Version classiqueVersion mobile

Elites e redes clientelares na Idade Média

 | 
Filipe Themudo Barata

I. Elites e Grupos de Poder: De Al-Andalus ao Magreb

Tecido social e redes de poder: os Portugueses e o Magrebe dos séculos XV a XIX (Estudo prosopográfico)1

José Varandas

Texte intégral

1. Apresentação

  • 1 O Projecto é coordenado por António Dias Farinha (Univ. de Lisboa) e a restante equipa de investiga (...)
  • 2 Aquilo que no sistema francês se chamaria de Arquivo de 2.° grau.

1O projecto, apresentado de forma sucinta ao longo deste texto, pretende estudar as formações e as mutações sociais resultantes da deslocação de populações do território português para o espaço marroquino durante os séculos XV a XIX, em módulos específicos, tendo como objectivo prático fundamental o estabelecimento de quadros informativos2 suficientemente amplos para que trabalhos de carácter interpretativo possam sobre eles ser elaborados.

2. O Modelo3

  • 3 O texto de apresentação do modelo conceptual teve por base um texto elaborado por Ângela Miranda Ca (...)

2Em 1.º lugar, este projecto visa a criação concreta de tabelas relacionais relativas à presença lusa no Magrebe, no período acima referido, com recurso à caracterização detalhada das personagens intervenientes. Pretende-se, após delimitação heurística, identificar os actores sociais que dão corpo a instituições e a funções de cariz vário nas praças marroquinas, quer através das origens geográfica, social e familiar dessas personagens, quer através do rastreio dos tipos de relações estabelecidas entre essas, sejam de ordem económica, política ou cultural.

3A inexistência de documentação seriada passível de suportar esta intenção levou à criação do próprio objecto (no sentido da fixação de fontes), através da selecção de um universo de indivíduos com um denominador comum (a deslocação para o Magrebe), cujos dados de tipo biográfico se terão de perseguir através dos mais dispersos registos. Este tipo de recolha permite a elaboração de um repertório de base, fundamental para qualquer investigação de cariz sociográfico ou mesmo sociológico.

4Em 2.º lugar, a elaboração de tabelas relacionais – prosopográficas –, dando conta da constituição de redes sociais nas suas múltiplas variantes, permitirá uma primeira abordagem que reflicta sobre os mecanismos de reprodução social, considerando quer a sua contextualização política, económica, religiosa e cultural, quer movimentos de mútua aculturação ou contaminação entre esquemas sociais diversos. O método prosopográfico visa a detecção de constantes correlações e incompatibilidades, no seio de séries nominais estabelecidas de base, sublinhando o primado do normal e do colectivo sobre o excepcional e o individual. Algumas questões mais gerais poderão ser colocadas:

  • Que tipo de objectivos dirige estas personagens para o espaço marroquino?

  • Qual o grau de continuidade familiar ou linhagística na mesma função?

  • Que relações se estabelecem entre os diversos grupos e o poder central?

5Em 3.º lugar, uma investigação dirigida em simultâneo para a detecção de constantes e de especificidades abre espaço ao relacionamento entre a análise prosopográfica e aquela que se dirige para a caracterização particular das personagens (individualmente ou em família), dotando de maior amplitude a biografia de tipo científico. O que importa é tornar a acção destas personagens sociologicamente inteligível, para lá da detecção de trajectos pessoais ou da apresentação de perfis biográficos ou genealógicos, como casos-tipo na abordagem da mobilidade e configuração sociais.

6Em 4.º lugar, a realização de um trabalho sobre os mecanismos da reprodução social da população portuguesa em Marrocos deve recorrer a técnicas sociométricas e sociológicas, aplicadas neste caso à análise histórica, que, através da correspondência, comparação e correlação de notícias de forma sistemática, permitam a resposta a um questionário de índole transdisciplinar.

  • Obedece a constituição ou a reformulação dos grupos sociais presentes nestes pontos de ocupação lusa aos mesmos critérios que vigoram na metrópole?

  • Variarão estes critérios consoante o nível hierárquico do grupo implicado? Haverá uma simples transposição de esquemas sociais?

  • Em que medida é que a deslocação para diferentes espaços físicos influencia a definição social?

  • Que contradições existem entre as regras estabelecidas (ideais) e a própria dinâmica social?

  • Qual a política central quanto à nomeação de funcionários e de quadros militares?

  • Qual o grau de mobilidade social? Varia com o nível hierárquico? Que factores o condicionam?

  • Qual o tipo de evolução que seguem estas personagens no interior das suas próprias carreiras?

  • Podem considerar-se estas deslocações para a costa norte-africana como parte integrante de um «cursus honorum»?

  • Qual a influência das carreiras individuais, quer no destino da família, quer nas relações estabelecidas com elementos do mesmo ou de outros grupos sociais?

7Em 5.º lugar, para além da compreensão dos mecanismos de regulação social que uma análise de cariz prosopográfico permite, a organização e apresentação de quadros documentais inter-relacionais permite a percepção diacrónica destes fenómenos. A identificação do tipo de mutações sociais relacionáveis com a ocupação, estabelecimento e abandono das praças marroquinas e com novas estratégias de relacionamento com os poderes magrebinos é uma das questões centrais deste projecto. Deste modo, o trabalho foi organizado em dois grandes grupos temáticos:

  • A presença militar portuguesa em Marrocos, em termos de mobilidade e perpetuação de populações de origem portuguesa nesse espaço (sécs. XV-XIX);

  • O estudo da vertente diplomática e de gestão de influências de novas famílias no Magrebe, a que as fracturas da política externa portuguesa vieram dar lugar.

8A detecção de mutações sociais é uma das facetas mais interessantes dos trabalhos prosopográficos. Neste caso, a tradição historiográfica relativa aos espaços português e marroquino tem tido como ideia dominante a deslocação de quadros como parte integrante dos planos familiares/individuais de projecção social. De facto, e em termos da élite administrativo-militar que se estrutura no Magrebe, o «serviço do rei», fundamentalmente os feitos de armas, parece jogar um papel decisivo na escalada social dos actores do expansionismo português. Será o caso dos fronteiros, fidalgos de alta extracção sobre os quais recai (séc. XV) a escolha de liderança das incursões em território norte-africano.

9Alguns factores, no entanto, podem ser apontados como responsáveis por assimetrias na base de oscilações e mutações sociais mais ou menos profundas. Por exemplo, as consequências das vitórias e derrotas militares; procure-se perceber quais as diferenças entre as funções desempenhadas na terra ou no mar em termos de repercussão social. Por outro lado, a constituição de um exército com carácter permanente que se substitui à nomeação de fronteiros entre a alta fidalguia e a grupos de combatentes de elevada instabilidade (com o abandono progressivo do modelo senhorial da metrópole), como o estabelecimento de pequenas populações no território magrebino, com recurso a actividades de cariz diverso do estritamente militar, vêm indicar uma dinâmica social que um estudo prosopográfico poderia fundamentar ou mesmo reformular.

3. Base de Dados: elaboração de formulários e quadro de dificuldades

10O estudo comparativo que acima é proposto e se encontra em execução foi dirigido a um determinado período cronológico e a um universo social definido, requerendo um conjunto documental extenso e diferenciado. A dimensão dos dados detectados, quer na fase de elaboração da candidatura, quer na primeira fase de recolha de informação, só seria possível de ser trabalhada utilizando software capaz de a relacionar, filtrar, tratar, e que possibilitasse a produção de outputs compatíveis com os objectivos acima apresentados.

11Assim, em primeiro lugar, era necessário seleccionar um programa de inserção e tratamento de dados capaz de dar resposta às várias componentes do projecto. A situação ideal teria sido a de desenvolver um programa de tratamento de dados próprio, mas a necessidade de um desenhador de programas especificamente contratado para esta tarefa tornaria os custos do projecto incomportáveis. A opção foi utilizar os programas genéricos existentes no mercado. A escolha recaiu sobre o Microsoft Access. Não por ser o melhor (isso é difícil de definir), mas por ser o mais flexível e, sobretudo, pela sua fácil utilização. Qualquer investigador poderia, pelo menos, utilizá-lo como armazém de informação, podendo mesmo, com alguma facilidade, extrair relatórios, produzir tabelas relacionáveis e outputs intermédios.

12O segundo momento correspondeu à elaboração de um formulário que fosse, por um lado, abrangente em relação à informação disponível, por outro, de fácil acesso e leitura. A construção da base de dados centrou-se, assim, na produção de uma ficha de levantamento de informação, passível de ser utilizada por todos os investigadores do Projecto. Essa ficha incorporou os campos considerados fundamentais no modelo prosopográfico: informação pessoal, familiar, profissional e patrimonial. Todos os campos produzidos são relacionáveis entre si, permitindo, numa fase subsequente, a introdução de filtros específicos capazes de seleccionar ou acrescentar informação a determinada personagem ou a determinada família ou grupo social.

13Na elaboração desta primeira ficha/inquérito surgiram vários problemas, dos quais destacamos os principais:

  • A necessidade de conseguir uma identificação exaustiva da personagem (o nome só não bastava);

  • O excesso/insuficiência de dados sobre situação familiar, profissional e patrimonial;

  • A diversidade de profissões/cargos que neste período cronológico são referenciadas;

  • O excesso de informação genérica sem campo específico próprio, mas que por vezes é fundamental para a identificação de personagens e que levou à necessidade de no interior desta ficha serem criadas outras;

  • A filtragem dos dados: um software de mercado é um genérico, funciona sobretudo numa lógica de empresa (lista telefónica, produtos a vender, etc.), o que obriga a que a introdução de dados seja muito clara. Por exemplo, não se conseguem fazer filtragens a partir de nomes completos num único campo. Não sendo construído de raiz, o programa é pouco flexível, o que leva à necessidade de existir um critério de elaboração de campos e inserção de dados muito rígido;

  • A necessidade de existir um coordenador que proceda à junção de todas as bases de dados e à criação final de uma única.

4. A «Ficha Prosopográfica»: breve informação

14A aplicação do método prosopográfico pressupõe necessariamente o recurso a uma ficha prosopográfica com capacidade para integrar todo o tipo de informação necessária. Obviamente, o processo de construção dessa mesma ficha obedece a uma série de directivas que têm em conta a especificidade do conteúdo que se pretende trabalhar. No entanto, existe a clara noção de que o carácter distinto de cada uma das fontes utilizadas – juntamente com os limites de informação da própria fonte – facilita o preenchimento de determinados campos de inserção, ao mesmo tempo que dificulta o de outros. Ainda assim, dentro do conjunto dos campos disponíveis, será conveniente fazer uma selecção daqueles que, pela sua própria natureza, são passíveis de um preenchimento mais completo e, por conseguinte, de uma análise mais detalhada. Esses campos são os seguintes:

  • Nome/Apelidos/Alcunha: São, na realidade, os campos de inserção de dados que possibilitam a identificação do indivíduo, e que permitem distinguir, numa primeira fase, as diferentes personagens;

  • Pai/Mãe/Cônjuge/Filhos/Parentes: Procuram completar o mais possível as relações de parentesco exercidas entre as diversas personagens presentes na fonte. Constituem um conjunto de informações fundamental para o estudo das «linhagens» e, como tal, fornecem os instrumentos para o desenvolvimento do estudo das redes de poder e da permanência de determinado tipo de funções no seio do mesmo grupo familiar;

  • Profissão/Cargo: Estes campos apontam para uma especificação da presença do próprio indivíduo no espaço designado. Tendo em consideração a dificuldade no processo de identificação de estratos sociais rígidos, este campo procura diferenciar as personagens a partir da ocupação/função a que se dedicam, constituindo, assim, mais um filtro capaz de esclarecer situações ambíguas, como, por exemplo, a existência de homónimos;

  • Contexto/Acção/Data: Por motivos óbvios, as questões a que este campo pretende dar resposta dizem respeito à situação espacio-temporal da personagem analisada. A sua integração numa contextualização precisa surge como um elemento fundamental na elaboração de sínteses prosopográficas, situando a figura-alvo num enquadramento geográfico e cronológico o mais específico possível.

15De uma maneira geral, todos os campos da ficha são proporcionalmente relevantes para a elaboração de uma síntese conclusiva. Contudo, e devido às limitações de informação que a fonte proporciona, a escolha de alguns desses campos como instrumentos de trabalho preferenciais não só constitui uma técnica de análise viável, como também acaba por canalizar toda a informação para uma análise menos completa, mas, em contrapartida, mais profunda dos dados. Os campos supra-referidos parecem-nos, seguindo este ponto de vista, os mais importantes, na medida em que veiculam a maior quantidade de informação relacional.

Notes

1 O Projecto é coordenado por António Dias Farinha (Univ. de Lisboa) e a restante equipa de investigação composta por Bernardo Sá Nogueira, Francisco Contente Domingues e José Varandas (Univ. de Lisboa), bem como por Ângela Miranda Cardoso (Univ. do Algarve), aos quais se juntam um grupo de «tarefeiros» da Universidade de Lisboa.

2 Aquilo que no sistema francês se chamaria de Arquivo de 2.° grau.

3 O texto de apresentação do modelo conceptual teve por base um texto elaborado por Ângela Miranda Cardoso, no âmbito deste projecto.

Auteur

Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

© Publicações do Cidehus, 2001

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search