Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

D. Pedro de Meneses e a construção da Casa de Vila Real (1415-1437)

 | 
Nuno Silva Campos

Prefácio

Filipe Themudo Barata

Texte intégral

1Depois da Restauração de 1640, uma das maiores ameaças à consolidação do poder de D. João IV era o da simples existência da casa de Vila Real. Aproveitando o envolvimento do Marquês de Vila Real, o rei levou também ao cadafalso o seu filho e herdeiro da casa, o Duque de Caminha. A casa, em sentido próprio e figurado, ficou decapitada.

2Os Vila Real eram, de facto, uma casa senhorial poderosa. O que este livro procura mostrar é a forma como, séculos antes, ela foi construída e alicerçou as bases de um poder tão duradouro. Livro de história medieval, o seu centro é a figura de D. Pedro de Meneses, o primeiro governador de Ceuta, após a conquista de 1415, e, de certa forma, a própria cidade.

3Misturam-se, pois, aqui excelentes ingredientes: a observação do nascimento de uma casa senhorial, a trajectória da figura de D. Pedro de Meneses e o papel que a cidade de Ceuta foi protagonizando na diferenciação social e política em Portugal

4Nesta obra, a forma de perspectivar a figura de D. Pedro de Meneses, chama a atenção dos leitores para um conjunto de questões quase inesperadas. Primeiro, a forma como muitas das famílias portuguesas, partidárias de D. Leonor ou do rei de Castela na crise de 1383-85, foram reintegradas, diria recuperadas, na vida social e política portuguesa; neste aspecto, ainda não está totalmente esclarecido o papel charneira que o infante D. Duarte terá desempenhado, pois parece ter sido ele um dos principais promotores dessa política.

5Ligada a esta questão, emerge uma outra relacionada com a forma como, progressivamente, no interior da própria nobreza, foi ganhando foro a noção de fronteira. Na primeira metade do século XIV, para não recuar mais, as solidariedades entre as famílias e as casas não estavam nitidamente constrangidas pelas fronteiras entre reinos, nomeadamente entre o português e o castelhano. De facto, uma parte substancial da nossa história política desses séculos, só poderá ser compreendida se tivermos em conta que as fronteiras políticas limitavam mal a lógica de actuação dos grupos nobres; ora, foi nessa segunda metade do século XIV que foi ganhando sentido o valor da fronteira política, com a delimitação de poderes territoriais que se foram mesclando com políticas de carácter “nacional”.

6Um terceiro aspecto desta obra é o de permitir perceber as múltiplas vertentes de novidade e oportunidade que representou a conquista de Ceuta. Não foi só o facto de ter sido a partir da sua actuação em Ceuta que D. Pedro de Meneses construiu o poder da sua casa; não foi também só o constatarmos ter sido a partir da nova conquista que se criou um espaço de reconstrução de novas redes e ligações sociais e políticas que não estavam submetidas à lógica existente no reino. Em grande medida, a presença em Ceuta e as opções políticas tomadas induziram a ideia de que havia possibilidades enormes para poder contornar as estruturas sociais que, no reino, eram pouco flexíveis. Posto de outra forma, Ceuta, bem como outras praças que se lhe seguissem, era um mundo de hipóteses de promoção social. Talvez por isso, foi ganhando corpo a ideia de uma “geração de Ceuta”, reflectida em muitos documentos das chancelarias; não era raro que muitos dos inúmeros pedidos ao rei virem assentes na ideia de que o peticionário participara no assalto à cidade, em 1415.

7Deste ponto de vista, a trajectória de D. Pedro de Meneses é quase paradigmática do que se passou com muitos outros portugueses; com a ousadia de se ter apresentado para a função, pela coragem que demonstrou na adversidade, pela capacidade política que exibiu na gestão da cidade, mas também pela forma como soube fazer valer junto da Coroa os seus méritos, é o testemunho de uma nova sociedade.

8Um último aspecto deste trabalho, relaciona-se com a forma como, no concreto, a própria casa de Vila Real foi construída e a forma habilidosa como organizou as suas ligações e redes de dependentes. É um estudo de caso único de uma figura inexplicavelmente mal conhecida.

*

9O autor desta obra, Nuno Campos, foi meu aluno desde o início da sua licenciatura e este livro tem por base uma tese de mestrado que orientei. Sou testemunha das conversas constantes e empenhadas que ela suscitou no meu Departamento.

10Foi especialmente gratificante acompanhar os progressos feitos desde os primeiros anos, ganhando uma maturidade intelectual e científica que quero assinalar. Espero, pois, que a continuação do seu trabalho continue a ter a qualidade deste, que mereceu destaque especial com a outorga do prémio da Associação Portuguesa de História Económica e Social

11Aliás, se há conclusão que podemos tirar desta obra é o muito que ainda há para conhecer sobre a nobreza medieval portuguesa, o campo de interesse do autor. Acompanharei sempre com interesse o percurso do Nuno Campos.

12Évora, 13 de Setembro de 2004

© Publicações do Cidehus, 2004

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540