Version classiqueVersion mobile

Sociedade, Família e Poder na Península Ibérica

 | 
Juan Hernández Franco
, 
Mafalda Soares da Cunha

Famílias e mundo rural / Familias y mundo rural

Os camponeses do Noroeste de Portugal. Família, património e cultura material (séculos XVIII-XIX)

Margarida Durães

Résumé

Utilizando o conceito de património como “objecto total” de análise histórica, este texto pretende aceder ao conhecimento de algumas vivências económicas, sociais e culturais das sociedades camponesas minhotas. A análise das habitações (materiais, arquitectura e formas de construção) permitirá compreender as formas de habitabilidade e aceder a uma das imagens em que assentam as distinções no seio de uma sociedade caracterizada pela heterogeneidade; o estudo das diferentes componentes do património móvel (mobiliário, roupa de casa e roupa de vestir, ornamentos) facultará o acesso a um conjunto diversificado de expressões culturais que reforçam as desigualdades sociais.

Texte intégral

Introdução

1Este estudo pretende oferecer uma reactualização e uma renovação teórica e metodológica no campo da história e da etno-história usufruindo da longa tradição de convívio e colaboração entre estes ramos das Ciências Sociais.

2A partir da análise do património familiar poderemos aceder ao conhecimento dos testemunhos da vida material dos nossos antepassados, reencontrando através deles a sua vida familiar e pessoal. Através das vivências pessoais e familiares e na medida em que os agregados familiares se encontram inseridos em estruturas sociais, poderemos, ainda, anuir aos mecanismos de organização e reprodução das sociedades.

3Efectivamente, hoje, o património transformou-se num “objecto total” de análise que permite o desenvolvimento e aprofundamento dos estudos em várias áreas das Ciências Sociais em consequência da evolução do seu conceito e da sua expansão tipológica mas, acima de tudo, em virtude das utilizações e dos usos que nos últimos tempos se têm feito do conceito em relação à industria cultural.

  • 1 F. LOPES, M. B. CORREIA, Património arquitectónico e arqueológico. Cartas, Recomendações e Convenç (...)

4Inicialmente, o conceito de património surge-nos associado à necessidade de reparar, conservar, impedir a destruição ou a reutilização de materiais e a pilhagem dos achados arqueológicos. Estes eram os principais objectivos de alguns documentos deixados pelas sociedades da Antiguidade que, simultaneamente, revelavam a valorização que já então era atribuída aos testemunhos físicos como legado do passado1.

  • 2 F. LOPES, M. B. CORREIA, Património arquitectónico e arqueológico..., opus cit., p. 14.

5Com o andar dos tempos e as descobertas arqueológicas das civilizações clássicas, no período Renascentista, a valorização dos achados e testemunhos físicos daquelas civilizações foi de tal modo promovida que se tornou necessário protegê-los do espírito coleccionista e da comercialização desenfreada que delapidava o património nacional. Mas, também foi neste período e como resposta aos cânones estéticos da época Renascentista, que os vestígios físicos das civilizações clássicas permitiram o desenvolvimento dos estudos artísticos e o conhecimento e aprofundamento da História dos respectivos países. Para os humanistas, os legados físicos do passado eram “fonte de saber mas também uma referência para o presente que os tentava igualar ou ultrapassar”2.

  • 3 F. CHOAY, A Alegoria do Património, Lisboa, 2000, pp. 85-110.

6O passo seguinte foi dado já no final do século XVIII, durante o período revolucionário francês, quando os governos tiveram de definir “um conjunto de princípios orientadores das políticas de salvaguarda do património” para travar as destruições que se estavam a verificar. Pela primeira vez, “os monumentos da história, da ciência e da arte passam a ser considerados património cultural da nação sendo-lhes reconhecido valor educativo”3. As antiguidades deixaram de ser apenas objectos de estudo, de cópia ou símbolos de riqueza, sujeitas ao valor da oferta e da procura por parte dos antiquários e coleccionadores. Elas foram nacionalizadas e como tal passaram a fazer parte do património da nação. Por isso, a nação tinha a obrigação de as proteger.

7Classificado o património em duas grandes categorias (móvel e imóvel), criaram-se organismos especiais que se deviam responsabilizar pelo seu inventário, classificação e protecção. O património móvel, mais sujeito a toda a espécie de vandalismos devido à sua própria natureza, devia ser guardado e protegido num depósito aberto ao público que teria como principal função a instrução da nação. Foi neste contexto que foram criados os museus e definidas as suas principais funções: guardar, proteger, inventariar, classificar, estudar, instruir já que o património que eles albergavam era a memória de uma civilização e de uma nação.

  • 4 F. CHOAY, A Alegoria..., opus cit., pp. 118-119.

8Com o século XIX aparece a “consagração da noção de monumento histórico que surge directamente ligado à chegada da era industrial”4, sofrendo das ambiguidades de um período onde a tradição e o ideal revivalista do romantismo se opunham à noção de progresso da revolução industrial. Porém, o século XIX, foi um dos períodos em que se verificaram os avanços mais significativos no alargamento da noção de património dando-se início à expansão da sua tipologia.

  • 5 M. DURÃES, “O Minho no pensamento Geo-Histórico do Portugal Moderno e Contemporâneo”, Cadernos do (...)

9O grande contributo foi dado, na altura, pelo aparecimento de novas áreas do saber, como a Etnografia, que interessando-se então pela “descrição dos povos”, pelos seus costumes, mentalidade, modo de vida e cultura contribuiu para a valorização de um património construído e produzido pelas camadas populares nas suas mais variadas manifestações culturais: habitação, alimentação, vestuário, objectos de uso comum, enfeites, festas, artesanatos, veículos de transporte, utensílios agrícolas, lendas, canções, língua, etc5.

  • 6 E. YÁZIGI, A Alma do Lugar. Turismo, planejamento e cotidiano, São Paulo, 2002, pp. 29-49.
  • 7 J.-Y. DURAND (org.), Vila Verde: uma Etnografia no Presente, Vila Verde, 2004, pp. 7-15.

10Tanto os estudos etnográficos quanto o incremento das expedições arqueológicas forneceram o conhecimento das raízes e das particularidades da história de cada povo que possibilitaram a sua individualização e a afirmação dos nacionalismos emergentes que procuravam fundamentar os seus direitos à autonomia e ao fim da subjugação política aos grandes impérios. Assim, a noção de monumento histórico alarga-se aos “conjuntos urbanos” e à “arquitectura doméstica” ou, como alguns designam, “arquitectura menor” simultaneamente são elevados à categoria de património os “sítios”6 onde eles se inserem assim como os objectos de uso quotidiano. Este alargamento exigiu uma reformulação não só dos conceitos de património bem como das teorias e práticas de conservação ao mesmo tempo que a sua utilização como objecto de estudo permitia novas abordagens na área da etno-história7.

11Fruto destas reflexões, debates e desenvolvimentos teóricos, o estudo que agora apresentamos não pretende apresentar uma panorâmica global do tema, mas tão só aplicar ao estudo da sociedade rural minhota, do século XVIII e XIX, as definições actualmente imputadas ao conceito de património.

12Desse modo, abordaremos o estudo da casa camponesa no seu todo a fim de conhecermos a estrutura arquitectónica do edifício principal que se destinava à habitação do agregado doméstico bem como a ocupação e utilização dos diferentes espaços que a compunham além do conjunto de edifícios secundários reservados ao apoio da exploração agrícola.

13A exploração agrícola, formada de distintos terrenos com diferentes potencialidades (campos, cortelhos, eidos, hortas, rexios, talhos, leiras, vessadas, veigas) e de terrenos de monte ou não aráveis (bouças, devesas e coutadas) será abordada de forma a delinear uma imagem da utilização e das alterações que os homens, ao longo dos séculos, foram introduzindo nesses terrenos com a finalidade de produzirem o essencial para a sua sobrevivência e bem-estar. Associado a estas parcelas havia, ainda, um conjunto de direitos sobre águas e pastagens que também faziam parte do património familiar e que, em alguns casos, assumiam uma grande importância como era o caso dos direitos nos regadios colectivos.

  • 8 Este texto foi produzido no âmbito do projecto de investigação PTDC/HAH/71309//2006, financiado pe (...)

14Porém, no contexto da nossa análise interessa também o conhecimento do património móvel, composto, em geral, pelas peças de mobiliário com as suas diferentes funções (catres, mesas, cadeiras, armários, oratórios, caixas) além do bragal, vestuário, jóias e adornos. O estudo deste conjunto de bens materiais (imóveis e móveis) permite-nos aceder ao conhecimento dos vários domínios de funcionamento das sociedades rurais. Efectivamente, a casa, com todas as suas componentes arquitectónicas e funcionais permitirá a análise das suas profundas implicações na morfologia da paisagem, no domínio público e na estruturação da sociedade rural; os bens móveis e todo o conjunto de peças e objectos de uso pessoal e quotidiano permitirá a apreensão de algumas imagens e vivências rurais mais íntimas que ficam sempre “portas adentro”8.

1. Família e património imóvel

  • 9 M. DURÃES, Herança e Sucessão. Leis, Práticas e Costumes no Termo de Braga (sécs. XVIII-XIX), Tese (...)
  • 10 J. Bestard CAMPS, Casa y familia. Parentesco y reproducción doméstica en Formentera, Palma de Mall (...)
  • 11 M. SEGALEN, Sociologie de la Famille, Paris, 1981, p. 83; C. Lisón TOLOSONA, “Estrategias matrimon (...)
  • 12 J. BESTARD CAMPS, Casa y familia..., opus cit., p. 69.

15Na sociedade minhota, como em grande parte das sociedades camponesas europeias do final do século XVIII princípio do XIX, o património familiar era constituído, sobretudo, pela casa e terrenos que lhe pertenciam, independentemente dos títulos jurídicos através dos quais era detida a sua posse ou propriedade9. Deste modo, cada casa formava uma unidade doméstica que se definia pelos indivíduos que a habitavam, pelas terras, animais, instrumentos de trabalho e construções secundárias ou de apoio à exploração agrícola10. Além do valor material que possuíam, a estes bens estava aliada uma componente simbólica que os completava e valorizava: a cada casa estava ligado um nome e um certo prestígio social que os seus habitantes deviam preservar e defender11 já que “faziam parte do sistema de valores da sociedade em que se integravam e eram eles que determinavam as hierarquias, prestígio e poder pelos quais competiam todas as unidades domésticas”12.

  • 13 A.D.B. Comendas. Tombo da Comenda de Adaúfe, ms. no 2.

16No Minho dos tempos antigos, a maioria das casas era edificada em pedra e barro ou só pedra, com “paredes sequas”, quase sem aberturas parecendo comunicar directamente com o exterior apenas por uma porta que, depois de fechada, não mais deixava entrar a luz do sol. Cobertas em geral de colmo, as casas, quando eram telhadas simbolizavam não só um sinal de progresso, como também a riqueza dos seus habitantes. Quer colmadas, quer telhadas, não encontramos, nas descrições, das casas referências a chaminés13. Este aspecto leva-nos a crer que o fumo das lareiras e cozinhas saía pela porta, pelos buracos dos telhados ou por alguma telha ligeiramente levantada para essa finalidade. Também não se encontram muitas referências à existência de várias divisões no interior da habitação. A maioria das casas, pequenas e térreas, só teriam uma divisão, utilizada, simultaneamente, como cozinha, sala e quarto, onde se aglomeravam todos os membros da família. De dimensões exíguas, escuros, sombrios, mal arejados, os pequenos cubículos onde habitavam os camponeses tinham as mesmas medidas, ou inferiores, das cortes e currais utilizados para abrigar o gado.

17As casas maiores, as “sobradadas”, possuindo um piso superior, para onde se subia através de escadas exteriores, permitiriam outra distribuição dos espaços. Em geral, a parte térrea ficava reservada para cozinha ou loja, enquanto que no andar superior ficariam o(s) quarto(s) e talvez uma sala só utilizada em ocasiões mais solenes. Todavia, eram poucos os camponeses que possuíam este tipo de habitação. Requintes arquitectónicos como escadas de pedra, pátios, alpendres erguidos sobre pilares de pedra só existiam nas casas dos foreiros mais abastados.

  • 14 A. SÉRGIO, Introdução Geográfico-Sociológica à História de Portugal, Lisboa, 1974, p. 203.
  • 15 A. SÉRGIO, Introdução Geográfico-Sociológica..., opus cit., p. 204.
  • 16 M. C. SILVA, Resistir y Adaptarse. Constreñimentos y estrategias campesinas en el noroeste de Port (...)
  • 17 J.-L. FLANDRIN, Famílias: parentesco, casa e sexualidade na sociedade antiga, Lisboa, 1994, p. 61.
  • 18 P. ARIÉS, “La mort inversée. Le changement des attitudes devant la mort dans les sociétés occident (...)

18A grande diferença entre as várias estruturas das habitações que a documentação dos séculos XVIII e XIX nos revela, está directamente relacionada com os diferentes níveis de riqueza dos camponeses. Como na região minhota, “a regra é a exploração pequenina, de carácter primitivo pelos meios que emprega, e que só dá para o pagamento da renda da terra e para a sóbria alimentação dos indivíduos que a amanham”14 não nos podemos admirar que as habitações sejam a imagem da sua situação económica. Se esta melhorar, “o lavrador que se vê com cabedal passa naturalmente do necessário ao supérfluo”15, melhorando a sua habitação com a introdução da telha ou construindo mais algum aposento ao mesmo tempo que a recheia com outras comodidades impensáveis anteriormente. Daí que a casa seja mais do que um simples alojamento ou abrigo. Ela é, acima de tudo, o símbolo da categoria social a que se pertence, do prestígio e do poder que se aufere na comunidade em que se está inserido16. A casa simboliza e perpetua a família17. No seu interior nasceram os sentimentos familiares e, simultaneamente, desenvolveram-se as relações entre os seus habitantes e organizou-se a vida doméstica18.

19Tanto Ariés como Flandrin referem a promiscuidade familiar resultante das exíguas dimensões e do tipo de arquitectura das habitações dos camponeses franceses e ingleses. Efectivamente, lá como cá, a sua vida familiar não devia ser muito diferente: exiguidade, promiscuidade dos espaços onde os mais diversos cheiros se misturavam com os fumos e odores humanos e falta de intimidade eram as características dominantes das vivências quotidianas de toda a sociedade camponesa europeia.

  • 19 M. DURÃES, “Casal”, in J. V. CAPELA (coord.), Alto Minho: Memória, História e Património. Roteiro (...)

20Mas a casa, com todos os seus anexos (adegas, lagares, palheiros, cortes, currais, cortelhos), era a componente arquitectónica da exploração agrícola que no Minho se designava de “casal”19. De grandezas que podiam variar entre os 2 e os 30 hectares, o que sempre caracterizou o casal foi “a parcela destinada a receber a casa de habitação e as suas dependências imediatas bem como os logradouros, hortas e cortinhas”. De início, o casal, tal como as quintas, também era constituído por uma superfície contínua, murada, com terrenos variados. Com o tempo e o arroteamento de novos terrenos, a superfície dos casais foi aumentada provocando, simultaneamente, a dispersão das parcelas. Porém, os principais elementos identificativos mantiveram-se inalterados permanencendo o núcleo primitivo em torno das habitações dos homens e do gado com os seus “rexios” e campos, enquanto as restantes parcelas como as leiras, vinhas, pastos, matos e devesas se disseminavam por uma região mais ou menos alargada. A área ocupada por cada um destes elementos variava não só em função da área total do casal como em função da qualidade das terras e do número dos seus cultivadores. Quando a pressão demográfica aumentava, os casais poderiam ser divididos em explorações mais pequenas, entregues a cultivadores através de contratos de aforamento, desde que possuíssem dimensões que possibilitassem a instalação de várias famílias.

21Mas, como o casal também era a unidade de cobrança do foro ou pensão, os senhorios sempre evitaram a sua divisão, introduzindo nos contratos cláusulas que proibiam a sua partilha entre os descendentes. Por isso, os cultivadores destas explorações eram obrigados a nomear, à sua morte, um sucessor que pudesse assumir os direitos e obrigações do contrato estabelecido. Todavia, estas obrigações e direitos dificilmente eram cumpridos já que implicavam a desigualdade entre os descendentes. Embora os camponeses tivessem adoptado um conjunto de estratégias hereditárias – as quais tentavam conciliar as regras jurídicas que presidiam à administração da propriedade foreira e impediam a divisão do prazo, com o direito da família consignado nas Ordenações que indicava a igualdade entre os herdeiros – nunca conseguiram obstar completamente à divisão das explorações agrícolas. As estratégias comportavam custos onerosos para quem era nomeado sucessor havendo muitos herdeiros que não as cumpriam acabando por proceder à divisão da exploração familiar. Só as explorações de maiores dimensões e com um forte suporte financeiro tinham capacidade para compensar os não sucessores com razoáveis quantias em dinheiro e assim manterem-se indivisíveis. Hoje, a paisagem agrícola minhota é o espelho deste esforço secular. Ao lado das pequeníssimas explorações agrícolas, formadas por leiras disseminadas que produzem apenas para o consumo familiar, persistem e resistem as quintas de média dimensão onde se ensaiam produções destinadas a um mercado que funciona segundo o modelo da economia capitalista liberal.

2. Quotidiano familiar, património e cultura material

22Se o conjunto de bens materiais tem implicações profundas não só na morfologia da paisagem como também na organização e funções dos agregados domésticos, é, no entanto, através dos bens móveis que poderemos apreender o quotidiano das comunidades rurais e algumas imagens das vivências mais íntimas e pessoais.

23O património móvel era composto, em geral, pelas peças de mobiliário com as suas diferentes funções (catres, mesas, cadeiras, armários, caixas), mas também pelo bragal, vestuário, jóias, adornos e dinheiro. Cada uma destas espécies tem, com certeza, o seu valor material que permitiu a atribuição de dotes, a composição de legítimas e os acertos de contas no momento de regular as heranças. Porém, acima de tudo, este património possui valores afectivos impossíveis de contabilizar e são a representação simbólica da cultura material das comunidades camponesas. É um património essencialmente de pertença feminina e que não paga impostos. Talvez, por essas razões, só tenha começado a sair dos “silêncios” da historiografia quando as suas proprietárias também mereceram a atenção dos investigadores.

24Assim, numa abordagem fundamentalmente qualitativa e através das informações obtidas nos discursos testamentários, ensaiaremos a análise da composição do património móvel camponês, as diferentes funções dos vários tipos de peças, o papel que desempenhavam no quotidiano camponês, os valores materiais e afectivos que representavam, bem como o modelo adoptado para a sua transmissão de geração em geração.

  • 20 M. DURÃES, Herança e Sucessão. Leis, Práticas e Costumes opus cit., pp. 191-205.

25Que poderiam os camponeses colocar nos seus pequenos e escuros casebres unicelulares20 onde se realizavam as actividades que fazem parte do interior doméstico e familiar?

26Os exíguos espaços domésticos onde mal caberiam os membros da família dificilmente comportavam um mobiliário abundante e diversificado já que, no mesmo local, se teriam de preparar e tomar as refeições, repousar e descansar os corpos para as duras lides do dia seguinte. Na lareira cozinhava-se, na mesa comia-se e na cama dormia-se. Por isso, o mobiliário que se podia encontrar nas casas dos camponeses destinava-se àquelas funções.

27No período em observação e na amostra documental constituída por 1 372 testamentos, levantamos 765 referências a peças de mobiliário. Deste total, 44,3% das referências foram feitas por indivíduos do sexo masculino enquanto os testamentos femininos contribuíram com 55,7% de referências ao mobiliário. A superioridade feminina revelada em relação aos objectos que preenchem os interiores domésticos, não deixa dúvidas de que é a mulher camponesa que preside ao universo doméstico, podendo, por essa razão, dispor livremente dos objectos que faziam parte do seu quotidiano e que eram, em geral, de sua pertença.

28Tanto as mulheres solteiras, como as casadas ou viúvas distribuíam à hora da sua morte as peças de mobiliário que as tinham acompanhado ao longo da vida e que, após o seu desaparecimento, continuavam a ter utilidade e a servir os entes que as estimaram e com quem tinham convivido uma vida inteira. Mas, os homens não estão afastados deste universo. Se o partilharam durante a vida também podiam e deviam desfrutá-lo no momento da sua morte oferecendo, distribuindo, gratificando com os seus objectos pessoais aqueles que de algum modo fizeram por merecer o seu reconhecimento. É deste convívio e partilha, em vida e depois da morte, que o quadro no 1 nos oferece uma imagem ao dar conta de alguns tipos de objectos que foram apresentados e especificados pelo seu nome.

Quadro no 1: Relação do mobiliário oferecido através dos testamentos (1720-1820)

Peças de mobiliário

Homens

Mulheres

TOTAL

%

Caixas

60

132

192

70%

Catre

15

23

38

14%

Armário

3

3

6

2%

Contador

1

1

0,4%

Oratório

3

2

5

2%

Mesas

3

2

5

2%

Bancos

1

1

0,4%

Cadeiras

2

1

3

1%

Tamborete

1

1

0,4%

Bufete

5

5

2%

Copeira

3

3

1%

Estante

1

1

0,4%

Gamelão

1

1

0,4%

Masseira

1

1

2

0,6%

Salgadeira

2

2

4

1,4%

Louça de Barro

1

1

0,4%

Pratos de Estanho

1

1

0,4%

Talheres de Prata

1

1

0,4%

Faqueiro

1

1

0,4%

Quadros

1

1

0,4%

Crucifixo

1

1

0,4%

TOTAL

102

172

274

100%

29As caixas eram, sem dúvida, a peça fundamental do interior doméstico rural. Havia-as de todos os tamanhos (pequenas e grandes), de várias qualidades (boas, médias e fracas), em diferentes estados de uso (novas e velhas), de diferentes materiais (pinho, castanho) e, de vários preços (2 000rs, 1 000rs, 800rs). Elas eram a peça de mobília mais querida do universo feminino porque era nas caixas que se conservavam os enxovais, era nas caixas que se arrumavam as roupas de domingo e de festa, era nas caixas que se escondiam as peças de ouro e o dinheiro, era nas caixas que se guardavam as recordações de uma vida, era nas caixas que se recolhiam as imagens de devoções e crenças.

  • 21 A.D.B., Registo Paroquial, Freg. de Adaúfe, Liv. de Testamentos, no 3, fol. 80.

30Mas, as caixas femininas eram, em geral, as mais pequenas, as de pinho, as mais baratas, sobretudo, se as compararmos com as caixas do universo masculino. Embora algumas das caixas masculinas também pudessem ser usadas para guardar a roupa melhor e as peças de enxoval trazidas aquando do casamento, a maioria eram destinadas ao armazenamento das colheitas do feijão e dos cereais. Deviam ser caixas grandes onde poderia caber “hum carro de grão”21, feitas de castanho e mais valiosas não só pelo seu próprio valor como, sobretudo, pelo valor do que guardavam: o cereal com que se fabricava o pão de todos os dias e o grão para as sementeiras do ano seguinte.

31A segunda peça, em importância numérica, mas também porque o devia ser no quotidiano da vida familiar, era o catre (14%) ou seja, a cama onde se dormia nas longas noites de Inverno, onde se repousava o corpo das lides diurnas, onde se amava e procriava, onde se nascia e onde se morria. O catre com o seu enxergão, juntamente com a caixa, era a outra peça de mobiliário que acompanhava homens e mulheres em todo o seu percurso vivencial.

32As outras peças de mobiliário referenciadas na nossa amostra surgem-nos em número insignificante (16%). São muito poucas as masseiras, fundamentais para a preparação do pão, assim como as salgadeiras, onde se conservavam as carnes de porco para serem preparadas nas refeições comemorativas. O mesmo se passa com as mesas, as cadeiras e os bancos. Será que não existiam? Se existiam, não lhes era atribuído um valor material, afectivo ou simbólico que as tornasse dignas de serem mencionadas nos testamentos?

33Não nos esqueçamos, porém, das reduzidas dimensões das habitações dos camponeses minhotos. Será que no seu interior caberia muito mais além das caixas, dos catres, de um banco e de alguns utensílios de cozinha? Não nos parece! Deste modo a listagem que apresentamos, está em proporção com o número de testamentos referenciados, assim como corresponde à imagem das habitações camponesas: pobres por fora, humildes por dentro.

34Bufetes, copeiras, estantes, pratos de estanho, alguns talheres de prata, quadros, faqueiros, crucifixos são as referências de alguns testadores que possuíam habitações rurais que já se faziam notar exteriormente, prosseguindo, na enumeração do seu recheio, os traços de distinção social que se mantêm no conteúdo dos respectivos testamentos. Ao utilizarem estes haveres nos legados e heranças que deixavam a descendentes, parentes e amigos, os testadores transmitiam-nos os símbolos de distinção que lhes possibilitavam prolongar para além da morte o prestígio social que possuíam em vida.

  • 22 L. M. ESTEVES e A. C. BARRETO, Aspectos do Traje Popular nos Arredores de Braga na mudança do sécu (...)

35A principal função das caixas, como já antes referimos, era o acondicionamento das roupas. Estas integravam, sobretudo, as peças designadas de um modo genérico de roupa de limpeza ou de casa e as peças de vestuário. Tanto umas como outras faziam parte dos símbolos de prestígio da casa camponesa que nelas investira afectiva e economicamente. Por isso, “passavam também a ser património”, compondo dotes, constando dos inventários de partilhas ou sendo legadas nos testamentos22.

  • 23 Dos 1372 testamentos que constituem a nossa amostra, apenas 482 escrituras apresentam referências (...)

36Como a maioria das peças do bragal saíam das mãos femininas e como as peças do vestuário das mulheres são as mais representativas do ponto de vista numérico, não é de estranhar que tenham sido os testamentos das mulheres aqueles que mais contribuíram para as informações que obtivemos23.

  • 24 R. SARTI, Casa e Família. Habitar, comer e vestir na Europa Moderna, Lisboa, 2001, p. 319.
  • 25 N. L. MADUREIRA, Lisboa. Luxo e Distinção (1750-1830), Lisboa, 1990, p. 72.

37Como muitas outras mulheres da Europa, deste período, eram as camponesas minhotas que semeavam o linho, que o colhiam, tratavam, fiavam e teciam. Era com o linho que se confeccionavam os lençóis, os travesseiros, as fronhas, as toalhas de mão ou de mesa e os guardanapos. Era com o linho que se preparava o enxoval e a roupa de limpeza. Também no Minho “as raparigas fiam para produzir o enxoval e, uma vez casadas, para suprir as necessidades da família”. Mas, também, no Minho se fia e tece para vender no mercado e assim obter um complemento financeiro para o orçamento familiar24. Deste modo, toda a produção e consumo do linho “integra-se nos ritmos de trabalho sazonais, acompanhando indivíduos e acontecimentos do nascimento à morte”25. Os homens só possuíam algumas peças em linho quando as mães ou irmãs lhas ofereciam pela ocasião do casamento, no momento da partida para o seminário ou quando, simplesmente abandonavam a casa da família.

38Os testamentos compulsados não nos oferecem enxovais luxuosos. O bragal das camponesas era constituído pelo essencial: lençóis, travesseiros, toalhas. Uma ou duas mudas de cama, mantas, cobertores, uma ou outra toalha para os dias de festa, era a composição fundamental do enxoval.

39Os lençóis, quer de linho quer de estopa, contribuíam maioritariamente (36% das peças referenciadas) para o bragal e, se lhe adicionássemos a rubrica designada de “roupa de limpeza” (10%), a apontada simplesmente como “enxoval” (5,7%) e as referências a “camas” (9,2%), então, teríamos, sem dúvida, encontrado as peças fundamentais de todo o íntimo e quotidiano universo feminino camponês. O bragal minhoto é, deste modo, frugal e humilde.

  • 26 A.D.B., Registo Paroquial, Freg. de Lamaçães, Liv. de Testamentos no 1, fol. 4.
  • 27 A.D.B., Registo Paroquial, Freg. de Adaúfe, Liv. de Testamentos no 2, fol. 69v.
  • 28 A.D.B., Registo Paroquial, Freg. de Ferreiros, Liv. de Testamentos no 1, fol. 45v e 66v.

40Porém, além das referências específicas a determinadas peças confeccionadas em linho, encontramos legados constituídos por “linho em cabelo”26, teias e fusais, além das “meadas”27 e das “varas de estopa e linho curado”28 que se encontravam nas caixas.

41Seguem-se-lhe, em ordem de importância numérica, as toalhas de mesa (13,9%) confeccionadas em linho, mas que também poderiam ser de renda ou de manteses e, por isso, mais elaboradas, finas, com um valor simbólico que permitia atribuir a quem as possuía um grau diferente de distinção social.

42No restante levantamento das peças de roupa de casa, surgem-nos referências significativas às mantas (8,5%) e aos cobertores (2,5%), aos quais poderíamos associar, novamente, “as camas” já que esta designação incluía também, além dos lençóis, o enxergão e a manta ou cobertor.

  • 29 N. L. MADUREIRA, Lisboa. Luxo e Distinção..., opus cit., pp. 60-72.

43Este inventário não é muito diferente de outros, encontrados para outras regiões e outras camadas sociais29. Ele apenas se distingue pelas reduzidas quantidades referenciadas que, no entanto, estão em sintonia com tudo o que é mencionado sobre as habitações e modo de viver da sociedade camponesa minhota: humilde, modesta, frugal, ficando-se pelo essencial, sem despender as suas poucas energias financeiras no supérfluo.

44E o mesmo princípio é aplicado em relação às peças de vestuário: simplicidade, sobriedade e discrição são as principais características que podemos retirar de imediato da relação de peças de vestuário a que acedemos através dos discursos testamentários.

  • 30 Tanto a cidade de Braga como Viana do Castelo foram centros comerciais importantes, no período em (...)

45Saias, coletes, “mantéus”, mantilhas, capotes e “capotilhos” são as peças mais referidas no nosso inventário de roupas femininas, enquanto os homens, ainda mais sóbrios, referem muito poucos fatos, casacas, vestias e capas. Ao contrário do bragal, de fabrico essencialmente doméstico, as peças de vestuário de fora ou de cor são confeccionadas em tecidos de origem nacional ou em panos importados e adquiridos no mercado urbano30.

  • 31 L. M. ESTEVES, A. C. BARRETO, Aspectos do Traje Popular..., opus cit., p. 7.

46Possuindo um valor diferenciador, o traje “fala do indivíduo, da sociedade, dos valores culturais que a regem, do tempo e do espaço. Expressa, simultaneamente um querer ser diferente através de marcas distintivas individuais e uma uniformização determinada pelas normas sociais que não perdoam a quem delas se desvia”31.

  • 32 Aliás, são os eclesiásticos aqueles que mais contribuíram para este inventário. Cf. o testamento d (...)

47Os fatos dos homens, compostos de casaca, vestia e calção, formam um conjunto ao qual se atribui sinais de prestígio social. Mas, como já antes dissemos, na nossa amostra não abundam as referências a estes conjuntos. Para o guarda-roupa masculino temos, sobretudo, peças soltas: nove “vestias”, dois calções, cinco casacas, um “sertum”, uma sobrepeliz, quatro capas. E se a estas referências adicionarmos os “fatos de cotio” ou as expressões como “a sua roupa”, o inventário de roupa masculina não se enriquece muito mais. De cores escuras (preto ou azul), a roupa masculina denotava descrição, sobriedade e seriedade. Confeccionada, sobretudo, com as “saragoças”, também poderia utilizar as “baetas”, “calamárias” ou “olandas” de fabrico nacional. Temos três referências a vestidos de crepe que, no entanto, pertencem ao universo eclesiástico32.

  • 33 G. VIGARELLO, O Limpo e o Sujo. A Higiene do Corpo desde a Idade Média, Lisboa, 1988, pp. 53-60.

48Bem diferente é o universo feminino. Nele, possuímos uma relativa quantidade e variedade de peças, com referências às matérias-primas utilizadas e à paleta cromática que coloria este universo rural. Embora continue a predominar o preto como cor mais utilizada em quase todas as peças de exterior, aquela cor é animada pelos contrastes com os vermelhos, azuis, roxos, amarelos e verdes, sem esquecermos os brancos das camisas e toucas que para além de embelezarem o semblante da mulher simbolizavam a “higiene da pessoa”33.

  • 34 L. R. C. LOPES, Vida e Arte do Povo Português, Lisboa, 1940, p. 13.

49Se as saias eram sobretudo pretas ou azuis, confeccionadas em “camelão” ou baeta, os coletes que se vestiam sobre as camisas alvadias, “fechados por atacadores coloridos, que adaptam a peça em toda a altura ao corpo”, eram brilhantes e contrastantes, não só pelas cores, mas “pelos ornatos e guarnições” e, sobretudo, pelos tecidos utilizados: cetins, veludos, calamanhas, chitas, duquesas, fustões, além do camelão e do linho sempre presente na indumentária camponesa34.

  • 35 N. L. MADUREIRA, Lisboa. Luxo e Distinção..., opus cit., p. 64.

50Os mantéus de baetas, de serquilbas ou de burel eram de preferência azuis, ao contrário do que acontecia noutras regiões do país, onde o preto imperava nesta peça de vestuário35. O mantéu cobria todo o corpo feminino e resguardava-o dos olhares indiscretos além de o proteger das intempéries do Inverno. Preta era a mantilha minhota, enquanto que para as capas, capotes e capotilhos se adoptavam os azuis e roxos, além do, sempre presente, preto.

  • 36 L. R. C. LOPES, Vida e Arte..., opus cit., p. 13.

51Ao contrário do guarda-roupa masculino, neste universo feminino temos uma presença efectiva das camisas em linho e estopa, já que elas formam como que uma espécie de “moldura com a nota intensa de branco, as pregas nos ombros e nos punhos, os bordados a branco, a vermelho ou a azul, as rendinhas na gola e nos punhos”36, representando uma das peças fundamentais do trajar feminino camponês e, por essa razão, sendo distribuídas com generosidade pelos parentes e amigos através dos testamentos. Mas, apesar do seu papel primordial no vestir da camponesa, não é a peça que numericamente sobressai neste inventário. As camisas colocam-se imediatamente a seguir às saias, mantéus e mantilhas.

  • 37 L. R. C. LOPES, Vida e Arte..., opus cit., p. 7.

52A seda, tecido que era apanágio de uma distinção social não está ausente deste guarda-roupa. Ela é utilizada nas vestias e no capote apesar de não ser, de modo nenhum, a matéria-prima de referência da camponesa. Preferindo tecidos mais encorpados e resistentes, a camponesa adoptava para os trajes de maior valor e distinção a lã dos buréis e baetas ou as calamanhas, como aconselhava o poeta: “Não queiras saia de chita, / que te hão de Chamar senhora; / antes saia de estamenha, / que é traje de lavradora”37.

  • 38 L. R. C. LOPES, Vida e Arte..., opus cit., pp. 7-8.
  • 39 L. M. ESTEVES, A. C. BARRETO, Aspectos do Traje Popular..., opus cit., p. 8.
  • 40 J. C. M. LEITE, Trajes populares de Braga. Separata da Rev. Bracara Augusta, vol. XXIX, no 79/80, (...)
  • 41 J. C. M. LEITE, Trajes populares de Braga..., opus cit., p. 8.

53Como tudo na vida rural, também “o traje é estável, contínuo, natural e espontâneo”38. Evoluindo lentamente e mantendo-se fechado às influências urbanas, o mesmo traje era usado por várias gerações que apenas lhe introduziam “pormenores decorativos de gosto individual”39. Sendo só um, a camponesa fazia-o com paciência, ao mesmo tempo que investia nele as suas capacidades económicas, afectivas e artísticas. Vestindo a rapariga no dia da sua boda, adornando a mulher camponesa nas romarias, amortalhando a viúva no dia do seu enterro, as “roupas de festa” ou de “Domingo” eram para toda a vida40. Em síntese, podemos acrescentar que o vestuário da camponesa, mais alegre do que o do homem, devido ao seu colorido, mantinha a simplicidade, austeridade e o equilíbrio económico tão necessário a quem se queria apresentar bem, mas sem sumptuosidade e luxos desnecessários: “cerimonioso, distinto, colorido sem exuberância ou garridice, solene sem gravidade, bem composto e gracioso, ..., enquadra-se bem com os arraiais e cortejos, adapta-se a todas as idades, acerta-se a todas as feições”41.

54Parece que o luxo, sumptuosidade e jogo entre estatutos e aparências ficou todo reservado para as jóias e ornatos de ouro e prata. Ao contrário das peças de vestuário, as jóias populares minhotas não se caracterizam pela simplicidade e austeridade. Nem ao nível das formas ou das técnicas extremamente elaboradas do seu fabrico, nem ao nível do tamanho que por vezes atinge dimensões fora do comum, as peças da ourivesaria popular minhota não denotam humildade. Colocadas sobre os fatos pretos, azuis ou roxos, as peças da ourivesaria atingem todo o seu esplendor quando as camponesas as retiram das caixas e as exibem nos casamentos, baptizados e romarias.

  • 42 L. CHAVES, As Filigranas, Lisboa, s.d., pp. 55-56.

55Então, nessas ocasiões a camponesa aparece “coberta de cadeias, grilhões, correr de ouro, que vai do “regatozito manso” dos fios, tenuíssimos traços de ligação do nada ao tudo, e acaba nas torrentes dos cordões grossos, de muitas voltas, emoldurantes dos seios, depois de descerem pesadamente do pescoço.... Vagalham então, sobre o peito que oferece com mansidão pascal o sacrifício ao ouro, à tirania do ouro, todas as catadupas dos grilhões com o estendal opulento dos pendentes. Corações, cruzes, relicários, imagens, medalhas, por vezes de grandeza inverosímil e em número de maravilhar, oscilam e chocam-se no peito…. Das orelhas correm outras fulgurações. Como sinetas a bambolear nas duas torres do tempo (...) a mulher com o traje carregado de ouro, toma-se andor da Sra. da Presunção”42.

56Dos 1372 testamentos compulsados, apenas 115 referem peças em ouro ou prata. E destes, 20% são escrituras masculinas, enquanto os restantes 80% pertencem aos testadores do sexo feminino.

57Na medida do possível todas as camponesas deviam possuir o seu colar de contas para exibir nas romarias e nas ocasiões festivas. Mas, como as orelhas não podiam ir “nuas”, eram fundamentais os brincos, os “pelicanos” ou argolas, assim como todo um conjunto de peças como as cruzes, os cordões, as “veneras”, os laços, e muitas outras que enfeitavam os regaços e os cordões. Tudo de ouro reluzente de forma a atrair e a chamar a atenção para os “predicados” das raparigas casadoiras e para o “êxito” dos maridos das casadas.

58Por isso, os discursos testamentários não ficaram indiferentes a um património com tal valor material e simbólico, assim como não ficavam desinteressados aqueles que o herdavam ou recebiam através de legados e “deixas”. No levantamento a que sujeitamos a nossa amostra encontrámos jóias de vários feitios, tamanhos e valores. O valor de um cordão de ouro podia oscilar entre os 33 000 reais e os 15 000 reais, 16 000 reais ou 14 000 reais; as cruzes, também de vários preços, variavam entre os 1 200 reais e os 10 000 reais; os colares ou fios de contas possuíam valores muito diversos, devido sobretudo ao tamanho e ao número de contas utilizadas na sua confecção. Na nossa amostra o seu valor vai dos 1 000 reais aos 5 000 reais. Estas referências valorativas não são de modo nenhum de pouca importância em vista das várias funções que as peças de ouro possuíam. O ouro servia para enfeitar os semblantes femininos, simbolizava o poder material da família e por consequência o respectivo prestígio social, mas também era um investimento e reserva monetária à qual se podia lançar mão em momentos difíceis. Estas são as razões pelas quais a posse de peças de ouro se tornou tão importante na economia da casa camponesa minhota. Com ele enriqueciam-se os enxovais, penhorava-se e faziam-se empréstimos, pagavam-se serviços e promessas ou custeavam-se as despesas da família. Adquirir peças de ouro era uma forma de entesourar e valorizar as economias conseguidas em anos fartos para as utilizar, posteriormente, quando as dificuldades surgiam.

59O enxoval das moças era constituído pelo bragal, pelas peças de “roupa de cotio” e de festa, mas também devia ser composto de algumas peças de ouro cujo valor devia ser contabilizado. Era com esta diversidade de peças, com valores e finalidades distintas que se compunham as legitimas das herdeiras de modo a obter uma repartição equilibrada e justa entre os vários descendentes.

60Mas o ouro, património e imagem material de uma cultura, também se empenhava quando havia necessidade de obter recursos monetários para fazer face a alguma despesa urgente. Sempre na esperança de vir a resgatá-las, as peças de ouro, carregadas de valores afectivos, eram entregues como garantia. Quando o resgate não se verificava em vida, os testadores mencionavam os ouros empenhados e as quantias recebidas em troca possibilitando aos seus herdeiros o pagamento dos empréstimos e o resgate da garantia.

61Porém, as peças de ouro eram a gratificação, por excelência, do amor e carinho com que se fora assistido na doença e na velhice. Legando-as em testamento pagavam-se com o ouro serviços e afectos impossíveis de contabilizar assim como era impossível de contabilizar essas mesmas peças de ouro já que, apesar do seu valor material, também estavam carregadas de sentimentos afectivos.

62Mas as peças de ouro tinham ainda outras funcionalidades. Prudentes e previdentes, as camponesas arrecadavam um pecúlio através das peças de ouro, deixando-as aos familiares para que pudessem fazer face às despesas do enterro e do legado pio. Deste modo, não se sobrecarregavam os parcos orçamentos familiares fazendo com que o valor do legado pio ficasse condicionado aos montantes obtidos na venda das peças destinadas para aquele fim.

  • 43 A. GARRETT, Romanceiro, Lisboa, 1997. Como símbolo de prestígio, distinção, nobreza, ostentação e (...)

63Todavia, a principal finalidade ou pelo menos a mais imediata enquanto outras necessidades não surgiam, era, sem dúvida, a ornamentação e o complemento do traje camponês feminino. Desde os botões de prata dos coletes ou do pescoço, aos laços, cordões, fios, cruzes e venéreas tudo servia para glorificar a beleza feminina, enaltecer e prestigiar a mulher e, sobretudo, a família à qual ela pertencia43.

64Além das peças do bragal, das roupas de vestir e do ouro, nas caixas também se guardavam os dinheiros resultantes de poupanças ou obtidos através dos dotes e legítimas que lhes tinham sido outorgados na altura da saída de casa ou no momento das partilhas.

65Em geral, os dotes e as legítimas eram compostos pelas várias rubricas de que temos vindo a falar mas, também, por quantias em dinheiro que assumiam um papel importante no contexto de uma economia que se caracterizava pela raridade da moeda.

66Os descendentes, excluídos da posse da terra que pertencia à exploração familiar, eram recompensados com um património que também detinha um valor material importante e, em geral, estava livre de encargos fiscais e de qualquer tipo de despesa.

67Com este conjunto de bens, os progenitores tentavam liquidar as legítimas a que teriam direito os descendentes ao mesmo tempo que lhes abriam a possibilidade de se colocarem no exterior da casa de família.

68O casamento era um dos raros momentos de entrada de dinheiros na casa camponesa. Por isso, o dote ou legítima quer das raparigas quer dos rapazes devia integrar uma certa quantia de dinheiro com a qual se pretendia recompensar aqueles que eram afastados da exploração agrícola.

Quadro no 2: Distribuição dos legados por conta da legítima em dinheiro que deveriam ser pagos pelo herdeiro principal (sécs. XVIII-XIX)

Quadro no 2: Distribuição dos legados por conta da legítima em dinheiro que deveriam ser pagos pelo herdeiro principal (sécs. XVIII-XIX)

Fonte: Registo Paroquial. Livros de Testamentos de 13 paróquias do Termo de Braga

  • 44 Sobre a importância do dote no contexto do casamento, nos países da Europa do Sul, consultar, entr (...)

69As raparigas só se tornavam num partido interessante se o seu dote possuísse uma quantia em dinheiro apreciável44. Com o objectivo de facilitar o casamento dos membros femininos da prole, já que não tinham outras alternativas como sucedia com os rapazes, a família investia mais nos dotes e legítimas das filhas do que nos atribuídos aos rapazes. Em geral, as filhas recebiam legítimas ou dotes de valor superior ao dos seus irmãos. Superioridade que resultava não só do valor das várias rubricas mas, sobretudo, das quantias em dinheiro que lhes eram atribuídas como se pode verificar através do quadro no 2.

70Deste modo, a casa camponesa, na medida das suas capacidades económicas, devia investir nos seus descendentes antecipando-lhes as legítimas. Com estas medidas evitava-se o constrangimento dos pesados encargos que o herdeiro principal teria de assumir e, principalmente, a situação confrangedora de dependência económica, potenciadora de conflitos e animosidades, em que ficariam os outros descendentes até que lhes fosse possível a saída de casa.

71Em conclusão: Através do património camponês, utilizado como conceito operatório de análise, acedemos não só às formas de organização e de reprodução da família camponesa bem como a um conjunto de características que ajudaram a construir os paradigmas culturais minhotos e a individualizar esta região no todo nacional.

72Esta distinção assenta não só nas especificidades do património paisagístico e arquitectónico, mas também nas características de um conjunto variado de peças de mobiliário, roupa de vestir e adornos. Os primeiros, casas e campos, compunham a herança do descendente que deveria prosseguir à frente dos destinos da exploração agrícola, na linha da reprodução familiar. Os segundos – os objectos de uso quotidiano que serviam para compor os dotes ou as legítimas das filhas que não acediam aos direitos de exploração da terra – possibilitavam o casamento de alguns descendentes em casas de idêntico estatuto social. Atingindo por vezes montantes elevados, estes dotes ou legítimas só deveriam ser entregues quando as filhas se casavam e abandonavam definitivamente a casa paterna, ao mesmo tempo que o seu sustento deixava de estar a cargo da família de origem. Enquanto tal não acontecia, elas ficavam na casa de família ajudando com o seu trabalho nas lides domésticas e do campo contribuindo desse modo, para a sobrevivência económica da exploração e para o bem-estar da família.

73Assim sendo, não causa estranheza “que as moças conheçam o valor do dote que levam”, sendo os casamentos “negócios que elas em pessoa debatem e combinam”, já que o seu património, obtido em desconto das legítimas a que teriam direito, não era de somenos importância no contexto da economia camponesa minhota.

Bibliographie

Bibliografia seleccionada

AAVV, Inquérito à Arquitectura Popular Portuguesa, 3a ed., Lisboa, 1998

CANDAU, Joel, Mémoire et Identité, Paris, 1998.

CUCHE, Denys, A noção de cultura nas ciências sociais, Lisboa, 2003.

DURÃES, Margarida, Herança e Sucessão. Leis, Práticas e Costumes no Termo de Braga (sécs. XVIII-XIX). Tese de Doutoramento apresentada na Universidade do Minho, Braga, 2000.

DURÃES, Margarida, “Qualidade de vida e sobrevivência económica da família camponesa minhota: o papel das herdeiras (sécs. XVIII-XIX)”, in Cadernos do Noroeste, vol. 17 (1-2), 2002, pp. 125-144.

DURÃES, Margarida, “Uma Comenda Nova. O senhorio de Adaúfe: propriedade e exploração agrícola (sécs. XVI-XIX)”, in Actas do III Congresso Histórico de Guimarães: D. Manuel e a sua Época, Guimarães, 2004, pp. 231-251.

FLANDRIN, Jean-Louis, Famílias: parentesco, casa e sexualidade na sociedade antiga, Lisboa, 1994.

MADUREIRA, N. L., Lisboa. Luxo e Distinção (1750-1830). Lisboa, 1990.

RICOEUR, Paul, La mémoire, l’histoire et l’oubli. Paris, Edition du Seuil, 2002. (ed. em tradução espanhola, Madrid, 2003).

SARTI, Raffaela, Casa e Família. Habitar, comer e vestir na Europa Moderna, Lisboa, 2001.

VIGARELLO, G., O Limpo e o Sujo. A Higiene do Corpo desde a Idade Média, Lisboa, 1988.

ZINK, Anne, L’Héritier de la Maison, Géographie coutumière du Sud-Ouest de la France sous L’Ancien Regime. Paris, 1993.

Notes

1 F. LOPES, M. B. CORREIA, Património arquitectónico e arqueológico. Cartas, Recomendações e Convenções Internacionais, Lisboa, 2004, pp. 13-14.

2 F. LOPES, M. B. CORREIA, Património arquitectónico e arqueológico..., opus cit., p. 14.

3 F. CHOAY, A Alegoria do Património, Lisboa, 2000, pp. 85-110.

4 F. CHOAY, A Alegoria..., opus cit., pp. 118-119.

5 M. DURÃES, “O Minho no pensamento Geo-Histórico do Portugal Moderno e Contemporâneo”, Cadernos do Noroeste, vol. VII, no 2, 1994, pp. 93-113.

6 E. YÁZIGI, A Alma do Lugar. Turismo, planejamento e cotidiano, São Paulo, 2002, pp. 29-49.

7 J.-Y. DURAND (org.), Vila Verde: uma Etnografia no Presente, Vila Verde, 2004, pp. 7-15.

8 Este texto foi produzido no âmbito do projecto de investigação PTDC/HAH/71309//2006, financiado pela FCT e intitulado “Portas adentro: modos de habitar do século XVI a XVIII em Portugal”.

9 M. DURÃES, Herança e Sucessão. Leis, Práticas e Costumes no Termo de Braga (sécs. XVIII-XIX), Tese de Doutoramento apresentada na Universidade do Minho, Braga, 2000, pp. 182-246.

10 J. Bestard CAMPS, Casa y familia. Parentesco y reproducción doméstica en Formentera, Palma de Mallorca, 1986, pp. 68-69.

11 M. SEGALEN, Sociologie de la Famille, Paris, 1981, p. 83; C. Lisón TOLOSONA, “Estrategias matrimoniales, individuación y Ethos Lucense”, in John G. PERISTIANY (dir.), Dote y matrimónio en los países mediterráneos, Madrid, 1987, p. 89.

12 J. BESTARD CAMPS, Casa y familia..., opus cit., p. 69.

13 A.D.B. Comendas. Tombo da Comenda de Adaúfe, ms. no 2.

14 A. SÉRGIO, Introdução Geográfico-Sociológica à História de Portugal, Lisboa, 1974, p. 203.

15 A. SÉRGIO, Introdução Geográfico-Sociológica..., opus cit., p. 204.

16 M. C. SILVA, Resistir y Adaptarse. Constreñimentos y estrategias campesinas en el noroeste de Portugal, tese de Doutoramento apresentada na Universidade de Ámsterdam, 1994, pp. 191-197.

17 J.-L. FLANDRIN, Famílias: parentesco, casa e sexualidade na sociedade antiga, Lisboa, 1994, p. 61.

18 P. ARIÉS, “La mort inversée. Le changement des attitudes devant la mort dans les sociétés occidentales”, Archives Européennes de Sociologie, t. 8, 1967, p. 213.

19 M. DURÃES, “Casal”, in J. V. CAPELA (coord.), Alto Minho: Memória, História e Património. Roteiro para a leitura e a exploração das Memórias Paroquiais de 1758 do Distrito de Viana do Castelo, Braga, 2005, p. 549.

20 M. DURÃES, Herança e Sucessão. Leis, Práticas e Costumes opus cit., pp. 191-205.

21 A.D.B., Registo Paroquial, Freg. de Adaúfe, Liv. de Testamentos, no 3, fol. 80.

22 L. M. ESTEVES e A. C. BARRETO, Aspectos do Traje Popular nos Arredores de Braga na mudança do século (XIX-XX). Catálogo da Exposição. Museu Nogueira da Silva, Braga, 1988, p. 9.

23 Dos 1372 testamentos que constituem a nossa amostra, apenas 482 escrituras apresentam referências às várias peças de roupa de casa e de vestir. Mas 62,4% deste universo pertence aos testamentos femininos enquanto os masculinos contribuem com 37,6%.

24 R. SARTI, Casa e Família. Habitar, comer e vestir na Europa Moderna, Lisboa, 2001, p. 319.

25 N. L. MADUREIRA, Lisboa. Luxo e Distinção (1750-1830), Lisboa, 1990, p. 72.

26 A.D.B., Registo Paroquial, Freg. de Lamaçães, Liv. de Testamentos no 1, fol. 4.

27 A.D.B., Registo Paroquial, Freg. de Adaúfe, Liv. de Testamentos no 2, fol. 69v.

28 A.D.B., Registo Paroquial, Freg. de Ferreiros, Liv. de Testamentos no 1, fol. 45v e 66v.

29 N. L. MADUREIRA, Lisboa. Luxo e Distinção..., opus cit., pp. 60-72.

30 Tanto a cidade de Braga como Viana do Castelo foram centros comerciais importantes, no período em análise, abastecendo uma área muito mais alargada do que os seus termos e regiões circunvizinhas. Cf. A. OLIVEIRA, “Indústrias em Braga. A Companhia das Lãs, 1773”, Bracara Augusta, vol. XLI, no 91/92, 1988/89, pp. 141-142; Cf. também J. V. CAPELA, “O porto de Viana no contexto do comércio externo português (análise à balança comercial de 1783)”, in Viana – o mar e o porto, Viana do Castelo, 1987.

31 L. M. ESTEVES, A. C. BARRETO, Aspectos do Traje Popular..., opus cit., p. 7.

32 Aliás, são os eclesiásticos aqueles que mais contribuíram para este inventário. Cf. o testamento de Domingos Fernandes, clérigo de ordens menores, A.D.B., Registo Paroquial, Freg. de Adaúfe, Liv. de Testamentos no 3, fol. 92 ou o testamento do Abade de Lamaçães, A.D.B., Registo Paroquial, Freg. de Lamaçães, Liv. de Testamentos no 1, fol. 11.

33 G. VIGARELLO, O Limpo e o Sujo. A Higiene do Corpo desde a Idade Média, Lisboa, 1988, pp. 53-60.

34 L. R. C. LOPES, Vida e Arte do Povo Português, Lisboa, 1940, p. 13.

35 N. L. MADUREIRA, Lisboa. Luxo e Distinção..., opus cit., p. 64.

36 L. R. C. LOPES, Vida e Arte..., opus cit., p. 13.

37 L. R. C. LOPES, Vida e Arte..., opus cit., p. 7.

38 L. R. C. LOPES, Vida e Arte..., opus cit., pp. 7-8.

39 L. M. ESTEVES, A. C. BARRETO, Aspectos do Traje Popular..., opus cit., p. 8.

40 J. C. M. LEITE, Trajes populares de Braga. Separata da Rev. Bracara Augusta, vol. XXIX, no 79/80, Braga, 1975, p. 5.

41 J. C. M. LEITE, Trajes populares de Braga..., opus cit., p. 8.

42 L. CHAVES, As Filigranas, Lisboa, s.d., pp. 55-56.

43 A. GARRETT, Romanceiro, Lisboa, 1997. Como símbolo de prestígio, distinção, nobreza, ostentação e poder os metais preciosos encontram-se presentes em vários textos da nossa literatura, mas são uma presença constante na caracterização dos personagens do Romanceiro, já que o porte de jóias assume um carácter de diferenciação social, como acontece no romance da Bela Infanta.

44 Sobre a importância do dote no contexto do casamento, nos países da Europa do Sul, consultar, entre outros autores, C. Lisón TOLOSANA, Antropologia Cultural da Galicia, Madrid, 1977, pp. 173-199; A. ZINK, L’Héritier de la Maison, Géographie coutumière du Sud-Ouest de la France sous L’Ancien Regime, Paris, 1993, pp. 160-162; M. DURÃES, “Qualidade de vida e sobrevivência económica da família camponesa minhota: o papel das herdeiras (sécs. XVIII-XIX)”, Cadernos do Noroeste, vol. XVII no 1/2, 2002, pp. 125-144; M. M. L. de ARAÚJO, Pobres, Honradas e Virtuosas: os dotes de D. Francisco e a Misericórdia de Ponte de Lima (1680-1850), Ponte de Lima, 2000.

Table des illustrations

Titre Quadro no 2: Distribuição dos legados por conta da legítima em dinheiro que deveriam ser pagos pelo herdeiro principal (sécs. XVIII-XIX)
Légende Fonte: Registo Paroquial. Livros de Testamentos de 13 paróquias do Termo de Braga
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/5379/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 101k

Auteur

Instituto de Ciências Sociais. Departamento de História. Universidade do Minho.

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search