Version classiqueVersion mobile

Os Académicos Eborenses na Primeira Metade de Seiscentos

 | 
Maria da Conceição Ferreira Pires

Prefácio

Texte intégral

1O texto que ora se apresenta corresponde a uma versão retocada da dissertação de Mestrado em Literaturas e Poéticas Comparadas defendida por nós, em Março de 2004, na Universidade de Évora e visa contribuir, ainda que de forma modesta, para um melhor entendimento da actividade de teorização e de crítica literárias que se desenvolveu em Portugal, nas primeiras décadas do século XVII, com especial destaque para o desempenho dos letrados ligados ao círculo académico da região de Évora.

2Foi um campo de investigação que nos seduziu, porquanto se tratava de indagar acerca dos fundamentos iniciais daquela actividade e de, em simultâneo, prestar homenagem a dois ilustres intelectuais eborenses, o chantre Manuel Severim de Faria e o licenciado Manuel Pires de Almeida, pelo papel por ambos assumido no desenvolvimento da cultura seiscentista e na configuração de um espaço literário que, lenta mas visivelmente, ensaiava os primeiros passos rumo à emancipação.

3Não obstante ter sido um trabalho que exigiu uma atenção meticulosa e longas horas de pesquisa em busca de informação dispersa e porventura inédita, à medida que fomos adentrando este campo de estudo, confrontámo-nos com sentimentos contraditórios: de um lado, a sensação jubilosa por podermos aprofundar conhecimentos sobre a obra de alguns dos vultos mais revelantes da cultura portuguesa de Seiscentos, com a particularidade de os seus nomes aparecerem ligados ao movimento académico centrado em torno da cidade de Évora; do outro, a percepção dolorosa de que os nossos projectos ficam sempre aquém da ambição original e que, das múltiplas e complexas facetas da realidade de uma época, apenas uma parcela muito diminuta conseguimos reter. Ainda assim, nos momentos mais difíceis, animou-nos o propósito de, a exemplo desses notáveis letrados eborenses, servir a causa pública, fazendo o possível por compreender e resgatar do olvido alguns dos trabalhos com que contribuíram para a teorização e a crítica literárias, nas primeiras décadas do século XVII.

4Por razões de natureza metodológica, foi-nos importante proceder ao desenvolvimento do tema segundo duas vertentes. A primeira, dada a necessidade de enquadramento epocal, foi orientada para o estudo dos factores histórico-sociais que, no contexto de então, funcionaram não só como condicionantes, mas também como estímulo para a gradual autonomização da actividade literária seiscentista.

5A segunda organiza-se em torno da problemática da codificação estético-literária e centra-se, tendo em conta o contexto de recepção, na influência da Poética de Aristóteles sobre o pensamento teórico-crítico dos escritores de cuja obra nos ocupamos. Este, apesar de não ser inteiramente original, constitui um marco importante para a compreensão das ideias literárias que, no século de Seiscentos, se difundiam em Portugal e no restante espaço cultural europeu.

6Évora, 2004.

© Publicações do Cidehus, 2006

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search