Version classiqueVersion mobile

Categorias sociais e mobilidade urbana na Baixa Idade Média

 | 
Hermínia Vasconcelos Vilar
, 
Filomena Lopes de Barros

Os “Façanha”. Uma família da oligarquia eborense nos finais de trezentos

Joaquim Bastos Serra

Texte intégral

Nota introdutória

  • 1 De entre os diversos estudos relativos a esta cidade, com interesse para a problemática em causa, d (...)
  • 2 Em concreto, a Travessa dos Façanhas.

1Apesar dos progressos que se foram verificando, nos últimos anos, nos estudos sobre Évora e as suas elites1, a oligarquia concelhia desta cidade continua ainda a ser deficientemente conhecida. Para além do estudo de conjunto sobre Évora medieval, de Maria Ângela Beirante, publicado há já quase duas décadas, que inclui uma abordagem global do concelho, e de alguns trabalhos sobre grupos nobiliárquicos cujos destinos se cruzam com famílias como os Lobo, Oliveira ou Cogominho, por exemplo, e que fornecem alguns dados a eles respeitantes, muito pouco se conhece sobre a maior parte dos indivíduos e grupos ligados à governação da cidade. Sobretudo daqueles cuja projeção não conseguiu ultrapassar o nível local, mas que não deixaram, por isso, de marcar de forma duradoura a vida da cidade e dos seus habitantes. Poderíamos citar nomes como os Murzelo, Carvoeiro, Regueira, Gramaxo, Tisnado, Carvalhais, entre diversos outros, que de forma sistemática surgem na administração local concelhia e em muitas outras instituições eborenses, participando ativamente na vida pública da cidade, mas cujos percursos são, para nós, de difícil apreensão. Entre esses grupos familiares, contam-se também os Façanha, que se projetam, ainda hoje, na memória toponímica do espaço urbano eborense, dando nome a uma artéria do centro histórico2, numa referência simbólica ao reconhecimento que assumiram na vida da cidade.

  • 3 Na listagem de nomes e apelidos de famílias ligadas à administração local, inventariados por Ângela (...)
  • 4 A oligarquização é uma tendência comum a muitos concelhos portugueses, veja-se, por exemplo, Maria (...)

2O protagonismo dos Façanha, em Évora, encontra-se, em boa parte, ligado ao desempenho de cargos na administração concelhia3, cuja presença, e cingindo-nos apenas à época medieval, está documentada entre meados do século XIII e os finais da centúria de quatrocentos. Um longo período, ao longo do qual os membros desta família, em gerações sucessivas, foram passando por quase todos os cargos existentes na orgânica do concelho. Não sendo um caso único, nem exclusivo de Évora, já que a perpetuação das mesmas famílias no poder local oligárquico é um traço comum à generalidade dos concelhos portugueses e de outras geografias4, a enorme longevidade dos Façanha no desempenho de cargos concelhios, não deixa de ser notável, revelando por parte dos seus membros uma forte capacidade de adaptação às mudanças orgânicas e conjunturais que foram marcando a política local.

  • 5 Para um balanço da questão, veja-se Maria Helena da Cruz COELHO, “O Poder Concelhio em tempos medie (...)

3Apesar desta relevância na vida de uma das mais importantes cidades portuguesas dos finais da Idade Média, muito pouco se conhece sobre as suas origens e trajetórias pessoais e familiares, sendo provável que nos encontremos face a indivíduos oriundos da cavalaria vilã, instalados em Évora desde o período do após reconquista que, por via de um conjunto diversificado de mecanismos, vão conseguindo o reforço das suas posições sociais, num percurso difícil de perscrutar, face ao carácter esparso das informações. Os dados contidos na documentação, a eles respeitantes, são de facto bastante lacunares, não permitindo sequer estabelecer, em muitos casos, as relações entre os indivíduos que foram usando o mesmo apelido. Nesse sentido, os Façanha são, também, um bom exemplo dos limites e das dificuldades de que se reveste, em Portugal, a reconstituição dos grupos das governanças locais, cujo conhecimento é ainda bastante lacunar para a generalidade dos nossos núcleos urbanos5.

  • 6 Muito especialmente nas crónicas de Fernão Lopes e na crónica do Condestável, de autor anónimo, vej (...)

4Procuraremos, tanto quanto as fontes o permitem, contribuir para um melhor conhecimento desta influente família eborense. Tendo em atenção a ausência de informações claras para períodos mais recuados, optámos por centrar a abordagem nas últimas décadas da centúria de trezentos, correspondente, grosso modo, ao reinado de D. Fernando e ao início do reinado de D. João I, em que possuímos, para alguns dos membros desta família, dados um pouco mais consistentes, recolhidos nas fontes documentais e narrativas6. Trata-se, como se sabe, de um período particularmente conturbado, sob o ponto de vista político-social, com implicações várias na própria administração local, que se revela particularmente esclarecedor sobre algumas das dinâmicas dos grupos dirigentes concelhios na luta pela consolidação das suas posições sociais e políticas.

5Acompanharemos sobretudo duas personagens, que assumiram um forte protagonismo em Évora, neste período, os irmãos Vasco e Lopo Rodrigues Façanha, ligados ao exercício do poder concelhio, sensivelmente a partir dos finais da década de setenta do século XIV. No sentido de acompanhar o seu percurso no concelho, mas também de os integrar no contexto citadino, valorizaremos dois tipos de leituras. Uma de cariz socioeconómico em que se pretende apreender o seu grau de envolvimento nas instituições urbanas e inferir da estruturação das suas redes relacionais, sobre as quais assenta, em boa parte, o seu poder e protagonismo. Uma outra, em que tentaremos perscrutar o seu posicionamento face ao evoluir dos acontecimentos políticos e ajuizar das consequências que as suas opções foram acarretando, em termos sociofamiliares.

1. Estruturação do poder económico e social dos Façanha na cidade

  • 7 Arquivo Distrital de Évora (ADE), Arquivo da Misericórdia, no 61 – Pergaminhos do Hospital do Corpo (...)

6Os dados que fomos recolhendo deixam-nos entrever um forte enraizamento destes homens na vida da cidade, revelando uma surpreendente capacidade de interação com os organismos e as instituições citadinas, às quais vão estendendo a sua influência. É o caso das albergarias, muito particularmente da Albergaria do Corpo de Deus de Santo Antoninho, onde se constata a presença, regular e continuada, de Vasco Rodrigo Façanha, desde pelo menos 1377 até aos primeiros anos de quatrocentos7. Um período de mais de duas décadas ao longo das quais vai acompanhando de perto a gestão do seu património e dos seus recursos, numa ligação que terá, certamente, contribuído para o aumento da sua visibilidade pública e para o reforço de solidariedades pessoais e de grupo.

  • 8 Maria Ângela BEIRANTE, Évora…, p. 580.
  • 9 Em Évora verifica-se algum grau de correlação entre a morada dos confrades e a localização das albe (...)

7A Albergaria de Santo Antoninho constituía-se como uma das mais prestigiadas da cidade8, integrando entre os seus confrades alguns dos mais influentes indivíduos e famílias. Nela se vão cruzando homens ligados ao poder político concelhio, aos diferentes graus de funcionalismo e aos mais variados segmentos socioprofissionais, aos quais se juntam aqueles que centram os seus percursos em torno dos mecanismos económicos que a cidade proporcionava. A este nível, julga-se pertinente fazer referência ao considerável número de mercadores que integram a instituição. Um facto que não pode deixar de se relacionar com a própria localização da albergaria, na paróquia de Santo Antão, uma das áreas de forte dinâmica urbana, onde, aparentemente, residia um bom número dos seus confrades9.

  • 10 Sobre a localização da albergaria e o perfil do seu património, veja-se Bernardo Vasconcelos e SOUS (...)
  • 11 Por exemplo: ADE, Arquivo da Misericórdia, no 61 – Pergaminhos do Hospital do Corpo de Deus de Sant (...)
  • 12 Sobre os Boto e os Arnalho, veja-se Maria Ângela BEIRANTE, Évora…, pp. 542-544.

8Relembramos que a Albergaria de Corpo de Deus de Santo Antoninho se situava junto da igreja com o mesmo nome10, nas proximidades da praça da cidade, dita de Alconchel, no extra muros da cerca velha, que já neste período se assumia como o grande centro cívico e mercantil da cidade, onde se situavam as boticas, os estaus e progressivamente se foram instalando os novos açougues. Nas suas imediações localizavam-se as residências de alguns dos mais reconhecidos mercadores eborenses, caso dos Arnalho ou dos Boto, também eles confrades e, por diversas vezes, alcaides e mordomos desta Albergaria11, que irão conhecer, nas décadas seguintes, um fulgurante processo de ascensão social e uma aproximação ao exercício do poder concelhio12.

  • 13 Gabriel Pereira, Documentos Históricos da Cidade de Évora, Lisboa, IN-CM, 1998, p. 237; Arquivo do (...)
  • 14 Nomeadamente, adegas e lagares, na rua dos Banhos Velhos, localizada nas imediações da Judiaria, cf (...)
  • 15 Sobre os seus bens patrimoniais, pode ver-se ADE, Arquivo Misericórdia, no 61 – Pergaminhos do Hosp (...)
  • 16 Fernão Gonçalves, mercador, criado de Vasco Rodrigues Façanha, é alcaide da Albergaria, em 1380, 13 (...)
  • 17 Cf. ADE, Arquivo da Misericórdia, no 61…, fl. 9.

9Também Vasco Rodrigues Façanha e, provavelmente, o seu irmão, Lopo Rodrigues, residiam junto da igreja, nas proximidades da praça, onde possuíam as suas casas de morada13 e em cujas imediações detinham outros bens urbanos14. Muito embora não possamos traçar, de forma clara, o seu quadro de relações sociais, até porque os informes são quanto a esse aspeto muito escassos, estamos em crer que os irmãos Façanha se movimentavam com alguma facilidade junto dos sectores mercantis, estabelecendo relações de proximidade com alguns dos mercadores da cidade, como é o caso de Fernão Gonçalves, um homem com um considerável poder económico15, identificado como criado de Vasco Rodrigues16, que vamos encontrar na albergaria, em determinados anos como alcaide17, ao lado dos Façanhas.

  • 18 ACSE, CEC3. VII a), fl. 121, Idem, Pergaminhos dos bacharéis, Pasta 1, doc. 63.

10Mas as albergarias não esgotavam, naturalmente, o quadro de relações dos membros desta família com as instituições urbanas. Elas estabeleciam-se, também, com a catedral e o seu cabido, com os quais os Façanha parecem ter mantido uma estreita relação. Vasco Rodrigues, num período que não podemos precisar, mas que sabemos ser anterior a 1368, prévio às primeiras referências à sua presença no concelho, terá exercido as funções de prioste do Cabido18. Um cargo cuja esfera de ação se centrava na área contabilística, financeira e de gestão patrimonial, que assumia alguma importância no seio de uma instituição com significativo poder económico.

  • 19 A análise da documentação capitular revela-nos uma enorme diversidade de situações sociais dos prio (...)
  • 20 Algumas das funções inerentes ao cargo ficam bem evidentes no Livro de Despesa do Prioste da Sé (13 (...)

11No final do século XIV e na centúria seguinte, o cargo deixa de ser desempenhado exclusivamente por clérigos, passando também, pelo menos em determinados momentos, a ser exercido por leigos, como é o caso de Vasco Rodrigues e de outros priostes, que lhe sucedem19. O desempenho dessas funções implicava o domínio de procedimentos de gestão contabilística e o traquejo na área dos “negócios”, o que nos remete para a possibilidade de Vasco Rodrigues possuir alguma experiência nesse âmbito. Para além da representação externa do cabido no que se refere ao património, da recolha de rendas ou do pagamento de salários, acometiam-lhe outras tarefas de gestão corrente, que passavam, também, pelo controlo da redistribuição de dividendos resultantes do exercício de funções religiosas, obrigando a um minucioso acompanhamento da vida da instituição20.

  • 21 ACSE, CEC3 VII a), fls. 101-102.
  • 22 ACSE, CEC3-VII a), fls. 108-123.

12Esta proximidade traspunha-se também para o campo dos interesses económicos pessoais e familiares, sendo possível que a forte vinculação com os cónegos tivesse facilitado o acesso preferencial ao património capitular, por via dos contratos enfitêuticos. Note-se que Vasco Façanha trazia, em regime de aforamento, um significativo conjunto de bens da mesa capitular, muito especialmente hortas e ferragiais, localizados nas imediações da cidade, no que podemos designar de espaço periurbano, de que o cabido era, aliás, um dos maiores proprietários. Constata-se, ainda, a realização de escambos com a instituição21, que lhes vão permitindo compor determinadas estratégias patrimoniais. Tendo em atenção o perfil dos bens imobiliários dos Façanha, onde abundam as pequenas parcelas da periferia urbana e os equipamentos de transformação das produções agrícolas, supomos que os seus interesses económicos se encontravam fortemente ligados às dinâmicas do mercado citadino e aos seus circuitos comerciais, que se poderiam revelar significativos em termos de rendibilidade. Compensava-se, deste modo, aquilo que nos parece ser uma menor expressão da grande propriedade, nomeadamente, das herdades, no conjunto do seu património, sendo, apenas, referenciada pela documentação a posse de uma ou outra parcela de terra no Pigeiro22, no termo da cidade.

  • 23 ACSE, CEC3-VII a), fl. 121.
  • 24 A importância desse círculo de relações fica bem evidente no trabalho de Hermínia VILAR, As Dimensõ (...)

13Torna-se difícil avaliar a importância que a ligação à catedral assumiu para os Façanha, sob o ponto de vista da consolidação das suas posições sociais. É de supor, contudo, tendo em atenção a relevância económica e social da instituição, que a mesma pudesse ter sido significativa. Isso mesmo acaba por ser referido por Vasco Rodrigues Façanha no preâmbulo de uma doação pela qual, conjuntamente com a sua mulher, Domingas Afonso, deixa ao cabido uma parcela de terra, em reconhecimento, como se afirma, “das muitas ajudas, defendimentos, graças e outros bens”23, que terá recebido da instituição e dos seus cónegos no período em que dela foi prioste e procurador. O próprio parece, pois, ter consciência da importância de que a aproximação aos influentes círculos de sociabilidade, estabelecidos em torno da catedral24, assumiu no seu percurso pessoal.

14Fortemente envolvidos nas instituições citadinas e nas suas dinâmicas sociais e económicas, os Façanha patenteavam, pois, um quadro diversificado de interesses e de relações, que foram contribuindo para alargar a sua capacidade de influência e o seu protagonismo na vida pública da cidade, que se estende à administração local.

2. Os Façanha. Uma família com forte tradição no exercício do poder concelhio

  • 25 ANTT, Gavetas, III, maço I, doc. 16.
  • 26 Gabriel Pereira, Documentos Históricos…, p. 40 e p. 44.
  • 27 O forte engajamento na vida pública local é testemunhado pela sua presença em alguns dos mais signi (...)
  • 28 É o caso, na centúria de trezentos, de Vasco Afonso Façanha, Afonso Rodrigues Façanha e Estêvão Rod (...)

15Os Façanha assumiam, na sua plenitude, os contornos de uma verdadeira família oligárquica concelhia. Instalação muito antiga na cidade, provavelmente no quadro da cavalaria vilã. Posse de bens fundiários e urbanos, com o consequente envolvimento nos mecanismos económicos da cidade. Inserção numa imbrincada teia de relações urbanas e, sobretudo, uma forte tradição familiar de ligação à posse de cargos da administração local, que remonta, pelo menos, à segunda metade do século XIII. Nesse período, identificámos a presença dos irmãos Martim Soares Façanha25 e Rui Martins Façanha26, como juízes da cidade, assumindo um forte destaque e protagonismo no seio da sociedade política eborense de antanho27. Sucedendo-lhes, em períodos posteriores, diversas personagens que usaram esse apelido28, sem que possamos delinear de forma segura as relações estabelecidas entre si.

  • 29 ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro de Posturas Antigas, fls. 19v, 53 e 64.
  • 30 ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro de Posturas Antigas, fl. 18; ADE, Câmara Municipal de Évora, (...)
  • 31 ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro de Posturas Antigas, fl. 12v, 13v, 14, 19, 19v, 28v e 64.
  • 32 As primeiras referências a regedores em Évora, de que temos conhecimento, datam desse ano, cf. Gabr (...)

16Os irmãos Vasco e Lopo Rodrigues Façanha inserem-se, pois, nessa linha de continuidade, assumindo-se como os depositários da tradição familiar, nas décadas finais da centúria de trezentos. As primeiras referências relativas à sua presença no concelho datam de 1378, em pleno período de governação fernandina, durante o qual se encontram fortemente envolvidos na administração local, desempenhando diversos cargos e funções. Lopo Rodrigues como juiz do cível e do crime, em determinados anos29; Vasco Rodrigues com uma presença mais regular, que lhe permite acompanhar, de perto, muitos dos atos administrativos do concelho. Muito embora seja referenciado, em alguns dos elencos camarários, como juiz30 é, essencialmente, como regedor31 – um dos dez regedores da cidade – que a sua participação se torna mais efetiva e ganha um maior destaque, que de alguma forma se encontra ligado à própria natureza do cargo. Um cargo que, como se sabe, era de nomeação régia, aparentemente vitalício, que consubstanciava um novo patamar de controlo dos concelhos por parte do monarca, assumindo um cariz algo distinto dos ofícios eletivos que compunham a orgânica concelhia. A inclusão de Vasco Façanha no grupo restrito dos primeiros regedores de Évora, em 1378, ano provável da criação do cargo na cidade32, é, ela própria, indiciadora da sua notoriedade no seio da sociedade política local. Vasco Rodrigues desempenhará as funções de regedor até pelo menos 1382/1383, no período imediato ao do arranque da crise dinástica, a partir do qual a sua presença no concelho se torna menos evidente.

  • 33 Mesmo a historiografia tradicional, que, como se sabe, concedia uma forte importância ao institucio (...)
  • 34 Cf. Maria Helena da Cruz COELHO, “O Poder Concelhio em tempos medievais…”, pp. 26.

17Apesar dos contornos deste cargo se encontrarem ainda pouco definidos33, parece claro, tendo em atenção o perfil sociológico dos nomeados, que o monarca terá recrutado os regedores, que em princípio deveriam favorecer a implementação das políticas e dos interesses régios no terreno, entre as tradicionais famílias oligárquicas da cidade, onde, para além dos Façanha, se reconhecem apelidos como os Lobo, os Brandão, os D’Arca, os Fuseiro, entre diversos outros. A inclusão destes indivíduos e famílias “nessa fronteira entre o central e o local”, em que o cargo de regedor se movimentava, como notou Maria Helena da Cruz Coelho34, revela bem a importância que assumia para o monarca a adesão das poderosas oligarquias urbanas às suas políticas, sobretudo num momento em que o clima de instabilidade e de guerra, que marcou o reinado fernandino, tornavam imprescindível o apoio dos concelhos.

18Esse apoio, pelo menos no que se refere aos irmãos Façanha, não parece ter sido negado, já que os mesmos irão revelar, como veremos, uma enorme proximidade e consonância com as políticas levadas a cabo pelo monarca.

3. Protagonismo político dos Façanha no período fernandino

  • 35 Sobre o reinado de D. Fernando, veja-se Salvador Dias ARNAUT, A Crise Nacional dos Fins do Século X (...)

19As trajetórias dos homens que temos vindo a acompanhar, no seio do concelho, não podem, contudo, ser entendidas fora do contexto político-militar que marcou profundamente o reino e a cidade nas últimas décadas do século XIV. Como se sabe, a região do atual Alentejo, e muito particularmente a cidade de Évora, viveu com intensidade muitos dos acontecimentos que marcaram uma das épocas mais conturbadas da história medieval portuguesa e europeia. Um contexto em que as conturbações sociopolíticas internas, onde não faltou o questionar de legitimidade régia, se aliam a um complexo quadro diplomático externo, que acaba por arrastar o reino para diversos conflitos militares35. Um estado de guerra quase permanente com o reino vizinho, que teve na frontaria de Entre-Tejo-e-Guadiana um dos seus palcos principais, com consequências desastrosas para a região sob o ponto de vista económico, demográfico e militar. A mais importante e populosa cidade a sul do Tejo assume, mais uma vez, toda a sua relevância estratégica, como plataforma logística, base de recrutamento militar e pólo de atividade política, que tem, precisamente, no concelho um dos seus epicentros.

20Instalados no exercício dos cargos concelhios, os irmãos Façanha vão ser protagonistas de alguns dos acontecimentos que marcaram a vida da cidade. Vasco Façanha acompanhando mais de perto os atos administrativos do concelho, como já vimos; Lopo Rodrigues com uma presença mais descontínua, mas, nem por isso, menos influente, na vida da cidade, particularmente em questões de natureza militar, nas quais parece ter assumido um papel muito ativo. É bastante crível que Lopo Façanha e, porventura, o seu irmão tenham participado na hoste régia em algumas das campanhas militares que ocorreram nesse reinado, muito especialmente no âmbito da terceira guerra fernandina (1381-1382), que teve como um dos principais palcos a zona raiana do atual Alentejo. Terão integrado, com toda a probabilidade, o conjunto de forças militares oriundas da comarca, uma boa parte das quais recrutadas no âmbito das estruturas concelhias, dirigidas por D. Álvaro Pires de Castro, Conde de Arraiolos, que se opõem à crescente pressão dos exércitos castelhanos e dos partidários do infante D. João de Castro.

  • 36 Fernão LOPES, Crónica de D. Fernando…, cap. CXXXIV.
  • 37 Fernão LOPES, Crónica de D. Fernando…, cap. CXVII.
  • 38 Cf. ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro de Posturas Antigas, fl. 14. As referências ao muro quebr (...)

21O período que medeia entre o verão de 1381 e o de 1382 foi vivido de forma muito intensa na cidade. Évora tornou-se o centro nevrálgico por onde passaram muitas das decisões político-militares, assumindo um papel crucial enquanto plataforma logística e de apoio de retaguarda aos exércitos. Na cidade terão mesmo sido construídos muitos “engenhos e carros e bombardas e outros apercebimentos de guerra”, necessários às operações militares, como nos relata Fernão Lopes36. Com o palco dos acontecimentos a apenas algumas léguas de distância e as companhias inglesas, lideradas pelo Conde de Cambridge, apoiantes do monarca português, disseminadas pelas vilas próximas, a corte instala-se em Évora, onde mais de perto podia acompanhar e controlar os acontecimentos. O ambiente geral na cidade, a crer na pena de Fernão Lopes, era extremamente tenso. Fervilhava a intriga política, alimentada pelas divisões, que atravessavam a sociedade portuguesa, entre os partidários de D. Fernando e os partidários do infante Castro, a que acresce a desconfiança de alguns sectores sociopolíticos face às posições da rainha Leonor Teles. É num tal ambiente, em que as questões militares e a necessidade de apaziguamento interno se sobrepunham a todas as outras, que vamos encontrar, nesse ano de 1381, Vasco e Lopo Façanha, o primeiro enquanto regedor e o segundo como juiz, a aconselhar D. Fernando a demolir parte da cerca velha da cidade, com o argumento de no seu interior viverem muitos dos defensores do Infante D. João. Uma decisão que, de acordo com o relato do cronista, se revelou bastante discutível, levantando duras críticas37. As referências, na documentação eborense, ao “muro quebrado”, como topónimo de referência de localização, em período próximo, faz-nos crer que tal demolição se terá, de facto, iniciado por volta dessa data, vendo-se os oficiais concelhios obrigados a tomar medidas no sentido de punir os que se aproveitavam da pedra, entretanto retirada do velho muro38. Este episódio, em torno da destruição da estrutura defensiva, revela-se interessante, para nós, por várias razões. Mostra-nos a total sintonização dos irmãos Façanha com a causa de D. Fernando, revela a crescente preponderância que os mesmos vão assumindo junto do próprio monarca e, sobretudo, não nos deixa dúvidas quanto ao clima de suspeição, de desconfiança e de profunda divisão que marcava a sociedade política eborense, entre a qual, tudo leva a crer, seriam fortes os apoios do pretendente ao trono refugiado em Castela. De facto, a partir dos indícios recolhidos, e à semelhança do que se verifica no reino, as elites políticas locais encontravam-se fortemente divididas e hesitantes quanto às opções políticas a tomar, sendo de supor que a própria oligarquia concelhia não alinharia, em uníssono, pela mesma bitola.

  • 39 Gabriel Pereira, Documentos Históricos…, p. 163.
  • 40 A intervenção dos concelhos na designação dos alcaides dos respetivos castelos verificou-se, pelo m (...)

22Num momento em que, face ao extremar de posições, seria difícil deixar de tomar partido, decorrendo da opção tomada o maior ou menor peso social e político local, os Façanha acabam por ver reconhecido o seu empenho na causa do monarca, com o reforço do seu papel no concelho. Sinal de reconhecimento, ou pelo menos de alguma preponderância no grupo da governança, parece-nos ser o facto de Vasco Façanha ter sido um dos procuradores especiais indicados pelo concelho para jurarem o contrato de casamento da infanta herdeira Dona Beatriz com o rei castelhano, que ocorrera em Elvas, na primavera de 1383, na sequência dos acordos de Salvaterra. Acompanha-o, nessa missão, Álvaro Mendes de Oliveira, à data, alcaide do castelo de Évora, que no ano anterior vemos a desempenhar as funções de juiz do cível no concelho eborense39. Uma transposição de funções que talvez a excecionalidade da situação militar e política que então se vivia possa explicar, mas que poderá também remeter para a existência de uma tradicional capacidade do concelho em escolher ou indicar os alcaides da cidade40. De qualquer modo, a sintonização política entre as duas instituições será interrompida em consequência do evoluir dos acontecimentos, já que o alcaide e boa parte dos membros do concelho enveredarão, a breve trecho, por caminhos divergentes e antagónicos.

  • 41 Veja-se, por exemplo, ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro de Posturas Antigas da Câmara de Évora,(...)
  • 42 ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro de Posturas Antigas da cidade de Évora (no 206), consultável (...)

23O final do reinado de D. Fernando parece ter constituído, pois, o período áureo dos irmãos Vasco e Lopo Façanha na vida pública da cidade, assumindo um papel ativo e preponderante na condução das suas políticas. Fazem-no num contexto particularmente difícil, em que à desestabilização político-militar se somava um conjunto de perturbações económicas e sociais, agravadas pela seca e pelos maus anos agrícolas41, que aumentam a escassez e, consequentemente, a preocupação com a gestão dos recursos. Vemo-los, por exemplo, no ano de 1382, sobretudo no seu último semestre, e no início do seguinte, a delinear, com os restantes membros do concelho, um conjunto significativo de Posturas42, sobre as mais variadas temáticas da vida urbana. Entre elas, contam-se muitos normativos respeitantes ao tabelamento de preços e à fixação de apertadas regras de distribuição dos produtos, que se impunham no contexto das já aludidas dificuldades, sentidas de forma particularmente intensa, na cidade e na região, nesses anos. Uma realidade que se irá agravar no contexto da crise dinástica.

24A complexificação da situação política que se seguiu, alterando o quadro de forças existente, irá conduzir a algum afastamento dos Façanha do primeiro plano da vida política local, traduzido numa perda global de protagonismo e numa relativa secundarização destes homens no interior do próprio concelho, nos anos subsequentes.

4. Hesitações e perda de influência sociopolítica dos Façanha após 1383-85.

  • 43 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. I, cap. XLV, pp. 90-92.
  • 44 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. I, cap. XLIV, p. 88.

25Após a morte de D. Fernando, torna-se menos claro o posicionamento dos irmãos Façanha face ao rápido evoluir da situação política. O contexto que se vivia e as tensões anteriormente acumuladas acabam por contribuir para a forte erupção política e social que eclodiu na cidade, opondo, globalmente, os partidários da rainha aos defensores de D. João, Mestre de Avis. Fernão Lopes descreve-nos, de forma bem viva, alguns dos acontecimentos que então ocorreram, entre os quais ganham particular destaque, pela violência ou significado de que se revestiram, a morte da abadessa de S. Bento de Castris, na principal praça da cidade, às mãos dos populares43, e o assalto ao castelo. Nele, vemos o alcaide e os seus homens, partidários da rainha, a tentarem, em vão, opor-se à fúria da turba, liderada por Fernão Gonçalves D’Arca, regedor do concelho, e seu filho, João Fernandes D’Arca, acompanhados por Diego Lopes Lobo, um dos grandes do lugar, no dizer do cronista44.

  • 45 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. I, cap. XLIV, p. 88.
  • 46 O documento intitula-se: “Estromento de como o concelho e pouo da cidade de Euora outorgarom a el R (...)

26A crer nos indícios que fomos recolhendo, nas fontes narrativas e documentais, as divisões perpassavam o próprio interior do concelho, com alguns dos seus membros a tomar voz pela rainha, caso de Martim Afonso Arnalho e de Vasco Martins Porrado, respetivamente, juiz do cível e escrivão da câmara, que encontramos ao lado do alcaide45. Não parece ter sido essa, contudo, a posição dominante entre os membros do concelho. O Instrumento de ratificação de outorga das sisas concedidas pela cidade ao mestre não deixa dúvidas quanto ao apoio inequívoco de diversos oficiais concelhios em relação à causa do Mestre. É o caso de Fernão Gonçalves D’Arca, Fernão Martins Brandão, regedores, de Martim Vicente (de Vilalobos), juiz da cidade e de Estêvão Eanes, procurador, que no dia 25 de Fevereiro de 1384, em reunião realizada nos próprios paços do concelho, decidem conceder as sisas da cidade ao Mestre46, para fazer face às necessidades financeiras decorrentes da guerra com Castela.

  • 47 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. I, cap. LXXXVII, pp. 165-167.

27As divisões, na cidade como no reino, não dizem apenas respeito aos grupos dirigentes, mas devem-se ter alastrado ao interior das próprias famílias, estendendo-se ao conjunto da sociedade. Vale a pena atentar, a este propósito, numa brevíssima nota saída da pena de Fernão Lopes, que nos dá a indicação de que em Lisboa, na primavera desse ano de 1384, se encontravam muitos cavaleiros e escudeiros de Évora e de Beja, expulsos dos respetivos núcleos urbanos por suspeita de partidarismo castelhano, mas que rapidamente surgem ao lado da causa do futuro monarca. Será entre eles que Nuno Álvares Pereira, recém-nomeado Fronteiro de Entre-Tejo-e-Guadiana, acaba por recrutar alguns dos membros da sua milícia47. O episódio ilustra bem o clima de desconfiança e mesmo de perseguição ad hominem, que se vivia em alguns dos núcleos urbanos do sul, constituindo, também, um bom exemplo de não linearidade das tomadas das posições individuais, num momento em que os programas políticos e as linhas divisórias não se apresentavam ainda suficientemente clarificadas.

  • 48 ACSE, RR5 a. Publicação e análise por Maria Ângela BEIRANTE, “O Alentejo na segunda metade do sécul (...)
  • 49 Veja-se, também, a análise do documento efetuada por Maria Ângela BEIRANTE, “O Alentejo na segunda (...)

28Muito embora estejamos no campo das hipóteses, é muito provável que os irmãos Façanha, à semelhança do que se verificou em tantos outros segmentos da sociedade, tivessem hesitado quanto ao partido a tomar, pelo menos num primeiro momento. Corrobora essa ideia o facto de nenhum dos irmãos se encontrar quer no outorgamento das sisas da cidade, como já vimos, quer num outro ato da maior relevância política. Referimo-nos ao Preito e Menagem ao Mestre como Senhor, Regedor e Defensor do Reino48, que teve lugar em Évora, no adro da Sé de Évora, no dia 18 de Dezembro de 1384. Uma ausência com grande significado face à importância simbólica do ato, que reuniu, em assembleia plenária, convocada por pregão, as mais relevantes individualidades da cidade. O Bispo de Évora, D. João, e Fernão Gonçalves D’Arca, enquanto procuradores do Mestre, recebem, em seu nome, preito e Menagem dos homens bons do concelho de Évora, da comarca e de “Além Guadiana”. Entre os mais de 100 indivíduos identificados, que constituíam a “nata” da sociedade religiosa, política e civil eborense, em que se contam prelados e altos dignitários da Sé, muitos fidalgos, cavaleiros, escudeiros, cidadãos e homens-bons e onde se reconhecem os apelidos das mais influentes famílias da cidade, não constam os nomes dos irmãos Façanha49.

  • 50 Sobre o conselho e o núcleo de cavaleiros e escudeiros que constituíam a “companhia de armas” de Nu (...)
  • 51 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. I, cap. XCI, p. 173.
  • 52 Fernão Lopes Lobo, no seu testamento, faz explicita referência ao facto de ter participado na batal (...)

29Convém, desde já, deixar claro que Lopo Rodrigues Façanha poderá ter desempenhado um papel de algum relevo, sob ponto de vista militar, ao serviço da causa do Mestre, e mais particularmente ao serviço de Nuno Álvares Pereira, de quem é referenciado como conselheiro. A experiência forjada nos campos de batalha, nos anos anteriores, nas designadas guerras fernandinas, contribuiu, certamente, para que tivesse sido um dos escolhidos para integrar o núcleo restrito dos que aconselhavam militarmente o fronteiro de Entre-Tejo-e-Guadiana50. Como nos conta o cronista, foram os próprios cavaleiros e escudeiros de Évora que o terão indicado, conjuntamente com Diogo Lopes Lobo e João Fernandes D’Arca, para conselheiro de Nuno Álvares51, numa clara demonstração do reconhecimento que havia granjeado entre os seus pares. Não é, assim, improvável que Lopo Rodrigues tivesse pelejado em algumas das contendas cruciais desses anos, nos Atoleiros ou em Aljubarrota, onde sabemos ter participado, por exemplo, Fernão Lopes Lobo52, ao lado de outros cavaleiros e escudeiros oriundos da cidade.

  • 53 Estoria de Dom Nuno Alvrez Pereyra… Sobre esta crónica e os seus reflexos em Fernão Lopes, veja-se (...)
  • 54 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. II, cap. XXXVIII, p. 96 e cap. CXCVIII, p. 451.
  • 55 Estoria de Dom Nuno Alvrez Pereyra…, cap. XXXVII. Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. I, cap. (...)
  • 56 Cf. Estoria de Dom Nuno Alvrez Pereyra…, cap. XXVIII.
  • 57 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. II, cap. XXXVIII, p. 96.
  • 58 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. I, cap. CLIX, p. 341
  • 59 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. I, cap. CLIX, p. 341. Tanto quanto supomos, Fernão Gonçal (...)

30De qualquer modo, a aparente relevância militar, indiciada pela nomeação para conselheiro de Nuno Álvares, e o papel que, porventura, Lopo Rodrigues possa ter assumido nos campos de batalha, não parece ter tido correspondência na projeção memorialista desses tempos, fixada pelas fontes narrativas. Nestas, seja em Fernão Lopes ou na pena do autor anónimo da Crónica do Condestável53, são sempre os irmãos Lobo, especialmente Fernão Lopes Lobo54 e Diogo Lopes Lobo55, e os D’Arca, Fernão Gonçalves56 e o seu filho João Fernandes57, os merecedores de atenção e de referência por ações desenvolvidas nos palcos militares. Nenhuma nota chegou, até nós, sobre Lopo Rodrigues. Não deixa, também, de ser curioso que Fernão Lopes, ao elencar os indivíduos que nas principais localidades se destacaram no apoio ao Mestre, para que ficassem na “rrenembramça”, não tivesse incluído, para Évora, os irmãos Façanha. Eles não constam, de facto, na listagem de dezoito personalidades que o cronista considerou dignas de menção, pelo papel desempenhado em favor do Mestre, onde podemos encontrar apelidos como: D’Arca, Lobo, Brandão, Regueira, Carvoeiro, Cotrim, Vilalobos e diversos outros58. Relativamente a Façanhas é apenas referenciado um Fernão Gonçalves Façanha, provavelmente um dos criados do regedor59.

31Esta ausência concorre no mesmo sentido de outros dados a que fomos aludindo, que indiciam a relativa secundarização dos irmãos Façanha, nesta conjuntura, face ao crescente protagonismo de outros indivíduos e famílias. Os motivos pelos quais tal se verifica tornam-se, para nós, de difícil identificação, face à escassez de informações, nomeadamente, das que se referem ao seu quadro de vinculações pessoais e linhagísticas, que poderiam ser clarificadoras, a este nível. Mas, como julgamos, as respostas a tais questões não podem deixar de ser procuradas no quadro do jogo de forças, e das rivalidades e tensões, que, certamente, se estabeleceriam entre as famílias oligárquicas na luta pelo poder local. A conjuntura de crise, como a que se viveu, favorecendo as alternâncias políticas, contribuiu, em termos efetivos, para a promoção daqueles que, de uma forma inequívoca e desassombrada, aderiram às propostas de mudança protagonizadas pelo mestre de Avis. Referimo-nos não a uma renovação dos quadros políticos concelhios, que, de facto, não se verificou, já que assistimos, no médio prazo, à manutenção dos mesmos indivíduos e famílias no poder local, mas a uma inversão das posições dominantes.

  • 60 Em 1406/06/18, Vasco Rodrigues Façanha é identificado como juiz do crime, cf. ADE, Câmara Municipal (...)
  • 61 Gabriel Pereira, Documentos Históricos…, p. 161. BPE, Convento de S. Domingos, Tombo, fl. 162v.

32Neste momento de viragem, os irmãos Lopo e Rodrigo Façanha perdem, sem margem para dúvidas, algum do protagonismo que haviam conseguido no final do reinado anterior. Durante este período, o regedor Vasco Rodrigo Façanha, que tanto quanto parece terá assumido uma posição de menor envolvimento relativamente à causa do mestre do que a patenteada pelo seu irmão, encontra-se eclipsado da vida política local, num flagrante contraste com o papel que havia desempenhado nos anos anteriores. Deste regedor, só voltamos a ter notícias no início da centúria de quatrocentos60, já num quadro de estabilização do funcionamento do concelho. Quanto ao escudeiro Lopo Rodrigues, encontramo-lo, como vereador, no ano de 138561, mas rapidamente deixa, também, de constar dos elencos camarários.

  • 62 ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro de Posturas Antigas, fl. 53; Gabriel Pereira, Documentos Hist (...)
  • 63 Diego Lopes Lobo recebe a renda dos tabeliães da cidade (ANTT, Chancelaria de D. João I, Livro I, f (...)
  • 64 Estoria de Dom Nuno Alvrez Pereyra…, cap. XXXVII.
  • 65 Diogo Lopes Lobo, Estêvão Fernandes Lobo, Fernão Lopes Lobo, cf. Fernão LOPES, ANTT, Crónica de D. (...)
  • 66 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. II, cap. XXXVIII, pp. 96-97.
  • 67 José MATTOSO, “A Nobreza e a Revolução de 1383”, Fragmentos de uma Composição Medieval, 2a ed., Lis (...)
  • 68 Caso de Fernão Gonçalves D’Arca e de seu filho, João Fernandes D’Arca, cf. Fernão LOPES, Crónica de (...)
  • 69 ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro de Posturas Antigas, fl. 65; Gabriel Pereira, Documentos Hist (...)
  • 70 Rodrigo Álvares Pimentel, doação dos bens que foram de João Fernandes Cogominho (ANTT, Chancelaria (...)
  • 71 Doação de casas em Évora a Álvaro Pires Carvoeiro (ANTT, Chancelaria de D. João I, Livro I, fl. 76v (...)
  • 72 João Esteves Lourinho, respetivamente (ANTT, Chancelaria de D. João I, Livro III, fl. 51); Nuno Fer (...)

33No início do reinado de D. João I, na cidade de Évora, os tempos corriam de feição a outras famílias e indivíduos, que souberam aproveitar as oportunidades, oferecidas por um contexto sociopolítico e militar muito próprio, para se alcandorar na escala social. Entre eles, destacam-se os Lobo, cujo papel preponderante, em Évora, no apoio à designada causa do Mestre, foi grandemente recompensado pelo novel monarca. Não é, assim, por acaso, que assistimos à nomeação, logo em 1385, de Diogo Lopes Lobo, como alcaide-mor da cidade62, em substituição de Álvaro Mendes de Oliveira. Como não terá sido, também, por acaso que o vemos amplamente agraciado pelo monarca63. Diogo Lopes Lobo, “que então era um bom e nobre escudeiro: e depois foi nobre cavaleiro”, como se refere na crónica do condestável64, vê assim elevado o seu estatuto social, conjuntamente com os seus irmãos65. A crer em Fernão Lopes, os Lobo (como outros da cidade), encontram-se entre os que o Mestre armou cavaleiros no próprio campo de batalha de Aljubarrota66. Um episódio de grande significado simbólico, relatado de forma enfática pelo cronista, que é bem representativo do papel que a “guerra” assumiu na promoção social destes indivíduos oriundos de uma pequena nobreza local. Facto para o qual José Mattoso, há já muitos anos, tinha alertado67. O reforço das posições sociais é também detetável para os D’Arca, igualmente promovidos à categoria de cavaleiros68, assistindo-se à nomeação de Fernão Gonçalves D’Arca para o Conselho do rei69. Também outros elementos e famílias, muitos deles diretamente envolvidos nos acontecimentos de 1383-85, são agraciados pelo monarca, caso dos Pimentel70, Carvoeiro71 e outros72, a quem o monarca beneficiou com doações e privilégios (sobretudo de coutada de herdades) ou colocou ao seu serviço.

34Uma situação algo diferenciada se verificou com os Façanha, que continuam a patentear o estatuto de escudeiros, não parecendo ter reforçado o seu património ou obtido benefícios ou privilégios capazes de reforçar as suas posições ou contribuído para desencadear processos de mobilidade social ascendente, comparáveis ao que se verificaram para outras famílias.

  • 73 Nos anos iniciais do século XV é notória a crescente intervenção régia na vida concelhia eborense. (...)

35De qualquer modo, e este é um aspeto interessante sob o ponto de vista da demonstração do peso das inércias locais na estruturação do poder municipal, os Façanha irão regressar, a breve trecho, em pleno, à vida política da cidade, aproveitando o clima geral de pacificação e de procura de normalização administrativa, que vai ocorrendo a partir de finais da centúria de trezentos. Um processo enquadrado e promovido pelo próprio monarca, interessado na estabilização da vida política local73, que irá permitir a integração dos tradicionais grupos da governança nos novos equilíbrios de poder que, entretanto, se estabelecem.

  • 74 Casado com Guiomar Façanha, filha de Lopo Rodrigues Façanha, cf. ADE, Arquivo da Misericórdia, no 6 (...)
  • 75 Procurador do concelho (1402), juiz ordinário (1408), procurador dos Fidalgos (1417), cf. respetiva (...)
  • 76 D. João I, identificando-o como vassalo Régio, concede-lhe privilégio de coutada da sua herdade da (...)
  • 77 Veja-se Maria Ângela BEIRANTE, Évora na…, p. 542.

36Não é, assim, estranho que uma família como os Façanha, com forte enraizamento local e um longo percurso no exercício de cargos, tivesse continuado a manter a sua ligação ao poder municipal, praticamente, durante toda a centúria de quatrocentos. Logo nos anos subsequentes à subida ao poder do novo rei, registamos a presença de Gonçalo Dias de Espinho, identificado como genro de Lopo Rodrigues Façanha74, em diversos cargos na administração local75. Um homem que, em conjunto com o seu irmão Lopo Dias de Espinho, assumiu algum relevo na cidade no contexto de 1383-85, e que vemos reforçar as suas posições, em termos sociais e económicos, neste período76. A aproximação entre os Façanha e os Espinho, uma família também ela ligada à administração municipal desde, pelo menos, o período fernandino77, é um bom exemplo do estreitamento de relações que se vai verificando entre as famílias dominantes, contribuindo para fechar, sobre si, o grupo da governança.

  • 78 Cf. nota 60.
  • 79 Detetamo-lo como juiz do cível, em 1414, cf. ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro primeiro de Perg (...)
  • 80 Cf. ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro Pequeno de Pergaminho (no 66), fls. 57, 57v; idem, Livro (...)
  • 81 ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro Pequeno de Pergaminho (no 66), fls. 110-111,111-111v, 135-135 (...)

37Nas primeiras décadas do século XV, sucedem-se na estrutura camarária diversos indivíduos de “apelido” Façanha. Uns, como Lourenço Rodrigues Façanha ou como Fernão Gonçalves Façanha, mercador, que já tínhamos visto indicado por Fernão Lopes enquanto apoiante do mestre78, com passagens aparentemente pontuais nos executivos camarários79; outros, como Vasco Rodrigues Façanha (II) e Lopo Façanha – que, curiosamente, patenteiam nomes semelhantes aos das personagens que temos vindo a acompanhar – com uma presença mais duradoura na administração, passando por quase todos os cargos e funções ao longo de várias décadas. Este Vasco Rodrigues, também ele identificado como regedor, manteve-se no arco da governação concelhia entre 1423 e 143980, Lopo Façanha, de forma intermitente, ao longo de mais de três décadas, entre 1439 e 147581. Muito embora não seja possível estabelecer as relações de parentesco ou de afinidade entre eles (e certamente entroncarão em ramos familiares diferenciados), é bem possível que, pelo menos, alguns desses indivíduos se insiram na linha de descendência direta dos personagens que fomos acompanhando ao longo deste estudo, numa clara demonstração da longevidade desta família no exercício do poder local.

38Não sendo propriamente uma das mais proeminentes famílias oligárquicas de Évora dos finais da Idade Média, patenteando uma projeção social, um património e uma capacidade de influência medianas, ocupando o que poderíamos definir como uma segunda linha de importância no interior do concelho, os Façanha de Évora revelam uma fortíssima capacidade de sobrevivência política. Dois fatores contribuíram, decisivamente, para ela: o forte enraizamento local, traduzido num amplo quadro de relações económicas, sociais e institucionais, que vai cimentando o seu poder no contexto urbano; e a capacidade de adaptação às lógicas e necessidades do próprio poder régio, cada vez mais determinante nas dinâmicas do poder local concelhio, à medida que caminhamos para os finais da Idade Média.

Notes

1 De entre os diversos estudos relativos a esta cidade, com interesse para a problemática em causa, destaca-se, naturalmente, o incontornável trabalho de Maria Ângela Beirante, Évora na Idade Média, que nos dá, também, uma leitura globalizante do concelho e do seu funcionamento, ao longo dos séculos Medievos. Cf. Maria Ângela BEIRANTE, Évora na Idade Média, Lisboa, FCG/JNICT, 1995. De extraordinária importância para o conhecimento das elites locais e regionais foi o projeto de investigação, desenvolvido pelo CIDEHUS/UÉ (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora), designado “Elites e redes clientelares na Idade Média. Uma observação centrada em Évora”. Um projeto ambicioso, em que a partir de um vasto lastro documental se procurou identificar e caracterizar, sob o ponto de vista social e familiar, as várias elites e grupos dominantes e respetivas redes clientelares, valorizando-se, nas abordagens, as trajetórias pessoais e familiares dos detentores de cargos em múltiplas instituições de poder, na área em estudo. Sobre este projeto, e mais particularmente sobre os problemas metodológicos em torno do estudo das elites medievais, veja-se, Filipe Themudo BARATA (ed.), Elites e Redes Clientelares na Idade Média, Problemas metodológicos, Lisboa, Edições Colibri/CIDEHUS-UÉ, 2001. Também os trabalhos de Hermínia Vilar, apesar de mais centrados nas elites eclesiásticas, não podem deixar de ser referenciados num estudo sobre os detentores do poder na cidade. Veja-se, particularmente, Hermínia VILAR, As Dimensões de um Poder. A Diocese de Évora na Idade Média, Lisboa, Editorial Estampa, 1999. Sobre a perpetuação de algumas das famílias oligárquicas, em períodos subsequentes, pode ver-se o bem documentado estudo de Rute PARDAL, As Elites de Évora ao tempo da Dominação filipina. Estratégias de controlo do poder local (1580-1640), Lisboa, Edições Colibri/CIDEHUS-UÉ, 2007. Eu próprio efetuei um trabalho preliminar de caracterização da oligarquia concelhia eborense, no século XV, veja-se, Joaquim Bastos SERRA, “Entre a promoção do bem comum e a defesa dos interesses próprios. A oligarquia concelhia de Évora no século XV”, Media Aetas. Revista de Estudos Medievais, II Série, III (2008-2009), A Cidade e o Campo I, pp. 69-101.

2 Em concreto, a Travessa dos Façanhas.

3 Na listagem de nomes e apelidos de famílias ligadas à administração local, inventariados por Ângela Beirante, os Façanha são, com 22 referências, o apelido mais repetido em cargos concelhios, cf. Maria Ângela BEIRANTE, Évora na…, p. 567.

4 A oligarquização é uma tendência comum a muitos concelhos portugueses, veja-se, por exemplo, Maria Helena da Cruz COELHO, “A Dinâmica concelhia portuguesa nos séculos XIV e XV”, Anais do I Colóquio de Estudos Históricos Brasil Portugal [realizado em Belo Horizonte de 22 a 29 de Agosto de 1993], Belo Horizonte, Pontifica Universidade Católica de Minas Gerais/Universidade Portucalense Infante D. Henrique, 1994, pp. 23-35; Maria Helena da Cruz COELHO, “Relações de domínio no Portugal concelhio de meados de Quatrocentos”, sep. Revista Portuguesa de História, tomo XXV, Coimbra, 1990; Maria Helena da Cruz COELHO, Joaquim Romero MAGALHÃES, O Poder Concelhio. Das Origens às Cortes Constituintes. Notas de História Social, Coimbra, 1986, pp. 21-28 e 41-55; Adelaide Lopes Pereira Millán da COSTA, Vereação e Vereadores: o governo do Porto em finais do século XV, Dissertação de Mestrado (texto policopiado), Universidade do Porto, 1989, especialmente pp. 55-84; Amélia Aguiar ANDRADE, “Composição social e gestão Municipal. O exemplo de Ponte de Lima na Baixa Idade Média”, Horizontes urbanos Medievais, Lisboa, Livros Horizonte, 2003, pp. 97-105; Miguel Gomes MARTINS, “A Família Palhavã (1253-1357). Elementos para o estudo das elites dirigentes de Lisboa Medieval”, Revista Portuguesa de História, XXXII (1997-1998), pp. 35-93; Miguel Gomes MARTINS, “Os Alvernazes. Um percurso familiar e institucional entre finais de Duzentos e inícios de Quatrocentos”, Cadernos do Arquivo Municipal, 6 (2002), pp. 10-43; Miguel Gomes MARTINS, “O concelho de Lisboa durante a Idade Média. Homens e organização Municipal (1179-1383)”, Cadernos do Arquivo Municipal, 7 (2004), pp. 64-110.

Mas esse processo de oligarquização (e também de aristocratização) dos concelhos é, em grande medida, um fenómeno peninsular. Para uma panorâmica geral relativa às cidades castelhanas, veja-se o balanço historiográfico efetuado por Maria ASENJO GONZÁLEZ, “Las ciudades medievales castellanas. Balance y perspectivas de su desarrolo historiográfico (1990-2004)”, En la España Medieval, 28 (2005), pp. 415-453. Entre a extensíssima bibliografia sobre esta temática, podem destacar-se os seguintes trabalhos: Rafael G. PEINADO SANTAELLA, “Las Élites de poder en las ciudades de la Andalucía Bética”, José E. LÓPEZ DE COCA CASTAÑAR, Ângel GALÁN SÁNCHEZ (coord.), Las Ciudades Andaluzas (siglos XIII-XVI), Actas del VI Coloquio Internacional de Historia Medieval de Andalucía, Málaga, Universidad de Málaga, 1991, pp. 337-356; M. Concepción QUINTANILLA RASO, María ASENJO GONZÁLEZ, “Los Hidalgos en la Sociedad Andaluza a fines de la Edad Media”, Las Ciudades Andaluzas…, pp. 419-433; María ASENJO GONZÁLEZ, “Oligarquías urbanas en Castilla en la segunda mitad del siglo XV”, Congresso Internacional Bartolomeu Dias e a sua época, Porto, 1989, pp. 413-436; M. Concepción QUINTANILLA RASO, “Política ciudadana y jerarquización del poder: Bandos y parcialidades en Cuenca”, En la España Medieval, 20 (1997), pp. 219-250; M. Concepción QUINTANILLA RASO, “Estruturas sociales y familiares y papel político de la nobleza cordobesa (siglos, XIV y XV), Estudios en memoria del profesor D. Salvador de Moxó, II, Universidad Complutense Madrid, 1982, pp. 331-352; José María RUIZ POVEDANO, “Las élites de poder en las ciudades del reino de Granada”, Las Ciudades Andaluza…, pp. 357-415; Flocel SABATÉ I CURRULL, “Ejes vertebradores de la oligarquía urbana en Cataluña”, Oligarquias políticas y elites económicas en las ciudades bajomedievales (siglos XIV-XVI), Revista d’Història Medieval, 9 (1998), pp. 127-149; M. GONZÁLEZ JIMÉNEZ, “Ciudades y concejos andaluces en la Edad Media: gobierno urbano”, Concejos y ciudades en la Edad Media Hispánica, II, Congreso de Estudios Medievales, Madrid, 1990, pp. 237-274; M. GONZÁLEZ JIMÉNEZ, Carmona Medieval, Sevilla, Fundación José Manuel Lara, 2006, pp. 103-121; José María SÁNCHEZ BENITO, “El poder en una pequeña ciudad castellana: el ejemplo de Huete en el siglo XV”, En la España Medieval, 25 (2002), pp. 177-212; M. Isabel del VAL VALDIVIESO, “Ascenso Social y lucha por el poder en las ciudades castellanas del siglo XV”, En la España Medieval, 17 (1994), pp. 157-184; Juan Francisco JIMÉNEZ ALCÁZAR, Un Concejo de Castilla en la frontera de Granada. Lorca 1460-1521, Granada, Universidad de Granada/Ayuntamiento de Lorca, 1997; César ÁLVAREZ ÁLVAREZ, “Linajes nobiliarios y oligarquías urbanas en León”, La nobleza peninsular en la Edad Media. VI Congreso de Estudios Medievales, Avila, Fundación Sánchez-Albornoz, 1999, pp. 35-65.

5 Para um balanço da questão, veja-se Maria Helena da Cruz COELHO, “O Poder Concelhio em tempos medievais – o «deve» e «haver» historiográfico”, Revista da Faculdade de Letras – História, III Série, 7 (2006); Adelaide Millán da COSTA, “Elites and oligarchies in the late medieval Portuguese urban world”, Imago Temporis. Medium Aevum, 3 (2009), pp. 67-82. Nos últimos anos, verificaram-se progressos assinaláveis neste fecundo campo historiográfico, pelo menos para algumas realidades concelhias, como é, por exemplo, o caso de Lisboa. Para esta cidade, pode ver-se Mário FARELO, A oligarquia camarária de Lisboa (1325-1433), Tese de Doutoramento (texto policopiado), Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2008; Mário FARELO, “Ao serviço da Coroa no século XIV. O percurso de uma família de Lisboa, os «Nogueiras»”, Lisboa Medieval. Os rostos da Cidade, Lisboa, ed. de Luís KRUS, Luís Filipe OLIVEIRA e João Luís FONTES, Lisboa, Livros Horizonte, 2007, pp. 145-168; Miguel Gomes MARTINS, “A família Palhavã…”, pp. 35-93; Miguel Gomes MARTINS, “Estêvão Vasques Filipe: O percurso de um guerreiro em finais de Trezentos”, Cadernos do Arquivo Municipal, 5 (2001), pp. 10-47; Miguel Gomes MARTINS, “Estêvão Cibrães e João Esteves: A família Pão e Água em Lisboa (1269-1342)”, Arqueologia e História, 53 (2001), pp. 67-74; Miguel Gomes MARTINS “Os Alvernazes…”, pp. 10-43.

6 Muito especialmente nas crónicas de Fernão Lopes e na crónica do Condestável, de autor anónimo, veja-se Fernão LOPES, Crónica de D. Fernando, introdução de Salvador Dias ARNAUT, Porto, Civilização, 1986; Fernão LOPES, Crónica de D. João I, introdução de Humberto Baquero MORENO e prefácio de António SÉRGIO, vols. I e II, Porto, Civilização, 1991; Estoria de Dom Nuno Alvrez Pereyra, edição crítica da “Coronica do Condestabre”, com introdução, notas e glossário de Adelino de Almeida CALADO, Coimbra, Universidade de Coimbra, 1991.

7 Arquivo Distrital de Évora (ADE), Arquivo da Misericórdia, no 61 – Pergaminhos do Hospital do Corpo de Deus de Santo Antoninho, fls. 6,9 e 81v-82.

8 Maria Ângela BEIRANTE, Évora…, p. 580.

9 Em Évora verifica-se algum grau de correlação entre a morada dos confrades e a localização das albergarias, sendo evidente, em muitas, uma base de recrutamento paroquial.

10 Sobre a localização da albergaria e o perfil do seu património, veja-se Bernardo Vasconcelos e SOUSA, A propriedade das Albergarias de Évora nos Finais da Idade Média, Lisboa, INIC, Centro de Estudos Históricos da Universidade Nova de Lisboa, 1990, p. 26 e seguintes.

11 Por exemplo: ADE, Arquivo da Misericórdia, no 61 – Pergaminhos do Hospital do Corpo de Deus de Santo Antoninho, fls. 6, 6v, 7 e 8.

12 Sobre os Boto e os Arnalho, veja-se Maria Ângela BEIRANTE, Évora…, pp. 542-544.

13 Gabriel Pereira, Documentos Históricos da Cidade de Évora, Lisboa, IN-CM, 1998, p. 237; Arquivo do Cabido da Sé (ACSE), CEC3 VII a), fls. 101-102v; ADE, Arquivo da Misericórdia, no 61 – Pergaminhos do Hospital do Corpo de Deus de Santo Antoninho, fl. 80.

14 Nomeadamente, adegas e lagares, na rua dos Banhos Velhos, localizada nas imediações da Judiaria, cf. ACSE, CEC3 VII a), fls. 101-102v.

15 Sobre os seus bens patrimoniais, pode ver-se ADE, Arquivo Misericórdia, no 61 – Pergaminhos do Hospital do Corpo de Deus de Santo Antoninho, fls. 71-72; ADE, Arquivo Misericórdia, no 62 – Pergaminhos do Hospital de Jerusalém, fls. 49-49v; ACSE, CEC 3 VII a), fls. 160-165; CEC 4 – XV, fls. 3, 6v, 38, 78; CEC 4 – XVII, fl. 19.

16 Fernão Gonçalves, mercador, criado de Vasco Rodrigues Façanha, é alcaide da Albergaria, em 1380, 1381, 1383, 1389, cf., ADE, Arquivo da Misericórdia, no 61 – Pergaminhos do Hospital do Corpo de Deus de Santo Antoninho, fl. 6, 7, 9, 14. Veja-se, também, ACSE, CEC 3 VII a), fls. 108-123.

17 Cf. ADE, Arquivo da Misericórdia, no 61…, fl. 9.

18 ACSE, CEC3. VII a), fl. 121, Idem, Pergaminhos dos bacharéis, Pasta 1, doc. 63.

19 A análise da documentação capitular revela-nos uma enorme diversidade de situações sociais dos priostes do cabido, sendo abundantes os leigos. Essa é, também, a situação de Fernão Gonçalves, criado de Vasco Rodrigues Façanha, que lhe terá sucedido no desempenho das funções, cf., ACSE, CEC 4 – XVII, fl. 19.

20 Algumas das funções inerentes ao cargo ficam bem evidentes no Livro de Despesa do Prioste da Sé (1340/1341), que chegou até nós, de um período não muito distante daquele em que Vasco Rodrigues terá desempenhado esas funções. Veja-se, Nuno MONTEIRO, Fernando Vieira da SILVA, Bernardo de Vasconcelos e SOUSA, João ZILHÃO, “O “Livro das despesas do Prioste” do Cabido da Sé de Évora (1340-1341)”, Revista de História Económica e Social, 9 (1982), pp. 91-143.

21 ACSE, CEC3 VII a), fls. 101-102.

22 ACSE, CEC3-VII a), fls. 108-123.

23 ACSE, CEC3-VII a), fl. 121.

24 A importância desse círculo de relações fica bem evidente no trabalho de Hermínia VILAR, As Dimensões de um…, cap. 2.

25 ANTT, Gavetas, III, maço I, doc. 16.

26 Gabriel Pereira, Documentos Históricos…, p. 40 e p. 44.

27 O forte engajamento na vida pública local é testemunhado pela sua presença em alguns dos mais significativos atos administrativos e políticos que se iam realizando na cidade. É o caso, por exemplo, da Concordata realizada entre D. Dinis e o Concelho de Évora, em 1286, na qual Rui Martins Façanha surge a encimar a lista de homens bons e de cidadãos ilustres da cidade, testemunho da proeminência social que já então gozava a nível local. Veja-se, Gabriel Pereira, Documentos Históricos…, pp. 42-44.

28 É o caso, na centúria de trezentos, de Vasco Afonso Façanha, Afonso Rodrigues Façanha e Estêvão Rodrigues Façanha.

29 ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro de Posturas Antigas, fls. 19v, 53 e 64.

30 ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro de Posturas Antigas, fl. 18; ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro primeiro de Pergaminho (No 67), fls. 45-46.

31 ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro de Posturas Antigas, fl. 12v, 13v, 14, 19, 19v, 28v e 64.

32 As primeiras referências a regedores em Évora, de que temos conhecimento, datam desse ano, cf. Gabriel PEREIRA, Documentos Históricos…, p. 146. O cargo terá existido na cidade até 1431, quando nos chegam as últimas notícias a ele respeitante, cf., ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro Primeiro de Pergaminho (No 67), fls. LXXXVII-LXXXVIIv. Face à escassez de informes, torna-se difícil ajuizar da regularidade da existência do cargo ao longo dos anos do intervalo (1378-1431).

33 Mesmo a historiografia tradicional, que, como se sabe, concedia uma forte importância ao institucional, pouco se demorou com os regedores. Historiadores como Herculano, Merêa, Gama Barros passaram praticamente ao lado deste cargo. Marcello Caetano, na sua história do Direito, concedeu-lhe, apenas, uma breve abordagem, veja-se Marcelo CAETANO, História do Direito Português (1140-1495), Lisboa-S. Paulo, Editorial Verbo, 1981, p. 325. Mais proximamente, autores como Mário Farelo e Hermínia Vilar, na linha de Marcelo Caetano, têm vindo a ligar o seu aparecimento a conjunturas de acentuada conflitualidade política e social, como o foram o reinado de D. Fernando e o início da governação joanina, mas também a alertar para o interesse régio em sintonizar os poderosos concelhos com as suas políticas. A nomeação dos regedores justificava-se, por um lado, pela necessidade de pacificação dos próprios núcleos urbanos, bem como pela necessidade de garantir o apoio das oligarquias locais aos respetivos projetos políticos. Um dado que encontra similitudes com o que se foi passando em Castela e em outros reinos peninsulares. Veja-se Mário FARELO, A oligarquia camarária…, pp. 282-290.

34 Cf. Maria Helena da Cruz COELHO, “O Poder Concelhio em tempos medievais…”, pp. 26.

35 Sobre o reinado de D. Fernando, veja-se Salvador Dias ARNAUT, A Crise Nacional dos Fins do Século XIV, I. A Sucessão de D. Fernando, Coimbra, Faculdade de Letras, 1960; Salvador Dias ARNAUT, “A Crise Nacional dos Fins do Século XIV (Contribuição para o seu Estudo)”, Anais da Academia Portuguesa da História, 2.ª série., 30 (1985), pp. 51-79; Joel SERRÃO e A. H. de Oliveira MARQUES (dirs.), Nova História de Portugal, vol. IV – Portugal na crise dos séculos XIV e XV, autoria de A. H. de Oliveira MARQUES, Lisboa, Presença, 1987; Rita Costa GOMES, D. Fernando, Lisboa, Círculo de Leitores, Lisboa, 2005; Fátima Regina FERNANDES, O reinado de D. Fernando no contexto das relações régio-nobiliárquicas, Tese de Doutoramento (texto policopiado), Universidade do Porto, 1996 (Publicado como Sociedade e poder na baixa Idade Média. Dos Azevedos aos Vilhena: as famílias da nobreza medieval portuguesa, Curitiba, Editora da Universidade Federal do Paraná, 2003). Para uma compreensão genérica das tomadas de posição da nobreza do reinado de D. Fernando, relativamente a 1383-85, consulte-se Maria José Pimenta Ferro TAVARES, “A Nobreza no Reinado de D. Fernando e a sua Actuação em 1383-1385”, Revista de História Económica e Social, 12 (1983), pp. 45-87.

36 Fernão LOPES, Crónica de D. Fernando…, cap. CXXXIV.

37 Fernão LOPES, Crónica de D. Fernando…, cap. CXVII.

38 Cf. ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro de Posturas Antigas, fl. 14. As referências ao muro quebrado surgem desde 1379, cf., por exemplo, BPE, Pergaminhos Avulso, pasta 4 (S. Bento), doc. 30.

39 Gabriel Pereira, Documentos Históricos…, p. 163.

40 A intervenção dos concelhos na designação dos alcaides dos respetivos castelos verificou-se, pelo menos em determinados períodos, conforme demonstrou João Gouveia Monteiro, em diversas cidades e vilas portuguesas, sobretudo nos concelhos de maior importância, como Lisboa ou o Porto, que amiúde reclamam junto do rei a manutenção desse seu privilégio. Veja-se João Gouveia MONTEIRO, A guerra em Portugal nos Finais da Idade Média, Lisboa, Editorial Notícias, 1998, pp. 137-139; João Gouveia MONTEIRO, Os Castelos Portugueses dos Finais da Idade Média. Presença, perfil, conservação, vigilância e comando, Lisboa, Edições Colibri/Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 1999, pp. 234-247. Também Miguel Gomes Martins, no seu estudo sobre a alcaidaria de Lisboa, faz referência ao desejo manifestado pelo concelho no sentido de ter uma voz ativa na escolha do alcaide, veja-se Inês Morais VIEGAS, Miguel Gomes MARTINS (coord.), A alcaidaria e os alcaides de Lisboa durante a Idade Média: (1147-1433), Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa/Direção Municipal de Cultura, 2006, p. 44. O processo de nomeação e o próprio perfil dos alcaides é bastante mal conhecido para Évora, com exceção do século XV, ao longo do qual a alcaidaria esteve maioritariamente em mãos da família Melo.

41 Veja-se, por exemplo, ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro de Posturas Antigas da Câmara de Évora, fls. 14v, 18-18v, 19 e 55.

42 ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro de Posturas Antigas da cidade de Évora (no 206), consultável em: http://www.cidehus.uevora.pt/textos/fontesul/fsul_olivrodasposturas.pdf.

43 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. I, cap. XLV, pp. 90-92.

44 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. I, cap. XLIV, p. 88.

45 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. I, cap. XLIV, p. 88.

46 O documento intitula-se: “Estromento de como o concelho e pouo da cidade de Euora outorgarom a el Rey dom johom o primeiro as sysas jeraaes pera guerra de Castela per hum anno se tamto durasse pela guisa que as outra vez outorgaram a el Rey dom fernando”. Publicado por Gabriel Pereira, Documentos Históricos…, pp. 88-93. Maria Ângela Beirante efetuou uma análise detalhada deste documento: Maria Ângela BEIRANTE, “O Alentejo na segunda metade do século XIV – Évora na crise de 1383-1385”, Estudos Medievais, 7 (1986), pp. 119-154.

47 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. I, cap. LXXXVII, pp. 165-167.

48 ACSE, RR5 a. Publicação e análise por Maria Ângela BEIRANTE, “O Alentejo na segunda metade do século XIV…”, pp. 145-149.

49 Veja-se, também, a análise do documento efetuada por Maria Ângela BEIRANTE, “O Alentejo na segunda metade do século XIV…”, pp. 133-144.

50 Sobre o conselho e o núcleo de cavaleiros e escudeiros que constituíam a “companhia de armas” de Nuno Álvares, veja-se Miguel Gomes MARTINS, “Nuno Ávares e a arte da guerra”, texto apresentado no colóquio D. Nuno Álvares Pereira. O Homem e a Memória, em Maio de 2004. Consulta em: http://www.icea.pt/Conferencias/Conferencia1/Conf01_03.pdf.

51 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. I, cap. XCI, p. 173.

52 Fernão Lopes Lobo, no seu testamento, faz explicita referência ao facto de ter participado na batalha de Aljubarrota, ao lado do monarca, cf. ANTT, Capelas de Évora, fl. CI. Veja-se, também, BPE, Pergaminhos Avulso, Pasta 5, doc. 44.

53 Estoria de Dom Nuno Alvrez Pereyra… Sobre esta crónica e os seus reflexos em Fernão Lopes, veja-se Teresa AMADO, “Crónica do Condestável”, História e Antologia da Literatura Portuguesa. Séculos XIII e XIV, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Série HALP, no 4, 1997, pp. 24-25.

54 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. II, cap. XXXVIII, p. 96 e cap. CXCVIII, p. 451.

55 Estoria de Dom Nuno Alvrez Pereyra…, cap. XXXVII. Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. I, cap. CLVIII. p. 338; Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. II, cap. XXXVIII, p. 96 e cap. XLV, p. 120.

56 Cf. Estoria de Dom Nuno Alvrez Pereyra…, cap. XXVIII.

57 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. II, cap. XXXVIII, p. 96.

58 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. I, cap. CLIX, p. 341

59 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. I, cap. CLIX, p. 341. Tanto quanto supomos, Fernão Gonçalves Façanha, que encontramos no concelho em 1414 e 1416, enquanto juiz do cível – nesses anos identificado como vassalo do rei, mas que, em 1408, como testemunha de um aforamento de bens concelhios, é referenciado como mercador – corresponderá ao mesmo Fernão Gonçalves que encontramos, de forma bastante frequente neste período, a desempenhar um conjunto de funções na albergaria do Corpo de Deus de Santo Antoninho, como alcaide, mordomo ou confrade, entre 1380 e 1409. Este Fernão Gonçalves, mercador, é identificado como criado de Vasco Rodrigues Façanha, com o qual partilha, em alguns anos, as funções de alcaide do referido Hospital. A relação entre Fernão Gonçalves e Vasco Rodrigues Façanha deve, de facto, ter sido bastante próxima: surge como seu “herdeiro” nos prazos de bens que o primeiro trazia de foro do cabido da Sé de Évora; no livro de aniversários do Cabido, refere-se que jaz enterrado, com sua mulher Clara Eanes, junto de Vasco Rodrigues Façanha. É, pois, bastante provável que Fernão Gonçalves Façanha seja, de facto, criado de Vasco Rodrigues Façanha. Corrobora também essa possibilidade o facto de um dos filhos de Fernão Gonçalves, mercador, Vasco Fernandes, surgir como juiz concelhio, em 1415-16, identificado como Vasco Fernandes Façanha. Sobre Fernão Gonçalves Façanha, veja-se ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro Primeiro de Pergaminho, no 67, fls. XLVIv-XLVII, LXIIv-LXIII e LIXX-LXIXv; ADE, Arquivo da Misericórdia, no 61 – Pergaminhos do Hospital do Corpo de Deus de Santo Antoninho, fls. 6, 7, 9, 11, 12, 13-13v, 16, 17-17v, 18v-19, e 84-84v. ACSE, CEC4-XVII, fl. 19-19v.

60 Em 1406/06/18, Vasco Rodrigues Façanha é identificado como juiz do crime, cf. ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro Primeiro de Pergaminhos (no 67), fls. XLIV, XLIV (v), XLV. A crer em informações recolhidas na documentação da Albergaria do Corpo de Deus de Santo Antoninho, Vasco Rodrigues Façanha deverá ter falecido entre o final desse ano e o mês de Abril de 1407, data em que o seu genro, Gonçalo Dias de Espinho, diz ter herdado por morte do seu sogro umas casas, na Rua de Alconchel, uma das quais era do foro do Hospital, ADE, Arquivo da Misericórdia, no 61 – Pergaminhos do Hospital do Corpo de Deus de Santo Antoninho, fl. 80.

61 Gabriel Pereira, Documentos Históricos…, p. 161. BPE, Convento de S. Domingos, Tombo, fl. 162v.

62 ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro de Posturas Antigas, fl. 53; Gabriel Pereira, Documentos Históricos…, p. 161.

63 Diego Lopes Lobo recebe a renda dos tabeliães da cidade (ANTT, Chancelaria de D. João I, Livro I, fl. 113), para além dos lugares de Alvito e vila nova, com jurisdição civil e criminal (ANTT, Chancelaria de D. João I, Livro I, fls. 4 e 200v).

64 Estoria de Dom Nuno Alvrez Pereyra…, cap. XXXVII.

65 Diogo Lopes Lobo, Estêvão Fernandes Lobo, Fernão Lopes Lobo, cf. Fernão LOPES, ANTT, Crónica de D. João I…, vol. II, cap. XXXVIII, p. 96. Fernão Lopes Lobo recebe privilégio de coutada de herdades no termo de Évora (ANTT, Chancelaria de D. João I, fl. 36).

66 Fernão LOPES, Crónica de D. João I…, vol. II, cap. XXXVIII, pp. 96-97.

67 José MATTOSO, “A Nobreza e a Revolução de 1383”, Fragmentos de uma Composição Medieval, 2a ed., Lisboa, Editorial Estampa, 1993, pp. 280-281.

68 Caso de Fernão Gonçalves D’Arca e de seu filho, João Fernandes D’Arca, cf. Fernão LOPES, Crónica de D. João I, vol. II, cap. XXXVIII, p. 96. Em 1402, D. João I confirma doação de azenhas de Ana Loura, em Estremoz a Fernão Gonçalves D’Arca (ANTT, Chancelaria de D. João I, Livro II, fl. 36), coutando a Herdade de Sousel e da Feuza em Deus, ambas no termo de Évora (ANTT, Chancelaria de D. João I, Livro III, fl. 90v).

69 ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro de Posturas Antigas, fl. 65; Gabriel Pereira, Documentos Históricos…, p. 163. Sobre o conselho do rei e as lógicas subjacentes à sua composição, veja-se Armando Luís de Carvalho HOMEM, “Conselho real ou conselheiros do Rei? A propósito dos ‘Privados’ de D. João I”, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, II, 4 (1987), pp. 9-68.

70 Rodrigo Álvares Pimentel, doação dos bens que foram de João Fernandes Cogominho (ANTT, Chancelaria de D. João I, Livro I, fl. 36v).

71 Doação de casas em Évora a Álvaro Pires Carvoeiro (ANTT, Chancelaria de D. João I, Livro I, fl. 76v).

72 João Esteves Lourinho, respetivamente (ANTT, Chancelaria de D. João I, Livro III, fl. 51); Nuno Fernandes de Chaves, doação da renda dos mouros da cidade de Évora (ANTT, Chancelaria de D. João I, Livro I, fl. 69).

73 Nos anos iniciais do século XV é notória a crescente intervenção régia na vida concelhia eborense. Data desse período um conjunto de normas e orientações relativas ao funcionamento do concelho, que vão desde a organização do arquivo municipal até à definição de competências dos vários cargos, expressas no Regimento da cidade de Évora, mandado elaborar, provavelmente, nos anos vinte do século XV, pelo corregedor da corte, João Mendes. Este é um bom exemplo do esforço levado a cabo pelo centro político no sentido da regulação do exercício do poder concelhio, delimitando-se competências e definindo-se perfis de desempenho para cada um dos cargos. Veja-se “Os Regimentos de Évora e de Arraiolos do século XV”, introdução e notas de Hermínia VILAR, consultável em: http://www.cidehus.uevora.pt/index_edicoes.htm.

74 Casado com Guiomar Façanha, filha de Lopo Rodrigues Façanha, cf. ADE, Arquivo da Misericórdia, no 61 – Pergaminhos do Hospital do Corpo de Deus de Santo Antoninho, fl. 80.

75 Procurador do concelho (1402), juiz ordinário (1408), procurador dos Fidalgos (1417), cf. respetivamente, ADE, Arquivo da Câmara Municipal de Évora, Livro 1 ° de Pergaminhos, no 67, 31v-33, 54v-55 e 73v-74.

76 D. João I, identificando-o como vassalo Régio, concede-lhe privilégio de coutada da sua herdade da Pecena, em Monte do Trigo, no limite do termo de Évora, cf. ANTT, Chancelaria de D. João I, Livro II, fl. 127v. Sobre o poderoso património imobiliário dos Espinho e alguns dos seus interesses económicos, veja-se, por exemplo, ANTT, Capelas de Évora, fls. XLVII e fls. XCI-XCII; ACSE, CEC 3-1, fl. 37; ADE, Arquivo da Misericórdia, Livro 62 – Pergaminhos do Hospital de Jerusalém, fls. 104-105v.

77 Veja-se Maria Ângela BEIRANTE, Évora na…, p. 542.

78 Cf. nota 60.

79 Detetamo-lo como juiz do cível, em 1414, cf. ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro primeiro de Pergaminho (no 67), 63v-64, fls. 70-70v.

80 Cf. ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro Pequeno de Pergaminho (no 66), fls. 57, 57v; idem, Livro Primeiro de Pergaminho (no 67), fls. 73v-74, 74-75, 76-77, 79-79v, 90-90v, 98-98v, 99-99v, 100v-101,105-105v.

81 ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro Pequeno de Pergaminho (no 66), fls. 110-111,111-111v, 135-135v, 136v-137,139v-140; ADE, Câmara Municipal de Évora, Livro 2 ° de originais (no 72), fl. 74.

© Publicações do Cidehus, 2012

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search