Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Categorias sociais e mobilidade urbana na Baixa Idade Média

 | 
Hermínia Vasconcelos Vilar
, 
Filomena Lopes de Barros

Os cavaleiros de Santarém na segunda metade do século XIII

Mário Viana

Texte intégral

Introdução

1Neste texto trato essencialmente do problema da distinção entre os cavaleiros vilãos e os cavaleiros de linhagem no contexto de um dos grandes centros urbanos portugueses da Idade Média. Abordo as questões da evolução da cavalaria vilã e da sua articulação com os poderes local e central. Os percursos de três cavaleiros, Rui Pais Bugalho, João Viegas e Silvestre Peres, servem para detalhar com uma informação rica a temática da cavalaria urbana e das suas ramificações.

1. Milites

2Durante a Reconquista portuguesa a palavra milites designou uma camada superior de guerreiros especialmente ativos nas regiões de fronteira cujo desenvolvimento foi proporcional à necessidade de efetivos para viabilizar a defesa e o povoamento dos novos territórios. Esta camada dividia-se em dois grupos. O grupo dos cavaleiros per naturam, ao qual corresponde o duplo sentido vassálico e profissional associado a milites. E o grupo a que corresponde apenas o sentido profissional ou funcional do termo, identificado por expressões como cives milites, plebeis militibus, militibus vilanis.

  • 1 Robert DURAND, Les campagnes portugaises entre Douro et Tage aux XIIe et XIIIe siècles, Paris, Fund (...)

3No estudo dos milites um problema de base não está na comprovação da existência daquela camada, bem atestada na documentação, e aprofundadamente estudada por Robert Durand e José Mattoso1. Está sim na distinção dos elementos pertencentes ao grupo dos cavaleiros por nascimento ou de linhagem e ao grupo dos cavaleiros vilãos, que nem sempre é possível estabelecer de forma clara.

  • 2 Alguns exemplos: Alexandre HERCULANO, Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, Lisboa, Acade (...)
  • 3 O uso de dom (< domnus) está longe de ser de uso exclusivo dos cavaleiros. Em Santarém, no século X (...)
  • 4 João Pedro RIBEIRO, Dissertações cronológicas e críticas sobre a história e jurisprudência eclesiás (...)
  • 5 Pedro de AZEVEDO e Anselmo Braamcamp FREIRE, Livro dos bens de D. João de Portel. Cartulário do séc (...)
  • 6 Pedro de AZEVEDO e Anselmo Braamcamp FREIRE, Livro dos bens de D. João de Portel…, n.o 7 (1260: mil (...)

4Por vezes o contexto em que a menção a um determinado cavaleiro é feita ajuda a efetuar a distinção entre os grupos referidos. Assim, incluem-se entre os cavaleiros por nascimento os milites que pululam nas inquirições de 1258, debicando migalhas dos direitos e domínios reais. Desde logo quando o redator da ata acrescenta ao respetivo nome um locativo de origem2. Já no caso das listas de testemunhas de instrumentos tabeliónicos feitos nos concelhos do sul o termo miles recai frequentemente sobre um cavaleiro vilão. Mas, devido à inconstância antroponímica destas listas, o mesmo indivíduo pode ou não ser registado com a categoria de miles, além de apresentar combinações alternativas de nome próprio, patronímico e nome de família, ou simplesmente o primeiro destes elementos, antecedido de uma fórmula reverencial de tratamento (domnus)3. Em princípio mais clarificadoras, mas menos abundantes, são as menções que sugerem o contexto urbano da cavalaria, tais como militis Sanctarene ou miles Sanctarenensis4, milites Elbore ou militibus Elborensibus5, milites et uicini de Maura6, entre outros exemplos possíveis.

  • 7 José MATTOSO, Identificação de um país…, vol. 1, pp. 359-360.

5O problema da distinção entre cavaleiros por nascimento e cavaleiros vilãos coloca-se, creio, com maior premência em relação às listas de testemunhas dos documentos elaborados nos centros urbanos do sul, onde os ávidos cavaleiros de Entre Douro e Minho se deixavam atrair e misturar com os cavaleiros da terra. Porém, a prática permitia reconfigurar os grupos sempre que necessário. Por exemplo, quando reunidos, os cavaleiros por nascimento dependiam do representante militar do rei, o alcaide, enquanto os cavaleiros vilãos dependiam do adaíl, exceto se tivessem recebido cavalarias do rei, situação em que ficavam também sob a autoridade do alcaide7.

2. Evolução da cavalaria vilã

6Outro problema de base é o da evolução do grupo de cavaleiros vilãos, cuja análise é constrangida pela interpretação como simples híbrido das categorias de nobre e não nobre que a própria origem ideológica do conceito de vilania acaba por desmentir. Detalhemos, entretanto, aquelas que penso serem as grandes fases dessa evolução.

7A primeira fase, como já foi referido, é a da Reconquista, com a formação de uma elite de proprietários armados que foi uma das condições da superioridade militar cristã frente ao islão peninsular. A formação desta elite assegurou uma liderança municipal empenhada na expansão territorial e facilitou a penetração da nobreza nos núcleos urbanos da Estremadura e do sul a partir dos seus escalões inferiores. Mas, em especial, fortaleceu o poder régio por via da necessidade de contínua manutenção dos privilégios jurídicos e fiscais gozados pelos cavaleiros vilãos, que eram afinal aquilo que eles próprios viam como o núcleo dos seus foros, bons usos e costumes.

  • 8 Como exemplos, tendo por base as inquirições de 1258, podem ver-se, entre outros estudos, Iria GONÇ (...)
  • 9 Zeferino BRANDÃO, Monumentos e lendas de Santarém, Lisboa, David Corazzi – Editor, 1883 (edição) e (...)
  • 10 Cf., para a expressão, José María MONSALVO ANTÓN, “Transformaciones sociales y relaciones de poder (...)

8A segunda fase, que podemos colocar por volta de 1250, corresponde ao fim das condições políticas e sociais que tinham dado lugar às primeiras gerações de milites. Nas novas condições os monarcas aproveitam todas as oportunidades para aumentar os seus meios de governação. Em relação aos centros urbanos mais ricos mostram-se pelo menos tão ávidos como os nobres de Entre Douro e Minho em relação aos próprios direitos e domínios reais8. Os códigos de direito local, compostos durante o século XIII, conhecidos por Costumes, comprovam o novo quadro em que se insere a cavalaria vilã. Os Costumes de Santarém, por exemplo, cuja primeira versão conhecida terá sido composta entre 1268 e 12809, já não revelam qualquer interesse em desenvolver a prestação de serviço militar a cavalo. Ligados quer à atividade legislativa estatal quer a um contexto de «superação da primitiva sociedade de fronteira»10, preocupam-se, sim, na sua maior parte, com matérias de direito e fiscalidade. Compreende-se então que os representantes dos interesses dominiais e fiscais do rei (mordomo, porteiros do mordomado, saiões, almoxarife e ovençais) surjam neste texto em preponderância. Em conjunto reúnem cerca de 70 citações, sendo seguidos pelo representante militar, o alcaide, com 42 citações. Em comparação, ao nível do poder local, os alvazis reúnem 35 citações, os almotacés 15 e os porteiros do concelho outro tanto.

9A preponderância dos funcionários régios é inevitável num quadro de crescimento do poder central economicamente suportado pelos centros urbanos. Assim, nas cidades e vilas do senhorio régio, o grupo dos cavaleiros vilãos integra-se numa elite urbana dedicada ao controlo do poder local, da qual participam também cavaleiros de linhagem, clérigos e mercadores. A formação desta elite constitui para o poder régio uma das condições da sua superioridade frente a outros poderes.

  • 11 Maria Teresa Campos RODRIGUES, e Nuno Espinosa Gomes da SILVA, Livro das leis e posturas, Lisboa, F (...)

10Por fim, a terceira fase inicia-se com a colocação de um marco limitativo na evolução da cavalaria vilã como instituição. Penso que esse marco corresponde à lei promulgada por D. Dinis em 130511 na qual o monarca reserva para si, ou para quem seu mandado tiver, a capacidade de fazer cavaleiros os homens dos concelhos. Diploma habilmente redigido, transmite a ideia de servir em comum os interesses dos concelhos e da coroa. E na verdade, os objetivos expressos interessavam às duas partes, uma vez que se procurava evitar a multiplicação de indivíduos isentos dos encargos municipais e, por outro lado, impedir o acesso dos senhores poderosos (ricos homens) ao recrutamento de cavaleiros no espaço concelhio. Mas é igualmente verdade que um terceiro e um quarto objetivos decorrem logicamente da aplicação da lei. São eles, a curto prazo, a limitação de crescimento da cavalaria vilã para além dos limites já alcançados, e a médio e longo prazo a redução dos seus efetivos por efeito da natural erosão biológica das famílias.

3. Cavaleiros de Santarém

3.1. Percursos estudados

11De um ponto de vista metodológico, o cabal apartamento entre os dois grupos referidos depende de duas linhas de trabalho articuladas entre si: amostragens e levantamentos prosopográficos que permitam definir o âmbito e composição de cada grupo, e a produção de estudos de caso ilustrativos de percursos individuais.

  • 12 Mário VIANA, "Os cavaleiros de Santarém nos séculos XII e XIII", Arquipélago. História, 9-10 (2005- (...)

12Relativamente a Santarém, dentro destas duas linhas de investigação, existem já um levantamento das primeiras gerações de cavaleiros escalabitanos, até à primeira metade do século XIII12, e a reconstituição dos percursos de um cavaleiro por nascimento e de um outro cavaleiro, vilão, cuja cronologia se desenvolve dentro da segunda metade do mesmo século.

  • 13 Bernardo Maria Godinho de Sá NOGUEIRA, e Mário VIANA, “Rui Pais Bugalho, privado del-rei D. Dinis. (...)
  • 14 José MATTOSO, Livro de linhagens do conde D. Pedro, Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa, 1980, (...)
  • 15 Pedro de AZEVEDO e Anselmo Braamcamp FREIRE, Livro dos bens de D. João de Portel…, n.o 187. Numa at (...)
  • 16 José MATTOSO, Livro de linhagens do conde D. Pedro…, vol. II/1, p. 401. Registe-se, contudo, uma Ur (...)

13Rui Pais Bugalho13 é o nome de um cavaleiro identificado no Livro de linhagens do conde D. Pedro como «de um escudo e uma lança»14, fórmula que associada à alcunha de família o confirma como elemento da pequena nobreza, mais concretamente de uma família do julgado da Maia. Como tantos outros cavaleiros da região senhorial de Entre Douro e Minho, cedo terá descido para Sul, provavelmente atraído por uma fronteira em vias de desaparecimento. Não sabemos ao certo se participou nas últimas empresas da Reconquista, mas recebeu bens em Arronches (conquistada em 1261), e um seu meio-irmão obteve a alcaidaria de Marvão. Vassalo, primeiramente do infante D. Afonso, irmão de D. Dinis, passará em 1281 para a vassalagem régia. Porém, não data de então a sua ligação a Santarém, pois já em 1272 o encontramos registado como proprietário no campo de Toxe15, pertencente ao termo da dita vila, juntamente com sua mulher Urraca Eanes. A esta chama o Livro de linhagens do conde D. Pedro Urraca de Santarém, e nada mais sabemos dela16. Seria talvez filha de um mercador local, hipótese que não é totalmente gratuita, como veremos. Vizinho, por casamento, de uma vila onde os falcoeiros e trovadores não eram estranhos à nova alcáçova mandada construir por Afonso III, não é de admirar que em 1290 o rei D. Dinis trate Rui Pais Bugalho por seu açoreiro. Mas os seus serviços à coroa eram mais variados do que isso: inquiridor nas terras de Basto, desembargador tout court, testemunha de cartas régias, devisor, avaliador de propriedades, são alguns dos que estão documentados.

  • 17 José MATTOSO, Livro de linhagens do conde D. Pedro…, vol. II/1, p. 326 (dona Maria Afonso, “filha d (...)
  • 18 DHCL. LIM1949, n.o 2; João Martins da Silva MARQUES, Descobrimentos portugueses. Documentos para a (...)
  • 19 José MATTOSO, Livro de linhagens do conde D. Pedro…, vol. II/2, pp. 165 (“Rui Paaez Bugalho, que fo (...)

14O percurso de Rui Pais Bugalho, já de si bem sucedido, pode-se considerar rematado de duas formas. Pelos seus filhos, Fernão Rodrigues Bugalho, casado com a filha de um importante mercador de Santarém, Afonso Guilherme17, que virá, além disso, a ser alcaide de Lisboa, e Teresa Rodrigues Bugalho, unida pelo casamento à linhagem dos Pimentéis. E pelos títulos que ostenta ou lhe são atribuídos. “Dom”, claramente com sentido nobiliárquico, num instrumento de composição de 1297, entre o concelho da cidade de Lisboa e a gente do mar de Biscaia, de uma parte, em que testemunha no segundo lugar, logo a seguir ao bispo de Lisboa18. E “privado” do rei que o já citado D. Pedro, filho bastardo de D. Dinis e conde de Barcelos, lhe atribui, e que podia ser compartilhado com nobres de condição superior à sua19.

  • 20 Como cavaleiro de Santarém é mencionado, por exemplo, em 1255 (João Egas, miles Sanctarenencis – Jo (...)
  • 21 Maria Filomena ANDRADE, “João Viegas, cavaleiro de Santarém: um percurso patrimonial”, Santarém na (...)
  • 22 ANTT, SCS, mç. 2, n.o 73 (1282: in loco qui dicitur Romeyra Johanjs Egee), ANTT, SCS, mç. 4, n.o 13 (...)
  • 23 ANTT, SCS, mç. 3, n.o 87 (1261). O termo deffensam deve ser aqui o equivalente de devesa muito freq (...)
  • 24 Sobre as cavalarias veja-se José MATTOSO, Identificação de um país…, vol. 1, pp. 357-360.
  • 25 Em 1282, João Egas, cavaleiro, e sua mulher Maria Martins, fazem composição com Fátima, sua sarrace (...)
  • 26 Pedro Gomes BARBOSA, Povoamento e estrutura agrícola na Estremadura central, Lisboa, Instituto Naci (...)

15O segundo percurso que acompanharemos é o de João Viegas, cavaleiro e vizinho de Santarém20. Os seus dados pessoais conservados desdobram-se entre 1249 e 129421. O traço distintivo é, neste caso, o de grande proprietário. Em Santarém, uma das aldeias do termo, a Romeira, é nomeada em alternativa por Póvoa de João Egas22. No campo de Caçarabotão conduz ao longo de décadas uma persistente estratégia de aquisição que atinge no mínimo trinta parcelas. Tem vários prédios urbanos, em especial na freguesia de Marvila, e outros, rústicos, em Alvisquer, Alviela, Fairro e Horta Lagoa. Neste último local possuía uma deffensam junto do reguengo, a qual, feita inquirição pelo alcaide (pretor) e alvazis, se comprovou existir já no reinado de Afonso II (1211-1223)23. Trata-se, provavelmente, de uma cavalaria que recebeu por via do progenitor, Egas Peres24. Podem-se-lhe ainda apontar interesses esclavagistas25. Os seus interesses patrimoniais chegam, enfim, a Lisboa, onde possui bens em sete locais diferentes, com destaque para os casais e vinhas do Lumiar. O filho, Estêvão Eanes, está documentado como alcaide de Óbidos, e vassalo da rainha dona Isabel, a quem pertencia a nomeação daquela alcaidaria26. Nesta condição proporciona um exemplo de mobilidade social entre as categorias vilã e nobre ocorrida à terceira geração. Continua a estratégia aquisitiva do pai mas amplia-a com propriedades de maior prestígio, duas quintas, uma no termo de Óbidos e outra no termo de Alenquer. A neta, Maria Esteves, dita Mafarra, será abadessa de Santa Clara de Santarém, e é sem dúvida a ela que se deve, em última análise, todo este memorial, incorporando os pergaminhos da família no cartório do seu mosteiro.

16Mobilidade territorial e serviço régio, mobilidade social entre os escalões superior da vilania e inferior da nobreza, irradiação regional das famílias, suportada por casamentos e aquisições patrimoniais, sistemáticas ligações às instituições monásticas, tais me parecem ser as linhas de força dos percursos evocados.

3.2. Aspectos quantitativos

17Vejamos agora alguns aspetos quantitativos sobre os cavaleiros de Santarém, dentro da janela de observação considerada (1230-1300). Em primeiro lugar, é preciso chamar a atenção para o caráter dos dados utilizados. Documentação fragmentária e dispersa como a que utilizei só pode dar origem a amostragens prosopográficas e não a levantamentos sistemáticos, como é o caso dos proporcionados pelos livros de vereações dos séculos XV e XVI. É difícil avaliar o grau de distorção dos resultados obtidos.

18Assim, identifiquei um total de 139 cavaleiros, optando por classificar 50 como cavaleiros por nascimento, e 89 como cavaleiros vilãos (por vezes, em ambos os casos, com dúvidas). Em termos percentuais a proporção é respetivamente de 36% e 64%. Mas tendo em conta que é provável uma inflação do número de cavaleiros vilãos, devido a identificações falhadas, é mais aceitável uma proporção 40/60. As identificações falhadas são inevitáveis tendo em conta a frequente insuficiência de muitas referências antroponímicas, e sobretudo o facto de mais de 60% dos cavaleiros em causa serem conhecidos apenas por um único documento. Apenas para um pouco mais de 20% dos casos podemos acompanhar os percursos destes indivíduos por períodos cronológicos superiores a uma década, beneficiando mais do cruzamento de referências.

  • 27 Pedro de AZEVEDO, “O trovador Martim Soares e seu filho João Martins", Revista Lusitana, 5 (1897), (...)

19Outro aspeto que pude estabelecer quantitativamente é a participação dos cavaleiros no poder local através do exercício do cargo de alvazil. Como se poderá comprovar num dos anexos deste trabalho, reuni os nomes de 56 alvazis de Santarém, desde 1187. Destes, 39 pertencem à segunda metade do século XIII. Número muito razoável tendo em consideração os 50 anos em análise e os limites ao exercício do cargo. Dezassete são identificáveis como cavaleiros, o que resulta numa proporção entre cavaleiros e não cavaleiros, no alvazilato, de 44% e 56% respetivamente. Uma carta régia outorgada ao concelho de Santarém em 129227, que determina sejam os homens bons eleitos para alvazis um cavaleiro e o outro cidadão, parece-me reforçar a justeza destes valores.

3.3. Os cavaleiros e o poder

  • 28 Pedro de AZEVEDO, “O trovador Martim Soares e seu filho João Martins", Revista Lusitana, 5 (1897), (...)
  • 29 José MATTOSO, “Os nobres nas cidades portuguesas da Idade Média”, Portugal medieval. Novas interpre (...)

20Do que até aqui disse concluo, naturalmente, que Santarém exerce uma forte atração sobre a nobreza, embora maioritariamente sobre uma nobreza de filhos segundos e de ramos secundários. Mas já outros o fizeram antes. Vale a pena recordar Pedro de Azevedo, que em 1897, chamava a atenção para os frequentes casamentos que os nobiliários medievais registam com as «plebeias ricas de Santarém»28. E José Mattoso, que um século depois, num texto sobre os nobres nas cidades portuguesas da Idade Média, evidenciou escolherem muitos deles esta vila para casar e residir, construir propriedades de prestígio e servir o rei29.

21Sobretudo servir o rei, pois servir o poder local, investidos na dignidade de alvazil parece interessar apenas a uma minoria: 12% do total de cavaleiros. O interessante é que cavaleiros por nascimento e cavaleiros vilãos participam de forma idêntica nesta minoria, o que a meu ver é mais um sinal da emulação destes em relação àqueles.

22Esta questão da emulação é, como veremos uma das duas questões chaves que coloquei. A outra questão, que não podia deixar de colocar sob pena de retirar vida e interesse a um trabalho de história social, é se os nobres de Santarém se limitavam a viver dos seus rendimentos materiais e simbólicos. Felizmente penso que posso dar uma resposta através da análise de um conjunto de onze documentos, distribuídos entre 1252 e 1305, que permitem perceber um pouco o que era o concelho de Santarém, nesta época, enquanto orgão de poder. Deste grupo destaquei dois documentos.

  • 30 Pedro de AZEVEDO, “O trovador Martim Soares e seu filho João Martins", Revista Lusitana, 5 (1897), (...)

23Pelo primeiro documento, de 129430, conhecemos em parte a composição da assembleia que decidiu da doação do paul de Magos ao rei. À cabeça dos 41 subscritores do documento final temos em primeiro lugar Fernando Dade, filho do alcaide-mor Martinho Dade; e a seguir:

  • Gomes Pais da Silva, um nobre que é genro do dito alcaide-mor;

  • o meirinho-mor do rei, João Simão;

  • o mordomo do infante dom Afonso;

  • o nosso já conhecido Rui Pais Bugalho, vassalo régio;

  • vários cavaleiros por nascimento.

  • 31 João Pedro RIBEIRO, Dissertações cronológicas…, tomo 1, n.o 74. Veja-se também a interpretação de J (...)

24Pelo segundo documento, de 130531, conhecemos igualmente em parte a composição da assembleia que decidiu da doação de outras importantes propriedades ao rei, no caso concreto as lezírias da Fraceira e da Atalaia. À cabeça dos 45 subscritores do documento final temos em primeiro lugar dom Pedro Eanes Portel, filho de João Peres de Aboim, rico homem, figura proeminente da corte; e a seguir:

  • um futuro meirinho-mor de dom Dinis (1312-1318), Rodrigo Eanes Redondo;

  • o almoxarife de Lisboa;

  • um ex-almoxarife de Santarém (1302);

  • um ex-alcaide de Santarém (1294-1296);

  • vários cavaleiros por nascimento.

25Respondendo então à questão colocada, os nobres de Santarém não se limitavam a viver dos seus rendimentos materiais e simbólicos. Estabeleciam a articulação entre o poder local e o poder central, permitindo, se não sempre, pelo menos quando importava, a subordinação do concelho aos interesses régios.

3.4. A ideologia cavaleiresca: dom Silvestre Peres

  • 32 Entre 1251 (ANTT, CHE, mç. 13, n.o 251) e 1298 (ANTT, Chr. D. Dinis, liv. 3, fl. 3 e v.). Em 1305 j (...)

26Voltemos agora à questão da emulação do modelo cultural nobre. Utilizo, para o efeito, o caso de Silvestre Peres, cavaleiro de Santarém. Graças, sobretudo, ao cartório do mosteiro de Alcobaça, possuímos várias dezenas de menções a esta personagem, que se espraiam por toda a segunda metade do século XIII32.

  • 33 ANTT, ALC, 1a inc., mç. 14, n.o 2 (1273); ANTT, OSB, ALC, mç. 9, n.o 213 (1295).
  • 34 Silvestre Peres casado com dona Maria (Mendes) (ANTT, ALC, 1a inc., mç. 9, n.o 9).
  • 35 Silvestre Peres casado com Maria Eanes (ANTT, ALC, 1a inc., mç. 18, n.o 19).

27Por intermédio dos dois testamentos que mandou lavrar, em 1273 e 129533, ficamos a saber ser o avô o estabelecedor de uma albergaria na freguesia de Marvila e serem os pais suficientemente importantes para terem sepultura no mosteiro alcobacense. Por estes e por outros documentos sabemos que casou duas vezes, a primeira com Maria Mendes34, antes mulher de Paio Mendes, e a segunda vez com Maria Eanes35, sempre sem descendência sobrevivente, o que contrasta com a sua família colateral numerosa. Um irmão de Silvestre Peres, de nome Domingos, detém o título de mestre, indicativo de dignidade eclesiástica ou formação académica.

28Não são estes, contudo, os dados que permitem colocar a questão das origens familiares, embora já pressuponham alguma relevância socioeconómica das mesmas. Na realidade, são mais dados indiciais do que provas categóricas os argumentos que alinham a favor de uma origem familiar a partir do meio mercantil.

  • 36 Também ele de origem mercantil (e inspiração francicana). Veja-se Luís MATA, Ser, ter e poder. O ho (...)
  • 37 ANTT, SDS, 1a inc., mç. 1, n.o 18.

29Indício importante, à partida, é a referência no testamento de 1295 aos pobres que moram na albergaria que foi do avô de Silvestre Peres. Deve tratar-se do mesmo instituto que algumas verbas adiante se localiza a par das casas que foram de Vasco Velho, no Ferragial, e constitui um legado a favor do hospital do Santo Espírito36. Como para a freguesia de Marvila, a que pertence a área do Ferragial, há notícia nesta época da existência de duas albergarias, uma de peliteiros e outra de mercadores, mas a primeira se situa na área da Porta da Atamarma, a albergaria de Silvestre Peres pode coincidir com a segunda, aliás denominada em data próxima pauperibus albergarie Mercatorum (1297)37. Assim, estes pobres do Ferragial seriam mercadores pobres.

  • 38 ANTT, SCS, mç. 1, n.o 4.

30Por outro lado, o primeiro casamento da citada Maria Mendes, com Paio Mendes, remete-nos para um mercador com este nome registado em 122238. Se a identificação for positiva, Maria Mendes teria casado suficientemente nova para vir a casar segunda vez com Silvestre Peres, por seu turno mais novo, e que também casa segunda vez. Uma sucessão de casamentos inter-geracionais que deve, creio, ser vista como uma forma corrente de mobilidade social entre os escalões superiores da vilania.

  • 39 Vasco Afonso Velho, cavaleiro (ANTT, ALC, 1a inc., mç. 15, n.o 31 – 1276).
  • 40 ANTT, ALC, 1a inc., mç. 7, n.o 6 (1242).
  • 41 Bernardo Maria Godinho de Sá NOGUEIRA, Tabelionado e instrumento público em Portugal. Génese e impl (...)
  • 42 ANTT, ALC, 1a inc., mç. 16, n.o 9 (1277).
  • 43 ANTT, ALC, 2a inc., mç. 9, n.o 213 (1295).

31Um último indício reside no locativo frequentemente utilizado na identificação do nosso protagonista Silvestre Peres: «do Ferragial». O Ferragial é uma das áreas relacionadas com o desenvolvimento do núcleo comercial de Santarém, Marvila, e não admira que os mercadores de Santarém gostem de aí morar. Não são aliás os únicos, pois vizinhavam com alguns cavaleiros, como o citado Vasco Velho39. Ao longo do século XIII, por exemplo os mercadores Soeiro Pais40, Domingos Pais41, João Peres42 e João Eanes43, entre outros, utilizam o mesmo locativo. Este último, João Eanes, apresenta a particularidade de ser testamenteiro de Silvestre Peres, quer em 1273, quer em 1295. Além de vizinho, decerto um velho amigo.

  • 44 Um desses locais apresenta o sugestivo nome de Torre de Vilãos.
  • 45 Pedro Gomes BARBOSA, Povoamento e estrutura agrícola na Estremadura central…, p. 232.
  • 46 ANTT, OAV, mç. 2, n.o 256.

32O património fundiário do nosso micro-biografado compõe-se de prédios urbanos em Marvila e de um respeitável conjunto de propriedades rústicas, na área periurbana de Santarém (Enfesta dos Galhardos) e no seu termo (Tavra, Valada, Magos, vários locais da freguesia de São Pedro de Arrifana)44. Conjunto este extensível ao termo do concelho de Óbidos (Várzea de Martim Longo)45 e, além Tejo, à Vide, onde possuía um herdamento que deixará à ordem de Avis46.

  • 47 Por exemplo: ANTT, Gavetas, 4-1-16 (1273); Pedro de AZEVEDO, “O trovador Martim Soares e sua famíli (...)
  • 48 ANTT, ALC, 1a inc., mç. 9, n.o 42 (1261).
  • 49 Em 1276, os bens que traz Silvestre Peres em préstamo do mosteiro são excetuados do arrendamento fe (...)
  • 50 ANTT, OAV, mç. 2, n.o 232 (1277).
  • 51 ANTT, Gavetas, 3-3-6 (1290).
  • 52 ANTT, Gavetas, 12-9-17 (1294).

33São ainda aspetos importantes do percurso de Silvestre Peres o exercício do cargo de alvazil de Santarém pelo menos por três vezes, em 1273, 1282 e 128547, as fortes ligações ao mosteiro de Alcobaça, do qual é foreiro48 e prestameiro 49, que contempla generosamente nos seus testamentos e onde um sobrinho era monge, e as ligações à ordem de Avis, à qual, além do herdamento na Vide, deixa parte do seu equipamento militar, sendo a parte restante para outro sobrinho. Na qualidade de juiz escolhido pelas partes arbitra uma contenda entre esta ordem e dona Sancha Pais e seus filhos50. Na mesma qualidade de juiz, mas nomeado por carta régia, arbitra outra contenda envolvendo um herdamento localizado no reguengo da Azóia51. As suas ligações visíveis com a coroa resumem-se a esta nomeação e ao conflito em que ele próprio contende com o rei sobre direitos numa parte do paul de Magos52.

34Vale a pena prestar um pouco mais de atenção à ligação à ordem militar de Avis. Sobre o herdamento da Vide, composto por moinhos, adega, vinhas e herdades, é-nos dito (no testamento de 1295) que foram de dom Martinho. Se se tratar, como tudo indica, de Martinho Fernandes, mestre de Avis, pode estar em causa um conjunto de bens cedido a título precário, em troca da prestação de serviço militar a cavalo. Ficaria assim igualmente explicada a separação da cota de malha (loriga) e das brafoneiras (proteções dos braços) do restante equipamento militar (perponto, escudo, espada, capelo e ascumas) que ia para o sobrinho. Tratava-se, nos dois casos, de devoluções à ordem, visto o cavaleiro não dispor da possibilidade de transmissão dos bens em linha reta.

35Creio ter trazido alguma luz sobre as origens deste cavaleiro vilão: meio mercantil, papel desempenhado pelo mestre da ordem de Avis. Vejamos agora outros aspetos, de natureza social e ideológica, que reforçam a sua participação num modelo cultural nobre. Desde logo a rede de laços pessoais de que é o centro, com os seus familiares de sangue, o seu escudeiro, o seu capelão, os seus clientes e outros dependentes. Em benefício de todos eles segue, nos seus testamentos, o ritual de despojamento dos bens móveis. Muito reveladora do seu modo de vida é a terceira verba do seu testamento de 1295, logo após encomendar a sua alma a Deus e mandar enterrar o seu corpo em Alcobaça, com seu pais e irmãos, e legar 150 libras à igreja de Marvila, donde era paroquiano. É dedicada aos seus «podengos com suas cadeias», ou seja, aos seus cães de caça. A fins mais elevados se destinam as verbas em que se propõe financiar um homem que queira ir a Jerusalém, se fizerem cruzada, e um peregrino que vá a Santiago de Compostela. Por fim, manda que depois de morto lhe metam o hábito de monge alcobacense. Nas suas próprias palavras: «coisa que eu sempre desejei». Palavras reveladoras da ideia do hábito monacal como casulo redentor que no corpo do cavaleiro une as duas ordens nobres da sociedade: a ordem dos bellatores e a ordem dos oratores.

Conclusão

36Após séculos de equiparação jurídica e fiscal entre milites e infantionibus, nos finais do século XIII a nobreza exerce uma natural atração sobre os escalões superiores da vilania, que decorre em paralelo com a sua própria urbanização. Este duplo fenómeno é confirmado pela imitação do modo de vida nobre e pelas estratégias matrimoniais seguidas, envolvendo com frequência elementos de famílias do meio mercantil. E, também, pela utilização da expressão «homens bons» para identificar os membros mais ricos e proeminentes da comunidade, incluindo cavaleiros de linhagem e cavaleiros vilãos. No fundo, estes dois grupos parecem articulados numa realidade comum, que se designa melhor por cavalaria urbana.

  • 53 José MATTOSO, Identificação de um país…, vol. 1, p. 110.
  • 54 Alexandre HERCULANO, Portugaliae Monumenta Historica. Leges et consuetudines…, vol. 1, p. 190.

37Em resposta à plebeização dos seus escalões inferiores, a nobreza atuará redefinindo e reforçando a hierarquia social estabelecida recorrendo a uma categoria social baseada na ideia de nascimento, o «filho de algo», ou fidalgo. Detetada no caso português desde 121153, em 1251 o rei reconhece o seu valor aristocrático: cum consilio suorum riquorum hominum et suorum filiorum de algo54. Esta reação aristocrática terá no século XIV como intérprete mais notável o já citado conde D. Pedro, que no prólogo ao seu Livro de linhagens (1340-1344) a vê como conducente à formação de uma consciência de classe: «fidalgos» ou «nobres fidalgos», «de grande poder», «iguais» ou «mais pequenos», «todos devem ser de um coração».

Apêndice 1. Cavaleiros de Santarém (1230-1300)

Datas extremas

Nome

Classificado como CPN

Classificado como CV

-

-

Domingos Barata

x

-

-

Martinho Garcia

x

1230

1241

Martinho Peres Cotom

x

1232

1232

Pedro Pais (dom)

x

1233

1247

Estêvão Peres (I)

x

1234

1241

Pedro Galego

x

1237

1271

Martinho Vasques

x

1240

1256

João Gomes (dom)

x

1242

1242

Hooricus Eanes

x

1242

1242

Fernando Rodrigues (de Seserigo)

x

1243

1243

Pedro Soares (dom)

x

1243

1243

João Miguéis de [Canha]

x

1246

1251

João Nunes (do Ferragial)

x

1248

1265

Fernando Martins Corutelo

x

1249

1280

João Peres de Aboim (dom)

x

1249

1255

Martinho Gonçalves

x

1249

1294

João Viegas

x

1249

1257

Aires Peres (dom)

x

1249

1282

João Esteves

x

1249

1275

Martinho Gonçalves Charamela

x

1251

1283

Martinho Martins Dade

x

1251

1298

Silvestre Peres (do Ferragial)

x

1250

1255

Raimundo Viegas

x

1252

1258

Vasco Vicente

x

1252

1268

Mendo Caçapo (Cazapo)

x

1252

1259

Domingos Martins

x

1252

1262

Fernando Soares Vargalho (Vargalom)

x

1252

1270

Rodrigo Mendes (I)

x

1253

1264

Gomes Peres de Alvarenga

x

1253

1274

Mestre Vicente

x

1254

1258

Gil Peres

x

1254

1261

Mendo Gonçalves (dom)

x

1254

1264

João Domingues

x

1254

1254

Paio Fernandes

x

1254

1254

Miguel Fernandes

x

1254

1254

Afonso Domingues

x

1255

1255

Fernando Eanes

x

1253

1263

Gonçalo Navalha

x

1255

1255

Vicente Infante

x

1255

1255

Rodrigo Vasques

x

1255

1291

Pedro Fernandes

x

1255

1255

Fernando Fernandes de [...]

x

1256

1256

Martinho Peres do Casal

x

1256

1256

Fernando Esteves

x

1259

1259

Paio Soares

x

1259

1259

Nuno Mendes

x

1259

1281

Tibúrcio Martins

x

1260

1260

Miguel Soares

x

1260

1260

Pedro Gil

x

1260

1260

Paio Moniz

x

1260

1260

João Moniz

x

1260

1260

Domingos Eanes

x

1260

1275

Geraldo Soares

x

1260

1260

João Mendes

x

1260

1260

Pedro Afonso

x

1260

1260

Estêvão Peres de Aboim

x

1261

1261

Lourenço Eanes

x

1261

1269

Fernando Fernandes Cogominho

x

1261

1269

Pedro Martins Casével

x

1261

1284

Geraldo Rodrigues

x

1261

1261

Martinho Peres

x

1262

1262

Mendo Esteves

x

1262

1262

Vicente Gil

x

1264

1264

João Lourenço

x

1264

1264

Gonçalo Pais

x

1265

1265

Paio Viegas

x

1265

1282

João Mendes Lofino

x

1266

1285

Martinho Eanes de Fremoselhe

x

1267

1267

Mendo Peres Pestana

x

1268

1278

Estêvão Gonçalves

x

1269

1282

João Martins (da Alcáçova)

x

1269

1269

Martinho Peres de Barbosa

x

1269

1303

João Martins Trovador

x

1270

1270

João de Roma

x

1271

1271

João Vicente

x

1271

1277

Vasco Peres

x

1271

1271

Miguel Mendes

x

1272

1305

Rodrigo Pais Bugalho

x

1272

1282

Martinho Mendes Maça

x

1273

1273

Gomes Peres

x

1274

1274

Martinho Esteves (de Abrantes)

x

1274

1274

João Gomes Barreto

x

1275

1283

Rodrigo Peres

x

1275

1285

Martinho Afonso

x

1275

1275

Lourenço Dias

x

1275

1276

Vasco Afonso Velho (do Ferragial)

x

1275

1275

Pedro Fernandes Eyxamuz

x

1275

1275

Egas Lourenço, de Alvares

x

1275

1275

Martinho Esteves

x

1275

1275

João Esteves

x

1276

1276

Martinho Fernandes

x

1276

1276

Abril Peres

x

1278

1313

Soeiro Mendes Petite

x

1280

1285

Estêvão Peres (II)

x

1280

1280

Gonçalo Esteves, de Alvares

x

1280

1294

Afonso Pais Bugalho

x

1281

1282

Gomes Peres Petarinho

x

1281

1282

Estêvão Eanes

x

1281

1314

Rodrigo Pais Viegas

x

1281

1281

Rodrigo Gomes Colmeeiro

x

1281

1281

Soeiro Gomes Colmeeiro

x

1281

1281

Rodrigo Dias

x

1281

1281

João Martins (outro)

x

1281

1281

Gomes Lourenço Petarinho

x

1281

1281

Egas Lourenço

x

1282

1282

Rodrigo Pais

x

1282

1282

João Aires (I)

x

1282

1282

Martinho Eanes

x

1282

1285

João Martins Botelho

x

1283

1299

Rodrigo Mendes (II)

x

1284

1284

Diogo Alvites

x

1284

1284

Martinho Carpinteiro

x

1284

1284

Pedro Esteves

x

1284

1289

João Freire

x

1285

1285

Martinho Vasques Cetariom

x

1286

1286

Afonso Peres Petarinho

x

1286

1286

Paio Álvares

x

1289

1289

Rodrigo Vasques [Pimentel]

x

1289

1289

Aires Pais

x

1289

1289

Martinho Martins, de (...)

x

1289

1289

Martinho Mendes da Silveira

x

1290

1292

Vasco Peres Froiaz

x

1290

1315

Gonçalo Esteves de Aboim

x

1294

1294

João Aires (II)

x

1294

1296

Estêvão Peres Lobato

x

1294

1296

Lourenço Eanes Bochardo

x

1294

1294

Fernando Dade

x

1294

1294

Gonçalo Martins do Casal

x

1294

1294

Rodrigo Martins do Casal, seu irmão

x

1294

1294

Rodrigo Eanes Redondo

x

1294

1298

Estêvão Eanes de Pauha

x

1294

1294

Martinho Vasques Cechorinho

x

1294

1294

Estêvão Fernandes Barreto

x

1294

1294

Fernando Rodrigues Bugalho

x

1294

1294

Gomes Pais da Silva

x

1295

1296

Gil Garcia Malhaqueija

x

1295

1295

Afonso Moniz

x

1295

1295

Fernando Peres

x

1296

1296

Geraldo Faria

x

1299

1299

Fernando Martins

x

1299

1310

Pedro Eanes de Pauha

x

CPN = cavaleiro por nascimento.
CV = cavaleiro vilão.

Apêndice 2. Alvazis de Santarém (1187-1300)

Datas extremas

Nome

1187

1187

Salvador Soares

1199

1199

Egas Pais

1199

1199

João Nunes

1199

1199

Paio Peres

1199

1199

Fernando Nunes

1214

1214

Pedro Vasques

1214

1214

Domingos Eanes

1218

1218

Gomes Egas

1237

1237

Pedro Eanes (I)

1240

1240

Mendo Dias

1240

1240

Pedro Pais

1243

1243

Domingos Peres da Maia

1246

1255

Martinho Peres

1246

1246

Gonçalo Rodrigues

1249

1252

Rodrigo Geraldes

1249

1275

João Esteves

1250

1250

Martinho Esteves

1251

1261

João Peres (I)

1252

1258

João de Sela

1254

1261

Mendo Gonçalves

1258

1258

João Peres da Amiga

1260

1260

Lourenço Martins

1260

1260

Martinho Vicente

1261

1282

Geraldo Rodrigues

1262

1262

Ordonho Martins

1270

1270

Rodrigo Mendes

1271

1271

Munio Mendes

1271

1272

Pedro Mendes Lupo

1273

1285

Silvestre Peres

1273

1277

Vasco Afonso Velho

1275

1275

Martinho Mendes Maça

1275

1289

Filipe Guilherme

1275

1286

Vasco Peres

1277

1277

Pedro Eanes (II)

1281

1282

Rodrigo Peres

1281

1281

Gomes Lourenço Petarinho

1281

1282

Estêvão Gomes

1281

1281

[...] Soares

1282

1282

Estêvão Ramos

1283

1283

João Martins Botelho

1284

1284

João Aires (I)

1284

1285

João Fernandes

1286

1286

João Domingues

1286

1286

Afonso Peres Petarinho

1288

1288

João Eanes

1288

1294

João Martins Trovador

1289

1289

Rodrigo Pais

1290

1290

Afonso Rodrigues Badim

1290

1291

João Gomes

1294

1294

Geraldo Marques

1296

1306

Afonso Guilherme

1296

1296

João Aires (II)

1298

1298

Estêvão Eanes de Pauha

1299

1316

Fernando Martins

1299

1299

Martinho Eanes

1299

1310

Pedro Eanes de Pauha

Siglas e abreviaturas utilizadas

a) arquivos

38ANTT: Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo

39b) fundos

40ALC: mosteiro de Santa Maria de Alcobaça

41ALM: mosteiro de Santa Maria de Almoster

42CHE: mosteiro de Santa Maria de Chelas

43Chr.: Chancelaria

44Gavetas: Gavetas da Torre do Tombo

45OAV: Ordem de Avis

46OSB: Ordem de São Bernardo

47SCS: mosteiro de Santa Clara de Santarém

48SDS: mosteiro de São Domingos de Santarém

49SMA: igreja de Santa Maria da Alcáçova de Santarém

b) publicações

50DHCL. LIM1949/DHCL. LII1949: Documentos para a história da cidade de Lisboa. Livro I de místicos. Livro II del rei dom Fernando.

Notes

1 Robert DURAND, Les campagnes portugaises entre Douro et Tage aux XIIe et XIIIe siècles, Paris, Fundação Calouste Gulbenkian – Centro Cultural Português, 1982, pp. 531-558; José MATTOSO, Identificação de um país. Ensaio sobre as origens de Portugal (1096-1325), 3a ed., Lisboa, Editorial Estampa, 1988, vol. 1, pp. 115-125, pp. 347-360.

2 Alguns exemplos: Alexandre HERCULANO, Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, Lisboa, Academia Real das Ciências, 1868-1977, pp. 1084 (Martininus Roderici miles de Gouviaes), 1424 (Petrus Laurencii miles de Chorenti), 1446 (Johannes de Ulvar, miles), 1470 (Petrus Pelaiz d Algozo miles), 1488 (Menendi Gomecii de Louredo miles).

3 O uso de dom (< domnus) está longe de ser de uso exclusivo dos cavaleiros. Em Santarém, no século XIII, encontramo-la aplicada também a membros do clero secular e regular, escrivães, mesteirais (um zapatarius, um alfaiate e um pelliparius, por exemplo), mercadores e proprietários ricos.

4 João Pedro RIBEIRO, Dissertações cronológicas e críticas sobre a história e jurisprudência eclesiástica e civil de Portugal, Lisboa, Academia Real das Ciências, 1810-1836, tomo 3, n.o 22 (1255: João Viegas, militis Sanctarene); Alexandre HERCULANO, Portugaliae Monumenta Historica. Leges et consuetudines, Lisboa, Academia Real das Ciências, 1856-1868, vol. 1, p. 717 (João Esteves, miles Sanctarenensis).

5 Pedro de AZEVEDO e Anselmo Braamcamp FREIRE, Livro dos bens de D. João de Portel. Cartulário do século XIII, sep. de Arquivo Histórico Português, Lisboa, 1906-1909, ns. 2 e 3 (1258: milites Elbore) e 9 (1261: militibus Elborensibus).

6 Pedro de AZEVEDO e Anselmo Braamcamp FREIRE, Livro dos bens de D. João de Portel…, n.o 7 (1260: milites et uicini de Maura).

7 José MATTOSO, Identificação de um país…, vol. 1, pp. 359-360.

8 Como exemplos, tendo por base as inquirições de 1258, podem ver-se, entre outros estudos, Iria GONÇALVES et al.: “O Entre Cávado e Minho, cenário de expansão senhorial no século XIII”, Revista da Faculdade de Letras, 4a série, 2 (1978) 399-440 e José MATTOSO, Luís KRUS e Olga BETTENCOURT, “As inquirições de 1258 como fonte da história da nobreza: o julgado de Aguiar de Sousa”, Revista de História Económica e Social, 9 (1982), pp. 17-74.

9 Zeferino BRANDÃO, Monumentos e lendas de Santarém, Lisboa, David Corazzi – Editor, 1883 (edição) e Mário VIANA, “Um testemunho de direito consuetudinário municipal (1281)”, Arquipélago. História, 6 (2002), pp. 399-415 (proposta de datação).

10 Cf., para a expressão, José María MONSALVO ANTÓN, “Transformaciones sociales y relaciones de poder en los concejos de frontera, siglos XI-XIII. Aldeanos, vecinos y caballeros ante las instituciones municipales”, Relaciones de poder, de producción y parentesco en la Edad Media y Moderna, ed. Reyna PASTOR, Madrid, Consejo Superior de Investigaciones Científicas, 1990, pp. 132-133 e nota 39.

11 Maria Teresa Campos RODRIGUES, e Nuno Espinosa Gomes da SILVA, Livro das leis e posturas, Lisboa, Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, 1971, pp. 202-203. Cf. J. MATTOSO, Identificação de um país…, vol. 1, p. 360.

12 Mário VIANA, "Os cavaleiros de Santarém nos séculos XII e XIII", Arquipélago. História, 9-10 (2005-2006), pp. 581-601.

13 Bernardo Maria Godinho de Sá NOGUEIRA, e Mário VIANA, “Rui Pais Bugalho, privado del-rei D. Dinis. Origens, património e carreira política”, Arqueologia do Estado. Primeiras jornadas sobre formas de organização e exercício dos poderes na Europa do Sul. Séculos XIII-XVIII, Lisboa, História & Crítica, 1988, vol. 1, pp. 447-455.

14 José MATTOSO, Livro de linhagens do conde D. Pedro, Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa, 1980, vol. II/2, p. 165.

15 Pedro de AZEVEDO e Anselmo Braamcamp FREIRE, Livro dos bens de D. João de Portel…, n.o 187. Numa atraente área de policultura, próxima da vila, denominada Assacaia, encontramos também menção a uma horta de Rui Pais Bugalho (ANTT, SMA, mç. 7, n.o 137).

16 José MATTOSO, Livro de linhagens do conde D. Pedro…, vol. II/1, p. 401. Registe-se, contudo, uma Urraca de Santarém (domna Orracha de Sanctarena) num obituário do mosteiro de São Vicente de Fora de Lisboa (Maria José Azevedo SANTOS, Um obituário do mosteiro de S. Vicente de Fora. A comemoração dos que passaram deste mundo, Lisboa, Academia Portuguesa da História, 2008, p. 108).

17 José MATTOSO, Livro de linhagens do conde D. Pedro…, vol. II/1, p. 326 (dona Maria Afonso, “filha d’Afonso Guilherme de Santarém”). Em 1300, Afonso Guilherme, mercador de Santarém, paga 3 mil libras que tomara emprestadas do rei (ANTT, ALM, mç. 2, n.o 28).

18 DHCL. LIM1949, n.o 2; João Martins da Silva MARQUES, Descobrimentos portugueses. Documentos para a sua história, Lisboa, Instituto de Alta Cultura, 1945-1971, suplemento ao vol. 1, n.o 15.

19 José MATTOSO, Livro de linhagens do conde D. Pedro…, vol. II/2, pp. 165 (“Rui Paaez Bugalho, que foi boo cavaleiro e privado d’el rei dom Dinis”), e 392 (por exemplo: de D. Dinis, os meirinhos-mores João Simão e Nuno Martins de Chacim; do seu sucessor, Afonso IV, o rico-homem Lopo Fernandes Pacheco).

20 Como cavaleiro de Santarém é mencionado, por exemplo, em 1255 (João Egas, miles Sanctarenencis – João Pedro RIBEIRO, Dissertações cronológicas…, tomo 3, n.o 22) e 1267 (João Egas, miles Sanctarenensis – ANTT, Chr. Af. III, liv. 3, fl. 20v.).

21 Maria Filomena ANDRADE, “João Viegas, cavaleiro de Santarém: um percurso patrimonial”, Santarém na Idade Média. Actas do colóquio 13 e 14 de Março 1998, Santarém, Câmara Municipal de Santarém, 2007, pp. 285-295. A autora apresenta a data de 1321 como limite de reconstituição do percurso de João Viegas, mas a data real do documento que cita é 1283 (ANTT, SCS, mç. 2, n.o 67). Além do mais, em 1298 mencionam-se uma adega e tendas que foram de João Egas, em Marvila (ANTT, ALC, 1a inc., mç. 20, n.o 17).

22 ANTT, SCS, mç. 2, n.o 73 (1282: in loco qui dicitur Romeyra Johanjs Egee), ANTT, SCS, mç. 4, n.o 137 (1284: Martinho Domingues, de popula Johanjs Egee).

23 ANTT, SCS, mç. 3, n.o 87 (1261). O termo deffensam deve ser aqui o equivalente de devesa muito frequente nas inquirições de 1258, como topónimo e como tipo de propriedade delimitada e vedada, mas que também se pode encontrar no sentido de propriedade privilegiada: Item, dixit Petrus Boy de Chavis, juratus et interrogatus, quod devesa Sancte Crucis erat de ricohomine de terra et erat devesa, et quicumque ibi intraret absque mandato pectaret domino terre lx. solidos. (Alexandre HERCULANO, Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones…, vol. 1, p. 1528).

24 Sobre as cavalarias veja-se José MATTOSO, Identificação de um país…, vol. 1, pp. 357-360.

25 Em 1282, João Egas, cavaleiro, e sua mulher Maria Martins, fazem composição com Fátima, sua sarracena, obrigando-se esta a dar-lhes cada dia de renda dezoito dinheiros, a não ir a lado nenhum, até três dias, sem seu mandado, e fugindo que lhe cortem um pé (ANTT, SCS, mç. 3, n.o 88).

26 Pedro Gomes BARBOSA, Povoamento e estrutura agrícola na Estremadura central, Lisboa, Instituto Nacional de Investigação Científica, 1992, pp. 233-235.

27 Pedro de AZEVEDO, “O trovador Martim Soares e seu filho João Martins", Revista Lusitana, 5 (1897), pp. 114-136, n.o 4.

28 Pedro de AZEVEDO, “O trovador Martim Soares e seu filho João Martins", Revista Lusitana, 5 (1897), pp. 119-121.

29 José MATTOSO, “Os nobres nas cidades portuguesas da Idade Média”, Portugal medieval. Novas interpretações, Lisboa, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1985, pp. 281-290.

30 Pedro de AZEVEDO, “O trovador Martim Soares e seu filho João Martins", Revista Lusitana, 5 (1897), pp. 114-136, n.o 7.

31 João Pedro RIBEIRO, Dissertações cronológicas…, tomo 1, n.o 74. Veja-se também a interpretação de José MATTOSO, Identificação de um país, vol. 2, pp. 172-173.

32 Entre 1251 (ANTT, CHE, mç. 13, n.o 251) e 1298 (ANTT, Chr. D. Dinis, liv. 3, fl. 3 e v.). Em 1305 já o mosteiro de Alcobaça está na posse de 30 astis de herdade no reguengo de Valada, os quais houve de Silvestre Peres, de Santarém (ANTT, Gavetas, 13-3-4).

33 ANTT, ALC, 1a inc., mç. 14, n.o 2 (1273); ANTT, OSB, ALC, mç. 9, n.o 213 (1295).

34 Silvestre Peres casado com dona Maria (Mendes) (ANTT, ALC, 1a inc., mç. 9, n.o 9).

35 Silvestre Peres casado com Maria Eanes (ANTT, ALC, 1a inc., mç. 18, n.o 19).

36 Também ele de origem mercantil (e inspiração francicana). Veja-se Luís MATA, Ser, ter e poder. O hospital do Espírito Santo de Santarém nos finais da Idade Média, s. l., Magno edições – Câmara Municipal de Santarém, 2000, pp. 38-43.

37 ANTT, SDS, 1a inc., mç. 1, n.o 18.

38 ANTT, SCS, mç. 1, n.o 4.

39 Vasco Afonso Velho, cavaleiro (ANTT, ALC, 1a inc., mç. 15, n.o 31 – 1276).

40 ANTT, ALC, 1a inc., mç. 7, n.o 6 (1242).

41 Bernardo Maria Godinho de Sá NOGUEIRA, Tabelionado e instrumento público em Portugal. Génese e implantação (1212-1279), dissertação de doutoramento em História, na área de especialização de Paleografia e Diplomática, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 1996, vol. 3, p. 119 (1262).

42 ANTT, ALC, 1a inc., mç. 16, n.o 9 (1277).

43 ANTT, ALC, 2a inc., mç. 9, n.o 213 (1295).

44 Um desses locais apresenta o sugestivo nome de Torre de Vilãos.

45 Pedro Gomes BARBOSA, Povoamento e estrutura agrícola na Estremadura central…, p. 232.

46 ANTT, OAV, mç. 2, n.o 256.

47 Por exemplo: ANTT, Gavetas, 4-1-16 (1273); Pedro de AZEVEDO, “O trovador Martim Soares e sua família (documentos)”, Revista Lusitana, 21 (1918), 246-279, n.o 2 (1282); Pedro de AZEVEDO, “O trovador Martim Soares e seu filho João Martins", Revista Lusitana, 5 (1897), 124 (1285).

48 ANTT, ALC, 1a inc., mç. 9, n.o 42 (1261).

49 Em 1276, os bens que traz Silvestre Peres em préstamo do mosteiro são excetuados do arrendamento feito por seis anos de todos os bens da instituição em Santarém e seu termo a Pedro Esteves, almoxarife do rei na dita vila (ANTT, ALC, 1a inc., mç. 15, n.o 36). O préstamo de Silvestre Peres era constituído pelos bens deixados a Alcobaça por seu irmão Mestre Domingos. Este também já trouxera em préstamo da mesma instituição uma casa no Ferragial, a qual é em 1256 doada a Martinho Fernandes, mestre da ordem de Avis (ANTT, OAV, mç. 2, n.o 241).

50 ANTT, OAV, mç. 2, n.o 232 (1277).

51 ANTT, Gavetas, 3-3-6 (1290).

52 ANTT, Gavetas, 12-9-17 (1294).

53 José MATTOSO, Identificação de um país…, vol. 1, p. 110.

54 Alexandre HERCULANO, Portugaliae Monumenta Historica. Leges et consuetudines…, vol. 1, p. 190.

Auteur

FCSH – Universidade Nova de Lisboa
Universidade dos Açores – Centro de Estudos Gaspar Frutuoso (Universidade Açores).

© Publicações do Cidehus, 2012

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr