Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Leitura, educação e desenvolvimento pessoal e social: o papel das bibliotecas

Leitura e menino de rua

Uma relação que ensina sonhar na perspectiva de aprender para a vida, na vida e com a vida

Edna Gomes Pinheiro et Ligia Maria Moreira Dumont

Résumé

Enfatiza que o prazer de ler se dá com a necessidade de aprender para a vida, quando o leitor se reflete nas relações, nas práticas que desenvolve, e na sua recriação enquanto pessoa. Analisa as práticas informacionais de leitura, considerando as possibilidades de mudanças geradas nas atitudes e formas de vidas de meninos de rua, partindo do princípio que a leitura constitui uma teia de possibilidades e de mudanças que oportuniza a construção de idéias, sentimentos, posturas e ações. Considera a relação leitura/biblioteca/menino de rua, acreditando na biblioteca como um espaço de inclusão social, cuja uma das vias de acesso é a geração, recepção e uso da informação, adquirida através da leitura, como mediadora do eu – cidadão, sujeito de sua aprendizagem numa sociedade que se rotula, dialógica e aprendente. A tônica dada à questão da leitura no contexto de menino de rua tenciona responder aos desafios dos múltiplos olhares da responsabilidade social da Biblioteconomia e da Ciência da Informação. Conclui que refletir sobre a questão da democratização da leitura despertada pelo diálogo e por um saber/fazer significa mergulhá-la num contexto social dinâmico, numa multiplicidade de espaços que desafiam os limites da sociedade da informação e do conhecimento, onde as situações de exclusão são causadas, na maioria das vezes, pela falta de acesso à informação e pela ausência de políticas públicas que venham matar a fome da lucidez e da consciência, e não apenas a fome do corpo.

It emphasizes that the pleasure of reading is with the need to learn for life, when the player is reflected in relationships, practical designs, and its recreation as a person. It analyze the information production of reading, considering the possibilities of change generated in the attitudes and ways of life of street children, on the assumption that reading is a web of possibilities and changes that favors the construction of ideas, feelings, attitudes and actions. Does the relationship reading/library/street child, believing in the library as an area of social inclusion, the route of access is the generation, receipt and use of information acquired through reading, as a mediator of the self – the citizen, subject their learning in a society that labels, dialogic and learner. The emphasis given to the question of reading in the context of street child will meet the challenges of multiple perspectives of the social responsibility of Library and Information Science. It concludes that reflect on the democratization of reading awakened by dialogue and a knowledge and means to dip it in a social dynamic, a multiplicity of spaces that challenge the limits of the information society and knowledge, where the exclusion is caused in most cases, lack of access to information and lack of public policies that will kill the hunger of lucidity and consciousness, not just the hunger of the body.

Texte intégral

1. (Re)vendo uma velha questão

1As inovações assustam e junto com as novidades da ciência ocorrem adaptações e mudanças na maneira de encarar os fatos da vida. O futuro chega e as pessoas se atemorizam com sua rapidez, ele sempre foi à razão das angústias da humanidade e a motivação da especulação filosófica e da pesquisa cientifica. Desvendar o futuro, e se possível alterar a trajetória dos fatos, sempre foi à ambição maior do ser humano.

2O século XXI está presenciando extraordinários avanços científico-tecnológicos e sócio-econômicos. Ao homem, agora, a tecnologia garante que quase tudo é possível. Os limites são os da criatividade. O tempo de vida aumentou, a morte ficou mais distante, e a ciência faz prodígios, principalmente no campo da medicina. Os avanços alcançados pelo desenvolvimento científico e tecnológico, principalmente, nos últimos 30 anos, têm colocado a humanidade frente a situações até pouco tempo inimagináveis, visto que essas conquistas trazem no seu bojo renovadas esperanças de melhoria de qualidade de vida

3Isso posto, percebemos que o século XXI apesar de presenciar todos esses avanços, exibe, também, uma fantástica desigualdade entre as pessoas. Na verdade, nunca a diferença entre ricos e pobres, letrados e analfabetos, alimentados e famintos foi tão acentuada. Neste sentido, surge um leque de contradições e discussões que necessitam ser analisadas com vistas ao equilíbrio e bem-estar futuro da espécie humana e da própria vida no planeta.

4Assim sendo, transportando o foco das discussões para o tema das investigações científicas, visualizamos que a sociedade vive temíveis momentos, no qual sentimos que algo de muito relevante está na iminência de acontecer, mas que não podemos precisar o que seja. Algo nos enche da maior perplexidade, a todos nós, sociedade civil e Estado, por todas as suas parcelas constitutivas. E, como se isso não bastasse, vivemos um momento mundial não menos temeroso, onde a própria sobrevivência da humanidade pode ser posta razoavelmente em dúvida, como em nenhum outro momento da história.

5Diante desse cenário, é natural que todos os elementos constitutivos da sociedade – desde as classes, no sentido estrito do termo, às categorias profissionais de toda denominação – se voltem sobre si mesmas e se interroguem mutuamente, à espera de um pouco de luz. Ora, o produto da meditação de cada uma dessas categorias não interessa apenas a ela, visto como pode representar subsídios valiosos para a meditação de todos os demais grupos mesmo que leve consigo a marca das costumeiras limitações profissionais.

6Na tentativa de abrir perspectivas que contribuam para amenizar essas inquietações, muitos educadores apregoam a necessidade de leitura como ponte para: o progresso, a vida e a formação integral do indivíduo, pois considerada como uma porta para o mundo, equaliza nossas vidas quando buscamos conquistar nossa autonomia como pessoas que tentam descobrir o verdadeiro sentido da existência. Isso nos leva a crer que negar a democratização da leitura à maioria da população, por falta de uma política consistente de fomento ao livro e à leitura, equivale a um ato de insensatez, a uma arbitrariedade contra quem não está em condições de se defender, até mesmo por ignorância do que lhe está sendo negado.

7No Brasil, frequentemente ouvimos falar que o povo não lê, que as bibliotecas não funcionam adequadamente por falta de leitores, que a TV, o computador e jogos eletrônicos são ameaças para leitura, que a escola não desperta o gosto pela leitura, por isso os alunos não lêem. Mas, o que está sendo feito de concreto pra transformar esse quadro lamentável? Sabemos que algumas ações já foram incrementadas. Todavia, é preciso fazer mais, formalizar ações participativas e transformadoras capazes de despertar o incentivo a leitura, buscando uma consciência crítica que leve o povo, a repensar, a cobrar e a exigir os seus direitos, a fim de exercer com mais dignidade a cidadania e poder participar ativamente da história do país.

8As pesquisas brasileiras voltadas para a problemática da leitura, com raras exceções, são estudos e pesquisas que comprovam o que todos sabemos – que são poucos os leitores neste país. Assim, por falta de dados concretos, somados a ausência de bibliotecas escolares devidamente equipadas com bibliotecários formados, perdermos as oportunidades de descobrir caminhos eficazes para a leitura, e o tão falado “gosto e prazer da leitura”, continua no campo do idealismo de alguns profissionais.

9Reconhecemos que criar mecanismos de acesso a leitura é um desafio. Requer antes de tudo, iniciativa, criatividade, astúcia e participação social de todos os envolvidos com a questão da leitura.

10Diante dessas asseverações ressaltamos que não temos o propósito de adentrar na questão da crise “da leitura” que atravessa o país. Tencionamos sim, ouvir o silêncio daqueles que nunca tiveram voz, ou seja, daqueles que não opinam e nem decidem pelo simples fato de trazerem consigo uma marca conhecida como – exclusão – que a sociedade resolveu discriminar. Trataremos, sim, de leitura no contexto de meninos de rua, de situações de vida de adolescentes que, mesmo conhecendo a existência de limites, podem transformar os acasos do caminho em possibilidades, e na defensiva ante a discriminação e a exclusão, lutam para configurar suas vidas, e dar-lhes um novo sentido com as informações mediadas pela leitura.

11Com esse prólogo, pretendemos mostrar o quanto a díade Leitura x menino de rua é merecedora de atenção. Resolvemos, portanto, conhecê-la amiúde na tentativa de compreender a leitura como prática social vital que delineia ações, ensinando a sonhar na perspectiva de aprender para a vida, na vida e com a vida. Ressaltamos, portanto, que à luz dessas considerações, este trabalho não trará apreciações definitivas sobre leitura com meninos de rua, e como se apresenta suas vidas nesse contexto. Todavia, num esforço analítico, tentará discutir os principais eixos desse cenário, que causa tanto impacto para aqueles que estão comprometidos com a questão social e os problemas que emerge da responsabilidade social da Biblioteconomia e da Ciência da Informação, na construção do processo de cidadania.

2. Leitura, biblioteca e vida em questão: um diálogo possível

Ler é identificar-se com o apaixonado ou com o místico. É ser um pouco clandestino, é abolir o mundo exterior, deportar-se para uma ficção, abrir o parêntese do imaginário [...] É manter uma ligação através do tato, do olhar, até mesmo do ouvido (as palavras ressoam). [...] ler é também sair transformado de uma experiência de vida, é esperar alguma coisa.
(Lionel Bellenger)

12Dizem que o obvio precisa ser dito. Pensando assim, resolvemos construir este capítulo para enfatizar a relação existente entre a tríade: leitura/biblioteca/vida. Leitura entendida como uma interação de informações visuais, sonoras e sensitivas, dentre outras que acionam todo conhecimento de mundo, todas as experiências para atribuir sentidos na construção da realidade. Leitura como um ato interativo e de compreensão de mundo. E, biblioteca compreendida como espaço de acesso à informação, de magia e mistério, no qual tecnologia e emoção juntas incentivam o leitor a recriar o que vive, e a dar sentido a suas vidas, fomentando idéias de liberdade intelectual e de cidadania.

13É verdade, que compartilhamos essas idéias sobre leitura e biblioteca. Todavia essa compreensão não pode ser confundida com uma percepção passiva de disseminar informações. É necessária, uma ação interacionista do “leitor x biblioteca x vida”, visto que essa relação exerce influências que direcionam o modo de ver, sentir, perceber e agir do indivíduo. Dentro desse limite, há dois elementos preponderantemente culturais e históricos que influenciam a leitura de mundo: a visão e a palavra. Nesse sentido, Silva (1989, p.224) adverte:

A nossa visão pode-se enganar quanto à realidade dos fatos que percebe como pode ser enganada pelas representações da realidade através das imagens que lhe são impostas. Pode também acontecer que palavras encubram a realidade, que a falsifiquem e que o pensamento a negue. Mas o fato de a realidade existir e o sujeito manter contato com ela, confrontando sua visão, a sua percepção, a sua interpretação com a de outros, pode mudar esta relação.

14Assim, quando temos a possibilidade de pensar fatos buscando uma interpretação, e quando enfatizamos as diferenças evitando a padronização, podemos relativizar as perspectivas estabelecidas, acreditando que a “ leitura de mundo” tenha maior abrangência, visto ser uma experiência individual, onde cada um tem a maneira própria de ler, de sentir e de entender o mundo que o cerca.

15Isso posto, podemos nos perguntar: Que artimanhas a leitura e a biblioteca pode articular para influenciar as pessoas na sua maneira de pensar, agir e de ver o mundo, e assim da outro sentido às suas vidas? Pensando a leitura como um processo de descoberta e ao mesmo tempo de participação com um mundo, com tudo que nos rodeia, Dias (1993, p.42), responde as nossas indagações de forma salutar:

Lendo começamos a ter desejos e sonhos, como também passamos a conhecer coisas novas; a partir daí os nossos sentimentos se modificam, aparecem às fantasias, e o mais importante, vamos procurar mudar situações, conhecendo a força da leitura e o seu valor nas transformações sociais.

16Esta citação revela o quanto o conceito de leitura é amplo quando tencionamos compreendê-la como atribuição de sentido. Da mesma forma, Manguel (1997, p.19) nos chama a atenção ao assinalar que “é o leitor que deve atribuir significado a um sistema de signos e depois decifrá-lo. Todos lemos a nós e ao mundo à nossa volta para vislumbrar o que somos e onde estamos. Lemos para compreender ou para começar a compreender.”

17Essa artimanha da leitura, que permite ao leitor atribuir sentido aos sinais, compreendê-los, amplia a noção de que o homem pode representar o mundo, exprimir seu pensamento, comunicar-se e influenciar os outros, tanto pela linguagem verbal, constituída pelos sons da língua, quanto pelas linguagens não verbais, caracterizadas pelo olhar, pelos gestos, pela cor etc. (FIORIN e SAVIOLI, 1992). Consequentemente, podemos ler mãos, acontecimentos, movimentos, enfim ler o dito e o não-dito. Ler o mundo.

18Partindo dessa constatação, percebemos que, em nosso cotidiano, habituamo-nos a relacionar a leitura com a aquisição de informações, de conhecimentos, de ampliação das condições de convívio social e de interação. Sentimos o social fazendo parte da leitura, de modo que refletir este aspecto é, praticamente, refletir a história do homem, pois a leitura é processo, instrumento de reflexão e compreensão da realidade. É possível, então, deduzirmos que o ato de ler insere o sujeito na história e na sua história, permitindo-lhe o acesso às experiências, aos valores e à cultura, de forma a promover um processo de assimilação, de apropriação e de interpretação de dados culturais.

19Dessa forma, concordamos com Bellenger (1979, p.10) que afirma: “a leitura é o ponto de partida da ação. É o instrumento do julgamento. É o nervo vivo da informação. Ler é acrescentar às experiências da própria vida as experiências dos outros”. Nesse processo interpretativo em que se busca conferir unidade e sentido a um conjunto de eventos e vivências, os atores lançam mão de um sistema de tipificações. Para efeito de explicação, esse processo pode ser entendido conforme as ponderações de Schultz (1979, p. 74), ou seja:

Toda interpretação do mundo se baseia em um estoque de experiências anteriores, que são transmitidas pela tradição, e sob a forma de conhecimento a mão (sic), funcionam como um código de referência. Assim, o homem, na vida diária, tem a qualquer momento um estoque de conhecimento que lhe serve como um código de interpretação de suas experiências passadas, presentes e determina suas antecipações das coisas futuras. Esse estoque de conhecimento a mão (sic) tem sua história particular. Foi constituído de e por atividades anteriores da experiência, cujo resultado tornou-se agora posse nossa habitual.

20Para esse autor, o que determina a estrutura deste estoque de conhecimento em cada momento é a situação biográfica do sujeito, o sistema de interesses teóricos e práticos que fazem parte do seu aqui e agora, ou seja, o problema com o qual o sujeito se defronta naquele contexto e define o que é considerado relevante ou não.

21Reconhecemos que esse momento é ideal para adentrarmos no propósito de tecer comentários sobre: leitura e menino de rua na perspectiva de aprender para a vida, na vida e com a vida, levando em conta todo o seu fazer e a diversidade cultural existente entre eles, que os fazem comparar, prever, deduzir, ir além das suas experiências imediatas para planejar ações futuras.

3. Menino de rua: o desejo de aprender para (des)formar o mundo

22O sentido de aprender encontra-se com a necessidade de aprender para a vida. Isso nos leva a refletir na recriação de nós mesmos, e em todo o fazer humano que possibilita mudanças em atitudes, concepções, formas de vida e nos leva a ativar mecanismos que gerem motivações e expectativas em relação às pessoas e seus aprendizados na vida. Esses mecanismos precisam ser desenvolvidos, isso significa repensar experiências, definir ações com objetivos claros e articulados aos desafios que surgem na construção social da realidade, a fim de gerar alternativas e possibilidades para a vida.

23Num primeiro olhar sobre meninos de rua, sentimos a necessidade de termos maior clareza sobre sua identidade, relacionar seus valores e posturas, conhecer seus limites, capacidades e formas de se expressarem diante dos seus próprios rostos, a fim de compreender efetivamente quem são essas crianças e adolescentes. Por que são rotuladas de trombadinha, maconheiro, agressivo, sujo, malcriado, pobre de vocabulário e vivências. Ao mesmo tempo são caracterizados como engenhoso, astutos, detentores de uma linguagem que, na maioria das vezes, entendida como desvio de conduta, má índole.

24A visão acerca desses meninos se estende sobre a sua integridade fragilizada, porque vivem à beira da desagregação social, vítimas de um sistema injusto, fruto de um mundo cada vez mais sensível e desumano. São crianças e adolescentes que (com) vivem num ambiente na maioria das vezes adverso a sua vontade, que lhe furta seus direitos. Direito à escola, a família, a uma vida justa e digna.

25Diante dessa realidade resta-nos uma pergunta: Como fazer esses adolescentes pensarem no amanhã sem o medo do desconhecido, e do abandono, visto que tudo isso somado a solidão e as drogas substituíram a família, a escola, os brinquedos, os amigos? Como atrair essas crianças para a escola, para família, quando sabemos que o apelo das ruas é bem mais fácil e atraente do que a escola? É preciso fazer com que novos personagens apareçam em suas vidas – Pai, mãe, professores, enfim. Afinal, como a leitura pode contribuir para mudar esse quadro, fazer com que eles aprendam a olhar a vida sob outro prisma? Olhar de outra forma o que já lhe parece tão familiar? Se apresentar para a vida de outro jeito, com outros olhos? Estar no mundo aberto para potencializar projetos de vida, realizar sonhos? Pois com certeza, eles também sonham.

4. Olhar o caminho percorrido: um relato de experiência

26A vontade de tentar conhecer à vida, as práticas informacionais de leitura, vivência de compreensão e afeto dos meninos de rua que perambulam pela orla marítima de João Pessoa-Paraíba, foi atendida pela investigação realizada no período de julho a agosto de 2009, a partir de um conjunto de informações, obtidas por meio de entrevistas realizadas com 20 meninos de rua, escolhidos aleatoriamente, pela pesquisadora.

27No início, foi totalmente, diferente do que pensávamos. Sentimos necessidades de pensar, de nos rever, diante das declarações obtidas. Descobrimos fatos interessantes em relação à cultura e a vida desses meninos. Juntamos tudo na linha do tempo, organizamos os dados. Foi uma construção coletiva. Eles não trouxeram nada pronto, o diálogo foi surgindo de acordo com a contribuição de cada um. Ficamos surpresa com a descoberta do ritual de vida e o cotidiano dos entrevistados.

28Olhando por outro ângulo, os meninos de rua entrevistados, são filhos de famílias pobres, são considerados massa de esfomeados, camada de barriga vazia. Corroborando com essa assertiva Vieira (1984, p.19) afirma:

Essa camada não se define apenas economicamente, mas social e culturalmente. Baseando-se em uma posição específica na estrutura social, desenvolve estratégias de sobrevivência, constituindo um modo de vida próprio.

29Tentando compreender as experiências de leitura dos meninos de rua da orla marítima de João Pessoa-Paraíba-Brasil, mais especificamente na orla de Tambaú e Manaíra, partimos do princípio de que eles dividem espaços, histórias e experiências. Suas vidas se assemelham no que diz respeito à solidão, a sobrevivência, a (des)esperança, e as oportunidades.

30A operacionalização demandou em um primeiro momento um diálogo, aguçando a sensibilidade dos meninos com relação a si mesmos e aos outros, desenvolvendo um novo olhar sobre as diferenças e as pluralidades existentes. O segundo momento foi direcionado ao ato de aprender, reelaborar e construir conhecimentos, a partir das leituras que foram realizadas com os entrevistados. As atividades foram iniciadas solicitando que os entrevistados escolhessem algum livro para ser lido, ou manuseado. Foram oferecidas algumas folhas de papeis em branco, pincéis, tintas e lápis de cores. Sugerimos que todos fizessem um desenho, conforme a história lida ou ouvida.

31É difícil ao espectador desse cenário saber se essas representações ao se interpenetrarem falam dos desejos, anseios, devaneios, decepções, enfim, dos sentimentos e das emoções desses meninos. Porém, essas têm características que delineiam de forma convincente que a leitura exerce influência no modo de pensar, agir desses adolescentes. Eles, ao deixarem a emoção aflorar falaram de suas ansiedades e do desejo de mudar de vida, de vê-la sob outro ângulo. Descobriram, experimentaram a capacidade de juntar vivência, participar, interagir com uma bagagem não pronta, mas suficiente para contribuir.

Percepção de leitura enquanto sensibilidade do mundo

32Optamos por fazer uma sondagem a partir da seguinte pergunta: Você acha que podemos ler o mundo? Como? A partir de então, explicamos o que era leitura de mundo, a fim de constatarmos como eles construíam sentido Entendemos que o modo como os meninos de rua lêem o mundo abre horizontes de conhecimentos e nele eles emergem como sujeito, garantindo o caráter ontológico de sua existência. Com as explicações decorrentes sobre leitura para vida eles se mostraram surpresos e bastante interessados sobre o assunto. Vejamos como se posicionaram:

[...] posso ler o mundo através das pessoas, ler é respeitar os outros do jeito que ele é. (E1 – 10 anos)
[...] leitura é uma ponte que nos leva aonde a quer. Eu sei da vida porque eu leio até o que encontro no chão. (E3 – 12 anos)
[...] eu aprendi a ler, quando leio eu tenho vontade de ter a vida do artista do livro. (E5 – 09 anos)
[...] a leitura para mim é uma viagem. Ela me faz sonhar (E6 – 15anos)
[...] eu não entendia muito disso – mas, estou gostando muito de ouvir essas histórias e passar as páginas desses livros. Se minha mãe tivesse contado histórias tão bonita... Talvez, hoje eu fosse um príncipe e morasse num castelo... ah, ah! (E8 – 16 anos)

33Essas falas enlaçam a produção de sentidos oriunda das leituras desenvolvidas com os meninos de rua desse estudo, os quais dotados de enorme sensibilidade criadora conseguem participar de um mundo simbólico, e através dele, recriar o próprio mundo, estabelecendo assim a idéia de participação e construção do saber. Nessa perspectiva, a possibilidade é também uma realidade.

34Observamos que nessas falas os meninos de rua, cada uma a sua maneira, são capazes de entender o que é leitura de mundo. Na concepção de Freire (1991), toda essa experiência de leitura de mundo é fundamental para uma leitura posterior da palavra. Isto porque o contexto no qual a criança se desenvolve está imbricado com o tecido do mundo, isto é, está ligado a um contexto mais amplo que é compreendido pela leitura da palavra.

35Isso veio reforçar a concepção de leitura que ora defendemos, ou seja, a concepção de que a leitura do mundo precede a leitura da palavra, e esse fato ajuda o homem a entender melhor a sua existência (FREIRE, 1991).

36Ao que nos parece, a leitura é o próprio modo pelo qual o homem organiza o mundo, segundo a linguagem que inventa sua construção. Ler é realizar a experiência de se pensar pensando o mundo (BLANCHOT, 1987 citado por YUNES, 1999).

A vivência na rua: um desabafo necessário para o (re)conhecimento

37Desabafo que percebemos implicado na vontade de mudar de vida. Nesse momento percebemos que a permanência dos meninos de rua, na rua, deve-se aos conflitos familiares, a opção própria, ou mesmo a influências de colegas, são também responsáveis, como mesmo podemos constatar nessas falas:

[...] Fugi de casa, porque meu colega me chamou para curtir, gostei e não voltei mais. Minha mãe pagava colégio para mim. Mais lá não tem o que eu tenho aqui. Oh! (E10 – 11anos).
[...] A rua para mim me dá poder, faço tudo o quero e quando não quero, sou obrigado, e pelos colegas, a fazer. É pura liberdade. (E13 – 08 anos).
[...] Não gosto de casa. Estou na rua porque quero (E16 – 09anos).
[...] Vivo na rua, porque nunca fui amado por ninguém. Sou neto de quenga, filho de P
– A, não sou ninguém. Como quando me dão um prato de comida, ou quando roubo alguém. Minha cama é a calçada, meu lençol é um papelão. Sei não viu. Será que me acostumo doutro jeito. Apanho dos outros, mas, não quero apanhar do meu e da minha mãe. (E18 – 17anos).
[...] Vivo na rua, mas quero ter uma família que me queira e me faça gente. Como eu queria ter outra vida. Enquanto, isso não acontece, o melhor lugar para eu viver é na rua. (E15 – 12 anos)

38Basicamente, nesse momento tencionávamos conhecer um pouco mais da história de vida de cada um, a fim de estimular, por meio do diálogo, a confiança e a auto-valorização, e assim, descobrissem o que estavam fazendo com a vida, a dignidade e suas potencialidades.

5. Considerações finais: a falta do ponto final

39Tomando por base o objetivo desse trabalho que foi o de compreender a leitura como prática social vital que delineia ações, ensinando a sonhar na perspectiva de aprender para a vida, na vida e com a vida. Ressaltamos, portanto, que à luz dessas considerações, a multiplicidade de vozes que perpassaram essa experiência, faremos uma retomada de alguns dos aspectos que se tornaram relevantes no decorrer da análise do corpus.

40Em relação às falas dos entrevistados, foi interessante observar a coexistência de vários discursos. Nesse ínterim, percebemos que essas falas estão atravessadas por uma pluralidade de conflitos de vozes que nos revela a dissonância entre o dizer e agir desses adolescentes, ou seja, imersos em uma enorme (de)esperança e revolta, apresentam um discurso voltado para o respeito, para a heterogeneidade e para a criação de estratégias que lhes permitem vislumbrar mudanças de vida, pois se acham afetivamente e efetivamente ligados às diferenças do mundo, apesar de mostrarem uma forte tendência à redução das possibilidades de expressão, posicionamento, reflexão, justiça e liberdade.

41Contudo, essa forma de entendimento, nos faz crer que a leitura pode ser compreendida como descoberta e construção de sentido, de significações novas para a vida, capaz de ser imperativo frente ao desafio de repensar e construir concepções de que os meninos de rua não são diferentes dos outros, eles também têm coragem de dizer em voz alta que têm sonhos e que estão dispostas a lutar por ele – é o sonho de ter direito a uma vida digna, uma família, uma escola, a brincar e a viver.

42Esse trabalho não tem intenção de prestar assistência, mas pensar a leitura de forma a acreditar que se pode aprender brincando, fantasiando e imaginando um mundo melhor, brincar de lutar por uma vida melhor é um trabalho e a meta é a ampliação da auto-estima dos meninos de rua para potencializar a criatividade e a resolução dos seus problemas. São múltiplas as razões que justificam pensar a leitura para vida e na vida, com o propósito de formar cidadãos capazes de transformar suas vidas e recuperar espaços na sociedade. Afinal a pessoa é aquilo que ela lê e aquilo que a pessoa lê é o que ela é. [...]“afastando a solidão e a falta de amor, a angustia silenciosa da vida cotidiana, a leitura nos ajuda e nos conforta.” (SILVA, 1981, p.314)

43Todavia, vale ressaltar que enquanto, o estágio irrestrito da cidadania não se concretiza permanecemos na esperança da democratização da leitura, sonhando com uma cidadania para todos, que desenvolva a razão para a luta e a paixão pela vida.

Bibliographie

ARIÈS, Philippe – História Social da Criança e da Família. 2.ª edição, Rio de Janeiro: Guanabara, 1981.

BELLENGER, Lionel – Os métodos de leitura. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

DIAS, Carmem Maria – A leitura como atividade lúdica: prática bibliotecária realizada no Instituto Dom Ulrico com crianças de 8 a 11 anos. 1993.127f. Dissertação (Mestrado em Biblioteconomia) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE – Lei No.8069/90. Governo Federal. 1990.

FIORIN, J. L. (Org.) – Introdução à linguística: objetos teóricos. 3ªed. – São Paulo: Contexto, 2006.

FREIRE, Paulo – Conscientização: teoria e prática da libertação. São Paulo: Ed. Moraes, 1980.

FREIRE, Paulo – A importância do ato de Ler: em três artigos que se complementam. São Paulo: Cortez, 1991.

SCHULTZ, A. – Fenomenologia e relações sociais. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

SILVA, E. T. da – O ato de ler: fundamentos psicológicos para uma nova pedagogia da leitura. São Paulo: Cortez, 1981.

SILVA, E. T. da – Elementos de pedagogia da leitura. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

VIEIRA, Maria A. da Costa et al.(org.). – População de rua: quem é, como vive, como é vista. 2ª Edição, São Paulo: Hucitec, 1994.

YUNES, Eliana – Leitura, a complexidade do simples: do mundo à letra e de volta ao mundo. INFORMARE: Cad. Prog. Pós-Grad. Ci. Inf. Rio de Janeiro, v.5, n.1, jan./jun (1999), pp. 6-29

Auteurs

Professora UFPB, doutoranda do PPGCI/UFMG/Brasil. Universidade Federal da Paraíba-Brasil.

Professora Dra/PPGCI/UFMG. Universidade Federal de Minas Gerais-Brasil.

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr