Version classiqueVersion mobile

Elites e Indústria no Alentejo (1890-1960)

 | 
Paulo Eduardo Guimarães

Capítulo 3. Tradição e modernidade na indústria alentejana (1922-1950): a grande indústria

Texte intégral

  • 1 Um historial cronológico da implantação das fábricas de moagem em Portugal encontra-se em Ferreira (...)

1Partindo da análise do meio eborense, defendemos no primeiro capítulo que, apesar de ter emergido um “sector” industrial moderno na cidade, no Alentejo dos finais de Oitocentos dominava ainda o artesanato. As relações entre a lavoura e a indústria eram de natureza predominantemente pré-capitalistas, como se percebe pela prática generalizada do trabalho à maquia. As oportunidades de grandes negócios a jusante da esfera agrícola circunscreviam-se, na maior parte dos casos, ao grande comércio de importação e de exportação regionais. Neste contexto, a actividade industrial surgia frequentemente integrada nas empresas comerciais ou na actividade das grandes casas agrícolas. A análise das sociedades constituídas em Évora confirmou esta subordinação da actividade industrial numa época em que se começava a constituir um sector industrial de produção em massa, orientado para o processamento de produtos agrícolas1.

  • 2 V. a este respeito as teses de David Justino (1988 e 1989) e de Ana Cardoso Matos (1991 e 1997) em (...)

2Neste capítulo visamos caracterizar o tecido industrial no Alentejo durante a primeira metade do século XX, contribuindo com este exercício para clarificar os binómios emergentes na historiografia recente sobre a região: industrialização / desindustrialização, modernização-diversificação / estagnação-tradicionalismo2. Partimos das descrições dos observadores autorizados do meio industrial sobre o Alentejo que se podem apreender através dos textos em periódicos regionalistas com larga divulgação durante este período, para depois nos determos na análise do RTN na área da 4.a CI. Trata-se duma abordagem introdutória que prepara a análise diacrónica e sectorial do parque instalado na região. A descrição não deve considerar apenas as consequências para a região da modernização dos inputs agrícolas (químicos, maquinaria, têxteis), mas também a relação que a agricultura manteve com as indústrias a jusante. Enfim, devemos atender aos vectores de modernização que se estavam a desencadear na indústria portuguesa e que afectavam directamente o mercado de produtos agrícolas, considerando o impacto que os novos meios de transporte motorizados e os novos equipamentos estavam a operar na região, ameaçando directamente as indústrias agora chamadas de “tradicionais”.

3Uma das formas que privilegiamos na análise do binómio tradição / modernidade consistiu em centrar a nossa atenção nas maiores empresas capitalistas instaladas na região. Quando, como e porquê se constituíram? Qual o seu grau de articulação com o conjunto da economia regional? E, na perspectiva que tem conduzido o nosso inquérito, importava também conhecer o papel que as elites regionais assumiram na vida dessas empresas. Qual foi, pois, a sua atitude predominante: alheamento, oposição ou participação activa? Enfim, que papel pode ser atribuído aos mercados (e a que mercados) e à regulamentação concebida pela intervenção dos diferentes governos no desenho do parque industrial?

  • 3 Como é evidente, a capacidade de responder cabalmente a estas questões depende das fontes disponíve (...)
  • 4 Compara-se, por exemplo, a classificação adoptada nos princípios do século (IM/BTI, 23, 1908), nos (...)

4Um dos obstáculos fundamentais que se tem colocado ao nosso conhecimento nesta área resulta tanto da escassez, como da fraca qualidade dos dados disponíveis3. Será necessário referir que, nos números oficiais, a perspectiva regional esteve ausente? Construídos com uma base de agregação administrativa, em larga medida artificial, sofrem ainda de critérios de classificação que variaram ao longo do tempo, desajustados entre si e ditados por convenções internacionais que não atendem ao nível de desenvolvimento do país4. Sem querermos agora enunciar os vectores metodológicos e os problemas políticos complexos que estiveram na origem das estatísticas industriais publicadas até à II Guerra Mundial, salientemos apenas a disparidade de critérios patente nas estatísticas de 1881, 1890, 1917 e 1930. A confusão entre estabelecimento industrial e actividade industrial, a diferente abrangência geográfica e os díspares critérios de classificação comprometem a sua validação, quando se pretende uma análise comparativa mais fina dos dados. Consideramos, por isso, que os livros de RTN realizados nas sedes das circunscrições industriais constituem hoje uma fonte de excepcional importância para o reconhecimento do parque industrial instalado em contexto regional (ADRME/RTN, 1922-1966).

5A análise centrada nas grandes empresas revela que elas operavam num espaço aberto à penetração de agentes e de interesses exteriores que se articulavam bem com os recursos e com as oportunidades emergentes. Tal foi evidente no caso das companhias mineiras, da cortiça, mas também no caso da moagem de cereais. A presença de gente dinâmica que vinha do exterior ficou patente mesmo no caso das grandes oficinas de serralharia e de fundição. Por outro lado, a orientação exportadora da região para mercados industriais desenvolvidos com produtos de fraco valor acrescentado casava bem com a oferta proporcionada pela grande propriedade fundiária e com a concentração da propriedade mineira que a forma de concessão permitia. No caso da fábrica de lanifícios de Portalegre, a questão fundamental que colocámos foi a de tentar saber por que se manteve como uma empresa isolada numa região que tinha na produção e comércio da lã um rendimento não desprezível.

3.1. Imagens do Alentejo: de deserto industrial à industrialização necessária

6Ao traçarmos um breve panorama das percepções sobre a realidade industrial no Alentejo, entre os finais do século XIX e o Estado Novo, centrámo-nos em dois tipos de fontes distintas: por um lado, os inquéritos industriais e os relatórios dos engenheiros-chefes das circunscrições industriais e, por outro, esses monumentos do regionalismo transtagano que foram a Ilustração Alentejana (1925-1928), o Álbum Alentejano (1931) e o Boletim do Grémio Alentejano (1935-1951). Tanto uns como outros pretendem dar-nos uma leitura realista do meio existente, ao mesmo tempo que defendiam uma vocação agrícola para a região.

  • 5 Referimo-nos aos processos de acção histórica concertada, desempenhados por diferentes actores, ten (...)
  • 6 A obra de Silbert (1978) para o Alentejo dos finais do Antigo regime continua a ser uma referência (...)
  • 7 V. tb. a este respeito Amaral (1941) e no plano estético-literário, salientemos a título ilustrativ (...)

7A imagem do Alentejo contemporâneo integra-se numa construção mítica centrada em torno do problema da terra5. Das preocupações fisiocráticas de um Severim de Faria, que em meados do século XVII associava a falta de gente do Alentejo à emergência da grande exploração orientada para a ganadaria, em detrimento das culturas frumentárias (e povoadoras), uma linha de continuidade pode ser traçada até ao Estado Novo, passando por Oliveira Martins, Basílio Teles e Alberto Sampaio. A sociedade alentejana, marcada pela estabilidade, estruturava-se e definia-se em torno da terra. No topo encontramos os grandes proprietários, grupo formado durante o liberalismo e que combina velhos e novos títulos de nobreza, gente do grande negócio e grandes lavradores bem sucedidos6 e na base, uma massa de proletários. Entre estes dois grupos, uma gradação de condições, desde o seareiro que se identifica pela posse de um arado e de uma junta de bois até ao abastado lavrador-rendeiro. O tradicionalismo de um Silva Picão, de Manuel Ribeiro, de Alberto Monsaraz ou de António Sardinha consolidam a imagem idílica dum Alentejo rural, a que se aliará a crença na sua vocação agrária7. Neste quadro, a indústria moderna aparece como uma actividade residual e atípica fora do seu contexto imediato: o artesanato.

  • 8 “É o distrito de Beja exclusivamente agrícola. Reparte-se em catorze concelhos, não havendo indústr (...)
  • 9 Esta indústria é descrita como “uma indústria praticada (...) em larga escala, sem contudo ter aind (...)

8Os comissários do Inquérito Industrial de 1881 para o distrito de Beja apresentam-nos a imagem de um deserto industrial, uma região atrasada de vocação “exclusivamente agrícola”8. A “indústria” era exercida a tempo parcial por muitos trabalhadores agrícolas, como sucedia em Trigaches, aldeia situada a 15 km de Beja, onde existiam numerosos fornos de cal. Em várias localidades poderíamos encontrar fábricas de tijolos, ladris e telhas de barro. Em Serpa, na Vidigueira e em Beringel, havia oficinas de louça de barro grosseiro. Serpa era conhecida pelo fabrico de talhas para vinho e azeite. A área de Castro Verde e Almodôvar constituía um verdadeiro centro proto-industrial, especializado no fabrico de mantas e alforges para o mercado regional9. Orientadas para mercados rurais e exercidas frequentemente a tempo parcial por gente muito pobre, estas indústrias artesanais pareciam enfrentar um meio natural hostil:

“Escasseiam condições orográficas, matérias primas produzidas nas localidades, combustíveis abundantes, rios que se transformem em grandes motores, população numerosa, capital disponível. Não havendo nada disto mal pode reputar-se Beja terra fadada para exercer primados industriais. Tem apenas o seu solo feracíssimo, que facilmente se desataria em copiosas messes, se uma corrente de capitais baratos o viesse fecundar com as suas profícuas aluviões. Não é, por certo, de lição e de exemplos que frontados por um bem regulado sistema quase nada proteccionista. Cifra-se nisto a solução do problema agrícola, que é realmente tudo nesta região. É o futuro de Beja, são os seus destinos que se vão desenhando no painel do horizonte com tintas cada vez mais sombrias e carregadas. Há, porém, ainda no céu muito espaço azul para onde se podem volver os olhos à espera dos cuidados o das resoluções dos poderes públicos.” (Portugal, 1882: III, 40/1).

  • 10 “Na província do Alentejo, se exceptuarmos esta cidade, não há fábricas propriamente ditas, por iss (...)
  • 11 V. a este respeito Matos, 1991 e 1997 bem como Fonseca, 1996b e 1998.

9Esta imagem, que facilmente se estendia a todo o Alentejo, só era contrariada em alguns casos excepcionais que, por isso mesmo, pareciam confirmá-la. Entre estes merecia destaque a Fábrica de Lanifícios de Portalegre, estabelecimento herdado do Pombalismo e privatizado durante o Vintismo10. Empregando cerca de 170 operários, o estabelecimento só encontrava rival na fábrica de rolhas do inglês George Wheelhouse Robinson que ocupava cerca de 560 operários (Portugal-1882a, 1891). Para além destas fábricas, Portalegre contava ainda com outras mais pequenas, orientadas para a produção de lanifícios, como a de Ramiro Marçal & C.ia (54 operários), a de Neves, Gomes & Ribeiro (13 operários), ou a “fábrica de lanifícios, moagens e massas” de Manuel de Jesus Costa (19 trabalhadores). Portalegre constituía uma verdadeira “ilha industrial”11.

10A indústria corticeira foi responsável pela constituição de outras “ilhas”. O triângulo Azaruja, Estremoz, Évora concentrava o maior número de estabelecimentos e dos mais importantes, onde pontuavam ingleses e catalães. Estes estabelecimentos, por estarem orientados principalmente para a preparação industrial da cortiça, não empregavam muita mão-de-obra. A maior estava nas mãos dos herdeiros de Robert Hunter Reynolds e o emprego, muito variável, era sempre inferior a 50 trabalhadores. A Soria, Velardebó, Hach & C.ia, também com sede em Londres, empregava apenas 20 trabalhadores (5 dos quais rapazes) e a de André Camps, na Azaruja, apenas 10 homens e 4 menores.

11O artesanato estava, no entanto, bastante disseminado por todo o Alentejo:

“Nos quatro distritos que visitámos, há diferentes industrias caseiras, que, conquanto no seu conjunto sejam de grande importância, estão disseminadas por muitas povoações, de algumas das quais só poderia dizer, que cada casa é uma oficina. Para apreciá-las conscienciosamente seria necessário empregar alguns meses” (Portugal-1882:III, 7)

12Este quadro é confirmado nos princípios do século XX pelo engenheiro Adriano Monteiro, que tinha a seu cargo os distritos de Évora e de Beja:

“Nenhum dos dois distritos, de Évora e Beja, tem o cunho industrial; são muito e principalmente agrícolas, sem entrar, é claro, em linha de conta com a indústria extractiva, pois que em ambos se encontram jazigos de minérios, muito variados, especialmente no distrito de Beja.”

13E acrescentava:

“o grande movimento de trabalho regional, que pode classificar-se como industrial, é peculiarmente de pequenas indústrias, algumas quase caseiras, que auxiliam a agricultura e as necessidades usuais da vida.

14Com o título de grandes indústrias, não pelo largo âmbito da sua laboração, mas pela feição do seu exercício e pelos produtos lançados pelo comércio, de maior raio de acção, nos mercados nacionais e estrangeiros, devo indicar as seguintes, pela ordem decrescente da sua importância: no distrito de Évora-corticeira, moagem de cereais, curtumes, cerâmica ordinária e fabricação de azeite; no distrito de Beja-moagem de cereais, fabricação de azeite, curtumes e corticeira.”

  • 12 A média de operários por estabelecimento (compilado por Monteiro) é de 19,6 operários. Este valor é (...)

15Os estabelecimentos industriais compilados pelo engenheiro nos distritos de Évora e de Beja mostram a debilidade do sector industrial na economia regional (tabela 3.1). O confronto destes números com os apurados no Inquérito Industrial de 1890 revela o peso do sector artesanal e a sua diversidade. A combinação das duas fontes sugere uma “estrutura” que esboça transformar-se no sentido da modernidade (uma vez que começavam a emergir alguns estabelecimentos industriais modernos que concorriam directamente com as actividades “tradicionais”)12.

  • 13 “Quem conhecer os dois distritos, do médio e baixo Alentejo, e reparar nos títulos das indústrias i (...)

16Adriano Monteiro não se limitou a descrever o parque industrial, procurou explicá-lo também. As indústrias que existiam estavam em relação estreita, não com os mercados, mas com a origem imediata, geográfica portanto, das matérias-primas consumidas, o que revela a importância dos elevados custos de transporte como factor de localização13. O artesanato, por seu turno, servia apenas para auxiliar a actividade agrícola e para a satisfação das “necessidades usuais da vida”.

17A análise do engenheiro eborense revela-nos uma região que, do ponto de vista industrial, sofria uma posição duplamente periférica. Segundo ele, a indústria corticeira, promovida por estrangeiros (catalães e ingleses), desenvolvera-se graças à carência daquele género na vizinha Espanha e à barateza deste no Alentejo. Os seus mercados, tais como o dos minérios, encontravam-se no exterior. Por seu turno, o Alentejo sofria com a concorrência vinda do exterior. O regime de drawback, que tinha sido estabelecido pelo governo na indústria das conservas de peixe para fixar capitais franceses em Portugal, não estimulava a instalação da moderna indústria de azeites extra-finos. Enquanto o país importava azeite italiano e espanhol para a indústria, o parque instalado continuava caracterizado pelo seu arcaísmo, dado que a produção “para o prato” era considerada como “geralmente boa”. Assim, apenas duas fábricas modernas, de instalação recente, uma no Alvito e outra em Estremoz, foram identificadas (cf. tabela 3.1).

Tabela 3.1 Estabelecimentos industriais registados nos distritos de Évora e de Beja (1902-1903)

Tipo de indústria

Concelho

Estabelecimentos

Operários

Azeite

Alvito
Estremoz

1
1

20
9

Cerâmica

Évora

1

4

Corticeira

Estremoz
Évora
Montemor
Odemira

3
5
5
3

73
56
345
153

Curtumes

Alvito
Évora

1
6

3
29

Moagem

Alvito
Beja
Castro Verde
Cuba
Estremoz
Évora
Ferreira
Montemor
Moura
Redondo
Vidigueira

1
2
1
2
3
3
1
1
1
1
1

8
29
9
22
15
15
11
4
6
5
7

Serralharia

Beja

1

37

Total

44

860

Fonte: Portugal, 1905.

  • 14 Sobre este episódio veja-se as palavras que lhe dedica Helder Fonseca (1996a: 42-52)

18Também a indústria da moagem devia a sua existência à abundância de cereais. Mais desenvolvida em Beja do que em Évora, a sua existência estava, no entanto, bloqueada pela concorrência movida por Lisboa. O período 1860-1890 tinha sido particularmente ingrato para a moagem alentejana, como mostrou a falência da fábrica das Donzelas, em Évora14. O Alentejo tinha não só o trigo (local) mais caro, como a hulha saía mais dispendiosa e os capitais e maquinismos utilizados não podiam contar com a amortização rápida que só um grande mercado urbano poderia proporcionar. Na década de 1880, a moagem lisboeta estava a comprar o trigo exótico ao preço da cevada nacional, sem que o consumidor notasse uma diminuição no custo do pão. Enquanto a moderna moagem crescia graças aos sobrelucros proporcionados por esta conjuntura, o Alentejo comprava em Lisboa a farinha para o “pão-padeiro”. Com as regras impostas pelo proteccionismo cerealífero, ficavam ainda em vantagem os estabelecimentos que mais laborassem com trigo exótico, tendo-se imposto um sistema de cotas de rateio com base na capacidade de laboração instalada. O engenheiro concluía:

“Está, pois mais do que provado que a indústria da moagem não tem nem terá, provavelmente, o desenvolvimento que deveria ter em face da produção actual do trigo, na grande região agrícola alentejana” (Portugal-1905:X)

19O desenvolvimento do comércio interno terá afectado algumas “indústrias” enquanto o desenvolvimento agrícola obtido pela extensão da área destinada aos cereais e cortiças, em detrimento da vinha e das pastagens para bovinos, não favorecia a persistência de outras. Entre as indústrias consideradas “extintas” contavam-se a dos tapetes de Arraiolos, a indústria caseira de lanifícios (cujos principais centros de produção foram os concelhos de Reguengos, Redondo, Almodôvar e Serpa) e o fabrico de talhas para vinho (na aldeia Beringel, nos arredores de Beja). Em “vias de extinção” encontrava-se a indústria da caldeiraria (feita por italianos, primeiro na Vidigueira e depois em Reguengos). A indústria dos curtumes, segundo ele, encontrava-se em franca decadência e as suas causas eram a diminuição do gado manadio (devido à extensão da cultura cerealífera), a concorrência eficaz do estrangeiro e mesmo de outras regiões do país. A indústria cerâmica, arcaica, mas remuneradora e orientada principalmente para o consumo regional, constituía uma excepção neste quadro de aparente “desindustrialização”.

  • 15 Alguns elementos biográficos contribuem para esclarecer a perspectiva deste responsável superior da (...)

20Em suma, o Alentejo apresentava-se como uma região de oportunidades industriais, se não bloqueadas, pelo menos muito diminuídas. Adriano Monteiro defendia como a melhor estratégia para a região apostar no desenvolvimento das indústrias existentes e, eventualmente, tentar ressuscitar algumas já extintas, em vez de tentar criar aqui novas indústrias. Um dos exemplos que dava consistia em valorizar o azeite, desde a árvore até ao lagar. Outras indústrias consideradas com capacidade para medrar era a dos lanifícios, tendo em vista a produção de tecidos baratos para as “classes trabalhadoras rurais” (devido à fraca qualidade das lãs) e, como indústrias caseiras, a da “carne de porco ensacada” e a da “salsicharia” (Portugal-1905:XIV). Para além destas, era apontada como oportunidade (em face dos enormes gastos com adubos químicos), o tratamento de esgotos para uso agrícola. Ele não via qualquer vantagem na aplicação dos mecanismos legislativos, instituídos para facilitar a instalação de novas indústrias, nem defendia o proteccionismo corticeiro, o qual passava necessariamente pela imposição de um imposto de exportação sobre a cortiça não manufacturada15.

21A ideia do Alentejo constituir um meio com oportunidades limitadas foi igualmente veiculada pelo Montepio Operário de Portalegre, quando promoveu no edifício da escola industrial Fradesso da Silveira, em 1892, “uma exposição industrial, agrícola e de belas artes do distrito de Portalegre”:

“o nosso distrito, que possui muitos e bons artistas, não tem o movimento de tantos outros, pelo qual possam facilmente fazer grandes trabalhos, acrescendo ainda a circunstância da pobreza da maior parte” (Montepio1892: 94,1).

  • 16 Veja-se “A Nação Industrial” (IM/IP – 1928: I, 7, 27-28).

22A exposição distrital apresentou uma colecção variada de lanifícios (cheviotes, cazimiras, chailes, saias, casteletas e mantas alentejanas), apresentada pela C.ia de Lanifícios de Portalegre (secção organizada pelo comendador José António Duro) e por Costa & Irmão. Esta empresa produzia igualmente farinhas e massas alimentares, tal como a C.ia Elvense de Moagens a Vapor, instalada em 1889. O fabrico de prancha, quadros e rolhas de cortiça apareceu representado por Carvalho, Esperança & Sobrinho e João Batista Rainho. Para além destas empresas, aparecia Fernandos dos Santos Galope, com alpargatas e dois outros expositores com xaropes de quina e ferro (produtos farmacêuticos). Os restantes expositores (a esmagadora maioria) apareciam com vinhos, azeites, aguardentes, vinagres e cereais. No essencial, estas indústrias mantinham-se ainda nos finais dos anos ’20, tal como se pode perceber pela Indústria Portuguesa. A listagem das indústrias de Portalegre que essa revista nos oferece, volvidas três décadas de profunda transformação técnica e económica, permite-nos fazer um balanço medíocre. Para além das fábricas de “rolhas e artefactos de cortiça” e de lanifícios (sector agora reduzido à Fábrica de Lanifícios de Portalegre), a listagem incluía uma indústria de mosaicos, de salsicharia (tipificada no “chouriço de Portalegre”), a fábrica de alpercatas (agora considerada “a mais antiga fábrica do país”) e uma velha fábrica de refrigerantes. Depois abria-se o mundo do artesanato e da oficina, representado pelas indústrias de canastras de castanho, sapatarias, alfaiatarias, olarias, serralharias, etc.16.

23Apesar deste desempenho na área industrial, o regionalismo difundido nos anos ’20 e ‘30 transmite-nos uma imagem de serena prosperidade, obtida através da conquista, ainda na memória recente, das terras bravias:

“O que era o Alentejo há 50 anos? Os próprios escritores alentejanos dessa geração o proclamam sem receio de desmentido, porque constitui uma tremenda verdade. O Alentejo dessa época era uma vasta Província. Desde o Tejo à Serra do Caldeirão, ou até ao Oceano do lado do sul, desde a fronteira estremenha até à fronteira da Beira Baixa. Mas era uma província constituída por sertanejas terras, cujos campos se encontravam por estevas ou carrascos” (Garcia-1932: 978).

24Também o Boletim do Grémio Alentejano nos oferece a imagem da profunda transformação ocorrida no Alentejo, na paisagem e nas gentes, com a expansão cerealífera:

“Vai longe a época – e que distante vai! – em que, quando alguém se referia ao Alentejo, não se esquecia de citar os seus vastos latifúndios incultos, a braveza da charneca semi-inculta e despovoada, sem estradas nem caminhos, sem telégrafos nem telefones, sem nada que se desse a esta província, foros de civilização ou lhe apontasse desejos ou indícios de se integrar na senda do Progresso.
O alentejano vivia apegado à terra com amor inigualável, não permitindo que outros sentimentos diferentes dos que herdara dos seus pais viessem profanar a religião estranha, misto pagão e idólatra, de que era tecido o carinho com que cuidava dos haveres e da família. Para ele, habituado à mala-posta como comboio e ao carro de “molas de azinho” como automóvel, tudo o que fosse além disso era olhado com desconfiança. Nada mais o preocupava além das terras e da família. Os seus conhecimentos meteorológicos não iam além do Bord’ Água e do Lunário Perpétuo. A sua felicidade reunia-se no celeiro farto e as suas ambições não ultrapassavam o desejo de que as chuvas lhe fizessem germinar o trigo a tempo e o sol lho amadurecesse a horas. / Como vai longe esse tempo! / Hoje, porém, tudo está mudado.” (IM/BGA-1935: 1, 7, Dezembro, 2).

25Os arroteamentos que se tinham feito, as estradas alcatroadas que ligavam as principais povoações, as linhas telefónicas e telegráficas, tinham contribuído para integrar a região na vida colectiva do País e para mudar hábitos e mentalidades:

“O homem do Alentejo já não é refractário ao Progresso. O lavrador trocou o carro de “molas de azinho” pelo automóvel e manda os filhos para o Liceu e para a Escola Agrícola. A lavradora copia as modas apresentadas nos últimos figurinos, e cortou as tranças no dia em que o marido levou para o monte o aparelho de T.S.F.” (IM/BGA – 1935: 1, 7, Dezembro, 2).

  • 17 “Indústrias alentejanas”, IM/BGA, 28.Dez. 1937. Os anúncios no Boletim do Grémio Alentejano são esc (...)

26A ideia de que a indústria estava ausente no Alentejo era frequentemente afirmada a propósito dos programas de electrificação e dos seus custos, iniciativa a que andava associado José Custódio Nunes e a Hidroeléctrica Alto Alentejo. As “industrias caseiras”, defendidas pelas doutrinas integralistas reaccionárias, eram por vezes alimentadas artificialmente e motivo de notícia: António Rosado Durão, “homem empreendedor, (...) fez ressuscitar aquela indústria morta há tanto tempo [a das mantas de lã de Reguengos de Monsaraz] coadjuvado pelo seu filho sr. Octávio Durão, rapaz com uma ilustração fora do vulgar e um verdadeiro génio artístico”. E logo a seguir esclarecia-se: “Apesar de haver muitas encomendas, os lucros não existem”17.

27A Ilustração Alentejana (1925-1928), tal como o Álbum Alentejano, transmite-nos a imagem duma província onde a moagem moderna se destacava como a actividade industrial por excelência, movimento em que participaram as elites regionais. Foi este o caso de Francisco Barahona (Conde de S. Payo) que tinha fundado com outros lavradores a sociedade Portalegre Industrial, mais tarde, designada por Moagem de Portalegre. O grande proprietário foi igualmente fundador da fábrica de tecidos Sedas de Portalegre. Também Alexandre Sá da Bandeira aparece aqui ligado a uma fábrica de moagens de cereais. Em Montemor-o-Novo, a Sociedade Industrial Ceres L.da, tal como sucedeu em Évora com a Moagem Eborense (v. supra), reunia figuras gradas da lavoura e uma sociedade comercial: a Sociedade Mercantil Panificadora (IM/IA, 1927: ano III, 4, Julho). Em Eivas, José Joaquim da Silva, igualmente grande proprietário e lavrador, administrador das herdades que pertenciam à Casa Conde de Tarouca e detentor do almoxarifado da Casa de Bragança, foi um impulsionador da indústria de moagem (IM/AA, 727). Ao lado destes apareciam grandes comerciantes, como Manuel Rodrigues Vaquinhas, evidenciado como um dos fundadores da C.ia Nacional de Moagem. Em Castelo de Vide, outro grande proprietário, Luís Frade Simas Cardoso, filho de “uma das mais ilustres famílias” do concelho, montou uma fábrica de moagem de cereais e de azeite. À data da sua morte, o ramo industrial e o ramo agrícola foram separados pelos filhos.

  • 18 “A indústria de moagem no Alentejo” (IM/IA: 1928, IV, 5, Abril) sobre a grande fábrica de moagem em (...)

28A multiplicação de fábricas de moagens dera-se mesmo em vilas sem tradições particularmente cerealíferas, como sucedia em Reguengos18.

  • 19 A sociedade tomava um fácies de cooperativa, dada a sua grande abertura (para outros casos, cf. cap (...)

29A participação destas elites na actividade industrial prolongou-se até ao fabrico de azeite. A Sociedade Oleícola Elvense L.da, por exemplo, foi organizada pelos grandes proprietários Júlio de Alcântara Botelho, João António Pinto Bagulho e Joaquim Manuel Picão Fernandes com o objectivo de “libertar os possuidores de olivais dos lagares que moíam à maquia”. Em 1920, reunia 54 sócios e 71 contos de capital19.

30Apesar da orientação destes investimentos, os percursos biográficos traçados da grande agricultura para a indústria foram, neste contexto, excepcionais. Foi este o caso de J. A. Bastos Ribeiro, considerado como “um Alfredo da Silva do Alentejo” (IM/AA-973 e 978). Tendo começado a vida agrícola em 1922 nas três herdades deixadas pelo pai, acumulara paralelamente um notável património industrial como resultado da sua actividade comercial. Nos anos ’30, ocupava em Sousel uma área industrial de 1.500 m2. A entrada no mundo da indústria não se fez sem antes ter estabelecido na vila uma importante casa comercial. Em 1924, montou as primeiras oficinas de carpintaria e serralharia e em 1925, começou a sua vida industrial com a instalação duma fábrica de moagem com capacidade de produção diária de 20 toneladas. Dois anos depois estendeu a sua actividade à panificação. Em 1930, firmou um contracto com a Câmara Municipal para produção de electricidade. Em 1932, tinha uma fábrica de gelo e produzia azeites de marca Seizely. Este pequeno complexo industrial encontrava-se instalado no antigo convento de São Paulo (ou Santo António), onde produzia electricidade, farinhas, pão, gelo, destilava de bagaços e refinava de azeites. Para manutenção, tinha anexadas oficinas mecânicas de estriagem de cilindros, carpintaria e serralharia. Mais tarde, Bastos Ribeiro deixou o comércio e abandonava as suas posições na indústria para se dedicar exclusivamente à agricultura.

31Outro percurso individual destacado pelo Álbum que atravessa a agricultura e a indústria foi o de Vicente Mendes Mirrado (1862-1916). Começando por ser comerciante de lãs, acabou por montar uma pequena indústria de lanifícios em Mação (Portalegre). No seu percurso ascensional adquiriu a D. Miguel Sá da Bandeira uma das maiores propriedades do Alto Alentejo, a herdade da Crucieira. E foi já como grande proprietário que montou uma fábrica de moagem e de cerâmica, adega, lagar de azeite (uma em Belver e outra na Crucieira) e produzia luz eléctrica. Este trajecto foi acompanhado pelo desempenho de cargos públicos locais: presidente da câmara, administrador do concelho, juiz substituto e provedor da misericórdia em Mação. À data da sua morte os dois irmãos dividiram a administração das empresas industriais e dos bens agrícolas.

32Para além destas indústrias associadas à grande propriedade, exprime-se algum dinamismo empresarial nas cidades. No concelho de Beja, a Associação Comercial e Industrial (fundada em 1909) registava, no início dos anos ’30, cerca de 300 estabelecimentos comerciais e industriais. Tinham surgido novas indústrias. Na torrefação do café (havia 3 estabelecimentos) destacava-se o Café Natal de Armando Inácio Gonçalves, com capacidade para produzir diariamente 600 kg. Os refrigerantes engarrafados sustentavam o mercado distrital, tendo a fábrica de Manuel Maria Esparteiro, fundada em 1903, uma capacidade diária de 5-000 garrafas dia e 500 kg de gelo. Ainda com cariz industrial, havia, para além da moagem e dos lagares de azeite, tipografias e duas fábricas de gelo. Mais importante era a Metalúrgica Alentejana, empresa que tinha fundição, serralharia, forja e carpintaria mecânica e produzia, entre vários objectos, alfaias agrícolas (a sua especialidade eram as relhas aceiradas) e candeeiros para iluminação pública. Para além disso, procedia à reparação de motores e fabricava peças de substituição.

33Outras empresas metalúrgicas foram ainda objecto de atenção como a fundição de João Trindade Pirra, em Estremoz, e a metalurgia de Manuel Joaquim Barradas & Filhos que, ainda segundo o Álbum fabricava debulhadoras (IM/AA, 514).

34Assim, no meio deste espaço de vocação agrícola, algumas indústrias encontravam, apesar disso, espaço para medrar.

  • 20 A preocupação de que o “sentimento regionalista” não ferisse “o mais puro e nobre nacionalismo” é e (...)

35Com a construção desta cultura regionalista, considerada uma expressão “natural” do nacionalismo, o culto da tradição conduzia a uma visão turística dos lugares e dos objectos, à valorização simbólica e material do seu património histórico que casava bem numa época marcada pela difusão, entre a burguesia, do automóvel e da imagem fotográfica na imprensa20. O programa político regionalista, apresentado no auge da crise mundial durante o 1.° Congresso da Imprensa Alentejana, em 1931, expressava esta realidade. Os tópicos em debate interessavam-se pela definição territorial da província (a redefinição administrativa do Vale do Sado como fazendo parte do Alentejo e não da Estremadura), pela valorização turística da região (“a região de turismo do Alentejo” e “propaganda e defesa do património artístico”), pelas questões sociais herdadas do debate dos finais do século XIX (“o problema da tuberculose” e “a assistência ao trabalhador rural”) e pela valorização cultural da região (“o ensino”) e económica sob o ponto de vista agrícola (“o aproveitamento do Guadiana”, “problema das cortiças”) (IM/AA: 508-512).

  • 21 V. a este respeito o artigo de Mira Galvão no AA.
  • 22 O Grémio Alentejano foi criado em 1923 com o objectivo expresso de promover a sociabilidade entre o (...)
  • 23 Na sequência da intervenção de Albano de Sousa, Mira Galvão falaria depois sobre o aproveitamento e (...)

36Só no ano seguinte, quando a produção de trigo se tornou pela primeira vez excedentária, facto que levou à implosão do “modelo” em que assentava a prosperidade cerealífera, a questão industrial seria equacionada. Pela primeira vez, a perspectiva do país se bastar a si próprio em cereais e da região sofrer as previsíveis consequências da expansão da produção colonial, aliada às dificuldades externas com a exportação de prancha e semi-manufacturados de cortiça, conduziu a uma reflexão sobre a procura de alternativas. Com a ameaça do trigo angolano poder servir de moeda de troca daquela colónia para os bens de consumo industriais da metrópole que importava, ameaça que depressa se estenderia à carne e ao arroz, o “modelo trigueiro” parecia esgotado21. Não devemos estranhar, pois, que no auge da “crise cerealífera” de 1932, motivada pelo excesso de produção e com o aviltamento dos preços dos produtos agrícolas de exportação (cortiça e azeite), tenha sido precisamente Albano de Sousa, o representante do “polvo da moagem”, a ser convidado pelo Grémio Alentejano a falar sobre “as possibilidades económicas do Alentejo” (Sousa-1932)22. A industrialização aparecia então como via possível, a par da intensificação dos investimentos de capital na agricultura (a mecanização, a química, a hidráulica agrícola, etc.), de forma a aumentar os rendimentos por hectare e por trabalhador. Com a intensificação agrícola alcançada através do regadio, as terras pobres teriam por destino a pecuária ou o abandono. Seria esta previsivelmente a outra face desta medalha23. Na perspectiva do industrial, a Lituânia surgia (nesta época) como exemplo duma reconversão agrícola bem sucedida, orientada para o mercado, exportando carne e produtos agrícolas industrializados.

  • 24 “Tem já o Alentejo indústrias, algumas importantes: a da moagem de cereais; a indústria das cortiça (...)

37No essencial, Albano de Sousa repetiu no Grémio Alentejo o que os industrialistas já nos anos ’20 defendiam: em Portugal o atraso chamava-se agricultura. O Portugal essencialmente agrícola era o “Portugal atrasado”, aquele que exportava vinhos, azeites e cortiças, mas que era incapaz de se bastar a si próprio em alimentos essenciais (cf. Campos-1913 e 1918). Segundo ele, em 1932, a pauta portuguesa era mínima, só sendo superior, em grau de abertura, à pauta inglesa “para que os nossos concorrentes possam receber de braços abertos os vinhos, as conservas e as cortiças”. O Alentejo, por seu turno, estava longe de poder classificar-se como um “deserto industrial”24. Os anos ’20 tinham visto ainda o desenvolvimento da extracção dos mármores em Estremoz e Vila Viçosa e o lançamento do projecto pioneiro da Hidro-Eléctrica do Alto Alentejo. A metalurgia do cobre era uma actividade possível, como parte do desenvolvimento do sector metalúrgico, articulado com a exploração mineira. A cortiça começava a ser “industrializada” graças ao desenvolvimento do mercado de um produto novo: os “parquets”. Por outro lado, a máquina eléctrica abria agora novas possibilidades a uma economia agrícola e mineira, na perspectiva duma necessária reconversão da economia regional. Porém, no cerne do problema continuava ainda o problema demográfico:

“Se os braços dos 900.000 portugueses desembarcados em portos brasileiros nos 31 anos que o século actual conta, para animar o tráfego, o trabalho da terra, a indústria e o comércio dessa florescente nação irmã, tivessem sido absorvidos pela mobilização dos recursos do nosso País, o Ultramar português seria hoje o grande mercado da nossa actividade comercial, o Alentejo seria hoje um grande centro de actividade manufactureira, transformada como por encanto a sua economia agrícola, pastoril e mineira numa economia mista da terra e da fábrica que o enriqueceria enriquecendo a Nação” (Sousa-1932: 29, sublinhado nosso).

  • 25 “Quis apenas dizer que o Alentejo cumula em si riquezas industriais imensas. É só mobilizá-las. Apo (...)

38E a solução do “problema demográfico” passava necessariamente pela reforma das estruturas agrárias, as quais só deveriam ter lugar depois de estabelecidas as infra-estruturas viárias e a irrigação de que a região carecia. Neste quadro, “o Alentejo pode e deve tornar-se o objectivo do imigrante do Norte expulso da região por saturação demográfica”. Albano de Sousa retomava assim, a meio século de distância, as teses de Oliveira Martins (1974, 1990 e 1994). O retracto que nos deixa, em conclusão, é duma região com um enorme potencial25.

39A questão industrial só voltaria a colocar-se muito mais tarde, já nos anos ’60 do século XX, como parte integrante duma tomada de consciência da perda de velocidade do crescimento da região face a outras regiões, no litoral português. Foi numa conjuntura adversa, marcada pela degradação dos rendimentos da agricultura cerealífera “tradicional”, por um lado, e pela “segunda” mecanização da lavoura, pela emigração para a região de Lisboa e para os países industrializados da Europa Ocidental, por outro, que se voltou a reflectir sobre o Alentejo na perspectiva duma transformação desejada (v. Portas-1967, Soares-1968, Quadros-1973 e também Nunes-1964). Com a consciência das “assimetrias., regionais”, tomou relevo a ideia de atraso e de subdesenvolvimento desta sub-região mediterrânica, ameaçada agora pela “desertificação humana” e, enfim, a necessidade de mudar mentalidades e atitudes enraizadas (Quadros-1973: 6, 61, 69, 77, passim e Portas-1967). Neste contexto, em que a indústria surgia ao lado da criação duma universidade como um meio de suster a emigração e promover o desenvolvimento regional, eram já “poucos os indivíduos que pensam dever o Alentejo ser uma zona quase exclusivamente agrícola” (Quadros-1973:75).

***

40As imagens que recuperámos a partir da nossa pesquisa empírica, ao mesmo tempo que apontam para o papel das elites regionais nessa construção, evidenciam distintos modelos de desenvolvimento que buscam fundamentação na “realidade existente”. A percepção das possibilidades industriais colocou-se apenas em momentos de crise do modelo de desenvolvimento agrícola protegido que foi estruturado a partir dos finais de Oitocentos. Por outro lado, o quadro traçado nessa época confirma o peso do artesanato e da oficina. Que destino tiveram essas actividades? Como enfrentaram e como sobreviveram à construção dum espaço económico nacional? Que obstáculos se colocaram à sua modernização, ou se quisermos, à formação dum sector fabril?

41A resposta a estas questões exige, naturalmente, um conhecimento das características e evolução do parque industrial instalado na região.

3.2. O parque industrial alentejano (1922-1950): caracterização geral

  • 26 Depois dos Códigos Administrativos de 1836 e 1842, que conferiam aos municípios alguns poderes a es (...)

42O Registo do Trabalho Nacional (RTN) foi instituído durante o governo de Sidónio Pais como instrumento político para, no âmbito do Ministério do Trabalho, “prover às necessidades da indústria e das classes laboriosas, fomentando uma das maiores riquezas do país” (decreto 3.774 de 19 de Janeiro de 1918, DG, 1.a série, 18, 25 de Janeiro). O seu objectivo primordial era “conhecer a indústria portuguesa, as suas necessidades e os recursos de que dispõe”, tornando para tal obrigatório o registo de todos os estabelecimentos e de “outras instituições industriais, tais como as empresas de transportes por terra ou mar, as de pesca” nas circunscrições industriais e mineiras do país. Com tal decreto ilegalizava-se, ipso facto, todos os estabelecimentos industriais que precisariam, a partir de então, de estar registados nas suas circunscrições sob pena de serem impedidos de laborar. Tratava-se de algo bem diferente dum simples inquérito ou censo industrial, actos que num passado recente tinham suscitado receio por parte dos industriais e dos artesãos por razões fiscais. É duvidoso que tal instrumento fosse realmente do interesse dos industriais, bem como a legitimidade de tal procedimento no quadro da ideologia e do direito de propriedade liberal. Até então a actividade industrial fiscalizada pelos serviços industriais incidia sobre as indústrias consideradas insalubres, incómodas, perigosas ou tóxicas (mais tarde classificadas como 3IPT), merecendo as caldeiras e motores uma fiscalização especializada por razões de segurança pública. O interesse e a segurança públicas mantiveram-se, assim como argumentos legítimos do Estado liberal que limitavam os direitos de propriedade e a iniciativa individual na actividade industrial. Deste modo, o licenciamento destas indústrias (que deixava de fora a grande maioria do trabalho oficinal) passava, até então, pelos governos civis e, no caso das caldeiras e motores, pelas circunscrições industriais que as tinham herdado, no início dos anos 1890, do Ministério das Obras Públicas, Comércio e Indústria26. Com um conjunto de legislação industrial de natureza diferente, alargaram-se sucessivamente as competências das circunscrições industriais, acto que o RTN veio reforçar. Percebe-se, pois, que a regulamentação deste acto tenha tido lugar somente em 1922 durante o governo “democrático” de António Maria Silva (Alves dos Santos, Ministro do Trabalho), num contexto marcado pela multiplicação recente de novas unidades industriais (decreto 7.989 de 25 de Janeiro, DG, 1.a série, 18, 25 de Janeiro de 1922). Este diploma considerava “estabelecimento industrial todo o lugar de trabalho industrial, com a sua instituição directiva, empresa, entidade ou indivíduo” (art.° 2.°) e obrigava os proprietários, directores, gerentes ou administradores a prestar informações para os inquéritos e estatística de natureza industrial. Deste modo, o que ficava registado era o estabelecimento industrial e a actividade (classificada, segundo uma tabela oficial, de acordo com as indústrias que exploravam) e não a firma ou o seu proprietário (cf. Código Comercial, 1889). Quando o estabelecimento industrial mudasse de local de instalação, de espécie de indústria, de proprietário ou sofresse uma profunda modificação nos processos de laboração, passava a ser considerado um estabelecimento novo e, como tal, deveria ter lugar um novo registo (art.° 10.°). A tabela de classificação das indústrias de 1922, vindo substituir a classificação adoptada pela portaria de 7 de Novembro de 1908, dividia as “indústrias” em 6 grupos que, por sua vez, se subdividiam em classes (no total 25). O universo registado ia desde as “indústrias extractivas” às “indústrias do comércio” e procurou não deixar de fora nenhum domínio do “trabalho nacional”.

43A par deste registo, as circunscrições industriais tomaram parte activa no processo de licenciamento e concessão de alvará de laboração de estabelecimentos abrangidos pela legislação relativa às indústrias insalubres, incómodas, perigosas ou tóxicas (v. decreto regulamentar 8.364 de 22 de Agosto de 1922). A tabela de classificação destas indústrias apresentava uma listagem de actividades tão extensa que quase não deixava de fora qualquer outra indústria que não recaísse na designação de “rural” ou “caseira”. Ficavam assim sujeitos à acção de fiscalização do Estado não só os estabelecimentos industriais, as fábricas e as oficinas, como até os depósitos, os armazéns ou as adegas.

44O processo de licenciamento exigia vários procedimentos, dando entrada nos serviços com um requerimento do proprietário, onde deveria identificar a indústria a exercer (ou em exercício), o seu equipamento material (motores e ferramentas) e humano (número de trabalhadores), acompanhado por plantas do estabelecimento a licenciar, memória descritiva, etc. O processo exigia várias vistorias de acompanhamento da instalação e de verificação do cumprimento das regras gerais e particulares de segurança e higiene definidas superiormente para o estabelecimento em causa.

  • 27 A análise da tramitação dos processos de licenciamento industrial foi feita por Brandão de Brito (1 (...)

45A análise dos livros de registo e dos processos do arquivo da 4.a CI mostra que, naqueles serviços, a actividade do RTN se cruzou com o licenciamento de actividades. O RTN obrigou os funcionários a intimarem os proprietários ou gerentes a legalizarem actividades que não estavam registadas ou a renovarem o processo, apresentando alvará e demais documentação à luz da legislação de 1922. O condicionamento industrial veio reforçar os mecanismos de controlo anteriores, estabelecendo agora um controlo sobre a actividade industrial sob novos critérios políticos. Embora os processos do condicionamento corressem por um organismo especializado e envolvessem um processo distinto, o facto é que o novo aparato legislativo redobrou a atenção e a capacidade de intervenção dos funcionários27. Ao afectar as indústrias que estavam em relação directa com a agricultura, como era o caso da moagem, das indústrias de descasque ou do azeite, o condicionamento deparou-se frequentemente com situações não regularizadas que impuseram a abertura dum processo de licenciamento dum estabelecimento por vezes já antigo (v. infra).

Figura 3.1 – Actividade de registo na 4.a CI (variação mensal)

Figura 3.1 – Actividade de registo na 4.a CI (variação mensal)

Fontes: ADRME/RTN (1922-1952): livros 1-12

46A figura 3.1 mostra-nos a evolução da actividade de registo dos funcionários na área da 4.a CI, entre 1922 e 1952. Não podemos tomar imediatamente estes ritmos de registo pelo pulsar da actividade industrial na área da circunscrição. A leitura dos livros do RTN não indicia uma prática sistemática de “bater o terreno”, sugerindo antes que o registo era feito tal como a lei preconizava-a requerimento dos industriais e por sua iniciativa –, muito embora fossem frequentemente intimados a fazê-lo.

47Este movimento burocrático conheceu quatro ciclos de elevada intensidade. O primeiro, situado entre 1923 e 1926, corresponde à aplicação efectiva da legislação de 1922 e à regularização de inúmeras velhas indústrias. Neste período condensa-se o “essencial” do parque industrial que atravessou os anos ’30 e ’40. O segundo ciclo, que arranca em 1926 e se intensifica entre 1930 e 1933, afectou sobretudo actividades que levaram os proprietários a registar-se devido à aplicação das leis do condicionamento e à organização corporativa dos sectores produtivos fundamentais. Estiveram neste caso os lagares de azeite (62 registos só em 1928), as azenhas (228 registos entre 1929 e 1932) e as padarias de diverso tipo (241 registos no mesmo período). O terceiro ciclo, muito curto, entre 1935 e 1936, incidiu principalmente no registo da actividade de preparação de carnes fumadas e ensacadas. A depressão no “movimento burocrático”, registada no longo período que vai de 1937 a 1950, traduz uma realidade dupla: por um lado, houve processos e competências que transitaram para o Ministério da Agricultura, subtraindo-se a actividade das pequenas moagens, dos fornos de pão e padarias, lagares de azeite e outras actividades afins do controlo e da disciplina imposta pelos serviços industriais; por outro lado, houve um significativo abrandamento no registo de actividades (cf. tabela 3.2). Nestes anos coube principalmente à actividade de preparação da cortiça, ao fabrico de loiça ordinária de barro e à sapataria a responsabilidade pelas flutuações até finais dos anos ’40. O súbito aumento de intensidade nos finais dos anos ’50 correspondeu ao regresso das azenhas (316 em 1950), das destilarias e das adegas (256 só em 1951) à alçada dos serviços industriais (cf. tabela 3.2).

  • 28 É fundamental a distinção entre “actividade”, “estabelecimento” e “empresa”. Entendemos aqui por “a (...)

48A análise dos livros RTN deve tomar em linha de conta que não estamos a lidar com o registo duma empresa nem dum estabelecimento, mas sim e apenas duma actividade28. Uma empresa que tivesse vários estabelecimentos era obrigada a proceder ao licenciamento e ao registo de cada um deles. Do mesmo modo, uma fábrica de moagem que tivesse em anexo, como era frequente, uma padaria, um lagar de azeite e uma serralharia para manutenção industrial, deveria realizar três registos. A falta de pagamento da contribuição industrial durante dois anos consecutivos levava a que os serviços cancelassem essa actividade, perdendo o industrial o seu alvará. Neste contexto, fortemente intervencionado pelo Estado, o alvará por si só tornava-se um bem precioso, o que conduzia à existência de situações que estavam longe de traduzir o “real” valor do património registado. Em suma, numa primeira aproximação, o movimento de registo traduz mais a relação burocrática do Estado com os actores económicos do que verdadeiros ciclos de criação de novas actividades.

Tabela 3.2 – Variação anual da actividade de registo na área da 4.a CI e processos transitados para o Ministério da Agricultura (1922-1951)

Tabela 3.2 – Variação anual da actividade de registo na área da 4.a CI e processos transitados para o Ministério da Agricultura (1922-1951)

Fonte: ADRME/RTN (1922-1952): livros 1-12

49Uma das formas que podemos adoptar para contornar esta dificuldade é atender à data de fundação do estabelecimento, declarada no acto de registo. Infelizmente, só temos esses elementos em 38,8 % dos casos (3.745). Por se tratar dum registo retrospectivo, não achámos seguro considerar estes casos como uma amostra significativa. Porém, a distribuição das lacunas no registo da data de fundação sugere que, na maior parte dos casos, a data de registo coincidia a data de fundação. Assim, consideramos que a melhor opção consistia em considerar como data de fundação o momento do registo nos casos em que aquela informação não foi explicitada.

50Os resultados assim obtidos estão representados parcialmente nas figuras 3.2 (I e II). A primeira permite-nos avaliar as diferenças entre o número de registos, cuja data de fundação foi expressamente declarada (série “fund”) e o número total de registos (série “fund (calc). A primeira série aponta para um acentuado declínio de novas actividades a partir de 1931, deixando de existir praticamente nos finais da década. Ora, como veremos, isto esteve longe de corresponder à realidade. Se é verdade que as indústrias “fabris” estavam sujeitas ao regime do condicionamento, nem por isso deixamos de encontrar novas entradas em áreas tão diferentes quanto a debulha de cereais, a latoaria, olaria, carpintaria, espartaria, serralharia, fabrico de sabão, refrigerantes, etc. (v. infra capítulos 4 e 6). Contudo, a maior parte dizia respeito a actividades de natureza pré-industrial como eram, por exemplo, os moinhos e azenhas. Se é verdade que, em alguns casos, as instalações e o equipamento já existiam há muito, o seu registo não deixa de marcar o início duma nova entrada na indústria.

51A segunda figura apresenta a série que reconstruímos em conjunto com o número de trabalhadores declarados afectos à actividade. Não se representaram os estabelecimentos ou actividades, cujo início de laboração foi declarado anterior a 1907.

Figura 3.2. (I). Distribuição do número de registos de actividades industriais pela data de fundação declarada e pela data calculada

Figura 3.2. (I). Distribuição do número de registos de actividades industriais pela data de fundação declarada e pela data calculada

Legenda: Fund. Data de fundação expressa: Fund (calc). Data de fundação estimada a partir da data de registo (v. texto),
Fonte: ADRME/RTN (1922-1952), livros 1-12.

52A análise do movimento industrial aparente sugere um significativo incremento na actividade a partir de 1918. O ciclo em alta estendeu-se até 1925, sendo apenas interrompido momentaneamente em 1921 e durante a crise financeira de 1923. Foi neste período que se instalaram os estabelecimentos que empregavam, em média, mais indivíduos. A lenta recuperação a partir de 1925 ficou a dever-se à multiplicação de pequenas unidades, onde pontuavam o artesanato e as indústrias associadas directamente à lavoura alentejana, a começar pelas azenhas e lagares de azeite. Os picos registados em 1931 e em 1932, na continuidade com o período anterior, ficaram a dever-se a esse sector “tradicional” revitalizado no momento em que as empresas comerciais e industriais se confrontavam com graves dificuldades com origem no exterior. Foram os moinhos de vento, as azenhas e as pequenas unidades de processamento agrícola os responsáveis por esta aparente anomalia. Desta forma, o início do ciclo depressivo data apenas de 1933 e 1934, interrompido em 1935 e 1936, sobretudo graças ao registo de lagares de azeite e de oficinas. O período da guerra de Espanha e do segundo conflito mundial continua esta tendência para a baixa, interrompido após 1945. O “surto” que a figura mostra no final dos anos ’40 é ilusório, pois assenta sobretudo em actividades de pequena escala. Como vimos, quando analisámos o movimento burocrático, este “surto” explica-se pelo registo de processos antes afectos ao Ministério da Agricultura.

Figura 3.2. (II) Distribuição dos registos industriais e do emprego industrial aparente pela data de fundação dos estabelecimentos (1922-1951)

Figura 3.2. (II) Distribuição dos registos industriais e do emprego industrial aparente pela data de fundação dos estabelecimentos (1922-1951)

Legenda: Actividades-número de unidades registadas; Operários-número de trabalhadores de ambos os sexos registados nas actividades.
Fontes: ADRME/RTM (1922-1952), livros 1-12 (cálculos nossos).

53A tabela 3.3 agrega aqueles valores em diferentes épocas e revela, de forma sintomática, a intensificação do registo de estabelecimentos e o declínio contínuo do número de trabalhadores por actividade registada a partir de 1926. Ou seja, o aumento no número médio anual de registos correspondeu a uma diminuição no número de trabalhadores por unidade. Se é compreensível que as empresas mais antigas sejam aquelas que apresentam uma dimensão média superior, já o contínuo declínio da dimensão média dos estabelecimentos tem de encontrar uma explicação na evolução do tecido produtivo da região.

Tabela 3.3 – Número de estabelecimentos ou de actividades registadas e número de trabalhadores segundo a data de início da actividade estimada na área da 43 CI

Tabela 3.3 – Número de estabelecimentos ou de actividades registadas e número de trabalhadores segundo a data de início da actividade estimada na área da 43 CI

Fonte: ADRME/RTN (1922-1952): livros 1-12 (cálculos nossos)

54Embora mais diversificado do que sugere a imagem estereotipada do Alentejo agrícola, o tecido registado concentrava-se em pouco mais duma dezena de actividades que estavam estreitamente ligadas à actividade das grandes casas agrícolas (tabela 3.4). A fileira do pão, desde a debulha à panificação, a par da fabricação de azeites e da actividade preparadora e transformadora da cortiça representavam a maioria do emprego “industrial” oferecido na região. Só depois se destacava o fabrico e a reparação de sapatos, a alfaiataria, o fabrico de louça de barro grosseiro e as actividades de assistência a um mundo rural ainda dominado pela tracção animal: as oficinas de ferreiro e as carpintarias de carros. Além destas devemos referir os fornos de telha e tijolo, uma actividade ancestral exercida muito frequentemente no quadro da grande exploração agrícola. Estas 13 “classes de indústrias”, estreitamente relacionadas com a economia do latifúndio, representam 76,4% dos registos nos livros RTN e 78,0% do emprego. Por outras palavras, cerca de uma centena de tipos de actividade representavam pouco mais de 20% dos registos e do emprego global oferecido.

Tabela 3.4 – Principais actividades registadas na área da 43 CI pelo R.T.N. (1922-1951)

Actividades

Registos

Emprego

R/E

Debulha de cereais e enfardamento de palha e feno

344

4.540

13,2

Moagem de cereais, rações e descasque de arroz

1.588

2.565

1.6

Panificação

682

803

1,2

Cortiça

323

2.487

7,7

Azeite

422

1.757

4,2

Calçado

973

2.082

2,1

Carnes fumadas (carnes ensacadas)

247

554

2,2

Ferraria/ferreiro

743

1.240

1,7

Telha e tijolo

293

902

3,1

Carpintaria de carros

388

707

1,8

Carpintaria de branco/civil

412

793

1.9

Alfaiataria

347

888

2.6

Olaria

217

329

1,5

Total destas actividades

7.367

20.354

2,8

Total de registos no R.T.N.

9.640

26.078

2,7

Fonte: ADRME/RTN (1922-1952): livros 1-12

55Um segundo facto deve ser salientado: a maioria destas actividades e do emprego que permitiam era de natureza sazonal, coincidindo com momentos de alta no trabalho agrícola. Tal ocorria não só na debulha mecânica, na maioria das moagens “tradicionais” e no fabrico do azeite, como também na preparação de carnes, no fabrico de telha e tijolo e na indústria corticeira (dado que esta estava maioritariamente orientada para a actividade de preparação). As carpintarias de carros, as ferrarias e as carpintarias de branco eram actividades que, neste quadro, viviam da proximidade dos mercados que serviam. A sapataria e a olaria, por seu turno, eram sobretudo ofícios enquistados em produtos específicos consumidos na região.

56Em terceiro lugar, salientemos a persistência duma economia rural, na qual o artesanato e as indústrias rurais sobreviviam ancoradas em produtos regionais específicos ou na prestação de serviços de apoio à lavoura, a par da modernidade que as unidades industriais representavam. A coexistência entre o antigo e o moderno constituía, pois, um dos traços característicos deste universo, o qual encontramos já no Inquérito Industrial de 1890.

  • 29 Um número significativo de registos não tinha adscrito qualquer trabalhador, sugerindo tratar-se de (...)

57A tabela 3.5 mostra de forma consistente a evolução na dimensão dos estabelecimentos industriais registados entre 1922 e 1951 na 4.a CI, considerada a partir do volume de emprego declarado. Se não devemos considerar os registos de estabelecimentos fundados antes de 1890 representativos dessa época, por se tratarem de empresas sobreviventes registadas depois de 1922, já os registos de estabelecimentos fundados no período 1890-1915 podem ter algum significado. Eles sugerem que os estabelecimentos que empregavam mais de 6 indivíduos tinham um peso relativo superior ao que vamos encontrar a partir de 1926. É notório o aumento do número de registos de pequenas actividades a partir de 1915 quer em termos absolutos, quer em termos relativos. No período 1916-1925, 38,6% do emprego encontrava-se em estabelecimentos com 1 trabalhador ou menos (tabela 3.6)29. Quando consideramos os estabelecimentos que empregavam até 2 trabalhadores (inclusive), esse peso subia para 64,3%. Entre 1926 e 1951, esses estabelecimentos constituíam 80% do total. Em números absolutos, de pouco mais de mil registos entre 1916 e 1925, os pequenos estabelecimentos aproximavam-se dos 4 mil entre 1926 e 1938, caindo depois para os 2,7 mil entre 1939 e 1951.

Tabela 3.5 – Distribuição das actividades registadas na 4.a CI pelo volume de emprego declarado, segundo as datas de início de laboração estimadas em diferentes épocas

Tabela 3.5 – Distribuição das actividades registadas na 4.a CI pelo volume de emprego declarado, segundo as datas de início de laboração estimadas em diferentes épocas

Fonte: ADRME/RTN (1922-1952): livros 1-12

Tabela 3.6 – Distribuição das actividades registadas na 4.a CI pelo volume de emprego declarado, segundo as datas de início de laboração estimadas em diferentes épocas (valores relativos)

Tabela 3.6 – Distribuição das actividades registadas na 4.a CI pelo volume de emprego declarado, segundo as datas de início de laboração estimadas em diferentes épocas (valores relativos)

Fonte: tabela 3.5.

58Como interpretar estes valores? No quadro dum tecido industrial, onde predominavam o artesanato e as actividades de serviço ou de proximidade, poderíamos pensar, como hipótese, que o aumento demográfico se traduziria na multiplicação do número de estabelecimentos. Mas, no essencial, a sua dimensão média (em números redondos) seria constante. Outra possibilidade prender-se-ia com a natureza dos registos considerados, os quais não teriam correspondência com o que se passava “na realidade”. É certo que as medidas de condicionamento tornaram os alvarás objecto de valor económico e lançaram muitos na corrida aos registos. Mas a sua efectividade dependia da laboração do estabelecimento, pelo menos dois meses no ano, e do pagamento da contribuição industrial. Não estamos, pois, perante registos “fantasmas” – estes números traduzem o que efectivamente se passava no terreno. E eles apontam para uma regressão no movimento industrial aparente se tomarmos a dimensão (em termos de volume de emprego) como um indicador válido do grau de intensificação capitalista das organizações. Em síntese, a evolução a partir da segunda metade dos anos ’20 mostrou-se (aparentemente) contraditória com a formação dum sector capitalista moderno, se pensarmos que este se afirmava pelo movimento de concentração.

59Como veremos, a multiplicação do número de pequenos estabelecimentos resultou directamente da política económica seguida a partir da Ditadura e consolidada com a armadura corporativa instituída pelo Estado Novo, quando disciplinou os mercados e limitou a concorrência. Mas para o fenómeno contribuiu também a forma como se desenvolveu a grande exploração agrícola na sua relação com o tecido industrial da região. É da “mobilização do atraso”, como lhe chama Nuno Madureira (1998:822), mas sobretudo da mobilização contra o sector moderno da economia que se trata, quando analisarmos a evolução regional do parque moageiro e da fileira do pão, da produção de azeite, do parque corticeiro e do artesanato regional. Por outro lado, verificou-se no quadro da grande propriedade fundiária a tendência para a internalização das relações com a indústria e/ou para protelar a sua autonomização, como sucedia nos casos das oficinas de serralharia, de carpintaria, mas também no fabrico de telha e tijolo, moagem e panificação ou da produção de vinho e de azeite. O registo autonomizado de cada uma destas actividades revela o peso do sector não empresarial ou, se quisermos, das unidades integradas de produção que contavam com actividades de assistência à produção principal. Esta característica, à primeira vista, própria das grandes unidades de produção que operam em contextos periféricos, tinha obviamente repercussões directas no parque global instalado. O peso desta “estrutura” era ainda mais significativo se pensarmos que esta evolução se deu numa época em que se desenvolve a viação acelerada e autónoma, graças à camionagem.

60Esta interpretação parece consistente com a análise da duração das actividades. Infelizmente, dispomos apenas de 966 casos em que temos o registo da data de início e de termo, o que corresponde a 10% do universo. A sua análise mostrará o seu significado.

61A maioria das actividades registadas (58%) tiveram uma duração superior a 20 anos e inferior a 50 anos, e nestas concentravam-se também a maioria do emprego. Poucas iniciativas tiveram duração inferior a 7 anos (8,1% apenas) e 21,7% dos casos duraram entre 4 e 15 anos.

Figura 3.3. Duração das actividades registadas na 4.a Cl e volume de emprego

Figura 3.3. Duração das actividades registadas na 4.a Cl e volume de emprego

Legenda: Num Act. Número de actividades registadas; Trab. Número de trabalhadores.

62A esta escala de análise, não parece haver uma relação directa entre a duração das actividades e o volume de emprego. Tal como os moinhos de vento e as azenhas, que empregavam 2 ou 3 pessoas, também os grandes estabelecimentos, como a fábrica de Portalegre, remontavam aos finais do século XVIII. Da mesma forma, encontramos pequenos estabelecimentos de curtumes ou “grandes” fábricas de cortiça (como era o da Robinson) fundados em meados do século XIX. Na verdade, o peso destes estabelecimentos ancestrais estará porventura subestimado, pois a grande maioria das azenhas e lagares de azeite não indicaram a sua fundação, certamente por desconhecimento dos seus proprietários. Deste modo, apenas 3% dos casos tinham mais de 50 anos de vida. Não se julgue por aqui que estamos perante um parque de sobremaneira envelhecido, pois até finais daquele século continuaram a construir-se de raiz instalações tradicionais como eram os moinhos de vento, as azenhas e os lagares de azeite movidos com tracção animal.

  • 30 Sobre este aspecto, mas para o século XIX, veja-se o importante estudo de Manuela Rocha (1994) sobr (...)

63O peso do artesanato, ligado ao exercício de um ofício como atributo pessoal, “explica” a duração dos registos, que por vezes parecem cumprir um ciclo de vida. Deste modo se percebe que, mesmo quando estamos perante actividades em declínio, estas conseguiam sobreviver por serem tantas vezes exercidas a tempo parcial, como complemento da actividade agrícola ou comercial (cf. tabela 3.7.)30.

Tabela 3.7 – Número de actividades registadas na 4.a CI, volume de emprego e dimensão média segundo a duração da actividade

Anos de actividade

Num Act

Trab

Dim

Menos de 2 anos

13

28

2.2

2 a 3 anos

8

27

3,4

4 a 7 anos

63

195

3.1

7 a 10 anos

74

196

2.6

II a 15 anos

78

219

2,8

16 a 20 anos

142

354

2.5

21 a 30 anos

277

886

3.2

31 a 50 anos

306

793

2,6

Mais de 50 anos

29

130

4,5

Total

990

2 828

2,9

Fonte: ADRME/RTN (1922-1952): livros 1-12
Legenda: Num Act. Número de actividades; Trab. Número de trabalhadores registados nessas actividades; Dim média. Dimensão média (número de trabalhador por estabelecimento)

64A partir da Ditadura Militar, o condicionamento da actividade industrial tornou os alvarás um bem com valor mercantil e que, por isso, importava não perder. Os estabelecimentos conheciam vários ciclos de vida, nas mãos de diferentes proprietários. Enfim, o próprio ambiente económico alimentado a partir dos anos ’30, ao limitar a concorrência, permitiu, por esta via, a sobrevivência de muitos estabelecimentos “tradicionais”. Tudo aponta para que os ciclos económicos não actuassem sobre o ciclo de vida dos estabelecimentos, se não mesmo das firmas. Efectivamente, a maior parte das actividades registadas tiveram uma duração superior a 20 anos, sendo quase residual o número daquelas que duraram menos de 3 anos. A longevidade das actividades nos estabelecimentos foi assim a regra.

  • 31 Os alvarás eram cancelados ou por iniciativa própria ou pelos serviços 2 anos depois dos estabeleci (...)

65O movimento aparente dos cancelamentos de actividades é também elucidativo a esse respeito (cf. figura 3.4). Num universo de 9.640 registos, efectuados entre 1922 e 1952, foram canceladas 3.111 actividades exercidas até 1995 (32,3%). Este número, aparentemente tão elevado, requer alguns cuidados na sua leitura, a começar pelo facto da maioria dos cancelamentos das actividades recair sobre um período cronológico posterior ao limite contagem dos registos (1922-1952). Ou seja, é a partir dos anos ’50 que se dão a maioria dos cancelamentos das actividades registadas anteriormente (v. infra cap. 4)31.

66O número de actividades eliminadas até finais dos anos ’30 foi muito baixo (cf. figura 3.4). O primeiro abalo deu-se na sequência da crise de 1930. Entre 1931 e 1934 foram eliminadas 67 actividades, correspondendo à perda de 156 postos de trabalho. Estes valores são, no entanto, bastante favoráveis quando comparados com o ciclo 1937-1941, o qual corresponde à eliminação de 405 licenças ou 1.328 efectivos. O ratio de 3,3 trabalhadores por licença cancelada indica-nos que estes valores não respeitavam apenas a actividades, mas que afectaram verdadeiras empresas industriais, embora de pequena dimensão. Porém, o terceiro ciclo foi, de longe, o mais importante. Ele teve início em 1949 e terminou apenas em 1966. No total foram eliminadas 2.424 licenças ou 6.661 trabalhadores (média de 2,7 trabalhadores por actividade), registando-se os picos em 1949 (254 licenças), 1952 (420 licenças), 1957 (168 licenças), 1961 (131 licenças) e 1964 (59 licenças, v. figura 3). Não podemos desde já assinalar que este ciclo coincide com o momento em que se inicia uma nova vaga de modernização técnica na lavoura, nos transportes e, de um modo geral, na cultura material do quotidiano. Ele coincide igualmente com o surto migratório das populações do sul para os países da Europa Ocidental, para a Margem Sul e para Lisboa em demanda de melhores condições de vida.

Figura 3.4 – Evolução do número de cancelamentos de licenças industriais e do volume emprego eliminado na 4.a CI, nas actividades registadas no período 1921-1951

Figura 3.4 – Evolução do número de cancelamentos de licenças industriais e do volume emprego eliminado na 4.a CI, nas actividades registadas no período 1921-1951

Legenda: Num. Número de actividades canceladas; Trab. Número de trabalhadores efectivos de ambos os sexos eliminados nessas actividades.
Fonte: RTN (cálculos nossos). Tabela em apêndice.

67A análise do saldo do movimento dos registos permite-nos uma visão mais próxima das fases na “demografia” dos licenciamentos industriais (figura 3.5). Deste modo, podemos identificar 10 fases curtas e médias: 1921-1923, 4 anos de crescimento; 1924-1926, 3 anos de depressão; 1927-1933, 7 anos de crescimento contínuo (em contraciclo com a economia mundial a partir de 1930); 1934-1935, 2 anos de depressão curta, seguida de breve recuperação em 1936; 1937-1938, 2 anos de afundamento (com saldo negativo em 1938); 1939-1940, 2 anos de curta recuperação; 1941-1942, 2 anos de crise; 1943-1946, 4 anos de recuperação; 1947-1949, 3 anos de afundamento, com saldos negativos; 1950-1951, 2 anos de recuperação súbita, seguida, depois, de novo afundamento, que deu início a um período depressivo longo (cf. figura 3.4).

  • 32 É evidente que a estimativa do produto industrial alentejano nos poderia dar uma leitura diferente (...)

68A figura 3.6 mostra o lento e constante crescimento do número de actividades industriais registadas, bem como do emprego que elas proporcionavam32. Nele parece notório, a partir de 1936, um abrandamento do ritmo de crescimento, tanto do emprego como das actividades industriais. Uma análise mais fina de cada uma das actividades e, em particular, do sector artesanal e oficinal poderá mostrar em que medida dependiam, para crescerem, do aumento dos efectivos rurais ou se, pelo contrário, foram prejudicados pelo comércio e pela modernidade. Antes de o fazermos, vejamos a evolução e as características das maiores unidades industriais implantadas na região.

Figura 3.5 – Saldo líquido de actividades licenciadas e do emprego industrial nos registos efectuados na 4.a Cl no período 1921-1952

Figura 3.5 – Saldo líquido de actividades licenciadas e do emprego industrial nos registos efectuados na 4.a Cl no período 1921-1952

Legenda: SFNum. “Saldo fisiológico” das actividades registadas: SFTrab. Saldo fisiológico do emprego industrial
Fonte: RTN (cálculos nossos)

Figura 3.6 – Valor acumulado das actividades licenciadas e do emprego industrial

Figura 3.6 – Valor acumulado das actividades licenciadas e do emprego industrial

Fontes e legenda: v. figura 3.5.

3.3. A grande indústria – as grandes empresas

69A identificação das maiores empresas industriais, feita a partir da identificação das firmas requerentes ao RTN, do volume de emprego e do equipamento declarado na actividade, permite clarificar o tecido industrial, distinguindo-as das actividades de pequena escala. Tal exercício, realizado numa análise em diacronia de médio prazo, revelou-nos estar em presença, não de um espaço “tradicional”, “fechado”, imutável ou constante nos seus protagonistas, interesses e formação empresarial, mas, bem pelo contrário, duma região muito aberta a actores externos e orientada para a exportação de produtos semi-preparados ou intermédios, em estreita articulação com a orientação produtiva dos grandes domínios agrícolas. A ausência de mercados regionais desenvolvidos e estruturados na óptica industrial, isto é, que se impusessem aos produtores e aos consumidores como espaços de troca constante e regulados na forma de apresentação dos produtos, com baixos custos de informação, emprestavam ao Alentejo um fácies de “região de fronteira”, uma terra de oportunidades de negócio, onde estavam presentes comissários, agentes e representantes de firmas comerciais e industriais do país e do estrangeiro. Tal facto terá facilitado a estruturação da região numa lógica de crescimento duplamente periférica: em primeiro lugar, relativamente às economias mais desenvolvidas, em crescimento industrial, e, em segundo lugar, em relação ao consumo dos pólos urbanos (nessa medida “mais modernos”) do país e, muito em especial, de Lisboa.

  • 33 Não deixa de ser relevante, neste contexto, que o espaço regional alentejano tenha sido retalhado p (...)

70A orientação para o exterior das grandes produções regionais, combinada com a ausência de pólos de atracção, centros de distribuição dos seus fluxos comerciais, teve um impacto directo evidente na geografia industrial da região e na sua evolução. No caso da cortiça, o dinamismo industrial (aquele que foi possível existir face ao proteccionismo industrial dos países consumidores) foi geograficamente orientado para as manchas de montado, para os pontos de confluência do tráfego (como Vendas Novas) e, sobretudo, para as margens da região: o Algarve e os povoados na margem sul do Tejo, na península de Setúbal. Esta tendência era notória já nos princípios do século33. O escoamento da cortiça fazia-se por uma grande variedade de pontos, cada um deles com capacidades limitadas, devido à ausência crónica de investimentos portuários. Tal não deixava de se reflectir directamente em custos de transbordo acrescidos, elevados custos de carga e descarga devido ao recurso intensivo à mão-de-obra braçal. A saturação destes portos de expedição de produtos e matérias-primas industriais e a sazonalidade dos fluxos contribuíam para a acumulação de mercadorias e, indirectamente, facilitaram a deslocação das operações de processamento primário e secundário para estes pontos mais próximos da fonte de produção. Foi também neste contexto que Sines nasceu como porto e centro industrial alternativo a Setúbal, o qual beneficiou não só dos seus recursos marítimos, como também do hinterland do Vale do Sado, em franco desenvolvimento nos anos ’20 (cf. tabela 3.8). A mesma lógica de implantação é perceptível nas grandes unidades moageiras, distribuídas pelos principais centros de produção cerealífera e capitais de distrito (Beja, Évora, Elvas, Portalegre, etc.) e cujos capitais foram em parte oriundos do exterior também.

Tabela 3.8 – Maiores empresas no Alentejo em 1925

Tabela 3.8 – Maiores empresas no Alentejo em 1925

(*) Não foram contabilizadas as locomotivas usadas no transporte de minério; n.d.: valores não disponíveis.
Fontes: ADRME/RTN (1922-1952),
Boletim de Minis (1925,1930).

71Esta perspectiva é ainda reforçada quando analisamos o tecido mineiro implantado na região e a forma como esta se articulava com as actividades industriais a jusante. Tratou-se de uma importante área de actividade que ficou de fora do âmbito do RTN. Socorremo-nos, para isso, dos elementos fornecidos nos processos das grandes empresas mineiras depositados no arquivo do Instituto Geológico Mineiro e nos dados oficiais publicados, em especial, no Boletim de Minas.

3.3.1. As companhias mineiras ao serviço dos países industrializados

72Na lista das maiores industrias que operavam na região, as companhias mineiras surgiam à cabeça, quer pelo volume de emprego, como pelos capitais investidos, volume de negócios e capacidade produtiva instalada (tabela 3.8). Em 1925, as três maiores empresas mineiras eram representadas por capitais ingleses e belgas que exploravam as importantes jazidas de pirites do Alentejo. A sua actividade não se limitava ao arranque, já que executavam igualmente algum processamento dos minérios, tendo em vista o consumo das indústrias químicas e metalúrgicas situadas no exterior e que constituíam mercados distintos.

  • 34 Veja-se a respeito do desenvolvimento mineiro no Alentejo, durante a Regeneração, o nosso estudo (G (...)

73A empresa mais importante era a Mason & Barry L.ted, uma sociedade com sede em Londres, constituída para exploração das minas de São Domingos, mediante arrendamento à empresa mineira La Sabina, em 1858 (IM/MM-1894:209 e Sequeira-1883). Reorganizada sucessivamente em 1878 e 1892, contava no início do século XX com um capital de £ 1.050.000, dividido em 210 mil acções de 5 £ cada, das quais 185 mil se encontravam já integralmente realizadas. O empreendimento era representado perante o governo português por Óscar Deligny (da La Sabina) e James Mason (da sociedade arrendatária), que davam como residência oficial a mina de São Domingos. Longe de se tratar de um empreendimento isolado, o arranque deste projecto deve ser equacionado num contexto de abertura jurídico-institucional, proporcionada pela legislação mineira de 1852-3, por um lado, e pelo crescente procura de minérios pela economia britânica, por outro. Esta conjuntura, marcada pelo optimismo, assistiu à participação de negociantes, proprietários e capitalistas da região e do exterior, por vezes associados em aventuras mineiras que nem sempre terminaram bem34.

  • 35 Sobre os aspectos técnicos, relativos à exploração em São Domingos, veja-se Pedro Sequeira (1883), (...)
  • 36 De acordo com os elementos do processo da mina no Arquivo do Instituto Geológico e Mineiro (proc. 1 (...)

74Nos finais de Oitocentos, a Mason & Barry L.ted era um gigante que sobrevivera, praticamente isolado, à crise na economia mineira do Alentejo, resultante da queda contínua dos preços dos minérios de ferro e de cobre nos mercados mundiais a partir de meados da década de 1870. Na origem deste sucesso podemos apontar um conjunto combinado de factores. Em primeiro lugar, salientemos a facilidade com que se reuniu numa única concessão uma enorme massa de minério, metódica e sistematicamente explorada entre 1858 e 1965 por uma única companhia exploradora. Em segundo lugar, e tal como os inspectores de minas apontaram na época, realcemos a capacidade de execução técnica e de organização demonstrada pelo engenheiro Diogo Mason num empreendimento de larga escala. Efectivamente, a viabilidade do projecto envolvia investimentos coordenados no transporte terrestre ferroviário, no transporte fluvial e no transporte marítimo, além de despesas com seguros marítimos, baldeações e representações comerciais no exterior35. À experiência acumulada pelo engenheiro inglês nas minas congéneres de Espanha associavam-se contactos privilegiados nos meios de negócios do comércio de minérios para Inglaterra e a presença de um industrial metalúrgico inglês, James Trees Barry, que aparecia em Londres como presidente do conselho de directores da Mason & Barry (IM/MM-1894: 209)36. Esta aliança ficaria consolidada com o casamento de James Mason, em 1860, com Isabel, filha de Barry, do qual nasceria James Francis Mason, futuro director. O sucesso do empreendimento traduziu-se socialmente na nobilitação, em Portugal, de James Mason como Barão do Pomarão e Visconde de São Domingos. O seu filho primogénito, James Francis Mason herdará o título de visconde e ascenderá à nobreza em Inglaterra, quando, em 1895, casa com lady Evelyn Crawford, dama da Ordem do Império Britânico e de Malta, filha dos XXII condes de Crawford, uma família da mais antiga nobreza britânica (Custódio-1996b: 212-213).

75Realcemos dois factos nesta história: primeiro, os mercados ingleses, com os quais os capitalistas tinham um relacionamento privilegiado, mostraram-se fundamentais na fase de expansão e de consolidação do empreendimento; segundo, a rápida nobilitação dos Mason em Portugal não parece ter-se traduzido numa integração social ou sequer na aproximação às elites nacionais.

76A importância deste posicionamento privilegiado perante os mercados assumia várias vertentes. Tanto quanto nos permitem avaliar os relatórios de inspecção e os documentos do processo nos arquivos do Estado em Portugal, após os investimentos realizados na segunda fase da exploração, a partir de meados da década de 1860, o financiamento do empreendimento parece ter sido largamente auto-sustentado. A elevada rotação do capital era garantida pela facilidade de escoamento dum produto que tinha dois consumidores: a indústria química, que retirava das pirites o enxofre necessário à produção de ácido sulfúrico, e a indústria metalúrgica, que extraía o cobre, o chumbo, a prata e o ferro. A economia da exploração dependia da cooperação entre as diferentes partes envolvidas. Rapidamente o minério do Pomarão teve plena aceitação em Inglaterra e foi responsabilizado, ainda no início da década de 1860, pela quebra no valor das cotações dos minérios em Inglaterra (Guimarães-2001: 84-88).

  • 37 V. as referências que lhe faz Ferreira Dias Jr. (1946:213)

77Nos finais de Oitocentos, a Mason & Barry parece ter-se adaptado com facilidade à perda da hegemonia britânica no consumo das pirites de São Domingos (Garcia-1988 e 1996). A companhia sobrevivera com sucesso à depressão nos preços dos minérios, graças aos investimentos realizados entre meados da década de 1860 e os finais da década seguinte. Estes investimentos permitiram à empresa aumentar a escala das operações, diminuir os custos de arranque e de transporte e aproveitar a grande massa que constituíam os minérios pobres (com teores <2% Cu). Não houve alterações fundamentais nesta infra-estrutura, cumprindo-se os planos de arranque até ao encerramento da exploração, em 1965. A única alteração de vulto consistiu na instalação da Fábrica de Enxofre na Achada do Gamo (nos arredores da concessão), em 1934, por pressão do governo português junto da empresa37.

78A diversificação dos mercados de exportação das pirites, nos finais do século XIX, correspondeu à entrada de novos operadores na região. Assim, em 1898, constituiu-se em Antuérpia a Société Anonyme Belge des Mines de Aljustrel (S.A.B.M.A.) com um capital de 1,2 milhões de francos. Para a constituição desta sociedade, o Banco Fonseca, Santos & Viana entregou as concessões, todos os direitos, bens e imóveis que tinham pertencido à antiga companhia mineira portuguesa, a C.ia de Mineração Transtagana. Como principais accionistas surgiam, para além do banco português, a Association Financière et Industrielle, SA, de Bruxelas, Carlos Ferreira Santos Silva e Francisco Silveira Viana, ambos ligados àquele banco. Depois surgiam agentes e empresas comerciais de Bruxelas, a Thys et Vanderlinden, a Witteroos & C.ia (Antuérpia), a família Jacobs, os banqueiros Lagrelle e administradores de empresas como os irmãos Eyben, Alphonse Ullens e Maurice Raimax, proprietário e político belga (v. lista de maiores accionistas em Guimarães-2001: 105-111). Também neste caso se reuniram importantes concessões mineiras, alargadas e consolidadas com a demarcação do couto mineiro de Aljustrel. A administração da companhia operou-se a partir da Bélgica, ficando em Aljustrel um administrador delegado. Em qualquer dos cargos de comando, os belgas tiveram a hegemonia e, do mesmo modo, os engenheiros directores técnicos nomeados eram belgas. Apesar disso, os portugueses não deixavam de aparecer entre os maiores accionistas da companhia nos anos ‘20. Ao contrário da Mason & Barry, que se manteve nas mãos de um grupo familiar muito reduzido, na sociedade luso-belga participaram interesses aparentemente muito diversificados.

  • 38 V. processos no arquivo do Instituto Geológico e Mineiro da Serra da Caveira (proc. 21), Noroeste d (...)

79No caso das minas do Lousal, localizadas no concelho de Grândola, as concessões pertenciam à Sociedade das Minas dos Bairros L.da, constituída em 1910 entre a família Albuquerque d’Orey, Pedro de Azevedo Coutinho e Guilherme Pinto Basto com um capital de 28,5 contos. Sendo as pirites do Lousal mais pobres (em “minérios úteis”), a viabilidade do empreendimento passava pela construção da linha férrea do vale do Sado. Deste modo, no início dos anos ’20, as Minas dos Bairros arrendaram a concessão à Henry Burnay, L.da (firma que tinha interesses directos na C.U.F.) e depois à S.A.B.M.A, acabando por vendê-la por 3,4 milhões de francos belgas (preços correntes), em 1923. Como resultado da depressão dos anos ’30, a S.A.B.M.A. perde parte do seu património para outra empresa ligada à banca de Bruxelas, a Empresa Exploradora de Minas. Entre 1933 e 1936, oito concessões contíguas entre as minas da Caveira e o Lousal (Novo e Velho) tinham sido adquiridas a esta sociedade, que aparecia estreitamente ligada à SAPEC. A expansão da produção no Lousal, neste período, aparece assim ligada à infraestrutura ferroviária do Vale do Sado e ao parcial aproveitamento industrial das pirites na Mitrena (nos arredores de Setúbal)38.

80A orientação exportadora das empresas mineiras que operavam na faixa piritosa alentejana é atestada pelos valores compilados pela Direcção Geral de Minas, nos anos ’30. A frieza dos números remete para o domínio da retórica do regime os desejos de “nacionalização” dos minérios portugueses, anunciados na década de 1930 (cf. Rosas-1986).

Tabela 3.9 – Produções das minas da faixa piritosa alentejana e seu destino, 1938

Tabela 3.9 – Produções das minas da faixa piritosa alentejana e seu destino, 1938

Fonte: Boletim de Minas (1938).

81A actividade das minas de pirites, para além da extracção, consistia em preparar o minério para indústria, triturando-o, criando concentrados (precipitados e cementos ricos em cobre) para as metalurgias e separando os minérios pobres em metais, mas ricos em enxofre, que eram matéria-prima para as indústrias químicas de base. Na ausência duma metalurgia de metais não ferrosos e duma indústria de adubos químicos, orientada para o exterior, o consumo interno representava quase sempre menos de 10% do volume da produção total (tabela 3-9). Nos finais dos anos ’30, os principais países consumidores das nossas pirites e concentrados eram a França (416 mt), a Bélgica (37 mt), a Inglaterra (20 mt), Marrocos (11 mt) e a Suécia (3,6 mt) (IM/BM-1938: 310-312).

82Está fora do nosso objectivo traçar o quadro da evolução económica destes empreendimentos. Iremos, porém, mais além do que simplesmente constatar a evidente “desarticulação”, em contexto nacional ou mesmo regional, entre a mineração e as modernas indústrias química e metalúrgica.

83A orientação para o exterior deste sector “explica”, em larga medida, a persistência de duas escalas de operação, resultantes do enorme peso dos custos dos transportes nas suas economias: por um lado, um número relativamente elevado de iniciativas com uma duração muito limitada e que, quase sempre, empregavam poucas pessoas; por outro, um escasso número de grandes estabelecimentos controlados por empresas oriundas de países industriais. Como pano de fundo deste padrão de crescimento, assistimos à manutenção de um elevado número de concessões atribuídas que não tinham qualquer lavra. As estratégias das diferentes empresas mineiras levava-as a manter, como reserva, concessões que não eram economicamente vantajosas. Nos termos dessa economia pesavam muito os custos de transporte terrestre e marítimo e, logo, os investimentos necessários à viabilidade do empreendimento no seu conjunto. Se, em conjunturas favoráveis, a posição geo-económica dos jazigos permitia a sua exploração, noutros a sua viabilidade passava pela acção combinada de investimentos pesados em infraestruturas ferroviárias e portuárias, na criação estabelecimentos anexos para a preparação industrial dos minérios, enfim, numa escala de operações que exigiam a presença de jazigos de dimensão e de valor excepcionais. Perante os elevados custos de transporte (dada a posição longínqua dos mercados e o atraso do país), a viabilidade das explorações mineiras dependia da existência de jazigos com um teor elevado de “minérios úteis” ou de grande dimensão.

84O desenvolvimento destas grandes explorações teve um impacto económico limitado, quando se pensa nas oportunidades criadas a nível local para a emergência de outras firmas ou actividades. Implantadas em regiões “atrasadas”, as grandes empresas mineiras do sul constituíam verdadeiros universos industriais largamente auto-suficientes. A manutenção dos equipamentos, o fabrico de peças, a concepção e o desenho de estruturas e máquinas faziam-se em oficinas próprias, com o seu quadro de pessoal e hierarquias. A produção de cementos cúpricos por via seca (ustulação) e por via húmida (a chamada “hidro-metalúrgia”) fazia-se em campos próprios no interior das concessões. As companhias tinham ainda “pessoal de via”, ligado ao transporte ferroviário. Esta estrutura de desenvolvimento sectorial, “integrado” nas grandes companhias, é perceptível no enunciado da estrutura do emprego nas explorações mineiras (cf. figura 3-7). Os 1.722 operários que a S.A.B.M.A. empregava em 1938, por exemplo, estavam divididos pelas seguintes secções: contramina (lavra subterrânea); corta (céu aberto); extracção e esgoto; tratamento mecânico do minério; tratamento metalúrgico; oficinas gerais; linhas férreas, construções; central termo-eléctrica; administração (IM/BM-1938: 55-56). Nas suas oficinas gerais trabalhava mais gente do que nas maiores empresas metalúrgicas da região. No total, eram 2 encarregados, 2 capazes, 1 vigilante, 1 apontador, 15 caldeireiros, 1 plainador, 3 tarraxadores, 17 serralheiros e 5 ajundantes, 10 ferreiros e 17 ajudantes, 6 fundidores, 10 torneiros, 2 soldadores, 28 carpinteiros, 2 serradores, 6 trabalhadores e 19 rapazes. Nas linhas férreas trabalhavam 20 maquinistas, 17 fogueiros, 6 engatadores, 4 revisores e limpadores, 7 vigilantes, 5 apontadores e 47 trabalhadores. Nas “construções” encontramos, entre outros, 28 carpinteiros, 40 pedreiros, 44 serventes, 3 ferreiros e 66 trabalhadores. Na lista do pessoal encontramos ainda 11 guardas, 11 jardineiros, 6 descarregadores, 4 carreiros e 1 almocreve! (IM/BM-1938: 56) Por outras palavras, trata-se dum universo económico enquistado na região que, fundamentalmente, absorve ou atrai artesãos, operários e trabalhadores.

Figura 3.7 – Minas de Aljustrel e São Domingos. Organograma da organização do trabalho

Figura 3.7 – Minas de Aljustrel e São Domingos. Organograma da organização do trabalho

Fonte: Guimarães-2000:363.

85As minas de São Domingos apresentavam igualmente uma “estrutura integrada” das suas operações. Para além das secções propriamente mineiras (lavra subterrânea, extracção e esgoto, cόrta ou lavra a céu aberto), encontramos ainda os seguintes departamentos: Fábrica de Enxofre (Achada do Gamo), Cementação, Oficinas Gerais, Linhas férreas, Reparação de edifícios e Central Eléctrica. Para além destes existiam ainda guardas, motoristas e empregados do hospital da mina (IM/BM-1938: 56).

  • 39 Noutro trabalho, mostrámos que esta “oferta” incidiu sobretudo em competências profissionais nos tr (...)

86Salientemos, pois, que este tipo organização não suscitava o desenvolvimento de outras empresas industriais na região. Por norma, estas empresas beneficiaram da isenção de direitos na importação de equipamentos e os mais simples, a larga maioria, eram produzidos nas oficinas de carpintaria e de serralharia. Também a política fiscal aplicada aos minérios (de isenção de impostos à exportação) não estimulou mais do que a preparação local dos minérios para os mercados metalúrgicos no exterior. Tais empreendimentos, se não podiam beneficiar da oferta industrial proporcionada pelo meio imediato, criavam, no entanto, um universo próprio com limitadas repercussões no exterior39. Constituiu uma excepção, embora de alcance limitado, o fornecimento de electricidade. Assim, por exemplo, Aljustrel teve luz eléctrica graças à empresa mineira luso-belga.

87A existência de outras grandes unidades conduzia à duplicação da mesma cadeia integrada de produção, com funções análogas. Em vez de um centro de preparação metalúrgico (e de uma metalurgia), tínhamos tantas oficinas pré-metalúrgicas quantas as concessões em lavra activa. O encerramento de uma mina, por outro lado, afectava directa e imediatamente todos os elos desta cadeia no interior da exploração, como se pôde verificar de forma dramática em São Domingos nos anos ’60 e, mais tarde, nas minas do Lousal e em Aljustrel.

  • 40 Sobre a actividade do Serviço de Fomento Mineiro veja-se SERVIÇO DE FOMENTO MINEIRO (1990) e GUIMAR (...)

88A política mineira seguida nos anos ’20, aprofundada depois da Ditadura Militar, permitiu uma maior capacidade de intervenção do governo sobre as jazidas de minérios (quando se consagrou a existência das áreas cativas), mas facilitou também a acumulação da propriedade mineira, quando se criaram os coutos mineiros. No que respeita ao Alentejo, essa política favoreceu a acumulação de concessões em reserva por parte das grandes empresas, permitiu isenções fiscais sobre equipamentos industriais e o Estado tomou um papel activo no reconhecimento mineiro, com a criação do Serviço de Fomento Mineiro, em 193940. No conjunto, o impacto desta política de fomento mineiro foi muito limitado na região. Não se evidenciaram ou colocaram em lavra novas importantes jazidas, nem se desenharam formas de cooperação entre as diferentes companhias.

89A vida económica das grandes explorações mineiras do sul continuou a ser ritmada pelos mercados mundiais, sendo fortemente abaladas pela depressão dos anos ’30 e pelo encerramento dos mercados durante a II Guerra Mundial. Foi a procura externa a responsável pelo aumento dos efectivos e pela flutuação da produção e do emprego nas grandes minas até finais da década de 1950.

  • 41 Esta análise centra-se evidentemente nas pirites. Deixamos de lado as numerosas pequenas exploraçõe (...)

90Vejamos agora como se articulavam os interesses industriais portugueses a jusante dessas grandes explorações41.

  • 42 Uma análise histórica sucinta dos processos de aproveitamento das pirites em Portugal encontra-se e (...)

91A instalação da fábrica de superfosfatos pela C.ia União Fabril, no Barreiro, em 1907, esteve directamente ligada ao aproveitamento das pirites em depósito que seguiam do Alentejo para exportação (Guimarães-2001: 97-111 e 359, figura 13). Tudo indica que se tratavam de stocks de minério pobre, com valor local muito baixo e que se acumulavam, enquanto aguardavam conjunturas favoráveis para venda. O complexo industrial beneficiava, por outro lado, duma posição privilegiada para receber os fosfatos marroquinos. Este conjunto, para além da fábrica de extracção de óleo de bagaço de azeitona, utilizado no fabrico de sabões, contava com uma fábrica de enxofre (moídos e sublimados), matéria6prima usada na produção de insecticidas e de superfosfatos (cf. Cruz-1973: 123). A ustulação das pirites permitia ainda a produção do ácido clorídrico, associando o sal proveniente da região ao enxofre, e do sulfato de cobre. Por detrás do sucesso deste último empreendimento esteve o monopólio conseguido por Alfredo da Silva, quando obteve a patente de introdução de nova indústria, em 1912, para um produto usado abundantemente no tratamento das vinhas. Em 1911 e em 1916, a empresa caminhava já para o aproveitamento integral dos minérios alentejanos com o tratamento das cinzas de pirite42. Para além disso, em associação à produção de adubos e químicos para a agricultura desenvolvera-se a tecelagem de sacaria a partir de fibras africanas.

92Apesar do aproveitamento integral das pirites constituir o cerne do complexo, a C.U.F. não conseguiu, a não ser já muito tardiamente, um acesso directo às grandes jazidas identificadas no país e que se situavam no Alentejo. “O primeiro complexo industrial português com nível europeu” (como lhe chama, com propriedade, Alfreda Cruz, 1973: 123) parecia “condenado” a depender dos fornecimentos de minérios que, por via marítima, lhe chegavam de São Domingos (via Vila Real de Santo António) e dos minérios de Aljustrel que lhe chegavam por caminho de ferro. Incapaz de constituir um consumidor de peso, a C.U.F. parece ter ficado à mercê dos ciclos de produção das minas alentejanas, as quais eram comandadas do exterior. Incapaz de controlar as jazidas de minérios e sem dispôr de uma protecção eficiente para a sua produção no mercado interno, a C.U.F. teria uma vida económica não isenta de dificuldades. Assim, até 1922, a produção de superfosfatos teve um crescimento muito irregular. A sua evolução pode resumir-se sucintamente da seguinte forma:

  • 43 Embora nos faltam alguns valores para os anos ’30, a curva da evolução da produção de ácido sulfúri (...)

93Em 1912, a C.U.F. atingia a produção anual de 100 mt de supersfosfatos, sofrendo muito a produção com a guerra, devido às dificuldades no abastecimento de pirites e dos fosfatos marroquinos. Em 1917, os dois fornos de ustulação encerravam por esse motivo (Amaral-1993: 102). Ou seja, a C.U.F. mostrou-se incapaz de beneficiar da conjuntura da guerra, a não ser no caso do sulfato de cobre, produto em que aliás tinha já garantido o monopólio por via institucional (CUF/RC-1913-1918). A recuperação deu-se apenas em 1922, caindo a produção no ano seguinte para perto das 60 mt, como resultado da liberalização na importação de adubos, cujos preços no mercado mundial acusavam o excesso da oferta. A partir de então, deu-se uma nova recuperação gradual até 1929. A liberalização na importação de adubos, determinada pelo governo “pró-agrário” de António Granjo, em 1923, veio penalizar a empresa, numa altura em que os mercados internacionais estavam saturados (CUF/RC-1922-1923, cf. Telo-1980: 221-222). O proteccionismo à produção adubeira foi decretada somente em 1926, seguindo a produção num crescendo até 1929. Em 1926, a C.U.F. atingia os níveis de 1922 e de 1914 (100 mt de superfosfato simples). No entanto, 1930 marca o início duma depressão que se arrastou de até 193343. Os valores compilados por Isabel Amaral (1993) não indicam que a produção tenha disparado como resultado do aumento do consumo pela agricultura, o qual teria sido suscitado pela política agrícola do novo regime a partir da Campanha do Trigo. Em contrapartida, os anos ’50, que foram marcados pela depreciação nos preços agrícolas, constituíram um momento de viragem, tendo a produção anual de adubos oscilado, nessa década, em valores sempre muito acima das 200 mt.

  • 44 Segundo Leal da Silva, a fábrica arranca em 1857 com a constituição, pelo Crédito Móvel Português, (...)
  • 45 Sobre a “reorganização” da indústria química a partir de finais da década de 1960, bem como as rela (...)

94A análise da evolução da produção de adubos fosfatados pela C.U.F. revela os limites duma política orientada para a substituição de importações. Até aos anos ’60, o seu consumo não foi suficiente para viabilizar economicamente qualquer uma das grandes minas do sul. Apesar das ligações que têm sido sugeridas com o regime, a política nacionalista do Estado Novo não lhe proporcionou uma base mineira, nem impediu a formação de um novo concorrente em Setúbal, nos anos ‘30, a SAPEC. Por outro lado, também o relançamento da fábrica da Póvoa de Santa Iria parece ter beneficiado da queda na procura externa das pirites nos mercados externos (breve recuperação em 1918-1919 como Empresa Industrial de Santa Iria, depois C.ia Industrial Portuguesa, e com reabilitação em meados da década de 1930)44. A orientação estratégica da C.U.F. para a actividade mineira dá-se somente no início da década de 1960, quando estava já agendado o encerramento da exploração de São Domingos. A entrada neste universo deu-se, porém, somente em 1973, quando tomou uma posição importante na nova sociedade, Mines d’Aljustrel, S.A., tendo pelo caminho constituído a Sociedade Mineira de Santiago, cujas actividades se centravam na prospecção45.

3.3.2. A cortiça: a preparação industrial e os novos produtos

  • 46 São ainda mal conhecidas entre nós estas redes comerciais internacionais. É interessante, a este re (...)

95Nas vésperas da II Guerra Mundial, as minas de Aljustrel empregavam mais de 1.500 operários, São Domingos 1.300 e as minas do Louzal perto de 600 (cf. IM/BM-1937). Com excepção das fábricas têxteis e de cortiça em Portalegre, não encontramos, no Alentejo desta época, conjuntos industriais tão importantes quanto estes. As maiores unidades corticeiras estavam longe de ter uma dimensão análoga, apesar do emprego gerado neste sector, no conjunto, ser idêntico, se não superior. A razão do subdimensionamento deste sector prende-se com a natureza dos próprios estabelecimentos corticeiros instalados na região e das relações estabelecidas com as redes de negócio controladas pelas grandes empresas transnacionais46. Nos casos que analisaremos, será a actividade transformadora a principal responsável pelo acréscimo no volume de emprego, já que a actividade preparadora tomava um cunho mais sazonal e exigia muito menos investimentos em capital fixo. A mecanização não apenas conduziu à degradação do estatuto do rolheiro, como se traduziu na presença, por vezes em maioria, de mulheres e raparigas, mais mal pagas e consideradas mais aptas para executar trabalhos repetitivos e menos exigentes fisicamente.

  • 47 Esta fábrica passou em 1938 para Pepe da Cruz Duque e depois para Ezequiel Correia.

96A fábrica mais importante pertencia à Robinson Bros., Cork Grewers, L.td., com sede em Halifax. Situada em Portalegre, empregava cerca de 6 centenas de pessoas em 1923. A Mundet tinha na região duas fábricas: uma, estabelecida em Móra em 1919, registada com 45 trabalhadores; e outra, em Ponte de Sôr, registada em 1927 com 30 trabalhadores, ampliada mais tarde para cerca de centena e meia. A Wicander, estabelecida em Vendas Novas, empregava cerca de 120 indivíduos. Abaixo destas encontramos cerca de uma dezena de unidades que empregavam entre 20 a 50 trabalhadores, constituídas por capitais regionais e dispersas na área da 4.a circunscrição industrial entre as manchas de montado de sobro ou localizadas nos nós de circulação terrestre. Entre estas destacamos, em Évora, a fábrica de Artur Augusto Ferreira (mais tarde Cutileiro & Ferreira Succ.), a de José Gomes Severino (1913) e outra nas mãos do Banco Colonial e Agrícola Português (1924-?); na Azaruja, as fábricas de Américo R. Oliveira47 (1924-1955), a de Raul Rosa Girbal e a de Emílio & Canelas; em Alvalade do Sado, a Gonçalves & Douradinha, L.da; em Sines, a Hauser & Fernandes L.da; em Montemor, a R. Contreiras L.da (1926-194...?) e, finalmente, em Évora-Monte, a de João Batista de Mendonça. Ao contrário das anteriores, estas fábricas de dimensão intermédia não estavam ligadas a empreendimentos transnacionais. A nossa atenção, por agora, irá para as primeiras.

  • 48 Existem informações locais, na Azaruja, de industriais que atestam que a Armstrong teve uma fábrica (...)

97O primeiro facto que devemos realçar nesta geografia industrial é que as maiores unidades corticeiras do Alentejo integravam-se em redes transnacionais, frequentemente não passando de verdadeiras feitorias industriais, instaladas em zonas de extracção como elos primários e de menor valia duma cadeia de processamento e comercialização. Assim, as maiores fábricas da Mundet em Portugal encontravam-se, não no Alentejo, mas no Montijo e no Seixal (desde 1906). A primeira empregava entre 350 a 400 operários e a segunda mais de milhar e meio. Ao lado do gigante mundial, cuja origem se encontrava em Palamós (Catalunha), encontrávamos a empresa sueca Wicander que empregava no Seixal perto de 3 centenas de trabalhadores. Especializada no isolamento térmico a partir de aglomerados, a empresa de Goteburg tinha estabelecimentos fabris na Suécia, Dinamarca, Finlândia, Holanda, Bélgica, Alemanha e Inglaterra. A matéria-prima provinha das fábricas portuguesas (cf. Cruz-1973: 153). Ao contrário das empresas anteriores, a Robinson Bros concentrou as suas actividades em Portugal numa única unidade. A empresa britânica tinha iniciado a sua actividade em Portalegre em 1845 e era a herdeira dum tempo em que o comércio da cortiça a partir de Portugal esteve nas mãos de firmas de grandes negociantes ingleses, representadas sobretudo pelos “3 Rs” (Reynolds, Robinson e Rankin) e dos Buknall (Baylis-[1998]). A I Guerra Mundial acentuou este declínio numa conjuntura de rápida transformação de todo o sector. Neste quadro, a indústria regional especializou-se na preparação da cortiça para revenda a grandes operadores internacionais. Esta especialização “explica”, sem dúvida, a ausência de fábricas da maior companhia norte-americana, a Armstrong de Pitsburg48.

98A tendência para a localização das maiores unidades industriais nas margens do Alentejo (a sul, no Algarve, e a ocidente na margem sul do Tejo, em Setúbal e em Sines) era um fenómeno já perceptível nos finais do século XIX, tal como atesta o Inquérito Industrial de 1890 e depois o Cadastro Industrial de 1898, publicado por Adriano Monteiro no Boletim da Propriedade Industrial. Quando a Sociedade Nacional de Cortiças, que recebera as fábricas dos Reynolds em Évora e Estremoz, decide mudar as suas actividades para o Barreiro, não faz mais do que seguir esta tendência. Na margem sul do Tejo, as maiores unidades localizavam-se “junto a esteiros de acesso às fragatas que podem completar o trânsito da cortiça a partir de ramais ferroviários e exportar a produção para o porto de Lisboa” (Cruz-1973: 153). Enfim, tal como sucedia com os minérios, também esta indústria nascia nos pontos onde se acumulavam os estoques em trânsito para o exterior. No caso da cortiça, a localização à beira rio tinha ainda a vantagem adicional de proporcionar água abundante, que era necessária para combater os incêndios (um risco real) e para a cozedura da prancha.

  • 49 Veja-se, a este respeito, o testemunho duma filha de Harold Bucknall, grande negociante inglês esta (...)
  • 50 Testemunho desta alteração estratégica são os ficheiros do arquivo da Mundet (actualmente no Eco-Mu (...)

99Um dos factores que terá favorecido a localização das indústrias junto das fontes produtoras no século XIX prendeu-se com os elevados custos de informação, resultantes da manutenção dos mercados do mato. O secretismo que envolvia os negócios da cortiça resultava directamente da inexistência de verdadeiros mercados para a indústria, locais onde se transaccionassem abertamente diferentes qualidades de cortiça, apresentadas de acordo com as necessidades dos consumidores49. A entrada em cena dos novos operadores envolveu a manutenção duma rede de operadores no terreno pagos pelas empresas, os quais coligiam informação estratégica e realizavam negócios com facilidade, graças à pronta disponibilidade de numerário50. O próprio desenvolvimento da camionagem facilitou essa acumulação de operações de primeiro processamento (a produção de prancha) em pontos mais afastados da origem. A abundância de água doce durante todo o ano, necessária para as operações de cozedura da prancha e para enfrentar os graves riscos de incêndio aconselhavam a instalação de grandes concentrações em áreas de estuário. Podemos assim pensar que os problemas com o abastecimento de água nas urbes alentejanas e, em particular, em Évora, poderá ter constituído um desincentivo, se não mesmo um obstáculo à fixação de grandes unidades de processamento.

100A orientação das unidades instaladas para o armazenamento e processamento, em detrimento da actividade transformadora, contribuiu para reforçar a sazonalidade desta actividade e limitar o emprego de mão-de-obra industrial no Alentejo. Por outro lado, a orientação das unidades mais avançadas, como a dos Robinson, em Portalegre, para a produção de aglomerados, já nos anos ‘40, transformou unidades que eram basicamente mão-de-obra intensivas em fábricas de capital intensivo.

  • 51 V. a este respeito, no arquivo do Ministério do Trabalho (Lisboa), os processos relativos a estas e (...)

101Um terceiro facto deve ser realçado como consequência directa desta geografia. A presença das grandes unidades não significou, na margem sul do estuário do Tejo, a eliminação da pequena indústria caseira, bem pelo contrário. As grandes fábricas trabalhavam largamente em sistema de puting out, de modo que as pequenas indústrias domésticas recebiam delas as encomendas e as matérias-primas. Elas contribuíam para aliviar as pressões sobre os salários fabris e conseguiam responder às súbitas solicitações de encomendas, constituindo uma verdadeira reserva industrial de trabalho51. As unidades do Alentejo, mais pequenas e orientadas para o primeiro processamento, dispensavam, em larga medida, esse trabalho caseiro, tal como se percebe pelo Inquérito Industrial de 1957.

102Podemos acompanhar a transformação no interior destas unidades a partir dos elementos constantes nos processos legais.

A Robinson Cork Grewers, Ltd. de Halifax

  • 52 Informação do sr. Zagallo (Estremoz), de acordo com a memória familiar.
  • 53 Segundo a Comissão nomeada para o inquérito, G. Robinson negou-se “não só a preencher o questionári (...)

103A fábrica de cortiça da Boa Vista foi fundada em 1848 por George W. Robinson, o qual teria vindo para Portugal para trabalhar com os Reynolds52. A primeira máquina a vapor foi instalada somente em 1872. Segundo o Inquérito Industrial de 1881, empregava 560 trabalhadores, na maioria mulheres (340) e raparigas (180) que eram remuneradas de acordo com o número de rolhas que fabricassem. Apesar de classificada como fábrica de rolhas, uma parte significativa das 600 toneladas de cortiça consumidas era exportada em prancha para Inglaterra. Assim, anualmente saíam para Inglaterra 4.000 sacas de rolhas e 1.500 fardos de cortiça. Embora a Robinson não apareça discriminada no Inquérito Industrial de 1890, é de crer que a situação se tivesse mantido até à I Guerra Mundial, já que a Inglaterra, que considerava a cortiça como parte do “British Trade”, foi um dos raros países que não introduziu medidas proteccionistas53.

  • 54 ADRME/ Processo 1.136 da 4.a Circ. Industrial – Fábrica de cortiça, rolhas e aglomerados, classe XI (...)
  • 55 O processo arrastou-se durante anos, dada a relutância em enviar a planta do estabelecimento. Em 27 (...)

104O processo de licenciamento, instaurado na sequência da legislação de 1923 pela 4.a CI, é omisso relativamente à situação anterior da empresa. Ele é também bastante tardio54. Habituada a lidar directamente com o governo, a empresa mostrou-se relutante em prestar informações detalhadas aos serviços industriais55. Seja como for, parece seguro afirmar que nos anos ’20 a fábrica tinha-se adaptado com sucesso aos novos tempos e à concorrência movida pelos novos operadores.

  • 56 Um excelente guia fotográfico dos processos produtivos associados à cortiça encontra-se em Filipe ( (...)
  • 57 ADRME/ Processo 1.136: listagem no requerimento de 17de Agosto de 1925.

105O requerimento de Agosto de 1923 diz-nos que a Robinson empregava 546 operários, 39 auxiliares de engenheiro, chefes de indústria e condutores de trabalho e 13 empregados de escritório. O conjunto fabril estava orientado para a produção mecanizada de rolhas, discos e de aglomerados. A energia era fornecida por dois geradores a vapor e dois gasogénios que trabalhavam a lenha e com desperdícios de cortiça. Para além disso, contava com dois motores a vapor com 90 c.v., três motores de combustão interna com 196 c.v. e outro a gaz pobre. Dois dínamos com 50 kw de potência forneciam energia a 12 motores eléctricos. Entre as máquinas operatórias contavam-se brocas de rolhas e discos, plainas, tornos mecânicos, serras de fita, elevadores, máquinas para raspar e polir, esmerilar e polir a cortiça, trituradores, etc.56. Para além dos 3 fornos para coser cortiça, existiam estufas para secagem. Contudo, muito trabalho manual continuava a ser necessário em diferentes fases de fabrico, em operações de escolha, selecção, calibragem, marcação de rolhas, etc. Mesmo no fabrico da rolha, uma parte significativa continuava a ser feita manualmente. A listagem dos equipamentos instalados fornecida pela empresa, em 1925, indicava, ao lado das 22 mesas para brocar rolhas e discos, 89 aparelhos manuais. Do mesmo modo existiam 5 prensas manuais e 4 prensas hidráulicas. Na secção de aglomerados, contavam-se também 473 moldes57. O conjunto industrial apresentava-se assim como uma unidade integrada orientada para a produção de diferentes produtos (rolha, aglomerados, discos, etc.)

  • 58 V. no processo o relatório na sequência da vistoria, datado de 19.Nov. 1937. V. tb ofício do direct (...)
  • 59 Alvará 11.777, de 1 l.Fev.1940 no proc. cit.
  • 60 V. requerimento de 7. Out. 1943 (proc. cit.), no qual se pede deferimento 6 máquinas de escolher ro (...)

106Tendo a produção orientada para o mercado externo, a Robinson Bros. Cork Grewers, L.td sofreu duramente com a crise de 1929/1930. Em 31 de Março de 1931 a sociedade de Halifax foi dissolvida. Em sua substituição foi criada a Robinson Bros., L.da, com sede em Portalegre, à frente da qual ficaram os ingleses George W. Robinson, William H. Frazer, directores da sociedade anterior, Ellen M. Frazer e George F. Shannon. A nova sociedade tomou de arrendamento uma parte da fábrica para continuar a laboração de aglomerados. Deste modo, em Junho de 1931, data em que é averbada a nova sociedade nos serviços industriais, a empresa disponha apenas de 3 motores a gaz pobre com 280 c.v. e empregava 177 operários. Durante o processo de readaptação, a empresa ignorou tanto quanto pode os serviços industriais e os serviços do condicionamento industrial. As vistorias realizadas em 1938 e em 1939 davam conta de que a Robinson não tinha indicado todas as secções que tinham sido arrendadas. Além disso, encerrou secções e abriu outras, alterou maquinismos e introduziu outros novos, sem o necessário conhecimento oficial58. Apesar disso, os serviços não colocaram quaisquer entraves ao processo. Em 1936, foram autorizadas 2 novas máquinas e o âmbito do alvará foi alargado por despacho ministerial de 21 de Fevereiro de 1936. O alvará de 1940 confirma o volume de emprego e a potência instalada em 193159. Três anos depois, a fábrica, já alimentada pela Hidroeléctrica do Alto Alentejo, solicitava o aumento da capacidade instalada60. Produzia prancha, aglomerado negro, rolhas e bόias. O conjunto estava dividido em secções especializadas: secção de rabanear, fabrico de rolhas, lavagem e secagem de rolhas, escolha de rolhas, fabrico de bóias e broca, fabrico de mosaicos, máquinas de lixar, trituradores, secção de aglomerados, acabamento e embalagem. Tinha ainda oficinas de serralharia e de carpintaria, serração de madeiras e vários armazéns (de fardos, de granulados e de ferramentas).

  • 61 O problema era não apenas a fuligem que provocava a pneumonicose como os maus cheiros. Veja-se tamb (...)
  • 62 Por despacho de 7 de Maio de 1946 do sub-secretário de Estado da Indústria, a Robinson foi autoriza (...)
  • 63 V. ofício da gerência de 14/8/1953, no proc. cit. : “sem estarem devidamente determinadas as bases (...)
  • 64 Datam dessa época alguns investimentos no domínio da higiene e segurança, como o projecto do novo v (...)
  • 65 A escritura desta sociedade encontra-se no D. G., III série, de 6 Jan. 1960. Faziam parte do consel (...)
  • 66 Ofício dirigido ao eng.° chefe da 7.a circ. Ind., Castelo Branco, em 1.12.1962 “no sentido de não p (...)

107O início da produção de granulados brancos e a queima de cortiça granulada na parte alta da cidade deu origem ao protesto dos comerciantes, do exército e das “forças vivas” da cidade61. A orientação fabril para os granulados de cortiça, apesar destes protestos veementes, contou com a anuência do governo62. Assim, em meados de 1946, a Robinson empregava 440 operários e 135 operárias, ou seja, regressava ao nível do emprego que tivera até aos anos ’20. Os problemas de poluição que colocava a produção de granulados conduziu ao protesto generalizado e à intervenção das autoridades, mostrando-se estas sempre compreensivas perante os problemas industriais. No início dos anos ‘50, após vários acidentes (incêndio em 1951, explosão de caldeira em 1952, com 6 mortes) tentou-se obrigar a empresa a trasladar as principais secções da fábrica e, em especial, a oficina de granulado branco para as suas propriedades nos arredores da cidade. A iniciativa surge numa conjuntura marcada simultaneamente pela alta nos preços da cortiça na árvore e pelo abaixamento dos preços das suas manufacturas como resultado da concorrência que, a nível mundial, lhe movia a nova indústria dos plásticos. Defrontando-se com graves dificuldades, a empresa escuda-se no facto do governo ter assumido a responsabilidade de conduzir um processo de concentração nesta área63. As melhorias nas condições de laboração começam a fazer-se sentir paulatinamente na segunda metade dessa década64. Em 1961, a fábrica passava, enfim, para mãos portuguesas, com a constituição da Sociedade Corticeira Robinson Bros L.da com um capital social de 6 mil contos65. Não é claro até que ponto a pressão para a realização de investimentos não reprodutivos e as dificuldades económicas terão pesado na mudança de administração. Seja como for, a empresa foi multada em 1962 por incumprimento de cláusulas de laboração impostas, numa altura em que o presidente do Sindicato Nacional dos Operários Corticeiros do Distrito de Portalegre saiu a terreiro para defender os postos de trabalho66.

108Os elementos contidos nos processos industriais são lacónicos quanto às questões económicas relativas à laboração das empresas. No entanto, as condições impostas pela legislação permitem-nos identificar alterações de estrutura que indiciam respostas a diferentes conjunturas. No caso da Robinson, consegue-se traçar um quadro de uma constante adaptação às condições de laboração, permitidas pelas tecnologias. Neste trajecto podemos distinguir três fases: a primeira, em que a produção se centrava na rolha de cortiça, executada sobretudo por mulheres; a segunda, em que a mecanização das operações se impõe em paralelo à diversidade de produtos (aglomerados, mosaicos, discos, rolha, etc.); e, finalmente, uma terceira em que a produção é orientada para os granulados, os aglomerados brancos e negros e os seus produtos manufacturados.

A fábrica da Mundet em Mόra

  • 67 V. alvará 1.831 de 8-8-1923 no D.G., 189, 2.a série de 16-8-1923.
  • 68 Em 1935 eram instaladas por autorização do ministro 12 máquinas de rabanear e 16 máquinas de broca (...)
  • 69 V. inquérito de 1949 (s.d.) no processo “Mundet & Cia. L.da.” no arquivo da DRME.
  • 70 A estrutura do emprego era a seguinte: 3 empregados de escritório, 2 encarregados, 35 operários (ho (...)
  • 71 De acordo com os elementos no processo, em 1967, a fábrica trabalhava o tempo indispensável para nã (...)

109Em Maio de 1919, a L Mundet & Son arranca com a sua fábrica em Móra, na estrada do Cabeção. Registada inicialmente como “fábrica de preparação de cortiça”, com 1 caldeira com uma potência de 20 a 30 c.v. e 40 operários, em meados dos anos ’30, empregava 114 operários que produziam prancha e rolhas67. Tal como sucedia com as fábricas do Montijo (1906), de Ponte de Sor (1927) e na de Vendas Novas (1950), tratava-se duma filial sem administração autónoma. As compras de matérias-primas eram feitas directamente pela sede no Seixal e todos os produtos fabricados eram remetidos para o Seixal para, por sua vez, encontrarem colocação nos mercados. O aumento de efectivos em Móra ficou a dever-se ao aumento da capacidade instalada e à produção de rolhas68. Em 1939, a fábrica ocupava 133 operários e transferia mais equipamento oriundo do Seixal, ligado à preparação e transformação. Nos anos ‘40, a fábrica enviava para o Seixal, Montijo e Amora fardos de cortiça (prancha), quadros, rolhas não acabadas e desperdícios de cortiça69. Em 1951, é instalado mais equipamento, oriundo do Seixal, destinado à produção de rolha, sendo de destacar 3 brocas automáticas, 12 a pedal, 12 máquinas de rebaixar e outras 12 de lixar com 2 ventoinhas. Apesar deste aumento no equipamento, o emprego diminuía, devido fundamentalmente à mecanização das operações na produção de rolha70. A sua capacidade de produção em 8 horas era de 300 arrobas de prancha, 38.000 rolhas e 11.500 quadros, empregando 65 homens e 35 mulheres. A fábrica encerrou em 16 de Setembro de 1964, certamente em resultado da crise que então se vivia71. Na origem desta decisão terá estado a necessidade de concentrar a actividade transformadora no Seixal.

3.3.3. A grande moagem alentejana

110Entre as maiores empresas industriais, localizadas no Alentejo, contavam-se algumas unidades moageiras, instaladas nos maiores centros de produção cerealífera e de concentração urbana, como eram Évora, Beja, Eivas e Portalegre. Na maior parte, resultaram de iniciativas imediatamente a seguir à I Guerra Mundial, como sucedeu com a fábrica da sociedade Moinhos de Santa Iria, instalada em Beja em 1919, com a Sociedade Alentejana de Moagem (1920), com a Sá & C.ia, do Crato (sociedade fundada em 1917) e com a Portalegre Industrial (1922). A única excepção, neste grupo de unidades que empregavam mais de 50 trabalhadores, era a C.ia Elvense de Moagens a Vapor, constituída em 1889-Esta, tal como a Portalegre Industrial, associava a moagem de cereais à produção de electricidade. Por seu turno, a Sociedade Alentejana de Moagem produzia, a par da farinha superfina pelo processo Austro-Húngaro aperfeiçoado, massas e bolachas. Deste modo, apenas as fábricas de Beja e a do Crato produziam exclusivamente farinhas de diferentes tipos.

111À frente destas sociedades estiveram grupos de origem diferenciada, como veremos.

  • 72 V. DRME/Processo (316) 6834 da 4.a circ. Industrial- Moagem de cereais (farinhas espoadas). Classe (...)
  • 73 Escritura da sociedade de venda da Horta do Cano (Beja) feita em Lisboa, em 11 de Outubro de 1918, (...)
  • 74 A decisão de formar nova sociedade é tomada em 27 de Dezembro de 1919, após ter sido rejeitada a pr (...)
  • 75 V. escritura nesta data, no mesmo notário. Como grandes accionistas apareciam também os comerciante (...)

112A fábrica de Beja foi instalada na Horta do Cano, perto do caminho de ferro, sobre os três armazéns que a Fábrica de Moagem Invicta L.da, no Porto, aí possuía72. Em 1918, a Invicta, constituída por negociantes e industriais portuenses, encontrava-se em liquidação. A Sociedade Aliança L.da, da qual faziam parte alguns sócios da Invicta, ficou com esse espaço73. Entre estes encontravam-se a firma lisboeta Viúva Diogo Alvarez & C.ia (Filhos), José Manuel Cruces Alvarez e Domingos Alfredo Barros. A 7 de Fevereiro de 1920 era constituída, em Lisboa, a Sociedade Industrial Aliança, SARL, com o capital de 10 mil contos, que ficou com todo o activo e passivo da Sociedade Aliança74. À frente da nova sociedade encontravam-se os mesmos administradores, constituídos como maiores accionistas - os industriais lisboetas António da Costa Faria, Domingos Alfredo Barros, José Manuel Cruces Alvarez e o engenheiro Carlos Machado Ribeiro Ferreira75.

113A Sociedade Aliança, L.da, em processo de falência em 1919, constituía um verdadeiro e poderoso grupo industrial neste ramo de negócios. No Porto possuía a fábrica de moagens e massas Bonfim, a fábrica de moagem Favorita e, em Gondomar, a fábrica Concórdia. No Norte, tinha ainda uma fábrica em Barcelos e outra “de destilação e moagem” em Vila Nova de Gaia. Na região de Lisboa, possuía a fábrica de moagem na Póvoa de S.ta Iria (Loures), e em Almada, outras duas. Uma rede de armazéns, padarias e prédios completavam o seu património, avaliado em cerca de 514 contos pelas matrizes prediais. A listagem de padarias e lojas na região de Lisboa e na Margem Sul é vasta e cobria as freguesias mais importantes: Anjos, Arroios, Santa Justa, Madalena, Monte Pedral, São Sebatião da Pedreira, Campo Grande, Beato, Arroios, Pontinha, Carnide, S. Domingos de Rana (Cascais), Seixal, Barreiro, Aldeia Galega, Alcochete, Setúbal, Palmeia, Carcavelos, Parede, Estoril. Foi neste quadro de actuação empresarial de cariz moderno, que ia do comércio de cereais à produção de pão e de massas, passando evidentemente pela produção e distribuição de farinhas finas e superfinas, que os armazéns de Beja surgiam como grande depósito de cereais, estrategicamente situado junto à estação dos caminhos de ferro. As dificuldades que o grupo atravessou durante o período da guerra não deixavam de relacionar-se com a inversão de posições, relativamente ao problema do abastecimento dos trigos: pela primeira vez, a produção interna de cereais interessava mais do que as compras no exterior e as dificuldades de abastecimento eram maiores do que nunca. Tudo indica, por isso, que a reorganização da sociedade corresponderia à necessária acomodação das estratégias, face a uma nova conjuntura.

  • 76 V. a este respeito, no processo citado, o atestado em como a sociedade de moagem tinha iniciado a c (...)

114Nesta perspectiva, a construção da fábrica em Beja, com uma capacidade de produção superior a 100 toneladas de farinhas diárias, parece ter cumprido quatro objectivos fundamentais em simultâneo: o primeiro, aumentar a cota de rateio do trigo exótico, por parte do grupo, ao abrigo da legislação da portaria de 30 de Julho de 1909, a qual enquadrava todo o processo76; o segundo, usar os trigos rijos da região para produzir farinhas de superior qualidade, para serem usadas pela indústrias de pastelaria, massas e bolachas; em terceiro lugar, diminuir os custos com o transporte terrestre; finalmente, garantir uma posição estratégica perante os mercados de abastecimento e de consumo do interior.

  • 77 V. ofício da empresa datado de 4.Mar.1927 (proc. cit.).

115Em Setembro de 1925, a propriedade industrial das fábricas de Beja e de Santa Iria foram transferidas para a firma Moinhos de Santa Iria L.da pela Industrial Aliança. A estratégia da nova sociedade era bastante simples: tratava-se de concentrar aqui a recepção dos trigos nacionais de Beja e de Évora, deixando para Lisboa os trigos exóticos, “estabelecendo uma média de preços aos nossos produtos. Por esta forma economizaram-se transportes, valorizou-se o trigo nacional e desenvolveu-se trabalho no distrito”77.

116Está fora dos nossos objectivos analisar a forma como a acção do Estado colidiu com esta estratégia, bem como a evolução económica deste empreendimento. Salientemos, no entanto, como o empreendimento de Beja se articulava economicamente com a fábrica maior, em Santa Iria, melhor posicionada para receber os trigos exóticos.

117O parque industrial, com uma área de 2.917 m2, era composto pelo edifício da fábrica, armazéns de produtos e de cereais, oficinas, escritórios e tanques de lavagem. As máquinas de origem suíça e alemã eram alimentadas por um motor diesel semi-fixo com uma potência de 400 c.v. Também aqui se nota como o empreendimento se bastava a si próprio, não apenas na manutenção das máquinas, como também na confecção das sacas utilizadas para o ensacamento. Além disso, assentou sobre infraestruturas públicas deficientes. Ainda nos anos ’40, a água utilizada era, em parte, proveniente de furos e os esgotos faziam-se pela rede particular da fábrica. O pessoal empregado distribuía-se da seguinte forma: 5 escriturários, 2 moleiros, 3 fiéis de armazém, 2 maquinistas, 2 carpinteiros, 17 ensacadores e pesadores, pessoal de máquina, 10 trabalhadores nas cargas e descargas, 3 guardas, 8 costureiras e lavadeiras e 4 raparigas.

118Vejamos agora a grande fábrica de Évora.

  • 78 V. no ADE escritura de 3.8.1920 (notário eborense Pinto Bastos). Por escritura de 31.3.1921 (notári (...)
  • 79 Tal como José Maria Alvarez, Eugénio Alvarez, Manuel Alvarez y Rivera, Serafim Alvarez y Rivera, Ma (...)
  • 80 Escritura em 18-07-1925. Notário José Peres Noronha Galvão, Lisboa.
  • 81 Publicado no D.G. III série, em 6. Jan. 1930.

119Tendo começado por ser uma iniciativa de grandes proprietários e lavradores da região de Évora, a Sociedade Alentejana de Moagem, constituída em 1917, com um capital de 120 contos, passou em Agosto de 1920 para as mãos do industrial moageiro Eugénio Alvarez e de Manuel Rivera Alvarez (v. supra, cap.2)78. Tudo indica ter sido Eugénio Alvarez, engenheiro com larga experiência nesta área, quem montou a Fábrica dos Leões com a avançada tecnologia suíça. Seja como for, a história da Fábrica dos Leões ficará ligava à família Alvarez e a outros nomes que tinham participado já na Sociedade Aliança79. Em 1920, o capital social foi elevado para os 800 contos e, mais tarde, nomeados procuradores da sociedade, em Évora, o industrial Vitor Júlio Caeiro e o comerciante Carlos Costa e Silva, os quais tinham entrado entretanto para a sociedade. Em 1925, o pacto social foi alterado, sendo o capital social elevado para 1.400 contos80. José Maria Alvarez, que entrou com 600 contos em dinheiro, foi o único responsável pelo reforço do capital social. Nesta altura estavam na sociedade, para além dos Alvarez, os industriais Emídio Gonçalves, António Augusto Lacerda e Mello, o comerciante Saul Salazar Monoro Saraga, o industrial eborense Vítor Júlio Caeiro e o advogado João Xavier Camarate de Campos. Entre 1929 e 1933, foram intensas as cedências de cotas, sintomáticas das dificuldades vividas na sociedade. Em 1930, o pacto social foi novamente alterado, ficando como únicos titulares Eugénio Alvarez (1.180 contos), Camarate de Campos (100 contos) e Vitor Júlio Caeiro (80 contos)81. Em 1945, o capital social foi elevado para 5.000 contos, tendo entretanto entrado para a sociedade Virgílio Henriques, José Joaquim Bacharel e Francisco Duarte Caeiro, empregados públicos, e os herdeiros de Júlio Caeiro.

  • 82 “Memória descritiva da instalação da fábrica de Moagem da SAM, L.da. Fábrica dos Leões. Évora”, DRM (...)
  • 83 V. tb. DRME/Processo 2.927 (Rilei 4/361) da 4.a C.I. Sociedade Alentejana de Moagem L.da. Moagem de (...)
  • 84 No início dos anos ’50, tínhamos nos Leões 11 empregados no escritório, 13 mestres, capatazes e enc (...)

120As instalações da Fábrica dos Leões tinham uma capacidade de produção de 45 a 50 toneladas de farinha, sémolas e sub-produtos em 24 horas. Estava dividida em 3 secções82. Na primeira, de limpeza prévia, o transporte e limpeza dos cereais era realizada mecanicamente com elevadores e aspirador, fazendo-se a ensilagem. A segunda secção de limpeza distribuía-se por quatro pisos. Primeiro, os trigos eram lavados e secos, com eliminação de pequenas pedras. Nos dois últimos andares estavam instalados uma tarara, um aparelho “trieur” de 4 cilindros, 1 satinadora e 2 ventoinhas entre outros maquinismos. Finalmente, a secção de moagem distribuía-se igualmente por 4 andares. No 1.° encontravam-se 11 moinhos duplos “Daverio”, com cilindros diagonais, completando 21 passagens que executavam a trituração, a desagregação, a compressão e os remoídos e, no 2.° andar, existiam crivos, sassores, escovadores e 1 lotadora destinada a misturas de cereais. O 3.° andar destinava-se à peneiração total dos produtos da fábrica por meio de 5 plansichters duplos, também daquela empresa suíça. Associada à fábrica de moagem, estavam as instalações destinadas ao fabrico de massas e uma padaria “mecânica”83. O conjunto, que contava com cerca de 66 motores eléctricos, era alimentado por uma central produtora de energia para iluminação e força motriz equipada com 3 motores com uma potência total de 810 c.v. Finalmente, as oficinas de serralharia garantiam a manutenção do conjunto. A estrutura do emprego, aqui, era por isso muito diferente da que encontramos em Beja84.

  • 85 Os valores adiantados pela empresa são extraordinários, pois indicam que 25 kg de trigo eram transf (...)

121A descrição da Fábrica dos Leões serve de ilustração para o nível de sofisticação que a moagem de cereais tinha atingido nas primeiras décadas do século. As instalações modernas se exigiam um elevado empate de capital, permitiam também elevados índices de extracção e, por esta via, obter elevados ganhos de produtividade e novos produtos de maior valor. Ou seja, obtinha-se um aproveitamento integral dos cereais e a separação em diferentes produtos, com diferentes valores no mercado85. Perante as medidas impostas a partir da Ditadura Militar, que contraíam as margens de lucro da moagem, a economia do empreendimento tentou assentar sobretudo na produção de massas e de farinhas para fins culinários, orientadas para o mercado nacional. Tentava-se por esta via tirar o melhor partido das propriedades dos trigos rijos alentejanos, “menos produtivos” que os trigos exóticos. Apesar de crescer, a empresa obteve um sucesso limitado. Neste processo, a empresa teve de travar uma batalha difícil com as autoridades centrais, cuja política foi a de querer orientar as moagens da província para o abastecimento regional. Sintoma destes obstáculos, só nos anos ’50 os Leões começaram gradualmente a substituir maquinismos. Nesse processo de expansão, veio a absorver a outra moagem da cidade, a Moagem Eborense.

  • 86 DRME/Proc. 2521 da 7.a CI (Rilei 4/4283)
  • 87 A Sociedade de Moagens Sá, Santos & Silva, L.da foi fundada no Crato em 19-12-1917, com um capital (...)

122Tal como muitas outras fábricas de moagem, a iniciativa de instalar uma moderna moagem no Crato data da I Guerra Mundial. Porém, devido às dificuldades de abastecimento, a fábrica da Sociedade de Moagens Sá, Santos & Silva, L.da arrancou somente em 1917. O sistema Austro-Húngaro, montado com equipamentos da Buhler Hermanos e da Harkler, Summer & Co. num edifício de quatro pavimentos, permitia-lhe uma capacidade de 8 a 10 toneladas diárias de farinha86. Ao lado desta instalação, mantinha-se uma moagem anterior, alimentada por um motor de 150 c.v. e com uma capacidade produtiva diária de 45 toneladas de trigo. A empresa, protagonizada por uma sociedade familiar de grandes proprietários do Crato, dará lugar, em 1930, à Moagem do Crato, SARL, constituída com um capital de 300 contos87.

123Tanto a C.ia Elvense de Moagens a Vapor como a Portalegre Industrial, constituídas como sociedades anónimas, reuniram capitais de raiz regional e com fortes laços com a grande propriedade fundiária. O Álbum Alentejano destaca a figura do grande lavrador e proprietário Francisco Barahona que, juntamente com outros lavradores, fundara a Portalegre Industrial, mais tarde, Moagem de Portalegre, SARL (v. supra). Em 1938, esta empresa, com um capital de 700 contos, contava com 48 accionistas, destacando-se os apelidos familiares Castel-Branco, Azevedo Coutinho, Sardinha, entre outros (MP/RC-1938: “Relação de accionistas”). O mesmo “modelo” de associação de capitais locais encontramos na Elvense. Em 1924, esta sociedade, que tinha um capital de 500 contos, contava com 293 accionistas, na esmagadora maioria de Eivas. Também neste caso, a frequente repetição de apelidos indicia a presença de grupos familiares com fortes raízes fundiárias (Abreu, Bagulho, Fallé). Os maiores accionistas (indivíduos com mais de 90 acções) concentravam apenas 993 das 5.000 acções e os votos que cada um acumulava não eram superiores a 20, por imposição estatutária (tabela 3.10).

Tabela 3.10 – Companhia Elvense de Moagens a Vapor. Lista dos maiores accionistas (1924)

Nome

Residência

Acções

Votos

Dr. Manuel Vicente Abreu

Elvas

155

20

Dr. João Henriques Tierno

Elvas

153

20

Henrique Marques Cardoso

Elvas

137

20

Januário da Silva Ferreira

Elvas

134

20

Joaquim de Jesus Lopes

Elvas

119

20

Manuel Joaquim Henriques Lapa

Elvas

110

20

D. Mariana de Jesus Mendes Martins

Elvas

93

20

D. Eugénia Costa Brito Fallé

Elvas

92

20

Fonte: CEMV/RC-1924.

124O abandono da produção de electricidade a partir dos anos ’40, devido à acção da Hidroelectrica Alto Alentejo, acompanhou a orientação destas últimas sociedades para o abastecimento dos mercados regionais. Esta orientação, tomada num contexto de fortes limitações dos lucros e de controlo da distribuição e preços, se ia de encontro à política do regime, limitou também as suas possibilidades de crescimento a prazo que, apesar do pesado controle do condicionamento, poderia ainda existir.

  • 88 15 das 42 sociedades presentes na União operavam no Alentejo. Eram elas a André L.da. (Grândola), a (...)

125A descrição da “grande” moagem alentejana revelou a heterogeneidade dos interesses e dos grupos em presença. Ao lado de empresas que operavam à escala nacional, com raízes no comércio e na indústria, encontramos sociedades que reuniram as elites locais. Submetidas à mesma disciplina imposta pelo Estado autoritário, estas sociedades apareceriam coligadas na União dos Moageiros, em defesa dos interesses das “pequenas” industriais da província88.

3.3.4 As grandes oficinas de metalurgia e fundição

  • 89 Verbete de 19.Jun. 1922.Veja-se na DRME/ Processo 357 da 5.a circunscrição industrial-Metalúrgica A (...)

126Embora não assumissem o carácter de grande indústria, merecem referência destacada, nesta ronda pelos maiores estabelecimentos industriais no Alentejo entre os anos ’20 e os anos ’50, algumas grandes oficinas de metalurgia, serralharia e fundição. Encontra-se neste caso a Metalúrgica Alentejana Mendonça & C.ia, constituída em 1918 com um capital de 90 contos e com estabelecimento em Beja. Segundo declarava a direcção no verbete, preenchido para os serviços industriais, trabalhava “em fundição de materiais agrícolas” e tinha como maiores consumidores os Sindicatos de Moura, Serpa, Beja, etc.89. Todas as matérias-primas (ferro, coke, antracite, metais), com excepção da lenha de azinho, vinham de Lisboa, fornecidas por casas comerciais importadoras como a Orey Antunes. O seu transporte, feito até muito tarde em carros de mula, era organizado pela empresa. A produção declarada em 1920 e em 1921 rondava as 500 toneladas de produtos em ferro.

  • 90 Os equipamentos instalados na origem eram: 2 tornos, 2 engenhos de furar, 2 fusos com 2 pedras de e (...)

127A planta do estabelecimento revela uma grande oficina polivalente, com fundição, serralharia e carpintaria, sendo as poucas máquinas instaladas alimentadas por um motor a gaz pobre de 10 c.v.90. As 58 pessoas empregadas na Metalúrgica dividiam-se assim: 5 fundidores (dos quais 2 aprendizes), 1 carpinteiro, 16 serralheiros (metade dos quais aprendizes), 2 torneiros (1 aprendiz), 2 ferreiros, 1 funileiro, 1 caldeireiro, 2 pedreiros (um deles aprendiz), 3 carroceiros e 25 trabalhadores indiscriminados. Havia ainda 3 empregados de escritório. Tal como outras “metalúrgicas” na região, a empresa, para além do fabrico de instrumentos agrícolas, produzia igualmente objectos de consumo urbano. Nesse sentido vai o Álbum Alentejano que indicava como actividades, para além do fabrico das alfaias agrícolas, candeeiros para iluminação pública e a reparação motores. A sua especialidade seria então as “relhas aceiradas”.

  • 91 O requerimento de 12 de Julho de 1923 solicita a instalação dumas “oficinas de fundição de peças mi (...)
  • 92 V. DRME, processo do Condicionamento Industrial 215. Autorizado em 18-4-1938.
  • 93 V. DRME, proc. Cond. Industrial 1.318.

128Em 1923, durante o processo de licenciamento do estabelecimento, o número de máquinas tinha aumentado, mas o número de efectivos baixara para “10 operários, 30 serventes e 1 empregado de escritório”91. Pouco se consegue apurar da evolução da actividade desta empresa até finais dos anos ’30. Agora nas mãos do industrial Carlos Roeder, proprietário dos estaleiros de São Jacinto (Aveiro), a Metalúrgica passaria também a produzir peças para a indústria naval, como atesta o próprio alvará. Em 1937, a Metalúrgica pretendeu fabricar eléctrodos que importava e, no ano seguinte, conseguiu autorizações para instalar duas máquinas manuais, uma de enrolar chapas para silos e outra para virar chapas grossas92. Entre 1940 e 1942, foram feitas várias solicitações para instalação de tornos revolver, tornos mecânicos, limas e outro material de serralharia de precisão. A Metalúrgica recebeu várias encomendas para transformar motores a óleos para gaz pobre e estava a “proceder a reparações e fabrico de peças de máquinas agrícolas que abundam na região (sic), moagens de cereais, lagares de azeite e outras pequenas indústrias que necessitam reparar peças dos seus maquinismos e por vezes fazê-las”93.

  • 94 Segundo consta nos boletins estatísticos do processo, a Metalúrgica Alentejana produziu, em 1950, 4 (...)

129No início dos anos ’50, o número de efectivos andaria perto da centena e a empresa parecia atravessar um bom momento, mercê da procura de charruas, bombas de rega para a agricultura, trituradores de rações para gados e britadeiras para a indústria mineira94. A polivalência nos produtos e nas actividades parece assim ter marcado a actividade da empresa no período em estudo.

  • 95 Este fundo documental encontra-se depositado no Arquivo Distrital de Beja. Uma primeira descrição f (...)

130Os papéis da empresa que sobreviveram, embora se refiram às décadas de 1960 e de 1970, esclarecem-nos acerca do seu funcionamento que, em aspectos fundamentais, tudo indica serem idênticos ao período anterior95. Duas colecções de desenhos distintas de peças, equipamentos e estruturas, revelam que, ao lado de produções estandardizadas fabricadas mediante encomenda, existiam outras que se referiam a trabalhos específicos de reparação. Para além das secções de serralharia mecânica, serralharia civil, fundição de metais e de ferro, carpintaria mecânica e civil e secção técnica, era importante a actividade comercial. A empresa tinha colaboradores, representantes na região e angariadores de vendas que percorriam o Algarve, o Alentejo e a região centro. Muitos fornecedores de matérias-primas eram simultaneamente clientes da Metalúrgica. Em suma, por muito importante que tenha sido a procura pela agricultura, a expansão da empresa ficou ligada ao alargamento da sua área de negócio, à diversificação da sua carteira de clientes e à multiplicação de produtos e serviços prestados.

  • 96 Ver na DRME, proc. 2.557 da 7.a C.I. (Rilei 7/3481)
  • 97 O estabelecimento do Crato estava equipado com 1 gasogénio a gaz pobre que usava como combustível o (...)
  • 98 V. escritura no D.G., III série, 104, 5.Maio. 1948. Da sociedade faziam parte Pedro Elias da Silva, (...)

131Outra empresa que merece ser destacada é a Metalúrgica, constituída por capitais nacionais e cujo estabelecimento no Crato, fundado em 1924, empregava 35 operários96. Tratava-se de um estabelecimento com uma “composição” no pessoal e no equipamento idêntico àquele que descrevemos em Beja. Assim, para além de 1 engenheiro e de 2 encarregados estrangeiros, tinha 25 operários e 10 aprendizes nas secções de fundição e de serralharia97. A intensificação da produção parece datar da segunda metade dos anos ’40, já que em 1946 aparece um pedido para legalização duma extensa lista de máquinas. Dois anos depois, as instalações foram ampliadas e ganharam uma “arquitectura fabril” moderna. Nasceu então a Metalúrgica do Crato, L.da, passando o capital de 104 contos para os 643 contos98. Nesta altura, a empresa estava a produzir material agrícola, veios para debulhadoras, acessórios para lagares e outros equipamentos, ossaturas metálicas e fazia reparações de máquinas. No logotipo da empresa destacava-se o fabrico de “cangas de tubos de aço” e as “instalações completas para lagares”. Consumia tubos de tipo diverso, cantoneiras e vigas, chapas, metais, varões e sucatas (para os fornos).

Tabela 3.11 – Metalúrgica do Crato, L.da. Indicadores de evolução na década de 1950

3.Jun.1951

12.Mai.1955

8.Jun.1959

Capital social (contos)

643

643

643

Valor das instalações

880

n.d.

n.d.

Empregados de escritório e armazéns

9

8

9

Encarregados

2

2

3

Operários

83

107

117

Aprendizes (menores)

57

13

II

Serventes (mulheres)

2

2

2

Serventes (homens)

16

15

9

Gerentes

1

2

2

Técnicos e desenhadores

1

2

Motores eléctricos

8

14

14 (48,6 c.v.)

Tornos

8

8

8

Fonte: DRME, proc. 2.557 da 7.* Cl. (Rilei 7/3481)

  • 99 A nova ampliação das instalações foi autorizada por despacho ministerial de 20. Out. 1953 (v. Bol. (...)
  • 100 Despacho ministerial de 3-12-1956 (V. Bol. Dir. Serv. Ind.)

132Em 1953 as suas instalações foram novamente ampliadas e algumas máquinas foram substituídas99. Quatro anos depois, a empresa foi autorizada a fabricar máquinas para as indústrias de cerâmica, de madeiras e de cortiça100. A tabela abaixo compila alguns indicadores que mostram a evolução pouco expressiva da empresa na década de 1950.

133As mais importantes empresas metalúrgicas eborenses foram relativamente tardias, pois datam da segunda metade dos anos ’40, quando o problema da maquinização da lavoura se colocou como uma oportunidade de negócio nesta área. Referiremos a Sociedade de Metais e Fundição L.da, constituída em 1947 com um capital de 270 contos, elevados para os 500 contos dez anos depois, da qual faziam parte comerciantes, lavradores e operários qualificados. Desta época data também a Fialho & Irmão, empreendimento que foi bem sucedido no fabrico de equipamentos para a lavoura mecânica do sul. Destas firmas voltaremos a falar mais adiante.

3.3.5. Os têxteis

  • 101 “A distribuição da indústria dos lanifícios estava já desde os séculos anteriores relacionada com a (...)
  • 102 Inquérito Industrial de 1881, III parte, pp.46-49. Sobre a fábrica v. tb. Matos, 1990 e 1998.
  • 103 Entre estas estava a fábrica de Manuel Jesus Costa, fundada em 1856, que trabalhava com lã portugue (...)

134A maior empresa industrial de lanifícios do Alentejo era a herdeira directa da fábrica pombalina instalada em Portalegre, em 1773, no Colégio dos Jesuítas. Situada na rota da transumância secular do gado lanígero que, da Serra da Estrela, descia ao Alentejo no inverno, a fábrica foi instalada numa região onde a produção de tecidos tinha raízes antigas101. Administrada directamente pela Junta do Comércio até 1788, a Real Fábrica foi vendida em hasta pública, a 25 de Janeiro de 1822, ao tintureiro José Larcher que aí trabalhava. Pouco depois passou para a viúva e filhos e, após a morte desta, para a firma constituída Larcher & Cunhados102. Em 1863, estes constituíram-se, em sociedade anónima, como C.ia da Fábrica Nacional de Lanifícios de Portalegre. A companhia faliu em 1869, passando o estabelecendo a estar arrendado à firma Ramiro Marçal & C.ia, que acabou por comprá-la, em 1881. Na altura em que se realizou o Inquérito de 1881, o estabelecimento trabalhava muito abaixo da sua capacidade. Utilizava apenas uma máquina a vapor com 25 c.v. de potência, alimentada a mato e a cortiça virgem, e empregava cerca de 65 trabalhadores, 18 dos quais eram mulheres. Produzia panos de diversas qualidades e mantas alentejanas, sendo Lisboa o seu maior mercado. Outros estabelecimentos fabris que existiam em Portalegre tinham uma dimensão muito menor103. Em 1892, apenas duas empresas apareceram na Exposição Industrial promovida pelo Montepio Operário Artístico Portalegrense (1894): a C.ia de Lanifícios de Portalegre e a Costa & Irmão.

  • 104 Ainda em meados da década de 1860, Fradesso da Silveira escrevia: “O trabalho manual, e por assim d (...)

135A par da indústria fabril, a importância da indústria caseira tem sido enfatizada. Efectivamente, a lenta decadência da indústria doméstica da lã no Alto Alentejo caracterizou o período regenerador, enquanto na região de Castro Verde, Almodôvar e de Mértola, a indústria doméstica, marcada pela mão de obra feminina, sobreviveu, ancorada num produto ancestral, apreciado pela sua qualidade – a manta alentejana104. A indústria doméstica que resiste ainda, parece orientada para a produção de tecidos grosseiros, enquanto a fábrica de Portalegre produzia lãs finas e superfinas, sofrendo a concorrência directa de fábricas como a da Arrentela.

136A limitada expansão da indústria têxtil no Alto Alentejo durante o período proteccionista, quando surgem novos empreendimentos um pouco por todo o lado e novos pólos orientados para a lã (como Castanheira de Pêra, por exemplo), merece uma atenção particular. A muleta que representava as encomendas do Estado parece ter sido menos importante do que as características dos mercados de abastecimento para a indústria.

  • 105 Veja-se a notícia em Indústria Portuguesa, ano 5, 54, Agosto de 1932, pp.29-38. O problema era anti (...)
  • 106 J. Miranda do Vale no Congresso de leitaria, olivicultura e indústria do azeite, em 1905, defendia (...)

137As encomendas do Estado e do exército, em especial, parecem ter tido, durante bastante tempo, um papel de peso na economia do empreendimento. Nas décadas de 1880 e de 1890, essas encomendas desaparecem com a alteração de padrões e cores em uso, criando dificuldades acrescidas à empresa105. O inquérito de 1890 dá-nos algumas pistas para as dificuldades sentidas e que podem explicar a razão por que não se multiplicaram tais estabelecimentos em Portalegre. Efectivamente, o consumo de lã alentejana deixara de aparecer como uma vantagem, como se percebe pelo consumo de matérias primas declarado: 30 toneladas de lã em lurdes de Portalegre (avaliada em 5 contos), 20 toneladas de lã espanhola (com o mesmo valor), 60 toneladas de lã dos Estados Unidos (avaliada em 50 contos), 2 toneladas de estambres oriundos de Espanha (4 contos) e meia tonelada de sedas em fio (produto nacional). O principal mercado de lãs do Alentejo continuava a ser o de Évora e tinha uma periodicidade anual. A ele concorria gente de todo o país que comparava por grosso. Não se percebe como daí poderiam tirar vantagens assinaláveis os pequenos capitais da região, se aparecessem, perante compradores como os da Covilhã ou de Castanheira de Pera, por exemplo (cf. Justino-1989). Por outro lado, a lã alentejana estava a perder qualidades e a sua fraca resistência mecânica dava-se mal com os equipamentos vindos do norte da Europa106. Percebe-se, então, a importância que assumia a lã importada em cru para Portalegre. Seja como for, em 1890 a C.ia de Lanifícios de Portalegre, com 100 contos de capital fixo, empregava 170 operários (70 aprendizes) e usava um motor vapor fixo com 12 c.v., uma locomovei com 50 c.v., uma máquina de ar quente com 5 c.v. e outra de ar comprimido com 3 c.v.

138A viragem para século XX mostrar-se-ia particularmente difícil para os lanifícios de Portalegre (cf. Matos-1998:440 e ss.). Tendo caído nas mãos da Banca portuense, a produção fabril estava reduzida à Fábrica Pequena, quando passou para a administração dos Robinson. As dificuldades com que as empresas têxteis se debateram, no Alentejo, no momento em que o proteccionismo pautai foi reforçado requer uma análise que vá além da sua história imediata. O capitalismo encerra mecanismos que garantem que a má administração dum empreendimento seja penalizada, permitindo a outros tomarem-lhe o lugar. Nada impedia que outras iniciativas tivessem lugar naquele mesmo espaço, se as vantagens de localização existissem. Ora, o relançamento da actividade pelos ingleses tem sido explicado pelo empenhamento político local, compreensível pelo enorme impacto negativo resultante da paralisação duma fábrica que empregava directamente mais de 170 operários numa pequena urbe (Monteiro-1963). Ou seja, a capacidade produtiva instalada e o factor humano terão sido determinantes na continuidade desta actividade. Por outro lado, a falta de recursos energéticos ou os custos do combustível importado não parecem ter sido factores impeditivos da actividade, pois doutra forma não se compreenderia por que uma família local tão experiente no mundo dos negócios, como os Robinson, embarcaria em tal aventura.

139Depois da I Guerra Mundial, só a Fábrica de Lanifícios de Portalegre L.da resistia à concorrência que lhe moviam outras empresas nacionais.

  • 107 Este segundo processo, actualmente depositado na D.R.M.E. (Évora), teve lugar porque o alvará da fá (...)

140A Fábrica de Lanifícios de Portalegre foi constituída como sociedade por quotas de responsabilidade limitada em Setembro de 1920, depois de, em Maio, José de Oliveira Meca a ter adquirido aos Robinson (Monteiro-1963). Joaquim de Carvalho Isaac foi o sócio gerente que deu início, em Novembro de 1923, ao processo de licenciamento da fábrica nos serviços industriais107.

141O espaço da antiga fábrica, agora localizado na rua 1,° de Maio, tinha uma área total de cerca de 3.125 m2, ocupado por um grande edifício central que atravessava a Rua dos Pelames, onde se desenvolvia a fabricação dos lanifícios (v. figura 3.8). Este edifício de 3 pisos no corpo central e com um comprimento de 95 metros concentrava no seu interior todas as operações relativas à lã, desde a cardação à tecelagem, passando pela tinturaria. A sua “tipologia que, em termos muito gerais, se caracteriza por um sistema de condução de água até ao interior do edifício, onde se situam os mecanismos capazes de produzir força motriz e accionar outros mecanismos operativos”, pode ser encontrado noutras fábricas instaladas no país, nos finais do Antigo Regime (cf. Oliveira-1998). A necessidade de dispôr de água limpa e abundante para as lavagens das lãs, o fabrico dos tintos e o acabamento dos tecidos exigiam investimentos pesados em infraestruturas para captação e condução de água, que porventura constituíram um factor de dissuasão à instalação de outras fábricas integradas. No século XIX, os primitivos mecanismos hidráulicos foram substituídos pelo vapor. Assim, no início dos anos ’20, encontrávamos no coração da fábrica duas caldeiras, uma portuguesa, construída em Lisboa por João Peres e outra inglesa, fabricada por Horsley Wil & Co. Na casa dos motores estava instalado um motor a vapor de tipo horizontal, de fabrico inglês (Pallit & Wigzell, Ltd.), de alta pressão com condensador. Estas caldeiras alimentavam um dínamo, com a potência de 100 kw e de 110 V, fabricado na Alemanha por Brena Peebles & Co Ltd.

Figura 3.8. Francisco Fino L.da. (Fábrica de Lanifícios de Portalegre) Projecto de ampliação e remodelação nos anos ’50

Figura 3.8. Francisco Fino L.da. (Fábrica de Lanifícios de Portalegre) Projecto de ampliação e remodelação nos anos ’50

Fonte: D.R.M.E (Évora), Proc. 2817 da 7.a Cl (Mar.1956)

142Ao lado da casa das caldeiras e da casa dos motores encontravam-se instaladas a oficina de serralharia (com um torno instalado) e uma serra mecânica de fita, destinada a cortar lenhas. A energia das caldeiras era levada até à zona da tecelagem, espaço com 600 m2, que tinha instalados 29 teares Jacquard e duas caneleiras. A seu lado ficava a casa das urdideiras e a cardação. Havia ainda uma pequena casa destinada à tecelagem de juta, onde se fazia a produção de sacaria. Na parte do edifício que ficava do outro lado da rua dos Pelames estava a zona destinada à lavagem, à tinturaria e à catinagem.

143Vizinhos a este bloco principal, encontravam-se outros edifícios especializados, dispostos sobre um pátio central, servido por um tanque e bomba de incêndios: o armazém para depósito da lã com dois pisos e uma área coberta de 200 m2, casas de preparação da lã (esfarrapadeira, prensa), oficinas de apoio (carpintaria e forja) e um enorme depósito de lenhas que testemunhava a autossufiência da fábrica no abastecimento energético. Um bloco, formado por casas de habitação para o pessoal e arrecadações, dava para a rua 1.° de Maio. A entrada das lãs em bruto fazia-se por esta rua, havendo uma balança à entrada da «estrada para a fábrica» que, passando pelo edifício do escritório, ia desembocar no pátio central.

  • 108 Sobre estes conceitos v. o texto de Miriam H. Pereira “Diversidade e crescimento industrial” (Perei (...)

144Em suma, estamos perante uma “fábrica vertical” ou “completa”, pois reunia no seu interior todas as operações relativas à lã, desde a lavagem até ao fabrico dos tecidos, integrando a cardação, a fiação e a tinturaria108. Em 1950, quando a fábrica tinha ainda 27 teares, o pessoal empregado distribuía-se da seguinte forma: 6 empregados de escritório, 71 cardadores, fiadores e retorcedeiras (23 homens, 13 mulheres, 28 rapazes e 7 raparigas), 51 operários na secção da tecelagem (32 homens, 8 mulheres e 11 raparigas), 4 homens na tinturaria e 56 no acabamento (15 homens, 34 mulheres, 2 rapazes e 5 raparigas). Para além disso, a fábrica empregava ainda 12 operários e 1 mulher nas oficinas de serralharia, carpintaria e na casa da caldeira.

  • 109 Em sentido diferente foi a Covilhã e Castanheira de Pêra (cf. Pereira-2001). Uma leitura imediata e (...)

145A descrição do espaço fabril mostra que a evolução desta indústria na região foi em direcção oposta à formação de distritos industriais109. Aqui optou-se por concentrar no mesmo espaço todas as operações de trabalho que se maquinizaram, servindo-se da força das caldeiras e dos motores a vapor. A ideia tinha sido defendida em 1867 pela administração da C.ia Nacional de Lanifícios, no folheto Portalegre e as suas fábricas, quando sobreveio a crise neste grupo familiar. Nessa época, tanto Ramiro Marçal como a C. ia Nacional produziram não só o mesmo tipo de produtos, apresentando um leque muito diversificado, como eram ambas fábricas verticais. Tudo isto contribuía certamente para manter os níveis de produtividade muito baixos. A maquinização estava reduzida às operações de cardação e de fiação, sendo a tecelagem toda ela manual. O facto da C.ia declarar então ter teares mecânicos fora de uso sugere que, neste ambiente, o seu uso não fosse mais económico. Ao mesmo tempo, os estabelecimentos de Olhos de Água e de Água de Soto, que pertenciam à C.ia e que estavam especializados nas tarefas de cardação e fiação, eram considerados “estabelecimentos decadentes”.

Tabela 3.12 – As fábricas de lanifícios de Portalegre em 1881 e em 1923

Tabela 3.12 – As fábricas de lanifícios de Portalegre em 1881 e em 1923

Fonte: Arq. M.O.P. (Lisboa), Documentos do Inquérito Industrial de 1881; Arq. D.R.M.E. (Évora)

146A capacidade produtiva instalada em 1923 não era inferior à que existia em 1881, a avaliar pelos maquinismos instalados, pela sua potência e pessoal empregado (cf. tabela 3.13). A planta da fábrica dos anos ’20 revela que vinha sofrendo uma evolução física, adaptando espaços a novas funções e adicionando-lhe novas construções. A potência instalada era bem superior à das fábricas em 1881 e a redução do número de trabalhadores empregados, entre 1881 e 1923, compensava largamente os ganhos de produtividade que se obtinham com a mecanização da tecelagem. Assim, tudo indica estarmos perante um processo de racionalização produtiva que não indicia a manutenção de equipamentos e de formas de produzir obsoletas, próprias de quem não se preocupava em adaptar-se a novos contextos. As sucessivas mudanças de administração, desde a crise da década de 1880 até à formação da nova sociedade em 1923, terão certamente contribuído para isso.

  • 110 V. Estatutos da Fábrica de Lanifícios de Portalegre, Lisboa, 1930, 8 pp. O capital poderia ser elev (...)
  • 111 Despacho de 14. Jun.1933 do Ministro da Economia. O valor pedido foi exagerado pois, no ano seguint (...)

147Em Abril de 1930, a Fábrica de Lanifícios passou a sociedade anónima com um capital de 505 contos, divididos em 5.050 acções de 100 escudos110. Os poderes de administração estavam concentrados na direcção e só podiam tomar parte na Assembleia Geral os 20 maiores accionistas. Em suma, parece estarmos longe das pequenas sociedades familiares. Em 1933, apesar das leis do condicionamento, a sociedade obteve do governo autorização para instalar uma oficina de penteação, preparação e fiação de fios de estambre com a capacidade de produção de 40 toneladas111.

  • 112 Escritura feita em Portalegre em 23.12.1939 (notário Forjaz de Sampaio)

148Em Dezembro de 1939, Francisco Fino, na altura director da Fábrica de Lanifícios de Portalegre, tomou-a de arrendamento pelo prazo de 5 anos, por 25 contos anuais112. Pouco tempo depois ficou com ela. Este industrial da Covilhã conseguiu então uma autorização do governo para transferir para o Alentejo 4 teares Jacquard, cardas para feltros e outro equipamento, mas acabou por enviá-los para Mira d’Aire. Depois da guerra, em Abril de 1948, teve autorização para substituir teares mecânicos e instalar 3 novas fiações mecânicas com 1.300 fusos. Em Dezembro do ano seguinte, foi autorizado a instalar mais 21 teares novos. Com estas autorizações sem prazo de cumprimento, Francisco Fino começou a reapetrechar a sua «fábrica completa». Somente em 1954 se notou uma mudança de atitude por parte do governo: exigiu-se então que a empresa instalasse os teares autorizados em falta e fez-se uma fiscalização que impôs o cumprimento dum número variado de cláusulas de higiene e de segurança industrial, de acordo com a categoria do empreendimento. As inspecções referiam, por diversas vezes, que “embora tenham sido introduzidas algumas beneficiações, estas estão longe de superar as deficiências técnicas e de segurança e comodidade do pessoal e vizinhos...”.

  • 113 Requerimento de 8. Jan,1955 dirigido à 7.a CI (D.R.M.E, Proc. cit.).

149O industrial, porém, defendia-se. Afirmava que investira perto de 2 mil contos em máquinas e que as obras de conservação e reparação atingiram os 4 mil contos, entre 1951 e 1953, pois a fábrica “ampliada sucessivamente sem um plano de conjunto (...) chegou-lhe à mão por compra num estado deplorável de conservação tanto de edifício como de máquinas”113.

150Só em Dezembro de 1955 lhe foi passado um auto de transgressão com ameaças de lhe selarem maquinismos. Vem então a Caixa Geral de Depósitos em sua defesa, alegando a recuperação financeira em curso. Os serviços do Estado perdoam-lhe a coima. No final dos anos ’50, quando o governo lhe solicita o escalonamento dos investimentos nas obras necessárias no edifício, o industrial adquire mais equipamento de fiação. No início dos anos ’60, quis instalar mais 50 teares mecânicos novos e teve de lutar contra a demora em sair o despacho, pedindo a sua instalação condicional. A autorização viria apenas 6 meses mais tarde. Em Outubro de 1963, a firma tinha já 100 teares quando foi autorizada a instalar uma secção para a produção de fios artificiais e sintéticos. De facto, os anos ’60 seriam marcados pelo crescimento e expansão com base nos novos fios sintéticos, sendo instaladas novas máquinas, em diversas secções.

151O período de prosperidade dos lanifícios de Portalegre coincidiu com a retoma pelo Estado das encomendas para o exército. É-nos impossível, por agora, avaliar a sua importância para a economia da fábrica. A produção manteve-se muito diversificada, pois, na folha de inquérito enviada aos serviços em 1950, Manuel Fino afirmava que produzia cobertores, mantas de viagem e diversos artigos de lã para homem e senhora. Contudo, a capacidade de produção da fábrica era “muito variável, dependendo dos artigos a fabricar”, resposta que sugere, a par da flexibilidade, uma situação crónica de sobreequipamento. Seja como for, a partir de 1941, pelo menos, a fábrica concorre regularmente ao fornecimento de lanifícios para os corpos do Estado. Por terem geralmente um prazo de execução curto, o volume das encomendas a que a Fino concorria mostra o gradual aumento da capacidade técnica de laboração.

Tabela 3.13 – Fábrica de Lanifícios de Portalegre. Encomendas do Estado, 1941-1962

Data

Quantidade

Produto

Clientes

Mar. 1941

10.000 metros

Desconhecidos

Desconhecidos

Jan. 1948

20.000 metros

Mescla para capotes de soldado

Oficinas Gerais de Fardamento e Calçado

Ago. 1951

20.000

Cobertores tipo Exército

Exército

Jun. 1952

500 metros

Fazenda uniforme n° 1 de oficiais

Depósito Geral de Fardamento e Calçado em Lisboa

Jun. 1952

10.000 metros

Uniformes

Legião Portuguesa

Set. 1952

2.500 metros

Gabardina n.° 1

Oficiais do Exército

Jun. 1953

35.000

Cobertores tipo Exército

Exército

Nov. 1954

30.000

Cobertores

Exército

Out. 1955

20.000 metros

Gabardine

Exército

Jul. 1956

6.000 metros

Gabardine

Exército

Jun. 1957

8.000

Cobertores

Exército

Dez. 1957

60.000 metros

Flanela mista

Exército

Mar. 1959

1.000

Cobertores

Força aérea

Jun. 1961

30.000

Cobertores

Exército

Jul. 1961

10.000 metros

Gabardine

Aviação

Jul. 1961

45.000

Cobertores

Exército

Ago. 1962

30.000 metros

Tecido

Desconhecidos

Ago. 1962

20.000 metros

Voile

Desconhecidos

Ago. 1962

10.000 metros

Capote

Desconhecidos

Set. 1962

10.000 metros

Pano azul ferrete

Desconhecidos

Fonte: D.R.M.E. (Évora), Proc. cit.

152Em suma, a análise do processo da fábrica de Portalegre não sugere que a aplicação das regras do Condicionamento Industrial tenham sido impeditivas do crescimento desta empresa. Neste caso, mais tarde ou mais cedo, o governo acabou por anuir nas pretensões do empresário em instalar novos equipamentos. As dificuldades de acumulação, sentidas nas décadas de 1930 e 1940, deverão ser procuradas noutro local. Até ao final dos anos ’40, o número de teares instalados, bem como o volume de pessoal empregado mantiveram-se relativamente estáveis. Em 1927 a fábrica empregava 110 operários, tinha 29 teares e 235 c.v. de potência no total dos motores. Em 1945, tinha 167 trabalhadores e 27 teares, enquanto mantinha praticamente o mesmo equipamento instalado. Embora trabalhasse durante todo o ano, a falta de lãs em rama obrigava a regimes de laboração de 4 dias por semana. Só a partir de então existem sinais claros de crescimento e Portalegre acompanha a prosperidade que caracterizou os anos da adesão de Portugal à E.F.T.A. Em 1950, a fábrica empregava 222 trabalhadores, tinha 38 motores com uma potência de 409 c.v., 1.050 fusos e 35 teares. O consumo de lãs nacionais (lãs brancas, penteados brancos e saragoças da Beira e Alentejo) era importante, embora recebesse também lãs e penteados da Inglaterra.

153Em 1957, tinha conseguido instalar mais 15 teares novos e, em 1963, a fábrica contava já com 100 teares. Apesar do condicionamento, Francisco Fino conseguiu entrar na fiação de fios sintéticos e contar com o apoio do governo. Ao mesmo tempo que os serviços industriais pressionavam para que fossem cumpridas normas de higiene e segurança, não deixavam igualmente de pautar-se por uma relação paternalista e «compreensiva». Assim, tal como os industriais se lamentavam através dos canais que o regime lhes proporcionava, a protecção dada às lãs nacionais, através da pauta e da imposição de consumos à indústria, os problemas com abastecimento e o seu preço, a par da ineficiência da estrutura industrial que o controlo do Estado autoritário impunha, tudo isto constituía certamente agravos que devemos considerar (v. tb. Chaves-1963). Mas se o governo, através do condicionamento, consentia que os industriais instalados crescessem, não contribuía igualmente para impedir novas iniciativas na região?

  • 114 D.R.M.E. (Évora), Proc. 1345 da 7.a C.I. (Rilei 4/4600): Tapetes de Portalegre, Limitada. O requeri (...)

154Nos finais dos anos ’30, as iniciativas tendentes a reanimar as manufacturas eram bem vistas pela imprensa regionalista e foram esboçadas algumas iniciativas nesse sentido (v. supra). Depois da guerra, em 1946, Manuel Percheiro e Guy Fino, o filho do industrial, instalaram no edifício da fábrica de Portalegre uma manufactura de tapeçarias murais decorativas. Criou-se então a firma Tapetes de Portalegre, L.da, que funcionou de forma autónoma numa parte do 1.° piso daquele edifício, empregando 80 mulheres e 12 bastidores de madeira114. Os fios utilizados eram produzidos e tingidos na fábrica e aqui parece ter residido parte da viabilidade da iniciativa que, em breve, contaria com a concorrência directa das indústrias caseiras. Seja como for, em 1952, como resposta às inúmeras condições de laboração impostas pela Circunscrição Industrial, o gerente afirmava que

  • 115 Requerimento de 7 de Julho de 1952, proc. cit.

“a sua indústria puramente artística não tem proporcionado resultados interessantes na sua exploração e os prejuízos têm-se vindo amontoando nos anos da sua existência. Tem portanto vivido no mais apertado critério de compressão de despesas. As condições que têm sido impostas têm vindo sendo praticadas aos poucos, baseados numa esperança futura, pois a exploração está presentemente reduzida a 14 operárias”115.

  • 116 Segundo declarações do industrial na folha de inquérito dos serviços, em 1954 (proc. cit.)

155Em 1954, a firma Tapetes de Portalegre L.da empregava 19 mulheres e 10 aprendizas, que trabalhavam com o mesmo equipamento, que produziam 7,5 m2 de tapetes e 1,5 m2 de tapeçarias em 8 horas116. Fabricavam tapetes de tipo regional, argelino, persa, de Esmirna, para além de tapeçaria artística.

156Enfim, as manufacturas que agora renasciam como iniciativas isoladas, apenas sobreviviam num quadro económico marcado pela baixa remuneração do trabalho manual e recorrendo ao emprego da mão-de-obra feminina. Enquanto tal, a indústria doméstica apresentava-se como uma actividade muito secundária. Assim, o Inquérito Industrial de 1957 registava apenas 4 estabelecimentos com 1 trabalhador nas operação de fiação e de tecelagem, dispersos por Arronches, Borba, Gavião e Portalegre, localidade onde se contaram também 20 trabalhadores a domicílio. Em Évora, Santiago do Cacém e Alcácer do Sal e Reguengos as pequenas oficinas laboravam menos de 110 dias (tabela 3.14). Portalegre continuava, pois, a constituir uma ilha industrial, empregando perto de 4 centenas de indivíduos e com 2,5 mil contos de bens de equipamento instalados. Neste contexto, apareciam registadas pequenas iniciativas isoladas em Arraiolos, Reguengos e em Évora, onde se podem encontrar pouco mais de 10 activos num total de 5 estabelecimentos.

Tabela 3.14 – Indústrias têxteis no Alentejo em 1957

Tabela 3.14 – Indústrias têxteis no Alentejo em 1957

Legenda: EST. Estabelecimentos: ACT. Activos (operários e empregados);DTM. Dias de trabalho em média por indivíduo em actividade; DSP. Despesas (inclui salários): CF. Capital fixo (inclui bens de equipamento): BE. Bens de equipamento: s. s. valor sem significado estatístico ou desconhecido.
Fonte: Inquérito Industrial (1957). Valores em contos de 1957.

3.3.6. Outras iniciativas

157A partir da I Guerra Mundial e, sobretudo, na segunda metade da década de 1920, o arranque do mármore da área de Borba, Estremoz e Vila Viçosa com vista à exportação foi suficientemente importante para dar lugar à formação de sociedades que, na suas pedreiras, empregavam, por vezes, mais duma centena de trabalhadores, durante a maior parte do ano. Estavam neste caso a Sociedade Luso-Belga de Mármores, L.da, de Vila Viçosa, a Empresa de Mármores e Cerâmica de Estremoz e Borba L.da e a Sociedade de Mármores de Vila Viçosa L.da. O desenvolvimento da camionagem facilitou o incremento desta actividade nos anos ’30, a qual continuaria marcada até há pouco pela ausência de qualquer tipo de transformação local. Tal orientação encontrava evidente analogia com o comportamento da grande indústria mineira e corticeira.

158No Alto Alentejo, merece igualmente referência a indústria de alpergatas, cuja evolução podemos acompanhar desde os finais do século XIX, sempre nas mesmas povoações: Gavião e Castelo de Vide.

159As moagens de pimentão multiplicaram-se a seguir à guerra, muitas acabando por encerrar na segunda metade da década de 1960. A fábrica de João Nunes Sequeira (1945-1965), em Fronteira, destaca-se por empregar cerca de 60 trabalhadores, quando a maioria não registava mais de 40. A Fábrica de Pimentão “A Alentejana” (1944-1952), instalada numa Herdade dos Reynolds, no concelho Évora, não empregava mais do que 37 pessoas e outras 22 em Borba.

160Finalmente, Sines revelou-se não só como um ponto de escoamento da cortiça do Vale do Sado, mas também como um porto de pesca. Aqui encontrávamos armações de pesca de sardinha à valenciana, como a Sociedade Armação de Pesca “Nossa Senhora das Salvas” (1899) ou a Silves, Guerreiro, Vilhena & C.a (1906-1965), que empregavam, cada uma, 33 pescadores. O desenvolvimento da pesca capitalista facilitava a instalação de fábricas de conserva, tanto mais quanto Setúbal (como sucedia em 1919) se encontrava saturada com instalações fabris. Assim, a Judice Fialho, empresa com fábricas noutros pontos, empregava, em Sines, 128 operários nos anos ’20. Do mesmo modo, a “latoaria mecânica” da firma Viegas, Dias & Cia. L.da, que empregava 60 trabalhadores (metade dos quais mulheres) em Vendas Novas, surgia como um posto recuado orientado para abastecer as fábricas de conserva, em Setúbal, de “vazio”. Estes dois casos não deixam de nos recordar a lógica da implantação das fábricas de cortiça instaladas pelas grandes companhias na região. Consideradas grandes neste contexto, não deixam de ser estabelecimentos menores, também eles “explicados” pela “saturação” nos pontos principais de actividade.

3.4. Elementos de configuração do tecido industrial no Alentejo (1922-1950)

161Neste capítulo iniciámos a descrição do parque industrial instalado no Alentejo, centrando a nossa atenção nos maiores estabelecimentos industriais. Como exercício introdutório, tentámos descortinar alguma coerência nas representações sobre o Alentejo, transmitidas tanto pelos observadores da realidade industrial, como pelos discursos regionalistas emergentes nas primeiras décadas do século XX. Ele mostrou que, a partir dos anos ’30, com a crise do “modelo trigueiro”, se tentou perspectivar para o Alentejo uma vocação que ultrapassasse o exclusivismo agrícola. Nova reflexão teve lugar nos inícios dos anos ’60, quando se perceberam as dificuldades da agricultura extensiva, perante a degradação relativa dos preços agrícolas e pecuários, agravados pelo drama da peste suína africana. Se então parecia evidente a perda de velocidade no crescimento da economia alentejana face a outras regiões, tal não significa que estejamos perante um processo de “desindustrialização”.

162A análise do RTN mostrou a estreita articulação entre a economia da grande propriedade e o parque industrial identificado na área da 4.a CL Entre as actividades mais representativas (consideradas pelo número de estabelecimento registados e pelo volume de emprego) contava-se a debulha mecânica, a moagem de cereais, o fabrico de azeite, a panificação e o fabrico de carne ensacada. Depois vinham as actividades relativas à assistência desse mundo rural, onde pontuavam as pequenas empresas de cariz oficinal, como eram as ferrarias, as oficinas de abegão e as carpintarias. Salientavam-se ainda os ofícios destinados a satisfazer as necessidades correntes das populações rurais: os sapateiros, os oleiros e os alfaiates. A tendência de evolução entre a I Guerra Mundial e os anos ’50 não parece reforçar a posição das empresas de média dimensão, indiciadas pelo número de estabelecimentos que empregavam entre 10 a 100 indivíduos. Antes pelo contrário, parece assistir-se à multiplicação da pequena oficina ou, se quisermos, dos estabelecimentos que empregavam um número de pessoas inferior àquele primeiro limite.

163A descrição dos maiores estabelecimentos revelou, nos casos das minas, das pedreiras, da cortiça e até dos cereais, a sua associação a grandes firmas que operavam numa escala mais vasta que a regional. Longe de se apresentar como um “deserto industrial”, atrasado e autocentrado, o Alentejo configura-se como um espaço aberto à economia mundial, construindo-se como uma periferia das regiões industrializadas. Como tal, foram nas margens da região, nos pontos onde se acumulavam as mercadorias em trânsito, que se consolidaram os maiores empreendimentos. A este título serviu de exemplo a C.U.F., bem como os grandes operadores internacionais que se estabelecem nas povoações da margem sul do Tejo, em Setúbal e em Sines, como a Mundet, a Wicander, a Henry Bucknall & Sons., etc.

164Podemos então sintetizar as características destes estabelecimentos, na óptica regional, da seguinte forma:

  1. Dispersão geográfica. Os grandes estabelecimentos encontravam-se dispersos na região, fundamentalmente por estarem ligados ao processamento local de matérias-primas, que tinham padrões de localização distintos. Pode defender-se, no caso dos têxteis, que esse padrão constituía uma herança do passado, ligada à circulação de gado transumante. Nos casos das grandes oficinas de serralharia e de fundição, a sua dispersão nos pontos Beja, Évora – Estremoz e Crato sugere um padrão orientado para o consumo agrícola e para a satisfação dos mercados sub-regionais.

  2. A importância da proximidade das fontes de abastecimento é tanto maior quanto não temos mercados regionais desenvolvidos de matérias-primas para a indústria. A existência de uma grande unidade significava, nesta perspectiva, o esgotamento de um espaço económico, facto que pode explicar a relativa estabilidade, ao longo do tempo, do número e dimensão dos estabelecimentos neste padrão de localização. Este factor “explica” o desenvolvimento de unidades integradas de processamento das grandes produções alimentares do latifúndio, de que serve de exemplo a Empresa Industrial Bastos Ribeiro, em Sousel, ou a Sociedade Fabril Alentejana (Sofal), em Vila Viçosa. No primeiro caso estamos perante um conjunto impressionante com oficinas próprias para manutenção, em que à moagem de cereais, à panificação, à produção de azeite e fabrico de azeite se associou a venda de electricidade à vila de Sousel. Se aqui o gestor é aquele que foi considerado “o Alfredo da Silva alentejano”, no segundo caso a sociedade agrupava a elite fundiária de Vila Viçosa, um “modelo” empresarial que vemos surgir nos anos ‘20 um pouco por todos os centros urbanos no Alentejo. Dado que a competitividade destas empresas dependia deste carácter integrado e da proximidade das matérias-primas, podemos pensar que a prazo este possa ter constituído igualmente um factor de fragilidade competitiva, face a empreendimentos que apostavam na especialização e em economias de escala.

  3. Orientação produtiva para o exterior. As grandes empresas, por via de regra, produziam para mercados internacionais e, no caso dos cereais e dos lanifícios, para o mercado nacional. As grandes unidades instaladas, no caso das minas, pedreiras, cortiça e cereais, realizavam as primeiras operações numa fileira industrial mais vasta. A importância dos mercados regionais foi diminuta em todos os casos e, nessa medida, não constituía uma alternativa nem um factor de amortecimento das dificuldades conjunturais sentidas no exterior.

  4. Integração produtiva. Os grandes estabelecimentos apresentam uma estrutura “produtiva integrada”. Não apenas as unidades mineiras, mas também a fábrica de lanifícios de Portalegre ou da fábrica de cortiça da Robinson executavam diferentes operações que limitavam em muito a sua procura no exterior. Efectivamente, as grandes unidades produziam a sua própria electricidade e cuidavam do abastecimento de lenhas e combustíveis, realizavam diferentes tarefas de processamento especializado e tinham, enfim, oficinas de serralharia e carpintaria para a manutenção de máquinas. Encontramos esta “auto-suficiência”, própria de “um meio hostil” à indústria, tanto na mina de São Domingos (Mértola) como na Fábrica dos Leões (em Évora). Esta escala “exigia” igualmente uma integração e diversidade de produções. No caso dos Leões, as produções iam da farinha comum às massas, passando pelo fabrico de pão e farinhas para fins culinários; no caso dos lanifícios de Portalegre, passavam pelo fabrico do fio, tinturaria, tecelagem e, mais tarde, tapetes; no caso da Robinson, iam desde a preparação até à produção de rolhas; nas minas de pirites, desde a extracção, à produção de cementos e, no caso de São Domingos, ao fabrico de enxofre (desde 1934). Finalmente, no caso das metalúrgicas, a ausência de especialização num produto, se não mesmo numa gama próxima de produtos, foi também a regra. Esta flexibilidade (podemos pensá-lo) era imposta pela natureza e dimensão dos mercados regionais.

  5. Ausência de práticas de “puting out system” pela indústria. Ao contrário do que sucedia noutras regiões mais densamente povoadas, era escassa (se não inexistente) a produção doméstica associada aos grandes estabelecimentos manufactureiros.

165Devemos ainda realçar como a tecnologia e a acção dos empresários foi um importante factor de dinamismo. Na maior parte dos casos estamos a lidar com estabelecimentos tecnologicamente desenvolvidos. No caso da Robinson, a tecnologia foi responsável pelo processo precoce de maquinização do fabrico da rolha, bem como, mais tarde, na sua orientação para os granulados de cortiça. No caso dos lanifícios de Portalegre, assistimos a uma orientação para a produção de fibras sintéticas. Tais alterações resultaram por vezes de dificuldades e da necessidade de reajustamentos, que envolveram a entrada de novos protagonistas, como serve de exemplo o caso de Francisco Fino, em Portalegre, ou de Carlos Roeder, em Beja.

166Duas conjunturas mostraram-se importantes na fixação de novos empreendimentos com maior escala: primeiro, a de 1919-1923, quando se estabeleceram algumas grandes unidades moageiras e corticeiras; e, depois, a dos anos ’50, que assiste à formação de alguns novos empresários em distintos ramos, como foi o caso dos irmãos Fialho (serralharia e fabrico de máquinas agrícolas em Évora) e a família Nabeiro (ligada à torrefação de café em Campo Maior).

167A análise das grandes unidades deixou de lado a sua articulação com o restante tecido regional, marcado, como vimos, pelas pequenas unidades oficinais. Será delas que trataremos no próximo capítulo.

Notes

1 Um historial cronológico da implantação das fábricas de moagem em Portugal encontra-se em Ferreira (1998 e 1999). Falta-nos ainda uma visão de conjunto para as massas e bolachas, para o azeite e extracção de óleo e para as “novas” bebidas (cervejas, licores).

2 V. a este respeito as teses de David Justino (1988 e 1989) e de Ana Cardoso Matos (1991 e 1997) em defesa de um processo “desindustrialização”. Em sentido oposto, veja-se Helder Fonseca (1996a e 1998).

3 Como é evidente, a capacidade de responder cabalmente a estas questões depende das fontes disponíveis. São escassíssimos, para não dizer inexistentes, os estudos monográficos sobre as empresas que operavam no Alentejo, bem como as descrições dos seus estabelecimentos e o seu meio económico. Neste contexto, revelaram-se de especial importância dos processos de licenciamento, actualmente no arquivo da Direcção Regional do Ministério da Economia, em Évora. Constituídos com fins muito diferentes daqueles que visamos, eles dão-nos, porém, alguns elementos fundamentais relativos à sua actividade e, enfim, permitem identificar actores.

4 Compara-se, por exemplo, a classificação adoptada nos princípios do século (IM/BTI, 23, 1908), nos anos ’30 (Portugal, 1931a e 1931b) e nos anos ’50 (Portugal, 1953)

5 Referimo-nos aos processos de acção histórica concertada, desempenhados por diferentes actores, tendentes a conformar o real. A componente discursiva constitui uma parte fundamental da construção, traduzindo um conjunto de crenças e valores que impeliam à acção e buscavam fundamentação na “realidade”. Para o caso que aqui interessa veja-se o texto de Albert-Alain Bourdon (1985) e, para a Andaluzia, Sevilla Guzmán e outros (1988), entre a vasta bibliografia disponível para Espanha.

6 A obra de Silbert (1978) para o Alentejo dos finais do Antigo regime continua a ser uma referência fundamental. A descrição desta sociedade “tradicional” para um período posterior pode encontrar-se em Oliveira e Galhano-1983: 81 e ss. Cf. Picão, 1983. Mais recentemente, vejam-se os contributos fundamentais de Helder Fonseca (1988, 1996a, 1996b e 1998) e de Manuela Rocha (1994).

7 V. tb. a este respeito Amaral (1941) e no plano estético-literário, salientemos a título ilustrativo Monsaraz (1954).

8 “É o distrito de Beja exclusivamente agrícola. Reparte-se em catorze concelhos, não havendo indústrias exercidas na maior parte deles. Lagares de azeite ou de cera, fabricas de aguardente, rouparias, não cabem num inventario industrial, quando se toma a palavra industria no sentido restrito, como o do inquérito ordenado. Fabricas de moagem ou de cortiça, e estabelecimentos de industria metalúrgica, é só o que há para inscrever no nosso pequeno recenseamento distrital. Das primeiras existem duas em Beja, uma em Ferreira e outra em Barrancos, das quais são fornecidos esclarecimentos bastantes nos respectivos questionários, que mostram bem serem poucos os operários empregados, e limitar-se quase ao distrito o consumo dos produtos. Os restantes concelhos pouco mais são do que um vasto deserto de estabelecimentos da industria fabril ou manufactureira, exceptuados os de Odemira e Almodôvar, onde a existência de vastos sobreirais reclamava a de fabricas de cortiça. O homem levou por fim o seu trabalho onde a natureza lhe oferecia espontaneamente aquela matéria-prima, e quatro fábricas se podem hoje recensear naqueles concelhos.” (Portugal-1882b:39)

9 Esta indústria é descrita como “uma indústria praticada (...) em larga escala, sem contudo ter ainda saído da paz dos lares domésticos para assumir nas oficinas ruidosas os grandes desenvolvimentos da fábrica. (...) Alguns centenares de mulheres praticam aí, em suas casas, essa indústria, fiando e tecendo a lã produzida na localidade. Não representando essa industria uma verdadeira prosperidade local, é, contudo, um remédio no meio das agruras da pobreza e da necessidade. O negócio importante, o mais rendoso acha-se apertado nas mãos de alguns pequenos argentários, que compram a lã e a distribuem pelas mulheres da localidade, conhecedoras do oficio, que a fiam nas suas toscas rodas e em seus teares verdadeiramente primitivos. A retribuição é feita mais por empreitadas do que por salários. Minguados são, porém, sempre os proventos da operária, não logrando nunca cada mulher alcançar o ganho de 100 réis diários, relativamente farto numa região pobríssima, onde não ter fome é invejável e risonha prosperidade. Conseguem assim por esta industria salvar-se da miséria muitas famílias de operários, ignoradas num angulo escuro do mundo, não sabendo por certo que têm muitos milhares de companheiras nas lides industriais, que nos grandes focos de Nantes, Marselha e Lyon, ganham só meio franco em dez ou doze horas de trabalho diário, no meio do luxo, dos deslumbramentos das tentações, dos desejos, e das necessidades infinitas daquela[s] capitais da industria francesa” (Portugal, 1882b: 39).

10 “Na província do Alentejo, se exceptuarmos esta cidade, não há fábricas propriamente ditas, por isso que a agricultura é a sua principal indústria; mas Portalegre já possuía no meado do século XVII uma grande fabrica de panos de lã, que empregava, inumeráveis braços, e cujos produtos exportava para as principais terras do país, como refere o cronista mór, fr. Francisco Brandão” (Portugal, 1881: III, 8). É evidente que o termo “fábrica” adquire aqui um sentido diferente. Sobre o panorama industrial do Alentejo no Antigo Regime veja-se ainda Silbert (1974).

11 V. a este respeito Matos, 1991 e 1997 bem como Fonseca, 1996b e 1998.

12 A média de operários por estabelecimento (compilado por Monteiro) é de 19,6 operários. Este valor é tanto mais significativo, quanto neste inventário predominavam os estabelecimentos de capital intensivo como eram as moagens.

13 “Quem conhecer os dois distritos, do médio e baixo Alentejo, e reparar nos títulos das indústrias indicadas, vê imediatamente que elas tem razão natural de ser, porque colhem a matéria-prima do seu labor no próprio lugar onde se exercem.” (Portugal-1905: VII)

14 Sobre este episódio veja-se as palavras que lhe dedica Helder Fonseca (1996a: 42-52)

15 Alguns elementos biográficos contribuem para esclarecer a perspectiva deste responsável superior da indústria neste debate. Apesar da sua posição como funcionário superior da indústria, não são conhecidos quaisquer laços com o mundo industrial. Bem pelo contrário, a sua perspectiva realista estava de acordo com a dos grandes proprietários agrícolas locais, grupo do qual fazia parte. Adriano Monteiro foi um dos deputados agrícolas de Évora quando se adivinhava a formação dum partido agrário. V. a este respeito a imprensa local e, em particular, o Diário do Alentejo, IV ano, 894, 01-10-1889. Nesta época, Adriano Augusto Monteiro residia em Lisboa. Membro do partido regenerador, este conhecido proprietário alentejano aparecia activamente no movimento tendente à criação dum “Partido Agrícola” (v. “A candidatura agrícola”, D.A., III ano, 4.Ago. 1889). É na qualidade de membro da recém-criada Federação Agrícola que participa no Congresso Agrícola desse ano, em Lisboa. Ele é o “candidato agrícola” ao parlamento pelo círculo de Évora, encargo que aceita, “cedendo a repetidas instâncias de seus amigos e mui importantes agricultores desta terra” (D.A., n.° 896). A sua candidatura é apoiada pelo Dr. Joaquim António Calça e Pina (D.A., n.° 899), considerado “um alentejano puro”, um “advogado distinto” e “defensor da agricultura”.

16 Veja-se “A Nação Industrial” (IM/IP – 1928: I, 7, 27-28).

17 “Indústrias alentejanas”, IM/BGA, 28.Dez. 1937. Os anúncios no Boletim do Grémio Alentejano são esclarecedoras tanto pelos interesses em presença como pelas ausências.

18 “A indústria de moagem no Alentejo” (IM/IA: 1928, IV, 5, Abril) sobre a grande fábrica de moagem em Reguengos da firma João Patrício Alvares Ferreira, L.da.

19 A sociedade tomava um fácies de cooperativa, dada a sua grande abertura (para outros casos, cf. capítulo 1). Qualquer proprietário ou lavrador poderia ser sócio desde que possuísse um olival. Em 1923, o número de sócios aumentou e o seu capital social foi elevado para os 200 contos. Em 1932, tinha mais de 100 sócios (v\IM/AA). Sobre a Casa Bagulho veja-se igualmente o mesmo título.

20 A preocupação de que o “sentimento regionalista” não ferisse “o mais puro e nobre nacionalismo” é expresso por Lourenço Cayolla, “Regionalismo e Nacionalismo” (IM/BGA, ano 1, 1:1). Regionalismo e nacionalismo são definidos como dois sentimentos que se conciliavam em perfeita harmonia.

21 V. a este respeito o artigo de Mira Galvão no AA.

22 O Grémio Alentejano foi criado em 1923 com o objectivo expresso de promover a sociabilidade entre os alentejanos residentes em Lisboa e ser uma instituição propulsora do desenvolvimento material e intelectual do Alentejo. Entre os seus fundadores contavam-se cinco mouranenses: Jacinto e José Fernandes Palma, José Pedro Baptista, M. Fernandes Canhão e Agostinho Fortes (o professor da Faculdade de Letras). Situava-se no Palácio Ludovice a São Pedro de Alcântara. Veja-se a este respeito o AA (IM/AA, pp. 8 e 515). Antes desta agremiação fora criada a Liga Alentejana (19201921) por Frederico Vilaret, Martinho Dórdio Rosado, Aboim Inglês e Agostinho Fortes.

23 Na sequência da intervenção de Albano de Sousa, Mira Galvão falaria depois sobre o aproveitamento em pradarias das terras pobres de cereais e Rui de Andrade sobre as lãs alentejanas.

24 “Tem já o Alentejo indústrias, algumas importantes: a da moagem de cereais; a indústria das cortiças; a de refinação de azeites; a cerâmica; a de lanifícios; a de sedas de Portalegre; a da tapeçaria de Arraiolos; a da cementação dos minérios cúpricos; a de lacticínios; a de massas alimentícias, e se considerarmos Alentejo a zona limitada ao Norte pelo Tejo teremos de adicionar-lhe as industrias de pesca, conservas e de adubos de Setúbal e o monumento industrial que é hoje a C.ia União Fabril. Lavra algumas das suas minas onde abundam o manganês, a pirite de ferro cuprífero, o chumbo, o ferro manganésico, o cobre, o antimónio e cobre, o amianto, o chumbo e bário, o arsénio, a fosforite, ocupando um óptimo lugar nas reservas mundiais de pirites (...).” (Sousa-1932: 33,3)

25 “Quis apenas dizer que o Alentejo cumula em si riquezas industriais imensas. É só mobilizá-las. Apontei exemplos de que no Alentejo se passa. Não falei para o povo Alentejano. Dirigi-me á alma forte, deste povo que está passando miséria sobre montões de ouro que não vê porque a Escola técnica e uma bem orientada educação destinada a corrigir a indolência mental nativa do latino quando habita a sua terra, não os patenteou ainda aos seus olhos encandeados pela luz crua do sol que lhe enxuga a terra sequiosa, encarniçado como tem andado na luta que se impôs para transformar em terras de seara terras de arvores e de pradarias que ele confunde com as boas terras de cereais que estão por demarcar, induzindo-o em erro que tem sido prejudicial á boa economia da província. A agricultura hoje é uma questão de mecânica e de química, di-lo a agronomia moderna” (Sousa-1932: 38:2).

26 Depois dos Códigos Administrativos de 1836 e 1842, que conferiam aos municípios alguns poderes a este respeito, o decreto de 27 de Agosto de 1855 atribui ao governo competência para autorizar a instalação de estabelecimentos industriais insalubres, incómodos ou perigosos. Tal competência passou depois para os governos civis (decreto de 8 de Outubro de 1860), substituído em 1863 por outro que dividiu estes estabelecimentos em 3 classes, afectando entidades diferentes (administrador dos concelhos e governadores civis). O código de 1886 e de 1896 atribuiu o poder de licenciamento aos administradores dos concelhos. Pelas leis republicanas de 7 de Agosto de 1913 e de 23 de Junho de 1916 estas competências passaram para as comissões executivas municipais. Em 1918 estas competências regressaram ao governo (através da Secretaria de Estado do Trabalho), acto confirmado pelo decreto 9.459 de Fevereiro de 1924. O decreto 13.166 de 18 de Janeiro de 1927 atribuiu às câmaras a capacidade para licenciar estabelecimentos relativos à indústria de hotelaria e de espectáculos, situação que se manteria no fundamental até ao final do período em análise (cf. Cruz-1960:257-269). Sobre o licenciamento e fiscalização de caldeiras veja-se o decreto regulamentar 8.332 de 17 de Agosto de 1922.

27 A análise da tramitação dos processos de licenciamento industrial foi feita por Brandão de Brito (1985 e 1989). Vale a pena ver ainda Almeida (1961). Sobre a legislação veja-se, para os anos ’30, Portugal (1932) e, para os anos ’50, Justino Cruz, [1953] e 1960. João Confraria (1992) faz uma análise económica que parte de pressupostos questionáveis

28 É fundamental a distinção entre “actividade”, “estabelecimento” e “empresa”. Entendemos aqui por “actividade” (industrial) um conjunto de operações realizadas sobre matérias-primas, de forma regular e sistemática num determinado espaço, por um ou mais indivíduos, tendo em vista a produção de um determinado bem ou serviço. Um “estabelecimento” não é mais do que uma organização num espaço determinado, orientado para a realização de uma ou várias actividades de processamento. Esse estabelecimento, por sua vez, pode ser propriedade de um indivíduo, firma ou empresa, que é responsável pelas operações comerciais relativas à aquisição e venda de produtos e bens. Neste sentido, fabrico de pão (por exemplo) constituiu uma actividade que poderia ser feita tanto por uma empresa industrial que o vendia ao público, como por uma empresa agrícola que o destinava à alimentação dos seus trabalhadores.

29 Um número significativo de registos não tinha adscrito qualquer trabalhador, sugerindo tratar-se de actividade acessória.

30 Sobre este aspecto, mas para o século XIX, veja-se o importante estudo de Manuela Rocha (1994) sobre Reguengos de Monsaraz.

31 Os alvarás eram cancelados ou por iniciativa própria ou pelos serviços 2 anos depois dos estabelecimentos terem cessado a sua actividade, ou quando se verificava que não tinha havido lugar a laboração efectiva, nem pagamento de Contribuição Industrial. Assim, não é possível determinar com rigor o tempo que medeia entre as eliminações administrativas e a cessação efectiva da actividade. Devemos ainda ponderar outros factores de perturbação. Por vezes, o cancelamento de um alvará resultava apenas de factores de ordem puramente burocrática, sendo substituído por outro que colocava novas condições de laboração. A mudança na localização duma actividade numa distância superior a 100 metros, a alteração das regras impostas pelo Estado ao exercício da actividade ou das condições de laboração exigiam um novo alvará e o cancelamento do anterior. Este factor, importante em algumas conjunturas, como a dos anos ‘40, é difícil de ser quantificado por nós devido ao estado em que se encontram os nossos arquivos. Ele pode, no entanto, ser “corrigido” a partir da análise da concessão de novos alvarás nas actividades que estavam condicionadas. De qualquer forma, é pertinente confrontar o movimento aparente dos cancelamentos com os ciclos conhecidos das conjunturas internacionais nos países capitalistas avançados. Foi nesta perspectiva que se orientou a nossa leitura.

32 É evidente que a estimativa do produto industrial alentejano nos poderia dar uma leitura diferente desta evolução, se para tanto dispuséssemos de fontes fiáveis. Assume-se aqui (partindo das característica do parque instalado) que a diminuição do número de estabelecimentos e do emprego registado corresponde a uma diminuição efectiva no dinamismo económico da indústria regional.

33 Não deixa de ser relevante, neste contexto, que o espaço regional alentejano tenha sido retalhado por diferentes circunscrições industriais. Nos princípios do século, Beja e Évora faziam parte da circunscrição do Sul, separada de Lisboa e ligada ao Algarve. O distrito de Portalegre ficou ligado à circunscrição industrial polarizada Lisboa. Nos anos ’20, a 4.a CI incluía Portalegre, Évora e os concelhos do vale do Sado, mas Beja continuou ligado ao Algarve. A análise destas relações foi feita por Duarte Abecassis (1926).

34 Veja-se a respeito do desenvolvimento mineiro no Alentejo, durante a Regeneração, o nosso estudo (Guimarães-1996, 1989: 9-23) e também Fonseca-1996a.

35 Sobre os aspectos técnicos, relativos à exploração em São Domingos, veja-se Pedro Sequeira (1883), o estudo mais importante, e depois Cabral, Monteiro e Barata (1889: 63-95). No início deste século, temos o apontamento de Manuel Roldán (1908) com iconografia. Antes dele veja-se, entre outros, a descrição de José M. Leitão (1861). Mais recentemente, uma tentativa de síntese dos processos de lavra e um apontamento sobre a iconografia do lugar pode encontrar-se em J. Custódio (1996a e 1996b).

36 De acordo com os elementos do processo da mina no Arquivo do Instituto Geológico e Mineiro (proc. 11, pasta 1), Diogo (James) Mason frequentou a Escola de Minas de Paris, tendo obtido diploma em Química (especialidade importante no caso das pirites). Ele aparece como director de sociedades que operavam em Espanha e em Portugal, como a Peninsular Mining Company, a Iberia Mining Company e a Castilian Mining Company. Um apontamento biográfico encontra-se em J. Custódio (1996b:212-213).

37 V. as referências que lhe faz Ferreira Dias Jr. (1946:213)

38 V. processos no arquivo do Instituto Geológico e Mineiro da Serra da Caveira (proc. 21), Noroeste da Caveira (proc.1267), Lousal Velho (proc. 312), Lousal Novo (368), Lousal 2 (1084), Lousal 3 (1085), Sítio do Montado (1086) e Serro dos Arneirões (1107). Nos anos ’40 estas concessões passaram para a Mines et Industries, SA.

39 Noutro trabalho, mostrámos que esta “oferta” incidiu sobretudo em competências profissionais nos trabalhos de ofício existentes na região (Guimarães-2000:115-147).

40 Sobre a actividade do Serviço de Fomento Mineiro veja-se SERVIÇO DE FOMENTO MINEIRO (1990) e GUIMARÃES (1995 e 1999b).

41 Esta análise centra-se evidentemente nas pirites. Deixamos de lado as numerosas pequenas explorações de manganês, de ferro-manganês, bem como a lavra conjuntural das minas de ferro (como as do Escoural) e a breve exploração do jazigo de hulha de Santa Suzana (Alcácer do Sal).

42 Uma análise histórica sucinta dos processos de aproveitamento das pirites em Portugal encontra-se em Leal da Silva (1996).

43 Embora nos faltam alguns valores para os anos ’30, a curva da evolução da produção de ácido sulfúrico, ingrediente essencial para a produção de superfosfatos, é coerente com a descrição anterior (cf. Amaral-1993: 102, gráfico 15).

44 Segundo Leal da Silva, a fábrica arranca em 1857 com a constituição, pelo Crédito Móvel Português, da Sociedade Geral de Produtos Químicos, com sede em Lisboa (1996:247-248). A fábrica foi vendida em 1867 a Ferdinand Deligny e, em 1884, estava nas mãos da C.ia Real da Agricultura Portuguesa, mais tarde C.ia Promotora da Agricultura Portuguesa (sede em Lisboa). Em 1898, a fábrica estava arrendada a Henry Bachofen & C.ia, vindo a falir em 1914. Dificilmente se pode defender que a história da produção de adubos químicos em Portugal tenha iniciado com a C.U.F.

45 Sobre a “reorganização” da indústria química a partir de finais da década de 1960, bem como as relações entre os diferentes grupos de interesse na área industrial veja-se o texto de José Félix Ribeiro e outros (1987).

46 São ainda mal conhecidas entre nós estas redes comerciais internacionais. É interessante, a este respeito, o texto de Hess (2003) e os recentemente publicados sobre a Mundet em Filipe (2003).

47 Esta fábrica passou em 1938 para Pepe da Cruz Duque e depois para Ezequiel Correia.

48 Existem informações locais, na Azaruja, de industriais que atestam que a Armstrong teve uma fábrica de discos na povoação nos princípios do século XX. Tratava-se duma fábrica pequena e não encontrámos registos dela.

49 Veja-se, a este respeito, o testemunho duma filha de Harold Bucknall, grande negociante inglês estabelecido em Portugal, sobre o modus operandi neste mercado nas primeiras décadas do século: “Cork is a chance commodity. Its supply is regulated by nature, not by demand. A tree takes thirty years to reach maturity and only then is its bark ready to be stripped. From that time onwards, a nine-year cycle of stripping has to follow its course whatever the State of the market. Demand may fluctuate widely, soaring with the discovery of a new use and dropping with the invention substitute, but there is no such elasticity in production. So it followed that in some years there is not enough cork to go round, and in others that it piled up in the depots as the orders failed to come in. Prices went up and down like a barometer. Buying was a speculative business: so much depended on calculating the future antics of the market. Perhaps it was due to these conditions that cork merchants liked to cloak their dealings in an atmosphere of the deepest mystery and intrigue. No secret Service agent could have acted more surreptitiously than my father when he went “up country” to inspect a likely parcel of cork or to nose out the prospects of a big strip. All this movements had to be concealed from trade rivals (...)” (Baylis- [1998]: 28-29, itálicos nossos).

50 Testemunho desta alteração estratégica são os ficheiros do arquivo da Mundet (actualmente no Eco-Museu Municipal do Seixal), constituídos por largas centenas de milhares de fichas, onde eram registadas, anualmente, as produções de todas as propriedades, quantidades e valor de transacção, à escala nacional.

51 V. a este respeito, no arquivo do Ministério do Trabalho (Lisboa), os processos relativos a estas empresas.

52 Informação do sr. Zagallo (Estremoz), de acordo com a memória familiar.

53 Segundo a Comissão nomeada para o inquérito, G. Robinson negou-se “não só a preencher o questionário, mas até a dar quaisquer informações sobre a sua indústria” (Portugal-1891:IV,419). A comissão estimava que o número de trabalhadores seria o dobro dos que existiam em 1881.

54 ADRME/ Processo 1.136 da 4.a Circ. Industrial – Fábrica de cortiça, rolhas e aglomerados, classe XIII, grupo III. Alvará 11.777 de 23.3.1928 (D.G. 20, 2.a série, 23-4-1928). Ver também Proc. 1441 (RILEI 7/129), 7.a circunscrição industrial, classe 25, grupo 250. Sociedade Corticeira Robinson Bros. SARL (averb. 5.1.1962) – Fábrica de artefactos e de aglomerados de cortiça.

55 O processo arrastou-se durante anos, dada a relutância em enviar a planta do estabelecimento. Em 27 de Maio de 1927, o governo deu um prazo de 30 dias à empresa. Só depois o processo foi ultimado. Quando o chefe da 4.a circunscrição industrial pretende saber, dando cumprimento à ordem de serviço da Repartição Industrial, qual era a composição do capital da sociedade, a resposta foi simples e lacónica: a «firma em questão é uma sociedade particular formada em Inglaterra» (ofício de Portalegre, de 29 de Maio de 1931).

56 Um excelente guia fotográfico dos processos produtivos associados à cortiça encontra-se em Filipe (2001).

57 ADRME/ Processo 1.136: listagem no requerimento de 17de Agosto de 1925.

58 V. no processo o relatório na sequência da vistoria, datado de 19.Nov. 1937. V. tb ofício do director geral a 4.Fev. 1938.

59 Alvará 11.777, de 1 l.Fev.1940 no proc. cit.

60 V. requerimento de 7. Out. 1943 (proc. cit.), no qual se pede deferimento 6 máquinas de escolher rolhas e discos, 6 máquinas automáticas de polir topos de rolhas, 1 máquina de calibrar discos e 8 ventoinhas de pás duplas para transportes pneumáticos. Outro requerimento entra, na mesma data, para 1 torno mecânico, sugerindo tratar-se de equipamento para manutenção das máquinas instaladas. Por razões burocráticas, a autorização chegou apenas a 17 de Março de 1944.

61 O problema era não apenas a fuligem que provocava a pneumonicose como os maus cheiros. Veja-se também a campanha na imprensa local, A Voz de Portalegre, em Maio de 1946.

62 Por despacho de 7 de Maio de 1946 do sub-secretário de Estado da Indústria, a Robinson foi autorizada a instalar na fábrica de preparação de cortiça 3 trituradores de pedras, 5 laminadores, 1 guilhotina, 5 serras de fita para cortar aglomerados, 1 serra de recorte, 2 máquinas de serrote, 1 máquina de chanfrar, 1 lixadeira, 4 prensas, 15 brocas de pedal, 1 máquina de espaldar bias, 6 máquinas e rolhas a esmeril, 1 máquina de furar rolhas, 1 serra de rodear e 1 tupia simples.

63 V. ofício da gerência de 14/8/1953, no proc. cit. : “sem estarem devidamente determinadas as bases de essa concentração industrial, com certeza que, sob os dois aspectos, técnico e económico, a oportunidade não seria a melhor para materializar as determinações contidas no ofício de V. Ex.a, isto no caso de podermos realizá-las. Ousamos, por consequência, solicitar a suspensão de aquelas determinações até estar estudada, em todos os seus detalhes, a concentração industrial dos transformadores-aglomera-dores de cortiça. Evidentemente, esse estudo, submetido será à superior orientação da Direcção Geral dos Serviços Industriais que, com todo o entusiasmo dizemos, nos tem animado a prosseguir na execução dos nossos projectos”.

64 Datam dessa época alguns investimentos no domínio da higiene e segurança, como o projecto do novo ventilador Babcock (1955), que permitiria diminuir os problemas de poluição atmosférica, as cabinas de banho e mictórios, 90 armários individuais, a aparelhagem de captação de fuligem e a alteração da fachada do edifício das caldeiras. Em Abril de 1961, porém, o sistema de captação de fuligem, reclamado havia muitos anos, ainda não tinha sido implementado.

65 A escritura desta sociedade encontra-se no D. G., III série, de 6 Jan. 1960. Faziam parte do conselho de administração Tomás de Azevedo e Silva, Pedro Victor Pinto Vicente e o eng.° Cipriano Rebelo Caleia.

66 Ofício dirigido ao eng.° chefe da 7.a circ. Ind., Castelo Branco, em 1.12.1962 “no sentido de não permitir que se realizem as malévolas intenções daqueles que tudo procuram destruir, na ânsia desmedida de espalhar o mal e a miséria, criar o caos e reduzir a pó as obras que se impõem pelo seu valor material e espiritual”.

67 V. alvará 1.831 de 8-8-1923 no D.G., 189, 2.a série de 16-8-1923.

68 Em 1935 eram instaladas por autorização do ministro 12 máquinas de rabanear e 16 máquinas de broca para fazer rolhas, 4 caldeiras de cozer cortiça, 3 prensas e outro equipamento.

69 V. inquérito de 1949 (s.d.) no processo “Mundet & Cia. L.da.” no arquivo da DRME.

70 A estrutura do emprego era a seguinte: 3 empregados de escritório, 2 encarregados, 35 operários (homens), 33 mulheres, 4 ajudantes, 27 operários de outras categorias, sem serem «de indústria» e uma faxina.

71 De acordo com os elementos no processo, em 1967, a fábrica trabalhava o tempo indispensável para não perder os direitos de laboração. Sobre a conjuntura no início dos anos ’60 e as tentativas de condução do processo de reorganização industrial veja-se Silva (1965).

72 V. DRME/Processo (316) 6834 da 4.a circ. Industrial- Moagem de cereais (farinhas espoadas). Classe VIII grupo III. Horta do Cano, freguesia de Santa Maria, Beja. V. tb. processo 316 da 5.a circ. ind. (anexado a este). Fábrica de moagem de cereais da Sociedade Industrial Aliança. Requerimento entrado em 27-5-1923. Alvará 5820 de 14.Mar.1925 (DG 81, 2.a série, 7-4-1925)

73 Escritura da sociedade de venda da Horta do Cano (Beja) feita em Lisboa, em 11 de Outubro de 1918, no cartório de António Tavares de Carvalho. Eram sócios da Sociedade de Moagem Aliança L.da, os comerciantes e negociantes lisboetas Agapito Serra Fernandes, António Augusto Lacerda de Melo, António Francisco Ribeiro Ferreira, Carlos da Costa Marques, Carlos Machado Ribeiro Ferreira, Francisco Cruces Cortinhas, os industriais Domingos Alfredo Barros, António da Costa Faria, a família Alvarez e D. Maria Soares Rocha, proprietária da Cova da Piedade. Do Porto eram Artur de Lemos (comerciante) e Luís da Costa Faria (lavrador), Porto.

74 A decisão de formar nova sociedade é tomada em 27 de Dezembro de 1919, após ter sido rejeitada a proposta da firma José Henrique Totta & C.ia. para incorporar o activo e passivo da sociedade na C.ia Industrial de Portugal e Colónias.

75 V. escritura nesta data, no mesmo notário. Como grandes accionistas apareciam também os comerciantes e industriais José Maria Alvarez, Eugénio Alvarez, Manuel Rivera Duran (estes de Lisboa) e Ernesto Ferreira e Elísio Pereira do Valle (do Porto).

76 V. a este respeito, no processo citado, o atestado em como a sociedade de moagem tinha iniciado a construção em Beja, antes de 24.Abril de 1920, passado pela Fiscalização Técnica das Fábricas de Moagem e Panificação (Direcção Geral dos Serviços Agrícolas, Ministério da Agricultura, Lisboa). De acordo com o ofício do eng.° Fernando Vasconcelos, datado de 20 de Junho de 1922, o requerimento dera entrada nos serviços antes de 22 de Abril “e portanto dentro do prazo determinado no art.° 1 da portaria de 30 de Julho de 1909”. Veja-se também o decreto 8.361 de 1 de Setembro de 1922 que regulamenta o comércio de trigos e dos produtos das indústrias de moagem e panificação no continente.

77 V. ofício da empresa datado de 4.Mar.1927 (proc. cit.).

78 V. no ADE escritura de 3.8.1920 (notário eborense Pinto Bastos). Por escritura de 31.3.1921 (notário José Peres Noronha Galvão) aumentam o capital para 800.000$00. V. tb. registos em ACRP/C1 (1989-1960) e em ACRP/E1 (1989-1926).

79 Tal como José Maria Alvarez, Eugénio Alvarez, Manuel Alvarez y Rivera, Serafim Alvarez y Rivera, Manuel Rivera Alvarez, apareciam identificados como industriais residentes em Lisboa.

80 Escritura em 18-07-1925. Notário José Peres Noronha Galvão, Lisboa.

81 Publicado no D.G. III série, em 6. Jan. 1930.

82 “Memória descritiva da instalação da fábrica de Moagem da SAM, L.da. Fábrica dos Leões. Évora”, DRME/Processo 40 da 4.a C.I.- Panificação e moagem de cereais. Sociedade Alentejana de Moagem L.da. Leões, Évora, Alvará 1.916 de 31.Ago.1923 (D.G. II série, 206, em 5.9.1923: moagem de cereais e forno de padaria).

83 V. tb. DRME/Processo 2.927 (Rilei 4/361) da 4.a C.I. Sociedade Alentejana de Moagem L.da. Moagem de farinha espoada, fábrica de massas alimentícias. Alvará 23.153 de 28.Nov.1935

84 No início dos anos ’50, tínhamos nos Leões 11 empregados no escritório, 13 mestres, capatazes e encarregados 13, 20 operadores de máquinas 20, 6 trabalhadores nas cargas e descargas, 19 trabalhadores indiscriminados, 14 nos serviços auxiliares, 15 mulheres estendedeiras e mexedeiras e 10 empacotadeiras.

85 Os valores adiantados pela empresa são extraordinários, pois indicam que 25 kg de trigo eram transformados em 15,45 kg de farinha de primeira, 3,1 kg de farinha de segunda, 6 kg de farinha fina e 0,45 kg de superfina, ou, então, 20 kg trigo de trigo davam 7,95 de farinha de 1.a, 7,8 de farinha de 2.a, 0,55 kg de superfina, 3,55 fina e 0,105 kg grossa.

86 DRME/Proc. 2521 da 7.a CI (Rilei 4/4283)

87 A Sociedade de Moagens Sá, Santos & Silva, L.da foi fundada no Crato em 19-12-1917, com um capital de 27,5 contos. Faziam parte dela Efigénia de Castro Sá Nogueira, Lavínia de Castro Sá Nogueira, Alexandre de Castro Sá da Bandeira e Eugénia Pereira Sá da Bandeira. A 23-1-1919 esta sociedade passa a Sá & C.ia (escritura em Lisboa, cartório de José Cornélio da Silva).

88 15 das 42 sociedades presentes na União operavam no Alentejo. Eram elas a André L.da. (Grândola), a Branco, Silva e Simões, L.da (Coruche); A Elvense de Moagens a Vapor (Eivas), a Moagem e Electricidade, L.da (Estremoz), a José Mendes Calado, Filhos, L.da. (Alter do Chão); a Moagem Eborense, L.da (Évora); a Moagem e Electricidade (Arraiolos), a Pais & Varela, L.da. (Avis); Portalegre Industrial, L.da., a Rosado & Antunes (Alter do Chão); A Alentejana de Moagem L.da (Évora), A Industrial Alentejo e Sado, L.da. (Ermidas Sado); a Sociedade Industrial Ceres, L.da (Montemor), a Sociedade Industrial de Fronteira, L.da, a Sociedade Industrial de Moagens e Massas, A Alentejana, L.da (Vendas Novas).

89 Verbete de 19.Jun. 1922.Veja-se na DRME/ Processo 357 da 5.a circunscrição industrial-Metalúrgica Alentejana Mendonça & Cia. - Fundição e serralharia mecânica, com secções de fabrico de aparelhagem (para navios de pesca e outros, máquinas agrícolas e aparelhagens diversas para usos industriais). Classe IV, grupo III.

90 Os equipamentos instalados na origem eram: 2 tornos, 2 engenhos de furar, 2 fusos com 2 pedras de esmeril, 1 plaina e 1 forja. Havia, além disso, 1 forno de fundição.

91 O requerimento de 12 de Julho de 1923 solicita a instalação dumas “oficinas de fundição de peças miúdas de ferro e outros metais, serralharia mecânica e civil e forjas”. Nesta altura refere-se a existência de 1 gasogénio que usava carvão de sobro e antracite, 1 motor de combustão interna de c.v. a gaz pobre e 1 dínamo francês de 110 kw (para produzir luz eléctrica). Como equipamento é indicado: 3 tornos mecânicos, 1 serrote mecânico, 2 fornos de fundição, 4 forjas de peneiro, fornos de cadinhos, estufa de fundição e 13 máquinas de diverso tipo. V. DRME/Processo 6.835 da 4.a circunscrição industrial. Classe IV, grupo III. Estabelecimentos industriais Metalúrgica Alentejana L.da. Estrada da circunvalação ou Rua de Lisboa. S. Tiago Maior, Beja. Alvará 5727 de 14/3/1925, D.G. 83, II série, de 10/4/1925.

92 V. DRME, processo do Condicionamento Industrial 215. Autorizado em 18-4-1938.

93 V. DRME, proc. Cond. Industrial 1.318.

94 Segundo consta nos boletins estatísticos do processo, a Metalúrgica Alentejana produziu, em 1950, 4 trituradores de rações para gados, 3 britadeiras, 26 charruas; em 1951, 11 charruas e 3 britadeiras; em 1952, 12 charruas e 3 britadeiras; em 1953, 9 charruas e 3 britadeiras; em 1954, 22 charruas, 3 britadeiras e, 1000 bombas de rega e, em 1955, 2 charruas, 3 britadeiras, 1.000 bombas, 2 aparelhagens para estações elevatórias de água e de esgoto e 3 máquinas para lavar roupa (uso industrial).

95 Este fundo documental encontra-se depositado no Arquivo Distrital de Beja. Uma primeira descrição foi feita por Sofia Mascarenhas Diniz (2002). Em 33 de Dezembro de 1958, esta empresa deu lugar à EIMA-Estabelecimentos Industriais Metalúrgica Alentejana, constituída com um capital de 2 mil contos por Carlos Roeder, Augusto C. Oliveira e outros, com sede em Beja (D.G., III, 13, 16-1-1959). Em 1964, a EIMA passou a SARL. Em 1965 o seu capital era de 7.500 contos (D.G., III, 17, 21-1-1965).

96 Ver na DRME, proc. 2.557 da 7.a C.I. (Rilei 7/3481)

97 O estabelecimento do Crato estava equipado com 1 gasogénio a gaz pobre que usava como combustível o carvão vegetal; 1 motor de combustão interna com 45-50 cv, alemão; 1 dínamo de 6 kw (AEG); 4 tornos mecânicos; 2 fornos de fundição eléctrica; 2 fornos de fundição de outros metais, para além de outros instrumentos.

98 V. escritura no D.G., III série, 104, 5.Maio. 1948. Da sociedade faziam parte Pedro Elias da Silva, António Dias Rosa, António, Carlos e Joaquim Firmino Costa Pinto, Miguel Francisco Ludovico, Maria Joana Castelo Branco e Ricardo A. Lourenço.

99 A nova ampliação das instalações foi autorizada por despacho ministerial de 20. Out. 1953 (v. Bol. Dir. Ger. Serviços Industriais).

100 Despacho ministerial de 3-12-1956 (V. Bol. Dir. Serv. Ind.)

101 “A distribuição da indústria dos lanifícios estava já desde os séculos anteriores relacionada com a circulação dos rebanhos em regime de transumância. As possibilidades de circulação da matéria prima permitiram que a implantação da indústria dos lanifícios não estivesse dependente da capacidade de produção local da matéria prima. Daí que, como Jorge Pedreira constatou, não houvesse “uma correlação entre a lã produzida e o número de teares nas diferentes povoações”.” (Matos-1997: 344).

102 Inquérito Industrial de 1881, III parte, pp.46-49. Sobre a fábrica v. tb. Matos, 1990 e 1998.

103 Entre estas estava a fábrica de Manuel Jesus Costa, fundada em 1856, que trabalhava com lã portuguesa e espanhola e empregava 6 trabalhadores. Em 1862 estabelece uma moagem de farinhas, depois, de massas e azeite. Todo o conjunto era movido por uma máquina a vapor de 20 c.v. (Portugal, 1882a, III parte).

104 Ainda em meados da década de 1860, Fradesso da Silveira escrevia: “O trabalho manual, e por assim dizer primitivo, existe em Reguengos, São Miguel de Machede, Redondo, Montemor, Arraiolos, Portei e Igrejinhas, no distrito de Évora; em todos os concelhos do distrito de Beja; em alguns, que pouco produzem, nos distritos de Portalegre, Lisboa, Guarda, Porto e Castelo Branco; nos concelhos de Melgaço, Arcos, Viana, e Ponte de Lima, no distrito de Viana do Castelo; nos concelhos de Mação e Tomar, do distrito de Santarém; nos de Monchique, Tavira, Silves, Aljezur, Faro, Alcoutim, Vila do Bispo e Castro Marim, no distrito de Faro; em Minde e Abelheira... O trabalho mecânico, com os métodos mais ou menos aperfeiçoados da industria fabril, propriamente dita, nota-se nos distritos de Lisboa, Porto, Castelo Branco, Portalegre e Guarda.” (Silveira-1864:40-41)

105 Veja-se a notícia em Indústria Portuguesa, ano 5, 54, Agosto de 1932, pp.29-38. O problema era antigo. Veja-se também a «representação do comércio de Évora» ao governo a propósito da mudança dos fardamentos do exército, em 9 de Agosto de 1891, no qual se toma posição em defesa das lãs nacionais. Argumentando-se com o patriotismo e com o crescente desequilíbrio financeiro afirmava-se que «hoje só produzimos lãs pretas de qualidade...». A comissão era composta por Manuel Duarte de Almeida, Sebastião Annes e Braz Simões vai a Lisboa (14.Ago.1891), Diário do Alentejo, V, 1.441, 05-08-1891

106 J. Miranda do Vale no Congresso de leitaria, olivicultura e indústria do azeite, em 1905, defendia que “o gado lanar vive [entre nós] num completo abandono”. A fome e o frio a que os animais estavam sujeitos provocavam nos animais “acanhada corporatura e o tardio desenvolvimento. Daí vem também a má qualidade dos velos, cujas diferenças de grossura no mesmo pêlo, indicativos de sucessivas fases de fartura e de penúria, tornam a lã quebradiça e de má qualidade”. cit. por C. Mello (1907: 23/4).

107 Este segundo processo, actualmente depositado na D.R.M.E. (Évora), teve lugar porque o alvará da fábrica se tinha extraviado. V. Fábrica de Lanifícios de Portalegre L.da. Alvará 4.888 de 29-10-1924 (D.G. 269, 2.a série, 15-11-1924)

108 Sobre estes conceitos v. o texto de Miriam H. Pereira “Diversidade e crescimento industrial” (Pereira-2001:4l-67).

109 Em sentido diferente foi a Covilhã e Castanheira de Pêra (cf. Pereira-2001). Uma leitura imediata encontra, na estrutura integrada de Portalegre, um factor de limitação ao crescimento. Pela nossa parte, a questão essencial encontra-se na relação deste espaço industrial com os mercados de matérias-primas (lãs), força de trabalho (preços e qualidade) e a posição geográfica (vs. custos de transporte e de informação) face aos principais mercados de consumo. Neste sentido, Castanheira de Pêra constitui um bom caso para um estudo comparativo, já que os principais factores de dinamismo parecem ter residido na acção das suas elites, nas disponibilidades de água e custos de mão-de-obra. Vale a pena consultar, a este respeito, os apontamentos de Kalidás Barreto (1989 e 2000) e “As fábricas de lanifícios de Castanheira de Pêra”, colecção de materiais publicados por nós em 1999 na Web e disponível no endereço http://www.terravista.pt/ancora/3978/.

110 V. Estatutos da Fábrica de Lanifícios de Portalegre, Lisboa, 1930, 8 pp. O capital poderia ser elevado até 10 mil contos.

111 Despacho de 14. Jun.1933 do Ministro da Economia. O valor pedido foi exagerado pois, no ano seguinte, seria instalada uma secção para 22 toneladas somente.

112 Escritura feita em Portalegre em 23.12.1939 (notário Forjaz de Sampaio)

113 Requerimento de 8. Jan,1955 dirigido à 7.a CI (D.R.M.E, Proc. cit.).

114 D.R.M.E. (Évora), Proc. 1345 da 7.a C.I. (Rilei 4/4600): Tapetes de Portalegre, Limitada. O requerimento é feito ao abrigo da Lei 1.956, estando a iniciativa autorizada por despacho governamental de 28 de Junho de 1948.

115 Requerimento de 7 de Julho de 1952, proc. cit.

116 Segundo declarações do industrial na folha de inquérito dos serviços, em 1954 (proc. cit.)

Table des illustrations

Titre Figura 3.1 – Actividade de registo na 4.a CI (variação mensal)
Légende Fontes: ADRME/RTN (1922-1952): livros 1-12
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre Tabela 3.2 – Variação anual da actividade de registo na área da 4.a CI e processos transitados para o Ministério da Agricultura (1922-1951)
Légende Fonte: ADRME/RTN (1922-1952): livros 1-12
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Figura 3.2. (I). Distribuição do número de registos de actividades industriais pela data de fundação declarada e pela data calculada
Légende Legenda: Fund. Data de fundação expressa: Fund (calc). Data de fundação estimada a partir da data de registo (v. texto),Fonte: ADRME/RTN (1922-1952), livros 1-12.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Figura 3.2. (II) Distribuição dos registos industriais e do emprego industrial aparente pela data de fundação dos estabelecimentos (1922-1951)
Légende Legenda: Actividades-número de unidades registadas; Operários-número de trabalhadores de ambos os sexos registados nas actividades.Fontes: ADRME/RTM (1922-1952), livros 1-12 (cálculos nossos).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Tabela 3.3 – Número de estabelecimentos ou de actividades registadas e número de trabalhadores segundo a data de início da actividade estimada na área da 43 CI
Légende Fonte: ADRME/RTN (1922-1952): livros 1-12 (cálculos nossos)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Tabela 3.5 – Distribuição das actividades registadas na 4.a CI pelo volume de emprego declarado, segundo as datas de início de laboração estimadas em diferentes épocas
Légende Fonte: ADRME/RTN (1922-1952): livros 1-12
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Tabela 3.6 – Distribuição das actividades registadas na 4.a CI pelo volume de emprego declarado, segundo as datas de início de laboração estimadas em diferentes épocas (valores relativos)
Légende Fonte: tabela 3.5.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Figura 3.3. Duração das actividades registadas na 4.a Cl e volume de emprego
Légende Legenda: Num Act. Número de actividades registadas; Trab. Número de trabalhadores.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre Figura 3.4 – Evolução do número de cancelamentos de licenças industriais e do volume emprego eliminado na 4.a CI, nas actividades registadas no período 1921-1951
Légende Legenda: Num. Número de actividades canceladas; Trab. Número de trabalhadores efectivos de ambos os sexos eliminados nessas actividades.Fonte: RTN (cálculos nossos). Tabela em apêndice.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figura 3.5 – Saldo líquido de actividades licenciadas e do emprego industrial nos registos efectuados na 4.a Cl no período 1921-1952
Légende Legenda: SFNum. “Saldo fisiológico” das actividades registadas: SFTrab. Saldo fisiológico do emprego industrialFonte: RTN (cálculos nossos)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Figura 3.6 – Valor acumulado das actividades licenciadas e do emprego industrial
Légende Fontes e legenda: v. figura 3.5.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Tabela 3.8 – Maiores empresas no Alentejo em 1925
Légende (*) Não foram contabilizadas as locomotivas usadas no transporte de minério; n.d.: valores não disponíveis.Fontes: ADRME/RTN (1922-1952), Boletim de Minis (1925,1930).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 320k
Titre Tabela 3.9 – Produções das minas da faixa piritosa alentejana e seu destino, 1938
Légende Fonte: Boletim de Minas (1938).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Figura 3.7 – Minas de Aljustrel e São Domingos. Organograma da organização do trabalho
Légende Fonte: Guimarães-2000:363.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Figura 3.8. Francisco Fino L.da. (Fábrica de Lanifícios de Portalegre) Projecto de ampliação e remodelação nos anos ’50
Légende Fonte: D.R.M.E (Évora), Proc. 2817 da 7.a Cl (Mar.1956)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 412k
Titre Tabela 3.12 – As fábricas de lanifícios de Portalegre em 1881 e em 1923
Légende Fonte: Arq. M.O.P. (Lisboa), Documentos do Inquérito Industrial de 1881; Arq. D.R.M.E. (Évora)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 252k
Titre Tabela 3.14 – Indústrias têxteis no Alentejo em 1957
Légende Legenda: EST. Estabelecimentos: ACT. Activos (operários e empregados);DTM. Dias de trabalho em média por indivíduo em actividade; DSP. Despesas (inclui salários): CF. Capital fixo (inclui bens de equipamento): BE. Bens de equipamento: s. s. valor sem significado estatístico ou desconhecido.Fonte: Inquérito Industrial (1957). Valores em contos de 1957.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5706/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 74k

© Publicações do Cidehus, 2006

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search