Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Os Académicos Eborenses na Primeira Metade de Seiscentos

 | 
Maria da Conceição Ferreira Pires

Conclusões

Texte intégral

1Chegados ao final, a reflexão que se nos ocorre fazer, neste momento, leva-nos a tecer algumas considerações sobre o percurso trilhado até aqui. Tendo tomado, como ponto de partida e hipótese inicial, o papel de alguns letrados eborenses na configuração do contexto cultural de inícios de Seiscentos e o seu contributo para o desenvolvimento da teorização e da crítica literárias em Portugal, desde logo duas vertentes de investigação se foram deixando entrever e, pouco a pouco, tomando forma.

2De um lado, numa perspectiva de âmbito cultural e sociológico, o entendimento do fenómeno literário e o significado simbólico dos produtos culturais nas suas relações com a realidade social e histórica, a par dessa circunstância fundamental que é o avanço, lento mas progressivo, rumo à emancipação, dos campos literário e cultural relativamente às injunções externas que sobre eles se exercem. Do outro, a constatação de que a literatura portuguesa, enquanto produto histórico, e não obstante a sua especificidade própria, não é um objecto cultural isolado, antes um processo cuja dimensão se enquadra num âmbito mais vasto, à escala europeia, que nos leva ao encontro, que não ao confronto!, e ao diálogo com outras literaturas.

3O que a investigação desvenda acerca desta época, em particular sobre as primeiras décadas da centúria de Seiscentos, contraria algumas correntes com origem na crítica romântica que, principalmente nos séculos XIX e XX, discutiram as teses da decadência literária – por razões que se imputaram à integração na União Ibérica, à depressão económica e social, à censura inquisitorial, à doutrina saída do Concílio de Trento e ao ensino ministrado pelos Jesuítas –, menosprezando ou lançando o anátema sobre as produções literárias daquele tempo. Por outro lado, acresce dizer que também não se poderá sustentar, de modo insuspeito, uma interpretação que apenas contemple a tentativa de reabilitação do século por via de uma leitura nacionalista das circunstâncias que conduziram ao movimento restauracionista. Com efeito, mais do que avaliar, é preciso compreender a cosmovisão seiscentista, atendendo ao contexto social, histórico e cultural que, de forma mais global, a determina.

4Ao longo de todo o nosso trabalho, mas em especial no primeiro capítulo, procurámos estudar alguns dos elementos que, em nossa opinião, se constituíram como determinantes, nas primeiras décadas do século XVII, para a formação do “campo literário” no contexto português e concluímos que, apesar do estatuto de ambiguidade que a literatura ainda manteve durante largo tempo, tendo em conta a dependência em relação aos poderes político, religioso e económico, a sua génese e configuração como domínio específico têm aqui o seu momento inicial – e, pelo menos, uma fase importante desse desenvolvimento. Constatou-se também que, para a construção do espaço literário seiscentista, concorrem igualmente outras circunstâncias, tais como a ocorrência de uma ampla diversificação da actividade literária, desde as produções épicas ao comentário crítico, passando, por exemplo, pelos estudos filológicos, a historiografia, o jornalismo e até a organização de bibliografias ou catálogos de autores e de obras. Certamente não será exagerado afirmar-se que, nesta época, se plantam e germinam, em alfobre, muitas das luzes que o século seguinte irá colher.

5Sintoma de que existe uma efectiva ambivalência entre as instâncias do poder temporal e as do espaço literário é o equilíbrio instável na conexão de forças entre os factores da autonomia e os da heteronomia. Assim, ao longo do capítulo I, referimos as duplicidades da relação entre o mecenato e o clientelismo, ligadas à natureza da ordem social vigente e à “economia” de favores (o dom e a mercê), procurando acentuar o modo paradoxal como essa circunstância acabou por influenciar a consagração da literatura; mencionámos, de igual modo, outros aspectos que também indiciam a crescente autonomização do espaço literário, designadamente a existência e o reforço das medidas censórias sobre os textos considerados desviantes face à ortodoxia, o crescimento da produção editorial e o alargamento do campo de recepção com o aumento do número de leitores, a expansão e o prestígio da cultura letrada. Indicámos também algumas das vias de legitimação da actividade literária e sua difusão através de estruturas de comunicação tradicionais, nomeadamente com a prática social da arte epistolar entre eruditos, ou as inovações do século, como os periódicos e a instituição de círculos de conversação no mundo culto. Apontámos, como instâncias de estruturação de redes de sociabilidade menos formais, o caso dos salões e das academias, espaços em que o tema da literatura ocupava um lugar preeminente no trato social e se cultivava a arte da palavra como valor e como forma de o escritor evidenciar a sua autonomia e o seu talento individual.

6Nesta ambiência cultural de inícios de Seiscentos, demos especial destaque à génese das academias pelo seu estímulo ao desenvolvimento do “campo cultural” e por quanto nos revelam acerca do dinamismo da iniciativa privada e da autonomia nascente do “campo literário”. Apesar de, como se disse, não serem verdadeiramente autónomas em relação aos poderes temporais, constituem um fenómeno singular, dado não só precederem a constituição das academias oficiais, mas também por se terem tornado decisivas na consagração da literatura e no impulso à profissionalização do escritor. O facto de serem espaços exclusivos geralmente frequentados por nobres, membros do clero e da alta burguesia – também incluíam letrados, de origem social mais baixa, formados nos colégios e nas universidades – reforça a importância que, na época, a actividade literária vinha assumindo. Esta crescente autonomização da literatura atinge um momento crucial, quando a legislação reconhecer ao escritor o direito jurídico à afirmação como profissional das letras, abrindo caminho para a validação do estatuto social da escrita. É, por outro lado, correlativa do desenvolvimento da sociedade civil e de um sistema de produção e de consumo que, com a ascensão da burguesia, irá depender das leis da oferta e da procura, as quais, homologamente, se farão sentir nas relações entre os campos de produção e de recepção dos bens culturais.

7Ainda que restrito, os escritores tendem a formar um meio cada vez mais distinto em relação a outras esferas da actividade social, um território que vai sendo gradualmente conquistado pela comunicação de massas, marcado pelo reconhecimento mútuo, pela hierarquização de posições no seu seio e pela procura dos princípios essenciais pelos quais o “campo literário” se deve reger. As academias perfilam-se, desse modo, por via da actividade de reflexão que realizam sobre o trabalho artístico, como instituições de avaliação e de comentário de obras, ainda que, neste momento histórico concreto e no que respeita ao texto literário, se trate de exegese e de interpretação mais do que de uma crítica metódica propriamente dita.

  • 1 Cf. BRAGA, Teófilo, op. cit., pp. 11-12.

8Estão, neste caso, as academias literárias eborenses, os primeiros cenáculos do género existentes em Portugal, e a elas andam ligados os nomes dos primeiros camonistas. Nunca será demais sublinhar a excepcionalidade desta geração de comentadores e críticos de Camões, pelo carácter produtivamente polémico dos seus trabalhos e dos debates que promoveram em torno do género épico, razão pela qual não poderemos deixar de assinalar a injustiça contida em determinadas afirmações pejorativas, como a de Teófilo Braga, de que a literatura do século XVII se tornara “uma ocupação de ociosos, sem relação com os interesses morais e sociais do seu tempo, formando-se Academias reaccionárias e pedantescas”1 onde se cultivava uma literatura decadente, frívola e de mau gosto. Tais juízos de valor omitem, além do mais, um aspecto essencial de que o academismo seiscentista foi motor, ainda que por influência do movimento crítico europeu: referimo-nos ao desenvolvimento, em Portugal, de uma actividade de erudição crítica e de análise da obra literária, baseada sobretudo na Poética de Aristóteles, com vista à sistematização de um conjunto de princípios para a literatura de autores portugueses. Pode afirmar-se que o modelo humanístico dos comentários críticos sobre textos de autores clássicos deu origem a algo similar com incidência sobre autores modernos, em vernáculo.

9Neste aspecto, foi fundamental o contributo dos letrados seiscentistas ligados às academias literárias eborenses, em especial no referente à teorização poética e ao comentário à obra épica camoniana. A divulgação de textos de teorizadores italianos, franceses e espanhóis que alguns dos seus membros promoveram, bem como uma denodada atenção às doutrinas poéticas da Antiguidade, em especial a aristotélica e as sínteses dos seus comentadores modernos, vêm confirmar os interesses intelectuais dos académicos dessa época e os contactos próximos da literatura portuguesa com as restantes literaturas europeias.

10Quanto ao capítulo dois, nele tratámos especificamente dos contributos de alguns desses teorizadores, directa ou indirectamente ligados aos círculos literários da região de Évora, com especial ênfase para essas notáveis personalidades que foram Manuel Severim de Faria, Manuel Pires de Almeida e Manuel de Faria e Sousa. Constatámos que uma das grandes preocupações destes intelectuais seiscentistas foi a necessidade de afirmarem a maturidade da língua e da literatura em vernáculo, tomando como referência os grandes autores clássicos, fundamento para a afirmação da universalidade dos princípios estéticos.

11Contudo, no interior do “campo literário”, as opiniões não são consensuais e travam-se importantes debates sobre codificação poética e princípios estilísticos. Pelo estatuto simbólico de que se reveste e pela notoriedade que confere, o género épico será objecto privilegiado das tomadas de posição entre as diversas facções daquele espaço hierarquicamente organizado, centrando-se o comentário e a actividade de crítica (ao que parece apologista, na sua maioria) sobre o poema épico de Camões. Convencidos de que basta a observância das regras, os preceptistas esforçar-se-ão por fixar uma cartilha com um rígido conjunto de normas para se poder escrever um poema épico perfeito. Na esteira de alguns dos principais ditames da doutrina retórico-horaciana, as ideias centrais por que estes críticos se norteiam são, sobretudo, os conceitos de submissão às regras e de fidelidade aos autores canónicos, a valorização do talento individual e a primazia da arte, o decoro, as finalidades pedagógicas da poesia e a preocupação com a eficácia do discurso para captação dos destinatários. Entretanto, algumas das questões estéticas que a Poética aristotélica suscitou transportam para a discussão os problemas da mimese, da unidade de acção e de herói, da verosimilhança e do maravilhoso. Consensuais no que respeita aos princípios da obediência às regras e da imitação dos autores da Antiguidade, as tomadas de posição antagónicas manifestam-se em relação aos modelos da modernidade, representadas frequentemente no confronto entre apologistas de Camões e de Tasso, procurando cada um dos grupos evidenciar a superioridade do “seu” poeta. Para Manuel Severim de Faria e Manuel de Faria e Sousa, com um entusiasmo que, neste último, raia o fanatismo, Camões é o poeta épico mais importante de todos os tempos e Os Lusíadas a realização perfeita da preceptiva clássica. A isto se oporá Manuel Pires de Almeida, primeiro como censor, depois como defensor, do épico português, demonstrando, com base na doutrina aristotélica e no modelo tassiano, que Camões se desviou em alguns aspectos das normas do género e que os seus incondicionais encomiastas desconhecem a preceptiva. Afrontando posições e figuras entronizadas sem titubear, este crítico bater-se-á pela legitimidade que lhe assiste de exprimir um ponto de vista diferente, buscando, pela atitude independente e pela subversão de uma ordem estabelecida, a consagração pessoal e a imposição de uma nova metodologia para a crítica literária, em Portugal. No fundo, os candidatos concorrem entre si pelo monopólio de ditar regras, métodos e modelos de interpretação, procurando influenciar o gosto do público e reconfigurar hegemonias nesse sector do “campo literário” que se ocupa do comentário crítico, “autorizando” uma determinada convenção de leitura.

12A uns e a outros reconhecemos o mérito de terem contribuído para a valorização da obra camoniana e para o lançamento das bases de uma importante actividade de teorização e de crítica literárias, em Portugal, a partir das primeiras décadas do século XVII. Todavia, se considerarmos estas polémicas em sentido mais lato, dir-se-ia que o que está em causa é a participação num movimento de renovação à escala europeia, tendo em conta o divórcio crescente entre pensamento teórico e realidades literárias: a problematização e a revisão, auto-impostas na esfera do subcampo formado por comentadores e por críticos, dos próprios fundamentos em que assenta a preceptiva poética, tal como foi legada pela tradição mimética, com consequências determinantes para o lançamento das futuras bases da moderna teoria literária.

Notes

1 Cf. BRAGA, Teófilo, op. cit., pp. 11-12.

© Publicações do Cidehus, 2006

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr