Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Ler em grupo

 | 
Cláudia Sousa Pereira

Estrutura da Obra

Texte intégral

  • 1 Sobre a questão da falsidade, e da responsabilidade que os livros de cavalarias teriam na formação (...)

1Ao tratar o amor sob a forma ficcional das aventuras da Segunda Távola Redonda, entrelaçando diferentes casos amorosos de diversos cavaleiros, à semelhança do romanz medieval, ao aproximar essas “ficções” de uma realidade conhecida de um passado recente, o caso dos príncipes D. João e D. Joana, Ferreira de Vasconcelos vai conferir a este livro de cavalarias muito mais do que uma narrativa de aventuras, mas também uma expressão e forma de pensar. O autor mostra que para além do texto dramático em que é mais conhecido e usando o popular género do livro de cavalarias, também segue os ditames da velha retórica, e faz passar sob a forma de uma ficção, de aparentes funções meramente lúdicas, uma série de pensamentos que mais facilmente se inculcariam no espírito de D. Sebastião, teoricamente o primeiro leitor da obra, contribuindo para a formação do futuro rei. Desta forma, julgamos que, ao contrário das vozes maldizentes que incluíram este Memorial no rol dos “malditos” livros de cavalarias de larga profusão no século XVI, acusando-os particularmente de incitar o menino-rei à desgraça de Alcácer-Qubir, não conseguiram ver/ler nas entrelinhas da obra uma forte campanha a favor do seu casamento. Aparentemente, e tendo em conta toda a polémica em torno dos consórcios falhados do monarca, o próprio D. Sebastião terá ficado insensível a essa campanha1.

2Tal como era prática corrente na novela de cavalarias medieval, nomeadamente nos romans de Chrétien de Troyes ou no Amadís de Gaula de Montalvo, e continua a sê-lo nas novelas quinhentistas peninsulares, os relatos das aventuras dos cavaleiros seguem o mecanismo do entrelaçamento das histórias que se passam simultaneamente, o que para o leitor actual, solitário e silencioso, pode apresentar algumas dificuldades e provocar a “perda do fio à meada”. Com efeito, e apesar de estarmos com Ferreira de Vasconcelos já na época da tipografia, e logo com maior difusão de exemplares de uma obra, a leitura deste género de obras seria, provavelmente, ainda feita em voz alta e para um pequeno auditório. Aliás, a manutenção deste recurso de entrelaçamento, usado agora em episódios de uma complexidade e duração consideráveis, será indiciadora dessa forma de leitura.

  • 2 Na p. 161 do Memorial, Ferreira de Vasconcelos escreve: «Assim, também Foroneus, nosso escritor, ne (...)

3Não se tratando, como no caso de Clarimumdo por exemplo, de uma novela sobre um só herói2, há todavia a par do entrelaçamento, momentos de digressio que, para além de recurso estético, são um procedimento amplificatório que serve o carácter doutrinário da obra. Na transição de episódios, o início do episódio seguinte é, nesta obra, o local privilegiado para o aparecimento destas “digressões moralizantes”, empregando-se o mesmo tipo de fórmula que se utilizou na interrupção do episódio anterior para deixar a digressão e começar o novo episódio. Característica da época literária é, também, a preocupação em evidenciar conhecimentos da cultura clássica e dar suporte aos acontecimentos narrativos, sobretudo os mais extraordinários, com dignos exemplos do passado. Daqui resulta que o narrador compare muitas vezes a situação novelesca com uma situação correspondente na Antiguidade.

4No Prólogo o autor dedica a obra a D. Sebastião, esclarecendo que é de perfeita consciência e sem nenhum complexo que, nesta obra, irá usar matéria de tradições diferentes às que são habitualmente usadas, formando uma espécie de “manta de retalhos”. Dos quarenta e oito capítulos que compõem a obra, só no quadragésimo sexto se começa a falar dos Portugueses e só no penúltimo capítulo se descreve longa e detalhadamente o torneio. O último capítulo é um verdadeiro epitáfio ao Príncipe D. João, que inclui uma Elegia e, no final, o autor promete a continuação das aventuras desta Távola Redonda na guerra da Mauritânia que se adivinha perigosa.

5De salientar ainda no início da obra, capítulo primeiro, a referência que o autor faz da sua fonte, Foroneus, que várias vezes durante a obra diz seguir à risca, juntamente com a relevância dada ao papel do escritor na perpetuação da memória dos feitos de um rei. Desta forma expõe os objectivos originais da matéria tratada pelo cronista que serviu de fonte do Memorial e que, pela leitura do Prólogo, vemos transpostos para os próprios objectivos de Ferreira de Vasconcelos. Atente-se ao que é dito no primeiro capítulo:

  • 3 Diz-nos sobre este Prólogo Isabel Almeida: «Jorge Ferreira de Vasconcelos destaca-se na tradição po (...)

«foi necessário ocuparem-se muitos escritores em escreverem seus [do rei Artur] maravilhosos feitos e proezas, cada um segundo melhor pôde alcançar. E daqui também procederam diferentes opiniões, ficando a verdade suspeita, ou tão escura e confusa como as histórias que os Gregos encobrem em suas fábulas. E de muitos volumes que modernos autores trasladaram das Crónicas Inglesas em sua materna linguagem, nasceu esta confusão, porque o vulgo tudo nega o crédito que se deve a esta tão antiga Ordem, que testificam Sigisberto Gálico e Guillielmo de Nangis escritores latinos; aos quais imitando e seguindo Foroneus, filósofo e Cronista Inglês, desejoso de trazer à luz as cousas que lhe pareceram de mais tomo, compilou um sumário das que passaram em tempos del-Rei Sagramor» (p. 12)3.

6Mas o herói intrépido e maravilhoso da Távola Redonda é obviamente a principal figura inspiradora das aventuras do Memorial. No primeiro capítulo descreve-se a origem da Ordem dos Cavaleiros, desde Baco, passando por Alexandre Magno, Octávio Augusto, Carlos Magno, Rei Artur e esclarece-se a passagem da liderança para o Rei Sagramor. Nos capítulos II e III conta-se como o Rei Artur foi deposto, descrevem-se as novas obrigações da Ordem, que ganha o “actual” nome de Segunda Távola Redonda, e, tendo o “erro” de Artur levado a uma batalha com seu filho bastardo Morderet, conta-se como aquele passa a chefia a Sagramor antes da batalha. O rei Sagramor profere, no quarto capítulo, o discurso de tomada de posse, divide os despojos da batalha, ganhando desde logo o amor dos súbditos. No quinto capítulo, sabe-se como os dois filhos de Morderet acabam por perder o que tinham para Sagramor: um deixou o seu domínio ao outro e partiu, não voltou, e este entregou a cidade ao rei, indo conquistar outra cidade.

7Sagramor inicia o seu reinado armando cavaleiros mancebos que iam para Espanha combater os Mouros. Os únicos cavaleiros da Távola Redonda que tinham sobrevivido eram Doristão Dautarixa filho de Galvão, Fidonflor de Mares, os gémeos Bransidel e Brisam filhos de Galeazo e Mansolinos filho de Palomides. Num dia de Pentecostes, a conselho da sábia Merlíndia, arma cavaleiro um belo donzel que chega à Corte e que não se identifica, porque quer ser conhecido pelas suas próprias obras e não pela sua ascendência. Dá-se um acontecimento maravilhoso, com a intervenção de um dragão e da imagem de uma donzela que “rouba” o coração do donzel, dando-lhe uma espada e uma tarefa: procurá-la. O donzel parte, prometendo a Sagramor voltar para lhe agradecer. Dois cavaleiros gémeos são mandados para seguir o cavaleiro chamado “das armas cristalinas” (Lucidardos é de facto o seu nome). É o sexto capítulo, e começam as aventuras.

8Nos três últimos capítulos a narrativa volta-se para a Corte portuguesa e assiste-se, através de um pormenorizado relato, ao torneio que sucedeu em Xabregas em Agosto de 1550. Envolto pelo triste destino que traz mais tarde a morte ao herói deste torneio, o príncipe D. João, o final da obra anuncia as adversidades que a nova Távola Redonda encontrará e que ficam prometidas para um outro futuro livro.

9Temos, ao longo da narrativa ficcional, nove pares que se envolvem em aventuras amorosas, com diferentes desfechos. Começaremos por apresentar de forma muito breve esses pares, introduzidos no texto ao longo das aventuras do principal cavaleiro, sejam eles protagonistas de situações que Lucidardos deve resolver, no seu percurso heróico, ou tratando-se de personagens de “histórias” que vêm a propósito da conjuntura política vivida pela preparação da vingança de Godifert a Sagramor, aliando-se aos Mouros. Servindo-se dos destinos da liderança da Ordem como cenário, este tipo de episódios amorosos vão também contribuir para a defesa de uma ética do amor universal, independente de credos e raças.

10Depois de tratarmos cada uma das aventuras dos cavaleiros, trataremos as questões relacionadas com o amor levantadas pelo texto num tom reflexivo, quer pela voz das próprias personagens, quer pelos comentários da voz do narrador. Começaremos pelas dúvidas colocadas por uma das principais personagens femininas, de nome Celidónia, sobre o amor e o amar, que surgem no último torneio dos episódios cavaleirescos, e que parecem organizar em seis pontos as grandes dúvidas daquele que quer amar e ser amado. Estes “princípios básicos do amor”, ainda que colocados por uma personagem da obra, poderão constituir-se como regras assentes, ou doutrinas a seguir como exemplo, para o autor e para a sociedade a que ele se dirige, reforçando o carácter didáctico da obra.

11O grande tema do nascimento do amor pela imagem da pessoa amada, e não pela própria pessoa, surge no Memorial e na personagem de Lucidardos em particular, de uma forma explícita. O homem apaixona-se pela imagem da mulher e não pela mulher em si, (re)criando-a como o objecto do seu amor. Essa entidade mediadora do acto de enamoramento que é a imagem, quer esta seja uma representação pictórica, quer se revista na forma da opinião de outros sobre o sujeito a amar, é a responsável pelo início das vicissitudes que o estado amoroso acarreta, e foi motivo que interessou desde cedo os filósofos e pensadores.

12O Memorial é um texto que também nos coloca face a um enigma ao juntar as maravilhosas aventuras dos novos cavaleiros da velha Távola Redonda com o real torneio de Xabregas, abrindo-se um fosso entre uma ficção aceite e uma realidade fantasiada. Julgamos poder resolver este enigma relacionando os dados propostos pelo próprio texto e jogando com ele um jogo de interpretações que colmatará essa inicial sensação de expectativa suspensa.

Sugestões ao mediador:
Ainda na primeira sessão de trabalho, após a leitura do Prólogo, fazer a planificação dos capítulos a ler para as sessões seguintes. E importante que os jovens tenham esse T.P.C. feito, no entanto se por ventura houver quem não tenha lido a parte correspondente a uma determinada sessão não deve ser excluído da actividade. Pode arranjar-se maneira de o “penalizar” cabendo-lhe a tarefa de iniciar a discussão da sessão seguinte, por exemplo.
É obrigatório definir as regras de funcionamento do grupo, sendo que é indispensável ter em conta que se exige:
• Prazer em ler: a leitura é individual e ao ritmo de cada um entre sessões; nas sessões haverá momentos para ler, e ouvir ler, em voz alta.
• Gosto em ouvir opiniões e, também ajudava, em emiti-las
• Persistência na actividade e flexibilidade nas combinações de funcionamento do grupo: não vale nunca querer ler e encolher os ombros cada vez que se faz uma pergunta ou um pedido de opinião.
• Vontade em transformar cada sessão num momento que vale a pena: apesar de poder ser integrado numa “disciplina obrigatória” há que imprimir um certo à-vontade que transforme a leitura difícil do texto em resumos e versões divertidas dadas por cada um dos leitores.
• O compromisso de relatarem a boa experiência a outros!
Planificação das sessões de discussão de leitura por capítulos:
1
a sessão
A Segunda Távola Redonda: capítulos 1 a 5
2
a e 3a sessões
Lucidardos, o cavaleiro das armas cristalinas: capítulos 6, 9, 11, 13, 14, 15 e 18, numa sessão e capítulos 19, 28, 35, 38, 42 e 45, na sessão seguinte.
4
a sessão
Florisbel e Belfloris: capítulos 24 e 30
5
a sessão
Padragonte e Trizbea: capítulos 23 e 29
6
a sessão
Doristão e Laudisea: capítulos 21, 31, 37, 40, 41 e 44
7
a sessão
Aristandor e Fiorisa: capítulos 26 e 34
8
a sessão
Fidonflor e Hilionea: capítulos 7, 27, 33 e 43
9
a sessão
Jusquibel e Arindélia: capítulos 8, 10, 12 e 25
10
a sessão
Brisam e Floresinda: capítulos 22, 32, 39 e 36 (por esta ordem porque o Autor se enganou)
11
a sessão
Florismarte e a ninfa: capítulos 16, 17 e 20
12
a sessão
Torneio de Xabregas: capítulos 46, 47 e 48.
O que ficar dito neste livro a propósito de cada uma das aventuras e episódios do
Memorial pode ser sempre um bom mote para discussão, e que por isso surgirá nos capítulos seguintes a negrito. Há igualmente que ter preparado um resumo geral de cada aventura, em cada sessão, e o esclarecimento de uma ou outra ideia que, pelo arrevesado da sintaxe, seja de mais difícil compreensão.
Uma boa actividade é pôr precisamente à discussão o sentido de uma frase menos óbvia graças ao arcaísmo da língua.

Notes

1 Sobre a questão da falsidade, e da responsabilidade que os livros de cavalarias teriam na formação do conhecimento dos factos da realidade, diz-nos Isabel Almeida: «Os livros de cavalarias intitulavam-se “crónica”, “história”, na sequência da tradição medieval; concebido em prosa, e não em verso, que facilmente seria conotado com o fingimento e o artifício poético (...), alimentavam ambiguidades acerca do seu estatuto e exploravam fingimentos vários, inventando fontes, simulando efeitos de real. É possível que alguns leitores cândidos ou desprevenidos cedessem à ilusão e caíssem no logro de tomar por verdadeiro o que era fabuloso. Inflamar-se-iam por isso os historiógrafos? Talvez, mas só em parte. Verdadeiramente preocupante se afiguravam as implicações desse engano, que, para além do respeito pela letra impressa (...), só uma relação especular – ou como prefere Folgequist (1982:205), “simbiótica” – entre a crónica fingida e a dita verdadeira permitia, e que alguns pastiches fraudulentos apresentados como lídimos relatos contribuíram decerto para agravar. Ora, nessa indistinção de fronteiras, na suspeita de contaminação, ficava em causa, minada por uma intolerável insegurança, a credibilidade da historiografia.» (ALMEIDA, 1999:113).

2 Na p. 161 do Memorial, Ferreira de Vasconcelos escreve: «Assim, também Foroneus, nosso escritor, nesta historia trabalha proceder sempre alternadamente por não enfastiar o gosto dos que a lerem com a continuação de um só conto, no que tem tal ordem que dando a cada um seu lugar, o tempo os enfia em seu propósito, porque não foi sua tenção tratar de um só cavaleiro como pudera do das armas cristalinas a quem se devia por suas obras, deixando os outros agravados; antes pretende fazer uma viva memoria de tudo o que alcançou saber dos da Távola Redonda del-Rei Sagramor (...)». Leia-se também a nota de Palma-Ferreira a este mesmo comentário: «Esta passagem é muito curiosa e elucidativa. Por ela se verifica, claramente, que J. F. de Vasconcelos não pretendia organizar um romance de cavalaria de uma única personagem central, com várias nucleares, mas um conjunto de contos uns nos outros enfeixados e tendo, como unidade, o motivo da Távola redonda. Esta estrutura, que preside às cavalarias tardias portuguesas (continuações do Palmeirim), sublinha-se ainda mais se, individuando as “histórias”, verificarmos como se organizam, tais autênticos contos de cunho fantástico.

3 Diz-nos sobre este Prólogo Isabel Almeida: «Jorge Ferreira de Vasconcelos destaca-se na tradição portuguesa de defesa do género, na qual assinala um ponto de viragem: não poupa razões, investe trunfos, escuda-se em autoridades, engendra com hábil retórica o seu discurso. Repare-se como tenta conciliar o livro de cavalarias com a lei de Horácio, tida por fundamental na poética quinhentista; como procura, nesta sequência, anular os anátemas eclesiásticos lançados contra a ficção, alegando (numa fórmula deliberadamente vaga, mas que por isso mesmo serve para iludir o anacronismo da afirmação, ou para lhe estender o alcance), exemplos da própria Igreja; como substitui ao retrato disfórico do género (patranha, sensaboria, disparate) recorrentemente debuxado nas críticas, uma descrição favorável, traçando com brevidade lapidar uma imagem de concórdia sábia, animada por contrastes vitais, mas coroada da harmonia de um fim justo» e acrescenta, mais adiante, «É inegável que Jorge Ferreira se empenha em classificar o seu texto como poema, e a insistência neste ponto parece raiar a provocação, tanto mais que o autor, ao arrepio da poética peninsular, filia a literatura cavaleiresca (destacando o seu modelo, Amadis) na tradição clássica (...). Assim afirma no prólogo, assim mantém num excurso da narrativa: “Amadis de Gaula a ninguém sofreu parelha, mas foi por o autor de sua história ter a mais alta composição dela que se pode achar de Homero a esta parte” (p. 16). O interesse por esta questão tem implicações substanciais. Vincar a separação da história e da poesia abria caminho ao reconhecimento (e aplauso) de uma liberdade própria desta última. Vasconcelos diria que as fábulas dos poetas “não carecem da verdadeira história” (ibid: 84), observação provavelmente estimulada pelo conhecimento da doutrina de Aristóteles e da distinção nela postulada entre a obrigação da história ao particular, e a abertura ao universal da poesia» (ALMEIDA, 1999:124-128).

© Publicações do Cidehus, 2009

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr