Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

D. Pedro de Meneses e a construção da Casa de Vila Real (1415-1437)

 | 
Nuno Silva Campos

Conclusão

Texte intégral

1E chegados a este ponto, é altura de tentar resumir o processo pelo qual D. Pedro consegue a recuperação socio-política pessoal e da linhagem. De certa forma, podemos apresentar a sua conduta como subordinada a estes dois objectivos principais: colocar-se nas esferas políticas e sociais mais elevadas do reino e restaurar a memória e imagem da família. Ceuta foi o instrumento fundamental para que tais propósitos fossem levados a cabo com sucesso.

2Após os resultados pouco afortunados para a família em 1383/1385, é uma posição desfavorável aquela em que D. Pedro se encontra quando volta ao reino, mas que não é tão secundária quanto isso. Em data anterior a 1415 - eventualmente em momentos distintos - é o morador da Casa Real cuja moradia é mais elevada e o alferes do infante herdeiro. Estas ligações à família real, sobretudo ao infante D. Duarte, ir-se-iam revelar fundamentais no seu bem sucedido percurso individual.

3Tomada a cidade de Ceuta, com confiança e audaciosamente, apoiado pelo infante D. Duarte e pelo Mestre de Cristo, oferece-se para capitão da praça, cargo pouco apetecido, e recusado por alguns. Utilizando com inteligência os recursos da cidade, e beneficiando de condicionalismos que limitavam as capacidades de reacção muçulmana, D. Pedro vai, paulatinamente, colocando a seu serviço a máquina de guerra em que Ceuta se tinha transformado. Ainda que para tal tenha de ultrapassar algumas dificuldades colocadas pelos homens da guarnição, cuja euforia e, por vezes, desobediência, colocam alguns entraves ao bom governo da cidade. A guerra, o corso e o tráfico de escravos permitem-lhe avultados rendimentos; o comando de homens e a distribuição de oportunidades de acesso à honra e aos proveitos guerreiros granjeiam-lhe prestígio e distinção. Ao mesmo tempo, cimenta ligações de solidariedade com os homens da praça, elaborando redes de poder cuja influência ultrapassa os limites geográficos de Ceuta.

4Mas, se as redes têm uma importância social e política inegável, se as relações que a constituem podem ser observadas como um recurso de inestimável valia ao nível do poder; e se Ceuta é uma mais-valia económica, não se deve esquecer um facto fundamental: D. Pedro de Meneses, a quem fora incumbido o comando militar e a administração da praça, cumpre exemplarmente a sua tarefa. Só este sucesso lhe permitia a obtenção dos rendimentos económicos, a garantia do galardão e distinção político-militar e a construção e manutenção das ditas redes. Um bom desempenho que merecia ser reconhecido pelo rei, que tinha feito de Ceuta uma clara aposta política, quer na decisão do assalto, quer na opção pela sua manutenção.

5Com efeito, a praça norte-africana forneceu ao rei português visibilidade e garantias políticas junto da cristandade, promovendo o seu nome e o do reino. Progressivamente, e apesar de muito onerosa para as finanças do reino, tornara-se um referencial na luta contra o infiel e na actividade das armas, um local de atracção para onde muitos acorriam, fosse para obtenção de prestígio ou de riqueza. E a praça, primeiramente um lugar indesejado, ao resistir e permitir agredir o muçulmano na sua própria terra vê criar-se em seu redor um intenso e crescente fascínio. No decurso desta transformação, e associada a ela, evidenciava-se um indivíduo, a figura mais proeminente da cidade, o seu capitão. Com efeito, a elevada visibilidade de Ceuta suscitava a promoção daquele que consubstanciava a relevância política da cidade, o que virá a acontecer poucos anos após a tomada. A capacidade de resistência a dois poderosos cercos muçulmanos, em 1418 e 1419, leva a que o rei tenha de reconhecer o bom desempenho do capitão da praça, que faz através da atribuição a D. Pedro do condado de Vila Real, entre outras mercês de menor monta. Nunca é demais afirmá-lo: o poder, o prestígio, a riqueza de D. Pedro assentavam sobre a capitania de Ceuta. E foi aí que permaneceu praticamente durante todo o período em que deteve o cargo, desde a tomada até à sua morte.

6Uma vez titulado, e fruindo do poderoso capital que Ceuta constitui, parece estar conseguida a ascensão pessoal. Segue-se então a tentativa de recuperação da linhagem, baseada na memória dos antepassados. O que o conde faz é associar ao recente condado de Vila Real essa memória, sobretudo através da instituição de um rico morgadio, aquando do contrato de casamento da sua filha D. Beatriz, a principal herdeira. Estabelece pois certas obrigações para os seus herdeiros e futuros administradores do morgadio, com o objectivo de enaltecer a linhagem, ao mesmo tempo que procura o título que fora de seu pai, o condado de Viana do Alentejo, que obtém em 1433. O principal propósito é afastar a imagem de uma descontinuidade entre antecessores e sucessores e transmitir uma ideia de perfeita sequência familiar. O que, no entanto, era negado por uma imposição concreta do morgadio, que ditava a obrigatoriedade do uso do apelido «Meneses» - remetendo assim a família para uma memória longínqua e ilustre - em desfavor do «Teles» - nome denegrido, vinculado a desafortunadas recordações recentes - comum a todos os antepassados próximos.

7Ao ceder o título de Vila Real a D. Fernando de Noronha, seu genro, bem como ao instituir o morgadio, que era composto de grande parte das suas propriedades, D. Pedro prepara a sua sucessão, que se completará com a capitania de Ceuta, entregue ao referido D. Fernando, após a sua morte. Associavam-se assim a casa de Vila Real e a capitania de Ceuta, uma ligação que perduraria largos anos, constituindo a praça uma referência simbólica do poder da casa.

8Continuando a obra de seu pai, D. Leonor, executora testamentária de D. Pedro, empreende o restabelecimento do panteão familiar, na Igreja da Graça de Santarém, espaço sagrado para o culto dos antepassados; e empenha-se na consagração da memória do pai através da elaboração de uma crónica. Por sua vez, D. Duarte, filho legitimado, assume-se como continuador dos feitos militares da linhagem, sobretudo de D. Pedro, sob o qual a ascensão económica, política e social havia assentado.

9Primeiro titulado na segunda dinastia de entre os estranhos à família real - exceptuando o caso singular de D. Nuno Álvares Pereira -, em duas ou três gerações encontramos associados aos descendentes de D. Pedro de Meneses inúmeros títulos. Se bem que alguns destes se perdessem, a linhagem dos Meneses, apelido que substituíra o maculado «Teles», tinha recuperado a sua posição nas altas esferas nobres do reino.

© Publicações do Cidehus, 2004

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540