Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

D. Pedro de Meneses e a construção da Casa de Vila Real (1415-1437)

 | 
Nuno Silva Campos

4. A guerra em Ceuta

Texte intégral

4.1. Capacidade militar

  • 1 Cf. João Gouveia Monteiro, A Guerra em Portugal nos finais da Idade Média, s.l., Ed. Notícias, 1998 (...)
  • 2 Ibidem, p. 339. Sobre os vários aspectos relacionados com os cercos cf. pp. 337-373.

1Analisando atentamente a situação, convém dizer que a defesa da praça, encargo primeiro do capitão, poderia até nem ser uma tarefa tão impraticável quanto isso. Sabe-se que na época, os assédios a fortalezas, apesar de serem as operações militares mais comuns, requeriam determinadas condições para que pudessem ter algumas probabilidades de sucesso. Probabilidades que, geralmente, nunca eram elevadas1. O exército sitiante necessitava de ser suficientemente numeroso de modo a conseguir reter os sitiados dentro dos muros e enfrentar reforços vindos em auxílio destes. Era também necessário garantir um abastecimento de alimentos regular e impedir, ao mesmo tempo, a sua provisão aos adversários intramuros, de modo a que estes cedessem pela fome e sede. Esta era a forma mais comum de tomar fortalezas – através da rendição provocada pela míngua de víveres. O assalto pela força, mesmo quando os atacantes se encontravam em número manifestamente superior, era raramente bem sucedido sem elevadas perdas, razão pela qual o comandante das forças sitiantes, compreensivelmente, não empreendia a investida sem algumas hesitações, e com algumas garantias de êxito. O sucesso de um assédio era conseguido, na maioria das vezes, porque a guarnição era muito inferior em número, lhe faltavam as armas ou as vitualhas, a fortaleza era frágil, por traição, ou através de estratagemas bem planeados2.

  • 3 Sobre algumas vindas de mouros sobre a cidade, anteriores aos grandes cercos, escreve Zurara: «os c (...)
  • 4 Ibidem, Liv. I, cap. IX, p. 36. Na CTC, cap. C, p. 284, também são mencionadas as coisas deixadas p (...)
  • 5 Ibidem, cap. C, p. 284.
  • 6 São apresentados por Filipe Themudo Barata números verdadeiramente impressionantes de importações d (...)

2Sucede que o estreito istmo onde Ceuta se erguia permitia concentrar de um modo bastante eficaz forças para defender investidas vindas por terra. Destas forças salientavam-se os corpos de besteiros e os trons, que viriam a infligir elevadas baixas aquando dos ataques muçulmanos3. A fortaleza estava, segundo parece, bem fornecida de apetrechos defensivos, visto que o rei «mandou, que ficassem todo-los almazens, e artelharias, que levava com toda-las outras cousas, que sentio, que poderiam aproveitar para defensão da Cidade»4, aos quais se somavam, certamente, as coisas que ali foram encontradas, como «muitos virotões e bestas e escudos e uma bombarda e muita pólvora e cera e cebo e pez»5, e outras, adquiridas posteriormente para responder às necessidades6.

  • 7 Não nos esqueçamos que o bem sucedido assalto português, apesar dos receios de alguns, utilizou est (...)
  • 8 CDPM, Liv. I, cap. XXXI, p. 106.

3Desta forma, o importante era evitar os desembarques na Almina7, ataques mais perigosos porque aumentariam em muito a frente de combate, e obrigariam os portugueses a dispersar-se por toda a muralha, enfraquecendo a capacidade defensiva. Para precaver tal eventualidade, o rei deixa na cidade duas galés a guardar o Estreito8. Mais tarde, outros navios, quer do conde, quer de outros que se encontravam na cidade, se acrescentariam a estes.

  • 9 Ibidem, Liv. I, cap. XV, p. 53.

4Facto sempre posto em relevo por Zurara é a constante escassez de cavalos na cidade, sendo que, insolitamente, e segundo o cronista, no início da presença portuguesa existem apenas três: um do conde, outro de João Pereira, e outro de Álvaro Mendes Cerveira, ainda que na cidade estivessem «nobres homens, e Fidalgos de valôr»9.

  • 10 Muitas vezes as três definições mencionadas podem aplicar-se aos mesmos indivíduos. Como João Gouve (...)
  • 11 João Gouveia Monteiro nota que entre 1300 e 1450 existe na Europa Ocidental uma fase de importantes (...)
  • 12 Cf. Ibidem, pp. 237-244.
  • 13 Cf. CDPM, Liv. I, cap. XXII, p. 71; cap. XXIII, p. 73; cap. XXIV, pp. 79-81; cap. XXXIV, p. 112.
  • 14 Os almogavares participam em praticamente todas as expedições da cidade, espiando e analisando o te (...)
  • 15 Aquando do cerco de 1418, os almogavares dormem junto à barreira da cidade, como escutas. Cf. Ibide (...)

5Tomando em conta a natureza das tropas colocadas em Ceuta, encontramos primeiramente um corpo de «oficiais», seleccionado destes «nobres homens e fidalgos de valor», que não eram mais do que uma pequena elite dentro da composição da guarnição. Seriam estes os nobres que integravam o conselho de notáveis. Neste escol estavam incluídos os comandantes dos destacamentos e outros que ficavam geralmente com homens seus, em maior ou menor número segundo o seu status, alguns dos quais já mencionados atrás. Apareciam depois os elementos da baixa nobreza, os cavaleiros, os «homens de armas» e os escudeiros10, muitos deles inseridos nas forças destes senhores, ou então directamente capitaneados por D. Pedro. Pelo menos os primeiros corresponderiam, em situação normal, à cavalaria, mas a falta de cavalos e a evolução das técnicas de guerra ocidentais levavam a que a maior parte se integrasse nas forças apeadas11. Teríamos assim um corpo de combatentes pesados a lutar preferencialmente a cavalo, mas aptos a combater a pé, bem armados e equipados, e que constituíam o suporte do exército, não pelo número, mas pela qualidade. Também a pé combatiam os mais numerosos peões, armados de modo mais ligeiro, de origem social humilde – os «populares» de Zurara. Havia ainda os importantes atiradores, sobretudo os besteiros, provenientes de meios semelhantes. Por fim, um grupo de guerreiros designados como «almogavares», que desempenhavam funções de escutas e batedores, e cuja importância era fulcral para o bom corregimento dos objectivos militares12. Rápidos e levemente armados, parece que compreendiam sobretudo «populares», mas também soldados experimentados, e por vezes escudeiros13. Neles assentava muita da capacidade para desenvolver as incursões que os portugueses viriam a fazer pelo território inimigo, bem como para prever ataques muçulmanos. D. Pedro elegeu-os como os seus grandes auxiliares, recorrendo aos seus serviços repetidamente, quer para organizar as surtidas14, quer para funcionarem como vigias na defesa15.

6É com estes recursos que D. Pedro de Meneses se prepara para desempenhar a tarefa de que foi incumbido – a defesa e manutenção de Ceuta.

4.2. Os primeiros confrontos – diagnóstico da situação

  • 16 Ibidem, Liv. I, cap. XIII, pp. 44-48.
  • 17 Ibidem, Liv. I, cap. XIII, p. 48.

7Sabe-se por Zurara que as pessoas que haviam fugido de Ceuta, devido ao assalto português, se tinham refugiado, desgostosas, em quintas, hortas e pomares – que o cronista elogia pela sua riqueza – situadas em vales próximos, esperando que os atacantes partissem da cidade, para então ali tornarem16. Não sabem, à altura, se os cristãos pretendem ou não ficar na cidade, mas estão conscientes da dificuldade destes a manterem e confiantes na sua recuperação, pois afirmam, segundo as palavras que lhes atribui Zurara: «tornar-nos-ha a posse de nossa Cidade, a qual inda que al nom fosse, he taõ longe do Regno de Portugal, que estes Christãos a naõ poderão largamente manter»17. É óbvio que o cronista constrói a narrativa de modo a elevar os feitos dos portugueses, e então amplia por vezes as dificuldades, mas a concepção de tal cogitação não era, de todo, descabida, e os muçulmanos estariam decerto esperançados numa mais do que certa reconquista de Ceuta.

  • 18 Ibidem, Liv. I, cap. XIV, pp. 49-50.
  • 19 Ibidem, Liv. I, cap. XIV, p. 50.
  • 20 Ibidem, Liv. I, cap. XIV, pp. 50-51.
  • 21 Ibidem, Liv. I, cap. XV, p. 51.
  • 22 Ibidem, Liv. I, cap. XV, p. 52.

8Quando a frota desaparece no horizonte, e a maior parte dos defensores que ficam ainda estão a trabalhar no necessário ao estabelecimento da guarnição e organização da defesa, fazem os referidos mouros, antigos habitantes da cidade, a primeira investida à praça, de um modo não organizado18. Começa aqui o relato das dificuldades de D. Pedro em controlar as tropas, pois os homens que se encontravam perto, os ansiosos profissionais das armas, «nom quiseraõ esperar licença, nem mandado do Capitaõ, mas assy como poderom tomáraõ suas armas, e mui ousadamente sahirom a elles, onde se volveo huma forte, e grande escaramuça»19. Apesar de também eles saírem desorganizadamente, o entusiasmo com que o fizeram, gerado pela recente vitória, e o facto de enfrentarem atacantes militarmente não especializados, levaram os mouros a recuar para as hortas e pomares, com os portugueses no seu encalço. D. Pedro, alertado do ataque e da saída extemporânea dos seus homens, acorre rapidamente junto destes, fazendo-os recolher à cidade, de modo a que não se embrenhem nos arvoredos e possam ser alvo de eventuais ciladas mouras20. Este receio era fundamentado, pois a estratégia dos mouros vai mesmo ser esta – atrair os portugueses para fora da cidade e conduzi-los a emboscadas21. O capitão percebe perfeitamente que não é difícil fazer com que este estratagema resulte junto dos voluntariosos cristãos, sempre prontos a partir para lutar com os mouros, mas também sabe que não pode constantemente evitar que o façam. Então «tinha assy todos avisados, que nenhum nom movia da barreira pera fóra: pero porque vio que os Fidalgos se anojavaõ de estarem assy ociosos dava-lhes alguma licença, que escaramuçassem com os Mouros, pero que se naõ alongassem da Cidade com elles, e assy o fezerom per alguns dias»22.

  • 23 Cf. Paulo Drumond Braga, ob. cit., p. 247; e António Dias Farinha, ob. cit., 1.° vol, p. 74.

9Todas as primeiras tentativas por parte dos locais têm um denominador comum que é a incapacidade de organizar um assalto com uma envergadura suficientemente grande a ponto de ser susceptível de tomar a cidade, pois são empreendidas pelos antigos habitantes de Ceuta e pelos moradores nas proximidades. E assim vão continuar até ao primeiro grande cerco de 1418, delineado pelo rei de Fez, Abu Said Uthman III, com a ajuda do rei de Granada, Muhammad VIII, a quem foi prometido pelo primeiro o senhorio da cidade23. É devido à momentânea fraqueza muçulmana que a manutenção da cidade não se tornou, como muitos tinham previsto, impraticável. Os portugueses terão mesmo algumas «liberdades» durante a maior parte do tempo. Reconhecendo essa fraqueza, e não tomando uma atitude expectante, que se esperava que fosse a linha de actuação quando o rei decidira manter a cidade e D. Pedro pretendera a nomeação como capitão, este vai tomar a iniciativa da guerra, precavendo assim que os muçulmanos das proximidades se pudessem organizar e, por conseguinte, se tornassem mais perigosos.

4.3. Disposição em defesa agressiva

4.3.1. Avanço por terra

10Devido a determinadas condições, não era fácil adoptar uma posição de ataque em relação aos muçulmanos. Ia até, em certa medida, contra as directrizes régias, se bem que o rei, como foi visto, não proibisse os ataques. Mas as principais adversidades eram de outro tipo, e prendiam-se com o facto de os portugueses não estarem preparados para o fazer. As características das tropas orientavam-nas para a defesa, como é logo perceptível pela carência de cavalos. Além disso, os portugueses desconheciam os terrenos, o que, juntamente com a falta de cavalos, diminuía em muito o raio de alcance dos ataques a desencadear, visto os homens terem de marchar, atacar o alvo e regressar à cidade antes que as ajudas muçulmanas fossem alertadas. Que o principal impedimento ao desenvolvimento dos ataques é a falta de cavalos diz-nos o próprio D. Pedro, posto a falar por Zurara num notável discurso onde propõe em conselho a estratégia que planeou, para que seja discutida pelos ilustres da cidade, e que merece ser transcrito na sua totalidade, pois resume plenamente as condições de partida e a política que D. Pedro então empreende:

  • 24 CD PM, Liv. I, cap. XV, p. 52.

«Senhores Irmãos, Parentes, e Amigos verdade he, que antre as cousas, que me EIRey principalmente encomendou assy foi, que me trabalhasse de nom sahir fora desta Cidade, se naõ por muy grande resguardo, e que ainda naõ fosse se naõ por cousa muy necessaria; porem em consirando quem vós outros sois, e a vontade, que som certo, que tendes de acreditar em vosso nome, pensei de buscar maneira pera sahirmos a estes Mouros com serviço de Deos, e d’ElRey nosso Senhor, e guardada nossa honra; e como quer que cavallos nom tinhâmos, vamos de pee, e se quer ao menos nom poderemos sahir longe da Cidade, e seja assy que todos esteis percebidos, pera quando virmos tempo, que sahiâmos por tal modo, que afastemos estes infleis da cerca destes muros, e crêo, que se nos Deos com elles dér vitoria, que os huma vez bem escarmentaremos, elles se hiráõ afastando, e nos daráõ lugar pera sahirmos per sua terra, como per nossa própria herdade; porque d’outra guisa nunca al faríamos todo o dia, se naõ estarmos com elles em rebates, e se isto bem nom parece podermoeis dizer; caa sem o vosso conselho naõ entendo fazer nenhuma cousa».24

  • 25 Cf. Ibidem, Liv. I, cap. XV, p. 52.
  • 26 Cf. Ibidem, Liv. I, cap. XVI, p. 56.
  • 27 Cf. Ibidem, Liv. I, cap. XVI, p. 56.
  • 28 Cf Ibidem, Liv. I, cap. XVIII, p. 59.
  • 29 Cf. Ibidem, Liv. I, caps. XIX, pp. 61-63 e cap. XX, pp. 63-65.
  • 30 Pelas palavras dos próprios, segundo Zurara, «nós naõ tevemos força, nem saber pera nos defender de (...)
  • 31 No mesmo discurso: «vêde como nos vem afastando pouco, e pouco da cerca da Cidade, e tomando tamanh (...)
  • 32 Cf Ibidem, Liv. I, cap. XXI, p. 69.
  • 33 Cf Ibidem, Liv. I, cap. XXI, p. 66-67.
  • 34 Ibidem, Liv. I, cap. XXI, p. 69.

11E assim fazem, uma vez que o plano de D. Pedro é bem aceite por todos. Quando os mouros vêm mais uma vez sobre a cidade, e após serem recebidos com uma barreira de flechas e virotões, saem os portugueses fora, escaramuçando com os adversários, numa proporção, segundo a crónica, de 300 para 1000, superiorizando-se por momentos a estes últimos, mas acabando por cair numa cilada. Contudo, conseguem romper o cerco em que caem e tornar à cidade em segurança. O saldo é de 35 baixas para os mouros e uma para os portugueses, e a operação, além de revelar a superioridade militar portuguesa, servirá de aviso para o perigo das ciladas25. De medo a precaverem-se das mesmas, D. Pedro fará talhar as árvores das quintas, hortas e pomares onde os mouros se refugiavam e armavam as emboscadas, derrubar os muros, torres e casas existentes aí, e cobrir os valados26. Esta terraplenagem visava facilitar a detecção à distância dos adversários, evitando assim que se aproximassem a coberto da vegetação, e punha em acção a estratégia do capitão, que passava pelo afastamento progressivo dos muçulmanos em relação à cidade. Os passos seguintes serão encomendar cavalos a Castela, pois então existiam na cidade apenas catorze27, e colocar atalaias em redor da cidade, para aumentar a distância de observação e descobrir com maior antecedência a aproximação de inimigos28. Após outras escaramuças, uma realidade quotidiana, sempre com resultados negativos para os mouros, que sofrem mais baixas e que vêem os portugueses refugiar-se na cidade sempre que se encontram em maior perigo29, começa o plano de D. Pedro a surtir efeito. Em conselho, que Zurara imagina, mas que é reflexo de uma análise coerente da realidade, falam os mouros da incapacidade de recuperar a praça, da fragilidade dos refúgios onde se encontram30, e da progressiva ousadia dos cristãos, que saem cada vez mais amiúde e a distâncias maiores, e se superiorizam a eles nos recontros militares31. Decidem então partir para as aldeias vizinhas, preparando-se para eventuais ataques portugueses e esperando a altura em que os seus senhores estejam aptos a desencadear um ataque eficaz e com possibilidades reais de recuperar a cidade32. Admitem deste modo que a aposta do rei português é a de manter Ceuta, mesmo despendendo nela muito dinheiro33, e, a terminar, um entendido mouro velho vaticinará - ou Zurara preparará os leitores para os capítulos seguintes - o que se viria a passar: «caa eu vejo, que este Capitaõ, que ElRey de Portugal aqui leixou com esta gente, que cosigo tem, nom ham de estar tras os muros como vós dizeis, antes sey bem, que ham de provar vossas forças; caa se elles ouvessem de estar tras os muros da Cidade, como vóz dizeis, nom aviam porque ter cavallos, os quaes cada dia crecem, no que parece, que quem os manda naõ dispende o dinheiro de balde»34.

  • 35 Ibidem, Liv. I, cap. XXIII, p. 73.
  • 36 Ibidem, Liv. I, cap. XXIII, p. 73.
  • 37 Ibidem, Liv. I, cap. XXIII, p. 74.
  • 38 Ibidem, Liv. I, cap. XXIII, p. 75.

12Tinha razão o mouro velho, pois a compra de cavalos indiciava nitidamente que os portugueses se preparavam para deixar de se remeter à defesa. Movimentações que iam bem de encontro ao que D. Pedro tinha proposto e fora decidido em conselho. Por um cativo35, vem a saber o capitão que os mouros se tinham retirado das cercanias e aguardavam a vinda das forças do rei de Fez em aldeias relativamente próximas, coisa que não se esperava para prestes, dadas as contingências políticas, e que abria possibilidades para passar declaradamente à ofensiva. E, novamente em conselho, como era da praxe, fala D. Pedro: «ElRey nosso Senhor nos leixou aqui para lhe guardarmos esta Cidade, mas eu crêo, que se nós além dello mais fizermos, tanto será mais seu serviço, e honra sua e nossa»36. Fazendo uma boa leitura da situação, refere o capitão que os ataques, a efectuar às aldeias vizinhas se justificavam por outros motivos. O primeiro era evitar a constante vinda de adversários sobre a cidade, bem como as posteriores escaramuças e ocasiões que pudessem conduzir os portugueses a ciladas. Depois, tentava-se aliviar um pouco o ambiente de tensão ininterrupto da guarnição mantido pela ameaça permanente e próxima. Visava-se ainda impedir que os habitantes das ditas aldeias pudessem fornecer qualquer tipo de apoio, nomeadamente ao nível do abastecimento, a exércitos que viessem de fora atacar a cidade, o que iria dilatar o tempo da presença dos últimos. Por último, pretendia-se afastar agressores das cercanias de modo a que fosse possível a criação de gado junto à cidade, tão necessário às provisões da mesma37. Decidido por vontade geral que se passasse ao ataque, aconselha-se o capitão com Gonçalo Nunes Barreto, mais velho e mais experimentado, sobre a melhor maneira de o desenvolver38.

  • 39 Ibidem, Liv. I, cap. XXII, pp. 70-72.
  • 40 Ibidem, Liv. I, cap. XXIII, pp. 76-78.
  • 41 Cf. o capítulo 3.1. deste livro.
  • 42 O interesse e o lucro retirados das cavalgadas serão analisados no capítulo 5 deste livro.
  • 43 Cf. Quadro I, onde são indicadas algumas informações sobre as cavalgadas.

13E os ataques começam, e dominam toda a narrativa de Zurara, o que revela bem que a actividade militar atingiu índices verdadeiramente elevados em Ceuta. Principiam por ser desenvolvidos através da conjugação de incursões furtivas de almogavares e de desembarques de forças por meios navais, como no caso da expedição realizada à Costa de Mouros39. Seguem-se as cavalgadas previstas sobre as aldeias circundantes, como a Vale de Laranjo, que resulta na captura de 50 mouros e na morte de 8, e na presa de 50 cabeças de gado bovino, sendo feridos apenas 5 cristãos, que virão a recuperar40. O saque é dividido então entre os que a tomaram e os que auxiliaram o regresso, na proporção de duas partes para os primeiros e uma para os últimos, ficando de antemão, como era estipulado, uma quinta parte para o capitão41. É óbvio que a vontade geral é a de participar nas cavalgadas, pois assim rentabilizava-se a estadia na praça. As expedições também convêm a D. Pedro, que tem sempre direito a uma percentagem da presa42. Outras expedições se vão suceder a esta43, muito bem descritas por Zurara, cuja obra constitui uma fonte inestimável para o conhecimento da actividade militar portuguesa no Norte de África.

  • 44 Cf. Quadro I, onde se apontam as presas das diferentes cavalgadas.
  • 45 Cf. CDPM, Liv. I, cap. XXVI, p. 88.
  • 46 Ibidem, Liv. I, cap. XXXIV, p. 111.

14Para além das razões já enunciadas, os ataques também eram uma forma, e bastante importante, de abastecer a cidade de alimentos, sobretudo gado. E são imensas as cabeças de gado capturadas nas diferentes cavalgadas44. Muitas vezes são mesmo o principal móbil para que realizem as expedições. D. Pedro, ao propor o ataque às aldeias do Vale do Castelejo, em 8 de Fevereiro de 1416, justifica-o informando que «moram hy peça de Mouros, e que trazem gado em boa cantidade»45. No ataque à Aldeia do Albegal, realizado em Junho ou Julho de 1416, observa que o lugar é uma «boa povoaçaõ de Mouros abastados de gado»46. Era natural que um dos principais alvos fosse o gado, que não colocava problemas de transporte e podia ser encaminhado de modo relativamente rápido para a cidade.

  • 47 Ibidem, Liv. I, cap. XLV, p. 152.

15Devido a esta constante agressividade, os mouros vão sendo progressivamente afastados da cidade, e por volta de Maio ou Junho de 1416, já «em todo o Bulhões, e per hy até Almaça, que saõ quatro legoas de Cepta, nom morava jaa nenhum, nem da outra parte até Alalez, que saõ outras quatro leguas»47. O capitão conseguira, em sete ou oito meses após a tomada da cidade, criar uma cintura de território despovoado num raio de 20 quilómetros, o que permitia desanuviar um pouco o ambiente de tensão e criar gado com alguma segurança, para além de exigir uma maior capacidade logística aos mouros que tencionassem atacar a cidade.

  • 48 Ibidem, Liv. I, cap. XXIII, p. 78.
  • 49 Sobre a guerra guerreada, cf. João Gouveia Monteiro, ob. cit., pp. 373-378.
  • 50 Ibidem, p. 377.

16Os combates desenvolvidos também já haviam adquirido a sua matriz preferencial - a guerra guerreada, na melhor tradição da Reconquista. Consistia esta em ataques específicos e rápidos - na «Cronica do Conde Dom Pedro de Meneses» correspondem às «cavalgadas»48 - sobre alvos previamente estudados, de amplitude variável, fosse com o objectivo de castigar o inimigo através da destruição dos campos e casas, do roubo dos gados e bens, e da sua morte ou captura; para libertar companheiros e reaver despojos; ou até mesmo para debilitar psicologicamente os adversários49. Com efeito, evitando a batalha campal, será este o método utilizado pelos portugueses para fazer a guerra no Norte de África, a pontos de João Gouveia Monteiro considerar este palco como o «verdadeiro paraíso da ‘guerra guerreada’»50.

4.3.2. Avanço por mar

  • 51 CDPM, Liv. I, cap. XIV, p. 50.
  • 52 Cf. CTC, cap. C, p. 284.
  • 53 Para o fluxo comercial Cf. Filipe Themudo Barata, ob. cit., pp. 73-85. Sobre o corso, Ibidem, pp. 2 (...)
  • 54 Ibidem, Liv. I, cap. XXXI, p. 106.
  • 55 Cf. Quadro II, onde se indicam as várias saídas por mar narradas na CDPM, algumas das quais protago (...)

17Num primeiro momento, as embarcações disponíveis na cidade não parecem ser muitas, sendo mencionadas por Zurara as já referidas duas galés deixadas pelo rei para defesa da mesma e também «alguns Navios em secco»51, aludidos aquando do primeiro assalto dos mouros. Não se sabe se as quatro galés e a galé real encontradas em Ceuta na tomada aí ficam ou se as leva o rei, mas é de crer que os acessórios achados perto, como «âncoras, cabres, treus, mastros, vergas, artimões, governalhos», tenham permanecido na praça52. Certas são as duas zavras onde, em Novembro de 1415, o capitão envia Afonso Bugalho e alguns besteiros armar uma cilada aos mouros, em lugar aparentemente próximo. É evidente que as capacidades geo-estratégicas de Ceuta seriam imperdoavelmente amputadas sem uma utilização intensiva de navios, que viam, devido à posição geográfica da cidade, o seu poderio dilatado. Era a própria praça, que permitia o controle do Estreito de Gibraltar, a exigir a sua utilização para as várias tarefas. As embarcações podiam ser utilizadas de muitos modos, fosse na defesa e patrulhamento da área marítima vizinha, no transporte de provisões para a guarnição, no transporte de tropas para alvos terrestres, ou, exercício mais comum, no corso, numa zona onde o fluxo comercial era intenso e esta prática usual53. É com vista ao corso que o conde encomendará a construção da sua primeira fusta, a «Santiago Pé-de-Prata»54, e é nesta função que ela se irá destacar55.

  • 56 CDPM, Liv. I, cap. XXXI, p. 106.
  • 57 São disso exemplos as saídas à aldeia do Albagar, em 2 de Fevereiro de 1417, feita por mar, com 5 o (...)

18No começo, contudo, não deixavam de ser poucas as embarcações, pois o plano que visava o afastamento gradual dos mouros em relação à cidade tinha aplicação não só em terra como também no mar, onde, para garantir uma maior dimensão e amplitude das operações militares, eram necessários, à imagem dos cavalos para a guerra em terra, navios. Disso tem D. Pedro total consciência, pois «consirou, que nom soomente lhe convinha ter bons cavallos, pera se ajudar dos imigos da terra; mas ainda Navios pera sojugar aquella parte do maar, que lhe era vizinha»56. Resultava que, se o ermamento provocado pela actividade militar afastava os mouros dos muros da praça, e com estes as suas agressões, distanciava ao mesmo tempo os alvos para as cavalgadas. Uma maior distância a percorrer para efectuar estes assaltos traduzia-se num maior perigo pois alargava a área e o tempo em que se expunham, diminuindo a capacidade de ajuda vinda da cidade e aumentando, por sua vez, a possibilidade de resposta inimiga. Para limitar as dificuldades que um maior afastamento pressupunha, começam os ataques a dirigir-se às povoações próximas da costa, empregando meios navais para desembarcar tropas pedestres, muitas vezes em conjunto com a cavalaria, cuja resistência e rapidez lhe permitiam percorrer por terra o percurso definido57.

  • 58 Ibidem, Liv. I, cap. XLI, pp. 140-141.
  • 59 Ibidem, Liv. I, cap. XLII, p. 143.

19Começam então a ser encomendados barcos, tal como D. Pedro fez, ou, modo mais económico de os obter, capturam-se e reutilizam-se. Em Maio de 1416, D. Pedro envia uma frota já com uma relativa envergadura em perseguição de duas fustas mouras que haviam capturado alguns portugueses: um bragantim seu, comandado por Diogo Vasques de Portocarreiro; outro bragantim também seu, capitaneado por Mosem João de Sala Nova e Martim da Veiga; duas fustas de João Pereira «Agostinho»; uma fusta de Mosem Martim de Pomar; e quatro barças pequenas com besteiros58. Nove embarcações que acabam por recuperar alguns dos apresados e por tomar as ditas fustas mouras, trazendo-as para a cidade onde o capitão as mandou armar, pois «consirou que naõ era bem, que ali estevessem ouciosas»59.

  • 60 Filipe Themudo Barata aponta-o como «uma das grandes fontes de rendimento da época». Cf. ob. cit., (...)

20A elaboração de expedições, sobretudo de corso, fazia-se, se necessário, através da associação de embarcações de vários proprietários, e, se no caso referido acima se apontam indivíduos que se mantêm por longo tempo em Ceuta, e que participam nelas regularmente, também é certo que há circunstâncias em que, unicamente para ingressar em uma ou duas delas, vêm de fora barcos armados. O exercício do corso parece atingir, a determinada altura, um nível frenético, dedicando-se a ele muita gente, e, pela frequência e energia com que o fazem, com bastantes lucros60.

  • 61 Capitão de embarcação.
  • 62 Cf. CDPM, Liv. I, cap. LVIII, pp. 196-198.
  • 63 Designação retirada do nome da dinastia – Banu-Marim – que dominava a região. Cf A. H. de Oliveira (...)

21Quando, em Julho de 1417, e com preciosas indicações de um comitre61 do rei de Castela, D. Pedro envia uma frota composta por quatro embarcações suas - uma galeota, cujo sota-patrão era Afonso Martins Caiado; e três bragantins, sob o comando de Diogo Vasques de Portocarreiro - e por três barcos de outros - capitaneadas por João Barroso, Álvaro Pires e Lourenço Eanes de Pádua, que não seriam os seus donos - com o objectivo de saquear e destruir Larache62, na costa atlântica do Reino de Benamarim63, missão que acaba por ser bem sucedida, a capacidade de agressão que Ceuta representava atingia um expoente demasiado elevado, difícil de ser tolerado pelos reis muçulmanos.

4.4. Controle das gentes

  • 64 Relata Zurara acerca do castigo dado pela desobediência dos homens:«E certamente que o Conde se ouv (...)

22Neste período de ataques, que corresponde aos primeiros tempos da ocupação da cidade, o controle das gentes de armas, sobretudo os nobres, como foi mencionado, não é fácil. O seu grande objectivo é sair a fazer cavalgadas, em busca de saques, largando às vezes de forma impetuosa, e descuidando a sua segurança e a segurança da cidade. Existem mesmo vários relatos sobre desobediências claras às ordens do capitão. Por volta de Abril ou Maio de 1416, na cavalgada a Almaça e a Agua de Ramel, alguns fidalgos e homens dos infantes, que não tinham sido destacados para a expedição, decidem, apesar disso, sair e deixar desprotegida uma porta que tinham à sua guarda. O ataque não resulta tão bem como o previsto, pois estes inesperados reforços vêm a estorvá-lo. Por serem homens dos infantes, ou por não pretender criar desaguisados internos, não os castiga D. Pedro de modo severo, e nem o rei o fará mais tarde, pois o capitão atenuara a extensão da infracção em cartas64. D. Pedro não tem ainda uma dimensão política que lhe permita entrar em eventuais desavenças com os infantes; por isso, trata, à partida, de afastar qualquer possibilidade de tal acontecer através dos dependentes destes.

  • 65 Ibidem, Liv. I, cap. LX, pp. 207-208.
  • 66 Ibidem, Liv. I, cap. LX, p. 209.
  • 67 Ibidem, Liv. I, cap. LX, p. 209.
  • 68 Política que D. Pedro segue: «assy como lhes o Conde sabia bem galardoar seu serviço, assy lhe dava (...)

23Numa outra ocasião, por volta de Julho de 1417, e estando o capitão fora da cidade, alguns fidalgos, aparentemente liderados por Álvaro Mendes Cerveira, pelo seu irmão Rui Mendes Cerveira e por João Pereira Agostinho, organizam à revelia uma saída ao Vale de Negrão. São advertidos por um escudeiro de D. Pedro, de nome Vaz, que lhes recorda a ausência de autorização do capitão para a levarem a cabo, e as inconveniências daí advindas: «Como quereis vós isso fazer (...) se vos nom trazeis licença pera ello: jaa sabeis quem o Conde he, e quanto cuidado tem na guarda desta Cidade, e quanto lhe convem de o fazer assy; e se vós que sois os principaes Fidalgos, que aqui estais, quizerdes fazer começo na desobediencia, que exemplo ficará aos outros»65. Momentaneamente renitentes, acabam mesmo por fazer a dita cavalgada, regressando já de noite, tendo à sua espera, para os repreender e a mando do capitão, Gonçalo Nunes Barreto66. Fá-lo-á o próprio D. Pedro no dia seguinte, com maior rigor e dureza, «caa o Conde era homem grave, e de grande autoridade, e soube-lho dizer per taes palavras, que sem injuria lhes ficou em castigo, pera nunca outra talfazerem»67. Note-se que são pessoas destacadas a tomar estas atitudes, e que D. Pedro, apesar de deter formalmente todo o largo poder que tem, não consegue refrear o ímpeto dos nobres, nem pode entrar em conflito com eles, o que prejudicaria a sua capacidade de governar a cidade, pois não possui, pelo menos à altura, o poder e autoridade efectivos para tal. É que a sua posição, sem o já referido peso político, não lhe permite a ousadia de criar atritos tão longe da corte, onde o rei poderia ser o seu amparo institucional, uma vez que são as directrizes do rei – juntamente com o bom senso e a ponderação –, que obrigam a que ele tenha de suster a agitação guerreira dos fidalgos. Desta forma, e se o castigo não pode ser pesado, a melhor opção talvez seja galardoar aqueles que o bem servem. O que pode levar a um círculo vicioso: beneficiando os bons servidores com a participação nas cavalgadas e com a consequente distribuição do saque, e, ao mesmo tempo, desfavorecendo os desobedientes68, sobe o descontentamento destes últimos, o que não favorece em nada o seu controlo. É difícil gerir o equilíbrio.

  • 69 Cf. Ibidem, Liv. I, cap. LIII, pp. 177-178.

24Muitas vezes, e devido à sua negligência, directamente ligada ao não acatamento das ordens do capitão, que passam por um desempenho das funções responsável e cauteloso, os homens colocam-se em situações perigosas que poderiam perfeitamente ser evitadas. Não observando as indicações de D. Pedro para não se distanciar em demasia da cidade, em Julho de 1417, sai Álvaro Afonso de Negrelos com um grupo de homens, uns a cavalo e outros numa barca, a colher feno, quando são atacados por mouros. Ainda acode D. Pedro mas Álvaro Afonso acaba por ser morto69.

  • 70 Ibidem, Liv. I, cap. XXIV, p. 79.
  • 71 Ibidem, Liv. I, cap. XXIV, pp. 80-81.
  • 72 Ibidem, Liv. I, cap. XXIV, p. 83.

25Outro problema na cidade era o da relação entre os fidalgos e os mais modestos nobres e homens de armas. Pelas palavras de Álvaro Guisado, escudeiro da Casa do Infante D. Henrique, percebemos o descontentamento destes últimos, que se consideram prejudicados em relação aos primeiros, pois têm o principal trabalho e sofrem os principais riscos nas cavalgadas, espiando e combatendo, enquanto que os outros arrecadam o saque e o galardão70. Decidem então alguns escudeiros e almogavares organizar uma expedição à revelia dos fidalgos, e, aparentemente, até de D. Pedro, dizendo a este que saíam a colocar espias, quando na verdade se dirigiam, em número aproximado de cem, para o Vale de Bulhões, onde acabariam por assaltar as aldeias71. Se D. Pedro não conhece os objectivos da saída, certo é que socorre, célere, os expedicionários, não havendo notícia de os castigar, ou de os repreender. Bem pelo contrário, «recolheo sua gente, e tornou-se pera a Cidade dando louvores a Deos»72. Parece que as suas relações com as camadas mais baixas da nobreza eram menos problemáticas, talvez porque a sua autoridade fosse, junto destes, mais eficaz.

  • 73 Cf. Quadro II, onde se enumeram as várias expedições marítimas relatadas na CDPM.

26As saídas por mar, ao contrário das saídas por terra, parecem não ser restringidas pelo capitão, já que nunca se refere a elas apontando as mesmas cautelas e advertências que indica a quem sai nestas últimas, além de que grande parte dos nobres tem barcos seus, que andam permanentemente em actividade73.

  • 74 Ibidem, Liv. II, cap. XXV, p. 368.
  • 75 Ibidem, Liv. II, cap. XXV, p. 368.

27Se nestas ocasiões D. Pedro acorre rapidamente aos incautos aflitos que desrespeitam as suas ordens, mais tarde, por volta de 1430, já com uma outra dimensão política, a situação era diferente. Numa vinda de mouros à cidade, manda o capitão, agora conde de Vila Real, que nenhum homem saísse a eles. Apesar disso, decidem Rui Mendes e João Pereira, com outros, num total de quinze a cavalo, ir escaramuçar com os adversários. Rui Mendes é morto e os outros encontram-se numa situação bastante perigosa. Quando D. Fernando de Noronha e D. Duarte de Meneses lhe pedem que socorra os indisciplinados, recusa-se, dizendo: «Leixai (...) meu Compadre Joham Pereira, e veremos como os tira donde os meteo»74. Antes de os socorrer, coisa que, apesar de tudo, faz, ainda fala «que os leixassem morrer, sequer per castigo do que se ao diante podia acontecer75». Já se podia dar a outras liberdades e trato com os homens da cidade, mas então tinha sido titulado e fizera de Ceuta uma inexpugnável máquina de guerra, um marco da coroa portuguesa em Benamarim. Ao mesmo tempo, e para si, fizera de Ceuta um eficaz instrumento de obtenção de poder. Poder político e económico, que o tornavam um dos vultos da nobreza portuguesa de então.

Notes

1 Cf. João Gouveia Monteiro, A Guerra em Portugal nos finais da Idade Média, s.l., Ed. Notícias, 1998, p. 337 et passim.

2 Ibidem, p. 339. Sobre os vários aspectos relacionados com os cercos cf. pp. 337-373.

3 Sobre algumas vindas de mouros sobre a cidade, anteriores aos grandes cercos, escreve Zurara: «os contrários recebiam danno das beestas de cima dos muros», CDPM, Liv. I, cap. XV, p. 53; «os nossos tinhaõ suas beestas aparelhadas, de guisa que do primeiro tiro ferirom delles muitos; e quando os Mouros viraõ tal recebimento, afastaraõ-se afóra», Ibidem, Liv. I, cap. XXIV, p. 83; «assy como chegáraõ de golpe, assy deceraõ muitas setas sobr’elles, de cujas chagas alguns corpos ficáraõ sem almas, e outros forom feridos, (...) onde lhe os trõos fezeraõ grande depno; caa matáraõ muitos delles, e outros desmembrárom», Ibidem, Liv. I, cap. XXXV, p. 117; vcom muy grande alarido comeáraõ de correr contra os muros; mas os trõos, e as beestas fezeraõ em elles tal dapno, que chorando tornáraõ atras» Ibidem, Liv. I, cap. XXXV, p. 120.

4 Ibidem, Liv. I, cap. IX, p. 36. Na CTC, cap. C, p. 284, também são mencionadas as coisas deixadas pelo rei: «armaria, assim armas do corpo como bestas e armazém».

5 Ibidem, cap. C, p. 284.

6 São apresentados por Filipe Themudo Barata números verdadeiramente impressionantes de importações de armas, em Valência e Barcelona, para o ano de 1416, com destino a Ceuta. Cf. Navegação, Comércio e Relações Políticas: Os Portugueses no Mediterrâneo Ocidental (1385-1466), Lisboa, FCG-JNICT, [d.l. 1998], pp. 136 et passim, e 469.

7 Não nos esqueçamos que o bem sucedido assalto português, apesar dos receios de alguns, utilizou esta estratégia. Cf CTC, cap. LXIV, pp. 208-209.

8 CDPM, Liv. I, cap. XXXI, p. 106.

9 Ibidem, Liv. I, cap. XV, p. 53.

10 Muitas vezes as três definições mencionadas podem aplicar-se aos mesmos indivíduos. Como João Gouveia Monteiro bem observa, é necessário conceber a nobreza (sobretudo a baixa nobreza) que participa na guerra com flexibilidade de conceitos, dada a falta de precisão do vocabulário social utilizado pelos cronistas. Cf. ob. cit., p. 32 et passim.

11 João Gouveia Monteiro nota que entre 1300 e 1450 existe na Europa Ocidental uma fase de importantes inovações no respeitante a tácticas militares, que colocaram em causa a, até aí, habitual superioridade da cavalaria pesada, e que passava sobretudo pela articulação de atiradores e cavalaria pesada em combate a pé, numa disposição defensiva. Cf. ibidem, pp. 278-290.

12 Cf. Ibidem, pp. 237-244.

13 Cf. CDPM, Liv. I, cap. XXII, p. 71; cap. XXIII, p. 73; cap. XXIV, pp. 79-81; cap. XXXIV, p. 112.

14 Os almogavares participam em praticamente todas as expedições da cidade, espiando e analisando o terreno antes de se desencadear o ataque. Sem apontar todos os casos, apenas aqueles onde o seu papel é mais relevante nestes ataques, cf. CDPM, Liv. I, cap. XIX, p. 63; cap. XXII, p. 71; cap. XXIII, p. 73; cap. XXIV, pp. 79-81; cap. XXV, pp. 84-86; cap. XXVI, p. 87; cap. XXXIV, p. 112; cap. XXXVII, pp. 123-124; cap. XXXVIII, pp. 126-127; cap. XXXIX, pp. 130-132; LII, pp. 175-176.

15 Aquando do cerco de 1418, os almogavares dormem junto à barreira da cidade, como escutas. Cf. Ibidem, Liv. I, cap. LXIV, p. 220.

16 Ibidem, Liv. I, cap. XIII, pp. 44-48.

17 Ibidem, Liv. I, cap. XIII, p. 48.

18 Ibidem, Liv. I, cap. XIV, pp. 49-50.

19 Ibidem, Liv. I, cap. XIV, p. 50.

20 Ibidem, Liv. I, cap. XIV, pp. 50-51.

21 Ibidem, Liv. I, cap. XV, p. 51.

22 Ibidem, Liv. I, cap. XV, p. 52.

23 Cf. Paulo Drumond Braga, ob. cit., p. 247; e António Dias Farinha, ob. cit., 1.° vol, p. 74.

24 CD PM, Liv. I, cap. XV, p. 52.

25 Cf. Ibidem, Liv. I, cap. XV, p. 52.

26 Cf. Ibidem, Liv. I, cap. XVI, p. 56.

27 Cf. Ibidem, Liv. I, cap. XVI, p. 56.

28 Cf Ibidem, Liv. I, cap. XVIII, p. 59.

29 Cf. Ibidem, Liv. I, caps. XIX, pp. 61-63 e cap. XX, pp. 63-65.

30 Pelas palavras dos próprios, segundo Zurara, «nós naõ tevemos força, nem saber pera nos defender dentro daqueles muros, e telloemos agora para empecer a nossos contrarios em humas fracas cazas antre huns poucos d’arvoredos, onde nos viráõ huma noite queimar como coelhos em estebal», Ibidem, Liv. I, cap. XXI, p. 67.

31 No mesmo discurso: «vêde como nos vem afastando pouco, e pouco da cerca da Cidade, e tomando tamanho ousio como vêdes, que dez, ou doze delles correm após cento de nós outros», Ibidem, Liv. I, cap. XXI, p. 67. Não será de estranhar a vantagem militar portuguesa, apesar dos números apontarem, à partida, para uma posição de inferioridade. Acontece que os portugueses, quase todos com o ofício das armas e muitos deles experimentados na guerra, seja contra Castela, seja como participantes na Guerra dos Cem Anos, tinham como oponentes alguns guerreiros, comandados por Abu, senhor de Marraquexe, mas a maioria eram antigos habitantes da cidade, que tinham por necessidade pegado em armas.

32 Cf Ibidem, Liv. I, cap. XXI, p. 69.

33 Cf Ibidem, Liv. I, cap. XXI, p. 66-67.

34 Ibidem, Liv. I, cap. XXI, p. 69.

35 Ibidem, Liv. I, cap. XXIII, p. 73.

36 Ibidem, Liv. I, cap. XXIII, p. 73.

37 Ibidem, Liv. I, cap. XXIII, p. 74.

38 Ibidem, Liv. I, cap. XXIII, p. 75.

39 Ibidem, Liv. I, cap. XXII, pp. 70-72.

40 Ibidem, Liv. I, cap. XXIII, pp. 76-78.

41 Cf. o capítulo 3.1. deste livro.

42 O interesse e o lucro retirados das cavalgadas serão analisados no capítulo 5 deste livro.

43 Cf. Quadro I, onde são indicadas algumas informações sobre as cavalgadas.

44 Cf. Quadro I, onde se apontam as presas das diferentes cavalgadas.

45 Cf. CDPM, Liv. I, cap. XXVI, p. 88.

46 Ibidem, Liv. I, cap. XXXIV, p. 111.

47 Ibidem, Liv. I, cap. XLV, p. 152.

48 Ibidem, Liv. I, cap. XXIII, p. 78.

49 Sobre a guerra guerreada, cf. João Gouveia Monteiro, ob. cit., pp. 373-378.

50 Ibidem, p. 377.

51 CDPM, Liv. I, cap. XIV, p. 50.

52 Cf. CTC, cap. C, p. 284.

53 Para o fluxo comercial Cf. Filipe Themudo Barata, ob. cit., pp. 73-85. Sobre o corso, Ibidem, pp. 279-327; e Luís Adão da Fonseca, Navegacion e Corso en el Mediterraneo Occidental. Los Portugueses a mediados del siglo XV, Pamplona, Ed. Universidad de Navarra, 1978.

54 Ibidem, Liv. I, cap. XXXI, p. 106.

55 Cf. Quadro II, onde se indicam as várias saídas por mar narradas na CDPM, algumas das quais protagonizadas por esta fusta.

56 CDPM, Liv. I, cap. XXXI, p. 106.

57 São disso exemplos as saídas à aldeia do Albagar, em 2 de Fevereiro de 1417, feita por mar, com 5 ou 6 barças a transportar entre 50 a 60 homens e por terra, com 50 homens a cavalo (Cf Ibidem, Liv. I, cap. LI, pp. 169-173).; e ao Vale de Almarça, em 26 de Junho do mesmo ano, feita por mar, com 100 homens, e por terra, com 200 homens, nesta vez incluindo besteiros (Cf Ibidem, Liv. I, cap. LVI, pp. 187-191). Para a composição das expedições vide Quadro I em anexo.

58 Ibidem, Liv. I, cap. XLI, pp. 140-141.

59 Ibidem, Liv. I, cap. XLII, p. 143.

60 Filipe Themudo Barata aponta-o como «uma das grandes fontes de rendimento da época». Cf. ob. cit., p. 319.

61 Capitão de embarcação.

62 Cf. CDPM, Liv. I, cap. LVIII, pp. 196-198.

63 Designação retirada do nome da dinastia – Banu-Marim – que dominava a região. Cf A. H. de Oliveira Marques, «A Expansão no Atlântico» in A Expansão Quatrocentista, coord. por A. H. de Oliveira Marques, vol. II da Nova História da Expansão Portuguesa, dir. de Joel Serrão e A. H. de Oliveira Marques, Lisboa, Estampa, 1998, pp.9-233, nomeadamente na p. 23.

64 Relata Zurara acerca do castigo dado pela desobediência dos homens:«E certamente que o Conde se ouve fracamente no castigo daquelle feito principalmente por serem dos Infantes, temendo-se que chegando com o castigo até hu devia, que como elles fossem mancebos, posto que virtuosos e bons fossem, que os poderia cegar a afeiçaõ, e que encorreria em sanha de todos, ou dalgum delles, o que lhe ao diante podia trazer dapno; (...) este atrevimento reprehendeo depois ElRey com mostrança de grande sanha, no qual procedera com áspera justiça, se o Conde nom mingoára per suas Cartas nas circumstancias do erro.». CDPM, Liv. I, cap. XXXVII, pp. 124-125. A questão das cartas enviadas ao rei é interessante, e parece revelar, pelos vários exemplos de missivas remetidas por D. Pedro dados por Zurara, seja para requerer algo ou para recomendar determinados indivíduos, a jeito de relatório, uma relação de bastante conivência entre ambos, no tocante à administração da praça.

65 Ibidem, Liv. I, cap. LX, pp. 207-208.

66 Ibidem, Liv. I, cap. LX, p. 209.

67 Ibidem, Liv. I, cap. LX, p. 209.

68 Política que D. Pedro segue: «assy como lhes o Conde sabia bem galardoar seu serviço, assy lhe dava castigo sobre as cousas, que faziam erradas». Ibidem, Liv. I, cap. XXVI, p. 88.

69 Cf. Ibidem, Liv. I, cap. LIII, pp. 177-178.

70 Ibidem, Liv. I, cap. XXIV, p. 79.

71 Ibidem, Liv. I, cap. XXIV, pp. 80-81.

72 Ibidem, Liv. I, cap. XXIV, p. 83.

73 Cf. Quadro II, onde se enumeram as várias expedições marítimas relatadas na CDPM.

74 Ibidem, Liv. II, cap. XXV, p. 368.

75 Ibidem, Liv. II, cap. XXV, p. 368.

© Publicações do Cidehus, 2004

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr