Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Ler em grupo

 | 
Cláudia Sousa Pereira

Sobre o Torneio

Texte intégral

1No final do capítulo XLV, o narrador termina da seguinte forma as aventuras dos cavaleiros da Segunda Távola Redonda: «Estando, pois, as cousas neste estado e a corte cheia de cavaleiros naturais e estrangeiros, todos ocupados em festejar os noivos, sucedeu uma estranha aventura que levou a bóia a tudo e a que se deve atenção por o preço dela.» (p. 366). E no capítulo seguinte, é ainda a voz do narrador, cronista apócrifo Foroneus, quem começa por lembrar aos leitores que a credibilidade dos feitos aventurosos que até ali vinham a ser narrados poderia ser comprovada pelas não inferiores aventuras vividas por conhecidas personagens da realidade histórica portuguesa, que ele refere brevemente. Anuncia-se, logo a seguir, a realização de um torneio «que a sabia Merlinda quis fazer vente a el-Rei Sagramor e toda sua corte», bem como as razões que a levaram a mostrá-lo: «primeiro por que não se fiasse da sua próspera fortuna, vendo quão falsa se mostrou para com a próspera Lusitânia, e a segunda para que visse que viriam ainda tempos que acanhassem os seus e foi aguar-lhe a soberba opinião que tinham» (p. 367).

2Surge então uma voz que profere um discurso para a corte de Sagramor, cumprindo-se o que Foroneus anunciara. Este processo vai, a partir deste momento, criar dentro do texto dois níveis de espectadores: os ouvintes da corte de Sagramor para os quais o texto descritivo do torneio é de carácter profético e os leitores do Memorial para quem a descrição do torneio de Xabregas assume contornos de documento historiográfico, ao mesmo tempo que nele se comemora a figura de um príncipe e de uma corte. Em consequência deste desdobrar dos espectadores, verificamos que o sujeito da enunciação, até agora personificado em Foroneus, vai passar para um eu que se assumirá como o próprio autor, ele próprio espectador do torneio. No início do capítulo XLVII, depois de no capítulo anterior Merlíndia ter feito a sua intervenção e Foroneus nos ter descrito a visão maravilhosa que a mágica personagem ofereceu de Lisboa, temos presentes estas três entidades narradoras – Ferreira de Vasconcelos, Foroneus e Merlíndia: «Muito devido é dar o louvor e preço a quem se deve e grande falta negá-lo», sentencia o autor, «por o que parece Foroneus chegando a tratar desta ponta que aqui Lusitânia faz acabando no mar Oceano, teve que não se podia escusar da obrigação de seus louvores, tão breve e sucintamente como ouvistes.», referência à fonte que é o cronista apócrifo, «Por modo que aqui se verá logo, mediante a arte de Merlíndia, uns reais paços», e à própria fonte de Foroneus.

3Esta transição não é explícita, embora seja perceptível a nível do estilo, que passa a ser muito mais descritivo. O facto de o torneio nos ser apresentado sob a forma de visão profética vai, obrigatoriamente, torná-lo num acontecimento revestido de aspecto simbólico. O facto de ser inserido numa narrativa de carácter maravilhoso vai sugerir que essas mesmas aventuras narradas até aí se encontrem num mesmo plano de verosimilhança. Ilusões encenadas e encenação de ilusões são, afinal, as duas partes em que a obra se divide.

4Logo no primeiro capítulo desta parte final somos transportados ao maravilhoso pela descrição idílica que é feita do cenário do torneio, a cidade de Lisboa, que começa na serra de Sintra e desce até ao Tejo, terminando com a referência a uma fonte de características maravilhosas e comparando-se a beleza natural da terra com a beleza da mulher portuguesa, o que, mais uma vez, remete para o grande tema do Memorial.

5O torneio de Xabregas foi um acontecimento mais social do que político, pelo que não deixou grandes marcas na História de Portugal, tendo embora sido uma espécie de cerimónia ritual de iniciação do príncipe D. João na arte das cavalarias. Em consequência deste facto, este torneio sobre o qual parece haver outra relação manuscrita, para além de uma carta de Francisco de Morais, é considerado por alguns autores como um episódio funcional dentro da novela.

6A ele se refere o jornalista Mário Furtado num livro que publicou sobre Xabregas, mencionando o “nosso” torneio:

«Em 3 de Junho de 1552, este cenóbio presenciou o célebre torneio por ocasião do 15° aniversário do Príncipe D. João, filho de D. João III – entendeu o Rei que não havia nada melhor para espevitar e incutir sangue na guelra do futuro pai de D. Sebastião. O local escolhido para a justa foi, portanto, a praia de Xabregas, defronte do mosteiro. Como é óbvio, e à semelhança do que aconteceria 23 anos mais tarde com a tourada no tempo de o Desejado, foram necessárias grandes e onerosas obras para adequar o piso a este tipo de competição com todas as ornamentações da praxe, de tal forma que os trabalhos se prolongaram muito para além da data prevista. Assim, só no dia 15 de Agosto, dia da Assunção de Nossa Senhora, foi possível efectuar a festa guerreira. Jorge Ferreira de Vasconcelos, no seu “Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda”, apresenta-nos uma história ficcionada, cujo entrecho não passa de um mero discurso apologético das virtudes cavaleirosas, culminando com um relato autêntico: o torneio de Xabregas. (...) Cada combatente actuava duas vezes: uma com piques embotados (lança de gume raso) e a outra à espada. Dado o carácter louvaminheiro destas obras literárias, nunca saberemos se o príncipe levou uma sova. Uma coisa é certa: os juízes não lhe conferiram o prémio de vencedor, mas deram-lhe o de galanteria pela forma garbosa e gentil como combateu. Enfim, histórias de príncipes encantadores.!». (FURTADO, 1997: 60-61).

7Há quem considere este torneio apenas mais uma manifestação de tipo teatral, como é o caso de Fidelino Figueiredo:

«Uma ou outra vez, o velho teatro pré-vicentino reaparecia, a chamado de gentes dadas ao gosto das antiguidades como sucede modernamente com as touradas “à antiga portuguesa”. O seu reaparecimento mais soado terá sido o torneio de Xabregas, subúrbio de Lisboa, torneio que durou muitos dias e em que tomou parte relevante, na opinião dos áulicos, o infante D. João, filho do rei D. João III e pai de D. Sebastião. Para perpetuar a memória do infante, Jorge Ferreira de Vasconcelos escreveu uma descrição minuciosa desse torneio e antepôs-lhe uma imaginosa história da Ordem da Cavalaria, desde a sua instituição por Baco... Esta a origem do Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda, de 1567. Ali assistimos a uma serôdia reviviscência do teatro medieval, na sua direcção cavalheiresca, simulação de torneios, mas agora com recuo estético, porque esse espectáculo voltou ao ar livre e reduziu em muito a cooperação da palavra, sem nada conservar das aderências de origem marítima e colonial, que encontrámos no serão de 1501. Todavia, essa descrição de Jorge Ferreira de Vasconcelos tem interesse histórico-literário, por motivo do cerimonial e da nomenclatura desse velho teatro. Lá encontramos a mesma preocupação de luxuosa indumentária, as “invenções”, as cimeiras e as “letras”, uma delas de Garcilaso de la Vega, os animais exóticos e o elemento mitológico, sem esquecer um Tritão, embaixador de Neptuno, um etíope e uma bruxa. “Etíope” era designação sumária das raças negras.» (FIGUEIREDO, 1950:143-144).

8Quanto a Finazzi-Agró, o torneio de Xabregas é o “acontecimento-função” do Memorial, «Trata-se, neste caso, de um facto real, de uma justa travada durante o reinado de D. João III (5 de Agosto de 1552) na qual tomara parte também o Príncipe D. João que, de resto, fora armado cavaleiro naquela ocasião.» (FINAZZI-AGRÓ, 1978: 49).

9Também para Massaud Moisés o torneio de Xabregas aparece apenas com importância ficcional e «é importante como mostra de portuguesismo e quinhentismo, ambos condicionados ao surto nacionalizador da matéria cavaleiresca, verificado no século XVI». Para este autor, como para Palma-Ferreira, e nós próprios, a relação da descrição do torneio com a restante matéria do Memorial tem cumpridos os seus efeitos funcionais servindo o carácter doutrinal da obra.

10Quanto a Isabel Almeida, refere-se a este episódio comparando-o com o próprio sucesso que os livros de cavalarias teriam no público cortesão. Preferimos citar a investigadora, a traduzir por palavras nossas:

«Os últimos vestígios do que tudo indica ter sido o duradouro gosto da corte joanina por estas fábulas detectam-se exactamente na organização de festas em honra de D. João Manuel. Por si, tratar-se-ia de um dado significativo; o seu valor acresce, porém, quando se atende ao particular empenho que envolveu essas comemorações.»; e, mais adiante, constata que «Do torneio de Xabregas não se imprimiu nenhuma relação avulsa, como soía fazer-se, para estes eventos em Itália, e começava a suceder em Espanha», mas refere a existência de uma carta de Francisco de Morais a D. Leonor e conclui: «A relação entre esta carta e os capítulos finais do Memorial deverá ser apurada com pormenor e cuidado. Não se sabe se ambos os autores foram testemunhas presenciais, ou se um conheceu a obra de outro. Muito próximas, em alguns passos, as narrativas divergem noutros, e não será de afastar a hipótese de um terceiro texto ter existido e funcionado como fonte de uma delas. Contudo, pelo relato minudente que facultam, podemos reconstituir o evento (...). Designando metaforicamente a narrativa como “engaste de pau” de um “diamante” que seria o relato dos acontecimentos de 15 de Agosto (e colocado no fecho da obra, este fica estrategicamente compensado da brevidade que, face à enorme moldura, o poderia apoucar), Jorge Ferreira reconheceu respeitosas diferenças, mas acabou por propor uma estreita união entre os termos que aparentemente distinguia. Na verdade, se entre o torneio realizado e a matéria ficcional que lhe servia de molde a relação seria, à partida, de fecunda circularidade, Vasconcelos procurou traduzir e reforçar esse laço estendendo a estes capítulos derradeiros a mesura retórica cultivada para traçar as aventuras fingidas. Num livro como o Memorial, onde o autor dissemina amargos comentários sobre o tempo da sua enunciação, opondo-o ao da diegese, essa continuidade harmoniosa construída entre a fábula e a História nada tem de despiciendo: o torneio de Xabregas ganha deste modo o valor de um símbolo, representação de um passado nostalgicamente identificado com um esplendor ideal, cuja celebração se contrapõe à visão triste do presente.» (ALMEIDA, 1999: 46-47)

11Corte de ficção, a de Sagramor, brilha pela pena do escritor. A corte joanina, essa não ficará pior retratada. Se a lisonja está presente em quem escreve, está também patente o gosto só e apenas pelas historinhas maravilhosas de quem as lê. A organização de festas como esta assim o prova.

12O episódio do torneio de Xabregas é «o diamante desta escritura» nas palavras do autor do Memorial. Ferreira de Vasconcelos faz, nos três últimos capítulos da obra, uma transposição do modelo cavaleiresco para o espaço da realidade portuguesa. O presente dos Portugueses é o futuro da corte de Sagramor. Se até ao momento do torneio importou mostrar aos leitores a valentia dos antepassados da Ordem, é no grand finale da obra que os valores de um Futuro vão servir para conferir aos antepassados a sua importância, tal como na genealogia de Cristo é o descendente quem torna importantes os seus antepassados.

  • 1 Memorial, p. X.

13Os modelos de cavalaria da época são, de forma mais directa, os trazidos por Amadis que já influenciara João de Barros no seu Clarimundo. Mas mesmo a novela de Montalvo, de 1508, apresenta em si um desfasamento em relação ao mundo de Lancelot de Chrétien de Troyes, como afirma Palma-Ferreira: «Trezentos anos posterior a Lançarote, o Amadis, se é socialmente inviável, como recuperação da velha cavalaria, é, no entanto, compreensível no que representa de contribuição para a criação do mito do cavaleiro.»1 Responsáveis por este fenómeno são também os autores de meados do séc. XV, Ariosto com o seu Orlando Furioso e Johanot Martorell com Tirant lo Blanc, ambos transposições do general Roger de Flor que chefiou uma cruzada ao Oriente em 1302, substituindo-se, como afirma ainda Palma-Ferreira, «o cavaleiro arquetípico, irreal, sublime e codificado (...) por uma personagem de carne e osso». As façanhas do príncipe D. João não passaram de uma exibição graciosa no torneio de Xabregas. Antes de mais, o episódio do torneio constitui-se como um momento em que, mais do que as façanhas bélicas que não demonstra, Ferreira de Vasconcelos pôde colocar em primeiríssimo plano um príncipe, “pouco encantado”, que se entrega a algo mais humano que a extinta cavalaria ao estilo arturiano, rendendo-se ao verdadeiro amor, recíproco, o amor conjugal. Parece-nos que, apesar do cenário fantasioso que é a encenação de um torneio, sem grande mérito no desempenho da arte das armas, o autor conseguiu, de forma exemplar, fazer a transição do que foi o tema central desenvolvido ao longo das aventuras da Távola Redonda para a realidade de “carne e osso”.

14À eficácia desta transposição não será também alheia a identificação que o autor deseja entre as personagens que se movem na corte de Sagramor e o público a que dirige o Memorial, conseguindo o texto ficcional, com a ajuda do texto-crónica, fazer coincidir os dois tempos dos dois universos retratados na obra: o universo maravilhoso da cavalaria errante e belicosa, e a realidade do torneio tornada maravilhosa pela espectacular encenação de umas justas. Nestes três últimos capítulos, cavaleiros da Távola Redonda e leitores da segunda metade do século XVI encontramse na posição de espectadores: os primeiros serão espectadores de um Futuro que os homenageia pela sua imitação no torneio, mas que os previne pela fatalidade da morte do príncipe e do consequente desamparo da coroa portuguesa; os segundos ver-se-ão retratados num acontecimento de um passado recente que reproduz, à escala lúdica e a única possível de uma realidade em que a intervenção cavaleiresca fará sentido, uma demonstração de valores, dos quais mais uma vez importa salientar o Amor, neste caso, o do príncipe D. João com a princesa D. Joana, que trará o seu fruto, tão desejado, D. Sebastião.

15Para os cavaleiros da Távola Redonda, o caso dos príncipes D. João e D. Joana revestir-se-á, nestes três últimos capítulos, da mesma exemplaridade que para os leitores quinhentistas tiveram as suas aventuras amorosas. Porque, afinal, do que se tratou ao longo de toda a obra foi de expor uma série de casos amorosos exemplares, entre os quais surge este caso real, nos dois sentidos da palavra.

16Ao mostrar-se o Futuro ao Passado (a visão do torneio facultada às personagens da novela por Merlíndia), mecanismo da Profecia, relembra-se ao Presente (descrição do torneio dado aos leitores da novela) a importância de honrar o Futuro. Não se cristalizando o Passado, glorioso mas acabado, exalta-se a função que o herói, neste caso o jovem D. Sebastião primeiro leitor da obra, tem pelas suas acções de conservar a ciclicidade, assegurar a alternância, restaurando o Tempo e restabelecendo a Ordem. Ora, mais do que conservar pelas armas as praças em África, surgia como passo político urgente assegurar a descendência, o Futuro, para conservar a nacionalidade, conquista do Passado.

17É sobre D. Sebastião, homem e mito, as questões que envolveram a sua educação e tentativas de casamento, que iremos tratar no capítulo seguinte.

Sugestões ao mediador:
Este capítulo servirá ao mediador para aprofundar o fait divers histórico que constituíam estes acontecimentos sociais e culturais. É uma matéria que pode ser interessantíssima explorar com a colaboração dos professores de História, constituindo um projecto perfeitamente adequado a esta disciplina, ainda que trabalhado também paralelamente em ambiente menos convencional do que a sala de aula, e usando a biblioteca escolar de forma acompanhada.
A actividade do grupo de leitura torna-se assim tão extensível que pode ser também avaliada por outras disciplinas do currículo.
Outro tema interessante para os jovens investigarem pode ser o dos casamentos dos reis de Portugal.
Caberá também ao professor de História acompanhar este tema.

Notes

1 Memorial, p. X.

© Publicações do Cidehus, 2009

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr