Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

D. Pedro de Meneses e a construção da Casa de Vila Real (1415-1437)

 | 
Nuno Silva Campos

1. Origens familiares — os Teles de Meneses

Texte intégral

  • 1 Cf. CTC, caps. XCVII-XCIX, pp. 277-281; CDPM, cap. IV, pp. 20-25. Quando, ao longo do texto, surgir (...)
  • 2 Cf. CDPM, liv. I, cap. X, p.38.
  • 3 Ibidem, cap. V, pp. 25-27.
  • 4 Ibidem, cap. V, p. 26.
  • 5 Ibidem, cap. V, p. 27.
  • 6 Ibidem, cap. V, pp. 22-28.
  • 7 Ibidem, cap. VII, pp. 31-32.

1Quando, após a conquista de Ceuta, D. João I reúne o seu conselho e decide manter a cidade1, há a clara noção de que a tarefa não se tinha por fácil. De facto, a natureza geográfica de Ceuta fazia adivinhar que quem ficasse a tomar conta desta detinha um cargo cuja essência pouco tinha a ver com a do tradicional fronteiro, e cujo perigo era real e permanente. Quem ficava antevia muito trabalho, pouca ou nenhuma glória, e a promessa de uma morte aparentemente certa, sempre presente e próxima, «caa se viam nas partes d’Africa, de huma parte cercados do maar, e da outra dos imigos»2. Não é portanto de estranhar que quando D. João e conselheiros discutem quem ficará a reger a cidade e sugerem nomes, os indivíduos propostos vão, educadamente, recusando o cargo, apresentando motivos que não lhes permitem aceitá-lo3. Primeiro, o condestável Nuno Alvares Pereira, e depois o marechal Gonçalo Vasques Coutinho, escolhas óbvias, visto o carácter militar dos seus cargos, argumentam a idade avançada4. A terceira escolha, Martim Afonso de Melo, avança com a ligeira indisponibilidade dos seus homens para também declinar o convite5. É fácil imaginar o rei, no mínimo, incomodado, quando, através da intercessão do Infante D. Duarte, de D. Lopo Dias de Sousa, Mestre de Cristo e de D. Álvaro Gonçalves Camelo, Prior do Hospital, D. Pedro de Meneses se disponibiliza para o cargo6. E a verdade é que o rei, por falta de opções, pelas recomendações dos três, ou por reconhecer capacidades em D. Pedro, o aceita e nomeia como capitão e regedor da cidade7. Revelar-se-ia uma boa escolha.

2Possivelmente, se a crise de 1383-85 não tivesse ocorrido, D. Pedro poderia ter sido um dos nomes aventados pelo rei, e, eventualmente, também iria recusar. Isto porque o estatuto socio-político da sua família antes da referida crise era, de certo modo, semelhante ao dos três nomes nomeados pelo rei. Contudo, em 1415, a situação era muito diferente e, aos olhos de D. Pedro, Ceuta representaria tanto de risco como de oportunidade.

  • 8 Sobre os antepassados de D. Pedro e a sua ascensão socio-política, cf. BSS, vol. I, pp. 103-138; Cr (...)
  • 9 Cf. Mafalda Soares da Cunha, ob. cit., p. 222.

3D. Pedro de Meneses é descendente legítimo dos Teles de Meneses, família de origem castelhana cujos membros, paulatinamente e durante os reinados de D. Afonso IV, D. Pedro e D. Fernando, se vão aproximando dos altos círculos políticos e sociais, ocupando mesmo um lugar de destaque no último destes reinados, dentro do panorama nacional das famílias nobres8. A determinada altura, dos seis nobres titulados existentes durante a governação de D. Fernando, quatro eram da família, a que não era alheio o facto de a rainha, D. Leonor, ser uma Teles9.

  • 10 Cf. Arvore Genealógica 1.
  • 11 Cf. BSS, vol. I, p. 104.
  • 12 Cf. BSS, vol. I, p. 105; e LL, p. 99.
  • 13 Curioso é o facto dos Teles que encontramos em Portugal, incluindo D. Pedro, terem adoptado, após a (...)
  • 14 Cf BSS, vol. I, p. 105-106; e LL, p. 99. Da descendência deste último saliente-se D. Maria de Molin (...)
  • 15 Cf LL, pp. 99-100.
  • 16 Cf. BSS, vol. I, p. 106.
  • 17 Cf Ibidem, p. 106.
  • 18 Cf Ibidem, p. 106, e LL, p. 101.
  • 19 Cf BSS, vol. I, p. 106.
  • 20 Cf. Ibidem, p. 107. Braancamp Freire aponta os 5.os senhores de Albuquerque como progenitores da fa (...)
  • 21 Cf. Ibidem, p. 108.
  • 22 Cf. Ibidem, p. 108. Também aparece com o nome de «Afonso Telo de Meneses» em Cristóvão Alão de Mora (...)
  • 23 Cf. Cristóvão Alão de Morais, ob. cit., p. 371.

4As origens da linhagem10 são perfeitamente identificáveis desde D. Telo Peres, 1° senhor de Meneses, que adquire mediante troca11, e de onde advém o nome da família. Este Telo Peres teve como primogénito D. Afonso Teles, que lhe sucede no senhorio de Meneses e funda o castelo de Albuquerque, por volta de 121812. Por duas vezes casa este último, separando as duas casas, Meneses e Albuquerque, em filhos dos dois casamentos13. Tem por primeira esposa D. Teresa Rodrigues Girão, da qual tem, além de filhas, D. Telo Afonso de Meneses, sem descendência; e D. Telo Afonso de Córdova, a quem é passado o senhorio dos Meneses14. O fundador de Albuquerque casará uma segunda vez, antes de 1220, com D. Teresa Sanches, filha bastarda de D. Sancho I de Portugal, tendo por filhos D. Martim Afonso Telo, D. João Afonso Teles e D. Afonso Teles Tição15. Com o primogénito a não deixar descendência, coube a D. João Afonso herdar o senhorio de Albuquerque. Será, durante alguns anos, alferes-mor de seu primo, D. Afonso III, um cargo que os Teles de Meneses vão detendo sucessivamente, com apenas algumas interrupções. Contudo, se o casamento com uma filha do rei português aproximou à corte portuguesa a família, esta, mais precisamente este ramo, não se estabelece definitivamente em Portugal e após 1255, vemos o 2° senhor de Albuquerque na corte de Afonso X16. O 3° senhor de Albuquerque será o seu filho primogénito, D. Rodrigo Anes, rico-homem de Castela, e do seu casamento com D. Teresa Martins, filha do valido de D. Sancho II, D. Martim Gil de Soverosa, nascerá o primeiro conde de «forma moderna» em Portugal, segundo Anselmo Braancamp Freire – D. João Afonso Telo, rico-homem de Castela e depois de Portugal, 4° senhor de Albuquerque, e feito conde de Barcelos em 1298 por D. Dinis17. Este nobre rebelara-se contra D. Sancho IV de Castela, seu sogro, pois casara com uma sua filha ilegítima, D. Teresa Sanches18, e vem para Portugal, declarando-se vassalo de D. Dinis, onde já se encontra em 125919. Pelos seus serviços vai o rei recompensá lo, investindo-o, como foi referido, com o título de «Conde», recebendo associado o senhorio de Barcelos. A ligação ao monarca vai-se consolidar ainda através do casamento das suas duas filhas: uma, D. Violante Sanches, casará com o alferes-mor do reino, D. Martim Gil, que em 1304 será feito 2.° conde de Barcelos; a outra, D. Teresa Martins, terá como esposo o mordomo-mor e filho ilegítimo de D. Dinis, D. Afonso Sanches, recaindo neste casal o senhorio de Albuquerque, do qual são os 5.os senhores, e recebendo outras terras, entre as quais Vila do Conde, onde erigem um mosteiro20. Contudo, este ramo da família – dos descendentes de D. Rodrigo Anes –, aparentemente bem situado, perderá influência junto da corte, sendo através dos descendentes do outro filho de D. João Afonso Teles, D. Gonçalo Anes Raposo, que a linhagem vai atingir o ponto máximo de poder político e social no reino. Este D. Gonçalo, rico-homem de Castela, parece não ter vindo para Portugal21. O seu filho D. Afonso Martins Telo, contudo, estabelece-se neste reino, vindo a ser alcaide de Marvão22. Nos conflitos que opõem o príncipe herdeiro a D. Dinis, D. Afonso vai apoiar o primeiro, integrando assim o partido vencedor e aproximando-se da coroa, sendo mesmo apontado como o favorito de D. Afonso IV23.

  • 24 Para o este conflito, cf. José Mattoso, «A Guerra Civil de 1319-1324», in Portugal Medieval. Novas (...)
  • 25 Cf. Ibidem, p. 298.
  • 26 Cf. Ibidem, p. 298.
  • 27 Cf. Ibidem.
  • 28 Cf. Ibidem, p. 298.

5A ascensão dos descendentes de D. Gonçalo Anes Raposo e o movimento oposto dos herdeiros de D. Rodrigo Anes parece, de certa forma, explicar-se como resultado da guerra civil referida24. O primeiro grupo, através do alcaide de Marvão, surge como apoiante dos vencedores e vê o seu prestígio e poder aumentado. Com os genros de D. João Afonso Telo a situação é inversa, e negativa para os dois, não obstante apoiarem campos diferentes25. D. Martim Gil, além de alferes-mor do reino era também mordomo-mor e aio do infante26, e vira o condado de Barcelos passar do seu sogro para si. Contudo, a maior parte da riqueza do conde havia-a herdado Afonso Sanches, nomeadamente o senhorio e o castelo de Albuquerque, como foi referido. É certo que existe entre os dois uma relação de rivalidade, sendo que o primeiro se queixa das ofensas do bastardo régio, com o qual entra em conflito aberto o futuro rei27. O posicionamento de Martim Gil, para além das suas ligações institucionais, aproximava-o do infante legítimo, e devido a isso acabará por sair para Castela, de onde não regressará, mesmo com a vitória do infante D. Afonso. Afonso Sanches será o principal derrotado da guerra civil28. Da família emergirá, como foi dito atrás, D. Afonso Martins Telo, privado de D. Afonso IV.

  • 29 Cf. Rita Costa Gomes, ob. cit., p. 66.
  • 30 Cf. Ibidem, p. 66.
  • 31 Cf. Ibidem, p. 66.
  • 32 Cf. BSS, vol. III, p. 243.
  • 33 Crónica do Senhor Rei Dom Pedro Oitavo Rei Destes Regnos, intr. Damião Peres, 2.a ed., Porto, Livra (...)
  • 34 Cf. Ibidem, pp. 125-127.
  • 35 Cf. Ibidem, pp. 129-134; e Salvador Dias Arnaut, ob. cit., p. 74.

6A proximidade com a coroa vai extremar-se ainda mais nas pessoas do rei D. Pedro e de D. João Afonso Telo, filho secundogénito de D. Afonso Martins Telo e avô do primeiro capitão de Ceuta. Este nobre adquire um peso junto do monarca que se inicia antes mesmo da subida deste ao trono, por volta dos anos cinquenta29, e que ainda não tinha sido atingido por nenhum elemento da linhagem anteriormente. O seu casamento com D. Guiomar Lopes Pacheco, filha de Lopo Fernandes Pacheco, grande magnate da corte de D. Afonso IV, é outro dos suportes que cimentam a sua situação de grande do reino30. Na corte de D. Pedro alcançará os cargos de alferes-mor e mordomo-mor31, vindo este rei a titulá-lo conde de Barcelos, o 4°, no dia 10 de Outubro de 135732, em festas que Fernão Lopes tornou célebres. Segundo o cronista, «hordenou elRei de fazer conde e armar cavalleiro Joham Affonso Tello, irmaão de Martim Affonso Tello, e fezlhe a moor homrra em sua festa, que ataa quel tempo fora vista que Rei nenhuum fezesse a semelhante pessoa»33. Festas até àquele tempo nunca vistas. A julgar pela imagem que o cronista nos vai construindo ao longo da obra, de um rei até àquele tempo nunca visto. Certo é que o Conde não trai a confiança do soberano a quem tanto deve e, mais tarde, vai testemunhar as declarações deste acerca da consumação do seu casamento com D. Inês de Castro, em Cantanhede34, e dirigir o interrogatório junto das testemunhas deste matrimónio, com vista a provar a realização do mesmo35.

  • 36 Cf. BSS, vol. I, p. 117.
  • 37 Cf. A. H. de Oliveira Marques, Portugal na Crise dos séculos XIV e XV, Lisboa, Ed. Presença, 1986, (...)
  • 38 Crónica do Senhor Rei Dom Fernando Nono Rei Destes Regnos, intr. Salvador Dias Arnaut, Porto, Livra (...)
  • 39 Ibidem, cap. XLIX, pp. 131. Uma passagem idêntica é patente no cap. XLVII, p. 128.
  • 40 Cf. Salvador Dias Arnaut, ob. cit., p. 15.
  • 41 Cf. Ibidem, pp. 9-14.
  • 42 Cf. Ibidem, pp. 11-12.
  • 43 Cf. BSS, vol. I, pp. 108 e 110.
  • 44 Cf. Ibidem, p. 108.

7A sua posição junto da corte não enfraquece com o reinado de D. Fernando, muito pelo contrário. Com a subida ao poder do novo monarca, D. João Afonso Telo vê o seu património aumentar devido a várias doações régias36. Continua a desempenhar um papel importante como homem de confiança e conselheiro do rei, detendo sobre este muita influência37. Fernão Lopes escreve, a dada altura da sua crónica, que «O Formoso» «se poinha em poder e comsselho do comde Dom Johan Affonso Tello, e doutros»38, e que «Este comde Dom Johan Affonso (...) era estomçe o moor privado que (sic) elRei Dom Fernamdo, e de que moores cousas fiava por sua discriçom e saieza»39. O seu estatuto junto do rei é decerto fundamental para o casamento do monarca com a sua sobrinha, D. Leonor Teles40. Este matrimónio, realizado em 137141, e que fazia com que D. Fernando não cumprisse uma das cláusulas do Tratado de Alcoutim, a que assentava o seu casamento com D. Leonor de Castela, filha de Henrique II, aumentava extraordinariamente a influência e poder dos Teles junto do rei, como era de esperar42. D. Leonor Teles era filha de Martim Afonso Telo, irmão de D. João Afonso Telo e filho primogénito de D. Afonso Martins Telo43, que, não adquirindo o protagonismo e dimensão social em Portugal do 4.° Conde de Barcelos, tem em contrapartida filhos que alcançam estatuto idêntico ao do irmão. Braancamp Freire apresenta-o como amante da rainha de Castela, D. Maria de Portugal, o que fazia com que a sua presença neste reino fosse compreensivelmente intensa44.

  • 45 Cf. José Mattoso, «A nobreza e a Revolução de 1383», in Fragmentos de uma composição medieval, Lisb (...)
  • 46 Cf. José Mattoso, ob. cit., pp. 280, 282, 284; Mafalda Soares da Cunha, ob. cit. pp. 223-224; Maria (...)
  • 47 Fernão Lopes dedica um capítulo a enumerar as várias personagens que recebem mercês e acrescentamen (...)

8Voltando ao casamento, deve dizer-se que este abre a página de maior esplendor e importância dos Teles de Meneses em Portugal. D. Leonor, agora rainha, encarregar-se-á junto do rei, e com o apoio do tio, que detinha sobre D. Fernando a influência e crédito já referidos, de se apoderar do monopólio dos mecanismos de atribuição de mercês45. Esta faculdade permitirá criar as bases de sustentação social e política que colocarão os Teles no patamar superior da alta nobreza portuguesa46. A rainha vai assim conseguindo junto de D. Fernando a atribuição de bens, cargos e direitos aos seus familiares e pessoas de confiança, promove casamentos, cria uma teia de interesses baseada na capacidade de recompensar47.

  • 48 Cf. Salvador Dias Arnaut, ob. cit., p. 11.
  • 49 Cf. Fernão Lopes, ob. cit., cap. XXXVI, p. 98; cap. LI, 135-136; cap. LXIX, pp. 182-183; e cap. LXX (...)
  • 50 Cf. Ibidem, cap. LIII, p. 139-142; cap. LIX, pp. 159-160; caps. LXVIII e LXIX, pp. 179-183; e cap. (...)
  • 51 Cf. Ibidem, cap. XLVII pp. 127-128; e cap. LI, pp. 135-136.
  • 52 Cf. Ibidem, cap. CXII, pp. 313-315.
  • 53 Cf. Ibidem, caps. XLIX e L, pp. 131-134.
  • 54 Cf. BSS, vol. I, p. 118.
  • 55 Cf. Ibidem, p. 120.
  • 56 Cf. Ibidem, p. 120.
  • 57 Cf. Ibidem, p. 120.
  • 58 Cf. Ibidem, p. 121.

9O Conde de Barcelos recebe outras mercês durante os namoros de D. Fernando e de D. Leonor Teles e após o polémico casamento48. A sua influente presença como conselheiro do rei está bem patente na condução das perturbadas relações com Castela, seja acerca da planificação das guerras49, seja nos actos em que se tratam tréguas entre os dois reinos50. Aparece também como embaixador do rei nas negociações dos acordos de casamento deste com a Infanta D. Leonor de Aragão51, e da infanta D. Beatriz de Portugal com o infante D. Henrique de Castela52, casamentos que não se virão a consumar; e em Aragão, onde negoceia apoios para combater D. Henrique II53. Por volta dos finais de 1371 é titulado conde de Ourém, o primeiro deste reino54. Por escasso período de tempo detém dois condados, o de Barcelos e o de Ourém55. O primeiro título, contudo, será concedido em 20 de Março de 1372 ao seu filho D. Afonso Telo56. Nota Braancamp Freire uma particularidade: os dois, pai e filho, foram condes de Barcelos simultaneamente, pelo menos durante alguns meses57. Porém, e devido à morte precoce de D. Afonso Telo, o título de conde de Barcelos torna ao seu pai58.

  • 59 Cf. BSS, vol. I, p. 110, e vol. III, p. 250.
  • 60 Ibidem, vol. I, p. 118.
  • 61 Ibidem, vol. I, pp. 110-111, e vol. III, p. 247.
  • 62 Cf. Salvador Dias Arnaut, ob. cit., p. 10; e Fernão Lopes, ob. cit., cap. LVII, pp. 153-155.
  • 63 Para um maior aprofundamento de D. Lopo e do seu papel enquanto mestre de Cristo, cf. Isabel Luísa (...)

10A distribuição de cargos estendeu-se por outros membros da linhagem e por pessoas da confiança da rainha. Tomemos nota dos familiares mais próximos desta. O irmão primogénito de D. Leonor, também ele de nome D. João Afonso Telo, recebeu, sucessivamente, a alcaidaria de Lisboa, em 22 de Outubro de 1372; o almirantado do reino, por volta dos finais de 1375 e inícios de 1376; e o condado de Barcelos, título com que já aparece em 14 de Agosto de 1382, sucedendo ao seu tio homónimo após a sua morte59. O velho D. João Afonso Telo, conde de Ourém, falecera pelo Natal de 138160. O outro irmão da rainha, D. Gonçalo Telo, será alcaide de Coimbra; senhor de Faria, em 1373, e o 1° Conde de Neiva, antes de 16 de Julho do mesmo ano61. O seu sobrinho D. Lopo Dias de Sousa – filho da sua irmã D. Maria Teles, senhora que teve um papel preponderante na união de D. Leonor com o rei62 – receberá, ainda mancebo, o mestrado da Ordem de Cristo no ano de 1373, aproximadamente63.

  • 64 Cf. BSS, vol. III, p. 246.
  • 65 Fernão Lopes, ob. cit., cap. XCVIII, p. 266.
  • 66 Cf. Salvador Dias Arnaut, ob. cit., p. 126. O documento que institui este casamento encontra-se em (...)
  • 67 Ibidem, p. 126.
  • 68 Cf. BSS, vol. I, p. 121; e LL, p. 103.

11Como foi referido atrás, D. João Afonso Telo, conde de Ourém, é avô de D. Pedro de Meneses. O pai do 1o capitão de Ceuta é chamado, também ele, João Afonso Telo, e é uma personagem mais discreta do que os outros membros da família. Sabe-se que foi alcaide de Beja64, e que já é conde de Viana do Alentejo em 19 de Março de 1373. São-lhe dedicadas umas festas em Évora, referidas por Fernão Lopes: «huumas gramdes justas que elRei Dom Fernamdo fazia, a huuma festa que hordenou do comde de Viana, filho do comde velho»65. Teriam sido estas festas comemorativas da sua elevação como conde, tal como acontecera com o seu pai, e tal como acontecerá com o seu filho? Curioso é o facto de, como Salvador Dias Arnaut assinala, o conde de Viana ter tido casamento ajustado com D. Isabel, filha ilegítima do rei D. Fernando, em data anterior a 20 de Março de 136866, facto que é completamente omitido nos estudos nobiliárquicos. Acontecendo este casamento, foi dissolvido, pois após o tratado de paz de Março de 1373 D. Isabel celebra matrimónio com D. Afonso, filho bastardo de D. Henrique II de Castela, em Santarém67. Considerando esta ligação, o conde de Viana terá como segunda esposa D. Maior de Portocarreiro, filha de João Rodrigues de Portocarreiro, senhor de Vilarinho da Castanheira68. Deste enlace nascerá D. Pedro de Meneses, o objecto deste estudo.

  • 69 Cf. Maria José Ferro Tavares, ob. cit, pp. 73-82; José Mattoso, «A nobreza e a Revolução de 1383».. (...)
  • 70 Cf. Maria José Ferro Tavares, ob. cit, pp. 77-78.
  • 71 Cf. BSS, vol I, p. 110.
  • 72 Cf. Maria José Ferro Tavares, ob. cit, p. 78.
  • 73 Cf. BSS, vol. I, pp. 110-112.

12A crise sucessória provocada pela morte de D. Fernando e pela ausência de um filho herdeiro, acentuada pelo facto de D. Beatriz, filha deste rei, estar casada com D. João de Castela, terá como resultado, e como é presente, uma nova conflagração com o reino de Castela. Ora o conflito vai ter um impacto profundo na posição e no percurso social ascendente que vinha a caracterizar os Teles de Meneses, uma vez que, de uma forma geral, e salvo algumas excepções, os membros da família e aqueles que haviam sido alvo de mercês da rainha seguem D. Leonor e se vão colocar ao lado do partido derrotado69. D. João Afonso Telo, irmão da Rainha e apoiante declarado de D. João I de Castela, vê os seus bens serem arrestados pelo Mestre e redistribuídos por apoiantes deste70. Morre em Aljubarrota71. D. Gonçalo Telo declara-se pelo Mestre de Avis, e virá a receber parte do que havia sido retirado ao seu irmão72, mas desacordos posteriores entre os dois virão a provocar a sua prisão e o confisco de certos bens73.

  • 74 Cf. Fernão Lopes, Cronica del Rei Dom Joham I de boa memoria e dos Reis de Portugal o decimo, parte (...)
  • 1 A vila de Penela.
  • 75 Ibidem, parte segunda, cap. XXII, p. 46.
  • 76 Posteriormente serão, alguns deles, doados à mãe do falecido, a condessa D. Guiomar. Cf. ATNN, CH C (...)
  • 77 CDPM, liv. II, cap. XI, p. 317.

13O Conde de Viana do Alentejo, que também toma o partido de Castela e é nomeado por D. João I de Castela alcaide de Penela e Miranda74, é morto por aldeães nas imediações da primeira destas vilas, em 1384, enquanto andava a saquear povoações: teendo-a1 « o conde de Vijana quando el-Rey dom Fernando morreo, tomou logo voz por Castella, reçebendo soldo del-Rey quando veo çercar Lixboa; e teendo-(a) assy por elle, sayu fora do logar por tomar mantijmentos contra vontade de seus donos, como os seus auyam em custume: e leuando comssygo huuns quarenta de cauallo, sem outros peeoões nem beesteiro(s), juntarom-sse contra elle os das aldeas e comarcas derredor pera lhos defeender, todos pee terra. E emuorilhando-sse com elles, remessarom-lhe o cauallo, e cayu com elle em terra; e foy huum vyllaão rijamente, que chamauom dalcunha Cazpirre, e cortou-lhe a cabeça, e assy morreo»75. Os seus bens são confiscados76. A viúva D. Maior de Portocarreiro e o seu filho, D. Pedro, partem pouco depois para Castela77.

Notes

1 Cf. CTC, caps. XCVII-XCIX, pp. 277-281; CDPM, cap. IV, pp. 20-25. Quando, ao longo do texto, surgir alguma menção à crónica, sem outra referência, é alusiva a «A Crónica do Conde Dom Pedro de Meneses», apontada na lista das abreviaturas.

2 Cf. CDPM, liv. I, cap. X, p.38.

3 Ibidem, cap. V, pp. 25-27.

4 Ibidem, cap. V, p. 26.

5 Ibidem, cap. V, p. 27.

6 Ibidem, cap. V, pp. 22-28.

7 Ibidem, cap. VII, pp. 31-32.

8 Sobre os antepassados de D. Pedro e a sua ascensão socio-política, cf. BSS, vol. I, pp. 103-138; Cristóvão Alão de Morais, «Meneses», in Pedatura Lusitana (Nobiliário das famílias de Portugal), 2.° vol., t. II, Porto, Livraria Fernando Machado, 1944; Carlos da Silva Tarouca, «História da Raça – História da Família», Brotéria, vol. XXX, fasc. 1 e 2, 1940, pp. 47-60 (1) e pp. 173-188 (2); Idem, «A Graça de Santarém-fundadores e fundações», Brotéria, vol. XXXV, fasc. 5, 1942, pp. 395-413; Idem, «O Cartulário do Mosteiro de Santa Clara de Vila do Conde», Arqueologia e História, vol. IV, 8.a série, 1947, pp. 11-119; Luís Gonzaga de Lencastre e Távora, e Miguel de Mello e Castro, «A mais antiga iluminura heráldica portuguesa: armas do Conde D. Pedro de Meneses», Panorama. Revista Portuguesa de Arte e Turismo, n.o 29, IV série, 1969, pp.35-40; D. Luís Gonzaga de Lencastre e Távora, «A Heráldica funerária do Conde D. Pedro de Meneses», Actas das I Jornadas Arqueológicas, vol. I, Lisboa, Associação dos Arqueólogos Portugueses, 1970, pp. 165-221. Também são contributo importante: Maria José Pimenta Ferro Tavares, «A nobreza no reinado de D. Fernando e a sua actuação em 1383-1385», Revista de História Económica e Social, n.o 12, Junho-Dezembro 1983, pp. 45-89; José Mattoso, «A nobreza e a revolução de 1383», in Fragmentos de uma composição medieval, Lx., Estampa, 1987, pp. 277-293; Maria de Lurdes Rosa, O Morgadio em Portugal (sécs. XVI –XV). Modelos e práticas de comportamento linhagístico, Lx., Estampa, 1995, pp. 43-50; Rita Costa Gomes, A Corte dos Reis de Portugal no final da Idade Média, s.l., Difel, 1995, pp. 66 et passim; Mafalda Soares da Cunha «A nobreza portuguesa no início do século XV: renovação e continuidade», Revista Portuguesa de História, t. XXXI, vol. 2, 1996, pp. 219-252.

9 Cf. Mafalda Soares da Cunha, ob. cit., p. 222.

10 Cf. Arvore Genealógica 1.

11 Cf. BSS, vol. I, p. 104.

12 Cf. BSS, vol. I, p. 105; e LL, p. 99.

13 Curioso é o facto dos Teles que encontramos em Portugal, incluindo D. Pedro, terem adoptado, após a crise de 1383-1385, o apelido Meneses, apesar de descenderem do ramo que herda o senhorio de Albuquerque.

14 Cf BSS, vol. I, p. 105-106; e LL, p. 99. Da descendência deste último saliente-se D. Maria de Molina, sua neta, que será rainha de Castela, esposa de D. Sancho IV. O senhorio dos Meneses virá, através desta, a recair em D. Pedro I de Castela, seu bisneto. Cf. a bibliografia citada.

15 Cf LL, pp. 99-100.

16 Cf. BSS, vol. I, p. 106.

17 Cf Ibidem, p. 106.

18 Cf Ibidem, p. 106, e LL, p. 101.

19 Cf BSS, vol. I, p. 106.

20 Cf. Ibidem, p. 107. Braancamp Freire aponta os 5.os senhores de Albuquerque como progenitores da família com o mesmo nome.

21 Cf. Ibidem, p. 108.

22 Cf. Ibidem, p. 108. Também aparece com o nome de «Afonso Telo de Meneses» em Cristóvão Alão de Morais, ob. cit., p. 371; e «Afonso Teles de Meneses» em LL, p. 102.

23 Cf. Cristóvão Alão de Morais, ob. cit., p. 371.

24 Para o este conflito, cf. José Mattoso, «A Guerra Civil de 1319-1324», in Portugal Medieval. Novas Interpretações, s.l., Imprensa Nacional – Casa da Moeda, [d.l. 1984], pp. 239-308.

25 Cf. Ibidem, p. 298.

26 Cf. Ibidem, p. 298.

27 Cf. Ibidem.

28 Cf. Ibidem, p. 298.

29 Cf. Rita Costa Gomes, ob. cit., p. 66.

30 Cf. Ibidem, p. 66.

31 Cf. Ibidem, p. 66.

32 Cf. BSS, vol. III, p. 243.

33 Crónica do Senhor Rei Dom Pedro Oitavo Rei Destes Regnos, intr. Damião Peres, 2.a ed., Porto, Livraria Civilização, 1979, p. 62.

34 Cf. Ibidem, pp. 125-127.

35 Cf. Ibidem, pp. 129-134; e Salvador Dias Arnaut, ob. cit., p. 74.

36 Cf. BSS, vol. I, p. 117.

37 Cf. A. H. de Oliveira Marques, Portugal na Crise dos séculos XIV e XV, Lisboa, Ed. Presença, 1986, p. 514.

38 Crónica do Senhor Rei Dom Fernando Nono Rei Destes Regnos, intr. Salvador Dias Arnaut, Porto, Livraria Civilização, 1979, p. 98.

39 Ibidem, cap. XLIX, pp. 131. Uma passagem idêntica é patente no cap. XLVII, p. 128.

40 Cf. Salvador Dias Arnaut, ob. cit., p. 15.

41 Cf. Ibidem, pp. 9-14.

42 Cf. Ibidem, pp. 11-12.

43 Cf. BSS, vol. I, pp. 108 e 110.

44 Cf. Ibidem, p. 108.

45 Cf. José Mattoso, «A nobreza e a Revolução de 1383», in Fragmentos de uma composição medieval, Lisboa, Estampa, 1987, pp. 277-293, sobretudo as pp. 280 e 284; e Maria José Ferro Tavares, ob. cit., p. 65.

46 Cf. José Mattoso, ob. cit., pp. 280, 282, 284; Mafalda Soares da Cunha, ob. cit. pp. 223-224; Maria José Ferro Tavares, ob. cit., pp. 59-66; A. H de Oliveira Marques, ob. cit., pp. 244-246, 510, 514.

47 Fernão Lopes dedica um capítulo a enumerar as várias personagens que recebem mercês e acrescentamentos devido à intervenção da rainha – Cf. ob. cit., cap. LXV, pp. 171-172. Cf. também Maria José Ferro Tavares, ob.cit., pp. 59-66, onde esta autora apresenta uma listagem de mercês atribuídas por D. Fernando mas nas quais se pensa que a rainha tenha tido grande relevância; e alguns casamentos promovidos pela mesma.

48 Cf. Salvador Dias Arnaut, ob. cit., p. 11.

49 Cf. Fernão Lopes, ob. cit., cap. XXXVI, p. 98; cap. LI, 135-136; cap. LXIX, pp. 182-183; e cap. LXXII, p. 192.

50 Cf. Ibidem, cap. LIII, p. 139-142; cap. LIX, pp. 159-160; caps. LXVIII e LXIX, pp. 179-183; e cap. LXXXIII, pp. 219-220.

51 Cf. Ibidem, cap. XLVII pp. 127-128; e cap. LI, pp. 135-136.

52 Cf. Ibidem, cap. CXII, pp. 313-315.

53 Cf. Ibidem, caps. XLIX e L, pp. 131-134.

54 Cf. BSS, vol. I, p. 118.

55 Cf. Ibidem, p. 120.

56 Cf. Ibidem, p. 120.

57 Cf. Ibidem, p. 120.

58 Cf. Ibidem, p. 121.

59 Cf. BSS, vol. I, p. 110, e vol. III, p. 250.

60 Ibidem, vol. I, p. 118.

61 Ibidem, vol. I, pp. 110-111, e vol. III, p. 247.

62 Cf. Salvador Dias Arnaut, ob. cit., p. 10; e Fernão Lopes, ob. cit., cap. LVII, pp. 153-155.

63 Para um maior aprofundamento de D. Lopo e do seu papel enquanto mestre de Cristo, cf. Isabel Luísa Morgado de Sousa e Silva, «A Ordem de Cristo durante o mestrado de D. Lopo Dias de Sousa (1373?-1417)», Militarium Ordinum Analecta As Ordens Militares no Reinado de D. João I, n.o 1, Porto, 1997, pp. 5-126.

64 Cf. BSS, vol. III, p. 246.

65 Fernão Lopes, ob. cit., cap. XCVIII, p. 266.

66 Cf. Salvador Dias Arnaut, ob. cit., p. 126. O documento que institui este casamento encontra-se em ANTT, CH DF, liv. 1, fls. 24-24v.

67 Ibidem, p. 126.

68 Cf. BSS, vol. I, p. 121; e LL, p. 103.

69 Cf. Maria José Ferro Tavares, ob. cit, pp. 73-82; José Mattoso, «A nobreza e a Revolução de 1383»... cit, pp. 279, 282.

70 Cf. Maria José Ferro Tavares, ob. cit, pp. 77-78.

71 Cf. BSS, vol I, p. 110.

72 Cf. Maria José Ferro Tavares, ob. cit, p. 78.

73 Cf. BSS, vol. I, pp. 110-112.

74 Cf. Fernão Lopes, Cronica del Rei Dom Joham I de boa memoria e dos Reis de Portugal o decimo, parte primeira, Lisboa, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1977, cap. CLV, p. 289.

75 Ibidem, parte segunda, cap. XXII, p. 46.

76 Posteriormente serão, alguns deles, doados à mãe do falecido, a condessa D. Guiomar. Cf. ATNN, CH CJI, liv. 1, fl. 176v e 177.

77 CDPM, liv. II, cap. XI, p. 317.

Notes de fin

1 A vila de Penela.

© Publicações do Cidehus, 2004

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr