Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

D. Pedro de Meneses e a construção da Casa de Vila Real (1415-1437)

 | 
Nuno Silva Campos

8. As fontes sociais do poder: redes sociais

Texte intégral

1De acordo com o indicado na introdução, é chegado o momento de averiguar quais são os fundamentos do poder de D. Pedro ao nível das relações pessoais e institucionais directas. Estão incluídas neste campo de análise as relações familiares; e os laços de clientela e dependência. Trata-se de redes que, como todas as redes, constituem realidades mutáveis, transversais e interseccionais, pelo que os laços que as compõem podem ser multidimensionais e não se inscrevem, necessariamente, em apenas uma das categorias apontadas. Se de facto as ligações constituem capitais definidores e manipuláveis, aptos a serem activados em ocasiões apropriadas, é necessário examinar a natureza dessas ligações, bem como o momento em que são activadas, e em que circunstâncias.

8.1. Vínculos familiares

  • 1 Creio poderem ser aplicadas para esta época as palavras de José Maria Imizcoz Beuza, quando, para o (...)

2Comecemos agora este ponto dedicando atenção às ligações familiares de D. Pedro, nomeadamente os seus casamentos e aqueles contraídos pelos seus filhos - alianças às quais a dimensão política não é alheia -, analisando a natureza das relações com filhos e genros; e as relações de parentesco mais amplas, tais como a sua ligação a sobrinhos, primos e outros. Não podem ser ignorados estes laços, uma vez que a sua dimensão estruturante é notória, constituindo fontes essenciais na elaboração do seu poder pessoal1.

  • 2 CDPM, liv. I, cap. III, pp., 17. Num capítulo posterior da crónica é novamente referido que D. Marg (...)
  • 3 Cf. LL, pp. 103; e BSS, vol. I, pp. 126.
  • 4 Não se conhece também a data do casamento, mas o contrato é datado de 8 de Março de 1431. Este cont (...)
  • 5 CDPM, liv. II, cap. VI, pp. 292.
  • 6 Em ibidem, liv. II, cap. VI, pp. 292: «até que veio a fallecer, vivendo sempre muy virtuosamente, n (...)
  • 7 Cf. Rita Costa Gomes, A corte... cit., p. 52. Veja-se a lista de moradores da casa da rainha, para (...)
  • 8 Cf. Rita Costa Gomes, ob. cit., pp. 49-55; 200-201.

3D. Pedro de Meneses casa por quatro vezes, embora por apenas três vezes seja o casamento consumado. A primeira delas com D. Margarida de Miranda, «filha do Arcebispo de Braga, a que chamaraõ Dom Martinho, com que ouve grande riqueza»2. Este arcebispo de Braga, chamado por vezes D. Martinho de Miranda3, é D. Martim Pires da Charneca. Não é conhecida a data deste matrimónio, mas deve ser datado da primeira década do século XV, ou pouco tempo depois, pois a primogénita daí resultante, D. Beatriz de Meneses, contrairá matrimónio em 1431, com D. Fernando de Noronha4. Deste enlace nasceu ainda uma outra filha, D. Leonor. D. Margarida nunca foi para Ceuta, pois «per suas continuadas enfermidades esteve sempre nestes Regnos»5, e viria a falecer pouco depois dos cercos, por volta de 1419, segundo Zurara6. A data será mesmo esta, pois pouco tempo depois já o segundo casamento de D. Pedro estava tratado. A presença de D. Pedro junto da corte deve ter representado um factor determinante na realização deste primeiro enlace. De facto, em outro lugar já foi notada a situação privilegiada dos Mirandas junto da rainha D. Filipa, de cuja casa D. Margarida teria sido moradora7. Recordando que D. Pedro será mais tarde morador da casa do rei, é muito provável que D. João I e D. Filipa tivessem tido uma intervenção decisiva na combinação matrimonial, bem de acordo com o comportamento comum cortesão8.

  • 9 Cf. árvore genealógica dos Coutinho em Luís Filipe Oliveira, ob. cit., pp. 27.
  • 10 ANTT, Gaveta II, mç. I, fl. 10.
  • 11 CDPM, liv. II, cap. VI, pp. 292.
  • 12 Ibidem, liv. II, cap. VI, pp. 292-293.
  • 13 ANTT, Gaveta II, mç. I, fl. 10.
  • 14 Cf. MH, vol. III, doc. 58, pp. 110-111.
  • 15 ANTT, Gaveta II, mç. I, fl. 10.

4Para o segundo casamento de D. Pedro foi escolhida como noiva D. Filipa Coutinho, a filha mais velha do marechal do reino Gonçalo Vasques Coutinho9, tendo o matrimónio sido efectuado por procuração, uma vez que o noivo se encontrava em Ceuta. De facto, em 10 de Novembro de 1419 passara o capitão de Ceuta uma procuração que entregou a Gomes de Avelar, cavaleiro de Lisboa, onde referia o seguinte: «dou e outorgo todo o meu comprido e lidimo poder e espicial mandado que el por mym e em meu nome posa fazer mandandolho meu senhor o Ifante um trauto de casamento o qual he antre mym e dona Filipa Coutinha, filha do marichal»10. A iniciativa não parece ser, portanto, de D. Pedro. As negociações partiram do infante D. Duarte ou, muito provavelmente, da família da noiva, e parecem ter sido entabuladas entre estas duas partes. Adiante-se que, na sua crónica, Zurara refere que foi D. João I que «trautou cazamento ao Conde»11. Porém, e apesar de todos estes arranjos, o matrimónio nunca foi consumado, uma vez que D. Filipa viria a falecer na viagem para Ceuta, ao largo da costa do Algarve, na qual seguiam também os filhos de D. Pedro12. Mas a vontade em criar uma aliança matrimonial entre D. Pedro e os Coutinhos foi apenas atrasada por esta contrariedade, pois novos contactos levaram a que, em 1426, se negociasse um novo casamento entre as duas famílias. Desta vez a escolhida para casar com D. Pedro era D. Beatriz Coutinho, prima da falecida, e primogénita de Fernão Coutinho. Os termos do contrato são exactamente os mesmos que se haviam estabelecido anteriormente com a malograda D. Filipa, que se transcrevem naquele13. Por serem as duas primas, e não obstante a não consumação do casamento com esta última, foi necessário pedir dispensa de consanguinidade ao papa, que é conseguida em 6 de Março de 142614. Desta forma, em 17 de Agosto de 1426, nos paços de El-Rei, em Sintra, e perante uma assembleia que compreendia os infantes D. Duarte, D. Henrique e D. Fernando, e «peça de ricomeens e cavalleiros e outros», procede-se ao casamento, estando D. Pedro representado pelo seu procurador Vasco Domingues, que detinha os poderes necessários para tratar do contrato do casamento, que, nas palavras do conde: «a mim he cometido pelo Iffante meu Senhor»15. Mais uma vez, parece ser o infante D. Duarte a combinar o casamento com a família da noiva.

  • 16 Cf. ANTT, Gaveta II, mç. I, fl. 10.

5As verbas incluídas neste acordo reflectiam a importância do mesmo. Recebia D. Pedro, de dote com D. Beatriz, 11.000 coroas de ouro, nomeadamente 4.000 em terras e rendas e 3.000 em moeda. As restantes 4.000 coroas eram combinadas da seguinte forma: D. Pedro devia idêntica quantia a Rui Nogueira, que casara com a sua filha, D. Aldonça, montante prometido em dote desta; assumia o infante D. Duarte o pagamento desta dívida, ficando assim D. Pedro quite de tal e ressarcido das 4.000 coroas em falta no dote de D. Beatriz Coutinho16.

  • 17 Cf. LL, pp. 104, e NFP, vol, VIII, pp. 112.
  • 18 O casamento é tratado quando D. Pedro se encontra em Portugal, após a morte de D. João I, e no ano (...)
  • 19 Cf. ibidem.
  • 20 Cf. ibidem.

6O quarto e último casamento de D. Pedro foi contraído com D. Genebra Pessanha, filha do almirante Carlos Pessanha17, no ano de 143318, recebendo o almirantado em dote com a esposa19. Não havendo descendência deste matrimónio, tornou o cargo ao seu sogro, após a morte de D. Pedro20.

7Tomemos agora em atenção os enlaces matrimoniais empreendidos pelos filhos de D. Pedro de Meneses. Tem três filhas legítimas: D. Beatriz e D. Leonor, filhas de D. Margarida de Miranda; e D. Isabel, filha de D. Beatriz Coutinho. Fora do casamento tem duas filhas e um filho: D. Aldonça, D. Isabel e D. Duarte. Observemos as primeiras.

  • 21 Cf. Affonso de Dornellas, ob. cit., pp. 310.
  • 22 O primogénito era D. Pedro de Noronha, que foi arcebispo de Lisboa entre 1424 e 1452. Cf. BSS, vol. (...)
  • 23 Cf. BSS, vol. I, pp. 47-48; NPB, vol. 3, pp. 523-525; e NFP, vol. VII, pp. 593.
  • 24 Affonso de Dornellas, ob. cit., pp. 310. Zurara faz sobressair o papel do infante D. Duarte no enla (...)
  • 25 Cf. ibidem, pp. 310-311. A carta de arras dada pelo rei a D. Fernando de Noronha, pelo seu casament (...)
  • 26 Cf. Afonso Eduardo Martins Zuquete (dir. e coord.), Nobreza de Portugal e do Brasil, vol. 3, Lisboa (...)

8Também da iniciativa da casa real, de D. João I e D. Duarte, é promovido o casamento entre D. Beatriz de Meneses e D. Fernando de Noronha, conselheiro régio e camareiro-mor do infante D. Duarte21. D. Fernando era filho segundo22 de D. Afonso, conde de Gijon e Noronha, e de D. Isabel, ambos bastardos régios, sendo assim neto dos reis D. Henrique II de Castela, por parte do pai, e de D. Fernando de Portugal, por parte da mãe23. Parente, portanto, da família real portuguesa. Que o enlace é fomentado pelo rei e pelo infante, tio e primo do noivo, respectivamente, diz-nos o contrato do casamento, datado de 8 de Março de 1431: «antes desto fora ja trautado per o dicto Senhor Rey dom Joham E per o sobredicto senhor Jffante casamento ao dicto Senhor conde pera elle dicto dom fernando com a mujto honrrada dona breatiz de meneses»24. As verbas envolvidas neste casamento não eram comuns para a realidade portuguesa. D. Pedro dava de dote com a sua filha 25.000 dobras mouriscas de ouro, ou terras e bens em tal valor; o rei e o infante atribuíam em «casamento» 16.000 coroas de ouro25! Deste casamento nascerão D. Pedro de Meneses, herdeiro da casa e primeiro Marquês de Vila Real, e D. João de Noronha, senhor de Sortelha26.

  • 27 Cf. BSS, vol. I, pp. 129-130.
  • 28 Cf. D. António Caetano de Sousa, Provas da História Genealógica da Casa Real Portuguesa, tomo III, (...)
  • 29 Ibidem, pp. 200.
  • 30 Cf. a transcrição da inscrição da lápide do túmulo de D. Leonor em BSS, vol. I, pp. 129.

9A segunda filha de D. Pedro, D. Leonor de Meneses, não se casa em vida do pai, mas sim alguns anos mais tarde. Também ela contrai matrimónio com um parente da casa real, D. Fernando, que viria a ser o 3.° Duque de Bragança, primogénito do conde de Arraiolos, e neto de D. Afonso, filho bastardo de D. João I27. O casamento começa a ser tratado em 1447, pois em 2 de Maio deste ano D. Leonor passa uma procuração a Álvaro Pires para que este possa tratar, em seu nome, de um contrato de casamento com o mencionado D. Fernando, estando este em Ceuta, com o seu pai, à época apenas Conde de Arraiolos, que se encontrava naquela praça como capitão28. Em 16 de Janeiro de 1448 confirmava-se o acordo, nas casas de D. Leonor, em Santarém, dependendo ainda o mesmo de dispensa papal29. Deste casamento não resultaram filhos, e em 7 de Maio de 1452 falecia D. Leonor30.

  • 31 Cf. a carta de confirmação de contrato de casamento entre os dois em ANTT, CH DAV, liv 20, fl. 83v, (...)
  • 32 Cf. BSS, vol. I, pp. 353.
  • 33 Cf. ibidem.
  • 34 Cf. ANTT, CH DAV, liv. 20, fl. 83v, pub. em DCRM, vol. I, doc. LIV, pp. 516-518.
  • 35 Cf. ibidem, vol. I, pp. 355.
  • 36 O contrato é traslado na carta de confirmação do mesmo, passada a João Freire de Andrade em 10 de A (...)
  • 37 Cf ibidem.
  • 38 Cf. ANTT, CH DAV, liv. 25, fl. 7v-8.
  • 39 Cf. ANTT, CH DAV, liv. 24, fl. 77, pub. em MH, vol. VIII, doc. 109, pp. 169-171.
  • 40 Aparece como aposentador-mor de D. Afonso V e fidalgo da casa do rei na carta de confirmação do seu (...)
  • 41 Cf. ibidem.
  • 42 Cf. PL, tomo II, vol. 2, pp. 9 e 24.
  • 43 Cf. ibidem.

10Vejamos agora a terceira e última filha legítima. Em 1439 já D. Isabel de Meneses, filha de D. Pedro e D. Beatriz Coutinho, tinha contraído casamento com D. Fernando de Cascais31, filho único de D. Afonso de Cascais e de D. Maria de Vasconcelos, segunda esposa deste32. Uma vez que os seus progenitores haviam casado em 1426, D. Isabel não teria mais de 14 anos à altura. Era também este D. Fernando aparentado à casa real portuguesa, uma vez que D. Afonso de Cascais era filho bastardo do infante D. João de Castro, que por sua vez era filho d’el-rei D. Pedro I e D. Inês de Castro33. Dava o rei de «casamento» aos dois 4.000 coroas de ouro, atribuindo uma tença anual de 40.000 reais brancos enquanto a quantia não fosse paga34. Casamento atribulado teve D. Isabel, uma vez que, em virtude de D. Fernando de Cascais e o seu pai, D. Afonso, terem apoiado a rainha D. Leonor nas disputas que esta manteve com o regente D. Pedro, se viu obrigada a partir com eles e com a rainha para Castela, em finais de 1440. No ano seguinte, nascia o único descendente deste matrimónio, D. Afonso de Vasconcelos e Meneses, mas faleciam D. Afonso e D. Fernando de Cascais, ficando assim a jovem D. Isabel viúva35. Pouco tempo permaneceu nesta situação, pois em 1 de Outubro de 1442 já a rainha e o infante – este ainda bastante novo – confirmavam o contrato de casamento entre D. Isabel e João Freire de Andrade, cavaleiro da casa real que também seguira a rainha para o exílio36. O «casamento» atribuído a este matrimónio era de 5.000 coroas de ouro; D. Isabel levava para o casamento 18.000 dobras suas e 4.000 dobras que lhe davam a rainha e D. Afonso V37. Por ter seguido a rainha para Castela com o seu falecido esposo, não tendo regressado após convite do infante D. Pedro, e por ter casado posteriormente com João Freire de Andrade, também ele partidário de D. Leonor, o regente confiscou os seus bens, terras e rendimentos no reino, tendo doado aqueles que se situavam na comarca de «Entre Tejo e Odiana» a Rui Gomes da Silva, casado com a sua irmã, D. Isabel38, em 20 de Dezembro de 1443; e todos os outros a D. Leonor de Meneses, também sua irmã, em 30 de Maio de 144439. O segundo marido de D. Isabel, que como foi visto era fidalgo da casa de D. Afonso V, foi mais tarde seu aposentador-mor, e senhor de Alcoutim40. Era filho de João Freire de Andrade, senhor de Bobadela41, que havia capitaneado os ginetes na tomada de Ceuta e fora meirinho-mor de D. João I42. Deste casamento não houve descendência43.

  • 44 Cf. ANTT, CH DJI, liv. 4, fl. 74, pub. em DCRM, vol. I, doc. XVI, pp. 461-465.

11Vejamos agora os restantes filhos de D. Pedro. Não se conhecem as mães das duas filhas, de D. Aldonça e D. Isabel, mas D. Duarte é filho de Isabel Domingues, mulher solteira, tal como é presente na sua carta de legitimação44.

  • 45 É D. Aldonça que D. Pedro encarrega de cuidar de D. Duarte de Meneses, após a chegada de ambos a Ce (...)
  • 46 Conforme é intitulado no contrato de casamento entre D. Pedro de Meneses e D. Beatriz Coutinho. Cf. (...)
  • 47 Cf. ANTT, CH DD, liv. 1, fl. 150, pub. em CPDD, vol. I, tomo 2, pp. 125-129, n.o 836.
  • 48 Cf. NFP, vol. XXI, pp. 132.
  • 49 Assumidas em nome de D. Pedro, aquando do casamento deste com D. Beatriz Coutinho. Cf. ANTT, CH DD, (...)
  • 50 Cf. ANTT, CH DAV, liv. 34, fl. 10v.

12Aquando do casamento de D. Pedro com D. Beatriz Coutinho, como foi visto atrás, já D. Aldonça de Meneses, aquela que deve ser a sua filha mais velha45, contraíra matrimónio com Rui Nogueira, cavaleiro da casa do infante D. Duarte46, conselheiro régio47, senhor do morgado de S. Lourenço e alcaide-mor de Lisboa, a que sucedeu a seu pai, Afonso Eanes Nogueira48. Deste casamento não houve descendência e em 27 de Agosto de 1437 já Rui Nogueira tinha falecido, como se conclui da carta de uma doação régia de vários bens dada então a D. Aldonça, em pagamento da dívida de 4.000 coroas que o rei devia ao falecido49. Este Rui Nogueira pode ser o mesmo que havia sido assassinado por João Rodrigues Pereira, fidalgo da casa régia, e por João Alvares de Faria, seu escudeiro, que recebiam o perdão régio por tal crime em 16 de Novembro de 1449, em virtude de já terem cumprido quatro anos de degredo em Ceuta50.

  • 51 Cf. BA, pp. 1017-1018; NFP, vol. III, pp. 110; e Judite Antonieta Gonçalves de Freitas, «Teemos por (...)
  • 52 Cf. NFP, vol. III, pp. 98.
  • 53 Cf. CTC, cap. L, pp. 178.
  • 54 Cf. BA, pp. 1018; NFP, vol. III, pp. 110; e Judite Antonieta Gonçalves de Freitas, ibidem, pp. 475- (...)

13D. Aldonça casa uma segunda vez, em data incerta, com Luís de Azevedo, cavaleiro-fidalgo da casa do infante D. Pedro, conselheiro régio, e que veio a desempenhar as funções de vedor da fazenda de D. Afonso V entre os anos de 1439 e 1448. Participou ainda em algumas embaixadas e veio a acompanhar as hostes do infante em Alfarrobeira, recebendo perdão de D. Afonso V em 145251. Este nobre era filho de Lopo Dias de Azevedo, fidalgo que fora feito cavaleiro por D. João I na batalha de Aljubarrota, e que tinha estado com o rei na sua eleição, em Coimbra. Senhor de várias terras, como S. João de Rei, Aguiar de Pena, terras de Bouro, Pandim, do couto de Azevedo, donatário da Vila de Souto, entre outras, foi também alcaide de Lindoso52 e integrou a expedição da tomada de Ceuta53. Deste casamento teve D. Aldonça apenas uma filha, D.Catarina, que viria a ser esposa de João Rodrigues de Sá, alcaide-mor do Porto54.

  • 55 Cf. a lista de moradores da Casa do rei em MH, vol. IV, doc. 64, pp. 227. Está a lista datada de 14 (...)
  • 56 Cf. ibidem.
  • 57 Cf. NFP, vol. XXVII, pp. 10.
  • 58 Para tudo o indicado, cf. BA, pp. 954.
  • 59 Cf. BSS, vol. II, pp. 19-20.

14A outra filha ilegítima de D. Pedro, D. Isabel de Meneses, casou apenas uma vez, com Rui Gomes da Silva, cavaleiro-fidalgo, antigo morador da casa do rei e criado do infante D. Duarte55, que permaneceu na cidade de Ceuta após a sua tomada e se destacou aí pelas suas qualidades militares. Em 13 de Novembro de 1422 já o casamento havia sido combinado entre D. Pedro e Rui Gomes da Silva, entregando o primeiro em dote com a sua filha 3.000 dobras. O «casamento» que o rei lhes doava era de 1.500 coroas, instituindo-lhe uma tença anual de 1.000.000 libras até aquele lhe ser pago56. Manteve-se este nobre em Ceuta desde a sua tomada até 1427, altura em que torna ao reino e fica a prestar serviço na Casa do infante D. Duarte. Em 1433, e sendo o infante já rei, recebe deste Ouguela e dois anos depois já é alcaide de Campomaior. Embora em certos lugares seja apontado como filho de Aires Gomes da Silva, alcaide-mor e governador de Guimarães, que seguira o partido de D. João I de Castela na crise de 1383-138557, está demonstrado que tal não corresponde à verdade, não se conhecendo os pais de Rui Gomes da Silva58. A descendência de Rui Gomes da Silva e de D. Isabel de Meneses é numerosa, destacando-se Diogo da Silva de Meneses, primeiro Conde de Portalegre; e João de Meneses da Silva, conhecido por Beato Amadeu, fundador da Congregação dos Amadeus, com domicílio em Roma59.

  • 60 Cf. ANTT, CH DJI, liv. 4, fl. 74, pub. em DCRM, vol. I, doc. XVI, pp. 461-465.
  • 61 Cf. CDDM, cap. XXIV, pp. 108.
  • 62 Cf. ibidem; e LL, pp. 111.
  • 63 Cf. BA, pp. 881.
  • 64 Cf. ANTT, CH DAV, liv. 34, fls. 14-14v, de 26 de Agosto de 1444, onde se confirma a doação.
  • 65 Cf. ibidem.
  • 66 Cf. LL, p. 111; e CDDM, cap. III, p. 50.
  • 67 Cf. BA, p. 881.
  • 68 Cf. ibidem e árvore genealógica n.o 3.
  • 69 Cf. ibidem e árvore genealógica n.o 4..

15D. Duarte, único filho varão de D. Pedro, também não casa em vida de D. Pedro. Era filho de Isabel Domingues, mulher solteira60. Após a morte de seu pai, parte para o reino, onde el-rei D. Duarte o nomeia alcaide do castelo de Beja, membro do seu conselho e alferes-mor, sucedendo assim ao seu progenitor nestes cargos61. Também nesta altura o rei trata do seu casamento com D. Isabel de Melo, viúva de João Rodrigues Coutinho e filha de Martim Afonso de Melo62, que fora alcaide-mor de Évora e guarda-mor de D. João I63, como se escreve na carta de doação de «casamento» passada por este rei em 6 de Junho de 1438: «nos trautamos e firmamos casamento antre dom Duarte de Meneses do nosso consselho e nosso alferez moor e dona Isabell de Mello»64. Assentou-lhes o rei como moradia a quantia anual de 12.000 reais brancos, a somar-se à tença que D. Duarte já recebia de 1.000.000 libras65. Deste casamento nasceu D. Maria, que casaria com D. João de Castro, segundo Conde de Monsanto66. Sabe-se que D. Isabel de Melo falece passados poucos anos, uma vez que em 28 de Julho de 1442 é confirmado o casamento entre D. Duarte e D. Isabel de Castro, filha de D. Fernando de Castro, governador da casa do infante D. Henrique67. Esta senhora era sua parente próxima, pois D. Pedro de Meneses era primo direito de D. Fernando de Castro, em virtude deste ser filho de D. Leonor de Meneses, tia do primeiro68. Deste segundo enlace nascerão vários filhos: D. Henrique de Meneses, primeiro Conde de Loulé e primeiro capitão de Arzila; D. Garcia de Meneses, bispo de Évora; D. Fernando Narizes; D. João de Meneses, Conde de Tarouca e mordomo-mor de D. João II e D. Manuel; e D. Leonor, freira em Aveiro69.

16Após terem sido vistos quais os enlaces matrimoniais empreendidos por D. Pedro e pelos seus filhos, tentemos agora fazer algumas observações sobre os mesmos.

  • 70 Cf. ponto 2 deste trabalho.
  • 71 Affonso de Dornellas, ob. cit., pp. 313.

17É legítimo pensar que o primeiro casamento de D. Pedro, com D. Margarida de Miranda, feito dentro da esfera cortesã, é realizado por influência do rei e da rainha, de cujas casas os noivos eram moradores. Também terão existido fortes motivos económicos. Aparentemente, não seria um casamento de enorme prestígio casar com uma filha ilegítima de um bispo, contudo, a passagem «com que ouve grande riqueza», como é apresentada por Zurara, pode explicar melhor a conveniência do enlace. Se, de facto, o matrimónio foi realizado no início do século XV, é necessário ter em conta que por esta altura encontrava-se D. Pedro há não muito tempo no reino, e apesar da sua proximidade ao rei70, talvez a sua herança familiar, nomeadamente o facto de ser descendente directo de uma família opositora a D. João I aquando da candidatura deste a rei de Portugal, não lhe possibilitasse ainda uma aliança matrimonial vantajosa sobretudo socialmente, como provavelmente aconteceria se a sua família nunca tivesse sido maculada por tais circunstâncias. Daí a escolha ser determinada por motivos, aparentemente, económicos. Porém, a falta de documentação não permite saber muito acerca dos benefícios conseguidos por D. Pedro. O pouco que se sabe é-nos dito pelo mencionado contrato de casamento entre D. Beatriz de Meneses e D. Fernando de Noronha, onde, a determinada altura, e quando se enumeram várias terras e propriedades que este último receberia de D. Pedro como penhor pelo dote de D. Beatriz, são mencionadas «a quijtaã e bees que elle [D. Pedro] ha na charneca que forom do arcebispo que elle ouue em casamento (...) [e] outra quintaã que esta junto com ella em o dicto logar que foy da hirmaã do arcebispo»71. A primeira quinta e os bens foram, como é óbvio, recebidos em casamento, a segunda teria sido incorporada no património de D. Pedro possivelmente por herança, através da esposa. Embora não seja crível que a «grande riqueza» se possa resumir a duas quintas e alguns bens, a ausência de documentação limita as possibilidades de conhecer o dote de D. Margarida, que se pode especular ser significativo, mas cuja confirmação não é, com os dados que se conhecem, praticável.

  • 72 Cf. Luís Filipe Oliveira, A Casa dos Coutinhos... cit., pp. 35-38.
  • 73 Cf. ibidem, pp. 38-39.

18Não é difícil perceber que a dupla aliança com os Coutinhos, que com tanto afinco é procurada por parte destes e do infante D. Duarte, apresentava contornos bastante distintos daqueles que haviam caracterizado o primeiro casamento de D. Pedro. Esta família, ao contrário dos Teles de Meneses, tinha sido bastante beneficiada com a crise de 1383-1385, onde uma política hábil que passava pela expectativa e não comprometimento na fase inicial da mesma conduzira a linhagem ao topo da escala social do reino72. Unia-se assim D. Pedro, por laços matrimoniais, com uma das mais poderosas famílias nobres portuguesas, detentora de um significativo património nas beiras; de um elevado capital simbólico, nomeadamente militar, proporcionado pelo seu desempenho na mencionada crise; e de relações privilegiadas com a corte e a coroa73. Bastante diferente era também agora a situação de D. Pedro. Em 1419, aquando do primeiro acordo, tinha o capitão de Ceuta já demonstrado a sua capacidade para o cargo, fazendo da cidade uma fortaleza capaz de resistir ao assédio adversário, como ficara provado durante os dois cercos, e até de tomar a iniciativa atacante. Granjeava fama, honra e riqueza na praça africana e iniciava assim o trajecto que o conduziria à titulação, em 1424, dois anos antes de se concretizar a aliança com os Coutinhos. E se em 1419 o matrimónio podia surgir como uma aposta por parte destes em relação a D. Pedro, pois ainda não se tinha definido de forma clara qual era de facto a dimensão social deste último, embora começasse a ser perceptível que existiam algumas circunstâncias que indiciavam a sua recuperação linhagística, em 1426 já não havia quaisquer dúvidas que o casamento era proveitoso para a família beirã, que, ao contrário do Conde de Vila Real, não detinha qualquer título. Ademais, concluía uma aliança com um elemento de uma das antigas e distintas famílias nobres peninsulares, o que consistiria um factor a não menosprezar por parte de uma linhagem que apenas recentemente alcançara um estatuto de elevado destaque.

19O quarto e último casamento terá sido procurado pela família da noiva, que trocava o almirantado, cargo que detinha hereditariamente, pelo prestígio que conseguia em estreitar relações com uma prestigiada e veneranda família.

20No tocante aos filhos de D. Pedro, antes de mais é necessário notar que todos os seus filhos contraem matrimónio, e em alguns casos mais de uma vez, o que denuncia a riqueza da família. Além disso é visível uma clara diferença entre o nível social dos cônjuges dos seus filhos legítimos - que são todas filhas - e dos seus filhos ilegítimos. As primeiras - D. Beatriz, D. Leonor e D. Isabel - casam, todas elas, com parentes da família real: um Noronha, um Bragança e um Vasconcelos e Castro - que, contudo, é conhecido geralmente por «de Cascais». O segundo casamento de D. Isabel já é, evidentemente, efectuado com um nobre de categoria não tão elevada. Os filhos ilegítimos - D. Duarte, D. Isabel e D. Aldonça - casam com elementos de linhagens socialmente distintas, apesar de não se poderem integrar no grupo dos primeiros, tendo um deles, Rui Gomes da Silva, privado com D. Pedro de Meneses em Ceuta.

  • 74 Rita Costa Gomes aponta a importância das linhagens com origem na bastardia régia na corte baixo-me (...)

21Para estes últimos percebe-se que a ilegitimidade surge como um desfavor que obriga a que se procurem casamentos com linhagens de posições socialmente inferiores relativamente àquelas de onde são oriundos os cônjuges das filhas legítimas. O que, todavia, não é impeditivo que surjam destes enlaces casas tais como os condes de Portalegre - do casamento de Rui Gomes da Silva e D. Isabel de Meneses - e dos condes de Tarouca e de Loulé - do casamento de D. Duarte de Meneses e D. Isabel de Castro. Por outro lado, o primeiro grupo demonstra uma evidente aproximação e fortalecimento dos laços dos Meneses à casa real. Que não se percebe muito bem se é mais procurada por D. Pedro ou pela família real. Note-se que todas as famílias são novas e aparentadas à casa real, tendo como ponto comum o facto de terem sido fundadas por bastardos régios: D. Isabel, filha de D. Fernando, no caso dos Noronhas; D. Afonso, filho de D. João I, no caso dos Braganças; e D. João, que não sendo bastardo é filho de D. Pedro I e D. Inês de Castro, cuja validade do casamento deu azo a muitas dúvidas, como o Dr. João das Regras evidenciou em Coimbra, no caso dos senhores de Cascais. Em troca da mencionada maior ligação à casa real e um maior peso na corte dados por estes vínculos74, forneciam os Meneses aquilo que as ditas famílias não possuíam, memória e tradição, elementos que a maior antiguidade da sua linhagem detinha e que, devido à actuação de D. Pedro em Ceuta, conservava.

22Uma característica dos matrimónios observados é a participação activa do infante D. Duarte na combinação de alguns deles. Foram vistos os casos dos casamentos de D. Pedro com as duas donas Coutinho, de D. Fernando de Noronha com D. Beatriz, e de D. Isabel de Melo com D. Duarte. É crível que também nos enlaces entre D. Isabel e Rui Gomes da Silva e entre D. Aldonça e Rui Nogueira tivesse tido algum empenho, uma vez que os dois nobres pertenciam à sua casa. Encontrava assim casamento para as filhas ilegítimas de um seu dependente com outros membros da casa, fortalecendo assim as solidariedades dentro da mesma. O matrimónio da primogénita de D. Pedro com o seu camareiro-mor servia os mesmos propósitos. Da mesma maneira, o capitão de Ceuta estreitava os seus laços com o príncipe herdeiro e ocupava uma posição cada vez mais destacada e influente na casa deste.

  • 75 Cf. Maria de Lurdes Rosa, «Cultura jurídica e poder social: a estruturação linhagística da nobreza (...)

23É de realçar ainda que o único casamento de próximo parentesco é aquele que une D. Duarte de Meneses com D. Isabel de Castro, verificando-se assim uma preferência pelos matrimónios com outras famílias, algumas delas bastante recentes. Esta particularidade tenderá a alterar-se, e a frequência de casamentos de próximo parentesco tornar-se-á a realidade mais comum na linhagem para a segunda metade do século XV e início do século XVI, até porque as alianças matrimoniais continuarão a fazer-se preferencialmente com elementos das famílias Noronha, Castro, Bragança e Coutinho, que correspondem, tal como os Meneses, às linhagens da mais alta nobreza portuguesa de então75.

  • 76 Cf. CDDM, cap. IV, pp. 51; e CDPM, liv. II, cap. VI, pp. 292-293.
  • 77 Cf. MH, vol. III, doc. 22, pp. 37-39; e doc. 23, pp. 39-40.
  • 78 Zurara avança que D. Duarte de Meneses teria nove meses de idade à data da tomada de Ceuta. Cf. CDD (...)

24Mas de que forma foram organizadas e utilizadas estas ligações próximas, com os filhos e os cônjuges destes? Sabemos que D. Beatriz, D. Leonor, D. Aldonça, D. Isabel e D. Duarte, todos os filhos que tem até à tomada de Ceuta, se encontram no reino, e que, segundo Zurara, D. Aldonça e D. Duarte são levados para a praça africana por volta de 1420, aquando do casamento com D. Filipa Coutinho, que, como foi visto, falece em plena viagem76. Não há informação da ida dos outros, mas é provável que D. Isabel também acompanhasse aqueles dois, pois o seu casamento com Rui Gomes da Silva celebra-se dois anos depois, em Ceuta. A ida de D. Duarte em 1420 é controversa, pois documentos de 13 de Abril de 1422 indicam que à data D. Duarte é escolar da diocese de Coimbra – «scolar is Colimbriensis diocesis»77. Tratam-se do pedido de dispensa de impedimento de ilegitimidade solicitada ao papa Martinho V, para que o mencionado D. Duarte possa ser promovido a todas as ordens sacras, ingressar nas ordens militares e receber benefícios eclesiásticos, e da respectiva carta de deferimento papal. De qualquer forma, em 1420 ou mais tarde, D. Duarte partirá para Ceuta, onde, sendo ainda novo78, D. Pedro encarrega D. Aldonça de tomar conta dele, aparentemente com o intuito de ainda o encaminhar para a vida eclesiástica.

  • 79 Cf. as detalhas narrativas das expedições militares, onde Rui Gomes da Silva é destacado, na CDPM, (...)
  • 80 Cf ibidem, cap. XXVIII, pp. 96.
  • 81 Zurara afirma que Rui Gomes da Silva já era casado com D. Isabel à altura, facto que não correspond (...)
  • 82 Cf. ibidem, liv. II, cap. XI, pp. 316..
  • 83 Ambos estão presentes na lista de moradores da casa do rei (cf. MH, vol. IV, doc. 64, pp. 226-227), (...)

25Não há mais notícias da sua ligação com os filhos, até que, em 1422, D. Pedro trata do casamento de D. Isabel com Rui Gomes da Silva, também ele presente em Ceuta, onde se destacara pelas virtudes militares79, tendo mesmo, por ocasião de uma escaramuça, sido providencial para o capitão da cidade, salvando-o de morte certa, após este ter sido ferido80. Pagou-lhe D. Pedro com o empenho no seu resgate, acontecendo aquele fidalgo ser capturado anteriormente aos cercos de 1418 e 1419, o que consegue pouco tempo depois dos mesmos81. Posteriormente, em 1424, data em que D. Pedro volta pela primeira vez ao reino desde que fora nomeado capitão de Ceuta, e quando é empossado no título de Conde de Vila Real, é a Rui Gomes da Silva que D. Pedro deixa a administração e guarda da cidade, visto a capitania ter sido, por mero simbolismo, delegada na pessoa do seu filho, D. Duarte de Meneses, à altura ainda uma criança82. É óbvia a confiança que D. Pedro detém em Rui Gomes da Silva, cimentada na vivência quotidiana em Ceuta e na ligação familiar que os une, mas à qual pode não ser estranho o facto de ambos terem pertencido à casa do rei, e pertencerem então à casa do infante D. Duarte83. De certa forma, pode-se até tomar o casamento de Rui Gomes da Silva com a filha de D. Pedro como uma forma de reconhecimento por parte deste da solidariedade e companheirismo socio-militar do primeiro, articulados numa base comum de sociabilidade, definida pela presença em Ceuta e na pertença à casa real e do infante.

  • 84 Cf. CDPM, liv. II, cap. XI, pp. 318.

26O mesmo não acontece com o segundo genro. Ou pelo menos de forma tão flagrante. Foi visto que até à data do terceiro casamento de D. Pedro, em 1426, já D. Aldonça havia casado com Rui Nogueira. Também este nobre estava ligado à casa real e à casa do infante, realidade que decerto teve relevante peso no enlace. Contudo, aqui já não se identificam ligações de companheirismo militar com D. Pedro, uma vez que Rui Nogueira era alcaide de Lisboa, e por uma vez apenas segue para Ceuta. É em 1424, altura em que acompanha o sogro – ou futuro sogro, uma vez que não há certezas sobre a data da realização do casamento com D. Aldonça-, que se encontrava no reino, na viagem para a praça africana, incorporado numa frota de auxílio que fora organizada após uma notificação de movimentações inimigas enviada por Rui Gomes da Silva84.

  • 85 Cf. ibidem, liv. I, cap. LXXIII, pp. 248-249.
  • 86 Cf. ibidem, liv. II, cap. VII, pp. 294-295.
  • 87 Cf. ibidem, liv. II, cap. XII, pp. 320.
  • 88 Cf. ibidem, liv. II, cap. XXIV, pp. 365.
  • 89 Cf. ibidem, liv. II, cap. XXV, pp. 366.
  • 90 Cf. ibidem, liv. II, cap. XXV, pp. 369.
  • 91 Cf. CTC, cap. XCVI, pp. 277.
  • 92 Cf. Mapa n.o 3.

27Na mesma frota parte D. Fernando de Noronha, que casaria em 1431 com D. Beatriz de Meneses. Também tinha ligações institucionais ao rei – pertencia ao seu conselho – e ao infante D. Duarte – era seu camareiro mor –, às quais se somavam ligações familiares. D. Fernando de Noronha está presente por mais ocasiões em Ceuta, permanecendo aí por alguns períodos. A primeira vez num socorro comandado pelo seu irmão, D. João de Noronha, nas vésperas do cerco de 141985; numa segunda ocasião, como capitão de alguns navios armados pelo rei para combater os corsários que assolavam a região do Estreito86; e mais tarde, na mesma frota onde Rui Nogueira estava presente, permanecendo na cidade norte-africana cerca de dois meses, onde participa em algumas saídas87. Por último, encontramo-lo mais uma vez na cidade por alturas do seu casamento com D. Beatriz, que se realiza em Ceuta, em 1431. Diz-nos Zurara que se demora na cidade aproximadamente um ano88, não desaproveitando as oportunidades de praticar feitos de armas. Segundo o cronista, «Bem quizera o Conde, que Dom Fernando folgara, e repousára como homem, que viera pera tomar novamente sua caza, e naõ pera guerrear; mas Dom Fernando nunca quiz, ante pedio, que lhe fosse dada guarda per sy; caa tinha hy bons Escudeiros, e bem encavalgados, e servia sua vez como cada hum daquelles, a que tal encarrego era dado.»89 Numa das escaramuças e cavalgadas em que saiu foi mesmo salvo de morte certa pelo seu jovem cunhado, D. Duarte de Meneses90. É óbvio, porém, que as semelhanças com os outros genros de D. Pedro acabavam aqui. Tal como os outros dois, ligado à casa real e do infante, embora numa posição muito mais destacada; companheiro de armas de D. Pedro – mais do que Rui Nogueira, e menos do que Rui Gomes da Silva – na praça magrebina, tendo recebido as ordens de cavalaria na mesma altura que este, por parte do infante D. Duarte, após a tomada da cidade91. Mas casado com a primogénita do conde, filha legítima, a quem ele deixará a maior parte da sua riqueza. Sucessor no título de Conde de Vila Real, quando D. Pedro recebe o condado de Viana do Alentejo. E segundo Capitão de Ceuta, cargo cujas virtudes, ao nível da criação de prestígio e riqueza, tivera ocasião de reconhecer nos vários períodos da sua presença na cidade. É D. Fernando de Noronha, através do matrimónio, o herdeiro da casa de Vila Real, e daquilo que lhe está associado – a capitania de Ceuta e várias propriedades92.

28Não existem outros benefícios visíveis com o matrimónio de D. Beatriz e D. Fernando para D. Pedro, exceptuando as eventuais compensações por parte do rei e do infante no sentido de facilitarem aquilo que buscava: a recuperação social da linhagem.

29Os filhos de D. Pedro parecem ter todos uma função definida dentro da linhagem. D. Beatriz é a herdeira da casa, a quem cabe herdar a maioria das posses detidas por D. Pedro. As outras filhas, nomeadamente as ilegítimas, solidificam ligações com nobres de famílias inferiores. E quanto a D. Leonor e D. Duarte? Pode afirmar-se com confiança que estes filhos de D. Pedro têm um papel fundamental na estruturação da sua casa. A primeira a administrar os bens familiares e a prolongar o trabalho do pai ao nível da recuperação simbólica da linhagem, baseada na memória dos antepassados, sobretudo após a sua morte; o segundo como o herdeiro e sucessor de D. Pedro numa dimensão bélica e cavaleiresca, continuador dos feitos de armas do pai – e dos antepassados-, sob os quais, no fim de contas, tinha assentado a recuperação da linhagem na pessoa do capitão de Ceuta.

  • 93 CDDM, cap. XV, p. 92.
  • 94 CDPM, liv. II, cap. XXVII, p. 375.
  • 95 Ibidem, liv. II, cap. XL, p. 420.
  • 96 Assunto que será estudado com maior pormenor no capítulo seguinte. O doc. que estabelece este morga (...)

30D. Leonor parece ser a administradora de todas as posses de D. Pedro, segundo é perceptível em algumas passagens de Zurara. Na crónica que escreve para o seu irmão, afirma que «dona Lyanor a qual era filha segunda daquelle conde molher sesuda, e que o padre muyto amava, e em cuja maão era toda sua fazenda»93. Supor-se-ia que tal era referente aos bens havidos no reino, contudo, numa outra ocasião, quando o conde, em 1433, se ausenta de Ceuta e vem para Portugal diz-nos que partiu «deixando seu Filho Dom Duarte por Capitaõ em seu Logo, (...), deixando por Governador da Fazenda Dona Leanor sua Filha, de cujo siso, e descrição elle muito se fiava, e nom sem causa; (...) e assy achou seu Padre toda sua fazenda muy bem aproveitada, (...) e assy das Cavallarias do Filho, como da boa descrição da Filha o Conde era muito alegre»94. Desta forma, D. Leonor teria a confiança do pai também para a gerência dos negócios em Ceuta, e sua presença na praça seria frequente. Não espanta pois que seja ela a escolhida pelo conde para executora testamentária do seu testamento, cujo conteúdo se não conhece, mas de que temos notícia, mais uma vez, através de Zurara. Utilizando ainda as palavras do cronista: «acuitou-se a enfermidade do Conde, e mandou chamar seu Filho, e partio com elle desse movel que tinha, (...) leixando sua Filha Dona Leanor por herdeira em todolos bens do Patrimonio, porque o al pertencia aa Condessa Dona Breatiz Mulher do Conde Dom Fernando, com especial encargo de ordenar sua sepultura, e satisfazer em todo as cousas, que á sua alma pertenciam»95. E, com estes bens, veremos, de facto, D. Leonor cumprir o determinado, instituindo capelas e executando algumas disposições que terão sido determinadas por D. Pedro, sob a forma de um morgadio96.

  • 97 Cf. ANTT, CD DJI, liv. 4, fl. 74-75v,-pub. em DCRM, tomo I, aditamento, doc. XVI, pp. 461-465.
  • 98 Cf. Quadros I e III.
  • 99 CDPM, liv. II, cap. XXII, pp. 359.
  • 100 Cf. capítulo 9 deste trabalho.

31Nos dois trechos anteriores vemos D. Pedro delegar a capitania a D. Duarte, alegrando-se posteriormente das suas bem sucedidas cavalgadas e, à hora da sua morte, chamá-lo para lhe entregar a parte dos bens móveis que lhe cabia em herança. Não lhe entrega a governança da fazenda, nem bens imóveis. E, contudo, este seu filho, o único varão, é-nos apresentado como o seu sucessor. Não nos bens e nas propriedades, mas como herdeiro biológico das capacidades militares e guerreiras. Apesar de legitimado em 15 de Março de 1424, o que o habilitava a herdar posses e instituições97, D. Duarte de Meneses nada vai receber do pai neste aspecto. Mas o protagonismo que revela nas cavalgadas africanas, que se sucedem sob o seu comando98, vai levar a que se torne, aos olhos de todos, como o digno descendente de D. Pedro, onde se cristalizam todas as virtudes cavaleirescas havidas neste. Esta passagem está emblematicamente representada quando, após uma escaramuça onde D. Duarte se destaca, este é ordenado cavaleiro pela mão do pai, que lhe diz: Filho, «...), (Deos nom quiz, que tu fosses legitimo, e nom te embargou porém tua virtude, em que parecesses a mim, que sou teu Padre, e porque eu podesse ser certo como verdadeiramente és meu Filho, tolhêo-te a minha herança, que eu mais quizera, que viera a varom, que a femea: porém pois que a elle praz de me fazer tanta mercê, que eu te vejo tal em meus dias, conhecendo de ti, que és pera ganhar honra, e nome, elle seja bento, e louvado, e lhe praza acrecentar em ti de bem em melhor, e assy como guiou os Santos Rex, cujo dia de manhãa será, encaminhe ati como faças seu serviço, e pareças aaquelles donde eu venho».99 Apesar de não poder receber a herança, recebe a virtude das armas, transmitida pelo sangue, que é condição suficiente para ganhar honra e nome, tal como o havia conseguido D. Pedro, e tal como cabia a descendente de «aaqueles donde eu venho.» Esta referência aos antepassados inscrevia-se num processo mais vasto de recuperação da memória denegrida dos anteriores membros da linhagem, que o capitão de Ceuta empreendeu após conseguir pelo mérito ascender aos lugares de topo da nobreza portugue-sa. Depois da recuperação pessoal, a recuperação da linhagem. Contudo, esta matéria tem lugar próprio para ser tratada100.

  • 101 Cf. árvore genealógica no. 2.
  • 102 Cf. ANTT, CH DD, liv. 1, fl. 67-68, pub. em CPDD, vol. I, tomo I, doc. 464, pp. 242-244.

32Sobre os restantes laços familiares, refira-se desde já que não são muitos os que se conhecem; e aqueles que por vezes se mencionam não são comprováveis, ou não aparentam ter grande influência nas relações sociais de D. Pedro. Comecemos por observar a restante família dos Meneses. Dos irmãos de seu pai, apenas D. Leonor deixa descendência101, e as únicas relações identificadas entre estes e D. Pedro têm a ver com um pleito sobre a herança da condessa D. Guiomar, entre o capitão de Ceuta e os seus primos, D. Fernando de Castro, filho segundo de D. Leonor, e D. Isabel de Castro, que, em princípio, se trata da sua filha102. Esta disputa é mediada pelo infante D. Henrique, de cuja casa, como foi visto, D. Fernando era governador.

  • 103 Cf. o ponto 2 deste trabalho.
  • 104 Cf. CDPM, liv. II, cap. XXXIV, p. 392.

33Para os ramos paralelos da família, nomeadamente os descendentes de Martim Afonso Telo, irmão de João Afonso Telo, conde de Barcelos e avô de D. Pedro de Meneses, as relações também não são significativas, exceptuando a ligação a D. Lopo Dias de Sousa, mestre da Ordem de Cristo, cuja importância já foi apontada103. Recorde-se que D. Pedro tinha passado alguns períodos da sua infância na casa deste parente, e muito provavelmente também tinha sido aí que se dirigira quando regressara de Castela. Além disso, tinha tido um papel fulcral na sua nomeação enquanto capitão da praça de Ceuta, intercedendo por si junto do infante e do rei. Mais tarde, já após a morte de D. João I, vemos D. Pedro acolher em Ceuta Rui Dias de Sousa, filho do mestre, que procurava aí «honra, e favor»104, sinal de que não se esquecera do amparo do mestre de Cristo.

  • 105 Cf. árvore genealógica n.o 2.
  • 106 Cf. CTC, cap. XCVI, pp. 277.
  • 107 Cf. CDD, cap. XV, pp. 522-523, onde se apontam os nomes de vários nobres que participam na expediçã (...)
  • 108 Cf. CDPM, liv II, cap. XXXIX, pp. 419.
  • 109 Cf. Abel dos Santos Cruz, ob. cit., pp. 67-96.

34Dos outros familiares só se tem notícia de Fernando de Meneses, apresentado como primo de D. Duarte de Meneses, neto de Gonçalo Teles105. Tomou parte na conquista de Ceuta, onde foi feito cavaleiro pelo infante D. Duarte106, e encontramo-lo nesta cidade nas vésperas do ataque a Tânger de 1437, ao qual se associa107, quando participa num bem sucedido assalto a Tetuão, comandado por D. Duarte, onde capitaneia duzentos homens a cavalo108. De comum com D. Pedro tem o facto de também pertencer à casa de D. Duarte109, mas as relações não parecem ter sido mais intensas por este motivo.

  • 110 Cf. CDPM, liv. I, cap. XXIX, p. 97.
  • 111 Cf. ibidem, liv. I, cap. XXXV, p. 115.
  • 112 Cf. ibidem, liv. I, cap. XXXVIII, p. 127.
  • 113 Cf. ibidem, liv. I, cap. LXIX, p. 236.

35Surgem também outros indivíduos por vezes mencionados como seus parentes na crónica de Zurara. Contudo são ligações que não foram confirmadas. Temos o caso de Gonçalo Nunes Barreto, um dos seus braços direitos numa primeira fase, logo após a nomeação como capitão de Ceuta, e que é apresentado como seu primo110; Fernão Barreto, filho do primeiro, e que também trata como primo111; Luís de Ataíde, a quem D. Pedro trata por tio112 e João Lopes de Azevedo, apresentado como sobrinho113. Não seria descabida a presença de parentes junto de D. Pedro, em Ceuta, integrados na sua rede social. O facto de serem seus familiares poderia contribuir para o eventual favorecimento por parte do capitão ao nível das actividades desenvolvidas na praça, cujos elevados lucros já foram observados. Mas não há provas, além de Zurara, que permitam identificar as ligações familiares.

8.2. Redes dientelares

8.2.1. Os membros da casa

  • 114 Para todos os nomes e cargos apontados, cf. as referências indicadas no quadro VII.

36Não havendo grandes informações sobre este aspecto, foram, mesmo assim, identificados quarenta e seis indivíduos pertencentes à casa de D. Pedro de Meneses. Encontramos a maior parte deles em Ceuta, facto que não causa estranheza, uma vez que aquele está permanentemente nesta cidade. Tratam-se, na sua maioria, de homens ligados à actividade militar, servindo assim o seu senhor, o que, mais uma vez, é perfeitamente normal, dada a realidade da praça e as competências do capitão114.

  • 115 Cf. CDPM, liv. I, cap. LXIII, p. 219.

37De facto, não se confirma a presença em Ceuta a apenas seis dos homens da casa: a Gonçalo Vasques, criado, e almoxarife de D. Leonor de Meneses em Lisboa em 1446; a Martim Vicente, cavaleiro e vedor das terras de D. Pedro; a Moussem Guaryto, criado e morador em Santarém; a João Fernandes, criado e cozinheiro de D. Pedro; a Garcia Rodrigues, escudeiro; e a Gomes Lourenço de Sá, cavaleiro e criado. É bem provável que estes três últimos também se encontrem na praça africana, dadas as funções de João Fernandes e visto que para Garcia Rodrigues e Gomes Lourenço de Sá não foram encontradas outras funções que justifiquem a sua ausência. Todos os outros têm em Ceuta permanência assegurada, justificada pela presença contínua de D. Pedro. Porém, o número de membros da casa do conde era superior, pois no segundo dia do cerco de 1418, este dá o comando de sessenta homens a cavalo, todos de sua casa, a Fernão Barreto, para guarda da Almina115.

38No tocante aos cargos existentes na casa, observam-se alguns que denunciam uma complexidade significativa, o que pode ser um indicador válido da sua dimensão. Encontramos um escrivão da puridade, bem como um escrivão da câmara; um estribeiro; um físico e cirurgião; um vedor; e um cozinheiro. Todos, à excepção do vedor, presentes em Ceuta. Os demais, e de entre os que se encontram na praça africana, detêm funções militares, e são, na sua maioria, escudeiros, mas também se encontram cavaleiros e criados. Nem seria de esperar outra coisa, uma vez que as actividades a que D. Pedro se dedicava detinham um carácter essencialmente bélico.

  • 116 Cf. ponto 5.1. deste trabalho.
  • 117 CDPM, liv. I, cap. LI, p. 170.

39Tal como os restantes membros da guarnição, também estes procuram a honra e o proveito através da carreira das armas. Tinham mais facilidades ao seu acesso devido ao facto do seu senhor ter o poder de decisão sobre as cavalgadas a efectuar e, certamente, sobre quem nelas participaria. Além das saídas por terra, e porque D. Pedro era um grande promotor do corso, participariam amiúde em saídas por mar, onde os lucros eram bastante elevados. Sabemos que estavam bastante familiarizados com as actividades militares quando, no já citado exemplo116, Rui Vasques de Castelo Branco e Estevão Soares de Melo vêm à cidade para praticar feitos de armas, e pedem que D. Pedro lhes disponibilize, para a surtida que se preparava sob o seu comando, homens da sua casa, uma vez que estavam «melhor encavalgados»117. Ora isto só revela que os homens de D. Pedro estavam melhor preparados, o que se devia certamente a uma maior participação nas actividades militares desenvolvidas a partir da praça africana, fossem elas cavalgadas ou expedições de corso.

  • 118 Cf quadros I e II dos anexos.
  • 119 Recorde-se que tal aconteceu aquando da vinda à cidade dos infantes D. Henrique e D. João em socorr (...)

40Era importante para D. Pedro que os seus homens estivessem permanentemente presentes nas actividades guerreiras. Através do rol de expedições, terrestres e por mar, enumerados na Crónica de Zurara118, facilmente se depreende que o envio de dependentes seus constituía a opção mais comum nas mesmas. Desta forma, facultava aos de sua casa os ganhos necessários ao seu sustento e boa manutenência, enquanto que, como chefe dessa mesma casa, arrecadava para si parte substancial daquilo que era capturado. Além disso, tinha uma maior certeza da exactidão da presa, ao contrário do que poderia acontecer com expedições desenvolvidas por outros, que poderiam esconder parte do saque para assim reduzir o quinto devido ao capitão119.

41Porém, não podia afastar os outros membros da guarnição das actividades militares, pelo menos das cavalgadas. Tinha de lhes proporcionar também o acesso à honra e ao proveito, até porque isso representava um aspecto primordial para a manutenção de um ambiente propício a uma melhor e mais fácil administração. O que não quer dizer que o não fizesse de acordo com os seus interesses.

8.2.2. Relações baseadas na guerra

  • 120 Cf. o ponto 5.1. deste trabalho.

42A grande questão que se coloca é verificar de que maneira se articulam as relações de D. Pedro com aqueles que se mantêm na praça que não são membros da sua casa, até porque não se pode colocar de lado a possibilidade de, em Ceuta, as fidelidades para com os senhores a que os vários nobres têm laços de dependência se esbaterem em favor de uma fidelidade local a D. Pedro de Meneses. Embora exteriores às ligações internas da casa do capitão de Ceuta, as relações deste com os membros da guarnição apresentam contornos que as colocam ao nível dos vínculos verticais, numa perspectiva de dependência dos últimos em relação ao primeiro. Em primeira instância, esta relação vertical exprimia-se numa dimensão político-administrativa, visto D. Pedro deter estes poderes delegados pelo rei numa extensão bastante alargada. Que, por sua vez, lhe possibilitavam, como já foi referido atrás, a capacidade de permitir ou fechar o acesso à honra e proveito aos indivíduos presentes na cidade, capacidade esta que utilizava para criar a sua rede de solidariedades120. O que num primeiro momento não é fácil. Saídas sem autorização, que colocavam em causa a segurança da cidade e a sua autoridade são então relativamente comuns.

  • 121 Cf. ponto 5.1. deste trabalho.
  • 122 Foram analisadas todas as expedições por terra narradas na CDPM. Cf. quadro I.
  • 123 Cf. quadro III.

43Já foram vistas algumas das vantagens em favorecer a presença dos seus homens nas expedições militares, mas certamente que existiam vários óbices a que D. Pedro e os membros da sua casa monopolizassem as cavalgadas feitas a partir de Ceuta121. O afastamento dos outros nobres e homens de armas das fontes de riqueza e honra dava azo à criação de fortes motivos de instabilidade e descontentamento na praça, o que não convinha ao capitão, que punha em risco a cidade e o cargo, e, com eles, a sua fonte de enriquecimento e poder. Era então necessário proceder à distribuição das cavalgadas e do comando destas, o que, segundo Zurara122, se verifica nos primeiros anos da ocupação portuguesa de Ceuta, mas que parece não ser a regra para momentos posteriores, altura em que D. Duarte de Meneses detém praticamente a totalidade dos comandos das cavalgadas123. Observemos então melhor estas expedições.

  • 124 Entre os quais D. Pedro de Meneses, na direcção de três cavalgadas; e três membros da sua casa. Cf. (...)
  • 125 Uma delas a meias com D. Sancho de Noronha, o único que, além de D. Duarte de Meneses, nos aparece (...)
  • 126 Cf. ponto 5.1. deste trabalho.
  • 127 Cf. ponto 5.1. deste trabalho.

44Zurara, na sua «Crónica do Conde Dom Pedro de Menezes», narra com algum pormenor vinte e seis cavalgadas. Porém, estas expedições não se inscrevem equitativamente ao longo do período tratado pela crónica, ou seja, os anos entre 1415 e 1437. O que temos são, para os anos entre a tomada da cidade e o cerco de 1418, a descrição de dezasseis saídas; e para os anos entre 1432 e 1437 o relato de dez cavalgadas. As primeiras são comandadas por dezoito indivíduos diferentes124; e as segundas por apenas dois, sendo que um destes, que se trata de D. Duarte de Meneses, tem o comando em todas elas125. Aparentemente, estamos perante duas fases perfeitamente distintas do fenómeno, uma primeira onde a chefia das saídas por terra é distribuída por vários indivíduos, e uma outra onde a direcção é concentrada na pessoa de D. Duarte de Meneses, o sucessor militar de D. Pedro. Que representam estas duas realidades? Já foram avançadas explicações para o facto, que serão as mais credíveis126. Sendo que as cavalgadas são os meios privilegiados para os nobres presentes na cidade alcançarem os almejados fama e proveito, e que as mesmas são solicitadas frequentemente por parte destes, D. Pedro, em presença de algumas dificuldades em controlar a vontade das gentes em organizar saídas, distribui o comando das expedições organizadas por vários indivíduos. Assim sendo, a repartição das chefias das cavalgadas é resultado de algumas dificuldades do capitão em exercer a sua autoridade e poder. Com o reforço destes, pode D. Pedro manter para si, em forma de monopólio, todos os comandos das ditas saídas. O que acontece é que entramos num processo vicioso: mais poder conduz ao comando de mais cavalgadas, que por sua vez permitem a obtenção de mais riqueza e prestígio, motores conducentes ao fortalecimento da autoridade. Uma vez que já tem alguma idade, D. Pedro delega as competências militares em D. Duarte, que se assume, neste âmbito, como o seu sucessor. Em resumo, o fortalecimento do poder de D. Pedro ao longo dos anos permite-lhe passar de uma fase em que se vê obrigado a dividir as cavalgadas, e com elas a honra e o proveito, até à altura em que as monopoliza sob a chefia do seu filho127.

45Outro problema é tentar definir qual o momento em que se dá a passagem da primeira para a segunda fase. Ora este fortalecimento do poder e autoridade resulta de alguns factores. Em primeiro lugar, da boa actuação de D. Pedro como capitão da praça, visível na resistência aos cercos e reconhecida pelo rei e pelos seus pares através da titulação. Em segundo lugar, do regresso ao reino dos indivíduos socialmente mais destacados que se encontravam na praça, circunstância que vem a alterar significativamente a relação de D. Pedro com os membros da guarnição. Em terceiro, do aumento dos seus recursos financeiros proporcionados com as actividades ligadas à guerra, o que permitia a multiplicação destas mesmas actividades, que exigiam homens para nelas participarem.

  • 128 Cf. ponto 4.3.1. deste trabalho.

46Quanto ao primeiro ponto, sabendo que os cercos ocorreram nos anos de 1418 e 1419, e que a titulação se deu em 1424, podemos utilizar estas datas como referências para o aumento do prestígio e poder socio-político de D. Pedro. Note-se mais uma vez que no início da sua vivência enquanto capitão de Ceuta os nobres mais destacados reuniam em conselho sobre o mais adequado a seguir, deliberações que D. Pedro adoptava posteriormente128. Mais tarde as decisões não parecem ser assim tomadas, uma vez que não existem mais quaisquer notícias sobre a existência ou manutenção do «conselho da cidade». Este é um claro sinal do reforço dos poderes do capitão, que pode dispensar esse órgão e assumir as decisões pessoalmente, e que parte, com toda a certeza, do aumento do seu prestígio e da partida das pessoas que compunham o conselho para o reino.

  • 129 Cf. ponto 3.2. deste trabalho.
  • 130 Cf. CDPM, liv. I, cap. XXVI, p. 88.
  • 131 Cf. ponto 4.4. deste trabalho.

47Com efeito, de entre os indivíduos apontados como os mais notáveis que compõem a guarnição inicial129, não encontramos muitos deles em datas posteriores aos cercos, na «Crónica do Conde Dom Pedro de Meneses». Não há referências a Gonçalo Nunes Barreto, capitão do contingente destacado pelo infante D. Pedro; nem a Álvaro Mendes Cerveira, capitão dos escudeiros de Évora e Beja; nem a Lopo Vasques de Castelo Branco, comandante do destacamento deixado pelo rei; ou ainda a Álvaro Eanes «Cemache» Vieira, anadel-mor dos besteiros de cavalo e comandante de seiscentos besteiros, de cavalo e de garrucha. Entre outros, são estes que compõem o «conselho da cidade» com o qual D. Pedro determina as acções a tomar. Os dois primeiros destacam-se até no aconselhamento ao capitão, pela sua experiência130. Todos estes indivíduos, e outros do mesmo nível, surgem então como pares de D. Pedro, apesar deste deter a capitania. São estes nobres, detentores de um estatuto político e militar ligeiramente inferior àquele apresentado por D. Pedro que o podem obrigar a dividir as saídas, que lhe cerceiam a autoridade sobre os indivíduos, uma vez que têm a seu cargo muitos deles, ligados por uma relação de dependência directa. Quando o capitão não acede aos seus desejos de empreender cavalgadas, fazem-no sem autorização, o que não deixa de ser uma desobediência clara às suas ordens. Já foram apresentados alguns exemplos, que permitem perceber que a gestão das forças da cidade estava longe de ser pacífica131. Mais, permitem verificar com segurança que a fidelidade ao capitão estava em segundo lugar, após a fidelidade ao grupo em que se estava inserido, ou ao senhor deste.

  • 132 Para todas estas conclusões, cf. ponto 4.4. deste trabalho.

48Muitas das vezes são os homens dos infantes, os mais destacados, a evidenciar um claro desrespeito pela autoridade de D. Pedro, que confiam na incapacidade deste em entrar em conflito com os seus senhores. Ora como foi visto, a estratégia de D. Pedro assenta então mais em premiar os bons servidores, aqueles que acatam a sua autoridade, com a participação em cavalgadas, do que em castigar aqueles que agem de forma diferente, os desobedientes. O único castigo que utiliza é o afastamento destes das expedições militares, e que somente pode ser aplicado dentro do possível. Para reforçar a sua autoridade, aproveita as rivalidades entre os fidalgos e os mais modestos nobres e homens de armas, protegendo os últimos e criando desta forma relações de solidariedade aparentemente mais consistentes do que as existentes com alguns dos indivíduos mais destacados socialmente132.

49Se considerarmos que os silêncios relativos a grande parte dos nobres mais importantes na segunda parte da crónica representam a ausência destes da cidade, não é simples coincidência que as cavalgadas sejam monopolizadas por D. Duarte de Meneses. D. Pedro garantira uma relativa solidez administrativa através da criação de relações privilegiadas com nobres das camadas mais baixas e homens de armas. A partir de Ceuta, multiplicava os seus negócios, ligados à actividade militar. Não perdera tempo a apostar na actividade corsária, que lhe podia render lucros elevadíssimos e que empregava ainda mais gentes, esticando a sua rede de interesses. Para quem buscava carreira nas armas em Ceuta a ligação a D. Pedro era essencial, pois este assegurava-lhes a participação nas saídas por terra e mar, com os correspondentes benefícios. Para o capitão, além dos rendimentos das ditas actividades, o controlo do acesso às mesmas colocava todos os que se encontravam na cidade sob a sua dependência, restringindo à partida a criação de poderes concorrentes, evitando o nascimento de redes de interesse capazes de colocar em perigo a continuidade desses rendimentos. Empregando aqueles que buscavam fama e fortuna, independentemente dos laços pessoais que estes detinham, prendia-os por vínculos de fidelidade que, pelo menos em Ceuta, se sobrepunham a outras ligações previamente existentes. Com a partida para o reino de grande parte dos elementos desestabilizadores, mais força ganhava a teia de relações construída, e quem vinha de Portugal para a praça, mesmo de entre os indivíduos mais destacados, deparava com esta realidade estruturante das actividades militares, que era praticamente impossível evitar.

50A partir de determinada altura, e apesar de certamente se manterem os contingentes das casas dos infantes, é em função das relações com D. Pedro que estes indivíduos participam nas expedições militares. Como se se processasse um esvaziamento das capacidades próprias do grupo em pressionar o capitão, de forma a permitir expedições para o próprio grupo, no sentido de um acatamento dos seus poderes pessoais. O que era uma garantia de participação nas saídas, embora numa posição subalterna. Os homens, numa segunda fase, não se encontram em Ceuta enquanto representantes institucionais de grupos, mas sim de forma individual, para garantir honra e proveito pessoal, o que só pode ser conseguido com o consentimento do capitão. É assim que vemos chegar à cidade vários nobres que se colocam ao seu serviço, desejosos de praticar feitos de armas, e que partem, tendo conseguido os seus intentos. D. Pedro vai assim criando um círculo de guerreiros conjugado em seu torno, companheiros de combates e almogavarias, onde as recompensas havidas destas pelejas e distribuídas por si são os elementos que vão solidificar as relações de fidelidade e solidariedade.

  • 133 São vários os exemplos de ordenações de cavaleiros efectuadas por D. Pedro. Entreoutros, cf. CDPM, (...)
  • 134 António de São Payo, «Os Vasconcellos Vilalobos. Uma carta inédita de parentesco e brazão d’armas»,(...)

51No decurso destas escaramuças, além dos saques, D. Pedro, perante o destaque de algum homem, ordena-o cavaleiro, reconhecimento do seu desempenho133. Em casos mais especiais de companheirismo e fidelidade, a recompensa pode ser bastante superior. Em 1419, e por haver salvo a sua vida numa escaramuça, o capitão de Ceuta premia Martim Vicente de Vasconcelos, cavaleiro de sua casa, com a doação de um brasão de armas onde estão inscritos os símbolos das famílias de sua mãe – Portocarreiro - e de sua avó paterna – Vilalobos -, ao mesmo tempo que, simbolicamente, o «adopta» na sua linhagem: «E porque tais serviços não fiquem sem galardão e memória, eu da minha propria vontade, sem m'o ele requerer, nem outrem por ele, lhe roguei, que lhe aprouve, que filhasse parte de minhas armas, e se chamasse de meu linhage (...) Porem quero e mando como chefe que sua de meu linhage que ele as traga e possua por si e e seus filhos e netos e todos os que dele descenderem, e mando e rógo a maus filhos e netos, e aos que de mim descenderem que lhas não contradigam mas antes o tenham por parente a ele e aos que dele descenderem havendo-os propriamente por meu linhagem»134. O companheirismo nas armas funcionava quase como uma relação de parentesco – neste caso funcionou mesmo – que unia entre si os vários guerreiros e sob o qual assentava o poder social de D. Pedro.

  • 135 Cf. CDPM, pp. 396-402.

52Mas as vindas e as idas de indivíduos representam um outro aspecto da rede social construída com base na guerra, que é o facto de a mesma transpor os limites geográficos da praça. Esta realidade é visível quando verificamos que, assim que começa a ser perceptível que a defesa praça é uma tarefa praticável, começam a ser frequentes as vindas de indivíduos do reino e até de fora dele com o propósito de participar em cavalgadas. Atrás já foram mencionados os exemplos de Estevão Soares de Melo e Rui Vasques de Castelo Branco, e do duque alemão. Outra vinda ilustre foi a de D. Sancho de Noronha, futuro conde de Odemira, que em 1435 vem a Ceuta e participa numa expedição a Tetuão135. Nesta mesma saída é feito cavaleiro por D. Duarte de Meneses, filho de D. Pedro.

53Mas a rede não ultrapassava os limites regionais devido apenas aos que vinham para a cidade. Mais importantes eram aqueles que saíam. Sobretudo os notáveis reunidos em conselho, para que se decidisse sobre a estratégia a seguir. Além das relações político-administrativas entre capitão e subordinados, e das dívidas morais destes contraídas pelo facto de acederem à honra e proveito através da decisão do primeiro, criava-se, com o conselho, uma ligação de aspecto mais horizontal, de camaradagem e solidariedade de grupo. Claro que a consideração com que D. Pedro tratava estes notáveis exigia, do ponto de vista ético, a obrigatoriedade moral de reciprocidade, o que, para além de solidificar os vínculos pessoais, colocava os indivíduos na esfera de poder de D. Pedro de Meneses. Percebe-se melhor qual o alcance destas relações quando atentamos nos indivíduos em causa.

  • 136 Cf. ponto 3.2..
  • 137 Cf. Judite Antonieta Gonçalves de Freitas, A Burocracia do “Eloquente”... cit., pp. 194-195; e BA, (...)
  • 138 Cf. BA, pp. 770-771; e Rita Costa Gomes, A corte... cit., pp. 47-48.
  • 139 Cf. CDPM, p. 30.
  • 140 Cf. Judite Antonieta Gonçalves de Freitas, ob. cit., pp. 206-209.
  • 141 Cf. CDPM, pp. 29-30 e 97.
  • 142 Cf. BA, pp. 733-735.

54Estão presentes na cidade, e fazem parte dos que pertencem ao conselho de notáveis e participam amiúde nas expedições militares, entre outros, Lopo Vaz de Castelo Branco, comandante do destacamento da casa do rei136, à altura da tomada já monteiro-mor de D. João I e mais tarde alcaide de Moura137. Encontramos também na cidade Rui Mendes Cerveira, cavaleiro da casa do rei D. João I. No regresso ao reino, será aposentador-mor do rei D. Duarte e da rainha D. Leonor, e, no reinado seguinte, de D. Afonso V; em 1438 era alcaide do castelo de Arronches138. Com um papel de destaque em Ceuta identificamos também Pero Gonçalves Malafaia139, cavaleiro, vedor da fazenda e membro do conselho régio nos reinados de D. João I e de D. Duarte, e várias vezes nomeado embaixador em Castela e Aragão nos anos de 1431 e 1432140. Veja-se ainda Gonçalo Nunes Barreto, cavaleiro e comandante do contingente da casa do infante D. Pedro, um dos principais conselheiros de D. Pedro de Meneses nos primeiros tempos, e apresentado como seu primo141. Regressado ao reino será membro do conselho de D. João I, alcaide do castelo de Faro durante os reinados de D. Duarte e D. Afonso V, e fronteiro-mor do Algarve durante a regência de D. Pedro e o reinado de Afonso V142. Todos, em determinada altura, estiveram ligados directamente aos reis e à corte.

  • 143 Cf. CDPM, pp. 124-125.

55O bom desempenho destes nobres na defesa e manutenção de Ceuta não foi, certamente, um factor alheio à atribuição de mercês no reino. Estas são o reconhecimento régio da sua acção meritória na praça norte-africana. E o certo é que tal foi possibilitado pelo capitão, que, além de colocar aqueles nos lugares privilegiados de acesso à honra, no campo de batalha ou na sua assembleia de conselheiros, deve certamente ter contribuído ainda através da relação privilegiada que tinha com o rei. Uma relação que se fazia, apesar da distância física, mediante cartas, enviadas com alguma regularidade, onde expunha os problemas na administração da cidade ou notificava sobre os bons ou maus serviços dos vários indivíduos que aí se encontravam143. Se, de facto, a guerra e as relações políticas desenhadas em Ceuta colocaram, como parece, aqueles e outros indivíduos na rede de ligações de D. Pedro, e numa posição de dívida, podemos inferir que a esfera de influências do capitão da praça não só se estendia ao reino, senão que se cruzava aí com as redes de poder nos seus mais altos círculos, nomeadamente ao nível da corte e junto do monarca.

56A transversalidade da rede baseada na guerra é visível não apenas na articulação com a rede político-administrativa do reino, cujos casos apontados acima são representativos, e onde em última instância podemos incluir o rei. Falou-se antes da rede familiar. Com efeito, alguns nobres que encontramos na praça, e que também aí ocupam um papel de destaque, estão ligados a D. Pedro por laços de parentesco. São os casos de Duarte de Meneses e Rui Gomes da Silva. O primeiro é filho do capitão, o segundo seu genro, e ambos fizeram carreira de armas em Ceuta. A corte constituía um outro núcleo aglomerador de ligações de poder, de onde D. Pedro não era excluído pela distância, embora, a partir do momento em que permanece em Ceuta, passe a depender de vínculos indirectos ou de relações de activação menos frequente. Notem-se os casos das ligações ao rei e ao infante D. Duarte, bastante examinadas ao longo de todos os capítulos anteriores; e o papel do infante na realização dos diversos casamentos de D. Pedro e dos seus filhos.

57Com efeito, e sem surpresa alguma, as redes sociais onde D. Pedro se inscrevia – e onde inscrevia o seu poder – eram de natureza social distinta e entrecruzavam-se. Porém, o que há a salientar é o facto da transversalidade das mesmas se realizar e assentar num pólo central: Ceuta. Particularidade que, a par dos rendimentos económicos e da honra aí garantidos, contribuía para vincar a dimensão da cidade enquanto sustentáculo do seu poder pessoal, e imagem desse mesmo poder. O que constituía mais uma razão para a presença constante de D. Pedro na praça norte-africana.

Notes

1 Creio poderem ser aplicadas para esta época as palavras de José Maria Imizcoz Beuza, quando, para o Antigo Regime, aponta que «los vínculos de familia y parentesco eram los lazos personales más inmediatos. Tenían un gran contenido social y un fuerte poder estructurante, regían en gran medida la vida colectivay la acción social de los indivíduos, y condicionaban grandemente su vida personal». Cf. ob. cit., pp. 31.

2 CDPM, liv. I, cap. III, pp., 17. Num capítulo posterior da crónica é novamente referido que D. Margarida «foi mulher muito virtuosa, e com que aquelle Conde ouve muita riqueza» (ibidem, liv. II, cap. VI, pp. 292).

3 Cf. LL, pp. 103; e BSS, vol. I, pp. 126.

4 Não se conhece também a data do casamento, mas o contrato é datado de 8 de Março de 1431. Este contracto está publicado em Affonso de Dornellas, “Documentos Antigos: Instituição do vinculo de morgadio dos condes de Villa Real, feita em Ceuta em 1431”, Elucidário Nobiliárchico, 1° volume, no X, Outubro de 1928, pp. 305-319.

5 CDPM, liv. II, cap. VI, pp. 292.

6 Em ibidem, liv. II, cap. VI, pp. 292: «até que veio a fallecer, vivendo sempre muy virtuosamente, no qual estado acabou seus dias: e logo depois daquelle cerco». Na CDDM, cap. IV, pp. 51, Zurara volta a afirmar algo semelhante, quando refere que, após o segundo cerco, D. Pedro pede a D. João I que lhe sejam enviados os seus filhos, «por quanto donna Margaryda sua primeyra molher era fallecida».

7 Cf. Rita Costa Gomes, A corte... cit., p. 52. Veja-se a lista de moradores da casa da rainha, para o ano de 1402, em MH, vol. I, doc. no 122, pp. 280-293.

8 Cf. Rita Costa Gomes, ob. cit., pp. 49-55; 200-201.

9 Cf. árvore genealógica dos Coutinho em Luís Filipe Oliveira, ob. cit., pp. 27.

10 ANTT, Gaveta II, mç. I, fl. 10.

11 CDPM, liv. II, cap. VI, pp. 292.

12 Ibidem, liv. II, cap. VI, pp. 292-293.

13 ANTT, Gaveta II, mç. I, fl. 10.

14 Cf. MH, vol. III, doc. 58, pp. 110-111.

15 ANTT, Gaveta II, mç. I, fl. 10.

16 Cf. ANTT, Gaveta II, mç. I, fl. 10.

17 Cf. LL, pp. 104, e NFP, vol, VIII, pp. 112.

18 O casamento é tratado quando D. Pedro se encontra em Portugal, após a morte de D. João I, e no ano mencionado. Cf. CDPM, liv. II, cap. XXXII, pp. 387; e BSS, vol. I, pp. 126-127.

19 Cf. ibidem.

20 Cf. ibidem.

21 Cf. Affonso de Dornellas, ob. cit., pp. 310.

22 O primogénito era D. Pedro de Noronha, que foi arcebispo de Lisboa entre 1424 e 1452. Cf. BSS, vol. I, pp. 47.

23 Cf. BSS, vol. I, pp. 47-48; NPB, vol. 3, pp. 523-525; e NFP, vol. VII, pp. 593.

24 Affonso de Dornellas, ob. cit., pp. 310. Zurara faz sobressair o papel do infante D. Duarte no enlace, apontando-o como o principal responsável pelo mesmo. Cf. CDPM, liv. II, cap. XXIV, pp. 364-365.

25 Cf. ibidem, pp. 310-311. A carta de arras dada pelo rei a D. Fernando de Noronha, pelo seu casamento, refere a quantia de 17.000 dobras (cf. ANTT, CH DJI, liv. 4, fl. 118, pub. em DCRM, vol. I, aditamento, doc. XXI, pp. 472-473), embora cartas de confirmação posteriores indiquem a soma de 16.000 coroas (cf. ANTT, CH DD, liv. 3, fl. 73, pub. em DCRM, tomo I, aditamento, doc. XXIV pp. 476-477; ANTT, CH DAV, liv. 19, fl. 32. CDRM, vol. I, doc. L, pp. 78-80). Segundo Rita Costa Gomes, as doações régias mais comuns nesta situação situavam-se entre as 1.000 e 5.000 coroas. O exemplo do casamento de D. Fernando de Noronha e de D. Beatriz de Meneses é mesmo apontado pela autora pelo seu carácter extraordinário (cf. ob. cit., pp. 201-202).

26 Cf. Afonso Eduardo Martins Zuquete (dir. e coord.), Nobreza de Portugal e do Brasil, vol. 3, Lisboa, Ed. Enciclopédia, Lda., 1961, pp. 523-525; e BSS, vol. III, pp. 268-269.

27 Cf. BSS, vol. I, pp. 129-130.

28 Cf. D. António Caetano de Sousa, Provas da História Genealógica da Casa Real Portuguesa, tomo III, 2.a parte, Coimbra, Atlântida Ed., 1949, prova n.o 71, pp. 197-201.

29 Ibidem, pp. 200.

30 Cf. a transcrição da inscrição da lápide do túmulo de D. Leonor em BSS, vol. I, pp. 129.

31 Cf. a carta de confirmação de contrato de casamento entre os dois em ANTT, CH DAV, liv 20, fl. 83v, pub. em DCRM, vol. I, doc. LIV, pp. 516-518.

32 Cf. BSS, vol. I, pp. 353.

33 Cf. ibidem.

34 Cf. ANTT, CH DAV, liv. 20, fl. 83v, pub. em DCRM, vol. I, doc. LIV, pp. 516-518.

35 Cf. ibidem, vol. I, pp. 355.

36 O contrato é traslado na carta de confirmação do mesmo, passada a João Freire de Andrade em 10 de Abril de 1450.Cf. ANTT, CH DAV, liv. 34, fl. 76v., pub. em DCRM, tomo I, aditamento, doc. CCXXVIII, pp. 596-599.

37 Cf ibidem.

38 Cf. ANTT, CH DAV, liv. 25, fl. 7v-8.

39 Cf. ANTT, CH DAV, liv. 24, fl. 77, pub. em MH, vol. VIII, doc. 109, pp. 169-171.

40 Aparece como aposentador-mor de D. Afonso V e fidalgo da casa do rei na carta de confirmação do seu contrato de casamento, mencionada na nota 27. Cf. ainda PL, tomo II, vol. 2, pp. 24; e NFP, vol. I, pp. 151.

41 Cf. ibidem.

42 Cf. PL, tomo II, vol. 2, pp. 9 e 24.

43 Cf. ibidem.

44 Cf. ANTT, CH DJI, liv. 4, fl. 74, pub. em DCRM, vol. I, doc. XVI, pp. 461-465.

45 É D. Aldonça que D. Pedro encarrega de cuidar de D. Duarte de Meneses, após a chegada de ambos a Ceuta, e visto que este ainda é bastante jovem à altura. Cf. CDDM, cap. IV, pp. 51.

46 Conforme é intitulado no contrato de casamento entre D. Pedro de Meneses e D. Beatriz Coutinho. Cf. ANTT, Gaveta II, mç. I, fl. 10. Abel dos Santos Cruz diz que também pertence à casa de D. João I. Cf a lista que este autor apresenta sobre os nobres que permanecem ou ficam em Ceuta nos primeiros anos após a sua conquista em A Nobreza Portuguesa em Marrocos no Século XV (1415-1464), dissertação de Mestrado em História Medieval apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto, exemplar mimeografado, Porto, 1995, pp. 67-96.

47 Cf. ANTT, CH DD, liv. 1, fl. 150, pub. em CPDD, vol. I, tomo 2, pp. 125-129, n.o 836.

48 Cf. NFP, vol. XXI, pp. 132.

49 Assumidas em nome de D. Pedro, aquando do casamento deste com D. Beatriz Coutinho. Cf. ANTT, CH DD, liv. 1, fl. 150, pub. em CPDD, vol. I, tomo 2, pp. 125-129, n.o 836.

50 Cf. ANTT, CH DAV, liv. 34, fl. 10v.

51 Cf. BA, pp. 1017-1018; NFP, vol. III, pp. 110; e Judite Antonieta Gonçalves de Freitas, «Teemos por bem e mandamos». A Burocracia Régia e os seus oficiais em meados de Quatrocentos (1439-1460), vol. II, Cascais, Patrimonia, 2001, pp. 475-476.

52 Cf. NFP, vol. III, pp. 98.

53 Cf. CTC, cap. L, pp. 178.

54 Cf. BA, pp. 1018; NFP, vol. III, pp. 110; e Judite Antonieta Gonçalves de Freitas, ibidem, pp. 475-476.

55 Cf. a lista de moradores da Casa do rei em MH, vol. IV, doc. 64, pp. 227. Está a lista datada de 1433 mas é certamente anterior à tomada de Ceuta e à formação da casa dos infantes, pois integra indivíduos que passarão para estas. Abel dos Santos Cruz também o aponta como pertencente à Casa de D. João I, não mencionando que também era criado de D. Duarte (cf. ob. cit., lista das pp. 67-96). Que fazia parte da casa do infante diz-nos o alvará que este emite sobre o contrato de casamento entre Rui Gomes da Silva e D. Isabel, onde aponta aquele como «Ruy Gomes da Silva nosso criado» (cf. ANTT, CH DAV, liv. 11, fl. 21v, pub. em DCRM, vol. I, doc. CCCXIX, pp. 365-366).

56 Cf. ibidem.

57 Cf. NFP, vol. XXVII, pp. 10.

58 Para tudo o indicado, cf. BA, pp. 954.

59 Cf. BSS, vol. II, pp. 19-20.

60 Cf. ANTT, CH DJI, liv. 4, fl. 74, pub. em DCRM, vol. I, doc. XVI, pp. 461-465.

61 Cf. CDDM, cap. XXIV, pp. 108.

62 Cf. ibidem; e LL, pp. 111.

63 Cf. BA, pp. 881.

64 Cf. ANTT, CH DAV, liv. 34, fls. 14-14v, de 26 de Agosto de 1444, onde se confirma a doação.

65 Cf. ibidem.

66 Cf. LL, p. 111; e CDDM, cap. III, p. 50.

67 Cf. BA, p. 881.

68 Cf. ibidem e árvore genealógica n.o 3.

69 Cf. ibidem e árvore genealógica n.o 4..

70 Cf. ponto 2 deste trabalho.

71 Affonso de Dornellas, ob. cit., pp. 313.

72 Cf. Luís Filipe Oliveira, A Casa dos Coutinhos... cit., pp. 35-38.

73 Cf. ibidem, pp. 38-39.

74 Rita Costa Gomes aponta a importância das linhagens com origem na bastardia régia na corte baixo-medieval portuguesa. Cf. ob. cit., pp. 89.

75 Cf. Maria de Lurdes Rosa, «Cultura jurídica e poder social: a estruturação linhagística da nobreza portuguesa pela manipulação dos impedimentos canónicos de parentesco (1455-1520)», Revista de História das Ideias, vol. 19, Instituto de História e Teoria das Ideias – Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 1998, pp. 229-308, especialmente as pp. 261-264.

76 Cf. CDDM, cap. IV, pp. 51; e CDPM, liv. II, cap. VI, pp. 292-293.

77 Cf. MH, vol. III, doc. 22, pp. 37-39; e doc. 23, pp. 39-40.

78 Zurara avança que D. Duarte de Meneses teria nove meses de idade à data da tomada de Ceuta. Cf. CDDM, cap. IV, pp. 51.

79 Cf. as detalhas narrativas das expedições militares, onde Rui Gomes da Silva é destacado, na CDPM, nomeadamente a expedição às Aldeias do Vale do Castelejo, de 8 de Fevereiro de 1416, onde este fidalgo comanda algumas tropas a pé. Cf. liv. I, cap. XXVI, pp. 88-92 e Quadro I. Cf. ainda, na mesma crónica, liv. I, cap. XV, pp. 55; liv. I, cap. XXVII, pp. 92-93.

80 Cf ibidem, cap. XXVIII, pp. 96.

81 Zurara afirma que Rui Gomes da Silva já era casado com D. Isabel à altura, facto que não corresponde à verdade, uma vez que, como foi visto, o casamento é tratado em 1422, talvez para justificar o empenho de D. Pedro na sua remição. Cf. CDPM, liv. I, cap. LIV, pp. 182-183, onde é narrada a captura do fidalgo; liv. I, cap. LXXI, pp. 244, sobre as negociações do seu resgate; e liv. II, cap. II, pp. 285, altura em que é mencionada a sua libertação.

82 Cf. ibidem, liv. II, cap. XI, pp. 316..

83 Ambos estão presentes na lista de moradores da casa do rei (cf. MH, vol. IV, doc. 64, pp. 226-227), que calculo anterior à montagem das casas dos infantes. Mais tarde, como foi já referido, pertencem ambos à casa de D. Duarte.

84 Cf. CDPM, liv. II, cap. XI, pp. 318.

85 Cf. ibidem, liv. I, cap. LXXIII, pp. 248-249.

86 Cf. ibidem, liv. II, cap. VII, pp. 294-295.

87 Cf. ibidem, liv. II, cap. XII, pp. 320.

88 Cf. ibidem, liv. II, cap. XXIV, pp. 365.

89 Cf. ibidem, liv. II, cap. XXV, pp. 366.

90 Cf. ibidem, liv. II, cap. XXV, pp. 369.

91 Cf. CTC, cap. XCVI, pp. 277.

92 Cf. Mapa n.o 3.

93 CDDM, cap. XV, p. 92.

94 CDPM, liv. II, cap. XXVII, p. 375.

95 Ibidem, liv. II, cap. XL, p. 420.

96 Assunto que será estudado com maior pormenor no capítulo seguinte. O doc. que estabelece este morgadio encontra-se em ANTT, Arquivo da Casa de Abrantes, n.o 259.

97 Cf. ANTT, CD DJI, liv. 4, fl. 74-75v,-pub. em DCRM, tomo I, aditamento, doc. XVI, pp. 461-465.

98 Cf. Quadros I e III.

99 CDPM, liv. II, cap. XXII, pp. 359.

100 Cf. capítulo 9 deste trabalho.

101 Cf. árvore genealógica no. 2.

102 Cf. ANTT, CH DD, liv. 1, fl. 67-68, pub. em CPDD, vol. I, tomo I, doc. 464, pp. 242-244.

103 Cf. o ponto 2 deste trabalho.

104 Cf. CDPM, liv. II, cap. XXXIV, p. 392.

105 Cf. árvore genealógica n.o 2.

106 Cf. CTC, cap. XCVI, pp. 277.

107 Cf. CDD, cap. XV, pp. 522-523, onde se apontam os nomes de vários nobres que participam na expedição.

108 Cf. CDPM, liv II, cap. XXXIX, pp. 419.

109 Cf. Abel dos Santos Cruz, ob. cit., pp. 67-96.

110 Cf. CDPM, liv. I, cap. XXIX, p. 97.

111 Cf. ibidem, liv. I, cap. XXXV, p. 115.

112 Cf. ibidem, liv. I, cap. XXXVIII, p. 127.

113 Cf. ibidem, liv. I, cap. LXIX, p. 236.

114 Para todos os nomes e cargos apontados, cf. as referências indicadas no quadro VII.

115 Cf. CDPM, liv. I, cap. LXIII, p. 219.

116 Cf. ponto 5.1. deste trabalho.

117 CDPM, liv. I, cap. LI, p. 170.

118 Cf quadros I e II dos anexos.

119 Recorde-se que tal aconteceu aquando da vinda à cidade dos infantes D. Henrique e D. João em socorro da cidade, encontrando-se esta cercada, episódio já aludido. Cf. ponto 5.1..

120 Cf. o ponto 5.1. deste trabalho.

121 Cf. ponto 5.1. deste trabalho.

122 Foram analisadas todas as expedições por terra narradas na CDPM. Cf. quadro I.

123 Cf. quadro III.

124 Entre os quais D. Pedro de Meneses, na direcção de três cavalgadas; e três membros da sua casa. Cf. quadro III.

125 Uma delas a meias com D. Sancho de Noronha, o único que, além de D. Duarte de Meneses, nos aparece como comandante numa expedição após 1432. Cf. quadro III.

126 Cf. ponto 5.1. deste trabalho.

127 Cf. ponto 5.1. deste trabalho.

128 Cf. ponto 4.3.1. deste trabalho.

129 Cf. ponto 3.2. deste trabalho.

130 Cf. CDPM, liv. I, cap. XXVI, p. 88.

131 Cf. ponto 4.4. deste trabalho.

132 Para todas estas conclusões, cf. ponto 4.4. deste trabalho.

133 São vários os exemplos de ordenações de cavaleiros efectuadas por D. Pedro. Entreoutros, cf. CDPM, liv. II; cap. XXVII, p. 375, onde alguns homens são recompensados, após um combate, com a ordenação.

134 António de São Payo, «Os Vasconcellos Vilalobos. Uma carta inédita de parentesco e brazão d’armas», Arqueologia e História, vol. IV, Associação dos Arqueólogos Portugueses, Lisboa, 1925, pp. 198-211.

135 Cf. CDPM, pp. 396-402.

136 Cf. ponto 3.2..

137 Cf. Judite Antonieta Gonçalves de Freitas, A Burocracia do “Eloquente”... cit., pp. 194-195; e BA, p. 754.

138 Cf. BA, pp. 770-771; e Rita Costa Gomes, A corte... cit., pp. 47-48.

139 Cf. CDPM, p. 30.

140 Cf. Judite Antonieta Gonçalves de Freitas, ob. cit., pp. 206-209.

141 Cf. CDPM, pp. 29-30 e 97.

142 Cf. BA, pp. 733-735.

143 Cf. CDPM, pp. 124-125.

© Publicações do Cidehus, 2004

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr