Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Contextos de promoção da leitura: bibliotecas públicas, escolares, universitárias e outras

Literacias da leitura em contexto de Bibliotecas de Agrupamento

João Azaruja et Helena Duarte

Résumé

Esta comunicação descreve um estudo de caso promovido no âmbito do Theka – Projecto Gulbenkian de Formação de Professores para o Desenvolvimento de Bibliotecas Escolares, com o objectivo de criação de hábitos de leitura. Envolveu 123 crianças do Pré – Escolar e 278 do 1º Ciclo, 9 Educadores de Infância e 20 Professores do 1º Ciclo, do Agrupamento Vertical de Escolas do Concelho de Borba, que trabalharam as obras “A Pirá, a piranhita desdentada” e “Barbatanar nas cores do arco-íris” da autoria de Carlos Canhoto.
A estratégia de criação de hábitos de leitura adoptou duas metodologias diferentes, mas complementares. “A Pirá, a piranhita desdentada”, foi lida no Pré-Escolar pelas Educadoras, tendo as crianças desenhado vivências e recriado textos a partir da audição da leitura da obra. O mesmo título foi lido, a pares, em contexto de sala de aula pelos alunos do 1º, 2º e 3º anos de escolaridade, e transformaram a leitura também em representações, conforme a criatividade da sua imaginação. “Barbatanar nas cores do arco-íris” foi lido pelos alunos do 4º ano de escolaridade e explorado em interdisciplinaridade com Língua Portuguesa e Meio Físico e Social.
A fundamentação teórica desta actividade inspira-se na obra de Pedro Cerrillo (Universidade de Castilla La Mancha) que valoriza o papel iniciático e central da oralidade na criação de hábitos de leitura, na distinção entre o leitor tradicional e o novo leitor com vista à criação do leitor literário, com competências para assumir uma cidadania activa e construir conhecimento (em rede), conforme o modelo de Vygotsky e a perspectiva de Cuevas Cerveró, no domínio articulado das BE de Agrupamento.
As práticas desenvolvidas pelas equipas das BE enquadram-se em metas tendentes a diminuírem o fosso entre os modelos projectados pela legislação/documentos normativos e a realidade escolar, no quadro conceptual da sociedade da informação e do conhecimento, em trabalho colaborativo de articulação de níveis de ensino.

This communication describes a case study promoted in the context of the Theka – Project Gulbenkian of Teachers’Formation for the Development of School Libraries, with the aim of creating reading habits. It involved 123 Nursery School children and 278 Primary School ones, 9 Nursery School Teachers and 20 Primary School Teachers of the “Agrupamento Vertical de Borba” (Vertical Grouping of Schools of the District of Borba), who worked with the books “The Pirá, a piranhita desdentada” and “Barbatanar nas cores do arco-íris”, of Carlos Canhoto.
The theoretical argument of this activity is inspired by the work of Peter Cerrillo (University from Castilla La Mancha) who values the prime and central role of the oral practice in the creation of reading habits, in the distinction between the traditional reader and the new reader in order to create a literary reader, capable to assume an active citizenship and to build knowledge (online), according to the model of Vygotsky and the perspective of Cuevas Cerveró, in the articulated environment of the BE of Grouping.
The practices developed by the BE teams fit in tending marks to reduce the gap between the modelsprojected by the legislation/prescriptive documents and the school reality, in the conceptual picture ofthe information and knowledge society, in collaborative work of articulation among levels of teaching

Texte intégral

Introdução

1A missão da Biblioteca Escolar deve responder às metas do Projecto Educativo do Agrupamento, implementar acções no quadro do Plano Anual de Actividades e articular-se com o Currículo. Nunca será demais relembrá-lo. A Biblioteca Escolar deve contribuir com os seus equipamentos, colecções e actividades para promover práticas no âmbito da criação de hábitos de leitura, posicionando-se, como um agente central.

2Calixto (1996) centra o processo educativo na sociedade da informação, referindo que:

A necessidade de uma biblioteca escolar multimédia deriva imediatamente dos novos conceitos sobre o ensino e aprendizagem que valorizam o papel do aluno, da complexidade do processo de aprendizagem e da existência de uma tecnologia avançada ao dispor de professores e de alunos. Vivemos numa sociedade de informação, e cada indivíduo precisa de informação para lidar com as necessidades da vida de todos os dias. Assim a biblioteca Escolar multimédia é um elemento essencial ao preparar os alunos para desempenharem um papel na sociedade contribuindo para criar nos indivíduos as capacidades para pesquisar, manusear e produzir informação.
(CALIXTO, 1996, 69)

3Já na transição do séc. XX para o séc. XXI, os espanhóis Corominas e Lladó (1999) partilham a mesma opinião de Calixto e escrevem:

No nos encontramos precisamente en um momento tranquilo en lo que respecta al mundo educativo, y a todo lo que significa para la sociedad; tiene ante usted el gran reto de asimilar los câmbios profundos que está experimentando para formar a personas preparadas, com recursos suficientes para moverse y desarollar sin problemas en la sociedad.
Esta tarea no es nada fácil, ya que hace variar en gran parte el sentido mismo de la escuela. Se trata del paso de una instituición transmisora de conocimientos a outra que tiene como misión la transformación de la información en conocimiento significativo para chicos y chicas, así como la formación de personas autónomas y solidárias.
(Cit. por QUERALT CATÀ, 2009, 15)

1. “Plano Tecnológico” e Sociedade do Conhecimento

O papel das Bibliotecas Escolares

  • 1 Programa do XVII Governo Constitucional, 2005, 12.

4O programa do XVII Governo Constitucional lançou o “Plano Tecnológico”, que dando um enfoque especial às TIC’s, explicita o seu papel e o seu peso na modernização da sociedade portuguesa. Reconhece pois, que «A desarticulação de esforço continuado de promoção do uso da Internet nas escolas e a diluição ou na mobilização social para a sociedade da informação em Portugal».1

5Com esta introdução pretendemos reforçar, que as Bibliotecas Escolares desempenham um papel insubstituível na promoção/aquisição de hábitos de leitura, a primeira competência para se entrar na sociedade da informação. Também entendemos, pela experiência de trabalho em Agrupamento, que sem a consolidação desta competência, não se garante o acesso pleno à sociedade do conhecimento, que todos desejamos.

6Perante este quadro transformador e inovador, em que professores e alunos lêem num «oceano de informação», (Queralt Catà, 2009), as Bibliotecas Escolares vivem uma realidade, que obriga a Escola a criar um conjunto de competências conducentes à exploração de todos os recursos educativos, quer digitais ou não numa perspectiva de Biblioteca Escolar multimédia.

7É esta a estratégia a que recorremos para a criação de hábitos de leitura, que promovemos com um enfoque particular no suporte livro, sem descurarmos o digital. Entendemos que a leitura deve começar pelo suporte papel, porque o desenvolvimento sensorial das crianças, nos primeiros anos de aprendizagem exige o contacto com o papel, com o folhear das páginas e com um contacto muto estreito com as ilustrações. Não menos importante será o cheiro do livro, do papel. Todos nós certamente recordamos o cheiro dos livros da nossa infância.

2. O Projecto THEKA e a criação de hábitos de leitura

8É assim, neste contexto, que desenvolvemos, no âmbito do THEKA – Projecto Gulbenkian de Formação de Professores para o Desenvolvimento de Bibliotecas Escolares, uma actividade com o fim de criar hábitos de leitura nas crianças do Pré-Escolar e do 1º Ciclo do Agrupamento de Escolas do Concelho de Borba, explorando duas obras do escritor Carlos Canhoto.

9Ao reflectirmos sobre a contextualização do fomento da leitura na Escola, com vista à criação de hábitos de leitura, será conveniente destacar o pensamento de Gimeno Sacristán:

El lenguaje y la ducación son inseparables. La escolaridad tiene que rellenarse ante todo de hablar y de escuchar, de leer y escribir. Cultivar estas dos últimas habilidades es función esencial de la educación moderna. La alfabetización eficaz supone poner a los sujetos a las puertas del poder que implica la posesíon del conocimiento a través del domínio del linguaje. (cit. por CORCHETE, 2007, 50)

10A literacia eficaz ou alfabetização informacional, como a designam muitos autores, de que fala Sacristán, deve desenvolver nos alunos as competências necessárias para que sejam capazes de converter as aprendizagens em conhecimentos. Convém, desde já salientar que parte destas competências está directamente ligada com o domínio da linguagem e o verdadeiro domínio da linguagem exige a prática da leitura.

11O quadro resume a linha conceptual que orientou a nossa estratégia de criação de hábitos de leitura.

(In CORCHETE 2007, 51)

12A criação de hábitos de leitura, tanto na sala de aula como na Biblioteca Escolar deve oferecer aos alunos uma diversidade de situações de leitura e de escrita que ajudem a amadurecer as suas capacidades de compreensão, interpretação e elaboração de textos. Esta missão traduz-se em duas grandes áreas: literacia da leitura/promoção do gosto pela leitura.

13A literacia da leitura tem como primeiro objectivo fornecer aos alunos as competências leitoras necessárias para compreender e elaborar todo o tipo de textos. Trata-se, no fundo, de em primeira instância ensinar a dominar o código da linguagem escrita e com base neste domínio trabalhar a compreensão leitora. Promover o gosto pela leitura é uma tarefa, em que a Biblioteca Escolar, a família e a Biblioteca Municipal ocupam um lugar privilegiado. Não o deveremos esquecer, a Biblioteca Escolar assume a primeira etapa de criação de hábitos de leitura, pois constitui o espaço ideal para educar os tempos livres e o lazer dos alunos.

14O Projecto THEKA, desenvolveu-se durante o Ano Lectivo 2007/2008, no Agrupamento de Escolas do Concelho de Borba e envolveu 123 crianças do Pré – Escolar e 278 do 1º Ciclo, 9 Educadores de Infância e 20 Professores do 1º Ciclo. Foram lidas as obras “A Pirá, a piranhita desdentada” e “Barbatanar nas cores do arco-íris” da autoria de Carlos Canhoto.

15A estratégia de criação de hábitos de leitura adoptou duas metodologias diferentes, mas complementares. “A Pirá, a piranhita desdentada”, foi lida no Pré-Escolar pelas Educadoras, tendo as crianças desenhado vivências e recriado textos a partir da audição da leitura da obra. A oralidade ocupou, pois um papel central como recurso para a criação de hábitos de leitura.

16Quando recuamos à memória da nossa infância, alguns de nós recordam as lengalengas, as histórias e os contos que ouvíamos sair com avidez da boca dos nossos avós. Depois, aguardávamos com ansiedade a aprendizagem das primeiras letras para procurar os livros e confirmar a veracidade de tantas lendas e contos, que deixavam suspensa a imaginação, a curiosidade… A oralidade da reunião familiar à lareira, foi substituída pela “Hora do Conto” nas nossas Bibliotecas Escolares, mas há que explorar, em nossa opinião, as potencialidades da oralidade, recuperando a declamação de poesia e as representações teatrais nas Escolas.

17A “A Pirá, a piranhita desdentada” foi lida, a pares, em contexto de sala de aula pelos alunos do 1º, 2º e 3º anos de escolaridade, e transformaram a leitura, igualmente em diversos tipos de documentos, textos escritos e ilustrações, dando liberdade à sua criatividade e imaginação. “Barbatanar nas cores do arco-íris” foi lido pelos alunos do 4º ano de escolaridade e explorado em interdisciplinaridade com Língua Portuguesa e Meio Físico e Social.

3. Novos desafios para a leitura no séc. XXI

18Parece indiscutível, que no início deste terceiro milénio, a leitura tem de assumir novos desafios, que exigem leitores capazes de responder-lhes, como a liberdade e a autonomia crítica, que são suportados pela condição de leitores competentes. Neste contexto e perante a importância preponderante das TIC’s, Cerrillo distingue dois tipos de leitores:

  1. leitor tradicional, que é um leitor de livros, leitor literário, que se serve do livro e de novos modelos de leitura, como a Internet por exemplo.

  2. leitor novo, que é o consumidor fascinado pelas novas tecnologias, preso à Internet, só lê neste suporte, onde procura informação e jogos e comunica com os outros, nunca tendo assumido o papel de leitor de livros. É um leitor que tem dificuldades para descriminar mensagens e que nem sempre as entende.

19Estes novos leitores nunca viveram a experiência da oralidade, nem a experiência da leitura em voz alta.

20Cerrillo refere que a literatura torna possível a representação da nossa identidade cultural através do tempo, registando ao mesmo tempo a interpretação da nossa colectividade, os factos do mundo, permitindo-nos escutar as vozes do passado, conhecer os progressos, as contradições, as percepções, os sentimentos, os sofrimentos, as emoções ou os gostos da sociedade e dos homens em diferentes épocas.

Conclusão

21Na infância, o suporte básico de muitos dos primeiros textos com que se convive não é o significado, mas sim o aspecto lúdico que traz o ritmo, as formas ou a música do texto, que são por outro lado os elementos, onde as crianças podem reconhecer as palavras como uma linguagem especial, identificada com a linguagem do jogo. Neste sentido, seleccionámos a “Pirá, a piranhita desdentada”. Estas experiências iniciais constituem os primeiros passos para o caminho da aprendizagem literária, que devem continuar com as experiências literárias escolares. Estas só podem iniciar-se com o acesso das crianças à linguagem escrita, ampliando-se a sua experiência literária com novas leituras de textos escritos.

22A formação deste novo leitor, defendido por Cerrillo – o leitor literário – deve iniciar-se no Jardim-de-Infância, não devendo os títulos ser escolhidos só em função dos valores externos (formato, capa, tipo de edição) sem ter em conta a maneira como a história é contada.

23O plano de criação de hábitos de leitura continuou no Ano Lectivo 2008/2009 com a exploração de obras de Ana Maria Magalhães e de Nuno Magalhães Guedes. Estamos a dar os primeiros passos, cujos frutos estão ainda aquém dos objectivos pretendidos, mas julgamos que estamos no bom caminho para criarmos competências de leitor literário nos nossos alunos, primeira etapa para que a leitura se converta em “metaleitura”, uma leitura polifórmica, transversal e dinâmica que opõe e complementa textos, imagens e sons. A competência em “metaleitura” influenciará a nossa capacidade para desvendarmos a sociedade da informação que se transformará na sociedade do conhecimento (Cuevas Cerveró, 2007), na linha inspiradora do modelo construtivista de Vygotsky. As Bibliotecas Escolares do Agrupamento de Escolas do concelho de Borba procuram criar uma cultura própria, através da partilha e da gestão das colecções com vista ao desenvolvimento do trabalho em rede.

Bibliographie

CALIXTO, José António – A biblioteca escolar e a sociedade da informação. Lisboa: Caminho, 1996

CERRILLO, Pedro – Los nuevos lectores http://www.alonsoquijano.org/cursos2004/cursos%202005/promocion_lectura/ponencia/Los%20nuevos%20lectores.%20Pedro%20Cerrillo.pdf [consulta 11/04/2009]

CORCHETE, Teresa – Plan de centro educativo, plan lector y proyecto de biblioteca, in Soto Alfaro, Francisco (cord.). La biblioteca escolar como espacio de aprendizaje. Madrid: Ministerio de Educación y Ciência, 2007

CUEVAS CERVERÓ, Aurora – Lectura, alfabetización en información y biblioteca escolar. Gijón: Trea, 2007

PORTUGAL – XVII Governo Constitucional. Plano Tecnológico: Portugal a inovar. http:www.planotecnologico.pt/pt/plano tecnológico/o-que-e o-plano/lista.aspx [consulta a 25/04/2009]

PORTUGAL – Ministério da Ciência, Ensino Superior e Tecnologia. O livro verde da sociedade da informação. http://www.posc.mctes.pt/documentos/pdf/LivroVerde.pdf [consulta a 21/04/2009]

PORTUGAL – Programa do XVII Governo Constitucional http://www.mctes.pt/archive/doc/ProgramaGovernoXVIICompleto.pdf. [consulta a 25/04/2009]

QUERALT CATÀ, Enric (cord.) – La biblioteca mediateca: educación infantil y primaria. Barcelona: Rosa Sensat: Octaedro, 2009

Notes

1 Programa do XVII Governo Constitucional, 2005, 12.

Table des illustrations

Légende (In CORCHETE 2007, 51)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/457/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/457/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/457/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 84k

Auteurs

Professor Bibliotecário.

Coordenadora das Bibliotecas Escolares das E. B1. Agrupamento Vertical de Escolas do Concelho de Borba.

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr