Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Contextos de promoção da leitura: bibliotecas públicas, escolares, universitárias e outras

A biblioteca escolar

Promoção de leituras e construção do leitor

Helena Espírito Santo

Résumé

O presente trabalho apresenta uma reflexão sobre a leitura em Biblioteca Escolar (BE) no Ensino Secundário, numa perspectiva de leitor para toda a vida, partindo das condições intrínsecas e abordando as extrínsecas ao acto de ler, num ambiente como o pedagógico em que a leitura é instrumento e objecto da Escola e um apuramento de dados sobre leituras literárias efectuadas pelos alunos na BE da Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo em Leiria. A actual realidade das bibliotecas escolares, fruto do Programa da Rede de Bibliotecas Escolares, propicia um quadro de condições capazes de estimular a leitura em BE: espaço, fundos e equipamentos disponíveis, ligação professor-bibliotecário ou funcionário e aluno-leitor. Porém, tal depende das condições de leitura do leitor, particularmente, do leitor-aluno do Ensino Secundário, cujo perfil pressupõe que seja já um leitor autónomo, apto a usufruir da leitura literária que o programa de Português oferece e que na BE poderá expandir, na certeza de que a leitura literária contribui para a humanização e o desenvolvimento da sociedade. Assim, a realidade mostra que o aluno-leitor do Ensino Secundário é um leitor em construção, exercitando a autonomia, a responsabilidade, a auto-regulação e que a biblioteca escolar tem um importante papel nessa construção com acções continuadas de promoção da leitura que abarquem diferentes estádios da construção. Uma análise de registos de requisições domiciliárias de quatro anos lectivos permite concluir que trinta por cento do requisitado em cada ano lectivo corresponde à área das literaturas

This paper presents a discussion about reading at the School Library (BE) in Secondary School based on the idea of a reader for life, on personal reader reading conditions and on environment conditions, within the pedagogical context where reading is either an instrument of learning or a school subject, and data on literary readings made by students in the School BE Francisco Rodrigues Lobo in Leiria. The current situation of school libraries, as a result of the Network Program of School Libraries, provides a framework conditions that encourage reading in BE: space, funds and equipment available, lead teacher-librarian or staff member and student-reader. However, this depends on the singularity of the reader, particularly of the student-reader of secondary school. The profile assumes that this reader is already autonomous, able to enjoy reading literature that the program of Portuguese as Mother Tongue offers and that SL can expand, with the certainty that the literary reading contributes to the humanization and development of society. Reality shows that the student--reader of Secondary School is a reader in progress, exercising autonomy, responsibility, self-regulation and that the school library has an important role in this construction with sustained action to promote reading that cover various stages of construction. An analysis of home requests of four years’study suggests that thirty percent of the required in each academic year corresponds to the area of literature.

Texte intégral

1Esta comunicação centra-se na leitura, particularmente a literária, em Biblioteca Escolar (BE) no Ensino Secundário, numa perspectiva de leitor para toda a vida, partindo das condições intrínsecas e abordando as extrínsecas ao acto de ler, num ambiente como o pedagógico em que a leitura é instrumento e objecto da Escola e na apresentação de dados sobre leituras literárias efectuadas pelos alunos na BE da Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo em Leiria em quatro anos lectivos. Esta escola integra-se na Rede de Bibliotecas Escolares desde 2000, tem mais de 1100 alunos, oferece, dos cursos científico-humanísticos, Ciências e Tecnologias, Artes Visuais e Línguas e Humanidades, dos tecnológicos, funciona até ao presente ano lectivo o de Acção Social e funcionam desde há dois anos cursos profissionais, no ensino diurno.

Pressupostos

2De que falamos obrigatoriamente quando falamos de leitura? De texto, o texto, escrito por alguém, o escritor, para ser lido por outro alguém, o leitor.

3Nas últimas décadas do século XX, graças às teorias de Jauss problematizando as questões da recepção, o leitor afirma-se como parte fulcral no processo de leitura. Deixa, assim, de ser mero receptáculo, simples decodificador e detective.

4Assume-se, então, o leitor como sendo agente dinâmico, lembrando o poema de Vinicius “Que o operário faz a coisa/E a coisa faz o operário”.

5O texto literário vive do poder em si contido e o leitor “apenas” se apropria desse poder, apenas a ele acede em função da sua palavra-passe, da sua circunstância, enfim.

6Pelo que o leitor enquanto sujeito e o contexto em que este se insere dinamizam e potenciam cada processo, singularizando-o. Todavia, esta singularidade dificulta (ou impede) a detecção dum processo padrão. Assim, fala-se, por norma, do leitor que é afinal um leitor virtual, um leitor idealizado.

7Ao reconhecer-se que cada leitor estabelece um itinerário de leitura singular, absoluta e intransmissivelmente pessoal – “Tudo, tudo o que existia/Era ele quem o fazia” afirma o poeta – reconhece-se que cada um possui a sua palavra-passe, um acesso personalizado ao mundo da leitura e dos livros que lhe permitirá aceder ao sistema modalizante do texto, ao sistema literário, apreciar o código usado pelo autor, como Aguiar e Silva sistematiza, e decidir se prossegue a leitura ou se a abandona como é também seu direito.

8Ao chegar ao Ensino Secundário, o leitor percorreu já um caminho de escolarização que lhe terá permitido ganhar habilidades de leitura, graças à regulação a que qualquer aluno está sujeito em ordem à sua formatação, neste caso, como leitor.

9É fundamental salientar que o nível de aprofundamento da leitura no Ensino Secundário pressupõe já um grau elevado de abstracção, de acesso ao simbólico e operações mentais complexas, sendo os textos e as leituras para a sala de aula programados para um perfil idealizado de aluno do Ensino Secundário. No entanto, em contexto de sala de aula de Português, para além da leitura orientada, pode o aluno, no âmbito do contrato de leitura, exercer a sua função de leitor autónomo ao ler ou propor-se ler este ou aquele texto por si escolhido, ainda que de uma listagem de títulos para um perfil de leitor padronizado e ainda que acompanhado à distância.

10O contrato de leitura, não sendo uma estratégia inovadora, é um protocolo que se estabelece entre o aluno e o professor de Português, em que o primeiro se compromete a ler determinados títulos ao longo de um tempo determinado e a dar conta da/s leitura/s feita/s. O segundo, por sua vez, compromete-se a disponibilizar uma lista de títulos pré-definidos ou a juntar-lhe outros títulos em função do grupo-turma, por um lado, e a apreciar a/s leitura/s de cada aluno, por outro. A articulação que se pode vir a verificar entre esta actividade e as actividades da biblioteca escolar reforça todo o caminho de construção de leitor.

11Ainda na escola, mas fora da sala de aula, concretamente na biblioteca escolar, pode o aluno exercer a sua autonomia, a sua liberdade de escolha como leitor e aí é possível alcançar o reconhecimento pleno do processo criativo que também é a leitura.

12A prática demonstra que o aluno-leitor procura a BE para dar resposta a uma necessidade específica surgida em sala de aula, mas igualmente para dar resposta às suas necessidades de sujeito.

13Assim sendo, uma BE tem que dispor de uma colecção de documentos livro, e neste caso, texto literário, diversificada: teatro-poesia-narrativa, adequada às idades dos alunos-leitores, naturalmente, mas prevendo também textos considerados para leitores iniciantes e outros já para leitores mais experientes Pelo lado da procura, é fundamental que o leitor saiba adequar as estratégias de leitura às circunstâncias.

14Na maioria das nossas BE, os alunos são leitores, se quiserem sê-lo, pois as actividades propostas raramente são obrigatórias para todos os alunos, sobretudo no Ensino Secundário. Sendo condições para a leitura: o tempo; o espaço; o desejo e o poder, ao usar-se a BE, pressupõe-se que se tem tempo para o fazer, aí se dispõe de um lugar privilegiado onde ler, demonstra-se desejo por ler e aí se deverá encontrar documentos adequados ao poder que se tem sobre a leitura.

Factos

15Pensando agora em actividades desenvolvidas pelas BE, e particularmente pela biblioteca escolar da escola em que lecciono, que contribuem para a construção do leitor, comecemos pelas que visam a promoção do livro e da leitura, sobretudo as de divulgação de livros ou de excertos de textos. São actividades generalistas que pretendem abarcar qualquer público e que têm como objectivo dar a conhecer textos/obras para que cada um, segundo a sua condição, os possa ler. O impacto verifica-se, por exemplo, pelas requisições de livros que se seguem à divulgação.

16Os encontros com escritores são actividades que permitem conhecer aquele que escreveu e a leitura que quis transmitir e, deste eventual confronto ou confirmação, o aluno-leitor poderá passar a outra etapa do seu caminho. É uma actividade capaz de atrair tanto os pouco dados a leituras como os que já manejam um elevado grau de abstracção e de decodificação do simbólico.

17A disponibilização de instrumentos como Diário de Leitura ou participação em blogue sobre leituras permite que o aluno-leitor fixe, de forma simplificada e pré-estabelecida, impressões de leitura e as dê a conhecer. É talvez o primeiro passo para uma reflexão sobre o que se lê e, portanto, uma tomada de consciência em tudo semelhante ao expresso pelo sujeito poético de Vinicius de Moraes, em 1956, no poema Operário em Construção: “E aprendeu a notar as coisas/A que não dava atenção”.

18Em que se reflecte esta promoção? Actualmente, graças à base informática, é possível, sem grande esforço, por exemplo, saber que requisições domiciliárias são feitas e concluir que as requisições para leitura das literaturas correspondem a cerca de trinta por cento dessas requisições. A análise feita dos anos lectivos de 2004-05, 2205-06, 2007-08 e 2008-09 evidencia que há um aumento gradual de requisições de títulos da área das literaturas, tendo ultrapassado os trinta por cento em 2008-09. Por curiosidade acrescente-se que os restantes setenta por cento se repartem por requisições de manuais escolares, cadernos de exercícios, bibliografia de apoio às diferentes áreas disciplinares e não disciplinares, vídeos e ainda alguns cd-rom.

19Dos trinta por cento referidos, cerca de sessenta correspondem a leituras tão díspares quanto a chamada literatura juvenil, literatura policial, teatro, poesia ou narrativa de autores nacionais e estrangeiros que ou nunca integraram o cânone escolar ou não foram premiados, nomeadamente com o Nobel.

20Estes dados reconduzem-nos à questão da construção de leitores que se joga, em nosso entender, numa cada vez maior articulação entre a sala de aula e a biblioteca escolar, com actividades sistemáticas diversificadas para poderem servir todos os alunos-leitores consoante a sua singularidade e a disponibilização de um corpus de leituras variado mas com a tónica na leitura literária, na certeza de que esta contribui para a humanização e o desenvolvimento da sociedade. Mas certos, também, de que, no final, como diz Amélia Pais “difícil é sabermos, afinal, quantos mais leitores conseguimos fazer”.

Bibliographie

JAUSS, H. R. – Pour une esthétique de la reception. Paris: Gallimard, 1978.

MORAES, Vinicius – O Operário em Construção e outros poemas. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1986.

PAIS, Amélia Pinto – Ler pode ser uma festa. NOESIS. Lisboa. Número 36 (1995), pp. 22-24

SILVA, Vítor Manuel de Aguiar – Teoria da Literatura. Coimbra: Livraria Almedina, 1982.

Auteur

Professora bibliotecária/Professora de Português. Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo – Leiria.

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr