Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Categorias sociais e mobilidade urbana na Baixa Idade Média

 | 
Hermínia Vasconcelos Vilar
, 
Filomena Lopes de Barros

Organizar a procissão nos finais do século XV. O lugar de cada um e do grupo na cidade

Filipe Themudo Barata

Texte intégral

1. As procissões e a organização dos rituais no espaço público

1Até há pouco tempo, nas pequenas aldeias ou nas grandes cidades, as procissões em honra dos padroeiros ou de um santo de especial devoção local suscitavam um fervor tão grande que eram momentos particularmente importantes na vida das comunidades. Todos nós nos lembramos de algumas dessas ocasiões, em que as festas das vilas e das cidades começavam, ou terminavam, nesses momentos de enorme solenidade. Durante o ano, os mordomos das festas recolhiam fundos, mobilizavam boas vontades e preparavam a encenação do grande momento sob a coordenação e com o conselho do pároco.

2Já era assim na Idade Média. Para ser verdadeiro, então, o papel e a importância dessas procissões era ainda mais relevante, já que, através delas, as comunidades reforçavam os seus laços identitários, reconheciam a sua organização social, incluindo o protagonismo das próprias pessoas e dos seus dirigentes, e, claro, reafirmavam em público a sua fé. Tudo isto era impregnado e marcado por rituais que sublinhavam cada um desses objetivos; a sua regulamentação era, pois, natural.

  • 1 Filipe Themudo BARATA, «O fim da apologia da desigualdade e a construção do discurso igualitário», (...)

3Por isso, uma procissão não era, longe disso, um simples ato religioso e tinha uma importância, que hoje se diria política, pelo valor simbólico que tinha no espaço urbano. Comparado com o lugar a que cada um tinha direito no Céu na procissão da redenção e ressurreição final, também na Terra, o lugar que cada um ocupava na procissão da cidade não era aleatório e arbitrário. De facto, cada qual tinha o seu lugar e este dependia do que fazia na cidade e da forma como a comunidade o percecionava. Para ser exato, o lugar a ocupar na procissão não dependia tanto da pessoa, mas do grupo a que pertencia1. Por isso, a forma como se organizavam todas e cada uma das procissões afirmava, publicamente e perante todos, a hierarquia dos grupos e, ao mesmo tempo, definia a posição de cada um na cidade.

  • 2 Gabriel PEREIRA, Documentos Históricos da Cidade de Évora, Lisboa, IN-CM, 1998, pp. 371-373 (edição (...)

4Mais uma vez, se lhe reconhecemos este papel e função, não admira que as procissões, enquanto ocupação “oficial” do espaço público, fossem regulamentadas. Não será, pois, uma surpresa o título do texto que vou aqui analisar; chamava-se “Regimento das procissões da cidade de Évora” e terá sido elaborado por volta do ano de 14822.

  • 3 António Carvalho da COSTA, Corografia Portugueza, e Descripçaam Topografica do famoso Reyno de Port (...)

5Segundo este documento, em Évora, nos finais da Idade Média, tinham lugar quatro momentos processionais de relevo3. O primeiro tinha um carácter claramente político e realizava-se a 2 de Março para relembrar a batalha de Toro, que, em 1476, pusera frente a frente o rei D. Afonso V e os Reis Católicos e se relacionara, como se sabe, com acontecimentos da Guerra de Sucessão de Espanha. Estes acontecimentos traumáticos ainda estavam recentes na memória de todos e pelo menos 17 habitantes de Évora morreram nos combates. Foi ainda no ano de 1482 que o rei mandou a cidade organizar a procissão solene comemorativa da batalha, devendo fazê-lo sob a invocação de S. Jorge e S. Cristóvão. Todavia, pouco depois, feitas as pazes com Castela, D. João II, que também participara no confronto, proíbe essas comemorações, tidas como pouco fraternas para com os monarcas de Espanha.

6A segunda procissão ocorria no importante dia que honrava o Corpo de Deus, através do qual os cristãos reafirmavam publicamente a sua fé, com a celebração do mistério da Eucaristia. Tinha lugar na quinta-feira, depois da oitava da Páscoa e fora instaurada, em 1264, pelo papa Urbano IV. Na cidade, as comunidades minoritárias de judeus e muçulmanos eram remetidos para um plano secundário e marginal, que todos os anos lhes era recordado.

  • 4 Sobre o “milagre da cera” ver: J. H. da Cunha RIVARA, “Variedades. Comemorações. O Milagre da Cera (...)

7O terceiro momento processional acontecia no primeiro Domingo depois da oitava do Corpus Christi e celebrava o chamado “milagre da cera”4. Segundo parece, os festejos desta festa, dedicada à Virgem, terão tido início em 1372 e comemoravam o milagre atribuído à intersecção de Nossa Senhora que conseguira de Deus que parasse as chuvas copiosas que, durante dias, ameaçaram os campos de trigo; em troca, os habitantes da cidade dobravam o peso da cera que ardia diante da sua imagem da Virgem, durante o tempo que durasse a missa cantada com pregação e bênção que o próprio bispo deveria rezar.

8A última procissão solene celebrava-se a 14 de Agosto, em honra de Santa Maria; neste dia, além dos louvores à Virgem, a cidade reconhecia o carisma e a legitimidade da dinastia de Avis e da Coroa; foi a data da batalha de Aljubarrota.

  • 5 Ordenações Manuelinas, nota de apresentação de Mário Júlio de Almeida e COSTA, Livro I, Título LXXV (...)

9Além destas festas, em Évora, os habitantes ainda comemoravam, no 30 de Outubro, a vitória da fé cristã sobre o islão na batalha do Salado e, já com D. Manuel, no 3 ° Domingo de Julho, instituir-se-á, por concessão do Papa Leão X e a pedido de D. Manuel I, a festa do Anjo Custódio de Portugal, com direito também a procissão solene e seguindo as solenidades da do Corpo de Deus, embora organizada pela câmara municipal5.

2. A procissão

  • 6 Sobre as profissões de Évora incluídas neste documento de c. 1482, ver: Filipe Themudo BARATA, “Índ (...)

10Observemos agora mais de perto o documento já referido, elaborado cerca de 1482, que está longe de ser uma lista, que também é, de profissões e funções da cidade6.

  • 7 Sobre o espaço público urbano medieval, ver, por exemplo: Marc BOONE & Peter STABEL (eds.), Shaping (...)

11Se me pedissem para o caracterizar em poucas palavras, diria que, antes de mais, o documento é um verdadeiro roteiro da encenação urbana dos mais importantes acontecimentos públicos, religiosos e políticos, que então lá aconteciam7. Acompanhemos então a procissão.

  • 8 Bronislaw GEREMEK (coord.), The Margins of Society in Late Medieval Paris, Cambridge/Paris, Cambrid (...)

12Esta abria com o grupo que abastecia de carne a cidade, os carniceiros e enxerqueiros, que traziam presos os touros que, especialmente depois da procissão do Corpo de Deus, deviam ser lidados; faziam-se anunciar com a sua bandeira e caminhavam ao som do seu tambor. O seu lugar de relevo testemunhava a capacidade da comunidade se alimentar e prometia a festa profana que se adivinhava8.

  • 9 Sobre as confrarias de Évora: Ana Sofia CLAÚDIO, São as confrarias refúgio dos humildes? Contributo (...)

13Seguiam-nos a poderosa corporação dos hortelãos e pomareiros, cuja profissão era anunciada pela carreta da horta que puxavam, além dos pendões, bandeiras e tambor. Em Évora, os hortelãos chegaram a controlar, juntamente com os carpinteiros, uma confraria, a de S. Gião, durante os breves anos da sua existência (1396-1418)9.

14Depois destes grupos juntavam-se as raparigas que se apresentavam dançando ao ritmo dos gaiteiros.

15A seguir vinham ainda as outras profissões de perfil, digamos, alimentar, ou seja, os dois grupos de vendedoras de peixe, o das padeiras e os três de fruteiras, regateiras e vendedoras do mercado.

16Seguiam-se as corporações ligadas aos transportes. Primeiro os almocreves, com os seus estandartes com castelos pintados, devendo todo o grupo integrar a parada e depois vinham os carreteiros e estalajadeiros. Cada grupo levava os seus pendões, bandeiras e tambores, que, perante a cidade, eram facilmente reconhecidos e certamente apreciados e comentados.

17Esta primeira parte da procissão encerrava-se com os sapateiros e os alfaiates. Os primeiros vinham acompanhados de membros das outras profissões afins, como os surradores, os curtidores e os odreiros. Este grupo era certamente vistoso, não só pelos ricos símbolos que traziam, mas também pelas suas vestes, que deviam ser particularmente impecáveis, e pela figura do “imperador” que os conduzia.

18Aqui, a leitura do documento parece apontar para o início de uma nova fase da procissão em que primavam os homens de armas.

19Primeiro, os besteiros de conto, em número de 100, que se deveriam dividir pelos dois lados da procissão. Eram seguidos pelos espingardeiros do rei, com os seus pendões e tambor, os besteiros da câmara do monarca e, por fim, os homens de armas, também dos dois lados do cortejo, deviam exibir as suas espadas desembainhadas. Neste caso, o seu estandarte mostrava bem alto São Jorge a matar o dragão, acompanhado de um pajem e uma donzela. Estes homens de armas, certamente em grande número, deviam ser interpretados e personificados por todos aqueles que trabalhavam e manipulavam armas ou serviam profissões ligadas à guerra; era um grupo heterogéneo que incluía barbeiros, ferreiros, armeiros, cutileiros, ferradores, produtores de selas, de bainhas de espada, de esteiras e de latão.

20As corporações que se seguiam, cada vez mais próximas do centro do desfile, eram as que se relacionavam com a produção de têxteis e curtumes de todo o tipo. Primeiro vinham os tecelões, penteadores de lã e cardadores que puxavam um São Bartolomeu e um diabo apresados; depois os correeiros, dargueiros e sirgueiros que levavam em júbilo o seu padroeiro, São Sebastião, protegido por quatro besteiros, e, finalmente, os ataqueiros e safoeiros eram reconhecidos pelo São Miguel, o anjo, a balança e os demónios que os acompanhavam. Claro que todos eles, além das pequenas encenações alusivas ao seu trabalho, os chamados arraiais, exibiam orgulhosamente pendões, bandeiras e tambores próprios.

21A corporação seguinte era a dos que trabalhavam o barro; à cabeça, os populares oleiros que, com telheiros e tijoleiros, levavam Santa Clara e as suas companheiras. Depois vinham os carpinteiros e afins sob a tutela da imagem muito bem vestida de Santa Catarina, sua padroeira e enquadrados por encenações vistosas.

22Vinham depois os que empunhavam tochas acesas, certamente grandes círios de cera, sinal de luz e de importância na cidade, sempre com as suas bandeiras divisas e tambores; as tochas dos tosadores e cerieiros eram de estanho, os ourives e picheleiros, além das tochas, desfilavam sob a invocação de uma imagem de São João. Mesmo atrás percebiam-se os mercadores de panos de linhos e depois os de panos de cor.

23A procissão ia ganhando importância com os novos protagonistas. Vinham os escrivães, sempre com as suas tochas, depois os boticários, a que se seguiam, de um os lados, os “tabeliães das notas”, ou seja, os notários, depois os do judicial.

  • 10 Gabriel PEREIRA, Os Documentos…, p. 373.

24Pouco a pouco, era o poder que desfilava: primeiro os procuradores da cidade acompanhados dos inquiridores, os escrivães dos órfãos e da almotaçaria, depois os escrivães régios. O desfile, uma verdadeira parada que representava a cidade, chegava ao fim. Antes do corpo de Deus, o que confirmava o sentido teleológico da procissão, perfilavam-se os dois juízes do ano anterior, por vezes dois vereadores, seguidos da bandeira da cidade e do alferes mor, afinal o representante da Coroa. Para que não houvesse dúvidas o documento explica como encerrava esta parte, essencialmente profana, da procissão; diz o documento de 1482: “E a bandeira delrei nosso senhor virá atraz de todas10, ao lado da imagem dos apóstolos transportados por cavalos bem aparelhados. Mas a representação da cidade e do seu espaço público só estará completa com a sinalização dos elementos cristãos, pois é assim que a urbe se percebe, cristã, apostólica e romana. Por isso, envolvendo a bandeira régia, o corpo de Deus, os apóstolos, os evangelistas e as várias imagens dos anjos fecham o cortejo.

25Fecham? Verdadeiramente, não!

26A procissão começa agora, quando o povo reconhecendo grupos, referências, poderes, pessoas e sinais se incorpora na procissão. Eles, de facto, são a procissão.

3. A organização dos grupos e o reconhecimento das lideranças urbanas

27Não é fácil justificar o lugar que cada corporação ocupava nesta parada. Certamente que, então, todos percebiam o sentido e as hierarquias que a procissão testemunhava. Podemos perceber também que, nos finais do século XV, as corporações de ofícios ocupavam o lugar central do desfile, porque era delas o espaço público.

28Julgo que se recuássemos um século a presença da vereação da cidade seria mais forte, comprovando que outros, ou seja outros grupos, controlavam politicamente a cidade.

  • 11 M. MOLLAT & Ph. WOLFF, Uñas azules, Jacques y Ciompi. Las revoluciones populares en Europa en los s (...)

29A hipótese que coloco e que as procissões parecem comprovar é que os conflitos urbanos que tiveram lugar em Évora, como noutras cidades do reino e da própria Europa, e que se arrastaram pelos séculos XIV e XV, alteraram os equilíbrios sociais e políticos que se viviam, como o mostrara Michel Mollat e Philippe Wolf numa obra que já é considerada um clássico11. Não cabe aqui analisar em detalhe esta questão, mas algumas notas podem ser avançadas.

  • 12 Gabriel PEREIRA, Documentos Históricos…, p. 88.

30Em 25 de Fevereiro de 138412, quando os dirigentes da cidade discutiam as sisas a lançar para que o Mestre de Avis pudesse continuar a guerra, além dos vereadores e regedores da Câmara, estava presente Martim Leonardes, definido como caudilho dos meãos e dos pequenos, ou seja, aparentemente um dirigente ad-hoc de gente que não se sentia representada na vereação, mas que era chamada a pagar impostos.

  • 13 Gabriel PEREIRA, Documentos Históricos…, p. 94.

31Esses “médios” e “pequenos” não desaparecerão mais da vida da cidade e, ao contrário, podemos observá-los a, progressivamente, interessarem-se pelo destino de Évora. Na sua luta contra a pobreza e as péssimas condições de vida, os estratos mais baixos da população urbana revoltam-se, antes de mais, contra os “grandes” e estas designações refletem a forma como os que não tinham privilégios e poderes se viam, embora reconhecendo e tendo consciência das diferenças entre eles: eram os médios e pequenos da cidade. Num documento, também de 1384, reconhece-se que, em Évora, “povo miúdo” eram os mesteirais, braceiros e serviçais13. Provavelmente, entre os mesteirais mais prósperos e os mercadores menos ricos poderíamos reconhecer o lugar dos “médios”.

32Parece também nítido que a articulação política destes grupos que irrompem politicamente na vida da cidade se vai organizando e reforçando. Esta conclusão emerge do tipo de reivindicações que os procuradores do concelho vão levando às Cortes. Um bom exemplo aconteceu nas Cortes de Évora de 1447, quando os representantes de Évora reivindicam que os ourives e maceiros fiquem isentos de aposentadoria; trata-se, curiosamente, de um dos grupos que, na procissão, estavam perto dos cargos e funções de nomeação régia. A partir de 1450, a cidade passou a eleger uma representação às Cortes repartida entre fidalgos, homens-bons e povo “meão e miúdo”. Desde 1459, passam, finalmente, a partilhar a vereação, ao conseguirem que esta inclua os seus procuradores.

  • 14 Gabriel PEREIRA, Documentos Históricos…, pp. 309-315.

33Esta representação dos “mais pequenos” – os que não eram suficientemente honrados – terá continuado sem contestação que se conheça. Saltemos uns anos, para outra reunião, havida na Câmara em 18 de Junho de 1464, quando se discutia a aposentadoria do rei e da corte na cidade de Évora. Presente um escudeiro da casa do monarca, o procurador do concelho, a vereação e os procuradores do povo “meúdo”, o ourives João Afonso e o carpinteiro Martim Afonso14. No acordo alcançado, ficaram determinadas as regras a respeitar e, com a anuência geral e unânime, foram estes últimos a responsabilizarem-se pela aposentadoria do rei. Como se calcula, dispor de cerca de 100 casas para instalar a corte e financiar esta operação, significava que os procuradores do povo ficavam com uma parte importante dos poderes de gestão urbana. Pelos vistos, sem contestação e com acordo de todos!?

  • 15 Stephen P. BENSCH, Barcelona and its Rulers. 1096-1291, Cambridge, Cambridge University Press, 1995 (...)

34Posto de outra forma, aparentemente, a antiga vereação, que se supunha também representar os ofícios, não o fazia, mas estes mesteirais pareciam não ser uma ameaça para os honrados da cidade. Ou então, como aconteceu em muitas cidades europeias, com a mediação régia, ia-se compondo um acordo, que se traduzia numa verdadeira partilha de poder dentro da cidade, certamente culminando um processo que se vinha arrastando há anos15.

35É difícil percebermos a totalidade dos programas políticos e económicos em confronto. Aliás, numa comunidade tão marcada pela agricultura, como o demonstra o próprio cortejo processional, uma parte substancial dos mecanismos de comando e controle continuava nas mãos dos proprietários rurais, que integravam a nobreza urbana emergente. Eram eles, por exemplo, que controlavam a produção agrícola e especialmente o negócio da ganadaria, com um impacto decisivo no importante sector dos trabalhos em curtumes.

36Claro que de tudo isto decorrem diferenças na avaliação da gestão da cidade, que os mesteirais reclamam ser mal dirigida e que se encontra dependente do livre arbítrio dos honrados; eis porque, em 1459, exigem que sejam afixados e publicitados os privilégios da cidade.

37Estes são alguns dos ténues traços que percebemos dividir a cidade, em que é difícil de explicar a aceitação relativamente fácil da partilha do poder. Noutras cidades, como Barcelona, um processo semelhante degenerou numa longa guerra civil.

  • 16 Filipe Themudo BARATA (ed.), Elites e redes clientelares na Idade Média, Évora, Edições Colibri/CID (...)

38Voltemos às nossas procissões. Cem anos antes, a vereação da cidade, o regedor, os procuradores de número, as elites urbanas que venceram com o Mestre de Avis ocupariam certamente o lugar central dos desfiles da cidade. Eram famílias conhecidas. Eles chamavam-se Lobo, Oliveira, Fuseiro, Façanha, d’Arca aspiravam e lutavam pelos cargos de nomeação régia, controlavam a vereação, eram eleitos como procuradores da cidade, dominavam os hospitais e confrarias da cidade, conseguiam colocar os seus familiares no cabido e na própria arquidiocese, eram os donos das terras e das quintas da região e, claro, conseguiam, melhor ou pior, submeter a imensa maioria de artesãos e corporações de ofícios16.

39Já não era assim no final do século XV. É por isso que o rei podia olhar com calma olímpica e algum prazer para as 4 procissões anuais da cidade; afinal, a encenação era sua! Parte desta elite urbana turbulenta de início do século XV tornara-se mais dócil, com os títulos que a Coroa distribuíra e recuperava alguma riqueza e sentido de grupo com as pilhagens do Norte em África. Em Évora, onde tantas vezes os monarcas se aboletavam, tudo se organizava para receber a Corte e, pouco a pouco, a estrutura da cidade ia-se modificando.

40Afinal, tudo isto só significava uma coisa: no reino, como na procissão, o lugar central era cada vez mais pertença da Coroa.

Notes

1 Filipe Themudo BARATA, «O fim da apologia da desigualdade e a construção do discurso igualitário», Economia e Sociedade, 66 (1998), pp. 5-24.

2 Gabriel PEREIRA, Documentos Históricos da Cidade de Évora, Lisboa, IN-CM, 1998, pp. 371-373 (edição fac-similada da de Évora de 1885).

3 António Carvalho da COSTA, Corografia Portugueza, e Descripçaam Topografica do famoso Reyno de Portugal, Lisboa, Valentim da Costa Deslandes, 1708, p. 427; edição mais acessível: António Carvalho da COSTA, 2a ed., Braga, Typographia de Domingos Gonçalves Gouvea, 1868, p. 285.

4 Sobre o “milagre da cera” ver: J. H. da Cunha RIVARA, “Variedades. Comemorações. O Milagre da Cera na Sé de Évora. 24 de Maio de 1372”, Revista Universal Lisbonense, Jornal de interesses physicos, Moraes e Litterarios, Tomo II (1842-43), p. 432.

5 Ordenações Manuelinas, nota de apresentação de Mário Júlio de Almeida e COSTA, Livro I, Título LXXVIII, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1984, pp. 566-567 (edição fac-similada da de Coimbra, 1797).

6 Sobre as profissões de Évora incluídas neste documento de c. 1482, ver: Filipe Themudo BARATA, “Índices da obra de Gabriel Pereira, Documentos históricos da Cidade de Évora, (Lisboa, 1998, edição anastática de 1885-1891)”, in www.cidehus.uevora.pt, 2002. Sobre as profissões medivais ver o clássico: Jacques LE GOFF, Time, work & culture in the Middle Ages, Chicago, The University of Chicago Press, 1980.

7 Sobre o espaço público urbano medieval, ver, por exemplo: Marc BOONE & Peter STABEL (eds.), Shaping Urban Identity in Late Medieval Europe, Leuven-Apeldoorn, Garant Publishers, 2000.

8 Bronislaw GEREMEK (coord.), The Margins of Society in Late Medieval Paris, Cambridge/Paris, Cambridge University Press/Éditions de la Maison des Sciences de l’Homme, 1991, p. 294.

9 Sobre as confrarias de Évora: Ana Sofia CLAÚDIO, São as confrarias refúgio dos humildes? Contributo para o estudo das elites eborenses no final da Idade Média, Tese de Mestrado (texto policopiado), Universidade de Évora, 2003.

10 Gabriel PEREIRA, Os Documentos…, p. 373.

11 M. MOLLAT & Ph. WOLFF, Uñas azules, Jacques y Ciompi. Las revoluciones populares en Europa en los siglos XIV y XV, Madrid, Siglo XXI de España Editores, 1989 (1a edição: Ongles bleus, Jacques et Ciompi. Les révolutions populaires en Europe aux XIV et XV siècles, Paris, Calmann-Lévy, 1970).

12 Gabriel PEREIRA, Documentos Históricos…, p. 88.

13 Gabriel PEREIRA, Documentos Históricos…, p. 94.

14 Gabriel PEREIRA, Documentos Históricos…, pp. 309-315.

15 Stephen P. BENSCH, Barcelona and its Rulers. 1096-1291, Cambridge, Cambridge University Press, 1995; Claude CARRÈRE, Barcelone. Centre économique à l’époque des difficultés (1380-1462), 2 volumes, Paris, Mouton, 1967.

16 Filipe Themudo BARATA (ed.), Elites e redes clientelares na Idade Média, Évora, Edições Colibri/CIDEHUS-UÉ, 2001; Maria Ângela Rocha BEIRANTE, Évora na Idade Média, Lisboa, FCG/JNICT, 1995.

© Publicações do Cidehus, 2012

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr