Version classiqueVersion mobile

Práticas de Caridade e Assistência em Évora (1650-1750)

 | 
Rute Pardal

Parte IV. É possível conhecer os pobres?

Capítulo II. A decisão de recorrer à assistência: o momento e os motivos

Texte intégral

1. Percursos ou ciclos de vida? Uma abordagem teórica

  • 1 A utilização, por vezes simultânea, dos dois conceitos vem agregada à noção de que o life cycle (ci (...)

1Os conceitos de life cycle e life course têm sido alvo de profundas discussões nos últimos quarenta anos, sobretudo no campo da sociologia. Os historiadores da família e da pobreza têm-nos utilizado com abundância, na maior parte das vezes de forma indiscriminada e indiferenciada1. Por isso mesmo é fundamental, ainda que sumariamente, esclarecer as nuances entre os dois termos e a sua evolução no campo da teoria social da família.

  • 2 Cf. James White; David Klein, Family theories, London, Sage Publications, 2002, p. 90.
  • 3 Recentemente Karl Mayer sintetizou de forma magistral o significado de life course, que adequa teor (...)
  • 4 Interessante, também, no trabalho de Tamara Hareven é a centralidade das tensões e contradições ent (...)

2Segundo James White e David Kline2, a utilização do conceito de ciclo de vida familiar recua aos finais do século XVIII mas tornou-se mais consistente no contexto da depressão dos anos trinta do século XX. Estes autores chamaram a esse período de “maturação descritiva”, durante o qual os investigadores sociais perspetivaram a família como detentora de um ciclo de vida. Semelhante a um organismo biológico, o grupo familiar caracterizar-se-ia por processos de nascimento, crescimento, manutenção, esvaziamento do núcleo – com a saída de elementos – e morte. Nesta linha interpretativa, a segunda fase surgiria após a segunda guerra mundial, quando a família foi conceptualizada como uma estrutura composta por papéis e relações que mudavam à medida da passagem de um estádio a outro. Nas décadas seguintes alguns autores começaram a abandonar o conceito de ciclo de vida familiar, preterindo-o por outro mais orientado para o percurso de vida familiar. Sugeriu-se então que esta tinha subjacentes vários percursos, tantos quantos os seus membros3. Ultrapassando esta visão algo determinista, Tamara Hareven focou a sua atenção essencialmente na construção cultural dos percursos de vida, que influencia incisivamente as etapas de transição como, por exemplo, a perceção da idade ideal do casamento ou da partida do lar4.

  • 5 Ideia que colhemos de Karl Mayer, que lança a questão sobre a passividade ou atividade do indivíduo (...)

3Ainda que esta utensilagem teórica dos percursos de vida não tenha tido grande difusão entre os historiadores da demografia e da pobreza, que preferiram o conceito de “ciclos de vida”, na nossa opinião a noção de “percursos de vida” é provavelmente a que mais se aproxima da realidade, talvez porque apresente de forma mais clara um processo não tão marcado pelos fatores biológicos, como o nascimento dos filhos ou o envelhecimento, mas mais construído, quer pelas instituições sociais, quer pelo indivíduo quando interage com elas5.

2. Percursos de vida e estrutura familiar

4A questão principal que ocupa este ponto é a de saber se a estrutura familiar influenciou o momento em que os dois grupos sociais entraram na assistência. Ainda que já tenhamos aflorado este tema quando abordámos as estratégias de coabitação é agora importante definir um pouco mais o significado de família e os termos da sua dimensão.

  • 6 Raphael Bluteau, Vocabulario Portuguez e Latino […], Coimbra, Real Collegio das Artes da Companhia (...)

5Sinteticamente, em termos jurídicos e não só, nos séculos XVII e XVIII a noção de família tinha múltiplos significados, abrangendo tanto laços sanguíneos ascendentes, descendentes ou colaterais, quanto relações de dependência laboral. Família podia significar, assim, criados e escravos, incluindo todas as pessoas que viviam debaixo do mesmo teto ou, como Rafael Bluteau escrevia, “as pessoas de que se compõem uma casa, pais, filhos e domésticos”6.

  • 7 Cf. John Hajnal, “European marriage patterns in perspective”, Population in History, (D. Glass & D. (...)
  • 8 Cf. Peter Laslett, “Characteristics of the western family considered over time”, Journal of Family (...)
  • 9 Significando que cada casamento supunha o estabelecimento de um agregado familiar.
  • 10 Cf. Pier Paolo Viazzo, “Family structures and the early phase in the individual life cycle: a south (...)

6Subjacente a qualquer formulação de família estavam os comportamentos demográficos, cuja análise, como antes referimos, está longe de ser pacífica. Em 1965, John Hajnal7 caracterizava a Europa a ocidente da Rússia como detentora de um comportamento demográfico marcado pelo casamento tardio, em ambos os sexos, e por altas taxas de celibato. Na mesma linha de Hajnal, os trabalhos liderados por Peter Laslett8, nas décadas de setenta e oitenta do século XX, contrapunham um norte caracterizado pelo casamento tardio e por regras neolocais9 de formação dos agregados – enfim a família nuclear –, a um sul caracterizado pelo casamento mais precoce e pela tendência dos novos casais permanecerem no agregado familiar dos pais, juntamente com outros casais com relações de parentesco, constituindo a família alargada. Todavia, autores como Pier Paolo Viazzo recusaram-se a aceitar uma clivagem norte/sul tão acentuada, afirmando a divergência de formações familiares mesmo nos países do sul, onde predominariam formações familiares simples no sul de Itália e Espanha10.

  • 11 Apesar de utilizar referenciais cronológicos diferenciados, como os róis de confessados de Moncarap (...)
  • 12 Numa análise exploratória aos dados dos róis de confessados de Alhos Vedros, pode dizer-se que a es (...)

7Qual seria o tipo de estrutura familiar em Évora? Complexa, como sugeriam Laslett e Ahjnal, ou simples, como a formulou Viazzo? A escassez dos estudos locais e regionais neste campo não permite conhecer o padrão de comportamento demográfico dominante. Todavia, Robert Rowland opõe o norte, caracterizado pela família alargada, onde cada novo casal se inseriria no agregado paterno, ao sul, onde a estrutura familiar predominante seria a nuclear11. São vários os indicadores que nos levam a aceitar a proposta de Robert Rowland. Em Évora, como em muitas outras localidades, a ausência dos róis de confessados não permite estabelecer padrões que dêem uma visão de conjunto da organização familiar da cidade12. Só pelo cruzamento das fontes disponíveis, isto é, assistenciais, paroquiais, notariais e fiscais, conseguimos recuperar a estrutura de algumas das famílias assistidas institucionalmente, e chegar ao padrão identificado por Robert Rowland: famílias nucleares, constituídas por um casal e os filhos. Mas a elas devem juntar-se, contudo, a diversidade de formas de coabitação, no apoio à velhice, doença dos pais ou de outros parentes mais diretos.

  • 13 Que verificámos em várias escrituras ante notário. A título de exemplo consulte-se, ADE, Notariais (...)
  • 14 Podendo encontrar-se prova da sua morada em diversos atos notariais que ela e o marido fizeram. Cf. (...)
  • 15 Cf. ADE, ACME, Livro do lançamento das décimas do concelho, l.o n.o 511.
  • 16 Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 144, fls. 115-116.

8A este respeito, o exemplo da família Estrada foi dos mais elucidativos que encontrámos. Importa dizer que conseguimos acompanhar a formação dos seus núcleos familiares de uma forma vertical ao longo de três gerações, mas também de forma horizontal, dentro da mesma geração. A avaliar pelas informações recolhidas, a cada casal correspondeu um novo agregado familiar. Desconhecendo a morada do patriarca e da matriarca da família – Tomás de Estrada y Zuniga y Seña e Ana Rodrigues Galego – sabemos que as suas duas filhas, D. Maria de Zuniga Estrada e D. Catarina de Zuniga Estrada, casadas, respetivamente, com António Vidigal Salgado e Alexandre Pinto de Mira, constituíram o seu próprio agregado familiar, a primeira residindo na Rua de Alconchel13, a segunda na Rua da Carreira do Menino Jesus14, ambas em Évora. O mesmo sucederia na terceira geração dos Estradas. Catarina Vidigal de Estrada, casada com António Madeira de Sousa, morava numas casas da Rua de Avis15, enquanto a sua irmã, mulher de Francisco Madeira de Sousa, vivia perto, no terreiro dessa mesma rua. E o irmão de ambas, João Vidigal Salgado de Estrada, residia na zona da mouraria16.

  • 17 Procedimento que pretende evitar as críticas de construção administrativa do agregado familiar base (...)

9Naturalmente que a estrutura e a dimensão da família se influenciam mutuamente. Por isso, no contexto dos dois grupos sociais em estudo, importa saber qual a dimensão que tinha cada grupo doméstico. Isto, tendo em consideração que quando detetámos nas fontes esquemas de coabitação com familiares diretos, os contabilizamos como elementos do agregado familiar. Em momento algum deixámos de ter presente a noção da volatilidade da composição dos agregados familiares ao longo do seu do percurso de vida17.

Gráfico n.o 2 – Dimensão do agregado familiar

10Numa perspetiva geral, o gráfico n.o 2 fornece uma imagem comparativa muito esclarecedora da composição familiar de cada grupo. As diferenças ao nível da dimensão são evidentes, a começar pelo posicionamento da mediana em cada uma das caixas centrais. O que significa, por outras palavras, que, em termos medianos, as famílias da categoria A foram constituídas por 5 pessoas e as da categoria B por 8 pessoas. Como o quadro n.o 3 demonstra, não estando muito desfasada da mediana, a média é um pouco superior, o que por si só indica uma muito ligeira assimetria, que confirma a do quadro anterior. O mesmo é dizer que a mesma proporção de dados praticamente se encontra distribuída em ambos os conjuntos antes e depois da mediana. Todavia, verifica-se que a categoria B apresenta uma maior variabilidade dos dados que a categoria A, visível sobretudo pelo alongamento dos bigodes da caixa, mas também pelo coeficiente de variação, que não sendo excessivo (57%) é significativo, e superior ao verificado no conjunto das famílias da categoria A (37%).

Quadro n.o 3 – Medidas estatísticas da dimensão do agregado

  • 18 De resto, são números um pouco inferiores aos verificados em Guimarães na segunda metade do século (...)

11Sem surpresas, constata-se que a dimensão do agregado familiar está intimamente associada ao número de filhos. Pela análise do gráfico n.o 3 e do quadro n.o 4, tendo em conta as respetivas medidas estatísticas, verifica-se que as famílias inseridas na categoria B tiveram mais filhos, em média 6,8, enquanto as famílias da categoria A tiveram, em média, 3 filhos18. Nota-se também que em mais de 50% dos casos da categoria B, o número de filhos foi igual ou superior a 6, o que produz o efeito gráfico de uma assimetria positiva na distribuição dos dados. Também positiva, mas muito mais ligeira, foi a assimetria verificada na categoria onde a distribuição é praticamente simétrica, ou seja, a mediana, 2,5 filhos por casal, é a linha divisória da distribuição que tem acima e abaixo praticamente o mesmo número de casos. O que não significa que não tivesse havido variação no número de filhos por cada casal nesta categoria A. Pelo contrário, devido ao facto de a maior parte das famílias apresentar entre 1 e 5 filhos, como se pode constatar pela observação da caixa central do gráfico n.o 3, o intervalo entre os valores mais baixos e os mais elevados fez disparar o coeficiente de variação, que se situa muito perto dos 90%, o que corresponde a uma percentagem superior em mais do dobro da verificada nas famílias da categoria B.

  • 19 Teoria desenvolvida por Peter Laslett em “Family, kinship and collectivity as systems of support in (...)
  • 20 Uma ideia defendida por Thomas Sokoll em “The household position of elderly widows in poverty... ci (...)

12A descrição apresentada ganha outros contornos quando aplicada aos objetivos deste estudo, uma vez que nos fornece uma dimensão abstrata da dimensão familiar e do número de filhos. Importante também é questionar a influência do número dos filhos e da dimensão da família na entrada destes grupos na assistência formal providenciada em Évora. Terão predominado os grupos domésticos simples, como referido? Se sim, que influência tiveram as variações nas variáveis indicadas? Verificaram-se comportamentos diferenciados nos dois grupos em análise? Em que momento do percurso familiar e individual ambos os grupos recorreram à assistência? Para os autores que defendem a nuclear family hardship19, os sistemas familiares mais complexos estariam melhor preparados, em termos de ajuda informal, para assistir os seus membros que as estruturas familiares simples. Parece-nos, no entanto, que este tipo de análise deve ir além do simples estudo de determinados pontos do percurso de vida familiar e individual, como parece ter sido o realizado por Peter Laslett em relação à última fase da vida dos indivíduos20. Ficou claro pelo exposto atrás no capítulo III da parte III, que há que ter em conta todo um universo de estratégias a que os “pobres” poderiam recorrer. Este estudo também nos mostrou que é necessário ter presente vários pontos de referência no percurso de vida e não centrar a análise exclusivamente na velhice.

Quadro n.o 4 – Medidas estatísticas da do número de filhos

Gráfico n.o 3 – Número de filhos por agregado

  • 21 Convém referir no entanto que, por falta de elementos demográficos relativos ao casamento, morte, b (...)

13Para verificarmos a validade dos nossos pressupostos estabelecemos três pontos críticos no percurso individual e familiar como possíveis modelos explicativos da entrada destes indivíduos na pobreza: o casamento, o nascimento do primeiro filho e a morte. Para isso calculámos três coeficientes, com uma base de contagem anual: coeficiente 1 – o espaço de tempo entre a data do casamento e o primeiro registo na assistência; coeficiente 2 – a diferença entre a data de nascimento do primeiro filho e a do primeiro registo na assistência; e o coeficiente 3 – o período de tempo entre a data da morte e a do primeiro registo assistencial21.

Quadro n.o 5 – Coeficiente 1

14Uma primeira análise conjunta do quadro anterior e dos gráficos seguintes, permite uma perspetiva das diferenças dos pontos críticos que determinaram o recurso à assistência por parte de cada grupo social. É certo que, pela diversidade de situações, as variações entre os dois nunca foram colossais, mas ainda assim foram significativas. Constata-se, assim, que os indivíduos pertencentes à categoria social mais baixa demonstraram maior vulnerabilidade face à pobreza, exposta pela entrada na assistência logo nos primeiros anos da vida conjugal (aqui representados pelo coeficiente 1 e coeficiente 2) já que se nota uma grande proximidade, em anos, entre o recurso à assistência e estes dois pontos de referência demográficos. Em sentido oposto, em termos estatísticos, para os elementos da elite local a última fase da vida parece ter sido o período de maior vulnerabilidade, uma vez que, na maioria dos casos, o primeiro registo destes indivíduos nas fontes assistenciais verificou-se poucos anos antes da morte.

Gráfico n.o 4 – Coeficiente 1

Quadro n.o 6 – Medidas estatísticas do coeficiente 2

Gráfico n.o 5 – coeficiente 2

Quadro n.o 7 – Medidas estatísticas do coeficiente 3

Gráfico n.o 6 – Medidas estatísticas da dimensão do agregado

15Porém, as particularidades exigem uma observação mais atenta a cada um dos coeficientes. Começando pelo coeficiente 1, deve assinalar-se que na categoria A cada indivíduo recorreu à assistência formal em média 17,2 anos após o seu casamento, enquanto para as pessoas da categoria B, a média situou-se nos 13,7 anos. Contudo, ambas as distribuições são caracterizadas por serem praticamente simétricas. Como se pode verificar no quadro n.o 5, os valores da assimetria, sendo positivos, estão muito próximos de 0. O que significa que, no universo observado, os casos estão distribuídos praticamente à razão de 50% acima e abaixo dos 14 e dos 15 anos – os valores das medianas respetivamente da categoria B e A. Por outro lado, um dos elementos que atesta a existência de muitas especificidades dentro destes grupos é a grande variabilidade dos dados, verificável pela diferença entre os máximos e os mínimos mas também na dimensão alongada das caixas que constituem os valores centrais e no prolongamento dos bigodes. Variabilidade igualmente confirmada pelo coeficiente de variação que, nos dois casos, excedeu em muito os 50%.

16No que se refere à diferença entre o nascimento do primeiro filho e o primeiro registo na assistência – o coeficiente 2 –, mencionámos antes que os resultados da categoria B apontam para um rácio menor quando comparados com os da categoria A. As medidas centrais, presentes no gráfico n.o 5, sustentam essa conclusão – refira-se que a média de anos passados entre um momento e outro foi de14,4 na categoria A e a mediana de 13 –, enquanto na categoria B a relação é de 10,8 (a média) e 8 (a mediana). Deve ser sublinhado, no entanto, que, em ambas as situações, o facto de a assimetria ser ligeiramente positiva significa que em pouco mais de 50% dos casos o intervalo entre o nascimento do primeiro filho e a entrada na assistência se situou acima dos valores medianos. Contudo, a dispersão dos dados continua a ser a nota dominante – categoria A 74%, e categoria B 85% –, resultante, também, da existência de vários valores extremos, sempre positivos. Na categoria A foram considerados aberrantes no contexto da distribuição os 35 anos decorridos entre o nascimento do primeiro filho e o provimento de assistência formal a António Vidigal e os 34 anos verificados nos casos de Inácio Rebelo da Guerra e de Catarina de Zuniga Estrada. Na categoria B apenas a situação de Teodósia da Luz foi considerada extrema, uma vez que passaram 37 anos entre os dois momentos.

17No que se refere ao coeficiente3, apesar da conclusão anterior de que no grupo A a idade avançada tinha sido um fator decisivo de empobrecimento e consequente procura de assistência, é importante alertar para o facto de ela ter tido por base um reduzido número de pessoas, devido às lacunas documentais, o que limita os termos da comparação.

18Uma análise mais cuidada ao gráfico n.o 6 e ao quadro n.o 7 revela uma forte concentração dos resultados da categoria A em redor da mediana, localizada num valor muito baixo. O mesmo é dizer que, em termos medianos, os indivíduos da elite local recorreram à assistência formal 1,5 anos antes da morte, apesar da média se elevar para os 5,3 anos. Tal concentração da maioria dos casos em redor de valores tão baixos não significa ausência de valores superiores, que no gráfico se representam como extremos. São esses valores dispersos que conferem à distribuição deste grupo uma dispersão extremamente elevada: 183%, correspondente aos resultados obtidos para Maria Cid Micial, mulher de Diogo de Gongora Tovar (18 anos), Catarina Vidigal de Estrada (32 anos), o marido, António Madeira de Sousa (33 anos), e Gregório Pestana e Pina, também 33 anos.

19Em relação à categoria B, o desenho da caixa central dos seus dados indicaria uma distribuição assimétrica negativa, o mesmo é dizer que mais de 50% dos casos verificados o tinham sido abaixo do valor da mediana – 13,4 anos. Todavia, pelo contrário, a assimetria é positiva em 0,8, em grande medida devido à enorme dispersão das ocorrências por praticamente toda a área do gráfico, o que, aliás, encontra expressão gráfica no prolongamento do bigode superior. Contudo, no caso desta última categoria, não sendo mais elevado que no caso da categoria A, o coeficiente de variação – 109% – confirma a enorme variabilidade dos dados.

3. A estrutura agregada da pobreza

20Com a base estatística acima apresentada foi possível desenhar padrões de comportamento nos grupos assentes na dimensão familiar e estruturados em pontos de referência biológicos. Porém, devem ser consideradas outras variáveis no percurso de vida individual e familiar destes pobres, por serem informativas sobre a altura em que recorreram à assistência formal: os momentos de transição. São eles que permitem entender a vulnerabilidade face à pobreza, um elemento determinante para a entrada nestes circuitos. Se o momento da constituição de um novo núcleo familiar e os seus primeiros anos de vida foram possíveis circunstâncias de fragilidade económica, a desestruturação do núcleo familiar por morte da cabeça de casal foi, sem dúvida, o elemento que teve maior peso. Uma das formas de analisar esse estádio do percurso de vida destes dois grupos é identificar a situação civil dos seus membros.

Quadro n.o 8 – Medidas estatísticas da dimensão do agregado por género e estado civil

21É um lugar comum afirmar que as mulheres eram mais vulneráveis à pobreza e, por isso, dominantes enquanto recetoras de recursos assistenciais. Confirmámo-lo para Évora quando avaliámos a assistência domiciliária – 58,4% na categoria A e 72,5% na categoria B. No entanto, a questão tem mais complexidade se estivermos dispostos a introduzir novos elementos de análise. Por exemplo, quando avaliamos o desequilíbrio entre sexos a situação acentua-se: é muito mais pronunciado na categoria B – 27,5% de homens, para 72,5% de mulheres – que na categoria A – 58,4% de mulheres e 44,6% de homens. O aspeto mais singular nestes casos encontra-se na igual proporção de utentes casadas e viúvas encontradas na categoria B. A mesma percentagem, diga-se, de homens casados assistidos, sendo este o único estado civil registado.

22Em termos práticos, por detrás destas percentagens estiveram 14 mulheres que receberam assistência sendo casadas e outras tantas sendo viúvas. Enfim, duas causas distintas de entrada na assistência: a das mulheres casadas, provavelmente derivada à necessidade de criar os filhos, e a das viúvas, pela desestruturação do agregado familiar decorrente da incapacidade ou morte do chefe da família. Contudo, a reconstrução nominal dos percursos destes pobres permite ir ainda mais longe demonstrando, revelando um multivariado feixe de outras questões.

  • 22 Cf. Steve Hindle, On the parish?... cit., p. 274).

23No caso específico da análise à situação civil dos pobres assistidos foi possível verificar uma linha de continuidade na assistência, apesar da alteração da situação familiar. Com efeito, das 14 mulheres identificadas como sendo casadas e assistidas na categoria B, metade permaneceu nas listas das assistidas quando se tornou viúvas, um dado a que só chegámos porque acompanhámos os seus percursos de vida. Não se trata de uma novidade em termos europeus, tendo Steve Hindle encontrado situação semelhante em Odiham (Estado de Hampshire) nos finais do século XVII, onde das 54 viúvas auxiliadas, 38 já o eram antes da morte do marido22. Agora podemos afirmar que o mesmo se passou em Évora.

  • 23 Essa é também a conclusão de Jona Schellekens, fundamentada empiricamente nos dados relativos a Gil (...)
  • 24 Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 912, fls. 97v-98v. (Escritura de dote datada de 13 de Abril de (...)
  • 25 Cf. Idem, Paroquiais de Évora, óbitos de Santo Antão, l.o n.o 53. (Óbito registado em 5 de Dezembro (...)
  • 26 Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 1060, fls. 70-71v e 71v-72. (Escrituras datadas de 29 de Abril (...)
  • 27 Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 1144, fls. 115-116. Escritura datada 4 de Fevereiro de 1732.
  • 28 Cf. IAN/TT, Registo geral de mercês de D. João V, l.o n.o 14, fl. 288. (Carta datada de 16 de Janei (...)
  • 29 Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 1065, fls. 35v-37v. (Escritura datada de 24 de Março de 1721).

24No fundo, a estatística devolve-nos padrões e tendências centrais que, apesar de relevantes, são abstratos e tendem a desvalorizar as particularidades. Isto para dizer que a entrada e a permanência na assistência foram, no Antigo Regime, processos em construção se os determinantes populacionais são importantes, eles devem ser entendidos como uma das variáveis conducentes à pobreza, mas não o único. Repetindo, os dados apresentados revelaram que o número de filhos foi fulcral para a entrada na assistência do grupo de mais baixa condição, enquanto para o grupo social de elite esse papel foi desempenhado pela velhice. No entanto, a relação entre pobreza e dimensão da família não é simples nem pode ser tomada acriticamente já que depende de variáveis como a idade, sexo dos filhos e expetativas sobre o seu futuro23. Tendo em atenção que medidas como a média são sensíveis aos valores extremos e de não utilizarmos uma média ponderada, tem uma leitura própria o facto de as médias de idades dos filhos destas famílias no momento da entrada dos pais na assistência transmitirem essa diferença – de 14,8 anos para a categoria A e 11,3 anos para a categoria B. Ou seja, se em ambos os casos a existência de filhos foi determinante, foi-o em diferentes alturas do percurso de vida, como vimos. O que nos leva a concluir que, se para a categoria B o problema se punha com a criação dos filhos, na categoria A ele colocava-se na altura do seu casamento. Concentremo-nos, mais uma vez, na família Estrada que constituiu um caso exemplar a este propósito. Em Abril de 1707, António Vidigal Salgado e a sua mulher Maria de Zuniga Estrada dotaram o seu filho, Manuel Vidigal Salgado de Estrada – à época estudante na Universidade de Évora –, para a obtenção de ordens sacras do hábito de São Pedro. Deram-lhe a Herdade da Serralheira, situada nos coutos da cidade, e umas casas que possuíam na Rua de Alconchel, em Évora24. Três anos depois, e já com 72 anos, António Vidigal Salgado começava a receber esmolas do legado do cónego Diogo Vieira Velho, situação que manteve, até morrer, em 171925. Em momento algum foi registado nas petições que era detentor de dois ofícios, o de escrivão do aqueduto da Água da Prata e o de inquiridor do Juízo do Geral de Évora, de que recebia as respetivas rendas. Possuía ainda um morgado, instituído pelo jesuíta Manuel Fialho, irmão do referido Manuel Vidigal Salgado. Em 1718, alegando ter 80 anos e muitos achaques, e ter servido 36 anos com satisfação, António Vidal Salgado renunciava aos dois ofícios e à administração do morgado, reservando, no entanto, o seu usufruto enquanto fosse vivo26. Em Dezembro de 1722, era a vez do seu filho, João Vidigal Salgado, renunciar aos dois ofícios que recebera do pai (o de escrivão do aqueduto da Água da Prata e de inquiridor do Juízo Geral de Évora27), trespassando-os para Francisco Gomes Correia com a justificação de que “se achava pobre e com um filho e duas filhas” e queria casar uma das filhas, razão pela qual precisava de capital. Em 1723 obteria autorização régia para renunciar ao ofício de meirinho da Inquisição de Évora, embora não encontrássemos nos notariais a escritura que atestasse a renúncia e respetivo contributo financeiro28. A sua irmã, D. Ana Vidigal de Estrada, e o seu cunhado, o Dr. Francisco Madeira de Sousa, protagonizariam uma situação elucidativa das dificuldades que podiam supor “dar estado a um filho”. Sem capacidade para pagar na íntegra o dote de freira a sua filha, D. Margarida de Sousa de Estrada, para entrar no convento de Santa Catarina de Sena, em Évora, no valor de 600 000 réis, entregaram às freiras 400 000 réis, tomando o restante a juro à taxa de 5% ao ano, valor que se comprometiam a satisfazer até conseguirem pagar a totalidade do dote29. Dois anos mais tarde, o pai começava a receber 6 alqueires de trigo que saíam do legado do cónego Diogo Vieira Velho.

  • 30 O único caso registado na categoria A foi o do capitão Álvaro da Fonseca Coutinho, provido com a cr (...)

25Os exemplos apresentados ilustram as diversas razões que podiam levar os dois grupos sociais até à assistência. Atente-se, ainda, que enquanto o legado do cónego Diogo Vieira Velho satisfazia os pedidos de ajuda das elites decorrentes das despesas inerentes ao casamento dos filhos ou colocação em conventos, a assistência domiciliária prestada pela Misericórdia de Évora era direcionada para o sustento dos filhos menores30. Em suma, crianças, reprodução do estatuto social, dívidas, sequestro de bens, velhice ou doença incapacitantes para o desempenho de ofícios ou para o trabalho, foram as variáveis de empobrecimento que nos surgiram na documentação consultada. Refira-se, contudo, que nenhuma delas deve ser tomada isoladamente. Por outro lado, neste processo é necessário ter a noção da grande distância que podia existir entre os discursos de pobreza que fundamentaram os pedidos de esmola, quase sempre tendenciosos porque conhecedores da sensibilidade de quem a distribuía, e a verdadeira situação do suplicante. No entanto, recordando o que atrás se disse sobre os pedidos de ajuda ao Cabido, eram inúmeras as circunstâncias que podiam conduzir à pobreza, muitas vezes em interação.

4. Experiências de pobreza

4.1. Alguns percursos de vida

  • 31 Cf. Steven King, Poverty and welfare in England… cit., p. 127.

26Independentemente das causas que conduziram à pobreza, os estudos que trabalham na reconstrução dos percursos individuais e familiares têm revelado que aquela não era, necessariamente, um estado permanente e não atingia todos os grupos vulneráveis ao mesmo tempo, nem com a mesma intensidade31. Esta ideia, formulada por Steven King, vimo-la documentada no ponto anterior. O que nos importa agora é demonstrar que a maior parte dos assistidos teve contactos com a assistência muito circunscritos no tempo e pouco intensos em termos de ocorrências. Atente-se, no entanto, que os percursos de vida de seguida apresentados significavam apenas uma pequena parte do universo da pobreza em Évora nos séculos XVII e XVIII. Com este exercício pretende-se acompanhar várias pessoas numa perspetiva simultaneamente individual e familiar, verificar a intensidade do recurso à assistência e, sempre que possível, apresentar o conjunto de estratégias que utilizaram para sobreviver. Comecemos pelos pobres agrupados na categoria B, concretamente por Maria Toscana.

  • 32 Cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos da Sé, l.o n.o 28.
  • 33 Idem, Casamentos de Santo Antão, l.o n.o 43.
  • 34 Registados, respetivamente, em 24 de Março de 1714; 30 de Agosto de 1716; 15 de Dezembro de 1720; 2 (...)
  • 35 Cf. ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 27, fl. 66. (Lembrança datada de 5 de Fevereiro de 1730). Idem,(...)
  • 36 De facto Richard Wall e John Henderson opõem o fardo que o casamento constituía para os homens e a (...)
  • 37 Cf. ADE, Paroquiais de Évora, casamentos da Sé, l.o n.o 78. (Casamento datado de 28 de Outubro de 1 (...)
  • 38 Concretamente, Antónia, batizada em 15 de Agosto de 1733 (cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos d (...)

27Maria Toscana foi batizada na paróquia da Sé em 24 de Fevereiro de 169732. Dezasseis anos depois casou com o viúvo Gregório Dias33 e dessa união nasceram José, Antónia, Manuel, António, Alberto e Vitorina34. Tudo indica que Maria Toscana terá enviuvado em 1730 e foi nessa condição que recebeu da Misericórdia 200 réis35 e um pão semanal para ajudar a criar um dos seis filhos, (cinco rapazes com 16, 14, 10, 7 e 5 anos, e Vitorina, com praticamente 2 anos). Sem que se saiba se o matrimónio encaixou nas suas estratégias de sobrevivência36, Maria Toscana voltou a casar-se, logo em 1730, com Nicolau Rodrigues, natural de Loulé37. Porque a sua situação económica não se deve ter alterado, a Misericórdia manteve-a entre os assistidos, como se verifica nos gráficos n.o 7 e n.o 8, inclusivamente aumentando-lhe o estipêndio, com especial ênfase no ano de 1739, quando recebeu mais dinheiro por mais vezes. Depois disso verifica-se um interregno de quatro anos no provimento de auxílio, que deve ter sido retomado devido ao nascimento de mais uma criança, de resto, a terceira do novo casamento: no final da década de 30 do século XVIII Maria Toscana contava com nove filhos38.

Gráfico n.o 7 – Quantias recebidas por Maria Toscana (1733/1750)

Gráfico n.o 8 – Meses decorridos entre episódios (Maria Toscana – 1733/1750))

  • 39 Cf. ADE, Paroquiais de Évora, óbitos da Sé, l.o n.o 89. (Óbito datado de 11 de Maio de 1768). Já o (...)

28A partir de 1739 a intensidade dos contactos com a assistência baixou consideravelmente, visível não só pelo espaço de tempo em meses decorrido entre episódios mas, sobretudo, pelas quantias recebidas. O último registo da assistência encontrámo-lo em 1750, o termo da nossa recolha, não necessariamente o fim da ajuda da Misericórdia. Quantos mais anos Maria Toscana teria beneficiado de ajuda nos 18 que ainda viveu?39.

  • 40 Cf. ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 23, fl. 256
  • 41 Pagando-lhe a Misericórdia a mortalha e o enterro, no valor de 1600 réis. Cf. ADE, ASCME, Livro dos (...)

29Um pouco diferente foi o percurso de vida de Catarina de Bastos, um dos mais completos e complexos que pudemos reconstituir. De um ponto de vista individual, a sua entrada na assistência poderá ter resultado de um conjunto de situações adversas, como a viuvez, provavelmente com uma idade avançada (46 anos), e o encargo de cinco filhos. Em 1701, quando solicitou apoio à Misericórdia de Évora e esta lhe deu uma mesada de 240 réis, tinha já um historial de auxílio, iniciado em 1692, 14 anos após o casamento com Manuel Cordeiro, quando pediu ajuda para curar a tinha que assolara os seus três filhos. Em Julho de 1695, já com quatro filhos, a Misericórdia voltava a contribuir para a cura de três e, em Julho de 1700, para a de dois40. Entre esse ano e 1733 Catarina de Bastos manteve-se na assistência, como se pode ver no gráfico n.o 9, ainda que não de forma continuada. Como se pode verificar no gráfico n.o 10, o tempo em meses de episódio para episódio é praticamente igual a 0, havendo depois picos que significam ausência de assistência. Por exemplo, o espaço de tempo entre o episódio número 41 e o 46 foi de 49 meses, ou seja o tempo que correu entre o último episódio de 1705 e o primeiro de 1709. Seguiram-se outros intervalos de cerca de 20 meses até ao maior, de 243 meses, que mediou entre 1716 e 1736 – ano da sua morte41. É provável que nos períodos de ausência de assistência da Misericórdia, Catarina de Bastos tivesse recebido ajuda informal dos filhos.

  • 42 Idem, l.o n.o 18, fl. 126.
  • 43 Cf. Lembranças, l.o n.o 21, fl. 152.
  • 44 Idem, l.o n.o 22, fl. 214 e 245.

30Enfim, alguns dados que revelam a existência de uma doença associada às condições de vida dos pobres e, em simultâneo, a consciência da Misericórdia quanto à necessidade de apoiar este agregado familiar com auxílio médico. Crianças pobres, filhas de pais pobres, que, por sua vez, já tinham um historial em termos de auxílio institucional. Os pais de Catarina de Bastos, para continuarmos com o mesmo exemplo, tinham iniciado a sua vida de casados com um dote de 20 000 réis, concedido pela Misericórdia em 165342. O pai, sapateiro de profissão, acabaria internado em Lisboa, em 168043, na “casa dos orates”, também com ajuda económica da confraria. Idêntica situação a dos pais do marido: a sogra, Maria Carvalha, tinha sido provida mensalmente com 2 alqueires de trigo, sendo já viúva e com três filhos e, em 1691, conseguia que a Misericórdia dotasse uma filha – Gracia Cordeira – com 20 000 réis. Provavelmente por não ter tido pretendente, a promessa do dote voltaria a ser feita em169344.

Gráfico n.o 9 – Quantias recebidas por Catarina de Bastos (1700/1736)

Gráfico n.o 10 – Meses decorridos entre episódios (Catarina de Bastos – (1700/1736))

  • 45 Cf. ADE, Paroquiais de Évora, casamentos de Santo Antão, l.o n.o 44.
  • 46 Tendo sido registados a partir daí, Maria, em 28 de Abril de 1728 (cf. idem, baptismos da Sé, l.o n (...)
  • 47 Ainda que medidas centrais como a média apontem para um valor entre episódios cerca dos 9 meses. Ta (...)
  • 48 Fora batizada em 29 de Setembro de 1707. Cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos da Sé, l.o n.o 30. (...)

31Tudo indica que o pedido de assistência à Misericórdia formulado por Teodora de Oliveira também tivesse sido motivado pelas dificuldades dos primeiros anos da vida conjugal, agravadas pelo facto de o seu marido, Caetano Rodrigues, trabalhador de profissão, estar preso. Na verdade o casamento de Teodora de Oliveira realizou-se no Aljube de Évora em 10 de Fevereiro de 172545 tendo o noivo lá terá permanecido, pois só há registo de batismo dos filhos a partir de 172846, ainda que Teodora tivesse começado a ser assistida no final de 1726. A libertação de Caetano Rodrigues não determinou o fim da assistência da Misericórdia, que a continuou a prover com galinhas ainda que, como se pode ver nos gráfico n.o 11 e n.o 12, com alguma irregularidade em termos de quantias envolvidas e de período de tempo entre episódios. Por exemplo, em 1726 Teodora de Oliveira recebeu quatro galinhas entre os meses de Outubro e Novembro e outra em Agosto de 1727. Seguiu-se novo silêncio até Maio e Agosto de 1729, quando voltou a receber mais algumas galinhas, e depois novamente entre 1738 e 174547. Fica assim bem demonstrada a correlação entre o número de episódios e as quantias recebidas: os picos de quantias – 1731, 1738 e 1749 – verificados no gráfico n.o 11 estão associados a uma maior intensidade nos episódios de assistência. Desconhece-se quando morreu Teodora de Oliveira, desaparecendo dos registos da Misericórdia em 1749. Tinha então 42 anos, cinco a menos que o seu marido48.

Gráfico n.o 11 – Quantias recebidas por Teodora de Oliveira (1726/ 1749)

Gráfico n.o 12 – Meses decorridos entre episódios (Teodora de Oliveira – 1726/1749)

  • 49 Nos batismos de Évora não está registado mais nenhum filho de Antónia Tavares e Manuel Ribeiro Sisu (...)

32Um outro exemplo, o de Antónia Tavares. Nascida em Évora, primeira filha de Francisco Fernandes e de Josefa Tavares, Antónia foi batizada no dia 18 de Fevereiro de 1680 na freguesia de Santo Antão. Casou com 23 anos, teve o primeiro filho aos 25 anos e o último aos 37 anos. O seu percurso na assistência iniciou-se em 1719, quando já se encontrava agravada por uma prole de 6 filhos, entre os 2 e os 14 anos. Foi precisamente para ajudar a criar o filho mais novo, António, nascido em Março de 171749, que solicitou auxílio à Misericórdia. A partir desse momento, então com 39 anos, passou a ser presença contínua nas listas da confraria pelas mais variadas razões.

Gráfico n.o 13 – Quantias recebidas por Antónia Tavares (1719/1746)

Gráfico n.o 14 – Meses decorridos entre episódios (Antónia Tavares (1719/1746))

  • 50 Em 1774 eram 9 as lázaras admitidas no hospital. Neste contexto, a Mesa da Misericórdia renovava a (...)
  • 51 Cf. ADE, Paroquiais de Évora, óbitos de São Mamede, l.o n.o 20. (Óbito registado em 19 de Agosto de (...)
  • 52 Sobre este assunto veja-se, entre outros, Ilana Bem-Amos, “Gifts and favors… cit.”, pp. 304-305. No (...)

33Apesar do quadro das frequências dos meses mostrar que mais de 64% dos episódios de assistência de que Antónia Tavares beneficiou terão ocorrido com um intervalo de dois meses, o gráfico n.o 14 demonstra que houve períodos, em alguns casos superiores a 2 anos, que não recebeu qualquer tipo de apoio, enquanto em outro a assistência foi quase ininterrupta. Esta última situação ocorreu de 1719 a 1722, quando entrou na assistência, correspondendo, essencialmente, aos recebimentos para a criação do filho mais novo. O segundo período de maior intensidade decorreu entre 1732 e 1733, interrompido por um vazio de 144 meses, entre 1734 e 1746 (ano da sua morte, com 66 anos de idade, altura em que a Misericórdia lhe pagou a mortalha e o enterro, no valor de 2400 réis). Este intervalo em que não recebeu assistência domiciliária foi preenchido por outro tipo de apoio: o provimento pelo Hospital do Espírito Santo, cujos registos a mostram consecutivamente internada entre 1737 e 1746, sempre no primeiro dia de Julho. Uma informação relevante tanto mais que trazia agregada o estatuto de lázara. Ou seja, o registo era um procedimento meramente administrativo, já que significava o início de um novo ano na Misericórdia, não tendo havido interrupção na hospitalização. É do conhecimento geral, e já foi mencionado acima, que o Hospital do Espírito Santo de Évora, como todos os hospitais com características similares, não admitia doentes com males contagiosos nem doentes incuráveis mas, neste caso, a situação de lázaro significava, ao que tudo indica, incapacidade física, provavelmente cegueira, a avaliar pelas informações reportadas para casos semelhantes50. Este exemplo leva também a questionar a importância da rede de relações informais e, em especial, da sua família. Em 1737, quando foi identificada como lázara, Antónia Tavares, com 47 anos, tinha já todos os filhos adultos, com idades muito próximas dos trinta anos, à exceção de Eusébia Xavier Tavares, a mais velha, que tinha morrido em 173451. A ausência de qualquer informação de índole demográfica para os restantes filhos leva a supor a eventualidade de terem imigrado, não podendo pois apoiar a mãe52.

34Os dois últimos percursos de vida analisados na categoria B, de Teodósia da Luz e de Leonor de Oliveira das Chagas, foram, aparentemente, muito similares. Avaliando a evolução das quantias recebidas e do tempo decorrido entre episódios, conjuntamente com os dados demográficos disponíveis, conclui-se que a velhice foi o elemento determinante para a entrada de ambas na assistência domiciliária providenciada pela Misericórdia de Évora. Dados que calculámos através da idade dos filhos ao tempo da assistência das mães suprindo, assim, a ausência do registo de batismo das duas mulheres.

  • 53 Apesar de ter sido provida no final de 1728, só viria a receber a esmola em Janeiro de 1729. Cf. AD (...)
  • 54 Se se tiver em conta que Vicência fora batizada em 18 de Agosto de 1671 (cf. ADE, Paroquiais de Évo (...)
  • 55 Contudo, a documentação não nos possibilita afirmar se esta esmola foi contínua, ou se teve interva (...)
  • 56 Cf. ADE, ASCME, Receita: ofertas, defuntos, esmolas, l.o n.o 1572. Com quem casara em 9 de Janeiro (...)

35Quando, em 172953, Leonor de Oliveira das Chagas (ou Leonor de Oliveira Cansada) recebeu as mesadas da Misericórdia, as suas três filhas sobreviventes teriam mais de 40 anos54. Mas foi precisamente para as ajudar a criar, concretamente a 5 filhos, que, em Janeiro de 1683, recebeu a esmola mensal de 2 alqueires de trigo, valor diminuído para 1 alqueire por mês em Janeiro de 169255. Desde 3 de Janeiro de 1682 que Leonor de Oliveira das Chagas se encontrava viúva56.

Gráfico n.o 15 – Quantias recebidas por Leonor de Oliveira das Chagas (1729/1733)

Gráfico n.o 16 – Meses decorridos entre episódios (Leonor de Oliveira da Chagas – (1729/1733))

  • 57 Note-se, todavia, que a média de tempo entre episódios foi de 1,6 meses e a mediana de 1 mês apenas (...)

36Pela análise do gráfico n.o 16 pode dizer-se que existiram intervalos não muito grandes, com um máximo de 4 meses entre episódios, explicados, muito provavelmente, pela ausência de registo por parte do escrivão, uma vez que Leonor das Chagas estava provida com mesada57. Já a linha decrescente nas quantias recebidas justifica-se pela diminuição do montante da sua mesada, que passou de 480 réis (recebidos entre 1729 e 1730) para 240 réis entre 1731 e 1733. Este último, o ano em que Leonor recebeu menos apoio, atribui-se ao pagamento de mesadas apenas nos primeiros quatro meses do ano. Pelo seu provimento terminar abruptamente, ficam-nos dúvidas sobre o motivo, que pode ter sido a morte, ainda que os registos paroquiais não o confirmem.

  • 58 Resultaram os seguintes filhos deste casamento, indicados por ordem cronológica de batismo: António (...)
  • 59 O registo do seu casamento indica que era natural de Lisboa e talvez por isso não dispomos do seu r (...)
  • 60 Pese embora provida com 720 réis, apenas recebeu essa quantia durante 3 meses – de Maio a Junho de (...)
  • 61 Cf. ADE, ASCME, Livro dos defuntos, l.o n.o 1408.

37Foram também os registos de batismo dos filhos de Teodósia da Luz que nos permitiram calcular as suas idades em relação ao primeiro ano da assistência da mãe e concluir que a mesma se encontrava na fase final da vida: em 1730, dos seus cinco filhos, as duas raparigas tinham, respetivamente, 25 e 31 anos, e os três rapazes entre 27 e 35 anos58. O outro indicador da idade de Teodósia da Luz foi o tipo de assistência recebida: em 30 de Abril de 1730, já viúva de Julião Rodrigues59, irmão da Misericórdia de Évora, Teodósia foi provida pela primeira vez com 720 réis de mesada60, esmola que receberia praticamente até à sua morte, verificada em 20 de Abril de 173661. Com efeito, ao analisarmos a frequência com beneficiou da assistência transparece essa periodicidade mensal já que as medidas centrais (média, moda e mediana) foram iguais a 1. Um ritmo que não foi transposto para a representação gráfica, como se pode verificar no gráfico n.o 18, que apresenta uma evolução irregular e com intervalos que, apesar de significativos – a maior parte entre os 2 e os 5 meses –, não traduzem uma suspensão do auxílio. Poderá sim ter resultado da ausência de registo por parte do escrivão ou do não pagamento da mesada, ou ainda, como acontecia com alguma frequência, por ter recebido vários meses de esmola num só pagamento. O que explica também a evolução inconstante das quantias recebidas, por vezes, uma ou outra galinha. Seria devido a atraso ou a falta de pagamento que se justificaria o hiato de 7 meses entre Setembro de 1735 e Abril de 1736, data da sua morte.

Gráfico n.o 17 – Quantias recebidas por Teodósia da Luz (1730/1736)

Gráfico n.o 18 – Meses decorridos entre episódios (Teodósia da Luz – (1730/1736))

4.2. As elites locais na assistência formal

38Antes de iniciar os percursos de vida de algumas das famílias da elite local empobrecida convém esclarecer que as representações gráficas que a seguir se apresentam correspondem à assistência domiciliária providenciada pela Misericórdia de Évora. A opção por excluir deste exercício as esmolas do Cabido da Sé de Évora e do legado do cónego Diogo Vieira Velho explica-se pelas suas características intrínsecas, essencialmente no que se refere à periodicidade: as primeiras tiveram um carácter irregular e as segundas eram concedidas anualmente, não se coadunando com a frequência mensal das da Misericórdia. Todavia, sempre que o percurso da pessoa em análise incluiu as referidas esmolas elas serão apresentadas.

  • 62 A ausência de dados demográficos ter-se-á ficado a dever ao facto de, provavelmente, ter nascido em (...)
  • 63 ACE, Esmolas dadas pelo Cabido… cit..

39O percurso de vida de D. Mariana do Rego Maldonada corresponde ao padrão de pobreza estabelecido para a categoria social a que pertencia, ou seja, recorreu à assistência no final da vida, o que se também ocorreu com algumas mulheres da categoria B, foi menos frequentemente, como vimos. Ainda que não se conheça a data do seu nascimento e do casamento com Francisco da Ribeira, sabe-se que teve uma filha, embora não fosse encontrada referência ao seu batismo62. Foi já na condição de viúva, que em 1716 e 1717 D. Mariana Maldonada recebeu 3 000 réis do Cabido da Sé de Évora, verba acrescida de 5 alqueires de trigo no último ano “por ser pobre e ter suas filhas”63. Antes, porém, concretamente desde 1712, que D. Mariana do Rego tinha começado a receber assistência da Misericórdia de Évora, como se pode verificar no gráfico n.o 19, de cerca de 1 000 réis anuais até 1718, quando o valor desceu até 1723, voltando novamente a subir, muito à conta das galinhas e sanguessugas, até 1725, ano do seu último registo na assistência domiciliária.

Gráfico n.o 19 – Quantias recebidas por Mariana do Rego Maldonada (1712/ 1725)

Gráfico n.o 20 – Meses decorridos entre episódios (Mariana do Rego Maldonada – (1712/1725))

  • 64 ADE, ASCME, Receita e despesa: assento dos defuntos, esmolas, l.o n.o 1353.
  • 65 Cf. ADE, Paroquiais de Évora, casamentos da Sé, l.o n.o 74. (Casamento datado de 21 de Dezembro de (...)

40O percurso de D. Mariana do Rego Maldonada pela assistência formal fez-se acumulando os recursos do Cabido da Sé de Évora como os da Misericórdia e os das esmolas do Cónego Diogo Vieira Velho, e nisto constituiu uma exceção em termos de administração das esmolas. Em 1716 recebeu esmola do Cabido e da Misericórdia e, entre 1721 e 1723, acumulou a do cónego Diogo Vieira Velho com as da Misericórdia, que a continuou a prover até 1725, quando deixou os registos da confraria. Haveria de morrer em Fevereiro de 172864, recolhida no Recolhimento da Madalena, nesta altura já transformado em espaço de acolhimento de mulheres de elite. Um outro exemplo, o de D. Maria de Moncada, outra mulher da elite local, que também começou a ser esmolada quando enviuvou, em 1696. Iniciou-se na assistência pelo legado do cónego Diogo Vieira Velho e entre, 1716/1719 e 1728, recebeu esmolas do Cabido da Sé e da Misericórdia de Évora. Não se sabe a idade que teria quando iniciou o seu percurso na assistência, até porque não se conhece o seu registo de batismo, que, provavelmente teria ocorrido em Lisboa, de onde afirmou ser natural quando do seu casamento, em Dezembro de 1679, com o escrivão da provedoria de Évora, Diogo Lobato Leitão65. Uma análise mais profunda haveria de revelar que a família já recebia assistência desde 1690.

  • 66 Morreria em 6 de Março de 1735. Cf. ADE, Paroquiais de Évora, óbitos de São Pedro, l.o n.o 10.
  • 67 Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 905, fls. 46v-49. (Escritura de renúncia datada de 12 de Setem (...)
  • 68 Um ofício que Diogo Lobato Leitão tinha adquirido por casamento com D. Maria de Moncada. Com efeito (...)
  • 69 Uma referência que a própria D. Maria de Moncada fez na escritura de renúncia em 1700. Cf. ADE, Not (...)
  • 70 Ainda se encontrou referência a ela em 1708, solteira e emancipada, a renunciar a posse de umas cas (...)
  • 71 A quem D. Maria passaria a administração de uma capela que possuía com bens vinculados na vila de S (...)

41Assim, pelo atrás exposto, ao analisar-se a evolução dos episódios e quantias recebidas por D. Mariana de Moncada há que referir que o hiato de 64 meses que supostamente se verificou entre 1728 e 1733 não foi real, já que não contempla as esmolas provenientes do legado do Cónego Diogo Vieira Velho, que contabilizaram 46 alqueires de trigo, não acumulando esta esmola com as da Misericórdia. De 1734 a 1735 recebeu algumas galinhas, esmolas avulsas e uma mesada concedidas pela confraria. Mais do que as quantias, o que se verificou foi uma maior periodicidade das esmolas recebidas nos últimos 2 anos de vida de D. Maria de Moncada66. À semelhança de outros casos já analisados, como o da Família Estrada, a necessidade de dotar os filhos para ingresso nos conventos foi, sem dúvida, o fator de maior perturbação na economia familiar. No caso acima, concretamente, a filha Catarina Eufrásia de Moncada com destino ao convento de Nossa Senhora da Conceição de Beja. Não sabemos a data da sua entrada mas em 1700, quando D. Maria de Moncada trespassou o ofício de tabelião do judicial e notas das vilas de Seia, Santa Marinha e Vila Verde a Manuel Rebelo por 225 000 réis, o seu dote ainda não tinha sido totalmente pago67. Com a verba recebida satisfez, como a própria escritura refere, a dívida em atraso68. Tendo o filho Simão sido assassinado69, a filha Joana morrido70 e estando Catarina Eufrásia71 no convento, D. Maria de Moncada não pôde contar com o apoio da descendência nos últimos anos de vida. O que não significa que estivesse sozinha. Como referia no seu testamento, pelo menos três mulheres, que não eram parentes, assistiam em sua casa, estando, provavelmente, a beneficiar da benevolência de Maria de Moncada, enquanto lhe faziam companhia. Enfim, variadas estratégias de auto-ajuda que cruzam vidas de mulheres de diferentes pertenças sociais.

Gráfico n.o 21 – Quantias recebidas por Maria de Moncada (1728/1735)

Gráfico n.o 22 – Meses decorridos entre episódios (Maria de Moncada – (1728/1735))

  • 72 Cf. ACE, Esmolas dadas pelo cabido… cit. Já o casamento realizou-se em 22 de Julho de 1700 na paróq (...)
  • 73 Se se tiver em conta que Francisco só foi batizado em 18 de Fevereiro de 1717. Cf. ADE, Paroquiais (...)
  • 74 Com efeito, no registo do seu casamento referia que era natural de Monsaraz. Cf. Idem, ibidem.
  • 75 As esmolas que recebeu foram sempre em cereais, variando a quantidade entre os 6 e os 8 alqueires d (...)
  • 76 Cf. ADE, ASCME, Receita e despesa: assento dos defuntos, esmolas, l.o n.o 1353.
  • 77 Recorde-se a correlação positiva entre episódios e quantias que referimos capítulo III da parte I.
  • 78 De referir que Margarida Antónia e Teodora Maria já se tinham casado em 1722 e 1727, respetivamente (...)
  • 79 Josefa Teresa da Fonseca Coutinho (ou Josefa Margarida da Fonseca) foi dotada em 27 de Novembro de (...)
  • 80 Que corresponde a uma evolução mais escarpada do gráfico n.o 23.
  • 81 Tendo sido assistida até Dezembro de 1740. Cf. ADE. ASCME, Criação, ordenados, despesas diárias, l.(...)

42Um outro percurso, de Cecília Maria de Macedo, que escapa um pouco ao padrão de assistência identificado para o grupo de elite local. Cecília de Macedo começou a receber ajuda do Cabido da Sé de Évora em 1716, no valor de 6 alqueires de trigo, estando ainda casada com João da Fonseca Coutinho. Tinham passado 16 anos sobre o seu matrimónio, contando então com 4 filhos72, 3 raparigas, com 11 e 15 e 3 anos, e 1 rapaz de 573. Como em outros casos, não foi possível saber a sua idade ao tempo desse primeiro contato com a assistência por não ter sido batizada em Évora74. Pese embora já ter sido assistida antes e de o seu marido também ter recebido esmolas do legado do cónego Diogo Vieira Velho entre 1710 e 172975, foi após a viuvez, ocorrida em 172976, que Cecília Maria de Macedo foi assistida com mais frequência, como se vê no gráfico n.o 24, pelo intervalo quase nulo entre episódios de assistência. Um período onde também coincidiram as mais altas quantias que lhe foram concedidas77, numa altura em que teria ainda em casa 2 dos 5 filhos78. Aliás, uma das dificuldades desta viúva parece ter sido “dar estado” a duas filhas, Francisca Inácia e Josefa Teresa, que, ao contrário do que acontecia com o grupo a que pertenciam, receberam dotes da Misericórdia de Évora de 12 000 réis cada. Nessa altura, o registo de dotação de Francisca informava que estava recolhida no Recolhimento de Nossa Senhora da Piedade, e não no de São Manços, como seria de esperar79. Foi precisamente a partir de 1736, quando já tinha a promessa do dote para a última filha, que Cecília de Macedo começou a receber menos assistência da Misericórdia. A média de meses entre episódios subiu então para 3,3, enquanto até aí não chegava a 1 mês80, e assim se manteve praticamente até à morte, que ocorreu em 26 de Janeiro de 174181.

43Quisemos terminar esta pequena viagem pelas vidas dos utentes da assistência formal de Évora com os casos de dois homens: Matias Monteiro da Silveira e Nicolau Barreto de Andrade. Em comum, o facto de terem sido dos poucos homens que receberam mesadas da Misericórdia de Évora.

  • 82 Informação recolhida nas esmolas distribuídas pelo legado do cónego Diogo Vieira Velho. Cf. ADE, AS (...)
  • 83 Batizados por ordem cronológica em Janeiro de 1715 (cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos de Sant (...)
  • 84 Deste legado recebeu unicamente esmolas em trigo, que variaram entre os 6 e os 18 alqueires anuais, (...)
  • 85 Em 1728 recebeu da Misericórdia 4 800 réis de esmola e 12 alqueires de trigo. Em 1731 recebeu 2 400 (...)
  • 86 ACE, Esmolas dadas pelo cabido… cit.

44A informação sobre Matias Monteiro da Silveira não é particularmente abundante, sabendo-se apenas que foi cidadão de Évora82 e que da sua união com Josefa Teresa da Silveira resultaram 7 filhos: José, Lourenço, Jerónimo, Vicente, Luísa, Joaquim e Catarina83. Os dois gráficos seguintes mostram os ritmos da assistência domiciliária que recebeu da Misericórdia a partir de 1728. A primeira esmola registada foi, no entanto, do legado do cónego Diogo Vieira Velho, em 1718, doação que manteve até 1732, à exceção dos anos de 1724 e 172584. Durante este período apenas em 1728 e 1731 acumulou estas esmolas com as da Misericórdia85. No entanto, em 1719 recorrera às esmolas do Cabido da Sé de Évora duas vezes no mesmo ano, tendo recebido 3 alqueires de cada uma, por “ser muito pobre”86, e ter 2 filhos, José, com 4 anos e Lourenço com 2 anos. Foi, contudo, no período entre 1735 e 1739 que Matias Monteiro da Silveira recebeu mais ajuda e de forma mais intensa da Misericórdia de Évora, que o passou a dotar com uma esmola mensal de 480 réis.

Gráfico n.o 23 – Quantias recebidas por Cecília Maria de Macedo (1722/1742)

Gráfico n.o 24 – Meses decorridos entre episódios (Cecília Maria de Macedo (1722/1742))

  • 87 Recorde-se que o corte deste tipo de esmola só foi determinado pela Mesa da Misericórdia em 1740. A (...)
  • 88 Refira-se que a média de meses entre 1740 e 1749 foi de 33.
  • 89 Cf. ADE, ASCME, Despesa: criação, ordenados, despesas diárias, l.o n.o 1139.

45Sem que saibamos porquê, e de uma forma algo inesperada, os pagamentos das mesadas terminaram em 173887. Certo mesmo, o facto de o intervalo entre episódios (constituídos por galinhas e sanguessugas) ter sido por vezes extremamente elevado, como se pode verificar no gráfico 2688. Os registos de assistência de Matias Monteiro da Silveira terminariam em Outubro de 1750 quando foi provido com 8 sanguessugas e 200 réis89. Estaria doente? Não existem informações disponíveis sobre o que terá acontecido a este “cidadão” de Évora.

Gráfico n.o 25 – Quantias recebidas Matias Monteiro da Silveira (1728/1750)

Gráfico n.o 26 – Meses decorridos entre episódios (Matias Monteiro da Silveira – (1722/1742))

  • 90 Cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos de São Pedro, l.o n.o 4.
  • 91 Cf. Idem, casamentos da Sé, l.o n.o 75. (Casamento realizado em 24 de Maio de 1694).
  • 92 Carta de ofício passada em 5 de Maio de 1716. Cf. IAN/TT, Registo Geral de Mercês de D. João V, l.o(...)
  • 93 Cf. ADE, ASCME, Livro das esmolas que o Reuerendo Conego Diogo Vieira Velho deixou… cit..
  • 94 Cf. Idem, ibidem.
  • 95 ACE, Esmolas dadas pelo cabido… cit..
  • 96 Ainda que com alguns anos interpolados. As esmolas recebidas neste período foram sempre em trigo, e (...)

46Finalmente, Nicolau Barreto de Andrade, cujo percurso familiar, assistencial e até político está profusamente documentado. Nasceu na paróquia de São Pedro, em Évora, aos 20 dias do mês de 167390. Casou-se aos 21 anos com D. Josefa Maria de Almeida Salema e Saldanha91. Foi irmão da Misericórdia, capitão dos auxiliares, escrivão dos órfãos92 e um dos utentes mais presentes na assistência formal de Évora. O primeiro registo de apoio surgiria 22 anos depois do seu casamento quando recebeu, em dois anos consecutivos, esmolas do legado do cónego Diogo Vieira Velho (8 000 réis em 1695 e 3 000 réis em 1696)93. Seguiu-se a Misericórdia, que lhe deu 4 000 réis de esmola em 1704 e 3 000 réis em 1709. No ano seguinte voltou a receber esmola do legado do cónego, entre os 1 200 réis e 12 000 réis anuais94, com um pequeno intervalo em 1719, quando o Cabido da Sé de Évora lhe concedeu 30 alqueires de trigo “por não ter rendas para sustentar a sua família”95. Em 1729, 1731 e 1732 acumulou estas esmolas com as da Misericórdia96 e depois deste último ano receberia apenas esmolas da confraria, até 1735, como se pode confirmar pelo gráfico seguinte. O intervalo de 260 meses verificado no gráfico n.o 28 reporta-se apenas à assistência provida pela Misericórdia, portanto, não corresponde à realidade.

Gráfico n.o 27 – Quantias recebidas por Nicolau Barreto de Andrade (1704/1735)

Gráfico n.o 28 – Meses decorridos entre episódios (Nicolau Barreto de Andrade–(1704/1735))

  • 97 O que confere com os registos de batismo de Clara Antónia, batizada em 12 de Agosto de 1699 (cf. AD (...)
  • 98 ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 27, fl. 93.
  • 99 Confira-se, a este propósito, a escritura de partilhas entre os dois irmãos, onde Luís Barreto de A (...)
  • 100 Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 1051, fl. 101v-103v. (Escritura datada de 1 de Fevereiro de 17 (...)
  • 101 A título de exemplo, veja-se o contrato de arrendado da referida herdade de Almeirim por parte de N (...)
  • 102 Cf. ADE, ACME, Livro do lançamento das décimas do concelho, l.o n.o 508 a 516.
  • 103 Cf. ADE, ASCME, Despesa: criação, ordenados, despesas diárias, l.o n.o 1138.

47Quando a Misericórdia lhe passou a dar os 480 réis de mesada, o intervalo entre episódios estreitou-se consideravelmente para uma periodicidade mensal mas, devido a isso, também aumentaram os quantitativos recebidos, estabilizando nos 5 760 réis anuais. Como referimos, no pedido de esmola que fez ao Cabido da Sé de Évora em 1719 argumentava a falta de rendimentos para sustentar a sua família, então com 6 filhos97. No entanto, o que ditou o seu provimento com as mesadas da Misericórdia, a partir de 1730, terá sido a conjugação de doença, família numerosa e sequestro de bens, conforme a justificação registada pela Misericórdia, em Setembro de 1731, que escrevia que a esmola era concedida “atendendo à sua muita pobreza, muita família e a sua fazenda sequestrada”98. O que não se conseguiu saber foi se teria outros familiares a seu cargo. A sua mãe residiria consigo? É provável que sim, uma vez que no assento do seu batismo foi referido que era órfão de pai e que o seu irmão residia em Olivença99. Quanto ao sequestro de bens, talvez o mesmo tivesse resultado do incumprimento dos juros do empréstimo de 200 000 réis que em 1713 contraiu ao Convento de Nossa Senhora da Orada, situado no termo de Monsaraz, a quem prometeu pagar 5% de juros ao ano. Como garantia do contrato hipotecou as casas onde vivia, localizadas na Rua do Paço (adro de São Francisco)100, e a Herdade de Almeirim, sita nos coutos de Évora. Antes do empréstimo esta propriedade aparece nos livros dos registos de notas de Évora como estando arrendada por 4 moios de pão terçado, 1 marrã e 1 carneiro mas perde-se-lhe o rasto após 1713101. O facto de depois dessa data, Nicolau Barreto de Andrade continuar a pagar as décimas referentes às casas que tinham servido de hipoteca do empréstimo acima citado faz supor que tivesse perdido a herdade102. De igual modo não se conhecem detalhes da doença que invocou em 1731, nem se o teria conduzido à morte, ainda que as mesadas da Misericórdia se suspendam em 1735 e, em 1738, D. Joana Maria de Almeida Salema, se apresentar como sua viúva, e como tal receber 2 400 réis de esmola da Misericórdia103.

  • 104 Uma ideia defendida por Steven King, que não poder ser tomada acriticamente, como referimos antes. (...)

48Em suma, independentemente das variáveis que determinaram as situações que levaram os homens e as mulheres de Évora a recorrerem à assistência formal, os percursos analisados demonstram diferentes intensidades na utilização do sistema assistencial. Se tal resultou de uma opção por parte das instituições que administravam os recursos disponíveis, ou se responderam às necessidades dos pobres, nunca se conseguirá comprovar com certeza absoluta. Ao longo de uma vida, situações como o nascimento ou casamento de um filho, a morte de um familiar, a doença, a falta de trabalho, a prisão, entre tantas outras, poderiam significar momentos de maior pobreza, que agravavam as já muito precárias condições de vida104 ou, tão-somente, ameaçavam a manutenção do estatuto social dos mais privilegiados.

Notes

1 A utilização, por vezes simultânea, dos dois conceitos vem agregada à noção de que o life cycle (ciclo de vida) teria uma definição mais coletiva, no sentido familiar, e o life course (percurso de vida) mais individual. Cf. Antoine Marchini “Poverty, the life cycle of the household and female life course in eighteenth-century Corsica”, Poor women and children… cit., pp. 224-250.

2 Cf. James White; David Klein, Family theories, London, Sage Publications, 2002, p. 90.

3 Recentemente Karl Mayer sintetizou de forma magistral o significado de life course, que adequa teoricamente tanto ao grupo familiar quanto aos indivíduos que o compõem. Para este autor, o percurso de vida refere-se a uma sequência de atividades, estados e eventos em variados domínios da vida desde o nascimento até à morte. Cf. Karl Mayer, “Whose lives? How History, societies, and institutions define and shape life courses”, Research in human development, 1 (3), 2004, pp. 161-187.

4 Interessante, também, no trabalho de Tamara Hareven é a centralidade das tensões e contradições entre as estratégias individuais e familiares, assim como entre o comportamento individual e as normas sociais. Cf. Tamara Hareven, “Le jeu de la norme et de la subjectivité dans étapes de la vie: la construction sociale et culturelle des parcours de vie et son evolution au XXe siècle”, De l’usage des seuils, structures par âges et âges de la vie (A. Bideau, P. Bourdelais, J. Légaré eds.), Paris, Cahier de la Société de Démographie Historique, 2001, pp. 271-288.

5 Ideia que colhemos de Karl Mayer, que lança a questão sobre a passividade ou atividade do indivíduo na hora de modelar o seu percurso de vida. Os sociólogos tendem a dividir-se quanto a isto, mas, no cômputo geral, aceitam mais a seleção que a escolha, ou seja, que o indivíduo é mais passivo. O mesmo é dizer, em contextos institucionais os indivíduos são mais frequentemente escolhidos do que autores das próprias escolhas. Cf. Karl Mayer, “Whose lives… cit.” p. 165. Este conceito de modelação dos percursos de vida baseada na interação entre indivíduos, grupos, instituições, legislação e normas sociais é de facto uma das ideias base defendidas por Glen H. Elder em “The life course as developmental theory”, Child development, vol. 69, n.o 1, 1998, pp. 1-12.

6 Raphael Bluteau, Vocabulario Portuguez e Latino […], Coimbra, Real Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1713, p. 28. Sobre o assunto, veja-se o referido por Nuno Gonçalo Monteiro, “Sistemas familiares”, História de Portugal, vol. 4, Lisboa, Estampa, pp. 250-251.

7 Cf. John Hajnal, “European marriage patterns in perspective”, Population in History, (D. Glass & D. Eversley (eds.), Arnold, London, 1965, pp. 101-143. E ainda, Idem, “Two kinds of pre industrial household formation system” Family forms in historic Europe, (Richard Wall & Peter Laslett (eds.), Cambridge, Cambridge University Press, 1983, pp. 65-104.

8 Cf. Peter Laslett, “Characteristics of the western family considered over time”, Journal of Family History, 2, 1977, pp. 89-115.

9 Significando que cada casamento supunha o estabelecimento de um agregado familiar.

10 Cf. Pier Paolo Viazzo, “Family structures and the early phase in the individual life cycle: a southern European perspective”, Poor women and children… cit., p. 33.

11 Apesar de utilizar referenciais cronológicos diferenciados, como os róis de confessados de Moncarapacho (1545), Quelfes (1835) no Algarve. Santa Luzia e Ficalho no Alentejo em 1721 e 1839. Bilhó (1760), Montaria (1827) e Âncora (1827), os números a que chegou são claros na separação demográfica do país. No Alentejo e Algarve a estrutura familiar simples superou sempre os 70%, alcançando praticamente os 90% em Ficalho na primeira metade do século XIX. Já no Minho a percentagem dos agregados simples pouco ultrapassaram os 50%. Cf. Robert Rowland, “Sistemas familiares e padrões demográficos em Portugal: questão para uma investigação comparada”, Ler História, 3, 1984, pp. 22-24.

12 Numa análise exploratória aos dados dos róis de confessados de Alhos Vedros, pode dizer-se que a estrutura familiar simples também seria predominante naquela localidade ao longo do século XVIII. Cf. João Cosme, Os róis de confessados de Alhos Vedros (1772/1796), Casal de Cambra, Caleidoscópio, 2006.

13 Que verificámos em várias escrituras ante notário. A título de exemplo consulte-se, ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 899, fls. 17-18v. Idem, ibidem, l.o n.o 912, fls. 97v-98v

14 Podendo encontrar-se prova da sua morada em diversos atos notariais que ela e o marido fizeram. Cf. Idem, ibidem, l.o n.o 765, fls. 126v-129; Idem, ibidem, l.o n.o 1059, fls. 73-74. Idem, ibidem, l.o n.o 1060, fls. 93-94. Idem, ibidem, l.o n.o 1065, fls. 5-6.

15 Cf. ADE, ACME, Livro do lançamento das décimas do concelho, l.o n.o 511.

16 Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 144, fls. 115-116.

17 Procedimento que pretende evitar as críticas de construção administrativa do agregado familiar baseada exclusivamente nos censos populacionais, uma observação que se tem feito à abordagem de Peter Laslett, sobretudo porque não é fácil discernir a diferença entre as listas dos censos populacionais e a realidade social. Como bem refere Patrice Bourdelais, por vezes irmãos casados aparecem em diferentes agregados familiares, sendo um só. Por outro lado, utilizar apenas um tipo de fontes conduz a uma observação estática da composição familiar. Isto é, ao longo do tempo, consoante o ciclo de vida da família, a sua dimensão flutua. O que em determinado período pode ser um agregado constituído pelo casal e filhos poderá passados anos ser um grupo doméstico constituído por pais, filhos solteiros, e avós. Cf. Patrice Bourdelais, “The renaissance of the historical demography, historical demography as a scientific phoenix”, Befolkningshistoriska perspektiv, Umeä, Umeȧ Universitet, 2004, p. 24.

18 De resto, são números um pouco inferiores aos verificados em Guimarães na segunda metade do século XVIII, que foi de 4,5 e 4,6 filhos por casal na zona rural e urbana respetivamente. No entanto, foram superiores aos apurados por Anabela Godinho (2,6 filhos por casal) em Selmes (no Alentejo) no mesmo período. Cf. Norberta Amorim, “Abordagem demográfica em História da família… cit.”, p. 69. Anabela Godinho, Comportamentos demográficos de uma freguesia rural do baixo Alentejo: Selmes (sécs. XVIII-XIX), ISCTE, (dissertação de mestrado policopiada), 1999, cit. in Norberta Amorim, “Abordagem demográfica da família… cit.”, p. 69.

19 Teoria desenvolvida por Peter Laslett em “Family, kinship and collectivity as systems of support in pre-industrial Europe: a consideration of the ‘nuclear-hardship’ hypothesis”, Continuity and change, 3 (2), 1988, pp. 153-175.

20 Uma ideia defendida por Thomas Sokoll em “The household position of elderly widows in poverty... cit.”, pp. 207-223.

21 Convém referir no entanto que, por falta de elementos demográficos relativos ao casamento, morte, bem como nascimento de filhos, não foi possível fazer os cálculos para alguns dos indivíduos.

22 Cf. Steve Hindle, On the parish?... cit., p. 274).

23 Essa é também a conclusão de Jona Schellekens, fundamentada empiricamente nos dados relativos a Gilze e e Rijen ao longo do século XVIII Cf. Jona Schellekens “Poverty and family size in two eighteenth-century Dutch villages… cit.”, p. 209.

24 Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 912, fls. 97v-98v. (Escritura de dote datada de 13 de Abril de 1707).

25 Cf. Idem, Paroquiais de Évora, óbitos de Santo Antão, l.o n.o 53. (Óbito registado em 5 de Dezembro de 1719).

26 Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 1060, fls. 70-71v e 71v-72. (Escrituras datadas de 29 de Abril de 1718). Veja-se também a provisão régia dando faculdade de poder renunciar aos ofícios na pessoa do filho, em IAN/TT, Registo geral de mercês de D. João V, l.o n.o 9, fl. 444v. (Provisão datada de 24 de Março de 1718).

27 Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 1144, fls. 115-116. Escritura datada 4 de Fevereiro de 1732.

28 Cf. IAN/TT, Registo geral de mercês de D. João V, l.o n.o 14, fl. 288. (Carta datada de 16 de Janeiro de 1723).

29 Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 1065, fls. 35v-37v. (Escritura datada de 24 de Março de 1721).

30 O único caso registado na categoria A foi o do capitão Álvaro da Fonseca Coutinho, provido com a criação de um filho em Maio de 1676, “por se lhe secar o leite à mãe”. A criação foi decidida pela Mesa da Misericórdia de Évora com um valor mensal de 400 réis. Cf. ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 20, fl. 46. (Lembrança datada de 3 de Maio de 1667).

31 Cf. Steven King, Poverty and welfare in England… cit., p. 127.

32 Cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos da Sé, l.o n.o 28.

33 Idem, Casamentos de Santo Antão, l.o n.o 43.

34 Registados, respetivamente, em 24 de Março de 1714; 30 de Agosto de 1716; 15 de Dezembro de 1720; 21 de Junho de 1723; 18 de Dezembro de 1725 e 18 de Março de 1728. Cf. Idem, Baptismos de Santo Antão, l.o s n.o 22, 24 e 25; baptismos da Sé, l.o s n.o 32 e 33.

35 Cf. ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 27, fl. 66. (Lembrança datada de 5 de Fevereiro de 1730). Idem, ibidem, fl. 76. (Lembrança datada de 13 de Setembro de 1730).

36 De facto Richard Wall e John Henderson opõem o fardo que o casamento constituía para os homens e a estratégia de sobrevivência que poderia constituir para as mulheres, sobretudo para as viúvas com filhos pequenos. No entanto, também salientam a necessidade de dimensionar o papel das mulheres na economia e na sociedade, especificamente o das viúvas. Cf. John Henderson & Richard Wall, “Introduction”, Poor women and children in European past… cit., p. 15. Uma perspetiva positiva da transição do estado civil que também é partilhada por Janine Marie Lanza, From wives to widows… cit., pp. 121-152.

37 Cf. ADE, Paroquiais de Évora, casamentos da Sé, l.o n.o 78. (Casamento datado de 28 de Outubro de 1730).

38 Concretamente, Antónia, batizada em 15 de Agosto de 1733 (cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos da Sé, l.o n.o 35); João, batizado em 15 de Março de 1735 (cf. Idem, ibidem); Joaquim, batizado em 25 de Outubro de 1737 (cf. Idem, l.o n.o 36). Para além destes, em 23 de Maio de 1743 batizava ainda Margarida (cf. Idem, l.o n.o 37).

39 Cf. ADE, Paroquiais de Évora, óbitos da Sé, l.o n.o 89. (Óbito datado de 11 de Maio de 1768). Já o seu cônjuge, Nicolau Rodrigues, morreria depois, em 25 de Agosto de 1776. Cf. Idem, ibidem, l.o n.o 89.

40 Cf. ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 23, fl. 256

41 Pagando-lhe a Misericórdia a mortalha e o enterro, no valor de 1600 réis. Cf. ADE, ASCME, Livro dos defuntos, l.o n.o 1408. (Enterro registado em 28 de Dezembro de 1736).

42 Idem, l.o n.o 18, fl. 126.

43 Cf. Lembranças, l.o n.o 21, fl. 152.

44 Idem, l.o n.o 22, fl. 214 e 245.

45 Cf. ADE, Paroquiais de Évora, casamentos de Santo Antão, l.o n.o 44.

46 Tendo sido registados a partir daí, Maria, em 28 de Abril de 1728 (cf. idem, baptismos da Sé, l.o n.o 34); Vicência, em 1 de Setembro de 1732 (Idem, baptismos de Santo Antão, l.o n.o 26); Catarina, em 5 de Dezembro de 1734 (cf. Idem, baptismos da Sé, l.o n.o 35); Francisco, em 6 de Agosto de 1736 – tendo falecido em 3 de Maio de 1738 (cf. Idem, baptismos da Sé, l.o n.o 35. Idem, óbitos da Sé, l.o n.o 87); Manuel, em 3 de Fevereiro de 1738 (cf. Idem, baptismos da Sé, l.o n.o 36); Joaquim, em 23 de Agosto de 1739 (cf. Idem, ibidem); Jerónima, em 4 de Janeiro de 1742 (cf. Idem, baptismos da Sé, l.o n.o 37); José, em 13 de Outubro de 1743 (cf. Idem, ibidem).

47 Ainda que medidas centrais como a média apontem para um valor entre episódios cerca dos 9 meses. Também se pode ver que a maior parte dos episódios (53,3%) registados para Teodora de Oliveira aconteceram dentro do mesmo mês, ou com um mês entre um e outro.

48 Fora batizada em 29 de Setembro de 1707. Cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos da Sé, l.o n.o 30. Enquanto o seu marido foi batizado em 14 de Novembro de 1702. Cf. Idem, ibidem, l.o n.o 29.

49 Nos batismos de Évora não está registado mais nenhum filho de Antónia Tavares e Manuel Ribeiro Sisudo. No entanto, em 1722, a viúva Antónia Tavares foi novamente provida para a criação de um filho de meses, agora com 400 réis mensais, quando da primeira vez tinha recebido apenas meia criação, num valor de 200 réis mensais. Suspeitamos, por isso, que Antónia contornou um pouco a verdadeira idade do filho. Em 1719 não teria 15 meses, mas dois anos e, em 1722, já contaria 5 anos. Tudo leva a crer ser uma “pequena” inverdade só detetada mais de um ano depois, em 1723, quando a Misericórdia lhe retirou a criação “por ter acabado o tempo”. Cf. ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 26, fl. 141v.

50 Em 1774 eram 9 as lázaras admitidas no hospital. Neste contexto, a Mesa da Misericórdia renovava a proibição de os médicos e enfermeiros aceitarem doenças que não se costumavam curar no hospital, nem consentirem a permanência de pessoas sem queixas por mais de um mês. De registar que nessa altura a Mesa deliberava a admissão supranumerária ao estatuto de lázaras a duas enjeitadas cegas, por ficarem melhor recolhidas no hospital, resguardadas dos perigos do mundo. Cf. ADE, ASCME, Regimento do Hospital, l.o n.o 67, não foliado. (Lembrança datada de 31 de Agosto de 1774). Contudo, não é de descartar que a cegueira, ou outro tipo de incapacidade física destas raparigas, ou da própria Antónia Tavares, fossem sequelas da lepra, apesar da incidência residual da mesma durante a Idade Moderna.

51 Cf. ADE, Paroquiais de Évora, óbitos de São Mamede, l.o n.o 20. (Óbito registado em 19 de Agosto de 1734).

52 Sobre este assunto veja-se, entre outros, Ilana Bem-Amos, “Gifts and favors… cit.”, pp. 304-305. No artigo, a autora contesta um pouco aquela ideia de que uma família nuclear estaria mais desprotegida em períodos de necessidade ou doença, referindo que, mesmo que não residindo debaixo do mesmo teto, os filhos cuidariam dos progenitores nessas alturas.

53 Apesar de ter sido provida no final de 1728, só viria a receber a esmola em Janeiro de 1729. Cf. ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 27, fl. 30v. (Lembrança datada de 28 de Novembro de 1728).

54 Se se tiver em conta que Vicência fora batizada em 18 de Agosto de 1671 (cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos de Santo Antão, l.o n.o 16) e Catarina, batizada em 8 de Maio de 1680 (cf. Idem, ibidem, l.o n.o 18). Não temos mais informações sobre Maria da Conceição, que terá casado com Rodrigo Lopes em 9 de Setembro de 1687. Cf. Idem, casamentos de Santo Antão, l.o n.o 41.

55 Contudo, a documentação não nos possibilita afirmar se esta esmola foi contínua, ou se teve intervalos. Cf. ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 22, fl. 242. (Lembrança datada de 3 de Janeiro de 1683). Idem, ibidem, fl. 216. (Lembrança datada de 13 de Janeiro de 1692).

56 Cf. ADE, ASCME, Receita: ofertas, defuntos, esmolas, l.o n.o 1572. Com quem casara em 9 de Janeiro de 1667. Cf. ADE, Paroquiais de Évora, casamentos de Santo Antão, l.o n.o 40.

57 Note-se, todavia, que a média de tempo entre episódios foi de 1,6 meses e a mediana de 1 mês apenas. O que indica que houve, muito provavelmente, ausência de registo por parte do escrivão, também porque 91,2% dos episódios tiveram entre si um intervalo de 1 mês apenas.

58 Resultaram os seguintes filhos deste casamento, indicados por ordem cronológica de batismo: António, batizado em 19 de Abril de 1693 (cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos da Sé, l.o n.o 27); Amaro, batizado em 23 de Janeiro de 1695 (cf. Idem, ibidem); Joana, batizada em 18 de Março de 1697 (cf. Idem, Ibidem, l.o n.o 28); José, batizado em 14 de Novembro de 1701 (cf. Idem, l.o n.o 29); e Josefa, batizada em 1 de Maio de 1704 (cf. Idem, ibidem).

59 O registo do seu casamento indica que era natural de Lisboa e talvez por isso não dispomos do seu registo de batismo. O casamento, com Julião Rodrigues, realizou-se na Sé de Évora em 14 de Abril de 1692. Cf. ADE, Paroquiais de Évora, casamentos da Sé, l.o n.o 75.

60 Pese embora provida com 720 réis, apenas recebeu essa quantia durante 3 meses – de Maio a Junho de 1730 –, passando depois para 360 réis mensais. Recorde-se, a este propósito, as dificuldades económicas vividas pela Misericórdia nesta década de 30 do século XVIII, o que levara a suspender ou reduzir o valor das esmolas.

61 Cf. ADE, ASCME, Livro dos defuntos, l.o n.o 1408.

62 A ausência de dados demográficos ter-se-á ficado a dever ao facto de, provavelmente, ter nascido em Montemor-o-Novo, já que foi essa a informação colhida no casamento da sua filha Isabel Maldonado. Não se descarta, portanto, que a primeira parte da sua vida tenha sido passada naquela localidade Cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos de São Mamede, l.o n.o 15. (Casamento datado de 1 de Fevereiro de 1699).

63 ACE, Esmolas dadas pelo Cabido… cit..

64 ADE, ASCME, Receita e despesa: assento dos defuntos, esmolas, l.o n.o 1353.

65 Cf. ADE, Paroquiais de Évora, casamentos da Sé, l.o n.o 74. (Casamento datado de 21 de Dezembro de 1679).

66 Morreria em 6 de Março de 1735. Cf. ADE, Paroquiais de Évora, óbitos de São Pedro, l.o n.o 10.

67 Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 905, fls. 46v-49. (Escritura de renúncia datada de 12 de Setembro de 1700).

68 Um ofício que Diogo Lobato Leitão tinha adquirido por casamento com D. Maria de Moncada. Com efeito, o processo de renúncia não foi simples e rápido. Iniciou-o ainda Diogo Lobato Leitão por procuração de 1694 a Manuel Simões, morador em Seia, para procurar pessoa capaz que quisesse dar os 225 000 réis da renúncia do dito ofício. Cf. Idem, l.o n.o 896, fls. 108-109v. (Procuração datada de 9 de Setembro de 1694)). Alegava então ter alvará do rei datado de 28 de Maio de 1681 para poder renunciar em pessoa capaz. Cf. Idem, ibidem, fls. 108-109v. Todavia, foi já depois da sua morte que a sua viúva conseguiu efetivamente a autorização régia por alvará de 7 de Agosto de 1698. Cf. IAN/TT, Registo Geral de mercês de D. Pedro II, l.o 9, fl. 418v.

69 Uma referência que a própria D. Maria de Moncada fez na escritura de renúncia em 1700. Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 905, fls. 46-47v.

70 Ainda se encontrou referência a ela em 1708, solteira e emancipada, a renunciar a posse de umas casas em Coruche, por preço de 120 000 réis, que tinham pertencido a um tio padre. Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 770, fl. 68v-69v. (Escritura datada de 1 de Outubro de 1708). No entanto, quando da redação do testamento de D. Maria de Moncada o nome desta filha não foi referido.

71 A quem D. Maria passaria a administração de uma capela que possuía com bens vinculados na vila de Serpa, na condição de “comer os frutos de pois de pagos os encargos”. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 1249, fls. 83v-85. (Escritura de doação datada de 18 de Setembro de 1718).

72 Cf. ACE, Esmolas dadas pelo cabido… cit. Já o casamento realizou-se em 22 de Julho de 1700 na paróquia de São Mamede em Évora. Cf. ADE, Paroquiais de Évora, casamentos de São Mamede, l.o n.o 15.

73 Se se tiver em conta que Francisco só foi batizado em 18 de Fevereiro de 1717. Cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismo de São Tiago, l.o n.o 23. No entanto, o registo de esmola do Cabido da Sé de Évora atribuía a este casamento 5 filhos, o que seria provável, uma vez que não foi encontrado o registo de batismo de Josefa Teresa Coutinho. Assim, este casal entre 1701 e 1716 batizou, por ordem cronológica, Margarida Antónia, em 28 de Maio de 1701 (cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos de Santo Antão, l.o n.o 20), Teodora Maria, em 16 de Abril de 1705 (cf. Idem, ibidem, l.o n.o 21), Jacinto, em 18 de Outubro de 1711 (Idem, baptismos de São Tiago, l.o n.o 2), Francisca Inácia, em 24 de Janeiro de 1713 (cf. Idem, ibidem, l.o n.o 22), e, Francisco, em 18 de Fevereiro de 1717 (cf. Idem, ibidem, l.o n.o 23).

74 Com efeito, no registo do seu casamento referia que era natural de Monsaraz. Cf. Idem, ibidem.

75 As esmolas que recebeu foram sempre em cereais, variando a quantidade entre os 6 e os 8 alqueires de trigo/ano. Cf. ADE, ASCME, Livro das esmolas que o Reuerendo Conego Diogo Vieira Velho deixou… cit..

76 Cf. ADE, ASCME, Receita e despesa: assento dos defuntos, esmolas, l.o n.o 1353.

77 Recorde-se a correlação positiva entre episódios e quantias que referimos capítulo III da parte I.

78 De referir que Margarida Antónia e Teodora Maria já se tinham casado em 1722 e 1727, respetivamente, ignorando-se o destino de Francisco da Fonseca Coutinho e de Jacinto da Fonseca Coutinho. Cf. ADE, Paroquias de Évora, casamentos de Santo Antão, l.o n.o 43. Idem, casamentos de São Tiago, l.o n.o 6. Este último receberia 2 400 réis de esmola da Misericórdia de Évora em 16 de Julho de 1727. Cf. ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 26, fl. 229v.

79 Josefa Teresa da Fonseca Coutinho (ou Josefa Margarida da Fonseca) foi dotada em 27 de Novembro de 1736. Cf. ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 27, fl. 206. Não obstante apenas casaria uns anos mais tarde, em 20 de Agosto de 1739. Cf. Idem, Paroquiais de Évora, casamentos de São Mamede, l.o n.o 17. Já Francisca Inácia da Fonseca Coutinho (ou Coutinha) fora dotada um ano antes da sua irmã, em 21 de Novembro de 1735, recolhida na Piedade. Cf. ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 27, fl. 182v. Não tendo sido encontrado o registo do seu casamento nos paroquiais de Évora, certo mesmo é que ela e Inácio Gomes batizaram Genoveva em 16 de Agosto de 1746. Cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos de São Mamede, l.o n.o 9.

80 Que corresponde a uma evolução mais escarpada do gráfico n.o 23.

81 Tendo sido assistida até Dezembro de 1740. Cf. ADE. ASCME, Criação, ordenados, despesas diárias, l.o n.o 1139. Veja-se o registo de óbito em: Idem, Paroquiais de Évora, óbitos da Sé, l.o n.o 87.

82 Informação recolhida nas esmolas distribuídas pelo legado do cónego Diogo Vieira Velho. Cf. ADE, ASCME, Livro das esmolas que o Reuerendo Conego Diogo Vieira Velho deixou… cit..

83 Batizados por ordem cronológica em Janeiro de 1715 (cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos de Santo Antão, l.o n.o 23), em 25 de Novembro de 1717. Cf. Idem, ibidem), em 28 de Novembro de 1719. Cf. Idem, ibidem, em 24 de Abril de 1722 Cf. Idem, l.o n.o 24, em 11 de Abril de 1725. Cf. Idem, ibidem, em 28 de Maio de 7127. Cf. Idem, l.o n.o 25 e, em 27 de Novembro de 1729. Cf. Idem, ibidem.

84 Deste legado recebeu unicamente esmolas em trigo, que variaram entre os 6 e os 18 alqueires anuais, num total de 99 alqueires entre 1718 e 1732. Cf. ADE, ASCME, Livro das esmolas que o Reuerendo Conego Diogo Vieira Velho deixou… cit..

85 Em 1728 recebeu da Misericórdia 4 800 réis de esmola e 12 alqueires de trigo. Em 1731 recebeu 2 400 réis da Misericórdia e mais 8 alqueires de trigo do legado. Cf. ADE, ASCME, Despesa: criação ordenados, despesas diárias, l.o n.o 1137. Idem, Livro das esmolas que o Reuerendo Conego Diogo Vieira Velho deixou… cit..

86 ACE, Esmolas dadas pelo cabido… cit.

87 Recorde-se que o corte deste tipo de esmola só foi determinado pela Mesa da Misericórdia em 1740. A este propósito confira-se o referido no ponto 2.3 do capítulo I da parte II.

88 Refira-se que a média de meses entre 1740 e 1749 foi de 33.

89 Cf. ADE, ASCME, Despesa: criação, ordenados, despesas diárias, l.o n.o 1139.

90 Cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos de São Pedro, l.o n.o 4.

91 Cf. Idem, casamentos da Sé, l.o n.o 75. (Casamento realizado em 24 de Maio de 1694).

92 Carta de ofício passada em 5 de Maio de 1716. Cf. IAN/TT, Registo Geral de Mercês de D. João V, l.o n.o 8, fl. 159.

93 Cf. ADE, ASCME, Livro das esmolas que o Reuerendo Conego Diogo Vieira Velho deixou… cit..

94 Cf. Idem, ibidem.

95 ACE, Esmolas dadas pelo cabido… cit..

96 Ainda que com alguns anos interpolados. As esmolas recebidas neste período foram sempre em trigo, em quantidades que variaram entre o 8 e os 15 alqueires de trigo anuais. Cf. ADE, ASCME, Livro das esmolas que o Reuerendo Conego Diogo Vieira Velho deixou… cit..

97 O que confere com os registos de batismo de Clara Antónia, batizada em 12 de Agosto de 1699 (cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos da Sé, l.o n.o 28), Mariana, batizada em 5 de Abril de 1702 (Idem, ibidem, l.o n.o 29), Isabel, baptizada em 30 de Maio de 1708 (cf. Idem, l.o n.o 30), Antónia, batizada em 26 de Outubro de 1710 (cf. Idem, ibidem). Depois nasceriam ainda: Pedro, batizado em 1 de Outubro de 1719 e Joana, batizada em 3 de Junho de 1725. Cf. Idem, l.o n.o 33.

98 ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 27, fl. 93.

99 Confira-se, a este propósito, a escritura de partilhas entre os dois irmãos, onde Luís Barreto de Andrade, irmão mais velho de Nicolau, era dado como morador em Olivença. Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 905, fls. 95-95v. (Escritura datada de 4 de Janeiro de 1701).

100 Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 1051, fl. 101v-103v. (Escritura datada de 1 de Fevereiro de 1717)).

101 A título de exemplo, veja-se o contrato de arrendado da referida herdade de Almeirim por parte de Nicolau Barreto de Andrade a Francisco Pinto. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 908, fls. 111v-114. (Contrato de arrendamento datado de 2 de Julho de 1703).

102 Cf. ADE, ACME, Livro do lançamento das décimas do concelho, l.o n.o 508 a 516.

103 Cf. ADE, ASCME, Despesa: criação, ordenados, despesas diárias, l.o n.o 1138.

104 Uma ideia defendida por Steven King, que não poder ser tomada acriticamente, como referimos antes. Cf. Steven King, Poverty and welfare in England… cit., p. 127.

Table des illustrations

Légende Gráfico n.o 2 – Dimensão do agregado familiar
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Légende Quadro n.o 3 – Medidas estatísticas da dimensão do agregado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Légende Quadro n.o 4 – Medidas estatísticas da do número de filhos
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Légende Gráfico n.o 3 – Número de filhos por agregado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Légende Quadro n.o 5 – Coeficiente 1
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Légende Gráfico n.o 4 – Coeficiente 1
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Légende Quadro n.o 6 – Medidas estatísticas do coeficiente 2
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Légende Gráfico n.o 5 – coeficiente 2
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Quadro n.o 7 – Medidas estatísticas do coeficiente 3
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Légende Gráfico n.o 6 – Medidas estatísticas da dimensão do agregado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Légende Quadro n.o 8 – Medidas estatísticas da dimensão do agregado por género e estado civil
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Légende Gráfico n.o 7 – Quantias recebidas por Maria Toscana (1733/1750)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Gráfico n.o 8 – Meses decorridos entre episódios (Maria Toscana – 1733/1750))
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Légende Gráfico n.o 9 – Quantias recebidas por Catarina de Bastos (1700/1736)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Légende Gráfico n.o 10 – Meses decorridos entre episódios (Catarina de Bastos – (1700/1736))
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Légende Gráfico n.o 11 – Quantias recebidas por Teodora de Oliveira (1726/ 1749)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Légende Gráfico n.o 12 – Meses decorridos entre episódios (Teodora de Oliveira – 1726/1749)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Légende Gráfico n.o 13 – Quantias recebidas por Antónia Tavares (1719/1746)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Gráfico n.o 14 – Meses decorridos entre episódios (Antónia Tavares (1719/1746))
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Gráfico n.o 15 – Quantias recebidas por Leonor de Oliveira das Chagas (1729/1733)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Gráfico n.o 16 – Meses decorridos entre episódios (Leonor de Oliveira da Chagas – (1729/1733))
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Légende Gráfico n.o 17 – Quantias recebidas por Teodósia da Luz (1730/1736)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Légende Gráfico n.o 18 – Meses decorridos entre episódios (Teodósia da Luz – (1730/1736))
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Gráfico n.o 19 – Quantias recebidas por Mariana do Rego Maldonada (1712/ 1725)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Gráfico n.o 20 – Meses decorridos entre episódios (Mariana do Rego Maldonada – (1712/1725))
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Légende Gráfico n.o 21 – Quantias recebidas por Maria de Moncada (1728/1735)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Légende Gráfico n.o 22 – Meses decorridos entre episódios (Maria de Moncada – (1728/1735))
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Gráfico n.o 23 – Quantias recebidas por Cecília Maria de Macedo (1722/1742)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Gráfico n.o 24 – Meses decorridos entre episódios (Cecília Maria de Macedo (1722/1742))
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Légende Gráfico n.o 25 – Quantias recebidas Matias Monteiro da Silveira (1728/1750)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Légende Gráfico n.o 26 – Meses decorridos entre episódios (Matias Monteiro da Silveira – (1722/1742))
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Légende Gráfico n.o 27 – Quantias recebidas por Nicolau Barreto de Andrade (1704/1735)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Légende Gráfico n.o 28 – Meses decorridos entre episódios (Nicolau Barreto de Andrade–(1704/1735))
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4643/img-33.jpg
Fichier image/jpeg, 61k

© Publicações do Cidehus, 2015

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search