Version classiqueVersion mobile

O Alentejo entre o Antigo Regime e a Regeneração

 | 
Teresa Fonseca
, 
Jorge Fonseca

Estruturas económicas e político-militares

O Alentejo como região militar no início do século XIX: a mais propícia para conquistar o reino?

Fernando Dores Costa

Résumé

Neste capítulo, põe-se em causa a consideração, muito frequente, de que o Alentejo era a região que deveria ser naturalmente preferida para que tivesse início a acção de um exército invasor de Portugal. As memórias sobre a defesa e o modo de atacar Portugal revelam que isto estava longe de ser evidente.

Texte intégral

1O Alentejo poderia ser visto como a região de Portugal em que era mais provável a eclosão de um confronto bélico. A facilidade de penetração, pela ausência de acidentes no território, faria com que este espaço fosse o mais apetecível para um exército invasor. Contudo, não foi isto o que se verificou. O Alentejo foi o palco dos confrontos decisivos da Guerra da Restauração (1641-1668) e foi também onde se deu o breve e estranho conflito conhecido como Guerra das Laranjas (1801). Mas não foi o território de confrontação no tempo da Guerra dos Sete Anos (1762) ou durante a Guerra Peninsular (1808-1811). A penetração do exército de Junot fez-se penosamente ao longo da margem norte do Tejo, mas não é ilustrativa porque foi mais policial e diplomática do que militar. A dificuldade na progressão é por isso ainda mais reveladora. A retirada de John Moore em 1809 pela Corunha deslocou inesperadamente a acção militar para as regiões do norte do reino. A invasão de Masséna fez-se pelo eixo das praças de Ciudad Rodrigo e de Almeida para marchar sobre Lisboa. Mas, em 1809, depois da derrota de Soult no Porto, a acção militar ter-se-ia deslocado logicamente para a Estremadura espanhola e para o Alentejo. Também em 1810, a ofensiva e tomada de Badajoz, se tivesse sido realizada a tempo de se conjugar com as tropas de Masséna, teria feito centrar as operações no Alentejo. Muitos são, em suma, os factores que determinam a localização dos conflitos, nomeadamente os imprevisíveis acasos próprios da guerra, mas tal não invalida a colocação da questão: seria o Alentejo a melhor opção para um exército invasor?

2Este texto tem como primeiro objectivo a averiguação do lugar do Alentejo nas reflexões feitas sobre a defesa do reino no início do século XIX, constatando-se que não era evidente para os seus autores que essa fosse a melhor opção para um general inimigo que quisesse tomar Lisboa; um segundo objectivo é a constatação da ausência nessa época de um efectivo sistema defensivo na região, nomeadamente ao nível da fortificação das praças, agravado pela escassez de homens para a composição dos regimentos e das guarnições das praças.

3O engenheiro francês Charles Paris identificou como a melhor via para a travessia de Portugal e a chegada a Lisboa a que passava por Elvas, Estremoz, Arraiolos, Montemor, Vendas Novas, Canha e Aldeia Galega. Nesta embarcava-se para Lisboa. Esta estrada era suave para as viaturas. [Vicente, 1983, 110] Mas este era o caminho para os viajantes que se deslocavam pacificamente, não para os exércitos.

4Para as forças invasoras o objectivo era certamente o de chegar a Lisboa, cabeça do reino, cidade economicamente importante e porto excepcional. Sempre as forças invasoras tiveram esse propósito, embora em 1762 se tenha definido inicialmente (pelo rei de Espanha e contra o parecer de alguns conselheiros militares) o intuito da tomada da cidade do Porto, porque se alegava que a aliança dos reis de França e Espanha se fizera contra os ingleses e iria supostamente ao encontro dos interesses dos próprios portugueses. Para afectar os negócios ingleses, a cidade do Porto era o alvo preferencial. Politicamente, a renúncia a Lisboa como objectivo era, contudo, a transformação da guerra numa força de pressão diplomática extrema, mas que não atingia a autoridade no seu coração.

5Durante os anos derradeiros do século XVIII e os primeiros do século XIX, várias memórias de estrangeiros e de portugueses tinham o propósito de apresentar o melhor método de ataque ou de defesa do reino. Nelas se trata necessariamente do Alentejo. Permitem-nos uma primeira perspectiva do Alentejo como região militar.

6Uma das reflexões que se fizeram sobre o método de defesa do reino neste início do século foi a do marquês de Alorna, figura de primeiro plano da elite militar portuguesa nestes anos. A propósito do “Attaque dos Hespanhoes”, escreveu que o ataque pelo Alentejo era para eles uma tentação com que se devia contar. [AHM, AML, Cx. n.º 9, n.º 14, f.22] Em 1762, referia, tinham tomado outro rumo, mas as dificuldades encontradas nas províncias do Norte tinham saído tão caras que, em 1797 e 1801, haviam dado a aparência de terem regressado ao que chamava “jeito inveterado”, dirigindo-se ao terreno cuja entrada lhes parecia mais fácil. Mas como esta entrada, apesar do rio Tejo, poderia ter consequências na chegada do inimigo por ela à capital, era preciso observar o melhor método de conduzir esta operação. Os espanhóis precisariam de se aguerrir com coisas fáceis para daí passarem às mais dificultosas, dizia. De Montalvão a Arronches era país dificultoso. De Arronches a Juromenha, ainda que fosse entrada franca e larga, tinham a praça de Elvas que sempre se impõem. [idem, 23] Mas o terreno que tinham os portugueses na margem esquerda de Guadiana apresentava-se sem nenhum obstáculo, principalmente depois que os espanhóis possuíam a praça de Olivença (Alorna escreve esta memória em 1804) que faz a direita de que Ayamonte era a esquerda. Parte deste terreno era ondeado, mas aberto, e vinha dar a um cordão de pequenas praças mal construídas e arruinadas com um rio por diante que lhe servia de fosso. Esta posição – continuava Alorna – seria “péssima” para os portugueses porque cada uma das praças não tinha força para se defender e todas juntas estavam entaladas entre duas praças inimigas e nas costas tinham um rio de bordas altas e escarpadas. Mas para os espanhóis seria excelente e ganhavam grande chaça [ou seja, oportunidade] se a tomassem. Moralmente, porque quem principia ganhando toma ânimo e quem principia perdendo desanima, e fisicamente, 1.º porque o cordão, ficando todo seu, servia-lhe de base para ir para diante, 2.º porque tendo um rio que lhe servia de fosso não receia ataque consequente, 3.º, porque mesmo não convinha empregar muita força em um objecto dificultoso cujo proveito seria puramente negativo, 4.º porque a guarnição de Elvas, que lhe ficava no flanco direito, não lhes dava susto logo que mascarassem esta praça com um corpo de seis a oito mil homens. Ainda porque, mesmo sem isso, a guarnição poderia sair a um golpe de mão sobre um lugar aberto, mas não sobre um lugar fechado como Olivença que, ainda sendo mal construída, tinha fosso, nove frentes e seria preciso nela deixar uma guarnição forte. Tomada esta posição, deveriam os espanhóis cortar a comunicação do Algarve com o Alentejo, passando o Guadiana onde lhes fosse mais fácil. Previa que empregassem 16 mil homens em tudo isso. O marquês considerava necessário lembrar que, no ano de 1801, os portugueses não tinham podido ter no Alentejo mais de 1500 cavalos e apenas oito mil infantes em estado de combate. Nessas condições, a coluna (inimiga) de 14 mil homens deveria dirigir-se à borda esquerda do Tejo com o intento de se meter entre o Tejo e o nosso exército para lhe cortar a retirada. Este golpe deveria consistir no destacamento de um corpo de seis a oito mil homens com um parque de morteiros, marchando rapidamente por entre o Sado e o mar, que, sem recear Setúbal, passaria a Olhos de Água, aparecendo nas alturas de Almada e bombearia parte de Lisboa. [AHM, AML, 9, 14, 23-26] Alguns julgavam que essa operação pararia nesse ponto, mas – advertia Alorna – era preciso avaliar a impressão que faria nos ânimos uma semelhante desfeita à capital. Além disso, se o rio era largo para os espanhóis, também o era para superar a imobilidade em que se achariam todas as forças portuguesas de mar e terra, não sendo preciso, alegava, detalhar o inconveniente de ser inimiga a borda esquerda do Tejo defronte a Lisboa.

7Entretanto, a segunda coluna do exército português seria forçada a uma batalha ou faria uma retirada. No primeiro caso, sendo muito duvidoso o desfecho e de grande consequência um resultado desfavorável, seria quase necessária a retirada com abandono inteiro do Alentejo e não teria a praça de Elvas outro remédio senão a rendição. [idem, 27] A disposição inicial dos espanhóis para conduzir a campanha deste modo poderia ser através da repartição das suas forças em dois corpos, um primeiro de 30 mil homens ameaçando as fronteiras do Alentejo, podendo ser a sua primeira assembleia entre Almendral e Talaveira ou mesmo à sombra de Badajoz. O segundo corpo, de 20 mil homens, entre o Tejo e o Alagão, ameaçando as fronteiras da Beira e, ao mesmo tempo, as do Alentejo, sendo fácil o trânsito por Alcantara, para vir desembocar a Arronches. Um terceiro corpo, de 20 mil franceses (como já supusera noutra parte da sua memória) reunir-se-ia em Alcaniças, ameaçando a província de Trás-os-Montes. Com esta disposição, se os portugueses dividissem as suas forças para fazer cara a defensiva para todos estes lados, ficariam em observação os dois corpos ameaçadores da Beira e de Trás-os-Montes e o do Alentejo prosseguiria a sua operação. Se se juntassem no Alentejo, para parar a ferida mais penetrante, engrossariam os espanhóis a coluna de Arronches, podendo dispor para esse efeito de 20 mil homens ou da sua maior parte. Perdido o Alentejo e o reino do Algarve, era preciso considerar o estado do espírito nacional para calcular o efeito que isto poderia ter e que quantidade de forças deveriam os espanhóis deixar no Alentejo. [idem, 28] A conclusão do marquês era a de que “desgraçadamente” não seria preciso grande força para que o Alentejo se “acastilhanace”. Alorna concluía da análise global da defesa do reino que os pontos de primeiro cuidado deveriam ser: 1.º as montanhas do Algarve; 2.º a península de Almada; 3.º a margem esquerda do Tejo entre Abrantes e Santarém; 4.º a passagem do rio Douro de Trás-os-Montes para a Beira. [idem, 36] Sobre o Alentejo assinalava que seria preciso regressar às frentes oeste e norte da praça de Elvas, pôr em estado Juromenha e Monsaraz e arrasar Olivença quando pudesse ser. Com isto, quem chegasse ao ponto em direitura, achar-se-ia entre dois fogos e para que isso lhe não sucedesse precisava de atacar as montanhas, onde a resistência poderia ser maior. [idem, 40]

8Em suma, o Alentejo seria fraco tanto militar como moralmente, sendo tomado com facilidade. Mas podia ter-se o Alentejo sem se ter Lisboa. O problema para o inimigo era continuar a ofensiva, transpondo o Tejo e passando do Alentejo à tomada da capital. Estando excluída a conjugação com a ofensiva de forças navais, restavam a ocupação de Almada, a tentativa de atravessar o Tejo a sul de Abrantes ou junto à fronteira e, nesse caso, deslocando a acção para a margem norte do rio.

  • 1 São visíveis na representação da “Embouchure de la riviere du Tage” de 1715 [reproduzida por Vicent (...)

9A primeira poderia ter um grande efeito sobre a moral e os defensores da população da cidade, mas seria previsivelmente um impasse. Há muito que havia baterias na margem sul, reconhecendo-se deste modo um perigo, mas tais baterias complementavam a acção das fortificações na margem norte, não a retaguarda.1 Lord Wellington consagrou a sua importância através da quarta linha defensiva construída entre a Trafaria e Almada. [Jones, 1829] A segunda hipótese colocava problemas técnicos complicados (porque a inconstância do caudal do rio tornava difícil a construção de pontes) e poderia, para mais, ser facilmente impedida pelo inimigo instalado na margem oposta. Ilustra-o paradoxalmente a tentativa fracassada de Masséna em 1810 na construção de uma ponte que permitisse passar para a margem esquerda do Tejo e obter desse modo novas zonas de abastecimento das tropas travadas numa região em que se esgotavam os recursos. [Pelet, 1973; Costa, 2010a]

10O sistema de defesa do reino – entenda-se, do reino existindo como Estado, ou seja, de Lisboa como local onde se encontra a chave da unidade política que se nomeia como reino – era decisivamente determinada pelo Tejo e pela dificuldade de penetração por estradas de muito má qualidade a norte desse rio, fosse através do contorno do maciço da Estrela, a norte, como se verificou no caso do trajecto do exército de Masséna em 1810, ou tentando percorrer, a sul do maciço, a margem direita do Tejo. Esta última região foi a chave da derrota de espanhóis e franceses no final da campanha de 1762 [Costa, 2010b] e foi o suplício das tropas de Junot em Novembro de 1807, embora entrando no reino (como se referiu) sem opositores. As características desta margem direita do Tejo impunham que a passagem do Tejo perto da fronteira fosse quase inútil. Mais a sul, a passagem revelava-se impraticável. A tomada do Alentejo estava por isso longe de ser uma iniciativa que decidisse uma campanha.

11Thiébault, por sua vez, propunha uma acção sobre Portugal através de dois exércitos, um dos quais deveria sair de Badajoz, deixando Elvas à esquerda para não perder dias preciosos num sítio que a conquista do país tornaria inútil, dirigir-se a Estremoz, submetendo as principais cidades do Alentejo, ocupar a margem esquerda do Tejo e nelas estabelecer baterias e tomar todos os barcos que nele se encontrassem e fazer jangadas onde fosse possível. Um outro corpo actuaria autonomamente na conquista do Porto, marchando depois para Coimbra. Mas para tal o general francês pressupunha a formação de exércitos com 70 e 30 mil homens, respectivamente, capazes de se equipararem às forças que previa que portugueses e ingleses pudessem mobilizar.

12Mas confirmava implicitamente outra dificuldade do plano. O exército que ocupara o Alentejo, deixando oito mil homens em Évora e uma coluna em Aldeia Galega ou nas alturas de Almada, passaria o Tejo no vau que se encontrava entre Golegã e Santarém ou em um outro ponto, com a ajuda das jangadas e de uma ponte volante, se o vau estivesse muito bem defendido, reunindo-se ao exército que estava em Coimbra para marcharem para Lisboa. Assim, fica-nos a ideia de que a passagem era vista pelo autor com demasiada facilidade. Em nota, o general desvalorizava a ocupação de Almada. [Vicente, 1983, 243-244] Não era pois evidente que invadir Portugal pelo Alentejo fosse a solução mais profícua para o invasor.

  • 2 Carta de Dumouriez para o cavaleiro Horta – BNP, Reservados, Cod. 8167, n.º 6: «Mr. le Chevalier de (...)

13Uns anos mais tarde, o já citado Neves Costa denunciará a influência do general Dumouriez no desastre militar de 1801. A este francês exilado, que visitara Portugal em 1766 e que sobre o país publicara um livro muito conhecido na época, tornando-se, uns anos depois de 1789, uma figura de primeiro plano da política do seu país, fora efectivamente encomendada uma memória sobre a defesa do reino que datou de Fevereiro de 1800.2 Dumouriez defendia que a Beira era o verdadeiro ponto da defesa geral do reino porque essa província era o verdadeiro ponto de ataque para chegar a Lisboa. [BNP, Reservados, Cod. 1680, 154v.] Quanto ao Alentejo, o rio Tejo separando a província de Lisboa cobria pela sua largura desde Abrantes todo o ataque contra a capital. Afirmava que tinha praças a mais, que enumerava:

«Montalvão

il faut le mettre en état de défense et l’occuper pour couvrir Abrantes

Castel de Vide

il faut l’occuper pour couvrir la communication entre Abrantes et Elvas

Portalegre

Arronches

Moins essensielles

Campo Maior

Elvas

très importante parcequ’elle couvre l’Alentejo et force les Espagnols à ouvrir la campagne par un grand siège, s’ils veulent deboucher par cette Province

Jurumenha

à la rive droite de la Guadiana» [idem, 156v-157]

14Enumerava ainda, sem as caracterizar, Olivença, Mourão, Moura e Serpa na margem esquerda do Guadiana, e Borba, Estremoz, Évora, Évora monte, Monsaraz e Beja, na segunda linha.

15Reproduzia o lugar-comum de que o Alentejo tinha sido quase sempre o teatro das guerras entre espanhóis e portugueses. Citava, para o comprovar, a entrada do duque de Alba em Portugal em 1580 e afirmava que a província fora o campo de honra para os portugueses e de desgraça para os espanhóis durante a guerra da Aclamação. Em 1762, Madrid parecera compreender o interesse do ataque pela margem direita do Tejo e o conde de Lippe fizera bem em tornar Elvas uma praça de primeira ordem para assegurar a comunicação com a Estremadura e em particular com Abrantes. [idem, 158] O plano de campanha dos espanhóis fora constantemente dirigido para o Alentejo e as primeiras derrotas não os tinham feito corrigir esse sistema vicioso, ao qual, dizia, a casa de Bragança devia o trono e a nação portuguesa a liberdade. Mesmo que os espanhóis tivessem ganho as batalhas de Estremoz ou de Montes Claros, os portugueses poderiam ter-se colocado atrás do Tejo e defender-se muito tempo, porque os espanhóis não tinham uma frota para atacarem na foz do rio. [idem, 160] Haveria uma tácita convenção de se confrontarem no Alentejo, o que levara Portugal a cobrir a província com um número desproporcionado de praças, situação que apenas poderia ser corrigida pela habilidade do general que organizasse a defesa, adivinhando a tempo o ponto de ataque e guarnecendo adequadamente as praças. Na guerra – continuava o general francês – os espanhóis pareceram reconhecer o erro do ataque no Alentejo, que nunca poderia ser decisivo se as operações não fossem sustentadas por uma frota superior que pudesse ocupar a foz do Tejo e assegurar a passagem das tropas depois de submetidas as praças. Mas os ingleses, em 1762 como em 1800, dominavam o mar.

16Na verdade, o grande número de praças do Alentejo surge como uma avaliação superficial de Dumouriez pois, como veremos em detalhe mais à frente, constituíam na sua maioria postos indefensáveis. Verdade é que a escassez de homens impunha ao general responsável pelo Alentejo a sua concentração, mas as praças fortificadas capazes eram escassas. A segunda consideração é expressiva: a conquista prévia de Lisboa seria a condição necessária para que se desse a passagem do Tejo pelas forças que haviam conquistado o Alentejo e não o contrário.

17A chave do ataque a Portugal estaria a norte do Tejo. O Alentejo teria um papel secundário. Dumouriez afirmava que o exemplo de 1762 demonstrara que a tomada de Almeida não abria a Beira suficientemente à penetração porque a Estrela e outras elevações constituíam uma segunda linha de defesa. Considerava que o ataque se faria pela parte da Beira junto ao Tejo, abrindo bruscamente uma passagem para Tomar e Abrantes. O objectivo era chegar rapidamente a Lisboa. [idem, 166v.] Não é objectivo deste texto a análise dos detalhes desta proposta noutras províncias. Importa assinalar que considerava que um segundo corpo de dez mil homens reunido em Badajoz atacaria o Alentejo, anunciando o propósito de pôr cerco a Elvas para atrair para essa região os portugueses enquanto cinco mil homens escolhidos partiriam de Alcantara sobre Montalvão para tomar esse posto e forçar a passagem do Tejo. [idem, I67v.] Transportaria tudo o necessário para a construção de pontes. Ocupada Montalvão, a força reunida em Badajoz passaria rapidamente de Valencia d’Alcantara para se reunir à vanguarda em Montalvão e avançarem para Abrantes.

  • 3 “Analyse Critica Da Memoria Militar escrita pelo General Dumouriez no anno de 1800 sobre o ataque d (...)

18A disposição defensiva dos portugueses em 1801 suscitou a crítica de Neves Costa que nela encontrou, como atrás se disse, a influência do que escrevera Dumouriez. Com efeito, afirmava com fundamento que Dumouriez, indicando o ataque de 1762 pelo conde de Aranda como o mais judicioso, não examinava os motivos que o tinham feito tão pouco bem sucedido, havendo os espanhóis chegado a Vila Velha e a Sarzedas. Assinalava as “grandes difficuldades do Paiz desde Villa velha e Sarzedas até ao curso inferior do Zezere; e á persuasão bem fundamentada de que as poucas Tropas que o Marechal Lippe tinha reunidas erão sufficientes para com a vantagem do terreno lhes inutilizar os seus esforços e os seus progressos.”3 [Costa, 2010b]

  • 4 “Plano de ataque e defesa de Portugal supondo o exército no seu estado completo e que o ataque é fe (...)

19José António da Rosa, no seu plano sobre a defesa de Portugal de 1805 confirma que a conquista do Alentejo não garante a tomada de Lisboa e a vitória militar e política de uma invasão.4 Previa nesta notável memória, muito superior à de Alorna, várias hipóteses de configuração de um ataque contra o reino. Importa-nos aqui apenas o que se refere, no conjunto de considerações do autor, ao Alentejo.

20Rosa pressupunha uma ofensiva conjunta francesa e espanhola com 60 mil homens e uma força portuguesa de primeira linha de 62.465 homens, número em que se incluiriam 12 mil de “tropa aliada”, ou seja, enviada pelo governo de Londres, e ainda 34 mil homens de 43 regimentos de milícias. Destes não se deveria exigir, explicava, a mesma disciplina e agilidade que tinha a tropa de linha, mas Portugal, melhor que outra qualquer nação, podia retirar das milícias muita utilidade se empregasse como tropa ligeira todos os que tinham exercício de atirar, ou seja, experiência de fogo.

21Rosa previa várias possibilidades de ataque ao reino. Pressupunha inicialmente algo que os eventos do ano de 1807, através do estratagema do Tratado de Fontainebleau, irão pouco depois contrariar: que a Espanha recusava a passagem do exército francês pelas suas províncias e que esta, fosse qual fosse o projecto de ataque dos espanhóis, se fazia através de uma entrada pela província do Minho, sendo conduzido por mar a Vigo ou desembarcando em algum lugar da costa entre o Porto e a embocadura do rio Minho.

22No primeiro plano de ataque que considerava presumia, em primeiro lugar, que os espanhóis atacavam ao mesmo tempo com todas as suas forças por entre Mértola e Moura, tendo os seus armazéns em Sevilha e Cádis, e que, depois de passarem o Guadiana, destacariam dez mil homens para o Algarve a fim de tomarem esta província de revés, para então terem as suas comunicações por mar ou assegurar das de terra, apossando-se das serras que dividem o Alentejo do Algarve, enquanto os outros 30 mil homens marchavam pelas campinas do Alentejo em direitura a Évora ou por entre esta cidade e Beja, com o intuito de passarem o Tejo de Punhete para baixo, protegidos pelos franceses, se estes tivessem vencido os obstáculos que encontrassem até à chegada aquele rio, e que reunidos tentariam a conquista de Lisboa. [AHM, AML, 9, 13, 5-6] Embaraçar esta reunião era o que muito deveria interessar os portugueses. Assinalava as vantagens que os inimigos teriam em seguir o plano que projectava pois nunca o haviam seguido em nenhuma das guerras com Portugal. Por isso, depois de detalhar a melhor colocação das forças portuguesas em resposta, concluía que, se fosse possível impedir que os franceses passassem o Douro, julgava impossível a passagem do Tejo pelos espanhóis. O mais que estes poderiam conseguir era a conquista do Algarve, o que não os compensaria do que poderiam perder nas suas terras.

23O Alentejo não era zona de acção militar no segundo plano de ataque que Rosa considerava. Os movimentos passavam-se a norte do Tejo. Supunha o exército espanhol dividido em dois corpos de 20 mil homens entrando um entre Almeida e o Douro, com o intento de seguir a margem esquerda deste rio, e o outro por Sabugal, Guarda, Celorico em direitura a Viseu onde deveria ser o local de reunião destas divisões para daí saírem para a ocupação das margens do Vouga e dos montes a leste de Lamego e o rio Paiva, pontos que deveriam ocupar a fim de assegurar a sua retirada e embaraçar qualquer socorro que os portugueses quisessem dar ao exército do Minho. Neste caso, a tropa que estava acantonada no Alentejo juntamente com a da Beira Baixa, perfazendo um total de 35 mil homens, iria acampar nos campos da Guarda. [idem, 8-9]

24No terceiro plano de ataque, Rosa conjecturava que o exército francês não encontrava nenhum obstáculo que embaraçasse o ataque por onde melhor lhe parecesse e que este exército, juntamente com o espanhol, se decidiam a entrar pelo Alentejo e Beira Baixa com o intento de se reunirem de Abrantes para baixo e, unidos, marcharem direito a Lisboa. Os franceses seriam os que atacavam pela Beira Baixa e os espanhóis pelo Alentejo. Mas também previa, no entanto, com maior desvantagem dos defensores, que nenhum desses exércitos se entretinha no ataque das praças, como nas anteriores guerras haviam feito, dando desse modo a conhecer ao mundo inteiro o pouco que conheciam dos seus verdadeiros interesses e da arte da guerra, conforme esclarecia.

25Na província do Alentejo, havia duas entradas que eram as mais favoráveis aos espanhóis quando se dirigissem à margem esquerda do Tejo, uma pela região entre Elvas e Juromenha e outra pela região entre Marvão e este rio e os caminhos que de Valença, S. Vicente, Albuquerque e Codiceira, povos espanhóis, se dirigiam ao Vale do Prado, situado meia légua ao sul de Marvão. Propunha Rosa uma distribuição da tropa portuguesa para a oposição a estes ataques e à reunião dos exércitos francês e espanhol.

26O corpo que se achava ao sul do Alentejo deveria reunir-se ao do norte desta província, menos os dois regimentos de milícias do Algarve que entrariam um em Castro Marim e outro em Lagos. Constaria então o exército do Alentejo de 27.814 homens que se postariam da forma que detalhava. [idem, 10-11]

27Era natural que os franceses, pretendendo atacar por alguns dos lugares que identificara, fizessem vir as suas tropas ocupar toda a raia desde Ciudad Rodrigo até à margem direita do Tejo junto à ponte de Alcantara e desde Valença até Olivença para que deste modo conservassem os portugueses em dúvida quanto aos seus desígnios, o que fazia bem ver a necessidade de se manterem em observação, seguros dos seus ataques e o mais próximo que pudesse ser para que saíssem a inquietar os seus corpos que se achassem mais ao alcance. Essa seria a maneira que levaria a conhecer o seu plano de campanha e também indispensável para que, quando entrassem nas terras portuguesas, se pudesse fazer-lhes a pequena guerra do modo que fosse possível, visto não terem os portugueses forças que pudessem encarar com as suas nem isso conviria, sem vantagens conhecidas ou serem a isso obrigados. As posições que melhor tinham para conseguir estes fins eram, na Beira, o campo da Guarda e, no Alentejo, o espaço que mediava entre as serras de Portalegre e a do Paul junto a barra de Vila Velha. Esta posição no Alentejo permitiria a conservação das comunicações com o exército da Beira, livraria os portugueses da entrada dos espanhóis pelo Sever, entre Castelo de Vide e o Tejo, e de serem bloqueados nas serras de Portalegre, se aí se conservassem, e destas posições poderiam sair a embaraçar qualquer ataque nesta província.

28Referia Rosa que haveria talvez quem julgasse indiferentes as posições que assinalava dizendo que a província de Alentejo, sendo aberta por toda a parte, deveria ter lugares determinados para o ataque. Era verdade, continuava, que esta província era quase toda aberta, quando não se considerassem os fins a que se dirigiam os ataques. Contudo, não se ocuparia em dar resposta a esta objecção por ver que não tinha mais fundamento do que a esperança dos futuros erros que “nós e os nossos inimigos” voltassem a cometer, como tinha acontecido na maior parte das guerras que tinham tido. Prosseguiria em fazer ver que todo o ataque que os espanhóis empreendessem na província do Alentejo não seria de grande consequência se não fosse combinado ao mesmo tempo com outro feito pelas províncias do norte, dirigindo-se ambos a um determinado ponto do Tejo a fim de ficarem senhores da navegação deste rio e das produções que pelas suas margens se encontram, as quais muito podem concorrer para a sua conservação durante o tempo que gastarem depois de reunidos até à capital, de onde se seguiria que todos os esforços dos portugueses se deveriam dirigir a embaraçar esta passagem e reunião. [idem, 12]

29Os homens a quem o governo de Madrid pediu pareceres sobre a invasão de Portugal confirmam esta ideia, embora revelem frequentemente que tinham escassa informação sobre o país e faziam avaliações muito superficiais. O’Farrill compilou e resumiu, em 1797, planos de invasão de Portugal desde 1664 [Ventura, 2006, 71] (na verdade, apenas duas memórias são anteriores a 1762). Concluía o tenente general espanhol que havia duas opiniões: uma que considerava Lisboa a chave do reino e que o caminho mais curto para aí chegar era o da Beira ou por ambas as margens do Tejo até Abrantes. Outra preferia que as primeiras operações se dirigissem contra as províncias a norte do Douro e que, a partir da posse destas, se seguisse para Lisboa. Esta segunda opção excluiria o Alentejo “em razão das muitas praças que seria preciso sitiar e tomar” [idem, 88], havendo nelas algumas de “primeira ordem”: Olivença, Elvas, Campo Maior e Estremoz. Outra razão era a insalubridade da região, proveniente de muitas águas retidas, e ainda “pela necessidade de se ter de atravessar o Tejo antes de chegar a Abrantes, pois deste ponto em diante já a largura e a rapidez deste rio não permite o estabelecimento de pontes, indispensável para avançar sobre Lisboa ou inutilizar-lhe os portos, etc.” [idem, 89]

30O conde de O’Reilly propunha numa memória de Dezembro de 1764 (no rescaldo da guerra de 1762) que a entrada em Portugal se deveria fazer por Castela, fazendo-se duas manobras de diversão, uma pelo condado de Niebla (portanto sobre o Alentejo) e outra pela Galiza. [Ventura, 2006, 75] Em 1762, o mesmo conde já fizera uma proposta semelhante. [idem, 77] Em 1768, um parecer de D. Pedro Martín para o conde de Aranda colocou também ele a acção ofensiva na margem direita do Tejo, em direcção a Abrantes. Ao mesmo tempo, um segundo corpo entraria por Albuquerque e Valencia de Alcantara para sitiar Portalegre e Castelo de Vide e, depois destas, Arronches e Campo Maior. Depois destes cercos, poderia a força transferir-se para os campos de Avis. Um destacamento de oito mil homens e dois mil cavaleiros vigiaria as guarnições de Elvas e de Olivença. [idem, 78] O corpo actuando no Alentejo tinha pois um papel secundário e complementar. Uns anos depois, em 1775, D. Pedro Cevallos retomou os lugares comuns sobre o Alentejo, mas não aconselhou o ataque por essa província. A conquista das três mais fortes praças, Olivença, Elvas e Campo Maior, daria demasiado tempo aos portugueses para a preparação. [idem, 80] Consistia a sua proposta na passagem das tropas, depois de ameaçada Olivença, pela ponte de Alcantara e no destacamento de um corpo que fosse ocupar rapidamente o posto de Abrantes. Seriam precisos 60 a 70 mil homens, prevendo-se nestes 20 a 25 mil franceses, seis mil cavaleiros e o corpo que actuaria na Galiza.

31Os pareceres mais próximos da eclosão da “Guerra das Laranjas” aparentam aproximar-se da hipótese de um ataque pelo Alentejo. No plano do tenente general D. José de Urrutia de las Casas afirmava-se que no caso presente parecia indiscutível que a operação preferível era a entrada por Entre Douro e Minho e Trás-os-Montes. Mas, para não atrasar a formação das reservas, inclinava-se a propor a entrada pelo Alentejo, “a fim de tomar posse desta província, do Algarve e da parte da Estremadura portuguesa que está do outro lado do Tejo e para pôr este caudaloso rio como barreira”. [Ventura, 2006, 93-100] Continuava o general: “Quanto ao porto de Setúbal e aos portos da costa do Algarve, ameaçam de muito perto Lisboa e o seu porto, e encontrar-nos-emos em condições favoráveis para levar a cabo a conquista total do Reino”, mas não explica de que forma tal se faria [idem, 98]. Tudo isto sugere uma notável ignorância ou então um mero efeito retórico. Na verdade, tudo parece indicar que na previsão das operações militares já se antevia que se parasse onde efectivamente se ficou no terreno em 1801. O plano do brigadeiro D. Fernando Gaver já em 19 de Janeiro de 1801 colocava a acção inicial no norte do reino: “No pressuposto de [...] [o rei] determinar que [...] iniciem as hostilidades pelas províncias de Entre-Douro-e-Minho e Trás-os-Montes [...] e, finalmente, para que atravessando o Douro, o exército possa oportunamente prosseguir no completamento das operações contra a capital daquele Reino e proceder à sua total conquista [...] campeando nas províncias mais saudáveis e férteis daquele clima e evitando deste modo os obstáculos naturais e artificiais que apresentam as outras, confinantes com Castela e a Estremadura”. [idem, 102]

32A ideia de que a defesa contra um exército invasor se decidia nas fronteiras pertencia necessariamente aos desejos das populações que queriam ser protegidas e escaparem aos flagelos directos e indirectos dos exércitos. Na verdade, para os homens que tinham alguma visão sobre a guerra, a possibilidade de manter a acção de um agressor na raia não se colocava. O plano de defesa que foi adoptado em 1796 era um plano puramente defensivo, que retomava as anteriores orientações. [Soriano, 1879, documentos n.º 96-A e 98; 446-456; Monteiro e Costa, 2006, 116-119; Costa, 2010b] O objectivo era a procura dos locais em que as características do território, os rios e as zonas montanhosas, permitissem atrasar a progressão da força inimiga, evitando-se sempre uma confrontação frontal. Seria a única solução táctica que era possível face à previsão de uma grande desproporção das forças no terreno. Privilegiava a defesa de Lisboa, sacrificando todas as outras regiões à salvaguarda da residência dos reis de Portugal e centro económico do país. Tal como acontecera no caso da guerra de 1762, esta orientação pressupunha que deste modo se conseguiria criar, através dessas acções de retardamento do inimigo, um tempo de espera pela chegada do auxílio do aliado britânico, amparo que se julgava imprescindível. As praças de fronteira tinham apenas essa função. Como acima se assinalou, homens como Rosa entendiam, já nos primeiros anos do século, o erro que era a preocupação dos dirigentes militares com a tomada prévia das praças de fronteira.

  • 5 “Guerra de 1801. Diários de operações das divisões espanholas e do exército contra Portugal”, BAHM, (...)

33Em 1801, contudo, a guerra regressou ao Alentejo. As operações de 1801 foram, contudo, excepcionais porque a confrontação foi propositadamente limitada.5 O comportamento do duque de Lafões e dos seus próximos apenas se consegue explicar pela tentativa de imposição de uma solução diplomática a qualquer custo. As forças invasoras não obtiveram mais resultados bélicos por razões políticas e não militares. O objectivo era o de satisfazer Napoleão da forma que fosse a mais limitada possível, impondo o realinhamento diplomático de Lisboa, desligando o seu governo do de Londres, mas sem pôr em causa a existência política do reino. Sobretudo afastando a hipótese de se tornar um caso francês. Manuel Godoy considerava que Portugal era um assunto de Espanha e não queria a directa presença do aliado (que já era de facto uma potência tutelar de Espanha) nesse país. Por isso mesmo, o resultado da guerra expresso no tratado de Badajoz assinado por Godoy e por Luciano Bonaparte suscitará a cólera de Napoleão. [Limpo Piriz, 2007, 397ss.] Este terá então considerado neste momento pela primeira vez (dizem alguns autores) a substituição dos Bourbons no trono de Madrid. [Artola, 1989, 64]

  • 6 Uma recente avaliação de conjunto das fortificações da região, que confirma a ausência de um sistem (...)

34Outra dimensão complementar do Alentejo militar do início do século XIX era a desqualificação do aparelho defensivo, nomeadamente da fortificação.6 A grande maioria da longa lista de praças que se enumeravam não tinha capacidade de impedir ou, pelo menos, de travar a progressão de uma força inimiga. A única excepção seria, talvez, Elvas. Mas esta praça ficara, em 1801, inexpugnável mas isolada, enquanto as tropas inimigas avançavam no terreno.

35A inspecção feita pelo príncipe de Waldeck e relatada por Wiederhold fornece-nos um panorama geral global da situação, confirmada pelas memórias posteriores. Juromenha apresentava falhas de construção e de conservação do seu estado. Os muros dos parapeitos do lado do rio eram débeis e não estavam isentos de deficiências e a fortaleza era mais vulnerável pelos outros lados pela falta de reparação das barbacãs. Mas considerava que se Juromenha estivesse em bom estado e se houvesse do outro lado do Guadiana um fortim na ponte, Olivença seria dispensável como fortaleza ou mantendo-se como um bom forte ou o castelo como posto. [BAHM, 60, 192] Sobre Olivença, confirmava com efeito que os baluartes da fortaleza eram muito grandes e que para a sua defesa eram precisos entre quatro a cinco mil homens. Olivença deveria permanecer como um posto bem fortificado para proteger a população e alojar os homens aptos para o serviço militar que se ocupariam da defesa, prevendo deste modo uma defesa puramente miliciana. As obras de reparação das muralhas achavam-se em fase demasiado avançada para se pôr a hipótese da sua inutilização [idem, 196], depreendendo-se que era esta era uma hipótese a considerar noutras circunstâncias.

36Elvas era a praça notável da região. Uma avaliação da guarnição necessária era de onze mil homens, estimando-se que tinha doze mil habitantes. Tinha três regimentos de infantaria, um de artilharia e um de cavalaria e 1.100 ordenanças na cidade e igual número no distrito, valores cuja soma (o autor não o diz) está longe dos onze mil. Mas todas as fortificações se encontravam em bom estado. [idem, 199] Sobre o forte de Lippe confirmava que continuava a ser uma obra-prima de fortificação, “cuja arte se esgotou aqui completamente”, mas era de dimensões muito reduzidas. Havia em frente uma pequena elevação que um inimigo poderia utilizar se não estivesse ao alcance dos disparos feitos a partir de alguns dos bastiões. Mas mesmo a praça de Elvas podia não escapar, uns anos depois, a uma avaliação que colocava em causa a sua suposta invulnerabilidade, incluindo a do célebre forte de Lippe. O autor da memória escrita em francês assinalava que Elvas evidenciava a falta de um plano geral de defesa racional, apontando os defeitos de fortificação e também o modo de atacar e de forçar à capitulação o referido forte, “que bien de gens regardent comme imprenable”. [Vicente, 1972, 19-24]

37A segunda praça de importância era Campo Maior. Afirmava Wiederhold que para um inimigo deveria ser extremamente importante apoderar-se desta praça cuja fortaleza defendia o flanco de Elvas, assim como os caminhos para Portalegre e favorecia uma invasão sobre Espanha. A fortificação era simples, constituída por bastiões com revelins. A sua situação não era boa porque se estendia para norte, onde havia algumas colinas que dominavam. O engenheiro tentara remediar esse inconveniente com escarpas transversais, que se apresentavam em bom estado. [idem, 204] Noticiava que a nordeste existira o forte de S. João Baptista, que fora infelizmente demolido. Também o chamado forte de Schomberg, a sudoeste, já não se encontrava em bom estado. A praça de Campo Maior fora cercada em 1712 e seria de novo em 1801 e em 1811.

38Um reconhecimento militar do território foi iniciado em 1803 com instruções do marquês de La Rosière, inspector-geral das fronteiras. Um resultado parcial desse trabalho é uma longa memória de José Maria das Neves Costa sobre uma parte do Alentejo que compreendia Montalvão, Alpalhão, Castelo de Vide, Marvão, Alegrete e Portalegre. [Vicente, 1972, 53-162] O engenheiro fazia uma detalhada recolha de vários tipos de informação sobre as terras. No que respeita à fortificação, era inexistente (Póvoa, Alpalhão), dela apenas havia vestígios (Montalvão), ou tinha “antigas muralhas delgadas” (Alegrete), tinha fortificação ineficaz porque havia pontos altos de onde a terra poderia ser bombardeada (Castelo de Vide), ou estava apenas parcialmente “cingida de muralhas de antiga e moderna fortificação” mas sem artilharia, guarnição nem trem de guerra (Portalegre). Restava Marvão, que julgava quase inconquistável, “apezar da pouca espessura das suas muralhas, do mal flanqueado do seu recinto, e dos mui raros lugares donde possa laborar a artilharia” [68]. Contudo, como todas as praças situadas sobre montanhas, tinha o defeito de ter poucas comunicações com a campanha. Trata-se de uma visão parcial, mas indica a falta de meios de defesa na maior parte das terras.

39Na defesa do Alentejo, havia ainda a considerar a escassez de população para a sua organização. As comarcas do Alentejo teriam em 1801 um total de 82.921 fogos, ou seja, 11% dos 756.269 fogos computados em todo o reino. A província teria cerca de um décimo do total de habitantes. [Balbi, I, 193] Mas nessa província estavam estabelecidos seis dos 24 regimentos de infantaria, ou seja, um quarto das forças. A pressão do recrutamento militar seria especialmente grande na província. Se considerarmos que dos seus cerca de 300 mil habitantes o universo de recrutáveis acima referido – 5.75% – homens solteiros em idade de serem recrutados – de 17.250 homens, levantar seis mil apenas para a infantaria seria desviar para o exército 35% dos homens do universo, um em cada três. O autor de uma memória de 1792 assinalava que estava prevista a existência de uma força militar de 7218 homens no Alentejo e que tinha apenas um pouco mais de 75 mil fogos ou – a quatro por fogo – cerca de 300 mil “almas”, os tais 10% do reino. O primeiro regimento de infantaria de Elvas tinha apenas 4497 fogos de onde retirar os seus homens. Isso seria cerca de 18 mil almas e cerca de mil homens no hipotético universo dos recrutáveis. [Costa, 1998, 975] A reorganização de 1806 da infantaria previa no Alentejo, integrado na divisão sul: dois regimentos de Elvas, n.º 5 e 18; o regimento 8 de Castelo de Vide; o regimento 20 de Campo Maior; o regimento 11 de Penamacor. A 4.a Brigada incluía o 23 de Almeida. Entretanto, a 4.a Brigada da divisão centro incluía o regimento 22 de Serpa.

40Manifestava-se, para mais, aí como em todo o reino, uma aversão ao serviço militar, visto como degradante e causa da falta de homens. Se consideramos os mapas das ordenanças feitos uns anos mais tarde constatamos o escasso número de homens identificados como mobilizáveis para a tropa de 1.a linha de entre o conjunto de homens de cada capitania mor. A grande maioria estava considerada isenta pela lei – ou seja por se encontrar abrangido por uma das razões nela previstas para tal – ou ainda por defeito físico ou por moléstia. Não podemos obviamente tomar isto como “verdadeiro” (os números de uns e dos outros nas várias capitanias mores não são sequer coerentes) mas indicando com toda a clareza a persistência da falta de vontade dos oficiais de ordenanças, ou seja, dos elementos mais ou menos proeminentes das nobrezas locais, na colaboração na formação do exército profissional.

41Esta amostra (arbitrariamente feita a partir dos documentos encontrados) de mapas das capitanias mores de ordenanças de várias dimensões (sendo significativas algumas delas, como Elvas, Serpa e Beja) em 1816 indica de que forma o universo de homens se afunilava ao ponto de apenas se poderem extrair 68 recrutáveis para a tropa de linha de um total de 5947 indivíduos das companhias, pouco mais de um por cento.

42Paradoxalmente, esta escassez poderia levar a uma mais intensa mobilização das milícias, deslocadas em tempos de guerra para terras diversas das do seu quartel. As milícias de Portalegre passam a Marvão em Fevereiro de 1810 e aí permaneceram durante os anos de 1811 e de 1812. As de Beja passam a Campo Maior entre Janeiro e Março de 1810 e estão de Abril de 1810 a Julho de 1811 em Elvas e em Campo Maior de Agosto de 1811 a Abril de 1812. Regressam ao seu quartel em Junho de 1812. As de Évora passam a Elvas em Fevereiro de 1810 e aí permanecem até Agosto de 1812, regressando ao quartel em Setembro. [AHM, 1-14-356-01] As queixas dos lavradores da região transmitem-nos essa pressão da milícia na região. A petição dos lavradores de Arraiolos às Cortes de 1821 incluía a reclamação de que muitos lavradores tinham sido arruinados por serem milicianos “pois a sua prezença e assiduidade hé indispensavel na lavoura”. Não podiam um só dia desampará-la sem grave prejuízo e os domingos eram os dias que empregavam para irem às povoações procurarem jornaleiros e tratarem dos arranjos das suas casas. A agricultura recebia grave prejuízo por outros indivíduos serem milicianos porque estavam continuamente a ser chamados para diferentes diligências e para as reuniões das companhias aos domingos, perdendo também o sábado e a segunda-feira. [Silbert, 1985, 199]

43O Alentejo não será o palco das operações militares fundamentais da Guerra Peninsular em Portugal. Podemos considerar que tal ocorreu pelas contingências da guerra. Em 1808, Junot poderia ter forçado uma saída de Portugal através da praça de Elvas para tentar juntar-se às outras forças francesas na Península. A célebre operação das forças de Loison sobre Évora tinha a ver com essa possibilidade de manter um corredor para fora do reino. Em 1809, o exército de Victor poderia ter penetrado em Portugal, tal como estava previsto no plano de Napoleão, em conjugação com as forças de Soult que haviam chegado até ao Porto e reconhecido a região a sul dessa cidade, mas tinham ficado sem informações dos outros exércitos franceses. O Alentejo poderia ser o local de afrontamento entre os exércitos napoleónicos e os de Arthur Wellesley. Em 1810, as forças que foram em socorro de Masséna e que cercaram Badajoz poderiam ter levado a guerra ao Alentejo ou então as forças de Masséna poderiam ter conseguido que o seu exército transpusesse o Tejo e invadido o Alentejo. A praça de Campo Maior foi tomada, depois de uma brava resistência, pelos franceses em 1811 e retomada pelas tropas britânicas e portuguesas. Por isso mesmo, William Beresford será feito marquês de Campo Maior. Wellington preocupou-se em Dezembro de 1810 com a iniciativa francesa de destacamento de forças que estavam ocupadas no cerco de Cádis e que se dirigiram à fronteira portuguesa porque o Alentejo não estava preparado para resistir. Imagina-se, contudo, que os franceses que haviam pensado o socorro a Masséna tinham uma ideia muito vaga dos obstáculos que se poderiam encontrar entre um exército que penetrasse em Portugal por Elvas e o exército que se achava num impasse na margem direita do Tejo em redor de Santarém.

44Em conclusão, ao contrário do que frequentemente se afirma, estava longe de ser evidente no início do século XIX que a região mais propícia para uma invasão do reino de Portugal fosse a região do Alentejo. Pelas razões acima referidas, a ocupação do Alentejo podia facilmente conduzir o invasor a um impasse táctico. Entretanto, a linha de fortificações que supostamente condicionaria a abordagem da região estava longe de se apresentar em condições de eficácia bélica e faltavam sempre os homens necessários para as guarnecer e, ao mesmo tempo, criar uma força mobilizável para as acções contra a força adversária.

Fontes manuscritas

AHM, AML, Cx. n.º 9, n.º 13: José António da Rosa, “Plano de ataque e defesa de Portugal supondo o exército no seu estado completo e que o ataque é feito por 60 mil homens, 40 mil espanhóis e 20 mil franceses”.

AHM, AML, Cx. n.º 9, n.º 14: Marquês de Alorna, “Consideraçoens do Marquez d’Alorna sobre o progecto de Guerra”.

AHM, 1, 11, 3, 14: “Analyse Critica Da Memoria Militar escrita pelo General Dumouriez no anno de 1800 sobre o ataque do Reino de Portugal Escrita por Joze Maria das Neves em 1810.”

BNP, Reservados, Cod. 1680, f. 150 ss: Charles François Dumouriez, “Memoire militaire sur le Portugal”

Fontes publicadas

GUEDES, Lívio da Costa (ed.), “Documentos relacionados com a estada de Christian, Príncipe de Waldeck, em Portugal e com o coronel barão de Wiederhold”, Boletim do Arquivo Histórico Militar, 60 (1992).

GUEDES, Lívio da Costa (ed.), “A viagem de Christian, Príncipe de Waldeck, pelas províncias da Beira e da Estremadura descrita pelo barão de Wiederhold”, Boletim do Arquivo Histórico Militar, 62 (1997), 153-373.

LIMPO PIRIZ (2007), Luis Alfonso, «Colección documental», André Fugier, La Guerra de las Naranjas (Luciano Bonaparte en Badajoz), Badajoz, Diputación de Badajoz, pp. 397 ss.

PELET (1973), Jean Jacques, The French Campaign in Portugal. An Account by Jean Jacques Pelet, Donald D. Horward (ed.), Minneapolis: University of Minnesota Press, 1973.

SORIANO (1879), Simão José da Luz, História da Guerra Civil e do estabelecimento do governo parlamentar em Portugal, 1.a época, volume III.

VICENTE (1972), António Pedro (ed.), Manuscritos do Arquivo Histórico de Vincennes referentes a Portugal, II – (1803-1806), Paris: FCG, 1972.

VICENTE (1983) António Pedro (ed.), Manuscritos do Arquivo Histórico de Vincennes referentes a Portugal, III – (1807-1811), Paris: FCG, 1983.

VENTURA, António (ed.) “Guerra de 1801. Diários de operações das divisões espanholas e do exército contra Portugal”, BAHM, 61 (1995), pp. 187-305.

Bibliographie

VENTURA, (2006) António (ed.), Planos espanhóis para a invasão de Portugal (1797-1801), Lisboa: Livros Horizonte, 2006.

ARTOLA (1989), Miguel, Los afrancesados, Madrid: Alianza Editorial.

COSTA (1998), Fernando Dores, “O bom uso das paixões. Caminhos militares na mudança do modo de governar”, Análise Social, 149 (1998), pp. 969-1017.

COSTA (2010a), Fernando Dores, “A invasão de Masséna em 1810 e as linhas de Torres Vedras: uma paradoxal confluência de objectivos?”, Ler História, 58.

COSTA (2010b), Fernando Dores, Insubmissão. A aversão ao serviço militar em Portugal no século XVIII, Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

LOBO (2008), Francisco Sousa, “A defesa militar do Alentejo”, Monumentos, 28, pp. 22-33.

MONTEIRO, N. G. e COSTA (2006), Fernando Dores, D. João Carlos de Bragança, 2.º duque de Lafões, uma vida singular no século das Luzes, Lisboa: Inapa.

SILBERT (1985), Albert, Le problème agraire portugais au temps des premières Cortes libérales, Paris: FCG, 2.a ed.

Notes

1 São visíveis na representação da “Embouchure de la riviere du Tage” de 1715 [reproduzida por Vicente, 1972, entre as pp. 40 e 41]

2 Carta de Dumouriez para o cavaleiro Horta – BNP, Reservados, Cod. 8167, n.º 6: «Mr. le Chevalier de Horta ancien ministre plénipotentiaire de Portugal en Russie».

3 “Analyse Critica Da Memoria Militar escrita pelo General Dumouriez no anno de 1800 sobre o ataque do Reino de Portugal Escrita por Joze Maria das Neves em 1810.” Uma cópia: AHM, 1, 11, 3, 14.

4 “Plano de ataque e defesa de Portugal supondo o exército no seu estado completo e que o ataque é feito por 60 mil homens, 40 mil espanhóis e 20 mil franceses”, datado de Lisboa, 12 de Outubro de 1805, AHM, AML, Cx. n.º 9, n.º 13.

5 “Guerra de 1801. Diários de operações das divisões espanholas e do exército contra Portugal”, BAHM, 61 (1995), pp. 187-305.

6 Uma recente avaliação de conjunto das fortificações da região, que confirma a ausência de um sistema de praças-fortes: Lobo, 2008.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4898/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 178k

Auteur

Departamento de História e Centro de Estudos de História Contemporânea – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa

© Publicações do Cidehus, 2011

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search