Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Os Académicos Eborenses na Primeira Metade de Seiscentos

 | 
Maria da Conceição Ferreira Pires

Anexo

Manoel Severim de Faria

Texte intégral

1Insere-se, em apêndice, uma carta inédita de Manuel Severim de Faria dirigida a Bernarda Ferreira de Lacerda. Este texto faz parte de um códice da Colecção Pombalina pertencente à Biblioteca Nacional de Lisboa (P.B.A. 484, fls 188r-190v).

*

2Carta De Manoel Severim de Faria Chantre da Se de Évora; Escrita á Sra D. Bernarda Ferreyra de Lacerda: Com alguás advertencias Sobre o poema do D.or Gabriel Pereyra de Castro e do novo Collegio das Mulheres de Alemanha de q pedio nuticias ao Autor.

3Grande premio me Rende a Ulysea, pois foy Cauza de Vm me fazer m.ce de Segunda Carta Sua! Pello que Com mais Confiança poʃo fazer Esta advertencia aaquelle poema, q o Critico de Trajano Bocalino, quando prezentava Apollo oʃ erros q notou no Seu Luzido Sujeito Italiano.

4Digo pois que o Poema de Lisboa edificada, E Simples, e naó Composto, Com que carece da Suspençaó, e Subitos Conhecimentos das peripecias, q Cauzaó aos Leytores mayor deleytaçaó.

5No Canto 1° Estancia 40 diz; que hindo falar a Circe os Embaxadores de Ulyses, ella os Converteo em Brutos, fazendo p.a iʃso Caracteres: os Versos Saó.

Ella despois de ouvir, e de ter prezente

os Suceʃos de Ulyses destroçado

Seus Caracteres fas, Com que Se Sente

Cos Seus Creonte, noutro Ser mudado.

6O que he encontrado Com o que dis Virgílio, que afirma fazia Circe estas transformaçoés Com potagens de Ervas. Æneas 7.

Quos hominum ex facie Deo sive (?) potentibus herbis

Induerant Circe, in vultus acterga ferarum.

7O mesmo, dis Homero, Plinio, e Claudiano.

8Na Estancia 54. finge a Ulyses prezo da belleza de Circe, e Comtudo as primeyras palavras que lhe diʃe (Estancia 65) foraó de queixa, e Agravo, Couza m.to alhea da afeiçaó que nelle Concidera.

9Na Estancia 73 diz que o jardim de Circe gozava de huá perpetua primavera: E o mesmo Conceyto Repette duas vezes na Estancia 75. e he m.to ordinario nestas repiticioens Em todo o Poema, Couza q dá grande fastio, e Argue inadvertencia.

10Finge no mesmo jardim Animaes ferozes, o q he improprio de Estancia regalada, e Cultivada domesticamente.

11No Banquette de Circe lhe descreve Ulyses Canto 2.° desde a Estancia 8a athe 45 a fermozura de Ellena Com grandes hiperboles; noque Errou gravem.te, poq Circe lhe naó pedio novas de Ellena, Se naó de Seus naufrágios; e porq Era injuria diante de quem Se tinha por de mayor gentilleza, Louvâr outra Dama por de tanta fermozura, e m.to mais do q. o finge taó afeiçoado a Circe, q em bôa razam Cabia naó Se Lembrâr das perfeiçoés de Ellena.

12Estança 88 Canto 1.° dis que paʃaraó o dia Em danças. E Estança 91 q o banquete foy no Campo. E Canto 2° Estancia 1a que foy o banquette de noute. He grande indecoro fingirse o banquete de noute Em hú prado, pello que tem de frio, Escuro, E triste; E taó improprio fica Este Lugâr p.a o banquete de noute, Como acomodado p.a o de dia.

13Quando chega a Lisboa, E vaó â Caʃa, introdus a Ulyses falando no Canto 7.° Estancia 13. Com Calipso Amorozam.te diante de Seu Pay, no que naó guardou decoro, pois naó Era verosimel, q Calipso foʃe a Caça Com Ulyses Sendo Estrangeyro, E taó domesticam.te q pudeʃe ter Com Ella Similhante Coloquio.

14Todos os Epizodios Saó imitados dos Luziadas, naó Só no genero, mas ainda Em pedaços dos mesmos versos; Como Se vê no jardim e banquette de Circe, á imitação dos de S.ta Ellena: Na dijeriçam da tromenta, Na Imagem de Hercules, que aparece no Estreyto, imitando o Adamastor no Cabo da boa Esperança; No Concilio dos Deuzes Maritimos no Canto 7.° onde o Sonho de Ulyses fica Sendo improprio, p.a taó grande, E vario Epizodio.

15Com tudo isto, Saó Erros Estes q naó podem tirâr ao Poeta Sua elegancia, E Culta (?) Musa, que Em toda a parte do Poema da Companha; principalm.te no Canto 3.° quando refere as queixas de Polifemo desde a Estanca 38. athe a 48. Ainda que nesse Epizodio, E em todos os mais he demaziadamente Comprido, E mais Asiatico, que Atico.

16Confeço a Vm que de annos a esta p.te me tenho totalm.te Retirado de Versos de Similhante argum.to porq naó Saó jâ iguaria p.a o meu padâr, nem flores p.a a minha Idade, a que Só os Versos de Espanha Libertada, Busaco, e da Sa D. Luiza de Carvajal devem Contemtâr; e aʃim Ainda que por Ser a historia noʃa folhehey, e paʃei a pedaços Este Livro, naó o pude Continuâr E acabar de todo, por onde bem pode ter Couzas m.to boas, E outras infiriores de q eu naó tenha noticia; e do que Li som.te Reparey nos Lugares q Aqui aponto; os quaes Só a obidiencia q a Vm devo, me pudera obrigâr a repitir, porq tenho, q Saó p.a mim mais improprios, q a mesma impropriedade q Seu Autor nelles teve, por Onde peʃo a Vm q naó Saya esta das Suas maós, antes Como a Ler, a Rompa, p.a q naó Caya eu na Culpa q a outrem Condemno.

17O Cazo das Germanas he digno de grande admiraçaó; porq. no tempo em q. os Allemaés andavaó Estes annos, E ainda andaó de prezente aʃolando e destrohindo Suas Patrias por Encontrarem a doutrina do Evangelho, inspirou Deos nos Coracoés das mulheres de Allemanha ha tanto zello da Relligiaó Chrystaá, que tem intentado fazer huá ordem de mulheres que profeʃem insinâr ás meninas a doutrina Chrystaá, e a Ler, e escrever, Lingoas, e outras boas Artes. Ha jâ mto deste instituto por aquellas Cidades, e povos principaes daquellas Provincias Com obidiencia aos Bispos; e no anno paʃado foraó alguas dellas a Roma p.a Confrimâr Esta Congregaçam: Andavaó de duas em duas pellas Ruas Com tanta Composiçaó e modestia, que moviaó a grande respeyto a quantas as viaó. Falaraó Aos Cardeaes, e ao Papa, mas athe agora naó lhe tem deferido Sua Santidade. E na Verdade Se a Relligiaó for governada por mulheres Com titulo de Geraes, E Provinciaes, naó deixarâ de ter inconvinientes O Vizitâr as Cazas, e Andar Caminhos. Porem Se Se fizer o Instituto Som.te economico, de maneira, q Cada Colegio Seja independente do Outro, e Com obidiencia Aos Perlados, Como S. Bento, e S. Bazilio instituiraó As Suas Ordés, pareʃe que Será hú Grande beneficio publico; Porque tendo As mulheres Aonde poʃaó aprender, e Cultivâr os engenhos floreçaó naó menos Em Letras do q tem florecido em Virtudes, de que foraó já Exemplo as Donzelas de Alexandria Em tempo de Sta Catherina E as discipulas de Sta Getrudes no Seu Moste° de Barbante.

18Facil Couza fora introduzir isto Em Lix.a Onde ha taó Excellentes Engenhos nas molheres Como houve Em Alexandria, e tantos Colegios de Donzelas Recolhidas que puderaó Servir de Escollas Com toda a Segurança, E Recolhim.to neceʃario. E Se houver quem Ointente mereʃerâ opremio dignonde taó Grande Obra.

19Cuido que tenho Satisfeito ao q Vm me mandou, poys o Poema de Espanha libertada Está por Ora de Vago, façame Vm m.ce de me mandâr Emprestâr o Livro da Perda de Espanha, E Vida de Almançor, Escrita por Parife Abentarique E traduzido por Miguel de Luna, doq Eu fis Serviʃo A Vm porq quando Omandey havia poucos dias q O tinha Comprado, e naó o havia Lido. Dʃ g.de A Vm m.s an.s Evora 3 de Mayo de 1637.

20Manoel Severim de Faria

© Publicações do Cidehus, 2006

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr