Version classiqueVersion mobile

Práticas de Caridade e Assistência em Évora (1650-1750)

 | 
Rute Pardal

Parte I. Património e opções assistenciais: a Misericórdia de Évora nos séculos XVII-XVIII

Capítulo II. As despesas da Misericórdia no contexto local e nacional

Texte intégral

1O método seguido para analisar as despesas da Misericórdia de Évora foi o mesmo que utilizámos para as receitas: em primeiro lugar acompanhamos as tendências seculares, e em segundo lugar definimos a sua composição.

Gráfico n.o 10 – Receitas, despesas e saldos da Misericórdia (1600/1680)

2Sem surpresas, quando se sobrepõem os movimentos das receitas aos das despesas da Misericórdia de Évora (gráficos n.o 10 e n.o 11) verifica-se a existência de um paralelismo quase perfeito entre ativos e passivos. O dispêndio do dinheiro parece ter ocorrido ao sabor das flutuações das receitas, crescendo e diminuindo em consonância com a evolução das conjunturas económicas.

Gráfico n.o 11 – Receitas, despesas e saldos da Misericórdia (1681/1750)

  • 1 A percentagem de variação anual foi calculada utilizando a seguinte fórmula: (∑r/∑d-1), onde r é ig (...)

3No entanto, numa análise de maior detalhe esta correspondência deixa de ser tão linear. No cenário que se capta no gráfico n.o 10 destacam-se dois momentos distintos: o primeiro – balizado grosso modo entre 1600 e 1669 – foi notoriamente caracterizado pelo desequilíbrio orçamental, já que dos 57 anos para os quais dispomos de registos de receitas e despesas, 24 anos (42%) apresentaram um balanço negativo entre ambas. O segundo momento, representado no gráfico n.o 11 – entre 1681 e 1750 –, foi mais equilibrado: nos 74 anos económicos para os quais existem registos, 17 anos (22%) foram negativos, o que pressupõe um decréscimo de 20% do desequilíbrio orçamental das contas da Misericórdia quando comparado com o período de 1600-1669. Em última análise, este foi um movimento que acompanhou a evolução macroeconómica da região alentejana, e portuguesa em geral, onde, como referimos, o século XVII se pautou por uma grande variação e instabilidade dos preços e o seguinte por uma maior estabilidade, com consequências óbvias para os rendimentos, arrancando a economia para um crescimento mais vigoroso, precisamente, a partir de 1670. Esta divisão torna-se ainda mais notória quando analisamos gráfico n.o 12, onde é representada a variação das despesas em relação às receitas1. Com efeito, o período que termina em 1670 foi o que mais se distinguiu em termos de desequilíbrio orçamental de longa duração. E, neste particular, temos que realçar praticamente toda a década de 60 do século XVII, com anos sucessivos de deficits a rondarem os 20-30%.

Gráfico n.o 12 – Variação das despesas em relação às receitas (1600/1750)

  • 2 À exceção de 1624/1625 (-53%); 1631/1632 (-27%) e 1642/1643 (-29%).
  • 3 Cf. adiante o gráfico n.o 13. Apesar de tudo o que foi dito, as únicas receitas que foram registada (...)

4Mais recuadas, as décadas de 20, 30 e 40, apesar de balanços negativos, não se caracterizaram por variações tão pronunciadas e conjunturalmente tão duradouras como as que se verificariam no contexto das guerras da Restauração2. Por oposição, a primeira metade do século XVIII foi muito mais estável, isto apesar do maior desnível de todo o período analisado se encontrar em 1701/1702, quando as despesas ultrapassaram as receitas em praticamente 78%. Ou, ainda, dos anos económicos de 1721/1722 (-19,5%) e de 1731/1732 (-14%), com a maior parte das variações anuais negativas a não ultrapassar os 5%. Refira-se, contudo, que o desequilíbrio no ano de 1701/1702 nele verificado não se deveu ao aumento exponencial das despesas mas à ausência de registo da maior parte das rúbricas que compunham as receitas. Para o ano em questão apenas foram registadas as receitas provenientes da arrecadação dos foros, rendas e laudémios. Ao contrário, todas as rúbricas das despesas foram registadas3.

  • 4 Cf. Idem, ibidem.

5Em sentido contrário, do lado dos saldos positivos, foi também no século XVII que se verificaram os valores mais elevados. Neste caso, destacamos os anos de 1625/1626; 1629/1630 e 1635/1636, respetivamente com 54% 105% e 120% de variação das receitas em relação às despesas. Estes anos constituíram superavits que nunca até aí tinham sido alcançados, nem o seriam depois, envolvidos num contexto inflacionário, tanto de preços como de rendas, no período prévio ao auge da crise da década de trinta do século XVII4. Ainda no terreno positivo, mas já para os finais século XVII e segunda metade do século XVIII, destacaram-se os anos económicos de 1688/1689 (70% de variação) e 1700/1701 (83% de variação) que, como referimos anteriormente, se inseriram no processo de crescimento global da economia alentejana iniciado na década de setenta de Seiscentos.

  • 5 ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 23, fl. 8.
  • 6 Idem, ibidem, fl. 12v.

6Em última análise, uma leitura mais detalhada da gestão das contas da Misericórdia de Évora demonstra uma situação menos equilibrada do que o gráfico n.o 11 transmite. Na verdade, o património ia-se descaminhando, o que levou o rei a ordenar devassas e inquirições, como as já citadas de 1692, ao Juiz do Fisco do distrito da Inquisição de Évora, encarregado de tomar “logo as contas das rendas da dita casa de doze annos a esta parte”5, o que na prática significava a revisão das contas do período de 1680 a 1692. Nas determinações resultantes desta ação, para além de todos os reparos que fazia ao (in)cumprimento das disposições testamentárias e demais legados da Misericórdia, o referido juiz determinava “Que nenhuma meza despenda dinheiro ou fazenda a conta do que ouver de cobrar […] e muito menos fasa maior despeza do que sobre a renda anual da caza ainda que as necesidades e doenças dos pobres sejão tais que não bastem a remediallas a renda anual”6.

  • 7 Sobre o assunto vide Laurinda Abreu, “As Misericórdias portuguesas de Filipe I a D. João V”, Portug (...)
  • 8 ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 26, fls. 12-12v. (Lembrança datada de 8 de Fevereiro de 1720).

7Paradoxalmente, de entre os anos económicos que suscitaram dúvidas à Coroa, apenas o de 1688/1689 representou um balanço negativo, de pouco mais de 20%. Apesar de não dispormos informação para os anos entre 1680 e 1684, não podendo por isso aferir acerca da sua oscilação, dos restantes anos positivos destaca-se o de 1688/1689, onde as receitas superaram as despesas em cerca de 70%. A avaliar pelos números apresentados, é de crer que a direção das recomendações do Juiz do Fisco em relação ao desequilíbrio orçamental fosse mais num sentido proactivo que reativo. Pelo menos, no que se refere aos anos que estava a auditar, uma vez que como já ficou demonstrado, a Misericórdia de Évora atravessou o século XVII em desequilíbrio financeiro. Certo mesmo, fruto da intervenção do Juiz do Fisco, ou em resultado da conjuntura económica, foi o facto de a confraria ter estabilizado as suas contas ao longo da primeira metade do século XVIII. Nesta altura, as preocupações da Coroa parecem mais centradas na questão do cumprimento das disposições testamentárias, ou ainda, como aconteceria em 1720, nas dificuldades de arrecadação das rendas, o que era uma tónica dominante no país7. Neste caso particular, o rei ordenava ao Juiz do Fisco do Distrito da Inquisição de Évora que “as diuidas que achares prosedereis na cobransa de deles via executiua dando as partes apelasão e aggrauo pera a meza do dezembargo do Paço”8.

  • 9 Se Laurinda Abreu refere que dos noventa e cinco anos estudados na Misericórdia de Setúbal rarament (...)
  • 10 Como foi o caso das Misericórdias de Guimarães e de Montemor-o-Velho. Cf. Fernando da Silva Costa, (...)
  • 11 Recorde-se o percurso filipino deste privilégio que estabelecemos em As elites de Évora ao tempo da (...)
  • 12 Cf. Laurinda Abreu, A Santa Casa da Misericórdia de Setúbal… cit., pp. 62-63
  • 13 Cf. Maria das Dores Sousa Pereira, Entre ricos e pobres… cit., p. 183
  • 14 Cf. Maria Dina Jardim, A Santa Casa da Misericórdia do Funchal… cit., pp. 102-103.

8O quadro geral do comportamento económico da Misericórdia de Évora, por um lado, aparentando simetria na evolução das receitas e das despesas, por outro, frequentes desequilíbrios orçamentais, não era exclusivo desta instituição. Demonstram-no os estudos monográficos para outras Misericórdias, apesar de nem sempre nos permitirem estabelecer um padrão de comparação devido à disparidade de métodos utilizados na abordagem às fontes de cariz económico. Não obstante estas limitações, podemos afirmar, ainda que para cronologias diversas e dependendo das especificidades económicas locais, que as administrações das Misericórdias tiveram ao longo da modernidade visíveis dificuldades em equilibrar as suas contas. Desses estudos salientamos os casos das Misericórdias de Setúbal, do Funchal e de Aveiro9 onde o desnível foi mais frequente. Em quase todos os casos, contudo, as análises realizadas não valorizam o facto de as Mesas administrativas compensarem os saldos negativos com as esmolas que, de forma mais ou menos compulsiva, se viam obrigadas a fazer às instituições que geriam10. Pese embora os avanços e recuos em relação à intervenção régia nas Misericórdias11, quando denunciadas, foram alvo de atuação por parte da Coroa. Como vimos, na Misericórdia de Évora, mas também em Misericórdias tão diferentes como a de Setúbal12, Ponte da Barca13 ou Funchal14.

  • 15 Convém referir que, na estrutura original das fontes que serviram para a construção formal dos gráf (...)

9Terminada a análise geral das despesas da Misericórdia de Évora importa agora conhecer um pouco melhor as suas opções financeiras em termos de distribuição de recursos. Tal como foi o caso das receitas, também nas despesas optámos por dividir o período em estudo em dois momentos: o primeiro, compreendido entre 1650 e 1700 e o segundo entre 1701 e 175015. Divisão que se justifica, tal como no caso das receitas, pela melhor observação da evolução dos movimentos financeiros, uma vez que existem diferenças entre os dois períodos.

Gráfico n.o 13 – Despesas da Misericórdia de Évora por Tipologia (1650-1700)

  • 16 A composição das despesas extraordinárias era, por norma, bastante vasta, incluía gastos que como o (...)

10Tal como como verificado no caso das receitas, também aqui a inscrição dos gastos na rúbrica “despesas extraordinárias” tem um significado importante, constituindo a segunda maior “despesa” em ambos os períodos, embora não tão significativo quanto no caso das primeiras16. Aparte este contratempo em termos de análise, uma primeira observação ao gráfico n.o 13 revela, sem sombra de dúvidas, que a fatia reservada às despesas dos mordomos dos meses se sobrepõe a todas as demais, com metade das despesas registadas. Em segundo lugar, embora bem afastada das despesas extraordinárias, encontra-se a rúbrica dos dotes, seguida de muito perto pelos gastos com as capelas. Por último, estão as causas crimes e cíveis e os doentes da cadeia, representando, respetivamente, 3% e 1% da despesa total.

Gráfico n.o 14 – Despesas da Misericórdia de Évora por Tipologia (1701-1750)

  • 17 Correspondiam a duas porcionistas recolhidas no Colégio de São Manços ou das donzelas pobres nobres (...)

11Conforme se pode observar no gráfico n.o 14, a distribuição dos gastos entre 1701 e 1750 altera-se substancialmente em relação ao período anterior. A proporção relativa das despesas dos mordomos iguala a das capelas com 26%. A despesa extraordinária situa-se logo a seguir, mas também com menos 9% que a de 1650/1700. Por seu lado, os enjeitados, que antes representavam um valor residual, passaram a deter 10% dos gastos da Misericórdia, ultrapassando os dotes, que desceram para 5% entre 1701/1750, portanto, um retrocesso de 3% relativamente a 1650/1700. Percurso inverso fariam os gastos com as causas crimes e cíveis, que representaram um crescimento, ainda que ténue, de 3% para 4% do primeiro para o segundo momento analisado. Peso semelhante teriam as despesas efetuadas com os legados não cumpridos – 4% –, logo seguidas das porcionistas17, que contribuíam para 2% dos encargos da Misericórdia entre 1701 e 1750. Por fim, as rúbricas das obras e dos ordenados dos servidores que, como se pode constatar pela análise dos gráficos n.o 13 e n.o 14, tiveram uma evolução positiva – de cerca de 1% – entre os dois momentos estudados.

  • 18 Maria Dina Jardim, A Santa Casa da Misericórdia do Funchal… cit., p. 99.

12Todavia, a distribuição relativa dos valores enferma da influência negativa de alguns fatores que temos vindo a assinalar, como a deficiente, ou total ausência de registo da informação nos livros gerais de receitas e despesas. Tal como em outros lugares18, também na Misericórdia de Évora os mordomos dos meses, das capelas e das cadeias tinham livros próprios onde assentavam as suas despesas, devendo ser copiados esses registos para o livro das receitas e despesas no final do seu mandato. É provável que se verificassem falhas no processo de cópia. Foi certamente esse o caso de rúbricas como as das obras, ordenados dos servidores, doentes da cadeia, capelas, enjeitados, porcionistas e os legados não cumpridos. Se as despesas referentes aos três primeiros ainda foram esparsamente registadas para o período de 1650 a 1700, a nossa opção em não os representar deveu-se ao facto de serem despesas residuais. Já os três últimos começaram a ser registados unicamente depois de 1700, o que explica a reconfiguração dos valores de um período para o outro, que justifica o crescimento das despesas com as capelas, ordenados e obras, entre 1700 e1750. De igual modo, o registo de novas despesas justifica a diminuição do peso relativo das despesas dos mordomos dos meses e dos gastos extraordinários neste último período.

  • 19 Sobre os avanços e recuos da Misericórdia de Évora em relação à responsabilidade com a criação dos (...)
  • 20 Desde que começaram a ser registados com mais regularidade, no ano económico de 1731/1732.

13Todo este movimento é explicitado de forma clara nos gráficos n.o 15 e n.o 16, permitindo o acompanhamento da evolução do movimento secular das despesas absolutas. E o resultado confirma os traços gerais das opções dos gastos da Misericórdia de Évora que tínhamos representados em termos proporcionais, isto apesar das ausências de registo atrás referidas e aqui notórias. Não obstante, quer em termos relativos, quer em absolutos, os valores das despesas extraordinárias dos mordomos dos meses sobressaem de todas as outras, pese embora a irregularidade na sua evolução. Comparativamente, quase todas as restantes categorias se pautaram por uma maior regularidade. Neste ponto destacamos as capelas, que depois da fixação do registo verificada a partir da década de noventa de 1600, assumiram um dos comportamentos mais estáveis até ao final do período analisado. Desta regularidade escapam, como podemos observar, as despesas com os enjeitados, que ficando definitivamente a cargo da Misericórdia de Évora em 1618, só lhes foi atribuída categoria independente nos livros de despesas a partir do ano económico de 1735/173619. Em situação semelhante se encontram as despesas com os legados não cumpridos, com variações inter-anuais muito pronunciadas20, deixando adivinhar atrasos e dificuldade em cobrá-los.

Gráfico n.o 15 – Evolução das Despesas na Misericórdia de Évora (1650/1680)

Gráfico n.o 16 – Evolução das Despesas na Misericórdia de Évora (1681/1750)

  • 21 Cf. o trabalho de Laurinda Abreu, “The Évora Foundlings… cit.”, p. 51.

14Da análise dos dois gráficos anteriores torna-se evidente a diminuição dos gastos dos mordomos dos meses, que identificámos atrás, com a assistência domiciliária, o que se verifica sobretudo passada a crise económica da primeira década do século XVIII. Decréscimo que não se poderá reportar à inflação de nenhuma outra categoria de despesa, uma vez que as fontes emudecem a esse respeito, não podendo, pois, ser estabelecida uma relação direta entre o aumento de umas e a retração de outras. Contudo, não deixa de ser sintomático o aumento do número de crianças abandonadas a partir da segunda década de 170021, fazendo disparar os gastos da Misericórdia com a sua criação, uma vez que as rendas do Hospital de São Lázaro que lhes estavam alocadas deixaram de ser suficientes. É provável, pois, que a Misericórdia tivesse alocado verbas de outras rúbricas, nomeadamente da assistência domiciliária, por exemplo, para a criação dos expostos.

15Como temos vindo a refletir, nem a realidade eborense nem as opções financeiras e assistenciais da sua Misericórdia estiveram isoladas do contexto regional e nacional. Contudo, quando se pretendem estabelecer comparações e avaliar padrões de atuação nas práticas assistenciais, as dificuldades avultam. Em primeiro lugar, porque estamos perante especificidades económicas, sociais e institucionais; em segundo lugar, porque os trabalhos sobre as Misericórdias e a sua atividade assistencial não têm seguido um modelo de análise uniforme, o que em parte decorre da documentação produzida por cada instituição.

  • 22 Cf. Rute Pardal, “A Assistência praticada pela Misericórdia de Montemor-o-Novo na segunda metade do (...)
  • 23 Se bem que neste caso os gastos com os doentes da vila, parte da assistência domiciliária portanto, (...)
  • 24 Cf. Maria Dina Jardim, A Santa Casa da Misericórdia do Funchal… cit., p. 94.

16O exemplo mais evidente desta dificuldade reside no termo de comparação entre categorias e subcategorias de despesas. A maioria dos estudos refere apenas, em abstrato, a categoria “assistência”, sem que se saiba a que áreas correspondem. Ainda assim, é possível desenhar, em traços gerais, as opções financeiras de várias Misericórdias. E neste caso podemos afirmar que o padrão assistencial que mais se assemelhou à realidade da Misericórdia de Évora foi o da de Montemor-o-Novo. Ali, para o período entre 1650 e 1700, tal como em Évora, as áreas que mais peso tiveram nas despesas da confraria foram o culto e a assistência domiciliária, cabendo-lhes, respetivamente, 29% e 26% da despesa total22. Uma situação diferente seria a verificada em localidades próximas, como em Vila Viçosa, onde as despesas hospitalares consumiram a maior parte dos recursos disponíveis da Misericórdia entre os finais do século XVII e o início do XVIII. Em Misericórdias mais distantes verificar-se-ia este mesmo padrão de gastos. Assim aconteceu na Misericórdia de Setúbal, onde mais de 75% das despesas foram direcionadas para o hospital23. Ou ainda no Funchal, cuja Misericórdia despendia 27% das suas receitas no Hospital de Santa Isabel24. O facto de em Évora as despesas do hospital não terem entrado na contabilidade geral da Misericórdia, que mantinha a sua gestão separada, baralha os termos de comparação, como ficou patente nas representações gráficas n.o 15 e n.o 16. Por isso mesmo quisemos saber que lugar ocuparia o hospital nas despesas totais, pelo que procedemos a um exercício, teórico e artificial, de agregação das despesas. O resultado está expresso no gráfico seguinte.

Gráfico n.o 17 – Despesas da Misericórdia de Évora e do Hospital (1650-1750)

  • 25 Se bem que neste caso, as despesas com salários diminuíram em todo o século XVIII, enquanto simulta (...)
  • 26 Cf. Maria das Dores de Sousa Pereira, Entre ricos e pobres cit., p. 169.
  • 27 Cf. Manuel de Oliveira Barreira, A Santa Casa da Misericórdia de Aveiro… cit., pp. 119-122.
  • 28 Cf. Mário José Costa da Silva, A Santa Casa da Misericórdia de Montemor-o-Velho… cit., p. 189.
  • 29 Não esquecendo o caso da Misericórdia de Guimarães, que alocava 40% das suas receitas à assistência (...)

17Apesar do reajuste dos diferentes itens de despesa em termos proporcionais, o resultado não é diametralmente oposto ao verificado sem os gastos do hospital. Ou seja, a assistência domiciliária (meses) e as capelas continuam a ocupar lugar destacado nas despesas, representando ambas 21% das despesas totais. Agora com um dado novo, os gastos hospitalares, praticamente tiveram um peso equivalente (19%) ao verificado nestas duas últimas. Diferentes terão sido os padrões dos gastos em Ponte de Lima25 e Ponte da Barca26, onde as despesas com os salários se sobrepunham notoriamente a todas as outras. Ou ainda em Aveiro27 e Montemor-o-Velho28, onde os gastos com as capelas e culto secundarizaram os que se efetuavam com a assistência propriamente dita29. Outros modelos e opções assistenciais existiriam, certamente moldados, reiteramos, pelas especificidades económicas sociais e até institucionais locais, mas para os analisarmos são necessários estudos que revelem os números e as pessoas.

18Em suma, pese embora a existência de reajustes entre o século XVII e XVIII, ficou claro que em Évora os gastos efetuados pelos mordomos dos meses tiveram o peso mais elevado na contabilidade geral da Misericórdia. Sabemos também que entre as suas funções estava a distribuição da assistência domiciliária. É nela que entraremos de seguida. Para tornar o trabalho mais consistente do ponto de vista da análise dos resultados abordaremos igualmente a assistência institucionalizada, estabelecendo comparações entre ambas, procurando pontos de contacto e de afastamento.

Notes

1 A percentagem de variação anual foi calculada utilizando a seguinte fórmula: (∑r/∑d-1), onde r é igual às receitas, e d é igual às despesas.

2 À exceção de 1624/1625 (-53%); 1631/1632 (-27%) e 1642/1643 (-29%).

3 Cf. adiante o gráfico n.o 13. Apesar de tudo o que foi dito, as únicas receitas que foram registadas, recorde-se: foros rendas e laudémios –, sofreram uma diminuição drástica nesse ano de 1701/1702, por comparação com o ano anterior. Isto, num ambiente de preços cerealíferos relativamente baixos, acompanhados simetricamente pela diminuição das rendas efetivas das herdades da Misericórdia. Confira-se de novo os gráficos n.o 6 e n.o 7.

4 Cf. Idem, ibidem.

5 ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 23, fl. 8.

6 Idem, ibidem, fl. 12v.

7 Sobre o assunto vide Laurinda Abreu, “As Misericórdias portuguesas de Filipe I a D. João V”, Portugaliae Monumenta Misericordiarum. Fazer a história das Misericórdias, Lisboa, Centro de Estudos de História Religiosa – União das Misericórdias Portuguesas, Lisboa, 2002, pp. 47-77.

8 ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 26, fls. 12-12v. (Lembrança datada de 8 de Fevereiro de 1720).

9 Se Laurinda Abreu refere que dos noventa e cinco anos estudados na Misericórdia de Setúbal raramente os saldos foram positivos, Maria Dina Jardim indica que o desequilíbrio das contas foi frequente e significativo. Em Aveiro os saldos negativos muito elevados eram “demasiado frequentes”. Nestes casos, como aliás em praticamente todas as Misericórdias, a situação mais crítica parece ter sido vivida durante o século XVIII. Cf. Laurinda Abreu, A Santa Casa da Misericórdia de Setúbal... cit., p. 66. Maria Dina Jardim, A Santa Casa da Misericórdia do Funchal… cit., pp. 98-99. Manuel de Oliveira Barreira, A Santa Casa da Misericórdia de Aveiro… cit., p. 118.

10 Como foi o caso das Misericórdias de Guimarães e de Montemor-o-Velho. Cf. Fernando da Silva Costa, A Santa Casa da Misericórdia de Guimarães… cit., p. 150-152. Mário José Costa da Silva, A Santa Casa da Misericórdia de Montemor-o-Velho… cit., p. 75).

11 Recorde-se o percurso filipino deste privilégio que estabelecemos em As elites de Évora ao tempo da dominação filipina: estratégias de controlo do poder local (1580-1640), Lisboa, Colibri/CIDEHUS-UÉ, 2007, pp. 66-67.

12 Cf. Laurinda Abreu, A Santa Casa da Misericórdia de Setúbal… cit., pp. 62-63

13 Cf. Maria das Dores Sousa Pereira, Entre ricos e pobres… cit., p. 183

14 Cf. Maria Dina Jardim, A Santa Casa da Misericórdia do Funchal… cit., pp. 102-103.

15 Convém referir que, na estrutura original das fontes que serviram para a construção formal dos gráficos n.o 13 e n.o 14, constavam categorias que, pela sua pouca expressividade em relação às demais não foram representadas graficamente. Mais especificamente, no gráfico n.o 13: ordenados, obras, administração da casa, hospital e dívidas, e no gráfico n.o 14 doentes da cadeia, hospital, dívidas e morgados.

16 A composição das despesas extraordinárias era, por norma, bastante vasta, incluía gastos que como ordenados, obras nas herdades e na Casa, dívidas aos boticários e, ainda que residualmente, ao suprimento de algumas carências do hospital. Veja-se, a título de exemplo, ADE, ASCME, Receita e despesa, 1703/1704, l.o n.o 1340.

17 Correspondiam a duas porcionistas recolhidas no Colégio de São Manços ou das donzelas pobres nobres. No período em estudo a Misericórdia de Évora pagou sempre duas porções a duas donzelas deste colégio ou Recolhimento, com um valor de 25 000 réis anuais cada uma. Sobre este Recolhimento veja-se Marco Liberato, “Trento, a Mulher e Controlo Social: o Recolhimento de S. Manços”, Igreja Caridade e Assistência na Península Ibérica (sécs. XVI-XVIII), Laurinda Abreu (ed.), Lisboa, Colibri/CIDEHUS-UÉ, 2004, pp. 274-289.

18 Maria Dina Jardim, A Santa Casa da Misericórdia do Funchal… cit., p. 99.

19 Sobre os avanços e recuos da Misericórdia de Évora em relação à responsabilidade com a criação dos enjeitados veja-se Laurinda Abreu, “The Évora foundlings between the 16th and the 19th century: the portuguese public welfare system in analysis”, European Association for the History of medicine and health – 5th Conference, Health and Child Care and Culture in History, Geneva Medical School, September 13th – 16th, 2001, p. 50.

20 Desde que começaram a ser registados com mais regularidade, no ano económico de 1731/1732.

21 Cf. o trabalho de Laurinda Abreu, “The Évora Foundlings… cit.”, p. 51.

22 Cf. Rute Pardal, “A Assistência praticada pela Misericórdia de Montemor-o-Novo na segunda metade do século XVII através da análise dos seus movimentos económicos”, A Misericórdia de Montemor-o-Novo: História e Património, Montemor-o-Novo, Santa Casa da Misericórdia de Montemor-o-Novo, Tribuna, 2008, pp. 79-98.

23 Se bem que neste caso os gastos com os doentes da vila, parte da assistência domiciliária portanto, fossem englobados nas despesas do hospital. Cf. Laurinda Abreu, A Santa Casa da Misericórdia de Setúbal… cit., pp. 55, 69-71.

24 Cf. Maria Dina Jardim, A Santa Casa da Misericórdia do Funchal… cit., p. 94.

25 Se bem que neste caso, as despesas com salários diminuíram em todo o século XVIII, enquanto simultaneamente, a assistência hospitalar cresceu exponencialmente. Cf. Maria Marta Lobo de Araújo, Dar aos pobres e emprestar a Deus… cit., pp. 512-513.

26 Cf. Maria das Dores de Sousa Pereira, Entre ricos e pobres cit., p. 169.

27 Cf. Manuel de Oliveira Barreira, A Santa Casa da Misericórdia de Aveiro… cit., pp. 119-122.

28 Cf. Mário José Costa da Silva, A Santa Casa da Misericórdia de Montemor-o-Velho… cit., p. 189.

29 Não esquecendo o caso da Misericórdia de Guimarães, que alocava 40% das suas receitas à assistência aos doentes, pobres e presos. Uma vez que esta categoria agrega várias tipologias de despesas, não é possível individualizar o peso de cada uma nas contas finais. Cf. Américo da Silva da Costa, A Santa Casa da Misericórdia de Guimarães… cit., p. 149.

Table des illustrations

Légende Gráfico n.o 10 – Receitas, despesas e saldos da Misericórdia (1600/1680)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4604/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Légende Gráfico n.o 11 – Receitas, despesas e saldos da Misericórdia (1681/1750)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4604/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
Légende Gráfico n.o 12 – Variação das despesas em relação às receitas (1600/1750)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4604/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 128k
Légende Gráfico n.o 13 – Despesas da Misericórdia de Évora por Tipologia (1650-1700)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4604/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Légende Gráfico n.o 14 – Despesas da Misericórdia de Évora por Tipologia (1701-1750)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4604/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Légende Gráfico n.o 15 – Evolução das Despesas na Misericórdia de Évora (1650/1680)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4604/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 176k
Légende Gráfico n.o 16 – Evolução das Despesas na Misericórdia de Évora (1681/1750)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4604/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 176k
Légende Gráfico n.o 17 – Despesas da Misericórdia de Évora e do Hospital (1650-1750)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4604/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 86k

© Publicações do Cidehus, 2015

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search