Version classiqueVersion mobile

Práticas de Caridade e Assistência em Évora (1650-1750)

 | 
Rute Pardal

Introdução

Texte intégral

1. Enquadramento teórico

  • 1 Projetos coordenados pela Professora Doutora Laurinda Abreu: Decisão política, necessidades colecti (...)

1O percurso deste livro, que tem como base a dissertação de doutoramento apresentada à Universidade de Évora em Setembro de 2013, iniciou-se há mais de uma década quando, no seminário de História Moderna do curso de Mestrado em Estudos Históricos Europeus, tomámos contacto com as questões da caridade e da assistência enquanto campo de trabalho historiográfico. No contexto da dissertação de mestrado, ao estudarmos as elites locais de Évora durante o período Filipino, fizemos uma primeira abordagem à vertente assistencial da Misericórdia e tivemos oportunidade de verificar as enormes potencialidades do seu espólio documental. A posterior participação em projetos de investigação financiados pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia possibilitaram-nos aprofundar o conhecimento sobre outras instituições e mecanismos de assistência existentes em Évora no período moderno, nomeadamente os ligados à Igreja e à caridade privada, ultrapassando o âmbito da assistência institucional1.

  • 2 Cf. Charles H. Parker, The reformation of community. Social welfare and Calvinist charity in Hollan (...)
  • 3 Cf. Natalie Zemon Davis, “Poor relief, humanism and heresy: the case of Lyon”, Studies in Medieval (...)
  • 4 Cf. Brian Pullan, Rich and poor in Renaissance Venice: the social institutions of a catholic state,(...)
  • 5 Recorde-se que em Portugal a assistência foi também uma competência das elites locais não através d (...)
  • 6 Cf. Natalie Zemon Davis, “Poor relief, humanism and heresy: the case of Lyon”, Studies in Medieval (...)
  • 7 Brian Pullan, Rich and poor in Renaissance Venice… cit.
  • 8 Cf. Charles H. Parker, The reformation of community… cit., p. 11.
  • 9 Idem, ibidem, pp. 11-15.
  • 10 Uma posição reafirmada na sua magistral obra, The Mediterranean and the Mediterranean World in the (...)
  • 11 Cf. Catharina Lis, Hugo Soly, Pobreza y capitalismo en la Europa preindustrial (1350-1850), Madrid, (...)
  • 12 Cf. Bronislaw Geremek, A Piedade e a Forca – História da Miséria e da Caridade na Europa, Lisboa, T (...)
  • 13 Cf. Robert Castel, Les métamorphoses de la question sociale. Une chronique du salariat, Paris, Faya (...)
  • 14 Ainda que o seu uso seja discutível na cronologia do Antigo Regime. Cf. Idem, ibidem, p. 156.
  • 15 Todavia, como adverte Parker, a associação entre a disseminação das reformas no campo da assistênci (...)

2As aprendizagens realizadas neste contexto permitiram-nos desenhar um projeto de doutoramento que à partida sabíamos dispor de uma base documental segura e de grande fiabilidade. A participação em encontros científicos, nacionais e internacionais, foi fundamental para o alargamento das perspetivas de análise, abordagens e diálogos interdisciplinares. A partir deles foi-nos possível estabelecer as grandes tendências historiográficas internacionais no domínio das práticas de caridade e assistência, de forma a melhor enquadrar o nosso trabalho e entender a situação de Évora. Pelo seu carácter algo pedagógico, no início do caminho foi-nos de extrema importância o trabalho de Charles Parker2, desenvolvido a partir dos estudos de Natalie Zemon Davis3 e de Brian Pullan4: por ele tivemos contacto com uma visão da situação europeia no contexto da Reforma que recusava, como tantos outros historiadores – haveríamos de constatar posteriormente –, uma cisão em termos de práticas assistenciais de base confessional. Em alternativa, defendia um cenário comum, onde imperavam as raízes medievais e humanistas dos movimentos reformistas do século XVI, pressionados por um crescimento populacional sem precedentes e pelo aumento generalizado da pobreza em resultado das alterações de índole socioeconómica. Com Charles Parker acompanhámos, desde a década de 1520, as cidades europeias, católicas e protestantes, a ensaiarem planos de controlo da mendicidade, laicizando as estruturas de assistência sob a tutela das instituições locais, municipais ou não5, procurando reestruturar instituições, como os hospitais, que já não respondiam às novas necessidades e desafios sociais. Com Parker chegámos a Zemon Davis e ao seu trabalho sobre a Aumône Générale de Lyon observando como num cenário de crise urbana e pressão sobre as autoridades para reformarem os mecanismos assistenciais, protestantes e católicos haviam partilhado idênticas preocupações sociais, que conduziram ao estabelecimento de uma rede assistencial centralizada no município, que se haveria de tornar modelo para outros espaços europeus6. Brian Pullan seguia na mesma linha para Veneza7, e ambos os autores, impuseram, para recuperar Parker8, uma nova agenda de investigação sobre os sistemas de bem-estar europeus, que rapidamente se alargou a outras cronologias. No seguimento destes trabalhos, arrancavam os estudos na década de 1970 que, pese embora a diversidade temática e de alcance temporal, podiam ser organizados em três famílias ou tendências historiográficas: uma delas, que situou a análise num nível macro-histórico (ou de instrumentalidade económica); outra, centrada nos mecanismos de controlo e disciplina social, enquadrados pela produção legislativa; e uma terceira focada na identificação de sinergias entre a caridade privada e a assistência pública9. No primeiro grupo, Parker sublinhava o contributo de Fernand Braudel, que perspetivara as medidas reformadoras do século XVI como resultado da desestruturação do feudalismo e da emergência do capitalismo comercial10. Para Braudel interessavam as grandes estruturas, os movimentos e os temas fraturantes, à maneira da história social dos fenómenos totais de forte inspiração na Escola dos Annales. Como Parker fez questão de enfatizar, e pudemos confirmar, esta tendência interpretativa encontrou em Catharina Lis e Hugo Soly os seus seguidores mais fiéis11. Partindo da base estruturalista de Braudel, e de um renovado Marxismo, Lis e Soly viam na regulamentação da assistência aos pobres um instrumento de regulação do mercado de trabalho, num mundo onde o capitalismo procurava controlar os meios de produção e assegurar mão-de-obra barata. Nesta mesma linha interpretativa se haveriam de situar, um pouco mais tarde, e já alargando o âmbito da análise, as abordagens de Bronislaw Geremek12 e de Robert Castel13. Ainda que com filiações académicas e percursos profissionais diferentes, estes dois autores punham a ênfase na proletarização e pauperização de boa parte da população camponesa decorrente do desmoronamento do sistema económico e social do feudalismo e consequente êxodo rural. Castel chegava mesmo a propor o surgimento de uma nova categoria analítica: a de mendigo proletário14. Independentemente das suas orientações ideológicas, estes investigadores trouxeram à discussão a importância das dinâmicas económicas, no desenho das políticas sociais, de saúde e de bem-estar15.

  • 16 Cf. Michel Foucault, Vigiar e Punir: nascimento da Prisão, (29.ª edição), Petrópolis, Editora Vozes (...)
  • 17 Essencialmente, Robert Jutte, Poverty and Deviance in Early Modern Europe, 2nd ed., Cambridge, Camb (...)
  • 18 Cf. Pieter Spierenburg, “Social control and history: an introduction”, Social Control in Europe, vo (...)

3A segunda tendência historiográfica enunciada está ligada ao estudo dos mecanismos legislativos tendentes ao controlo e disciplinamento social que condicionaram as políticas assistenciais. No processo de construção do Estado Moderno requeria-se uma sociedade bem organizada, o que supunha, pelo menos teoricamente, o controlo das práticas religiosas (independentemente da confissão em causa), da vida familiar e dos comportamentos sexuais. Michel Foucault foi o expoente máximo deste tipo de abordagem, que conceptualizou em políticas que designou como le grand renfermement. Para Foucault, as soluções institucionais de disciplinamento social criadas entre os séculos XVI e XIX tiveram como objetivo expurgar da sociedade os comportamentos desviantes, usando para tal a pedagogia e a punição16. Na sua esteira, sem que necessariamente tivessem plena concordância com as suas interpretações, outros autores têm dado relevo à oposição entre os pobres “recompensados” com a assistência e aqueles que protagonizaram comportamentos socialmente criticáveis e institucionalmente punidos, como eram a mendicidade e a vagabundagem17. Sobre esta visão, Pieter Spierenburg relativizaria, recentemente, a origem institucional do controlo social, enfatizando a sua coexistência com outras práticas coercivas informais existentes em diversos níveis da sociedade18.

  • 19 Cf. Wilbur K. Jordan, Philanthropy in England (1480-1660), London, Allen and Unwin, 1959.
  • 20 Entendidas sobretudo como práticas de caridade religiosa. Cf. Kathryn Norberg, Rich and poor in Gre (...)

4Uma última grande tendência historiográfica sugere o desenvolvimento de uma nova análise que refuta a oposição entre assistência pública e privada, tão veemente defendida por W. Jordan nas décadas de sessenta e setenta do século XX19. Em alternativa, Katryn Norberg, Maureen Flynn, Dorothy Brown e Elizabeth Mackeon, reclamam a importância das dinâmicas comunitárias no domínio da assistência ao longo do período moderno20.

  • 21 Desenvolvida, como é do conhecimento geral, por Carlo Guinzburg, O queijo e os vermes: o quotidiano (...)
  • 22 Sobe a questão do renascimento da demografia histórica e da importância de Laslett e Fleury neste p (...)
  • 23 Cf. Tim Wales, “Poverty, poor relief and the life-cycle: some evidence from seventeenth-century Nor (...)
  • 24 Cf. Paul Slack, Poverty and Policy in Tudor and Stuart England, London-New York, Longman, 1988.
  • 25 Cf. Steven King, Poverty and welfare in England (1700-1850): a regional perspective, Manchester, Ma (...)
  • 26 Cf. Steve Hindle, On the parish? The Micro-Politics of Poor Relief in Rural England (1550-1750), Ox (...)
  • 27 Cf. Alannah Tomkins & Steven King, “Introduction”, The poor in England (1700-1850): an economy of m (...)
  • 28 Cf. Katherine Lynch, Individuals, Families, and Communities in Europe, 1200-1800. The urban foundat (...)
  • 29 Sem pretensões de esgotar a bibliografia que a partir da década de 1990 foi surgindo em torno das M (...)
  • 30 Cf. Maria Antónia Lopes, “Pobreza, assistencia y política social em Portugal en los siglos XIX e XX (...)
  • 31 O contributo que, a este nível, foi dado pelos Portugaliae Monumenta Misericordiarum é, a vários ní (...)

5No processo de construção do enquadramento teórico do nosso trabalho haveríamos de verificar que estas novas abordagens beneficiaram, apesar das críticas que se lhe possa apontar, da inspiração metodológica e conceptual proveniente da micro-história21 e dos estudos da demografia histórica, muito particularmente dos realizados por Henry Fleury e Peter Laslett, que permitiram reconstruir famílias e agregados familiares22. Quando o desenvolvimento da informática permitiu o cruzamento das fontes de carácter assistencial com as demográficas iniciou-se uma nova etapa no estudo da assistência aos pobres, muito assente nos percursos de vida mas também nas estratégias de sobrevivência, quer individuais, quer familiares. Enfim, “recuperaram-se” os pobres como sujeitos da sua própria história, na interação com as instituições de caridade e assistência mas também com a sua comunidade. Da renovação historiográfica a que desde então se assistiu, sobretudo anglo-saxónica, devem obrigatoriamente referir-se autores como Tim Wales23, Paul Slack24, Steven King25, Steve Hindle26, Alannah Tomkins27 e Catherine Lynch28. O que nem sempre fica claro nas suas obras, independentemente da corrente que perfilham, ainda que na maioria dos casos a abordagem seja de índole institucional, é o suporte documental em que baseiam as suas teorias. Em Portugal, por todas as razões conhecidas, as Misericórdias dominaram a historiografia sobre a assistência29. Se em 1997 Maria Antónia Lopes referia que o país não dispunha de uma história da pobreza claramente definida30, atualmente já se pode falar pelo menos na existência de uma nova história das Misericórdias31.

  • 32 Inspirados nas ideias de desigualdade e hierarquização social postuladas por Marcel Mauss. Cf. Marc (...)
  • 33 Um conceito bem definido por Giovanni Ricci e que acabou por se tornar dominante na historiografia (...)
  • 34 Como sempre aconteceu na sociedade eborense dos séculos XVII e XVIII. Aqui, os assistidos nunca for (...)

6Foi a partir das discussões desenvolvidas pela historiografia portuguesa, enquadradas no vasto campo europeu, que definimos o problema central deste trabalho, depois operacionalizado em questões específicas que conduziram toda a investigação: analisar as práticas de caridade e assistência em Évora, no período moderno, procurando, tanto quanto possível, reconstituir o universo dos distribuidores de recursos assistenciais e o dos seus beneficiários. E que universo era este e quais eram os seus protagonistas? Seria possível distinguir comportamentos conforme os atores? E avaliar resultados em termos de economia familiar? Enquadravam-se as práticas de caridade e assistência verificadas em Évora nos estereótipos de pobreza, baseados em relações dissimétricas e verticais entre doadores e recetores32? E que práticas, afinal? Que lugar às tradicionais definições de pobreza envergonhada, assentes em atos sigilosos e no anonimato, quase sempre circunscritos a grupos sociais privilegiados33? Seriam envergonhados os pobres identificados nas listas de esmolas, uma das nossas principais fontes documentais?34 E os outros, que permaneciam sem rosto, diluídos sob o peso avassalador das instituições e das elites que as administravam?

  • 35 Desenvolvida por Edward Thompson em The making of the English working class, New York, Pantheon Boo (...)

7Ora é precisamente a partir da perspetiva dos pobres que este estudo se organizará. O objetivo maior, provavelmente utópico, é o de os resgatar da condição de agentes passivos do sistema. Não quer isto dizer que perfilhemos uma análise reducionista, do tipo da history from below35, já que igualmente daremos atenção às instituições, às elites que as governavam e às suas opções assistenciais. Sem nunca esquecer o propósito inicial: dar rosto a alguns membros da comunidade que, em algum momento da sua vida, pelas mais variadas razões, recorreram à assistência, em Évora, no período moderno.

  • 36 Essa também é a opinião de Katherine Lynch em Individuals, Families, and Communities in Europe, 120 (...)

8Apesar de, em termos gerais, este estudo se situar entre os séculos XVII e XVIII, a análise centrou-se entre 1650 e 1663 e entre 1700 e 1750. A opção por este período assenta no propósito de estudar permanências, ao invés das ruturas, usualmente preferidas pelos historiadores36. Dos dois períodos, a primeira metade do século XVIII era a que mais se adequava aos efeitos pretendidos, por ser um período em que o sistema assistencial de Évora se encontrava estabilizado, depois das mudanças ocorridas no século XVI. Nesse sentido, a observação dos referidos anos de Seiscentos serviram a necessidade de testar as continuidades, analisando momentos de fricção social e política e de conjunturas económicas adversas

2. Fontes e Métodos

  • 37 Cf. Arquivo Distrital de Évora (doravante ADE), Arquivo da Santa Casa da Misericórdia de Évora (dor (...)
  • 38 Um assunto a que voltaremos para o aprofundar um pouco no ponto 1 do capítulo I da parte III deste (...)
  • 39 Como se verá adiante, à exceção, das esmolas das quadrelas às quartas-feiras e das esmolas da porta (...)
  • 40 Deste modo foram criadas as tipologias de assistência que funcionaram, por assim dizer, como catego (...)

9A principal base documental deste trabalho foi constituída a partir três núcleos fundamentais para a assistência prestada em Évora no tempo do nosso estudo: os livros de despesas dos “Mordomos dos meses” da Misericórdia de Évora, centrados na assistência domiciliária; o livro das esmolas do Legado do Cónego Diogo Vieira Velho e a documentação relativa às esmolas distribuídas pelo Cabido da Sé de Évora. Dos três, a série maior e mais complexa foi a da assistência domiciliária. De acordo com as premissas antes identificadas, fizemos o levantamento de dados relativos aos anos de 1635, 1650/1663 e 1700/175037, como mencionado. Para operacionalizar as informações recolhidas construímos uma base de dados em Access, suficientemente aberta para comportar uma imensa variedade das despesas realizadas diariamente pela instituição. A fonte apresentava-se de uma enorme complexidade porque os mordomos registavam todos os dispêndios efetuados, muitas deles sem ligação à assistência, como as designadas “miudezas”, que incluíam gastos tão díspares como os relacionados com aquisição de mobiliário, vinho, hóstias, papel, paramentos, pagamento de salários dos moços da sacristia e de pequenas obras e consertos, entre tantos outros. Começámos por recolher integramente a informação constante em 27 livros38, de que resultou uma base de dados com 149 390 registos: um volume de informação que imediatamente se revelou difícil de manusear, com muitos dilemas, mas também com muitas potencialidades. Sendo que, ao contrário das despesas ditas comuns, os dados da assistência eram nominais, o primeiro passo foi o da separação de ambos39. Desta primeira seleção extraímos um conjunto de 120 258 registos, ainda assim com bastantes problemas. O maior era, sem dúvida, a existência de homónimos, que se não fossem eliminados prejudicariam irremediavelmente os resultados e, consequentemente, a análise. Procedemos então à uniformização de todos os nomes de modo a identificar, de forma inequívoca, cada indivíduo nos seus diferentes registos. Numa segunda fase, ainda preparatória, reduziram-se os dados a tipologias suficientemente abrangentes de maneira a facilitar o tratamento estatístico, mas de modo a não desvirtuar a sua identidade e funcionalidade originais40.

  • 41 Cf. ADE, ASCME, Livro das Esmolas que o Reuerendo Conego Diogo Vieira Velho deixou aos nobres pobre (...)
  • 42 Conforme se pode confirmar no ponto no ponto 1 do capítulo II da parte III, onde se desenvolvem as (...)

10Ainda que incluída na Misericórdia de Évora, por ser sua universal herdeira, a série das esmolas do legado do cónego Diogo Vieira Velho obedecia a lógicas próprias e por isso teve de ser individualizada41. Com um âmbito cronológico alargado – referenciado nos catálogos como tendo início em 1676 e fim em 1766, mas, na verdade, finalizando em 1755 –, não se trata de uma série contínua, já que apresenta lacunas entre 1697 e 1710, período durante o qual o legado foi administrado pelo Convento da Cartuxa de Évora, a segunda opção testamentária do cónego, caso a Misericórdia não respeitasse as suas disposições, o que veio a acontecer no período indicado42. Estando organizada de forma simples, foi relativamente fácil trabalhar esta fonte, quer ao nível da recolha da informação, quer do desenho da base de dados. O que aliado à sua pequena dimensão facilitou a construção de uma base de dados relacional estruturada na relação de um-para-muitos, ou seja, a um indivíduo corresponderiam muitas esmolas. Desta forma foi possível evitar os registos duplicados para uma mesma pessoa. Ressalve-se ainda a riqueza informativa sobre os recetores das esmolas. Para além da indicação do nome, morada, dos pais ou cônjuges, incluíam também, com alguma regularidade, informações socioprofissionais, o que se revestiu de especial importância dada a ausência deste tipo de dados na maioria dos restantes acervos documentais. A fonte em questão permitiu-nos construir uma base de dados com 3 845 registos e 1 065 pessoas.

  • 43 Cf. Arquivo do Cabido da Sé de Évora (doravante ACE), Esmolas dadas pelo Cabido (séculos XVII e XIX (...)

11Pouco maior, mas ainda mais rica ao nível da informação disponível, porque acrescenta os motivos que levaram os pobres à procura de assistência, permitindo, assim, perceber as razões das escolhas dos distribuidores dos recursos, foi a base de dados resultante das esmolas concedidas pelo Cabido da Sé de Évora. O corte cronológico que foi possível trabalhar – de 1716 a 1724 e 1731 – deu lugar a uma base de dados Excel com 829 registos nominais relativos a 782 pessoas43.

  • 44 Cf. Estatística Descritiva, Lisboa, McGraw-Hill, 1983. Bento Murteira, Análise exploratória de dado (...)
  • 45 Por uma questão de uniformização, os histogramas, caixas de bigodes e curvas de pareto foram denomi (...)

12Cada um destes três núcleos documentais mencionados (assistência domiciliária da Misericórdia, legado do cónego Diogo Vieira Velho e esmolas do Cabido) foi objeto de tratamento estatístico particularizado. Como se tratava da totalidade da população assistida e não de amostras da mesma, o tipo de análise utilizada foi o da estatística descritiva44. Neste âmbito, procurou-se, ao nível da representação gráfica e síntese, definir as medidas de localização, dispersão, assimetria, achatamento e concentração, recorrendo-se principalmente a histogramas, caixas de bigodes e curvas de pareto45.

  • 46 Cf. ADE, Fundo da Casa Pia de Évora, Livro em que se asentão os moradores desta caza do hospital de (...)
  • 47 Cf. ADE, ASCME, Receita e despesa, l.o n.o 1283 a l.o n.o 1290; l.o n.o 1305 a l.o n.o 1309; l.o n.(...)
  • 48 Cf. ADE, ASCME, Doentes, registo de entradas no hospital e falecimentos, l.o n.o 276, a l.o n.o 325
  • 49 Cf. ADE, ASCME, Enjeitados: despesa, ordenados às amas, l.o n.o 423 a l.o n.o 430, l.o n.o 972 a l.(...)
  • 50 Cf. ADE, ASCME, Receita e despesa: cadeia, presos, l.o n.o 2259 a l.o n.o 2269; l.o n.o 389 a l.o n (...)
  • 51 Cf. ADE, ASCME, Livro da despesa das compras desta casa do Hospital da Piedade, l.o n.o 26 a l.o n.(...)

13Como inicialmente afirmámos, interessava-nos apreender a realidade o mais completa possível e tal só era possível se comparássemos a informação resultante destes três núcleos a outras formas de assistência que tivessem existido na cidade no mesmo período. Procurámos então a assistência prestada em contexto de institucionalização – no sentido de internamento/recolhimento – que, na esmagadora maioria dos casos, sabíamos por estudos anteriores, que tinha privilegiado indivíduos exteriores à cidade. Para a conheceremos socorremo-nos de outos núcleos documentais da Misericórdia, que não os da assistência domiciliária e os relativos ao cónego, e do Recolhimento de Nossa Senhora da Piedade46. No primeiro caso, analisámos os livros de receitas e despesas do Hospital do Espírito Santo47, bem como os seus livros de registo de entradas, saídas e óbitos48; os livros de pagamentos às amas dos enjeitados49 e os livros de despesas relativos aos presos50. No segundo caso, socorremo-nos dos livros de entradas e saídas e de receitas e despesas do Recolhimento51.

14Apesar de em todos estes livros, da Misericórdia e do Recolhimento, existirem séries mais ou menos estáveis a partir de 1667, para efeitos de tratamento estatístico, as descontinuidades impediram a utilização de todos os dados recolhidos. Se o fizéssemos incorreríamos naquilo que, em linguagem estatística, se denomina por “perdidos” (ou falhas), o que comprometeria irremediavelmente a fiabilidade das conclusões. Assim, a opção foi a de utilizar apenas o período cronológico mais estável em termos documentais nos quatro núcleos, ou seja de 1714 a 1750. Foi este período que serviu de base ao tratamento individualizado da assistência institucionalizada, assim como à sua comparação com a assistência domiciliária.

  • 52 Como o próprio nome indica, é uma linguagem integrada num software de computação estatística e gráf (...)
  • 53 E que são as variáveis de quantias, episódios e pessoas assistidas. Estabelecendo correlações entre (...)
  • 54 Sendo que para o efeito foi essencialmente usado o coeficiente de correlação de Pearson, já que a d (...)

15A complexidade da observação pretendida, e sobretudo a dimensão das bases de dados no seu conjunto, exigiu a utilização da linguagem R52, que permite manusear grandes volumes de dados. Por outro lado, a definição de diversas variáveis de análise na assistência domiciliária e institucionalizada53, e a promoção de comparação entre ambas, obrigou ao recurso ao SPSS, que utilizámos essencialmente nos cálculos de correlações54.

  • 55 Cf. ADE, ASCME, Receita e despesa: foros, rendas, juros, pitanças, títulos de dívida, l.o n.o 1182 (...)
  • 56 Cf. ADE, ASCME, Receita e despesa: assento de defuntos, esmolas, enterros, l.o n.o 1552; l.o n.o 15 (...)
  • 57 Cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos de Santo Antão, l.o n.o 15 a l.o n.o 28. Idem, casamentos d (...)

16Para além destas fontes quantitativas principais, recorremos ainda às receitas e despesas da Misericórdia de Évora55 e aos livros de pobres enterrados pela instituição56. Servimo-nos ainda do fundo dos registos paroquiais de Évora entre 1640 e 177057. Em ambos os casos, apesar de, na sua essência, se constituírem como fontes quantitativas por excelência, as receitas, as despesas e a série dos enterramentos, foram as que tiveram uma funcionalidade mais quantitativa, com o objetivo simultâneo de enquadrar as decisões institucionais e contextualizar as informações populacionais.

  • 58 Neste ponto deve ser introduzida a questão da significância quando se desenvolve um estudo em ciênc (...)
  • 59 Cf. ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 8 a l.o n.o 28.
  • 60 ADE, Arquivo da Câmara Municipal de Évora (doravante ACME), Colecção de actas, l.o n.o 22 a l.o n.o(...)

17É inegável que os dados quantitativos tratados estatisticamente nos fornecem uma visão estrutural do fenómeno observado mas se considerados isoladamente, na sua forma pura, corre-se o risco de criar realidades ficcionadas58. Por essa razão, tornou-se prioritário introduzir a análise qualitativa neste trabalho, com o propósito de validar os resultados obtidos pelo tratamento estatístico, contrapondo-os com as decisões das instituições de assistência. Neste contexto foi importante a utilização de fontes como os livros de Lembranças da Misericórdia59 e as Actas da Câmara Municipal de Évora60.

  • 61 Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 748, l.o n.o 754 a l.o n.o 765, l.o n.o 768 a l.o n.o 773, l.o(...)
  • 62 Cf. ADE, Provedoria da Comarca de Évora e Estremoz, colecção de testamentos, caixa n.o 22, n.o 27, (...)
  • 63 Cf. ADE, ACME, Livros do lançamento das décimas do concelho, l.o n.o 481, l.o n.o 497 e l.o n.o 498 (...)

18Em termos de objetivos e escalas de análise planeadas, o pobre, a sua família e as suas estratégias de sobrevivência assumiram um lugar central neste trabalho. Para responder às questões atrás formuladas, investimos na reconstrução de percursos de vida, partindo para isso das séries quantitativas, cujos resultados guiariam a investigação nas fontes notariais61, nos testamentos62, nos livros de lançamento das décimas do concelho63 e nos registos paroquiais. A sua função foi a de contribuírem para uma explicação mais global do fenómeno da pobreza.

  • 64 O conceito de métodos múltiplos é para Brewer e Hunter a combinação de diferentes tipos de métodos (...)
  • 65 Como é fácil de entender, em ciências sociais esta determinação de um ponto nunca pode ser completa (...)
  • 66 Segundo Martin Oppermann o conceito de triangulação é comummente apresentado de duas formas: a divi (...)
  • 67 Cf. Todd Jick, “Mixing qualitative and quantitative methods: triangulation in action”, Administrati (...)
  • 68 Atribui-se o incremento da teorização em torno da metodologia da triangulação a Norman Denzin, na o (...)

19O desenvolvimento dos estudos na área das metodologias ligadas às ciências sociais demonstrou que nenhum método de investigação é superior a outro e que a análise em muito beneficia da combinação de diferentes métodos de recolha e tratamento da informação. Neste âmbito, nos últimos anos tem-se assistido a um investimento crescente nos modelos mistos64, tendo cada vez mais aceitação a ideia de que quanto maior for a variedade de metodologias usadas para a observação de um determinado problema, maior será a fiabilidade dos resultados obtidos. Inicialmente aplicada à navegação marítima – conhecendo duas referências espaciais e a distância entre ambas, uma embarcação pode calcular a sua posição exata. Isto é, consegue-se determinar um ponto A através da observação de um ponto B e de um ponto C65 –, a triangulação66, cujo princípio estruturante tem por base a ideia de que se uma teoria, ou hipótese, resiste à confrontação de vários tipos de metodologias tem mais validade do que se fosse testada apenas por um dos métodos67, tornou-se um importante instrumento de trabalho para os investigadores sociais68.

  • 69 Segundo Norman Denzin, a triangulação pode ser realizada de três formas: triangulação de dados, de (...)
  • 70 Cf. Janice Morse & Seung Chung “Toward holism: the significance of methodological pluralism”, Inter (...)
  • 71 Ambos os métodos são suscetíveis de ser combinados dentro desta categoria de triangulação metodológ (...)
  • 72 Cf. Morse & Chung, “Toward holism… cit.,” maxime, p. 18.
  • 73 Cf. Norman Blaikie, A critique of the use of triangulation in social research”, Quality and Quantit (...)
  • 74 Cf. Morse & Chung, “Toward holism… cit.”
  • 75 Cf. Jim Paul, “Between Method triangulation”, The international Journal of organizational Analysis,(...)
  • 76 Todavia, Morse e Chung consideram que uma vez que a triangulação proporciona uma visão global do ob (...)

20O tipo de triangulação mais frequentemente utilizado, que também seguimos, tem sido o da triangulação de métodos, numa simbiose entre os qualitativos e os quantitativos69. O princípio basilar desta metodologia, que tem subjacente a complementaridade dos métodos qualitativos e quantitativos, com o objetivo de conjugar e potenciar as virtudes de cada um deles70, toma-os como instrumentos de investigação de um ou vários fenómenos, promovendo o seu entendimento e a sua explicação71. Na triangulação, qualquer que seja o tipo de combinações de metodologias escolhidas, o investigador direciona a investigação, estabelece escalas de análise, (micro e macro) e seleciona o núcleo da análise, para responder às questões surgidas ao longo da investigação72. Se o intento primitivo da triangulação foi a validação convergente dos dados, autores como Norman Blaikie73, Janice Morse, Seung Chung74, Jim Paul75, entre outros, propuseram-se ir mais além, sugerindo que o investigador deve saber estabelecer um padrão de evolução na mistura dos resultados. Na sua avaliação, mesmo que a conjugação dos métodos quantitativos e qualitativos desemboque em resultados divergentes, estes não devem ser descartados, uma vez que devem ser perspetivados como oportunidades para descobrir dinâmicas que estariam ocultas com a utilização de um único método. Com esta renovada perspetiva sobre a triangulação ganhou terreno uma descrição mais global, equilibrada e integrada, do objeto, ou do fenómeno em análise, para além da validação dos dados76.

21Na nossa ótica, esta última abordagem é a que melhor se adequa à problemática da assistência aos pobres em Évora nos séculos XVII e XVIII. O conhecimento prévio do terreno dava-nos segurança quanto à qualidade das fontes passíveis de tratamento quantitativo, mas também da existência de muita informação de cariz qualitativo. No entanto, o facto de primeiro se ter procedido à recolha dos dados seriais, acabou por ditar uma abordagem às fontes qualitativas guiada pelos resultados que iam surgindo da análise dos primeiros.

3. Questões e estrutura do trabalho

22Em Évora, como no resto do país, as Misericórdias tiveram um papel central na assistência, razão pela qual iniciámos o nosso trabalho pela Misericórdia de Évora. Começámos por acompanhar a sua estruturação patrimonial, a forma como cresceu e evoluiu, mas também as dificuldades que enfrentou decorrentes dos contextos económicos e políticos, e as respostas dadas pelos seus administradores face aos desafios que lhe iam sendo colocados. Privilegiou-se a análise das opções assistenciais na aplicação dos recursos da confraria, tendo como escala comparativa a realidade nacional, sempre que os estudos locais o permitiram. Também se questiona a oposição entre a assistência domiciliária e a institucionalizada, no quadro europeu. Neste âmbito, discutimos as decisões institucionais sobre a assistência aos forasteiros, confrontando-as com as medidas de apoio aos naturais de Évora, definindo os comportamentos nos dois sectores e testando as variáveis explicativas das opções realizadas.

23Na parte II estreitámos a análise pretendendo entrar na difícil quantificação da pobreza e dos pobres assistidos no seu domicílio, acompanhando a intervenção da atividade da Misericórdia. A redução dos tipos de assistência em categorias e o tratamento agrupado pela frequência da distribuição resultou do conhecimento das lógicas distributivas da confraria mas também da comparação com idênticas situações, quer em Portugal, quer no resto da Europa, nos séculos XVII e XVIII. Alargámos depois o âmbito da investigação e entrámos no universo da assistência providenciada pelo Cabido da Sé de Évora e pelo legado do Cónego Diogo Vieira Velho, como já mencionado, também administrado pela Misericórdia. Depois de identificarmos dois grupos com características diferenciadas – um que correspondia aos padrões tradicionais da pobreza e outro mais ligado às elites locais –, quisemos saber quantos pobres existiam em Évora e a dimensão da sua pobreza.

24A parte III assume-se como tentativa de refinar a pesquisa, tornando-a mais profunda. Aqui foca-se a objetiva nos pobres propriamente ditos, nas suas relações com os administradores e estruturas da assistência. Questiona-se a centralidade da esmola formal nas suas vidas, esboçam-se outros meios que terão implementado para além da assistência institucional. De caminho, sonda-se a questão da difícil quantificação no universo das estratégias informais de sobrevivência.

25Na parte IV procuramos entrar na “intimidade” dos dois grupos de assistidos. Em primeiro lugar, procuram-se diferentes formas de representação e reprodução social dos indivíduos e das famílias pobres, ou das que se apresentavam como tal. Em segundo lugar, pretende-se encontrar as razões da sua entrada na assistência. Para isso introduzimos variáveis como a composição familiar e a sua mutabilidade ao longo do percurso de vida, individual e coletivo, enquanto agregado. Será nesse jogo entre as escalas individual e familiar que se tentará perceber se o recurso à assistência foi motivado por um único fator ou por um conjunto de condicionalismos que, eventualmente, terão interagido. O percurso termina com as experiências de pobreza nestes mesmos grupos, ou categorias sociais, como os tipificámos, medindo os ritmos, os tempos, os momentos e a quantidade de assistência recebida por alguns deles.

26A construção de um trabalho de investigação deste tipo é um processo individual, mas não solitário. À medida que foi crescendo, esta obra contou com a presença de pessoas e instituições, a quem cumpre agradecer. Na minha orientadora de sempre, Professora Doutora Laurinda Abreu, revejo o verdadeiro significado de um Mestre, raro nos dias que correm. Agradeço-lhe o rigor científico com que me tem orientado ao longo de mais de quinze anos. Devo-lhe também o desafio constante da procura do crescimento intelectual, da inovação e da abertura de novas perspetivas. Num plano mais pessoal quero agradecer-lhe a sensibilidade e a cumplicidade, fundamentais nos momentos vulneráveis ao longo dos últimos anos. Ao Professor Doutor Paulo Infante, docente do Departamento de Matemática da Universidade de Évora, devo o imenso labor de tratamento estatístico deste trabalho, a paciência e a boa disposição de que sempre usou ao tentar ensinar-me um pouco mais de estatística, dando resposta às minhas solicitações, e foram muitas! As incorreções ser-me-ão inteiramente imputadas. No plano institucional cumpre-me reconhecer o apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, que me concedeu bolsa de Doutoramento entre 2006 e 2009, sem a qual este trabalho não teria sido possível. Ao CIDEHUS-UÉ agradeço as melhores condições que viabilizaram uma parte da investigação no estrangeiro. Aos funcionários do Arquivo Distrital de Évora reconheço a estima pessoal construída, também, no contexto da investigação que conduziu à concretização deste trabalho. É um privilégio sentir-se em casa enquanto se trabalha. Aos meus amigos sou devedora dos momentos de descompressão, permitida em cada encontro pelo alheamento do meio académico. Por último, quero expressar um reconhecimento profundo à minha família, pelo estímulo constante e apoio incondicional nos períodos de maior desalento. Uma referência especial ao meu pai, que sempre cede aos meus devaneios, e que entrou comigo em mais esta aventura. Fechar este ciclo não teria sido possível sem ele. Não posso terminar sem agradecer a força do seu exemplo de vida, dos seus ensinamentos, e dos da minha mãe, que nos deixou demasiado cedo. Este livro também lhes é dedicado.

Notes

1 Projetos coordenados pela Professora Doutora Laurinda Abreu: Decisão política, necessidades colectivas e afirmação profissional: o Hospital de Todos os Santos em perspectiva. PTDC/HIS-HIS/113416/2009; Os utentes do sistema de assistência entre a população de Évora: a importância das bases de dados demográficas (1535-1800). PTDC/HAH/68482/2006; O sistema de caridade e a assistência: apropriação social, trajectórias sociais, discursos institucionais. O caso da região de Évora (séculos XV-XVIII). POCTI/HAR/60416/2004. O Papel das Misericórdias na Sociedade Portuguesa do Antigo Regime: o caso de Évora. POCTI/33560/HR/2000.

2 Cf. Charles H. Parker, The reformation of community. Social welfare and Calvinist charity in Holland, 1572-1620, Cambridge, Cambridge University Press, 1998, pp. 1-19.

3 Cf. Natalie Zemon Davis, “Poor relief, humanism and heresy: the case of Lyon”, Studies in Medieval and Renaissance History, vol. 5, Lincoln, University of Nebraska Press, 1968.

4 Cf. Brian Pullan, Rich and poor in Renaissance Venice: the social institutions of a catholic state, Cambridge, 1971.

5 Recorde-se que em Portugal a assistência foi também uma competência das elites locais não através do município mas sim das Misericórdias, que reportavam ao rei. Contudo, apesar de se nortearem por princípios e valores religiosos, as Misericórdias eram instituições laicas de facto e de jure. Sobre estas questões veja-se, entre outros, os trabalhos que se citam: Laurinda Abreu, “A especificidade do sistema de assistência pública português”, Arquipélago/História, 2.ª série, VI, Ponta Delgada, 2002, pp. 417-434. Laurinda Abreu, “O século das Misericórdias”, Cadernos do Noroeste, 20 (1-2), Série História, 3, 2003, pp. 467-484. “O papel das Misericórdias dos “lugares de além-mar” na formação do império”, História, Ciências, Saúde – Manguinhos, vol. VIII, n.o 3, 2001, pp. 591-611. Isabel dos Guimarães Sá, “A reorganização da caridade em Portugal no contexto europeu (1490-1600: Misericórdias, caridade e pobreza em Portugal no período moderno”, Cadernos do Noroeste, vol. II, n.o 2, Instituto de Ciências Sociais/Universidade de Minho, pp. 31-63. Idem, “As Misericórdias nas sociedades portuguesas do período moderno”, Cadernos do Noroeste, série História, 15, 1-2 (2001), 337-368. Idem, As Misericórdias portuguesas de D. Manuel I a Pombal, Lisboa, Livros Horizonte, 2001. Maria Antónia Lopes; Isabel Drumond Braga, The Portuguese Social Care System in the Modern Age: An Originality Case in Catholic Europe?, Firenze University Press, 2012.

6 Cf. Natalie Zemon Davis, “Poor relief, humanism and heresy: the case of Lyon”, Studies in Medieval and Renaissance History, vol. 5, Lincoln, University of Nebraska Press, 1968, pp. 217-175. Também, Pierre Gutton, La Société et Les Pauvres en Europe (XVIe-XVIIIe siècles), Paris, Presses Universitaires de France, 1974.

7 Brian Pullan, Rich and poor in Renaissance Venice… cit.

8 Cf. Charles H. Parker, The reformation of community… cit., p. 11.

9 Idem, ibidem, pp. 11-15.

10 Uma posição reafirmada na sua magistral obra, The Mediterranean and the Mediterranean World in the Age of Philip II, New York, Harper & Row, 1975.

11 Cf. Catharina Lis, Hugo Soly, Pobreza y capitalismo en la Europa preindustrial (1350-1850), Madrid, AKAL, 1985.

12 Cf. Bronislaw Geremek, A Piedade e a Forca – História da Miséria e da Caridade na Europa, Lisboa, Terramar, 1995.

13 Cf. Robert Castel, Les métamorphoses de la question sociale. Une chronique du salariat, Paris, Fayard, 1995.

14 Ainda que o seu uso seja discutível na cronologia do Antigo Regime. Cf. Idem, ibidem, p. 156.

15 Todavia, como adverte Parker, a associação entre a disseminação das reformas no campo da assistência e a formação de uma economia de mercado não pode ser encarada de forma simplista, dando o exemplo de determinadas zonas em Espanha, onde o capitalismo comercial não teve grande implementação, mas as novas políticas assistenciais no século XVI foram postas em prática com tanta expressão quanto na Europa do norte. Uma conclusão certamente inspirada no trabalho de Linda Martz e no exemplo de Toledo no século XVI. Cf. Charles H. Parker, The reformation of community… cit., p. 12. E, Linda Martz, Poverty and welfare in Habsburg Spain, Cambridge, Cambridge University Press, 1983. A mesma questão se aplicaria a Portugal, onde, como é sabido, excetuando Lisboa e alguns portos como Setúbal e Aveiro, animados pelo comércio do sal, foi difícil encontrar uma economia de mercado a uma escala alargada. Sobre o assunto veja-se, entre outros, Laurinda Abreu, A Santa Casa da Misericórdia de Setúbal de 1500 a 1755; aspectos de sociabilidade e poder, Setúbal, Santa Casa da Misericórdia de Setúbal, 1990. Idem, Memórias da alma e do corpo: a Misericórdia de Setúbal na modernidade, Viseu, Palimage Editores, 1999. Inês Amorim, Aveiro e os caminhos do sal (séculos XV a XX), Aveiro, Câmara Municipal de Aveiro, 2001.

16 Cf. Michel Foucault, Vigiar e Punir: nascimento da Prisão, (29.ª edição), Petrópolis, Editora Vozes, 2004. Idem, Folie et déraison: Histoire de la folie à l'âge classique, Paris, Plon, 1961.

17 Essencialmente, Robert Jutte, Poverty and Deviance in Early Modern Europe, 2nd ed., Cambridge, Cambridge University Press, 1996.

18 Cf. Pieter Spierenburg, “Social control and history: an introduction”, Social Control in Europe, vol. I, Herman Roodenburg, Pieter Spierenburg (eds.), Columbus, Ohio State University Press, 2004, p. 8. Assunto a que também tem dado relevo, ainda que em outros contextos, António Manuel Hespanha, “As faces de uma «revolução»”, Penélope, n.o 9/10, 1993, pp. 7-16.

19 Cf. Wilbur K. Jordan, Philanthropy in England (1480-1660), London, Allen and Unwin, 1959.

20 Entendidas sobretudo como práticas de caridade religiosa. Cf. Kathryn Norberg, Rich and poor in Grenoble, 1600-1814, Berkeley, 1985. Maureen Flynn, Sacred charity: confraternities and social welfare in Spain (1400-1700), London, Macmillan, 1989. Dorothy M. Brown & Elizabeth Mckeown, The poor belong to us: catholic charities in American welfare, Cambridge, Mass., 1997. Cit in, Charles H. Parker, The reformation of community… cit, pp. 16-17.

21 Desenvolvida, como é do conhecimento geral, por Carlo Guinzburg, O queijo e os vermes: o quotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição, São Paulo, Companhia das letras, 1998.

22 Sobe a questão do renascimento da demografia histórica e da importância de Laslett e Fleury neste processo, veja-se Patrice Bourdelais, “The renaissance of the historical demography, historical demography as a scientific phoenix”, Befolkningshistoriska perspektiv, Umeä, Umeä Universitet, 2004, pp. 23-34.

23 Cf. Tim Wales, “Poverty, poor relief and the life-cycle: some evidence from seventeenth-century Norfolk”, Land, Kinship and Life-Cycle, (Richard M. Smith Ed.), Cambridge, Cambridge University Press, 1984, pp. 351-404.

24 Cf. Paul Slack, Poverty and Policy in Tudor and Stuart England, London-New York, Longman, 1988.

25 Cf. Steven King, Poverty and welfare in England (1700-1850): a regional perspective, Manchester, Manchester University Press, 2000.

26 Cf. Steve Hindle, On the parish? The Micro-Politics of Poor Relief in Rural England (1550-1750), Oxford, Oxford University Press, 2009.

27 Cf. Alannah Tomkins & Steven King, “Introduction”, The poor in England (1700-1850): an economy of makeshifts, Steven King; Alannah Tomkins, (eds.), Manchester, Manchester University Press, 2003, pp. 1-38.

28 Cf. Katherine Lynch, Individuals, Families, and Communities in Europe, 1200-1800. The urban foundations of the Western Society, Cambridge-New York, Cambridge University Press, 2003.

29 Sem pretensões de esgotar a bibliografia que a partir da década de 1990 foi surgindo em torno das Misericórdias, devemos destacar os seguintes estudos: Laurinda Abreu, A Santa Casa da Misericórdia de Setúbal… cit.; Américo Fernando Silva Costa, Sociedade Poder e Conflito. A Santa Casa da Misericórdia de Guimarães–1750-1820, Braga, 1993; Manuel de Oliveira Barreira, A Santa Casa da Misericórdia de Aveiro. Pobreza e solidariedade (1600-1750), Coimbra, 1995; Maria Dina Jardim, A Santa Casa da Misericórdia do Funchal, século XVIII: subsídios para a sua história, Funchal, s. n, 1996; Isabel dos Guimarães Sá, Quando o rico se faz pobre: Misericórdias, caridade e poder no império português, 1500-1800, Lisboa, Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1997; Fernando Calapez Correia, Elementos para a História da Misericórdia de Lagos, Lagos, Santa Casa da Misericórdia de Lagos, 1998; Joaquim Veríssimo Serrão, A Misericórdia de Lisboa: quinhentos anos de história, Livros Horizonte, 1998; Ivo Carneiro de Sousa, Da descoberta da Misericórdia à fundação das misericórdias (1498-1525), Porto, Granito Editores, 1999; António de Oliveira, “A Santa Casa da Misericórdia de Coimbra no contexto das instituições congéneres”, Memórias da Misericórdia de Coimbra – Documentação & Arte, Coimbra, 2000; Isabel dos Guimarães Sá; As Misericórdias Portuguesas de D. Manuel I a Pombal, Livros Horizonte, 2001.

30 Cf. Maria Antónia Lopes, “Pobreza, assistencia y política social em Portugal en los siglos XIX e XX: perspectivas historiográficas”, Ayer, 25, 1997, pp. 211-240. Uma ideia que também resulta da ausência de referências aos estudos da pobreza na resenha historiográfica que José Tengarrinha fazia nesse mesmo ano. Cf. José Tengarrinha, “La historiografia portuguesa en los últimos veinte años”, Ayer, n.o 26, 1997, pp. 19-63. Desenvolvimentos sobre mesmo assunto encontram-se em Maria Antónia Lopes, Protecção Social em Portugal na Idade Moderna. Guia de Estudo e Investigação, Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra, 2010.

31 O contributo que, a este nível, foi dado pelos Portugaliae Monumenta Misericordiarum é, a vários níveis, notável.

32 Inspirados nas ideias de desigualdade e hierarquização social postuladas por Marcel Mauss. Cf. Marcel Mauss, “Essai sur le don. Forme et raison de l’échange dans les sociétés primitives", originalmente publicado em l'Année Sociologique, seconde série, 1923-1924. http://classiques.uqac.ca/classiques/mauss_marcel/socio_et_anthropo/2_essai_sur_le_don/essai_sur_le_don.html. Acedido em 28 de Agosto de 2012. Sobre o assunto veja-se ainda, Isabel dos Guimarães Sá, “Estatuto Social e Discriminação: Formas de Selecção de Agentes e Receptores de Caridade nas Misericórdias Portuguesas ao Longo do Antigo Regime”, Actas do Colóquio Internacional Saúde e Discriminação Social, Instituto de Ciências Sociais–Universidade do Minho, Braga, 2002.

33 Um conceito bem definido por Giovanni Ricci e que acabou por se tornar dominante na historiografia europeia. Cf. Giovanni Ricci, “Naissance du pauvre honteux: entre l'histoire des idées et l'histoire sociale”, Annales. Économies, Sociétés, Civilisations, 38e année, n.o 1, 1983, pp. 158-177. Algumas considerações sobre a pobreza envergonhada em Portugal no período moderno podem ser encontradas em Isabel dos Guimarães Sá, “Estatuto Social e Discriminação: Formas de Selecção de Agentes e Receptores de Caridade nas Misericórdias Portuguesas ao Longo do Antigo Regime”, Actas do Colóquio Internacional Saúde e Discriminação Social, Instituto de Ciências Sociais–Universidade do Minho, Braga, 2002. E, Maria Antónia Lopes, “Imagens de pobreza envergonhada em Coimbra nos séculos XVII e XVIII: análise de dois róis da Misericórdia”, Homenagem da Misericórdia de Coimbra a Armando Carneiro da Silva (1912-1992) Maria José Azevedo Santos (coord.), Coimbra, Palimage/Santa Casa da Misericórdia de Coimbra, 2003, pp. 93-123.

34 Como sempre aconteceu na sociedade eborense dos séculos XVII e XVIII. Aqui, os assistidos nunca foram anónimos, sendo vários os casos como o de António Vidigal Salgado, membro da elite local de Évora que, em 1716, na sua petição de esmola ao Cabido da Sé de Évora referia que a sua pobreza era notória. Cf. ACE, Esmolas dadas pelo Cabido, pasta n.o Évora a sua pobreza e honradez. Cf. ACE, Esmolas dadas pelo Cabido, pasta n.o 48, maço II, esmolas do século XVIII e XIX. Documentos avulsos.

35 Desenvolvida por Edward Thompson em The making of the English working class, New York, Pantheon Books, 1964.

36 Essa também é a opinião de Katherine Lynch em Individuals, Families, and Communities in Europe, 1200-1800. The urban foundations of the Western Society, Cambridge-New York, Cambridge University Press, 2003.

37 Cf. Arquivo Distrital de Évora (doravante ADE), Arquivo da Santa Casa da Misericórdia de Évora (doravante ASCME), Criação esmolas, guias, quadrelas, despesas diárias, l.o n.o 1109 a 1110; l.o n.o 1118 a l.o n.o 1126; l.o n.o 258 a l.o n.o 259; l.o n.o 1130 a l.o n.o 1139.

38 Um assunto a que voltaremos para o aprofundar um pouco no ponto 1 do capítulo I da parte III deste trabalho.

39 Como se verá adiante, à exceção, das esmolas das quadrelas às quartas-feiras e das esmolas da porta aos domingos, cujos nomes dos utentes não eram registados pelos mordomos dos meses. Confira-se esta informação no ponto 4 do capítulo I da parte III.

40 Deste modo foram criadas as tipologias de assistência que funcionaram, por assim dizer, como categorias operatórias na análise dos dados. A sua enumeração, contornos e evolução podem ser encontradas no capítulo I da parte III.

41 Cf. ADE, ASCME, Livro das Esmolas que o Reuerendo Conego Diogo Vieira Velho deixou aos nobres pobres, n.o 1753, (1676/1766).

42 Conforme se pode confirmar no ponto no ponto 1 do capítulo II da parte III, onde se desenvolvem as circunstâncias do legado do cónego Diogo Vieira Velho. Ali se pode ler que os Cartuxos devolveram a administração destes bens à Misericórdia em Agosto de 1707. Todavia, como referido, o registo de esmolas pela Misericórdia só recomeçou em 1710.

43 Cf. Arquivo do Cabido da Sé de Évora (doravante ACE), Esmolas dadas pelo Cabido (séculos XVII e XIX), pasta n.o 48, maço II não numerado. No contexto do formato diferente desta base de dados importa referir que a mesma foi criada e preenchida no âmbito do projeto atrás mencionado – O Sistema de caridade e assistência. Apropriação social, trajectórias sociais, discursos institucionais. O caso da Região de Évora (séculos XV-XVIII).

44 Cf. Estatística Descritiva, Lisboa, McGraw-Hill, 1983. Bento Murteira, Análise exploratória de dados, Lisboa, McGraw-Hill, 1993.

45 Por uma questão de uniformização, os histogramas, caixas de bigodes e curvas de pareto foram denominados “gráficos”. Estes últimos foram elaborados recorrendo ao software Minitab, versão 20.0.

46 Cf. ADE, Fundo da Casa Pia de Évora, Livro em que se asentão os moradores desta caza do hospital de Nossa Senhora da Piedade, l.o n.o 16. Idem, Entrada das recolhidas para o recolhimento de Nossa Senhora da Piedade, l.o n.o 191.

47 Cf. ADE, ASCME, Receita e despesa, l.o n.o 1283 a l.o n.o 1290; l.o n.o 1305 a l.o n.o 1309; l.o n.o 1314 a l.o n.o 1318; l.o n.o 1323 a l.o n.o 1329; l.o n.o 1343 a l.o n.o 1351; l.o n.o 1365 a l.o n.o 1372; l.o n.o 1739 a l.o n.o 1386; l.o n.o 1395 a l.o 1402; l.o n.o 1414 a l.o n.o 1422; l.o n.o 1442 a l.o n.o 1445.

48 Cf. ADE, ASCME, Doentes, registo de entradas no hospital e falecimentos, l.o n.o 276, a l.o n.o 325.

49 Cf. ADE, ASCME, Enjeitados: despesa, ordenados às amas, l.o n.o 423 a l.o n.o 430, l.o n.o 972 a l.o n.o 1071.

50 Cf. ADE, ASCME, Receita e despesa: cadeia, presos, l.o n.o 2259 a l.o n.o 2269; l.o n.o 389 a l.o n.o 394; l.o n.o 1645 a l.o n.o 1657; l.o n.o 1577 a l.o n.o 1595; l.o n.o 1597 a l.o n.o 1614.

51 Cf. ADE, ASCME, Livro da despesa das compras desta casa do Hospital da Piedade, l.o n.o 26 a l.o n.o 76.

52 Como o próprio nome indica, é uma linguagem integrada num software de computação estatística e gráfica. É de livre acesso e pode ser encontrada em “R Development Core Team (2012). R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing”, Vienna, Austria. ISBN 3-900051-07-0, URL: http://www.r-project.org/

53 E que são as variáveis de quantias, episódios e pessoas assistidas. Estabelecendo correlações entre elas no seio da assistência institucionalizada e da domiciliária, e depois a correlação das diferentes variáveis entre aqueles dois tipos de assistência. A este propósito confira-se o capítulo III da parte II.

54 Sendo que para o efeito foi essencialmente usado o coeficiente de correlação de Pearson, já que a distribuição foi considerada normal, ou seja, os dados eram contínuos. No entanto, para as correlações, quando aplicadas à comparação entre a assistência domiciliária e institucionalizada, usámos o teste não paramétrico de Wilcoxon-Man-Whitney, devido à “não normalidade” dos dados, a qual foi testada recorrendo aos testes de Kolmogorov-Smimov e Shapiro-Wolf.

55 Cf. ADE, ASCME, Receita e despesa: foros, rendas, juros, pitanças, títulos de dívida, l.o n.o 1182 a l.o n.o 1183; l.o n.o 1195; l.o n.o 1196; l.o n.o 1697; l.o n.o 1206 a l.o n.o 1210; l.o n.o 1230 a l.o n.o 1234; l.o n.o 1242 a l.o n.o 1246; l.o n.o 1255 a l.o n.o 1282; l.o n.o 1291 a l.o n.o 1294; 1301 a l.o n.o 1322; l.o n.o 1330; l.o n.o 1341 a l.o n.o 1364; l.o n.o 1373 a l.o n.o 1377; l.o n.o 1737 a l.o n.o 1738; l.o n.o 1387; l.o n.o 1344; l.o n.o 1403 a l.o n.o 1413; l.o n.o 1423 a l.o n.o 1434.

56 Cf. ADE, ASCME, Receita e despesa: assento de defuntos, esmolas, enterros, l.o n.o 1552; l.o n.o 1553; l.o n.o 1557; l.o n.o 1560, l.o n.o 1570; l.o n.o 1571, l.o n.o 1574; l.o n.o 1575; l.o n.o 1352; l.o n.o 1353, l.o n.o 1408; l.o n.o 1409.

57 Cf. ADE, Paroquiais de Évora, baptismos de Santo Antão, l.o n.o 15 a l.o n.o 28. Idem, casamentos de Santo Antão, l.o n.o 39 a l.o n.o 47. Idem, óbitos de Santo Antão, l.o n.o 53 a l.o n.o 55. Idem, baptismos de São Mamede, l.o n.o 6 a l.o n.o 10. Idem, casamentos de São Mamede, l.o n.o 15 a l.o n.o 17. Idem, óbitos de São Mamede, l.o n.o 20 a l.o n.o 21. Idem, baptismos de São Pedro, l.o n.o 4 a l.o n.o 5. Idem, casamentos de São Pedro, l.o n.o 4, l.o n.o 7. Idem, óbitos de São Pedro, l.o n.o 10. Idem, baptismos de Santiago, l.o n.o 2 a l.o n.o 3. Idem, casamentos de Santiago, l.o n.o 6. Idem, baptismos da Sé, l.o n.o 19 a l.o n.o 40. Idem, casamentos da Sé, l.o n.o 69 a l.o n.o 80. Idem, óbitos da Sé, l.o n.o 87.

58 Neste ponto deve ser introduzida a questão da significância quando se desenvolve um estudo em ciências sociais com uma forte componente de análise estatística. Importa questionar se deve ser descartado o que não é significativo em termos estatísticos. Será que uma variável que não tenha expressão em termos quantitativos deve ser esquecida? A resposta é negativa, pelas razões apontadas, relacionadas com o perigo de criação de realidades ficcionadas. Perigos que tendem a ser evitados com o recurso a informações qualitativas, que contextualizam os dados significativos e irrelevantes em termos estatísticos. Sobre os limites da estatística, ainda que mais direcionado para o ramo das probabilidades e da importância da aleatoriedade veja-se Nassim Nicholas Taleb, The black swan: the impact of highly improbable, New York, Random House, 2007.

59 Cf. ADE, ASCME, Lembranças, l.o n.o 8 a l.o n.o 28.

60 ADE, Arquivo da Câmara Municipal de Évora (doravante ACME), Colecção de actas, l.o n.o 22 a l.o n.o 43.

61 Cf. ADE, Notariais de Évora, l.o n.o 748, l.o n.o 754 a l.o n.o 765, l.o n.o 768 a l.o n.o 773, l.o n.o 784, l.o n.o 787, l.o n.o 791 a 792, l.o n.o 796, l.o n.o 892 a l.o n.o 899, l.o 901 a l.o 916, l.o n.o 956, l.o n.o 958, l.o n.o 987 a l.o n.o 989, l.o n.o 993 a l.o n.o 999, l.o n.o 1003, l.o n.o 1009, l.o n.o 1012 a l.o n.o 1016, l.o n.o 1022 a l.o n.o 1025, l.o n.o 1031, l.o n.o 1037 a l.o n.o 1042, l.o n.o 1051 a l.o n.o 1060, l.o n.o 1064 a l.o n.o 1065, l.o n.o 1073, l.o n.o 1080, l.o n.o 1085, l.o n.o 1123 a l.o n.o 1128, l.o 1133, l.o n.o 1137, l.o n.o 1141, l.o n.o 1220 a l.o n.o 1228.

62 Cf. ADE, Provedoria da Comarca de Évora e Estremoz, colecção de testamentos, caixa n.o 22, n.o 27, n.o 55, caixa n.o 24, n.o 134, caixa n.o 25, n.o 62, n.o 101, caixa n.o 29, n.o 56.

63 Cf. ADE, ACME, Livros do lançamento das décimas do concelho, l.o n.o 481, l.o n.o 497 e l.o n.o 498, l.o n.o 503, l.o n.o 508, l.o n.o 511, l.o n.o 515 e l.o n.o 516.

64 O conceito de métodos múltiplos é para Brewer e Hunter a combinação de diferentes tipos de métodos numa investigação, com o objetivo de ultrapassar as limitações da utilização de um só método. Defendem, por isso a triangulação como a forma mais comum de investigação com múltiplos métodos. Cf. John Brewer & Albert Hunter, Foundations of multimethod research: synthesizing styles, London, Sage publications, 1989, pp. 4-9.

65 Como é fácil de entender, em ciências sociais esta determinação de um ponto nunca pode ser completamente precisa. Segundo Udo Kelle, nas ciências sociais o cálculo da localização de um local pela medida de diferentes pontos deve significar que o mesmo fenómeno social é tratado com diferentes métodos, para analisar diferentes aspetos do mesmo ou de diferentes fenómenos. Cf. Udo Kelle, “Sociological explanations between micro and macro and the integration of qualitative and quantitative methods”, Qualitative social research, vol. 2, 2001. Na verdade, a triangulação convergente foi inicialmente proposta na área da Psicologia por Campbell e Fiske. Segundo estes autores, as matrizes multi-metodológicas devem ser construídas usando coeficientes de correlação entre os resultados obtidos, com o objetivo de determinar o grau de convergência entre eles, identificando este último como indicador da validade dos resultados. Cf. D. T. Campbell & D. W. Fiske, “Convergent and discriminat validation by multitrait-multimethod matrix”, Psychological bulletin, n.o 56, 1959, p. 81.

66 Segundo Martin Oppermann o conceito de triangulação é comummente apresentado de duas formas: a divisão de uma área em triângulos para a medição do terreno e a medida e representação de uma área com recurso de triângulos, partindo do conhecimento da sua base, altura e ângulos. Cf. Martin Oppermann, “Triangulation: a methodological discussion”, International Journal of Tourism research, vol. 2, n.o 2, pp. 141-145.

67 Cf. Todd Jick, “Mixing qualitative and quantitative methods: triangulation in action”, Administrative science quarterly, vol. 24, 1979, pp. 602-610.

68 Atribui-se o incremento da teorização em torno da metodologia da triangulação a Norman Denzin, na obra lançada em 1978, The research act: a theoretical introduction to sociological methods, New York, McGraw-Hill, 1978.

69 Segundo Norman Denzin, a triangulação pode ser realizada de três formas: triangulação de dados, de investigadores, de teorias ou múltipla. A primeira implica a utilização de variadas técnicas de recolha de dados tendo como objetivo verificar os padrões e as tendências num universo ou universos de estudo, explorando tempos, espaços e indivíduos diferentes. Já a triangulação de investigadores consiste, como o próprio nome indica, no recurso a múltiplos observadores dos fenómenos em estudo, como forma de incrementar a confiança na informação recolhida, por oposição às técnicas tradicionais que preveem um só investigador. O terceiro tipo de triangulação é o de teorias, segundo o qual são utilizadas várias perspetivas teóricas para analisar o mesmo fenómeno, ou grupo de dados.

70 Cf. Janice Morse & Seung Chung “Toward holism: the significance of methodological pluralism”, International journal of qualitative methods, vol. 2, n.o 3, 2003, pp. 13-20. Todd Jick “Mixing qualitative… cit.”.

71 Ambos os métodos são suscetíveis de ser combinados dentro desta categoria de triangulação metodológica, podendo distinguir-se entre a triangulação intra e inter métodos. No primeiro caso, o investigador utilizará diversas técnicas de um mesmo método na recolha e interpretação dos dados, com o objetivo de testar a consistência interna e a fiabilidade dos mesmos. Já na triangulação inter métodos prevê-se a utilização simultânea ou sequencial dos métodos quantitativos e qualitativos. Utilizando a triangulação na sua forma simultânea, os investigadores aplicam ao mesmo tempo os métodos quantitativos e qualitativos. Pelo contrário, se o uso dos métodos for sequencial, os resultados da utilização de um método são fundamentais para desencadear outro método numa segunda fase. Assim, o investigador pode aplicar um método quantitativo em primeiro lugar e depois um método qualitativo, podendo a ordem ser inversa, ou seja, quando o método qualitativo orienta a direção de uma segunda fase quantitativa. Cf. Norman Denzin, Sociological methods: a source book, Aldine publishing company, Chicago, 1970.1970. Janice Morse & Seung Chung, “Toward holism… cit.”.

72 Cf. Morse & Chung, “Toward holism… cit.,” maxime, p. 18.

73 Cf. Norman Blaikie, A critique of the use of triangulation in social research”, Quality and Quantity, n.o 25, pp. 115-136.

74 Cf. Morse & Chung, “Toward holism… cit.”

75 Cf. Jim Paul, “Between Method triangulation”, The international Journal of organizational Analysis, vol. 4, n.o 2, pp. 135-153.

76 Todavia, Morse e Chung consideram que uma vez que a triangulação proporciona uma visão global do objeto de estudo pode redundar no enviesamento da generalização abusiva, com a tendência para a elaboração de uma teoria geral através do agrupamento dos resultados obtidos. Cf. Idem, ibidem, maxime p. 19.

© Publicações do Cidehus, 2015

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search