: ao lado da grande moagem, continuaram em laboração as azenhas e as pequenas fábricas motorizadas; ao lado das modernas fábricas de extracção de azeite continuavam em actividade velhos lagares. Grandes oficinas de serralharia e de fundição não tiravam a clientela às pequenas oficinas. As carpintarias de carros continuaram em actividade ao lado das oficinas de reparação automóvel. Enfim, oficinas de calçado e de curtumes continuavam a resistir à concorrência de produtos fabris.

263O “tradicionalismo” surgia ainda na forma de organização do trabalho e das relações com a indústria. Nem sempre a actividade correspondeu a (ou deu lugar a) firmas. Foram excepcionais, no panorama do RTN, as firmas industriais de natureza capitalista. Assim, muitas das actividades integravam-se em firmas de média ou grande dimensão de natureza comercial, agrícola ou industrial. Oficinas de serralharia ou de carpintaria tanto encontrávamos nas grandes casas agrícolas como nas maiores unidades mineiras ou industriais. Marcado pela dispersão e “desarticulação” entre as diferentes actividades, o parque industrial tomou um caminho diferente daquele que deu origem aos distritos industriais. A “grande” escala gerou neste ambiente a tendência para a autossuficiência das empresas, levando-as a incorporar diferentes funções e a procurar a diversificação produtiva. Nesta perspectiva, encontrámos analogias na estrutura de organização integrada entre as grandes casas agrícolas, os grandes estabelecimentos mineiros e industriais modernos, todos eles contando com unidades de produção de energia, oficinas de carpintaria e serralharia para assistência às suas funções vitais e combinando diferentes produções de modo racional.

264A agricultura comercial foi o principal elemento estruturante do sector industrial quer pelas matérias-primas que entregava para processamento, quer pela forma como o fazia. A constituição dum sector moderno no domínio agro-alimentar, representada pela moagem de cereais, lagar de azeite, processamento de carne, etc. estava em marcha desde os finais de Oitocentos. O movimento, muito acelerado nos anos ’20, suscitou a atracção de grandes capitais originários da esfera comercial e agrícola e deu lugar à formação de empresas com fortes marcas locais. Porém, a forma como a agricultura comercial moldava o tecido industrial passava também pela relação dos grandes domínios com a procura regional (limitada, como vimos, pela sua tendência para a autossuficiência).

265Até aos anos ’50 persistiu um sector artesanal ou de ofício importante e muito diversificado, representado pelas actividades de olaria, caldeiraria, sapataria, alfaiataria, espataria, etc. Foram actividades que ficaram ancoradas em produtos especializados para mercados rurais quando conheceram a concorrência fabril. Muitas pequenas indústrias sobreviveram, assim, graças aos produtos regionais que tinham uma distribuição de feira e de mercado, quando não estavam representadas por casas comerciais nas principais urbes. Ao calçado, pelicas, capotes, samarras, safões, etc. juntavam-se outros produtos rurais que iam desde a loiça, aos fabricos de chocalhos, às mobílias de Évora, passando pelos alforges e pelas mantas alentejanas. Este crescimento acompanhou o aumento da população rural até aos anos ’50, o qual constituiu, sem dúvida, um dos factores de crescimento destas actividades “tradicionais”. A pulverização da esmagadora maioria da população por montes e aldeias, numa malha dispersa, reforçou o peso dos transportes terrestres como factor de protecção dos ofícios, num cenário económico marcado pela defesa do proteccionismo agrícola, controlo da actividade industrial moderna e eliminação das relações mediatizadas pelos mercados livres. Podemos assim pensar que o êxodo rural, que se iniciou ainda na década de 1950, afectou profundamente o sector artesanal e oficinal, com a emigração de trabalhadores de ofício para outras regiões. No mesmo sentido foi o sector corticeiro, que conheceu a transferência de numerosos estabelecimentos para outras regiões (Margem Sul e Vila da Feira).

266Devemos, em todo o caso, pensar no seu destino em função de cada produto específico. A perda de mercados da loiça de Estremoz não parece ter afectado a loiça de São Pedro do Corval ou do Redondo. A limitação destes produtos resultava também da natureza do trabalho artesanal em meio rural – executado a tempo parcial, mais tosco, menos perfeito, enfim, longe do trabalho artístico que era exigido nos centros de consumo de luxo. Essa orientação para os mercados regionais, se lhes permitia resistir ou sobreviver, limitava desde logo a sua possibilidade de crescimento. Pequenas oficinas, como as serralharias, orientaram-se para a prestação de serviços, com as reparações mecânicas.

267Até muito tarde, puderam surgir empresas que orientaram os seus fabricos para a satisfação do consumo regional, a partir de matérias-primas oriundas de outras regiões. Estas iniciativas foram, porém, limitadas pela estreiteza dos mercados urbanos que serviam e pelo seu lento crescimento, como foi caso das indústrias da construção (cerâmica). A torrefacção de café confirmou esta asserção a contrario – cresceu porque se apoiou em mercados exteriores. Enquanto isso, a indústria dos refrigerantes decaiu, limitada como estava aos mercados locais. Por isso, dada a posição geográfica destas iniciativas, os mercados de média e longa distância foram fundamentais para o seu crescimento a médio prazo. A simples leitura das empresas bem sucedidas no caso da torrefacção e moagem de café indica que tirar partido desses mercados exigia o controlo das redes de informação e de distribuição centradas num produto. A prazo, não parecem ter sido as empresas comerciais polivalentes, voltadas para clientelas locais ou sub-regionais, as mais bem sucedidas.

268Os mercados, pelas características da procura e dimensão, tiveram por isso um papel fundamental. Houve actividades orientadas para o exterior que puderam crescer, sem qualquer base em matérias-primas locais, como foi o caso da torrefacção de café ou do fabrico de chocolates. Inversamente, a indústria cerâmica ficou limitada pelo fraco crescimento urbano.

269Noutros casos, a indústria apareceu subordinada ao capital comercial ou fundiário. Neste contexto, o problema da concorrência industrial vinda de outras regiões colocava-se de forma inteiramente diferente. Sendo empresas de natureza comercial orientadas para mercados locais ou sub-regionais, a diversificação foi mais importante do que a especialização, o lucro mercantil mais importante do que o lucro industrial. Nessa medida, a cessação da actividade produtiva poderia traduzir-se num acréscimo nos lucros. Para muitas casas de sapataria e de mobiliário, por exemplo, a opção entre mandar executar em oficinas da região ou comprar um produto vindo do exterior, não era dramática.

270Se as características dos mercados foram importantes, eles não foram livres para grande parte dos produtos regionais. Durante todo este período e, em especial, a partir da Ditadura Militar, o Estado tomou uma parte activa no condicionamento da actividade industrial, limitando os lucros, a possibilidade do investimento e o rumo dos negócios. Sobretudo, impediu que as firmas instaladas desenvolvessem mecanismos de dissuasão a novas entradas. Em que medida esta intervenção não terá mobilizado as forças do atraso em detrimento da modernidade? A análise do RTN na área da 4.a C.I. aponta para uma resposta afirmativa, como atesta a multiplicação do registo de novas iniciativas de natureza oficinal, artesanal ou de tecnologia pré-industrial entre os finais dos anos ’20 e os anos ’40, actividades que foram subtraídas à disciplina imposta pelo regime à indústria moderna.

271Por outro lado, em que medida o capital humano, que representavam os industriais, não terá afectado o desempenho deste sector? Quando se descreve uma indústria espartilhada entre grandes empresas comerciais ou agrícolas e as pequenas oficinas, não estaremos nós a lidar com uma indústria sem industriais? Quem eram, então, os industriais?

272Antes de tentarmos responder a estas questões, façamos uma última incursão pela indústria da produção e distribuição de electricidade, através da qual tentaremos perspectivar o problema da energia face ao desenvolvimento industrial na região.

Notes

1 Os registos tiveram início em Março de 1922. Os valores apurados antes deste período referem-se apenas à data de fundação dos estabelecimentos registados a partir dessa data. O reinício duma actividade dava lugar a um novo registo, se anteriormente não existisse licenciamento ou tivesse caducado o alvará (v. supra capítulo 3).

2 Os processos eram parte integrante do acto do RTN e do licenciamento das indústrias classificadas como “insalubres, incómodas e perigosas”. Os que presentemente se encontram em arquivo e que pudemos consultar referem-se a empresas cujo registo foi “cancelado”. Destes, foram seleccionados cerca de centena e meia de processos para descrição (cada um deles agrupado por empresa e agregando frequentemente vários processos administrativos distintos) da seguinte forma: 1) todas as maiores empresas em todos os sectores na região do Alentejo; 2) selecção aleatória de processos das pequenas empresas em cada sector em diferentes regiões. Estiveram nestes casos os processos relativos a fornos de pão, padarias, carpintarias etc. Este exercício envolveu uma consulta exaustiva dos milhares de registos. É necessário esclarecer que nem todos os registos de actividades correspondem a processos de arquivo (dado que foram feitas eliminações ou, supomos nós, “perderam-se” pelo Ministério da Agricultura). Por outro lado, a maioria dos processos tem apenas um número muito pequeno de documentos.

3 Veja-se a este respeito o recente estudo monográfico sobre um monte alentejano na região de Montemor-o-Novo (Reis-2002).

4 De acordo com Silva Picão, na freguesia da Santa Eulália (concelho de Eivas), constituíam factor de preferência no emprego, por parte dos rurais, “o trabalho próximo, a simpatia pelo abegão, e o bom trato em alimentação” (cf. Picão-1983:83). Mesmo os artesãos contratados ao ano, como os carpinteiros, raramente eram “justos a «seco»” (i.e. contratados sem alimentação).

5 Carta de 10 de Agosto de 1890, Arq. do Min. Obras Públicas, Documentos sobre o Inquérito Industrial de 1890 (correspondência).

6 Escritura de 18.Out.1918 no arq. da DRME, proc. 6 da 4.a CI (4/383), Moagem e Electricidade, L.da. Moagem de Farinhas espoada e de rama. Moagem de rações para gado. Rua das Indústrias, Arraiolos, Alvará 1.153.

7 Veja-se na DRME/Proc. 19 da 4.a CI-Sociedade Fabril Alentejana L. da. Alvará 5.080 de 11.Dez. 1959.

8 V. DRME/Proc. 4/2266, Alvará 10147. “As indústrias estavam instaladas em edifícios que constituíam 2 blocos absolutamente distintos” (informação de 13.Out.1951).

9 V. a este respeito a tese de Jorge Gaspar sobre a cidade de Évora, centrada na teoria dos lugares centrais (Gaspar-1972) e, mais recentemente, o trabalho de Candeias (1998).

10 Para uma visão geral de natureza técnica e económica sobre a cortiça é útil consultar a síntese de Luís Gil (1996) que é uma tentativa bem sucedida de actualizar Vieira da Natividade (1950). Sobre os problemas do comércio externo veja-se Miranda (1991) e também Lains (1995). Vale ainda a pena ler os clássicos Bernardo (1943 e 1946), Calheiros (1934) e Costa (1935).

11 A situação não deixava de ser semelhante ao que ocorria noutras regiões. Para a Estremadura espanhola veja-se Zapata Blanco (1986 e 1996).

12 V. o Notícias de Évora, 1922.

13 DRME - Processo 3.716 da 4.a C.I. (RILEI 4/1048). Fábrica na Rua Nova-Azaruja, freguesia de S. Bento do Mato-Évora.

14 Veja-se a este respeito os processos no arquivo do Governo Civil de Évora. Sobre este caso v. DRME, proc. cit. Requerimento de 28-11-1937. Alvará 2.7293 de 11-3-1940.

15 V. folhas de inquérito autógrafas no processo.

16 DRME. Proc. em Vendas Novas de José Lopes dos Santos. Alvará 5880 de 12-3-1925. V. tb. D.G., 70, 2.* série, 25-3-1925.

17 Despacho ministerial de 5 de Setembro de 1938. Montadas a 16 de Nov. 1938.

18 Na sequência duma vistoria feita à fábrica em 1945, colocaram 15 condições higiénicas, muitas delas relativas ao pessoal. O pessoal deveria usar fato próprio para o trabalho e apresentar-se calçado, deveria haver refeitório higiénico para o pessoal operário, com mesas pequenas para 4 pessoas e boa iluminação natural, etc. Depois os serviços passaram a exigir apenas o cumprimento imediato de todas as cláusulas relativas a regras de segurança no armazenamento da cortiça (v. proc. cit.).

19 V. requerimento de 8.Set.1956 (proc. cit.)

20 A indústria caseira estava isenta do condicionamento industrial desde 1931 (dec. 19409 de 4. Março). V. a definição do conceito nos decretos 23.630 de 5.Março.1934, 36.279 de 15.Maio.1947 e também o decreto 38.783 de 16 de Junho de 1952.

21 DRME/Processo 3.335 da 5.a C. I. (requerimento em 29/9/1946).

22 Sobre as operações de trabalho com a cortiça e a sua divisão sexual veja-se o documento fotográfico publicado recentemente pelo Ecomuseu Muncipal do Seixal (Filipe-2001).

23 DRME – processo 1.889 da 4.a Cl. (processo 3.356 da 5.a C.I.). Alvará 34.834 de 19/4/1952. Requerimento em 28-12-1946. Despacho favorável em 19.Nov.1946.

24 Requerimento de 3.Abr.1946 no proc. cit. Veja-se também no BDGSI, 449, 17/4/1946.

25 V. escritura de trespasse de J. D. Neto, industrial residente em Messines, em 28.12.1946 no cartório de Victor Castro da Fonseca (Faro).

26 V. edital no DA, 13. Jan.1947

27 V. carta autógrafa de Manuel Francisco Pereira à CI em 14.Nov.1957 (proc. cit.) “Tomo a liberdade de me dirigir a V. Ex.a pelo seguinte. Há dez anos aproximadamente que sou fabricante de cortiça em prancha nesta região. Como nestes últimos três anos tenho verificado certo prejuízo, estou na atitude, suponho que lá seja um pouco melhor, mudar a minha fábrica para Alhos Vedros, Montijo, Barreiro, etc. desde que lá encontre lugar que me interesse. Como para este fim necessito duma autorização das Entidades Oficiais, Venho por esta pedir a V. Ex.a se digne informar-me se amanhã me será autorizado desde que necessite da mesma.(...)”.

28 De acordo com a série construída por Neves (1995) e adoptada por Valério (2001: I, 209-210), a produção de trigo, que pouco ultrapassava as 200 mt em 1916, aumentou sucessivamente nos anos ’20 atingindo em 1923 as 365 mt. Este valor só viria a ser alcançado novamente em 1930, situando-se em 1932 nas 648 mt (maior valor absoluto até então alcançado). Em 1934 e em 1935 a produção foi respectivamente de 711 e 609 mt, caindo depois para as 235 mt. Os picos seguintes situaram-se em 1939 (527 mt), 1941 e 1942 (com perto de 500 mt de média). Cf. dados algo diferentes compilados pelo engenheiro agrónomo Henrique de Sá Carneiro (1944). O confronto entre as duas séries mostra uma coincidência absoluta dos picos em 1925, 1930/1, 1932, 1935, 1942/3. Tal sugere que a perspectiva de colheitas extraordinárias e a escassez de gado de trabalho constituíam uma motivação directa para a aquisição destas máquinas.

29 V. a este respeito Dias (1953), Borges (1980 e 1981), Ferreira (1999). Sobre a evolução técnica e económica posterior é útil consultar Moreno Lázaro (1998).

30 Geralmente esta motorização não passava do simples acoplamento de um motor a gaz ou a óleos pesados que permitia a utilização dos maquinismos instalados durante o tempo seco. Em alguns casos, os motores chegaram a funcionar durante todo o ano. Veja-se a este respeito o alvará 1948-11 de 2.Dez. 1947 referente a uma fábrica de moagem produtora de farinhas em rama (azenha motorizada) de José Eduardo Lança, “industrial de Beringel” (arredores de Beja).

31 V. a este respeito a legislação publicada pela F.N.P.T. (Portugal, 1943) e as publicações da Inspecção Geral das Indústrias e Comércio Agrícolas (a título de exemplo, Portugal, 1948).

32 DRME-Processo 202 da 4.a Cl. Requerimento a 28.11.1923. Alvará 3434 de 29.2.1924 para forno de padaria.

33 Podemos perceber as dificuldades que a panificação estava a atravessar através duma carta dum pequeno industrial de Moura, dirigido ao director da Bolsa Agrícola, na sequência da imposição das medidas higienistas, em Novembro de 1928: “Desculpe V. Ex.a a maçada que lhe estou dando, aqui nesta terra há mais de 50 pessoas que vendem pão ao público de farinhas em rama feitas no Ardila e nos Barrancos, de péssimas qualidades que vendem ao público por diferentes preços, porque esta farinha é de má qualidade e compram-na a 1$70 cada quilo, ao passo que eu só fabrico pão de farinhas espoadas da manutenção militar e das Fábricas de Iria que me custa aqui 2$25 e 2$30 cada, conforme a despesa que ela faz para chegar. Por este motivo [e] por pagamento de Contribuições, Taxas e Licenças, é-me impossível competir com os meus colegas vendedores de pão que não têm pago contribuição alguma; há aqui criaturas que vendem 5 ou 6 vezes mais do que eu pelo motivo que atrás disse a V. Ex.a, parte destas criaturas amassam em espeluncas sem se importarem com a higiene nem com o asseio. Se por todos estes motivos, se V.Ex.a não mandar aqui Fiscalizar, que os faça cumprir o Decreto, eu declaro que tenho de fechar a porta, ou então fazer os mesmo que eles fazem. Eu não tenho empenho que eles deixem de vender pão mas sim desejo que eles paguem as devidas licenças e contribuições como eu estou pagando”.
Em 20 de janeiro de 1930, o mesmo industrial voltou a protestar contra o comportamento discriminatório das autoridades nestes termos eloquentes: “Em princípio de Dezembro último fui a essa Bolsa pedir para que se fizesse justiça na vila de Moura sobre vendedores de pão que há aqui nesta terra, sem haver ninguém que faça entrar dentro da lei que essa mesma Bolsa decretou. Há aqui mais de 50 casas que fabricam pão de todas as qualidades de farinha, amassam em todas as espeluncas, sem asseio e sem condições higiénicas, de qualidade nenhuma, sem que ainda tivessem a mais pequena vistoria, prejudicando assim os que estão ao abrigo da lei e que pagaram as licenças e taxas, contribuições, etc. Os que fizeram as padarias como exige a lei da panificação que essa Bolsa decretou já 3 vezes que eu peço justiça a essa digna Bolsa, sem que tenha tirado o mais pequeno resultado. No princípio de Dezembro quando aí fui para que fizessem justiça, mandaram-me para o Ex. mo Sr. Director da Bolsa Agrícola de Faro, e se lá não dessem andamento que tornasse a escrever para essa dita Bolsa de Lisboa. Finalmente fui gastar 300$00 sem nenhum resultado, quando cheguei e me apresentei ao Ex.mo Snr. Director da Bolsa de Faro e lhe disse que eu [fora] ali mandado pela Bolsa Agrícola de Lisboa, não quis acreditar que me mandassem para ali em tal fim, que quem para lá me mandou bem sabia que ele não tinha lá pessoal para mandar a parte alguma, porque há uns quatro meses lhe tinham tirado pessoal, que ele podia mandar a qualquer parte que fosse preciso e nesta forma nada me poderia fazer, que só em Lisboa podiam fazer a justiça, que ele não poderia fazer, visto terem-lhe tirado o pessoal. Venho mais uma vez rogar a V. Ex.
a que se digne fazer, com as autoridades deste distrito que ponham termo a esta campanha tão desleal e vergonhosa em tudo, pois julgo que se respeitam as leis menos neste Distrito de Beja, principalmente na margem esquerda do Guadiana, que se considera neutra, talvez por estar muito longe da Capital.” (V. DRME, doc. 26, processo 7.010 da 4 CI, padaria de fabrico de pão de farinha de trigo espoada, Sociedade de Panificação Mourense, Limitada (Rua dos Fiéis, Moura). Alvará 20.561 de 16-12-1932. V. tb. D.G., 59, II série, 13-3-1933).

34 Autorização dada nos termos do art. 47 do decreto de 25.732 de 12.Ago.1935 (v. proc. 202 cit. acima)

35 Maiusculas no requerimento original. V. BDGSI, 745, de 10.4.1963 autoriza o agrupamento de 18 estabelecimentos de fabrico de pão na condição de garantir o abastecimento regular de pão.

36 V. doc. no processo 3.903 da 4.a CI (RILEI 4/1164)

37 DRME/Proc. 9940 da 4.a CI - Um estabelecimento de fabrico de pão no Ferragial do Touro em Arraiolos. V. Despacho de 17 de Jun. 1963 da D.G.I. que autorizava o agrupamento de 15 estabelecimentos de fabrico de pão no concelho de Arraiolos em não mais de 2 estabelecimentos.

38 V. DRME - proc. 7.285 da 4.a CI (proc. 588 na 5.a CI). Alvará 5.774, 14.Mar. 1925, DG 83, II, 10-4-1925.

39 Alvará 18.131 de 22-11-1937. A soldadura foi obviamente averbada muito mais tarde na actividade.

40 DRME / Processo 6.637 da 4.a CI. Alvará 10.925 de 20.8.1938. Estamos perante uma sociedade agrícola e comercial familiar constituída em 16. Jun. 1919 (Lisboa), com um capital social de 310 contos. O pacto social foi alterado sucessivamente em 30.Dez.1919, 7. Fev. 1924, 15.Jan.1925 e 11. Jan. 1929.

41 V. DRME - Processo 13.803/222, na Rua da Lagoa, Vidigueira (Beja). Requerimento em 16-12-1923. Alvarás 5762 de 14.Mar.1925 {DG, II, 10-4-1925) e 14.783 de 30.11.1938. Processo 575 da 5.a CI.

42 V. tb. DRME-Processo 383 (4/2450 3IPT). Moagem de farinha em rama de José Mendes Carvalho, Sobrinhos & C.ia Parque Dr. França (Portei). Alvará 8.368. O timbre da firma José Mendes Carvalho, Sobrinhos & C.ia em 1925 referia “Fábricas de moagens de cereais e azeite. Depósito de vinhos, aguardentes, cereais e azeites. Portei.” A sede das operações tinha entretanto passado para aqui. V. tb. alvarás 1703-M e 4644-M referente a azenha e moagem de rações para gados (Abr.1950).

43 V. proc. cit.

44 V. folha de inquérito no proc. cit. acima.

45 DRME-Processo 7.188 da 4.a CI. Um lagar de azeite, uma moagem de cereais (farinha em rama) e uma oficina de trituração de rações para gado. A Ficalhense. Alvará 22.903.V. tb. Processo 1.453 da 5.a CI (Lagar de azeite e moagem de cereais (ramas). Requerimento em 8-4-1929. E o processo 12.075/88 IGICA, Alvará 2034.

46 V. escritura de A FICALHENSE, S.A.R.L. de 26.Abr.1920 no D.G. 146, III série, 26.Jun.1920.

47 V. DRME - Proc. 5016/658 Alvará 2435-M. A moagem dispunha agora de 3 casais de mós de 1,20 m accionados por 2 motores: 1 de 28 cv (gaz pobre) e outro de 60 cv (óleos pesados).

48 DRME - Processo 7.318 4.a CI (Rilei 4/1943): José Clemente Maltez, Rua Serpa Pinto e Lagar Novo, Cuba. Fábrica de Moagem de Cereais e Lagar de Azeite. Alvará 5.798 de 14 de Março de 1925. Requerimento a 18-3-1924. Em 1941, passou para José Morais d’Almeida (requerimento para averbamento em 13.Nov. desse ano) e em Janeiro de 1970 para a firma José Morais de Almeida & Filhos. Em Junho de 1978, o estabelecimento estava nas mãos da Cooperativa Agrícola Polivalente do Concelho de Cuba S.C.R.L. que comprou as instalações à família por 4.854 contos. Nesta altura a moagem deixara já de funcionar e o lagar tinha praticamente o equipamento registado 10 anos antes. Em 1986 o gerente da cooperativa informou que a fábrica tinha suspenso a sua actividade por falta de pessoal especializado.

49 Inquérito de 20.Nov. 1952 no proc. cit.

50 DRME – Processo 6.618 da 4.a CI. Peninsular Oleícola Limitada (Alvito). Alvará 11228 de 21 Out. 1927.

51 V. escritura de venda em 12.Set. 1938 de José Clemente Maltez e sua esposa das instalações a Francisco Gonzalez y Gonzalez e Maximo Gonzalez Briz, comerciantes moradores em Lisboa (em representação da Peninsular Oleícola Limitada), no proc. cit. A fábrica estava hipotecada ao BNU por 200 contos e foi vendida por 300 contos.

52 V proc. cit.

53 V. Alvará 3.094 de 13. Mar. 1945 fixa a capacidade de laboração da fábrica em 3.760 kg de azeite refinado em 24 h. V. tb. alvará 4.858 de 12.Maio.1947 para extracção de óleos de bagaço.

54 Escritura no cartório de José Frasquilho de Moura. Tratavam-se e de D. Jacinto Navas Romero, médico, D. Manuel Barrera Martin, D. Roque Barreira Martin, proprietários, residentes em Almonaster La Real, Huelva e D. Juan Navas Romero, proprietário que residia no monte da Herdade da Vila Ruiva, arredores de Moura.

55 DRME – Processo 1.763 da 5.a CI. Requerimento entrado em 13-10-1930. A Electro-Oleica de Moura, L.da. Ponte de Sua Alteza, Moura. Alvará 23839 de 16.Mar.1936 (DG, 127, 2.a série, de 4/6/1936)

56 Veja-se, em Março de 1941, o processo do Condicionamento Industrial no proc. cit. para reabrir, transformar e ampliar o estabelecimento, autorizado em 2-10-1941. Contestou Guimarães Pestana & C.ia. L.da. de Vila Nova de Gaia, empresa que afirmava ter o monopólio do sulfureto de carbone. Esta empresa contestou a pretensão da oleícola mouranense em fabricá-lo, alegando que o país era excedentário neste bem e que a candidata não tem capacidade técnica. O chefe da 5.a CI (Faro) defendeu, no entanto, que a produção nacional era insuficiente e alegava a distância da fábrica do Porto e razões de segurança. A firma recebia agora o sulfureto da CUF que também o utilizava largamente nas suas instalações.

57 V. Processo 3.151, organizado pela extinta I.G.I.C.A. (no proc. cit.). A sociedade que tinha um capital de 300 contos (1948) e era composta por Henrique Cansado, Henrique Uva Cansado, Carlos Uva Cansado e Raul Pinto da Fonseca Leitão. V. D. G., III série, 116, pp. 639-640 de 13.Maio.1948.

58 Por despacho ministerial de 24-5-1945. Oposição da Sofal em 19.Maio.1944.

59 V. ofício da 2.a repartição (CI) da Direcção Geral dos Serviços Industriais, C.G.-M 1186/51 de 5.Abr.1951 para a Empresa Fabril de Moura (EFM), autorizando a empresa a instalar 2 casais de mós de diâmetro inferior a 1,2 m (requerimento da empresa em 22.2.1951), ao abrigo do art.° 2 do dec. 36.443 de 30. Jul. 1947. O Ministro da Economia por despacho de 14.Mar. 1951 considerou que era “inconveniente a localização concentrada de grandes unidades de moagem de farinhas em rama”. O mesmo artigo permitia que, por desp. de 4.4.1951 a empresa fosse autorizada a instalar a indústria de “destilação de figo, medronho, bagaço de uva e borras de vinho (devendo observar o que dispõe o dec. 20.408 de 20.10. 1931)”. A actividade deveria ser exercida em edifício próprio. Como condicionante “o aparelho de destilação não deve ser munido de lentilha rectificadora”.

60 V. requerimento para o licenciamento destas actividades em 5.5.1951 (proc. cit.).

61 Inquérito de 23 de Setembro de 1955 (proc. cit.).

62 DRME – Processo 1.994 da 4.a CI. Processo 3IPT 6.990. Notícia no Boletim da DGSI 209 de 31 Dez. 1952.

63 As 17 fábricas existentes no país, embora tivessem capacidade para 33 mil toneladas, só laboravam 8 mil anualmente em 60 dias no ano. Opuseram-se a Sociedade Industrial Refinadora de Azeites (Lisboa), Bastos Ribeiro (Sousel), União Industrial (Lisboa), a Soc. Fabril Alentejana (V. Viçosa), Soc. Fabril (Setúbal), a Sociedade Industrial e Comercial de Azeites L.da, a António Correia da Silva (V. N. Gaia), Peninsular Oleícola (Alvito), a Fábrica Torrejana de Azeites (T. Novas), a Vicente, Correia & Campeão (Tomar), a C.U.F., a Soares & Irmãos (Porto), J. Olaia (C. Branco) e a Mariano Lopes (Brinches).

64 Seguimos a descrição feita pelo engenheiro Luís Ferreira (1907).

65 Nos concelhos de Odemira e Almodôvar, que pertenciam à 5.a CI, foi importante o registo de destilarias cuja actividade tinha por base o medronho. Não trataremos delas aqui.

66 DRME - Processo 4.382 (Rilei 4/2281) da 4.a CI. Alvará 34623

67 Do requerimento no proc. cit.

68 Entre as condições impostas nestes alvarás figuravam a obrigação de usar água “bacteriológicamente pura”, “clara e límpida, devendo para esse fim, quando preciso, ser filtrada”. O uso do açúcar era obrigatório e proibido o uso de corantes não autorizados. Os recipientes deviam ser em vidro e as rolhas e discos de cortiça deviam ser preparados para não serem tocados pela água. Nestes estabelecimentos, todas as secções deveriam ser independentes e fartamente iluminadas”, ter um pé direito com mais de metros. O edifício deveria estar isolado de estábulos, fábricas, etc. V. dec. 19.409 de 4.Mar. 1931.

69 Tratava-se dum transportador mecânico accionado por 1 motor eléctrico de 1 c.v., 1 máquina automática para lavar garrafas com 3 motores eléctricos, 1 máquina automática para encher e capsular 16 bicas, 4 xaropadores e 1 saturadora automática com 3 pequenos motores.

70 DRME - Processo 2.410 da 5.a CI/RILEI 5/152 Fábrica de Refrigerantes Engarrafados (Classe VIII Grupo III) no Poço Novo, em Mértola. Alvará 25.642 de 17-5-1938 (DG 147, 2.a série, 28-6-1938).

71 Memória Descritiva, Abril de 1936, proc. cit.

72 Idem, idem.

73 2 em Almodôvar, 1 em Garvão e outro na Mina de São Domingos, da Sociedade Cooperativa Comércio Unido, encerradas pela Ordem de Serviço de 15 e 22 Agosto de 1951.

74 DRME - Processo 7.401 da 4.a CI (RILEI 4/2370). Em 1950 foi feito o trespasse para Timóteo Moreno Briz, outro comerciante local. V. tb. processo 3.391 de Fábrica de refrigerantes e licores (anexa ao outro). Alvará de 2.a classe 36.692. O pedido de licenciamento foi feito em 7 de Maio de 1947.

75 O fabrico de licores perdurou até 1975 e a empresa encerrou por volta de 1980.

76 DRME-Processo 2.388 da 5.a circ. ind. (depois 6.876 da 4.a circ. ind.). Alvará 28448 de 5/3/1943 Sobre esta sociedade veja-se a escritura de 12.Dez.1946 (notário de V. F. Xira, Francisco França D. Nóbrega), livro 96. Dela faziam parte os proprietários Manuel de Sousa Gomes Barquinha e esposa e Manuel Amador Barros Martins e esposa, estes de Beja. V. tb. escritura de 28.Mar.1925, lavrada a fls. 82 do livro 23-B do notário de Lisboa, António Tavares de Carvalho. O capital inicial era de 50 contos. A sociedade foi dissolvida em 1946. O estabelecimento passou então para Manuel Martins e, mais tarde, para a viúva. Em Maio de 1962 ficou em nome dos herdeiros.

77 V. DRME – Processo 6.940 da 4.a CI. Alvará 37.261.

78 No proc. cit.

79 DRME – Proc. 2.106 da 4.a CL

80 Alvará 17349 de 24/11/1930 (D.G. 300, 2.a série de 24/12/1930).

81 DRME – Proc. 3887 da 4.a CI. Alvará 30.477 de 9-7-1946

82 DRME – Proc. 463 da 4.a CI. Alvará 8582 de 1.Jul.1926

83 DRME – Proc. 4178 (RILEI 4/1170) da 4.a Cl. Alvará 30446 de 9-7-1946. Este processo teve início com a transferência da torrefacção situada no Largo da Graça, 4, freg.a de S. Pedro, licenciada pelo alvará 28.176.

84 DRME – Proc. 3591 da 4.a CI. Alvará 27.554 de 1.7.1940

85 DRME Proc. 4.756 da 4.a CI. Alvará 37.118.

86 V. Picão-1983, Amaral-1941, Andrade-1941, Barros-1934, Caldas-1991, Raposo-1974, Brito et al. (1996). Para Espanha, Garcia Sanz e Garrabou (1985, III) e Simpson (1995).

87 DRME - Processo 436 (4/3234) da 4.a CI. Alvará 6564 de 9.Maio. 1925 no D.G. 173, 2.a série de 25.7.1925.

88 Ofício de João Augusto Marchante, presidente da J. N. dos Produtos Pecuários ao Sub secretário de Estado da Agricultura, em 13.12.1955.

89 DRME-Processo n.° 1.204 da 5.a CI / Proc. 7.183 da 4.a CI / Proc. Rilei 4 / 1635. Alvará de 15.909 de 8.Jul.1930 (DG 192, 2.a série, 20-8-1930).

90 Bilhete postal de Serpa de 1-10-1949 à 5.a CI no proc. cit.

91 DRME – Proc. 1205 da 5.a CI / Proc. 7.184 da 4.a CI / proc. Rilei 4/1636. Alvará 15.910 de 8.Jul.1930. DG 192, 2.a série, 20-8-1930

92 Ofício da firma Domingos António Janeiro, Serpa ao chefe da 5.a CI, em 2.Out.1949 no proc. cit.

93 V. ofício no proc. cit.

94 DRME – Proc. 4698 da 4.a CI. Req 7-5-1948

95 Folha de inquérito de 13.Mar.1953.

96 DRME – Processo 7.028 da 5.a CI. Alvará 26.322 de 7-12-1938 no D.G. 297, II, de 23-12-1938.

97 Requerimento feito em 9 de Abril de 1938 (proc. cit.)

98 V. DRME - Processo 2.840 da 5.a CI. Alvará 27.266 de 28-12-1939.

99 DRME - Processo 7.970 da 4.a CI. V. requerimento de 15.Maio. 1952

100 Veja-se a folha de Inquérito de 12 Abr. de 1953 no proc. cit.

101 DRME - Processo 8.796 (Rilei 4/463). Fábrica de Telha e Tijolo no Monte Novo, Mora. Alvará 48.776 de 12-5-1958.

102 V. requerimento de 1957 no proc. cit.

103 Carta autógrafa de Mora, 19 de Junho de 1957 (proc. cit.). (Erros ortográficos corrigidos).

104 “Senhor Engenheiro eu e toda a minha família pedimos a Vossa Ex. ia e ao Senhor fiscal pela vossa rica saúde que tenham dó de nós, haver (sic) se podiam estudar um processo de evitar diminuir ou selar uma coisa que tantos sacrifícios custou a nós todos e que tanto trabalharmos (sic) e ainda custou uma porção de contos e que somos pobres e tanta falta nos faz. Porque os fornos são pequeninos levam pouco e não dão arrefecimento não se pode desenfornar a tempo a família queima-se depois não podemos coser e a máquina assim pode trabalhar depois não há rendimento as despesas estão certas os encargos aparecem nós não arranjamos fundos para satisfazer todos os pagamentos a tempo. como manda a lei. Por isso eu peço e agradeço o seu auxílio e pagarei o que vossa Ex. ia entender agradeço que me deixem laborar algum tempo com os 3 fornos e assim que eu poder dar um jeito nós fazemos imediatamente um forno em condições e se não for por este meio eu e a minha família temos a nossa vida estragada. Estas máquinas que aqui temos, custam uns centos de contos, nos temos muito que trabalhar e sofrer para as pagar-mos e corresponder a todos os encargos que estamos sujeitos, estou muito empenhado e arrisquei tudo o que tenho por causa da Cerâmica. E se não for assim por este meio não defendemos. Estamos até sujeitos a ficar desgraçados sem nada” (Carta de Joaquim José, datado de Mora no proc. cit. Erros ortográficos corrigidos).

105 V. ofício de 6-6-1931. DRME-Processo 2.414 (Rilei 4/491) de Mora. Alvará 19.075 de 27-2-1932.

106 V. ofício do engenheiro-chefe da 4.a circunscrição, Évora, 27 de Julho de 1933 no proc. cit.

107 V. ofício de Domingos José Pereira de Mora, em 19 de Junho de 1967, dirigida ao Director dos Serviços Industriais (no proc. cit.): “Agradeço a V. Ex.a a fineza de ordenar uma visita à minha fábrica de Cerâmica, assim como aquelas novas que ultimamente têm sido equipadas com maquinaria de grande capacidade mas sem condições algumas para as instalar. Como pode ser verificado. Obedecendo isto a construtores de máquinas de Cerâmica que tentam impingir estas a quaisquer pessoas sem condições para as pagar. É estranho que eu fabricante há mais de 40 anos, quando os serviços industriais não estavam tão apertados, não podia fazer qualquer serviço na minha indústria sem as respectivas autorizações e vistorias, que custavam bastante dinheiro, o que é natural, e que agora as coisas tomaram outro rumo. O meu colega, sem conhecimentos, sem condições de instalações, lhe é permitido montar uma máquina de 100 c.v. e outros sem dar cavaco? Esta pessoa que está aqui a 2 ou 3 km no meio de proprietários cujas propriedades são constituídas de sobreiral, sujeitos a serem incendiados pelo lume irradiado dos fornos rudimentares usados por aquele colega. Nessas propriedades me encontro incluído, o que nunca reclamei por ser oficial do mesmo ofício. Também iniciei o meu princípio mas fui obrigado a fazer-lhes chaminés. Trata-se do Sr. (...), o que é natural essa direcção já ter conhecimento. /Mas creio que ainda não foi verificado o estado precário daquela instalação. Este Amigo faz tudo. Nunca pagou imposto de transação do que vende e nunca pagou para as Caixas de Previdência, faz transportes com os seus tractores quando estes não são para os serviços industriais. Eu nada posso fazer inclusivamente não há muito tempo fui obrigado a canalizar água com pressão para os tanques que servem de limpezas às sentinelas, que eram cheios com pessoal. Ora a fábrica também está no campo. Há tempos, há cerca de 3 anos fui avisado para mandar tirar alvará para fazer depósito de lenha limpa porque não gasto rama [...] Enfim, todas as pessoas deviam carregar em igualdade de circunstâncias com o que as leis mandam (...)”.

108 DRME-Processo 4.585 (Rilei 4/1340 Rilei). A legalização da secção dos blocos de cimento foi feita somente em 1964.

109 Ficava na Travessa da Banha, em Beja. V. DRME – processo 6.917 da 4.a CI. Alvará 30.670 de 5/12/1946. D.G., 2.a série, 19-12-1946.

110 Da memória descritiva de 12.Jun.1939 no proc. cit.

111 ADRME-Processo 6.673 da 4.a CI. (Rilei 4/586). Requerimento deferido ao abrigo do art.° 2.° do dec. 36.433 de 30. Jun.1947.

112 No proc. cit.

113 Do timbre da sua firma. V. ADRME-Processo 34-U da 4.a CI (Rilei 4/3241). Ficava na Rua das Alcaçarias, 1. S. Mamede-Évora. Alvará 3391 de 29.Fev.1929.

114 ADRME – Processo 395 da 4.a CI (Rilei 4/3219). Alvará 6534 de 9.Maio. 925. Requerimento a 7.Set. 1924

115 ADRME – Processo 5.523 (5.a CI). Alvará 36.591. Veja-se a este respeito o decreto 36.443 de 30/7/1947.

116 O Inquérito Industrial acusava, para a área da circunscrição, 114 oficinas e, para todo o Alentejo, 140 que empregavam 196 pessoas.

117 DRME – Processo 3.548 na CI, no arquivo da antiga D.G.S.I. processos 38/328-9 e 38/328-10.

118 DRME – Processo 5.723 (4/1934 3IPT). A sua laboração terminou em 1988.

119 Um dos casos de antigas oficinas que pudemos acompanhar diz respeito à Serralharia Montemorense, casa fundada em 1843 que passou da serralharia civil para a serralharia mecânica, com postos de soldadura oxiacetilénica e eléctrica” (DRME-processo 4.528 (4/1139 3IPT) e alvará 32.133 de 21-3-1949). Instalada num prédio arrendado de piso térreo, com aparência simples, empregava apenas 2 pessoas. Depois, com a morte de Joaquim Manuel Soeiro, passou para o filho serralheiro em Julho de 1954. O timbre da firma registava: “Oficina de reparações de automóveis, motores a gasol (sic) e a petróleo e máquinas agrícolas. Perfeita execução de todos os trabalhos de construção civil”. Nesta altura empregava 9 serralheiros e 4 aprendizes mas, quatro anos depois, parece ter voltado aos 3 empregados.

120 Referimo-nos à razão entre (a) o total de cancelamentos verificados nas actividades e (b) o total de actividades registadas no período 1922-1952 (em percentagem).

121 DRME – Processo 791 da 4.a CI. Ficava na Rua Romão Ramalho. Alvará 8603 de l. Jul. 1926 (DG 172, 2.a série, de 24.7.1926).

122 V. Boletins de inquérito no processo.

123 DRME – Processo 3.934 da 4.a CI

124 DRME – Processo 9.405 da 4.a CI (Rilei 4/1900 3IPT). Alvará 54.978.

125 DRME – 4.a CI proc. 7.397 (Rilei 4/1236). Alvará 34.959 [de 19.Abr.1952]

126 Todos os registos realizados em 1932 foram cancelados nessa altura. Efectivamente, na maior parte dos casos não estamos a lidar com “automóveis de praça”, mas com pobres almocreves que não eram capazes de pagar contribuição industrial nem de suportar todos os gastos inerentes ao registo industrial.

127 V. Alvará de 12.630 de 18.10.1928, no DG 27, 2.a série, de 30.10.1928. Ficava na Rua do Muro, em Évora.

128 V. DRME - Processo 1.435 da 4.a CI.

129 V. boletins de informação no proc. cit.

130 V. carta em Abril de 1954 no proc. cit. acima.

131 Do timbre da empresa. Veja-se no DRME – proc. 210 (4/69) da 4.a CI. V. tb. alvará 4.878 de 29.10.1924.

132 V. inquérito de 28.Fev.1952 autógrafo no proc. cit.

133 V. DRME-Processo 2.413 da 4 CI (4/2174, 3IPT). Alvará 18.678 de 16.2.1931.

134 DRME - Proc. 1.435 da 4.a CI. Requerimento entrado em 7.2.1928.

135 V. Alvará 25.649 de 17-5-1938 DG 147, 2.a série de 28-6-1938.

Notes de fin

1 não incluindo as indústrias da fileira do pão (cf. tabela 4.7.)

2 não incluídas as industrias relativas aos transportes.

3 Não foram incluídas nesta lista 6 registos de oficinas de soldadura ontogénio.

Table des illustrations

Titre Tabela 4.2 – Estabelecimentos registados de dimensão intermédia na 4.a C.I.
Légende Nota: consideraram-se aqui os estabelecimentos registadas com mais de 20 trabalhadores e menos de 50. Não se incluíram os estabelecimentos de preparação e transformação de cortiça descritos no capítulo 3.Fonte: DRME/R.T.N.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 356k
Titre Mapa 2. Estabelecimentos de preparação e manufactura de cortiça registados na 4CI
Légende Fonte RTN
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 268k
Titre Tabela 4.4 – Número de estabelecimentos corticeiros e de trabalhadores na área da 4.a Cl em 1890 e 1923
Légende Fontes: Inquérito Industrial, 1890; DRME/RTM (cálculos nossos)Legenda: Est. Número de estabelecimentos; Pe. Número de pessoas empregues na indústria.Nota: o número de efectivos atribuído à fábrica da Robinson em Portalegre é o indicado pelo Inquérito de 1881.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Figura 4.1 – Número de estabelecimentos registados para o exercício da indústria corticeira (preparação e transformação), entre 1922 e 1952, na 4.a Cl, por data de fundação
Légende Fonte: ADRME/RTN: 1922-1952 (cálculos nosso)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre Figura 4.2 – Movimento industrial aparente no subsector corticeiro na área da 4.a CI: oferta de emprego e criação de novos estabelecimentos (1895-1952)
Légende Fonte:. ADRME/RTN: 1922-1952 (cálculos nossos)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre Figura 4.3 – Movimento de actividades canceladas na indústria corticeira (estabelecimentos registados na 4.a C.I. entre 1922 e 1952)
Légende Fonte: ADRME/RTN: 1922-1952 (cálculos nossos)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Tabela 4.8 – Dispersão geográfica das actividades da fileira do pão na 4.a C.l.
Légende * eliminados 3 registos de moleiros e I peneireiro.Legenda: Freguesias: número de freguesias onde foi registada a actividade; Emprego: número total de trabalhadores adscritos a esse registo; Registos: total do número de registos na actividade; Max. Reg.: número máximo de registos numa Freguesia; Max. Empr.: número máximo de trabalhadores registados numa freguesia.Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Figura 4.4 (I) – Empresas de debulha de cereais registadas na 4.a CI. (1922-1939), por data de fundação
Légende Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figura 4.4. (II) – Distribuição dos cancelamentos da actividade de debulha de cereais (estabelecimentos registados na 4.a C.l. entre 1922 e 1939)
Légende Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).Nota: Não dispomos de elementos para 197 cancelamentos (57% dos casos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Mapa 3 – Debulha mecânica registada na área da 4.a C.l. (1922-1950)
Légende Fonte: RTN
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 272k
Titre Mapa 4 – Moinhos de vento registados na área da 4.a C.l. (1922-1950)
Légende Fonte: RTN
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 260k
Titre Figura 4.5 – Moinhos de vento registados na área da 4.a Cl (1922-1934) por data de fundação
Légende Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Figura 4.6 – Azenhas registadas na área da 4.a Cl (1922-1939) por data de fundação
Légende Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Figura 4.7 – Moagens de cereais (fábricas) registadas na área da 4.a Cl (1922-1939): número de registos e emprego por data de fundação
Légende Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Mapa 5 – Moinhos de azenhas registadas na área da 4.a C.l. (1922-1950)
Légende Fonte: RTN
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 296k
Titre Mapa 6 – Fábricas de moagem de cereais registadas na área da 4.a C.l. (1922-1950)
Légende Fonte: RTN
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 256k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Mapa 7 – Fornos de cozer pão registados na área da 4.a C.l. (1922-1950)
Légende Fonte: RTN
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 256k
Titre Figura 4.8 – Fornos de coser pão registados na área da 4.a CI (1922-1936) por data de fundação
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Figura 4.9 – Padarias com forno registadas entre 1922 e 1936 segundo a data de fundação
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Figura 4.10 – Padarias registadas entre 1922 e 1936 segundo a data de fundação
Légende Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Mapa 8 – Número de lagares de azeite registados na área da 4.a C.l. (1922-1950)
Légende Fonte: RTN
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 244k
Titre Figura 4.11 – Registos de fábricas e de lagares de azeite na 4.a CI (1922-1939) de acordo com a sua data de fundação
Légende Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Mapa 9 – Fabrico de carne ensacada na área da 4.a C.I. (1922-1950)
Légende Fonte: RTN
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 280k
Titre Tabela 4.10 – Distribuição geográfica das indústrias alimentares registadas na área da 4a Cl (1922-1952)1
Légende Legenda:Freguesias: número de freguesias onde foi registada a actividade; Emprego: número total de trabalhadores adscritos a esse registo; Registos: total do número de registos na actividade; Max. Reg.: número máximo de registos numa freguesia; Max. Empr.: número máximo de trabalhadores registados numa freguesia.Fonte: DRME/RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Mapa 10 – Moagem de rações para animais na 4.a C.I. (1949-1951)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 264k
Titre Tabela 4.11 – Distribuição geográfica das indústrias de bebidas registadas na área da 4.a Cl (1922-1952)
Légende Legenda e fonte: v. tabela 4.8.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Figura 4.12 – Registo de fabricantes de vinhos e aguardentes na área da 4.a Cl 1922-1952) segundo a data de fundação
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Figura 4.13 – Registo de fabricantes de refrigerantes na área da 4.a Cl (1922-1952) segundo a data de fundação
Légende Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Figura 4.14 – Cancelamento da actividade de fabricantes de refrigerantes na área da 4.a Cl registados no período 1922-1952
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Figura 4.15 – Registo da actividade de torrefacção e moagem de café na área da 4.a CI no período 1922-1952
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Figura 4.16 – Cancelamento da actividade dos estabelecimentos de torrefacção e moagem de café na área da 4.a Cl registados no período 1922-1952
Légende Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Figura 4.17 – Distribuição geográfica (por concelhos) da actividade de torrefacção e moagem de café na área da 4.a Cl registada no período 1922-1952
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-33.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Mapa II – Torrefacção e moagem de café na área da 4.a C.I. (1922-1950)
Légende Fonte RTN
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-34.jpg
Fichier image/jpeg, 264k
Titre Tabela 4.12 – Distribuição geográfica das indústrias têxteis e anexas registadas na área da 4.a CI 11922-19121
Légende * situação à data de registo (1923).Legenda e fonte: v. tabela 4.9.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-35.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Tabela 4.13 – Indústria de fiação e tecelagem da lã no Alentejo em 1890 e em 1957
Légende Fontes: Inquéritos Industriais de 1890 e de 1957.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-36.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Tabela 4.14 – Distribuição geográfica das indústrias de curtumes, de correeiro e de albardeiro registadas na área da 4.a CI (1922-1952)
Légende Fontes e legenda: v. tabela 4.10.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-37.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Figura 4.18 – Evolução da actividade de curtumes (estabelecimentos registados entre 1922 e 1951 na área da 4.a CI)
Légende Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-38.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Figura 4.19 – Evolução dos cancelamentos da actividade de curtumes registada entre 1922 e 1951 na área da 4.a CI.
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-39.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Tabela 4.15 – Distribuição por concelhos e sub-regiões dos estabelecimentos e emprego nas indústrias de curtumes no Alentejo em 1890 e em 1957
Légende Fonte: Inquéritos industriais de 1890 e de 1957.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-40.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
Titre Mapa 12 – Fabricantes de curtumes na 4.a CI (1922-1950)
Légende Fonte: RTN
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-41.jpg
Fichier image/jpeg, 248k
Titre Figura 4.20 – Registo de estabelecimentos de correeiro na 4.a CI no período 1922-1952 por data de fundação declarada
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-42.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Figura 4.21 – Cancelamentos da actividade de correeiro nos estabelecimentos registados na 43 CI no período 1922-1952
Légende Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-43.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Mapa 13 – Oficinas de sapateiros e fabrico de calçado na área na 4.a C.I. (1922-1950)
Légende Fonte: RTN
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-44.jpg
Fichier image/jpeg, 264k
Titre Tabela 4.16 – Distribuição geográfica das indústrias de vestuário e calçado registadas na área da 4a CI (1922-1952)
Légende * não consideradas 5 lavandarias e I algibebeLegenda e fontes: v. tabela 4.9.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-45.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Figura 4.22 – Registo de alfaiatarias na 4.a CI no período 1922-1952 por data de fundação declarada
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-46.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre Figura 4.23 – Cancelamento da actividade de alfaiate registada na 4.a CI no período 1922-1952
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-47.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Figura 4.24 – Distribuição dos estabelecimentos de sapataria e de fabrico de calçado na área da 4.a Cl registados entre 1922 e 1952 por data de fundação
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-48.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figura 4.25 – Cancelamentos da actividade de sapataria e de fabrico de calçado na área da 4a CI dos estabelecimentos registados entre 1922 e 1952
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-49.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Tabela 4.19 – Distribuição geográfica das indústrias da madeira registadas na área da 4.a C.I. (1922-1952)2
Légende Legenda e fontes: v. tabela 4.9.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-50.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Mapa 14 – Oficinas de carpintaria registadas na área na 4.a C.I. (1922-1950)
Légende Fonte: RTN
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-51.jpg
Fichier image/jpeg, 216k
Titre Figura 4.26 – Distribuição da actividade de carpintaria na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952 por data de fundação)
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-52.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre Figura 4.27 – Cancelamentos da actividade de carpintaria na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-53.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Tabela 4.21 – Distribuição geográfica das indústrias da construção registadas na área da 4.a CI (1922-1952)
Légende Fonte: DRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-54.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Mapa 15 – Fornos de cal registados na área na 4.a C.I. (1922-1950)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-55.jpg
Fichier image/jpeg, 244k
Titre Figura 4.28 – Distribuição do fabrico de telha e de tijolo na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952 por data de fundação)
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-56.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Figura 4.29 – Cancelamentos da actividade de fabrico de telha e tijolo na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-57.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Figura 4.30 – Registos de fornos de cal na área da 4a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação
Légende Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-58.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Figura 4.31 – Cancelamentos da actividade de forno de cal na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)
Légende Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-59.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Mapa 16 – Oficinas de canteiro na área da 4.a C.I. (1922-1950)
Légende Fonte: RTN
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-60.jpg
Fichier image/jpeg, 168k
Titre Figura 4.32 – Distribuição da actividade de canteiro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952 por data de fundação)
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-61.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Figura 4.33 – Cancelamentos da actividade de canteiro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-62.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Mapa 17 – Fabrico de cerâmica (construção) e oficinas de oleiro na área da 4.a C.I. (1922-1950)
Légende Fonte: RTN
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-63.jpg
Fichier image/jpeg, 248k
Titre Figura 4.34 – Registos de fabrico de loiça de barro na área da 4.a CI, realizados entre 1922 e 1952, por data de fundação dos estabelecimentos
Légende Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-64.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Figura 4.35 – Cancelamentos da actividade de fabrico de loiça de barro na área da 4,a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-65.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Tabela 4.23 – Distribuição geográfica das indústrias dos metais registadas na área da 4.a CI (1922-1952)3
Légende Fonte e legenda: v. tabela 4.8.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-66.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Figura 4.36 – Registos de oficinas de ferreiro na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952, por data de fundação dos estabelecimentos
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-67.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Figura 4.37 – Cancelamentos da actividade de ferreiro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-68.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Figura 4.38 – Registos de oficinas de latoeiro e de funileiro na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-69.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Figura 4.39 Cancelamentos das actividades de funileiro e de caldeireiro na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-70.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Figura 4.40 – Registos da actividade de serralharia na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação dos estabelecimentos
Légende Fonte: ADRME/RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-71.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Figura 4.41 – Cancelamentos das actividades de serralharia na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-72.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Tabela 4.24 – Distribuição geográfica das indústrias dos transportes registadas na área da 4.a Cl (1922-1952)
Légende * não incluídos aqui 1 oficina de cabresteiro e 4 registos associados à assistência automóvel: 2 relativos à actividade de pintura à pistola, I de carga de baterias e I gasolina (depósito)Legenda e fonte: v. tabela 4.9
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-73.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Figura 4.42 – Registos da actividade de carpintaria de carros na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação dos estabelecimentos
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-74.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Figura 4.43 – Cancelamentos das actividades de carpintaria de carros na área da 4.a CI (estabelecimentos registados entre 1922 e 1952)
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-75.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Figura 4.44 – Registos da actividade de carros de aluguer na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de início da actividade
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-76.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Mapa 18 – Oficinas de abegão na área de 4.a C.I. (1922-1950)
Légende Fonte: RTN
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-77.jpg
Fichier image/jpeg, 248k
Titre Figura 4.45 – Registos das actividades de reparações mecânicas, reparação e venda de automóveis, de garagens de automóveis e da indústria da vulcanização de borracha na área da 4.a CI realizados entre 1922 e 1952 por data de fundação
Légende Fonte: ADRME / RTN (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-78.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre Mapa 19 – Número de oficinas de reparação mecânica, reparação de automóveis e oficinas de vulcanização registadas na área da 4.° C.I. (1922-1950)
Légende Fonte: RTN
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5709/img-79.jpg
Fichier image/jpeg, 247k

© Publicações do Cidehus, 2006

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search