Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Ler em grupo

 | 
Cláudia Sousa Pereira

O Livro

Texte intégral

  • 1 Veja-se o recente estudo de Aurélio Vargas sobre o lugar dos livros de cavalarias na historiografia (...)

1Da primeira leitura do Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda, leitura ainda superficial, fica-nos a impressão de uma copiosa galeria de cavaleiros percorrendo um não menos copioso número de maravilhosas aventuras, que seguem entrecortadas umas pelas outras. O título da obra deixa entrever essa profusão de personagens. Que mais poderíamos nós querer descobrir num livro que, seguindo sem grandes novidades as regras de um género tanto tempo olvidado pela teorização literária, tem apenas pelos seus três últimos capítulos – relato do torneio de Xabregas em que foi armado cavaleiro o príncipe D. João, pai de D. Sebastião – lugar de destaque nas Histórias da Literatura1?

2Encontrámos escudo e armas para os primeiros passos da nossa empresa nas palavras de Fidelino Figueiredo em A Épica Portuguesa do Século XVI. A opinião do crítico literário, que transcrevemos, iniciou a resposta às nossas primeiras hesitações; as restantes dúvidas, questões, desconfianças, fruto de um cada vez maior envolvimento com o texto, ficarão expostas e serão respondidas, assim o esperamos, ao longo deste livro:

«O caminho das grandes obras através das gerações não é aberto só pela sua erudição, que nelas parasita; de certa altura em diante a sua marcha é guiada pela contemplação. É como na grande música: Bach e Beethoven só se entendem e só se descobrem dentro de nós, pela audição contínua, porfiada, ansiosamente buscando identidades, cooperando no seu esforço de expressão. Eles nos deram o sinal de partida e sob o signo mágico devemos continuar o caminho que eles jamais puderam perfazer...» (FIGUEIREDO, 1950:367)

  • 2 Estes livros são quase sempre, e sobretudo em enciclopédias literárias de carácter geral, vistos co (...)
  • 3 Referimo-nos aos trabalhos já mencionados de Ma Rosário Paixão e de Isabel Almeida. No primeiro tra (...)

3Os livros de cavalarias foram um género popular mas maldito2, um pouco à semelhança das séries de aventuras juvenis que ocupam o espaço literário contemporâneo e que são consideradas “literatura de massas”. Felizmente esse estigma foi desaparecendo, primeiro com breves trabalhos dedicados a esta ou aquela obra, mais recentemente com trabalhos de maior fôlego3. Um desses trabalhos foi realizado por Isabel Almeida que resume assim a história deste “género maldito”:

«No nosso país a história da recepção do livro de cavalarias é a de uma branda conquista: de um grupo de elite, primeiro; de um conjunto cada vez mais vasto, depois, sem perder o favor dos que inicialmente o estimularam. Para cada um, terá significado algo diverso: espelho de comportamentos; pretexto de evasão; entretenimento frutuoso... E é precisamente nessa plurivalência que estas obras se destacam e encontram garantia de sobrevivência, na sua capacidade proteica de assimilar tendências e desejos, de condensar modelos e os ajustar à medida do tempo. Para lá da sedução poderosíssima que o código da cavalaria por si asseguraria, e das características peculiares do género, onde a aventura e o amor constituem traves mestras de um potencial sucesso, esse parece ter sido o segredo da longa vida das crónicas fabulosas.» (ALMEIDA, 1999:74).

4Certo é que, tal como as séries juvenis actuais ou mesmo do século passado, foram obras como estas que cativaram leitores assíduos que, mais do que aprender com os livros, viam na leitura um bom momento de lazer, condição essencial para o prazer de ler. O livro, de certa forma, passou a ocupar o espaço do conto oral e, também pelas suas características de ficção e evasão, aliadas ao maravilhoso e às aventuras, tomou o espaço físico – texto impresso e encadernado, não já a folha volante ou de cordel – dos textos eruditos. Esta “usurpação” do espaço habitualmente frequentado pela elite intelectual, foi um importante passo para a democratização avant la lettre da promoção de hábitos de leitura, ainda que tal pudesse ser considerado um risco e um perigo para muitos.

5Quem foi, então, o autor deste livrinho cheio de complicadas aventuras que misturam muita acção, mas também muito romance e que, por isso mesmo, deve ter agradado a jovens e donzelas, uns em busca de duelos, outras suspirando com duetos?

Sugestões ao mediador:
Numa primeira sessão em que se apresente concretamente o projecto de leitura a levar a cabo, pode-se começar logo com uma boa conversa:
• Procurar levar os alunos a discutir sobre géneros que se considerem menores actualmente e falar-lhes de outras obras que, no passado, foram consideradas menores ou marginais e são hoje importantes marcos da cultura ocidental.
• Provocar a discussão, com argumentos bem desenvolvidos, dos gostos de leitura de cada um dos membros do grupo.

  • 4 Machado, Diogo Barbosa, Bibliotheca Lusitana, Coimbra, 1965-1967, Tomo II, p. 805.

6Sobre a vida de Jorge Ferreira de Vasconcelos pouco se sabe, excepto o facto de ter sido «hum dos mais distintos criados da Excellentissima Caza de Aveyro»4, ter estudado em Coimbra por volta de 1540 e ingressado na carreira burocrática como escrivão da Fazenda Real e da Casa da índia. É sobretudo conhecido entre os estudiosos da historiografia literária pelas suas comédias Ulysippo (1a edição anterior a 1561), Aulegrafia (1619) e Eufrosina (1555), e considerado como um autor que conseguiu, com alguma arte, mas sem grande glória para a posteridade como outros, sintetizar a tradição que lhe chega da época medieval e o humanismo em voga na sua época e apreciado pelo público culto seu contemporâneo. Preocupa-se nos seus textos, de forma sistemática, em registar os costumes da época e da sociedade contemporânea, quer nas comédias, onde retrata exemplarmente os tipos sociais, quer no próprio Memorial onde descreve detalhadamente (quase exaustivamente) o torneio realizado no reinado de D. João III em Xabregas. Estas características, com uma intenção doutrinária e didáctica, parecem surgir como um conjunto de objectivos programáticos, o que é afinal uma marca de muitos escritos, literários ou não, que nos chegam do humanismo renascentista.

  • 5 Vasconcelos, Jorge Ferreira de, Epístola, Farândola, Paris, 1997.

7Menos conhecida é a sua Epístola, que se encontra na edição de 1619 da Aulegrafia, fol.179-186, sob o título de Carta que se achou entre os papeis de Iorge Ferreira de Vasconcellos, e que Jean Subirats reedita em 19975, com o seguinte comentário: «Um esquecimento surpreendente abateu-se sobre esta epístola de 344 versos de uma beleza lapidar, e que faz parte das obras-primas da poesia político-moral do séc. XVI. Não conhecemos nenhuma mais bela nem patética. Ora, na maior parte das recensões da obra, ela é pura e simplesmente omitida».

  • 6 Microfilmada na Biblioteca Nacional (cota do microfilme: BNF.2389; cota do exemplar existente nos r (...)
  • 7 Edição de Manuel Bernardes Branco em que este diz: «Eis o que me resolveo a seguir a orthographia a (...)
  • 8 Edição de João Palma-Ferreira para a colecção Obras Clássicas da Literatura Portuguesa do Século XV (...)

8Quanto ao Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda, com três edições – a primeira, de 15676, a de 18677 e a mais recente edição, de João Palma-Ferreira, em 19988 – parece ter tido uma primeira versão intitulada Triunfos de Sagramor, descrita em mais do que uma bibliografia de obras impressas, e editada em 1554. Esta obra está hoje perdida, e terá sido dedicada ao príncipe D. João, pois como o autor refere no Prólogo do Memorial, o pai de D. Sebastião conheceria já as aventuras dos cavaleiros da Segunda Távola Redonda, sendo a novidade desta versão que nos chegou às mãos o complemento da descrição do dito torneio de Xabregas. Este aparece, metaforicamente, como “o diamante desta escritura em um engaste de pau” (Memorial, p. 5). Quanto à prometida continuação das aventuras desta Távola, mencionada pelo editor de Ulysippo, António de Noronha, na Advertência ao Leitor, nunca foi vista nem descrita.

  • 9 A justificação desta restrição, e consequente organização do estudo, é ela mesma suigeneris. «restr (...)

9Sobre o livro de cavalarias de Ferreira de Vasconcelos, Massaud Moisés realizou um trabalho intitulado A Novela de Cavalaria no Quinhentismo Português – O Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda, em que defende a novela de cavalaria portuguesa como sendo tipicamente quinhentista e não mera tradução da novela medieval francesa. No seu trabalho, Massaud Moisés propõe-se trabalhar a obra no seu «carácter bifrontal», isto é, naquilo que ela tem de convergência de valores medievais e valores renascentistas, consciente de que «o género cavaleiresco, assim como a novela que escolhemos, embora não constituam expressões de primeira grandeza no século de um Camões e de um Gil Vicente, reflectem umas tantas palpitações daquela época de esplendor e misérias para Portugal, e só por isso valia a pena o seu estudo» (MOISÉS, 1957:13). A exposição de Massaud Moisés é composta por quatro partes. Na introdução, descreve-se um pouco o seu percurso no estudo da novela de cavalarias e justifica-se a restrição à obra de Ferreira de Vasconcelos como sendo «uma novela sui-generis, dentro da Cavalaria, além de ser expressão típica da sua época» (MOISÉS, 1957:11)9. Numa segunda parte, começa por fazer uma breve abordagem da novelística cavaleiresca do quinhentismo português, chegando ao ponto de partida da sua análise: «Em resumo, a novela de cavalaria portuguesa é um género tipicamente quinhentista, não da Idade Média, pelo prestígio de que desfrutou e pelo activo processo de nacionalização.» (MOISÉS, 1957:19). Debruçando-se sobre a obra em particular, começa a pôr em evidência o que no Memorial considera serem as suas características de novela quinhentista, e que organiza em quatro aspectos que ocorrem ao longo do texto: as influências clássicas, a figura do Mouro, a intervenção de figuras mitológicas e, finalmente, a descrição do torneio histórico de Xabregas. Na terceira parte faz uma análise da obra, partindo das características que lhe conferem o estatuto de novela amatória. Começa pela análise das personagens e seus comportamentos, nomeadamente o Cavaleiro e a Mulher, e as diferentes formas de amar. Faz depois uma completa referência às manifestações da vida amatória ao longo da novela, durante as diferentes aventuras, diálogos, excursos líricos e “cortes de amor”, bem como os tipos de uniões matrimoniais presentes na obra. Dedica especial atenção às reflexões sobre o Amor, quer estas sejam feitas pela voz do narrador, quer pela voz das diferentes personagens. O estudo termina com a apresentação de sete conclusões:

«1. – A novela de cavalaria portuguesa não é fruto da Idade Média, e sim do século XVI, quando se dá a nacionalização e o amplo cultivo do género, diante do influxo das várias correntes de ideias que circulam na época. (...) 2. – O Memorial pode ser considerado uma novela de cavalaria quinhentista e portuguesíssima; quinhentista: pela influência evidente da cultura clássica, pela presença do mouro, pela atmosfera ética que domina a novela; portuguesíssima: pela apologia aos reis de Portugal, D. João III, o infante D. João, D. Sebastião, pelo exaltar do patriotismo de tôda a novela, especialmente no Epílogo, pelo sentido de epicidade de algumas páginas, pelo lirismo que impregna toda a novela. 3. – O Memorial é uma novela de cavalaria com intenções épicas, que só não se realizam porque se lhes sobrepôs um interesse maior, que diz respeito ao Amor. (...) 4. – É ainda novela de cavalaria doutrinária, dirigida ao Rei ou ao futuro governante, visto servir como a-b-c na formação de D. Sebastião, o que estava intimamente relacionado com o sentido épico e português (...); em maior escala, doutrinal amoroso, que não se desliga do primeiro, (...) visando a uma filosofia amatória, também faziam parte da educação do futuro rei, que tem de (...) preocupar-se tanto com a educação política, porque deve saber governar, como com a sua educação pessoal, porque é homem antes de tudo. 5. – O doutrinal amoroso e o relevo dado aos problemas afectivos correm por conta da tendência quinhentista de conhecer a natureza do Amor.(...) 6. – O comportamento amoroso das personagens está sempre condicionado ao casamento, no princípio secreto, e depois real, quando se realiza o consórcio físico. 7. – O Memorial revela preocupação pelos problemas psicológicos, tanto do homem quanto da mulher, mais dessa que daquele, porquanto as mulheres manifestam maiores subtilezas de vida psicológica. (...) O cavaleiro (...) conduz-se por razões sentimentais e apresenta certa complexidade psicológica, certa aristocracia de maneiras, atitudes e pensamentos que traem o antagonismo cada vez mais vincado entre a Fidalguia e a Burguesia da época. O herói do Memorial é um homem urbano, palaciano.» (MOISÉS, 1957:119)

  • 10 Outro estudioso, Jean Subirats, num artigo de 1986 da Revista do Centro de História da Cultura da U (...)

10Ao longo do nosso trabalho de leitura do texto poucas vezes cotejámos as nossas reflexões e análises com o ponto de vista das propostas do investigador brasileiro10. Quisemos, mais do que reflectir sobre a continuidade e a cristalização das «palpitações daquela época de esplendor e misérias em Portugal» expressas na obra, olhá-la acima de tudo como um testemunho literário de valor, sobretudo na forma de alicerce da história de um género que será dinamicamente retomado nas produções literárias mais recentes para os jovens – a série de livros de aventuras – e que poderá ser entendido como um seu “antepassado”.

11Recuperado o género em que se filia, interessou-nos revalorizar o Memorial que é normalmente ofuscado por esse primeiro texto, novidade na refundição do género cavaleiresco medieval, o Clarimundo de João de Barros. Considerado como um manual de cavalarias que incitaria quem o lesse (sobretudo D. Sebastião seu, supostamente, primeiro leitor) a encarar o espírito das armas como superior a todas as virtudes, o Memorial é, para nós um elogio do amor. A nossa leitura e o nosso conhecimento da obra procurou também mostrar como se deseja que o exemplo das aventuras amorosas dos cavaleiros revelem o amor como um meio e não um fim a atingir, tal como o casamento teria sido, em tempos d’el-rei D. Sebastião, uma forma de, segundo muitos, assegurar uma estabilidade nacional. A finalidade do amor é elevar o herói a uma espiritualidade e perfeição, atraído pela natureza espiritual da beleza, reflectida na imagem da mulher. Os caminhos percorridos pelos cavaleiros para alcançar a mulher amada vão contribuindo de forma exemplar para a aquisição não apenas de uma identidade, como do conhecimento, e também de uma nova alma. Tal como a finalidade do casamento é, na questão dinástica, uma forma de assegurar a nacionalidade.

  • 11 Ficino teve como principal actividade traduzir, tendo exposto os seus pensamentos numa obra intitul (...)
  • 12 A obra principal deste filósofo é De docta ignorantia. Cusa defende que acima dos sentidos há dois (...)
  • 13 Pico delia Mirandola, G., Discurso sobre a dignidade humana, edições 70, Lisboa, 1998. Autor que pr (...)
  • 14 Bruno não deve ter influenciado directamente Ferreira de Vasconcelos pois as suas teorias terão com (...)

12A abordagem que fizemos à obra, na nossa leitura preparatória deste projecto de mediação de leitura, teve como base um método crítico que põe em evidência questões de comunicação literária, o que nos foi em parte facultado pelas «teorias da recepção» de Jauss. Esta área teórica abrange questões de transmissão e recepção dos textos literários (importância do leitor da obra, bem como do autor enquanto leitor de outros textos, na construção ou criação da própria obra), o que nos pareceu importante dado o carácter doutrinário e pedagógico que Ferreira de Vasconcelos não esconde e que implica, por isso, a transmissão de valores, vistos à luz de uma época, a uma sociedade específica. A nossa análise utilizou também conceitos modernos psicanalíticos arquetípicos, suportados principalmente pelas teorias apresentadas por Jung mas que, por se debruçarem sobre questões ontológicas e metafísicas, já encontramos em filósofos anteriores ao século de Vasconcelos, e que julgamos serem particularmente influentes na sua formação e na sua obra – Marsílio Ficino (1433-1499)11, Nicolau de Cusa (1401-1464)12 e Picco delia Mirandola (1463-1496)13 – , ou reveladores de uma ideologia que começa a circular na sua época – Giordano Bruno (1548-1593)14 – , potenciais doutrinários de uma mesma forma de pensar o amor.

13O nosso objectivo, ao propormo-nos esta leitura do Memorial foi apontar no texto a chave que permitisse retirar da obra o estigma que, por pretender ser para D. Sebastião «o abc, e o principio de suas heroicas obras», foi transformada numa fonte de forte e negativa influência para o espírito demasiado cavaleiresco do menino-rei. Veremos que esta obra dedicada ao Desejado acabou por ser também uma vítima de correntes de profecias milenaristas que o arrastaram para uma espécie de pântano em que são abandonadas as obras que, por terem aflorado o mito do Encoberto («A [morte] de Artur ora não se sabe, os Ingleses o têm por vivo e esperam, porque morte não vista é mal crida», Memorial, p. 23), foram responsabilizadas por descobrirem em D. Sebastião o símbolo desse modelo mêssiânico e, consequentemente, culpadas por terem incutido no próprio rei essa ideia. Ora, julgamos nós, o verdadeiro objectivo da obra não teve sequer o sucesso pretendido, tal como não tiveram, a avaliar pela derrota em Alcácer Quibir, todas as outras obras dedicadas à educação de D. Sebastião.

14Divide-se então este livro em vários momentos. Em Orientações, exporemos brevemente as linhas que tomámos para atravessarmos os quatro séculos que separam o nosso olhar do objecto que olhamos, e trataremos depois em Estrutura da obra da organização do livro de cavalarias, numa espécie de advertência ao emaranhado de capítulos com que os jovens leitores se vão defrontar. Já em As Aventuras faremos uma análise mais demorada das aventuras dos cavaleiros da Távola Redonda, que sentimos como obrigatório “desorganizar” da sua intermitente sequência original, para as seguirmos de forma mais linear. Esta é, aliás, a proposta que fazemos ao mediador de leitura: que vá propondo, pelo menos no início, a leitura agrupada dos capítulos correspondentes a cada um dos pares amorosos ou heróis em que dividimos a obra. Para além de melhor entenderem cada uma das aventuras, pode ser que retomem mais tarde a obra no seu “fio” original. Afinal, uma das reacções ao gosto que a leitura provoca é, precisamente, voltar a ler…até o mesmo livro!

15Depois, em Sobre o Amor, trabalharemos as regras e os princípios que, girando em torno do Amor, nos pareceram querer pautar o espírito do texto. É uma parte que fornece ao mediador a informação sobre as doutrinas em torno do amor que perpassam a obra. Serão sem dúvida ideias que pela sua antiguidade mas, ao mesmo tempo, permanência poderão despoletar interessantes discussões entre os jovens leitores. Sempre que pertinente, “encaixilharemos” alguns tópicos para discussão.

16Em Sobre o Torneio dedicamo-nos quase exclusivamente aos três últimos capítulos do Memorial, num constante esforço de os integrar, até tematicamente, na totalidade da obra, mas não descartando a hipótese de, efectivamente, o jovem leitor ver nele um importante testemunho de uma actividade lúdica da realeza de uma época histórica, eventualmente pouco conhecida.

17No último momento, em D. Sebastião, será o eventual primeiro leitor da obra quem ocupará o nó das nossas considerações que o elegem como peça fundamental na compreensão da nossa leitura preparatória destas aventuras. Partilharem os jovens leitores dos nossos dias o papel de leitores com figura histórica de tão grande importância pode ser um privilégio a realçar pelo mediador! Afinal, não representa esta longevidade da obra uma honra para quem se dignou ao fim de todos estes séculos poder “partilhar” a leitura com um rei?

18Para terminarmos, faremos uma proposta de planificação da actividade. Antes de terminarmos esta primeira apresentação do nosso objecto de mediação de leitura literária, convirá esclarecer qual a edição do livro que usámos. Por uma questão de rigor, recorremos no nosso trabalho original à edição oitocentista do Memorial que, não tendo intenções filológicas, se apresentou como uma edição criteriosa, sem intervenções abusivas do editor, e muito fiel à edição de quinhentos. No entanto, e porque mesmo ao leitor adulto dos nossos dias para quem, no final da leitura deste trabalho será mais fácil ter acesso ao texto editado por PalmaFerreira, utilizaremos as citações da sua edição.

Sugestões ao mediador:
Na primeira sessão de trabalho, com os livros na mão, poder-se-á ter a primeira conversa sobre o autor e sua restante obra, bem como ler o Prólogo a el-Rei, nosso Senhor.
• A leitura pelo mediador, em voz alta, vai ajudar a superar o difícil entendimento do texto.
• Apresentar este prólogo como o momento mais “duro” da leitura; daqui para a frente vai ser sempre mais fácil...
• Explicar que a leitura individual se fará de forma “desmembrada” sendo indicados para cada sessão os números dos capítulos a serem lidos.

Notes

1 Veja-se o recente estudo de Aurélio Vargas sobre o lugar dos livros de cavalarias na historiografia da literatura portuguesa: «O sucesso dos livros de cavalarias portugueses ao longo do século XVI e inícios do XVII é um dado mais que evidente. Da publicação em 1522 da Crónica do Imperador Clarimundo donde os reis de Portugal descendem (Lisboa, Germão Galharde), do historiador João de Barros, até à reedição da Terceira e Quarta parte da Chrónica de Palmeirim de Inglaterra na qual se tratam as grandes cavallerias de seu filho o príncipe dom Duardos Segundo (Lisboa, Jorge Rodrigues, 1604), de Diogo Fernandes, este género conta em terras portuguesas cerca de vinte e cinco edições, cifra nada desdenhável do ponto de vista da recepção, que se vê incrementada pelas dezenas de manuscritos cavaleirescos conhecidos na actualidade, os quais deixam supor uma persistência do gosto por este tipo de literatura até bem entrado o século XVII, ou ainda princípios do XVIII. Contudo, estes copiosos números não serviram para atrair a atenção dos investigadores a um campo que, junto com os livros de pastores e os livros de viagens, está na base da novelística portuguesa moderna. Esse descuido da crítica tem acarretado um dado verdadeiramente desolador, como é o de uma grande quantidade de textos deste género não ter sobrevivido até aos nossos dias.» (DÍAZ-TOLEDO, 2006:233)

2 Estes livros são quase sempre, e sobretudo em enciclopédias literárias de carácter geral, vistos como uma manifestação importante no campo de uma certa sociologia literária. Referimo-nos ao tipo de olhar sobre a literatura que procura ver nas obras literárias espelhos de situações sociais, implicações de determinados acontecimentos históricos, enfim, a crítica literária que faz «da literatura um eficaz instrumento de representação do real» (REIS, 1995:43). Mas se a crítica literária, a certa altura se limitou a considerar este tipo de prosa que insere a par da ficção o suposto facto histórico, a própria História parece ter descoberto no texto ficcional fontes para explicação de omissões ou dúvidas sobre determinados acontecimentos do Passado. «Não faltará quem entenda que, desta maneira, a História se tornou menos científica. É uma questão em cuja discussão não me atreveria a participar. Basta-me pensar que sempre será melhor ciência aquela que for capaz de me proporcionar uma compreensão duplicada: a do Homem pelo Facto, a do Facto pelo Homem», Saramago, José, «História e Ficção» (REIS, 1995:502).

3 Referimo-nos aos trabalhos já mencionados de Ma Rosário Paixão e de Isabel Almeida. No primeiro trabalho, mais especificamente no capítulo introdutório (pp. 17-30), fazse um importante levantamento dos livros de cavalarias ibéricos e, em particular, do livro de cavalarias nacional, com um estudo sobre a génese do conjunto das obras quinhentistas de cariz cavaleiresco. O segundo trabalho é um completo estudo dos livros de cavalarias impressos, que também aborda as questões dos impressores, censuras, públicos, etc.

4 Machado, Diogo Barbosa, Bibliotheca Lusitana, Coimbra, 1965-1967, Tomo II, p. 805.

5 Vasconcelos, Jorge Ferreira de, Epístola, Farândola, Paris, 1997.

6 Microfilmada na Biblioteca Nacional (cota do microfilme: BNF.2389; cota do exemplar existente nos reservados: RES.480 P)

7 Edição de Manuel Bernardes Branco em que este diz: «Eis o que me resolveo a seguir a orthographia antiga. Quem possuir esta edição pode ter a certeza de que possue (com insignificantissimas discrepancias, consistindo estas principalmente do desapparecimento das abreviaturas) a edição rara.» (p. V).

8 Edição de João Palma-Ferreira para a colecção Obras Clássicas da Literatura Portuguesa do Século XVI, publicada pela Lello Editores no Porto em Outubro de 1998. Esta edição estava preparada desde 1987 e sobre ela diz Palma-Ferreira: «A edição que fizemos do Memorial, respeitando a de 1567, traz as anotações necessárias para uma leitura compreensiva de um texto que um certo novo-riquismo cultural pejou de referências mitológicas, históricas e literárias. No entanto, não é uma edição com intuitos filológicos, o que exigiria um aparato completamente diferente; (...) Actualizámos até ao limite do aceitável a ortografia, mas não a linguagem de Jorge Ferreira de Vasconcelos, o que nos levou a manter alguns vocábulos tal como o escritor, num dado momento da evolução da língua, os utilizou.» (p. XVII).

9 A justificação desta restrição, e consequente organização do estudo, é ela mesma suigeneris. «restringimos o nosso campo de acção a uma só novela – Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda, de Jorge Ferreira de Vasconcelos –, de onde partiríamos para as outras do mesmo género, por um processo de comparação puramente mental op. cit., p. 11. Que processo científico será este?

10 Outro estudioso, Jean Subirats, num artigo de 1986 da Revista do Centro de História da Cultura da Universidade Nova de Lisboa, intitulado «Les Sortilèges du Rêve Chevaleresque, Propos sur Jorge Ferreira de Vasconcelos et son “Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda”», fez uma abordagem breve mas muito pertinente da obra, que mencionaremos algumas vezes.

11 Ficino teve como principal actividade traduzir, tendo exposto os seus pensamentos numa obra intitulada Theologia platonica de immortalitate animorum (1491), onde procura conciliar o platonismo de que é entusiasta com o cristianismo de que é fervoroso crente. A ideia que defende é a do Homem como microcosmo, síntese do universo, como é próprio do humanismo renascentista, mas também desenvolve o conceito de uma continuidade do desenvolvimento religioso que vai desde os antigos sábios e filósofos até ao cristianismo, numa expressão do universalismo característico da Renascença. A sua obra De Amore, como veremos ao longo do trabalho, será talvez aquela que mais aproximações terá com as concepções de Ferreira de Vasconcelos sobre o amor.

12 A obra principal deste filósofo é De docta ignorantia. Cusa defende que acima dos sentidos há dois graus do conhecimento humano: a ratio e o intellectus. O primeiro é a faculdade que retira das noções particulares os conhecimentos universais e forma os juízos e os raciocínios. O segundo, acima do primeiro, é a actividade supra-racional iluminada pela Fé ou pela mística. A “douta ignorância” consiste assim na consciência dos limites e da relatividade da ratio, cujas deficiências são supridas pelo intellectus que ilumina não através do pensamento filosófico, mas é antes uma iluminação sobrenatural, admitindo que não é a Razão que nos dá a realidade.

13 Pico delia Mirandola, G., Discurso sobre a dignidade humana, edições 70, Lisboa, 1998. Autor que professou verdadeiramente um eclectismo baseado no platonismo e no cabalismo, dotado de uma vasta e heterogénea cultura, e que propôs 900 teses sobre religião, filosofia, magia, algumas das quais consideradas heréticas, e das quais fez a defesa na obra mencionada

14 Bruno não deve ter influenciado directamente Ferreira de Vasconcelos pois as suas teorias terão começado a circular já depois da morte deste autor (1585?). No entanto, sendo reveladoras de um contexto histórico em que cresce o puritanismo da Inquisição, e de um contexto filosófico ainda impregnado pelo neoplatonismo, as suas ideias sobre o amor afiguraram-se-nos pertinentes na nossa leitura do Memorial. Nos seus De gl'Heroici Furori, Bruno expõe uma teoria do conhecimento a par de uma teoria do amor. O amor é o meio, o conhecimento o objectivo da empresa heroica.

© Publicações do Cidehus, 2009

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr