Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Os Académicos Eborenses na Primeira Metade de Seiscentos

 | 
Maria da Conceição Ferreira Pires

Introdução

Texte intégral

1Falar da contribuição dos letrados eborenses para a história da crítica e da teorização literárias em Portugal, nos inícios do século XVII, significa revisitar a obra de teorização poética de alguns dos mais importantes estudiosos portugueses da época em questão. Os nomes de Manuel Severim de Faria (1583-1655) e de Manuel Pires de Almeida (1597-1655), um como panegirista e outro como censor da obra épica de Camões, impõem-se-nos como referências obrigatórias. Mas são-no também outros críticos que protagonizaram com este último uma das mais sonoras polémicas seiscentistas em torno da obra camoniana e da codificação do género épico. De entre estes, salientaremos personalidades tão importantes como Manuel de Faria e Sousa (1590-1649), João Soares de Brito (1611-1664), João Franco Barreto (1600?-depois de 1674) e ainda Manuel de Galhegos (1597?-1665). À luz da documentação disponível, procuraremos analisar os fundamentos estéticos dos textos doutrinários que nos legaram, alguns dos quais ainda inéditos ou por divulgar, buscando determinar o contributo dos seus autores para a história da crítica e das ideias literárias que, nos inícios de Seiscentos, circulavam em Portugal. Por necessidade de delimitação temporal, o marco sincrónico que aqui recortamos, ainda que arbitrário, incide essencialmente sobre os últimos anos de Quinhentos e o primeiro terço do século XVII, uma vez que este intervalo de tempo corresponde, em termos da actividade que nos propomos estudar, à eclosão dos acontecimentos mais fecundos no campo da teorização e da crítica literárias de então.

2Antes, porém, de nos debruçarmos sobre este assunto, importa clarificar algumas noções, de modo a podermos enquadrá-lo na dialéctica do seu tempo, ou seja, numa perspectiva mais vasta de âmbito sociológico. A teorização e a crítica literárias são conceitos que, pese embora se centrem sobre o fenómeno literário e se não separem do contexto cultural e da matriz ideológica que os determinam, se distinguem quanto ao tipo de discurso e objectivos visados. No primeiro caso, pode dizer-se que se trata de um discurso abstracto e de concepção normativa, direccionado para a produção literária que se propõe reger. Quanto ao texto crítico, por ser mais descritivo-judicativo e orientado para o objecto concreto que é a obra, o seu objectivo é o de exercer influência sobre o público-leitor, educando-lhe o gosto.

  • 1 Cf. MATOS, Maria Vitalina Leal de, Introdução aos Estudos Literários, Lisboa/São Paulo, Editorial V (...)
  • 2 Cf. AGUIAR E SILVA, Vítor Manuel de, Teoria e Metodologia Literárias, Lisboa, Universidade Aberta, (...)

3Historicamente falando, a crítica literária, tal como a concebemos hoje, surge em Portugal em meados do século XVIII1 e desenvolve-se no contexto das Luzes, a par do movimento de ascensão da burguesia. O vocábulo já era conhecido na Antiguidade Clássica e foi reactualizado no Renascimento como “ars critica”, designando o trabalho de crítica textual e de reconstituição dos textos antigos que se realizava na estreita dependência da retórica e da gramática. Ao longo do século XVII, o conceito vulgarizou-se como apreciação valorativa de uma obra, baseando-se nas noções de cultura e de bom gosto2, mas também, em consonância com o espírito científico instaurado pelo cartesianismo, como método de pôr em questão o saber instituído. A emancipação em relação à retórica acontece de forma progressiva até à sua consagração no âmbito das instituições culturais, funcionando como instrumento ao serviço da formação e orientação do gosto literário de um público cada vez mais amplo e heterogéneo. Contudo, a preceptiva, a fidelidade a modelos canónicos e as regras codificadas pela poética são ainda determinantes nesta época, pelo que não se pode falar de crítica literária na plena acepção do termo. Trata-se, com efeito, de um ensaio e de um prenúncio dessa actividade crítica que, aliás, acompanha de perto a autonomização gradual do discurso literário e a génese de um espaço público, como adiante procuraremos demonstrar.

  • 3 Cf FIGUEIREDO, Fidelino de, Historia da Critica Litteraria em Portugal – Da Renascença á Actualidad (...)
  • 4 Para Fidelino de Figueiredo, a actividade de comentário e de exegese desenvolvida pelos primeiros c (...)
  • 5 Idem, ibidem, p. 25;
  • 6 Cf. JÚNIOR, António Salgado, “Crítica Literária”, in Dicionário de Literatura, direcção de Jacinto (...)
  • 7 Cf. ALVES, Hélio “Manuel de Faria e Sousa e Manuel Pires de Almeida: uma contenda fundamental em to (...)

4Fidelino de Figueiredo3 considera que, em Portugal, apesar de escassos, os primeiros passos no sentido de uma actividade de reflexão crítica foram encetados no Renascimento, a partir das influências italianas introduzidas por António Ferreira. No entanto, a noção de beleza permanece vinculada à ideia de subordinação a regras e a modelos fixados pela codificação poética então vigente. Em seu entender, no âmbito da crítica, o acontecimento mais significativo tem lugar entre finais do século XVI e as primeiras décadas do século seguinte, tendo sido desencadeado pelo êxito editorial que o poema épico de Camões alcançou e ainda por via dos inúmeros comentários, juízos e traduções de que foi alvo. Todavia, se os juízos dos censores (Fr. Bartolomeu Ferreira, 1572; Fr. Manuel Coelho, 1594), por incidirem sobre matéria de fé e conservação da moral pública, e dos primeiros camonistas Manuel Correia e Pedro de Mariz (1613), por se tratar de um trabalho biográfico-interpretativo, não podem ser ainda considerados como crítica, são, no entanto, o “ponto de partida”4 para uma actividade dessa natureza. Para este autor, embora pouco significativo, o “principal episodio critico”5 da época foi o conflito de ideias que opôs os eruditos a que atrás aludimos, com destaque para Manuel Severim de Faria, Manuel Pires de Almeida e Manuel de Faria e Sousa. Opinião mais ou menos coincidente é a de António Salgado Júnior, para quem esta controvérsia, não obstante o seu carácter incipiente, foi “a primeira manifestação portuguesa duma actividade de certa maneira crítica”6. Já manifestamente discordante desta linha interpretativa é a posição de Hélio Alves, autor que se refere à disputa entre Manuel Pires de Almeida e Manuel de Faria e Sousa – dois dos letrados portugueses que mais contribuíram para a teorização poética de inícios de Seiscentos e representantes de duas das principais correntes críticas que marcaram o contexto de recepção da épica camoniana – como um “acontecimento cumeeiro na história da crítica portuguesa”7. Convictos de que constitui, efectivamente, um facto da máxima importância no campo da teorização poética e da polemização literária, disso procuraremos dar conta no desenvolvimento deste trabalho, em especial no capítulo dedicado à análise dos textos dos comentadores em estudo.

  • 8 Na sociologia de Pierre Bourdieu, “campo” é um termo que genericamente se pode aplicar ao estudo de (...)
  • 9 Cf. CURTO, Diogo Ramada, “A história do livro em Portugal: uma agenda em aberto”, in Leituras – O L (...)

5A relevância desta polémica seiscentista não reside somente num contributo para a elucidação dos ideais estéticos que nortearam a época, pois transcende a própria problemática dos assuntos em discussão, já que pressupõe a configuração de um debate intelectual, ou seja, a existência de um espaço próprio, distinto de outras esferas culturais institucionalizadas, com condições para as primeiras manifestações da sociedade civil e para a formação de grupos de interesse. É que a origem da crítica literária parece devedora da emancipação gradual daquilo a que Pierre Bourdieu designou como “campo literário”8, cuja constituição e ulterior desenvolvimento dependem, e acompanham de perto, a formação de uma esfera pública onde o debate tem lugar privilegiado. Daí que seja pertinente abordar as relações entre o fenómeno literário e o contexto social, para compreendermos as estruturas sócio-culturais que, neste momento sincrónico, enquadram o universo literário. Concretamente no que respeita ao marco cronológico que fizemos incidir sobre as primeiras décadas do século XVII, trata-se de determinar o modo como interagem reciprocamente algumas das circunstâncias externas que condicionam o circuito de comunicação literária: de um lado, um ideário estético que patenteia ainda a “vitalidade do modelo humanista”9, as elites intelectuais e a noção de cultura como circuito aristocrático fechado; do outro, a manifestação de alguns factores decisivos para uma gradual autonomização do campo literário, com destaque para a instituição de academias literárias, mas também o mecenato, o alargamento do número de produtores literários, do público leitor e consumidor de livros, e a formação gradual de uma opinião pública. Neste campo de forças em tensão, marcado ainda pela ambiguidade, a crítica literária e a formação de sociedades de letrados jogam um papel fundamental na consagração do espaço académico e literário.

  • 10 Cf. BOURDIEU, Pierre, As Regras da Arte – Génese e Estrutura do Campo Literário, Lisboa, Editorial (...)

6Todavia, a produção do discurso de erudição crítica, mesmo tratando-se de uma crítica avant-la-lettre, pois trata-se de erudição poética mais que de crítica literária, pressupõe a configuração de uma esfera específica no interior do próprio campo literário, constituída por um núcleo de homens de letras, que ganha cada vez maior reconhecimento social como entidade reguladora do trabalho criativo e do gosto do público: os comentadores, os críticos e os teorizadores de poética. Por sua vez, dentro deste universo social, geram-se relações de força e tomadas de posição que determinam a dinâmica relacional, não raras vezes afectando a estabilidade do grupo sob forma de querelas e correntes de opinião divergentes. Esta questão reenvia-nos para a problemática inicialmente colocada acerca dos letrados eborenses e das polémicas em que se envolveram sobre conceitos fundamentais e convenções do sistema literário, a propósito da codificação do género épico. No confronto entre forças da tradição e forças da inovação, adivinham-se motivações pessoais, sociais e até políticas que passam, por parte de quem ousa contrariar a corrente de opinião “oficial”, pela conquista de um espaço próprio dentro do núcleo exclusivo formado pelos comentadores, mas também pela aspiração deste subconjunto a uma posição dominante no campo literário. O efeito desta dinâmica, num processo que enceta os primeiros passos de forma difusa – porém, muito anterior ao que Bourdieu descreve para o século XIX –, traduz-se numa progressiva consagração do estatuto da literatura e do papel do escritor na sociedade portuguesa dos primórdios do século XVII10. É o que procuraremos demonstrar, ao longo do Capítulo I, a propósito dos círculos de sociabilidades literárias e da controvérsia seiscentista a que fizemos referência, tendo em conta o quadro cultural em que esta se desenvolveu.

7Foi este, aliás, o nosso ponto de partida inicial, quando nos propusemos investigar a questão dos círculos conversacionais, a mesma que nos conduziu às academias literárias eborenses, às redes de correspondência e ao papel central desempenhado, nas primeiras décadas do século XVII, pelo chantre de Évora, Manuel Severim de Faria. A partir daqui, fomos descobrindo aspectos que orientaram a nossa pesquisa em duas direcções complementares, uma de âmbito sociológico, a outra de natureza teórico-literária, tratadas respectivamente nos capítulos I e II. Em relação ao corpus, as opções que fizemos têm como pano de fundo aquela controvérsia seiscentista, ou seja, os conflitos sobre a teorização retórico-poética, e privilegiam aspectos quiçá menos estudados por estarem contidos em textos de natureza epistolar. Foi isto que nos conduziu à análise de algumas questões debatidas pelos apologistas e censor da obra de Camões, incorporando também na discussão o poema de Gabriel Pereira de Castro e a problemática da historiografia.

8No Capítulo II, a nossa investigação centra-se na análise de alguns textos de natureza teórica produzidos no contexto de polemização em que as primeiras décadas da centúria de Seiscentos foram fecundas, sobretudo a pretexto da teorização épica e dos debates em torno deste género maior. Num primeiro momento, cronologicamente coincidente com a década de 20, confrontamos os princípios gerais de teorização literária defendidos por Manuel Severim de Faria e Manuel Pires de Almeida, respectivamente nos papéis de panegirista e de censor de Os Lusíadas. Numa segunda fase, que corresponde aos finais dos anos trinta, debruçamo-nos sobre alguns dos rumos e possibilidades que a contestação do opositor e as teses do chantre de Évora geraram, desta feita implicando na contenda outros adversários de vulto, tais como Manuel de Faria e Sousa, João Soares de Brito e João Franco Barreto, e assinalamos aspectos da evolução do pensamento do crítico eborense. O seu nome – não esquecendo os de Manuel Severim de Faria e Manuel de Galhegos – aparecerá igualmente ligado à polémica em torno da Ulisseia de Gabriel Pereira de Castro. Por fim, abordamos o problema da teorização da historiografia por ter sido uma área da erudição sobre a qual a reflexão metaliterária desenvolvida por estes letrados também incidiu.

  • 11 Cf. CASTRO, Aníbal Pinto de, “Aquiles Estaço, o primeiro comentarista peninsular da «Arte Poética» (...)
  • 12 Cf. CASTRO, Aníbal Pinto de, Retórica e Teorização Literária em Portugal – Do Humanismo ao Neoclass (...)

9Em termos gerais, pode dizer-se que ressoam, nestes textos, algumas das grandes preocupações teóricas que ocupavam os literatos da época: as finalidades estéticas e morais da produção literária, a imitação, a verosimilhança, a questão dos géneros, o decoro e, quase sempre, a afirmação da superioridade da língua e da literatura vernáculas sobre as suas congéneres europeias. São, no geral, questões que se reportam ao repositório da tradição clássica, mas que, em termos sociológicos, revelam a existência de um campo de recepção, ainda que restrito, constituído por um público consumidor que conhece os cânones e as convenções do sistema literário. Daqui se infere que a obra literária funciona como um objecto exclusivo de letrados, quais aristocratas da cultura, e que o mercado literário é constituído por um território social relativamente fechado. É, pois, neste contexto que, pouco a pouco, começa a adquirir sentido o incremento de uma actividade de teorização e de crítica, sobretudo a partir da segunda metade do século XVI11, se bem que na dependência do que acontece nos círculos literários europeus, principalmente italianos, com os quais mantínhamos estreitos contactos. A par da importância crescente que as matérias literárias, com relevo para a Retórica e a Poética, vão adquirindo nos curricula das universidades12, este fenómeno coincide, em termos sociológicos, com a emergência e a progressiva afirmação do meio literário como espaço cultural autónomo. Tal facto torna-se significativo, sobretudo se o implicarmos no sistema de relações da literatura portuguesa na sua interdependência com as literaturas europeias (para falarmos em termos comparatistas), porque nos remete para o universo da história da cultura e das mentalidades. As primeiras décadas do século XVII serão, com efeito, marcadas por um intenso labor de reflexão crítica e por debates sobre os géneros e os princípios da arte, circunstância que, não sendo alheia a essas influências externas, representa uma progressiva tomada de consciência de que a literatura portuguesa é um valor, um património comum, com princípios e técnicas que serão objecto privilegiado de discussão por parte desse sector restrito do campo cultural exclusivamente formado por letrados. O simples facto de ter existido um movimento crítico nos primórdios do século permite-nos aventar a hipótese de a constituição do primeiro campo literário, em Portugal, ter tido aqui o seu momento inicial e de nele terem desempenhado um papel pioneiro os críticos literários ligados aos círculos académicos eborenses – muito embora seja certo que os trabalhos mais profícuos do licenciado Manuel Pires de Almeida tenham sido produzidos aquando da sua deslocação para Lisboa, onde passou a residir após 1638.

  • 13 Cf. CASTRO, Aníbal Pinto de, “Os Códigos Poéticos em Portugal do Renascimento ao Barroco. Seus Fund (...)
  • 14 Idem, ibidem, p. 507.

10Porém, as disputas teóricas desencadeadas por estes letrados não podem ser separadas da sua feição histórica porque, enquanto produtos sujeitos à temporalidade, são condicionadas por movimentos culturais e correntes estéticas comuns às diferentes literaturas do espaço cultural europeu. A perspectiva comparatista torna-se método para perceber a universalidade e o desenvolvimento interdependente dos fenómenos literários. Daí a importância de que se reveste o estudo de alguns dos textos da polémica, por aquilo que nos podem revelar acerca do quadro mental em que assenta a reflexão crítica e no qual é possível descortinar muitos dos ditames que regiam a codificação poética, alguns procedentes da doutrina retórico-horaciana, outros influenciados pela corrente aristotélica, por via de um conhecimento mais aprofundado da Poética do estagirita, “redescoberta” e difundida a partir do Renascimento – sobretudo após a tradução latina de Alessandro de Pazzi (1536) e os comentários de autores como Robortello (1548) e Castelvetro (1570)13 – e pela corrente neoplatónica. Erigidas em modelos, as obras destes clássicos conheceram uma ampla divulgação, em parte devido aos estudos desenvolvidos pelos seus comentadores europeus, mas também “graças à crescente projecção concedida ao ensino da Poética no sistema pedagógico renascentista”14, acabando por imprimir novas orientações à codificação literária. Para a história da teorização e da crítica literárias em Portugal, o que nos interessa determinar é o modo particular como as doutrinas poéticas destes autores da Antiguidade, revisitados pela cosmovisão do homem seiscentista, foram interpretadas em função dos valores da literatura portuguesa. Isso conduz-nos inevitavelmente aos letrados eborenses e à teorização sobre o poema épico.

  • 15 No século passado (década de 40), condicionado pelo ensejo de salientar o anti-castelhanismo das no (...)
  • 16 Cf. CURTO, Diogo Ramada, op. cit., pp. 28-29.
  • 17 Cf. PIRES, Maria Lucília G., “Camões no Barroco”, Separata da Revista da Universidade de Coimbra, v (...)

11É sabido como, ao longo dos tempos, a complexa codificação deste género deu azo a inúmeras discussões que atingiram, nos séculos XVI e XVII, um grande desenvolvimento com os trabalhos dos teóricos italianos. Portugal não fugiu à regra: o século XVII foi, entre nós, o século do grande debate sobre a épica e do elogio a Camões. Igualmente aqui se fizeram ouvir os ecos das polémicas de além-fronteiras, em geral no tocante a alguns conceitos preceituados por Aristóteles, como as noções de mimese, verosimilhança, maravilhoso, finalidades da poesia e qualidades da linguagem, mas também em relação ao decoro e às normas fundamentais daquele género, tido ao tempo como a mais elevada e a mais nobre forma poética. Porém, a falta de acordo entre os teóricos em relação aos critérios definidos para o cânone poético instigou o aparecimento de profundas divergências sobre os conceitos de “norma” e de “desvio”, alimentando controvérsias que, na primeira metade do século, congregaram críticos e teorizadores lusos em torno da obra épica camoniana. A importância concedida à codificação épica é de tal forma relevante – dado que se trata de um género já de si simbolicamente credenciado e consagrado no topo da hierarquia dos géneros –, que não é de estranhar a circunstância de, paralelamente, se verificar um fenómeno similar no campo da produção literária, traduzido em abundante produção de poemas heróicos, ou de intenção épica, quer em língua vernácula, quer em castelhano. Tal facto é, muitas vezes, interpretado com base na crise ideológica da aristocracia portuguesa e nas particulares condições históricas e sociais vividas em Portugal, a partir de 158015. Nesta perspectiva em que o literário é visto em interacção com outros campos da actividade social, a épica, como discurso pedagógico de exaltação e de crítica, estaria deste modo comprometida com o funcionamento ou com a contestação ideológica ao sistema político. Qualquer que tenha sido a motivação subjacente a este fluxo de produções épicas – numa perspectiva sociológica, poderá invocar-se o estatuto de prestígio de que o género se reveste e que homologamente confere ao seu cultor –, a que acresce o interesse pela obra de Camões, num momento em que o ambiente épico fenecera e Portugal deixara de ser uma nação triunfante, do ponto de vista literário, esta circunstância foi acompanhada por uma ampla reflexão em torno do arquétipo do poema épico. O discurso teórico visava fixar, através de uma rígida preceptiva, um padrão composto por preceitos que se idealizavam como definitivos e imutáveis, dirigido à actividade do escritor e colocado, numa perspectiva pragmática, na óptica do receptor. Ao mesmo tempo, verificava-se, a este nível, um aumento significativo do público alfabetizado, registando-se igualmente um incremento da actividade empresarial ligada à produção editorial16, campo onde pontuavam como caso de sucesso as edições de Os Lusíadas. Com razão se considerou este século como “um período áureo na história da difusão da obra de Camões”17, a qual conheceu ampla divulgação através de várias edições, estudos biográficos, traduções e comentários críticos, desde finais de Quinhentos até meados do século XVII. Tinham sido criadas condições sociais que conduziram à sacralização da obra como produto cultural, facto que a crítica encomiástica da época sancionou como modelo a imitar.

  • 18 Em relação ao código poético renascentista isto é visível “a partir da década de 60”, quando a teor (...)
  • 19 Considera-se a partir da edição completa de 1581.
  • 20 Segundo Hélio Alves, a influência da Jerusalém Libertada de Tasso na produção épica portuguesa, ao (...)

12Contudo, para a história da crítica literária portuguesa interessa-nos principalmente o debate que, no interior do campo literário, dividiu em duas fracções o subconjunto formado pelos comentadores: de um lado, os que procuravam comprovar, no poema camoniano, as perfeições e a conformidade às regras; do outro, os que não se escusavam de lhe apontar erros” e quebra de preceitos. Estão, neste caso, Manuel Pires de Almeida – manifestando-se contra Manuel Severim de Faria, Manuel de Faria e Sousa, João Soares de Brito e João Franco Barreto – e outros autores cujos trabalhos ficaram por imprimir e se perderam na voragem dos tempos. A crise que se instaurou no campo literário revela duas formações culturais que se digladiaram, lutando pelo poder que a notoriedade confere, uma para manter uma posição consagrada, a outra para impor uma nova legitimidade. Na base destas tomadas de posição antagónicas radicam desacordos sobre concepções estéticas que inevitavelmente dão prova da evolução que o gosto e os códigos poéticos vêm sofrendo, desde finais do século XVI18. No que à epopeia diz respeito, este processo evolutivo é claramente representado pela obra teórica e poética de Torquato Tasso, com destaque para a Jerusalém Libertada19, texto que não só se tornou determinante para a renovação dos processos compositivos do género, impondo-se como um novo paradigma de imitação20, mas também influenciou os campos da teorização e do discurso crítico.

  • 21 Cf. AMORA, António Soares, “A crítica feita ao poema no decurso da história literária”, in Actas da (...)
  • 22 Esta designação aparece referida por Teófilo Braga a propósito da disputa que terá oposto alguns ad (...)

13A actividade dos comentadores que, nesta primeira fase da história da “crítica ao poema”21, se debruçaram sobre a epopeia camoniana representou um impulso à teorização sobre o género e à reflexão sobre a produção literária em geral. A avaliação da qualidade do texto épico era, então, feita com base na conformidade do poema aos preceitos exarados pela preceptiva do género e no cotejo com os textos canónicos dos modelos. Contudo, se neste último aspecto era consensual a opinião geral sobre o lugar concedido às epopeias dos antigos, com Homero e Virgílio em primeiro plano, já o mesmo se não poderia dizer acerca do estatuto proposto para os “modernos”, em especial no referente à recepção dos poemas épicos de Camões e de Tasso. Como seria de esperar, os panegiristas de Camões alcandoraram o poeta luso e a sua obra a uma posição cimeira; outro tanto fizeram os admiradores de Tasso em relação à Jerusalém Libertada. Este confronto entre dois dos modelos mais admirados à época deu origem a uma querela que a crítica posterior designou como conflito entre Camoístas” e “Tassistas22.

  • 23 Idem, ibidem, p. 366.
  • 24 Cf. FIGUEIREDO, Fidelino de, op. cit., p. 25.
  • 25 Cf. MIRANDA, José da Costa, “Torquato Tasso, Poeta Épico: Repercussões em Portugal e Confronto com (...)
  • 26 Cf MIRANDA, José da Costa, op. cit., p. 151.
  • 27 Cf MACEDO, José de, Antídoto da Língua Portuguesa, Amesterdão, em casa de Miguel Diaz, 1710.
  • 28 Cf MIRANDA, José da Costa, op. cit., p. 150.
  • 29 Idem, ibidem, p. 145.

14As opiniões dividem-se quanto às proporções que a questão eventualmente terá tomado. Teófilo Braga assinala a ocorrência destas disputas, designando-as hiperbolicamente como “cabalas da crítica”23 que a glória de Camões acabaria por vencer, e justifica as rivalidades entre partidários de um poeta e de outro com base em motivações do foro extra-literário, de natureza religiosa, ligadas à presença da mitologia pagã em Os Lusíadas. Já Fidelino de Figueiredo, algumas décadas depois, desvaloriza esta polémica considerando que “a ter existido, ou foi muito insignificante ou de todo se apagaram os seus vestígios”24. Em total desacordo com a opinião precedente, José da Costa Miranda defende que não terá sido uma “coisa inócua”25, afirmando que a discussão sobre o modelo poético de Tasso se fez sentir ao longo de todo o século XVII. Aventa inclusivamente a hipótese de este “clima tassiano”26 ter entrado ainda pelo século seguinte, tal como se pode deduzir das posições tomadas por José de Macedo27, em termos onde ressoam os argumentos apologéticos com que a corrente crítica dominante entre os anos 20 e 40 de Seiscentos brindou Camões e o seu poema épico, concedendo a Tasso uma posição paradigmática mas subalterna à do poeta luso. Segundo este investigador, a continuada persistência na questão das excelências do poema camoniano não teria unicamente um objectivo de cunho patriótico, antes repercutiria um movimento de “defesa e impugnação de conceitos literários”28, gradualmente impondo-se o poema de Tasso como “um novo modelo para a ambicionada renovação da poesia épica”29, para o desenvolvimento dos processos compositivos da epopeia e para a evolução das próprias formulações teórico-críticas sobre o género.

  • 30 Cf ALVES, Hélio J., Camões, Corte-Real e o Sistema da Epopeia Quinhentista, Coimbra, Centro Interun (...)
  • 31 Idem, ibidem, p. 572.
  • 32 Idem, ibidem, «Preâmbulo», p. XXVI e passim.
  • 33 Idem, ibidem, p. 128.

15Refira-se, no entanto, que a influência de Tasso é algo tardia entre nós. Conforme nos elucida Hélio Alves, ao longo das décadas de 1580 e de 1590, coincidindo com uma certa quebra de produções épicas, “Portugal não vê nascer uma forte corrente épica de imitação tassiana”30, facto que fez com que a publicação dos primeiros poemas épicos seiscentistas “se fizesse já sob a autoridade de Torquato Tasso”31, com efeitos que haveriam de se sentir também nos campos da teorização e da crítica. Para este processo de renovação contribuiu um factor de importância crucial para a reformulação das bases teóricas em que assentavam os princípios do pensamento literário europeu: a recuperação da Poética de Aristóteles, conhecida ao longo da Idade Média através da tradução latina da sua fonte árabe, a versão comentada de Averróis, e agora “revisitada” por via de comentários e traduções do original grego. Segundo nos informa este investigador, até então, ou pelo menos até Tasso, a interpretação do pensamento poético de Aristóteles vinha associado a princípios retóricos, a que a Poética era alheia, que acentuavam as finalidades utilitárias da arte e o alcance educativo dos seus aspectos ético-morais. Tasso, teorizador e poeta épico, reformula a teoria sobre a epopeia no sentido da Poética do filósofo grego – naquilo a que Hélio Alves designa como paradigma aristotélico-tassiano32, abalando os fundamentos do modelo anterior. A consagração do poema tassiano, “primeiro texto europeu a reorientar o sistema épico de acordo com os conceitos fundamentais da Poética de Aristóteles”33, teve reflexos no aprofundamento de determinados conceitos (com destaque para os de mimese, verosimilhança, fábula poética e finalidade da poesia), tendo representado o ponto de partida para uma nova compreensão do fenómeno literário. Ao relegar para segundo plano os princípios retóricos, introduz uma dinâmica diferente no sistema literário, encaminhando-o para a afirmação da independência do campo da poesia em relação a outros tipos de discurso, nomeadamente o da filosofia moral.

  • 34 Cf. DELGADO, Iva, Escritores Políticos de Seiscentos, Biblioteca Breve, Lisboa, ICALP, 1986.

16Em que medida esta nova conjuntura se reflecte na actividade de crítica e teorização literárias praticada em Portugal nos inícios de Seiscentos, particularmente no que se refere aos trabalhos desenvolvidos pelos eruditos eborenses (ou com eles relacionados), é a questão fundamental que nos colocamos. As polémicas em que participaram e as respectivas tomadas de posição traduzem não só concepções estéticas em confronto, mas também conflitos de outra natureza, nomeadamente de ordem social e política. Manuel Severim de Faria, Manuel Pires de Almeida e Manuel de Faria e Sousa, três dos maiores vultos desta controvérsia seiscentista, são protagonistas de uma época literária marcada pela apologética e pela mentalidade polemista34. O campo intelectual é palco de uma luta que, disfarçada de instrumento de análise poética, envolve antagonismos sociais.

17Em matéria de teorização, o que se pode afirmar é que o texto normativo de Aristóteles se vai impondo à poética do tempo, ainda largamente centrada na teoria retórico-horaciana, como se verifica no caso da teorização proposta por Manuel Severim de Faria e, já em menor grau, em Manuel de Faria e Sousa ou Manuel Pires de Almeida. A par da crescente importância concedida aos afectos e do louvor ao deleite, continuam a debater-se questões como o decoro e a função social da poesia. A adesão à preceptiva de Tasso faz-se já notar em Manuel de Faria e Sousa, mas é profundamente marcante nas posições adoptadas por Manuel Pires de Almeida. É esta problemática que importa analisar, na perspectiva da recepção do paradigma aristotélico-tassiano, com vista a um melhor entendimento dos códigos literários dominantes neste marco cronológico que aqui recortamos: as primeiras décadas do século XVII.

Notes

1 Cf. MATOS, Maria Vitalina Leal de, Introdução aos Estudos Literários, Lisboa/São Paulo, Editorial Verbo, 2001, p. 83.

2 Cf. AGUIAR E SILVA, Vítor Manuel de, Teoria e Metodologia Literárias, Lisboa, Universidade Aberta, 2002, pp. 25-26.

3 Cf FIGUEIREDO, Fidelino de, Historia da Critica Litteraria em Portugal – Da Renascença á Actualidade, 2a ed., Lisboa, Livraria Clássica Editora, 1917.

4 Para Fidelino de Figueiredo, a actividade de comentário e de exegese desenvolvida pelos primeiros camonistas “ainda não é critica, embora lhe servisse de ponto de partida. Esse processo de trabalho é a forma menos critica de toda a reflexão que se póde demorar sobre uma obra d’arte litteraria.”; apud FIGUEIREDO, Fidelino de, op. cit., p. 24.

5 Idem, ibidem, p. 25;

6 Cf. JÚNIOR, António Salgado, “Crítica Literária”, in Dicionário de Literatura, direcção de Jacinto do Prado Coelho, vol. I, 4.a ed., Porto, Mário Figueirinhas Editora, 1944, p. 232.

7 Cf. ALVES, Hélio “Manuel de Faria e Sousa e Manuel Pires de Almeida: uma contenda fundamental em torno de Camões”, in AAVV, Homenagem ao Professor Augusto da Silva, Universidade de Évora, 2000, pp. 283-300, p. 298.

8 Na sociologia de Pierre Bourdieu, “campo” é um termo que genericamente se pode aplicar ao estudo de qualquer domínio social relativamente autónomo (“campo literário”, “campo jurídico”, “campo intelectual”); in BOURDIEU, Pierre, “Le champ littéraire”, in Actes de la recherche en Sciences Sociales, n.o 89, Paris, Les Éditions du Minuit, Septembre 1991, pp. 3-46.

9 Cf. CURTO, Diogo Ramada, “A história do livro em Portugal: uma agenda em aberto”, in Leituras – O Livro Antigo em Portugal e Espanha, Revista da Biblioteca Nacional de Lisboa, n° 9-10, Lisboa, 2001/02, p. 29.

10 Cf. BOURDIEU, Pierre, As Regras da Arte – Génese e Estrutura do Campo Literário, Lisboa, Editorial Presença, 1996.

11 Cf. CASTRO, Aníbal Pinto de, “Aquiles Estaço, o primeiro comentarista peninsular da «Arte Poética» de Horácio”, in Arquivos do Centro Cultural Português, vol. X, Separata da Revista da Fundação Calouste Gulbenkian, Paris, 1976, pp. 83-102.

12 Cf. CASTRO, Aníbal Pinto de, Retórica e Teorização Literária em Portugal – Do Humanismo ao Neoclassicismo, Coimbra, Centro de Estudos Românicos, 1973.

13 Cf. CASTRO, Aníbal Pinto de, “Os Códigos Poéticos em Portugal do Renascimento ao Barroco. Seus Fundamentos. Seus Conteúdos. Sua Evolução.”, Separata da Revista da Universidade de Coimbra, vol. 31, Coimbra, 1984, pp. 505-531, p. 513.

14 Idem, ibidem, p. 507.

15 No século passado (década de 40), condicionado pelo ensejo de salientar o anti-castelhanismo das nossas produções literárias pós 1580, Hernâni Cidade destacou a importância do tempo histórico e defendeu a tese da “literatura autonomista”, que, no entanto, viria a ser objecto de refutação posterior, nomeadamente por parte de Eugenio Asensio e Jorge de Sena; in CIDADE, Hernâni, A Literatura Autonomista sob o Domínio Filipino, Lisboa, Livraria Sá da Costa, 1948; in ASENSIO, Eugenio “Espana en la épica portuguesa del tiempo de los Filipes”, in Estudios Portugueses, Paris, Fundação Calouste Gulbenkian, Centro Cultural Português, 1974; e in SENA, Jorge de, “Camões e os Maneiristas”, in Trinta Anos de Camões, vol. I, Lisboa, Edições 70, 1980.

16 Cf. CURTO, Diogo Ramada, op. cit., pp. 28-29.

17 Cf. PIRES, Maria Lucília G., “Camões no Barroco”, Separata da Revista da Universidade de Coimbra, vol. 33, Coimbra, 1985, pp. 87-98, p. 87.

18 Em relação ao código poético renascentista isto é visível “a partir da década de 60”, quando a teoria horaciana começa a perder importância em favor de um conhecimento mais aprofundado da Poética aristotélica; in CASTRO, Aníbal Pinto de, “Os Códigos Poéticos em Portugal do Renascimento ao Barroco. Seus Fundamentos. Seus Conteúdos. Sua Evolução.”, Separata da Revista da Universidade de Coimbra, vol. 31, Coimbra, 1984, pp. 505-531, pp. 526-527.

19 Considera-se a partir da edição completa de 1581.

20 Segundo Hélio Alves, a influência da Jerusalém Libertada de Tasso na produção épica portuguesa, ao contrário do que acontece em Espanha, ainda não se faz sentir na última década de Quinhentos; in ALVES, Hélio J., Camões, Corte-Real e o Sistema da Epopeia Quinhentista, Coimbra, Centro Interuniversitário de Estudos Camonianos, 2001, pp. 328-333.

21 Cf. AMORA, António Soares, “A crítica feita ao poema no decurso da história literária”, in Actas da I Reunião Internacional de Camonistas, Lisboa, ed. Comissão Executiva do IV Centenário da Publicação de «Os Lusíadas», 1973, pp. 177-206, p. 178.

22 Esta designação aparece referida por Teófilo Braga a propósito da disputa que terá oposto alguns admiradores do poema Ulisseia de Gabriel Pereira de Castro, como foi o caso de Manuel de Galhegos, contra os defensores de Os Lusíadas; in BRAGA, Teófilo, História da Literatura Portuguesa: Os Seiscentistas, vol. III, Col. Temas Portugueses, Lisboa, INCM, 1984, pp. 359-368.

23 Idem, ibidem, p. 366.

24 Cf. FIGUEIREDO, Fidelino de, op. cit., p. 25.

25 Cf. MIRANDA, José da Costa, “Torquato Tasso, Poeta Épico: Repercussões em Portugal e Confronto com Camões”, in Estudos Luso-Italianos, Poesia Épico-Cavaleiresca e Teatro Setecentista, Série Fronteiras Abertas, Lisboa, ICALP, 1990, p. 150.

26 Cf MIRANDA, José da Costa, op. cit., p. 151.

27 Cf MACEDO, José de, Antídoto da Língua Portuguesa, Amesterdão, em casa de Miguel Diaz, 1710.

28 Cf MIRANDA, José da Costa, op. cit., p. 150.

29 Idem, ibidem, p. 145.

30 Cf ALVES, Hélio J., Camões, Corte-Real e o Sistema da Epopeia Quinhentista, Coimbra, Centro Interuniversitário de Estudos Camonianos, 2001, p. 333.

31 Idem, ibidem, p. 572.

32 Idem, ibidem, «Preâmbulo», p. XXVI e passim.

33 Idem, ibidem, p. 128.

34 Cf. DELGADO, Iva, Escritores Políticos de Seiscentos, Biblioteca Breve, Lisboa, ICALP, 1986.

© Publicações do Cidehus, 2006

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr