Version classiqueVersion mobile

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Perfis profissionais para a promoção da leitura

A leitura do texto literário

Entre a sala de aula e a biblioteca escolar

Renata Junqueira de Souza et Cynthia Graziella Guizelim Simões Girotto

Résumé

Nesta comunicação, procuramos observar questões ligadas às rotinas escolares que interferem diretamente no modo como os professores e demais agentes escolares lidam com a leitura de textos impressos, sobretudo textos literários, a partir de um ângulo pouco observado: o papel das bibliotecas e seus respectivos responsáveis na constituição das práticas de leitura escolares. Para tanto, vamos nos apoiar em dados de uma pesquisa em andamento cujos dados são bastante expressivos. Trata-se, primeiramente, dos dados obtidos na primeira etapa da pesquisa ‘ A Literatura na escola: espaços e contextos – a realidade brasileira e portuguesa’. Nessa pesquisa, em sua frente desenvolvida no Brasil, foram envolvidas 110 escolas públicas de Ensino Fundamental dos municípios de Presidente Prudente, Assis e Marília, no Oeste de São Paulo. Ocuparemo-nos dos dados relativos ao papel dos responsáveis pelas bibliotecas escolares, bem como das questões estruturais dessas bibliotecas e sua relação com o cotidiano escolar. Trataremos, principalmente, dos dados referentes à leitura em ambiente de biblioteca, das relações entre o professor e a biblioteca, e das relações entre o responsável pela biblioteca e a leitura, entre outros aspectos. Pretende-se mostrar os obstáculos que truncam o diálogo entre as orientações oficiais (Parâmetros Curriculares Nacionais e programas de difusão do livro), as práticas escolares e as perspectivas dos próprios professores e responsáveis por bibliotecas em relação à leitura, principalmente a leitura literária, no Ensino Fundamental.

Entrées d'index

Texte intégral

1Ao pensar em biblioteca escolar, fica evidente a concepção de um local onde os livros são apenas depositados e que a pesquisa funciona como algo engessado, uma vez que “uma escola sem biblioteca é uma instituição incompleta, e uma biblioteca não orientada para um trabalho escolar dinâmico torna-se um instrumento estático e improdutivo dentro desse contexto.” (AMATO, GARCIA, 1998, p. 11). A biblioteca, na verdade, é um recurso indispensável para o desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem e da formação do leitor.

  • 1 Leitura na escola: espaços e contextos – a realidade brasileira e portuguesa – financiada pela FAPE (...)

2Diante do apontamento de que vários dos alunos brasileiros não são leitores, a pesquisa1 ora discutida trabalhou com três seguimentos: professores, alunos e “professores bibliotecários”, este último, geralmente um professor afastado da sala de aula e colocado na biblioteca para cuidar do acervo. Um recorte foi feito, e apresentaremos aqui o diagnóstico encontrado em três cidades do Oeste do Estado de São Paulo, Brasil, com relação a formação e metodologia utilizadas por estes professores bibliotecários para minimizar as carências de leitura entre os alunos de séries iniciais do Ensino Fundamental.

3As questões relacionadas aos profissionais ligados às bibliotecas escolares foram respondidas por 109 sujeitos, um por escola, de um total de 113 unidades pesquisadas. Em quatro delas, não foi possível localizar um responsável pela biblioteca, algo que, segundo a informação dos alunos-aplicadores, aponta para o papel secundário dessa estrutura dentro daqueles estabelecimentos. Entre os respondentes, três também informaram acerca da inexistência da biblioteca em suas escolas (ligadas às redes municipais).

4Em outras duas, os entrevistados esquivaram-se de prestar informações sobre o assunto, sugerindo também a precariedade das instalações da biblioteca. Desse modo, o conjunto efetivo pesquisado de escolas/bibliotecas foi de 104, em que pese o fato de a tabulação dos questionários portar também as impressões de respondentes cujas escolas não têm uma biblioteca.

1.1 Perfil dos responsáveis pelas bibliotecas das escolas

5As pessoas responsáveis pela biblioteca são, em geral, mulheres, com experiência profissional significativa, e renda de até R $ 2.000,00. No universo total de respondentes, 85,3% são do gênero feminino, contra 7,3% do gênero masculino. Oito pessoas não responderam à questão (7,3% do total). O cenário encontrado está em conformidade com o perfil do magistério brasileiro. O mais abrangente e recente estudo nessa área, promovido pela UNESCO (2004), registra 81,6% de mulheres ocupando as funções docentes na escola brasileira.

6Quase 61% dos responsáveis pelas bibliotecas são professores de diferentes níveis, conforme aponta a tabela abaixo, embora acreditemos que esse número seja ainda um pouco maior. Entre os demais, destacam-se funcionários também deslocados, caso de Auxiliar de Desenvolvimento Infantil (ADI) e de agentes escolares, coordenadores pedagógicos, que acumulam também essa atividade, perfazendo-se cerca de 11% do conjunto de respostas. O voluntariado é um fator presente, porém bastante discreto. Em uma escola com biblioteca, a responsabilidade é compartilhada entre todos os professores.

7A biblioteca pode ser vista, ao menos em termos de administração escolar, como uma estrutura para alocação de professores que não podem ou querem voltar à sala de aula. Tal situação é particularmente visível nas escolas públicas estaduais, onde a grande maioria dos responsáveis é formada por professores readaptados. Um terço dos estabelecimentos pesquisados corresponde a escolas estaduais, número este equivalente ao percentual de professores que prestam serviço às bibliotecas. Nas escolas municipais, mais da metade dos responsáveis pela biblioteca são professores, vários deles também afastados da sala de aula. Não obstante o número expressivo de respostas em branco (24%), é possível supor que haja ainda mais professores se ocupando da biblioteca nas escolas municipais, posto o discreto número de voluntários, estagiários e funcionários designados para tal função. Entre os demais responsáveis, por seu turno, a metade deles também são funcionários readaptados (ADIs, atendentes, secretária de escola, entre outros). Nos casos restantes, não há uma pessoa específica para responder pela biblioteca ou ainda esse atendimento é feito em sistema de rodízio de funcionários.

Tabela 1 – Quanto à função dos responsáveis pelas bibliotecas escolares

Tabela 1 – Quanto à função dos responsáveis pelas bibliotecas escolares

Fonte: O autor

Tabela 2 – Quanto à idade dos responsáveis pela biblioteca escolar

Tabela 2 – Quanto à idade dos responsáveis pela biblioteca escolar

Fonte: O autor

  • 2 Também como reforço da idéia de que o percentual de professores é elevado, note-se que na tabela re (...)

8Cerca de 71% dos responsáveis pela biblioteca têm mais de 40 anos de idade. Além de talvez reforçar a suposição de haver ainda mais professores (principalmente das redes municipais) trabalhando na biblioteca2 (pois a função docente tende a ser a mais perene dentro da rotina das escolas), esse dado é importante por mostrar um grupo bastante experiente. Apenas 17,5% dos responsáveis têm até 40 anos, sendo que profissionais com idade até 25 anos somam 5,5% e podem se referir a estagiários, voluntários e funcionários em início de carreira. A experiência também se confirma em termos de tempo de magistério. É significativo o fato de menos de 5% de respondentes se dizerem professores com menos de cinco anos de serviço (tabela abaixo).

Tabela 3 – Quanto ao tempo de magistério dos profissionais responsáveis pela biblioteca escolar

Tabela 3 – Quanto ao tempo de magistério dos profissionais responsáveis pela biblioteca escolar

Fonte: O autor

9No tocante ao perfil dos profissionais responsáveis pelas bibliotecas, algumas afirmações podem ser esboçadas, com razoável margem de segurança:

  1. Entre os respondentes não há bibliotecários com formação específica para tanto. Em geral, trata-se de professores ou servidores deslocados para essa função, evidenciando a falta de um estatuto específico para o preenchimento dessas vagas, bem como a falta de cargos ou de funções especialmente voltadas para tal setor. Ocorre, portanto, a reprodução de um modelo antigo, presente nas escolas estaduais paulistas, de apresentar como secundária a estrutura da biblioteca, que, historicamente, ressalvadas as exceções, foi sendo construída pelo acúmulo de livros e de publicações, armazenadas em locais propostos como biblioteca. Essa cultura alcança as escolas municipais nos dias de hoje, ainda que, nas últimas décadas, tenha se sublinhado a importância da leitura e da literatura de ficção para o desenvolvimento infantil;

  2. A inexistência de preparação para o trabalho com a biblioteca nas licenciaturas e mesmo em cursos de formação continuada faz sobressair o caráter incipiente do trabalho realizado pelos profissionais para lá deslocados, bem como o voluntarismo do qual se reveste essa função;

  3. Do ponto de vista do perfil dos profissionais, a biblioteca é menos uma estrutura pedagógica do que um lugar de acomodação de professores e funcionários afastados da sala de aula por razões diversas, em geral por conta de problemas de saúde. Isso é a regra quase absoluta nas escolas estaduais e também uma tendência clara verificada nas escolas municipais;

  4. A idéia de levar adiante a cultura da biblioteca como uma espécie de armazém tende a ser perpetuada não apenas pela falta de preparação específica, mas também por conta da própria faixa etária predominante entre os responsáveis. De maneira geral, esses profissionais, hoje com mais de 40 anos, viveram experiências semelhantes ao longo de suas vidas como alunos e professores. Estaria aí, em parte, a explicação sobre o impacto discreto da biblioteca (como mostraremos mais adiante) na dinâmica interna da escola;

  5. As considerações feitas anteriormente apontam para a necessidade de formação específica dos profissionais envolvidos na biblioteca, sob a forma de cursos de extensão e mesmo com a inclusão de disciplinas relacionadas ao assunto nas licenciaturas. Os dados apresentados adiante também apontam essa lacuna em termos de formação.

1.2 Ações realizadas nas bibliotecas

10Quase a metade dos respondentes assume não realizar atividades de leitura na biblioteca (48,6%), enquanto 43,1% disseram promovê-las. ‘Hora do conto’e ‘ roda de leitura’, somadas, estão em número próximo ao das ‘outras atividades’. Essas outras atividades, em grande parte, são o acompanhamento burocrático de atividades externas, propostas por professores ou pelos próprios alunos, ou ainda a indicação para a pesquisa bibliográfica dos alunos.

11A biblioteca apresenta-se em grande parte acessível aos estudantes, que podem levar os livros para casa em 78% dos estabelecimentos, e são desobrigados de ler na biblioteca em 93,6% dos casos. No entanto, a prática de controle da saída dos livros, por meio de uma carteirinha, é pequena (apenas 22% das escolas o fazem), o que pode indicar uma freqüência discreta à biblioteca. Outras estratégias de registro são utilizadas em menos de 10% das escolas (fichas para o registro de retiradas, marcação em livro próprio etc.). Em aproximadamente 40% dos casos, os alunos vão à biblioteca acompanhados pelos professores.

12É provável que as estratégias de controle de saída dos livros aconteçam principalmente nas escolas estaduais (que perfazem quase um terço do total de escolas). Já nas escolas municipais a prática de compor pequenas bibliotecas em salas de aula é bastante comum, embora de maneiras diversas. Cerca de 51% das escolas afirmam ter uma sala ou cantinho de leitura – haveria esse espaço em todas ou em várias salas. Nas demais, haveria uma ou duas salas com tal conformação. Uma escola conta com uma cesta de livros, que circula de sala em sala. Noutra, o professor traz livros de sua casa. Em quase 30% das escolas, os professores levam seus próprios livros para a sala de aula.

Tabela 4 – Quanto aos livros dos professores comporem as bibliotecas de sala de aula

Tabela 4 – Quanto aos livros dos professores comporem as bibliotecas de sala de aula

Fonte: O autor

13Em que pese o dinamismo de colocar o aluno em contato direto com o livro, na sala de aula, diversos são os depoimentos de aplicadores que informam acerca das quantidades limitadas de obras disponíveis nas salas de leitura, muitas vezes compostas por alguns poucos exemplares. Em termos de biblioteca, é preciso frisar que os acervos maiores são aqueles pertencentes às escolas estaduais, que receberam, durante décadas, publicações provenientes dos governos estadual e federal, afora os livros recebidos a partir de doações e iniciativas circunstanciais para a compra de materiais impressos. Há vários depoimentos de aplicadores que afirmam ter observado o seguinte procedimento nestas escolas: os livros mais antigos e surrados são colocados em evidência, à frente nas prateleiras, ao passo que os livros novos (provavelmente recebidos a partir de programas governamentais específicos, como o Programa Nacional Biblioteca na Escola – PNBE) são guardados não raramente em armários chaveados. Já as bibliotecas municipais são, de maneira geral, iniciantes, contando com menos obras.

Tabela 5 – Quanto à incidência de bibliotecas (cantinho da leitura) em salas de aula

Tabela 5 – Quanto à incidência de bibliotecas (cantinho da leitura) em salas de aula

Fonte: O autor

14Além de contar, em boa parte, com o auxílio dos professores, a biblioteca costuma ter horários específicos para o trabalho com o livro; elas funcionam de acordo com os turnos da escola, acompanhando de perto os horários de entrada e saída de alunos. Em 45% dos estabelecimentos, não há limite de tempo para permanecer na biblioteca. Nos demais, o acesso é mais controlado, variando de 15 minutos (0,9% – numa escola), a sete horas por dia (1,8%), mas se concentrando principalmente em uma hora por semana (33% das escolas). O acesso controlado deve-se, sobretudo no caso das escolas municipais, às estruturas de biblioteca ainda iniciantes e ainda contando mais com o voluntarismo de funcionários ou professores do que com a própria estrutura. Há diversos arranjos para o uso das instalações, mas, de maneira geral, eles acompanham as aulas de leitura ou de Língua Portuguesa. Os horários específicos para o uso da biblioteca são justificados menos pelas idéias de tumulto, de falta de responsáveis, de preservação ou de facilitação do manuseio das obras, e mais para garantir tempo de uso para cada turma de alunos.

Tabela 6 – Quanto às explicações acerca da restrição de horários

Tabela 6 – Quanto às explicações acerca da restrição de horários

Base: 109 indivíduos – alguns apontaram mais de uma resposta à questão.
Fonte: O autor

15Enfim, a biblioteca, em termos de iniciativa para o seu funcionamento, depende mais da ação de professores do que dos seus próprios responsáveis. Estes últimos nela atuam essencialmente, ainda que haja exceções, como controladores da circulação das obras. Evidencia-se o papel administrativo, em detrimento do papel mediador. Isso, por seu turno, pode ser facilmente explicado a partir do perfil não especializado dos profissionais deslocados para a biblioteca; entretanto, não é possível afirmar que elas não funcionariam sem a ação direta dos professores. Em vários depoimentos, observa-se a ação, mesmo que isolada, de promoção de trabalhos da/na biblioteca. É fato, porém, que tal ação deve-se mais à iniciativa pessoal de um ou outro agente educacional do que a uma cultura mais abrangente de formação.

1.3 Organização das bibliotecas

16São diversas as formas de ordenação dos livros na biblioteca. São organizados por gênero (32%), por tombo (25%), por faixa etária e idade (22%) e por série (16%). Outras formas de organização possíveis são: a disposição por assunto ou por autoria (cerca de 4%). Esses dados mostram que existem estratégias para facilitar a pesquisa em quase metade das escolas, não obstante a circunstância de, numa boa parte delas, depender-se da ação do responsável. Por outro lado, tais atividades privilegiam mais o controle do acervo do que a promoção dos livros. Em nenhum momento registrou-se a disposição dos materiais de leitura levando-se em conta critérios de preferência ou de importância, por exemplo. Antes, acontece o contrário, sobretudo nas escolas estaduais, como mencionamos anteriormente: livros recém publicados ou novos são guardados e circulam apenas mediante solicitação específica do professor ou do próprio aluno (mas este último precisa “descobrir” o livro). Segue--se o percurso burocrático para o trabalho com as obras.

Tabela 7 – Quanto à organização dos livros na biblioteca

Tabela 7 – Quanto à organização dos livros na biblioteca

Base: 109 indivíduos – alguns apontaram mais de uma resposta à questão.
Fonte: O autor

17Cerca de 40% das escolas informam comprar livros para a biblioteca. Já a metade delas não tem essa prática. Tais indicadores reforçam a ideia da dependência em relação a programas governamentais, em razão da falta de cultura do livro como novidade, atualidade e como objeto de consumo. Prevalece até certo ponto a sugestão do livro como algo próximo do sagrado, acessível apenas a partir dos caminhos já sabidos (este passa a ser conhecido na sala de aula ou por meio de situações ocasionais, como a indicação de um amigo ou parente). Quando promovidas compras de livros, entre os critérios adotados ressalte-se que as obras são adquiridas principalmente a partir da indicação dos professores. O preenchimento do acervo tende a ser feito por faixa etária; não há menção a fontes especializadas para orientar a sua aquisição.

18Quase a metade das unidades escolares (48,6%) apresenta acervo superior a mil obras, sendo que apenas 10% das escolas contam com acervos de até 200 obras. No caso das escolas que contam com mais livros, o número varia entre mil e 14 mil obras informadas.

Tabela 8 – Quanto à quantidade de obras infantis e juvenis disponíveis na biblioteca

Tabela 8 – Quanto à quantidade de obras infantis e juvenis disponíveis na biblioteca

Fonte: O autor

Tabela 9 – Quanto à quantidade de obras infantis e juvenis disponíveis na biblioteca (2)

Tabela 9 – Quanto à quantidade de obras infantis e juvenis disponíveis na biblioteca (2)

Fonte: O autor

19Cerca de 53% das bibliotecas têm pelo menos a metade de seu acervo formado com livros novos, recebidos há menos de cinco anos. Em 34% delas, este acervo está entre 1% e 30% do total de obras. Em aproximadamente 20% dos estabelecimentos, há entre 30 e 50% de material mais recente.

Tabela 10 – Quanto à idade das obras recebidas há menos de cinco anos

Tabela 10 – Quanto à idade das obras recebidas há menos de cinco anos

Fonte: O autor

20Sobre os livros com idade média entre cinco e 10 anos, a distribuição é a seguinte: a) 28,5% dos acervos têm entre 1 e 30% de livros nessa faixa; b) 18,4% apresentam entre 30 e 50% dos livros com essa idade; c) 15,6% das bibliotecas apresentam mais de 50% de obras recebidas há pelo menos cinco anos. No que diz respeito aos livros mais antigos (recebidos há mais de 10 anos), quase 35% das escolas têm mais de 10% do acervo nessas condições; 13,8% dos acervos têm entre 30 e 50% de obras mais antigas; e apenas duas escolas informam ter seu arquivo composto por mais de 50% de obras recebidas há mais de 10 anos.

21Embora o conjunto de obras recentes não seja predominante, esses livros chegaram, em diferentes quantidades, às escolas estaduais e mesmo municipais. Em termos de rede estadual, trata-se, fundamentalmente, de pacotes de obras enviadas a partir de projetos governamentais. No caso das escolas municipais, a constituição das redes escolares de Ensino Fundamental, ocorrida nos últimos 10 anos, é responsável tanto pelos acervos mais jovens, como pelo fato de o conjunto das obras ser ainda discreto. Existe um conjunto de obras mais convidativas nas escolas. Não se discute aqui a qualidade estética dos livros, mas sim a atualidade de sua publicação. Esse argumento não é explorado pelas bibliotecas, numa marca clara da idéia de que elas funcionam mais como um arquivo e menos como lugar da leitura e de circulação da informação. Por outro lado, os números mostram a dificuldade de renovação dos acervos e, conseqüentemente, explicam a dificuldade de tornar as bibliotecas atraentes: livros mais velhos formam a maior parte do conjunto de obras, bem como são aqueles colocados mais facilmente em contato com o público leitor.

Tabela 11 – Quanto à idade das obras recebidas entre 5 e 10 anos

Tabela 11 – Quanto à idade das obras recebidas entre 5 e 10 anos

Fonte: O autor

Tabela 12 – Quanto à idade das obras recebidas há mais de 10 anos

Tabela 12 – Quanto à idade das obras recebidas há mais de 10 anos

Fonte: O autor

22Os dados obtidos a partir da questão acerca de como os livros chegam à biblioteca confirmam as afirmações precedentes:

Tabela 13 – Quanto à maneira de aquisição de livros para as bibliotecas escolares

Tabela 13 – Quanto à maneira de aquisição de livros para as bibliotecas escolares

Fonte: O autor

Tabela 14 – Quanto a outras maneiras de aquisição de livros

Tabela 14 – Quanto a outras maneiras de aquisição de livros

Fonte: O autor

23Os programas governamentais são responsáveis por cerca de 65% da composição do acervo de obras literárias. Compra direta (17,4%) e doações (10%), estratégias que implicam iniciativa da comunidade escolar, são visíveis; todavia, repercutem pouco no conjunto das obras. Aqueles que disseram haver outras maneiras de conseguir os livros e aqueles que deixaram a questão sem resposta acabaram por mostrar estratégias parecidas na questão seguinte (quais seriam as outras maneiras para adquirir os livros?). As estratégias mencionadas (limitadas a uma ou duas escolas), falam de arrecadação da própria instituição, de envio de obras pelas secretarias municipais de Educação e de professores que levam livros seus para a escola.

24O empréstimo e a leitura de livros na biblioteca têm números discretos em metade das bibliotecas, mas revelam a existência de um circuito que transforma esse espaço em parte da vida escolar. A biblioteca tem freqüência intensa em aproximadamente 20% das escolas, onde, segundo os responsáveis, 80 alunos ou mais (até o número de 240, mencionado em uma das escolas) recorrem a ela diariamente. Em quase metade das escolas (49.6%), a freqüência varia entre 20 e 60 alunos por dia, algo equivalente a uma turma de discentes, num dia de pouco movimento, ou até duas turmas de crianças, num dia mais movimentado. Em 23%, a freqüência alcança até 20 alunos por dia. Em que pese haver movimentação permanente na maioria das bibliotecas, é possível também dizer que esse trabalho se sustenta, em boa parte das escolas, por conta da ação de determinados professores, ao encaminharem seus discentes para o acervo, para atividades diversas. Sem esse procedimento, a freqüência espontânea talvez mostrasse uma realidade com números bastante tímidos.

Tabela 15 – Quanto à quantidade de alunos que emprestam ou lêem livros de literatura infantil e juvenil, por dia

Tabela 15 – Quanto à quantidade de alunos que emprestam ou lêem livros de literatura infantil e juvenil, por dia

Fonte: O autor

25A ação decisiva dos professores confirma-se ainda no que diz respeito às motivações para a freqüência à biblioteca. A ordem ou recomendação de professores é responsável pela maior parte das visitas ao acervo, seguida da curiosidade pessoal (32%) e da sugestão de colegas e familiares (14%). Os funcionários responsáveis pela biblioteca, por seu turno, aparecem discretamente como estimuladores desta freqüência. Cerca de 5% das respostas caminham na direção de mostrar o diálogo entre o aluno e o responsável pela biblioteca.

Tabela 16 – Quanto às principais motivações para o uso do acervo das bibliotecas escolares

Tabela 16 – Quanto às principais motivações para o uso do acervo das bibliotecas escolares

Base: 109 indivíduos – alguns apontaram mais de uma resposta à questão.
Fonte: O autor

26Entre as obras de maior circulação, segundo os bibliotecários, estão textos assentados ou pela história da escola ou pela mídia. Por conta das escolas municipais, em maior número e responsáveis pelas primeiras séries do Ensino Fundamental, as obras que mais aparecem fazem parte da bagagem cultural escolar já secular, isto é, os contos de fadas clássicos, tendo à frente a história de Chapeuzinho Vermelho. Não é possível identificar quais seriam as versões desses contos disponíveis na escola, mas é possível inferir que boa parte dessas obras tenha sido destinada à escola por conta de doações ou mesmo pela indicação de professores.

27Em segundo lugar na preferência dos alunos está uma coleção de livros com grande apelo midiático: a série Harry Potter. Em diversos casos, os respondentes afirmam que todos os livros da coleção estão entre os mais procurados. Existem ainda outros best sellers citados, como Agatha Christie e o Diário de Anne Frank. Em terceiro lugar, estão histórias já mais antigas, mas que fazem parte do ideário escolar, como os textos de Monteiro Lobato, Maria José Dupré, Marcos Rey e Pedro Bandeira. Autores contemporâneos de maior prestígio também estão na lista, porém em número reduzido, como Ana Maria Machado, Ruth Rocha, Ziraldo, Ricardo Azevedo. É curioso notar que mesmo com a distribuição de livros de autores prestigiados (por meio de programas governamentais), isso não implica circulação desses livros. Prevalece um ideário composto pela mídia e pela cultura escolar mais antiga (e disponível). A opção pelos clássicos infantis entre as preferências dos alunos justifica-se também pela composição dos acervos. Na divisão entre obras clássicas, obras contemporâneas e obras de pouca expressão, os respondentes indicam, na maioria das vezes, os livros clássicos como os mais recorrentes na biblioteca. Em seguida viriam as obras contemporâneas (publicadas a partir de 1980).

Sintetizando

28Desmistificar a idéia de que uma biblioteca auxilia na formação de indivíduos capazes de fazer uso de todo o acervo de forma a selecionar, interpretar e analisar criticamente o conteúdo presente no referido acervo é função deste artigo. Estando nítida ou não esta idéia, porém, a função de mediador da leitura, quase não se faz presente nestes espaços. A incompatibilidade de horários de aulas com o horário de funcionamento da biblioteca, ou ainda a falta de um profissional que tenha disponibilidade de tempo para realizar o trabalho dentro da biblioteca durante todo o horário das aulas são fatores verificados que auxiliam no prejuízo causado aos usuários do acervo.

29Se há uma biblioteca com um espaço físico determinado, que ele esteja sempre aberto, que seja agradável, acolhedor, conquistador, sem cão de guarda, sem cartazes proibitivos: por que não avisos mais simpáticos? menos autoritários? feitos pelos próprios frequentadores da biblioteca? (NERY, 1989, p. 56) Um outro aspecto que ganha destaque é a falta de recursos necessários para se trabalhar com a biblioteca. Constatou-se a existência de espaços “improvisados” presentes na sala de aula, por não haver um lugar próprio para a biblioteca em algumas escolas. Portanto, o aluno possuía, praticamente, como único recurso, o livro impresso, não havendo qualquer outro meio de efetuação da leitura, como meios audiovisuais, eletrônicos e outros.

30Como afirma Bamberger (1987), o entusiasmo dos adultos desperta o gosto pela leitura na criança, incentivando-a a aproximar-se dos livros. Para introduzi-la no mundo da leitura, o uso de diversos recursos como o álbum seriado, as dramatizações, os fantoches e outros podem auxiliar.

31Seguindo os mesmos preceitos, Nóbrega (1998) propõe a ambivalência de leituras por meio da criação de espaços e diversidade de linguagens; a inserção de acervos pessoais e coletivos como álbuns de fotografias, relatos; a ênfase no trabalho com a oralidade e a escuta; o brincar com a palavra, organizando festivais, saraus; a motivação de um espaço de criação com atividades de pintura, dança, entre outras.

32Quando há um espaço específico destinado à biblioteca intensifica-se a ideia de que é um depósito de livros, causando desmotivação no aluno quanto à prática da leitura. Este fato ocorre por não se efetuar qualquer tipo de atividade dinâmica para o incentivo do ato de ler no do espaço da biblioteca. É necessário, desse modo, repensar a biblioteca no processo de formação do leitor crítico, sem excluir as atividades de leitura na sala de aula, mas ao contrário, para intensificá-las.

33Conforme Caldeira (2005, p. 52), a biblioteca pressupõe a organização e a sistematização de um conjunto de documentos selecionados criteriosamente, com vistas a atender à proposta pedagógica da instituição que a mantém. Ela é, portanto, o espaço ideal para reunir a diversidade textual que existe fora da escola e que deve estar a serviço da expansão do conhecimento letrado do aluno.

34As entrevistas e as visitas realizadas durante a pesquisa mostraram que a minoria das escolas realiza algum tipo de ação dinâmica entre a biblioteca e o programa escolar vigente, por exemplo, por meio de atividades como hora do conto, dramatização e debates. Essas ações podem, inclusive, contribuir para desmistificar o conceito de que um ambiente de leitura, como a biblioteca, é um local desinteressante e estático.

35Há, por um lado, profissionais interessados em melhorar a leitura, usando-a como subsídio para as atividades tratadas em sala de aula e, por outro, recursos inapropriados para a realização de tais estratégias, sendo a escola o único agente educativo.

36Nas escolas em que se verificou a presença de bibliotecas, há algumas que sofrem as ações do tempo, como a chuva e o vento, danificando assim o seu acervo e o seu espaço. Há bibliotecas em que se observou o fato de alguns livros estarem já estragados.

37Por essas razões, a pesquisa tem como objetivo principal capacitar professores e aqueles que se encontram por algum motivo na biblioteca para realizarem a dinamização da leitura e do espaço da biblioteca escolar em que estes profissionais atuam, para que não sejam apenas organizadores de um acervo. Além disso, o curso objetiva elaborar um material que auxiliará os professores nesta capacitação; resgatará a importância, as funções e os objetivos da biblioteca como meio de projeção de conhecimento e espaço de formação de leitores, completando o sentido do ensino efetuado na sala de aula; auxiliará estes professores na execução de tarefas que auxiliem na prática pedagógica em ação conjunta com a biblioteca (como colaboradora das diferentes disciplinas, integrando-a na promoção do aprendizado contínuo), para contribuir e verificar, através da observação, se a capacitação está sendo aplicada na prática deste profissional.

Bibliographie

AMATO, M.; GARCIA, N. A. R. – A biblioteca na escola. In GARCIA, E. G., Biblioteca escolar: estrutura e funcionamento. 2. ed. São Paulo: Loyola, 1998. pp. 9-23

CALDEIRA, P. da T. – Biblioteca escolar e acervo de classe. In CAMPELLO, B. S. et. al., A biblioteca escolar: temas para uma prática pedagógica. 2. ed. Belo Horizonte: Autência, 2005. pp. 51-53.

NÓBREGA, N. G. de. – De livros e bibliotecas como memória do mundo: dinamização de acervos. In: GARCIA, E. G. Biblioteca escolar: estrutura e funcionamento. 2. ed. São Paulo: Loyola, 1998. pp. 120-135.

UNESCO. O perfil dos professores brasileiros: o que fazem, o que pensam, o que almejam... Pesquisa nacional UNESCO. São Paulo: Moderna, 2004.

Notes

1 Leitura na escola: espaços e contextos – a realidade brasileira e portuguesa – financiada pela FAPESP e CNPq.

2 Também como reforço da idéia de que o percentual de professores é elevado, note-se que na tabela referente ao tempo de magistério, os cerca de 34% de respostas em branco equivalem, em boa parte, àqueles profissionais não ligados ao magistério.

Table des illustrations

Titre Tabela 1 – Quanto à função dos responsáveis pelas bibliotecas escolares
Légende Fonte: O autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/501/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Tabela 2 – Quanto à idade dos responsáveis pela biblioteca escolar
Légende Fonte: O autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/501/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre Tabela 3 – Quanto ao tempo de magistério dos profissionais responsáveis pela biblioteca escolar
Légende Fonte: O autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/501/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Tabela 4 – Quanto aos livros dos professores comporem as bibliotecas de sala de aula
Légende Fonte: O autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/501/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Tabela 5 – Quanto à incidência de bibliotecas (cantinho da leitura) em salas de aula
Légende Fonte: O autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/501/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Tabela 6 – Quanto às explicações acerca da restrição de horários
Légende Base: 109 indivíduos – alguns apontaram mais de uma resposta à questão.Fonte: O autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/501/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Tabela 7 – Quanto à organização dos livros na biblioteca
Légende Base: 109 indivíduos – alguns apontaram mais de uma resposta à questão.Fonte: O autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/501/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Tabela 8 – Quanto à quantidade de obras infantis e juvenis disponíveis na biblioteca
Légende Fonte: O autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/501/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Tabela 9 – Quanto à quantidade de obras infantis e juvenis disponíveis na biblioteca (2)
Légende Fonte: O autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/501/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Tabela 10 – Quanto à idade das obras recebidas há menos de cinco anos
Légende Fonte: O autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/501/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre Tabela 13 – Quanto à maneira de aquisição de livros para as bibliotecas escolares
Légende Fonte: O autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/501/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Tabela 14 – Quanto a outras maneiras de aquisição de livros
Légende Fonte: O autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/501/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Tabela 15 – Quanto à quantidade de alunos que emprestam ou lêem livros de literatura infantil e juvenil, por dia
Légende Fonte: O autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/501/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Tabela 16 – Quanto às principais motivações para o uso do acervo das bibliotecas escolares
Légende Base: 109 indivíduos – alguns apontaram mais de uma resposta à questão.Fonte: O autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/501/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 83k

Auteurs

Professora da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. Campus de Presidente Prudente. FAPESP e CNPq.

Professora da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Campus de Marília. FAPESP e CNPq.

© Publicações do Cidehus, 2010

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search