Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Ler em grupo

 | 
Cláudia Sousa Pereira

Jovens e Livros, Escolhas e Leituras

Texte intégral

1A leitura literária exige, como todos sabemos, uma predisposição que só alguns jovens, muito poucos aliás, parecem ter nos tempos que correm em Portugal. Vamos, no entanto, partir desde já, e fazemo-lo como aviso prévio, de que falaremos daqui em diante de jovens que à partida gostam de ler e lêem. Não se trata já de falar em estratégias para pôr o jovem em contacto com o livro, trata-se de dar a quem já gosta de ler uma habilitação melhor na leitura de textos mais difíceis.

2Certo é que se dá, actualmente, o estranho fenómeno de os best-sellers dos últimos anos serem livros de extensão considerável, chegando a atingir o espantoso número de quinhentas e mais páginas por obra. A extensão parece não ser um elemento dissuasor, estando todavia sem sombra de dúvida o sucesso de tais “calhamaços” muito mais associado a todo um poderoso e habilidoso aparelho de marketing. As estratégias de venda não passarão obrigatoriamente pelo que vulgarmente poderíamos chamar “intrujice”, sendo que a lógica promocional sabe perfeitamente que alusões a gostos mais óbvios dos adolescentes (cinema ou jogos, sobretudo), subliminarmente evocados na capa de um livro, podem sempre resultar em mais compras. Estas estratégias resultarão independentemente da intervenção de um mediador adulto com alguma formação literária que, de forma consciente e conhecedora, pudesse assumir o papel de conselheiro. São escolhas para leitura selvagem, uma classificação de Denise Escarpit (1988) para o circuito autónomo da camada de jovens leitores que possuem hábitos de leitura, adquiridos muitas vezes fora da escola por influência familiar ou de amigos, mas sem objectivos programáticos de os “fazer ler” ou dar-lhes alguma cultura literária.

3A leitura livre e voluntária será sem dúvida o melhor caminho para que nasça um leitor que continue a sua vida levando consigo hábitos de leitura. Não é raro até assistirmos, e haverá nos estudos sobre didáctica da literatura quem sobre estes assuntos se dedique, a que jovens com hábitos de leitura razoáveis, mostrem alguma relutância na abordagem das obras clássicas obrigatórias dos programas escolares do terceiro ciclo do ensino básico e secundário. Parece haver uma atitude de resistência, típica do adolescente comum, em não seguir os conselhos dos adultos, mesmo no campo das leituras. Contra este fenómeno nada há a fazer. Sempre foi assim, não será agora que o vamos mudar. Poderemos, no entanto, fazer com que uma tarefa que à partida fosse deixada à vontade do jovem leitor seja subtilmente orientada por um adulto. Não podemos fazer com que os jovens passem a estar sempre de acordo com os gostos do adulto, mas poderemos sempre esticar a nossa autoridade a um limite em que essa relação – “o que tu gostas e o que eu gostava que tu gostasses” – permaneça, mais ou menos elástica, sem se quebrar.

4Ler os clássicos é sempre uma tarefa de sala de aula, não tenhamos ilusões. Não é preciso recuar muitas gerações para que os exemplos de textos que eram lidos por jovens em momentos de lazer, sejam hoje considerados clássicos de leitura mais difícil. O tempo aqui também não perdoa. Não nos espantaríamos muito que as colecções dos Cinco e dos Sete, dos Mistério ou das Gémeas de Enid Blyton que preencheram os longos dias de férias da nossa juventude passassem a figurar, em forma amputada de excerto, em manuais de Língua Portuguesa do primeiro ou segundo ciclos. No tempo em que essas eram as nossas leituras selvagens, já os de Verne eram livros que os mais velhos aconselhavam por terem sido leitura livre e voluntária na sua própria juventude. Não tenhamos ilusões, os tempos mudam mesmo de geração para geração, mudando os paradigmas e os padrões de estética. O que não quer dizer que se deva promover a ignorância não levando as gerações a construírem o seu futuro sobre um património conhecido. Há, neste campo da educação literária, que persistir no ensino das obras marcantes, estando todavia conscientes de que o gesto autónomo do jovem de hoje na escolha do livro de cabeceira dificilmente coincidirá com o da geração imediatamente anterior. E estarmos conscientes disso vai seguramente ser-nos útil ao pensarmos em estratégias para darmos a ler aos jovens de hoje clássicos do, por exemplo, século XVI.

  • 1 Leiam-se os documentos facilitados pelo Ministério em http://www.dgidc.minedu.pt/serprof/acav.asp

5O século não foi obviamente escolhido ao acaso. É o século de Camões! Mas é também o século dos livros de cavalarias impressos, literatura menosprezada na época, como veremos mais adiante. Parece-nos razoável que desse longínquo século nos chegue aos manuais de Literatura Portuguesa o nome maior. Não o questionamos sequer, como parece que já terá sido tentativa de instâncias superiores bem mais poderosas do que um simples autor como nós, ainda que com responsabilidades por tornar públicas as suas opiniões ou pela sua própria actividade profissional da docência. O que nos pareceu, todavia, interessante e digno de partilhar foi que daquele século se conhecesse também aquilo que hoje poderíamos chamar leituras selvagens da época. Talvez começar a percorrer o circuito das leituras paralelas de uma época tão distante, mas mais ou menos estável pela ajuda técnica da imprensa, também de forma paralela nos dias de hoje, possa ser um modo de ajudar a tornar efectiva e substantiva a prática da leitura literária. A proposta concreta é a de que se trabalhem, ainda que fora dos programas de ensino do Português Língua e Cultura, num outro circuito que podia ir desde as actividade de extensão como o são algumas disciplinas actuais, ou melhor áreas curriculares não disciplinares, (Área de Projecto ou até mesmo Estudo Acompanhado) cuja tendência, mesmo podendo revestir-se de outros rótulos, será permanecer nas escolas sendo-lhes atribuídas cargas horárias efectivas, até às actividade da Biblioteca Escolar, espaço que deverá ganhar na nossa sociedade uma importância que parece permanecer ainda e só em alguns profissionais da Educação (professores, gestores autárquicos ou até pessoas com cargos em política educacional)1.

6Como se pode ler na epígrafe da introdução, o Memorial é um livro difícil e longo. É, no entanto, um livro de aventuras que, retirando-lhe a importância que possa ter para a história da literatura enquanto sistema que importa estudar em todas as suas vertentes, parece desde logo muito mais apropriado a um leitor jovem, ainda que do século XXI, do que a um adulto. Por que não dá-lo a ler aos jovens de hoje, muito embora conscientes de que tenha que ser uma leitura muito mediada? É com efeito o que pretendemos: preparar o mediador para um contexto formal, ainda que em actividade aparentemente informal e/ou de carácter optativo. Aidan Chambers em The Reading Environment (CHAMBERS, 1991) realça três grandes momentos naquilo a que chama o círculo da leitura: a selecção, a leitura em si mesmo e a reacção. O adulto mediador que tenha a seu cargo a função de dinamizar a leitura de uma obra deve estar sempre presente nestas fases e ter consciência da importância destes três momentos.

7A selecção, quando se trata de uma escolha por um grupo, é obviamente resultado de momentos de cedência para uns e capacidade de argumentação para outros. A intervenção do adulto será sempre justificada, a partir do momento em que a actividade seja toda ela programada pelo adulto, com regras bem definidas à partida, para que os jovens leitores não se sintam depressa desiludidos com o decorrer da actividade. Mesmo quando não haja à partida um conjunto de obras seleccionadas pelo adulto responsável do grupo de leitores, pode-se em certos casos em que o tempo e a capacidade de encontrar exemplares em número suficiente o permitam, dar linhas directivas quanto às obras a seleccionar para leitura. Por exemplo uma lista com um livro de cada um dos géneros literários mais consensuais (poesia, drama e narrativa), ou por nacionalidades ou por épocas, ou ainda, só livros adaptados ao cinema. Enfim, haverá sempre critérios que, de forma mais ou menos consensual, permitam que num ano lectivo se distribuam pelos períodos escolares um bom par de leituras.

8No presente caso, a selecção desta obra está, como vimos em parágrafos acima, justificada. Conhecer os primórdios das séries de aventuras dos nossos dias parece-nos uma boa razão para quem tenha a paixão pela leitura literária, e falamos do lado dos jovens leitores em idade escolar. Se pensarmos pelo lado do professor/bibliotecário/mediador de leitura que se queira aventurar pelos caminhos dos clássicos, integrando a literatura duplamente marginalizada – na época do seu nascimento por ser género menor, actualmente por ser de difícil compreensão leitora mesmo para bons falantes e leitores de português – em actividades escolares paralelas às actividades da área curricular do Português, facultaremos um aparelho de sugestões de leitura e discussão que permitam ensinar/aprender que a leitura literária começa pela noção de profundidade, que nos dá depois o acesso à extensão. Ler melhor, de forma mais empreendedora (porque “compreendedora” não existe e compreensiva não se aplica!) para que ler mais seja uma consequência daí decorrente.

9Importa, pois, que nos preparemos para enfrentarmos a nossa escolha partindo desde logo do princípio de que a literatura é um sistema. Não há obras que surjam descontextualizadas, ou fora de influências. Todos os autores foram leitores e essas leituras lêem-se nas suas obras. Mesmo as obras que mudaram rumos na história literária universal – as grandes obras ou obras-primas – têm um antes e um depois que as influenciaram ou que influenciaram as diferentes leituras que ao longo dos tempos delas se vão fazendo. Para que a selecção seja coerente como trabalho que se pretende fazer há uma condição imprescindível, incontornável como agora sói dizer-se: o mediador deve conhecer muitíssimo bem o objecto-livro a mediar. Outras leituras serão possíveis, não temos dúvidas, e da discussão em grupo sobre a leitura da obra elas se confrontarão. Mas nada como levar alguns (pré)conceitos que se possam facilmente tornar em só mais um conceito sobre um qualquer livro, sendo que, neste caso presente, é este livro de cavalarias dedicado ao jovem rei D. Sebastião. E precisamente sobre os dados possíveis e algumas considerações em torno do Memorial que vos falaremos agora, bem como de algumas posições que fomos tomando para nos orientarmos na nossa própria leitura da obra.

Sugestões ao mediador:
• Os jovens envolvidos devem mostrar um interesse óbvio, mesmo que demonstrem algum receio em levar a tarefa a cabo.
• A tarefa deve ser apresentada com um título apelativo. Qualquer coisa como «Calhamaço do século XVI procura desesperadamente bons leitores» ou «Vem descobrir a vida amorosa dos cavaleiros da Segunda Távola Redonda».
• Este trabalho deve ser feito com um grupo de, no máximo, 10 jovens, podendo haver tantos grupos quanto os necessários, em função das diversas disponibilidades (horários dos professores/bibliotecário, dos alunos, das disciplinas, da biblioteca ou sala para o efeito).
• O trabalho pode e deve ser integrado numa disciplina com características semelhantes à de Área de Projecto, com a colaboração dos professores de Português e de História que na primeira sessão poderão vir falar do género e do contexto histórico, respectivamente.

Notes

1 Leiam-se os documentos facilitados pelo Ministério em http://www.dgidc.minedu.pt/serprof/acav.asp

© Publicações do Cidehus, 2009

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr