Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Ler em grupo

 | 
Cláudia Sousa Pereira

A Fechar

Texte intégral

1Enviar a mensagem de exaltação do amor e do casamento a um leitor muito específico – D. Sebastião – e a outro mais generalizado – os jovens –, foi o objectivo que fomos lendo nas entrelinhas do Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda. Mas enviar essa mensagem de uma forma subentendida, disfarçada numa obra repleta de proezas guerreiras, justas e batalhas, parece não ter surtido, no primeiro destinatário, os seus efeitos.

2O amor tem lugar central nas aventuras dos cavaleiros da Segunda Távola Redonda, tal como o casamento o tem na monarquia e na segurança da nacionalidade, pelo que sobre eles, amor e casamento, Ferreira de Vasconcelos escreve, em forma de ficção, de sentença, “suspiro” poético e, afinal, até de texto historiográfico. Confrontar o Memorial com a realidade do assunto matrimonial de D. Sebastião foi o caminho que encontrámos para esclarecer na obra a sua “matéria negra” que, injustamente, vimos sendo menosprezada ou ignorada pela maioria dos autores que à obra se refere. Apanhado na torrente do profetismo milenarista, o Memorial foi arrastado no conjunto das acções que trivializaram o mito do Encoberto e descobriram em D. Sebastião o símbolo desse arquétipo. Mas este livro é muito mais do que isto.

3Não podendo ser considerada, pelas restrições do género, como uma novela sentimental, o Memorial obra tardia (e aparentemente só) da bibliografia de Ferreira de Vasconcelos vê, com a leitura e interpretação que dela fizemos, o que julgamos ser o seu verdadeiro valor recuperado. O Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda é uma obra que prima pela subtil actualização através da ficção de correntes de pensamento expressos em tratados de grandes pensadores do humanismo renascentista. O estilo, não sendo inovador no tom, e seguindo de perto os modelos medievais, não traz novidade ao género, mas o entrelaçar das aventuras numa trama de capítulos que acaba mesmo por trair o seu autor – referimo-nos à troca de capítulos na história de Brisam e Floresinda – revelam a enorme capacidade de compor uma tão grande quantidade de situações detalhadamente narradas, e um variadíssimo painel de figuras, cujas caracterizações vão sendo conseguidas através das próprias acções, para assim prender os leitores fieis ao género.

4Assim é que Lucidardos, para quem a descoberta da mulher, após inúmeros feitos que justificariam no romance medieval a sua “posse”, abriu uma possibilidade de vida sem solução imediata: não passando pelo casamento, ou semelhante ligação, a convivência com Celidónia não promete nada mais do que uma nova errância, desta feita em busca do novo conhecimento que a sociedade cristã promete à heroína maometana, e em que o cavaleiro será uma espécie de guia. Com a abrupta interrupção das aventuras do par Lucidardos/Celidónia e da Segunda Távola Redonda, para se dar lugar à descrição de uma encenação do espectáculo que foi o torneio de Xabregas, poder-se-á concluir que a visão profética do dito torneio em nada vaticina a glória do povo lusitano.

5Seguindo a linha de análise de Massaud Moisés, o torneio de Xabregas teria como função na narrativa o aportuguesamento da matéria cavaleiresca, tornando-a mais verosímil com a referência a um facto real histórico. É um recurso que faz parte do género dos livros portugueses de cavalarias do século XVI, o trazer a acção para espaço luso e a utilização da visão como meio dessa transposição, moda a que Ferreira de Vasconcelos não terá querido fugir, realçando o aspecto de documento interessante para o estudo dos costumes lúdicos no tempo de D. João III.

6Sem deixarmos de considerar a obra um espelho de príncipes, julgamos que o autor a dedica sobretudo, quase exaustivamente, à educação sentimental de um futuro monarca, descendente de um príncipe que não chegou a ser rei, mas que soube amar como um verdadeiro e nobre cavaleiro, devendo, como tal, ser tomado para exemplo.

7O que nos importou na interpretação que fizemos do Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda foi o conseguirmos pôr “a descoberto” na obra a sua existência mais obscura. O que nos levou a procurar no texto o “não-dito”, ou seja o que a obra revela, no sentido etimológico do verbo, e que lhe confere, na nossa opinião, um dos motivos da sua importância no panorama literário e cultural português. Esperemos que este trabalho, que agora encerramos, tenha conseguido fazer justiça a uma obra que é ainda ofuscada pela congénere de João de Barros. Nela, a arte do autor faz com que através de histórias de cavalarias, e com a explícita marca histórica do torneio de Xabregas, se encontre a expressão adequada para a constituição de um texto tão recheado de pequenos episódios, e que escolhemos apelidar de “exemplário amoroso” em trabalho anterior.

8O Memorial é um texto que pode funcionar como sugestão a um jovem que tenha hábitos de leitura e que apenas precise de um “empurrão” para entrar no mundo dos “textos antigos”. Complicado, cheio de ligações que facilmente se perdem e dificilmente se retomam, as aventuras destes cavaleiros parecem reunir num só volume vários livros que uma série juvenil actual, das quais Harry Potter passou a ser o paradigma mais conhecido dos finais do século XX inícios do XXI, tornando-se como tal este clássico quinhentista um caso exemplar sobre o qual poderá recair com sucesso a acção de mediação da leitura com público de jovens.

9Parece ser já ponto assente entre quem estuda o fenómeno da leitura, quer do ponto de vista teórico, quer em práticas quotidianas ligadas ao Ensino e à Educação, que o acto de ler pode ter níveis de profundidade diferentes, objectivos vários, usos plurais. Ler é hoje muito mais do que soletrar palavras dentro de frases dentro de textos. Ler é também interpretar e por isso lemos imagens, mensagens subliminares, gestos, expressões, estrelas, palmas da mão... De todas essa leituras, o chegar à compreensão da mensagem que lemos pode levar-nos a conhecer mais, mas também a discordar, a acrescentar, a meditar. E o objecto lido ganha, com cada leitura, sentidos que se vão acumulando e criando dentro de si tensões que, muitas vezes, determinam a vida desse objecto.

10Na sociedade de consumo em que vivemos, a gestão do capital levou a que meios mais funcionais e rentáveis fossem utilizados por quem quer que a sua produção tenha o maior número de consumidores possível. Estratégias de várias sortes e artes vão nascendo todo o dia, revelando uma criatividade que julgávamos estar confinada aos que viam na arte um fim em si mesma, e que passaram a ser todos aqueles que através de discursos, textuais e não só, promovem “coisas” e “ideias” que podem ser adquiridas por outros. Trata-se de vender um produto de maneira a que a satisfação de quem o compra seja o lucro de quem o vende. A esta consciência de que entre o objecto e o seu consumidor não há uma ligação directa, chegou-se com o aparecimento de múltiplos objectos com características semelhantes que inundaram os mercados e cuja sobrevivência, para além das identidades/qualidades próprias de cada um dos objectos, vai depender dos discursos que as tornam mais apetecíveis aos seus consumidores. Ora estas complicações que gestores e economistas tratam de explicar servem-nos bem para ponderarmos o lugar necessário da mediação da leitura na actualidade.

11Saber ler, como vimos, não chega para sermos “alguém na vida”. No seu Dicionário do Século XXI, o economista e escritor Jacques Attali perspectiva, com algum humor, o futuro da literatura e do livro. Dizem assim as entradas para Literatura e Livro:

«Literatura. Reflexo do século em que se inscreve, a literatura dará conta do nomadismo e oferecerá ao nómada o espectáculo de um sedentarismo virtual.
A partir da sua invenção, a epopeia e depois o romance permitiram ao sedentário ultrapassar a sua imobilidade forçada através de uma viagem por procuração, com a Odisseia, as canções de gesta, D. Quixote, Robinson Crusoé ou MobyDick.
Amanhã, ao invés, o romance oferecerá ao novo nómada o espectáculo de um enraizamento esquecido.(...)
Livro. Primeiro objecto nómada. Nos nossos dias, mais de mil milhões de indivíduos lêem pelo menos uma obra literária durante a sua vida. Daqui a cinquenta anos, serão já pelo menos três mil milhões. Por esta razão, o livro permanecerá um objecto insubstituível. A sua comodidade de leitura, a possibilidade de o compulsar, a qualidade e a luminosidade do papel permanecerão, durante muito tempo, vantagens sem rival. O seu custo baixará maciçamente. (...)
O editor permanecerá responsável pela escolha de manuscritos, mantendo-se na origem de projectos, companheiro de percurso dos criadores e promotor de obras. E o livreiro continuará a ser insubstituível conselheiro de um leitor navegando num catálogo, numa loja ou numa biblioteca pública.» (ATTALI, 1999)

12As bibliotecas são lugares que a nós, leitores compulsivos e muito faladores sobre as nossas leituras, nos fascinam. A moderna biblioteca pública ou escolar é um lugar onde encontramos paz e sossego para as nossas leituras individuais, ao nosso próprio ritmo, com o nosso tempo próprio. Mas são também lugares onde grupos de leitura, apresentações de livros, encontros com escritores, textos e outros leitores nos dão essa tão desejada dimensão social da leitura. E essa a dimensão que faz subir níveis de literacia porque traz para a ribalta uma actividade tantas vezes e tão facilmente substituída por outras actividades de ócio.

  • 1 «O sucesso dos livros de cavalarias portugueses ao longo do século XVI e inícios do XVII é um dado (...)

13Partiu-se também do princípio, com a recente vaga de incentivos ao livro e à leitura, de que o prazer da leitura literária não conhece dificuldades, acrescidas no seu início, privando os leitores da satisfação de vencer leituras consideradas difíceis e que permitem ao jovem aceder ao nível seguinte da sua própria maturidade intelectual. Também por estas razões escolhemos dar a conhecer a nossa leitura desta obra. Transformar leitores em best-readers passará muito por dar-lhes a conhecer com alguma profundidade os best-sellers da História1.

14Mas a promoção do gosto e do hábito de leitura, da discussão e da opinião sobre livros é tarefa a ser partilhada por muitos. Desde já, enquanto investigadores e académicos, temos consciente a urgência da extensão à restante comunidade que pede e necessita actualizações do seu saber. Estar a par de trabalhos, mesmo dentro de áreas específicas e dirigidas a públicos especializados, através de estudos que se vão realizando e que se devem apresentar em suportes e linguagens acessíveis a essa comunidade é uma obrigação que quase diríamos cívica. Partilhar o trabalho de investigação, dando o que nos pareceu mais útil aos outros, foi o que nos levou a publicar este livro. Mas, mesmo um caso tão específico como este do Memorial que abordámos, pode ainda ser trabalhado por outros. Não faltaria, por exemplo, uma boa adaptação destas aventuras em linguagem mais actual e não menos literária, por exemplo? E imagine-se o manancial que cada uma destas aventuras poderá representar para quem é contador de histórias de ofício e arte? Por ser um “livro maçador” que apenas interessou meia-dúzia de investigadores na Península Ibérica, que teve uma reedição em 1998 patrocinada pelo Instituto Português do Livro e das Bibliotecas, numa colecção intitulada Obras Clássicas da Literatura Portuguesa, deverá permanecer nas prateleiras de outra meia-dúzia de eruditos?

15Importa tirar estes clássicos do pó dos livros e, mesmo quando o circuito institucional do sistema de ensino os não leva para as mãos dos cidadãos, propor-lhes outras metodologias de leitura em que a consciência da dificuldade não leve à inércia promotora de incultura.

16A exaltação do prazer da leitura resultou nos tempos que vêm correndo numa desorientação da leitura. O facto de se partir do princípio, a nosso ver errado, de que muito cedo os jovens devem ser autónomos até nas suas escolhas para leitura, veio ajudar à proliferação de monótonas publicações em que modelos se repetem de língua para língua, de editora para editora, de estante para estante. Obviamente deixados ao seu próprio abandono, retirou-se-lhes a hipótese de lhes dar a conhecer a variedade para que pudessem escolher e diversificar os seus gostos. Porque importa não só ler mais, mas também ler melhor. A promoção da leitura pelas instituições que, por dever de cidadania e compromisso social o podem fazer, deve ajudar precisamente a melhorar as competências leitoras, incrementando o aprofundar do acto de ler e, para além de formar mais leitores, formar mais e melhores leitores de literatura.

Notes

1 «O sucesso dos livros de cavalarias portugueses ao longo do século XVI e inícios do XVII é um dado mais que evidente. Da publicação em 1522 da Crónica do Imperador Clarimundo donde os reis de Portugal descendem (Lisboa, Germão Galharde), do historiador João de Barros, até à reedição da Terceira e Quartaparte da Chrónica de Palmeirim de Inglaterra na qual se tratam as grandes cavallerias de seu filho o príncipe dom Duardos Segundo (Lisboa, Jorge Rodrigues, 1604), de Diogo Fernandes, este género conta em terras portuguesas cerca de vinte e cinco edições, cifra nada desdenhável do ponto de vista da recepção, que se vê incrementada pelas dezenas de manuscritos cavaleirescos conhecidos na actualidade, os quais deixam supor uma persistência do gosto por este tipo de literatura até bem entrado o século XVII, ou ainda princípios do XVIII.» (DIAZ-TOLEDO, 2006:233), afirma Aurélio Vargas.

© Publicações do Cidehus, 2009

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr