Version classiqueVersion mobile

Elvas na Idade Média

 | 
Fernando Branco Correia

1. Introdução

1.2. Antecedentes históricos

Texte intégral

1.2.1. A Pré-História da região de Elvas

“Se olharmos para esse triângulo, entre Estremoz, Elvas e Portalegre, vamos encontrar inúmeras estações arqueológicas, muitas ainda por descobrir, outras já estudadas. Podemos dizer que aqui os povos se sucederam, desde o neolítico aos nossos dias, deixando um rasto bem concreto da sua maneira de viver em sociedade, quer cultivando as terras quer desenvolvendo a indústria ou mesmo perpetuando as suas crenças nos deuses ou na imortalidade da alma
...........................................................
Essa riqueza alentejana, na Arqueologia, tem o seu lugar próprio...”
João Pires de Campos, “Duas estações arqueológicas no Alentejo” in Actas das I Jornadas Arqueológicas (Lisboa, 1969), vol. I, Lisboa, 1970, pp. 225-226.

  • 1 Cf. Vítor Oliveira Jorge et alii, “Portugal: das origens à Romanização”, Nova História de Portugal,(...)
  • 2 Ibidem, p. 79.
  • 3 Maria Cristina Santos Neto, “Notícias inéditas sobre dólmens em Portugal” in Setúbal Arqueológica, (...)

1A região de Elvas apresenta evidências de ocupação humana desde os tempos mais remotos, ou seja, desde o Paleolítico Inferior. Nos terraços fluviais do Guadiana e do Caia, junto a Elvas e entre esta e Juromenha, foram encontrados vestígios do Paleolítico Inferior1, o período que, cronologicamente, se situa entre 9000/8000 e 6000 a.C. e tem a ver com comunidades de caçadores-recolectores dos inícios do período chamado de Epipaleolítico. Nos vales dos rios Guadiana e Caia, entre outros locais, em redor de Elvas, foram detectados vestígios de comunidades deste período2. A neolitização e o fenómeno do megalitismo estão representados através de vários vestígios existentes na área do termo de Elvas e nos arredores3

  • 4 António Dias de Deus, P.e Henrique da Silva Louro, Abel Viana, “Apontamentos de estações romanas e (...)
  • 5 “Deveria existir uma outra importante rota de difusão dos elementos de feição mediterrânica pelo in (...)
  • 6 Caso alguma vez venham a ter lugar escavações arqueológicas na área urbana de Elvas, é possível que (...)
  • 7 Ver Carta Militar de Portugal (1: 25000) no 400.
  • 8 Segundo W. Schüle e Teresa Gamito, citados por Vítor Oliveira Jorge et alii, op  cit., p. 274.
  • 9 Carlos Fabião, op. cit., p. 152. Veja-se também José Morais Arnaud e Teresa Júdice Gamito, “Cerâmic (...)

2A Idade do Bronze deixou também vestígios na zona de Elvas4. Já as relações entre o mundo mediterrâneo e os povos de origem indo-europeia assentados no interior da Península no período pré-romano parecem ter passado por várias vias de penetração. Para além das cidades do litoral do actual Algarve, a zona de Elvas deve ter desempenhado também um papel difusor5. Embora não fosse, certamente, um caso isolado na região6, a ocupação durante a I Idade do Ferro deixou fortes marcas no “castro de Segóvia”, implantado de forma dominante sobre o Caia, a norte de Elvas7. Vários investigadores que trabalharam neste local e outros que se têm debruçado sobre Segóvia consideram que, pelo espólio encontrado, aqui chegaram nos séculos VIII e VII a.C. influxos de procedência centro-europeia8. Essa circunstância leva alguns autores a afirmar que Segóvia é um povoado importante ligado ao “processo de expansão das comunidades de feição cultural continental para ocidente”9.

  • 10 José María Blázquez et alii, Historia de España Antigua, Tomo I: Protohistoria, Ed. Cátedra, Madrid (...)
  • 11 José Morais Arnaud e Teresa Júdice Gamito, op. cit., p. 194.

3Contudo, as influências de tipo continental cruzam-se neste território com outras, de proveniência mediterrânea. Na verdade, em Segóvia encontraram-se cerâmicas orientalizantes, relacionadas com a presença da actividade comercial fenícia10; nas escavações arqueológicas, “além de cerâmicas pintadas ibero-púnicas e de campanienses, que surgem desde os níveis médios, e até de «sigillatas» que surgem nos níveis superiores, de plena romanização, encontram-se inúmeras cerâmicas «indígenas»...”11.

  • 12 Segundo Jorge de Alarcão, os Conii ocupavam, no século VII a.C. grande parte do sul de Portugal. Os (...)
  • 13 Cf. a este propósito Carlos Fabião, op. cit., pp. 168-169.

4Para este período, as fontes escritas permitem já lançar alguma luz sobre os povos proto-históricos que viveriam nesta zona12. O Alentejo, mais concretamente a zona entre o Tejo e o Guadiana, parece ter sido uma zona influenciada pelos Célticos, povo pré-romano referido por autores clássicos; contudo, na zona do actual nordeste alentejano deveria haver Lusitanos. Assim, Célticos e Lusitanos, ambos de origem indo-europeia, parece terem-se fixado na região actualmente conhecida como Alto Alentejo13.

  • 14 Ibidem, p. 170. Sobre este topónimo veja-se, mais adiante, o que sobre ele se dirá, a respeito do p (...)
  • 15 Ibidem, pp. 171 e 173.
  • 16 Cf. Vítor Oliveira Jorge et alii, op. cit., p. 293.
  • 17 Cf. António Dias de Deus, P. e Henrique da Silva Louro, Abel Viana, op. cit., p. 569; Vítor Oliveir (...)

5Dipo, que alguns autores localizam nas cercanias de Elvas, bem como o cabeço de Segóvia, devem ter correspondido a antigos núcleos urbanos pré-romanos, ligados ao mundo dos Célticos14. Contudo, em Segóvia, onde se realizaram escavações arqueológicas, os resultados preliminares indicam que se trata de um povoado aparentemente fundado no séc. VII a.C., mas que indicia, a partir de achados cerâmicos de tipo púnico, ibero-púnico e grego, “contactos com áreas mediterrânicas”15. Teresa Gamito identificou 16 povoados da II Idade do Ferro em redor de Santa Eulália, um dos quais Segóvia, que estaria ligado, entre outros aspectos, à mineração16. Outros vestígios da Idade do Ferro se têm encontrado perto de Elvas17;

  • 18 No século XVII, o cónego Aires Varela interessa-se pela questão da origem e fundação de Elvas, e se (...)

6Ou seja, em termos gerais, no período proto-histórico, a zona de Elvas parece localizar-se numa zona onde confluem influências culturais de proveniência diversa, registando-se uma espécie de «encontro de culturas»: centro-europeia por um lado, (tendo em conta os vestígios encontrados em Segóvia e a permanência de povos de origem céltica) e oriental de procedência mediterrânea, por outro18. Não será a última vez que se assiste à chegada de influências destas procedências.

1.2.2. Época romana

  • 19 Os Lusitanos seriam um povo de origem indo-europeia, mas pré-céltico, e que viveria na zona montanh (...)

7Os romanos entram na Península Ibérica em 218 a.C.. Contudo, o domínio do que mais tarde se virá a chamar o Alentejo só terá lugar entre 202 e 139 a.C. Em meados do século II a.C., o Alentejo é teatro de operações entre lusitanos e romanos, sucedendo-se os raids, nos quais se destaca a acção do chefe lusitano Viriato19.

  • 20 Segóvia seria um oppidum. Cf. Jorge de Alarcão, “Portugal: das origens à Romanização”, vol. 1 da No (...)
  • 21 Hirtuleio, um dos lugares-tenentes de Sertório refugiou-se, “em 75 a. C., em Segóvia (Elvas), onde (...)
  • 22 Acerca da definição dos limites da Lusitânia com a Bética e da relação deste problema com o percurs (...)

8O castro ou oppidum20 de Segóvia parece ter feito parte do roteiro das lutas que se travaram entre atacantes e apoiantes de Sertório em 75 a.C.21. Com as campanhas de Júlio César a região teria ficado controlada pelos romanos. O território no qual se insere Elvas fazia parte da Lusitânia22. A província fora criada não se sabe bem se antes ou depois de escolhida Emerita para sua capital.

  • 23 Segundo Alarcão, “uma parte oriental do Alentejo, à volta de Elvas, fazia parte do territorium de A (...)

9Através da Epigrafia pode-se afirmar que a região de Elvas estava integrada no territorium de Augusta Emerita23. Assim, durante a época romana, em termos administrativos, judiciais e de afinidades em termos gerais, a zona de Elvas relacionava-se preferencialmente com Emerita e, ao localizar-se num dos extremos de territorium de Emerita, virado para Oeste, deve ter sido um ponto de ligação com Ebora e com a linha do Tejo.

  • 24 J. de Alarcão dá a referência de Plínio (IV, 117) de que na Lusitânia foram criados três conventus (...)
  • 25 Vejam-se, sobre este ponto, Jorge de Alarcão, “Portugal: das origens à Romanização”, p. 385, A. H. (...)
  • 26 É o caso de Fabião que hesita entre os conventus de Augusta Emerita ou de Scallabis - op. cit., p. (...)
  • 27 José d’Encarnação, Inscrições romanas do Conventus Pacensis. Subsídios para o estudo da Romanização (...)

10Com a criação, no século I d.C., de um novo tipo de circunscrições administrativas, com funções essencialmente judiciais, os conventus, a zona de Elvas pode ter continuado estreitamente ligada à capital provincial24. Na verdade, os autores fazem normalmente coincidir a linha divisória entre os conventus emeritense e pacense mais ou menos com a actual linha fronteiriça de Portugal e Espanha. Contudo, o mapa elaborado por Jorge de Alarcão para o seu trabalho Roman Portugal parece querer deixar claro que a zona de Elvas (bem como Ammaia, mais ao Norte) teria ficado integrada na área do conventus de Emerita e não no de Pax Julia (do qual dependia Ebora)25. Outros autores que se debruçaram sobre a questão da pertença de Elvas a um dos conventus revelam algumas dúvidas26. José d’Encarnação, tendo em conta a pertença das zonas de Elvas, Juromenha, Vila Boim e Veiros à tribo Papíria, bem como o facto de o marco miliário encontrado na Terrugem (Elvas) referir a distância reportando-se a Mérida, pergunta se, com base nesses elementos, não se poderá concluir da pertença desses territórios ao conventus emeritensis27.

  • 28 J. de Alarcão afirma que “vici importantes a sul do Tejo, além de Tróia, seriam os de Nossa Senhora (...)
  • 29 Ibidem, p. 78.

11Elvas, segundo Jorge de Alarcão, deveria ter sido um vicus – um núcleo urbano de carácter secundário – importante28. Este autor justifica a importância de Elvas em época romana tendo em consideração os achados epigráficos de carácter funerário encontrados, o aparecimento de um fragmento de mosaico na área urbana, para além da grande quantidade de estações arqueológicas desta época referenciadas nos arredores do núcleo urbano29.

  • 30 O mesmo autor esclarece que “não tendo significados muito rigorosos, os termos oppidum, vicus e cas (...)

12No entanto, atendendo à topografia da zona, favorável à existência de um ponto fortificado, talvez não seja de excluir a hipótese de ter tido também instalações de tipo militar, o que a aproximaria de um oppidum, ou que, hipótese talvez também a considerar, de um oppidum inicial, a ocupação pudesse ter evoluído no sentido de se tornar numa estrutura de assentamento mais identificável com um vicus30.

  • 31 “... Dippo, cidade ainda não localizada, talvez na área de Évora ou de Elvas” ou “algures entre Elv (...)

13Sendo um vicus ou um oppidum, o que não está ainda esclarecido é o nome que se aplicava, então, ao local em causa. Se Alarcão não lhe atribui nenhum nome, autores há que, a partir da toponímia referenciada nas fontes antigas, sobretudo as informações provenientes de itinerários, fazem coincidir (não sem interrogações) Elvas (ou a sua região) com Dippo31.

  • 32 J. de Alarcão, Portugal romano, Lisboa, Ed. Verbo, 1974, p. 73. O autor refere a descoberta, na her (...)
  • 33 Ibidem, pp. 87-106.
  • 34 Mérida é o nó fundamental que permite a compreensão do papel da região de Elvas no contexto das est (...)
  • 35 Ibidem, p. 100. O autor não faz coincidir neste trabalho nenhum dos nomes constantes dos itinerário (...)
  • 36 Ibidem, p. 93.

14A zona de Elvas era atravessada por uma das principais vias da Lusitânia, que ligava a capital administrativa da província com o litoral – mais concretamente Emerita Augusta com Salacia32. Jorge de Alarcão, que reviu de forma sistemática o traçado das principais vias de época romana que atravessavam Portugal33, não deixa de fazer coincidir com a zona de Elvas o entroncamento de estradas que, vindo de Mérida, se dirigiam para o Ocidente, mais concretamente para Olisipo34. Uma delas dirigia-se para Évora; a outra, à qual a região de Elvas se ligaria por um ramal35, seguia em direcção a Alter do Chão, e depois para Santarém36.

  • 37 É de salientar que, a nível regional, a zona de Elvas está rodeada por uma zona mais vasta que, gro (...)
  • 38 Não muito longe de Alfarófia, na herdade das Caldeiras, junto ao Caia, foi encontrada há poucos ano (...)
  • 39 Ibidem, pp. 191 e 197; José María Blázquez et alii, op. cit., p. 754. Torre de Cabedal, que desde a (...)
  • 40 Na herdade do Carrão, situado na zona oeste do concelho, junto a Vila Fernando, foram encontrados v (...)

15Na região de Elvas não faltam vestígios de época romana. Trabalhos de índole arqueológica realizados no século passado e na primeira metade da presente centúria revelaram muitos vestígios de ocupações desta época37, havendo a destacar o aparecimento de pavimentos em mosaico em Vila Fernando, em Alfarófia (junto ao Caia)38, na Quinta das Longas (onde, desde há poucos anos, decorrem campanhas arqueológicas sistemáticas) e na Torre de Cabedal39 (Figura 1) que, em alguns casos, passam por estruturas hidráulicas40.

Figura 1 – Pavimento de mosaico, com sugestivas representações de peixes, provenientes de Torre de Cabedal. Guardado no Museu Municipal de Elvas.

Figura 1 – Pavimento de mosaico, com sugestivas representações de peixes, provenientes de Torre de Cabedal. Guardado no Museu Municipal de Elvas.
  • 41 Um tal Gaio Axónio, natural de uma colónia romana da zona do Adriático, foi sepultado nesta região (...)
  • 42 Na herdade do Padrão (freguesia da Ajuda), muito perto do caminho que se dirige para Juromenha, foi (...)
  • 43 Uma necrópole romana de inumação, encontrada na herdade da Camuge (freguesia de Vila Boim) revelou (...)
  • 44 A herdade de Torre das Arcas revelou uma extensa necrópole de incineração e de inumação de que fora (...)

16Alguns dos que aqui viveram e faleceram vieram de longe41. Em várias zonas do termo de Elvas, foram encontradas necrópoles, tanto de incineração42, como de inumação43 ou até mistas44.

  • 45 “A construção de barragens é apenas um dos aspectos da nova tecnologia introduzida pelos Romanos; m (...)
  • 46 Trata-se das barragens de Moralves e do Carrão e do conjunto tanque, canal subterrâneo e aqueduto d (...)
  • 47 Só a título comparativo e sem querer fazer qualquer género de extrapolações, refira-se que a chamad (...)
  • 48 “Os Visigodos teriam tido consciência da necessidade da rega e do controlo da água em Espanha e ter (...)

17Um dos componentes da ocupação romana que é de destacar é o da hidráulica. Embora o estudo dos sistemas hidráulicos das várias villæ romanas encontradas em Elvas esteja por fazer, foram localizados, nas suas imediações, vários vestígios de sistemas hidráulicos datando de época romana45, tendo-se detectado, até ao momento, três construções desta época46. É difícil dizer de quando data a construção47 destas estruturas hidráulicas e saber até quando estiveram em utilização. No entanto, tem aceitação a hipótese de que estes sistemas possam ter continuado em utilização após o fim do Império Romano do Ocidente48.

  • 49 Estas deusas, às quais aparecem consagradas várias aras na região de Elvas, parece terem sido divin (...)
  • 50 Alarcão indica que “à deusa Prosérpina foram consagradas cinco inscrições, todas elas, curiosamente (...)
  • 51 Segundo Jorge de Alarcão a região alentejana é “uma região quase sem cultos indígenas [enquanto que (...)
  • 52 Trata-se de uma Sepultura paleocristã de um tal Aelias, embora cronologicamente datável com pouca p (...)
  • 53 Embora já fora do termo de Elvas, mas não muito longe, em Torre de Palma (concelho de Monforte), nu (...)
  • 54 Se alguns elementos da classe dominante romana que estavam implantados em zonas não muito distantes (...)

18Não faltam, na zona de Elvas, vestígios relacionados com o culto a divindades do panteão romano. A deusa Prosérpina, “identificada nalgumas inscrições com Ategina”49, teve especial preferência, ao que parece, na região de Elvas50. No entanto, a chegada ao Alentejo de influências religiosas de proveniência mediterrânea e oriental parece ser antiga51. Foi encontrada na Terrugem um dos mais relevantes vestígios paleocristãos do sul de Portugal52. Em redor de Elvas também se encontram outros vestígios desse processo de cristianização53 que, inicialmente, parece ter atingido somente as classes dominantes do Baixo Império54.

  • 55 Cónego Aires Varela, Theatro..., cap. II, pp. 5-7. É precisamente M. Hélvio um dos que, em 197 a.C. (...)

19Este alongado tratamento dado à presença romana no território de Elvas não é irreflectido. Na verdade, para alguns eruditos que se têm debruçado sobre o passado de Elvas, é no período romano que se deve situar o momento da sua fundação. Quem já assim pensava, em meados do século XVII, era o cónego Aires Varela que, mais que dar crédito às propostas de relacionar a fundação de Elvas com os “Povos Elvios” e a “Elvecia” (como defendeu Resende), preferia dar crédito a uma possível relação da fundação de Elvas com um romano de nome Marcus Helvius, personagem histórico bem documentado, um dos primeiros romanos a dominar a região, havendo em Mérida uma lápide com o seu nome55. Como se verá, o surgimento de Elvas como núcleo urbano parece desenhar-se mais tarde.

1.2.3. Época “visigótica”

  • 56 Um pouco a norte da Terrugem foram encontrados abundantes vestígios arqueológicos (estruturas const (...)
  • 57 Uma foicinha romano-visigótica, tipologicamente muito semelhante às actuais, foi encontrada na Terr (...)

20A região de Elvas revela indícios de continuidade entre a ocupação de época romana e a época em que o governo é assegurado por uma elite goda, a partir de Toledo. Na verdade, na zona da Terrugem apareceram elementos arquitectónicos deste período integrados num contexto que conta com várias estruturas de época romana56; aí surgiram elementos essencialmente ligados à vida agrícola57.

21Fernando de Almeida traz informação relevante sobre a ocupação da região de Elvas após o domínio romano. Vários elementos arquitectónicos foram aí encontrados, de tal forma que este autor considera que Elvas é um dos “três focos” artísticos estreitamente ligados à influência de Mérida.

  • 58 D. Fernando de Almeida, op. cit., p. 106 e fig. 363.

22Para além dos achados da Terrugem, na área da herdade de Fontalva, um pouco ao norte de Elvas (dentro do território do seu termo no período medieval) também apareceu uma placa de cinturão enquadrável neste período58.

  • 59 Ibidem, p. 196 e fig. 82.
  • 60 Ibidem, p. 210 e figs. 175 e 176.
  • 61 Ibidem, p. 212 e fig. 184.
  • 62 Sobre espólio, desta época, aí existente veja-se, por exemplo, Eurico Gama, Crónicas de Odiana, Elv (...)
  • 63 Informação que devo ao Coronel Ribeiro e outros oficiais, que gentilmente me deram a conhecer a des (...)

23Ainda na actual área urbana encontraram-se materiais desta época. Na actual rua João de Olivença foi encontrado um fragmento de pilastra59 (Figura 2); um grande ábaco de pilastra com uma “cruz patada”, que se encontra no Museu Municipal, parece ter surgido igualmente dentro do casco urbano60. Além disso apareceu também em Elvas “um fragmento de mesa de altar”61. O Museu Municipal guarda espólio desta época62. Mais recentemente foi encontrado o que parece ser um fragmento de outra pilastra ou de outro elemento decorativo arquitectónico, integrado num edifício militar do antigo quartel, junto a S. Domingos (Figura 2A)63.

Figura 2 – Pilastra de "época visigótica, proveniente da rua João de Olivença (cf. Fernando de Almeida, op. cit., p. 196, fig. 82). Conserva-se no Museu Municipal de Elvas.

Figura 2 – Pilastra de "época visigótica, proveniente da rua João de Olivença (cf. Fernando de Almeida, op. cit., p. 196, fig. 82). Conserva-se no Museu Municipal de Elvas.

Figura 2A – Possível elemento do friso ou pilastra de edifício cristão –tardo-antigo, prévio à fase de islamização da região.

Figura 2A – Possível elemento do friso ou pilastra de edifício cristão –tardo-antigo, prévio à fase de islamização da região.

24Em síntese, pelos elementos disponíveis até ao momento, em redor de Elvas parece ter-se desenvolvido um importante foco artístico ligado a construções de carácter religioso e à afirmação do cristianismo na região.

  • 64 José Orlandis, Historia de España,, vol. 4., Época visigoda (409-711)), Madrid, Ed. Gredos, 1987, p (...)
  • 65 Essa cristianização, que certamente não atingiu todas as camadas da população, anda associada a foc (...)

25Por outro lado, é de reter o aparecimento, dentro da área urbana, de vestígios deste período. Parece, pois, que em Elvas deve ter existido, já durante o período de governação goda, um núcleo populacional associado a um templo cristão decorado com elementos arquitectónicos semelhantes aos que se podem encontrar em Mérida. De facto, chegaram a esta cidade, então ainda a capital da Lusitânia, correntes artísticas provenientes de vários pontos da bacia do Mediterrâneo. Daqui – da capital da antiga Lusitânia romana e sede metropolita dessa mesma Lusitânia64 – se difundiam essas novas formas artísticas, ligadas a um mundo cristianizado e sem perseguições desde os tempos do Imperador Constantino65.

  • 66 Ibidem, pp. 252 e fig. 198; veja-se também António Dias de Deus, P.e Henrique da Silva Louro, Abel (...)
  • 67 F. Branco Correia, “Materiais de época visigótica de Juromenha (Alentejo)” in Actas da IV Reunió d’ (...)

26Estes vestígios artísticos de Elvas devem conjugar-se com os aparecidos em Campo Maior66 e em Juromenha67.

  • 68 Falando dos suevos, Jean-Pierre Leguay refere que “estes reis tiveram, disse-se, uma «capital» que, (...)
  • 69 Jean-Pierre Leguay, op. cit., p. 55.
  • 70 Esta última expressão é utilizada por E. A. Thompson, citado por Jean-Pierre Leguay, op. cit., p. 5 (...)

27Em termos político-militares o domínio da região, por parte dos poderes visigóticos só parece fazer-se sentir a partir da segunda metade do século V. Ainda em meados desta centúria, a região de Mérida passa por um período de autêntica guerra civil, chegando a ser tomada pelos suevos68. Durante as décadas de 60 e 80, durante o reinado do rei visigodo Eurico II, com a pressão que os visigodos exercem em zonas onde os suevos tinham algum domínio, a região de Mérida passa a ficar na dependência das tropas deste rei visigodo69, antes de, não só a zona de Mérida mas toda a Lusitânia e a Galécia, entrarem numa fase a que alguns autores chamam de “letargia” ou “dark age”70.

  • 71 Segundo Jean-Pierre Leguay, op. cit., p. 62, “em qualquer lugar, incluindo a Lusitânia, o povoament (...)
  • 72 Ibidem, p. 101.

28Na região da Lusitânia e, mais concretamente na zona de Elvas, deve ter-se mantido uma forte predominância de populações e de cultura hispano-romanas71. Parece terem-se mantido tecnologias ligadas à irrigação de zonas do ager em zonas ricas junto ao Guadiana; a monarquia goda, por seu lado, regulamentou a repartição das águas72.

  • 73 Jean-Pierre Leguay, op. cit., pp. 64-65.
  • 74 José Orlandis, op. cit., p. 178.
  • 75 Cf. María Cruz Villalón, Mérida visigoda; Jean-Pierre Leguay, op. cit., p. 65.

29Apesar da presença goda a nível da classe dirigente, na zona de Mérida não faltam pessoas e famílias de origem oriental. Alguns dos membros do clero de Mérida provinham do Mediterrâneo oriental e no território da Lusitânia não faltavam, em meados do século VI, na época de Justiniano, comunidades de origem oriental, gregas em especial73. Por outro lado sabe-se que há judeus em Mérida durante o período visigótico74. Não admira que as influências artísticas originárias do Mediterrâneo oriental estejam presentes na arte de “época visigótica” ligada ao foco emeritense, a que Elvas está ligado75.

  • 76 Segundo Jean-Pierre Leguay, op. cit., p. 69, “Leovigildo reinou com eficácia, submeteu todos ao seu (...)

30Se durante a época de Leovigildo (571/72 a 586) a cunhagem de moeda, especialmente a de ouro, efectuada, entre outros lugares, em Mérida e em Évora, e importantes medidas de carácter administrativo são testemunho de uma política reforçadora do Estado, não é menos verdade que no seu reinado a Lusitânia e outras províncias da Hispania sofreram um período de visível opressão76. Assim, embora os elementos disponíveis não sejam muitos, é possível perspectivar a existência de contactos e influências de origem oriental. Essa situação e o facto de alguns sectores populacionais se sentirem oprimidos, podem ter possibilitado, também nesta zona, uma mais fácil abertura a outras influências orientais, que se farão sentir a partir de 711.

Notes

1 Cf. Vítor Oliveira Jorge et alii, “Portugal: das origens à Romanização”, Nova História de Portugal, (direcção de Joel Serrão e A. H. de Oliveira Marques), vol. I, (coordenação de Jorge de Alarcão), 1a ed., Lisboa, Ed. Presença, 1990, p. 41; G. Zbyszewski, M. Leitão e C. T. North, “Estação paleolítica do Monte das Caldeiras (Elvas)”, O Arqueólogo Português, série III, vol. VI, Lisboa, 1972, pp. 9-31.

2 Ibidem, p. 79.

3 Maria Cristina Santos Neto, “Notícias inéditas sobre dólmens em Portugal” in Setúbal Arqueológica, vol. II-III, Setúbal, 1976-77, pp. 99-107. A autora dá a conhecer uma grande quantidade de monumentos megalíticos cujo reconhecimento no terreno fora feito, em alguns casos ainda em finais do século XIX, por técnicos dos Serviços Geológicos de Portugal. Para ter uma ideia da região de Elvas no contexto do megalitismo, a nível nacional, veja-se também o mapa de dispersão de monumentos megalíticos, da autoria de Leisner in Vítor Oliveira Jorge et alii – op. cit., p. 103; Roteiro turístico das antas de Elvas, editado pela C. M. de Elvas, coordenado por Ana Carvalho Dias e Miguel Lago da Silva, com o apoio dos Serviços de Arqueologia do Sul do ex: I.P.P.C.

4 António Dias de Deus, P.e Henrique da Silva Louro, Abel Viana, “Apontamentos de estações romanas e visigóticas da região de Elvas (Portugal)” in III Congreso Arqueológico Nacional, (Galicia, 1953), Zaragoza, 1955, p. 571. A esses vestígios estão associados outros, de época romana e do período medieval cristão.

5 “Deveria existir uma outra importante rota de difusão dos elementos de feição mediterrânica pelo interior, na direcção da meseta ocidental, cuja existência, porém, de momento, se afigura apenas conjectural. A presença de grafitos sobre cerâmica do povoado de Azougada, dos produtos de importação nos povoados do interior e, ainda, a implantação de uma cidade de nome «Dipo» na zona de Elvas constituem outros tantos indícios desta via interior...” – Carlos Fabião, “O passado proto-histórico e romano” in História de Portugal, direcção de José Mattoso, vol. I, 1a ed., s/l, Círculo de Leitores, 1992, p. 177.

6 Caso alguma vez venham a ter lugar escavações arqueológicas na área urbana de Elvas, é possível que, pela sua localização e topografia do terreno, se venham a encontrar vestígios das Idades do Bronze e do Ferro.

7 Ver Carta Militar de Portugal (1: 25000) no 400.

8 Segundo W. Schüle e Teresa Gamito, citados por Vítor Oliveira Jorge et alii, op  cit., p. 274.

9 Carlos Fabião, op. cit., p. 152. Veja-se também José Morais Arnaud e Teresa Júdice Gamito, “Cerâmicas estampilhadas da Idade do Ferro do sul de Portugal, I – Cabeça de Vaiamonte – Monforte” in O Arqueólogo Português, III Série, vol. VII a IX, Lisboa, 1974-77 (pp. 165-202), p. 194.

10 José María Blázquez et alii, Historia de España Antigua, Tomo I: Protohistoria, Ed. Cátedra, Madrid, 1980, p. 376.

11 José Morais Arnaud e Teresa Júdice Gamito, op. cit., p. 194.

12 Segundo Jorge de Alarcão, os Conii ocupavam, no século VII a.C. grande parte do sul de Portugal. Os Celtas parece terem chegado ao Alentejo no século V a.C., numa primeira vaga, com uma possível segunda vaga no séc. III a.C.. Celtas ou Celtici e Conii não se terão excluído mutuamente. - Jorge de Alarcão, O domínio romano em Portugal, p. 13.

13 Cf. a este propósito Carlos Fabião, op. cit., pp. 168-169.

14 Ibidem, p. 170. Sobre este topónimo veja-se, mais adiante, o que sobre ele se dirá, a respeito do período romano.

15 Ibidem, pp. 171 e 173.

16 Cf. Vítor Oliveira Jorge et alii, op. cit., p. 293.

17 Cf. António Dias de Deus, P. e Henrique da Silva Louro, Abel Viana, op. cit., p. 569; Vítor Oliveira Jorge et alii – op. cit., p. 276 e mapa da p. 277, em que se localizam outras estações arqueológicas da zona de Elvas.

18 No século XVII, o cónego Aires Varela interessa-se pela questão da origem e fundação de Elvas, e sem ter nas suas mãos os elementos arqueológicos hoje disponíveis, pensa que a região de Elvas foi cruzada por várias influências, de origem céltica. Este autor afirma que Elvas teria sido fundada pelos celtas, em 999 a.C. Refere, porém, que outros autores discordam da sua proposta apontando outros povos como fundadores de Elvas (“Dis Rezende, que tomou o nome dos Povos Elvios, habitadores da Gallia Celtica, situada entre os rios Garona e Leger”) pelo que, o historiógrafo elvense admite que, com os Celtas viessem alguns Helvécios (“Elvecios”) e que, dessa forma, o nome Elvas teria surgido devido à semelhança, a nível de riqueza, encontrada pelos ditos Helvécios, entre a sua região de origem e a zona de Elvas. Ainda segundo Aires Varela, os cartagineses teriam estado em Elvas, convivendo pacificamente com os seus moradores; para este autor a riqueza e prosperidade de Elvas já se manifestava claramente nestes tempos - Cónego Aires Varela, Theatro das Antiguidades D’Elvas com a historia da mesma cidade e descripção das terras da sua Comarca, (prólogo de António Thomaz Pires), Elvas, 1915, pp. 2-10; obra adiante referida simplesmente como Theatro.... Sobre este aspecto veja-se igualmente André de Resende, As Antiguidades da Lusitânia, (Introdução, tradução e comentário de R. M. Rosado Fernandes), Lisboa, F.C.G., 1996, pp. 202-203.

19 Os Lusitanos seriam um povo de origem indo-europeia, mas pré-céltico, e que viveria na zona montanhosa da Beira, ao que parece desde a Idade do Bronze - Jorge de Alarcão, O domínio romano em Portugal, pp. 16 e 18-20.

20 Segóvia seria um oppidum. Cf. Jorge de Alarcão, “Portugal: das origens à Romanização”, vol. 1 da Nova História de Portugal, pp. 359-360.

21 Hirtuleio, um dos lugares-tenentes de Sertório refugiou-se, “em 75 a. C., em Segóvia (Elvas), onde aliás foi morto” - Jorge de Alarcão, p. 349; veja-se, do mesmo autor, O domínio romano em Portugal, p. 24. Teresa Gamito considera que a zona de Elvas e mais concretamente o Castro de Segóvia teria sido palco da primeira fase das “Guerras de Sertório”, e que teria sido neste importante “oppidum Ibérico” que teria tido lugar a batalha que pôs frente-a-frente Metelo e Hirtuleius (tendo aqui morrido este último, entre 82 e 75 a.C.) - “O Castro de Segóvia (Elvas, Portugal), ponto fulcral na primeira fase das Guerras de Sertório” in O Arqueólogo Português, Série IV, no 5, Lisboa, 1987, pp. 149-160.

22 Acerca da definição dos limites da Lusitânia com a Bética e da relação deste problema com o percurso do Guadiana, veja-se Jorge de Alarcão, O domínio..., pp. 31-34.

23 Segundo Alarcão, “uma parte oriental do Alentejo, à volta de Elvas, fazia parte do territorium de Augusta Emerita. Não podemos definir com rigor absoluto os limites, pois não se encontraram até agora quaisquer termini.Augusta Emerita foi, porém, atribuída a tribo Papíria, diferente das tribos das civitates luso-romanas contíguas: os cidadãos de Ebora Liberalitas Iulia foram inscritos na Galéria e os de Ammaia na Quirina. Assim, a localização das inscrições funerárias do Nordeste alentejano com indicação da tribo Papíria marcarão os pontos até onde vinha o território da capital da Lusitânia; são eles: Veiros (Estremoz); Herdade da Guardaria (Veiros); Vila Boim (Elvas); Monte Branco (Alandroal [no limite norte de concelho, a norte de Juromenha e confinando já com o sul do actual termo de Elvas])” – O domínio romano em Portugal, pp. 48-49. Veja-se também o mesmo autor, “Portugal: das origens à Romanização”, p. 363, onde esta mesma opinião sobre a divisão dos territórios de EboraEmerita se mantém.

24 J. de Alarcão dá a referência de Plínio (IV, 117) de que na Lusitânia foram criados três conventus (emeritensis, scalabitanus e pacensis); embora afirme que, normalmente, se considera que as terras do sul de Portugal estavam integradas no conventus pacensis, “nenhuma referência literária ou inscrição nos esclarece sobre os limites dos conventus” - cf. O domínio romano em Portugal, p. 58.

25 Vejam-se, sobre este ponto, Jorge de Alarcão, “Portugal: das origens à Romanização”, p. 385, A. H. de Oliveira Marques, História de Portugal desde os tempos mais antigos até ao governo do sr. Palma Carlos, 4a ed., Lisboa, Palas ed., 1974, pp. 26 e 28, e José María Blázquez et alii, Historia de España antigua, tomo II – Hispania romana, Madrid, ed. Cátedra, 1978, pp. 221, 242 e 293; nesta última obra o mapa explicativo da divisão entre o conventus pacensis e o emeritensis em época do Imperador Augusto (p. 291) apresenta outro perfil, parecendo integrar a zona de Elvas dentro do conventus emeritensis.

26 É o caso de Fabião que hesita entre os conventus de Augusta Emerita ou de Scallabis - op. cit., p. 240.

27 José d’Encarnação, Inscrições romanas do Conventus Pacensis. Subsídios para o estudo da Romanização, Coimbra, 1984, p. 7. Aliás, o autor inicia o seu trabalho afirmando: “ao pretendermos elaborar o catálogo das inscrições romanas do conventus Pacensis, não é nossa intenção fazer a história da ocupação romana entre Tejo e Guadiana nem tão pouco discutir os limites geográficos desta divisão administrativa” - Ibidem, p. 7.

28 J. de Alarcão afirma que “vici importantes a sul do Tejo, além de Tróia, seriam os de Nossa Senhora de Aires, Santana do Campo, Elvas, Alter do Chão”. O mesmo autor esclarece acerca do significado urbanístico e económico desta designação: “vicus designava um núcleo urbano menos importante em termos jurídico-administrativos, que uma capital de civitas. Apesar disso, um vicus poderia ser mais extenso ou populoso, e mais activo, industrial ou comercialmente, que certas capitais; poderia ter obras públicas ou residências particulares mais ricas que as sedes de alguns municipia.” - J. de Alarcão, O domínio romano em Portugal, p. 77.

29 Ibidem, p. 78.

30 O mesmo autor esclarece que “não tendo significados muito rigorosos, os termos oppidum, vicus e castellum empregar-se-iam com a mesma fluidez com que hoje usamos os de «vila» ou «aldeia».” - Ibidem, p. 77.

31 “... Dippo, cidade ainda não localizada, talvez na área de Évora ou de Elvas” ou “algures entre Elvas e Évora?” - J. de Alarcão, “Portugal: das origens à Romanização”, pp. 348-349. A sua terminação em -ippo parece levar à atribuição de uma origem túrdula a este topónimo - Ibidem, p. 358. O mesmo autor, em outro trabalho, sugere que Dipo poderia corresponder à actual localidade de Évora-Monte - O domínio romano em Portugal, p. 98.
As reticências não largam este topónimo (que alguns autores grafam com um e outros com dois
pp – de que resulta Dipo e Dippo). José d’Encarnação é um dos investigadores que coloca, como hipótese, a identificação de Dippo com Elvas - José d’Encarnação, op. cit., pp. 631 e 924.
Recentemente autores há que, não retirando a Elvas a possibilidade de ter albergado a antiga Dippo, propõem a sua localização em Juromenha; segundo Luis Berrocal-Rangel, Dipo poder-se-ia localizar na zona definida pelo cabeço de Segóvia (a norte) e Juromenha (a sul), pela grande quantidade de necrópoles céltico-romanas aí detectadas e que se localizam maioritariamente no termo de Elvas. Este autor não esconde as condições topogáficas óptimas oferecidas por Elvas para poder ter sido o local de assentamento de Dipo. Porém, sem mais argumentos, o autor inclina-se para Juromenha como local mais provável de coincidência com a antiga Dipo -
Los Pueblos Célticos del Suroeste de la Península Ibérica, Madrid, Ed. Complutense, 1992, pp. 59 (fig. 6, no 3), 63 e 67 (fig. 7, no 3). Mais recentemente A. Marques Faria continua a pôr a hipótese de Dipo, onde se cunharam asses no século II a.C., ter-se localizado perto de Elvas - “Moedas de época romana cunhadas no actual território português” in O Mundo Luso-romano, vol. II da História de Portugal, (dir. de João Medina), Amadora, Ediclube, 1993, p. 192.

32 J. de Alarcão, Portugal romano, Lisboa, Ed. Verbo, 1974, p. 73. O autor refere a descoberta, na herdade de Alcobaça que se encontra na freguesia da Terrugem, de um marco miliário que indica a milha 65ª, o que equivale, sensivelmente, aos 95 km que separam a referida localidade da antiga capital da Lusitânia romana.

33 Ibidem, pp. 87-106.

34 Mérida é o nó fundamental que permite a compreensão do papel da região de Elvas no contexto das estradas que, a partir de época romana, se dirigem daquela cidade para ocidente – Cf. Orlando Ribeiro e Hermann Lautensach, op. cit, vol. III, pp. 684-685.

35 Ibidem, p. 100. O autor não faz coincidir neste trabalho nenhum dos nomes constantes dos itinerários romanos com Elvas.

36 Ibidem, p. 93.

37 É de salientar que, a nível regional, a zona de Elvas está rodeada por uma zona mais vasta que, grosso modo, vai de Évora à antiga cidade da Ammaia (S. Salvador da Aramenha – Marvão) onde a implantação de estações romanas tem algum relevo - J. de Alarcão, Portugal romano, p. 191.

38 Não muito longe de Alfarófia, na herdade das Caldeiras, junto ao Caia, foi encontrada há poucos anos uma nova inscrição romana, de tipo funerário - Cf. Manuel Justino Pinheiro Maciel e Tarcísio D. Pinheiro Maciel, “Novas inscrições romanas de Elvas e Juromenha”, Ficheiro Epigráfico, 15, Coimbra, 1985, nos 64 e 65.

39 Ibidem, pp. 191 e 197; José María Blázquez et alii, op. cit., p. 754. Torre de Cabedal, que desde as reformas administrativas do século passado passou a pertencer ao concelho de Vila Viçosa, fez parte no período medieval cristão, do alfoz de Elvas. Imagem de mosaico romano pode ver-se em Vergílio Correia, “O domínio romano” in História de Portugal, I, Portucalense ed., Barcelos, 1928, p. 285.

40 Na herdade do Carrão, situado na zona oeste do concelho, junto a Vila Fernando, foram encontrados vestígios, cronologicamente variados, de edifícios, cerâmicas, moedas e restos de duas represas – Cf. António Dias de Deus, P.Henrique da Silva Louro, Abel Viana, “Apontamentos de estações romanas e visigóticas da região de Elvas (Portugal)”, pp. 568-569. Quanto às cerâmicas, algumas formas são do séc. I d.C.; as moedas são quase exclusivamente do Baixo Império e os restos das duas represas ainda eram aproveitadas na década de 50 deste século. Na herdade de Chaminé, perto da Atalaia dos Sapateiros, na mesma freguesia, foram também encontrados abundantes vestígios deste período. Em  outras freguesias do concelho de Elvas não faltam os vestígios da ocupação romana. É o que se pode constatar a norte da Terrugem, junto de Torre de Ovilheira (Sto Ildefonso), em S. Rafael (junto ao Guadiana, pouco a norte de Juromenha) e na freguesia de Vila Boim.

41 Um tal Gaio Axónio, natural de uma colónia romana da zona do Adriático, foi sepultado nesta região – Cf. J. de Alarcão, “Portugal: das origens à Romanização”, p. 399: “Gaio Axónio, recordado em Elvas, nasceu em Firmum Picenum, colónia situada junto à costa adriática (hoje Fermo).”

42 Na herdade do Padrão (freguesia da Ajuda), muito perto do caminho que se dirige para Juromenha, foi descoberta uma necrópole de incineração, da qual se exploraram, até 1953, 22 sepulturas de que se obteve abundante e importante espólio. Cerca de 5 km a Norte de Elvas, na Horta das Pinas (freguesia de S. Vicente), foi encontrada uma necrópole de incineração na qual foram exploradas 61 tumulações, nas quais há a referir o aparecimento quase constante de armas nessas sepulturas; Na horta da Serra (freguesia S. Brás), para além de uma necrópole de incineração encontraram-se vestígios construtivos possivelmente da mesma época romana. - António Dias de Deus, P.e Henrique da Silva Louro, Abel Viana, “Apontamentos de estações romanas e visigóticas da região de Elvas (Portugal)” in III Congresso…, pp. 569-570 e 574.

43 Uma necrópole romana de inumação, encontrada na herdade da Camuge (freguesia de Vila Boim) revelou duas lápides com inscrições - Ib., p. 571.

44 A herdade de Torre das Arcas revelou uma extensa necrópole de incineração e de inumação de que foram exploradas quase oito dezenas. Também na zona de Vila Fernando, mais concretamente na herdade de Serrones, se encontrou uma necrópole de incineração, de que se escavaram 72 tumulações (com abundante espólio); contudo, neste sítio arqueológico também se encontraram inumações, pobres a nível de espólio - Ibidem, pp. 570 e 574-575. Encontrou-se na região de Elvas uma tampa de sarcófago, decorada com um baixo-relevo com um putto funerário, datável dos séculos I a.C. ou I d.C. - Jorge de Alarcão, Portugal romano, p. 201, foto no 46. Junto a Elvas têm sido encontradas algumas inscrições romanas; curiosamente, pelo menos duas delas dizem respeito a indivíduos do sexo masculino que faleceram com mais de 70 anos de idade – veja-se a este propósito José Cardim Ribeiro, “Duas inscrições romanas conservadas no Gabinete de Numismática e Antiguidades da Biblioteca Nacional de Lisboa” in O Arqueólogo Português, III Série, vol. VII a IX, Lisboa, 1974-77 (pp. 331-346), p. 345, nota 88, em que refere a existência de duas inscrições publicadas no CIL e que são as de “G. IVLIVS GALLVS, de Elvas, com 70 anos (C.I.L. II S., no 5.212)” e “CORNELIVS GALLVS, de Elvas, com 75 anos (C.I.L. II S., n5.216)” (Cardim, p. 345, nota 88).

45 “A construção de barragens é apenas um dos aspectos da nova tecnologia introduzida pelos Romanos; mas, ao contrário do que muitas vezes se supõe, os Romanos não exploraram apenas as águas de pé, deixando aos Árabes a introdução do poço e dos sistemas de elevação das águas profundas: os vestígios de poços romanos são frequentes.” - Alarcão, O domínio..., p. 121.

46 Trata-se das barragens de Moralves e do Carrão e do conjunto tanque, canal subterrâneo e aqueduto do Correio-Mor - António de Carvalho Quintela, J. L. Cardoso e J. M. Mascarenhas, Aproveitamentos Hidráulicos Romanos a Sul do Tejo. Contribuição para a sua inventariação e caracterização, Lisboa, Ministério do Plano e da Administração do Território, 1986, pp. 67-71, 132,144, 151; fotos 17 a 24, 98 a 101.

47 Só a título comparativo e sem querer fazer qualquer género de extrapolações, refira-se que a chamada barragem de Proserpina, em Mérida, se considera datar do século II d.C. - Cf. António de Carvalho Quintela, J. L. Cardoso e J. M. Mascarenhas, op. cit., p. 29.

48 “Os Visigodos teriam tido consciência da necessidade da rega e do controlo da água em Espanha e teriam usado as estruturas legadas pelos Romanos.” - António de Carvalho Quintela, J. L. Cardoso e J. M. Mascarenhas, op. cit., pp. 33 e 34; os mesmos autores lembram que o Liber Judiciorum não esquece a prescrição de penalidades para quem utiliza mal a água. Já quanto ao domínio islâmico, estes mesmos autores, seguindo as conclusões de N. Smith (The heritage of Spanish dams, Madrid, 1970 e A history of dams, Londres, 1971), atribuem aos muçulmanos unicamente a construção de “pequenas barragens de derivação [açudes?] em rios com regime de caudais adequados e nunca barragens para criar albufeiras de armazenamento (sic)”. Contudo, tal não significa que se não tivessem utilizado, pontualmente, estruturas romanas já existentes e úteis. Por outro lado, a existência de elementos que comprovam a construção de barragens para armazenamento, em Espanha, no século XIII, pode significar que na Baixa Idade Média teria voltado a haver um interesse na utilização de estruturas deste tipo.

49 Estas deusas, às quais aparecem consagradas várias aras na região de Elvas, parece terem sido divindades agrárias ou infernais e, ao que parece, também invocadas contra ladrões - Ibidem, p. 163.

50 Alarcão indica que “à deusa Prosérpina foram consagradas cinco inscrições, todas elas, curiosamente, na área de Elvas” - O domínio..., p. 172, que remete para José d’Encarnação, Inscrições romanas do Conventus Pacensis. Subsídios para o estudo da Romanização, Coimbra, 1984. Sobre o culto de Ategina em Elvas veja-se também “O domínio romano” in História de Portugal, I, Portucalense ed., Barcelos, 1928, p. 248.

51 Segundo Jorge de Alarcão a região alentejana é “uma região quase sem cultos indígenas [enquanto que para a zona entre o Tejo e o Douro se referenciaram 50 divindades, para sul do Tejo só se conhecem 8]. Talvez o seu grau de romanização, muito superior ao do restante território português, com excepção do Algarve (...) possa explicar o fenómeno; mas o processo de desaparecimento dos cultos indígenas poderá ter começado na época pré-romana, por influência de contactos com Fenícios, Gregos e Cartagineses. É óbvio que tais contactos não podem ter suprimido os deuses indígenas sem terem introduzido sucedâneos...” - O domínio ..., p. 154.

52 Trata-se de uma Sepultura paleocristã de um tal Aelias, embora cronologicamente datável com pouca precisão - Fabião, op. cit., p. 285.

53 Embora já fora do termo de Elvas, mas não muito longe, em Torre de Palma (concelho de Monforte), numa grande villa rural, detectaram-se vestígios arqueológicos de uma grande basílica; há idênticos vestígios na província de Badajoz, podendo lembrar-se, mais a sul, o caso da villa de S. Cucufate, na Vidigueira - Fabião, op. cit., p. 286.

54 Se alguns elementos da classe dominante romana que estavam implantados em zonas não muito distantes de Elvas se tinham cristianizado, não quer dizer que as populações rurais tenham sido evangelizadas tão rapidamente. A propósito do fenómeno do “habitual desprezo da aristocracia culta romana pelos trabalhadores rurais”, embora focalizado no contexto da análise do fenómeno priscilianista, José Mattoso põe em dúvida a existência de um programa de evangelização das gentes dos campos da região que hoje corresponde ao Alentejo, perguntando-se se essa ausência de evangelização do Alentejo não estará na origem dos actuais cultos populares do Alentejo do presente - José Mattoso, “Breve interpretação do fenómeno priscilianista” in História de Portugal, direcção de José Mattoso, vol. I, 1a ed., s/l, Círculo de Leitores, 1992, p. 292.

55 Cónego Aires Varela, Theatro..., cap. II, pp. 5-7. É precisamente M. Hélvio um dos que, em 197 a.C., recebe a incubência de dividir a Península Ibérica em duas províncias - Fabião, op. cit., p. 212

56 Um pouco a norte da Terrugem foram encontrados abundantes vestígios arqueológicos (estruturas construtivas e espólio) datados de época romana, mas também alguns considerados já de época visigótica, de que se destaca um colunelo em mármore branco e uma “colher litúrgica” - D. Fernando de Almeida, “Arte visigótica em Portugal” in O Arqueólogo Português, Nova Série, vol. IV, Lisboa, 1962, p. 202, fig. 113 e fig. 322; veja-se também António Dias de Deus, P.e Henrique da Silva Louro, Abel Viana, op. cit., pp. 571-572 e fig. 2.

57 Uma foicinha romano-visigótica, tipologicamente muito semelhante às actuais, foi encontrada na Terrugem - Cf. Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira, Alfaia Agrícola Portuguesa, Lisboa, I.N.I.C., 2a ed., 1983, p. 259, fig. 147 – c.

58 D. Fernando de Almeida, op. cit., p. 106 e fig. 363.

59 Ibidem, p. 196 e fig. 82.

60 Ibidem, p. 210 e figs. 175 e 176.

61 Ibidem, p. 212 e fig. 184.

62 Sobre espólio, desta época, aí existente veja-se, por exemplo, Eurico Gama, Crónicas de Odiana, Elvas, 1967, p. 10.

63 Informação que devo ao Coronel Ribeiro e outros oficiais, que gentilmente me deram a conhecer a descoberta, fruto de trabalhos cuidadosos de conservação levados a cabo pelos militares de Elvas.

64 José Orlandis, Historia de España,, vol. 4., Época visigoda (409-711)), Madrid, Ed. Gredos, 1987, pp. 98 e 218-219.

65 Essa cristianização, que certamente não atingiu todas as camadas da população, anda associada a focos de tensão e heresia. Na verdade, Mérida (ou a Galiza) pode ter sido o local de génese e difusão do priscilianismo. Sobre esta questão veja-se Jean-Pierre Leguay, “O «Portugal» germânico” in Nova História de Portugal, (direcção de Joel Serrão e A. H. de Oliveira Marques), (vol. II – Portugal das invasões germânicas à «reconquista»); coordenação de A. H. de Oliveira Marques), 1a ed., Lisboa, Ed. Presença, 1993, p. 40.

66 Ibidem, pp. 252 e fig. 198; veja-se também António Dias de Deus, P.e Henrique da Silva Louro, Abel Viana, op. cit., p. 573.

67 F. Branco Correia, “Materiais de época visigótica de Juromenha (Alentejo)” in Actas da IV Reunió d’Arqueologia Cristiana Hispànica, (Lisboa, 1992), Barcelona, 1995, pp. 493-498.

68 Falando dos suevos, Jean-Pierre Leguay refere que “estes reis tiveram, disse-se, uma «capital» que, em boa verdade, era um local de estadia preferido, Braga, (...). Ao sabor dos acontecimentos militares, tanto os encontramos em Mérida (onde Réquila morreu, em 448), como em Portucale (...) ou em Astorga e Lugo” - op. cit., p. 47. Sobre a tomada de Mérida, em meados o século V, pelos Suevos, veja-se Carlos Fabião, “A Antiguidade Tardia e a desagregação do Império”, in História de Portugal dos tempos Pré-Históricos aos nossos dias, dir. de João Medina, vol. III: Portugal Medieval, Ediclube, Amadora, 1993, p. 21.

69 Jean-Pierre Leguay, op. cit., p. 55.

70 Esta última expressão é utilizada por E. A. Thompson, citado por Jean-Pierre Leguay, op. cit., p. 55, nota 16.

71 Segundo Jean-Pierre Leguay, op. cit., p. 62, “em qualquer lugar, incluindo a Lusitânia, o povoamento godo mostrou-se muito fraco, o que é confirmado pela ausência de colónias e de grandes cemitérios com mobiliário fúnebre. Nos arredores de Mérida, no vale do Tejo e no Alentejo, apenas existiram quadros, administradores, militares espalhados pelas praças fortes e enquadrados por uma elite de seniores Gothorum”.

72 Ibidem, p. 101.

73 Jean-Pierre Leguay, op. cit., pp. 64-65.

74 José Orlandis, op. cit., p. 178.

75 Cf. María Cruz Villalón, Mérida visigoda; Jean-Pierre Leguay, op. cit., p. 65.

76 Segundo Jean-Pierre Leguay, op. cit., p. 69, “Leovigildo reinou com eficácia, submeteu todos ao seu poder, (...) mas esta reorganização interna era autoritária (...) A Galiza e a Lusitânia sofreram, como outras províncias ibéricas, uma opressão administrativa, fiscal, judicial e militar na mais pura tradição do Baixo Império.”

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Pavimento de mosaico, com sugestivas representações de peixes, provenientes de Torre de Cabedal. Guardado no Museu Municipal de Elvas.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4518/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 2,4M
Titre Figura 2 – Pilastra de "época visigótica, proveniente da rua João de Olivença (cf. Fernando de Almeida, op. cit., p. 196, fig. 82). Conserva-se no Museu Municipal de Elvas.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4518/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 1,1M
Titre Figura 2A – Possível elemento do friso ou pilastra de edifício cristão –tardo-antigo, prévio à fase de islamização da região.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4518/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 3,2M

© Publicações do Cidehus, 2013

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search