Version classiqueVersion mobile

Elvas na Idade Média

 | 
Fernando Branco Correia

3. Elvas cristã

3.3. O reforço das estruturas defensivas

Texte intégral

1Com a integração de Elvas na coroa portuguesa, as muralhas passam a articular-se estreitamente, e até quase aos dias de hoje, com a situação que vai ser uma das características mais perenes e definidoras do seu destino: a sua posição de fronteira.

  • 1 Sobre estes aspectos veja-se Rita Costa Gomes, “A construção das fronteiras” in A Memória da Nação,(...)

2É sabido que, no período medieval, o conceito de fronteira envolve alguma plasticidade, não sendo encarada com a rigidez física que hoje se tem dela, fronteira essa que surge na documentação geralmente através de palavras como “raia” ou “estremo”1.

  • 2 Ibidem, pp. 363-366.
  • 3 Pode ter sido o caso de Gonçalo Martins de Cáceres, a quem D. Fernando, em 1373, doa vários direito (...)

3Na verdade, se logo após a subtracção de Elvas ao domínio islâmico se marca, claramente, uma fronteira com um sul andalusí que ainda tenta resistir, concomitantemente vai-se afirmando uma fronteira, a leste, com o reino vizinho. E o caso de Elvas é particular numa zona do Guadiana em que, sem mencionar os territórios transaccionados na sequência do tratado de Alcanizes, vilas como Mourão, Serpa, Noudar e Arronches mudaram de “dono” a seguir à “reconquista”2; com Elvas numa houve hesitações ou trocas. Se a primeira das fronteiras desaparece fisicamente, por completo, com as conquistas do reinado de D. Afonso III, a fronteira com Leão e Castela jamais deixará de marcar o dia-a-dia da cidade. Não será de estranhar que, em Elvas, a omnipresença de muralhas, torres e portas marque o quotidiano de uma terra que aprenderá a conviver com essas barreiras, mas que, no seu interior, também agregará membros procedentes de outras comunidades. Na verdade, “mouros forros” nunca os deixará de haver até aos finais do século XV e não deixarão de, no interior das muralhas, participar ao lado dos cristãos na defesa de Elvas. Tal como haverá portugueses do lado das tropas realistas de Leão e Castela, também não é impossível que alguns leoneses e castelhanos, a quem os monarcas portugueses fizeram mercês, tenham participado, em alguma ocasião, na defesa de Elvas3.

  • 4 Rita Costa Gomes, “A construção das fronteiras”, op. cit., p. 380.

4De qualquer maneira, as muralhas de Elvas, bem como os demais elementos do seu sistema defensivo, fazem parte de uma “fronteira” que se vai construindo e, simultaneamente, participam na “emergência da própria noção de fronteira”4.

3.3.1. O castelo

  • 5 A definição do que é o “castelo” dá origem a frequentes equívocos. A. Tomás Pires confunde o “caste (...)
  • 6 Quanto ao significado de saluqiyya, veja-se o que se disse em 2.3.1.1.
  • 7 Sobre as vantagens da torre circular, em relação à quadrangular, a nível de resistência, veja-se Má (...)

5O castelo encontra-se implantado no topo norte da Alcáçova5. Os seus muros noroeste e nordeste, onde se encontram torres quadrangulares e pouco salientes, aproveitam lanços dessa alcáçoca islâmica. Não seria impossível que o castelo cristão tivesse aproveitado um reduto fortificado, do tipo saluqiyya6. Na verdade, apesar de se conhecerem os inconvenientes da utilização da planta quadrangular7, este tipo de torre mantém-se, possivelmente devido ao aproveitamento de pré-existências (Figura 37).

Figura 37 – O Castelo de Elvas, na perspectiva de Duarte D’armas (inícios do século XVI – original em A.N.T.T., Livro das Fortalezas, fl. 124). Além de outros elementos, são visíveis uma barreira (ou barbacã) diante da porta principal e o arranque do “muro da vila” que envolvia a Alcáçova. Alguns dos aposentos do alcaide eram sobradados. Das duas cisternas referenciadas, uma localizava-se no interior da Torre de Menagem.

Figura 37 – O Castelo de Elvas, na perspectiva de Duarte D’armas (inícios do século XVI – original em A.N.T.T., Livro das Fortalezas, fl. 124). Além de outros elementos, são visíveis uma barreira (ou barbacã) diante da porta principal e o arranque do “muro da vila” que envolvia a Alcáçova. Alguns dos aposentos do alcaide eram sobradados. Das duas cisternas referenciadas, uma localizava-se no interior da Torre de Menagem.
  • 8 Sobre este aspecto veja-se José Marques, Relações entre Portugal e Castela nos Finais da Idade Médi (...)

6As referências directas ao castelo não são habituais até finais do século XIV. Contudo, com ou sem o aproveitamento de um espaço militar específico prévio, a definição do seu espaço não foi tão tardia. Sem querer atribuir a um único monarca a fortificação deste recinto, não seria de admirar que na época do tratado de Alcanizes se tivesse feito sentir a necessidade de reforçar os sistemas defensivos de Elvas. Por outro lado, D. Afonso IV, que esteve em Elvas algum tempo e dedicou especial atenção à construção do “alcáçer” de Olivença8 e a quem, provavelmente, se deve o início das obras na “cerca nova”, também não deve ter sido alheio à definição deste espaço.

7Os acontecimentos que têm lugar em Elvas a seguir à morte de D. Fernando dão uma ideia do estado em que então se encontrava o castelo e das modificações que lhe foram introduzidas.

  • 9 Fernão Lopes, Crónica de D. Fernando, (ed. de Salvador Dias Arnaut), Porto, Liv. Civilização, s/d, (...)

8No seu interior havia acomodações para alojar e acolher o alcaide, seus familiares e convidados. É aí, possivelmente, que Gil Fernandes irá ser preso após jantar com Álvaro Pereira, alcaide e anfitrião9.

  • 10 O arrastamento das obras pelo século XIV concorda com a visão que Mário Tavares Chicó tem desta con (...)
  • 11 Sobre este elemento arquitectónico veja-se António Lopes Pires Nunes, Dicionário Temático de Arquit (...)
  • 12 Ao especificar-se esta porta, deduz-se que existiria uma outra, que deveria ser a já referida “port (...)
  • 13 A.N.T.T., Odiana, liv. 4, fl. 79, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 39; B.A.M.E., Pergaminh (...)

9Por outro lado, tudo leva a crer que as obras se arrastaram por algumas décadas. É possível que a torre de Menagem estivesse ainda em construção em finais de Trezentos10. Para além da chamada “porta da traição”11, virada a noroeste, o acesso principal, aberto para o interior da alcáçova, estava protegido por uma “barbacã da porta”. É a esta barbacã que os procuradores do concelho de Elvas, em 1448, se referiam quando afirmavam que “no tempo del Rey dom Joam voso avoo cuja alma deus aja huum alcayde do castello da dita villa tractou com a Rainha dona Briatiz de Castella de lhe dar o castello e tomou voz por elle e foy combatido dos da villa e tomado por força e o moor embarguo que lhe teveram pera lho tomar foy huua barreira que estava a porta do dito castello de dentro da villa12 e o Condestabre per mandaado do dito Senhor Rey foy a dita villa e fez derribar esta barreira e dous lamças do muro da Alcaaçova e huua torre que se fazia por fortelleza do castello mandou que se nam fizesse e todo esto foy feito a requerimento da villa affim que se outro alcaide cometese deslealdade que o castello mais ligeiramente fosse tomado”13.

  • 14 “E nestes annos que o jfamte dom Pedro vosso tyo regeo fez Dioguo Lopez de Sousa esta barreira muyt (...)

10Contudo, a vida dessa “barreira” ou não cessou em finais do século XIV. Durante o período da regência de D. Pedro, o fronteiro Diogo Lopes de Sousa retomou a barreira e tornou-a, segundo se queixam os representantes do concelho, mais forte do que antes estava, o que, no mínimo, inquietava sectores elvenses, numa conjuntura em que as relações entre o ex-Regente e o rei não eram as melhores14. Adivinhavam-se situações de instabilidade (cf. Figuras 13 e Figura 50).

Figura 50 – A porta principal do castelo abre para a alcáçova. Aqui se encontrava implantada uma barbacã, destruída em 1383 e, mais tarde reconstruída (visível na planta feita por Duarte D' Armas).

Figura 50 – A porta principal do castelo abre para a alcáçova. Aqui se encontrava implantada uma barbacã, destruída em 1383 e, mais tarde reconstruída (visível na planta feita por Duarte D' Armas).
  • 15 A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 31, fl. 122; P. de Azevedo, op. cit, pp. 69-70. Veja-se, (...)
  • 16 Chrónica de El Rei D. João II, Lisboa, 1902, I, p. 154, citado por Vitor Manuel Pavão dos Santos, A (...)
  • 17 Luis Keil, Inventário Artístico de Portugal; Distrito de Portalegre, Academia Nacional de Belas Art (...)
  • 18 Pelo testamento de Da Maria do Quintal, de 1512, as suas casas – “...de morada na Alcassova [...,] (...)

11D. Afonso V, em 1469, no conjunto de obras que entrega ao “povo meudo” inclui “...obras da villa e tambem do castello...”15. No entanto, é possível que elas só se venham a tornar efectivas com D. João II, monarca que, segundo Garcia de Resende, “em todalas fortalezas mandou de novo fazer aposentamentos e casa para isso ordenadas”16. É, aliás, no seu reinado que terminam as obras na torre de menagem, encontrando-se sobre a porta de entrada um escudo com as armas deste monarca17. Em inícios do século XVI o castelo era, pelo menos parcialmente, rodeado por uma “cava” e algumas casas de habitação encostavam-se a ela18.

3.3.2. A manutenção da “cerca velha”

12A cerca da antiga medina islâmica continuou a ter interesse estratégico e militar durante muito tempo. Se, por um lado, até ao século XIV, continuou a ser, para além da alcáçova, o único recinto amuralhado de Elvas, mesmo após a construção de uma nova cerca, conhecida como “cerca fernandina” aquela não perdeu funcionalidade e, de forma previdente, foi perspectivada como capaz de suster qualquer embate que conseguisse perfurar e penetrar a nóvel muralha.

  • 19 Eurico Gama, Crónicas de Odiana, Elvas, 1967, p. 12. É de concordar com Eurico Gama quanto ao facto (...)

13Para o período medieval cristão tem-se atribuído quatro portas a este recinto amuralhado. Eurico Gama, além de informar que na muralha de origem islâmica dominava a argamassa ou taipa, refere que esta cerca “tinha dezasseis torres, era protegida por quatro portas: ao Poente, a do Arco do Bispo; a Sudoeste (sic), a Porta Nova do Arco da Encarnação; ao Nascente, a Ferrada ou dos Banhos, que se julga ser a de São Vicente; ao Sul (sic), a do Arco da Praça ou de Santiago”19.

14A “cerca velha” conservou muitas das suas características arquitectónicas de raiz islâmica. Verifica-se que, desde o século XIII, a existência de “cárcovas” ou fossos é uma constante nos mais importantes panos de muro no arco de muralha que vai de nascente para poente, passando pelo meio-dia. A norte desconhece-se se alguma vez terá existido algum fosso.

  • 20 A.N.T.T., Chancelaria de D. Dinis, liv. 1, fl. 27v.
  • 21 A.N.T.T., Chancelaria de D. Dinis, liv. 1, fl. 27.
  • 22 Veja-se essa extensa lista de obras de fortificação, realizadas no reinado de D. Dinis em Rui de Pi (...)

15Entre as Portas de Santiago e a do Bispo, em finais do século XIII, e mais concretamente em 1280, esta cerca ainda conservava a cárcava e barbacã20, sinais evidentes que de estava apetrechada para fazer face a qualquer ofensiva. Junto à Porta dos Banhos também não falta a referência à cárcava21. É de presumir que o mesmo deveria acontecer para as bandas da Porta Nova e ao longo do pano que se encontrava entre estas duas últimas entradas. Por outro lado, Elvas não é citada no conjunto – vasto – de cidades, vilas e lugares que foram reforçados militarmente durante o reinado de D. Dinis (com construções de raiz, alterações, ampliações ou simples reparações). Tal ausência deve-se, possivelmente, ao facto de o sistema de fortificações herdado de época islâmica não necessitar de grandes alterações. Algumas alterações ou reparações que se devem ter efectuado pouco depois da tomada de Elvas pelos portugueses teriam tornado desnecessárias obras significativas, durante o reinado de D. Dinis, apresentando-se, nessa altura, em bom estado “físico”22.

  • 23 Chancelaria de D. Pedro, doc. 579.

16É possível que durante o reinado de D. Pedro os habitantes de alguns termos vizinhos tivessem sido compelidos a reparar determinados pontos do sistema defensivo de Elvas como, por exemplo, as suas cavas, cárcovas ou alcárcovas. Talvez assim se possa entender a graça concedida aos habitantes do reguengo da Meada (actual Póvoa e Meadas, no concelho de Castelo de Vide), escusando-os, em 1361, entre outros serviços, de “dar adua pera a caua d eluas23. Na verdade, esta carta de mercê surge no mesmo ano em que tiveram lugar as cortes realizadas em Elvas, momento em que o rei se pode ter apercebido, in loco, da necessidade da realização de algumas obras no sistema defensivo de Elvas.

17É possível que algumas das torres maciças em taipa de época islâmica tivessem, então, sido revestidas de alvenaria para, dessa forma, se poder evitar a degradação e deterioração da taipa, por forma a que continuassem a ter um papel importante na defesa de urbe. Deve ser o que se passou com a torre que se localiza actualmente a meio da Rua Sá da Bandeira (conhecida no período medieval como Rua da Porta dos Banhos). Apresenta um volume maior que qualquer das que a rodeiam e tem um compartimento ao nível do adarve. Abaixo desse nível parece ser maciça (Figuras 38 e 38A).

Figura 38 – aspecto actual de uma torre implantada no recinto da muralha da medina. O seu interior, até ao topo da muralha, pode ser em taipa. Trata-se de um dos exemplos do reforço, em época cristã, das muralhas da medina islâmica. O desnivelamento do terreno é sintoma da existência de uma antiga barbacã, à semelhança do que é visível na imagem seguinte.

Figura 38 – aspecto actual de uma torre implantada no recinto da muralha da medina. O seu interior, até ao topo da muralha, pode ser em taipa. Trata-se de um dos exemplos do reforço, em época cristã, das muralhas da medina islâmica. O desnivelamento do terreno é sintoma da existência de uma antiga barbacã, à semelhança do que é visível na imagem seguinte.

Figura 38 A – Exemplo de como a existência de muralha e barbacã originam, frequentemente, desníveis no terreno.

Figura 38 A – Exemplo de como a existência de muralha e barbacã originam, frequentemente, desníveis no terreno.

3.3.2.1. As portas da “cerca velha”

3.3.2.1.1. Porta dos Banhos

  • 24 Vejam-se Amílcar Morgado, Elvas, praça de guerra, arquitectura militar, p. 12, Castelo de Elvas, p. (...)
  • 25 Victorino de Almada faz coincidir esta porta com a chamada Porta-Velha que se conserva entre as act (...)

18A nascente desta cerca localizava-se a porta conhecida como “dos Banhos”24. A sua identificação com a “Porta Ferrada” (feita por Aires Varela) tem sido polémica. Na verdade, alguns autores têm considerado que esta porta pertencia à “cerca fernandina”. Porém, ela aparece claramente referida antes do início da construção deste outro recinto25.

  • 26 Igreja que se deveria localizar na actual rua do Espírito Santo, e não muito longe da igreja de S. (...)
  • 27 Localizado muito provavelmente no arrabalde que se começava a desenvolver diante das muralhas colad (...)
  • 28 A.N.T.T., CR, Alc., m. 111, no 28, citado por Pedro Gomes Barbosa, “Santa Maria de Alcobaça no Term (...)
  • 29 A.N.T.T., Chancelaria de D. Dinis, liv. 1, fl. 27. A cárcava encontra-se a ocidente da dita casaria (...)

19Efectivamente, por escambo realizado, em 1267, com a clerezia de S. Pedro de Elvas, o Mosteiro de Alcobaça entrega uma propriedade localizada junto à igreja de S. Miguel26, não longe da Porta dos Banhos (bem perto da igreja de S. Pedro de Elvas) e uma outra no arrabalde do Ferrageal27, em troca de uma herdade no Caia28. Também o rei possui bens junto à Porta dos Banhos. Em 1280, Furtum Fernandes e Maria Domingas aforam por uma libra e meia, de foro anual, casaria e meia do rei que se localiza “na mha carcava do meu muro delvas aa porta dos Banhos29.

20Tudo leva a crer que a entrada rasgada nesta muralha tanto podia ser conhecida pela proximidade em relação aos banhos públicos, como por uma das características morfológicas da referida porta: o facto de ela ser chapeada com ferro, para se obter uma maior resistência, menor vulnerabilidade, para além de, psicologicamente, uma porta chapeada a ferro poder inspirar temor a quem por ela tem de passar.

  • 30 Uma das queixas formuladas às Cortes de Évora de 1461 diz respeito a uma fonte que se encontrava ju (...)
  • 31 Cf. Ma Ângela Beirante, op. cit., p. 48.

21No século XV esta porta continua a ser referida30. Não é, porém, impossível que, ao construir-se a cerca “fernandina”, se tivesse fechado a porta ferrada ou dos Banhos e que se tivesse rompido outra porta mais a Sul – já no circuito novo – que, ao dar caminho para os mesmos banhos, tivesse herdado a designação. Embora fosse lógico que a nóvel entrada passasse a ser conhecida como porta “nova” dos banhos, tal parece nunca ter acontecido. A aplicação, na porta de uma nova cerca, do nome de uma entrada de uma cerca anterior, tem paralelos com o que se passou em Évora na Porta de Alconchel31.

3.3.2.1.2. Porta Nova

  • 32 A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso III, liv. 1, fl. 98. A carta é dada em Évora, a 1 de Fevereiro d (...)

22Aberta em fase final da ocupação islâmica, ou nos primeiros do domínio cristão, esta porta já aparece referida em documento de Janeiro de 1270, no reinado de D. Afonso III, a propósito do campo que o monarca doa aos mouros forros de Elvas e que era limitado por duas carreiras que saíam desta entrada da muralha islâmica, uma das quais ia para os banhos32.

  • 33 Veja-se o que antes se disse a propósito das portas da muralha da medina em época islâmica – cf. 2. (...)

23A designação de “Nova” que então se lhe dá não exclui, contudo, uma existência anterior ao definitivo domínio cristão33.

  • 34 Cf. V. de Almada, Elementos..., (Apontamentos manuscritos, 4 – P – 45): verbete no 2 sobre “Porta N (...)
  • 35 “A 25 de Agosto de 1344 aforaram os clérigos do Salvador uma casa sobradada situada à Porta Nova” – (...)
  • 36 Uma das almuinhas do Mosteiro de Alcobaça na ribeira de Chinches confinava, em 1367, com um olival (...)
  • 37 “Os beneficiados do Salvador permittem a 11 de nov. 1486 que Isabel Vaz viuva de Lopo Mourão trespa (...)

24De 1287 e 1291 há outras referências a esta porta da antiga cerca islâmica34 e, em meados do século XIV, detectam-se casas sobradadas junto a ela35. Alguns dos moradores de Elvas eram conhecidos pelo facto de a sua residência ficar próxima desta entrada36. Os documentos do século XIII mostram que da Porta Nova saem caminhos (carreiras), enquanto que os do século XV contêm referências claras a ruas37.

  • 38 Cf. A. Tomás Pires, As ruas de Elvas..., pp. 47-48.
  • 39 Muito provavelmente tal abertura fez-se no lado Oeste desse pano de muro, onde ainda hoje há algum (...)
  • 40 Deveriam ser várias as portas em cotovelo existentes na cerca de origem islâmica. A propósito da ne (...)

25Vai ser junto a esta porta que se irá abrir o actual Arco da Encarnação38. Na verdade, a “Porta Nova” inicialmente deve ter sido aberta, por uma questão de facilidade, num dos lados dos panos de muro da muralha que conduziam à torre albarrã de época islâmica39, o que obrigava a ladear a torre albarrã para atingir a porta. Contudo, uma entrada assim feita se, por um lado, em termos defensivos era uma porta mais difícil de tomar por quem tentasse conquistar Elvas (na medida em que, na prática, era uma porta em cotovelo), para o dia-a-dia de uma urbe dinâmica em tempos de paz tal entrada era impeditiva de uma circulação desafogada e segura. Porém a entrada acotovelada e sinuosa manteve-se até ao século XVI40 (cf. Mapas 4 e 6).

  • 41 V. de Almada, op. cit., verbete no 7 sobre “Porta Nova”, no qual se indica um documento datado de 1 (...)
  • 42 Por carta de 15 de Janeiro de 1571, a “camara apresentou a elrei que a Porta Nova, que está nos mur (...)

26É provável que aí se tivessem dado alguns “acidentes de trânsito” envolvendo pessoas, bestas, veículos e mercadorias ao longo do período medieval, já que, para o século XVI não faltam informações sobre perigos aí existentes. Foram, aliás, os “perigos de transito41 que motivaram sugestão de que a abertura desta porta se fizesse “ao direito”. A obra, que se considerava necessária, continuou por fazer durante várias décadas e só deve ter sido iniciada em finais do século XVI42.

  • 43 Cf. A. Tomás Pires, op. cit., p. 109.

27Será, pois, só em finais do século XVI ou já em inícios do XVII que se procederá à abertura de um novo acesso, sem cotovelos sucessivos, abertura feita através de túnel aberto por debaixo da torre albarrã, sensivelmente como ainda hoje se pode apreciar. É a essa segunda abertura, ou segunda Porta Nova, que se vem mais tarde a chamar “Arco de Nossa Senhora da Encarnação” e também “Porta Nova do Salvador”43 (cf. Figuras 25 e 41).

28Deve datar de finais do século XVI, do momento da abertura do túnel e a alteração das faces traseiras da dita torre albarrã, possivelmente octogonal como outras de origem almóada, de que a torre de Espantaperros em Badajoz é um bom exemplo.

3.3.2.1.3. Porta de Santiago

29A Porta de Santiago rasgou-se em data difícil de apurar. As referências começam a aparecer em finais do século XIV, mas esta entrada deve datar, pelo menos, da centúria anterior.

  • 44 A dar crédito a Aires Varela, a construção da ermida de Santiago, que se localizava onde, actualmen (...)
  • 45 Cf. A. Tomás Pires, op. cit., p. 113.

30Na verdade, o seu nome parece ter a ver com o facto de os espatários terem construído uma ermida44 no exterior da medina. A abertura da muralha de onde partia o caminho45 que se dirigia para esse pequeno templo desde cedo deve ter adquirido o nome de Porta de Santiago.

  • 46 A.N.T.T., Odiana, liv. 2, fl. 238v-240.
  • 47 “...nossos paços que avemos na nossa uilla dEluas a fundo da porta desantiaguo” – A.N.T.T., Chancel (...)
  • 48 Eurico Gama, Catálogo dos Pergaminhos do Arquivo Municipal de Elvas, Boletim da Biblioteca da Unive (...)
  • 49 As ditas casas, tinham tido como locatária uma tal Maria Esteves mostardeira, sem herdeiros e sem t (...)

31João Durães, clérigo raçoeiro da igreja de S. Pedro de Elvas, falecido em finais do século XIV, deixou em testamento, além de outros bens, umas casas e uma adega junto à Porta de Santiago46. Em, 1399, Martim Afonso de Melo, guarda-mor de D. João I, recebe do rei, para si e para todos os seus sucessores, uns Paços que se localizavam perto da mesma porta47. Eurico Gama afirma que, em 1432, a arrematação das rendas do concelho se fez “na praça da porta de Santiago”, onde se realizava também o mercado diário48. Em finais do terceiro quartel do século XV o rei possuía casas à Porta de “Sanctiaguo na praça da dita uilla que partem com o muro da dicta uilla e com a dicta praça49, casas essas que tinham sido construídas na barbacã da cerca velha.

  • 50 Devido à proximidade em relação a esta máquina do tempo, nome pelo qual será chamada até ao século (...)
  • 51 Sobre estas denominações veja-se V. de Almada, “Arcos”, op. cit., I, p. 290. É de crer que esta últ (...)
  • 52 O Arco da Praça só será aberto na cerca de origem islâmica em meados do século XVI, depois da abert (...)

32A Porta de Santiago será mais tarde conhecida sob as designações de Arco do Relógio50 ou, também, Arco de Santa Maria51. A Porta de Santiago não corresponde à Porta Nova ou Arco da Praça52.

3.3.2.1.4. Porta do Bispo

  • 53 Theatro..., p. 53.
  • 54 Sebastião Martins dos Reis (ed.), op. cit., pp. 60-63. Facto também já notado pelo erudito latinist (...)
  • 55 Sebastião Martins dos Reis (ed.), op. cit., pp. 60-63.

33A porta da cerca islâmica que ficou conhecida como Porta do Bispo (actualmente Arco do Bispo) teria sido aquela por onde, seguindo a tradição propalada por Aires Varela53, teriam entrado homens de armas do Bispo de Évora, aquando da tomada definitiva de Elvas. Era junto a ele que o Bispo de Évora tinha os seus principais bens urbanos em Elvas54. Entrada virada a Poente, virada também para Évora, nos séculos XIV e XV esta porta deveria ter, no seu exterior, barbacã e fossos55.

  • 56 “esquaadas da porta do Bispo” e, mais adiante, “esquaadas que estam a porta do bpõ e com a torre qu (...)

34Da estrutura arquitectónica e defensiva desta porta pouco se sabe. O arco que actualmente exibe é obra posterior. O vão de cerca de 5,80 metros que actualmente apresenta não é obra medieval. Sabe-se, sim, que em 1471, integrava umas escadas que faziam, aparentemente, parte do seu sistema de acesso56. Este, aliás, é o único caso de escadas documentadas no tecido da Elvas medieval. É possível que as próprias escadas fossem fruto de rearranjo urbanístico ou de rompimento da antiga e menos recta porta de época islâmica (cf. Figura 29 e Figuras 65 e 66). O arruamento que se encontra imediatamente a norte do actual arco – onde se encontram cantarias de um arco, actualmente cego, de menores dimensões – e a torre que ainda se conserva (parcialmente desvirtuada) a sul do actual arco podem ter feito parte do sistema de defesa da entrada original.

Figura 65 – O exterior do "Arco do Bispo" visto de uma das torres da muralha da medina. A antiga Porta do Bispo parece desenhar-se no interior deste muro. A parede à qual se encosta o oratório visível em baixo corresponde, em parte, a uma antiga torre.

Figura 65 – O exterior do "Arco do Bispo" visto de uma das torres da muralha da medina. A antiga Porta do Bispo parece desenhar-se no interior deste muro. A parede à qual se encosta o oratório visível em baixo corresponde, em parte, a uma antiga torre.

Figura 66 – Edifício do actual comando da P.S.P., localizado na área da antiga medina, junto ao Arco do Bispo (cujo arranque é visível à direita) e que está implantada, possivelmente, na área antes ocupada pelas casas que o bispo de Évora tinha em Elvas.

Figura 66 – Edifício do actual comando da P.S.P., localizado na área da antiga medina, junto ao Arco do Bispo (cujo arranque é visível à direita) e que está implantada, possivelmente, na área antes ocupada pelas casas que o bispo de Évora tinha em Elvas.

3.3.2.1.5. Porta de S. Martinho

  • 57 A. Tomás Pires, não refere esta porta.

35Esta porta é das que menos aparece citada na documentação medieval e mesmo os estudiosos elvenses que se debruçaram sobre a toponímia de Elvas não a citam57.

  • 58 A.N.T.T., Chancelaria de D. Dinis, liv. 1, fl. 30. A dita casaria confronta com João Gonçalves a no (...)
  • 59 A.N.T.T., Chancelaria de D. Dinis, liv. 1, fl. 29v. Trata-se de casaria e meia aforada a Pero Soare (...)

36No reinado de D. Dinis esta entrada parece estar operacional e do seu sistema defensivo faz parte uma barbacã. Regista-se propriedade régia junto a ela. Há referência a uma casaria régia aforada, em 1281, a um Domingos Pires porteiro, localizada no exterior da muralha, a par da barbacã, junto à Porta de S. Martinho58. Junto à mesma porta e confinando com a barbacã, encontrava-se casaria e meia que é dada a foro, em 1280, para aí se fazer casa59.

  • 60 Contudo, o edifício ocupado no final do séc. XX pela Cruz Vermelha, que fica no extremo norte da ru (...)

37Pela análise visual da actual forma de ocupação do terreno, parece que as casas da faceira oriental da rua actualmente denominada João Pereira de Andrade se acham encostadas ao que deve ter sido a barbacã da muralha; os seus quintais, por outro lado, parecem ocupar o espaço existente entre a barbacã e a muralha principal, ou seja, o espaço da antiga cárcova60.

  • 61 Com a entrada de Filipe II em Elvas efectuaram-se algumas alterações de carácter urbanístico. A ent (...)

38Esta entrada, pela sua posição, deve ter constituído o principal acesso para Norte, para a Ribeira de Chinches e, daí, para Arronches e Portalegre (Figura 43). Com a entrada régia de 1580 – que originou derrubes de casas e propiciou a formação de uma nova artéria61, traçada ortogonalmente – deve ter sido profundamente modificada ou até desaparecido.

Figura 43 – Imagem da zona por onde passaria a muralha da medina, junto à porta que será conhecida como de S. Martinho.

Figura 43 – Imagem da zona por onde passaria a muralha da medina, junto à porta que será conhecida como de S. Martinho.

O grande edifício que se vê à direita está implantado sobre a muralha que seguiria para a esquerda, seguindo em direcção aos troços que se conhecem junto do castelo (à esquerda, na imagem).
É visível a igreja de Nª Srª da Guia que ocupa o espaço da antiga igreja de S. Martinho. Aliás, o arruamento que se encontra imediatamente à sua direita é ainda hoje conhecido como Largo de S. Martinho, o qual comunica com um beco do mesmo nome.

3.3.2.2. A torre nova

  • 62 Esta designação, sem base documental, tem sido geradora de múltiplos equívocos, já que tem levado m (...)

39Uma das mais significativas alterações realizadas nesta cerca sob domínio cristão foi a construção da chamada “torre nova”, torre que deverá corresponder à que actualmente é conhecida como “Torre Fernandina”62 e que, pelos elementos arquitectónicos que exibe, deveria encontrar-se ainda em obras ao longo do século XV (Figuras 39 e 40).

Figura 39 – Torres da muralha da medina, visíveis por detrás das casas que durante a Baixa Idade Média foram ocupando o espaço fronteiro à Feira. A torre da esquerda, frequentemente chamada "Torre Fernandina" parece ser aquela que é chamada, em alguns textos, de "Torre Nova".

Figura 39 – Torres da muralha da medina, visíveis por detrás das casas que durante a Baixa Idade Média foram ocupando o espaço fronteiro à Feira. A torre da esquerda, frequentemente chamada "Torre Fernandina" parece ser aquela que é chamada, em alguns textos, de "Torre Nova".

Figura 40 – Outra perspectiva da "Torre Nova", do interior da antiga medina. Atente-se no desnível em relação ao espaço exterior (visível à esquerda) que comunica com o local onde se realizava a feira.

Figura 40 – Outra perspectiva da "Torre Nova", do interior da antiga medina. Atente-se no desnível em relação ao espaço exterior (visível à esquerda) que comunica com o local onde se realizava a feira.
  • 63 Lê-se no documento “a torre que esta sobre a feyra a que chamam a Torre Nova” – A.N.T.T., Odiana, l (...)
  • 64 Na verdade, os “procuradores do concelho” às Cortes de 1498 propõem que os que forem postos a torme (...)

40Esta torre, localizada sobre o espaço de realização da feira, já aparece assim designada no terceiro quartel do século XV, mais concretamente numa carta régia dada em Santarém aos 9 de Maio de 147163. Em finais do século XV deve estar terminada e servirá como cadeia.64.

  • 65 É, pois, possível, que se trate de mais um caso de uma torre maciça em taipa militar de época islâm (...)

41Organiza-se actualmente em três pesos e apresenta, no topo, 9,55 por 8,77 metros de lado. Tem vários arcos quebrados quatrocentistas e, pelos arcos actualmente cegos que mostra, revela que teve – em tempos – uma outra organização espacial. Observações levadas a efeito no local revelaram a inexistência de espaços abertos abaixo do actual nível de entrada, entrada essa que se situa muitos metros acima da base que assenta na Rua da Cadeia; ou seja, está implantada sobre um grande soco maciço65.

3.3.2.3. A “cerca velha” e o crescimento urbano

  • 66 Sebastião Martins dos Reis, op. cit., p. 62. O texto publicado indica “cartaua” (p. 62), concluindo (...)
  • 67 Cf. Ma Ângela Beirante, Évora na Idade Média, pp. 68 e 242.

42No século XIV esta cerca encontrava-se rodeada de ferragiais, pertencendo alguns à Sé de Évora. Dois deles, que confrontavam com a cárcova, foram transformados em casarias66 pelo bispo o qual, à semelhança do que ocorreu em Évora, contribuiu também aqui para a urbanização da “cidade” em crescimento67.

  • 68 Para alguns, possivelmente para os forasteiros acabados de chegar a Elvas, talvez fosse conhecida c (...)
  • 69 Pode citar-se o caso de Margarida Eanes (filha do tabelião João Vicente) que, em 1405, com o seu ma (...)
  • 70 A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 65v-66.

43No começo do século XV, este perímetro amuralhado, o segundo – para quem entrava em Elvas68 – já era conhecido como “cerca velha69, embora também se lhe chame “çerqua do meyo70. Perdeu valor militar e começam a despertar outros interesses por esses espaços.

  • 71 A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 80v-81. Tudo leva a crer que o rei tenha aproveitado o corredor entre (...)
  • 72 Os juízes, vereação e o procurador do concelho de Elvas, em Novembro de 1436 aforam a Mestre João, (...)
  • 73 Sobre a localização da feira e das casas da câmara veja-se adiante 3.4.4.1.1. e 3.4.4.5.
  • 74 A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 80v-81.

44Em meados do século XV, a barreira ou barbacã da cerca da antiga medina ainda se mantém em alguns pontos. O “chão” que o rei afora ao mercador Estêvão Fernandes está “na barreira do dicto senhor Rey antre o chaffariz seco e as casas que foram de mestre Samaya”, mencionando ainda que era junto ao local onde se realizava a feira, ou seja, entre as portas de Santiago e do Bispo71. Junto à Porta de Santiago e à Praça de Elvas conservava-se, no 2° quartel do séc. XV, mais concretamente em 1436, um troço do antemuro, barreira ou barbacã72. Aumenta a pressão urbanística em volta da barbacã. Está-se num tempo (e num local – junto à feira, perto da Praça onde, no século XV se localizam as casas da Câmara73) em que esta segunda cerca parece ser encarada, por muitos, mais como um empecilho do que como uma vantagem. O rei aprova a intenção dos locatários de construir “casas e quintal74 nesses espaços.

  • 75 Este Rui de Brito é, em 1455, alcaide das sacas em Elvas, por mercê régia, queixando-se o concelho (...)
  • 76 A.N.T.T., Odiana, liv. 4, fl. 204v-205v.
  • 77 No caso vertente, tratava-se essencialmente de ampliar o espaço de uma família, na zona da praça; R (...)

45Alguns anos depois, o fidalgo Rui de Brito75 e sua mulher Catarina Álvares aforam, em 1470, um chão do rei localizado na “barbaqãa na parte de comtra a praça amtre as casas do dicto Ruy de Brito E o dicto muro”76, facto que confirma o processo de ocupação do espaço livre entre a muralha principal e a barbacã. É possível que a esta já se encostassem muitas casas que olhavam para a praça, situada em frente, restando apenas ocupar alguns espaços livres entre a barbacã e a muralha77.

  • 78 Contudo, a situação alterou-se em meados do século XV; nas Cortes de 1459 os representantes do conc (...)

46Um dos rendimentos fixos do concelho provinha dos foros de casas e chãos que se achavam em redor da “barreira da cerca velha” que rendiam anualmente cerca de 200 reais para a arca do concelho. Algumas das casas encostavam-se aos muros da dita cerca (cf. Figuras 38 e 38 A), que devia ser reparada pela terça parte do rendimento do concelho78.

  • 79 Este desejo não desagrada ao concelho, o qual concorda com a construção de tais casas “por ser lugu (...)
  • 80 O dito João Lopes teria de dar servidão do muro ao concelho, no caso de os elvenses, em momento de (...)

47Em meados do século XV, a “febre imobiliária” parece ter atingido particularmente esta área, junto ao espaço da feira e da praça da vila e, por reflexo, esta cerca. Porém, a década de setenta de quatrocentos é aquela para a qual os testemunhos dessa febre são mais vigorosos. Alguns particulares influentes em Elvas, como é o caso do fidalgo João Lopes de Baião, pretendem construir casas sobre a dita muralha e sobre uma das suas torres que dava vistas para o espaço em que se realizava a feira79. Sendo pedida permissão, o monarca, na qualidade de senhor dos muros e da dita torre, autoriza a construção, salvaguardando aspectos de carácter defensivo80.

  • 81 Ibidem.

48Este parece ser mais um exemplo de que a antiga cerca da medina islâmica, ou “çerqua do meyo”81 estava relegada para um claro segundo plano, dada a existência de uma cerca exterior já terminada no terceiro quartel do século XV. Porém, uma questão deve ser precisada: quando se diz que a cerca islâmica ficou relegada para um segundo plano, significa que ela não tem a primazia no aspecto defensivo, mas não é esquecida, não é desmantelada, não é ocupada sem nexo. Ou seja, mesmo em finais do 3° quartel do século XV não se deixava de perspectivar a cerca interna, de origem islâmica, como um obstáculo ainda activo e útil, como que uma segunda linha defensiva. Embora fosse absorvida por algumas novas construções, mantinha acessos desimpedidos para permitir uma possível utilização, caso a “cerca de fora” não resistisse a um assalto.

  • 82 Cf. A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 43, onde se refere a utilidade e “foy servidõoe a todo o povoo pe (...)
  • 83 Estará atalhamento, em vez de assentamento?
  • 84 Promete ainda que não fará mais concessões que envolvam o dito corredor entre barreira e muro – A.N (...)

49Essa utilidade estratégica da “cerca velha” ou do meio está bem patente nas queixas do “povo miúdo”, em 1472. Queixa-se o povo de que esse espaço de comunicação e de circulação entre a muralha principal e a barbacã, bem conservada e útil82, estava a ser “privatizado”, na medida em que, por acção de algumas pessoas influentes, esse espaço era fechado e ocupado, impedindo a circulação das pessoas e prejudicando “concelho e povoo”. Um dos casos que mais deveria causar impedimentos à população era o de Rui de Brito que, na perspectiva do “povo miúdo”, se apoderara de um terreno que tocava as suas casas, no referido local, entre a muralha principal e a barbacã ou barreira. O rei reafirma a doação mas, ao mesmo tempo, determina que, se for necessário ao bem da vila, o dito atalhamento83 (feito por Rui de Brito) seja deitado abaixo84.

50A cerca velha, embora amputada parcial e faseadamente, nunca deixará de ser vista como necessária ao complexo sistema defensivo da Elvas medieval e pós-medieval. Todo o seu percurso parece manter-se com um certo vigor, apesar de, em alguns panos, apresentar evidentes sinais de ruína.

3.3.3. A construção da “cerca fernandina” ou “cerca nova”

51O crescimento dos arrabaldes e bairros individualizados que se iam encostando ao exterior da antiga medina fez sentir a necessidade da construção de uma nova cerca, ainda durante a primeira dinastia.

  • 85 Cf. Eurico Gama, Crónicas de Odiana, Elvas, 1967, p. 15: “no século XIV, D. Fernando fez levantar u (...)

52A tradição tem veiculado a ideia de que o seu início teve lugar no reinado de D. Fernando e, daí, a designação de “cerca fernandina”, por que tem sido conhecida. Muitos séculos depois, servirá de base ao percurso seguido pela cerca seiscentista, abaluartada85.

  • 86 Aires Varela, no século XVII, dá crédito à tese segundo a qual teria partido de D. Fernando a inici (...)
  • 87 Segundo Iria Gonçalves, “...não foi por acaso que D. Fernando se manifestou como o nosso grande con (...)

53Apesar da tradição de que esta muralha foi iniciada durante o reinado de D. Fernando86, período em que não faltam os exemplos de medidas concretas relacionadas com a construção ou reparação de sistemas defensivos87, as obras podem ter-se iniciado antes.

  • 88 Cf. Paulo Pereira, “A Arquitectura (1250-1450)” in “O «Modo» Gótico (séculos XIII-XV)”, História da (...)
  • 89 “... tenho motivos para crer que a 3a cêrca da fortificação d’Elvas foi começada no reinado de D. A (...)

54Na verdade, sabe-se que também o reinado de D. Afonso IV, e não só o de D. Fernando, foi marcado por uma grande actividade a nível de construções militares. É de crer que este último monarca tenha “capitalizado” investimentos nessa área feitos em reinados anteriores88. Tomás Pires já fizera notar, embora sem justificar as suas suspeitas, que a cerca “fernandina” poderia ter sido iniciada ainda no reinado de D. Afonso IV89. Como adiante se verá, estas suspeitas de Tomás Pires têm razão de ser.

  • 90 A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 2, fl. 7; A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 140, publicado p (...)

55Elvas tinha consciência da força dos seus homens e muralhas e da sua supremacia em relação a outras praças de guerra vizinhas. Um dos capítulos das cortes de 1441, pelo qual se pretende que o rei privilegie 200 vassalos com cavalos e armas prontos para o servir, espelha claramente essa auto-consciência. Dizem os procuradores do concelho que Elvas é “huu dos lugares que de toda a frontaria he mais temudo e a que se socorrem os nossos llugares do estremo quando quer que sse em presa veem90.

  • 91 A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 80v-81.

56Designada como “cerca nova” ou como “çerqua de fora”, também pode ser conhecida a partir de perspectiva exterior. Quando, em 1457, o contador da comarca se refere ao chão onde se realiza a feira, diz que ele se localiza “dentro da primeira cerca”, ou seja, a contagem das várias cercas não é cronológica mas sim topográfica e é concebida a partir de uma perspectiva exterior - a primeira cerca é, para alguém que acabe de entrar, a primeira a ser transposta91.

57Arrancando e terminando na cerca da antiga medina, a cerca nova aproveita, em algumas partes, o percurso da anterior cerca. Na verdade, a posição de Elvas, num anfiteatro natural virado a Sul, com uma abrupta e sintomaticamente chamada “Costa de Riba Fria” a Norte (Figura 70), permitiu um crescimento natural em leque, aberto sensivelmente de Sudeste a Noroeste.

Figura 70 – A Alcáçova vista desde os olivais da margem direita da Rib. de Chinches (ou Cêto), junto ao caminho medieval para Arronches e Portalegre (que corresponde, em grande medida, à estrada nacional que se vê no canto inferior direito).

Figura 70 – A Alcáçova vista desde os olivais da margem direita da Rib. de Chinches (ou Cêto), junto ao caminho medieval para Arronches e Portalegre (que corresponde, em grande medida, à estrada nacional que se vê no canto inferior direito).
  • 92 Veja-se, para uma perspectiva sintética da adaptação das muralhas abaluartadas de grande parte do p (...)
  • 93 Medida obtida a partir de curvímetro de precisão, sobre mapa à escala de 1:2000.

58São escassos os troços visíveis desta cerca, já que o sistema abaluartado que se implantou em Elvas a partir do século XVII, ao assentar sobre o perímetro definido pela última cerca medieval, acabou por destruí-la na quase totalidade92. Permaneceram, porém, como adiante se verá, alguns fósseis desta cerca trecentista. O perímetro das suas muralhas deveria rondar os cerca de 2200 metros93, envolvendo uma área que se aproxima dos 30 hectares.

3.3.3.1. Definição das muralhas

  • 94 “...a terceira linha de muralhas surgiu com D. Fernando pela necessidade de defender a povoação (qu (...)
  • 95 Amílcar F. Morgado, op. cit., p. 15; veja-se também Ma dos Céu P. Dentinho, op. cit., pp. 44-45; es (...)

59Os vários autores que se têm debruçado sobre a muralha dita “fernandina” reproduzem sempre a informação de que essa cintura de muros era constituída por 22 torres e 11 portas94 que seriam, respectivamente, e no sentido oposto ao dos ponteiros do relógio, partindo do Norte, as portas do Trempem [ou do Templo], de S. Martinho, dos Enforcados, de S. Francisco, de Évora, de S. Pedro, de Olivença, dos Mártires, de Badajoz, dos Banhos e do Hospital95.

  • 96 O século XVII é o momento da construção da cintura abaluartada que, também ela com algumas alteraçõ (...)

60Esta informação deve ser encarada com precaução, por vários motivos. Primeiro, porque é necessário clarificar (o que ainda se não consegue com toda a segurança) o “período de vida” das referidas portas. Na verdade, como tecido dinâmico e vivo que é, toda e qualquer área envolvida e protegida por uma qualquer fortificação – sobretudo envolvendo uma urbe – palpita de vida mantendo com as muralhas que a envolvem relações que vão evoluindo. Não há dúvida que, pela posição e até pela sua designação, as ditas portas não foram todas elas abertas ab initio; algumas serão mais postigos do que verdadeiras portas; umas foram delineadas logo na segunda metade do século XIV, outras surgirão muito mais tarde, até por que esta cerca foi a muralha exterior de Elvas, a do primeiro contacto (visual, militar, ...) até meados do século XVII96.

61Por outro lado, nem todas estas portas se podem considerar como pertencendo à cerca “fernandina”. Na verdade, esta cintura muralhada, em duas das suas extremidades, apoia-se na cerca de época islâmica, pelo que algumas das portas normalmente consideradas como fazendo parte da cerca “fernandina” acabam por ser portas abertas em troços da muralha delineados ainda em época islâmica e contíguos àquela. Estão neste caso as portas ditas “do Trepem” e a “do Hospital” (ambas abertas em troços do recinto de época islâmica).

62Quando à porta de S. Martinho é de crer que esta entrada, aberta em momento difícil de precisar na cerca de origem islâmica, por se localizar num ponto de intersecção com a cerca “fernandina”, pudesse ter sofrido alterações por forma a melhor se articular com a construção do último recinto medieval. Ou seja, não é de excluir uma adaptação – ou mesmo deslocação – deste acesso, por forma a que, com a “cerca nova”, a sua função de elo de ligação entre o interior e o exterior da vila, pudesse ser mais eficaz e servir um maior número de habitantes. Dito de outra forma, não é impossível que tivesse surgido uma “nova” porta de S. Martinho, a abrir para a área envolvida pela “cerca nova”.

  • 97 Não seria este o primeiro de caso de designação de porta de uma cerca amuralhada que é aplicada a u (...)

63É possível, como já se referiu97, que a porta Ferrada, da cerca islâmica, viesse a ser conhecida, na segunda metade do século XIII, como Porta dos Banhos. Porém, a construção da nova cerca levou a que se tivesse rasgado uma nova porta, não muito afastada da anteriormente referida, e que lhe deve ter herdado a designação.

  • 98 Gomes Aires Tinoco, morador em Elvas, é agraciado por D. João I, em Abril de 1388 com o coutamento (...)
  • 99 A. Tomás Pires, “As ruas...”, pp. 22 e 30.
  • 100 Esta porta localizar-se-ia onde hoje se encontra a chamada Porta Velha, antes denominada “porta vel (...)

64Comunicava esta porta com a chamada rua dos Banhos, nome pelo qual era conhecido, nos séculos XIV e XV98 o arruamento apelidado, mais tarde, de rua do Cano e, actualmente, rua Sá da Bandeira99. A sua localização exacta não coincidiria exactamente com a actual porta de S. Vicente100.

  • 101 A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 114v, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 62.
  • 102 A. Tomás Pires, op. cit., p. 30.
  • 103 Veja-se o que se disse acerca do clima da região de Elvas, em 1.1.

65Numa das portas da cerca fernandina havia sido construída por volta da década de 30 do século XV uma ponte, mas sem os anteparos ou protecções laterais, o que originava constantes e graves acidentes envolvendo peões e bestas de carga101. É possível que essa ponte se localizasse à Porta dos Banhos, já que o livro de vereações da Câmara de Elvas de 1597 refere que é dever da vereação manter “limpa à sua custa a ponte da porta dos banhos de maneira que não impida ho enxurro que vai por baixo102. Porém, a construção desta ponte deve ser compreendida à luz da existência de fossos em redor das muralhas, por onde as águas deveriam correr em grande abundância com as fortes chuvadas que não deixam de fazer a sua aparição mesmo numa região de baixa precipitação a nível de média anual103.

  • 104 É o que se passa em Montemor-o-Novo onde, em 1422, dois homens se afadigavam a “abrir o cano da Por (...)

66Pela grande inclinação da rua dos Banhos, é possível que já nos séculos XIV e XV esta porta estivesse concebida de forma a deixar escoar as águas que, naturalmente, escorriam por ela e pelos arruamentos adjacentes. Não é só devido ao facto de se comprovar a existência desse sistema no século XVI, mas também porque se sabe que, na centúria anterior, havia outras fortificações “alentejanas” que dispunham de portas preparadas para deixar escorrer as águas104.

67A porta dos Banhos deveria ser a mais comummente utilizada para acesso à zona das hortas, ribeira de Chinches e daí, para os caminhos que se dirigiam para Arronches e Campo Maior para além de, obviamente, pôr os recém-chegados em contacto directo com os ditos balneários (Figura 55).

Figura 55 – A muralha que se vê ao fundo segue, em certa medida, o traçado da cerca "fernandina". A porta de S. Vicente (parcialmente visível ao centro) abre-se sensivelmente no mesmo sítio onde antes se encontrava a Porta dos Banhos. No largo visível à direita encontrava-se a igreja de s. Vicente. As olarias e parte da Mouraria desenvolviam-se para a esquerda.

Figura 55 – A muralha que se vê ao fundo segue, em certa medida, o traçado da cerca "fernandina". A porta de S. Vicente (parcialmente visível ao centro) abre-se sensivelmente no mesmo sítio onde antes se encontrava a Porta dos Banhos. No largo visível à direita encontrava-se a igreja de s. Vicente. As olarias e parte da Mouraria desenvolviam-se para a esquerda.

68Para além da já referida Porta de S. Martinho, outras houve que eram conhecidas por uma invocação de carácter religioso. É o caso da Porta de S. Domingos.

  • 105 Fernão Lopes, Crónica de D. Fernando, (ed. de Salvador Dias Arnaut), Porto, Liv. Civilização, s/d, (...)
  • 106 Ibidem, p. 491.

69Há uma passagem de Fernão Lopes, até ao momento não citada por nenhum erudito elvense e que tem alguma relevância. O cronista, ao relatar as reacções que têm lugar logo após a morte de D. Fernando, refere que “em Ellvas, que tamto que elRei Dom Fernamdo morreo, Alvoro Pereira alcaide do castello, alçou logo bamdeira, e trouvea de cavallo pella villa ataa porta de Sam Domingos, apregoamdo: «Arreal por a Rainha Dona Beatriz»105. É sabido que esta atitude do irmão do futuro condestável suscita imediatas reacções contrárias por parte de elvenses, em vários pontos da vila106.

70Ora, a referência à Porta de S. Domingos só pode dizer respeito à cerca “nova”, na medida em que esta porta se localizava junto ao mosteiro dominicano que, só com a nova cerca, passou a ficar defendido por um sistema amuralhado integrado no da vila, pois poderia já haver uma cerca conventual. A existência desta porta, em 1383, não significa que todo o recinto amuralhado estivesse terminado nesta data. Porém, pela posição desta entrada, é mais que provável que o perímetro da nova cerca já então estivesse completamente definido e as principais portas construídas.

  • 107 Segundo um documento de 14 de Junho de 1464. Veja-se Eurico Gama, Duas Imagens de Nossa Senhora dos (...)

71Tudo leva a crer que Porta de S. Domingos também tivesse sido conhecida como Porta dos Mártires e que estas duas designações correspondam a uma e mesma entrada. Na verdade, há referência, em 1464, ao “aforamento de um chão, entre a Porta dos Martyres e a d’Olivença, a Fernão Rodrigues do Amaral”. Pela localização, só pode ser a porta de S. Domingos107 (Figura 46).

Figura 46 - Possível localização da Porta de S. Domingos (local em que o muro apresenta uma espessura que se aproxima de 2,30m).

Figura 46 - Possível localização da Porta de S. Domingos (local em que o muro apresenta uma espessura que se aproxima de 2,30m).
  • 108 É provável que a designação de Porta de S. Francisco surgisse só em finais do século XVI, com a con (...)
  • 109 Amilcar Morgado, op. cit., p. 15.
  • 110 A forca é visível na “vista tirada da banda do sul” feita, em inícios do século XVI, por Duarte D’a (...)

72Abriram-se posteriormente outras portas, nesta cerca, relacionadas com edifícios religiosos. É o caso das portas de S. Francisco e de S. Pedro, que surgem em fase pós-medieval108. Segundo Amílcar Morgado, a fortificação “fernandina” teve nas imediações da actual Porta da Esquina uma outra, chamada “Porta dos Enforcados”109. Na verdade, no período medieval tal abertura já deveria existir, mas talvez não passasse de um pequeno postigo110. A referência à Porta da Esquina só surge no século XVI, ficando famosa pelo facto de ter sido por aí que, em 1580, entrou Felipe II de Espanha, a caminho de se tornar Filipe I de Portugal.

  • 111 Quanto a portas de muralhas com nomes de terras para onde se dirigem os caminhos veja-se Iria Gonça (...)

73Não faltavam em Elvas, tal como em outras vilas e cidades medievais, portas cuja designação derivava do local para onde se dirigiam as estradas que delas partiam111. É, o caso, em Elvas, das portas de Badajoz, de Olivença e de Évora, uma tríade que estava virada para as principais direcções que assumia a rede viária que atravessava Elvas e que dela partia.

74A Porta de Évora comunicava com a rua do mesmo nome e que chegou a ser conhecida como rua da Porta de Évora. É, seguramente, uma das portas inicialmente definidas aquando da concepção desta cerca; era, sem dúvida, a mais importante entrada virada a poente e a que era atravessada pela maioria dos viajantes que, nos séculos XIV e XV, se dirigiam para ocidente.

75Apesar de todas as grandes alterações por que passou a cerca, é possível ainda encontrar uma das torres que, sendo um dos poucos resquícios da mesma, corresponde, muito provavelmente, ao sistema defensivo desta entrada (Figura 47).

Figura 47 – Torre (actualmente caiada) da muralha "fernandina", localizada junto à antiga Porta de Évora.

Figura 47 – Torre (actualmente caiada) da muralha "fernandina", localizada junto à antiga Porta de Évora.

76A Porta de Badajoz (então conhecida como Badalhouce ou Badalouce), que se localizava sensivelmente onde hoje se encontra o portão que dava acesso ao Regimento de Infantaria de Elvas até inícios da década de noventa, foi implantada, certamente, logo na fase de concepção desta cerca. Dirigia-se não só para aquela que era, em termos de proximidade geográfica, a mais próxima cidade, a mais próxima sede de bispado, embora localizada no reino vizinho, como também seria o mais lógico acesso para os que dirigissem para os ricos campos das margens do Guadiana, junto a Enxara e a Alfarófia. Localiza-se no terminus da antiga carreira para Badalhouce e dela não restam vestígios in situ. Porém, não é impossível que alguns restos arquitectónicos que hoje se encontram reaproveitados num baluarte próximo, tivessem pertencido a esta antiga porta trecentista (Figuras 44 e 45).

Figura 44 – Parada do antigo Regimento de Infantaria de Elvas (Museu Militar dirigido, desde 2009, pelo Sr. Coronel Aragão Varandas)

Figura 44 – Parada do antigo Regimento de Infantaria de Elvas (Museu Militar dirigido, desde 2009, pelo Sr. Coronel Aragão Varandas)

Onde é visível um grande muro que envolve o convento de S. Domingos e os seus claustros (à esquerda na imagem – onde termina o muro de pedra à vista), muro esse que se prolonga para a direita – pintado de branco – e ao qual se encostam edifícios térreos do ex-regimento que deixam ver o seu topo; a antiga Porta de S. Domingos poderia ter estado implantada perto da abertura que hoje se encontra entre o troço com pedra à vista e a zona rebocada e pintada.

Todo este perímetro teria feito parte da muralha "fernandina", muralha essa que se prolongaria para a direita, em direcção à torre amarela que se vê ao fundo (à direita, na foto, sob o Forte da Graça) e que se encontra implantada no local conhecido, curiosamente, como "Baluarte da Porta Velha". A meio do muro que conduz a essa torre é perceptível – a cinzento – um portão que, até há alguns anos, servia de entrada para o regimento e que se encontra implantado onde se localiza a Porta de Badajoz.

Figura 45 – Vestígios arquitectónicos claramente anteriores aos baluartes seiscentistas e que se localizam por detrás da torre quadrangular, amarela, do "Baluarte da Porta Velha".

Figura 45 – Vestígios arquitectónicos claramente anteriores aos baluartes seiscentistas e que se localizam por detrás da torre quadrangular, amarela, do "Baluarte da Porta Velha".

77A cintura abaluartada que Elvas actualmente exibe, e que deve a sua traça a projectos iniciados em meados do século XVII, sobrepôs-se em grande medida ao traçado desta cerca (Figura 75). Devido a essa circunstância, é muito difícil descortinar alguns vestígios das muralhas trecentistas, dado que a grande maioria delas desapareceu. Porém, dentro do actual Quartel de Infantaria de Elvas existe um muro que pode corresponder a um dos poucos troços que subsistem da cerca “de época fernandina”.

Figura 75 – Vista aérea de Elvas. O perímetro abaluartado sobrepõe-se, em grande medida, à "cerca nova". Percebem-se os contornos da cerca da medina de época islâmica, do castelo e de alguns dos principais arruamentos já existentes no período medieval (Edição da Câmara Municipal de Elvas – Turismo, 1991).

Figura 75 – Vista aérea de Elvas. O perímetro abaluartado sobrepõe-se, em grande medida, à "cerca nova". Percebem-se os contornos da cerca da medina de época islâmica, do castelo e de alguns dos principais arruamentos já existentes no período medieval (Edição da Câmara Municipal de Elvas – Turismo, 1991).
  • 112 Há que agradecer ao senhor comandante do Regimento de Infantaria de Elvas, ao Major Firmino e ao Ca (...)

78O referido muro é conhecido no quartel como o “mirante”, na medida em que a sua grande largura permitiu criar, no seu topo, um corredor de circulação de onde se disfruta uma panorâmica inolvidável sobre o alvo casario elvense, sobre os campos em redor e sobre a cidade de Badajoz112.

  • 113 Localizada, tudo indica, no local da antiga Porta de Badajoz da cerca ainda conhecida como “fernand (...)

79O facto de ele se localizar num alinhamento que envolve completamente o mosteiro dominicano de Elvas, pelo exterior, o que sucedia com a “cerca nova”, leva a crer que possa ser um dos poucos elementos que subsiste dessa cerca. Este muro apresenta, junto à abertura localizada junto ao claustro do antigo mosteiro dominicano, uma espessura de 2,18 metros. No topo do muro efectuaram-se outras medições cujo valor oscilou entre 2,36 e 2,20 metros até inflectir para Norte, para o local onde se encontrava, até há pouco, a porta do Regimento113. O pequeno troço que se conserva já alinhado com a dita porta (e com construções militares) apresenta, na parte visível, uma espessura de 1,98 a 2 metros.

80A circunstância de este grande pedaço de muro se encontrar rebocado não permite tirar ilações quanto ao seu aparelho. Contudo, claramente se percebe que tal muro mais que ser útil ao quartel condiciona a circulação nesse espaço, sendo claramente anterior às construções abaluartadas que o envolvem exteriormente (cf. Figura 44).

  • 114 A.N.T.T., O.S.B., Most. Alc., m. 46, no 1180; A.N.T.T., C. D., M. Alc., liv. 134, fl. 133-134. As o (...)
  • 115 Cinco anos depois, esta porta volta a ser referida. Um dos muitos Pergaminhos citados por V. de Alm (...)

81A Porta de Olivença é, desta tríade de portas, a que melhor se conhece através das fontes escritas. Em 1355 Estêvão Lourenço Cacela e sua mulher Maria Domingues emprazam, por três vidas, um ferragial do Mosteiro de Alcobaça, localizado junto à Porta de Olivença, e que entesta com o caminho que segue para esta última localidade114. É uma evidência de que esta porta já existia durante o reinado de D. Afonso IV. Não seria impossível que a marcação dos espaços de entrada e saída, locais de forte carga simbólica, levasse a que, ao iniciar-se uma nova cerca amuralhada, se desse especial destaque à definição e construção de portas, que poderiam anteceder a construção e total alteamento dos panos de muralha. Seja como for, mesmo que a dita cerca tivesse sido terminada com D. Fernando, esta última informação reforça a convicção de que tenha saído da iniciativa de D. Afonso IV, em meados do século XIV, a construção da “cerca nova” – designação quiçá mais apropriada que “cerca fernandina”115.

  • 116 João Mendes e sua mulher Leonor Afonso emprazam em 3 vidas um ferrageal do Mosteiro de Alcobaça no (...)

82É possível continuar a encontrar ferragiais, no exterior desta entrada, em inícios do século XV. Dela se acedia ao Rossio do concelho e, por uma azinhaga que partia do seu exterior se tinha acesso ao “adro dos judeus”, ou espaço de enterramento dos membros desta comunidade116.

  • 117 A referida Maria Domingues, por não ter filhos nem filhas e porque tinha “tall hidade que ja os nom (...)

83Na década de cinquenta do século XV a construção urbana atingia as cercanias desta entrada. Maria Domingues, mulher de Lourenço Eanes, e que, por não ter filhos naturais, obteve autorização para fazer uma adopção, morava “aa porta dOlivença”117.

  • 118 Cf. Eurico Gama, Duas Imagens de Nossa Senhora dos Mártires, p. 20, nota no 1, onde se cita documen (...)

84Se os arruamentos que se encontram em ligação com as portas são aqueles sobre os quais a pressão urbanística mais cedo se faz sentir, é possível que alguns amplos espaços entre portas só venham a ser urbanizados mais tarde. É possível que seja a esse fenómeno que se refere o já citado “aforamento de um chão, entre a Porta dos Martyres e a d’Olivença, a Fernão Rodrigues do Amaral”, feito em 14 de Junho de 1464118.

  • 119 Maria Ângela Rocha Beirante, Évora na Idade Média, p. 90, passim.
  • 120 B.A.M.E., Pergaminhos de Sta Ma da Alcáçova, no 15. Um tal Afonso Anes Colaço e sua mulher Clara Lo (...)

85Em alguns pontos a barreira causada pela existência física da muralha dava origem, em períodos de forte pluviosidade, a que as águas se acumulassem. Parece ser esse o caso da rua da Lagoa ou da Alagoa, com um topónimo equivalente na Évora medieval119, que já em 1433 é referida120.

86Concluindo, é de crer que, em conjunturas de guerra com Castela, procurassem abrigo em Elvas populações (talvez sobretudo, algumas elites) de termos vizinhos, cuja capacidade de resistência aos invasores fosse comprovadamente menor. O sistema fortificado de Elvas, englobando as várias linhas de muralhas, respondia às necessidades dos elvenses, mas também devia desempenhar, no contexto da margem esquerda do Guadiana, um papel fulcral, dando guarida a gentes de termos vizinhos que, em momentos de aperto, aí procuravam abrigo, segurança e alimento que, possivelmente, não teriam em outras localidades do “estremo”.

87Por outro lado, em termos cronológicos, é possível que o início da construção da nova cerca date de meados do século XIV, não sendo de afastar a hipótese de que os trabalhos se tenham iniciado no reinado de D. Afonso IV e que, durante o reinado do Formoso já se encontrassem quase terminados.

  • 121 Mário Jorge Barroca, Epigrafia Medieval Portuguesa (862-1422), Dissertação de Doutoramento, vol. II (...)

88A existência de uma lápide datada de 1376, ou seja, do início do reinado de D. Fernando, traduz, certamente, a afirmação da existência de uma obra – da qual não está ausente o empenho do concelho elvense – que vem de trás e cujo terminus se anuncia121. Porém, qualquer que tenha sido a data da sua finalização, parece não subsistirem dúvidas de que se trata de obra de concepção mais afonsina que fernandina (Figura 49).

Figura 49 – Lápide dupla epigrafada com escudo, datada de 1376. Tem a particularidade de ostentar 26 castelos contornando o próprio campo epigráfico (Mário J. Barroca, Epigrafia…, II, pp. 1492 – 1493). Alude à realização de obras de carácter defensivo.

Figura 49 – Lápide dupla epigrafada com escudo, datada de 1376. Tem a particularidade de ostentar 26 castelos contornando o próprio campo epigráfico (Mário J. Barroca, Epigrafia…, II, pp. 1492 – 1493). Alude à realização de obras de carácter defensivo.

3.3.3.2. Obras nas muralhas – um pesado encargo do concelho

89São, como se sabe, escassas as informações disponíveis sobre o quotidiano da construção e reparação de muralhas, para o período medieval. Para Elvas, porém, para o século XV, as informações sobre obras nas muralhas, embora não abundem, acabam por revelar como que um folhetim que se arrasta por décadas.

  • 122 Frei Manuel de S. Caetano Damásio, Thebaida Portugueza: Compendio Historico da Congregação dos Mong (...)

90A boa qualidade das muralhas de Elvas (a cerca finalizada em época almóada e a posterior, pelo menos a partir de D. Afonso IV), sempre devem ter funcionado como elemento congregador das gentes das imediações, em épocas conturbadas. É exemplo disso a decisão dos eremitas de Serra de Ossa, estabelecidos em Rio Torto já havia algum tempo e que, aquando das “guerras fernandinas”, são obrigados a procurar refúgio dentro dos muros da vila, estabelecendo-se em casas que fizeram rodear de taipa122 para, dessa maneira, manterem a sua privacidade e semi-isolamento.

91As várias décadas de convulsões de finais do século XIV até à assinatura da paz definitiva com Castela devem ter proporcionado momentos de destruição, derrocada de muros e torres, seguidos de reparações e reforços pontuais. Embora mais afastados dos impactos directos das acometidas dos atacantes, os muros da alcáçova e da antiga cerca islâmica estavam também sujeitos aos efeitos da passagem do tempo, das infiltrações de águas e de destruições mais ou menos intencionais.

  • 123 Eurico Gama, Duas Imagens de Nossa Senhora dos Mártires, p. 20.

92Porém, de todas as linhas, a que mais deve ter sido afectada pelas acções militares foi, certamente, a “cerca nova”. É até provável que, em alguns casos, se tratasse apenas de efectuar obras de reparação e consolidação; todavia, é bem provável que alguns lanços de muro tivessem de ser completamente refeitos, em consequência de ataques, ou até por resultarem de uma construção menos cuidada, com alicerces de menor qualidade. Assim, quando Eurico Gama afirma que “...o lanço entre a Porta dos Banhos (mais ou menos a actual de S. Vicente) e a dos Mártires só ficou concluído no tempo de D. João II...”123, tal deve entender-se como tratando-se da conclusão de obras de reparação e não que, até então, tal lanço estivesse desprovido de qualquer defesa.

  • 124 A.N.T.T., Chancelaria de D. João I, liv. 3, fl. 81v; ver também B.A.M.E., Pergaminhos, no 57. Queix (...)
  • 125 A.N.T.T., Chancelaria de D. Duarte, liv. 1, fl. 221 – doc. publicado por P. de Azevedo, op. cit., p (...)
  • 126 A percentagem reservada, para este efeito, durante o reinado de D. João I, não deveria ser somente (...)

93Em 1408, as muralhas de Elvas – presumivelmente as exteriores – estavam em obras124. O concelho não era estranho a estas obras, para onde se sumia grande fatia das suas receitas. Não será, pois, de estranhar o facto de ser constante, ao longo do século XV, a queixa de que as receitas do concelho, na perspectiva deste, eram limitadas. Sabe-se que, por decisão régia, de D. Duarte, até 1436, 2/3 das receitas do concelho se destinavam a obras que tinham lugar em Elvas, essencialmente de carácter defensivo, visando, muito provavelmente, a reparação e consolidação das muralhas já existentes125. Porém, já com D. João I se cativava uma percentagem das rendas do concelho para estas obras126.

  • 127 Como acontecia com Évora e Beja, em que 2/3 das receitas iam para o concelho – segundo afirmavam e (...)
  • 128 Ibidem: A.N.T.T., Chancelaria de D. Duarte, liv. 1, fl. 221; P. de Azevedo, op. cit., e AME, Pergam (...)

94A pedido dos procuradores o monarca aceita a alteração desta proporção; não satisfazendo as pretensões de que as fracções se invertessem127 estipula que, a partir daí, metade das receitas seriam para o concelho e a outra metade para as ditas “obras128.

  • 129 Entre esses encargos contava-se a pensão que o concelho de Elvas atribuía a um “fisico que ha nome (...)
  • 130 O monarca decide apoiar as pretensões do concelho de que a referida tença do físico judeu seja reti (...)

95As obras tinham um vedor nomeado pelo rei. Sensível às petições do concelho de Elvas, D. Duarte (muito provavelmente depois das cortes de 1436) dá permissão para que, da percentagem das receitas do concelho para as obras, se pagassem outros encargos do concelho129. Esta alteração não estava a ser cumprida pelo vedor das obras, Nuno Martins, a quem desagradava profundamente este corte orçamental e o mau-estar só será ultrapassado após as cortes de 1441, durante a regência de D. Pedro130.

  • 131 Para sensibilizar o monarca para a alteração desejada, os representantes do concelho elvense enumer (...)

96A oligarquia do concelho nunca deixou de fazer ver, junto do monarca, a sua pretensão de que a percentagem das rendas do concelho destinadas às obras devia ser menor que a destinada a outros gastos correntes. Essa persistência acabou por dar os seus frutos. Os representantes do concelho conseguem que o rei, nessas mesmas cortes de 1441, à semelhança do que acontecia em Évora, atribua para as “obras” só 1/3 das ditas rendas e não 1/2 como até aí se vinha praticando131.

  • 132 A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 2, fl. 7; ver nota anterior. O concelho obtém a anuência (...)

97É precisamente num dos últimos capítulos especiais de Elvas, das cortes de 1441, que se faz menção clara às obras, como sendo “Repairamento das fortellezas desta villa”. Tal menção vem a propósito do facto de os representantes do concelho pretenderem assumir competências fiscalizadoras no que concerne ao controlo sobre a gestão dos dinheiros provenientes das receitas concelhias. Dito de outro modo, os juízes e vereadores do concelho pretendem controlar as contas do “thesoureiro e veedor das despesas”, já que se trata de dinheiros do concelho132.

  • 133 Tal também se passa em outras importantes vilas meridionais que não se localizam na raia seca, mas (...)
  • 134 Mértola recebe a maior quantia de dinheiro: 10.000 reais e ainda outros 12.000 para o comendador de (...)

98Por outro lado, é de crer que a reparação de muralhas de Elvas se insira numa política geral, levada a cabo durante a regência de D. Pedro e possivelmente herdada de D. Duarte, de reforço das muralhas de importantes praças raianas da comarca de “Entre Tejo e Odiana133. Na verdade, há um grande investimento em obras defensivas em fortificações raianas, durante esta regência; depois de Mértola, Noudar e Castelo de Vide, Elvas acompanha o pelotão das localidades de fronteira que recebem do rei, cada uma delas, 3.000 reais134. É possível que, a avaliar pela quantia atribuída à reparação das muralhas de Elvas, e tendo em conta o seu grande perímetro – por comparação com as demais localidades citadas –, as suas muralhas se encontrassem numa situação intermédia a nível de estragos e de necessidade de reparações. Não era, certamente, um caso desesperado, mas as obras a efectuar não deveriam ser simples e pequenas reparações.

  • 135 tres mjl rreaaes a Gonçalo Martijnz de Fonte Alua, morador em Eluas, pera despesa das obras do cas (...)

99Nesta conjuntura, a verba disponibilizada para Elvas é-o através de Gonçalo Martins de Fontalva (um personagem local ligado a uma conhecida quintã ou herdade – a herdade de Fontalva), situação que se percebe não agradar a largos sectores da população de Elvas135.

100Cinco anos passados e a história repete-se. As obras parecem intermináveis e o concelho parece achar sempre que os dinheiros reservados às obras são demasiados ou, visto por outro prisma, que as rendas que sobram são escassas. Porém, a estratégia do concelho vai passar a ser outra.

  • 136 A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 5, fl. 70v, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 30 (...)
  • 137 Ibidem.
  • 138 O que faz coincidir, temporalmente, com as cortes que tiveram lugar, em 1441, em Torres Vedras.
  • 139 Por aqui se pode calcular em quanto parece ter importado o envio de uma delegação de procuradores ( (...)

101Para que a terça das obras não se esgote na reparação das muralhas, o órgão de gestão municipal lembra ao rei que nem só de muralhas precisa Elvas, ou seja, talvez haja obras mais importantes na conjuntura por que se passava, dado que “...nom he duvida que as bemfeitorias nobreçam os lugares136. Assim começa um dos capítulos de cortes de 1446, através do qual os procuradores do concelho fazem ver ao monarca que Elvas, “huu dos grandes portos que em todos vossos Regnos ha per honde conthinuadamente passam muitos estrangeiros”, necesitava de “huua camara boa pera fazermos pera nossa vereaçom porque a que ha nom he tall como a esta villa convem137. Impedindo a concretização deste desígnio está, na perspectiva do concelho, a escassez das suas rendas, bem como as sempiternas obras que sorvem grande parte do seu orçamento. Aliás, o procurador do concelho às cortes de 1447 reconheceu que “avera cinquo ou seis annos138 haviam tomado, ilicitamente, dinheiro que se destinava às obras, na quantia de 1.000 reais brancos139.

  • 140 Esta sensibilidade tanto pode ser devida a uma não conclusão de obras, como a derrubes causados por (...)
  • 141 Tratava-se de rendas de que beneficiava Lisuarte Pereira, reposteiro-mor do rei (cf. Humberto Baque (...)
  • 142 A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 15, fl. 80v; A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 171, publicad (...)

102Em 1455 a sensibilidade do concelho à necessidade de obras nas muralhas parece ser muito maior, sobretudo em relação às barbacãs ou barreiras da cerca exterior140. Num momento em que se falava da necessidade de cativar verbas para a reparação dos açougues, o concelho defende que a reparação do dito edifício seja feita com dinheiros das rendas do rei ou dos direitos da açougagem141 e não a partir da percentagem da renda do concelho que era destinada às obras do recinto amuralhado, onde havia “barreiras que estavam mal rrepairadas142.

  • 143 Nas cortes de 1459 os representantes do concelho queixam-se que havia 3 ou 4 anos que o contador da (...)
  • 144 “...posto que as casas acostem aos muros.” – Ibidem.

103Porém, as obras de carácter defensivo também se estendiam à cerca velha. Sabe-se que um dos rendimentos fixos do concelho provinha de foros de “casas e chãaos que estam darredor da barreira da cerca velha” (cf. Figura 28); anualmente daí provinham cerca de 200 reais para a arca do concelho, foros a que o contador da comarca tinha lançado mão, cativando-os para o rei143. Algumas das casas encostavam-se aos muros da dita cerca144, a qual também era reparada pela terça parte do rendimento do concelho.

3.3.3.3. A reparação das muralhas pelo “povo meudo

104Em finais da década de sessenta do século XV, todo o processo que rodeava a reparação das muralhas de Elvas sofre uma alteração significativa.

  • 145 “Afonso de Voym cavaleiro de nossa cassa e veedor moor das obras dantre Tejo e Hudiana...” – A.N.T. (...)
  • 146 Ibidem.

105É bem provável que no decénio anterior pouco se tivesse feito de positivo a nível das obras necessárias. D. Afonso V encarregara Afonso de Aboim, cavaleiro da casa do rei, das funções de vedor-mor das obras da comarca, para o que dispunha de amplos poderes145. Contudo, a actuação deste nobre parece ter levantado problemas, pressões e conflitos com sectores da população de Elvas, de tal forma que o clima de contestação à sua actuação, chegando aos ouvidos do rei, leva-o a tomar medidas radicais. Não é, certamente, sem fundamento que o monarca determina “... ao dito Afonso de Uoym veedor moor das ditas obras que tamto que lhe esta nossa carta for mostrada desista e cesse de mais obrar nas obras da dita villa nem costranger o dito poboo que pague nem sirva em ellas nem tenha de hi em diante de veer por cousa que a ellas perteença na dita villa soomente porque isentamente leixamos o cargo dello ao dito poboo146.

106Esta medida insere-se num processo de entendimento entre o monarca e o dito “povo miúdo”, o qual passa a assumir directamente a responsabilidade das obras das muralhas, sem estar sujeito às “opressões e constrangimentos” de um vedor-mor. Alguns dos passos desse processo são conhecidos. As actividades de vedoria das ditas obras, obras que já se arrastavam havia vários anos, devem ter incluído algumas atitudes, por parte de D. Afonso de Aboim e seus homens, compelindo alguns populares a trabalhar ou a participar, coercivamente, nessas obras. É nessa circunstância que dois representantes do “povo miúdo” de Elvas (são eles Vasco Pires e Rui Dias) solicitam ao rei que seja permitido ao dito povo gerir a terça parte das rendas do concelho, de forma a que seja o povo a encarregar-se das ditas obras de “reparação” das muralhas.

  • 147 Para que tal se venha a efectuar o monarca solicita, por carta de 20 de Setembro, uma “procuraçam a (...)

107Vira-se uma nova página no processo de reparação das muralhas de Elvas quando D. Afonso V outorga ao “povo miúdo”, em 1469, a direcção desses trabalhos. Depois das necessárias legitimações147, os procuradores eleitos por este sector social irão propor ao rei uma série de nove medidas que, na sua perspectiva, são necessárias para uma boa administração da terça parte das rendas do concelho e realização eficaz das obras.

  • 148 Ibidem, P. de Azevedo, op. cit., p. 65.

108Estas propostas são reveladoras dos problemas suscitados pelo sistema defensivo urbano e, simultaneamente, das tensões sociais e institucionais ligadas à gestão de dinheiros “públicos”. O referido povo propõe-se, à sua geração e à dos seus sucessores, gerir “a terça das rrendas do concelho da dita villa asy como he apropriada para as obras”, por forma a “rrepairar, correjer e fazer sse conprir toddollos muros torres cobellos e barbaquaas e quaees quer outras obras dos ditos muros da dita villa...148.

  • 149 A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 31, fl. 122; Odiana, liv. 3, fl. 296-299; P. de Azevedo,(...)

109Ao queixarem-se de que os vedores e oficiais da obra das muralhas estavam em poder de muito dinheiro, mas que o não utilizavam nem o queriam despender nos arranjos necessários, referem a existência de “muitos muros e torres derribadas e outras gramdes despesas que aas ditas obras pertencem”, razão por que pedem o dinheiro que estava nas mãos dos ditos vedores e oficiais para, com ele, “obrarmos com elle o que conpre a vosso serviço”149.

  • 150 Ibidem, P. de Azevedo, op. cit., p. 69.
  • 151 Ibidem, P. de Azevedo, op. cit., p. 69.
  • 152 “...tanto que começardes de receber comecees logo dobrar nas ditas obras da villa e tambem do caste (...)

110Os novos responsáveis pelas obras, ao procurar assegurar a reparação das zonas das muralhas que se encontram em mau estado – e que a seu ver não são poucas – e de o “contrato” com o monarca não envolver outras quaisquer obras ou construções a reparar ou a construir de raiz – fazem uma apreciação geral negativa à qualidade de conservação das muralhas, referindo “o gramde dapno e de longo tempo que he fecto nos muros e torres desta villa150. É o próprio monarca que, na resposta a este ponto, embora assegurando que “por agora nom he nossa tençam mandarmos fazer algua obra de novo salvo mandar repairar o que fecto he” não deixa de abrir caminho a novas realizações, ao declarar que “pero vindo casso que seja necessario pera bem e defensam da villa fazersse algua obra nova que vos a façaes pois esta terça pera ysso he apropiada151. O monarca acabará por, neste “pacote” de reparações, entregar aos novos responsáveis algumas obras, não especificadas, no castelo152.

  • 153 Ibidem, P. de Azevedo, op. cit., p. 68; veja-se este item também em A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 2 (...)
  • 154 A. H. de Oliveira Marques refere um encontro entre o “Africano” e Henrique IV de Castela, “algures (...)
  • 155 A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 43 e seguintes. A resposta é favorável a nove das doze questões coloc (...)
  • 156 “muitas pesoas desta villa nom oolhando o mal que fazem cavam saibro junto ao pee do muro da dita v (...)

111O ano de 1472 é de fundamental importância para a realização dessas obras: D. Afonso V está em Elvas e tem oportunidade de verificar in loco o andamento dos trabalhos e o cumprimento do estipulado no acordo. O povo miúdo já tinha feito um diagnóstico da situação, considerando que “sam necessarios pedreiros, caeiros e alvanees e jornalleiros e outros oficiaaes”, chegando a pedir ao rei “poder pera os costrangermos... sirvam nas ditas obras e os possamos apremar se o fazer nom quiserem153. Por documento de 1 de Abril de 1472154, o rei dá resposta a 12 questões que lhe são colocadas pelo “povo meudo”155, algumas das quais relativas ao andamento das ditas obras que, muito provavelmente, o monarca visitou pessoalmente. Na verdade, os cerca de três anos passados sobre a adjudicação, permitiram que se revelassem questões que, de início, eram insuspeitadas. Uma dessas questões documenta o costume indesejável de, em meados do século XV, se extrair saibro junto das muralhas da vila. Tal circunstância é denunciada pelo “povo meudo” ao rei, em 1472, considerando tal extracção como uma das circunstâncias que pode perigar a estabilidade das muralhas de Elvas156.

  • 157 Veja-se a presença de padiolas aos ombros, andaimes e roldanas na imagem que pretende ilustrar a co (...)
  • 158 Ibidem, P. de Azevedo, op. cit., p. 73.

112Uma outra queixa visa a carência de materiais para a obra. Considerava o “povo meudo” que Elvas tinha um termo pequeno e que, com as muitas “defesas” existentes, “se faz aymda muito mays pequeno”, o que dificultava a obtenção de lenha. Esta era importante para o dia-a-dia das populações e, como combustível, para alimentar os fornos da cal; porém, era fundamental para a obtenção de pranchas e ripas de madeiras para tarefas ligadas à construção e reparação. Andaimes, escadas, taipais, cabos para instrumentos de trabalho, etc..., tudo isto necessita de madeiras apropriadas157. No entanto, uma outra razão mais prosaica estava também por detrás deste pedido: quantas mais defesas ou coutadas houver menor será o valor da “rremda das vossas terças” e, logo, menor verba para o “povo meudo” ter nas mãos para gerir158.

  • 159 “praz nos darmos licença que antressy pera esto possam deytar taxa”. Esta é a resposta do monarca q (...)
  • 160 “... mandamos e defendemos aos almotacees que ora sam e ao diante forem da dita villa dElvas que... (...)

113Na verdade, as verbas seriam escassas. O quarto capítulo do diploma de 1472 prevê que o “povo meudo” possa lançar uma taxa entre o próprio povo159 e que, caso os almotacés do concelho decidam ingerir-se nos assuntos dos açougues do povo (separados do do concelho), que a coima a aplicar seja destinada às obras160.

114Até finais do século XV as obras dos muros continuam a suscitar polémica, mas mantém-se o acordo que entrega aos “procuradores do povo miúdo” a terça parte do rendimento do concelho, para as ditas obras nos “muros e barreiras” das muralhas.

  • 161 A.N.T.T., Cortes, maço 4, no 1, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 85.
  • 162 Os procuradores do concelho pretendem que as ditas obras deixem de ser feitas pelo povo miúdo e que (...)

115A oligarquia urbana não via, contudo, com bons olhos a administração destes dinheiros, por parte do povo. Em 1498, os procuradores do concelho informam o rei de que os procuradores do povo miúdo “gastam mui mal as ditas terças”, além de que as obras não estavam a ser acompanhadas como deviam. Tentando denegrir a gestão dos procuradores do povo miúdo, os procuradores do concelho consideravam que, com as verbas que administravam, poderiam ter feito entre o triplo e o quíntuplo do executado161, criticando também a qualidade da construção. Os procuradores do concelho pretendem que o rei mande fazer uma “auditoria” à gestão das terças administradas durante quase 30 anos pelo povo miúdo, rever as obras já executadas e entregar a outros grupos sociais o controlo da gestão das mesmas162.

  • 163 A. N. T. T., Odiana, liv. 1, fl. 232v-233v; publicado por P. de Azevedo, op. cit., pp. 90-91.

116Nas cortes de Lisboa de 1498, e nas quais esteve presente um procurador do povo miúdo de Elvas, há também queixas, mas no sentido contrário. Lamenta-se este de que os oficiais do concelho boicotam as suas pretensões quando apresentam algum requerimento. A gestão dos dinheiros das obras põe a nu a oposição entre a oligarquia concelhia e o povo miúdo. O monarca decide que a partir de então deverá haver um tabelião que esteja ao serviço do “povo miúdo” e que assegure os assentos de “recepta e despesa das obras” bem como os requerimentos que se venham a fazer ao concelho163.

3.3.3.4. As perspectivas de Duarte D’armas

117Apesar das críticas que, em 1498, a oligarquia local lança sobre o modo como estavam a ser geridas as obras das muralhas, poucos anos volvidos, as vistas que Duarte D’armas dá de Elvas permitem fazer um balanço de quase um século de obras. Esses desenhos dão a conhecer um conjunto fortificado ainda com algumas insuficiências mas, aparentemente, sem situações críticas em termos de conservação.

  • 164 Duarte D’armas, Livro das fortalezas, (ed. anotada de João de Almeida), Lisboa, ed. Império, 1943, (...)

118A partir de Duarte D’armas, podem verificar-se as seguintes situações: a barbacã e fosso não envolvem todo o perímetro amuralhado, predominando, como já era comum em época islâmica, as torres quadrangulares164.

  • 165 Ibidem, p. 115.

119A vista “tirada da banda do norte165 coloca alguns problemas de definição do que pertence ainda à antiga cintura exterior de época islâmica e/ou à nova. Esta vista localiza duas portas, ambas protegidas por sistemas defensivos complicados, com antemuros ou barbacãs, executados possivelmente, durante a segunda metade do século XV; as portas que se vêem deverão ser a “dos banhos” (a uma cota mais elevada, à direita na imagem) e a “de Badajoz” (à esquerda na imagem).

  • 166 Quanto ao castelo veja-se Ibidem, pp. 115 e 117.

120Grande parte do lanço de muralha que, nesta vista, se apresenta à direita da porta de cota superior (a dos Banhos, possivelmente) corresponde, em grande parte ao traçado da cerca de época islâmica, onde também se encontram torres quadrangulares. No topo, o castelo aparenta um bom estado de conservação166.

  • 167 Ibidem, p. 113. Desenho parcialmente reproduzido na Figura 28.

121A vista “tirada da banda do sul” dá uma visão menos “contaminada” desta cerca, já que aqui ela aparece claramente diferenciada da cerca islâmica. Esta vista permite observar que a cintura exterior, no início do século XVI, tinha o seu perímetro totalmente fortificado, sem sinais de derrube ou má conservação, apresentando torres muito mais espaçadas que as da cintura de época islâmica e que possuía, em parte do seu perímetro, uma barbacã e fosso. Duarte D’armas, aliás, indica, junto a este troço de muralha que ele tem “mujto bõoa barreyra e caua167. Nesta vista, a porta que é representada poderá corresponder à antiga porta de Évora. A porta de Olivença, localizada entre ambas, não é visualizada em nenhuma das duas imagens.

3.3.4. Atalaias e torres no termo

  • 168 Veja-se, sobre este aspecto, António Lopes Pires Nunes, O Castelo Estratégico Português e a Estraté (...)
  • 169 Sobre a existência de atalaias e a sua função de vigilância veja-se Robert Durand, “Habitats fortif (...)

122A implantação de Elvas numa das entradas naturais de Portugal168, ou seja, num dos locais de mais fácil penetração para quem venha de leste, sempre teve de contar com postos de vigia avançados, coordenados com a fortificação urbana. Das atalaias existentes em época islâmica certamente que algumas se conservaram, passando a desempenhar, já sob domínio cristão, um papel importante na definição e vigilância do território do termo de Elvas, sobretudo nas zonas confinantes a Leste com terras do reino vizinho; por outro lado, as que se localizavam em outras zonas do limite do seu alfoz perderam eficácia, perderam valor estratégico e foram sendo gradualmente desactivadas e abandonadas169.

  • 170 Teresa Júdice Gamito, “O Castro de Segóvia (Elvas, Portugal), ponto fulcral na primeira fase das Gu (...)
  • 171 Fernão Lopes, Crónica de D. João I, cap. CVIII. Caso se volte a escavar algum outro ponto do cabeço (...)
  • 172 Aires Varela, Theatro..., cap. XXIV, p. 82

123É possível que se tenham construído novas atalaias – ao passar Badajoz a ser cidade de outro reino – ou que se tenham reutilizado espaços já existentes em épocas anteriores. É o que parece ter acontecido com o cabeço chamado Segóvia, antigo “oppidum Ibérico” activo na primeira fase das Guerras de Sertório170, designado por Fernão Lopes como “huu cabeço que chamom Segoiva”, ao referir os feitos de Gil Fernandes e dos seus 50 homens de cavalo durante o período de afirmação do Mestre de Avis171. Aliás, segundo Aires Varela “ElRey D. Fernando p.las guerras q. trazia com Casta fundou as Torres ou Atalayas, q. chamão de Sosna, Perdigão, Segovea, assim o afirma a tradição172 (Figura 48).

Figura 48 – O Castelo de Segóvia, visto de sul.

Figura 48 – O Castelo de Segóvia, visto de sul.
  • 173 Maria do Céu P. Dentinho, op. cit., p. 46. O topónimo “Maria” é bastante curioso na medida em que, (...)

124É provável que nos conturbados séculos XIV e XV algumas outras atalaias tenham existido, em alguns casos com um curto período de vida. Maria do Céu P. Dentinho refere atalaias medievais, possivelmente datando do reinado de D. João I, em Úbeda e em Maria173.

  • 174 Sobre a importância das atalaias para uma compreensão integrada dos habitats acastelados com as via (...)

125Uma análise cuidadosa de algumas atalaias e atalaiões considerados, a priori, como datando simplesmente do período da restauração, poderá revelar reutilizações de um mesmo local e adaptação de atalaias medievais para as novas necessidades de meados do século XVII. Tal como aconteceu com as principais praças fortificadas medievais da raia, também as atalaias consideradas úteis durante a Guerra da Restauração devem ter recebido cortinas abaluartadas, tenalhas e revelins, aproveitando locais, materiais e estruturas anteriores174.

  • 175 Vejam-se os casos de Amoreira da Torre e Torre de Coelheiros, na região de Évora.

126Por outro lado, há indícios de que, pelo menos na segunda metade do século XIV e século XV, alguns terratenentes estabelecidos no termo de Elvas construíram torres com carácter residencial. Estas torres, que aparecem também em outros pontos do sul do reino175, teriam uma função essencialmente residencial e de prestígio. Pela sua localização e posição não desempenhavam uma função defensiva ou estratégica.

  • 176 Eurico Gama, Gil Fernandes, Alcaide-Mor de Elvas, p. 34, nota 37 e p. 56, citando B.A.M.E., Livro d (...)
  • 177 Tomás Pires, Topon., p. 55; Eurico Gama, op. cit., p. 56; veja-se também Gabriel Pereira, Documento (...)

127O caso de Fontalva pode ter sido um bom exemplo de fortificação deste tipo. Em 1381 a Herdade de Fontalva pertencia ao conhecido elvense Gil Fernandes, a quem D. Fernando passa uma carta de couto, respeitante a esta propriedade176. Se em tempos do aguerrido Gil Fernandes já aí existia ou não qualquer estrutura defensiva não se sabe, embora seja de considerar, à partida, que um homem como Gil Fernandes deveria ser sensível a questões de segurança e de prestígio. Sabe-se sim, que no reinado de D. Afonso V ou D. João II, Pero da Silva aí fez construir uma fortificação que ainda hoje, com grandes modificações, se pode observar177.

Notes

1 Sobre estes aspectos veja-se Rita Costa Gomes, “A construção das fronteiras” in A Memória da Nação, (Colóquio realizado na Fund. Calouste Gulbenkian, 1987) org. por Francisco Bethencourt e Diogo Ramada Curto, 1a ed., Lisboa, Sá da Costa, 1991, pp. 357-358 e 360.

2 Ibidem, pp. 363-366.

3 Pode ter sido o caso de Gonçalo Martins de Cáceres, a quem D. Fernando, em 1373, doa vários direitos que o rei tinha em Elvas e em Campo Maior – A.N.T.T., Chancelaria de D. Fernando, liv. 1, fl. 125v.

4 Rita Costa Gomes, “A construção das fronteiras”, op. cit., p. 380.

5 A definição do que é o “castelo” dá origem a frequentes equívocos. A. Tomás Pires confunde o “castelo” com o conjunto das fortificações ou vários recintos muralhados – A. Tomás Pires, O Castello d’Elvas, vol. IX dos Estudos e notas elvenses, Elvas, 1907, 34 pp. Uma recente e útil publicação sobre esta temática incorre no mesmo equívoco, mas trabalha – com muito interesse – as fortificações abaluartadas – Cf. Castelo de Elvas, I.P.P.C., 1991.
É de ver também V. de Almada,
Elementos..., I, pp. 184-187.

6 Quanto ao significado de saluqiyya, veja-se o que se disse em 2.3.1.1.

7 Sobre as vantagens da torre circular, em relação à quadrangular, a nível de resistência, veja-se Mário Jorge Barroca, Do Castelo da Reconquista ao Castelo Românico (Séc. IX a XII), Lisboa, Comissão Portuguesa de História Militar, 1994, pp. 70-71.

8 Sobre este aspecto veja-se José Marques, Relações entre Portugal e Castela nos Finais da Idade Média, Lisboa, Fund. Calouste Gulbenkian/JNICT, 1994, pp. 153-177.

9 Fernão Lopes, Crónica de D. Fernando, (ed. de Salvador Dias Arnaut), Porto, Liv. Civilização, s/d, cap. CLXXVII, pp. 491-492.

10 O arrastamento das obras pelo século XIV concorda com a visão que Mário Tavares Chicó tem desta construção. O autor considera o Castelo de Elvas como tendo características arquitectónicas que se enquadram claramente no que se pode chamar o “castelo gótico” – cf. A Arquitectura Gótica em Portugal, 2a ed., Lisboa, 1968, p. 24

11 Sobre este elemento arquitectónico veja-se António Lopes Pires Nunes, Dicionário Temático de Arquitectura Militar e de Arte de Fortificar, Lisboa, Direcção do Serviço Histórico Militar, 1991, p. 172.

12 Ao especificar-se esta porta, deduz-se que existiria uma outra, que deveria ser a já referida “porta da traição”, porta que consta da planta de Duarte D’armas, sob a designação de “porta falsa”.

13 A.N.T.T., Odiana, liv. 4, fl. 79, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 39; B.A.M.E., Pergaminhos, n73. Sobre as “barreiras” ou “barbacãs de porta” em frente das entradas principais das fortificações medievais veja-se António Lopes Pires Nunes, op. cit., pp. 49-51, e fig. 17.

14 “E nestes annos que o jfamte dom Pedro vosso tyo regeo fez Dioguo Lopez de Sousa esta barreira muyto mais forte que amtes era” – A.N.T.T., Odiana, liv. 4, fl. 79, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 39; B.A.M.E., Pergaminhos, nº 73. O rei mostra-se sensível a esta argumentação e decide solicitar ao condestável, seu primo, que aja em conformidade – Ibidem.

15 A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 31, fl. 122; P. de Azevedo, op. cit, pp. 69-70. Veja-se, adiante, 3.3.3.3.

16 Chrónica de El Rei D. João II, Lisboa, 1902, I, p. 154, citado por Vitor Manuel Pavão dos Santos, A casa no sul de Portugal na transição do século XV para o século XVI (dissertação de licenciatura em História depositada na Faculdade de Letras de Lisboa), Lisboa, 1964, p. 76.
Segundo Tomás teria sido com D. João II que uma das torres que ladeia a entrada principal se teria tornado em torre de menagem, em 1488 –
O Castello d’Elvas, p. 5.

17 Luis Keil, Inventário Artístico de Portugal; Distrito de Portalegre, Academia Nacional de Belas Artes, Lisboa, 1943, p. 54. Para este autor são do século XV os arcos quebrados existentes no interior do castelo (Ibidem, p. 54). Veja-se também Castelo de Elvas, no 54 do Boletim da Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, Lisboa, 1948, pp. 9-10.

18 Pelo testamento de Da Maria do Quintal, de 1512, as suas casas – “...de morada na Alcassova [...,] partem com cazas de Leanor Pastana, e com a Cava do Castello...” – A.D.P., Tomo I das Capelas de Elvas, fl. 47.

19 Eurico Gama, Crónicas de Odiana, Elvas, 1967, p. 12. É de concordar com Eurico Gama quanto ao facto de Porta dos Banhos e Porta Ferrada serem uma e a mesma porta (desenvolvimentos sobre este tema em 3.3.2.1.1, “Porta dos Banhos”).
Em trabalho da década anterior dizia o mesmo: “Duas cintas de muralha feita de argamassa, mas consistente como o cimento, cobriam a povoação, a primeira defendida por três portas: da Traição (ao Norte), do Miradeiro (ao Sul) e do Templo ou dos Santos (ao Poente); a segunda, exterior, por quatro: do Bispo (ao Poente), de Santiago (ao Sudoeste) [sic], do Arco da Encarnação ou Porta Nova (ao Sul) [sic] e Ferrada (ao Nascente).” – Eurico Gama,
Duas Imagens de Nossa Senhora dos Mártires, p. 10.
Trabalhos mais recentes sobre as muralhas de Elvas reproduzem as informações veiculadas por Eurico Gama; vejam-se: Amílcar Morgado,
Elvas, praça de guerra, arquitectura militar, Elvas, Câmara Municipal de Elvas, 1993, p. 12; Castelo de Elvas, I.P.P.C., 1991, p. 9 e Eurico Gama, As Cortes de Elvas em 1361, Évora, Minerva Comercial, 1956, p. 4.

20 A.N.T.T., Chancelaria de D. Dinis, liv. 1, fl. 27v.

21 A.N.T.T., Chancelaria de D. Dinis, liv. 1, fl. 27.

22 Veja-se essa extensa lista de obras de fortificação, realizadas no reinado de D. Dinis em Rui de Pina, Crónicas de Rui de Pina (D. Sancho I, D. Afonso II, D. Sancho II, D. Afonso III, D. Dinis, D. Afonso IV, D. Duarte, D. Afonso V, D. João II), introdução e revisão de M. Lopes de Almeida, Porto, Lello & Irmão, 1977, cap. XXXII; Pedro Dias, “O Gótico”, vol. IV da História da Arte em Portugal, Lisboa, Publ. Alfa, 1986, p. 63.

23 Chancelaria de D. Pedro, doc. 579.

24 Vejam-se Amílcar Morgado, Elvas, praça de guerra, arquitectura militar, p. 12, Castelo de Elvas, p. 9 e Eurico Gama, As Cortes de Elvas em 1361, 1956, p. 4.

25 Victorino de Almada faz coincidir esta porta com a chamada Porta-Velha que se conserva entre as actuais portas do Hospital e de Badajoz; não dizendo que pertencia à cerca fernandina diz, porém, que foi aberta em época de D. Fernando. Curioso é que ele mesmo diga que esta porta já é citada em 1267 (Victorino de Almada, Elementos..., III, p. 106. A. Tomás Pires, As ruas de Elvas...”, pp. 22, 30 e 110).

26 Igreja que se deveria localizar na actual rua do Espírito Santo, e não muito longe da igreja de S. Vicente. Em 1534 é conhecido como rua de S. Miguel o arruamento actualmente conhecido como do Espírito Santo. – B.A.M.E., Livro Antigo de S. Pedro de Elvas (“Livro Antiguo em que estam varios assentos das Cousas desta Igreja” – 1534), no 380, fl. 29.

27 Localizado muito provavelmente no arrabalde que se começava a desenvolver diante das muralhas coladas à igreja de S. Pedro.

28 A.N.T.T., CR, Alc., m. 111, no 28, citado por Pedro Gomes Barbosa, “Santa Maria de Alcobaça no Termo de Elvas, op. cit., p. 17, nota 28.

29 A.N.T.T., Chancelaria de D. Dinis, liv. 1, fl. 27. A cárcava encontra-se a ocidente da dita casaria e meia e a muralha (bem como Pero Eanes de Sabugal) está a norte; a sul e a oriente limita com rua.

30 Uma das queixas formuladas às Cortes de Évora de 1461 diz respeito a uma fonte que se encontrava junto a uma das portas da cerca amuralhada, conhecida como a Porta dos Banhos. Queixavam-se os procuradores do povo que, por os oficiais do concelho não repararem a dita fonte, todos os Invernos ela se entupia e que, de Verão, tinham sempre de a desentupir. A situação deveria revestir-se de certa urgência, já que os ditos procuradores pedem ao rei que a reparação tenha lugar de imediato; no seu dizer, esta não era a única fonte que se encontrava “derredor da vila”, mas na sua perspectiva era que se revelava mais útil “pera tempo de guerra” – A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 114v, publicado por P. de Azevedo, Capítulos do concelho de Elvas apresentados em côrtes, Elvas, 1914, pp. 61-62.

31 Cf. Ma Ângela Beirante, op. cit., p. 48.

32 A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso III, liv. 1, fl. 98. A carta é dada em Évora, a 1 de Fevereiro de 1270.

33 Veja-se o que antes se disse a propósito das portas da muralha da medina em época islâmica – cf. 2.3.2.1.

34 Cf. V. de Almada, Elementos..., (Apontamentos manuscritos, 4 – P – 45): verbete no 2 sobre “Porta Nova”.

35 “A 25 de Agosto de 1344 aforaram os clérigos do Salvador uma casa sobradada situada à Porta Nova” – (V. de Almada, Elementos..., (Apontamentos manuscritos, 4 – P – 45): verbete no 3 sobre “Porta Nova”. Deve tratar-se de um dos desaparecidos Pergaminhos da freguesia de S. Salvador de Elvas.

36 Uma das almuinhas do Mosteiro de Alcobaça na ribeira de Chinches confinava, em 1367, com um olival de Martim Eanes da Porta Nova – A.N.T.T., O.S.B., Most. Alc., m. 46, no 1181; A.N.T.T., C. D., M. Alc., liv. 134, fl. 135-136.

37 “Os beneficiados do Salvador permittem a 11 de nov. 1486 que Isabel Vaz viuva de Lopo Mourão trespassa [sic] ao albardeiro Diogo Gonçalves umas casas que partiam com lagar d’Afonso Pegado, para riba com o adro de S. Lourenço, com rua onde vive a dita Isabel, e rua que vem da Porta Nova para a dita igreja.” – (V. de Almada, op. cit., verbete no 5 sobre “Porta Nova”. O autor acrescentam, no dito verbete “Doc. 21 jun. 1525”, informação muito possivelmente respeitante à data do documento no cartório do Salvador a que pertencia. A igreja de S. Lourenço surge já citada no testamento de Domingos Joanes Cabeça, em 1332-A.D.P., Tomo I das Capelas de Elvas, fl. 94-94v, publicado por António Tomás Pires, Estudos e notas elvenses, vol. VII, Elvas, António José Torres de Carvalho Ed., 2a ed., 1917, pp. 37-40.

38 Cf. A. Tomás Pires, As ruas de Elvas..., pp. 47-48.

39 Muito provavelmente tal abertura fez-se no lado Oeste desse pano de muro, onde ainda hoje há algum espaço livre, possivelmente resultante de antigo arruamento, entretanto desactivado.

40 Deveriam ser várias as portas em cotovelo existentes na cerca de origem islâmica. A propósito da necessidade de tornar os acessos da chamada “Porta Nova” direitos e não tortuosos diz-se, em 1571 que a operação de alteração arquitectónica que se pretende vir a efectuar é semelhante ao que já se fizera em outras portas da cidade – (V. de Almada, op. cit., verbete no 8 sobre “Porta Nova”). Nem todas as entradas acotoveladas de Elvas datariam de época islâmica, mas deveriam seguir os mesmos esquemas construtivos, que se mantiveram eficazes para além do período de domínio politico.

41 V. de Almada, op. cit., verbete no 7 sobre “Porta Nova”, no qual se indica um documento datado de 15 de Janeiro de 1531.

42 Por carta de 15 de Janeiro de 1571, a “camara apresentou a elrei que a Porta Nova, que está nos muros a dentro na cerca velha, dentro na serventia tinha uma torre por onde se serviam ao redor della com muito trabalho e perigo, porque ja alli se haviam matado tres homens, sendo uma das principaes serventias da cidade, e por onde iam as procissões. Elrei concede que a dita porta se faça direita, abrindo para isso a torre e comprando-se umas casinhas d’almocreve, que estavam da outra banda como ja se fizera em outras portas da cidade” – (V. de Almada, op. cit., verbete no 8 sobre “Porta Nova”). Algum tempo passou sem que nada tivesse sido feito, pois em 22 de Setembro de 1589 novo alvará foi passado, mandando cumprir a abertura a direito já antes autorizada pelo rei (Ibidem).

43 Cf. A. Tomás Pires, op. cit., p. 109.

44 A dar crédito a Aires Varela, a construção da ermida de Santiago, que se localizava onde, actualmente, se ergue o antigo convento jesuítico de Elvas, ter-se-ia iniciado ainda na década de oitenta do século XIII. Cf. Aires Varela, op. cit., cap. XX, p. 71.

45 Cf. A. Tomás Pires, op. cit., p. 113.

46 A.N.T.T., Odiana, liv. 2, fl. 238v-240.

47 “...nossos paços que avemos na nossa uilla dEluas a fundo da porta desantiaguo” – A.N.T.T., Chancelaria de D. João I, liv. 2, fl. 159v.

48 Eurico Gama, Catálogo dos Pergaminhos do Arquivo Municipal de Elvas, Boletim da Biblioteca da Universidade de Coimbra, vol. XXVI, Coimbra, 1963, p. 2.

49 As ditas casas, tinham tido como locatária uma tal Maria Esteves mostardeira, sem herdeiros e sem ter carta de aforamento; após apregoada, a casa foi arrematada pelo escudeiro Fernão Rodrigues, também tratado por “criado” do rei, e por sua mulher Inês Martins; a casa, que mede 6,5 por 3,5 côvados de vender pano, foi aforada para sempre (pelo contador dos almoxarifados de Évora, Estremoz e Portalegre – João Afonso de Aguiar) por 2 reais e 1/2 de prata por ano, em Janeiro de 1473. – A.N.T.T., Odiana, liv. 4, fl. 145v-146v.

50 Devido à proximidade em relação a esta máquina do tempo, nome pelo qual será chamada até ao século XX, quando é destruída.

51 Sobre estas denominações veja-se V. de Almada, “Arcos”, op. cit., I, p. 290. É de crer que esta última designação advenha da sua grande proximidade em relação à igrejinha de Santa Maria dos Casados que, muito alterada, ainda chegou ao século XX, onde agora se encontra uma dependência bancária.

52 O Arco da Praça só será aberto na cerca de origem islâmica em meados do século XVI, depois da abertura da praça nova (em 1529), localizada no interior da antiga medina. A. Tomás Pires publicou o documento relativo à abertura deste arco, no ano de 1569, só que, talvez por ele fazer menção à sua proximidade com a “Torre do Relógio”, considera que se trata da abertura do Arco do Relógio (que corresponde à antiga Porta de Santiago) e não o Arco da Praça, praça essa que foi a razão, aliás, pela qual o dito arco se tornou necessário, já que o acesso a continuar a efectuar-se quase só pelo Arco do Relógio, levaria a um congestionamento geral da circulação de pessoas e bens na Elvas de quinhentos. O alvará régio de abertura do Arco da Praça, de 26 de Fevereiro de 1569, foi publicado por Tomás Pires em Investigações Históricas 1, vol. X de Estudos e Notas Elvenses, Elvas, 1916, pp. 41-42; veja-se também com as devidas reservas, do mesmo autor, “Arco da Praça” in As ruas de Elvas..., p. 113. Na sequência dos trabalhos de A. Tomás Pires, Eurico Gama afirma também que “A Porta de Santiago era no actual «Arco da Praça»”. – Eurico Gama, Catálogo dos Pergaminhos do Arquivo Municipal de Elvas, p. 2. É de preferir as seguras e anteriores informações de V. de Almada.

53 Theatro..., p. 53.

54 Sebastião Martins dos Reis (ed.), op. cit., pp. 60-63. Facto também já notado pelo erudito latinista elvense Dr. Santa-Clara que afirma que “parece que em tempos muito antigos teve o Bispo d’Evora paços episcopaes em Elvas, junto á porta, que ainda hoje se chama do Bispo” (Santa-Clara, Biographia do 1° bispo d’Elvas D. Antonio Mendes de Carvalho, citado por A. Tomás Pires, As ruas de Elvas..., p. 24).

55 Sebastião Martins dos Reis (ed.), op. cit., pp. 60-63.

56 “esquaadas da porta do Bispo” e, mais adiante, “esquaadas que estam a porta do bpõ e com a torre que esta sobre a feyra a que chamam a Torre Nova ataa o pomball de Fernam da Sillva” A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 65v-66.

57 A. Tomás Pires, não refere esta porta.

58 A.N.T.T., Chancelaria de D. Dinis, liv. 1, fl. 30. A dita casaria confronta com João Gonçalves a norte, a ocidente e a sul, e a oriente com uma rua.

59 A.N.T.T., Chancelaria de D. Dinis, liv. 1, fl. 29v. Trata-se de casaria e meia aforada a Pero Soares Galego, e que confina com a dita barbacã a oriente, com uma rua a ocidente, com Domingos Salvadores a sul e com João Gonçalves (referido nas confrontações do documento antes referido) a norte.

60 Contudo, o edifício ocupado no final do séc. XX pela Cruz Vermelha, que fica no extremo norte da rua João Pereira de Andrade, pela cadência de torres que se encontram no pano de muralha que se acha ao longo da dita rua, está implantado no espaço onde deveria haver uma outra torre. Por outro lado, a volumetria do dito edifício leva a pensar que os seus alicerces podem albergar mais que uma simples torre. Pela sua saliência em relação aos demais edifícios da dita rua, não seria impossível que abrigasse um sistema de porta em cotovelo, com uma torre saliente, tal como acontece com a Porta do Templo da cerca da Alcáçova.

61 Com a entrada de Filipe II em Elvas efectuaram-se algumas alterações de carácter urbanístico. A entrada de Filipe II de Espanha efectuou-se pela Porta da Esquina, entrada tardiamente aberta na chamada “cerca fernandina”. Porém, para entrar na zona da cerca islâmica, na antiga medina, havia dificuldades, pelo que, para dar passagem ao novo monarca e para o poder alojar no Palacete dos Mesquitas (em que se alojou durante os três meses da sua permanência em Elvas), junto à entrada do bairro da Alcáçova, decidiu-se alterar o urbanismo da zona do interior da antiga medina e rasgar-se a rua que se chamou de Rua Nova de S. Martinho (actual Rua dos Quartéis) – Cf. A. Tomás Pires, As ruas de Elvas..., p. 115; António Tello Barradas, “Memória Elvense” in Linhas de Elvas, 7 – VII – 1995, p. 3.

62 Esta designação, sem base documental, tem sido geradora de múltiplos equívocos, já que tem levado muitos autores a, automaticamente, considerarem a cerca em que esta torre se localiza como a “cerca fernandina” e não a de origem islâmica.

63 Lê-se no documento “a torre que esta sobre a feyra a que chamam a Torre Nova” – A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 65v-66.

64 Na verdade, os “procuradores do concelho” às Cortes de 1498 propõem que os que forem postos a tormento o sejam na casa d’audiencia ou na Torre Nova – A.N.T.T., Cortes, maço 4, no 1, publicado por P. de Azevedo, Capítulos do concelho de Elvas..., p. 85. Talvez tenha começado em finais do século XV ou inícios do XVI o processo de alteração de designação da principal artéria em que se localiza esta torre. Virada para o espaço da feira, na rua que soia chamar-se de Santarém, é possível que desde então começasse gradualmente a ser conhecida como Rua da Cadeia. A decisão do monarca é de molde a agradar aos procuradores já que a Torre Nova passa a ser o destino dos futuros atormentados – Cf. “capítulos de Cortes de 6 de Março de 1498” – A.N.T.T., Odiana, liv. 1, fl. 237v-239, publicado por P. de Azevedo, op. cit., pp. 89-90.

65 É, pois, possível, que se trate de mais um caso de uma torre maciça em taipa militar de época islâmica que, pela sua solidez, foi aproveitada como alicerce, mantida como miolo sólido, revestida exteriormente e alteada em meados do século XV.

66 Sebastião Martins dos Reis, op. cit., p. 62. O texto publicado indica “cartaua” (p. 62), concluindo o autor que é impossível localizar tal indicação, perguntando-se se quererá referir-se a “cartaria”, ou “cartório”; é de crer, porém, que se trate antes de “carcaua” e não “cartaua”, o que poderá levar a localizar os ditos dois ferrageais junto de uma zona que conservava fossos das muralhas.

67 Cf. Ma Ângela Beirante, Évora na Idade Média, pp. 68 e 242.

68 Para alguns, possivelmente para os forasteiros acabados de chegar a Elvas, talvez fosse conhecida como “a segunda”, dado até haver quem, em 1457, se refira à chamada “cerca fernandina”, como “a primeira” – A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 80v-81.

69 Pode citar-se o caso de Margarida Eanes (filha do tabelião João Vicente) que, em 1405, com o seu marido João Domingues, emprazam do Mosteiro de Alcobaça umas casas na rua de Alcobaça, havendo expressa menção ao facto de se situarem dentro da “cerca velha” – A.N.T.T., O.S.B., Most. Alc., m. 50, no 1367; A.N.T.T., C. D., M. Alc., liv. 134, fl. 125v-126v. Em 1459 continua a ser assim designada, quando os representantes do concelho se queixam ao Rei de que havia 3 ou 4 anos que o contador da comarca tinha lançado mão dos foros das casas que se localizavam junto à barreira dessa muralha e que os cativara para o rei. – A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 36, fl. 195v; A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 133v-136v, P. de Azevedo, op. cit., p. 53; B.A.M.E., Pergaminhos, no 32. Em 1472, também assim a designa o “povo miúdo”: “em a cerca velha he fecta hua muuy fremosa e forte barreyra pella qual amtre o muro e ella sempre antigamente atees agora foy servidõoe a todo o povoo pera muytas partes” – A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 43.

70 A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 65v-66.

71 A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 80v-81. Tudo leva a crer que o rei tenha aproveitado o corredor entre a barbacã e o muro principal para a construção de casas. O que antes era um espaço de circulação, utilizado por todos os habitantes de Elvas, passa a ser urbanizado por ordem régia. Tal situação é semelhante ao ocorrido em Évora (Cf. Ma Ângela Beirante, op. cit., pp. 76 e 276.)

72 Os juízes, vereação e o procurador do concelho de Elvas, em Novembro de 1436 aforam a Mestre João, físico, um chão que o concelho tem “na praça da Rota [sic – deverá ser, antes, Porta] de Santiago e que confronta com a barreira”. Cf. A.N.T.T., Chancelaria de D. Duarte, liv. 1, fl. 226.
Sobre a equivalência de “barreira” com “barbacã”, veja-se António Lopes Pires Nunes,
Dicionário Temático de Arquitectura Militar e de Arte de Fortificar, Lisboa, Direcção do Serviço Histórico Militar, 1991, p. 52. A utilidade desta obra estende-se a todos os aspectos da arquitectura militar medieval.

73 Sobre a localização da feira e das casas da câmara veja-se adiante 3.4.4.1.1. e 3.4.4.5.

74 A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 80v-81.

75 Este Rui de Brito é, em 1455, alcaide das sacas em Elvas, por mercê régia, queixando-se o concelho nas Cortes de Lisboa desse mesmo ano de que era costume os ditos alcaides serem juízes em causas que lhes diziam respeito – A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 15, fl. 80v; A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 171, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 47; B.A.M.E., Pergaminhos, no 29.

76 A.N.T.T., Odiana, liv. 4, fl. 204v-205v.

77 No caso vertente, tratava-se essencialmente de ampliar o espaço de uma família, na zona da praça; Rui de Brito já aí tinha uma sua casa e, aforando este chão de 74 por 12 côvados de largo, vai poder fazê-lo sendo, aliás, essa a condição do contrato de aforamento.

78 Contudo, a situação alterou-se em meados do século XV; nas Cortes de 1459 os representantes do concelho queixam-se de que havia 3 ou 4 anos que o contador da comarca tinha lançado mão aos ditos foros e que os cativara para o rei. Sobre esta questão vejam-se A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 36, fl. 195v; A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 133v-136v, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 53; B.A.M.E., Pergaminhos, no 32.

79 Este desejo não desagrada ao concelho, o qual concorda com a construção de tais casas “por ser luguar que muyto afremosemtaria e nobreçeria a dita villa” (A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 65v-66). Os únicos obstáculos que o concelho coloca prendem-se com o senhorio dos muros e da torre, por serem do rei, mas obtém a aprovação de D. Afonso V (por carta dada em Santarém, aos 9 de Maio de 1471). Esta situação tem paralelos com situações semelhantes ocorridas em Évora - Cf. Ma Ângela Beirante, op. cit.

80 O dito João Lopes teria de dar servidão do muro ao concelho, no caso de os elvenses, em momento de ataque inimigo, terem de deixar “a çerqua de fora por sua defensam e nosso serviço” – A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 65v-66.

81 Ibidem.

82 Cf. A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 43, onde se refere a utilidade e “foy servidõoe a todo o povoo pera muytas partes”.

83 Estará atalhamento, em vez de assentamento?

84 Promete ainda que não fará mais concessões que envolvam o dito corredor entre barreira e muro – A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 43.

85 Cf. Eurico Gama, Crónicas de Odiana, Elvas, 1967, p. 15: “no século XIV, D. Fernando fez levantar uma terceira muralha e sobre esta, no século XVII, se construiu a imponente fortificação abaluartada...”. Amílcar F. Morgado, Elvas, praça de guerra, arquitectura militar, pp. 14-15.

86 Aires Varela, no século XVII, dá crédito à tese segundo a qual teria partido de D. Fernando a iniciativa do início da construção da muralha, geralmente conhecida como “fernandina”. Segundo ele, a propósito dos banhos, os mouros “... de hua agoa, que dece do Castello, chamado Cano, fizerão banhos, de q. os mouros m.t° uzão, e depois q. ElRey D. Fernando cercou este arrabalde, por ficarem os banhos fora, derão nome á porta por onde a elles se saya.” (Theatro..., p. 55).

87 Segundo Iria Gonçalves, “...não foi por acaso que D. Fernando se manifestou como o nosso grande construtor de muralhas”. – Iria Gonçalves, “Entre o Campo e a Cidade na 2a metade do século XIV”, Estudos Medievais, no 8, Porto, 1987, p. 86.

88 Cf. Paulo Pereira, “A Arquitectura (1250-1450)” in “O «Modo» Gótico (séculos XIII-XV)”, História da Arte em Portugal (dir. de Paulo Pereira), vol. I, Círculo de Leitores, s/l, 1995, p. 392.

89 “... tenho motivos para crer que a 3a cêrca da fortificação d’Elvas foi começada no reinado de D. Affonso IV” – Tomás Pires, “As ruas...”, p. 112, nota 1.

90 A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 2, fl. 7; A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 140, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 27.

91 A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 80v-81.

92 Veja-se, para uma perspectiva sintética da adaptação das muralhas abaluartadas de grande parte do perímetro da “cerca fernandina”, Maria do Céu Ponce Dentinho, Elvas – monografia, pp. 46-47. Referência a importantes obras em Elvas, nos anos de 1645 e 1648 podem encontrar-se em Gastão de Mello de Mattos, Nicolau de Langres e a sua obra em Portugal, Lisboa, Comissão de História Militar, 1941, pp. 28 e 42-44.

93 Medida obtida a partir de curvímetro de precisão, sobre mapa à escala de 1:2000.

94 “...a terceira linha de muralhas surgiu com D. Fernando pela necessidade de defender a povoação (que entretanto exorbitara muito além dos muros antigos) aquando da guerra com Castela. Estava reforçada com vinte e duas torres e nela se abriam onze portas...” – Amílcar F. Morgado, Elvas, praça de guerra, arquitectura militar, pp. 14-15; veja--se também Eurico Gama, Gil Fernandes, Alcaide-Mor de Elvas, sep. de Ocidente, vol. LXI, Lisboa, 1961, p. 13.

95 Amílcar F. Morgado, op. cit., p. 15; veja-se também Ma dos Céu P. Dentinho, op. cit., pp. 44-45; esta autora reconhece, pelo menos em relação à porta do Trempem, que esta pertencia à “cerca árabe”.

96 O século XVII é o momento da construção da cintura abaluartada que, também ela com algumas alterações, é a que hoje ainda se pode apreciar.

97 Não seria este o primeiro de caso de designação de porta de uma cerca amuralhada que é aplicada a uma outra cerca, mais recente, e que de algum modo seja um prolongamento de um eixo já definido. Veja-se o caso da porta de Alconchel, em Évora. Cf. Maria Ângela Rocha Beirante, Évora na Idade Média, pp. 41 (planta I) – 42, 46-47, e plantas II, III e IV. Veja-se também o que se propôs para a Porta dos Banhos, em 3.3.1.1.1.

98 Gomes Aires Tinoco, morador em Elvas, é agraciado por D. João I, em Abril de 1388 com o coutamento de uma sua herdade em Selas, herdade essa que confronta com as herdades de Afonso Esteves da Rua dos Banhos (A.N.T.T., Chancelaria de D. João I, liv. 2, fl. 41-41v). O mesmo Afonso Esteves da Rua dos Banhos é referido nas sucessivas confirmações do coutamento, em 1434, 1444 e 1484 – A.N.T.T., Odiana, liv. 2, fl. 49v-50.
Os raçoeiros da igreja do Salvador de Elvas aforaram, em 12 de Agosto de 1477, um ferrageal, por 57 reais brancos, localizado à Porta dos Banhos. O ferrageal confrontava com “regadeira que vae dos pellomes, e com caminho que sae da dita porta, e com chafariz do concelho”. (V. de Almada,
op. cit., III, p. 107; deve tratar-se, possivelmente, de informação obtida a partir de algum dos desaparecidos Pergaminhos da igreja do Salvador de Elvas).

99 A. Tomás Pires, “As ruas...”, pp. 22 e 30.

100 Esta porta localizar-se-ia onde hoje se encontra a chamada Porta Velha, antes denominada “porta velha de S. Vicente”. Cf. V. de Almada, op. cit., III, p. 106.

101 A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 114v, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 62.

102 A. Tomás Pires, op. cit., p. 30.

103 Veja-se o que se disse acerca do clima da região de Elvas, em 1.1.

104 É o que se passa em Montemor-o-Novo onde, em 1422, dois homens se afadigavam a “abrir o cano da Porta d’Evora que torvava a servidom a cada hum” – A.H.M.M.N. – A1B2, f. 8, citado por Jorge Fonseca, Montemor-o-Novo no século XV, Câmara Municipal de Montemor-o-Novo, 1998, p. 17. A existência de canos, escoadouros ou sarjetas sob as portas, diminuía a pressão das águas sobre as muralhas e o interior das casas em redor.

105 Fernão Lopes, Crónica de D. Fernando, (ed. de Salvador Dias Arnaut), Porto, Liv. Civilização, s/d, cap. CLXXVII, p. 491.

106 Ibidem, p. 491.

107 Segundo um documento de 14 de Junho de 1464. Veja-se Eurico Gama, Duas Imagens de Nossa Senhora dos Mártires, p. 20, nota no 1, onde se cita documento referido por V. de Almada, no maço respeitante à letra M da parte manuscrita dos seus Elementos... (B.A.M.E.). A coincidência das designações pode talvez compreender-se melhor se se atender ao facto do mosteiro de S. Domingos ter ocupado o espaço da antiga ermida dedicada a N.a Sr.a dos Mártires, ermida edificada logo após a conquista de Elvas. E essa proximidade entre a Porta dos Mártires e o espaço do mosteiro está bem atestada por um documento de 1536 que refere que a Igreja de Santa Maria da Alcáçova de Elvas “tinha um foro de 10 rs em casas de Affº Anes Ouregãos, no adro do Mosteiro, junto com a porta dos Martyres”.

108 É provável que a designação de Porta de S. Francisco surgisse só em finais do século XVI, com a construção conventual dos franciscanos no exterior das muralhas, junto ao caminho que se dirigia para Estremoz. A porta de S. Pedro não aparece citada em fontes medievais, pois tem a ver com uma ermida, desta invocação, que se veio a construir no exterior das muralhas. Sobre estas portas veja-se A. Tomás Pires, “As ruas de Elvas...”, pp. 16 e 112.

109 Amilcar Morgado, op. cit., p. 15.

110 A forca é visível na “vista tirada da banda do sul” feita, em inícios do século XVI, por Duarte D’armas (op. cit., p. 113). Não é visível, nesta imagem, nenhuma porta que para lá se dirija directamente, o que não implica a inexistência de um postigo.

111 Quanto a portas de muralhas com nomes de terras para onde se dirigem os caminhos veja-se Iria Gonçalves, “Entre o Campo e a Cidade na 2a metade do século XIV”, op. cit., p. 89.

112 Há que agradecer ao senhor comandante do Regimento de Infantaria de Elvas, ao Major Firmino e ao Capitão Ferreira as enormes facilidades concedidas e a abertura que em todas as situações revelaram para os pedidos, pouco habituais, que lhes foram formulados.

113 Localizada, tudo indica, no local da antiga Porta de Badajoz da cerca ainda conhecida como “fernandina”.

114 A.N.T.T., O.S.B., Most. Alc., m. 46, no 1180; A.N.T.T., C. D., M. Alc., liv. 134, fl. 133-134. As outras confrontações são bens fundiários da Ordem de Lorvão, de João Escrivão e de Domingos Peres, alfaiate.

115 Cinco anos depois, esta porta volta a ser referida. Um dos muitos Pergaminhos citados por V. de Almada, entretanto desaparecidos, indica que os clérigos da igreja de S. Salvador de Elvas, aforam a “... Gonçalo Esteves, viuvo vezinho e morador em Elvas para todo sempre hum ferregial, e dous campos que a dita Igreja ha em o termo da dita vila o qual ferregial é e está á porta d’Oliveça que parte com ferregial de Soeiro Coelho...” – V. de Almada (obra, volume e pp. não indicadas) citado por E. Gama, Gil Fernandes, Alcaide-Mor de Elvas, op. cit., p. 55); veja-se também A. Tomás Pires, Excerptos de um estudo sobre a toponymia elvense, vol. XIII dos Estudos e notas elvenses, (citado, a partir de agora, como “Topon.”), p. 82. O referido documento é de 7 de Dezembro de 1360.
É possível que se deva a este pergaminho a suspeita de Tomás Pires de que a “muralha fernandina” seria obra do reinado de D. Afonso IV. O desaparecimento deste pergaminho (e de muitos outros) – que Tomás Pires não viu directamente – e o desconhecimento, por parte deste erudito elvense, do documento do Mosteiro de Alcobaça que cita esta porta em 1355, não lhe permitiram ser mais categórico na atribuição da construção desta cerca a D. Afonso IV.

116 João Mendes e sua mulher Leonor Afonso emprazam em 3 vidas um ferrageal do Mosteiro de Alcobaça no ano de 1404, no exterior da Porta de Olivença, junto ao caminho para esta vila, confrontando com a azinhaga que ia para o “adro dos judeus” e perto do “Rossio do concelho” de Elvas, num local conhecido como “o Pombal” (confrontando com um outro ferrageal, que trazia João Afonso alfaiate) – A.N.T.T., O.S.B., Most. Alc., m. 67, no 24, fl. 5v – 6v; C. D., Most. Alc., liv. 134, fl. 116-117.

117 A referida Maria Domingues, por não ter filhos nem filhas e porque tinha “tall hidade que ja os nom podia aveer”, recebeu por seu filho adoptivo um tal Álvaro Gil, criado de Fernão d’Álvares. Por ser mulher e, como tal, não poder fazer doação de bens sem autorização régia prévia, solicita ao monarca que o permita, o que lhe é concedido por carta de Dezembro de 1437 (A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 245-245v).

118 Cf. Eurico Gama, Duas Imagens de Nossa Senhora dos Mártires, p. 20, nota no 1, onde se cita documento referido por V. de Almada, no maço respeitante à letra M da parte manuscrita dos seus Elementos... (B.A.M.E.).

119 Maria Ângela Rocha Beirante, Évora na Idade Média, p. 90, passim.

120 B.A.M.E., Pergaminhos de Sta Ma da Alcáçova, no 15. Um tal Afonso Anes Colaço e sua mulher Clara Lourenço tinham casas na “rua da Alagoa” que eram foreiras a uma capela instituída na igreja da alcáçova: a capela de Martim Domingues Pombo. Em 1433 trocam as ditas casas por 30 porcos, machos e fêmeas “boas e recebondas”.

121 Mário Jorge Barroca, Epigrafia Medieval Portuguesa (862-1422), Dissertação de Doutoramento, vol. II, tomo 2, Porto, edição policopiada, 1995, pp. 1492-1493; publicada recentemente; FCG, 2000.

122 Frei Manuel de S. Caetano Damásio, Thebaida Portugueza: Compendio Historico da Congregação dos Monges Pobres de Jesus Christo da Serra de Ossa Chamada depois de S. Paulo I Eremita, em Portugal, Lisboa, 1793, II, p. 384, citado por Maria Ângela G. V. da Rocha Beirante, “Eremitérios da pobre vida no Alentejo dos séculos XIV – XV” in 1383/1385 e a Crise Geral dos séculos XIV e XV – Jornadas de História Medieval, Lisboa, História & Crítica, 1985, p. 260. Essas casas deveriam localizar-se no arruamento que, localizado na área da antiga medina, se chamou, até ao século XV, rua dos Pobres (Cf. A. Tomás Pires, As ruas de Elvas..., p. 105).

123 Eurico Gama, Duas Imagens de Nossa Senhora dos Mártires, p. 20.

124 A.N.T.T., Chancelaria de D. João I, liv. 3, fl. 81v; ver também B.A.M.E., Pergaminhos, no 57. Queixavam-se os cavaleiros de Elvas, ao rei, que eram constrangidos a participar, entre outras tarefas, nas aduas das obras que se faziam na vila, bem como a irem cortar carrasco para os fornos de cal (os toros de carrasco deviam destinar-se a alimentar as fornalhas para obter, a partir dos calcários de Elvas, a necessária cal, fundamental como ligante nas argamassas de construção e de reparação em panos de muralha).

125 A.N.T.T., Chancelaria de D. Duarte, liv. 1, fl. 221 – doc. publicado por P. de Azevedo, op. cit., pp. 15-16; B.A.M.E., Pergaminhos, no 9. A terça parte restante, segundo se queixaram os procuradores do concelho às Cortes de 1436, não era suficiente para “as necessidades do concelho”. Ora, algumas dessas necessidades são enumeradas; é o caso de pagamento a oficiais do concelho, pagamento de tenças atribuídas pelo concelho, os “fectos de justiça”, inquirições e “outras cousas muitas”.

126 A percentagem reservada, para este efeito, durante o reinado de D. João I, não deveria ser somente de 1/3 como, mais tarde o concelho pretende fazer crer a D. Afonso V. Cf. A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 36, fl. 195v; A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 133v-136v, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 52; B.A.M.E., Pergaminhos, no 32.

127 Como acontecia com Évora e Beja, em que 2/3 das receitas iam para o concelho – segundo afirmavam e pretendiam os representantes de Elvas.

128 Ibidem: A.N.T.T., Chancelaria de D. Duarte, liv. 1, fl. 221; P. de Azevedo, op. cit., e AME, Pergaminhos, no 9.

129 Entre esses encargos contava-se a pensão que o concelho de Elvas atribuía a um “fisico que ha nome meestre Samaya e he nos muyto necesario pera nosas enfermidades” – A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 2, fl. 7; A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 140; P. de Azevedo, op. cit., p. 19-20.

130 O monarca decide apoiar as pretensões do concelho de que a referida tença do físico judeu seja retirada da metade destinada às obras – Ibidem.

131 Para sensibilizar o monarca para a alteração desejada, os representantes do concelho elvense enumeram os gastos constantes a que estavam sujeitos. Lembram que, da metade das rendas que lhes cabia, tinham de pagar, entre outros, ao escrivão da câmara (“scripuam da camara”) 2.000 reais, ao relojoeiro (“Rellogeeiro”) 1.200 reais, para além das “soldadas” que pagavam aos porteiros, ao juiz, ao físico e despesas respeitantes a presos “que sam acusados por parte da Justiça honde nom ha partes” e que, com todos esses encargos, a metade “nom ha hi conprimento pera esto – A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 2, fl. 7; A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 140, publicado por P. de Azevedo, op. cit., pp. 25-26.
Sobre a importância do “escrivão”, este “importante instrumento da burocratização, especialmente vigiado pela administração régia” (José Mattoso, Identificação de um país, I, p. 434) vejam-se Manuela Santos Silva,
Estruturas urbanas e administração concelhia – Óbidos medieval, p. 130, e nota 76 e Manuel Sílvio Alves Conde, Tomar medieval, o espaço e os homens, Cascais, Patrimonia, 1996, pp. 193-194.

132 A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 2, fl. 7; ver nota anterior. O concelho obtém a anuência régia para esta pretensão.

133 Tal também se passa em outras importantes vilas meridionais que não se localizam na raia seca, mas que não deixam, por isso, de ter um importante papel estratégico. É o caso de Setúbal, em cujas muralhas se fazem importantes obras sensivelmente neste mesmo período – cf. Paulo Drumond Braga, Setúbal Medieval: séculos XIII a XV, 1998, pp. 37-43.

134 Mértola recebe a maior quantia de dinheiro: 10.000 reais e ainda outros 12.000 para o comendador de Santiago proceder a reparações no castelo e muros da vila; Noudar terá a haver 5.000 reais e Castelo de Vide 3.500; Elvas, Alandroal e Marvão receberão, cada uma destas localidades para o dito efeito, 3.000 reais; quantia menor só recebem Mourão e Terena, repectivamente, 2.000 e 1.000 reais.

135 tres mjl rreaaes a Gonçalo Martijnz de Fonte Alua, morador em Eluas, pera despesa das obras do castello da dicta ujlla” – A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 27, fl. 5v, publicado em Monumenta Henricina, vol. VIII, doc. 3 (pp. 5-8), p. 6.

136 A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 5, fl. 70v, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 30; B.A.M.E., Pergaminhos, no 85.

137 Ibidem.

138 O que faz coincidir, temporalmente, com as cortes que tiveram lugar, em 1441, em Torres Vedras.

139 Por aqui se pode calcular em quanto parece ter importado o envio de uma delegação de procuradores (normalmente eram dois) de Elvas a uma importante vila do litoral, em meados do século XV: precisamente 1.000 reais brancos. Este desvio de verbas foi detectado pelo “tesoureiro”, que requereu a reposição do mesmo (é de supor que se trate do tesoureiro das obras. É de recordar a referência, nos capítulos especiais das Cortes de 1441, à figura do “thesoureiro e veedor das despesas”, figura com a qual deveriam ser latentes os conflitos com a oligarquia municipal). O rei acaba por fazer-lhes mercê da dita quantia – A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 285v-286v, publicado por P. de Azevedo, op. cit., pp. 37; B.A.M.E., Pergaminhos, no 36.

140 Esta sensibilidade tanto pode ser devida a uma não conclusão de obras, como a derrubes causados por reparações mal executadas. Em meados do século XV não se trata já de reparar as barbacãs da antiga muralha islâmica que, como se verá, são alvo de crescente pressão urbanística (ver 3.4.4.1.2. A Praça).

141 Tratava-se de rendas de que beneficiava Lisuarte Pereira, reposteiro-mor do rei (cf. Humberto Baquero Moreno, A Batalha de Alfarrobeira, Antecedentes e Significado Histórico, Coimbra, 1980, vol. II, pp. 927-928, passim).

142 A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 15, fl. 80v; A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 171, publicado por P. de Azevedo, op. cit., pp. 45; B.A.M.E., Pergaminhos, no 29. O rei acaba por seguir a sugestão municipal.

143 Nas cortes de 1459 os representantes do concelho queixam-se que havia 3 ou 4 anos que o contador da comarca tinha lançado mão aos ditos foros e que os cativara para o rei – A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 36, fl. 195v; A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 133v-136v, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 53; B.A.M.E., Pergaminhos, no 32.

144 “...posto que as casas acostem aos muros.” – Ibidem.

145 “Afonso de Voym cavaleiro de nossa cassa e veedor moor das obras dantre Tejo e Hudiana...” – A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 31, fl. 122, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 65; trata-se de uma carta dada pelo rei em Lisboa, a 2 de Novembro de 1469. Veja-se também A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 296-299, documento que não é referido por Pedro de Azevedo e onde se reproduzem alguns dos pontos do documento, mais extenso, publicado pelo referido autor.

146 Ibidem.

147 Para que tal se venha a efectuar o monarca solicita, por carta de 20 de Setembro, uma “procuraçam abastante” e a eleição de procuradores do dito povo miúdo para se negociarem os termos do acordo para as ditas obras. A reunião do “povo miúdo” tem lugar no adro do Mosteiro de S. Domingos, cerca de um mês depois (19 de Outubro de 1469). A eleição é indirecta; são eleitos pelo povo os procuradores Rui Dias (um dos que primeiro se tinha dirigido ao monarca), João Pereira, Gonçalo Afonso e Fernão Gil; são estes 4 que, por sua vez, vão eleger como procurador do “povo miúdo” um tal Vasco Pires, também ele um dos dois primeiros procuradores que se dirigiu ao monarca. Como testemunhas desta eleição são conhecidos um barbeiro (Pedro Afonso barbeiro o moço) e um alfaiate (Gonçalo Rodrigues), para além de outros não referidos e um tabelião (Rui Pires Soeiro) – Ibidem, P. de Azevedo, op. cit., pp. 65-67.

148 Ibidem, P. de Azevedo, op. cit., p. 65.

149 A.N.T.T., Chancelaria de D. Afonso V, liv. 31, fl. 122; Odiana, liv. 3, fl. 296-299; P. de Azevedo, op. cit., p. 67.

150 Ibidem, P. de Azevedo, op. cit., p. 69.

151 Ibidem, P. de Azevedo, op. cit., p. 69.

152 “...tanto que começardes de receber comecees logo dobrar nas ditas obras da villa e tambem do castello...” P. de Azevedo, op. cit., pp. 69-70. A relutância em reparar o castelo pode explicar-se. Guardava-se memória de que um alcaide aí se fortificara, tomando voz por Castela (cf. A.N.T.T., Odiana, liv. 4, fl. 79, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 39; B.A.M.E., Pergaminhos, no 73; Fernão Lopes, Crónica de D. Fernando, cap. CLXXVII).

153 Ibidem, P. de Azevedo, op. cit., p. 68; veja-se este item também em A.N.T.T., Odiana, liv. 3, fl. 296-299. Em matéria de persuasão compulsiva, Afonso de Aboim não faria melhor.

154 A. H. de Oliveira Marques refere um encontro entre o “Africano” e Henrique IV de Castela, “algures em 1471-73 (entre Badajoz e Elvas)” – Portugal na crise dos séculos XIV e XV, p. 328. É bem provável que tal encontro tivesse tido lugar na primavera de 1472, momento em que se encontrava em Elvas.

155 A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 43 e seguintes. A resposta é favorável a nove das doze questões colocadas pelo povo.

156 “muitas pesoas desta villa nom oolhando o mal que fazem cavam saibro junto ao pee do muro da dita villa do que se pode seguir ao muro muy grande perigo...” – Ibidem, P. de Azevedo, op. cit., p. 72. O monarca decide que se deve guardar uma distância de 50 passadas até se poder extrair o dito saibro.

157 Veja-se a presença de padiolas aos ombros, andaimes e roldanas na imagem que pretende ilustrar a construção dos muros de Jaffa, em Roland Recht, “Sur quelques aspects de la construction médiévale”, Dossiers de l’Archéologie, no 219 (Les batisseurs du Moyen Âge – Organisation et mode de construction: la pierre, le bois et le métal), Dijon, 1996 p. 21.

158 Ibidem, P. de Azevedo, op. cit., p. 73.

159 “praz nos darmos licença que antressy pera esto possam deytar taxa”. Esta é a resposta do monarca quando o povo lhe pede mais uns três ou quatro mil reais dos dinheiros do concelho, para além da dita terça parte que já gerem. Ibidem, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 72.

160 “... mandamos e defendemos aos almotacees que ora sam e ao diante forem da dita villa dElvas que... se torva ou embargo per elles lhe for fecta queremos e mandamos que pague quinhentos reaes da cadea pera as obras do muro da dita villa” – A.N.T.T., Odiana, liv. 6, fl. 43, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 75.

161 A.N.T.T., Cortes, maço 4, no 1, publicado por P. de Azevedo, op. cit., p. 85.

162 Os procuradores do concelho pretendem que as ditas obras deixem de ser feitas pelo povo miúdo e que se faça uma espécie de “concurso público”, lançando as ditas obras em pregão e arrematando a obra a quem mais faça pelo mesmo dinheiro e que o controlo passe para os “fidalgos e homees honrrados desta villa” – Ibidem.

163 A. N. T. T., Odiana, liv. 1, fl. 232v-233v; publicado por P. de Azevedo, op. cit., pp. 90-91.

164 Duarte D’armas, Livro das fortalezas, (ed. anotada de João de Almeida), Lisboa, ed. Império, 1943, pp. 113 e 115.

165 Ibidem, p. 115.

166 Quanto ao castelo veja-se Ibidem, pp. 115 e 117.

167 Ibidem, p. 113. Desenho parcialmente reproduzido na Figura 28.

168 Veja-se, sobre este aspecto, António Lopes Pires Nunes, O Castelo Estratégico Português e a Estratégia do Castelo em Portugal, Lisboa, Direcção do Serviço Histórico Militar, 1988, pp. 101-103 e fig. 23.

169 Sobre a existência de atalaias e a sua função de vigilância veja-se Robert Durand, “Habitats fortifiés et organization des pouvoirs au Portugal” in Habitats fortifiés et organisation de l’espace en Méditerranée médiévale (actas recolhidas e publicadas por A. Bazzana, P. Guichard e J. M. Poisson), Travaux de la maison de l’Orient no 4, Lyon, GIS – Maison de l’Orient, 1983, pp. 70-71.

170 Teresa Júdice Gamito, “O Castro de Segóvia (Elvas, Portugal), ponto fulcral na primeira fase das Guerras de Sertório” in O Arqueólogo Português, Série IV, no 5, Lisboa, 1987, pp. 149-160.

171 Fernão Lopes, Crónica de D. João I, cap. CVIII. Caso se volte a escavar algum outro ponto do cabeço de Segóvia, poderão surgir indícios desta ocupação do século XIV, senão mesmo de alguma anterior, como foi sugerido em 2.3.3.1.

172 Aires Varela, Theatro..., cap. XXIV, p. 82

173 Maria do Céu P. Dentinho, op. cit., p. 46. O topónimo “Maria” é bastante curioso na medida em que, por detrás dele poder-se-á esconder uma palavra de origem árabe relacionada com fortificações. Na origem do nome da cidade espanhola de Almeria, núcleo urbano fundado em época islâmica, está a palavra árabe al-mariyya, que significa torre. Segundo as palavras de J. Bosch-Vilá, “le nom d’al-Mariyya – et nom al-Mâriyya – a donné lieu à divers interprétations, notamment celle de «vigie», peut-être parce qu’elle avait été, au début, un lieu ou un point de vigie d’où l’on annonçait pour se mettre en garde, les incursions des Normands, d’abord, des Maghribins, ensuite,...” – al-MARIYYA in Encyclopédie de l’Islam, (nouvelle édition), Leiden/Paris, E. J. Brill/Maisonneuve & Larose, Tomo VI, 1989, p. 561. No que diz respeito ao actual território português, a crónica da tomada de Silves refere uma torre com um nome semelhante: “a torre grande, que se chamava Burgae Mariae, ameaçava ruina pela parte da torre Maria,…” – “A conquista de Silves”, in Alfredo Pimenta (org.), Fontes Medievais da História de Portugal, vol. I – Anais e Crónicas, 2a ed., Lisboa, Sá da Costa ed., 1982, p. 178; sobre a importância desta crónica para o conhecimento das fortificações de época islâmica pode ver-se F. Branco Correia, “Fortificações muçulmanas em Portugal: alguns apontamentos” in Arqueología Medieval Española – II Congreso, Tomo II, Madrid, 1987, pp. 506-507.

174 Sobre a importância das atalaias para uma compreensão integrada dos habitats acastelados com as vias de comunicação veja-se Rita Costa Gomes, A Guarda Medieval, pp. 23-26.

175 Vejam-se os casos de Amoreira da Torre e Torre de Coelheiros, na região de Évora.

176 Eurico Gama, Gil Fernandes, Alcaide-Mor de Elvas, p. 34, nota 37 e p. 56, citando B.A.M.E., Livro das Sentenças que o Senado da Camara d’Elvas alcançou cantra os senhorios das defesas do concelho, fl. 13 e 27.

177 Tomás Pires, Topon., p. 55; Eurico Gama, op. cit., p. 56; veja-se também Gabriel Pereira, Documentos Históricos da Cidade de Évora, Parte II, p. 172.

Table des illustrations

Titre Figura 37 – O Castelo de Elvas, na perspectiva de Duarte D’armas (inícios do século XVI – original em A.N.T.T., Livro das Fortalezas, fl. 124). Além de outros elementos, são visíveis uma barreira (ou barbacã) diante da porta principal e o arranque do “muro da vila” que envolvia a Alcáçova. Alguns dos aposentos do alcaide eram sobradados. Das duas cisternas referenciadas, uma localizava-se no interior da Torre de Menagem.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 296k
Titre Figura 50 – A porta principal do castelo abre para a alcáçova. Aqui se encontrava implantada uma barbacã, destruída em 1383 e, mais tarde reconstruída (visível na planta feita por Duarte D' Armas).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 1,3M
Titre Figura 38 – aspecto actual de uma torre implantada no recinto da muralha da medina. O seu interior, até ao topo da muralha, pode ser em taipa. Trata-se de um dos exemplos do reforço, em época cristã, das muralhas da medina islâmica. O desnivelamento do terreno é sintoma da existência de uma antiga barbacã, à semelhança do que é visível na imagem seguinte.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 2,5M
Titre Figura 38 A – Exemplo de como a existência de muralha e barbacã originam, frequentemente, desníveis no terreno.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 204k
Titre Figura 65 – O exterior do "Arco do Bispo" visto de uma das torres da muralha da medina. A antiga Porta do Bispo parece desenhar-se no interior deste muro. A parede à qual se encosta o oratório visível em baixo corresponde, em parte, a uma antiga torre.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 1,5M
Titre Figura 66 – Edifício do actual comando da P.S.P., localizado na área da antiga medina, junto ao Arco do Bispo (cujo arranque é visível à direita) e que está implantada, possivelmente, na área antes ocupada pelas casas que o bispo de Évora tinha em Elvas.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figura 43 – Imagem da zona por onde passaria a muralha da medina, junto à porta que será conhecida como de S. Martinho.
Légende O grande edifício que se vê à direita está implantado sobre a muralha que seguiria para a esquerda, seguindo em direcção aos troços que se conhecem junto do castelo (à esquerda, na imagem). É visível a igreja de Nª Srª da Guia que ocupa o espaço da antiga igreja de S. Martinho. Aliás, o arruamento que se encontra imediatamente à sua direita é ainda hoje conhecido como Largo de S. Martinho, o qual comunica com um beco do mesmo nome.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 157k
Titre Figura 39 – Torres da muralha da medina, visíveis por detrás das casas que durante a Baixa Idade Média foram ocupando o espaço fronteiro à Feira. A torre da esquerda, frequentemente chamada "Torre Fernandina" parece ser aquela que é chamada, em alguns textos, de "Torre Nova".
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 451k
Titre Figura 40 – Outra perspectiva da "Torre Nova", do interior da antiga medina. Atente-se no desnível em relação ao espaço exterior (visível à esquerda) que comunica com o local onde se realizava a feira.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 659k
Titre Figura 70 – A Alcáçova vista desde os olivais da margem direita da Rib. de Chinches (ou Cêto), junto ao caminho medieval para Arronches e Portalegre (que corresponde, em grande medida, à estrada nacional que se vê no canto inferior direito).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 1,5M
Titre Figura 55 – A muralha que se vê ao fundo segue, em certa medida, o traçado da cerca "fernandina". A porta de S. Vicente (parcialmente visível ao centro) abre-se sensivelmente no mesmo sítio onde antes se encontrava a Porta dos Banhos. No largo visível à direita encontrava-se a igreja de s. Vicente. As olarias e parte da Mouraria desenvolviam-se para a esquerda.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 317k
Titre Figura 46 - Possível localização da Porta de S. Domingos (local em que o muro apresenta uma espessura que se aproxima de 2,30m).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 1,8M
Titre Figura 47 – Torre (actualmente caiada) da muralha "fernandina", localizada junto à antiga Porta de Évora.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 102k
Titre Figura 44 – Parada do antigo Regimento de Infantaria de Elvas (Museu Militar dirigido, desde 2009, pelo Sr. Coronel Aragão Varandas)
Légende Onde é visível um grande muro que envolve o convento de S. Domingos e os seus claustros (à esquerda na imagem – onde termina o muro de pedra à vista), muro esse que se prolonga para a direita – pintado de branco – e ao qual se encostam edifícios térreos do ex-regimento que deixam ver o seu topo; a antiga Porta de S. Domingos poderia ter estado implantada perto da abertura que hoje se encontra entre o troço com pedra à vista e a zona rebocada e pintada.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 197k
Titre Figura 45 – Vestígios arquitectónicos claramente anteriores aos baluartes seiscentistas e que se localizam por detrás da torre quadrangular, amarela, do "Baluarte da Porta Velha".
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 2,1M
Titre Figura 75 – Vista aérea de Elvas. O perímetro abaluartado sobrepõe-se, em grande medida, à "cerca nova". Percebem-se os contornos da cerca da medina de época islâmica, do castelo e de alguns dos principais arruamentos já existentes no período medieval (Edição da Câmara Municipal de Elvas – Turismo, 1991).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 802k
Titre Figura 49 – Lápide dupla epigrafada com escudo, datada de 1376. Tem a particularidade de ostentar 26 castelos contornando o próprio campo epigráfico (Mário J. Barroca, Epigrafia…, II, pp. 1492 – 1493). Alude à realização de obras de carácter defensivo.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 1,3M
Titre Figura 48 – O Castelo de Segóvia, visto de sul.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4542/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 254k

© Publicações do Cidehus, 2013

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search