Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Ler em grupo

 | 
Cláudia Sousa Pereira

D. Sebastião

Texte intégral

1Sobre o controverso rei D. Sebastião afirmou Carlos Malheiro Dias:

2«No trono desse reino dessorado pelo mercantilismo, emergindo da dissolução da Renascença, estava um rei de romance de cavalaria, governando uma nação de comerciantes, de usurários, de inquisidores e de párias. No seu leito de brocado de ouro, na câmara armada de razes “com histórias do Velho Testamento e quantas ficções têm inventado os poetas”, o adolescente místico e virgem sonhava com batalhas gloriosas, enquanto nas enxergas o seu povo lázaro coçava a vérmina, estremunhando com o pavor das pestes e das fomes. Decerto o rei tinha razão. Aquele Portugal imperialista de D. Manuel entrara na agonia. O reino que lhe deixara em herança o avô era moribundo em pé. Para salvá-lo seria preciso retemperar-lhe as virtudes antigas, restaurar a velha nação soldadesca e rural.» (DIAS, 1925:136-138)

3Partimos do princípio que, apesar do tom emocionalmente parcial, estes são os factos históricos, ou a imagem que deles nos chegaram, que envolviam o autor quando da produção e da primeira recepção do Memorial. Passemos então, neste trabalho, pela breve análise de algumas referências históricas sobre a educação e vida de D. Sebastião, sobretudo no que respeita às suas tentativas de casamento, e vamos juntando os factos da obra e da História que nos permitem tratar este livro de cavalarias como uma obra que, para além do seu carácter didáctico, acaba também por contribuir para a “mitificação” da figura deste rei.

4De entre aqueles que estudaram e estudam a figura de D. Sebastião nos seus diferentes aspectos (personalidade, política, etc.) pareceu-nos que o seu mais fidedigno biógrafo é Queiroz Veloso. Com efeito, é sobretudo a partir dos seus estudos que tomaremos os factos para fazermos as nossas interpretações, pelo que o citaremos amiúde, não tendo, no entanto, deixado de consultar algumas das fontes sugeridas pelo próprio historiador. Propomo-nos, pois, tratar a figura deste monarca a quem Ferreira de Vasconcelos dedica o Memorial, não esquecendo, todavia, que: «O reinado de D. Sebastião reveste-se de circunstâncias tão extraordinárias, desde o seu nascimento até à sua morte, que os cronistas, como a matéria se prestava, rivalizaram em inventar profecias.» (VELOSO, 1954:98)

5Em resumo, o Memorial será uma obra que, não podendo ser acusada de ter influenciado directamente a acção política de D. Sebastião, foi uma tentativa de mostrar ao monarca os “caminhos do amor”, e não os caminhos para África, contribuindo, no entanto, e de uma forma que lhe é seguramente alheia, para alimentar o mito sebástico.

Uma Imagem de Dom Sebastião

6A problemática dos casamentos falhados de D. Sebastião deu origem a uma vasta bibliografia que inclui textos coevos do monarca, para além dos textos historiográficos posteriores. Em torno da questão surgiram, na classe política da época, várias sugestões para possíveis candidatas a rainhas de Portugal, sendo Margarida de Valois aquela que mais cedo terá sido conversada entre as diplomacias portuguesa, espanhola e francesa.

  • 1 «O assunto do casamento de D. Sebastião tem vindo, através de quási quatro séculos, o grande ponto (...)

7Para lá das diferentes possibilidades que foram surgindo e sugeridas ao rei, era ponto comum a todos os “negociantes” da corte portuguesa que a descendência era a obra que D. Sebastião deveria deixar do seu reinado1. Leia-se a carta do bispo de Silves, D. Jerónimo Osório, que o Pe José de Castro traduz e transcreve e da qual citamos a seguinte passagem:

«E esta obrigação [o casamento] tamanha que obrigou alguns em Espanha, sendo frades professos, a saírem dos seus mosteiros, por não haverem outros mais chegados à coroa, para não somente reinarem, mas casarem e terem filhos, porque de outra maneira, corriam os reinos risco de se perderem com discórdias, ou pelo menos, perderem a liberdade. E pois Vossa Alteza não é frade, em casar não há que ter escrúpulos, deve-o ter muito grande na dilação porque tarda em o ofício da justiça que é pagar o que deve aos seus. Lembro também que quando nos dizem que mata muitos porcos ou veados esmorecemos com medo de alguma queda perigosa; pois como teremos passar em África, sem deixar-nos primeiro filhos em Portugal? Pelo que Vossa Alteza deseja pôr em efeito seus altos pensamentos em destruir por sua parte quanto nele for, a infernal seita de Mafamede, e Ter para grandes proezas inteira liberdade, convém muito que não ponha seu casamento em dilação, para que se não dilate a sua glória.» (CASTRO, 1942:11-16)

8As primeiras possíveis alianças de D. Sebastião foram, então, Margarida de Valois, irmã do rei Carlos IX de França, aprovado em Conselho de Estado em 1562, quando tinha o rei oito anos, e Isabel da Áustria, filha de Maximiliano, rei da Boémia, por sugestão de Filipe II. Este acabou por dar Isabel da Áustria a Carlos IX, tomando o próprio rei castelhano para segunda mulher a irmã, Ana da Áustria, sugerindo de novo Margarida de Valois para D. Sebastião. A propósito desta aparente confusão, Serafim Leite diz o seguinte:

«Ora D. Sebastião começava a tomar consciência das coisas. Desfeitado por Filipe II, que dera a outro a mulher que lhe haviam dito que seria a sua, reagiu, dispondo-se a não aceitar as injunções do tio castelhano. (...) E, à roda disto, a política também inevitavelmente castelhanizante, porque a mãe de D. Sebastião em Madrid e a avó em Lisboa eram castelhanas. Com tão seguras amarras, logo se iniciou a pressão geral para dobrar D. Sebastião, a quem não era lícito possuir brio pessoal. Partindo dessa suposição, a relutância de D. Sebastião não poderia provir senão dalgum português inconformista, no caso o confessor Luís Gonçalves da Câmara, contra quem era fácil criar uma atmosfera de descrédito, encobrindo-a com o desejo de mando.»

9E acrescenta, ainda, o historiador a esta polémica atribuição da responsabilidade por uma educação falhada dada pelo jesuíta a D. Sebastião, as seguintes palavras:

«Não era homem isento de complexos o P. Luís Gonçalves da Câmara. E por isso se discutem alguns dos seus actos, nem era simples o negócio agora do casamento. Teria outro conseguido efeito diferente? E duvidoso. Como português e confessor, diz ele na carta a S. Francisco de Borja, que a sua finalidade no casamento do neto de D. João III, era dupla, a “segurança da sua alma e do Reino”: a da alma (finalidade espiritual e moral), a do Reino (finalidade política e patriótica). Isto, da sua parte e dentro das suas atribuições do ofício; da outra parte, estava a pessoa mais directamente em causa, que era a do Rei, um adolescente de 15 anos (não tinha mais idade em 1569), órfão de pai, com a mãe ausente, a avó presente, mas ciosa, e ele, com tendências individuais muito acentuadas, de ordem psicológica e sobretudo patológica» (LEITE, 1959: 139).

10A par desta opinião outras são avançadas para justificar a constante falência das intenções de casamento do rei. Segundo uma carta de Filipe II ao seu embaixador em Roma datada de 1570, o rei castelhano mostrava-se preocupado com a saúde de D. Sebastião, outra justificação dada por muitos para a recusa do rei em aceitar o casamento. Neste caso, Filipe II refere-se a Margarida de Valois:

«por agora estava determinado a não se casar com a dita Madame Margarida, nem com nenhuma outra porque os médicos e todos os do seu Conselho têm por certo que se casasse nestes cinco ou seis anos punha em perigo evidente a sua saúde e vida, e que disto tem o exemplo bem fresco no príncipe seu pai que por ter tomado mulher em tão tenra idade tinha vivido tão poucos dias como se sabia, e que eu podia bem crer que isto não era escusa senão a pura verdade, pois via que importando-lhe tanto e aos seus reinos e súbditos o ter sucessão com brevidade, e o risco a que se punham com a dilação, se acomodavam em esperar e adiar o seu casamento, por ser de tanto maior contrapeso o não pôr em aventura a saúde e vida do Rei, que tanto os interessa» (LEITE, 1959: 140).

11Vistas as coisas deste modo, tendo em conta a vontade portuguesa e o interesse castelhano, o casamento com Margarida de Valois aparentemente interessaria aos portugueses e não teria sido excluído pelos castelhanos. Porque o terá D. Sebastião recusado, uma vez que tanto considerava a opinião de Luís da Câmara seu confessor e oponente de uma dependência castelhana, e por se mostrar tão contrafeito com o seu tio por este, de forma interesseira, se mostrar preocupado com o sobrinho mas ter acabado por pôr os seus próprios interesses à frente de tudo e ter dado Isabel da Áustria, outra possível pretendente, a outro? A resposta que nos pareceu apesar de tudo mais plausível, em toda a documentação que reunimos, prende-se com a questão dos princípios morais que a educação do rei lhe incutiu e que o impediam de se ligar pelo matrimónio a uma mulher de moralidade duvidosa, como o era Margarida de Valois.

12As perigosas ligações que ataram D. Sebastião ao passado de seus pais, à educação dada pelo Pe Luís Gonçalves da Câmara, aos conselhos do tio Filipe II de Espanha, à constante preocupação de sua avó Catarina da Áustria, transformaram a preparação para a vida sentimental do jovem monarca num lugar obscuro de contradições. O casamento seria inevitável para a dinastia portuguesa, bem como para a recuperação das conquistas feitas pelos seus mais gloriosos antepassados. A acrescentar a este “fardo” de um dever a cumprir recaía sobre D. Sebastião o peso de um ambiente profético reforçado pelo seu quase miraculoso nascimento. Como diz Joaquim Romero Magalhães a este propósito:

«Quantas vezes o moço altivo e sobranceiro não terá ouvido esta referência ao seu milagroso nascimento, por vontade de Deus, a rogos e lágrimas dos súbditos, tendo para mais, vindo à luz no dia do glorioso mártir S. Sebastião? Não seria este ambiente bastante para se sentir desde sempre imune aos acidentes da vida, ao perigo, a julgar-se, com sinceridade, fora das vicissitudes da Terra, não lhe sendo atractiva a não-glória de uma soberania pacata, lidando com papéis por que bem fosse regido e governado o povo?» (MAGALHÃES, 1993: 541).

13Com estas questões passaremos agora a referir alguns factos conhecidos ou interpretações feitas sobre a personalidade do monarca e a educação que recebeu, para retomarmos depois a questão do casamento falhado com Margarida de Valois, episódio da vida de D. Sebastião que, em alguns pormenores, poderá ser relacionado com as aventuras amorosas vividas pelos heróis, estes “verdadeiros” porque pertencentes ao universo da ficção, da Segunda Távola Redonda.

Personalidade e Educação do Desejado

14Todos os documentos históricos descrevem o menino-rei como uma criança colérica e voluntariosa. Aliás, segundo Queiroz Veloso, estas características seriam já herdadas do príncipe D. João que «jurado herdeiro do trono em 1 de Abril de 1544, dois meses antes de completar sete anos, era uma criança gentil, de presença agradável, se bem que excessivamente voluntarioso e colérico, com fúrias terríveis, quando lhe não satisfaziam os caprichos» (VELOSO, 1945:11).

  • 2 «É muito difícil estudar, a quatro séculos de distância, a figura de D. Sebastião e muito menos pôr (...)

15Um estudo psicológico feito por Guilherme Ferreira sobre a personalidade de D. Sebastião2, usando como sintomas do diagnóstico factos descritos nos documentos da época, pareceu-nos interessante para darmos conta da personalidade de um rei a quem pareceria fácil atribuir, como modelo de conduta, a personagem principal de um livro de cavalarias. Tinha sido «educado por um cavaleiro e por um padre, conhecia os mais belos ideais, mas era bem filho do país sonhador e irrealista» (SOUSA, 1986: 58).

16A propósito deste espírito, fiel ao mais perfeito dos cavaleiros da ficção, Guilherme Ferreira afirma:

  • 3 «Um dia [em Maio de 1569], teve o doentio capricho de mandar abrir as sepulturas dos reis, seus ant (...)

«D. Sebastião é incapaz de ter uma visão integrada dos objectos, que ora aparecem como totalmente “bons”, ora como totalmente “maus”, ora passam de “bons” a “maus”. Aquilo que Queirós Veloso descreve como acentuada duplicidade do soberano, antes parece resultar das suas mais íntimas convicções. Ele nunca foi capaz de distinguir as suas figuras das suas próprias imagens objectais, que resultavam das suas introjecções e identificações precoces, as integrações que eram feitas por acções dos instintos libidinosos, das que eram dominadas pelos seus instintos agressivos, ainda que as últimas predominassem largamente. Por isso as idealizações, as identificações projectivas, as inversões, acompanhando os mecanismos de clivagem aparecem constantemente na sua história biográfica. Mas na ausência duma verdadeira figura de identificação, o Rei procura desesperadamente um objecto mágico idealizado, que possa ser o seu modelo. Quando manda abrir desesperadamente os túmulos dos Reis3 seus predecessores e um particularmente, o de D. João II, “o melhor oficial do nosso ofício” nas suas palavras, quando vai a Santa Cruz de Coimbra buscar a espada de D. Afonso Henriques, para a levar para Alcácer-Quibir, quando deseja, com o seu mais ardente voto, ser capitão de Deus, D. Sebastião parece procurar algo que não consegue encontrar. (...) Como numa corrida louca, o Rei vai reforçar os seus processos de identificação, na sua fantasia, com a sua própria imagem ideal, como que para negar a sua dependência dos objectos externos (...) e da sua própria representação internalizada em tudo o que podia fazer para evitar um sossobrar completo. E como toda a Nação, na sua ânsia de encontrar uma figura omnipotente e salvadora que a protegesse das suas dificuldades e conseguisse a sua redenção, quase funcionava, em posição especular, numa atitude paralela e complementar das dele, reforçando-lhe estes mecanismos, o Rei cada vez mais se agarrava à sua ficção. Numa situação em que parece haver fusão das suas próprias imagens ideais com as imagens objectais idealizadas e as suas próprias imagens actuais, que se confundem, no caso vertente, com as imagens ideais da Nação, D. Sebastião é levado a tomar o desejo pela realidade. E daí a crença na sua omnipotência absoluta.» (FERREIRA, 1990: 72-73)

17Esta perspectiva sobre a personalidade de D. Sebastião é, quanto a nós, mais um contributo para demonstrar que foi o seu carácter, (de)formado quer por heranças genéticas, quer por influências das circunstâncias em que cresceu, mais do que a sua formação, ou educação, que deu azo às atitudes desastrosas que tomou ao longo do seu curto reinado. De certa forma, esta análise ajuda-nos a pôr de parte o preconceito que faz, injustamente, da leitura de livros de cavalarias pelo monarca a responsável pelas suas desacertadas atitudes políticas. Ouçamos, ainda, um pouco mais da análise de Guilherme Ferreira, que procura explicar o próprio comportamento político do monarca:

«Quando Abde Almalique expulsa o soberano do trono de Marrocos e se transforma, assim, numa figura maternal castradora e perigosa (ou talvez, por arrastamento numa figura parental, de sexo indefinido, resultante da fusão das duas figuras parentais) D. Sebastião encontra nele um “mau” objecto a destruir e o momento asado para se vingar da mãe destruidora e abandónica. Por arrastamento, o turco aparece também como uma figura ameaçadora, perante o qual os heréticos e rebeldes dos Países Baixos se transformam, agora, em “bom” objecto. Debalde, nestas situações se lhe davam conselhos marcados pela lógica, que não tinham necessariamente qualquer valor para um indivíduo com um funcionamento em processo primário e convencido da sua omnipotência quase divina, que lhe tinha sido inculcada desde a infância e que era reforçada pelo seu funcionamento interno. D. Sebastião tinha que destruir Abda Almalique custasse o que custasse, tinha que proteger Mulei Mohamed, transformado em “bom objecto”, apesar das guerras que ele tinha tido constantemente com os portugueses, porque ele não era mais do que uma identificação projectiva do soberano português.

Aliás, estava convencido, apesar de haver razões para pensar o contrário, que o mouro não lhe daria batalha, porque ninguém lhe ousaria resistir. Por melhor capitão que fosse – e D. Sebastião sabia que o era – não poderia bater-se com o capitão de Deus. E na busca suprema da veracidade da omnipotência da sua personalidade pré-psicótica, de forte tonalidade narcisista, ao encontrar uma resposta negativa a esta pergunta final, só lhe restava encontrar a morte em combate, porque outra solução não lhe permitia o seu Super-Ego arcaico e cruel.» (FERREIRA, 1990:73-74)

18A explicação parece-nos coerente dentro da lógica da psicanálise. Gostaríamos, no entanto, e para concluir, de salvaguardar alguns excessos. Muito provavelmente D. Sebastião não terá sido o único monarca a ser educado na ausência de pai e mãe, e até mesmo a sentir-se obrigado, pela corte e pela nação, a uma tarefa messiânica. Julgamos mesmo que a figura do monarca em geral, decalcada da figura do herói literário, apresentaria características muito semelhantes às apontadas a D. Sebastião, constituindo-se quase como um tipo. Como tal, é nossa convicção que mais do que pela sua vontade, D. Sebastião agiu com a permissão de um aparelho político que lhe foi alimentando todas as excentricidades e amparando todos os seus erros políticos. Livros de cavalarias eram, não duvidamos, leituras capazes de influenciar personalidades, como o demonstra a caricatura de Cervantes, mas que, julgamos, estiveram longe de influenciar governos cujas rédeas estariam nas mãos de todo um conjunto de ministros que guiavam os monarcas nas suas atitudes. Não faria sentido, por muito interessante que o seu caso seja, que D. Sebastião fosse, nesta esfera de acção, um caso isolado da História.

  • 4 Diz Barbosa Machado que D. Aleixo, aio de D. Sebastião, pronunciando-se sobre a escolha do P'Luís d (...)

19Decidiram D. Catarina e D. Henrique, avó e tio de D. Sebastião, escolher para mestre do jovem monarca o padre Luís Gonçalves da Câmara e para aio D. Aleixo de Meneses. «O carácter de D. Sebastião, o insólito aspecto de muitos dos seus actos, a sua índole ascética, as suas inclinações guerreiras, o louco entusiasmo que o levou à catástrofe de Alcácer-Quibir, todo este singular conjunto de circunstâncias procuram alguns historiadores explicá-lo pela educação que o aio e o mestre, mas sobretudo o mestre, lhe ministravam» (VELOSO, 1945:89). Será de facto muito provável que o jesuíta tivesse instruído D. Sebastião no cumprimento das leis da Igreja, pois outra coisa não seria de esperar. Quanto às suas “inclinações guerreiras”, poderiam com certeza explicar-se pelo desgosto geral no abandono sucessivo das praças portuguesas na índia e em África, bem como na exaltação constante das empresas dos seus antepassados, o que, implicitamente, condenaria a política de renúncia do seu avô, D. João III4. Veloso refere um episódio relatado pelo Pe Baía no seu Portugal cuidadoso e lastimoso: «Acabada a lição, entrou na sala o marquês de Vila Real, D. Miguel de Meneses. Como modelo da letra, passou-lhe o mestre um papel, onde D. Sebastião escrevera que, em sendo grande, havia de hir conquistar a Africa. A letra boa está – observou o marquês, mas o que nella se diz, não será,...sem V. Alteza nos deixar seis ou sete filhos machos.» (VELOSO, 1945:94).

  • 5 Entre a vasta e variada produção literária dirigida ao rei D. Sebastião ou composta com a finalidad (...)

20A educação do rei era, naturalmente, preocupação de muitos. A prová-lo estão os tratados de educação que lhe foram dedicados, bem como as cartas que lhe foram dirigidas e as orações diante dele proferidas5. Importante é, na generalidade destas obras, o lugar de destaque da história e da literatura na formação humanística dos monarcas. Diz Nair Soares que

«Diogo de Teive aconselha ao príncipe a leitura de fábulas de animais como a formiga, a cigarra, a abelha mestra, exemplos de ética sociopolítica. Aconselha ainda as fábulas de poetas e as histórias maravilhosas de príncipes passados de outros tempos, que são agradáveis e dão exemplos de virtude. Aqui se insere o pensamento de Jorge Ferreira de Vasconcelos, manifestado no prólogo do seu Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda, romance de cavalaria que dedica a D. Sebastião.» (SOARES, 1994:285)

21Ficamos, desta feita, com a informação de que a leitura de livros de cavalarias seria prática corrente na educação de príncipes, não podendo ser, por isso, tomada como causa de um mau governo! No entanto, pelas “neblinas” em que a figura do rei D. Sebastião se foi envolvendo, geraram-se tentativas de a explicar. E essas tentativas enveredaram também elas, por sua vez, por caminhos misteriosos, por vezes mesmo algo “pantanosos”. Não poderemos pois, e acima de tudo, ignorar os documentos elaborados durante a vida de D. Sebastião, e dos quais os historiadores relevam a correspondência diplomática. Quanto às hipóteses que possam ser avançadas na interpretação de determinadas atitudes do monarca, baseando-se na possibilidade de serem fruto de uma leitura apaixonada de livros de cavalarias, parecem-nos sem consistência, apesar de muito valorizarem o poder da literatura.

22Vejamos, pois, à cautela, o que nos dizem os documentos históricos sobre o processo de casamento de D. Sebastião com Margarida de Valois, bem como a forma como alguns autores interpretaram o estranho processo, uma vez que este parece poder ter sido, de forma similar às aventuras amorosas de certos cavaleiros da Segunda Távola Redonda, também um caso amoroso que ficou por resolver.

O caso Sebastião: entre o possível e o provável

23Terá sido em 1559 que se iniciaram as primeiras negociações para a realização do futuro matrimónio de D. Sebastião e Margarida de Valois. A sua aprovação pelo Conselho de Estado deu-se, no entanto, só em 1562. O embaixador Jean Nicot foi quem se encarregou dessas negociações, sendo a sua correspondência diplomática a principal fonte usada pelos historiadores. Segundo Cunha Coutinho «na sua primeira nota diplomática, de 4 de Setembro de 1559, para o seu soberano, na qual relata o decorrido na audiência régia, do Paço de “Enxobregas”, refere, textualmente, no seu pitoresco estilo quinhentista: – Le Roy est encore bien petit mais il est si bean prince quil ny a rien à y mettre da vantage. On men faict icy des comptes merveilleus de l’opinion quil a prinse de madame Marguerite. De vray tout le pays est en tel désir de ce mariage, que grandz et petitz neparlent d’outre chose.» (COUTINHO, 1935:355-356)

  • 6 Queiroz Veloso no capítulo da biografia de D. Sebastião intitulado «Os Malogrados Casamentos do Rei (...)

24Estas negociações foram feitas de avanços e recuos, ao sabor dos interesses de Castela, mas também com uma considerável pressão da monarquia francesa, acabando D. Sebastião por recusar definitivamente a proposta de tomar Margarida de Valois para mulher em 1569, no Conselho de Estado. Nessa ocasião, quando se preparavam as procurações para se encerrarem os contratos ante-nupciais, o monarca terá enviado o famoso e algo enigmático bilhete em que escreveu: «Pelo Reyno porey a vida muitas vezes; e pela honra, e pela Fé, porey a honra do Reyno, e meu, não porey a honra do Reyno, e minha, pois este foy o caminho dos Reys, que a ganharão. Hoje Domingo, 18 de Setembro de 1569» (VELOSO, 1945: 167).6

25Mas foi em 1561 que o embaixador Jean Nicot enviou a Catarina de Médicis uma carta em que descreve a reacção do pequeno Sebastião, com então sete anos, perante o retrato da princesa Margarida, de oito anos:

  • 7 Veloso cita, p. 155, Edmond Falgairolle, Jean Nicot, ambassadeur de France au XVIe siecle. La Corre (...)

«Le portraict de Madame a tellement contente tous ceulx de ceste court en general quil nest possible de plus, de sorte que ceubc qui cy devant mont parlé de laffaire dont jay souvent escript à votre Maiesté, ont receu de ceste veue une plus grande ardeur du désir quils disent et monstrent avoir, on ma faict entendre de chez le Roy que sitost quil le veit il la baisa et laccolla et oncquespuis ne sem volu dessaisir»7

26D. Sebastião era ainda muito novo para podermos querer ver nesta manifestação qualquer élan amoroso, no entanto, o tema parece-nos interessante e passível de ser tomado para a constituição de um romance que, a ter existido, poderia muito bem ter sido mais um episódio amoroso do Memorial. Deixamos aqui apenas esta sugestão de leitura, pois ir mais ao fundo nesta questão, afirmando-a como uma fonte explícita de Ferreira de Vasconcelos, parecer-nos-ia demasiado forçado e, acima de tudo, pouco consistente e desprovido de fundamentos sólidos.

27Outro episódio biográfico de D. Sebastião, apontado como facto real por Queiroz Veloso, prende-se com o que terá dito o monarca face às insistências de sua avó no assunto do matrimónio. Diz-nos o biógrafo:

«A rainha D. Catarina não podia convencer-se de que a aversão do neto pelas mulheres, essa repugnância mórbida, que o levava até a afastar delas os olhos – todos os embaixadores espanhóis, D. Fernando Carrillo, D. João de Borja e D. João da Silva, se referem, com frequência, às manifestações misóginas do rei – resultassem de incapacidade para o matrimónio, conforme lhe diziam pessoas íntimas; e como D. Sebastião, se lhe não dava provas de carinho, a tratava com mais consideração, visitando-a amiúde, resolveu insistir com ele, mostrando-lhe a necessidade de pensar em noiva que lhe conviesse. A resposta do rei – é preciso que a futura soberana seja bela – entusiasmou D. Catarina, que pediu imediatamente para Espanha uma lista das princesas casadoiras.» (VELOSO, 1945:179)

28A misoginia é, como vimos, uma das características apontadas por muitos dos historiadores a D. Sebastião, a par de uma provável doença genital que teria impedido o matrimónio. Numa análise do retrato de D. Sebastião pintado por Cristóvão de Morais em 1571, Baptista Pereira refere:

«os significados possíveis da evocação do motivo iconográfico do casamento místico [referindo-se ao anel de D. Sebastião], habitual atributo de Santa Catarina, figura de grande veneração na corte de Avis. E preciso não esquecer que, de todas as propostas oficiais de casamento que lhe foram feitas, a única que o interessou foi a de Isabel Clara Eugénia, filha de Filipe II; graças a este casamento, o Rei pensava obter uma forte aliança com Castela contra os Mouros, o que Filipe sempre boicotou. As discutidas doenças genitais que são imputadas ao Rei não jogaram, quanto a nós, um papel decisivo na sua inibição face ao casamento. Esta será, talvez, fruto de uma opção de vida fundada sobre o modelo cavaleiresco seu preferido: o príncipe D. João, futuro D. João II, foi armado cavaleiro na sequência da conquista de Arzila, na idade de 16 anos, em estado de pureza.» (PEREIRA, 1986:76)

29A importância da imagem que quisemos salientar ao longo do texto do Memorial surge, de novo, agora ao estudarmos a vida do rei a quem esta obra foi dedicada. Aparentemente, D. Sebastião não teria sido indiferente à beleza feminina, a ponto de exigir uma companheira bela. O retrato de Margot, ainda menina, provocou nele uma reacção emocional eufórica. Recusar o matrimónio com Margot poderá parecer, então, e como alguns sugeriram, um acto de vingança. Edgar Prestage afirma que «a causa principal do malogro do casamento de D. Sebastião foram os monstruosos actos de pirataria francesa», referindo-se ao massacre feito pelos corsários franceses na ilha da Madeira. No entanto acrescenta:

«quer-me parecer que se D. Sebastião não tomou por mulher a Princesa Margarida foi porque não quis por então casar-se. Afinal não admira que um rapaz tão puro, que se não fosse o seu confessor, teria tomado voto de castidade, se furtasse de unir a uma mulher, que embora brilhante e encantadora, era desprovida de senso moral.» (PRESTAGE, 1917:9-10)

30É Júlio Dantas quem, nesta mesma linha, propõe uma justificação que considera as duas “personagens” deste histórico enredo matrimonial. Vale a pena citá-lo pelo que de romanesco, mas tão verosímil, encerra a sua resposta a este enigma:

«A “forte razão” da recusa do monarca estaria, antes, na incapacidade moral da mulher que a casa real de França lhe oferecia para o seu tálamo? Quer-me parecer que sim. Margarida de Valois, inteligente, instruída, intelectualmente superior, sem dúvida bela, era uma demi-vierge suspeita de todos os contactos galantes, e a fama da sua vida licenciosa começava a correr mundo. (...) em 1570 ocorria o escândalo de Margarida com o duque Henrique de Guise. Chegava-se a falar em ligações incestuosas, com os irmãos Henrique e Francisco d’Alençon. (...) Obra corrupta e brilhante duma sociedade tão brilhante e tão corrupta como ela, a princesa de Valois não convinha ao tálamo dum monarca que, apesar de muito jovem, colocava acima de tudo o culto da honra. A recusa de D. Sebastião, embora difícil de justificar diplomaticamente, explicava-se e os escrúpulos que a motivaram esclarecem as palavras um pouco sibilinas dirigidas pelo moço rei (Setembro de 1569) ao Conselho de Estado (...) O destino das nações depende, às vezes, de coisas mínimas. Não andaremos longe da verdade atribuindo à leveza da cabeça da filha de Catarina de Médicis os sessenta anos dolorosos de dominação castelhana no nosso país. Se Margarida de Valois, em vez de ser a mulher inteligente e dissoluta que nos pinta Brantôme, tivesse sido, como tantas outras, uma princesa escrupulosamente virtuosa e exemplarmente insignificante, D. Sebastião ter-seia casado antes de passar à África, a continuidade dinástica encontrarse-ia, segundo todas as probabilidades assegurada pelo nascimento de um filho...» (DANTAS, 1929:223-225).

31De todas estas sugestões para a explicação da recusa de Margarida de Valois para soberana, parece-nos, bem pesadas todas as condicionantes – carácter voluntarioso do rei, educação primorosa, o desejo de seguir o modelo heroico de antepassados e, talvez mesmo, o modelo do cavaleiro merecedor do Graal, corajoso e casto – que Baptista Pereira, embora de forma muito breve, se terá aproximado de uma verdade plausível. Como o especialista afirma perante o retrato de D. Sebastião:

«O monarca surge, assim, representado como o instrumento guerreiro – o cavaleiro – da vingança divina a dois níveis – o espiritual, representado pelo próprio Rei, e o temporal, representado pelo Galgo, duplo do Reino – , visando a regeneração de uma Cristandade e de um Mundo dilacerados e decadentes – realidade que o Rei parece olhar com desdém – , a que se impunha o regresso a um estado de pureza primordial sob pena de perdição inexorável. As sugestões de laços de amor, argolas e cabos no desenho da armadura não fazem mais do que sublinhar, alegoricamente, esse desejo de uma missão transcendente, purificadora e regeneradora, fruto de uma aliança da dupla Rei/Reino com o Absoluto.» (PEREIRA, 1986:76-77)

32Façamos agora uma relação mais detalhada das situações ficcionais vividas pelos cavaleiros da Segunda Távola Redonda e dos factos assumidos como históricos da vida de D. Sebastião.

O retrato de Margot e a imagem de Celidónia

33Quando sai a primeira edição do Memorial a única proposta matrimonial conhecida que D. Sebastião poderia ter aceite teria sido com Margarida de Valois. O primeiro contacto que o rei ainda menino teve com a princesa foi, tal como acontece ao longo do Memorial, com a sua imagem, mais precisamente um retrato, e a reacção, apesar da pouca idade do rei, foi até certo ponto semelhante à dos cavaleiros pelas respectivas mulheres, por quem se apaixonaram e que os levaram à vivência aventureira que o estatuto de cavaleiros lhes impunha.

34De todas as aventuras, de todos os cavaleiros, é Lucidardos quem, sofrendo e superando as mais difíceis provações, vai chegar ao fim da obra sem a certeza de ter conseguido conquistar plenamente o coração da mulher que lhe roubara o seu. O que fica, no entanto, claro é que este pormenor, a suspensão de um final feliz, não impediu a fama do honroso cavaleiro Lucidardos. Desta forma, nem a diferença de Fé da mulher amada será, aos olhos de uma lógica cavaleiresca, um obstáculo para fazer do Amor a força motriz de todas as acções de um cavaleiro.

35Por outro lado, o Memorial conta entre os seus heróis com as desventuras de D. Brisam, apaixonado pela devassa Floresinda. A sorte deste cavaleiro, alerta para os mais fracos, pode ter sido interpretada por um leitor já de si reticente quanto às astúcias femininas, e referimo-nos a D. Sebastião, como um exemplo a não seguir e ter sido tomado como o caso mais marcante destas aventuras. Estamos conscientes que tudo isto serão meras especulações, pois nada nos ilumina quanto a possíveis comentários à recepção da obra por D. Sebastião. No entanto, ao tomarmos o texto do Memorial, testemunho único, como uma obra que poderá ter influenciado o jovem monarca, como outros já sugeriram, há que admitir todas as hipóteses. No fundo, Ferreira de Vasconcelos, ao escolher o enredo de D. Brisam, não faz mais do que usá-lo como contraponto do sucesso de outros casos que colocam a mulher virtuosa como corolário de um percurso heróico.

36Celidónia, bela e inteligente como o foi Margot, é no entanto uma donzela pura. A conversão será, afinal, a última proeza que Lucidardos deveria levar a cabo. Como se a conversão de uma mulher pudesse ser equiparada, neste caso e em termos de um imaginário simbólico, à conquista de um espaço pertencente ao Outro, neste caso o Infiel. Com Margot, D. Sebastião fica nas mãos de Catarina de Médicis e de Filipe II pois, apesar da sua efusiva reacção, o matrimónio é ainda decisão de quem se assumiu, oficiosamente, como seu tutor. Quando chega o momento de, por seu livre arbítrio, aceitá-la como esposa, o rei Sebastião mostra a sua independência e o seu ressentimento contra aqueles que lhe querem ditar o destino. A mulher serviu aqui como uma outra forma de afirmação da autonomia do que se julga, e foi criado como tal, um herói.

A importância do filho redentor

  • 8 Leia-se o final do capítulo XXVII.

37Outro episódio cavaleiresco que poderemos encarar com intenções de aproximação da ficção à realidade histórica de D. Sebastião é o que põe em cena Fidonflor e Hiliónea, ele cavaleiro da Távola de Londres, ela uma rainha viúva de uma ilha do mar Egeu, a quem o cavaleiro, depois de salvar de um gigante opressor, deixa um filho que, apesar de fruto de amores breves, se revelará notável nas proezas da cavalaria8.

38O aspecto aventureiro vivido neste caso de Amor é salvaguardado pela geração de um filho que se revelará, num tempo futuro, um verdadeiro herói, o que, parece-nos, desculpa as atitudes levianas do cavaleiro no julgamento pelos mais escrupulosos. A importância do herdeiro desculpará a luxúria paterna (à semelhança dos amores de Lancelot e Guenièvre) que, até mesmo ela, não impedirá que Fidonflor seja um dos Pares da Távola Redonda, um herói exemplar nos feitos guerreiros contra os mouros.

39Actos de amor sincero, ainda que levianos, são sempre recompensados como o mostra a própria História, ao dar aos príncipes D. João e D. Joana, também eles irreverentes apaixonados, o fruto que foi D. Sebastião:

«Tinha D. João quinze anos e meio. De aspecto risonho, estimando muito as letras e quantos as cultivavam, o herdeiro da coroa gozava das simpatias gerais. D. Joana, na flor dos dezassete anos, era realmente formosa; mas não conquistava a afeição da nobreza, nem do povo. Dando ostensivas demonstrações de amor conjugal (...) o seu carácter seco e altivo repelia, em vez de atrair. (...) Em fins de Maio era corrente que D. Joana estava grávida; e redobraram as manifestações amorosas do príncipe que só junto da esposa se sentia bem.(...) Convencidos de que a doença procedia “de demasiada comunicação, e amor, com que se havia com a Princesa, sua mulher” (D. Manuel de MENESES, Chronica do muito alto e muito esclarecido Príncipe D. Sebastião decimo sexto Rey de Portugal, Primeira Parte, cap. VI), ou que tão ardente excitação agravaria, pelo menos, a sua fraqueza, resolveram separar os príncipes (...). O mal, porém, foi aumentando.» (VELOSO, 1945:1314).

40Se o amor vivido entre o casal de príncipes parece ter sido, à partida, causador de um agravamento da diabetes de D. João, certo é que desse amor nasceu o Desejado, tendo sido ele próprio a proeza do único filho sobrevivente do casamento de D. Catarina e D. João II. A dinastia de Avis estava salva graças a um intenso amor cujo fruto se assumia ele próprio como o redentor do Reino.

41Não nos parece, pois, que D. Sebastião vivesse inconsciente da necessidade de um herdeiro, mas o seu modelo heroico se, por um lado – o das proezas guerreiras – se aproximava do cavaleiro do Graal, por outro lado – o da pureza – , seguia o exemplo do príncipe, futuro rei D. João II, que só após ter conquistado Arzila, onde ganhou fama de valente, consumou o seu casamento com D. Leonor. Talvez fossem esses os projectos de D. Sebastião, conquistando África e acrescentando o Reino, para depois tomar a mulher e resolver a sua sucessão.

42Vejam-se os últimos versos do romance das fadas, em que se elogia a princesa D. Joana com o mesmo tom de uma oração à Virgem Maria: «Oh animosa Princesa /quanto vos fica obrigado / Um Reino que destruído / por vós ficou restaurado. / Esforça-te Portugal / pois te vês já melhorado, / De um Rei que entre os Reis / extremo será chamado.» (p. 402).

Heranças amorosas: Ifranasa e Joana, a Louca

43O conto de Ifranasa abre a série das aventuras amorosas de Doristão e Laudisea, o par amoroso que se prevê que assegure a sucessão do rei Sagramor, unindo-se pelo matrimónio o sobrinho e a filha do soberano da Távola Redonda.

44Também neste conto julgámos poder encontrar algumas ligações à, por vezes estranha, realidade histórica. Repare-se que o conto envolve personagens femininas ligadas por laços familiares: Laudisea é filha de Masília e Sagramor, neta de Ifranasa que, louca de amor, enfeitiça o destino da filha e da neta. Só Doristão, da terceira geração, quebra esse feitiço e permite que a ciclicidade seja restabelecida, seja restaurada a Ordem.

45A história de D. Catarina da Áustria não nos parece menos trágica que a de Masília. Diz Queiroz Veloso que Joana, a Louca, mãe de D. Catarina, passeava o cadáver do marido pelos descampados de Castela e que com a sua filha, D. Catarina, «se encerrou a pobre mãe, em estreitíssima clausura, no palácio de Tordesilhas; e ali a guardou quase dezoito anos, até à sua partida, já desposada com o moço rei D. João III.» (VELOSO, 1950: 38). A história parece-nos digna de um livro de cavalarias. D. João III, espécie de libertador de D. Catarina, vai tirá-la da clausura e dar-lhe filhos. Apesar do trágico destino que os faz morrer sucessivamente, consegue o príncipe D. João que fará na princesa D. Joana um filho. Esse será o filho que é esperado pela ansiosa nação que teme pela sua independência.

46O paralelismo destas duas situações – a ficcional de Masília, a histórica de D. Catarina – é uma das ocasiões que poderia aproximar, no nosso ponto de vista, a obra de Ferreira de Vasconcelos de uma realidade que não seria estranha a D. Sebastião, o que permitiria que se criasse no seu primeiro leitor alguns pontos de identificação. Este será, quanto a nós, um dos momentos que a obra, e o seu autor, poderiam ter usado, de forma sub-reptícia mas genial, esse estreito laço entre a verosimilhança de situações fantásticas para ir ao encontro do seu primeiro leitor, interessado em histórias exemplares de feitos heroicos.

Dom Sebastião, leitor do Memorial

47Apontando especificamente estes casos, que serão apenas hipóteses de intersecção da ficção novelesca com a realidade histórica que nos é claramente imposta quer pelo Prólogo, que a dedica a D. Sebastião, quer pelo episódio do torneio de Xabregas, que a liga a um momento pontual, podemos aproximar esse primeiro leitor da obra pelo enaltecimento de factos que deve encontrar como modelos exemplares. Como afirma Palma-Ferreira, na Introdução à sua edição:

«sendo uma obra de lisonja, acomoda-se concretamente aos destinatários, quer fossem Dom João ou Dom Sebastião. (...) Barros exalta, perante D. João III, as virtudes da cavalaria, tal como Jorge Ferreira de Vasconcelos, quase meio século depois, as exaltou perante Dom Sebastião. (...) O Desejado, que nasce no ano em que o pai baixa ao sepulcro cumprindo o fadário dos seus oito irmãos, tem treze anos quando lê o Memorial, empolgado pelas aventuras do Cavaleiro das Armas Cristalinas do qual a sua esplêndida armadura pode ser o símbolo mais evidente, bem como o seu pendor para acreditar em adivinhos, para as desenfreações empolgantes da guerra, para a arrogância quase irracional.» (pp. XV-XVI).

48Aquele que neste trabalho considerámos ser o verdadeiro objectivo de Ferreira de Vasconcelos, a exaltação do Amor, o convite ao matrimónio e à descendência, parece não ter sido considerado por quem já trabalhou o Memorial. A culpa, se é que existe, encontra-se seguramente no texto. Talvez o próprio autor, pelo Prólogo que redige, tenha condicionado as sucessivas interpretações e juízos da obra. Leiam-se, para terminarmos, os “juízos” de Massaud Moisés que afloram esta mesma ideia, acabando por esquecê-la na interpretação global da obra, ao separar a importância que atribui ao desenvolvimento do tema amoroso de uma intencionalidade que, ainda que ausente no Prólogo onde o autor expõe as suas intenções, está subjacente ao longo de todo o texto e se conjuga com o contexto histórico da questão dos matrimónios falhados de D. Sebastião:

«Como se vê, Jorge Ferreira procura apontar os vários aspectos do comportamento exemplar que o Rei deve ter para cumprir a sua missão de governante, em face das tradições gloriosas da Pátria e dos seus compromissos com os súbditos. O doutrinal político e social que resulta desses tópicos tem valor documental e histórico, pelo que revela do espírito quinhentista. Os outros tópicos, à volta do Amor, importantes do ponto de vista estético, dão à novela a sua nota lírica e sentimental. Tudo, porém, se conjuga para servir de superior mostra ao Rei de uma vida integrada na normalidade dos problemas quotidianos que afectam tanto o homem comum como aquele que governa, todo ele marcado de forte sentido estóico, que se resolve numa ideia comum: superação dos impulsos, os olhos voltados para as realidades mais relevantes da vida: a Mulher, Deus e a Pátria, e o realizar grandes feitos heroicos. Esse é, em suma, o guia moral do cavaleiro, que o Memorial procura tornar plástico através de algumas façanhas exemplares, entrecortadas de digressões e polémicas moralizantes.» (MOISÉS, 1957:47-48)

Notes

1 «O assunto do casamento de D. Sebastião tem vindo, através de quási quatro séculos, o grande ponto da história onde se vão buscar as razões principais da perda da nossa independência em 1580.» (CASTRO, 1942:11)

2 «É muito difícil estudar, a quatro séculos de distância, a figura de D. Sebastião e muito menos pôr-lhe um diagnóstico-suprema tentação de médicos e psiquiatras. Por isso, evitamos um pouco fazê-lo. Mas a senda parecia-lhes aberta, uma vez que Barbosa Machado já efectuou um estudo sobre o monarca, em que lhe pôs o diagnóstico de epilepsia. (...) De qualquer modo, parecia-nos importante tentar ajudar a esclarecer um ponto da história de Portugal, em que a personalidade do soberano emerge como figura central e foi, certamente, facto importante para os acontecimentos que dele decorreram. Baseado nos documentos da época e na revisão de Queirós Veloso, que continua a ser a obra mais completa dentro dos estudos sebásticos que se debruçam, em particular, sobre a história biográfica do soberano, tentei compreender esse moço de 24 anos, que em 1578 se vai precipitar no abismo e levar com ele os desejos de omnipotência da Nação portuguesa.» (FERREIRA, 1990: 63-76).

3 «Um dia [em Maio de 1569], teve o doentio capricho de mandar abrir as sepulturas dos reis, seus antecessores. Ninguém se atreveu a dissuadi-lo. As primeiras sepulturas violadas foram as dos reis D. Afonso II e D. Afonso III; depois, as das respectivas consortes, as rainhas D. Urraca e D. Beatriz. O agigantado corpo de D. Afonso III impressionou-o; e mereceu-lhe palavras de louvor, por haver terminado a conquista do Algarve. O outro, sempre em contendas com mulheres, nem um só palmo de terra acrescentara ao reino. O túmulo de D. Pedro não podia abrir-se, sem irreparável dano dos finos lavores que o revestiam. Deixem-no-exclamou D. Sebastião; e condenou, com palavras duras, o seu feitio femeeiro.» (p. 126). «Passando pela Batalha, manda abrir a sepultura de D. João II. O cadáver estava incorrupto; e as próprias vestes não mostravam que já haviam decorrido setenta e cinco anos sobre o enterramento. Comtemplou-o D. Sebastião em silêncio, num misto de temor e admiração. Depois, ordena que o ergam ao alto, toma a própria espada do morto e mete-lha na mão.Este foi o melhor oficial, que houve do nosso ofício- proclama o rei para os que o cercam; e diz ao duque de Aveiro, D. Jorge de Lencastre, que beije a mão do seu bisavô. O meu rei! – exclama ele ainda, quando o cadáver volta para a tranquilidade do túmulo.» (pp. 129130). «Nesta Igreja [Santa Cruz de Coimbra] visitou o rei os túmulos de D. Afonso Henriques e D. Sancho I; mas não os mandou abrir. Limitou-se a beijar a espada do fundador da monarquia; e recomendou ao Prior que a guardasse cuidadosamente, pois ainda se valeria dela contra os mouros em África. Na verdade, oito anos depois, mandou-a buscar; mas por esquecimento, ou por ter mudado de opinião, ao desembarcar em Arzila, deixou-a no navio. Por isso se não perdeu em Alcácer-Quibir.» (VELOSO, 1945:131).

4 Diz Barbosa Machado que D. Aleixo, aio de D. Sebastião, pronunciando-se sobre a escolha do P'Luís da Câmara para mestre do rei, defendia a conveniência de ele, “entre aquellas primeiras letras ir-lhe lembrando exemplo de guerra, e governo, tirados sucessos dos livros.” (MACHADO, 1965: 206-207). Entretanto, D. Catarina, segundo este autor, no início das suas funções, advertira o jesuíta para que «o seu principal intento fosse propor a El Rey exemplos heroicos», o que mostra como, por vezes, o jesuíta agiria em conformidade com ordens superiores e não de moto próprio. Para além disso, e como afirma Nair Soares no seu estudo sobre Jerónimo Osório, «os acontecimentos ligados à menoridade e governo de D. Afonso V, que conduziram a Alfarrobeira, estavam ainda na memória de todos. Prevenir a repetição da história e salvaguardar os interesses do reino e império portugueses que D. Sebstião, herdeiro único, personificava, deu origem a toda esta vasta literatura, documento das preocupações e ansiedades colectivas, definidoras da “forma mentis” nacional» (SOARES, 1994: 173).

5 Entre a vasta e variada produção literária dirigida ao rei D. Sebastião ou composta com a finalidade de o instruir, orientar ou aconselhar, destacamos especialmente as obras de D. Aleixo de Meneses, aio do jovem príncipe, as sententiae, a que se segue a Institutio Sebastiani primi de Diogo de Teive, ambas traduzidas “na vulgar em verso solto” por Francisco de Andrade, o Tratado moral de vícios e virtudes de Jerónimo Correa, que se encontra na Biblioteca Pública de Évora, as Sentenças atribuídas a André Rodrigues de Évora, a Carta do Desembargador Gonçalo Dias de Carvalho ao Senhor Rey D. Sebastiani sobre Officio e qualidades de hum rei. A estas obras pode acrescenta-se também o Diálogo da justiça, inserto na primeira parte da Imagem da vida cristã, de Frei Heitor Pinto, publicada em Coimbra em 1563 e o De regis institutione et disciplina (1571) de D. Jerónimo Osório.» (SOARES, 1994:173).

6 Queiroz Veloso no capítulo da biografia de D. Sebastião intitulado «Os Malogrados Casamentos do Rei» (pp. 151-187), de onde retirámos esta citação, expõe toda a trama política à volta desta questão das negociações políticas das diferentes propostas de casamento, utilizando uma documentação rigorosa como fonte. Cunha Coutinho, por sua vez, no já citado artigo, trata dos episódios anteriores à primeira proposta oficial, a de 1561, e põe em relevo o interesse francês nesta questão que, muitos historiadores, limitam aos interesses castelhanos: «É claro que só aqui me ocupei das frustradas primeiras negociações matrimoniais; nas ulteriores, já conhecidas», refere-se entre outros ao estudo de Queiroz Veloso, «predominou sempre o satânico espírito da Médicis, com alternativas de fervor e arrefecimento, até que D. Sebastião, altivo e decidido, sem titubear, lhes pôs remate» (COUTINHO, 1935: 358)

7 Veloso cita, p. 155, Edmond Falgairolle, Jean Nicot, ambassadeur de France au XVIe siecle. La Correspondance Diplomatique., pp. LXXXIII e 67.

8 Leia-se o final do capítulo XXVII.

© Publicações do Cidehus, 2009

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr