Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Os Académicos Eborenses na Primeira Metade de Seiscentos

 | 
Maria da Conceição Ferreira Pires

Apresentação

Hélio J. S. Alves

Texte intégral

1Évora foi palco das mais antigas Academias Literárias formalmente constituídas que a História de Portugal registou. Tanto quanto se saiba, o momento inaugural dessa vida de convivência e debate intelectual aconteceu no dia de S. João de 1615, quando Luís da Silva Brito, prior da Igreja de São Mamede e vigário geral do Arcebispado, proferiu uma erudita conferência sobre Poética na Academia de Sertório. Desde então, e até à Restauração de 1640, o debate em torno das questões literárias mais prementes do tempo manteve-se, amiúde, centrado na cidade ou na região. Manuel Severim de Faria, o chantre da Sé, terá sido o elemento mais aglutinador, vivendo e cuidando da sua biblioteca naquilo que é hoje a Casa Cordovil. João Soares de Brito e Manuel Pires de Almeida formaram-se na Universidade de Évora. Mas João Franco Barreto, a quem se devem também, como atesta o livro que me cabe apresentar, alguns dos textos mais relevantes da época, casou e viveu no Redondo; e outros autores, como Manuel de Galhegos, ligaram Évora e Lisboa à actividade intelectual que ia tendo lugar na corte de Madrid.

2Esta actividade várias vezes profícua e, em determinados momentos, intensa, permaneceu, durante muito tempo, ignorada ou desprezada pela historiografia. Os únicos autores que se referiam ao fenómeno consideravam-no a partir da História Literária para fazer ressaltar a sua irrelevância ou, quando muito, a impropriedade das questões que dali surgiam. No paradigma romântico e positivista que dominou o século XIX e boa parte do século seguinte, não havia lugar para manifestações carentes, naquelas perspectivas, de interesse criativo ou de interesse nacional. Este último só podia aparecer na medida em que os académicos seiscentistas se preocuparam muito com a crítica de Camões, o que fazia com que merecessem, ao menos, uma menção por parte de quem a Nação e o nacionalismo se confundiam com o valor absoluto da documentação escrita.

  • 1 “Manuel Pires de Almeida e a reivindicação de uma nova ‘homologia’ para Os Lusíadas", Revista Camon (...)

3A partir de meados do século XX, começou a emergir um novo olhar sobre o fenómeno académico português e eborense de Seiscentos, quer por intermédio dos estudos literários, devedores principalmente da actividade de investigadores brasileiros (António Soares Amora, Heitor Martins, Luiz Piva) e, mais tarde, de portugueses (Maria Lucília Pires, José da Costa Miranda), quer, mais recentemente ainda, através dos estudos documentais sob perspectiva histórico-sociológica (Diogo Ramada Curto). Tem sido esse trabalho de levantamento e pesquisa de documentos a possibilitar um livro como o de Maria da Conceição Pires, onde se vêm estudar, pela primeira vez em simultâneo, as reflexões crítico-poéticas dos académicos portugueses seiscentistas, situando-as adequadamente no panorama europeu dos alvores da modernidade, e o relevo de tais reflexões para a compreensão dos circuitos de relacionamento sócio-literário então emergentes, avalizados a partir das melhores referências actuais da sociologia histórica da literatura (Bourdieu, Viala). Juntamente com o artigo sobre Manuel Pires de Almeida publicado no volume 17 da Revista Camoniana de São Paulo1, os resultados da investigação da autora constituem um contributo fundamental para um melhor conhecimento desta parte ainda pouco conhecida da actividade social e intelectual eborense. Assim, aliás, o considerou o júri competente ao qual coube apreciar e avaliar, em Março de 2004, a dissertação do Mestrado em Literaturas e Poéticas Comparadas da Universidade de Évora que está na base do livro que agora sai a público.

4Além do seu interesse regional e nacional, a dissertação de Maria da Conceição Pires constitui igualmente um belo exemplo de investigação em Literatura Comparada, quer porque sistematiza o objecto da investigação no quadro geral da teoria e da crítica literárias coevas, quer porque dá indicações preciosas para compreender a forma como a literatura europeia sofreu evoluções e rupturas decisivas desde o século XVI até meados da centúria seguinte. É que a metodologia comparatista não consiste na escolha de dois ou mais autores e textos de literaturas nacionais diferentes, quais mónadas de que hão-de dissecar-se as semelhanças e, bem mais frequentemente, as diferenças que salvaguardem o carácter nacional específico de cada um. Trabalhar no domínio do comparatismo não pode deixar de consistir na questionação das fronteiras políticas, ideológicas e culturais, entre outras coisas, através da historização dos próprios instrumentos de análise literária. Não o fazer, optando por redigir mais uma “demonstração”, sempre e só para mercado interno, que poupa um Eça ao magistério dum Zola, é falsear histórica e epistemologicamente a Literatura Comparada. O que, por sua vez, leva a um resultado mais grave ainda: trair a realidade em nome de concepções que contribuem decisivamente para manter um status quo social e ideológico, como se este se tratasse de algum mito fundador.

5A mais importante e, por assim dizer, “pesada” restrição ao desenvolvimento da Literatura Comparada é a ligação histórica existente entre o conceito moderno de Literatura e o conceito moderno de Nação. “Literatura” e “Nação” surgem nas últimas décadas do século XVIII em concomitância, de tal modo que, até há bem pouco tempo, o estudo da literatura estava completamente hipotecado às razões da nacionalidade. Literatura significava unicamente literatura nacional; tudo o resto desaparecia na voragem da culpabilização que, em Portugal, foi particularmente destruidora das muitas obras com falta suposta de “sentimento nacional”. O comparatismo é, por natureza, uma forma de ultrapassar os obstáculos gerados pela parelha Literatura-Nação, assim que se começou a perceber a instrumentalização escravizadora que tal parelha produzia. Estudos como o que aqui se apresenta são evidências da necessidade de olhar “de fora” para o complexo que envolve, de maneira intrincada, o fenómeno literário e o fenómeno nacional(ista), mostrando como este nasce e se desenvolve, os aproveitamentos ideológicos que serve, as distorções históricas que provoca, e assim por diante.

6O tema de Maria da Conceição Pires é, sem dúvida, dos mais sintomáticos do envolvimento mútuo do documento literário e do nacionalismo. Ligados à vivência da Monarquia Dual e da Restauração, os académicos focados pela autora foram, desde as origens da história lusa, forçados a caber, ou numa mentalidade patriótica, ou noutra, desnaturada. Num estudo de 1964 ainda pleno de actualidade, que é ainda a única monografia de referência sobre Manuel de Galhegos, Heitor Martins afirmava: “A razão principal de se falsificar consideravelmente a história portuguesa do século XVII deve-se ao ponto de vista «patriótico» com que seus pesquisadores têm procurado analisá-la (...) Personalidades políticas deste período são lançadas ao olvido eterno, «traidoras» que foram. E a casa de Bragança, que jamais se alçara à posição que lhe querem dar de resistente ao «jugo espanhol», é esmiuçada em suas mínimas acções, a fim de que se lhe encontrem elementos que, elevando-a da sua habitual e faustosa mediocridade, mais interessada sempre no aumento das suas próprias prebendas, possam dar azo a uma interpretação «cívica»” (pp. 17-18).

7Ora, um dos aspectos que o estudo da literatura seiscentista ensina é o de que tais apropriações ideológicas, perpetuadas desde então, tiveram origem nos próprios actores da época. É patente que os críticos defendem normas de poética e de apreciação literária de acordo com posições que ocupam, ou pretendem ocupar, no espaço simbólico e político. Camões serve para as mais aceradas posições, onde o que está em causa é se as afirmações dos académicos comportam um elogio ou uma censura a Os Lusíadas. Nada justifica, porém, que a luta simbólica encetada por estes homens seja identificada com a questão do nacionalismo tal como se começou a colocar pela propaganda brigantina a partir da guerra da Restauração, e tal como se desenvolveu, com característico pendor antiespanhol, nas décadas e séculos seguintes. Nesta medida, interessa vir a aprofundar, por exemplo, as razões da iniciativa duma personagem tão curiosa como Agostinho Manuel e Vasconcelos no pedido de censura feito à Inquisição portuguesa dos comentários de Manuel de Faria e Sousa, conhecendo, à partida, que o motivo da sua intervenção nunca foi o patriotismo de qualquer dos intervenientes.

8As formas tomadas pelo discurso, no fundo eminentemente político, que comenta poesia, são, afinal, do máximo interesse. Faria e Sousa, cujos escólios camonianos se tornaram na primeira grande fonte onde todos os adoradores de Camões foram beber, lembra Homero, Virgílio, Ovídio, Petrarca, Garcilaso, Tasso, Gôngora, colocando o poeta português em permanente confronto vitorioso com os nomes poéticos mais celebrizados do tempo. Por seu turno, o eborense Pires de Almeida, nos comentários que ficaram manuscritos e aparentemente inacabados, busca lugares paralelos de trechos de Camões em outros poetas portugueses ou em fontes quinhentistas que, segundo ele, antecipariam determinadas soluções textuais camonianas. A originalidade (em sentido próprio) e a valia universal do poeta d’Os Lusíadas eram promovidas por Severim de Faria, apoiado nessa pretensão por Faria e Sousa, Franco Barreto, Soares de Brito e outros, enquanto Pires de Almeida procurava situar histórica e geograficamente os êxitos de Camões num conjunto textual mais restrito e localizado, geralmente vernáculo e românico. Se um António de Sousa de Macedo podia afirmar, em 1631, que “podemos melhor chamar a Homero e Virgílio primeiros Camões do que a Camões segundo Homero ou Virgílio”, contemporâneos seus apontavam imitações servis ou “plágios” n'Os Lusíadas, identificando (e, às vezes, censurando) a dependência camoniana perante autores anteriores e coevos. Foi a corrente vencedora que escreveu, como sempre, a História, classificando de meros censores, quando não traidores, aqueles que não advogaram a primordialidade de Camões. Os textos desses dissidentes ficaram inéditos ou desapareceram, e muitas vezes os nomes dos seus autores foram deliberadamente ocultados, por vezes ainda antes de 1640. É o caso do anónimo “censor” de Lisboa referido num manuscrito de Severim de Faria e noutro de Pires de Almeida que – tudo o indica – impeliu o chantre a produzir o louvor de Camões que incluiu nos Discursos Vários Políticos impressos em Évora, em 1624. É também o caso da lista de textos desaparecidos compilada, em 1982, por Maria Lucília Gonçalves Pires a partir do bibliógrafo setecentista Diogo Barbosa Machado, onde constam nomes tão cheios de interesse como o arbitrista da Reformação do Estado da Índia Oriental, Francisco Rodrigues da Silveira, e o autor da epopeia sobre Os Novíssimos do Homem, Francisco Child Rolim de Moura, com reparos que terão feito ao grande poeta português.

9Posta em causa por Fidelino de Figueiredo, a existência duma polémica entre camoístas e tassistas que Teófilo Braga anunciara está hoje confirmada, não como um absoluto em si mesmo, mas como parte integrante do debate em torno de assuntos de poesia que vigorou entre os anos 20 e 40 do século XVII. A epopeia, género que o Renascimento, à revelia de Aristóteles (mas segundo doutrinas retóricas medievais), havia colocado em primeiro lugar, estava naturalmente no centro das preocupações destes críticos que acreditavam já, como os Românticos depois, que a epopeia proporcionava o índice máximo duma “nação”, duma língua, duma civilização. Não há comparação entre o número de edições d’Os Lusíadas no século XVI (1572, 1584, 1591 e 1597) e a procura da Jerusalém Libertada de Torquato Tasso que, num único ano (1581), teve qualquer coisa como 6 edições. As cerca de 17 edições d'Os Lusíadas publicadas em língua portuguesa até meados do século XVII são largamente superadas pelo número de edições italianas da epopeia de Tasso. Quanto a traduções, o poema de Camões contava, no período considerado, com 3 para o espanhol, não esquecendo a versão portuguesa, mas comentada em castelhano e publicada em Madrid, de Faria e Sousa. Quanto à Jerusalém Libertada, existiam já, só até 1600, uma tradução espanhola (1587), duas francesas (1595 e 1599) e duas inglesas (1594 e 1600). No século XVII, a produção de traduções da epopeia de Tasso aumenta: uma nova tradução francesa de 1626 surge reeditada em 1632; a inglesa de 1600 reimprime-se em 1624, etc. Tasso tornou-se num fenómeno cultural europeu ainda em vida, o que só veio a acontecer mais tarde com o poeta português e de forma muito mais limitada. Mas, dado o impacto de Camões no mundo editorial ibérico, não surpreende que fosse ele o escolhido, dentre os vários épicos lusos, para combater o fantasma omnipresente do épico italiano na mente dos académicos portugueses. João Franco Barreto, mesmo na pacatez aparente da sua vivência numa pequena vila alentejana, referia-se a Tasso como aquele “com quem tanto nos quebram a cabeça”! O paradigma tassiano era uma inevitabilidade e a frustração de muitos académicos estava no facto de a sua tentativa de exalçar Camões ser posta em causa por aqueles conterrâneos que, olhando para os poemas e para as normas poéticas, constatavam a existência de aspectos centrais n'Os Lusíadas que não cabiam em tal paradigma.

10É aqui que a posição de Manuel Pires de Almeida se torna deveras interessante, já que, anos depois de criticar o que considerava erros do poeta, este académico nascido em Évora muda de estratégia e tenta tornar Camões reconhecido como paradigma alternativo ao aristotélico-tassiano. Procurar fazê-lo competir com Tasso nos termos universalmente consagrados do tempo, como pretendem fazer Faria e Sousa e os seus apoiantes, torna-se, para Pires de Almeida, num erro táctico, pois esses termos eram, como ele próprio indica, os do próprio Tasso e, através dele, de Aristóteles. Ora, “Aristóteles foi homem e não viu tudo”, diz Pires de Almeida. Daí que o crítico eborense rejeite a operação de ajustar Camões às regras, efectuada por Faria e Sousa e outros, e passe a defender, numa importante mudança de posição, o que ele crê ser o “novo caminho” de Camões, não como uma excentricidade, mas como paradigma fundador.

11Mas não foi apenas este polemista que mudou. A distinta autora de Os Académicos Eborenses, ao analisar um documento literário até agora negligenciado (e neste livro transcrito em apêndice), a propósito da Ulisseia de Gabriel Pereira de Castro, mostra como o próprio patrono dos círculos eborenses, Severim de Faria, também evoluiu no seu pensamento. Ao contrário do que possam pensar aqueles que vêem na Poética do Classicismo rigidez e monotonia, estes homens não criam incompatíveis a apreciação exaltante da poesia com o estudo da teoria. Pelo contrário, a apreciação mais completa e emocionada da poesia, ontem como hoje, resultava tanto melhor quanto maior o tempo e estudo a ela dedicados. Há exemplos nestes escritores, quer de reconhecimento de insuficiências anteriores suas, quer de entusiasmo pelos primores de beleza por eles encontrados na poesia que comentavam. Os textos sobre a Ulisseia surgem de mais um fenómeno de muito interesse: a proposta duma alternativa épica credível a Os Lusíadas. O interesse de Bernarda Ferreira de Lacerda pelo poema de Gabriel Pereira de Castro, o cuidado de Severim de Faria na análise da Ulisseia, a breve polémica gerada pelo texto de Manuel de Galhegos onde declarava o poema no “primeiro lugar entre os heroicos”, as referências ao poema de Pereira de Castro ainda antes da edição deste em 1636, tudo isso revela que Camões não satisfazia completamente, no que à função paradigmática se requeria, pelo menos uma parte da intelectualidade portuguesa do tempo. Que a Ulisseia teve considerável importância durante algum tempo mostra-o também o facto de ter sido reimpressa, com modificações destinadas a favorecer a propaganda brigantina, logo a seguir à Restauração.

12Antes das Conclusões, a autora dedica ainda um capítulo ao que designa de “Poética da História”, uma designação que deve alertar o leitor, quer para o carácter da historiografia tal como se praticava na primeira metade de Seiscentos, quer para aqueles teorizadores actuais da História que postulam o recurso a instrumentos retórico-literários para a compreensão da historiografia moderna. O relevo que a reflexão sobre o discurso histórico também teve, particularmente através da figura de Severim de Faria, justifica a inclusão no livro do tratamento, ainda que breve, duma questão de muito interesse, cuja relação próxima com os debates poéticos aqui se demonstra.

13É devida ainda uma última referência a este trabalho – exemplar, além de tudo o mais, pela qualidade da sua escrita – para deixar uma palavra de agradecimento a Maria da Conceição Pires por ter contribuído de forma tão esclarecedora para trazer todos os sobreditos autores e questões literárias com segurança aos dias de hoje e por me ter dado a oportunidade de com ela partilhar, strada facendo, o gosto enorme por uma matéria ainda cheia de promessas para o futuro.

14Évora, Setembro de 2005.

Notes

1 “Manuel Pires de Almeida e a reivindicação de uma nova ‘homologia’ para Os Lusíadas", Revista Camoniana, 3.a série, vol. 17, Bauru, São Paulo, 2005, pp. 109-135.

© Publicações do Cidehus, 2006

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr