Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Leitura, educação e desenvolvimento pessoal e social: o papel das bibliotecas

Biblioteca aberta

Literatura e leitura como práticas sociais

Adriana Camargo Pereira et Eliane de Luis Gardin

Résumé

Os resultados de avaliações nacionais e internacionais, como os do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SAEB), do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), mostram a grave situação do alunado brasileiro em relação à leitura. Nas três edições do PISA, por exemplo, quando comparado aos 57 países participantes da avaliação, o Brasil apresentou índices pouco satisfatórios de letramento, mostrando que a grande maioria dos seus jovens ainda não têm desenvolvidas competências e práticas de leitura tais como: recuperar e demonstrar informações específicas, fixar a compreensão geral de textos ou mesmo interpretar e refletir sobre o conteúdo e características da expressão escrita.
No intuito de colaborar com as escolas do entorno das nossas 55 Unidades de Ensino Superior (IES), a Anhanguera Educacional (AESA) busca reforçar as políticas públicas para educação básica. Seu foco principal é fornecer as condições materiais (salas de aula, laboratórios de informática e bibliotecas) e intelectuais (supervisores, coordenadores, professores e alunos) para viabilizar a formação educacional da comunidade. Colocando em prática tais objetivos, a instituição implantou em 2006 o Projeto Biblioteca Aberta de Literatura, programa de incentivo à leitura, em parceria com as escolas de ensino fundamental das redes públicas de ensino do país. Desde então, foram 229 atendimentos em 2006, 1.088 em 2007, 1.455 em 2008 e a expectativa, para 2009, é atender mais de 3.500 alunos. As atividades são avaliadas pelo Departamento de Avaliação Institucional da instituição e os resultados são constantemente analisados para que sejam feitos ajustes importantes para a maximização dos impactos positivos.

The results of national evaluation and international assessment, such as the National System for Evaluation of Basic Education (SAEB), the National System for Evaluation of Secondary Education (ENEM) and the OECD Program for International Student Assessment (PISA), show the plight of Brazilian students when it comes to reading. In the last three editions of the PISA, for example, when compared to the 57 countries participating in the evaluation, Brazil has had unsatisfactory levels of literacy. It shows that the vast majority of Brazilian people have not yet developed skills and reading practices, general understanding of texts and reflection upon the content and characteristics of writing.
In order to collaborate with the schools close to our 55 campuses, Anhanguera Educational (AESA) has sought to strengthen public policies for basic education. Its main focus is to provide infra-structure conditions (classrooms, computer labs and libraries) and intellectual capital (supervisors, coordinators, lecturers and students) to give the surrounding community access to education.
In 2006, the institution implemented the Toy and Leisure Library Program, in partnership with the Brazilian elementary public schools, which is aimed at encouraging reading strongly. Since then, such a successful program has managed to assist 229 students in 2006 and 1088 in 2007, 1455 in 2008 and it is meant to assist more than 3,500 students in 2009.
The Department of Institutional Evaluation of Anhanguera is responsible for evaluating the outcomes of this program so that important adjustments are made to maximize the positive impacts.

Texte intégral

1. Introdução

1O projeto BIBLIOTECA ABERTA DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL foi implantado em 2006, para alunos do ensino fundamental da rede pública de ensino, com o objetivo de promover o hábito da leitura.

2A análise de pesquisas nacionais e internacionais aponta níveis elevados de analfabetismo funcional. Estudos realizados por uma das coordenadoras do projeto, mestre em Teoria Literária, apontam que apenas uma pequena parte da população chega ao grau correspondente à capacidade de interpretar textos mais complexos. “É comum ouvirmos que a sociedade brasileira escreve e se expressa mal, pois falta o hábito da leitura. Por conseguinte apresentam dificuldades de raciocínio, compreensão e interpretação da realidade”.

3Diante desse panorama é nítida a importância de se promover ações de incentivo à leitura. Para isso a instituição adquiriu um acervo de livros literários dos vários gêneros, gibis, revistas e jornais, que ficam disponíveis nas bibliotecas das suas unidades onde acontecem as atividades de leitura, orientadas por alunos dos cursos de Letras e Pedagogia supervisionados por professores da área.

4Alunos e professores da IES, juntamente com professores, coordenadores e diretores das escolas públicas parceiras procuram identificar quais são as metodologias capazes de promover interações significativas no sentido de promover leitores.

5As atividades são avaliadas pelo Departamento de Avaliação Institucional da instituição e os resultados são constantemente analisados para que sejam feitos ajustes importantes para a maximização dos impactos positivos. O Projeto vem crescendo em qualidade e proporção. Como podemos observar nos resultados, e na percepção dos envolvidos, os alunos da rede pública estão se interessando mais pela leitura, e os alunos da graduação que atuam como monitores estão se desenvolvimento profissionalmente a partir da vivência de promoção à leitura, integrando teoria e prática.

6É aquilo que o Ministério da Educação chama de via de mão dupla, atividades extensionistas colaborando para o desenvolvimento da comunidade assim como para o desenvolvimento profissional e da cidadania do aluno da graduação.

2. Objetivos da anhanguera educacional

Geral

  • Promover, aos alunos do ensino fundamental, o acesso aos bens educacionais e culturais, a conscientização acerca da importância da leitura, a conscientização acerca de seus direitos e deveres;

  • oferecer oportunidades alternativas de exercício da prática profissional para alunos dos cursos de Licenciatura em Letras e Pedagogia, ao mesmo tempo em que vivenciam o exercício consciente da cidadania.

Específicos:

7Relacionados aos alunos do ensino fundamental:

  • Adquirir o hábito de leitura;

  • Adquirir a capacidade de leitura e compreensão de textos;

  • Adquirir a capacidade de auto-aprendizagem;

  • Reconhecer a importância da leitura;

  • Reconhecer na biblioteca suas funções educativa e de formação cultural;

  • Adquirir capacidade criativa e de senso crítico;

  • Adquirir conhecimentos acerca de seus direitos e deveres de cidadão.

  • Relacionados aos alunos dos cursos de Letras e Pedagogia:

  • Conhecer as diversas possibilidades de exploração do acervo das bibliotecas escolares como recurso didático-pedagógico para o desenvolvimento do hábito de leitura, da pesquisa e da capacidade de expressão escrita;

  • Conhecer os diversos meios de incentivo à leitura;

  • Desenvolver atividades pedagógicas de incentivo à leitura baseadas em estórias juvenis;

  • Vivenciar experiências de promoção da leitura por meio de atividades pedagógicas, integrando teoria e prática.

3. A avaliação da leitura no Brasil e no mundo

8Nas últimas décadas, foram criados diversos sistemas de avaliação da educação. A participação do Brasil no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), a implantação, por parte do governo federal, do Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB), e os projetos de avaliação desenvolvidos por alguns estados em relação às suas redes de ensino trouxeram importantes avanços e novos desafios.

9O Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA) é uma pesquisa trienal de conhecimentos e competências de estudantes na faixa dos 15 anos de idade, realizada nos países da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e em países convidados. Já aconteceram três avaliações do PISA: em 2000, 2003 e 2006, com foco principal em Leitura, Matemática e Ciências, respectivamente.

10O PISA 2000 avaliou com maior ênfase o desempenho em leitura, que foi visto apenas brevemente no PISA 2003 e 2006. Mas é possível perceber mudanças no desempenho de leitura ao longo dos seis anos. O PISA mede o letramento em leitura, em termos da competência dos estudantes para usar a informação escrita em situações que irão encontrar na vida. Esse conceito vai além da noção tradicional de decodificar a informação e fornecer uma interpretação literal. Diferentes tipos de texto são apresentados aos estudantes e pede-se a eles não só para retirar informação do texto, mas também para interpretar o texto, refletir e fazer uma avaliação sobre o que leu.

11No PISA 2006, a minoria dos estudantes (8,6% em média nos países da OCDE) foram proficientes no mais alto nível da escala de leitura, o Nível 5. Os países que têm uma proporção menor de estudantes abaixo do Nível 2 são Finlândia (5%), Coréia (6%), China/Hong Kong (7%). No extremo oposto, os seguintes países têm a maioria dos seus estudantes no Nível 1 ou abaixo: Brasil, Quirguistão, Qatar, Azerbaijão, Tunísia, Indonésia, Argentina, Montenegro, Colômbia, Romênia, Servia e Bulgária.

12Sete países, Coréia, Polônia, Chile, Liechtenstein, Indonésia, Letônia e China/Hong Kong, obtiveram uma sensível melhora no desempenho de leitura desde o PISA 2000. Por outro lado, muitos países sofreram um declínio no desempenho de leitura entre o PISA 2000 e o PISA 2006, incluindo nove países da OCDE – Espanha, Japão, Islândia, Noruega, Itália, França, Austrália, Grécia e México e seis dos países convidados, Argentina, Romênia, Bulgária, Rússia, Tailândia e Brasil.

13Em todos os países da OCDE no PISA 2006, as meninas obtiveram melhor desempenho médio em leitura do que os meninos. No Brasil, as meninas marcaram 32 pontos acima dos meninos na média geral.

14O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SAEB), coordenado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP/MEC) coleta informações sobre o desempenho acadêmico dos alunos brasileiros. A população de referência do SAEB é composta pelos alunos brasileiros do ensino regular que freqüentam a 4ª e 8ª séries do Ensino Fundamental e a 3ª série do Ensino Médio, de todas as Unidades da Federação.

15Segundo o SAEB 2005, última pesquisa aplicada, um total de 55% das crianças terminam a 4ª série do Ensino Fundamental sem saber ler e escrever. Isso acarreta problemas de interpretação que muitas vezes são carregados até o Ensino Médio. Dos estudantes da 3ª série do ensino médio, 42,1% dos alunos foram classificados no estágio crítico e estágio muito crítico em relação à leitura.

16Diante da realidade dos alunos brasileiros em relação à leitura, identificou-se a importância de ações como o projeto Biblioteca Aberta de Literatura como ação de transformação e implementação de comunidades de leitura.

4. A leitura como prática social

  • 1 Programa de Formação de Professores Alfabetizadores. Brasília: Ministério da Educação e Comunicação (...)

Ler é somar-se ao mundo, é iluminar-se com a claridade do já decifrado.1

17O conceito de leitura é muito amplo e complexo, pois envolve diversas possibilidades de definições e relações. Por isso adotou-se alguns autores que, em suas abordagens, compreendem a leitura como prática social e cultural; o que significa entender o ato de ler como uma interação entre leitor e texto, levando em conta o mundo do leitor nesse processo, como diz Maria Helena Martins (1985):

a leitura é uma experiência individual sem demarcações de limites, não depende somente da decifração de sinais gráficos, mas sim, de todo o contexto ligado à experiência de vida de cada ser, para que este possa relacionar seus conceitos prévios com o conteúdo do texto e, assim, construir o sentido. (p. 17)

18Essa concepção leva a um rastreamento de várias perspectivas teóricas da linguagem, como a Análise do Discurso, a Semiótica do Texto e a Estética da Recepção, as quais concebem o texto como discurso, onde os sujeitos interlocutores (autor/leitor) são partes do processo comunicacional do texto. O ato de ler como prática social defende que a leitura começa na compreensão do contexto em que se vive.

19Freire (1982) defende que a leitura começa na compreensão do contexto em que se vive:

A leitura do mundo precede a leitura da palavra, daí que a posterior leitura desta não possa prescindir da continuidade da leitura daquele. Linguagem e realidade se prendem dinamicamente. A compreensão do texto a ser alcançada por sua leitura crítica implica a percepção das relações entre o texto e o contexto. (p.11-12)

20Foucambert (1994) define a leitura como a elaboração de um juízo sobre a escrita no ato de questionar o texto em busca de respostas, o que proporciona a atitude crítica perante o texto e o contexto, ou seja, do sujeito no mundo:

Ler significa ser questionado pelo mundo e por si mesmo, significa que certas respostas podem ser encontradas na escrita, significa poder ter acesso a essa escrita, significa construir uma resposta que integra parte das novas informações ao que já se é. (p. 05)

21E Resende (1993) também compreende a leitura como possibilidade de abertura ao mundo e caminho para um conhecimento mais aprofundado de si mesmo:

A leitura é um ato de abertura para o mundo. A cada mergulho nas camadas simbólicas dos livros, emerge-se vendo o universo interior e exterior com mais claridade. Entra-se no território da palavra com tudo o que se é e se leu até então, e a volta se faz com novas dimensões, que levam a re-inaugurar o que já se sabia antes. (p. 164)

22Nessa perspectiva, ao escrever um texto, o autor insere valores que, no ato da leitura, serão interpretados e questionados pelo leitor, ocasionando o entrosamento do horizonte de expectativas de ambos e criando uma nova dimensão que se processa no ato da leitura. Isso significa que, antes do ato da leitura, o texto já é um artefato produzido por um emissor, construído em conformidade ou em ruptura com determinados códigos e possuindo certas características e marcas semióticas, que o individualizam na sua corporeidade e no seu sentido e que não permitem qualquer leitura por qualquer leitor. O receptor, por sua vez, precisa ter uma competência comunicativa, que o habilite a compreender e a analisar a contextualidade do texto.

23Compreender um texto, portanto, implica ser capaz de apreender as intenções do autor, considerando as linhas e entrelinhas. A leitura só é possível se o leitor, a partir de suas próprias experiências, interagir com o texto e com o autor do texto, pois como já é sabido, a aprendizagem, desde a tenra idade, será mais significativa quanto mais relações o aluno estabelecer com suas experiências anteriores, seu cotidiano e sua maneira de organizar o conhecimento.

24Porém, o Brasil tem perpetuado nas últimas décadas uma triste história de pseudo-leitores e alfabetizados, que representam nada mais que números numa tentativa de diminuir o analfabetismo diante do mundo globalizado.

25Os sintomas da falta de letramento ocorrem sem distinção social; todavia, torna-se mais agravante nas famílias carentes, já que estas ficam impedidas de proporcionar um ambiente favorável à leitura no seio familiar pela própria exclusão em que vivem. Paralelamente, muitas escolas não possuem bibliotecas ou salas de leitura, sendo impossível que seus alunos possam consolidar os valores essenciais para a formação da criança e do leitor que há dentro dela; nem é possível estimular o gosto pelos gêneros textuais, já que há total desconhecimento da alegria ou da fantasia da leitura de um Conto de Fadas, por exemplo.

26Proporcionar às crianças e adolescentes o acesso à multiplicidade de linguagens, à informação, ao universo literário, às experiências lúdicas e aos contextos culturais diversos é, antes de tudo, um ato de cidadania abrangente; é a promoção da família na inclusão de sua própria cidadania.

27Antonio Cândido afirma que se a grande massa não lê, não é por incapacidade, e sim por privação (1995, p. 262). Privar as camadas populares do acesso aos clássicos e às leituras polêmicas é uma atitude autoritária, pois pressupõe a supremacia de uma parte da sociedade sobre a outra.

Uma sociedade justa pressupõe o respeito dos direitos humanos, e a fruição da arte e da literatura em todas as modalidades e em todos os níveis é um direito inalienável. (op. cit).

28Assim, entendendo que o conceito de leitura está intimamente relacionado ao leitor e seu repertório contextual, torna-se pertinente uma distinção que ressalta a compreensão que temos por leitor. Segundo Edmir Perotti (1990), há uma diferença entre ledores e leitores

Os primeiros seriam sujeitos que se relacionam apenas mecanicamente com a linguagem, não se preocupando em atuar efetivamente sobre as significações e recriá-las. O texto é tabula rasa, exposição sem mistérios das poeiras do mundo. Os leitores, ao contrário, seriam seres em permanente busca de sentidos e saberes. (p. 27)

29O Projeto Biblioteca Aberta, nesse contexto, tem a função de ajudar os estudantes a se interessarem pela leitura e a lerem melhor, e fornece os instrumentos necessários para que eles conheçam e articulem o mundo da linguagem, pois tanto facilita o acesso do aluno ao acervo de livros como também oferece o auxílio de um mediador que orienta o processo e os encaminha à compreensão da leitura. Nesse sentido, leitura não é apenas a do prazer, mas de conhecimento, pois é explorada adequadamente através da metodologia adotada. O aluno, portanto, é informado e preparado para fazer essa exploração.

30Outro ponto revisto é a afirmação de que ler é um ato solitário. Essa afirmação pressupõe apenas um tipo de leitura – aquela realizada com os olhos. Mas a leitura envolve muito mais do que o movimento dos olhos. Ler implica trocar sentidos. E os sentidos são resultado do compartilhamento da visão de mundo do homem. A leitura torna-se significativa quando se abre à possibilidade de aceitar a idéia do outro, o que é um gesto solidário.

31Assim, trabalha-se a leitura como um ato libertador, assegurando que perguntas e respostas pessoais passem a fazer parte das atividades, constituindo-se em um instrumento humanizador, uma vez que construir sentidos significaria construir respostas pessoais para a edificação de um mundo humano, considerando nessa tarefa as idéias, os sonhos, os sentimentos e a imaginação do sujeito leitor em diálogo com outros homens.

32Ao abrir um livro, abre-se perspectivas, informações, estimula-se sentimentos, sensações e criatividade. Portanto, o prazer de ler e a busca pelo conhecimento devem fazer parte das metas de qualquer ser humano, pois é inerente à sua busca pelo aprimoramento de si mesmo e também do mundo no qual está inserido.

5. Implantação e avaliação do projeto

33O projeto-piloto foi implantado em 2006 em uma unidade de ensino, com duzentos e vinte e nove alunos de 2ª a 5ª séries do ensino fundamental da rede pública, envolvendo cinqüenta de oito alunos e quinze professores dos cursos de Letras e Pedagogia.

34As pesquisas nacionais e internacionais despertaram a necessidade de implantação de um projeto de incentivo à leitura, como forma de colaborar com as metas nacionais e internacionais em relação à educação, e contribuir para transformação da comunidade local e regional.

35O Objetivo do projeto é promover, aos alunos do ensino fundamental, o acesso aos bens educacionais e culturais, a conscientização acerca da importância da leitura e a conscientização acerca de seus direitos e deveres. Em relação aos alunos dos cursos de Letras e Pedagogia, que atuam como monitores, pretende-se oferecer oportunidades alternativas de exercício da prática profissional, ao mesmo tempo em que vivenciam o exercício consciente da cidadania.

36Com base na análise dos resultados do projeto-piloto estabeleceu-se novas diretrizes. O projeto foi ampliado para seis unidades em 2007, atendendo um mil e oitenta e oito alunos do ensino fundamental, cento e sessenta e dois alunos e vinte professores da graduação. Em 2008 o projeto está acontecendo em 13 unidades, em onze cidades do estado de São Paulo, com previsão de mais de dois mil e quinhentos alunos atendidos.

37O foco passou a ser alunos a partir da terceira série do ensino fundamental até o ensino médio. A mudança da faixa etária aconteceu em função da dificuldade em relação à leitura apresentada pelos alunos da 2ª série, que ainda estão em fase de alfabetização, e pela demanda apresentada pelas escolas de ensino médio.

38Os coordenadores, professores e alunos dos cursos de Letras e Pedagogia são responsáveis pelo relacionamento com diretores, coordenadores e professores das escolas da rede pública, para divulgação do projeto e identificação das metodologias capazes de promover interações significativas no sentido de promover leitores, de acordo com a realidade da escola e dos alunos nela inseridos.

39Os monitores, alunos dos cursos de Pedagogia e Letras são divididos em grupos, e orientados pelos coordenadores e professores da área, para o planejamento, seleção do material e condução dos trabalhos, de acordo com as diretrizes traçadas em conjunto com a escola.

40A instituição adquiriu um acervo inteiramente voltado para o projeto com livros infanto-juvenis (romances, contos, crônicas, poesias, fábulas), gibis, jornais e revistas, direcionados para a faixa-etária dos alunos. Cada unidade recebeu inicialmente 150 livros e a cada semestre recebe aproximadamente 50 livros novos.

41O programa foi formatado em oito encontros nas bibliotecas das IES para atividades de leitura orientada e leitura livre com um tempo estimado de 1 hora e trinta minutos. A divisão do tempo foi organizada prevendo 30 minutos de leitura orientada e dirigida e 60 minutos de leitura livre.

42As atividades de leitura orientada são planejadas de acordo com a seleção de alguns gêneros literários e não-literários, como a poesia, o conto, a fábula, a crônica, narrativas de aventura, detetivesca, histórias em quadrinhos, notícias jornalísticas, entre outras. Por meio das atividades procura-se despertar não só o prazer da leitura, mas a curiosidade pelo conhecimento, por meio de metodologia adequada, quando o aluno é preparado para fazer essa exploração. Após a leitura orientada os alunos escolhem livros que ficavam disponíveis em acervo aberto para a leitura livre e silenciosa.

43Ao final de cada encontro o aluno faz uma interpretação do que leu, não como mera decodificação da informação, mas sim como uma reflexão sobre o que leu, o que mais gostou. Essas reflexões servem como subsídio para o planejamento das atividades dos monitores e professores. No último encontro acontece um encerramento, com entrega de certificado de participação e festividades, além da aplicação dos questionários de avaliação dos alunos, pais ou responsáveis e monitores.

Amostra = 370 alunos Fonte: Departamento de Avaliação Institucional, mar/08

44Os resultados obtidos na avaliação com os alunos demonstram que o acesso aos livros e as atividades de incentivo à leitura despertam os valores essenciais para formação do leitor e o aluno descobre a alegria e a fantasia da leitura, e a importância do conhecimento.

Amostra = 114 monitores Fonte: Departamento de Avaliação Institucional, mar/08

45Na avaliação com os monitores percebemos a efetividade do trabalho para o desenvolvimento profissional do aluno de graduação. Os alunos se envolvem nas diversas possibilidades de exploração do acervo como recurso didático-pedagógico para o desenvolvimento do hábito da leitura, e percebem a integração entre teoria e prática por meio do planejamento e implantação dessas atividades pedagógicas.

Amostra = 52 pais Fonte: Departamento de Avaliação Institucional, mar/08

46No resultado da avaliação com os pais percebe-se o alcance dos objetivos propostos. Se a leitura crítica implica a percepção das relações entre o texto e o contexto, percebe-se que ao se encantar pela leitura o aluno passa a transformar a sua realidade.

47As avaliações são instrumentos de gestão do projeto, os resultados são constantemente analisados e discutidos entre coordenadores, professores, alunos que atuam como monitores, escola, pais, e com os próprios alunos participantes, e então são elaborados os planos de melhorias.

6. Considerações finais

48O Projeto Biblioteca Aberta vem contribuído com a construção de um ambiente favorável ao incentivo à leitura. Graças à boa receptividade por parte das escolas, dos alunos do ensino fundamental e dos pais desses alunos, já pode-se observar uma série de mudanças e atitudes de valorização da leitura em todos os envolvidos.

49Por meio do incentivo à formação de novos leitores, em parceria com a rede pública de ensino, espera-se formar uma rede de ações em prol da leitura e dos benefícios educacionais e culturais diretamente ligados a ela. Promover o prazer pela leitura como forma de melhorar o acesso à educação, promover maior acesso aos livros, aumentar a compreensão à tolerância cultural, melhorar os relacionamentos entre jovens e suas comunidades, e fortalecer a imagem dos jovens como agente de mudanças sociais positivas são alguns dos principais resultados esperados.

50As avaliações continuadas vêm mostrando as mudanças na qualidade da leitura dos alunos, nas impressões sobre o que lêem, o que conseguem absorver da leitura, e como se relacionam com o livro, com os outros jovens, com a escola e com todo o contexto em que vivem.

51Assim a instituição procura colaborar com as metas nacionais e internacionais de melhoria da educação, além de contribuir para transformação da comunidade localizada no entorno das unidades de ensino superior.

Não é possível refazer este País, democratizá-lo, torná-lo sério, com adolescentes brincando de matar gente, ofendendo a vida, destruindo o sonho, inviabilizando o amor. Se a educação sozinha não transformar a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. (FREIRE, 2002)

Bibliographie

CANDIDO, Antonio – O direito à Literatura. In: VÁRIOS ESCRITOS. São Paulo: Duas Cidades, 1995.

FOUCAMBERT, Jean – A leitura em questão. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

FREIRE, Paulo A importância do ato de ler em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados, 1982.

FREIRE, Paulo – A pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

INEP/MEC – Programa de Avaliação de Alunos. Brasília: Ministério Educação e Cultura, 2006.

INEP/MEC – Primeiros resultados: Médias de desempenho do SAEB/2005 em perspectiva comparada. BrasíliA, 2006.

MARTINS, MARIA HELENA – O QUE É LEITURA. SÃO PAULO: BRASILIENSE, 1985.

PEROTTI, Edmir – Confinamento cultural, infância e leitura. São Paulo: Summus, 1990.

RESENDE, Vânia Maria – Literatura Infantil e Juvenil. Vivências de Leitura e Expressão Criadora. Rio de Janeiro: Atlas, 1993.

Notes

1 Programa de Formação de Professores Alfabetizadores. Brasília: Ministério da Educação e Comunicação, 2001. Módulo 1.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/544/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/544/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Légende Amostra = 370 alunos Fonte: Departamento de Avaliação Institucional, mar/08
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/544/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Légende Amostra = 114 monitores Fonte: Departamento de Avaliação Institucional, mar/08
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/544/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Légende Amostra = 52 pais Fonte: Departamento de Avaliação Institucional, mar/08
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/544/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 78k

Auteurs

Gerente Depto Extensão Comunitária – Anhanguera Educaciona

Gerente Depto Bibliotecas – Anhanguera Educacional

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr