Version classiqueVersion mobile

Elites e redes clientelares na Idade Média

 | 
Filipe Themudo Barata

III. Elites Eclesiásticas: poder e clientelas

Para uma prosopografia dos cónegos de Braga1

Ana Maria S. A. Rodrigues

Texte intégral

  • 1 Uma versão preliminar deste texto – incluindo o respectivo ficheiro informático em DBaseIII+ – foi (...)
  • 2 Uma utilíssima síntese crítica sobre esta questão foi elaborada por K. F. Werner, “L’apport de la p (...)
  • 3 Assim intitulado e com o código PRAXIS/PCSH/C/HAR/63/96, o referido projecto foi aprovado em concur (...)
  • 4 Como os intitulou Robert Montei na sua recensão crítica à Mesa-Redonda organizada pelo CNRS em Pari (...)

1O método prosopográfico tem sido utilizado há muito tempo, e com considerável sucesso, no estudo das elites de diferentes épocas e regiões2. Por isso, quando decidimos elaborar um projecto de investigação sobre o poder económico, social e político do Cabido da Sé de Braga, nos finais da Idade Média (séculos XIII-XVI)3, uma das linhas de acção propostas foi a organização de um catálogo prosopográfico dos respectivos membros – dignidades e cónegos –, concebidos como um importantíssimo segmento da elite eclesiástica nacional e personagens-charneira das relações entre o poder político e o poder religioso4.

2Como é sabido, qualquer estudo prosopográfico pressupõe a delimitação do grupo a estudar, a identificação e leitura das fontes à procura dos indivíduos a ele pertencentes, a elaboração do questionário ao qual essas fontes são supostas poder responder de forma directa e adequada, assim como de uma grelha de classificação dos dados obtidos, e, por fim, a exploração estatística desses dados, tendo em vista a análise dos fenómenos sociais assim postos em relevo.

  • 5 Dificuldade essa que não é específica de Braga, pois já foi referida por investigadores de outros p (...)

3Tendo escolhido como objecto de estudo, como já dissemos, os capitulares bracarenses, a primeira dificuldade com que nos confrontámos foi a inexistência de uma relação completa dos membros do Cabido para qualquer momento do período a estudar (1245-1505)5. Na ausência de livros de matrículas de cónegos ou de registos de entrada e saída do Cabido, de actas das reuniões capitulares e ainda de róis de distribuições, foi em todo o tipo de documentação avulsa que tivemos de procurar, pacientemente, esses clérigos para constituir o catálogo da população em estudo.

  • 6 Maria Assunção Jácome de Vasconcelos, “Introdução”, in Catálogo da Exposição Historiográfica. Congr (...)
  • 7 Trata-se das Gavetas dos Arcebispos de Braga, seus Privilégios e Jurisdição Espiritual; de Braga, s (...)
  • 8 O mais conhecido de todos é o Liber Fidei, que foi integralmente editado por Avelino de Jesus da Co (...)
  • 9 Os Livros 1.º a 4.º do Tombo e 1.º a 7.º de Aniversários, contidos na Gaveta 2.a dos Cartulários, m (...)
  • 10 Guardados em pastas cujas 51 primeiras vão do ano de 911 ao início do arquiepiscopado de D. Diogo d (...)
  • 11 Entre os seus cerca de 390 volumes, encontram-se diversos Livros de Mostras para o período que nos (...)
  • 12 Trata-se de quinze pastas, de que nos interessam as cinco primeiras, que vão de 1430 a 1505.
  • 13 O período em causa é coberto pelas sete primeiras caixas. A pesquisa deste fundo foi facilitada pel (...)

4Que fontes foram, então, utilizadas? Em primeiro lugar, as fontes locais e, de entre elas, a documentação emanada pelo próprio Cabido e hoje maioritariamente colocada sob a tutela do Arquivo Distrital de Braga, que a guarda no mesmo arcaz em que desde o século XVII se encontra arrumada6. Assim, foram consultadas as diversas Gavetas do Cabido, onde jazem os pergaminhos avulsos7, bem como os cartulários onde estes e outros que já se perderam se encontram transcritos ou registados em simples ementa8 e ainda diversos outros códices9. Depois, a documentação da Mitra: a chamada Colecção Cronológica, também com documentos avulsos10, o Registo Geral, que inclui igualmente vários códices11, e as matrículas de Ordens12. Há ainda a referir a colecção de Bulas13.

  • 14 Os 4 maços e 8 rolos presentes forneceram cerca de seis dezenas de manuscritos para o período poste (...)
  • 15 I.A.N./T.T., Chancelaria de D. Afonso III, Livros 1 a 3; Chancelaria de D. Dinis, Livros 1 a 6; Cha (...)
  • 16 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, ed. Alexandre Herculano, parte II, Lisboa, 1917-[19 (...)
  • 17 Livros Velhos de Linhagens, ed. Joseph Piel e José Mattoso, Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa (...)
  • 18 Crónica de Cinco Reis de Portugal, ed. Artur Magalhães Basto, Porto, Liv. Civilização, 1945; Crónic (...)
  • 19 Tais como: Chartularium Universitatis Portugalensis, ed. Artur Moreira de Sá, 8 vols., Lisboa, 1966 (...)

5Uma pequena parcela do espólio documental dos arcebispos encontra-se, contudo, na Torre do Tombo, onde foi devidamente compulsada a parte respeitante à cronologia escolhida14. Aí, também se pesquisaram as Chancelarias, as Cortes e as Inquirições inéditas correspondentes15. Não foram igualmente esquecidas as editadas16, tal como os Livros de Linhagens17, as Crónicas régias18 e diversas compilações de documentação eclesiástica e secular19.

  • 20 Os Tombos, Livros de Prazos, de Aniversários, de Sentenças das Capelas, etc., foram lidos – e, por (...)

6A partir das fontes que seleccionou e percorreu, cada membro da equipa foi elaborando fichas individuais para cada cónego ou dignitário encontrado, nas quais registava, pela ordem por que ia lendo os documentos, todos os dados que lhe diziam respeito com as respectivas referências bibliográficas ou documentais. Essas fichas iam sendo desdobradas de cada vez que se tornava possível destrinçar dois homónimos pela descoberta de características particulares para cada um deles, ou, pelo contrário, unidas quando a especial longevidade de um capitular era reconhecida sem qualquer margem para dúvidas. Periodicamente, os investigadores que não tinham como objectivo o estudo social e institucional do Cabido entregavam aos restantes o fruto do seu labor20, permitindo a estes completar os seus ficheiros.

  • 21 Na verdade, tratou-se mais de uma adaptação ao caso português, uma vez que, como dissemos inicialme (...)
  • 22 Por exemplo, se no século XIII se sabe bastante sobre as origens sociais e a vida económica individ (...)
  • 23 Os apertados prazos a que estão, actualmente, submetidas as dissertações de Mestrado, assim como a (...)

7Quando esse trabalho de recolha foi considerado concluído, partimos para a fase seguinte, de elaboração do questionário ao qual os dados registados eram supostos poder dar uma resposta21. No entanto, deparámos com uma grande variabilidade do tipo de elementos obtidos, de período cronológico para período cronológico22, o que nos obrigou a multiplicar as interrogações, mesmo sem esperança de conseguir sempre preencher os espaços vazios. Por outro lado, também quisemos salvaguardar a possibilidade de vir a acrescentar, mais tarde, a esta base de dados, informações provindas de fontes que não tivemos a oportunidade de consultar nesta primeira fase23.

  • 24 Além dos referidos na nota 21, podemos acrescentar David Lepine, Brotherhood of Canons Serving God. (...)

8Assim, não nos limitámos a fazer as perguntas a que, de antemão, sabíamos que iríamos poder responder maciçamente com os dados já recolhidos, mas juntámos outras tantas que nos foram sugeridas pelos autores que efectuaram estudos do mesmo tipo antes ou ao mesmo tempo que nós24. Adiante iremos ver em que consiste esse questionário, e a base de dados que lhe corresponde.

  • 25 Igual opção foi feita, por exemplo, por Jacques Pycke, Répertoire..., e Hélène Millet, Les chanoine (...)
  • 26 Maria Justiniana Maciel Lima, O Cabido de Braga no tempo de D. Dinis (1278-1325), Braga, Universida (...)

9Por mais amplo que o tivéssemos tornado, contudo, ele não conseguiu, obviamente, esgotar toda a riqueza de informações contidas nas fichas originais. Optámos, por isso – e também por pensarmos que seria mais agradável para os eventuais leitores, especialistas ou não destas questões –, por redigir notícias biográficas para a totalidade dos capitulares de Braga, umas mais extensas e completas, outras quase telegráficas porque dizendo respeito, por exemplo, a indivíduos referidos como testemunhas uma só vez na documentação25. São elas que, actualmente, acompanham como apêndices as dissertações de Mestrado já concluídas sobre esta temática26, servindo para fundamentar as análises feitas e as conclusões (parciais) alcançadas sobre a composição social e cultural do cabido em cada um dos períodos cronológicos predeterminados.

  • 27 Apesar de três mestrandas terem desistido de apresentar as respectivas dissertações, a recolha de d (...)

10Todavia, a base de dados vai continuando a ser construída e completada, e será ela que permitirá efectuar o estudo estatístico do corpo capitular bracarense na longa duração, quando todos os trabalhos ainda em curso estiverem concluídos27 e considerarmos que é tempo de encerrar a pesquisa porque a quantidade e a qualidade das informações suplementares obtidas não compensam o esforço e o tempo despendidos na sua recolha. Permanecendo, no entanto, aberta a futuras adições e a novas interrogações que nós ou outras equipas de investigadores lhe quiserem fazer.

  • 28 Consultem-se os Apêndices 1 e 2, no final deste texto.
  • 29 Uma apresentação crítica do hardware e software disponíveis para os estudos prosopográficos – forço (...)

11Vejamos, então, em que consistem as matrizes da base de dados prosopográfica e do dicionário biográfico28, e quais os problemas com que nos deparámos na sua construção29.

  • 30 Esta é a ordem pela qual eles são apresentados por José Marques para a centúria de Quatrocentos (A (...)

12O dicionário biográfico dos capitulares bracarenses está organizado hierárquica e cronologicamente, começando pelos dignitários – deões, chantres, tesoureiros, mestres-escolas e arcediagos (de Barroso, do Couto de Braga, de Neiva, de Vermoim e, mais tarde, de Fonte Arcada e de Olivença)30 – e continuando com os cónegos.

  • 31 Em particular, no caso de indivíduos estrangeiros cujo nome surge, nas fontes, quer em latim quer n (...)

13A cada indivíduo foi atribuído um número de ordem identificativo. É ele que encabeça a notícia biográfica, juntamente com o nome, constituído pelo nome próprio, patronímico e, por vezes, um terceiro elemento que pode ser um topónimo ou uma alcunha. Em alguns casos, acontece o título de Mestre antecipar-se ao nome de baptismo, o que pode tornar supérfluo qualquer apelido; todavia, na base de dados, o referido título foi apontado no final do nome, entre parêntesis, pois não faz parte integrante deste. Devido à variabilidade das grafias, tanto do latim medieval como das línguas vernáculas, os nomes foram actualizados e normalizados para o ficheiro informático, mas nas pequenas biografias registaram-se, em nota, as variantes mais importantes31.

  • 32 No caso de apenas termos testemunhos da sua existência para um único ano, este será registado no pr (...)

14Seguem-se as datas – reduzidas ao ano – em que o indivíduo ocupou a dignidade ou canonicato em questão, em itálico se se tratar de datas precisas de entrada e/ou saída, em redondo se consistirem em simples datas extremas de referência à sua ocupação do cargo. A base de dados prevê, além de dois campos para estas datas32, a existência de um terceiro para assinalar de que cargo se trata e de um quarto para a respectiva duração em anos, por forma a permitir elaborar estatísticas sobre a duração das carreiras.

  • 33 Por exemplo, Domingos Domingues, cónego (1278-1281), mestre-escola (1291-1317) e deão (1317-1325) – (...)
  • 34 Vejam-se alguns exemplos no Apêndice 3.

15Estes quatro campos são repetidos duas vezes, pois encontrámos casos de clérigos que, tendo começado como cónegos, passaram por mais duas dignidades até terminarem a sua carreira no Cabido33. Assim, o primeiro registo deverá ser sempre feito para o canonicato e os seguintes para as restantes funções pela ordem em que se sucederam. Todavia, as notícias biográficas são agrupadas debaixo de um só nome na mais alta dignidade alcançada, sendo depois meramente assinalada a ocupação de cargos inferiores, no local apropriado, com as respectivas datas34.

  • 35 Os Livros de Aniversários dos sécs. XIV e XV fornecem-nos, em geral, estes dados. Contudo, sabemos (...)

16Na tentativa de aprofundar a identificação do indivíduo, os campos seguintes referem-se às suas datas de nascimento e morte, reduzidas ao ano e registadas em itálico se forem conhecidas com segurança, em redondo se resultarem de deduções. A data de sufragação da sua alma, quando conhecida, também é averbada, pois pode consistir numa aproximação ao dia e ao mês do seu óbito35.

17Segue-se a determinação da origem geográfica do clérigo em questão. Por vezes, a povoação onde ele nasceu é passível de ser apurada de uma forma bastante precisa, mas com mais frequência apenas se conhece a freguesia ou concelho de origem, ou mesmo a diocese onde ele recebeu as ordens menores; daí que se tenham previsto campos para registar todas estas possibilidades. O local escolhido para a sua sepultura – povoação e respectiva diocese – é, também, um indicador de origem a considerar.

18Quanto à determinação do estatuto social, ela é abordada através da dilucidação da teia de laços familiares e de dependência em que o indivíduo se inseria. Assim, procura-se, em primeiro lugar, saber quem eram e a que categoria social pertenciam os progenitores, passando depois aos colaterais e por fim aos descendentes. Contudo, se nas notas biográficas todos os elementos referentes a esta questão são exaustivamente descritos e analisados, formulando-se diversas hipóteses de identificação, na base de dados apenas figuram os resultados, apresentando um elevado grau de segurança para um máximo de três familiares.

  • 36 Cf. M.ª Justiniana M. Lima, op. cit., pp. 36-42; João Carlos T. Ribeiro, op. cit., pp. 48-54; M.ª A (...)
  • 37 Para além dos respectivos parentes, alguns bispos fizeram entrar no Cabido de Braga os seus capelãe (...)

19Neste âmbito, especial ênfase é posta na identificação de parentes clérigos, dessa e doutras dioceses, já que é bem conhecida a prática do nepotismo em todos os níveis da carreira eclesiástica. De facto, os resultados já alcançados apontam para a importância da relação tio-sobrinho no seio do Cabido bracarense, embora houvesse outros graus de parentesco em jogo36. Os laços de parentesco fictício também não são esquecidos, pois geravam cumplicidades políticas e trocas económicas que não são de modo algum de desdenhar. Por fim, entrámos igualmente em linha de conta com as clientelas, que eram uma importantíssima base social de apoio destes homens37.

20Passa-se depois à determinação do nível cultural do indivíduo, esclarecendo, tanto quanto possível, que tipo de estudos iniciais fez, se frequentou – ou não – uma Universidade, que disciplina(s) cursou, que graus obteve. No caso de não termos quaisquer dados sobre esses estudos, a presença no seu espólio de livros de espiritualidade, de história, de leis ou de ciências, para além dos litúrgicos, pode ser um indicador importante de interesses culturais mais amplos.

  • 38 Estas informações só se tornam frequentes a partir do século XV, quando dispomos de Matrículas de O (...)
  • 39 Da mesma forma, um ficheiro complementar (intitulado “Benefícios”) com os mesmos dois campos comuns (...)

21Entramos, por fim, na sua carreira eclesiástica. Começando pelo princípio, procuramos saber quando obteve as diferentes ordens sacras, quem lhas atribuiu e onde38. Contudo, só a mais alta ordem maior alcançada é objecto de inserção no ficheiro informatizado. Os diferentes benefícios ocupados sucessivamente ou em acumulação ao longo da sua vida são, também, enumerados por ordem cronológica nas notícias biográficas, mas apenas o número total de cada tipo – canonicatos ou dignidades noutras sés, curatos em igrejas paroquiais próximas, etc. – é registado na base de dados39.

22São igualmente referidas, no caso de existirem, as súplicas endereçadas aos pontífices, os patronos que as apoiaram e os respectivos resultados, não só pela obtenção de graças expectativas, mas pela eventual transformação destas em verdadeiras prebendas. Contudo, apenas as graças referentes às prebendas efectivamente ocupadas em Braga são objecto de registo no ficheiro informatizado, assim como os respectivos patronos. Os conflitos na ocupação das prebendas são detalhadamente explicados nas notícias biográficas dos diversos intervenientes, mas objecto de um registo simplificado no ficheiro informático.

23Identificam-se, quando possível, as personagens que efectuaram a colação e os eventuais procuradores que substituíram o clérigo nesse acto, assim como os antecessores e sucessores de cada cónego nas respectivas prebendas. As causas do abandono da prebenda ou mesmo do Cabido pelo cónego também são explicadas sempre que nos são conhecidas.

24Em seguida, é a vida interna da canónica que é perscrutada. Apura-se se o cónego teve estatuto de residente ou se obteve alguma dispensa, e por quantos anos. Enumeram-se os ofícios que ele ocupou na comunidade capitular, e, passando à sua carreira no exterior, as funções eventualmente desempenhadas ao serviço de outras entidades eclesiásticas, do soberano ou de algum grande senhor. A participação em missões diplomáticas ou operações militares não é esquecida, tal como o exercício de funções docentes e outras tarefas intelectuais, como a redacção de livros.

25Por fim, perscruta-se o seu património e elucida-se o seu desempenho económico. Nas notas biográficas, enumeram-se as propriedades que herdou dos parentes e as que adquiriu, por compra, doação ou troca, durante a sua vida, avaliam-se os respectivos rendimentos e especificam-se os privilégios de que beneficiou. Descrevem-se os negócios em que esteve envolvido e os bens móveis que acumulou. Explicita-se, no caso de haver testamento, como tudo isso foi mobilizado para perpetuar a sua memória e ajudar a salvação da sua alma, através das fundações e legados pios. No ficheiro informático apenas se regista, contudo, se temos conhecimento da existência de tais bens e rendimentos, e o tipo de fundação piedosa efectuado.

Annexes

Apêndice 1. Estrutura do Ficheiro Informático

Campo

Nome do Campo

Tipo

Dimensão

Notas

1

N.º Ordem

Numérico

4

2

Nome

Alfanumérico

40

3

Dignidade1

Alfanumérico

2

40

4

Datadig1 1

Numérico

4

41

5

Datadig1 2

Numérico

4

42

6

Duração 1

Numérico

2

7

Dignidade2

Alfanumérico

2

43

8

Datadig21

Numérico

4

9

Datadig22

Numérico

4

10

Duração2

Numérico

2

11

Dignidade3

Alfanumérico

2

12

Datadig31

Numérico

4

13

Datadig32

Numérico

4

14

Duração3

Numérico

2

15

Datanasc

Numérico

4

16

Datamort

Numérico

4

17

Datacom

Alfanumérico

12

44

18

Localnasc

Alfanumérico

10

19

Naturalidade

Alfanumérico

1

45

20

Diocesmen

Alfanumérico

1

46

21

Localsep

Alfanumérico

25

47

22

Diocesesep

Alfanumérico

1

23

Parentesco 1

Alfanumérico

2

48

24

Estatuto 1

Alfanumérico

2

49

25

Diocespar1

Alfanumérico

1

50

26

Parentesco2

Alfanumérico

2

27

Estatuto2

Alfanumérico

2

28

Diocespar2

Alfanumérico

1

29

Parentesco3

Alfanumérico

2

30

Estatuto3

Alfanumérico

2

31

Diocespar3

Alfanumérico

1

32

Fictício

Alfanumérico

1

51

33

Tipodep1

Alfanumérico

1

52

34

N.odep1

Numérico

1

53

35

Tipodep2

Alfanumérico

1

36

N.odep2

Numérico

1

37

Tipodep3

Alfanumérico

1

38

N.odep3

Numérico

1

39

Formação

Alfanumérico

1

54

40

Localform

Alfanumérico

15

55

41

Univl

Alfanumérico

1

56

42

Univ2

Alfanumérico

1

57

43

Grau

Alfanumérico

1

44

Matéria1

Alfanumérico

1

58

45

Matéria2

Alfanumérico

1

46

N.ºlivros

Numérico

2

59

47

Ordemsacra

Alfanumérico

1

60

48

Tipobenef1

Alfanumérico

2

61

49

N.ºbenef1

Numérico

1

62

50

Tipobenef2

Alfanumérico

2

51

N.ºbenef2

Numérico

1

52

Tipobenef3

Alfanumérico

2

53

N.ºbenef3

Numérico

1

54

Datasup1

Data

8

63

55

Patronosup1

Alfanumérico

1

64

56

Conflito1

Alfanumérico

1

65

57

Datasup2

Data

8

58

Patronosup2

Alfanumérico

1

59

Conflito2

Alfanumérico

1

60

Datasup3

Data

8

61

Patronosup3

Alfanumérico

1

62

Conflito3

Alfanumérico

1

63

Colação 1

Alfanumérico

1

66

64

Procurador1

Numérico

3

67

65

Colação2

Alfanumérico

1

66

Procurador2

Numérico

3

67

Colação3

Alfanumérico

1

68

Procurador3

Numérico

3

69

Antecessor

Numérico

3

68

70

Sucessor

Numérico

3

69

71

Saída1

Alfanumérico

1

70

72

Saída2

Alfanumérico

1

73

Saída3

Alfanumérico

1

74

Residência

Alfanumérico

1

71

75

Dispensa

Numérico

2

72

76

Ofício1

Alfanumérico

2

73

77

Ofício2

Alfanumérico

2

78

Ofício3

Alfanumérico

2

79

Funçõesreg

Alfanumérico

1

74

80

Docência

Alfanumérico

1

75

81

Obras

Numérico

1

76

82

Bens

Alfanumérico

1

77

83

Aquisições

Alfanumérico

1

78

84

Rendas

Alfanumérico

1

79

85

Móveis

Alfanumérico

1

80

86

Negócios

Alfanumérico

1

81

87

Alma

Alfanumérico

1

82

Apêndice 2. Apresentação das notícias biográficas

Esta apresentação é feita por ordem cronológica, começando pelos dignitários (por ordem hierárquica: deões, chantres, tesoureiros, mestres-escolas, arcediagos de Barroso, Couto, Neiva, Vermoim, Fonte Arcada e Olivença) e passando depois aos simples cónegos. Para todos eles, fornecem-se, na medida do possível, os seguintes elementos:

Como título:

Número de Ordem – Um único para cada indivíduo, ainda que tenha ocupado diversas funções e cargos no seio do Cabido. Permite as remissões internas e facilita o estabelecimento de índices.

Nome – É dado na grafia actual, em português ou na língua de origem (francês, castelhano, italiano), mas com referência, em nota, às mais importantes variantes encontradas.

Datas de ocupação do cargo – Datas extremas de ocupação da dignidade ou canonicato; em itálico, se corresponderem a datas precisas de entrada ou saída.

Por ordem, quando pertinente:

1. Datas de nascimento e de morte – em itálico quando conhecidas com precisão.

2. Inserção geográfica

2.1. Origem

2.1.1. Localidade/Freguesia de nascimento

2.1.2. Diocese onde recebeu ordens menores

2.2. Local de sepultura

3. Inserção Social

3.1. Identidade e estatuto familiares

3.1.1. Dos progenitores

3.1.2. Dos colaterais

3.1.3. Dos descendentes

3.2. Laços pessoais

3.2.1. Parentescos fictícios

3.2.2. Clientelas

4. Nível cultural

4.1. Formação inicial

4.2. Universidade(s) frequentada(s)

4.3. Grau(s) obtido(s)

4.4. Livros possuídos

5. Carreira(s)

5.1. Carreira eclesiástica

5.1.1. Ordens sacras obtidas

5.1.2. Benefícios sucessivos e/ou simultâneos

5.1.3. Ofícios e funções no seio do Cabido

5.1.4. Outros ofícios e funções eclesiásticos

5.2. Carreira ao serviço do Estado

5.2.1. Cargos da burocracia régia

5.2.2. Funções políticas e diplomáticas

5.2.3. Operações militares

5.3. Carreira intelectual

5.3.1. Funções docentes

5.3.2. Produção intelectual

6. Nível económico

6.1. Bens patrimoniais

6.2. Aquisições

6.3. Rendas e privilégios

6.4. Bens móveis e negócios financeiros

6.5. Fundações e legados pios

Apêndice 3. Exemplos de Notícias Biográficas83

(A) – Maria Antonieta Moreira da Costa, O Cabido de Braga na Segunda metade da centúria de Duzentos (1245-1278), Braga, Universidade do Minho, 2000.

N.º 3 – João (mestre), Chantre, 1245-1277

Deve ter falecido em 1277, no próprio ano em que mandou lavrar testamento84 ou pouco tempo após essa data, pois não voltam a ser encontradas referências suas e um outro chantre aparece mencionado nas fontes no ano seguinte.

Era provavelmente natural do distrito de Braga, pois as propriedades que recebeu da sucessão do avô Martinho Sesnandes situavam-se em Nogueira85. No seu testamento, feito em Braga, pediu para ser sepultado no claustro da sé desta cidade, junto do avô.

Para além de mencionar Martinho Sesnandes, já falecido, identificou como membros da sua família as irmãs Estefânia e Elvira e os sobrinhos Pedro Anes, Domingos Anes e Domingas Peres. Embora o avô não o tivesse citado no respectivo testamento86, referiu, no entanto, o deão Pedro Anes como seu afilhado, afirmando também ser parente de um certo cónego Mendo Peres, o que mostra que este chantre tinha alguns familiares na carreira eclesiástica.

Surge-nos, ao longo de toda a documentação, como chantre, usando sempre o título de mestre, o que comprova a sua formação superior. Sabemos que possuía selo próprio, pois o cónego Estêvão Anes fez com ele selar uma carta datada de 1253, a propósito da apresentação da igreja de Santa Maria de Palmeira87, tendo-o usado também para selar o seu testamento.

A bula de Inocêncio IV, Tuam volentes honorare, dada em Assis a 18 de Julho de 1253, dirigida ao arcebispo João Egas, mandava que fosse concedida dispensa tanto a mestre João, chantre, como ao cónego Estêvão Anes para obtenção de uma dignidade e de um único benefício no reino de Portugal88.

Em 1245, ano em que surge pela primeira vez na documentação do arquivo do cabido, emprazou, juntamente com mais dois cónegos e em nome da canónica, o casal de Gandarela, situado em Santa Maria de Panóias89.

Em 18 de Fevereiro de 1268, vemo-lo ser testemunha da doação da herdade da Quintã, da bouça de Mogo e do casal de Amorim, sitos em Santa Maria de Abade, feita à instituição capitular pelo escudeiro Estêvão Peres90. Em 1274, aparece como testemunha quando o cabido adquire duas propriedades rurais91. No ano seguinte testemunhou um emprazamento por uma vida, feito pela canónica ao clérigo de S. Martinho de Dume, João Anes, um penhor imobiliário sobre uma vinha de Pedro Peres de Lamaçães e sua mulher Constança Domingues, feito a favor do cónego Domingos Peres pelo seu procurador Domingos Fernandes e ainda a pública forma do testamento do deão Fernão Eanes92.

Em relação às suas actividades económicas, sabemos que, entre 1246 e 1277, comprou seis propriedades rurais, constituídas por duas herdades, três leiras e duas vinhas, sendo três em Santiago de Esporões, concelho de Viana do Castelo, uma em S. Paio de Arcos, concelho de Braga, e duas outras em locais não identificados93. Adquiriu ainda, no mesmo espaço de tempo, mais uma casa na cidade velha94. Segundo um apontamento das propriedades que o cónego D. Mateus deixou ao cabido de Braga, terá ainda possuído alguns casais em Nogueira95, devendo tratar-se das mesmas propriedades que no seu testamento situa na mesma localidade. Além destas propriedades de Nogueira, que pertenciam à sucessão de Martinho Sesnandes, era detentor de uma herdade em Carrazedo, outra em S. Cristóvão de Esporões, parte de uma Quinta no Pedraçal, uns moinhos que tinha emprazados, um emprazamento em Urjães e casas na Rua dos Burgueses, em Maximinos e na Cividade96. Em 1263, escambou com o Cabido um foro de 5 morabitinos, transferindo-o de uma propriedade para outra97.

Afirmou ter, para além destes bens, ainda alguns bens móveis, entre eles três cifos, legando um, dourado e com mais algum dinheiro, aos cónegos de Braga, e um outro a um sobrinho. A herdade do Selho que possuía em Guimarães foi deixada à canónica dessa cidade98. Foi também generoso para com algumas pessoas, entre elas os leprosos e leprosas da cidade de Braga, e algumas instituições.

Instituiu uma capelania perpétua, encarregando o seu procurador, Fernão Anes, de a dar ao clérigo de sua casa, Pedro Anes99.

N.º 4 – Gonçalo Gonçalves, cónego, 1270 e chantre, 1278

Foi este, sem dúvida, o cónego que tomou posse do chantrado bracarense após mestre João, o qual não volta a aparecer na documentação após 1277.

Sabemos que era cónego em 1270 e estava em Salamanca nesse mesmo ano, pois foi um dos subscritores do testamento do cónego João Fernandes de Urgeses, que aí foi feito, sendo este um dos dois documentos que no-lo referencia como cónego100.

Por bula Exposuit nobis, de 30 de Outubro de 1274, Gregório X nomeou-o comissário apostólico, para julgar uma contenda entre o reitor do hospital de S. João do Souto e Pedro Mendes Carudo. A 22 de Março do seguinte ano, foi redigida em Salamanca a intimação para que o citado reitor comparecesse perante o cónego101.

Em 1278 surge, já como chantre, novamente em dois testamentos, a saber: o do cónego Gomes Domingues, que o nomeia como seu executor testamentário, juntamente com D. Geraldo Lourenço, arcediago de Braga102 e o do arcediago de Neiva, Pedro Garcia, onde faz parte do número das testemunhas103.

(B) Maria Justiniana Maciel Lima, O Cabido de Braga no tempo de D. Dinis (1278-1325), Braga, Universidade do Minho, 1998.

N.º 7 – Gonçalo Gonçalves, chantre, 1281-1282

Há uma referência anterior, em 1278, a um D. G (?), chantre, que nessa altura testemunha um testamento. Mas é no período apontado acima que o podemos identificar com segurança: está presente numa reunião realizada pelo cabido em que se passa pública forma de uma provisão régia, sendo um dos confirmantes. Em nome do cabido, e como chantre e porcionário, recebe a doação da herdade de Vila Nova feita por Pedro Pais ao cabido e ratificada por sua mulher, Maria Gonçalves.

A identidade deste chantre provocou-nos algumas dúvidas, devido à existência de um arcediago do Couto, homónimo, referenciado entre 1288-1289. Existe a probabilidade de estarmos em presença de um chantre que acumulou um arcediagado104. De notar a existência de um cónego com o mesmo nome (n.º 59), mas facilmente identificável, devido ao facto de estar sempre intitulado de abade de Vila Cova105.

N.º 48 – Pedro Garcia, cónego, 1284

Este cónego, a não confundir com o arcediago homónimo (n.º 23), já morto nesta data, foi vigário-geral de D. Telo e, em 1284, dirige-se a Roma como procurador de Garcia Nunes (Moniz?), capelão do mesmo arcebispo, numa causa movida contra João Martins, cónego de Coimbra106, a propósito do provimento da igreja de Avô, nessa diocese.

É intitulado de Dom Mestre107.

– Egídio Martins, cónego, 1303

Também cónego de Évora. Depois tesoureiro, já referenciado com o n.º 15.

N.º 73 – João (mestre), cónego, 1303

Juiz árbitro em 1303108.

N.º 88 – Mendo Eanes, cónego, 1317

As duas únicas notícias relativas a este cónego datam do ano de 1317. Participa em todas as acções desenvolvidas pelo cabido para eleger e conseguir a confirmação do novo deão e ainda é testemunha num escambo realizado entre o cabido e um clérigo109.

N.º 91 – Egas Lourenço, cónego, 1323-1325110

Cónego de Braga referenciado somente a partir de 1323, foi, no entanto, personagem influente e relacionada com o cabido nas décadas anteriores.

O seu testamento, realizado em 1330111, permite-nos conhecer alguns dados da sua vida pessoal112. Era natural da diocese de Braga e pertencia à família dos Barroso. O seu pai, Lourenço Egas, aparece intitulado de cavaleiro do Penso e era dono de propriedades em S. Vicente de Penso, próximo de Braga. Foi sepultado, juntamente com a sua mulher, na igreja de Góios. Conhecem-se mais alguns seus familiares: a mãe, Maria Martins, um irmão, Vasco Lourenço, cavaleiro e armígero do rei, um filho deste, Gonçalo (e portanto seu sobrinho), e duas filhas, abundantemente contempladas no testamento, Maria e Margarida Egas, ambas monjas, uma em Vairão e outra em Santa Clara. Tinha outro filho, chamado Vasco Lourenço, cuja mãe era Ouroana Dante e foi legitimado pelo rei em Dezembro de 1312113. Conhece-se ainda o nome de um seu clérigo e procurador, Pero Eanes, e de uma sua protegida, Maria, filha de Vasco Fernandes, outrora reitor de Rio Covo, a quem deixa 150 libras para o seu casamento.

Nada sabemos acerca da sua formação, mas possuía livros, dos quais destacamos umas Decretais.

A sua carreira foi longa e multifacetada, sobressaindo a acumulação de benefícios e a luta por eles quando necessário. É com certa clareza que se consegue traçar o seu percurso: primeiro como simples escolar (1281), depois como reitor de Chorente e a seguir abade de S. Salvador de Lagoa (1289), cargo que ainda mantém em 1311. Até 1303 foi clérigo de D. João Afonso, conde de Barcelos, e provavelmente seu contador, como se depreende de uma carta de quitação que recebe do conde nesta data, “de todas as coisas que dele recebeu e teve e houve”114. A partir de 1304 foi clérigo, contador e capelão do rei. Em 1311, é provido cónego do Porto115 e nessa altura também é intitulado de reitor de Santa Maria de Góios116. Continua, no entanto, como clérigo do rei, pois em 1315 ainda é referido como tal. Em 1323, surge como cónego do Porto e de Braga, quando é nomeado por D. Gonçalo Pereira, então bispo de Lisboa e coadjutor do bispo D. João de Soalhães, como seu procurador “para receber a referida coadjutoria e praticar todos os actos de administração do arcebispado com poderes para receber rendas, exigir pagamentos, nomear alcaide, juiz e outros oficiais na cidade de Braga, deles recebendo a homenagem e o juramento, como se ele (D. Gonçalo) presente fosse”117.

Registado em traços largos o seu percurso biográfico, a documentação possibilita, entretanto, o levantamento de outros pormenores da sua vida. A primeira notícia surge a propósito da confirmação de uma carta de compra feita pelo cabido, em 1281, em que Egas Lourenço é identificado como escolar. A tratar-se efectivamente deste indivíduo, é facto curioso que se encontre já relacionado com o cabido bracarense. Uma vez que a sua presença na documentação está provada ao longo de 5 décadas (1281-1331), seria muito jovem nesta altura.

Em Maio de 1289, Egas Lourenço encontra-se em Roma, aguardando audiência com o papa. Apresenta, nessa altura, uma carta de protesto perante o notário da Santa Sé, através do seu procurador Ricardo de Piperno, clérigo, por não lhe contar o tempo de apresentação na igreja de Lagoa, diocese de Braga, visto estar retido em Roma esperando ser admitido na referida audiência, a que ia pedir auditor na causa que trazia com outros apresentados nessa igreja, vaga por morte do anterior reitor118. De tudo isto depreendemos que a sua nomeação para abade de S. Salvador de Lagoa não foi pacífica, a ponto de ser necessário apelar para o papa para resolver a questão. Sabemos que em Fevereiro desse mesmo ano (1289) ele fora confirmado reitor de Lagoa (era então reitor de Chorente), através de uma sentença, na presença de arcediagos119.

Em 1291, já como reitor de Lagoa (conseguiu vencer a causa, portanto...), recebe por doação, feita pelo abade de S. Paio de Ceide, umas herdades em S. Silvestre de Requião, S. Salvador de Lagoa e S. Paio de Ceide. Mais tarde, em Dezembro de 1292, sabemos que se encontra ausente de Braga. Nessa altura, o seu pai, Lourenço Egas, cavaleiro e seu procurador num pleito que trazia com o reitor de Aveleda, por causa de um prestimónio nessa igreja, renuncia a esse prestimónio, em nome do filho, e assume ele próprio as custas do processo.

Voltámos a encontrar notícias dele somente em 1298, como reitor de Lagoa e coadjutor da igreja de Santa Eulália de Rio Covo, comprometendo-se a pagar, pelo S. Miguel, a um mercador da rua dos Burgueses, em Braga, 123 libras, que era o custo de uns panos de cor que ele lhe comprara, para amortalhar o corpo do reitor dessa igreja de que era coadjutor120. A partir de então surge amiúde transaccionando propriedades: compra ao seu irmão Vasco Lourenço um quarto de casal em Silveiros (entre as testemunhas encontra-se o seu pai); compra a três particulares, todos de sobrenome Martins, talvez parentes entre si, o casal de Silveiros, do qual já possuía uma parte (a que comprou ao irmão?); compra a herdade de Torneiros em S. Vicente de Penso e S. Pedro de Escudeiros; um casal em Chavão, a um cónego de Braga e de Coimbra, Gonçalo Gomes (n.º 65). Na respectiva carta de compra vemos João Lourenço como testemunha: serão parentes? Também Pedro Egas, arcediago (n.º 25), está presente. O nome Egas, não muito vulgar, pode sugerir a existência de parentesco com o arcediago e o pai de Egas Lourenço; no entanto, a comprovação não nos foi possível. Comprou ainda outra propriedade em Torneiros; um casal em S. Vicente de Penso e S. Pedro de Escudeiros...

O valor das transacções em que se envolvia seria razoavelmente elevado. Tanto que, em 1305, como clérigo de D. Dinis, recebe um alvará do rei que lhe permite comprar herdades no termo de Braga que valessem até 300 libras. Em virtude de tal autorização, compra mais umas herdades em S. Pedro de Escudeiros.

E as aquisições continuam. Um cavaleiro, Lourenço Esteves Gato, desiste, a favor do então clérigo e contador do rei, do direito que tinha sobre umas casas em S. Paio de Ceide, S. Silvestre de Requião e S. Salvador de Lagoa, enquanto este compra mais herdades em S. Vicente de Penso e S. Pedro de Escudeiros.

Em 1311, clérigo do rei e agora também cónego do Porto, realiza uma concórdia com Estêvão Vasques, lugar-tenente do grão-mestre da ordem dos Hospitalários, referente a um escambo feito entre ambos e que se revelara fonte de conflitos. As propriedades em questão situavam-se em Chorente e em Chavão. Acabam por se compor, estipulando certas rendas, em que entram também herdamentos em S. Fins. A carta de composição é feita em Lisboa.

Um ano depois recebe nova autorização, por provisão régia, para adquirir propriedades, desta feita até 400 libras, mas com a cláusula de que, por sua morte, ficassem as tais propriedades a pessoas leigas. Assim, compra mais uns casais em Chorente...

Continua a acumular funções, a base necessária à disponibilidade financeira que evidencia: em 1313, é nomeado reitor de Santa Maria de Góios, por carta de D. Afonso, arcebispo eleito, enviada ao seu vigário, o cónego Pedro Lourenço Ferraz (n.º 83)121; em 1320, aparece intitulado abade de S. João de Castanheira. Recebe, entretanto, a doação da herdade de Paço, termo de Braga, feita por um particular e sua mulher. A herdade tinha sido recebida por herança; não se referem as razões da doação.

Possuía vários livros: umas Decretais, umas instituições, um Livro com três sumas, o Livro Sexto, outro com sumas antigas, um Tratado de Guilherme de Mandagoto, um Breviário, um Missal. Todos estes livros aparecem avaliados em libras122.

Verificámos que, embora a sua vida não se tenha circunscrito a Braga, os seus interesses patrimoniais se encontravam quase em exclusivo nesta diocese123.

(C) João Carlos Taveiro Ribeiro, A Instituição Capitular Bracarense no Século XIV (1325-1374). Organização e Relações, Braga, Universidade do Minho, 1998.

N.º 7 – Egas Lourenço, chantre, 1327-1331

Faleceu em 22 de Dezembro de 1331 e pretendeu ser sepultado dentro da catedral, onde o cabido achasse por bem.

Terá nascido em Santa Maria de Góios, Barcelos. O seu pai era Lourenço Viegas. Por irmão tinha Vasco Lourenço, escudeiro de D. Dinis. Tinha duas parentes monjas, Margarida Egas, no mosteiro de Vairão, e Maria Egas, no mosteiro de Santa Clara de Vila do Conde. Tinha como sobrinhos, filhos de Vasco Lourenço: Gonçalo Vasques, que era candidato a clérigo, Maria Vasques, Mécia Vasques e Rui Vasques124.

Foi clérigo e contador de D. Dinis talvez até ao final do reinado do monarca. Quanto ao início das suas funções junto do monarca, sabemos que, pelo menos, em 1306, já as tinha e em 1316 exercia o cargo de clérigo do rei125.

Foi cónego de Braga, pelo menos, a partir de 1325, ano em que é vigário-geral126, e surge também mencionado como cónego do Porto e de Braga127.

Em Maio de 1326, D. Gonçalo Pereira nomeia-o procurador para apresentar as letras apostólicas da sua trasladação para o arcebispado de Braga128.

Aparece como chantre em 1327129, dignidade que mantém até 1331130, ano da sua morte.

N.º 56 – Guillaume de Bos131, cónego, 1335

Sabemos que faleceu em 1347, pois a sua prebenda de Lisboa é então solicitada ao papa132. Foi clérigo da câmara apostólica133.

O seu nome aparece mencionado uma única vez, em Junho de 1335, como cónego e o cabido de Braga nomeia-o seu procurador para protestar junto do arcebispo contra a dízima que o papa tinha concedido para socorrer a Terra Santa134.

Em 1343, Guillaume de Bos solicitou ao papa a prebenda e canonicato de Lisboa por morte de Miguel Vivas135.

N.º 106 – Pierre Bertrand136, porcionário, 1351 e cónego, 1355-1369

A primeira referência que encontramos para este indivíduo é para 1351, quando aparece mencionado como porcionário137. Em Dezembro de 1355, já era cónego de Braga, pois assim é mencionado no cabido138. Contudo, data de 1357 o pedido de confirmação do canonicato e prebenda bracarenses, vagos por morte de Gil Esteves; tinha, nessa altura, benefícios igualmente nas igrejas de Lissac (diocese de Rieux) e Minhotães (diocese de Braga)139.

Em Novembro desse ano, aparece como chanceler do arcebispo, quando este determina que, dos benefícios que vagassem no arcebispado, o cabido recebesse a terça parte e a Mitra o restante140.

Em Maio de 1364, é mencionado numa altura em que era vigário-geral e emite uma sentença141. Mais tarde, aparece em Janeiro de 1369142.

Notes

1 Uma versão preliminar deste texto – incluindo o respectivo ficheiro informático em DBaseIII+ – foi redigida em 1995, para orientar o trabalho dos primeiros mestrandos que iriam estudar a estrutura, a composição social e a vida de relação do Cabido da Sé de Braga, nos finais da Idade Média. Tendo beneficiado das questões levantadas no confronto com a prática pelos referidos alunos, uma proposta reelaborada – incluindo um novo ficheiro informático – foi submetida à reunião anual da Sociedade Portuguesa de Estudos Medievais, realizada em Évora, em Maio de 1999. O texto que hoje apresentamos incorpora as críticas e sugestões então feitas por alguns colegas presentes, a quem agradecemos a colaboração.

2 Uma utilíssima síntese crítica sobre esta questão foi elaborada por K. F. Werner, “L’apport de la prosopographie à l’histoire sociale des élites”, in Family Trees and the Roots of Politics. The prosopography of Britain and France from the 10th to the 12th century, ed. Katherine S. B. Keats-Rohan, Woodbridge, Boydell & Brewer, 1997, pp. 1-21.

3 Assim intitulado e com o código PRAXIS/PCSH/C/HAR/63/96, o referido projecto foi aprovado em concurso e financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, entre Maio de 1997 e Maio de 1999. A sua apresentação pública foi por nós editada, sob o mesmo título, na revista Lusitania Sacra, 2.ª série, n.º 10, 1998, pp. 335-345, e em língua francesa na Revue d’Histoire Ecclésiastique, XCIII, 1998, n.os 3-4, pp. 450-460.

4 Como os intitulou Robert Montei na sua recensão crítica à Mesa-Redonda organizada pelo CNRS em Paris, em Outubro de 1985, “Les chanoines au Service de l’Etat”, Rivista di Storia delia Chiesa in Italia, XL, 1986, p. 240.

5 Dificuldade essa que não é específica de Braga, pois já foi referida por investigadores de outros países. Cf. David S. Spear, “Membership in the Norman cathedral chapters during the ducal period: some preliminary findings”, in Medieval Prosopography, vol. 5, n.º 1, Spring, 1984, p. 2.

6 Maria Assunção Jácome de Vasconcelos, “Introdução”, in Catálogo da Exposição Historiográfica. Congresso Internacional Comemorativo do IX Centenário da Dedicação da Sé de Braga, Braga, Arquivo Distrital de Braga, s. d., p. 4.

7 Trata-se das Gavetas dos Arcebispos de Braga, seus Privilégios e Jurisdição Espiritual; de Braga, sua Jurisdição e seus Oficiais; do Cabido, seus Oficiais e Actos Capitulares, Estatutos e Acórdãos; das Capelas, Sucessões e Vínculos; de Concílios, Sínodos e Juntas Eclesiásticas; de Concórdias e Visitas; do Coro, Distribuições e Multas; de Coutos; de Dignidades, Cónegos, Tercenários e Coreiros; (1.a e 2.a) das Igrejas; de Legados e Sufrágios; de Matéria de Prazos; de Notícias Várias; dos Prazos do Cabido; dos Prazos Particulares; de Privilégios, Honras e Jurisdições do Cabido; das Propriedades e Rendas da Mitra; (1.a e 2.a) das Propriedades e Rendas do Cabido; das Propriedades Particulares; de Quindénios, Décimas e Subsídios, Donativos, Tributos e Fintas; das Religiões, Mosteiros, Ordens, Colegiadas e Seminários; das Rendas de Viana, Juro Real e Juros do Cabido; da Sé, Missas, Procissões e Acompanhamentos; da Sé Vacante; de Testamentos; de Votos.

8 O mais conhecido de todos é o Liber Fidei, que foi integralmente editado por Avelino de Jesus da Costa, Liber Fidei Sanctae Bracarensis Ecclesiae, 3 vols., Braga, 1965-1990; mas também se deve referir o Livro de Sentenças das Capelas e Sucessões, o Livro das Cadeias, os Livros 1.º e 2.º de Testamentos, todos contidos na Gaveta 1.a dos Cartulários, mais os três tomos do Rerum Memorabilium Ecdesiae Bracarensis, os oito primeiros Livros de Prazos do Cabido e os 1.º, 7.º, 8.º e 9.º Livros de Cartas do Cabido.

9 Os Livros 1.º a 4.º do Tombo e 1.º a 7.º de Aniversários, contidos na Gaveta 2.a dos Cartulários, mais os Livros 2, 3, 4, 5 e 7 de Sentenças e 1, 7, 8 e 9 de Cartas do Cabido.

10 Guardados em pastas cujas 51 primeiras vão do ano de 911 ao início do arquiepiscopado de D. Diogo de Sousa (1505).

11 Entre os seus cerca de 390 volumes, encontram-se diversos Livros de Mostras para o período que nos ocupa (Livros 319, 320, 321, 325), assim como as Confirmações de D. Fernando da Guerra e D. Jorge da Costa (Livros 329 e 331), e o Censual deste último, contido no de D. Diogo de Sousa (Livro 330).

12 Trata-se de quinze pastas, de que nos interessam as cinco primeiras, que vão de 1430 a 1505.

13 O período em causa é coberto pelas sete primeiras caixas. A pesquisa deste fundo foi facilitada pela existência do Bulário Bracarense, ed. Maria Assunção Jácome de Vasconcelos e António de Sousa Araújo, Braga, A.D.B., 1986.

14 Os 4 maços e 8 rolos presentes forneceram cerca de seis dezenas de manuscritos para o período posterior a 1245: I.A.N./T.T., Corporações Religiosas, 1.a Incorporação, Mitra de Braga, maços 3 e 4.

15 I.A.N./T.T., Chancelaria de D. Afonso III, Livros 1 a 3; Chancelaria de D. Dinis, Livros 1 a 6; Chancelaria de D. João I, Livros 1 a 5; Chancelaria de D. Duarte, Livros 1 a 3; Chancelaria de D. Afonso V, Livros 1 a 38; Chancelaria de D. João II, Livros 1 a 27; Chancelaria de D. Manuel, Livros 1 a 46; Leitura Nova, Além-Douro, Livros 1 a 5; Cortes, maços 1 a 4; Suplemento de Cortes, maços 1, 2 e 4; Inquirições de D. Dinis, Livros 1 a 10; Inquirições de D. Afonso IV, Livros 1 e 2.

16 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, ed. Alexandre Herculano, parte II, Lisboa, 1917-[1977]; Chancelarias Portuguesas – D. Afonso IV, org. A. H. de Oliveira Marques, 3 vols., Lisboa, I.N.I.C. – Centro de Estudos Históricos da U.N.L., 1990-1992; Chancelarias Portuguesas. D. Pedro I, org. A. H. de Oliveira Marques, Lisboa, I.N.I.C., 1984; Chancelarias Portuguesas. D. Duarte, org. J. J. Alves Dias, vols. I (tomos 1 e 2) e II, Lisboa, Centro de Estudos Históricos da U.N.L., 1998-1999; Cortes Portuguesas. Reinado de D. Afonso IV (1325-1357), ed. preparada por A. H. de Oliveira Marques, Maria Teresa Campos Rodrigues e Nuno José Pizarro Pinto Dias, Lisboa, I.N.I.C., 1982; Cortes Portuguesas. Reinado de D. Pedro I (1357-1367), ed. preparada por A. H. de Oliveira Marques e Nuno José Pizarro Pinto Dias, Lisboa, I.N.I.C., 1986; Cortes Portuguesas. Reinado de D. Fernando 1 (1367-1383), ed. preparada por A. H. de Oliveira Marques e Nuno José Pizarro Pinto Dias (vol. I) e João Paulo Salvado (vol. II), Lisboa, I.N.I.C./J.N.I.C.T., 1990-1993.

17 Livros Velhos de Linhagens, ed. Joseph Piel e José Mattoso, Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa, 1980; Livro de Linhagens do Conde D. Pedro, ed. José Mattoso, 2 vols., Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa, 1980.

18 Crónica de Cinco Reis de Portugal, ed. Artur Magalhães Basto, Porto, Liv. Civilização, 1945; Crónica dos Sete Primeiros Reis de Portugal, ed. Carlos da Silva Tarouca, 3 vols., Lisboa, Academia Portuguesa de História, 1952-1954; Fernão Lopes, Crónica de D. Pedro I, ed. Damião Peres, Porto, Liv. Civilização, 1965; Fernão Lopes, Crónica de D. Fernando, ed. Giuliano Macchi, Lisboa, I.N.-C.M., 1975; Fernão Lopes, Crónica de D. João I, ed. Anselmo Braamcamp Freire e William Entwistle, 2 vols., Lisboa, I.N.-C.M., 1963-1968; Gomes Eanes de Zurara, Crónica da Tomada de Ceuta, ed. Francisco Maria Esteves Pereira, Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa, 1916; Crónicas de Rui de Pina, ed. Manuel Lopes de Almeida, Porto, Lello & Irmão, 1977; Damião de Góis, Crónica do Príncipe D. João, ed. Graça de Almeida Rodrigues, Lisboa, U.N.L., 1977; Garcia de Resende, Chronica de El-Rei D. João II, ed. Joaquim Veríssimo Serrão, Lisboa, I.N.-C.M., 1973; Damião de Góis, Crónica do felicíssimo Rei D. Manuel, ed. J. M. Teixeira de Carvalho e David Lopes, Coimbra, Imprensa da Universidade, 1926.

19 Tais como: Chartularium Universitatis Portugalensis, ed. Artur Moreira de Sá, 8 vols., Lisboa, 1966-1981; Monumenta Portugaliae Vaticana, ed. A. D. Sousa Costa, 4 vols., Braga, Liv. Editorial Franciscana, 1968-1982; Synodicon Hispanum, dir. A. Garcia y Garcia, vol. II: Portugal, ed. Francisco Cantelar Rodriguez et alii, Madrid, 1982.

20 Os Tombos, Livros de Prazos, de Aniversários, de Sentenças das Capelas, etc., foram lidos – e, por vezes, integralmente transcritos – por mestrandos cuja pesquisa incidia sobre a base económica do Cabido ou as formas de comemoração dos defuntos, e que foram partilhando com os colegas os dados referentes aos cónegos e dignitários que iam encontrando. As dissertações elaboradas nesse âmbito foram as seguintes: José Salgueiro Cerqueira, A Exploração Económica das Propriedades do Cabido da Sé de Braga nos Finais da Idade Média (1465-1515), Braga, Universidade do Minho, 1998; Ana Andrea Soeiro de Barros, A Aquisição e Gestão de Bens pelo Cabido de Braga na Primeira Metade da Centúria de Trezentos (1300-1350), Braga, Universidade do Minho, 1998; Cristina Maria Peixoto de Carvalho, O Património do Cabido da Sé de Braga nos finais do Século XIV, Braga, Universidade do Minho, 1998; Alexandra Maria Monteiro Nogueira, Formação e Defesa do Património do Cabido da Sé de Braga nos Finais da Idade Média (1351-1500), Braga, Universidade do Minho, 1998; Elisa Maria Domingues da Costa Carvalho, A Morte do Alto Clero Bracarense (séculos XII a XV), Braga, Universidade do Minho, 1998; Maria Celeste Brandão Ferreira, Os Bens, Direitos e Rendimentos do Cabido da Sé de Braga em Finais da Idade Média, Braga, Universidade do Minho, 2000; Alexandra Margarida de Oliveira Soares, Os Aniversários na Sé de Braga nos Séculos XIV e XV, Braga, Universidade do Minho, 2000; Isabel Cristina Martins Peres Gonçalves, As Capelas na Sé de Braga nos Finais da Idade Média, Braga, Universidade do Minho, 2001.

21 Na verdade, tratou-se mais de uma adaptação ao caso português, uma vez que, como dissemos inicialmente, tínhamos elaborado um questionário preliminar, inspirando-nos de obras realizadas no estrangeiro sobre cónegos, nomeadamente: Hélène Millet, Les Chanoines du Chapitre Cathédral de Laon 1272-1412, Rome, École Française de Rome, 1982; Jacques Pycke, Le Chapitre Cathédral de Notre-Dame de Tournai de la fin du XIe à la fin du XIIIe siècle. Son organisation, sa vie, ses membres, Louvain-la-Neuve/Bruxelles, 1986 e Répertoire Biographique des Chanoines de Notre-Dame de Tournai 1080-1300, Louvain-la-Neuve/Bruxelles, 1988; Elisabeth Mornet, “Préliminaires à une prosopographie du haut clergé scandinave: le chapitre cathédral de Roskilde 1367-1493”, in Medieval Lives and the Historian. Studies in Medieval Prosopography, ed. N. Bulst, J.-Ph. Genet, Medieval Institute Studies, Western Michigan University, 1986, pp. 139-162.

22 Por exemplo, se no século XIII se sabe bastante sobre as origens sociais e a vida económica individual dos cónegos, nos séculos XIV e XV, são o seu percurso académico e a sua carreira eclesiástica que deixam de constituir um mistério para nós, escasseando, em contrapartida, os dados sobre aqueles outros aspectos da sua existência.

23 Os apertados prazos a que estão, actualmente, submetidas as dissertações de Mestrado, assim como a curta duração do projecto de investigação acima referido – dois anos apenas, em ambos os casos –, não permitiu a pesquisa nos fundos documentais das outras instituições do clero secular e regular do país, por onde os nossos cónegos podem ter circulado antes ou depois da sua passagem pelo Cabido bracarense. A consulta sistemática da documentação pontifícia também permaneceu fora do nosso alcance, apesar de termos recolhido alguns dados durante uma curta missão no Arquivo Secreto Vaticano.

24 Além dos referidos na nota 21, podemos acrescentar David Lepine, Brotherhood of Canons Serving God. English Secular Cathedrals in Later Middle Ages, Woodbridge, The Boydell Press, 1995; Elisabeth Mornet, “Fiabilité et incertitudes de la prosopographie d’une élite sociale et intellectuelle: évêques et chanoines scandinaves au Moyen Âge”, in L’État Moderne et ses élites XIIIe-XVIIIe siècle, Paris, Publ. de la Sorbonne, 1996, pp. 277-289; Fasti Ecclesiae Gallicanae, vol. 1: Diocèse d’Amiens, par Pierre Desportes et Hélène Millet, Turnhout, Brepols, 1996, vol. 2: Diocèse de Rouen, par Vincent Tabbagh, Turnhout, Brepols, 1998, vol. 3: Diocèse de Reims, par Pierre Desportes, Turnhout, Brepols, 1998, vol. 4: Diocèse de Besançon, par Henri Hours, Turnhout, Brepols, 1999; Hermínia Vasconcelos Vilar, As Dimensões de um Poder. A Diocese de Évora na Idade Média, Lisboa, Ed. Estampa, 1999.

25 Igual opção foi feita, por exemplo, por Jacques Pycke, Répertoire..., e Hélène Millet, Les chanoines.... Esta mesma autora alertou posteriormente para as diferenças metodológicas entre o trabalho do prosopógrafo e do biógrafo, e afirmou que não escolheria de novo essa solução se tivesse de rescrever o seu livro (“Notice biographique et enquête prosopographique”, in Mélanges de l’Ecole Française de Rome Moyen Âge et Temps Modernes, n.º 100, 1988, pp. 88-90 e, particularmente, a nota 4 da p. 89). Contudo, o projecto dos Fasti Ecclesiae Gallicanae que ela dirige, e de que já se publicaram quatro volumes, combina notícias biográficas (de prelados) e prosopográficas (de dignitários, cónegos, oficiais, etc.).

26 Maria Justiniana Maciel Lima, O Cabido de Braga no tempo de D. Dinis (1278-1325), Braga, Universidade do Minho, 1998; João Carlos Taveira Ribeiro, A Instituição capitular bracarense no século XIV (1325-1374). Organização e relações, Braga, Universidade do Minho, 1998; Maria Antonieta Moreira da Costa, O Cabido de Braga na segunda metade da centúria de Duzentos (1245-1278), Braga, Universidade do Minho, 2000.

27 Apesar de três mestrandas terem desistido de apresentar as respectivas dissertações, a recolha de dados prosopográficos de duas delas estava bastante adiantada. Procuramos, actualmente, recuperar o trabalho por elas realizado, assim como incorporar na base de dados as informações provenientes das últimas fontes recolhidas.

28 Consultem-se os Apêndices 1 e 2, no final deste texto.

29 Uma apresentação crítica do hardware e software disponíveis para os estudos prosopográficos – forçosamente desactualizada, devido às grandes transformações que estes domínios têm sofrido nos últimos anos – encontra-se em Ralph Mathisen, “Medieval prosopography and computers: theoretical and methodological considerations”, in Medieval Prosopography, vol. 9, n.º 2, 1988, pp. 73-128.

30 Esta é a ordem pela qual eles são apresentados por José Marques para a centúria de Quatrocentos (A Arquidiocese de Braga no Séc. XV, Lisboa, I.N.-C.M., 1988, pp. 327-341). Não foi possível, para o período estudado, determinar uma hierarquia rigorosa, por nunca se ter encontrado todos os dignitários referidos no mesmo documento, e a ordem por que eram enumerados variar de manuscrito para manuscrito. Cf. M.ª Justiniana M. Lima, op. cit., pp. 5-6; M.ª Antonieta M. Costa, op. cit., pp. 30-40.

31 Em particular, no caso de indivíduos estrangeiros cujo nome surge, nas fontes, quer em latim quer na forma original ou ainda “aportuguesado”.

32 No caso de apenas termos testemunhos da sua existência para um único ano, este será registado no primeiro campo referente à data.

33 Por exemplo, Domingos Domingues, cónego (1278-1281), mestre-escola (1291-1317) e deão (1317-1325) – M.ª Justiniana M. Lima, ob. cit., pp. 160-164 – e Vasco Domingues, cónego (1349-1350), Arcediago de Neiva (1350-1351) e chantre (1355-1374) – João Carlos T. Ribeiro, ob. cit., pp. 145-147.

34 Vejam-se alguns exemplos no Apêndice 3.

35 Os Livros de Aniversários dos sécs. XIV e XV fornecem-nos, em geral, estes dados. Contudo, sabemos pelos testamentos que havia cónegos que escolhiam como data para a sua comemoração determinadas festas litúrgicas ou dias de santos de sua especial devoção; nestes casos, não os devemos considerar. Cf. Alexandra M. O. Soares, op. cit., pp. 65-70; Isabel C. M. P. Gonçalves, op. cit., pp. 39-42.

36 Cf. M.ª Justiniana M. Lima, op. cit., pp. 36-42; João Carlos T. Ribeiro, op. cit., pp. 48-54; M.ª Antonieta M. Costa, op. cit., pp. 76-79.

37 Para além dos respectivos parentes, alguns bispos fizeram entrar no Cabido de Braga os seus capelães e amigos. Cf. M.ª Justiniana M. Lima, op. cit., p. 36; João Carlos T. Ribeiro, op. cit., p. 54.

38 Estas informações só se tornam frequentes a partir do século XV, quando dispomos de Matrículas de Ordens e Livros de Mostras. A abundância de dados então obtidos, não só para os nossos cónegos mas para outros clérigos, justificou a elaboração de um ficheiro informatizado próprio (intitulado “Ordens Sacras”), tendo em comum com este os campos referentes ao número de ordem e ao nome do indivíduo, para tornar possíveis os cruzamentos.

39 Da mesma forma, um ficheiro complementar (intitulado “Benefícios”) com os mesmos dois campos comuns foi elaborado para incluir a grande soma de informações que os Livros de Mostras e de Confirmações fornecem, não só sobre os indivíduos que nos interessam directamente, mas sobre muitos outros clérigos da diocese.

40 COnego.

41 Data de início do canonicato ou da sua primeira referência como cónego de Braga. O mesmo se aplica às dignidades, nos campos Datadig21 e Datadig31.

42 Data de fim do canonicato ou da sua última referência como cónego de Braga. O mesmo se aplica às dignidades nos campos Datadig22 e Datadig32.

43 DEão, CHantre, TEsoureiro, Mestre-Escola, Arcediago do Couto de Braga ou ainda de Barroso, de Neiva, de Vermoim, de Fonte Arcada ou de Olivença.

44 Data da comemoração da sua morte: mês e dia (quando conhecido).

45 Freguesia ou concelho em que nasceu: topónimo, seguido de “freg” ou “conc”.

46 Diocese onde recebeu as ordens menores: Braga, Porto, LaMego, Viseu, Guarda, Coimbra, Lisboa, Evora, Silves, CeuTa. O mesmo se aplica aos outros campos iniciados por “Dioces”.

47 Orago da igreja onde pediu para ser sepultado, seguido da respectiva localidade.

48 Grau de parentesco: PAi, MAe, IrmãO, IrmA, TiO, TiA, SobrinhO, SobrinhA, PrImo, PrimA, FilhO, FilhA, GEnro, NOra, soGrO, soGrA. O mesmo se aplica aos campos Parentesco2 e Parentesco 3.

49 Os estatutos sociais dos familiares são assim codificados: NObre, Proprietário Vilão (rural ou urbano), AGricultor, MeSteiral, CoMerciante, OFicial (do poder central ou local), Profissional Liberal, ASsalariado. Para os parentes clérigos, será referido o benefício ocupado: além dos já citados nas notas 40 e 43, CUra, POrcionário, BIspo, CArdeal, PApa, MOnge, PRior, aBaDe. O mesmo se aplica aos campos Estatuto2 e Estatuto3.

50 No caso de um parente clérigo, diocese onde detém o respectivo benefício.

51 Formas de parentesco fictício: Ama(o), aIo, Colaço.

52 Tipos de dependência: Homem de, Servente, Criada(o), Manceba, Escudeiro, clérigo ou caPelão. O mesmo se aplica aos campos Tipodep2 e Tipodep3.

53 Número de dependentes do tipo referido no campo anterior. O mesmo se aplica aos campos N.º dep2 e N.º dep3.

54 Tipo de formação inicial que recebeu: estudos com Preceptor, escola Monástica ou Capitular.

55 Local onde recebeu a formação inicial: localidade onde ensina o professor, nome do Convento, Mosteiro ou Sé.

56 Universidade frequentada: Coimbra/Lisboa, Paris, Bolonha, Oxford, Salamanca, etc. O mesmo se aplica ao campo Univ2, no caso de ter frequentado mais do que uma Universidade.

57 Mais alto grau universitário obtido: Bacharel, Licenciado, Mestre, Doutor.

58 Qual a disciplina estudada: Artes, Direito Indeterminado, Direito CiviL, Direito Canónico, Dois Direitos, Medicina, Teologia. O mesmo se aplica ao campo Matéria2, no caso de ter estudado mais de uma disciplina.

59 De quantos livros não litúrgicos sabemos que foi proprietário.

60 Mais alta ordem sacra alcançada: Subdiaconado, Diaconado, Presbiterado.

61 Tipo de benefício obtido: vejam-se os respectivos códigos nas notas 40, 43 e 49. O mesmo se aplica aos campos Tipobenef2 e 3.

62 Número de benefícios obtidos do tipo referido no campo anterior. O mesmo se aplica para os campos N.º benef2 e 3.

63 Data da súplica que lhe abriu as portas ao benefício bracarense efectivamente detido; a ordem a seguir é a mesma que nos campos Dignidade1, 2 e 3. O mesmo se aplica aos campos Datasup2 e 3.

64 Patrono na súplica anterior: Rei, rAinha, Infante, Duque, Cardeal, Universidade. O mesmo se aplica aos campos Patronosup2 e 3.

65 No caso de existir algum conflito na ocupação da prebenda: Sim. O mesmo se aplica aos campos Conflito2 e 3.

66 Quem efectuou a colação: Papa, Cardeal, Bispo; a ordem a seguir é a mesma que nos campos Dignidade1, 2 e 3. O mesmo se aplica aos campos Colação2 e 3.

67 Número do cónego que lhe serviu de procurador na recepção no cabido (o seu, se foi recebido pessoalmente); a ordem a seguir é a mesma que nos campos Dignidade1, 2 e 3. O mesmo se aplica aos campos Procurador2 e 3.

68 Número do antecessor na prebenda.

69 Número do sucessor na prebenda.

70 Causa da saída do benefício: Morte, Renúncia, Troca, Promoção. O mesmo se aplica aos campos Saída2 e 3.

71 Residente, dispensado pelo Papa para Estudos ou por Privilégio especial, etc.

72 Número de anos em que beneficiou de dispensa de residência.

73 Ofício desempenhado ao serviço do Cabido (Prebendeiro, Contador, Apontador), do Arcebispo (Vigário geral, Juiz, Notário), do Papa (Colector, Notário Apostólico, Clérigo da Câmara Apostólica), do Rei (Chanceler, coRregedor, Desembargador, Vedor) ou de um Senhor (conTador, Escrivão). O mesmo se aplica aos campos Ofício2 e 3.

74 Desempenho, ao serviço do monarca, de missões Diplomáticas ou operações Militares.

75 No caso de exercer funções docentes: Sim.

76 Número de obras escritas.

77 No caso de termos conhecimento da posse de bens patrimoniais: Sim.

78 No caso de termos conhecimento da aquisição de bens imobiliários: Sim.

79 No caso de termos conhecimento da posse de outras rendas para além da prebenda: Sim.

80 No caso de termos conhecimento da posse de bens móveis: Sim.

81 No caso de termos conhecimento do seu envolvimento em negócios (compra e venda de mercadorias, empréstimo de dinheiro, etc.): Sim.

82 Tipo mais elevado de sufrágio por alma instituído: Missa, Luminária, Aniversário, Capelania.

83 Escolhemos, voluntariamente, alguns exemplos que se sobrepõem nos anos-limites do período cronológico estudado por cada Mestre, para mostrar a necessidade do trabalho final de identificação de homónimos e eliminação de repetidos que se encontra em curso de realização.

84 A.D.B., Gav. dos Testamentos, n.º 33.

85 Existem vários locais com este nome no concelho de Braga e um outro no concelho de Ponte da Barca.

86 A.D.B., Gav. dos Testamentos, n.º 33. O testamento de Martinho Sesnandes está redigido sobre a mesma peça de pergaminho, seguindo-se-lhe o de Mestre João.

87 A.D.B., Gav. 1.a das Igrejas, n.º 13.

88 Elie Berger, Les Registres d’Innocent IV, III (fasc. 9-11), Ancienne Librairie Thorin et Fils, Paris, 1897, n.º 6877, p. 292. Também Maria Alegria Fernandes Marques se lhe refere (ob. cit., p. 347).

89 A.D.B., Gav. dos Prazos do Cabido, n.º 22.

90 A.D.B., Gav. 1.a das Propriedades e Rendas do Cabido, n.º 105, fls. 46-47 v. e Livro II dos Testamentos, n.º 15.

91 A.D.B., Gav. 1.a das Propriedades e Rendas do Cabido, n.os 124 e 131.

92 A.D.B., Gav. dos Prazos do Cabido, n.º 48, Gav. das Propriedades Particulares, n.º 947 e Gav. dos Testamentos, n.º 31.

93 A.D.B., Gav. das Propriedades Particulares, n.os 526, 568, 659, 681, 699 e 707.

94 A.D.B., Gav. das Propriedades Particulares, n.º 586.

95 A.D.B., Liv. II dos Testamentos, n.º 16.

96 A.D.B., Gav. dos Testamentos, n.º 33.

97 A.D.B., Gav. 1.a das Propriedades e Rendas do Cabido, n.º 101.

98 A.D.B., Gav. dos Testamentos, n.º 33.

99 A.D.B., Gav. dos Testamentos, n.º 33.

100 A.D.B., Liv. I dos Testamentos, n.º 34 e Liv. II dos Testamentos, n.º 78. Não se trata do sobrinho do arcebispo D. João Egas que foi arcediago do Couto, pois ambos aparecem a testemunhar o mesmo documento, este como chantre e o outro como arcediago (A.D.B., Liv. I dos Testamentos, n.º 41).

101 José Marques, “Os pergaminhos da confraria de S. João do Souto da cidade de Braga (1180-1545)”, in Bracara Augusta, XXXVI, n.os 81-82 (94-95), Jan.-Dez. 1982, n.º 11, p. 48.

102 A.D.B., Livro I dos Testamentos, n.º 23 e Livro II dos Testamentos, n.º 6.

103 A.D.B., Liv. I dos Testamentos, n.º 41.

104 Cf. J. A. Sotto Mayor Pizarro, ob. cit., vol. II, p. 215.

105 A.D.B., Livro 1.o de Testamentos, n.º 41 e Col. Cronol., cx. 3, n.º 108 e cx. 8, n.º 339.

106 É João Martins de Soalhães, futuro arcebispo de Braga, 1313-1325.

107 A.D.B., Gav. dos Arcebispos, n.º 34.

108 A.D.B., Livro das Cadeias, n.º 9.

109 A.D.B., Gav. das Dignidades e Cónegos, n.os 31 e 32 e Gav. 1.ª das Propriedades e Rendas do Cabido, n.º 202.

110 Morreu em 1333 e foi sepultado em Braga.

111 A.D.B., Livro 1.º de Testamentos, n.º 59.

112 Acerca deste Egas Lourenço, que veio a ser chantre de Braga, ver Luciano Afonso dos Santos, D. Egas Lourenço, Chantre do Cabido de Braga, Lisboa, Academia Portuguesa de História, 1993.

113 Então o Vasco Lourenço, armígero do rei, pode ser, não o irmão do cónego, mas este seu filho. I.A.N./T.T., Chancelaria de D. Dinis, Livro 3.o, fl. 81 v.º.

114 A.D.B., Col. Cronológica, cx. 5, n.º 208.

115 Pelo bispo, embora não tivesse vagado nenhuma prebenda. A.D.B., Gav. das Dignidades e Cónegos, n.º 30.

116 Nesta igreja havia uma pequena comunidade de clérigos, pois no testamento deste cónego se referem os “clérigos porcionários de Góios”.

117 A.D.B., Col. Cronológica, cx. 9, n.º 371 (1323, 5 de Agosto).

118 A.D.B., Gav. 2.a das Igrejas, n.º 36.

119 A confirmação foi problemática. É difícil descobrir o porquê, pois o documento em questão (A.D.B., Col. Cronológica, cx. 3, n.º 133) está bastante danificado.

120 Este reitor seria o pai da tal Maria, sua protegida e contemplada no testamento (1330) referido acima? A ser assim, o relacionamento de ambos dataria de cerca de 30 anos antes.

121 A carta é enviada de Malausana (?), pelo arcebispo. Refere-se um pleito existente por causa da nomeação do pároco. A.D.B., Col. Cronol., n.º 287.

122 A.D.B., Gav. dos Testamentos, n.º 20. Este documento foi transcrito e publicado por Isaías da Rosa Pereira, “Livros de Direito na Idade Média”, Lusitania Sacra, 8, 1967-1969, pp. 30-31.

123 A.D.B., Gav. das Propriedades Particulares, n.os 756, 766, 772, 773, 775, 779, 781, 788, 801, 806, 821, 824, 847, 855, 922, 988 e 989; Gav. das Religiões e Mosteiros, n.os 121, 130 e 131; Gav. das Notícias Várias, n.º 74; Gav. das Propriedades e Rendas da Mitra, n.º 48; Gav. das Dignidades e Cónegos, n.os 30 e 36; Livro 1.o de Testamentos, n.os 47 e 59; Gav. 1.a das Propriedades e Rendas do Cabido, n.os 117 e 152; Gav. 1.a das Igrejas, n.os 165, 218, 220 e 222; Gav. 2.a das Igrejas, n.º 36 e Colecção Cronológica, cx. 3, n.º 133; cx. 5, n.º 208; cx. 6, n.º 267; cx. 7, n.º 279 e cx. 9, n.º 371.

124 Luciano Afonso dos Santos, “D. Egas Lourenço Chantre do Cabido de Braga”, sep. Homenagem à Arquidiocese Primaz nos 900 Anos da Dedicação da Catedral, Academia Portuguesa de História, Lisboa, 1993, pp. 273-284. A leitura epigráfica da sua lápide, exposta no Museu Pio XII, em Braga, fornece-nos a data do seu falecimento.

125 A.D.B., Gav. das Religiões e Mosteiros, doc. 37. A informação de que Egas Lourenço foi clérigo do monarca pode encontrar-se num documento de D. Afonso IV, em que este diz “commo El Rej Dom Denis meu Padre a que Deus perdoe mandarra emprestar a Egas lourenço seu clerigo que ora he chantre de Bragáá”, em A.D.B., Col. Cronológica, pasta 10, doc. 418.

126 A.D.B., Gav. Matérias de Prazos, doc. 11. Col. Cronológica, pasta 10, doc. 418.

127 A.D.B., Livro 2.º de Testamentos, doc. 39. Gav. das Propriedades Particulares, doc. 855. Col. Cronológica, pasta 10, doc. 414.

128 A.D.B., Col. Cronológica, pasta 11, docs. 437 e 441.

129 A.D.B., Gav. 1.a das Igrejas, doc. 30.

130 Ao longo deste período, é referenciado em: A.D.B., Gav. 1.a das Igrejas, docs. 5, 30 e 104; Gav. das Propriedades Particulares, docs. 879, 1000 e 1002; Livro 2.o de Testamentos, doc. 45; Col. Cronológica, pasta 13, docs. 508 e 509.

131 Ou Guilherme de Bós, Guillelmus de Bos.

132 Para o futuro cónego de Braga, Pierre Martel. António Domingues Sousa Costa, ob. cit., p. 137.

133 Idem, ibidem, p. 23.

134 A.D.B., Gav. dos Quindénios e Décimas, docs. 17 e 19. Mas, já em 1332, o seu nome aparecera mencionado como colector da dízima do papa. Gav. dos Quindénios e Décimas, doc. 15.

135 António Domingues Sousa Costa, ob. cit., p. 23.

136 Ou Pedro Beltrão, Petro Beltrani.

137 A.D.B., Gav. das Dignidades e Cónegos, doc. 40.

138 A.D.B., Gav. da Sé e Missas, doc. 3.

139 António Domingues Sousa Costa, ob. cit., p. 310. Ver também pp. 308-309.

140 A.D.B., Gav. 1.a das Propriedades do Cabido, doc. 272. Para 1258, Gav. 2.a das Igrejas, doc. 46. Para 1359, Gav. 1.a das Igrejas, doc. 125. Para 1360, Gav. dos Prazos do Cabido, doc. 65 e Gav. 1.a das Propriedades do Cabido, doc. 275.

141 A.D.B., Gav. das Capelas, Sucessões e Vínculos, doc. 22.

142 A.D.B., Liv. 1.o de Testamentos, doc. 55.

Auteur

(C.N.C.D.P./Universidade do Minho)

© Publicações do Cidehus, 2001

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search