Versión clásicaVersión móvil
OpenEdition Books

Ler em grupo

 | 
Cláudia Sousa Pereira

Planear a Actividade

Texto completo

1Feita a nossa leitura da obra, com sugestões pontuais sobre a discussão a suscitar em cada passo ou reunião de/sobre a leitura da obra pelo grupo, importa agora e ainda sugerir a planificação do trabalho, num momento mais prático. Organizámos, por isso, uma espécie de guião por etapas que, não seguindo nenhum tipo de legislação, programa ou documento orientador emanado de algum órgão de gestão escolar, nos parece seguir as regras do bom senso na planificação e organização de uma actividade deste tipo. Começamos pelos passos a seguir, para depois fazermos as sugestões de apresentação do projecto da actividade.

• Passo 1: escolher a equipa de responsáveis pela actividade

2Mesmo quando se tem o cargo de responsável pela Biblioteca Escolar (BE) de um estabelecimento de ensino é ainda, e infelizmente, uma realidade que os detentores desses cargos realizam uma série de tarefas que podem ser tão pesadas como seja a própria actividade lectiva. Importa que, caso seja esta a situação, mais do que um dos membros da equipa da BE possam estar envolvidos na actividade e a acompanhem.

3Acompanhar a actividade implica ter lido a obra e ter preparado as sessões com o grupo de jovens leitores, mesmo que não se esteja “destacado” para acompanhar a totalidade das sessões e se sirva só como suplente.

4As BE por muitos recursos tecnológicos que possuam contam ainda com o material mais caro que existe no mercado: as pessoas. E nada mais desagradável para o grupo de jovens que está muito empenhado em levar esta actividade com um bom ritmo, ou para o grupo de jovens que não está assim tão interessado à partida e precisa de muito trabalho de motivação, do que, caso falte o orientador/mediador do grupo, ter à sua frente alguém que desconhece o trabalho em curso.

• Passo 2: fazer a proposta à escola

5Esta é uma actividade que implica diferentes mobilizações: dinheiro para aquisição de fundo documental, ou seja diversos exemplares do Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda; a conjugação com os docentes responsáveis por áreas curriculares não disciplinares ou, caso haja corajosos, com professores de Língua e Literatura Portuguesa ou de História; os horários dessas áreas para as diferentes turmas e os horários da BE; e, finalmente, a mobilização de alunos leitores.

6Esta “polimobilização” será sempre facilitada se a actividade for apresentada de forma consistente, assegurando tratar-se de um projecto que pode e deve ter continuidade, quer com esta obra em particular, quer com outra obras com os mesmos grupos, quer com a mesma obra e com outros grupos, em anos lectivos posteriores. A actividade de Grupo de Leitura começaria assim a integrar a BE no funcionamento geral da escola, interagindo directamente com as actividades curriculares. Deixaria de ser um extra, com carácter mais informal e consequentemente mais instável, para se tornar em mais uma proposta a enriquecer a oferta formativa de uma escola.

• Passo 3: divulgar a actividade

7A actividade deve ter uma apresentação atempada às diferentes entidades: no momento de planificação do ano lectivo; na fase de execução dos horários dos docentes interessados em que alguns dos seus alunos participem na actividade; no início das actividades lectivas aos alunos e encarregados de educação.

8Não é de descartar a hipótese de divulgar a actividade com cartazes na escola, e dela dar conhecimento aos serviços autárquicos, eventualmente interessados nas questões da promoção da leitura.

• Passo 4: manter a actividade

9Ao longo do calendário escolar poderemos guardar 12 sessões para esta actividade. Partindo do princípio de que haverá apenas lugar para uma sessão de 90 minutos por semana, a actividade deve decorrer durante um dos períodos mais longos do calendário escolar daquele ano lectivo.

10A actividade deve ser mesmo regular, respeitando em cada sessão a tarefa de leitura marcada. O atraso de algum dos membros do grupo não deve impedir quem cumpre de fazer o programado.

11Sendo uma actividade articulada com uma área curricular, ou mesmo uma disciplina, os professores dessas disciplinas ou áreas devem estar a par da actividade com informação dada pelo mediador do grupo. Os alunos têm de sentir que esta é uma actividade a sério, tão creditada em termos de avaliação como as outras, com a diferença de que será, à partida opcional, pois outra parte da turma poderá não estar nela envolvida ao mesmo tempo.

• Passo 5: relatar e avaliar a actividade

12O mediador responsável pela actividade deve fazer no final da actividade um relatório e uma avaliação da actividade, incluindo mesmo um questionário aos alunos sobre o seu funcionamento e o interesse que esta lhes despertou.

13Deste relatório e avaliação surgirão propostas e possíveis alterações a fazer ao repetir-se a actividade.

Apresentação do projecto

14É importante que o projecto se apresente com objectivos, metodologias, cronograma e recursos necessários bem explícitos. Assim sendo, é sobre os dois primeiro destes itens que nos deteremos um pouco, pois os outros dois dependerão muito de cada caso. No entanto, fique claro que um grupo não deverá ter mais do que 10 alunos, pelo que serão necessários sempre 10 exemplares da obra de leitura.

Objectivos

15Importa realçar que a actividade se baseia numa proposta de trabalho que vai ao encontro de uma aprendizagem baseada em projectos. Conforme documento disponível no site do Ministério da Educação, e elaborado a partir de um texto do Buck Institute of Education, há todo o interesse na nossa classe governante ocupada com a educação, em desenvolver projectos desta natureza. Veja-se um excerto do documento:

«A Aprendizagem Baseada em Projectos é um modelo inovador de ensino e aprendizagem. Incide sobre os conceitos e princípios de uma disciplina, envolve os alunos em actividades de pesquisa para resolução de problemas e outras tarefas relevantes, permite aos alunos trabalhar autonomamente para construir o seu próprio saber, e culmina em produtos concretos. As características definidoras da Aprendizagem Baseada em Projectos incluem conteúdo, condições, actividades e resultados.»

16Por muito conotado com as ciências duras e as tecnologias que este tipo de proposta possa parecer, não vemos por que não utilizá-la na área das chamadas Letras. Ler melhor implica ter uma compreensão leitora que permite uma descodificação melhor de textos, um melhor entendimento dos sentidos que nele se encerram e se cruzam. Ler literatura pressupõe uma competência específica que também se adquire com mais prática de leitura literária orientada que, no limite, torna apto um leitor para qualquer texto que seja um desafio por qualquer razão: distância no tempo, distância cultural, linguagem que quebra com paradigmas literários instalados, etc., etc.

17A proposta, neste projecto de actividade, é clara: ler um livro de cavalarias do século XVI, com todas as implicações teórico-literárias e linguísticas daí decorrentes, discutindo concepções do mundo diferentes, relacionando-as com um passado ocidental que assume especial importância no devir da história nacional.

  • 1 Leia-se o livro de Steven Johnson, Tudo o que é mau faz bem.

18Chegar ao fim de um livro como o Memorial deverá equivaler para um jovem chegar ao fim de uma aventura jogada num qualquer bom jogo electrónico que tanto prende os adolescentes. E, deixem-nos que vos diga, também esta última tarefa pode ser árdua1. Implica persistência, concentração, trabalho, resumindo.

19Por outro lado, esta actividade promove o espaço da BE como espaço de trabalho em torno da própria leitura, como se se reflectisse sobre o próprio acto que revela uma das razões de ser de uma biblioteca: para além de espaço de conservação de documentos, a biblioteca deve ser também uma casa em que se (con)vive com os livros. Espaço social que se torna, pelo uso, espaço quase familiar, usado por uma comunidade que vai criando entre si laços de afinidades leitoras.

20Com uma proposta deste género, professores, alunos (e por que não encarregados de educação, para os professores-bibliotecários mais arrojados), reúnem-se na escola, no espaço privilegiado que deve ser o da BE.

  • 2 Leia-se «La biblioteca escolar: espacio real y espacio simbólico» por Maria Jessús Illescas Núñez (...)

21Segundo Umberto Eco, a biblioteca de Dom Quixote, por sinal um leitor obsessivo de livros de cavalarias, foi “um lugar do qual se sai para nos aventurarmos na vida”. Por outro lado, da célebre biblioteca de Babel, retratada por Borges, não se sai. Dom Quixote quis que “o universo fosse a sua biblioteca”; Borges quis “que a sua biblioteca fosse o universo”. Mas as bibliotecas de Dom Quixote e de Borges são a mesma biblioteca: espaço simbólico – encruzilhada de caminhos ou labirinto – que traçam uma via de duas direcções. Até ao exterior e até nós próprios, e falam de superação e crescimento individual2. Assim deve ser também a BE.

22Resumindo: a actividade deve ser apresentada como um projecto conjunto, de parceria – áreas curriculares não disciplinares e/ou disciplinas de Português e/ou História – , que promove o desenvolvimento em forma de actividade concreta – a constituição do grupo de leitura, afim das tão valorizadas “comunidades de leitores” – por parte de alunos das áreas das Humanidades e Literaturas, sempre menos participativos em actividades de grupo com resultados palpáveis (apesar das exposições biobibliográficas, das dramatizações ou dos concursos literários, sempre mais individuais) e envolvendo a utilização do espaço da BE, dando-lhe um papel activo e mais relevante na vida dos alunos, devolvendo-lhe a actividade primordial da leitura, maioritariamente substituída na vida das actuais BE pelo recurso aos computadores.

Metodologias

23Parece-nos de muita importância demonstrar que a actividade, apesar de à primeira vista poder parecer uma reunião informal em que apenas se trocam impressões sobre um livro, se constitua e se apresente com alguma orientação, muito embora permitindo a flexibilidade que as circunstâncias (várias pessoas diferentes que discutem temas subjectivos) impõem.

24Assim, convém explicitar-se desde o início o modo de funcionamento da actividade, o que também só agora aqui fazemos nós. Partindo dos princípios básicos, alguns dos quais fomos enumerando no final de cada um dos capítulos anteriores, vamos começar por listar algumas regras, para depois propormos um guião das sessões.

Regras básicas:

  1. A actividade pressupõe assiduidade e participação activa;
  2. Pede-se o cumprimento rigoroso das tarefas agendadas para cada elemento do grupo e para cada sessão; o mediador deve estar preparado para que numa imprevista falta de algum dos membros com tarefa agendada o possa substituir;
  3. Todas as opiniões devem ser ouvidas, respeitando-se o tempo de intervenção de cada um;
  4. Não monopolizar as discussões, nem fazer com que os outros se sintam obrigados a partilhar das mesmas opiniões, dos mesmos entusiasmos ou dos mesmos desalentos;
  5. Sempre que se encontre algum motivo que desagrade algum dos membros é recomendável que este faça uma crítica construtiva, em tempo próprio indicado pelo mediador, de forma a que o próprio funcionamento do grupo também possa ser motivo de discussão.

Guião das sessões:

25Talvez não seja mau princípio começar pelo final de cada sessão. Pensemos na primeira sessão de todas, em que se explica o modo de funcionamento do grupo, em que se distribuem os exemplares do livro e em que, para concluir a sessão, se distribuem as tarefas para a sessão seguinte, já sessão efectiva de trabalho do Grupo de Leitura.

26Será a nosso ver muito producente, dada a especificidade da obra que sugerimos, que haja vários membros do grupo a desempenharem papéis muito precisos no desenrolar da discussão em torno do Memorial. Se todos têm uma tarefa comum, ler os capítulos indicados para a sessão seguinte, e que são apontados no final de cada sessão, haverá necessidade de se criarem alguns “postos” mais específicos. Estas tarefas devem ser rotativas, devendo todos ter realizado pelos menos duas das tarefas, assumindo os cargos que designaremos a seguir. Não esqueçamos nunca que o mediador deve estar preparado para realizar qualquer um dos cargos, na eventualidade de os seus ocupantes não estarem.

27Começando pelo sintetizador. A ele cabe a tarefa de, como o próprio nome indica, resumir em alguns passos o que sucede nos capítulos lidos para a sessão, sendo que o pode fazer lendo um texto que tenha escrito em linguagem tendencialmente oralizante, de forma a que todos o entendam facilmente.

28O caracterizador deverá ser aquele que faz uma caracterização das personagens que intervêm ao longo do texto lido. Não será obrigatório que as descreva a todas, podendo seleccionar as que lhe parecem mais importantes, nem será pertinente fazer uma descrição detalhada das suas características. Julgamos que o mais importante é que a caracterização já seja crítica, de forma a que possa ser discutida pelo resto do grupo. Também aqui será importante ir dando exemplos do texto a propósito das observações que vai fazendo.

29O detector de palavras e sentidos será o membro do grupo que vai encontrar, em cada parte da obra lida, expressões da linguagem que ache importantes serem discutidas. Podem ser expressões escolhidas pelo seu sentido mais obscuro ou mais curioso, mas podem ser também palavras que pelo seu uso arcaico despertem a atenção dos leitores. Como o Memorial está repleto de exemplos destes, bom será que por cada sessão não haja mais do que duas ou três expressões ou palavras a serem sugeridas pelo detector.

30Finalmente, o actualizador é aquele que vai fazer a transposição dos factos ficcionais para a realidade actual ou histórica. No fundo será quem vai procurar no texto a sua relação com a realidade, uma questão que tem já longos séculos de discussão pelas diversas teorias da literatura.

31Outro momento que nos parece fundamental no funcionamento das sessões é a leitura em voz alta de um excerto do texto da sessão, podendo ainda um dos elementos ficar encarregue de escolher o excerto ou excertos a serem lidos. A este cargo poderíamos chamar o porta-voz do texto. O cargo não implica que seja quem o ocupa a ler todo o texto seleccionado, mas antes a distribuir as diferentes partes do texto pelos colegas de grupo. A escolha não obriga a que seja um determinado parágrafo para um determinado leitor, mas a dividir o texto de forma equilibrada pelo número de leitores do grupo, estando o porta-voz do texto preparado para cobrir alguma falta.

32Estes cinco momentos do Grupo de Leitura têm, por assim dizer, presença obrigatória nas sessões, e de preferência com a ordem pela qual foram apresentados. Deve haver pausas de discussão entre os diferentes momentos, discussão essa que pode nascer da própria crítica a cada uma das propostas apresentadas em cada um dos cargos. Mas, mais uma vez, o mediador deve estar munido de uma espécie de modelo de questões que poderá ir colocando caso a discussão “emperre” em alguns silêncios mais incómodos. Aqui vão pois alguns exemplos de questões:

  • A síntese corresponde àquilo que acharam mais importante nos capítulos que leram ou houve mais algum momento que achassem importante referir?
  • Da leitura dos capítulos que correspondem às aventuras de um determinado cavaleiro gostaram ou não? De que partes?
  • Já alguma vez tinham lido ou ouvido alguma história semelhante?
  • Houve alguma coisa que vos chocou mesmo muito?
  • Alguma coisa semelhante ao que acontece nesta aventura se passou já convosco ou estamos no domínio só do impossível?
  • Imaginem-se como espectadores dentro da história: conseguem vê-la com os olhos de uma personagem em particular ou vão mudando de “ponto de vista”?
  • Depois de se ouvirem uns aos outros houve alguma opinião que vos tenha espantado?

33Outras perguntas surgirão seguramente entre os próprios membros do Grupo de Leitura que tem como grande vantagem ser composto por indivíduos que convivem diariamente e se conhecem relativamente bem. Esta proximidade pode trazer o benefício de discussões mais acesas que se prolongam para além do momento da sessão e levam a leitura para fora dos livros, conquistando afinal o tão desejado espaço público que defendemos.

34Não terminemos ainda estas sugestões para planificar a actividade sem falar da avaliação. É muito importante que tal como acontece, ou devia acontecer, em todas as disciplinas haja lugar à autoavaliação. Para além do interesse na participação de uma actividade destas, já por si louvável, há que premiar o cumprimento das leituras e do desempenho dos cargos, bem como da curiosidade e do à-vontade em colocar questões e discuti-las, fazendo da leitura um acto pensado.

Notas

1 Leia-se o livro de Steven Johnson, Tudo o que é mau faz bem.

2 Leia-se «La biblioteca escolar: espacio real y espacio simbólico» por Maria Jessús Illescas Núñez y Natalia Bernabeu Morón, artículo publicado na revista Literatura Infantil y Juvenil número 149, número monográfico sobre o Primer Encuentro Nacional sobre Bibliotecas Escolares (NUÑEZ, 1997:55-58).

© Publicações do Cidehus, 2009

Condiciones de uso: http://www.openedition.org/6540

Comprar

Volumen papel

amazon.fr