Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

D. Pedro de Meneses e a construção da Casa de Vila Real (1415-1437)

 | 
Nuno Silva Campos

Introdução

Texte intégral

1De um modo sucinto, o problema tratado neste trabalho prende-se com a identificação e definição das fontes sociais e económicas do poder sobre as quais D. Pedro de Meneses vai estabelecer as bases que lhe permitem construir o seu poder senhorial, nomeadamente na criação da Casa de Vila Real, da qual é o fundador. O objectivo foi, portanto, identificar quais são as suas bases de apoio, ao nível das relações pessoais, que lhe permitem obter, num primeiro momento, e em articulação com outros recursos – sobretudo de cariz económico – de que dispõe e que também serão tidos em conta, a titulação por parte de D. João I, e, posteriormente, a consolidação e estabilização da mesma casa. O período abrangido pelo estudo situa-se entre os anos de 1415, data da tomada de Ceuta e da nomeação de D. Pedro como capitão da praça; e de 1437, data da sua morte.

2O assunto torna-se tanto mais pertinente se considerarmos que D. Pedro é, à excepção de D. Nuno Alvares Pereira, o primeiro e único nobre titulado feito por D. João I fora da família real, e que é filho primogénito de João Afonso Telo, conde de Viana do Alentejo, que em 1383 havia tomado voz por D. Beatriz. Na sequência da crise de 1393-1385, vemos grande parte dos membros da linhagem Teles de Meneses – uma das de maior prestígio social e poder político do reino, parentes da rainha D. Leonor e detentores, mais do que qualquer outra família, de vários títulos – a recorrer ao exílio em Castela. Neste grupo incluía-se D. Pedro. O seu regresso a Portugal far-se-á por volta de 1403, sob condições um pouco misteriosas e que não foram ainda perfeitamente definidas – e para as quais espero ter contribuído no sentido da sua resolução. Vai empreender então um percurso de recuperação do poder político e social da linhagem que terá os pontos altos na sua titulação como conde de Vila Real – ilustre casa nobiliárquica das segunda e terceira dinastias – em 1424, e no restabelecimento da casa de Viana do Alentejo, em 1433, da qual será o segundo e último conde.

3Consequentemente, neste percurso de recuperação social surgem várias questões que, apesar de terem a ver com o caso concreto de D. Pedro de Meneses, não deixam de ser importantes para ajudar a esclarecer situações relacionadas com grande parte da nobreza. À partida para este estudo, as questões que se identificavam já representavam um número relativamente significativo de problemas. Desta forma, e a par do problema principal – como se estruturam e de que forma são utilizadas por D. Pedro de Meneses as ligações pessoais e de dependência, bem como os recursos económicos, na construção de um poder senhorial? – surgiam imediatamente outras interrogações:

  • como é feito o regresso de D. Pedro de Castela para Portugal e de que modo é que surge inserido nas hostes de D. Duarte em 1415, no ataque a Ceuta?

  • quais são os apoios que lhe permitem ser nomeado – apesar de ser a quarta escolha – por D. João I para capitão da praça de Ceuta?

  • qual a importância da situação de guerra permanente em Ceuta para a construção de um importante poder económico, militar, político e simbólico?

  • quais as ligações matrimoniais que D. Pedro enceta de modo a solidificar a sua posição social e a da sua casa?

  • qual é a importância da proximidade/ligação física, institucional ou pessoal de D. Pedro à corte e à casa real para a ascensão político-social?

  • quais as ligações encetadas com outras famílias e grupos de nobres que consolidam a sua posição politico-social?

4A resolução destas perguntas forneceria a resposta à questão principal. Contudo, algumas delas tornaram-se, como se previa, mais problemáticas pela escassez de fontes, nomeadamente no que toca à reconstrução do percurso de D. Pedro no período anterior a 1415, e nas relações que empreende com os seus semelhantes e inferiores, outros nobres de um nível social comparável ao seu e seus dependentes.

Opções metodológicas

  • 1 Cf. Giovanni Levi, «Les usages de la biographie», Annales ESC, n.o 6, Novembro-Dezembro 1989, pp. 1 (...)
  • 2 lbidem, pp. 1331-1332.

5O estudo pode definir-se como um estudo de caso, e, na medida em que acompanha e tenta reconstruir o percurso individual e as ligações pessoais – a rede de relações directas – de um indivíduo, como uma biografia. Já referi o carácter excepcional da titulação de D. Pedro de Meneses por D. João I, e o pretendido com esta investigação é apresentar um caso de construção de uma casa senhorial, aparentemente, extraordinário, que não o caso representativo da generalidade, que cristaliza a realidade comum. O interesse dos estudos de caso, e nesta circunstância, de uma biografia, é o de, através da análise de uma situação concreta, permitir uma descrição das normas de comportamento e do seu funcionamento efectivo, de modo a entender a diversificação das práticas individuais dentro dos sistemas normativos do grupo1. Tratando-se de uma situação excepcional, de um caso-limite, a relevância do estudo da mesma situa-se na capacidade desta poder delimitar as margens do campo social no interior do qual estes casos se podem verificar, circunscrevendo as possibilidades individuais latentes, os limites para a liberdade de acção dos indivíduos2.

  • 3 Cf. José Maria Imizcoz Beunza, «Comunidad, red social y élites. Un análisis de la vertebración soci (...)
  • 4 Imizcoz Beunza, ob. cit., pp. 21-23.
  • 5 Piselli, ob. cit., p. XX.

6O tema está inscrito no campo da História Política e Social, nomeadamente ao nível das relações da nobreza, quer com os seus semelhantes, quer com outros representantes do poder, tomando estas ligações e a sua articulação como fontes de sustentação de um poder senhorial, nas suas vertentes política e social. As relações são aqui concebidas como vínculos que articulam os seus intervenientes em redes de poder, pelos quais são transmitidos e trocados bens e serviços3. Estes laços estruturam os homens em células sociais, através da sua complexificação em rede, com regras de funcionamento próprias que definem as possibilidades e as capacidades da acção individual4. Além destes vínculos possibilitarem o acesso a capitais, revelam-se, eles próprios, um capital pessoal extremamente importante, uma fonte de poder fulcral para a definição do nível social do seu detentor, podendo este manipular os laços sociais para atingir determinados objectivos pessoais5.

7De forma a alcançar os objectivos propostos – reconstruir o percurso de D. Pedro de Meneses e os seus laços sociais –, procedeu-se a dois tipos de análise e de aproximação, que se tentaram harmonizar ao longo do trabalho. Desta forma, procurou-se fazer:

  • a análise de um processo dinâmico, expondo a evolução e o percurso protagonizado por D. Pedro de Meneses desde a sua nomeação como capitão de Ceuta até à sua morte, focando o seu desempenho no nascimento e construção da casa de Vila Real;

  • e uma análise que se situa no mesmo campo das análises de rede, sem a abrangência que estas normalmente patenteiam, incidindo sobre a teia de ligações pessoais que D. Pedro manipula e que lhe permitem obter a titulação e consolidar o seu poder.

  • 6 Cf. Peter Burke, «Historia de los acontecimientos y renacimiento de la narración», in Formas de hac (...)
  • 7 Cf. Nuno Severiano Teixeira, «A História Política na Historiografia Contemporânea», Ler História, n (...)

8À primeira vista, a apresentação de um trabalho que prevê uma narração biográfica e uma análise de rede pode parecer um paradoxo, dadas as divergências entre as duas propostas6. Contudo, penso que o compromisso entre ambas as concepções só poderá ser benéfico para a abordagem e resolução dos problemas, compromisso que, além do mais, não é inovador, nem relativamente recente em História7. O recurso a diferentes metodologias e abordagens, desde que perfeitamente integradas e articuladas, não só permite tornar o trabalho mais completo como ajuda a provar o carácter perigoso e nocivo dos fundamentalismos conceptuais e metodológicos.

9Desta forma, o estudo compôs-se de duas abordagens – uma de natureza narrativa e interpretativa; outra descritiva e explicativa – que se completam. A primeira tem a sua importância sobretudo ao nível da narração do percurso de D. Pedro e da enunciação de problemas, na exposição de um caso particular; a segunda tratou dos problemas aí levantados, utilizando para tal metodologias de análise de rede, contributos das ciências sociais, nomeadamente da Antropologia e Sociologia, que já viram a sua aplicação no domínio da História.

  • 8 Piselli, ob. cit., pp. VII-VIII.
  • 9 Ibidem, p. VIII.
  • 10 Ibidem, p. VIII.
  • 11 Ibidem, p. XX e XXVI-XXXII.
  • 12 Cf. os dois livros principais que resumem e firmam as posições desta corrente: Jacques Le Goff e Pi (...)
  • 13 Piselli, ob. cit., pp. LXX.

10Para que se perceba melhor esta última perspectiva, são necessárias algumas notas. As análises de rede surgiram, dentro da Antropologia e Sociologia e no pós-guerra, como reacção ao método «estrutural-funcionalista», que se revelava insatisfatório para os investigadores sociais. Estas análises vão-se exprimir, grosso modo, segundo duas matrizes principais, em duas escolas distintas8: na antropologia anglo-saxónica, que desenvolve a rede social «nel quadro di una interpretazione analítica situazionale e processuale»9; e na Sociologia norte-americana, numa aposta na «analisis quantitativa delle relazioni fra i diversi membri del sistema sociale nel quadro di una interpretazione analítica strutturale10». É no âmbito da primei ra tradição que se vão desenvolver as análises de rede «egocentradas»11, que proporcionam ao indivíduo sobre o qual está centrada a rede uma margem de actuação e de protagonismo bastante elevada, opondo-se deste modo quer à análise funcional-estruturalista tradicional, que tem os seus reflexos no campo da História na corrente denominada «Nouvelle Histoire»12; quer à outra aproximação às análises de rede, de tradição norte-americana, para a qual o estudo das relações serve sobretudo para determinar a estrutura do grupo social, colocando em relevo os condicionamentos normativos da rede, e que deixam uma margem de manobra praticamente nula ao actor social13.

  • 14 Ibidem, p. X e LXX.
  • 15 Piselli aponta três ordens de problemas para os quais este tipo de análise se revela bastante adequ (...)

11Foi efectivamente a concepção de uma rede «egocentrada», que toma como ponto orientador das ligações o indivíduo, não menosprezando, antes pelo contrário, valorizando, a sua capacidade de movimentação e manipulação na rede, o ponto de partida para o objectivo enunciado, e que, creio vivamente, permitiu obter as respostas às questões que foram colocadas. Desta forma, esta investigação situa-se metodologicamente próxima, no que concerne à segunda abordagem, das análises de rede desenvolvidas pela Antropologia anglo-saxónica, até porque, ao contrário da corrente sociológica americana, além de uma maior projecção do indivíduo, detém ainda uma perspectiva situacional e diacrónica14 que se articula com o tipo de estudo de caso em que este tema se insere15. O objectivo principal não é a reconstrução da totalidade da rede – o que se tornaria extenuante e dificilmente exequível no âmbito do presente trabalho –, mas sim a identificação e estudo das ligações directas de um indivíduo, que corresponde a uma célula dessa mesma rede mas que é tomado aqui como referência das ditas ligações. Contudo, quer o carácter das ligações, vistas como relações de poder, quer a percepção da actuação individual, que permite um elevado nível de protagonismo e de liberdade – descritos atrás – não podem ser desligados do quadro conceptual desenvolvido pelos analistas de rede.

  • 16 Ibidem; e Imizcoz Beunza, ob. cit..
  • 17 Piselli, ob. cit., p. XXXIV-XXXV, acerca da tipologia concebida por J.C. Mitchel.
  • 18 Ibidem. Referindo Kapferer, Piselli aponta que o apoio que uma pessoa obtém numa situação depende d (...)

12No que se refere ao tipo de ligações observadas, até porque as relações podem ser agrupadas em várias ordens ou tipos, segundo a sua natureza16, mais do que fazer a separação entre ligações pessoais, institucionais ou categoriais17, analisando somente determinado grupo, foi considerado mais adequado ter em conta as ligações directas e ligações indirectas, dando mais profundidade à análise das primeiras, pois que as segundas, além da sua percepção ser mais problemática, transportariam o trabalho para uma envergadura que não se compadece com a natureza da investigação e para um caminho que poderia levar a resultados conjecturais e até mesmo enganosos. Porque a quantidade de relações identificáveis para um estudo na Idade Média nunca é, em princípio, em número elevado, o objectivo foi circunscrito então à análise das várias ligações directas – além das ligações indirectas perfeitamente comprováveis –, verticais e horizontais, tomando em conta as suas diferentes expressões, definidas pelos grupos ou indivíduos com os quais D. Pedro de Meneses estabelece relações, e pelas naturezas das mesmas. Foram observadas então as relações pessoais e familiares; as relações com a coroa (que legitimam o estatuto do nobre); e as relações de dependência. A partir destas relações procuraram-se identificar os apoios que D. Pedro conseguiu ao longo da sua vida e que sustentaram, a par de outros recursos próprios, o seu percurso de ascensão política e social18.

  • 19 Ibidem, p. XXXVII.

13Porque as relações se formam e se extinguem continuamente, são criadas em tempos diferentes e terão portanto um desempenho desigual em momentos distintos, foi tomado em linha de conta a noção de «action-set». Este conceito é apresentado por Piselli tal como ele é introduzido por Adrian Mayer, ou seja, como a parte da rede pessoal activada, em determinadas situações, em torno de um Ego – sujeito sobre a qual a rede se articula – para um propósito específico e limitado no tempo19. Desta forma, para as diferentes questões acerca dos apoios sociais de D. Pedro, teríamos, em princípio, porque se trata de um processo dinâmico, respostas que se prendem a distintos «action-sets».

Campo e problema historiográfico

  • 20 «História Política» parece consistir ainda um verdadeiro tabu para muitos – não todos, felizmente – (...)
  • 21 Cf. Jacques Julliard, «A política», in Le Goff e Nora (eds.), ob. cit., pp. 263-285; Teixeira, ob. (...)

14Como foi referido atrás, o tema do trabalho inscreve-se no âmbito da História Política e Social Medieval20. Trata-se de uma análise sobre um processo individual de subida na escala social e política tardomedieval, e deste modo integrado na História Social, mas que, perspectivado segundo uma narração cronológica de um processo dinâmico que coloca questões cujas respostas se procuram na análise das relações de poder entre várias entidades sociais e institucionais, se situa no campo da História Política, superando a História «événementielle». O estudo do comportamento político das várias entidades sociais e o da repartição de poder e articulação do mesmo pelos actores sociais – estudo social do poder – é apontado como uma das linhas de investigação preferenciais da História Política por vários historiadores, e foi mesmo a forma de recuperação do estudo histórico do político – passando da análise do «facto político» à análise dos «sistemas políticos» – pela corrente da Nova História21.

  • 22 O mesmo afirma A. H. de Oliveira Marques no Guia do Estudante de História Medieval Portuguesa, 3.a (...)
  • 23 Em 1962 publicava A Economia dos Descobrimentos Henriquinos, e entre 1963 e 1971 Os Descobrimentos (...)
  • 24 Destacam-se as seguintes obras: Marc Ferro, Pétain, Paris, Fayard, 1987; e Jacques Le Goff, Saint L (...)
  • 25 D. João II. Um percurso humano e político nas origens da modernidade em Portugal, Lisboa, Estampa, (...)

15Tal como a História Política Medieval, pouco praticada actualmente em Portugal, também a biografia é um género menor, sem grandes tradições22. Mesmo no período anterior a 1974, em que as concepções historiográficas detinham um cunho marcadamente historicista e patriótico, as grandes figuras que poderiam cristalizar essas ideias não foram alvo de estudos biográficos, talvez porque o verdadeiro herói era, na esteira da grande epopeia camoniana, a totalidade do povo lusíada. Após os anos 60, sobretudo após as obras de Vitorino Magalhães Godinho23, o objectivo é a «história total», que tem como personagens as estruturas, ignorando os agentes individuais. Objectivo que, de certa forma, ainda hoje subsiste na tradição da Nova História, com grande peso em Portugal. Esta concepção cerceia a elaboração de biografias entre os meios científicos nacionais, embora no exterior, e mesmo entre os teóricos da mesma, ressurjam novas produções do género24. Em Portugal, além de várias comunicações e artigos sobre reis, senhores importantes, diplomatas e outras personagens destacadas, apresentados de modo bastante superficial e sem a profundidade que possa levar a algo mais do que a sua designação como «notas biográficas», e de produções mais viradas para o público em geral, de carácter mais divulgador e comemorativo, a obra mais recente foi realizada por Manuela Mendonça, que efectuou um estudo biográfico sobre D. João II25, sedimentado no âmbito da psico-história, segundo a mesma, mas que traz pouco de novo, quer a nível historiográfico, quer a nível teórico e metodológico, revelando por vezes uma tendência historicista e «pré-conceituosa», e ficando bastante aquém das obras referidas de Le Goff e de Ferro.

  • 26 «Introdução ao estudo da Nobreza Medieval Portuguesa», in A Nobreza Medieval Portuguesa. A família (...)
  • 27 Ibidem, p. 12.
  • 28 Ibidem, p. 13.
  • 29 Ibidem, p. 19. Sobre todos os aspectos, cf. pp. 19-25.
  • 30 Para lá da obra supracitada, destaquem-se, além de vários artigos, as obras Ricos-homens, infanções (...)

16A História Social Medieval, nomeadamente no que toca ao estudo da nobreza portuguesa, tem progredido por outros caminhos que não passam pelas biografias, sendo porém verificável um grande avanço nos últimos anos, que se reflecte no número e na qualidade dos estudos efectuados, abordando diversos aspectos relacionados com este grupo social, e que têm vindo a atenuar o atraso que José Mattoso denunciava em 198026. Este historiador apontava então a ausência de uma síntese para a Idade Média portuguesa e sugeria algumas linhas para a elaboração de um plano que orientasse estudos nesse sentido. Propunha um tempo – de 1037 a 1383 e um espaço, que não se limitava ao reino de Portugal mas que teria em conta os reinos vizinhos27. Como passo seguinte apontava a «inventariação das fontes e o estabelecimento de séries neutras de indivíduos e de famílias»28. Definia quatro aspectos principais sobre os quais fazer incidir as investigações: as fontes do poder nobiliárquico – bases económicas, proximidade e favores do rei, poder militar e poder simbólico –; as relações da nobreza com as outras forças sociais; o exercício das prerrogativas de classe; e a sua estrutura interna, tomando em consideração «a distribuição regional, a relação de parentesco e os laços artificiais de dependência»29. Em seguida, passar-se-ia à «vertebração» e à análise diacrónica dos diversos vectores. Mas o contributo deste medievalista não se pode resumir a este alerta e às propostas referidas. Desenvolveu vários trabalhos dirigidos sobretudo para o estudo da estrutura interna da nobreza, examinando famílias, coligindo séries genealógicas e procedendo então à sua análise; investigando as relações entre nobres, quer de parentesco quer de dependência; estudando as relações nobres com o rei e a Igreja; e tendo em conta a implantação regional dos indivíduos30.

  • 31 Linhagens medievais portuguesas: genealogias e estratégias, 1279-1325, Porto, Universidade Moderna (...)
  • 32 A nobreza da corte de Afonso III, 2 vols., Coimbra, Faculdade de Letras, (tese de doutoramento poli (...)
  • 33 A corte dos reis de Portugal no final da Idade Média, Lisboa, Difel, 1995.
  • 34 «A honra de Gouviães e a sua estirpe (séculos XII-XIII)», separata de Armas e troféus, Braga, 1971; (...)
  • 35 Dos Leais de Sintra e Colares aos da Região Oeste. Uma linhagem medieval inédita, Óbidos, Câmara Mu (...)

17Além dos trabalhos já referidos de José Mattoso, a reconstrução de genealogias e a identificação e elaboração de listas de nobres foi também efectuada por vários historiadores. Provavelmente a obra mais notável é aquela que José Augusto de Sotto Mayor Pizarro realizou sobre as linhagens portuguesas no reinado de D. Dinis31. A nobreza de corte foi também alvo de estudos e de listagens, nomeadamente por parte de Leontina Ventura, para o reinado de Afonso III32, e de Rita Costa Gomes, para os séculos XIV e XV33. Para várias áreas regionais procedeu-se igualmente ao estudo e arrolamento de conjuntos de nobres, designadamente por A. de Almeida Fernandes34, para a área de Guimarães; e por Luís Filipe Marques da Gama35, para a Estremadura.

  • 36 Os Pimentéis. Percursos de uma linhagem da nobreza medieval portuguesa (séculos XIII-XIV), Lisboa, (...)
  • 37 Os patronos do mosteiro de Grijó. Evolução e estrutura da família nobre. Séculos XI a XIV, Ponte de (...)
  • 38 A Casa dos Coutinhos: Linhagem, Espaço e Poder (1360-1452), Cascais, Patrimónia, 1999.
  • 39 Linhagem, Parentesco e Poder. A Casa de Bragança (1384-1483), Lisboa, Fundação da Casa de Bragança, (...)
  • 40 «Linhagem e Património. Os Senhores de Melo na Idade Média», Penélope. Fazer e Desfazer a História, (...)
  • 41 «Genealogias Medievais: Os Braganções», Actas das II Jornadas Luso-Espanholas de História Medieval, (...)
  • 42 «Os Briteiros (séculos XII-XIV). Trajectória social e política», Revista Portuguesa de História, n.(...)
  • 43 «A ascensão de uma linhagem: a formação da casa senhorial de Abrantes», in Comunicações 1. Arqueolo (...)
  • 44 A Casa Senhorial do Infante D. Henrique, Lisboa, Livros Horizonte, 1991.
  • 45 A Nobreza e a Expansão: estudos biográficos, Cascais, Patrimonia, 2000.
  • 46 A Burocracia do “Eloquente” (1433-1438). Os textos, as normas, as gentes, Cascais, Patrimonia, 1996 (...)

18As famílias nobres e casas senhoriais também foram alvo de diversos estudos, dos quais se destacam o de Bernardo de Vasconcelos e Sousa sobre os Pimentéis36; o de José Augusto de Sotto Mayor Pizarro sobre os patronos do Mosteiro de Grijó37; o de Luís Filipe Oliveira para os Coutinhos38; e os de Mafalda Soares da Cunha sobre os Bragança, em dois momentos distintos – um deles inserido na Época Moderna –, analisando as suas relações e fontes de poder39. Outros trabalhos, menos aprofundados, também foram desenvolvidos dentro do mesmo âmbito, como o de Luís Gama para os Leais – já referido atrás –; o de Isabel Castro Pina para os Melo40; o de Manuel Artur Norton sobre os Bragações41; de Leontina Ventura e António Resende de Oliveira para os Briteiros42; ou o de Hermínia Vasconcelos Vilar para a casa de Abrantes43. Sendo que o presente estudo incidiu sobre a construção da casa de Vila Real, insere-se no mesmo domínio destes trabalhos, se bem que se estruture em torno de um indivíduo. Para a mesma época, inscrito nos estudos sobre casas senhoriais, e, tal como esta investigação, centrado numa pessoa, elaborou João Silva de Sousa um trabalho sobre a casa do Infante D. Henrique44. Contudo, os resultados poucas vezes ultrapassam a mera compilação de róis de dependentes e de outros indivíduos que empreendem relações com o Infante, e a apresentação de dados variados, sem um manuseamento que permita um melhor aproveitamento da informação recolhida. Um pouco posterior é o conjunto de pequenas mas úteis biografias de alguns nobres que se inscrevem no processo da Expansão Portuguesa, reunidas num volume sob a coordenação de João Paulo Oliveira e Costa45. Salientem-se por último os estudos de Judite Antonieta Gonçalves de Freitas, que se debruçou sobre os oficiais da burocracia régia do reinado de D. Duarte e de parte do reinado de D. Afonso V46.

  • 47 Brasões da sala de Sintra, introd. de Luis Bivar Guerra, 3 vols., 3.a ed., Lisboa, Imprensa Naciona (...)

19Bastante mais antiga mas de uma utilidade muito actual, veja-se a incontornável obra sobre as várias famílias nobres de Anselmo Braamcamp Freire, os Brasões da sala de Sintra47, que constitui um ponto de partida essencial para o estudo das famílias nobres portuguesas.

20No âmbito da História Social, e no que toca directamente à nobreza, uma importante questão historiográfica está subordinada aos problemas referentes à sua reestruturação após a crise de 1383-85 e a mudança dinástica; e ao fortalecimento do poder da Coroa, redefinido na natureza das relações com a nobreza, institucionalizadas ao nível da Corte. Estamos perante um momento cuja compreensão é fundamental para entender o movimento de centralização do poder que vai ocorrer nas monarquias europeias e que vai levar à criação do Estado Moderno, pois são sobretudo no quadro das relações no interior da nobreza que ocorrem as alterações mais significativas.

  • 48 A Crise Nacional dos Fins do Século XIV. Volume I. A Sucessão de D. Fernando, Coimbra, Faculdade de (...)
  • 49 1383-1385 e a Crise Geral dos Séculos XIV-XV. Jornadas de História Medieval. Actas. Lisboa, 20 a 22 (...)
  • 50 «Conflitos sociais em Portugal no fim do século XIV», in ibidem, pp. 311-321.
  • 51 «A nobreza e a Revolução de 1383», in ibidem, pp. 391-402.
  • 52 «Aspectos da componente juvenil da fidalguia no contexto da crise de 1383-1385», in ibidem, pp. 297 (...)
  • 53 «A nobreza no reinado de D. Fernando e a sua actuação em 1383-1385», Revista de História Económica (...)
  • 54 «Os movimentos sociais em Portugal nos finais da Idade Média», Revista de Ciências Históricas, vol. (...)
  • 55 «Exilados portugueses em Castela durante a crise dos finais do século XIV (1384-1388)», in Actas da (...)

21Sobre a crise de 1383-1385 a produção é extensa, sendo que não deve deixar de ser referido, num nível político-factológico, o trabalho de Salvador Dias Arnaut48. As comunicações das jornadas comemorativas da respectiva crise, realizadas em 198549 também constituem uma produção de realce sobre o tema, destacando-se, ao nível dos conflitos sociais, o trabalho de Maria José Ferro Tavares50; e, para o comportamento político da nobreza, as comunicações de José Mattoso51 e de Carlos Riley52. Também sobre a crise veja-se um anterior trabalho de Maria José Ferro Tavares, onde se vinca a cisão vertical da nobreza ao longo do conturbado período, e é rejeitada a tese tradicional que faz a separação horizontal de dois partidos53. Para além da referida comunicação da mesma historiadora no âmbito dos conflitos sociais, e ainda referente à mesma problemática, refiram-se alguns estudos de Humberto Baquero Moreno54, que tem dirigido a sua investigação para o final do século XIV e para o século XV. Do maior interesse e do mesmo autor saliente-se a sua comunicação nas II Jornadas Luso-Espanholas de História Medieval sobre os exilados portugueses em Castela durante a crise do final do século XIV, onde apresenta e reconstrói o percurso de vários indivíduos55.

  • 56 «A nobreza portuguesa no início do século XV: renovação e continuidade», Revista Portuguesa de Hist (...)
  • 57 «Um processo de reestruturação do domínio social da nobreza. A titulação na 2.a dinastia», Revista (...)
  • 58 «A expansão quatrocentista portuguesa: um processo de recomposição social da nobreza», in 1383-1385 (...)
  • 59 Cf. ob. cit..

22Para a questão da reestruturação da nobreza após a crise, e das relações desta com a Coroa, relativamente mal conhecidas, podem-se destacar, sobre o impacto da crise nas elites nobiliárquicas, e examinando o percurso das mais importantes famílias nobres ao longo dos reinados de D. Fernando e de D. João I, o trabalho de Mafalda Soares da Cunha, que define o processo de recomposição como um processo, ambíguo, de ruptura e de continuidade56; em relação às relações da nobreza com a Coroa, observando a titulação na 2.a dinastia, o estudo de Luís Filipe Oliveira e Miguel Jasmins Rodrigues57; quanto à importância da Expansão para a recomposição social da nobreza, a comunicação de Luís Filipe Oliveira nas Jornadas de História Medieval comemorativas de 1383-1385 e da crise do século XIV58; e, no tocante à nobreza de corte, a obra de Rita Costa Gomes, que perspectiva a corte como espaço de relações sociais e políticas, centro político e administrativo do reino no qual se identificam ligações estruturadoras da sociedade, mais visíveis na nobreza59.

23Ora D. Pedro de Meneses, tomando em conta não só o seu percurso individual mas apoiando o mesmo no trajecto familiar, surge como uma personagem que vive este processo de recomposição da nobreza, e, a bem ver, com um desempenho notável no que toca ao sucesso pessoal, passando de exilado a conde.

24O estudo da sua trajectória está inserido também nos problemas particulares do início da expansão portuguesa, designadamente para o Norte de África, e nos seus efeitos no tecido nobiliárquico português, ao nível da sua composição e dos seus processos de atracção, manutenção e reprodução de poder. Pode-se até afirmar que D. Pedro surge como o paradigma desta nobreza que sai do espaço continental do reino em busca de fortuna e da ascensão social.

25O início do processo expansionista deu azo a uma extensa bibliografia, sendo que, no tocante ao Norte de África, e sobretudo a Ceuta, relacionada directamente com o trabalho, a produção também é numerosa. Não pretendendo expor a totalidade da mesma, é necessário, contudo, referir a parte relevante para os problemas apontados atrás. Três tópicos apresentam-se do maior interesse: o problema do porquê da conquista de Ceuta; a administração da mesma; e a composição da nobreza, bem como as suas actividades.

  • 60 Cf. CTC.
  • 61 Cf. «Causas da conquista de Ceuta», in O Significado das Navegações e outros Ensaios, Lisboa, s.n., (...)
  • 62 Cf Ceuta e a Capitania de D. Pedro de Meneses (1415-1437), Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa, (...)
  • 63 «Ainda em torno da conquista de Ceuta», Clio, vol. V, Lisboa, Centro de História da Universidade de (...)
  • 64 «Antes de Ceuta», in Estudos Históricos, prefácio e notas de Eduardo Brasão, Lisboa, Ministério dos (...)
  • 65 «Os Portugueses em Marrocos: Ceuta e Tânger», in História de Portugal, dir. literária de Damião Per (...)
  • 66 «Algumas observações sobre a política marroquina da monarquia portuguesa», Revista Portuguesa de Hi (...)
  • 67 Raízes da Expansão Portuguesa, 5.a ed., Lisboa, Livros Horizonte, 1985.
  • 68 Navegacion e Corso en el Mediterraneo Occidental. Los Portugueses a mediados del siglo XV, Pamplona (...)
  • 69 Os Filhos de D. João I, Lisboa, Guimarães Ed., 1983.
  • 70 «A conquista de Ceuta [ensaio de interpretação não-romântica do texto de Azurara]», in Ensaios, ed. (...)
  • 71 A Expansão Quatrocentista Portuguesa. Problema das Origens e da Linha de Evolução, Lisboa, Empresa (...)
  • 72 História Diplomática Portuguesa Constantes e Linhas de Força. Estudo de Geopolítica, vol. I, Lisb (...)
  • 73 Portugal e Marrocos no Século XV, dissertação de doutoramento em História apresentada à Faculdade d (...)
  • 74 «Antecedentes da expansão ultramarina portuguesa. Os diplomas pontifícios dos séculos XII a XV», Re (...)
  • 75 «Expansão portuguesa e expansão europeia – reflexões em torno da génese dos descobrimentos», in De (...)
  • 76 Épocas de Portugal Económico. Esboços de História, 4.a ed., Lisboa, Clássica, 1988. Original de 192 (...)

26O porquê da conquista tem sido um tema debatido ao longo dos tempos e a sua importância é fulcral para o problema da nobreza na sua relação com a expansão. Deste modo, as produções de vários historiadores têm-se cristalizado, ao longo dos anos, em várias teses, que foram tratadas em capítulo próprio. Muito certamente, este foi um dos temas que maior número de páginas originou em Portugal. Numerosíssimos trabalhos foram elaborados, destacando-se autores como Zurara60, Mário de Albuquerque61, Baltasar Osório62, Alexandre Lobato63, Luís Teixeira de Sampaio64, David Lopes65 Torquato de Sousa Soares66, António Borges Coelho67, Luís Adão da Fonseca68, Oliveira Martins69, António Sérgio70, Vitorino Magalhães Godinho71, Jorge Borges de Macedo72, António Dias Farinha73, Dias Dinis74, Luís Filipe Reis Thomaz75, e João Lúcio de Azevedo76, entre muitos outros.

  • 77 Ob. cit..
  • 78 Ob. cit..
  • 79 Ob. cit..
  • 80 Lourenço Pires de Távora e a Política Portuguesa no Norte de África no Século de Quinhentos, disser (...)
  • 81 Ceuta Portuguesa (1415-1656), Ceuta, Instituto de Estudios Ceutíes – Ciudad Autónoma de Ceuta, 1988 (...)
  • 82 A Nobreza Portuguesa em Marrocos no Século XV (1415-1464), dissertação de Mestrado em História Medi (...)
  • 83 Este autor desenvolveu um intenso trabalho acerca da presença portuguesa em Ceuta. Sobre a nobreza, (...)

27Sobre a presença portuguesa e governo da cidade no século XV, importante para perceber a estrutura administrativa ultramarina e os poderes e actuações políticos, também existem vários estudos, sublinhando-se as obras de António Dias Farinha77, Torquato de Sousa Soares78, David Lopes79, Maria Leonor Garcia da Cruz80, Paulo Drumond Braga e Isabel Drumond Braga81. No tocante à presença da nobreza no Norte de África, menos estudada, salientem-se os trabalhos de Abel dos Santos Cruz82, e Afonso de Dornellas83.

  • 84 Crónica do Conde Dom Pedro de Meneses, nota de apresentação de José Adriano de Freitas Carvalho, re (...)
  • 85 Ibidem, p. 210; cf. Maria de Lurdes Rosa, O morgadio em Portugal. Sécs. XIV-XV. Modelos e práticas (...)
  • 86 Ob. cit..
  • 87 Refiro-me à CDPM e à CTC.
  • 88 «D. Pedro de Meneses, primeiro conde de Vila Real e primeiro capitão e governador de Ceuta», Studia(...)
  • 89 «A nobreza portuguesa... cit.», pp. 240-243.
  • 90 Ob. cit..

28Mas o próprio D. Pedro de Meneses já despertou algum interesse historiográfico por parte de vários historiadores. À parte a crónica de Zurara sobre o conde84, que é, de facto, o primeiro e melhor trabalho sobre a vida do mesmo, redigida em meados do século XV, e para o qual o empenho da sua filha Leonor é fundamental85, outra obra que tem como objecto a vida de D. Pedro foi realizada em 1933 por Baltasar Osório e pode classificar-se como medíocre86, romanceando os factos exactamente como eles são apresentados por Zurara nas suas crónicas87. Contributo de maior valia, pela utilização de mais fontes e pela crítica das mesmas, é o de A. J. Dias Dinis, datado de 197488. Mais recentemente, e integrados em trabalhos mais abrangentes, novos contributos para um melhor conhecimento da vida do conde foram protagonizados por Mafalda Soares da Cunha, ao analisar a recomposição da nobreza após a crise de 1383-138589, e por Maria de Lurdes Rosa, num estudo sobre o morgadio nos séculos XIV e XV, abordando o caso concreto da instituição de morgadios congregados em torno de D. Pedro90.

29Assim, e em forma de remate, o estudo da trajectória pessoal de D. Pedro de Meneses está inserido não só no grande quadro temático que tem por objecto a nobreza medieval portuguesa, mas também nos problemas particulares da repercussão social, nomeadamente ao nível da nobreza, da crise dos finais do século XIV; da reformulação das relações entre coroa e nobreza no início do processo de construção da monarquia moderna; e das consequências do início da expansão portuguesa, designadamente para o Norte de África, na composição da principal nobreza do reino e nas suas estratégias de reprodução social.

  • 91 Mafalda Soares da Cunha, «A nobreza portuguesa... cit.».

30Como foi dito atrás, várias questões surgiam a priori. Recapitulando-as, verificamos que se integravam nos problemas historiográficos expostos: Quanto à primeira questão – como é feito o regresso de D. Pedro de Castela para Portugal? –, estava directamente ligada ao problema da recuperação dos nobres exilados em Castela após a crise de 1383-1385, pois que as das famílias «perdedoras» na Crise não desaparecem do contexto nobiliárquico português quatrocentista91. A pergunta teria a sua solução nas respostas às duas questões seguintes – de que modo é que D. Pedro surge inserido nas hostes de D. Duarte em 1415, no ataque a Ceuta? e quais são os apoios que lhe permitem ser nomeado – apesar de ser a quarta escolha – por D. João I para Capitão da praça de Ceuta?.

31A interrogação colocada em seguida – qual a importância da situação de guerra permanente em Ceuta para a construção de um importante poder económico, militar, político e simbólico? – inscrevia-se na questão da articulação da nobreza com a nova realidade que representa a expansão, com vista à elevação social.

32As três últimas perguntas – quais as ligações matrimoniais que D. Pedro enceta de modo a solidificar a sua posição social e a da sua casa? As ligações ocorrem privilegiadamente com famílias que ascendem socialmente após a crise do final do séc. XIV ou com as antigas casas? qual é a importância da proximidade/ligação física, institucional ou pessoal de D. Pedro à corte e à casa real para a ascensão político-social? e quais as ligações encetadas com a Igreja e com outras famílias e grupos de nobres que consolidam a sua posição politico-social? – prendiam-se quer com o problema da relação da nobreza com o poder régio, como com os outros poderes sociais e políticos, nomeadamente com as outras famílias nobres. O objectivo era captar a essência das relações – reformuladas – com as fontes do poder, e a importância dos laços pessoais para a reprodução do poder social.

Plano do trabalho

33Como já foi referido, a investigação conjugou, ou tentou conjugar, uma narração biográfica e uma análise de rede, utilizando assim duas abordagens distintas, uma de natureza narrativa e interpretativa, outra descritiva e explicativa, que não se separaram ao longo da obra, mas que se expuseram paralelamente. Obviamente que o equilíbrio entre as duas não foi sempre perfeito, e sucede que por vezes uma das perspectivas ganhou protagonismo em relação à outra, não intencionalmente mas devido a factores que se prenderam com a natureza das várias questões tratadas.

34A divisão dos capítulos foi feita utilizando os momentos-chave da vida de D. Pedro, que não funcionaram como tampões estanques, mas como referenciais; bem como a dimensão própria de cada problema, que pode ter requerido uma reflexão mais demorada.

35Os primeiros dois capítulos são essencialmente narrativos, e debruçam-se sobre a ascendência familiar de D. Pedro, sublinhando algumas ligações mais pertinentes ao longo desta primeira fase do percurso político e social de D. Pedro, desde o seu regresso de Castela passando pela participação na conquista de Ceuta, integrado nas hostes do Infante D. Duarte até à sua nomeação como capitão e governador da mesma cidade. O terceiro capítulo observa e identifica as suas opções, possibilidades e impedimentos administrativo-militares imediatos. O capítulo quarto teve como assunto principal a actividade militar em Ceuta, as estratégias postas em prática por D. Pedro. O quinto capítulo faz a análise dos fundamentos do poder que o governo da cidade lhe transmite, ao nível da construção de uma máquina de guerra que controla o estreito e que possibilita elevados ganhos económicos e militares, e que o distingue da restante nobreza portuguesa. O capítulo seguinte toma em atenção as fontes de riqueza localizadas no reino, nomeadamente as terras e direitos.

36O sétimo ponto aborda mais proximamente a relevância do desempenho de D. Pedro para os objectivos da coroa, que se prende directamente com a importância de Ceuta para os projectos desta, e que se reflecte na sua titulação. No fim de contas, o poder conseguido, e examinado atrás, reproduz-se na ascensão de D. Pedro na escala sociopolítica, na sua titulação como conde, e portanto, no seu posicionamento como um dos grandes do reino.

37É necessário verificar então quais são e foram até aí os fundamentos do seu poder ao nível das relações pessoais e institucionais directas, num sentido lato, tomando as mesmas como recursos de capitais estruturadores e definidores do mesmo. O objectivo é então descobrir e analisar a natureza dessas ligações, o que se tentou fazer no capítulo seguinte, o oitavo, onde a segunda abordagem metodológica é predominante. Foram então vistos os vínculos familiares e as ligações clientelares.

38O último capítulo, o nono, debruça-se sobre a recuperação social da linhagem por parte de D. Pedro na sua dimensão simbólica, num restabelecimento do prestígio e memória dos antepassados, reunidos em torno da sua pessoa.

39Após este percurso, penso poderem ser entendidas as bases sociais de um poder senhorial medieval condicionado pelas circunstâncias mencionadas atrás, ou seja, no âmbito das repercussões da crise de 1383-83; da recomposição das relações dos nobres com a coroa numa mudança dinástica que coincide também com uma nova atitude «centralizadora» por parte do rei; e no início de um processo de expansão com inevitáveis reflexos sociais.

Fontes

40As fontes utilizadas compuseram-se, na sua grande maioria, de documentos da chancelaria real, somando-se a estas a preciosa «Crónica do Conde Dom Pedro de Meneses», por Gomes Eanes de Zurara, elemento de monta para o estudo do problema.

41A partir dos documentos das chancelarias, foram possíveis de definir parte das ligações com a coroa e com poucos outros nobres, visto que constam sobretudo de doações, bem como confirmações de privilégios, que serviram, além do mais, para observar as bases do poder económico e fundiário de D. Pedro.

42A crónica surge como a narração «oficial» da vida do conde, promovida pela sua filha Leonor e pelo Rei D. Afonso V. Apesar de obviamente direccionada e laudatória não deixou de constituir uma fonte fundamental, pelos nomes apontados, identificando assim as pessoas com as quais D. Pedro se relaciona; pelos dados em relação ao governo de Ceuta; pelos relatos minuciosos dos acontecimentos militares e pessoais; pela exposição das relações do conde com outros nobres, com o rei, infantes e com a Igreja. Sendo a fonte que mais foi criticada e questionada, pela sua própria natureza, não deixou de ser, contudo, a mais rica e importante.

  • 92 Crónica do Conde D. Pedro de Meneses continuada à tomada de Ceuta de Gomes Eanes de Zurara, 2 vols. (...)
  • 93 Crónica do Conde D. Pedro de Meneses [de] Gomes Eanes de Zurara / edição e estudo, Lisboa, FCG/JNIC (...)

43A edição utilizada e analisada foi a do Abade Correia da Serra, de 1792, sobretudo porque já se conhecia e porque se considerou que, das acessíveis, cumpria os propósitos do trabalho. Contudo devem referir-se as edições de António Manuel Lázaro92 e de Maria Teresa Lino da Silva93.

Notes

1 Cf. Giovanni Levi, «Les usages de la biographie», Annales ESC, n.o 6, Novembro-Dezembro 1989, pp. 1325-1336.

2 lbidem, pp. 1331-1332.

3 Cf. José Maria Imizcoz Beunza, «Comunidad, red social y élites. Un análisis de la vertebración social en el Antiguo Régimen», in Elites, poder y red social. Las élites del País Vascoy Navarra en la EdadModerna, José Maria Imizcoz Beunza (dir.), Universidad del País Vasco, 1996, pp. 13-50; e Fortunata Piselli, «Red sociali e comunicative», in Reti. LAnalisis di Network nelle Scienzi Sociali, Fortunata Piselli (ed.), Roma, Donzelli Editore, 1995, pp. VII-LXXIII.

4 Imizcoz Beunza, ob. cit., pp. 21-23.

5 Piselli, ob. cit., p. XX.

6 Cf. Peter Burke, «Historia de los acontecimientos y renacimiento de la narración», in Formas de hacer Historia, Peter Burke (ed.), Madrid, Alianza Universidad Editorial, 1994, pp. 287-305; e Rui Ramos, «A Causa da História do Ponto de Vista Político», Penélope. Fazer e desfazer a História, n.o 5, Janeiro de 1991, pp. 27-47.

7 Cf. Nuno Severiano Teixeira, «A História Política na Historiografia Contemporânea», Ler História, n.o 13, 1988, pp. 77-102.

8 Piselli, ob. cit., pp. VII-VIII.

9 Ibidem, p. VIII.

10 Ibidem, p. VIII.

11 Ibidem, p. XX e XXVI-XXXII.

12 Cf. os dois livros principais que resumem e firmam as posições desta corrente: Jacques Le Goff e Pierre Nora (eds.), Fazer História, 2 vols, Lisboa, Bertrand, 1977-1981 (ed. francesa de 1974); e Jacques Le Goff, Roger Chartier e Jacques Revel (dirs.), A Nova História, Coimbra, Almedina, 1990 (ed. francesa de 1978).

13 Piselli, ob. cit., pp. LXX.

14 Ibidem, p. X e LXX.

15 Piselli aponta três ordens de problemas para os quais este tipo de análise se revela bastante adequado: o estudo da estratificação e mobilidade social; a análise do papel do indivíduo, família ou grupo nos processos de integração de larga escala; e para o estudo de situações de crise e de conflito (ibidem, p. XLIII).

16 Ibidem; e Imizcoz Beunza, ob. cit..

17 Piselli, ob. cit., p. XXXIV-XXXV, acerca da tipologia concebida por J.C. Mitchel.

18 Ibidem. Referindo Kapferer, Piselli aponta que o apoio que uma pessoa obtém numa situação depende da estrutura e da natureza das suas relações interpessoais directas e também indirectas (p. XXXI).

19 Ibidem, p. XXXVII.

20 «História Política» parece consistir ainda um verdadeiro tabu para muitos – não todos, felizmente – historiadores portugueses, sobretudo medievalistas, obstinadamente agarrados à «Nova História» – que, curiosamente, acaba por reconhecer a validade do estudo dos fenómenos políticos – e ao estruturalismo. Ainda em 1991, Maria Teresa Nobre Veloso («Para uma bibliografia crítica de História Medieval de Portugal: algumas notas», Ler História, n.o 21, pp. 24-34) dividia os temas de investigação para a Idade Média em História Económica; História Cultural e das Mentalidades; e História Social, recusando – ou desconhecendo – a existência da História Política.

21 Cf. Jacques Julliard, «A política», in Le Goff e Nora (eds.), ob. cit., pp. 263-285; Teixeira, ob. cit., pp. 84-88; e Jean-Frédéric Schaub, «A História Política nos Annales E.S.C.: mutações e reformulações», Penélope. Fazer e desfazer a História, n.o 14, 1994, pp. 151-177.

22 O mesmo afirma A. H. de Oliveira Marques no Guia do Estudante de História Medieval Portuguesa, 3.a ed., Lisboa, Estampa, 1988, não apresentando mais do que um número restrito de exemplos.

23 Em 1962 publicava A Economia dos Descobrimentos Henriquinos, e entre 1963 e 1971 Os Descobrimentos e a Economia Mundial.

24 Destacam-se as seguintes obras: Marc Ferro, Pétain, Paris, Fayard, 1987; e Jacques Le Goff, Saint Louis, Paris, Gallimard, 1996.

25 D. João II. Um percurso humano e político nas origens da modernidade em Portugal, Lisboa, Estampa, 1991.

26 «Introdução ao estudo da Nobreza Medieval Portuguesa», in A Nobreza Medieval Portuguesa. A família e o poder, Lisboa, Estampa, 1980.

27 Ibidem, p. 12.

28 Ibidem, p. 13.

29 Ibidem, p. 19. Sobre todos os aspectos, cf. pp. 19-25.

30 Para lá da obra supracitada, destaquem-se, além de vários artigos, as obras Ricos-homens, infanções e cavaleiros. A nobreza medieval portuguesa nos séculos XI e XII, Lisboa, Guimarães Ed., 1982; Portugal medieval. Novas interpretações, 2.a ed, Lx, IN, 1992; Identificação de um Pais. Ensaio sobre as origens de Portugal (1096-1325), Lisboa, Estampa, 1985; e Fragmentos de uma composição medieval, Lisboa, Estampa, 1987, sendo que esta última obra reúne vários artigos e comunicações.

31 Linhagens medievais portuguesas: genealogias e estratégias, 1279-1325, Porto, Universidade Moderna – Centro de Estudos de Genealogia, Heráldica e História da Família, 1999.

32 A nobreza da corte de Afonso III, 2 vols., Coimbra, Faculdade de Letras, (tese de doutoramento policopiada), 1992.

33 A corte dos reis de Portugal no final da Idade Média, Lisboa, Difel, 1995.

34 «A honra de Gouviães e a sua estirpe (séculos XII-XIII)», separata de Armas e troféus, Braga, 1971; «Acção dos Cisterienses de Tarouca. As granjas nos séculos XII e XIII», separata da Revista de Guimarães, Guimarães, 1976; «A nobreza na época vimaranoportucalense. Parte I. Problemata», separata da Revista de Guimarães, Guimarães, 1981.

35 Dos Leais de Sintra e Colares aos da Região Oeste. Uma linhagem medieval inédita, Óbidos, Câmara Municipal de Óbidos, 1997.

36 Os Pimentéis. Percursos de uma linhagem da nobreza medieval portuguesa (séculos XIII-XIV), Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, [d.l. 2000].

37 Os patronos do mosteiro de Grijó. Evolução e estrutura da família nobre. Séculos XI a XIV, Ponte de Lima, Ed. Carvalhos de Basto, 1985.

38 A Casa dos Coutinhos: Linhagem, Espaço e Poder (1360-1452), Cascais, Patrimónia, 1999.

39 Linhagem, Parentesco e Poder. A Casa de Bragança (1384-1483), Lisboa, Fundação da Casa de Bragança, 1990; Redes clientelares da Casa de Bragança (1560-1640), Lisboa, Ed. Estampa, 1999.

40 «Linhagem e Património. Os Senhores de Melo na Idade Média», Penélope. Fazer e Desfazer a História, n.o 12, 1993, pp. 9-26.

41 «Genealogias Medievais: Os Braganções», Actas das II Jornadas Luso-Espanholas de História Medieval, vol. III, Porto, Instituto Nacional de Investigação Científica — Centro de História da Universidade do Porto, 1989, pp. 861-874.

42 «Os Briteiros (séculos XII-XIV). Trajectória social e política», Revista Portuguesa de História, n.o 30, 1995, pp. 71-102.

43 «A ascensão de uma linhagem: a formação da casa senhorial de Abrantes», in Comunicações 1. Arqueologia do Estado, Lisboa, 1988, pp. 331-344.

44 A Casa Senhorial do Infante D. Henrique, Lisboa, Livros Horizonte, 1991.

45 A Nobreza e a Expansão: estudos biográficos, Cascais, Patrimonia, 2000.

46 A Burocracia do “Eloquente” (1433-1438). Os textos, as normas, as gentes, Cascais, Patrimonia, 1996; e «Teemos por bem e mandamosa burocracia régia e os seus oficiais em meados de Quatrocentos, 2 vols., Cascais, Patrimonia, 2001.

47 Brasões da sala de Sintra, introd. de Luis Bivar Guerra, 3 vols., 3.a ed., Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1973.

48 A Crise Nacional dos Fins do Século XIV. Volume I. A Sucessão de D. Fernando, Coimbra, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra-Instituto de Estudos Históricos Dr. António de Vasconcelos, 1960.

49 1383-1385 e a Crise Geral dos Séculos XIV-XV. Jornadas de História Medieval. Actas. Lisboa, 20 a 22 de Junho de 1985, História e Critica, Lisboa, 1986.

50 «Conflitos sociais em Portugal no fim do século XIV», in ibidem, pp. 311-321.

51 «A nobreza e a Revolução de 1383», in ibidem, pp. 391-402.

52 «Aspectos da componente juvenil da fidalguia no contexto da crise de 1383-1385», in ibidem, pp. 297-306.

53 «A nobreza no reinado de D. Fernando e a sua actuação em 1383-1385», Revista de História Económica e Social, n.o 12, Julho-Dezembro de 1983, pp. 45-89.

54 «Os movimentos sociais em Portugal nos finais da Idade Média», Revista de Ciências Históricas, vol. I, Universidade Portucalense, 1986, pp. 219-225; e, no que toca mais directamente à nobreza, numa perspectiva socio-política, «Contestação e oposição da nobreza portuguesa ao poder político nos finais da Idade Média», Ler História, n.o 13, 1988, pp. 3-14.

55 «Exilados portugueses em Castela durante a crise dos finais do século XIV (1384-1388)», in Actas das II Jornadas Luso-Espanholas de História Medieval, vol. I, Porto, Centro de História da Universidade do Porto -Instituto Nacional de Investigação Científica, 1987, pp. 69-101.

56 «A nobreza portuguesa no início do século XV: renovação e continuidade», Revista Portuguesa de História, t. XXXI, vol. 2, 1996, pp. 219-252.

57 «Um processo de reestruturação do domínio social da nobreza. A titulação na 2.a dinastia», Revista de História Económica e Social, n.o 22, Janeiro-Abril de 1988, pp. 77-114.

58 «A expansão quatrocentista portuguesa: um processo de recomposição social da nobreza», in 1383-1385… cit., pp. 391-402.

59 Cf. ob. cit..

60 Cf. CTC.

61 Cf. «Causas da conquista de Ceuta», in O Significado das Navegações e outros Ensaios, Lisboa, s.n., 1930, pp. 21-67.

62 Cf Ceuta e a Capitania de D. Pedro de Meneses (1415-1437), Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa, 1933.

63 «Ainda em torno da conquista de Ceuta», Clio, vol. V, Lisboa, Centro de História da Universidade de Lisboa-Instituto Nacional de Investigação Científica, 1985, pp. 21-28.

64 «Antes de Ceuta», in Estudos Históricos, prefácio e notas de Eduardo Brasão, Lisboa, Ministério dos Negócios Estrangeiros, 1984, pp. 143-161. Original de 1923.

65 «Os Portugueses em Marrocos: Ceuta e Tânger», in História de Portugal, dir. literária de Damião Peres e artística de Eleutério Cerdeira, vol. III, Barcelos, Portucalense, 1931, pp. 385-432.

66 «Algumas observações sobre a política marroquina da monarquia portuguesa», Revista Portuguesa de História, vol. X, Coimbra, Instituto de Estudos Históricos Doutor António de Vasconcelos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 1962, pp. 509-555

67 Raízes da Expansão Portuguesa, 5.a ed., Lisboa, Livros Horizonte, 1985.

68 Navegacion e Corso en el Mediterraneo Occidental. Los Portugueses a mediados del siglo XV, Pamplona, Ediciones Universidad de Navarra, 1978.

69 Os Filhos de D. João I, Lisboa, Guimarães Ed., 1983.

70 «A conquista de Ceuta [ensaio de interpretação não-romântica do texto de Azurara]», in Ensaios, ed. crítica orientada por Castelo Branco Chaves e outros, vol. I, Lisboa, Sá da Costa, 1971, pp. 253-271. Original de 1919.

71 A Expansão Quatrocentista Portuguesa. Problema das Origens e da Linha de Evolução, Lisboa, Empresa Contemporânea de Edições, 1944; A Economia dos Descobrimentos Henriquinos, Lisboa, Sá da Costa, 1962; «Dúvidas e problemas acerca de algumas teses da história da expansão», in Ensaios, vol. II [Sobre História de Portugal], 2.a ed., correcta e ampliada, Lisboa, Sá da Costa, 1978, pp. 87-124.

72 História Diplomática Portuguesa Constantes e Linhas de Força. Estudo de Geopolítica, vol. I, Lisboa, Instituto da Defesa Nacional, 1987.

73 Portugal e Marrocos no Século XV, dissertação de doutoramento em História apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 3 vols., exemplar mimeografado, Lisboa, 1990.

74 «Antecedentes da expansão ultramarina portuguesa. Os diplomas pontifícios dos séculos XII a XV», Revista Portuguesa de História, vol. X, Coimbra, Instituto de Estudos Históricos Doutor António de Vasconcelos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 1962, pp. 1-118.

75 «Expansão portuguesa e expansão europeia – reflexões em torno da génese dos descobrimentos», in De Ceuta a Timor, Lisboa, Difel, 1994, pp. 1-41.

76 Épocas de Portugal Económico. Esboços de História, 4.a ed., Lisboa, Clássica, 1988. Original de 1929.

77 Ob. cit..

78 Ob. cit..

79 Ob. cit..

80 Lourenço Pires de Távora e a Política Portuguesa no Norte de África no Século de Quinhentos, dissertação de Mestrado em História Moderna apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, exemplar mimeografado, 2 vols. Lisboa, 1988.

81 Ceuta Portuguesa (1415-1656), Ceuta, Instituto de Estudios Ceutíes – Ciudad Autónoma de Ceuta, 1988, pp. 27-32.

82 A Nobreza Portuguesa em Marrocos no Século XV (1415-1464), dissertação de Mestrado em História Medieval apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto, exemplar mimeografado, Porto, 1995.

83 Este autor desenvolveu um intenso trabalho acerca da presença portuguesa em Ceuta. Sobre a nobreza, destaquem-se «As armas de Ceuta», História e Genealogia, vol. XIII, Lisboa, Casa Portuguesa, 1924, pp. 99-116; «Governadores capitães generaes de Ceuta. Subsídios», História e Genealogia, vol. IV, Lisboa, Casa Portuguesa, 1916, pp. 21-192; e «Pereiras de Ceuta. Subsídios genealógicos», História e Genealogia, vol. II, Lisboa, Casa Portuguesa, 1914, pp. 61-75.

84 Crónica do Conde Dom Pedro de Meneses, nota de apresentação de José Adriano de Freitas Carvalho, reprod. fac-similada da ed. de 1792, Porto, Programa Nacional de Edições Comemorativas dos Descobrimentos Portugueses, 1988.

85 Ibidem, p. 210; cf. Maria de Lurdes Rosa, O morgadio em Portugal. Sécs. XIV-XV. Modelos e práticas de comportamento linhagístico, Lisboa, Editorial Estampa, 1995, pp. 49-50.

86 Ob. cit..

87 Refiro-me à CDPM e à CTC.

88 «D. Pedro de Meneses, primeiro conde de Vila Real e primeiro capitão e governador de Ceuta», Studia, n.38, Lisboa, Centro de Estudos Históricos Ultramarinos, Julho de 1974, pp. 517-562.

89 «A nobreza portuguesa... cit.», pp. 240-243.

90 Ob. cit..

91 Mafalda Soares da Cunha, «A nobreza portuguesa... cit.».

92 Crónica do Conde D. Pedro de Meneses continuada à tomada de Ceuta de Gomes Eanes de Zurara, 2 vols. ed. diplomática e crítica, texto policopiado, Lisboa, 1990.

93 Crónica do Conde D. Pedro de Meneses [de] Gomes Eanes de Zurara / edição e estudo, Lisboa, FCG/JNICT, 1997.

© Publicações do Cidehus, 2004

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr