Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Perfis profissionais para a promoção da leitura

Hábitos de leitura dos bibliotecários públicos da Rede Municipal de Bibliotecas de Lisboa

Rita Marques

Résumé

A presente comunicação visa apresentar e discutir os hábitos de leitura dos bibliotecários públicos da Rede Municipal de Bibliotecas de Lisboa. O trabalho procura identificar as finalidades das leituras realizadas por esses profissionais e as formas de promoção da leitura por eles desenvolvidas, quer em contexto profissional quer em contexto familiar, mostrando que a leitura consiste numa competência que deve integrar a cultura profissional desta classe.

This communication aims to present and study the reading habits of public librarians who work in Lisbon’s Rede Municipal de Bibliotecas. The object is to identify the purposes of those readings, define the promotion of reading habits carried out by same librarians, both in professional and familiar contexts, showing that reading consists of an ability that must integrate the professional culture of this professional class.

Texte intégral

Introdução

1Numa altura em que se pretende elevar os níveis de literacia em Portugal, todos os mediadores da leitura têm um papel fulcral neste domínio, verificando-se uma preocupação crescente com a cultura do livro e da leitura, dada a característica pluriforme que detêm na sociedade da informação. Neste sentido, a biblioteca pública constitui uma fusão de suportes diversificados, de serviços, de informação que se transformará em conhecimento, surgindo assim como espaço privilegiado de acesso ao mesmo – como ferramenta de intervenção social. Trata-se, pois, de um processo criador, uma vez que o que se pretende é que se desenvolvam nos utilizadores competências que lhes permitam agir na sociedade em que se encontram inseridos, que possam escolher e contribuir para o seu desenvolvimento.

Bibliotecários: promotores e mediadores da leitura

2Sendo os bibliotecários públicos actores essenciais no domínio da promoção da leitura, torna-se pertinente investigar o que lêem, para que fim e de que modo mobilizam as suas leituras, pessoais e profissionais. Dada a especificidade e constante evolução das Ciências da Informação e da Documentação, destacando-se aqui a Biblioteconomia, estes profissionais devem manter-se actualizados a esse nível, com vista a um melhor desempenho profissional. Assim, um dos traços distintivos desta classe profissional são efectivamente os hábitos de leitura, e o perfil do bibliotecário, entre diversos aspectos, deve idealmente caracterizar-se pela realização de leituras para fins profissionais, assim como para fins de lazer, o que comprova o enraizamento de um hábito, razão pela qual se considerou interessante alargar a investigação à esfera familiar e identificar actividades de promoção da leitura nesse contexto.

A Rede Municipal de Bibliotecas de Lisboa

3A escolha da Rede Municipal de Bibliotecas de Lisboa (RMBL) deve-se ao facto de se tratar de uma rede de referência, com história biblioteconómica e provas dadas neste domínio, ao que acresce o número significativo de bibliotecas que a constituem e que se encontram activas (Bedeteca, Biblioteca Municipal Camões, Biblioteca Municipal Central, Biblioteca Municipal da Penha de França, Biblioteca Municipal David Mourão-Ferreira, Biblioteca Municipal de Alvalade, Biblioteca Municipal de Belém, Biblioteca Municipal de São Lázaro, Biblioteca Municipal dos Olivais, Biblioteca Municipal Maria Keil, Biblioteca Municipal Natália Correia, Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro, Biblioteca-Museu República e Resistência, Biblioteca por Timor, Bibliotecas Itinerantes/Móveis, Hemeroteca Municipal), bem como os seus profissionais, nomeadamente bibliotecários e técnicos profissionais de biblioteca, que, como será apresentado posteriormente, constituem a amostra do presente trabalho.

4Como pode ser lido no seu site, a missão da RMBL é «promover a(s) leitura(s) e participar na formação de cidadãos conscientes e integrados na sociedade». Neste sentido, para que esta possa ser cumprida, foi definido o objectivo de «garantir portas de acesso à informação, tendo em conta as especificidades da comunidade lisboeta e respeitando os/as diferentes: graus de literacia (da comunidade letrada à iletrada); hábitos de leitura (dos leitores compulsivos aos não leitores); grupos etários (dos bebés aos idosos); formas de captação da informação (dos normavisuais e auditivos, passando pelas várias dislexias, às pessoas com incapacidades de visão, audição e outras); nacionalidades (de Portugal ao resto do mundo)».

Metodologia

5Não obstante o tipo de entrevista semidirectivo ser o mais recorrente na investigação de cariz social, recorreu-se à entrevista centrada (ver Apêndice: Quadro 13 – Guião da Entrevista) por se considerar que, dado o objecto de estudo em causa, esta tipologia de entrevistas possibilitará uma maior aproximação à realidade vivida pelos actores.

6Dada a extensão do universo dos bibliotecários públicos da RMBL, não seria possível realizar entrevistas a todos. Deste modo, optou-se por definir uma amostra constituída por 16 indivíduos, o que corresponde a um bibliotecário de cada uma das bibliotecas que constituem a Rede e, neste sentido, considera-se que é representativa para aquilo que é o objecto de estudo deste trabalho. No entanto, uma vez que, à data do estudo, nem todas as bibliotecas dispunham de um bibliotecário ou este não se encontrava disponível, os entrevistados caracterizam-se da seguinte forma: 8 bibliotecários com funções de coordenação, 3 bibliotecários indicados pelo bibliotecário coordenador, 1 técnico superior sem especialização em Biblioteconomia com funções de coordenação, 3 técnicos profissionais com funções de coordenação, 1 técnico profissional indicado pelo bibliotecário coordenador (por razões de ordem prática, todos os inquiridos serão designados por bibliotecários).

7Para a análise de conteúdo das entrevistas realizadas, recorreu-se à metodologia indicada por Laurence Bardin no seu livro Análise de Conteúdo (2004). Neste sentido, procedeu-se a uma análise temática, a partir do recorte de unidades de registo e de compreensão dos depoimentos. Quanto às regras de enumeração, considerou-se a presença como indicador, sendo que foi prestada igual atenção à ausência. Os indicadores foram integrados em categorias, que decorreram da análise das unidades de registo, e os dados são apresentados em quadros, adaptados de Cruz (2007), permitindo uma verificação mais clara dos mesmos.

8As entrevistas decorreram entre Junho de 2008 e Janeiro de 2009 e foram realizadas nas bibliotecas da RMBL.

Apresentação e análise dos resultados

9A apresentação dos resultados é feita por meio de quadros representativos das categorias estudadas e, a fim de tornar a análise mais clara e detalhada, apresentam-se excertos das respostas dos entrevistados, o que permite contextualizar e fundamentar os resultados, assim como demonstrar as suas intenções discursivas.

10Por razões de confidencialidade, as unidades de registo, bem como os excertos referentes aos depoimentos dos entrevistados, serão identificadas com um código alfabético que os distingue.

1. Relação com a Leitura

11Esta categoria pretende demonstrar de que forma se caracteriza a relação dos entrevistados com a leitura, no sentido em que se verifica o tipo de representações que têm das dimensões subjacentes ao hábito de ler.

Quadro 1 – Subcategoria Reflectem sobre o significado e objectivos da leitura.

Quadro 1 – Subcategoria Reflectem sobre o significado e objectivos da leitura.

12Facilmente se verifica que os respondentes reflectiram sobre o significado e objectivos que a leitura tem para si, tendo identificado claramente dois grandes indicadores, que se prendem, por um lado, com critérios de conhecimento, aprendizagem e desenvolvimento e, por outro, com critérios associados ao prazer e à ocupação dos tempos livres.

13Muito provavelmente, devido à sua profissão, a esmagadora maioria dos bibliotecários associou a leitura à aprendizagem, conhecimento e desenvolvimento, «porque uma pessoa que goste de ler está dentro de qualquer assunto» (Ba); «É uma forma de aprendizagem» (Bb) «para responder à minha profissão com mais qualidade, com mais profissionalismo, e com uma técnica cada vez mais aperfeiçoada» (Bb). E, neste sentido, a leitura «É sempre um abrir de horizontes, é sempre uma busca de alicerces para as opiniões que nós já temos e que vemos confirmadas» (Bc), sendo «fundamental para o desenvolvimento integral de cada pessoa fazer leituras de qualquer tipo» (Bf).

14No que respeita ao campo do prazer e à ocupação de tempos livres, mais de metade dos bibliotecários mencionaram estes critérios, que também presidem às leituras que efectuam, pois, «Independentemente da minha área de trabalho, da minha profissão, ler, para mim, é um prazer» (Bb). Ousar-se-ia dizer que se trata de um prazer que proporciona aprendizagem, conhecimento e desenvolvimento, até porque «sempre foi uma companhia, sempre fez parte...» (Bc) e é «uma excelente maneira de podermos ter prazer em passar o tempo... passar o tempo e não só, é ocupar os tempos livres mas ao mesmo tempo de forma útil e proveitosa» (Bd). E até mesmo um tipo de leitura que poderia ser feito num outro âmbito que não a procura de prazer acaba por ser feito nesse sentido, tal como refere (Bh): «Leio, sobretudo, por prazer, mesmos os ensaios

Quadro 2 – Subcategoria Reflectem sobre o gosto pela leitura.

Quadro 2 – Subcategoria Reflectem sobre o gosto pela leitura.

15No que respeita à subcategoria Reflectem sobre o gosto pela leitura, como nenhum bibliotecário mencionou não gostar de ler, apresenta-se, aqui, apenas um indicador, que respeita à menção feita relativamente ao gostar de ler. Mais de metade dos entrevistados referiram especificamente o gosto pela leitura. No entanto, importa realçar que cerca de um terço dos inquiridos não mencionou especificamente o gosto pela leitura, mas devemos ter presente que, no decorrer de uma entrevista, em que o respondente discorre sobre determinados assuntos, há sempre a possibilidade de se perder relativamente aos tópicos de pergunta.

Quadro 3 – Subcategoria Identificam os locais/formas de acesso aos documentos.

Quadro 3 – Subcategoria Identificam os locais/formas de acesso aos documentos.

16Os indicadores que sobressaem na subcategoria Identificam os locais/formas de acesso aos documentos permitem verificar que os bibliotecários da RMBL acedem aos documentos de formas diversificadas.

17Não é de estranhar que mais de metade dos entrevistados recorra à biblioteca por forma a aceder aos documentos por meio de requisição, nomeadamente no que concerne ao empréstimo interbibliotecas. Muito embora os entrevistados utilizem às bibliotecas da rede onde trabalham, há a possibilidade de se dirigirem a bibliotecas de outras localidades, como refere (Bo): «eu tenho lido livros que vêm para a biblioteca ou que requisito a outras bibliotecas». Não obstante esta forma de acesso, há, porém, bibliotecários que não recorrem à rede enquanto utilizadores, chegando a afirmar que «Tal como muitos outros, eu sou um bibliotecário que nunca foi frequentador de bibliotecas enquanto utilizador» (Bc). Deste modo, verificamos que a maior parte dos entrevistados acede aos documentos por aquisição. Ainda que para uns a compra não seja a forma mais usual de chegar a um documento, como se verifica pelo depoimento de (Bb), «raramente compro, a não ser que seja mesmo um livro técnico para a minha área, aí compro», outros afirmam de forma peremptória «Compro» (Bl), e no que concerne aos locais onde realizam as suas compras, são mencionados as livrarias e os alfarrabistas.

18No que respeita ao acesso a documentos digitais, 31,3% dos bibliotecários referem que utilizam este meio de acesso: «recorro bastante a publicações que estão online» (Bd) Ainda assim, a tradição continua a ser o suporte papel, «Eu cheiro o papel, o livro» (Ba), porém, como afirma (Bf), «Acho que as bibliotecas digitais vão ser o futuro», no entanto, ainda há um caminho a percorrer.

19No que concerne ao último indicador, uma parte muito pequena de bibliotecários referiu a oferta como forma de aceder aos documentos.

Quadro 4 – Subcategoria Elegem locais para a prática da leitura.

Quadro 4 – Subcategoria Elegem locais para a prática da leitura.

20Relativamente à subcategoria Elegem locais para a prática da leitura, um quarto dos bibliotecários entrevistados refere que lê nos transportes públicos, como o comboio ou o autocarro, aproveitando, deste modo, os períodos em que decorrem as suas deslocações.

21A casa surge como o local em que os bibliotecários mais lêem, sendo que quase a totalidade dos entrevistados a referiu como um dos lugares para a prática da leitura: «Tenho por hábito ler em casa» (Bn), «gosto muito de ler em casa» (Bd). Atendendo a factores de ordem prática, ler em casa acaba por ser mais cómodo e, claro, prático, depois de um dia de trabalho, em que as pessoas procuram o descanso. Como refere (Bh), «tenho a minha vida de trabalho, os miúdos, e tenho o hábito de ler sempre à noite».

2244% dos entrevistados referem também que lêem ao ar livre e os espaços de eleição são as praias, as esplanadas e os jardins. Como refere (Bd): «Gosto da leitura ao ar livre, acho que é muito relaxante

23A biblioteca é também um espaço referenciado por 31,3% dos entrevistados. Neste caso, sobressaem também motivos de ordem prática, visto que os bibliotecários aproveitam o espaço onde trabalham para esse fim, sendo que a utilização é feita a dois níveis: nos períodos de descanso – «A minha hora de almoço é passada lá em cima na sala a ler» (Bj) –, ou nos períodos em que a biblioteca não está tão cheia – «às vezes, quando tenho de estar de serviço no balcão de empréstimo […], leio um pouquinho na biblioteca.» (Bo). Muito embora a biblioteca seja um espaço referido por alguns bibliotecários, outros há que justificam o facto de não usarem a biblioteca onde trabalham por não terem possibilidade de o fazer durante o horário de expediente.

24Quanto à leitura noutros espaços fechados, uma parte muito pouco significativa dos entrevistados fez menção a locais com o café e o carro.

Quadro 5 – Subcategoria Reflectem sobre a disponibilidade para a leitura e a frequência com que lêem.

Quadro 5 – Subcategoria Reflectem sobre a disponibilidade para a leitura e a frequência com que lêem.

25Relativamente à subcategoria Reflectem sobre a disponibilidade para a leitura e a frequência com que lêem, a maior parte dos bibliotecários, 69%, considera estar disponível para a leitura e lê com frequência: «Leio todos os dias, tenho sempre um ou dois, ou três ou quatro, também depende das leituras que tenho. Se for qualquer coisa da área profissional em que, de momento, tenha que dar mais atenção ao assunto, carrego mais nesse sector, senão, vou ao sabor das leituras, mas todos os dias, quando chego a casa, depois do jantar» (Bi). Deste modo, a maior parte dos bibliotecários, para além de estarem disponíveis para a leitura, lêem com frequência e em grandes quantidades, o que se traduz num hábito diário, que se torna mais significativo no período de férias, quando os entrevistados dizem ter mais tempo disponível: «Leio diariamente [...]. No mês de Agosto posso ler quatro ou cinco livros e nos outros meses um. Devo ler entre quinze e vinte livros por ano» (Bh).

26Não obstante, há bibliotecários (38%) que, apesar de estarem disponíveis para a leitura, não lêem tanto quanto gostariam: «Leio, leio. Acho que isso se aplica a qualquer pessoa. Acho que nós já não somos capazes de passar um dia sem ler [...] mas há muitos projectos de leitura adiados, muita coisa que está à espera em casa para ser lida» (Bc). Assim sendo, os bibliotecários esperam pelo período de férias para se dedicarem mais à leitura, como reforça (Bp): «Ultimamente, não leio as quantidades que desejava, estou desejosa que venham as férias» (Bp).

Quadro 6 – Subcategoria Reflectem sobre a leitura durante a infância.

Quadro 6 – Subcategoria Reflectem sobre a leitura durante a infância.

27«A infância era completamente analógica! Ou seja, havia talvez menos dispersão, e o objecto livro estava a par dos outros objectos-brinquedo. Tudo era táctil e o livro, obviamente ilustrado, era mais um dos brinquedos. Por isso, a minha memória é anterior à leitura, quando ainda não sabia ler e inventava histórias a partir das imagens (ilustração ou BD) que via nos livros. Quando aprendi a ler devorei os tradicionais clássicos infantis (Anderson e Grimm, sobretudo), mas especialmente aqueles títulos de “O Porquê das Coisas” ou uma colecção que havia em fascículos dedicados à História, à Geografia, à Física (elementar, claro) e a outros ramos do conhecimento. Esses foram os primeiros, a que se seguiram as aventuras: muito Salgari, muito Júlio Verne. Depois, no final da infância, como a maior parte da minha geração, devorei a colecção de Os Cinco (quando passei a ler dois por dia a minha família ficou preocupada com a minha sanidade!). As séries portuguesas da Alice Vieira e da Isabel Alçada são posteriores e já não as apanhei. Com a adolescência vieram leituras mais “sérias” e aquela coisa horrível dos livros que se tentam ler antes de termos idade para os perceber. Bom, no meio disto há um ponto fundamental: a disponibilidade dos pais para oferecerem livros, para acompanharem as leituras, para explicarem. Tudo isto se passava em casa, pois assim como não havia Playstations, também não havia bibliotecas com actividades infantis nem planos nacionais de promoção da leitura.» (Bi)

28O depoimento deste entrevistado é bastante ilustrativo do facto de 81,3% dos bibliotecários terem adquirido o gosto pela leitura durante a infância. No que concerne aos bibliotecários que não desenvolveram o gosto pela leitura durante a infância, 19%, tal deveu-se a um primeiro mau contacto com a leitura, como afirma (Bd): «não foi uma coisa que tivesse sido desde pequenina. Não foi logo em criança, até porque as primeiras experiências com a leitura não foram fáceis».

2. Finalidades da leitura

29Esta categoria visa demonstra que tipo de leituras os bibliotecários fazem para fins profissionais e para fins de lazer. Entende-se aqui por leitura para fins profissionais a leitura realizada em prol da área profissional em que actuam, quer por iniciativa própria quer por recomendação da entidade patronal. Já a leitura para fins de lazer abarca toda a leitura que não é feita para fins profissionais, ainda que, algumas vezes, possa ser realizada com uma intenção de adquirir um determinado conhecimento sobre uma dada temática.

Quadro 7 – Subcategoria Lêem para fins profissionais.

Quadro 7 – Subcategoria Lêem para fins profissionais.

30No que concerne às leituras para fins profissionais, aquando das entrevistas, a esmagadora maioria dos bibliotecários, 81,3%, indicaram a última leitura que haviam realizado para fins profissionais. É importante referir que alguns bibliotecários indicaram várias leituras diferentes que, por sua vez, se inscrevem em indicadores diferentes. Dentro das áreas temáticas que sobressaem dos depoimentos, verifica-se que a maior parte das leituras, mais de metade, é realizada no âmbito das Ciências da Informação e da Documentação sobre diversos subtemas. Note-se que alguns bibliotecários encontram-se a estudar, alargando os seus estudos dentro da área da Biblioteconomia, e as leituras que referiram como tendo sido as últimas realizadas para fins profissionais aconteceram no âmbito dos seus cursos, mas visto que estes se inscrevem na área da sua profissão, foram consideradas leituras para fins profissionais. Logo a seguir em termos numéricos verifica-se que as últimas leituras dos bibliotecários para fins profissionais se inscrevem na área da Gestão: «Li qualquer coisa sobre gestão da qualidade» (Bf). E, in ex equo, na área das Tecnologias da Informação e da Comunicação e da História: «Para fins profissionais, li noutro dia um documento que um colega bibliotecário me enviou, publicado pelo Ministério da Educação, um manual em pdf para os professores sobre a utilização das ferramentas Web 2.0 em sala de aula» (Bg); «as últimas leituras que tive assim, nesse sentido mais profissional, foi em relação... temos aqui uma exposição relativa a 1908, e foi recordar algumas coisas, fui ler outras, pronto, para estar mais actualizado, e as coisas estarem mais vivas em relação a 1908, para poder acompanhar aqui a exposição.» (Bi).

31Aquando da entrevista, 50% dos bibliotecários estavam a ler para fins profissionais, maioritariamente sobre temas da área das Ciências da Informação e da Documentação: «De momento, estou a ler um artigo sobre as cores associadas à CDU e estou também a ler sobre o depósito, como é que os depósitos a nível internacional são organizados» (Be). E in ex equo sobre temas nas áreas das Tecnologias da Informação e da Documentação, «estou a ler um livro sobre tecnologias da informação» (Bp), Gestão de Recursos Humanos, «Em termos profissionais, o que tenho estado a ler neste momento, é, realmente, sobre a gestão dos recursos humanos» (Bo), Direito, «ando a ler sobre legislação» (Bk), e Sociologia, «Eu estou a ler sobre a parte da exclusão social, ligado ao trabalho que tenho nesta biblioteca» (Bn).

32Não obstante, cerca de 38% dos entrevistados afirmaram não se encontrar a ler nada aquando da entrevista, o que é bastante significativo, tendo em consideração tudo o que já foi dito relativamente à profissão e às actividades que desenvolvem, sendo os hábitos de leitura uma das características essenciais desta classe.

33Note-se que 13% não responderam.

34Ao longo das suas declarações, 38% dos bibliotecários foram fazendo referência a outras leituras para fins profissionais e que se prendem com a tipologia de leituras que costumam realizar. Deste modo, 38% dos bibliotecários mencionaram várias temáticas: Ciências da Informação e da Documentação, Tecnologias da Informação e da Comunicação, História, Recursos Humanos, Arte e Psicologia.

Quadro 8 – Subcategoria Lêem para fins de lazer

Quadro 8 – Subcategoria Lêem para fins de lazer

35Quanto à subcategoria Lêem para fins de lazer, todos os bibliotecários referiram as últimas leituras que fizeram. Note-se que alguns bibliotecários referiram mais do que um documento. Como pode ser verificado, mais de metade das leituras correspondem a romances, como «As Mulheres do Meu Pai […] do José Eduardo Agualusa» (Bd); «Pepetela, Jaime Bunda» (Bh), seguindo-se leituras feitas na área da Política Internacional, «O último que eu li foi aquele diário daquela jornalista russa que foi assassinada [Um Diário Russo, de Anna Politkovskaya]» (Bo), e, in ex equo, crónicas, «Olhe, acabei ontem ou anteontem o […]... mais recente do Alexandre O’Neill, Já Não Está Cá Quem Falou [Já Cá Não Está Quem Falou ], um conjunto de crónicas» (Bi), cartas, «O último livro que li foi as cartas do António Lobo Antunes [D’este viver aqui neste papel descripto Cartas da Guerra]» (Bp), na área da Arte, «Li agora um compêndio de vários autores que falam de arte, da Taschen, e um livro sobre o Barroco» (Bk), e da Música, «Acabei recentemente uma coisa do Ruy Castro sobre jazz e música ligeira no século XX [Tempestade de Ritmos: Jazz e Música Popular no Século XX]» (Bi).

36Aquando da entrevista, 63% encontravam-se a ler para fins de lazer, maioritariamente romances, cerca de 31,3%, «Estou a reler A Filha do Capitão [de José Rodrigues dos Santos]» (Bl), seguindo-se as leituras realizadas dentro da área da História, novelas, colectâneas de textos de autor, entrevistas, revistas literárias, e nas áreas da Filosofia e da Gastronomia.

37Entre os bibliotecários entrevistados, 31,3% não se encontravam a ler nada, o que vai ao encontro do que se tinha verificado no âmbito das leituras para fins profissionais e que acaba por ser significativo.

38Note-se também aqui que um bibliotecário não referiu se tinha alguma leitura em mãos.

39Ao longo das entrevistas, 50% dos respondentes fizeram referência a tipologias de leituras que habitualmente fazem para fins de lazer e, entre a totalidade dos bibliotecários, 31,3% voltou a mencionar mais os romances, seguindo-se leituras na área da História, 19%, poesia, 13%, e depois, in ex equo, ensaios, banda desenhada, literatura de viagens, literatura clássica, revista sobre o jet-set, e nas áreas da Sociologia, Filosofia, Psicologia, Arquitectura e Desporto.

Quadro 9 – Subcategoria Evidenciam hábitos de leitura no sentido de uma actualização diária.

Quadro 9 – Subcategoria Evidenciam hábitos de leitura no sentido de uma actualização diária.

40Relativamente a uma preocupação com a actualização diária, 69% dos bibliotecários têm o hábito de ler publicações periódicas, diárias e não só, para efeitos de uma actualização diária. Neste sentido, da totalidade dos bibliotecários, 63% referiram que lêem publicações periódicas, como o jornal, «Também leio jornais, é normal eu ler um jornal diário todos os dias» (Bl), «como dou entrada a todo o tipo de jornais e de revistas, de jornais não tanto, mas revistas, todas as semanas vejo a Sábado, a Visão, a Super Interessante, a Magazine Artes» (Bj), ao passo que cerca de 6,3% afirmam que «cada vez leio menos jornais e leio mais blogs» (Bh).

3. Promoção da Leitura

41A categoria Promoção da leitura pretende demonstrar as formas de promoção da leitura que os bibliotecários da RMBL, enquanto promotores, desenvolvem nas suas bibliotecas, assim como uma possível extensão destas actividades a um contexto familiar, verificando, igualmente se conhecem o Plano Nacional de Leitura e o tipo de opinião que têm acerca do mesmo.

Quadro 10 – Subcategoria Promovem a leitura em contexto laboral.

Quadro 10 – Subcategoria Promovem a leitura em contexto laboral.

42Relativamente a esta subcategoria, todos os bibliotecários referiram desenvolver actividades de promoção da leitura nas bibliotecas em que trabalham. Entre um leque variado de actividades, a mais mencionada, no âmbito da leitura e dinamização de histórias, foi referida por 38% dos bibliotecários e prende-se, sobretudo, com a «Hora do Conto». De seguida, surgem actividades como as mostras bibliográficas e as conferências, colóquios e palestras, ambos os indicadores referentes às respostas de 31,3% dos bibliotecários, ateliers, identificação do perfil do utilizador e exposições com 19%, visitas guiadas à bibliotecas e encontros com escritores e outros agentes culturais com 13%, e, com 6,3%, recortes de jornais sobre temas literários, actividades em espaços exteriores à biblioteca (realizados no âmbito das bibliotecas itinerantes), cursos de literatura, comunidades de leitores, desenho, apresentação de livros, sítios Web, associação da literatura a outras artes, jogos tradicionais e contacto com o objecto-livro. As actividades desenvolvidas são actividades validadas dentro do campo da promoção da leitura e bastante diversificadas. Note-se, porém, que 6,3% não referiram especificamente as actividades, mencionando apenas «temos as normais» (Bg), visto que há uma programação centralizada e definida para a rede.

Quadro 11 – Subcategoria Promovem a leitura em contexto familiar.

Quadro 11 – Subcategoria Promovem a leitura em contexto familiar.

43No que concerne à promoção da leitura em contexto familiar, 69% dos bibliotecários referiram desenvolver algumas actividades em contexto familiar. Note-se, porém, que há bibliotecários que não têm filhos e os cônjuges já são leitores. Ainda assim, tendo em conta a totalidade dos bibliotecários, a forma mais referida é a oferta de livros, seguindo-se a menção de leituras e discussão de assuntos, a par das sugestões de leitura, depois a leitura de histórias e a existência de uma biblioteca familiar. Por fim, 6,3% referiram o contacto com o objecto-livro, sendo que também 6,3% referiram actividades especiais de promoção da leitura – «tenho que ler duas horas por dia com intervalo de um quarto de hora, com o sistema dos disléxicos» (Bk)

Quadro 12 – Subcategoria Conhecem o Plano Nacional de Leitura.

Quadro 12 – Subcategoria Conhecem o Plano Nacional de Leitura.

44Quanto ao Plano Nacional de Leitura, todos os bibliotecários estão a par deste plano e mais de metade emite uma opinião favorável sobre o mesmo, considerando que este é positivo no âmbito da promoção da leitura, nomeadamente na promoção de autores lusófonos: «Penso que é óptimo, pois cada vez mais temos que apoiar os nossos escritores, porque somos o parceiro ideal para darmos a ler o que eles fazem, e eles são os parceiros ideais para nos ajudarem cada vez mais a enriquecer os fundos e a enriquecer o conhecimento de toda a gente, e, para mais, os nossos escritores de literatura infantil, temos muitos e bons. Acho que vai ter resultados muito positivos» (Ba). Os bibliotecários referem também que o plano traz também benefícios ao nível da proximidade entre a educação e a leitura e promoção da própria profissão de bibliotecário e das bibliotecas: «é uma excelente oportunidade para uma aproximação entre o sector da cultura e o sector da educação, que nem sempre têm colaborado. O PNL poderá ser um passo decisivo para a nossa profissão» (Bc). O PNL acaba, deste modo, por fortalecer a relação entre a biblioteca pública e a biblioteca escolar, como refere (Bh): «Eu tenho uma boa opinião acerca do plano. Nós não inventámos a roda. Se os ingleses têm os níveis de leitura e de literacia que têm e têm um PNL, se os americanos o têm, se países nórdicos o têm, há necessidade de haver da parte do Estado uma série de programas que permitam elevar os níveis de literacia. A vantagem do plano neste momento é ter uma intervenção na escola bastante grande, porque os primeiros cinco anos, para além de outros projectos em simultâneo, incidem na leitura orientada na sala de aula. O mais importante que o plano tem é levar a leitura à escola.»

45É de notar, contudo, que cerca de 38% dos entrevistados não confiam totalmente nas vantagens e benefícios do PNL e vêem-no com uma certa desconfiança, porque, o Plano pode ter uma essência positiva, mas, como refere (Bm), «É o melhor, só que, talvez, nós não tenhamos as condições para acompanhar este PNL», e chegam a considerar que os resultados não são de todo positivos: «o que eu tenho visto é que, em relação ao contacto que eu tenho com as crianças e às dificuldades que elas têm de leitura, não sei se estará a resultar» (Bo).

Conclusão

46A grande maioria dos entrevistados vê na leitura fonte de aprendizagem e prazer, acede aos documentos e tem locais definidos para a prática da leitura, na medida em que se trata de um gosto que foi maioritariamente desenvolvido na infância. Porém, apesar da sua disponibilidade para ler, cerca de um terço dos inquiridos não o faz tanto quanto gostaria, maioritariamente devido à falta de tempo. A maior parte dos inquiridos demonstraram que lêem para fins profissionais, desenvolvendo as suas leituras dentro de várias áreas temáticas, no entanto, importa realçar que cerca de um terço não se encontrava a ler para fins profissionais aquando da entrevista, o que é significativo, considerando que se trata de um grupo de mediadores e promotores da leitura. Os bibliotecários mostraram também que lêem para fins de lazer, todavia, à semelhança do que se verifica no âmbito das leituras para fins profissionais, cerca de um terço não se encontrava a ler no presente da entrevista. No que respeita à promoção da leitura, estes profissionais empreendem actividades de promoção da leitura em contexto profissional, mas cerca de um terço dos bibliotecários ainda não estende este domínio à esfera familiar.

Bibliographie

BARDIN, Laurence – Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2004.

BERTRAND, Anne-Marie et al. Les bibliothèques municipals et leurs publics: pratiques ordinaries de la culture. Études et recherché. Bibliothèque Publique d’information. [s.l.]: Centre Pompidou, 2001.

CADÓRIO, Leonor – O gosto pela leitura. Lisboa: Livros Horizonte, 2001.

CALENGE, Bertrand (dir.) – Bibliothécaire, quel métier?. Paris: Cercle de la Librairie, 2004.

CRUZ, Cristina Maria Coelho – O professor de português e a promoção da leitura na escola. Lisboa: [s.n], 2007. Dissertação de mestrado em Ciências da Educação (área de especialização em Educação e Leitura) apresentada à Universidade de Lisboa, através da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, 2007. Orientador: Justino de Magalhães.

CURTO, Diogo (dir.) – Leitores de bibliotecas públicas. Inquérito à Rede de Leitura Pública na Região de Lisboa. Lisboa: Edições Colibri, 2004.

DILEVKO, Juris; GOTTLIEB, Lisa – Reading and the reference librarian: the importance to library service of staff reading habits. Jefferson: McFarland & Company, 2003.

FREITAS, Eduardo – Os hábitos de leitura: evolução registada em Portugal (versão revista) [Em linha]. 1997. [Consult. em Maio 2008] Disponível em http://www.box.net/shared/hh80fajkkk.

FREITAS, Eduardo – As bibliotecas em Portugal: elementos para uma avaliação. Lisboa: Observatório das Actividades Culturais, 1998.

FREITAS, Eduardo; CASANOVA, José Luís; ALVES, Nuno de Almeida – Hábitos de leitura. Um inquérito à população portuguesa. Lisboa: Dom Quixote, 1997.

FREITAS, Eduardo; SANTOS, Maria de Lurdes Lima dos – Hábitos de leitura em Portugal: inquérito sociológico. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992.

LOPES, João Teixeira; ANTUNES, Lina – Biblioteca e hábitos de leitura: balanço de quatro pesquisas. Lisboa: Observatório das Actividades Culturais, 1999.

PORTUGAL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO – Plano Nacional de Leitura. [Em linha] [Consult. Fev. 2008] Disponível em: http://www.planonacionaldeleitura.gov.pt.

Rede Municipal de Bibliotecas de Lisboa. Disponível em http://blx.cm-lisboa.pt/gca/index.php?id=224.

Annexes

APÊNDICE

Quadro 13 – Guião da Entrevista.

Quadro 13 – Guião da Entrevista.

Table des illustrations

Titre Quadro 1 – Subcategoria Reflectem sobre o significado e objectivos da leitura.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/493/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Quadro 2 – Subcategoria Reflectem sobre o gosto pela leitura.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/493/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Quadro 3 – Subcategoria Identificam os locais/formas de acesso aos documentos.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/493/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Quadro 4 – Subcategoria Elegem locais para a prática da leitura.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/493/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Quadro 5 – Subcategoria Reflectem sobre a disponibilidade para a leitura e a frequência com que lêem.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/493/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Quadro 6 – Subcategoria Reflectem sobre a leitura durante a infância.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/493/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Quadro 7 – Subcategoria Lêem para fins profissionais.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/493/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 296k
Titre Quadro 8 – Subcategoria Lêem para fins de lazer
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/493/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 392k
Titre Quadro 9 – Subcategoria Evidenciam hábitos de leitura no sentido de uma actualização diária.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/493/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Quadro 10 – Subcategoria Promovem a leitura em contexto laboral.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/493/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 252k
Titre Quadro 11 – Subcategoria Promovem a leitura em contexto familiar.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/493/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Quadro 12 – Subcategoria Conhecem o Plano Nacional de Leitura.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/493/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Quadro 13 – Guião da Entrevista.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/493/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 177k

Auteur

Aluna de mestrado em Ciências da Informação e da Documentação, variante de Biblioteconomia. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – Universidade Nova de Lisboa.

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr