Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Ler em grupo

 | 
Cláudia Sousa Pereira

Introdução

Texte intégral

Não é um bom livro êste, maçador, emmaranhado e de que se salvam algumas páginas apenas.
Albino Forjaz de Sampaio,
História da literatura portuguesa ilustrada, 1929.

1A leitura literária parece ser uma preocupação de quem estuda literatura e de quem se dedica profissionalmente às práticas, e inferências teóricas destas decorrentes, da didáctica da literatura em diversos níveis escolares. Todavia, no sistema escolar português, a preocupação com a iniciação à leitura especificamente literária aparece tardiamente, pelo menos de forma oficial. Surge, nos primeiros anos de escolaridade obrigatória, quase como uma actividade de extensão, onde ler livros de qualidade estética é um acto muito diluído entre a aprendizagem da língua materna e a cada vez mais actual necessidade de ir criando hábitos de leitura nas crianças portuguesas. É tão recente a investigação que cruza a leitura literária com a prática lectiva na escolaridade básica, que os próprios projectos de investigação têm, muitas vezes, dificuldades em captar para si, nos lugares em que a investigação se desenvolve, universidades e centros de investigação, parceiros que sejam oriundos de outros níveis que não o universitário e cujo trabalho quotidiano, no terreno, se revelaria imprescindível para a aferição de paradigmas a instalar na leccionação de introdução de boas práticas de leitura literária.

  • 1 Consultem-se os estudos e as investigações publicadas pelo Observatório de Actividades Culturais ( (...)
  • 2 Ainda assim consultem-se os dados existentes em www.apel.pt

2Por que razão, parece oportuno o leitor comum destas linhas perguntar, atribuir tanta importância à leitura literária num país que está a anos-luz de conseguir índices leitores apenas razoáveis? Se não temos leitores portugueses, porquê insistir em querermos ter especificamente mais leitores literários portugueses? A estas questões poderemos tentar responder com a pequeníssima reflexão que é feita no nosso país sobre o assunto, verificando alguma informação a que tivemos acesso1, e sobre os quais não nos demoraremos, relativos ao trabalho que se faz nas bibliotecas públicas do país, na realização de levantamentos sobre as percentagens de empréstimos nas diferentes áreas: o livro científico aparece, e não apenas no nosso país, como o livro mais requisitado. Poderíamos, eventualmente, partir do princípio que a ficção, a poesia ou o texto dramático farão parte de bibliotecas pessoais. Basta consultar as páginas electrónicas2 das associações de editores e livreiros, que apresentam dados muito lacunares, para nos confrontarmos com o lugar que o livro ocupa na lista de compras dos portugueses, e perdermos as ilusões quanto à riqueza, em qualidade, variedade ou até mesmo quantidade de livros que os portugueses têm em casa. E se o argumento da falta de poder de compra parece servir de justificação, a cada vez maior acessibilidade das bibliotecas públicas no empréstimo domiciliário virá deitar por terra esse argumento. Tal como o mercado do vídeo não retira enchentes nas salas de cinema, se fossemos um país de leitores o número de idas à biblioteca pública não afectaria o mercado livreiro, ou seja a aquisição de livros para as estantes das nossas casas. O que afecta os objectivos de incrementar o número de empréstimos numa biblioteca pública ou o número de vendas de uma editora é, única e exclusivamente, a falta de hábitos de leitura dos portugueses.

3Às razões históricas e políticas que poderíamos imputar a culpa da falta deste hábito, e que são estudadas noutro âmbito que não o nosso, importa encontrar as razões que pertencem à área em que nos movimentamos melhor: a dos estudos literários e da promoção da leitura literária. Muito em particular, e porque estes processos de criação de um hábito, mesmo em “estados de emergência”, demoram tempo e têm como terreno mais fértil e promissor a camada mais jovem da sociedade, movimentar-nos-emos na delimitada, mas não fechada, área da literatura infanto-juvenil.

4Importa ainda, no pórtico desta pequena obra, esclarecermos de forma breve algumas das posições e linguagens que ao longo dela utilizaremos, bem como tornar mais claro, por muito presunçosa que da parte de um Autor a intenção possa parecer, quais os eventuais destinatários das páginas que se seguem. Comecemos, aliás, por esta última questão, para que quem percorra estas linhas iniciais se sinta minimamente tentado a prosseguir, ou levado a abandonar, o caminho que lhe propomos.

5O livro que se publica é, em parte, uma versão do texto que apresentámos para obtenção do grau de doutor em Literatura Portuguesa, na Universidade de Évora em Outubro de 2000. As muitas modificações que se fizeram podem justificar-se por considerarmos que nem sempre um trabalho académico, aliás sempre disponível no fundo dos trabalhos científicos policopiados da Biblioteca Nacional, tem em consideração o público leitor comum, mesmo quando interessado em questões mais específicas. Destinando-se muitas vezes a servir, para além de prova de um trabalho de investigação, para se submeter à apreciação de um júri que nos decide o futuro profissional, as teses académicas cruzam referências que sobrecarregam a leitura que se deseje mais fluida, mais directa ao assunto que leva um livro às mãos do seu leitor. É até a pensar num público mais vasto que o próprio formato do livro impresso existe, como foi a pensar num leitor privilegiado, o jovem rei D. Sebastião, figura mítica do imaginário português, que a obra que estudámos, e que apresentamos como objecto de mediação, tomou forma.

6Por outro lado, algum tempo passou desde a última revisão deste trabalho de tese, distância que nos permitiu alargar horizontes e olhar para esse objecto de uma outra forma. Tendo orientado os nossos interesses lectivos e de investigação para o campo da literatura infanto-juvenil, pareceu-nos que este trabalho poderia orientar-se também dentro deste domínio, abrindo caminho a uma exploração nos primórdios de uma História dos textos literários que, por qualquer razão, os autores decidiram dedicar a leitor ou leitores de tenra idade, como é o caso deste Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda cuja primeira edição impressa é de 1567. Não que a nossa leitura literária da obra tenha sofrido grandes alterações pois, como defendemos nós os que nos dedicamos à Literatura para os mais novos, um texto literário, qualquer que seja o seu virtual leitor, não deixa nunca de ser literário, sendo a leitura literária um percurso comum à “literatura dos grandes e dos pequenos”.

7Ao ensinar literatura para a infância e juventude tornou-se-nos imprescindível desenvolver, recolocar e responder a questões em torno da leitura literária, muito em particular na necessidade de sensibilizar os mais novos para a especificidade de textos que, quando ajudados a ler por “outros olhos”, podem revelar-se tesouros de prazer escondidos. Como este livro de cavalarias que vos será “lido”. Como também o “nosso Autor”, Ferreira de Vasconcelos, sob a capa da aventura cavaleiresca soube dar a ler, graças à sua arte literária apesar de segunda-mão, num género que didacticamente se quis definir como ABC e expôs as virtudes do saber amar e a necessidade do casamento a um jovem rei. Mas a arte da literatura, se calhar como as ciências da educação, não tem receitas nem resultados óbvios, e o rei, como todos sabemos, nunca casou, complicandose a História de um país assim romanescamente “pendurado” pelo final feliz nunca chegado...

8Pareceu-nos, pois, que a publicação da leitura desta obra quinhentista apareceria como um exemplo de “guião de leitura” para uma obra que terá constituído um best-seller na sua época (o género, pelo menos, era-o ou não tivesse no século seguinte, em 1605, Miguel de Cervantes caricaturado o leitor de livros de cavalarias na figura de Dom Quixote), de forma a que, mesmo não sendo esta obra de fácil acesso para os jovens leitores dos dias de hoje (pela temática, mas sobretudo pelas dificuldades da própria língua portuguesa marcada pelo seu tempo), ao falarmos dela se proponham linhas de leitura que levem à própria promoção da obra. O nosso conhecimento da obra não estará assim confinado ao puro exercício académico do qual resulta o demonstrar conhecimento de poéticas e preceptivas de um sistema literário próprio, na qual a obra se insere, mas terá, na nossa opinião, o objectivo de expor, pelo próprio exercício de que veremos as diferentes fases de montagem e reconstituição, as vantagens que uma leitura literária pode trazer para a leitura de prazer. No limite, e conscientes que estamos de que o Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda não será o livro-de-cabeceira dos leitores deste trabalho, poderíamos desejar que ao terminarem a última página se sentissem tentados a pegar nessa “embrulhada” de aventuras de cavaleiros e donzelas, qual telenovela dos primórdios da imprensa, e a lê-la com os olhos do leitor cujo espírito estará mais desperto para os artifícios que o texto literário põe como desafio aos seus leitores.

9Definidos estes objectivos, importa ainda prevenir que a linguagem utilizada na nossa leitura do texto quinhentista será ainda, e expressamente, muito ligada à linguagem que os estudos literários, enquanto área científica, utilizam. Apesar de ao longo da vasta história dos estudos literários, várias terminologias se terem sucedido e mesmo coincidido, em função de correntes teóricas que se sucederam, também em função das próprias evoluções e revoluções no discurso literário de gerações de autores, a leitura que nos propomos fazer do Memorial não percorre o caminho dos recursos estilísticos manobrados pelo seu autor, mas sim a utilização que este faz de temas e motivos constituintes de uma linguagem que, não estando só nesse outro nível verbal de apreensão do real que é a do texto literário ficcional, integram uma outra realidade, a do Imaginário. Toda a nossa orientação teórica partiu, então, de um plano em que o texto literário, mesmo apresentando-se como manifestação estética e utilizando uma linguagem com características particulares porque literária, não deixa de relacionar referentes culturais importantes (históricos, sociais e antropológicos) que nos permitirão chegar até às nossas conclusões que envolvem a personalidade histórica de D. Sebastião, o primeiro leitor da obra, e as “histórias” em torno dos seus gostos leitores e da forma como estes ditaram os destinos da nação.

10Esta utilização de linguagem própria, a que poderemos com algum à-vontade adjectivar como linguagem técnica da área dos estudos literários, justifica-se pela única e indiscutível razão de que cada objecto de valor merece que o apreciem os peritos. Não quer isto dizer que quem não tenha formação específica em teoria da literatura fique automaticamente excluído do número de leitores deste trabalho. A experiência que temos tido em grupos de leitura, compostos por leitores de vários níveis e tipos de formação, mostraram-nos que são os que não têm formação específica nesta área que muitas vezes levantam as questões mais desafiantes e inquietantes nas propostas que os textos literários, e sobretudo os textos narrativos, apresentam ao construírem universos ficcionais. As perguntas que fazem ao texto e expõem publicamente nas reuniões do grupo revelam uma actividade hermenêutica latente, quase básica e inata ao ser humano que se quer inteligente e pensante. O prazer de uma leitura activa leva o leitor a entrar no mundo do livro e do texto literário de tal forma que as perguntas revelam, como se necessidade houvesse de justificação, a importância das teorias da literatura.

  • 3 Repare-se que a primeira tese de doutoramento nesta área, intitulada O Teatro para Crianças em Por (...)

11Importa ainda, e uma vez que começamos paulatinamente a entrar no campo dos estudos sobre o literário, justificar uma designação que utilizámos para a produção literária dedicada aos mais novos. Quando os estudos nesta área eram ainda escassíssimos3 a designação utilizada para fazer referência ao conjunto das obras editadas a pensar num potencial receptor mais jovem era o de «literatura infanto-juvenil». Esta designação parecia, no entanto, criar algumas confusões, quanto a nós absolutamente ultrapassadas nos dias que correm pelos caminhos destes estudos, pois poder-se-ia confundir a literatura por ou para crianças e jovens. Esclarecido que está, actualmente, o valor das obras que são seladas pelo adjectivo literário e que dificilmente, embora não impossivelmente, serão de autoria de crianças, apenas será justificável a divisão entre «literatura para a infância» e «literatura para jovens», em virtude das diferentes características que um objecto literário possa apresentar para uma determinada faixa etária. Aliás, estamos cada vez mais conscientes de que a própria definição de características ou paradigmas de umas ou outras faixas etárias são dinâmicas, tendo vindo a evoluir ao longo dos séculos, com justificações que os estudos empíricos psico-pedagógicos vão apresentando, após a aplicação de várias metodologias e avaliações científicas. Optemos, então, por designar esta área dos livros de potencial recepção infantil e juvenil como literatura infanto-juvenil.

12Questão mais controversa será incluir um livro como o Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda neste campo literário. Os estudos universitários sobre obras deste género menor que são os livros de cavalarias, dos quais destaco dois trabalhos – um mais de conjunto intitulado Livros Portugueses de Cavalarias, do Renascimento ao Maneirismo realizado por Isabel Almeida, de 1999, e outro intitulado Aventura e Identidade, História Fingida das Origens e Fundação de Portugal – Crónica do Imperador Clarimundo por Maria do Rosário Paixão, de 1996 – não mencionam esta proposta, optando por realçar a popularidade do género para o seu “esquecimento” ou marginalização pela historiografia da literatura portuguesa. Também a literatura infanto-juvenil, como já vimos, tem sido arredada do centro do cânone literário para as suas margens, ao ponto de os seus estudiosos sentirem como urgente a actualização de estudos de casos que, dentro desta “marginalidade”, façam a triagem necessária entre obras literárias infanto-juvenis centrais e “apenas livros” infanto-juvenis. Estas escolhas afectam inclusivamente a própria produção literária mais actual, uma vez que o contacto entre a massa crítica dos investigadores e os próprios autores é muito próximo.

13Quando se trata de perspectivar historicamente a produção para a infância e juventude, muitas das obras que os estudiosos incluem no centro do cânone literário infanto-juvenil apresentam graus de dificuldade próprios de uma valiosa linguagem literária, que impedem a sua leitura pelos leitores implícitos “actualizados” aos dias de hoje. Esta distância do tempo da escrita para o tempo da leitura terá influenciado a própria falta de interesse que os estudiosos da Grande Literatura foram atribuindo aos livros de cavalarias, considerando-os literatura menor e tratando-os como apenas documentos de interesse cultural, não pondo sequer a hipótese de constituírem uma parte da história da literatura infanto-juvenil em português. Até porque, também o carácter repetitivo, semelhante ao das séries que exploram um modelo até à exaustão, empurrará tendencialmente este género literário para o enorme, porque estudado por diversas áreas das ciências humanas e sociais, domínio da cultura de massas. No entanto, as breves histórias da literatura infanto-juvenil a que temos acesso hoje em dia, com destaque para as de autoria de Natércia Rocha (1984) e José António Gomes (1997), incluem referências a estas obras. Natércia Rocha, uma das primeiras, se não a primeira grande estudiosa da literatura infanto-juvenil em Portugal, no entanto afirma:

«No que se refere aos séculos XVI e XVII, na passagem da difusão do texto oral à difusão do texto escrito, não parece lícito distinguir obras como sendo especialmente dedicadas ao público infantil, pois na verdade esse público não existia; o que se encontra é um público constituído por adultos de reduzida cultura e crianças, numa ambiguidade que se prolongará pelos séculos, evidenciando-se nos períodos de expansão de ideias de promoção das classes menos cultas, designadamente no século XIX.» (ROCHA, 1984:34).

14José António Gomes, evocando outra estudiosa, Maria Laura Bettencourt Pires (1983), fala também destes primórdios da literatura infanto-juvenil em Portugal, ainda que exclusiva de uma elite:

«Em meios nobres e mais cultos, é de igual modo provável que romances de cavalaria como Amadis de Gaula (1a edição conhecida em 1508, atribuído a Vasco de Lobeira), Crónica do Palmeirim de Inglaterra (1544, de Francisco de Morais), ou a Crónica do Imperador Clarimundo (1522, escrito por João de Barros e dedicado ao príncipe D. João, filho de D. Manuel I) tenham cativado a juventude com os seus ideais cavalheirescos e os seus episódios aventurosos e fantasistas. Recorde-se, aliás, que o efeito dos relatos orais deste tipo de histórias nos mais jovens é abordado por Bernardim Ribeiro, como oportunamente assinala Maria Laura Bettencourt Pires. Em Menina e Moça (1a ed., Évora, 1554; 2a ed., Ferrara, 1557), evocam-se “os longos serões das espaçosas noites de Inverno”, em que “uma mulher de casa, já velha, que vira muito e ouvira muitas cousas (...) contava historias de Cavalleiros andantes. E, verdadeiramente, as affrontas e grandes aventuras que ella contava que se elles punham, polas donzellas, me fazia a mim haver dó d’elles” (v. PIRES, 1983:30)» (GOMES, 1997:5).

15Não deixando, de facto, de ser documentos interessantes que nos dão um retrato de um tipo de leitor – mais popular, menos culto e, como tal, aparentemente menos exigente em termos de valor literário – os livros de cavalarias não podem deixar de preencher um espaço na história da literatura infanto-juvenil em português, quanto mais não seja por representarem mais uma face da apropriação de uma matéria considerada como muito digna pela crítica literária a nível mundial, a matéria da Bretanha, que prolongou as suas influências a diversíssimas áreas culturais (literatura, cinema, videojogos) até aos nossos dias.

  • 4 O nome que nos vem imediatamente à memória é o da personagem Harry Potter cuja criadora, J.K. Rowl (...)

16Se no seu tempo foram lidos por uma elite, tendo sito resultado de uma fixação por escrito de matéria textual oral (e lembramos os grandes romances de Chrétien de Troyes), a sua re-oralização perpetuou as aventuras cavaleirescas, assumindo diversos desdobramentos em personagens e situações que as repetiram como se de formas arquetípicas, modelos a seguir, se tratassem, e para um público que, actualmente, se identificará como leitor infanto-juvenil. Essas primeiras versões impressas em português das aventuras de cavaleiros e donzelas, tal como outras grandes obras clássicas da literatura universal, são para estes leitores de hoje um objecto literário de difícil acesso e, por isso, alguns deles sofreram adaptações nos anos vinte, trinta e quarenta do século passado (lembremos a obra de Afonso Lopes Vieira O Conto de Amadis para os Rapazes Portugueses, 1938). Mas também estas adaptações não constituem hoje leitura de eleição para os jovens que, por questões e artifícios de mercado também, procuram heróis que vão quase directamente buscar a esses antepassados cavaleiros as virtudes e valentias, com “roupagens linguísticas” diferentes4.

17Este afastamento quer dos “originais”, caracterização muito pouco própria mas que utilizamos por se tratarem de facto de primeiras manifestações de que há ainda testemunho, quer das adaptações posteriores mas ainda assim já antigas, levou-nos a propor a “versão original” deste Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda como «objecto de mediação de leitura literária». O objectivo não será apresentá-lo como um livro de leitura obrigatória para a educação literária dos nossos jovens, mas antes sugerir que a sua leitura por um adulto, acompanhada pelo trabalho da nossa própria leitura, permita que esse adulto mediador de leituras, o apresente como sugestão a um jovem que tenha hábitos de leitura e que apenas precise de um “empurrão” para entrar no mundo dos “textos antigos”, muito embora todos nós saibamos que a sua antiguidade seja relativa face à longa história da literatura universal.

18Este trabalho cuja leitura agora vos propomos poderá servir de exemplo para uma leitura dinâmica e interactiva, atrever-nos-íamos a dizer. Conhecer muito bem uma obra que vamos dar a ler a outros é uma condição imprescindível, obrigatória. A tarefa torna-se mais difícil quando confrontamos um leitor jovem ainda não preparado para uma obra que lhe dizemos dirigir-se-lhe, mas com a certeza de que será de difícil acesso. Pela leitura deste trabalho talvez o leitor que o tem entre mãos, e que seja também um mediador de leitura (professor, bibliotecário, animador cultural), se torne ainda mais consciente de que um livro se lê fazendo-lhe perguntas, e que as respostas se encontram nele, na época em que foi escrito, na vida do seu Autor, mas também nas diferentes leituras que dele vão sendo feitas ao longo do tempo e em diversos lugares. Esta proposta de leitura do Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda, um livro de cavalarias vindo do século XVI, que viu a luz do dia quatro séculos antes desta leitora ter nascido, é um desafio para que se entenda a leitura do livro como uma actividade que, para além do prazer, implica trabalho e persistência. E que tal como acontece com o prazer que se quer repetir, também o exemplo deste estudo de um livro para a mediação da leitura se poderá repetir para outros livros que, saídos do nosso gosto o transmitam, pela palavra e pela reflexão, a outros leitores.

Notes

1 Consultem-se os estudos e as investigações publicadas pelo Observatório de Actividades Culturais (www.oac.pt) que se define, na sua página própria, como «uma Associação sem fins lucrativos, tendo por associados fundadores o Ministério da Cultura, o Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e o Instituto Nacional de Estatística. Ocupa-se da produção e difusão de conhecimentos que possibilitem dar conta, de uma forma sistemática e regular, das transformações no domínio das actividades culturais, com destaque para estudos de públicos, eventos culturais e respectivos impactos, políticas culturais, agentes (artistas, utentes de equipamentos culturais, etc.) e estudos de levantamento de instituições culturais (bibliotecas, museus, etc.)».

2 Ainda assim consultem-se os dados existentes em www.apel.pt

3 Repare-se que a primeira tese de doutoramento nesta área, intitulada O Teatro para Crianças em Portugal-História e crítica, posteriormente publicada pela editora Caminho, é da especialista Glória Bastos e foi defendida em Janeiro de 2003, tendo sido uma investigação na área científica dos Estudos Portugueses. Isto revela a dificuldade que a instituição universitária tem tido em criar uma área específica da literatura infanto-juvenil, o que pode ter duas leituras: ou a área não é suficientemente importante para se constituir como área autónoma; ou então, a matéria que estuda é tão importante que se justifica incluí-la no vasto domínio dos Estudos Portugueses.

4 O nome que nos vem imediatamente à memória é o da personagem Harry Potter cuja criadora, J.K. Rowling assumiu ter ido buscar muita inspiração aos romances de Chrétien de Troyes.

© Publicações do Cidehus, 2009

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr