Desktop versionMobile Version
OpenEdition Books

Ler em grupo

 | 
Cláudia Sousa Pereira

Prefácio

José António Calixto

Volltext

1Pode um livro levar à perda da independência de um país?

2A literatura tem, sem surpresa, acusado o analfabetismo dos maiores malefícios. Por exemplo, em Sentença em Pedra, um livro de Ruth Rendell, a assassina comete um crime hediondo para esconder a vergonha de não saber ler. O leitor, de Bernhard Schlink, adaptado ao cinema com grande sucesso, pode ser visto como um feroz libelo ao analfabetismo – também aqui ocultado – e à obediência cega, como causas mais ou menos directas do nazismo.

3Sucede que a obra estudada no livro que aqui se apresenta, o Memorial das proezas da segunda Távola Redonda, do autor seiscentista Jorge Ferreira de Vasconcelos, foi já “acusada” de contribuir para a aventura de Dom Sebastião em Alcácer Quibir, e consequentemente, para a fusão dos dois reinos ibéricos, ocorrida em 1580. Tudo isto porque tratando-se de um romance de cavalaria, escrito aliás propositadamente para entretenimento e educação do nosso jovem rei, teria incutido na sua doentia imaginação o gosto desmesurado pela cavalaria e pelas aventuras, e dali ao desastre foi um passo.

4Este teria sido certamente um efeito não desejado. Porque, o pretendido – o de contribuir para a educação sentimental do jovem monarca e despertar nele o interesse pelo amor, isto é que se decidisse a casar e a dar um herdeiro à coroa portuguesa – esse, sabe-se, não foi conseguido.

5Esta foi a obra escolhida por Cláudia Sousa Pereira para o estudo que viria a defender com sucesso a fim de obter o grau de doutora em Literatura Portuguesa, na Universidade de Évora. O livro agora apresentado, com o título completo Ler em grupo: O caso do quinhentista Memorial das proezas da segunda Távola Redonda como objecto de mediação de leitura para um público jovem, é uma versão muito modificada, como refere a autora na Introdução, da tese defendida em 2000.

6Estas modificações são de tal ordem que, mesmo correndo alguns riscos, se poderá afirmar que a obra é considerada aqui a partir de perspectivas muito distantes da intenção inicial. Por um lado o Memorial passa a ser visto como um antepassado do que veio a ser comummente designado por literatura infanto-juvenil. Por outro lado, ele deixa praticamente de ser o sujeito do estudo para passar a ser um instrumento de um outro desiderato: a promoção da leitura literária entre adolescentes.

7Esta mudança de perspectivas não é surpreendente, antes contém uma coerência intrínseca, sobretudo para quem conhece o percurso da autora desde 2000. Por um lado, Cláudia Sousa Pereira, pelo seu trabalho de investigação, pelos seus escritos, e pela sua actividade docente, formadora e auto-formadora, foi-se integrando e é hoje um nome firmado entre os grandes estudiosos portugueses no campo da Literatura Infanto-Juvenil. Por outro lado, e isto é seguramente o mais original, sobretudo quando se pensa numa estudiosa e numa académica, a autora tem desenvolvido um conjunto de actividades práticas de promoção de leitura, que lhe têm sido comprovadamente úteis no estabelecimento de uma ponte necessária, mas frequentemente demasiado longa, entre os criadores e os seus leitores.

8Aqui nasce o título principal desta obra – Ler em grupo – tendo as referências ao romance passado para o complemento de título, onde aliás é expressamente referido como “um caso” e como um “objecto” específico. O que esta obra propõe é um roteiro para a utilização do Memorial num grupo de leitura constituído por adolescentes ou jovens, dinamizado a partir de uma biblioteca pública ou escolar.

9É sem dúvida uma proposta corajosa mas arriscada, embora a autora advirta logo na introdução que a sua proposta não se destina a cativar novos leitores, mas sim a proporcionar uma experiência mais exigente a jovens leitores já consolidados.

10Os argumentos em defesa da proposta são sólidos e coerentes, nomeadamente os que defendem a necessidade de dar a ler escritos de outras épocas aos nossos adolescentes e jovens. Abundam os exemplos de obras clássicas da literatura universal adaptados para leitura por adolescentes ou jovens, que não raras vezes tiveram grande sucesso entre o público adulto menos instruído. No caso concreto deste Memorial, há a vantagem, referida por diversos autores, de esta obra, e os romances de cavalaria em geral, terem sido considerados como literatura popular, e sucessos editoriais na época em que foram originariamente publicados. Daí poder esperar-se que também possam agora gozar da preferência dos leitores.

11Contudo é também um bom argumento que as actuais realidades socioculturais são muito diversas das do século XVI, e que o amor cortês e os torneios de cavalaria poderão surgir aos olhos dos adolescentes de hoje como fenómenos de outra galáxia. Mas este pode ser precisamente um argumento a favor da leitura da obra no presente. Pois não é verdade que são obras com estes graus de estranheza que se constituem como os maiores (até pelo normalmente grande número de páginas) sucessos editoriais dos nossos dias? Que relação com a realidade de hoje têm por exemplo O senhor dos anéis ou a saga de Harry Potter? Sendo assim porque não um romance de cavalaria do século XVI?

12Para ajudar quem quiser entrar nesta aventura, Cláudia Sousa Pereira fornece ajudas preciosas, que aliás poderiam ser aplicadas também à “leitura em grupo” de outras obras. Ao longo de todo o livro estão inseridas em caixas destacadas úteis “sugestões ao mediador”, que podem servir como guia para a exploração da obra. Para além disto, um capítulo inteiro intitulado “Planear a Actividade” é dedicado a fornecer uma espécie de guião por etapas para ajudar o mediador de leitura não só na fase de planeamento mas também no desenvolvimento da leitura em grupo.

13Este não é um livro para ser lido, estudado, eventualmente referenciado, e depois guardado na prateleira. Não; este livro requer acção, sugere actividade e espera-se que seja de grande utilidade para todos aqueles que em Portugal estão convencidos da utilidade e suprema importância de sermos uma nação leitora. E por isso teimam em fazer da sua profissão e paixão, o acto de dar e levar a ler.

14Para concluir, e quase como uma nota de rodapé, fica aqui uma sugestão para quem quiser espreitar ou mesmo ler o Memorial: Façam uma pesquisa no Google com o título completo da obra. Está disponível no ciberespaço, em vários sítios e em versão integral.

© Publicações do Cidehus, 2009

Nutzungsbedingungen http://www.openedition.org/6540

Kaufen

Printversion

amazon.fr