Version classiqueVersion mobile

A Formação e a Consolidação Política do Salazarismo e do Franquismo

 | 
Fernando Martins

Os Limites do Salazarismo: o exército e as comemorações da Primeira Guerra Mundial, 1936-1945

Filipe Ribeiro de Meneses

Texte intégral

1A importância para o regime salazarista de um bom relacionamento com o Exército não precisa de ser realçada. Detendo este o monopólio da força, e tendo a ditadura militar convidado Salazar a ingressar no governo, como Ministro das Finanças, em 1928, podia o Exército, se unido, forçar a demissão de Salazar da Presidência do Conselho, fazendo-o (teoricamente) por vias legais, através da Presidência da República, ou por um novo golpe de estado, uma eventualidade contra a qual Salazar teve de estar permanentemente atento. Grande parte da sua actividade política resume-se, nos anos 30, a este esforço, com briefings diários sobre o estado de espírito de uma oficialidade cuja lealdade não cessou de oscilar. Vários historiadores abordaram já a cooperação, e os conflitos, entre Salazar e o exército, demonstrando que Salazar teve de aceitar o conceito de Revolução Nacional, supostamente iniciada pelo exército em 1926, e de prestar homenagem aos que a comandaram. Só assim pôde impor-se à corporação castrense, o que fez lentamente, e com alguns sobressaltos, durante a década de 30, especialmente a partir de 1936, quando sobraçou a pasta da Guerra. Não quer este artigo insurgir-se contra tal interpretação dos acontecimentos. Quer apenas apontar a existência de outras dimensões, ainda por explorar, neste relacionamento, tão importante, afinal, para o desenvolvimento e normal funcionamento das instituições do Estado Novo.

  • 1 ‘A comemoração da Grande Guerra em Portugal, 1919-1926’, em Revista Portuguesa de História, tomo 38 (...)

2Uma destas dimensões está relacionada com um assunto que, embora estudado com assiduidade noutros países, tem tido pouca expressão em Portugal: a comemoração da participação portuguesa na Grande Guerra e o tratamento oficial dos antigos combatentes. Num artigo recente1 sugeriu-se que a falta de apoio dado pelos governos da Primeira República aos antigos combatentes indigentes foi empregue pelos inimigos do regime republicano como (mais uma) arma para enfraquecer sucessivos executivos. Sugeriu-se ainda que o facto da principal data comemorativa do esforço bélico português ser o 9 de Abril, data de uma pesada derrota, e não, como nos outros países aliados, o 11 de Novembro (que também era assinalado em Portugal, mas de forma menor), indica a falta de consenso sobre o significado, e o mérito, da intervenção portuguesa na guerra de 14-18. Havia, de facto, vários noves de Abril. Para os ex-combatentes sem cor partidária, esta tinha sido a data do seu máximo sacrifício. Aceitassem ou não as razões da intervenção portuguesa na guerra, era impossível serem indiferentes ao 9 de Abril, o único dia da guerra em que as forças portuguesas se encontraram no centro de todas as atenções e o dia em que muitos dos seus camaradas tinham morrido, sido feridos ou sido feito prisioneiros. O mesmo era verdade para a maioria dos políticos anti-intervencionistas de cunho nacionalista: sangue português tinha sido derramado, e os feitos de portugueses deviam sempre ser comemorados quando tinham por objectivo preservar a honra e a dignidade da Pátria. Para os intervencionistas, porém, 9 de Abril de 1918 foi o dia em que os ‘humildes filhos do povo’ resgataram a honra de Portugal com o seu sangue, limpando a mancha de vergonha causada pela traição de Sidónio Pais e seus seguidores e salvando Portugal da vingança dos Aliados vitoriosos.

3O golpe de estado de 28 de Maio de 1926 foi apresentado pelos seus autores não como um movimento espontâneo, mas antes como a reacção profunda do exército, em nome de toda a nação. Desde logo, uma vez garantido o sucesso do movimento, o Exército tentou estabelecer uma ligação entre a acção desencadeada em 1926 e os acontecimentos de 1918. Do sacrifício em nome da Pátria, nas trincheiras da Flandres, tinha nascido, supostamente, a obrigação moral de construir um Portugal melhor. Tal obrigação tinha sido ignorada pelos políticos republicanos, o que levou primeiro ao golpe de estado fracassado de Abril de 1925 e depois – desta vez com sucesso – ao 28 de Maio. Em Portugal, o 28 de Maio foi saudado, correctamente ou não, por A Guerra, órgão da Legião dos Combatentes da Grande Guerra, como uma vitória dos ex-combatentes, que agora viam no poder o comandante das tropas portuguesas no 9 de Abril, General Gomes da Costa, empenhado em executar uma política nacional, perante a qual os ex-combatentes não se podiam manter indiferentes:

  • 2 Sousa Carrusca, ‘Pela Pátria’, A Guerra (Lisboa), Julho 1926.

Como disse, há dias, António de Cértima, esta hora é a hora dos combatentes. O espírito do governo militar é o espírito daqueles que lutaram pela Pátria no túmulo heróico das trincheiras. Aqui estamos, pois, meu general, prontos a segui-lo, decididos a ocupar os postos, que nos indicar, para bem servir a Pátria […]
COMBATENTES DA GRANDE GUERRA!
Sacrifiquemo-nos mais uma vez, se for preciso, e, como bons soldados, saibamos obedecer à voz da Pátria!
2

  • 3 No espólio de Augusto Casimiro, na Biblioteca Nacional, encontra-se, na secção intitulada Memórias (...)
  • 4 Ver, por exemplo, o artigo ‘A lição da Grande Guerra’, de Raul Esteves, publicado no Diário da Manh (...)
  • 5 Ver o artigo ‘Comemorações do 9 de Abril’, de Pestana Reis (P. R.), em Diário da Manhã (Lisboa), 9 (...)

4As comemorações da Grande Guerra durante o período da ditadura militar não saíram do figurino traçado pelo exército durante a Primeira República (embora tenha sido concluído, finalmente, o Monumento aos Mortos da Grande Guerra, em Lisboa3); o que se conseguiu, porém, foi calar as outras visões do 9 de Abril, uniformizando assim o discurso sobre a participação portuguesa na Grande Guerra. Esta era agora apresentada como um acto de sacrifício por parte do Exército, tendo o conteúdo ideológico da guerra mundial, sempre problemático, desaparecido. O que interessava ao Exército era a noção do sacrifício pela Pátria. O 9 de Abril era, pois, uma data recheada de ‘lições’, sobretudo para a classe política: num mundo cheio de perigos, Portugal tinha de estar em condições de se defender, não podendo por isso continuar a recorrer ao improviso que marcou, de forma indelével, a preparação do Corpo Expedicionário Português e as expedições a África.4 Tal preparação passava por um Exército e uma Armada modernos, mas também por uma preparação moral.5 E foi assim que o 9 de Abril se manteve até ao momento em que Salazar assumiu a pasta da Guerra, em 1936.

  • 6 Os diários de Salazar encontram-se no Arquivo Nacional, Torre do Tombo, e podem ser consultados on- (...)
  • 7 Documentos apresentados ao Congresso da República pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros: Portugal (...)
  • 8 Arquivo Nacional, Torre do Tombo, Arquivo Oliveira Salazar, Correspondência Particular 134 (Doutor (...)
  • 9 Arquivo Nacional, Torre do Tombo, Arquivo Oliveira Salazar, Correspondência Particular 134 (Doutor (...)

5Como entendia Salazar a participação portuguesa na Grande Guerra? Salazar, que, ao assumir a Presidência do Conselho, não tinha qualquer experiência diplomática, interessar-se-ia pela participação portuguesa na Grande Guerra como guia para o que devia ser (ou, melhor, não ser) a sua actuação uma vez iniciada a Segunda Guerra Mundial. Tal já tinha sucedido com a Guerra Civil de Espanha; de acordo com o diário de Salazar, o ditador português passou a tarde de 9 de Agosto de 1936, um domingo, a ler ‘documentos diplomáticos relativos à primeira república espanhola’6. Uma vez iniciada a Segunda Guerra Mundial, Salazar quis fazer o mesmo com os documentos que deviam ter integrado o segundo volume do Livro Branco da participação portuguesa na Grande Guerra7, mas que entretanto tinham desaparecido. Salazar tentou localizá-los, usando Armando Marques Guedes como intermediário. A 19 de Setembro de 1939 este escreveu a Leal Marques, chefe de gabinete de Salazar, sugerindo que talvez os documentos constassem do espólio do jornalista monárquico José Soares Cunha e Costa que tinha, em 1918, feito uma campanha nos jornais com base em documentos reais.8 Três dias depois, Marques Guedes escreveu de novo a Leal Marques, informando que, afinal, os documentos se encontravam no Ministério da Guerra.9

6Para lá deste desejo de tirar lições práticas sobre qual devia ser a sua conduta numa Europa novamente em guerra, é notável o quase total silêncio de Salazar sobre a política intervencionista e sobre o esforço militar português de 1916 a 1918. Havia, claramente, uma desconfiança, na parte de Salazar, de tudo o que tinha a ver com a primeira Grande Guerra, entendendo-a ele, enquanto opção diplomática ou mesmo enquanto empreendimento militar, como um desastre para Portugal. Há alguns indícios importantes desta opinião de Salazar. A 27 de Outubro de 1938, numa intervenção radiofónica marcando o fim da campanha eleitoral desse ano, Salazar afirmou ter estado a trabalhar pela paz numa Europa em franca transição. O facto de os nacionalistas espanhóis terem declarado a sua neutralidade em caso de conflito europeu, durante a crise dos Sudetas, terá corroborado, segundo Salazar, as suas teses. Acrescentou o ditador,

  • 10 Oliveira Salazar, Discursos e notas políticas, Vol. III, 1938-1943, 2.ª Edição (Coimbra: Coimbra Ed (...)

Assim se criaram condições de tranquilidade na fronteira terrestre e se diminuíram as possibilidades de extensão do conflito e de nos envolvermos nele; assim se chegara à demonstração palpável de que não erráramos o interesse nacional quando definimos a nossa atitude na guerra civil de Espanha: assim preservávamos por nosso lado a paz e podíamos reservar-nos para outras eventualidades. Todos puderam deste modo ficar contentes, com a excepção de alguns descendentes dos antigos “amigos da Sérvia”, cujo entusiasmo bélico, acabadas as manifestações, eu estava aliás inteiramente decidido a aproveitar para o primeiro choque [...]10

7Vale a pena comparar esta passagem do discurso de Salazar, em 1938, com o seguinte trecho de um artigo do jornal lisboeta monárquico (e anti-intervencionista), O Dia, de 5 de Setembro de 1916:

  • 11 O Dia (Lisboa), 5 de Setembro de 1916.

Cada vez nos parece mais estranho o facto de se não organizar o voluntariado português para a guerra europeia, na qual hão-de tomar parte, indo na vanguarda das tropas portuguesas e para onde a luta seja mais dura, os amigos da Sérvia que por aí andaram há meses em ruidosas manifestações e tantos outros patriotas que deveriam ser os primeiros, para lustre da república, de que são defensores, a marchar para o teatro da guerra.11

8Recordemos também o artigo ‘A lição da Grande Guerra’, de Raul Esteves, no Diário da Manhã, de 9 de Abril de 1933:

  • 12 Diário da Manhã (Lisboa), 9 de Abril de 1933.

Todos se lembram ainda das manifestações dos vários amigos da Sérvia, que por essa ocasião percorriam as ruas entre vivas e morras e também creio que ninguém deixa de se recordar das acusações de traidores, germanófilos, etc. que eram frequentes vezes dirigidas entre os partidários e não partidários da nossa intervenção na Guerra.12

  • 13 Ver a carta de Teotónio Pereira a Salazar, de 29 de Outubro de 1941: ‘E falando de coisas admirávei (...)

9A expressão ‘amigos da Sérvia’ não surgiu ao acaso em Outubro de 1938; Salazar escolheu-a e empregou-a propositadamente, de forma a reforçar os laços existentes entre ele e as antigas forças anti-intervencionistas de 1916, cujo apoio esperava agora mobilizar, demonstrando que a política por ele seguida era, por oposição à de Afonso Costa em 1916, responsável e de acordo com o interesse nacional. Salazar pode ter falado pouco em público, ou escrito, sobre a Grande Guerra; mas outros fizeram-no por ele. O historiador espanhol Jesús Pabón, na sua obra La Revolución Portuguesa – cuja escrita foi acompanhada de perto por Pedro Teotónio Pereira13 – foi extremamente duro para com o que ele chamou ‘el equipo de la Guerra’:

  • 14 Jesús Pabón, La Revolución Portuguesa, Vol. I, De Don Carlos a Sidónio Paes (Madrid: Espasa Calpe, (...)

El equipo de la Guerra lo formaban, bajo Bernardino Machado, tres hombres: Alfonso Costa, en Presidencia e Hacienda; Augusto Soares, en Asuntos Exteriores; Norton de Matos, en Guerra. Los cuatro, en la línea diferente de sus funciones e de sus caracteres, tenían aquella cualidad común al sectarismo democrático, trazo esencial de todo sectarismo: la persistencia inquebrantable que da la tenacidad e la ceguera; la capacidad de llegar al fin propuesto contra todo e contra todos.14

10Segundo Pabón, estes homens terão levado Portugal à guerra contra a vontade, e o interesse, do país, nunca tentando sequer explicar as suas acções:

  • 15 Jesús Pabón, La Revolución Portuguesa, Vol. I, De Don Carlos a Sidónio Paes (Madrid: Espasa Calpe, (...)

La política intervencionista, dispuesta a emplear la violencia, no cuidó de convencer a nadie de la verdad de su causa, prescindió de todo resorte moral e hizo la Guerra dejando en la ignorancia de sus fines e en la división de opiniones respecto a ella al Ejército y a la Nación.15

11Pabón prestou homenagem ao espírito de sacrifício das tropas portuguesas, que salvaram a honra de Portugal, combatendo um inimigo mais poderoso. O velho Portugal vivia ainda, e, em 1918, era no Exército que os seus elementos mais valiosos se encontravam; mas é difícil não ler nas palavras de Teotónio Pereira, citadas na nota de rodapé 13, o desejo do Embaixador em Madrid de abafar qualquer exploração das insuficiências militares portuguesas.

12Os argumentos anti-intervencionistas foram ensaiados outra vez durante a campanha eleitoral de 1949, quando Norton de Matos se apresentou como candidato à Presidência da República. Costa Brochado, jornalista e colaborador de Salazar, produziu rapidamente dois volumes, Para a história de um regime e O sr. Norton de Matos e a sua candidatura, este último fundamentado sobretudo, na parte que lida com a Grande Guerra, nos artigos jornalísticos de Brito Camacho em A Luta. O objectivo de Costa Brochado era claro: comparar o desalento que se sentiu em Portugal em função do tratado de Versalhes com a situação, supostamente invejável, de Portugal, no fechar da década de 40:

  • 16 Costa Brochado, O sr. Norton de Matos e a sua candidatura (Lisboa: Portugália, 1949), 30.

Não nos parece que o sr. Norton de Matos tenha grandes motivos para esperar que o país comungue nas ideias dos seus actuais colaboradores quanto à sua obra no Governo e no partido que nos crucificaram nas lamas da Flandres...16

13Trinta anos mais tarde Franco Nogueira, no primeiro volume da sua biografia de Salazar, voltou ao tema da intervenção portuguesa na Grande Guerra:

  • 17 Franco Nogueira, Salazar, Vol. I, A mocidade e os princípios (Coimbra: Atlântida Editora, 1977), 14 (...)

Não se podia, na verdade, ir mais longe no caminho da subserviência, da irresponsabilidade, e da inconsciência com que se comprometia o país: e isso sem uma garantia, sem uma contrapartida, sem uma compensação política ou outra.17

  • 18 Diário da Manhã (Lisboa), 11 de Fevereiro de 1938. O discurso de Raul Esteves foi quase idêntico ao (...)

14Para além de declarações, verbais ou escritas, de Salazar e seus apoiantes e admiradores, há um facto que demonstra claramente a atitude de Salazar para com a participação portuguesa na Grande Guerra. Enquanto Ministro da Guerra, não assistiu uma única vez às cerimónias de 9 de Abril e 11 de Novembro. Nunca tal tinha acontecido antes, quando a pasta da Guerra tinha sido detida por ministros militares; e é de notar que Santos Costa, ao assumir a pasta da Guerra, alterou esta circunstância, comparecendo, em 1945, às comemorações do 11 de Novembro. A 11 de Novembro de 1937, por exemplo, compareceram às comemorações do Armistício os Ministros da Marinha (retratado na imprensa a fazer a ‘saudação nacionalista’ perante o Monumento aos Mortos da Grande Guerra), do Interior, e das Colónias, o subsecretário da Guerra, os generais Morais Sarmento (major-general do Exército), Domingos de Oliveira (Governador Militar de Lisboa), Ferreira Martins (adminstrador-geral do Exército) e Daniel de Sousa (presidente da Câmara Municipal de Lisboa). O Ministro da Guerra, esse, passou o dia em reunião – com Leal Marques, com o Embaixador Teixeira de Sampaio, com o Ministro do Interior e o subsecretário da Guerra, entre outros. Em Fevereiro de 1938, Salazar não compareceu à sessão de homenagem, na Liga dos Combatentes, à memória do General Garcia Rosado, último comandante do CEP, tendo sido representado por Santos Costa. Discursou, nessa ocasião, Raul Esteves.18 Salazar faltou também, em Novembro do mesmo ano, às comemorações do vigésimo aniversário do armistício, embora estas tenham contado com a presença do Presidente da República.

15A opinião de António Oliveira Salazar sobre a Grande Guerra e a forma como esta devia ou não ser lembrada, não se manifestou apenas por esta notável ausência, nunca comentada na imprensa oficial, e que, por si só, sugere apenas uma decisão consciente e constante de se querer afastar da vivência normal dos militares. Salazar foi muito mais longe, tomando uma decisão que merece alguma reflexão, mesmo que o seu impacte tenha sido reduzido. Uma das mais interessantes correspondências de Salazar, durante o período em que esteve à frente do Ministério da Guerra, é a que manteve com o seu chefe de protocolo desse mesmo Ministério, o Tenente-coronel Esmeraldo Carvalhais. Carvalhais mantinha contactos regulares com os adidos militares estrangeiros, mas ocupava-se também do calendário social dos militares, e da presença, ou ausência, de Salazar nos eventos que dele constavam. Os seus relatórios a Salazar, durante o período da guerra, servem de barómetro ao clima político reinante entre a oficialidade portuguesa e à sua vulnerabilidade à propaganda dos beligerantes. E é dele a seguinte informação, enviada a Salazar a 2 de Abril de 1943, na qual o Presidente do Conselho escreveu ‘concorda-se’:

  • 19 Salazar sublinhou as palavras “ficar inteiramente esquecida”.

No ano passado houve programa reduzido na comemoração, o que não obstou ao desfile perante o Monumento aos Mortos na Grande Guerra, com a comparência dos adidos militares inglês e americano. Este desfile seguiu-se à romagem ao cemitério do Alto de S. João. Também houve uma pequena cerimónia na Batalha.
Há porém uma determinação de S. Exa. o Presidente do Conselho de 1941 para que a data “ficar inteiramente esquecida”.
19 [SIC]

16Convém definir-se a situação:

  1. Pela Presid. Cons. ser determinado à Censura para não publicar notícias acerca da preparação e organização da comemoração.

  2. Pelo Min.º Guerra serem dadas instruções à Liga dos Combatentes acerca do que vier a ser resolvido:

  1. Supressão de qualquer comemoração, tornando a data “esquecida”.

  2. Reduzir a comemoração ao cemitério – Talhões dos antigos combatentes – suprimindo-se o cortejo para a Avenida e a deposição de ramos em cortejo.

    • 20 Arquivo Nacional, Torre do Tombo, Arquivo Oliveira Salazar, Correspondência Particular 49 (Tenente- (...)

    Manter a comemoração reduzida do ano passado, mas que incluía cerimónia pequena no Monumento da Avenida em Lisboa e romagem à Batalha.20

17Em função do que terá sido decidido, o chefe do gabinete do Ministério da Guerra, Coronel Monteiro do Amaral, enviou no mesmo dia a seguinte circular à Liga dos Combatentes, ao Governo Militar de Lisboa, e às várias divisões militares:

  • 21 Arquivo Nacional, Torre do Tombo, Arquivo Oliveira Salazar, Correspondência Particular 49 (Tenente- (...)

Sua Exa. o Ministro da Guerra incumbe-me de comunicar a V. Exa. que de futuro, incluindo o ano corrente, não devem ser praticados quaisquer actos no dia 9 de Abril que não sejam romagens aos cemitérios onde haja talhões dos antigos combatentes.
É particularmente vedado que haja quaisquer desfiles perante os Monumentos aos mortos da grande guerra.
Na mesma ordem de ideias, não deve ter amplitude qualquer comemoração no Mosteiro da Batalha.
21

18Por outras palavras, a vontade de Salazar expressa em 1941 – de cancelar por completo as comemorações do 9 de Abril – foi mitigada por uma força que, no contexto do Estado Novo, apenas pode ser a dos militares. Houve comemorações reduzidas em 1942, e mais pequenas ainda no ano seguinte: mas não desapareceram. Durante a Segunda Guerra Mundial, e de acordo com uma tendência já evidente nos anos anteriores, a cobertura dada na imprensa ao 9 de Abril foi sendo reduzida. O Diário da Manhã, que outrora teria oferecido a sua primeira página ao evento, noticiou, a 9 de Abril de 1942, em dois breves parágrafos, o que sucederia em Lisboa esse ano: uma deposição de flores na cripta do cemitério de S. João e outra, um pouco mais tarde, no monumento da Avenida da Liberdade. No dia seguinte, o mesmo jornal noticiou o que tinha sucedido na capital em quatro parágrafos, indicando ainda as comemorações no Porto e em Coimbra:

  • 22 Diário da Manhã (Lisboa), 9 de Abril de 1945.

Pelas 10 horas compareceram no cemitério do Alto de S. João deputações de antigos combatentes ingleses, franceses e belgas e representações da Liga dos Combatentes da Grande Guerra, tendo à frente o secretário geral da mesma, sr. Faria Afonso, que representava o sr. general Daniel de Sousa, retido em casa por doença; da agência de Lisboa da mesma Liga, da secção feminina da “Fidac” e da União dos Filhos dos Combatentes, bem como muitos dos antigos combatentes [...] os adidos militar britânico e naval americano, bem como os combatentes estrangeiros e representantes dos portugueses depuseram ali lindos ramos de flores naturais [...]22

19No ano seguinte, e em função da atitude do governo, delineada por Monteiro do Amaral, nem uma linha foi dedicada pelo mesmo jornal ao 9 de Abril. Mas este esquecimento jornalístico foi breve. A 10 de Abril de 1944, na sua sexta página, o Diário da Manhã noticiou os eventos da véspera de forma quase idêntica à de 1942. Deu-se depois a remodelação ministerial de Outubro de 1944. E em 1945, com Santos Costa já na pasta da Guerra, as mudanças tornaram-se muito mais visíveis. A 9, as comemorações voltaram à primeira página do diário:

Como todos os anos, as comemorações do 9 de Abril lembrarão os que morreram em honra da Pátria e os que ainda vivem – combatentes heróicos – a todos os portugueses.
A Liga dos Combatentes da Grande Guerra promove diversos actos comemorativos [...]

  • 23 Diário da Manhã (Lisboa), 9 de Abril de 1945. As embaixadas, legações e consulados em Portugal fora (...)
  • 24 Diário da Manhã (Lisboa), 20 de Abril de 1945.
  • 25 Diário da Manhã (Lisboa), 12 de Novembro de 1945.

20O Diário da Manhã noticiou ainda a ‘Venda do Capacete’, iniciativa destinada a angariar fundos para os antigos combatentes necessitados, que se tinha iniciado na véspera.23 A descrição dos eventos da véspera, feita a 10 de Abril, ocupou parte da primeira página, continuando depois numa página interior. É ainda de salientar a visita, dez dias mais tarde, dos adidos militar e aeronáutico americanos à Liga dos Combatentes, onde foi celebrado um ‘Porto de Honra’.24 Embora Santos Costa não tenha comparecido a nenhuma destas ocasiões, a sua presença perante o Monumento aos Mortos da Grande Guerra foi anunciada a 11 de Novembro de 1945, sendo o evento descrito no dia seguinte, com uma fotografia do governante no instante em que depunha um ramo de flores no Monumento. Segundo o Diário da Manhã, a celebração tinha sido alargada para incluir a recordação ‘dos militares portugueses que morreram, durante a recente Guerra Mundial, nas Ilhas Atlânticas e nas terras do Império, quando ali se encontravam, como sentinelas em permanente vigília, na defesa dos direitos sagrados de Portugal.’25 Tal iniciativa devia-se, de acordo com o jornal oficial da União Nacional, ao próprio Ministro da Guerra.

21Já foi sugerido nestas páginas que a atitude de Salazar nasceu de uma visão negativa do envolvimento nacional na primeira Grande Guerra; a esta visão pode, talvez, juntar-se uma recusa a aceitar os argumentos que, todos os anos, eram empregues para justificar as comemorações. Haverá outras explicações? Uma leitura imediata sugere um relacionamento com a posição de neutralidade portuguesa. 1941, ano da nota de Salazar tentando pôr cobro às comemorações do 9 de Abril, marcou o ponto alto do poderio alemão por toda a Europa, levando o governo português a agir de forma cautelosa de forma a não ofender Berlim. Como vimos, os adidos militares dos países aliados (incluindo países agora ocupados pela Alemanha, como a França e a Bélgica) associavam-se regularmente às comemorações, o que poderia agora ser mal interpretado pela Legação alemã. Porém, Salazar afastou-se das comemorações a partir de 1936. Em 1937 e 1938, os noves de Abril de Salazar foram dias normais: abriram com a leitura de jornais às 9 da manhã, seguiu-se uma visita de Leal Marques para despacho, e depois a rotina dos encontros com várias figuras do governo e da administração pública. Foram discutidos assuntos banais, como a condição do muro que cerca S. Bento ou, em 1938, matéria política: ‘2 – M. do Interior – Conspiração dos Militares / Os Rolões, etc’. Mas não há uma única referência, no diário de Salazar, às comemorações militares. Em 1939 Salazar nem estava em Lisboa a 9 de Abril, tendo recolhido a Santa Comba; uma visita ao Caramulo é a única deslocação mencionada no diário – e em 1942 e 1944, Salazar esteve de novo em Santa Comba durante o 9 de Abril. Em 1940 o dia foi dominado pela notícia da invasão alemã da Dinamarca e da Noruega; em 1941, Salazar encontrou-se com os generais comandantes das várias divisões militares, dizendo ‘algumas palavras acerca do momento que se vive e da necessidade de manter a unidade nacional e a coesão das forças públicas’; em 1943, Salazar trabalhou intensivamente com Pedro Teotónio Pereira. É impossível determinar se o ‘ficar inteiramente esquecido’ do documento já citado era uma condição que Salazar queria permanente, ou se esse esquecimento deveria acabar com o fim da guerra; mas, tendo em conta as acções de Salazar ao longo de vários noves de Abril, é legítimo sugerir (e talvez mesmo afirmar) que Salazar desejava pôr um ponto final definitivo às comemorações associadas à batalha de La Lys.

  • 26 Ver O Século (Lisboa), 18 de Maio de 1921. Ver também A Guerra (Lisboa), 1 de Janeiro de 1926: ‘Em (...)
  • 27 Fernando Pessoa, Da República (Lisboa: Ática, 1978), 193-212.
  • 28 É da autoria de Ferreira do Amaral um dos mais interessantes livros sobre a participação portuguesa (...)

22Outra possível explicação reside numa desconfiança por parte de Salazar na Liga dos Combatentes da Grande Guerra. A história desta organização – a sua fundação e evolução durante a República, a ditadura militar, e o Estado Novo – está ainda por escrever. Esforços para a formação da Liga, dedicada a auxiliar ‘os que se encontram a braços com a miséria, depois de no campo terem derramado o seu sangue para honra e glória de Portugal’, começaram em 1921.26 A Liga foi criada de baixo para cima, em função de disputas sobre pensões e outros pagamentos devidos aos antigos combatentes e suas famílias. Porém, dificuldades encontradas pelos fundadores da Liga levaram-nos a confiar a jovem organização a oficiais bem conhecidos do público em geral, incluindo Francisco Aragão (o ‘herói estúpido’ de Fernando Pessoa27) e João Ferreira do Amaral, homens que representavam correntes políticas opostas28. Em Janeiro de 1926, surgiu a revista A Guerra, órgão oficial da Liga dos Combatentes. A Guerra publicou, retroactivamente, as minutas das sessões dos corpos dirigentes da Liga, começando com a reunião de 16 de Outubro de 1923, na qual a transferência de poder foi efectuada. De acordo com A Guerra, a Liga tornou-se necessária devido à injustiça e ao abandono a que sucessivos Governos tinham condenado os veteranos da guerra: só a união dos esforços dos ex-combatentes poderia inverter esta situação. Nas palavras do Coronel Mardel Ferreira,

  • 29 Coronel Mardel Ferreira, ‘Vitória mutilada’, A Guerra (Lisboa), Maio de 1926.

Representamos uma força espiritual cuja importância só não avaliará bem quem desconhecer o poder incoercível dos imponderáveis. Não tínhamos o direito de continuar numa indiferença que era uma cumplicidade. Tudo nos apontava a necessidade de nos unirmos – desde o dever de amarmos os nossos camaradas de armas que a ingratidão do país votara a uma abandono descaroável até ao direito de reclamarmos altivamente a consideração e as compensações que legitimamente nos são devidas.29

  • 30 Este jornal tentou transformar os veteranos da Grande Guerra num escol nacionalista. Ver o seu segu (...)

23A liderança da Liga ambicionava ainda representar Portugal nas comemorações internacionais da Guerra e trabalhar para melhorar ‘a moral da raça’ portuguesa. A Guerra contava, entre os seus colaboradores, alguns inimigos confessos do regime republicano, incluindo o próprio General Sinel de Cordes, que usou este meio para atacar violentamente os intervencionistas de 1914, que, a seu ver, tinham levado o país à guerra sem se preocupar com o seu estado de preparação. Outro autor cujos artigos foram frequentemente publicados em A Guerra foi o nacionalista António de Cértima, áspero crítico do regime em livros e na imprensa de extrema direita, incluindo o jornal Portugal, de João de Castro.30 O já citado artigo de Mardel Ferreira unia o tratamento deficiente dos veteranos à crise que Portugal atravessava através do conceito de uma vitória mutilada pelos ‘maus pastores’ que conduziam o povo português, ‘digno de melhor sorte’:

Ninguém deu à Nação a compreensão do mundo novo que da guerra surgiu; ninguém lhe despertou as energias para enfrentar resolutamente os perigos que dentro dele nos ameaçam. E, pior do que tudo, tendo enfileirado entre os vencedores, tomámos uma atitude de vencidos. A vitória que alcançámos é, como a de Samotrácia, uma vitória mutilada: nem tem cabeça para pensar nem braços para agir. Só assim se pode explicar que as mais torvas cobiças pairem, como um bando de corvos vorazes, em torno dos nossos domínios e que os estranhos teimem em considerar moribundo um povo que durante a guerra deu irrefragáveis provas de mais assombrosa vitalidade […].

24Enquanto organização patriótica e nacional que precedia o Estado Novo e que este não pôde reprimir abertamente, porque tinha ligações íntimas com o Exército, a quem proporcionava parte importante da justificação ideológica do 28 de Maio, a Liga dos Combatentes era um potencial foco de discórdia que interessava vigiar e talvez mesmo, na altura devida, suprimir. Em Dezembro de 1932 Assis Gonçalves escrevera a Salazar:

  • 31 Assis Gonçalves: Relatórios para Oliveira Salazar, 1931-1939 (Lisboa: Comissão do Livro Negro Sobre (...)

Liga 28 de Maio – Nacional Sindicalismo – Liga dos Combatentes da G.G.
Peço a V. Exa uma resolução sobre o destino a dar a esses três organismos.
São factores de manobra política que, tanto podem ser úteis como perigosos, se a tempo lhes não quisermos deitar a mão.
31

25Alguns dias antes, o mesmo Assis Gonçalves tinha já escrito, a propósito de uma alegada manobra anti-salazarista do General Vicente Freitas, que

  • 32 Assis Gonçalves: Relatórios para Oliveira Salazar, 1931-1939 (Lisboa: Comissão do Livro Negro Sobre (...)

os magnates republicanos que acompanhariam tão hábil político como valente general (!) seriam, entre outros, (que subscreveriam a representação) os Srs. generais Ivens F – Ferreira Martins – (a propósito destes dois cavalheiros fraternais, precisamos de pensar também o que se deve fazer na Liga dos Combatentes, onde estes manos montaram loja...) – general Beirão [...]32

  • 33 Curiosamente, um dos organizadores era um Capitão Santos Costa. Ver Diário da Manhã (Lisboa), 2 de (...)
  • 34 Diário da Manhã (Lisboa), 2 de Abril de 1933.
  • 35 Diário da Manhã (Lisboa), 17 de Julho de 1934.

26A potencial hostilidade do regime à Liga ficou demonstrada quando, no fim de Março e início de Abril de 1933, estalou uma polémica entre ex-combatentes devido à organização de um banquete para ‘combatentes republicanos’33. O Diário da Manhã alimentou a polémica durante vários dias e criticou a Liga, então presidida por Hernani Cidade, por aquela não condenar tal iniciativa: ‘assim como à mulher de César, não bastava ser séria era preciso parece-lo, também à Liga não basta, segundo a nossa maneira de ver, “parecer” que está, como de facto parece estar, acima e fora destes jogos que com o nome de “combatente” se pretendem fazer.’34 O perigo representado pelos nacionais-sindicalistas foi obviamente mais premente, tendo de ser debelado primeiro: talvez tenha a Segunda Guerra Mundial representado uma boa oportunidade para lidar definitivamente com a Liga. Mas no ano seguinte, o mesmo jornal, noticiando o aumento do financiamento oficial da Liga, afirmou tratar-se de ‘uma generosa iniciativa do antigo combatente que é o sr. Major Luiz Alberto de Oliveira, Ministro da Guerra’.35

27Uma terceira explicação prende-se com o possível desejo de Salazar de não querer associar-se (desde 1937!) a uma celebração militar, sendo civil. Porquê? Recearia Salazar ser a sua presença vista como uma provocação, sendo por isso mal recebido, quer por veteranos, quer por oficiais? Teria ele medo de estabelecer um contraste entre ele próprio e a classe militar, numa Europa cada vez mais militarizada, sublinhando assim o desfasamento entre o Estado Novo e outros regimes autoritários da época?

28Nenhuma destas possíveis explicações é, por si só, convincente. Salazar tinha uma aversão à participação portuguesa na Grande Guerra, não vendo nela senão um motivo de vergonha, e queria remetê-la ao passado, à Primeira República. Havia ainda uma razão política premente que talvez explique a atitude de Salazar. A 9 de Abril de 1938 o Diário da Manhã, num artigo de opinião intitulado ‘A lição do “9 de Abril”‘, seguira um rumo novo em relação a esta questão. Afirmando ser ‘ocioso repetir o que toda a gente sabe’, o jornal mais uma vez prestou homenagem ao espírito de sacrifício do Exército, estabelecendo a já habitual ponte entre a batalha de La Lys e o 28 de Maio:

O Exército teve assim a consciência de que a restauração da sua força material e moral, do seu prestígio, dependia essencialmente da restauração dos valores políticos nacionais. Enquanto durasse o espírito de partido e de luta de classes, o pendor da nossa decadência seria cada vez maior. Era, pois, forçoso destronar o espírito de partido e de luta de classes e substitui-lo pelo espírito vivificador de união nacional. Foi o que sucedeu.

29Porém, e aproveitando um longo trecho do recente (22 de Março) discurso de Salazar, o Diário da Manhã afirmou que a lição do 9 de Abril tinha sido, finalmente aprendida; havia uma comunhão de espírito entre o Exército e a ‘Revolução Nacional’, que partilhavam valores essenciais. Tendo em conta a restruturação do Exército em curso sob a dupla batuta de Salazar e Santos Costa, é possível ver neste editorial a sugestão de que a comemoração tradicional do 9 de Abril – tão recheada de recados ao poder político – já não fazia sentido. É notável a coincidência de temas entre este artigo e o discurso de Salazar a 29 de Maio do mesmo ano, perante mais de mil oficiais reunidos no Parque Eduardo VII:

  • 36 Oliveira Salazar, Discursos e notas políticas, Vol. III, 1938-1943, 2.a Edição (Coimbra: Coimbra Ed (...)

[...] Está pois o Exército com a Revolução; ocorre-me perguntar se a Revolução estará também com o Exército. [...]
Está com ele na sua ânsia de renovação e de progresso, no desejo de uma formação técnica tão perfeita como aquela a que dão direito a inteligência e saber teórico dos melhores valores, na necessidade da reforma moral, na cultura das virtudes militares, na subordinação consciente e total – corpo e alma –, no inteiro sacrifício a essa realidade superior que é a vida da nossa gente e a história da nossa terra.
36

30Este artigo nasceu da dupla constatação de que Salazar nunca compareceu às comemorações da participação portuguesa na Grande Guerra, mesmo quando Ministro da Guerra, entre 1936 e 1944, e de que, durante a Segunda Guerra Mundial, o mesmo Salazar tentou acabar de vez com as celebrações do 9 de Abril, data chave no ideário militar da altura, superada apenas na sua carga simbólica pelo 28 de Maio. A recusa constante de Salazar a presenciar as cerimónias no cemitério do Alto de S. João, no Monumento aos Mortos da Guerra e no Mosteiro da Batalha, resultou de dois factores essenciais: em primeiro lugar da vontade de se desmarcar da intervenção portuguesa na guerra de 1914-1918, fruto de uma política oposta à que ele se propunha seguir, e cujos resultados tinham sido, no seu entender, negativos; depois, da constatação que essa comemoração servia de aviso político aos governos da nação para estarem atentos às necessidades do Exército, de forma a evitar futuras derrotas como a do 9 de Abril. Assistir às reiterações anuais desse aviso seria, de certa forma, negar a importância das reformas do Exército que Salazar tinha iniciado, através das quais Salazar esperava livrar-se da tutela política e moral do Exército, comprando a sua liberdade de acção. Salazar esperava também que a reforma do Exército e a aquisição de material militar moderno permitissem ao Estado Novo dar um passo em frente, saldando a dívida do país para com as forças armadas. Não havia, por isso, qualquer razão para se continuar a celebrar uma derrota militar, e para se sujeitar aos recados das chefias militares.

31Porém, o Exército não aceitou o ‘esquecimento’ oficial do 9 de Abril desejado por Salazar. Acatou, durante a guerra, a redução das comemorações, e viu-se privado de cobertura da imprensa oficial do regime; mas as comemorações, mesmo que reduzidas, mantiveram-se nas principais cidades do país, conservando a sua feição essencial. Uma vez um militar de novo instalado na pasta da Guerra (mesmo sendo Santos Costa o oficial mais próximo de Salazar), as comemorações voltaram à sua dimensão antiga e contactos directos entre os adidos militares dos aliados de 1916-1918 e a Liga dos Combatentes foram renovados e noticiados, fazendo agora parte da importante campanha diplomática lançada em 1945 para demonstrar às Nações Unidas a importância, e as vantagens para estas, da neutralidade portuguesa. Estamos aqui, por isso, perante um entrave à livre vontade de Salazar, uma demonstração real dos limites do seu poder. Numa questão que claramente ultrapassava as divisões políticas que minavam a unidade do Exército, este foi capaz de desafiar a vontade de Salazar, defendendo a observação oficial de uma data que lhe era querida e cuja mensagem, acreditava a oficialidade, era necessária escutar.

Notes

1 ‘A comemoração da Grande Guerra em Portugal, 1919-1926’, em Revista Portuguesa de História, tomo 38 (2006).

2 Sousa Carrusca, ‘Pela Pátria’, A Guerra (Lisboa), Julho 1926.

3 No espólio de Augusto Casimiro, na Biblioteca Nacional, encontra-se, na secção intitulada Memórias dum homem do meu tempo, uma folha solta na qual Casimiro descreve o processo pelo qual se chegou à frase que adorna o monumento – ‘Ao serviço da Pátria o esforço da Grei’. Casimiro acrescenta, ‘O monumento aos Mortos da Grande Guerra foi inaugurado… Estávamos no exílio ou no desterro muitos dos que o ajudaram, moral e materialmente, a erguer’.

4 Ver, por exemplo, o artigo ‘A lição da Grande Guerra’, de Raul Esteves, publicado no Diário da Manhã (Lisboa), 9 de Abril de 1933: ‘Olhemos nós também com atenção para as nossas condições de segurança, em todos os múltiplos campos de actividade em que elas têm de se realizar, e procuremos atingir a necessária e eficiente preparação patriótica e militar, por forma a que, em futuras eventualidades, a comemoração de uma data escolhida não fique sujeita à dúvida de se tratar de uma vitória ou de uma derrota’.

5 Ver o artigo ‘Comemorações do 9 de Abril’, de Pestana Reis (P. R.), em Diário da Manhã (Lisboa), 9 de Abril de 1937. A 8 de Novembro de 1928 o embaixador britânico, Sir Colville Barclay, escrevera, ‘A great business is to be made of the Armistice Day celebrations, and the Portuguese Croix de Guerre is to be conferred on three ex-service members of the British colony as well as on three Frenchmen, three Italians and three Belgians. A similar instance of the belated award of war decorations was reported in paragraph 1 of Mr. Osborne’s despatch No.360 of the 20th October. A military mission, which includes a number of mutilated ex-service men, is shortly starting for France to be present at the unveiling of a monument to the Portuguese dead at Lacouture. I suspect that the Government is deliberately creating occasions for patriotic demonstrations connected with the war. Such occasions afford an outlet for popular feeling and patriotism which can be turned to account as manifestations of political unity in favour of the Government. They are therefore perhaps not so foolish as they would at first sight appear.’ Public Records Office, Foreign Office, Western Europe: W 10624/490/36, Confidential: Sir C. Barclay to Lord Cushendun, November 8, 1928 (No. 369).

6 Os diários de Salazar encontram-se no Arquivo Nacional, Torre do Tombo, e podem ser consultados on-line: www.ttonline.iantt.pt

7 Documentos apresentados ao Congresso da República pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros: Portugal no conflito europeu. Apenas a primeira parte, Negociações até à declaração de guerra (Lisboa: Imprensa Nacional, 1920), foi publicada.

8 Arquivo Nacional, Torre do Tombo, Arquivo Oliveira Salazar, Correspondência Particular 134 (Doutor Armando Marques Guedes), carta, Armando Marques Guedes a Leal Marques, 19 Setembro 1939.

9 Arquivo Nacional, Torre do Tombo, Arquivo Oliveira Salazar, Correspondência Particular 134 (Doutor Armando Marques Guedes), carta, Armando Marques Guedes a Leal Marques, 22 Setembro 1939.

10 Oliveira Salazar, Discursos e notas políticas, Vol. III, 1938-1943, 2.ª Edição (Coimbra: Coimbra Editora, 1959), 113.

11 O Dia (Lisboa), 5 de Setembro de 1916.

12 Diário da Manhã (Lisboa), 9 de Abril de 1933.

13 Ver a carta de Teotónio Pereira a Salazar, de 29 de Outubro de 1941: ‘E falando de coisas admiráveis, tenho o grande prazer de mandar a V. Excia. o 1o volume do livro de Pabón sobre a política portuguesa. O prólogo é muito bom e os capítulos finais – sobretudo o da nossa comparticipação na Guerra – acabaram por ficar o melhor possível. Consegui sem dificuldade que ele passasse sobre certos factos e que não nos revolvesse o punhal na ferida. O livro vai produzir grande sensação aqui e em Portugal e presta-nos um alto serviço. Estou também seguro que o volume sobre V. Excia. vai ficar à altura. Pabón almoçou ontem aqui e mostra-se encantado com o trabalho e cheio de vontade de prosseguir […] Creio também que o prémio Camões já tem dono este ano.’Correspondência de Pedro Teotónio Pereira para Oliveira Salazar, Vol. II (1940-1941) (Lisboa: Comissão do Livro Negro Sobre o Regime Fascista, 1989), 441. Vale a pena realçar o facto de Teotónio Pereira ter comparado o envio da ‘Divisão Azul’ para a União Soviética ao envio do CEP para França, e de ter recomendado a Serrano Suñer a leitura do livro de Pabón: ‘Eu aconselhei-lhe que mandassem abafos à pobre gente que mandaram para a Rússia e disse-lhe que lesse o efeito do clima nos nossos soldados que estiveram na guerra de França conforme vem contado no livro de Pabón. Fiz-lhe esta referência com a secreta esperança que ele encontre lá ainda outras lições proveitosas’. Correspondência de Pedro Teotónio Pereira para Oliveira Salazar, Vol. II (1940-1941) (Lisboa: Comissão do Livro Negro Sobre o Regime Fascista, 1989), 456.

14 Jesús Pabón, La Revolución Portuguesa, Vol. I, De Don Carlos a Sidónio Paes (Madrid: Espasa Calpe, 1941), 243-4.

15 Jesús Pabón, La Revolución Portuguesa, Vol. I, De Don Carlos a Sidónio Paes (Madrid: Espasa Calpe, 1941), 256.

16 Costa Brochado, O sr. Norton de Matos e a sua candidatura (Lisboa: Portugália, 1949), 30.

17 Franco Nogueira, Salazar, Vol. I, A mocidade e os princípios (Coimbra: Atlântida Editora, 1977), 144.

18 Diário da Manhã (Lisboa), 11 de Fevereiro de 1938. O discurso de Raul Esteves foi quase idêntico ao seu artigo de Abril de 1933, acima citado.

19 Salazar sublinhou as palavras “ficar inteiramente esquecida”.

20 Arquivo Nacional, Torre do Tombo, Arquivo Oliveira Salazar, Correspondência Particular 49 (Tenente-coronel Esmeraldo Carvalhais), Informação, Serviço do Protocolo do Ministério da Guerra, 2 de Abril de 1943.

21 Arquivo Nacional, Torre do Tombo, Arquivo Oliveira Salazar, Correspondência Particular 49 (Tenente-coronel Esmeraldo Carvalhais), Carta circular, Ministério da Guerra, Repartição do Gabinete, 2 de Abril de 1943.

22 Diário da Manhã (Lisboa), 9 de Abril de 1945.

23 Diário da Manhã (Lisboa), 9 de Abril de 1945. As embaixadas, legações e consulados em Portugal foram contactados, nos primeiros dias de Abril de 1945, pelo presidente da Comissão Administrativa da Liga dos Combatentes da Grande Guerra, inquirindo sobre a possibilidade de ‘as senhoras das nossas comissões, levando braçal desta Liga’ visitarem aquelas repartições, de forma a proceder à ‘Venda do Capacete’ – algo que não tinha, até então, ocorrido.

24 Diário da Manhã (Lisboa), 20 de Abril de 1945.

25 Diário da Manhã (Lisboa), 12 de Novembro de 1945.

26 Ver O Século (Lisboa), 18 de Maio de 1921. Ver também A Guerra (Lisboa), 1 de Janeiro de 1926: ‘Em Abril de 1921, e em razão das injustiças feitas aos que na Grande Guerra combateram, especialmente aos estropeados e mutilados e ainda devido ao desprezo a que eram votados pelos Poderes Constituintes, os quais não só não tomavam na devida conta, mas até propositadamente esqueciam as justas reclamações de muitos, que após haverem cumprido o seu dever, cumprindo conjuntamente com o juramento que antes haviam feito de darem o seu sangue pela Pátria, se viam abandonados e na miséria, com grave prejuízo para o patriotismo, disciplina, e moral do povo português, foi lembrado pelo sr. João Jaime de Faria Afonso, se tentasse agregar quantos Portugueses houvessem tomado parte na Grande Guerra a fim de não só pugnarem pelos seus interesses e de suas famílias, valendo-se de si próprios, mais ainda de erguerem o nome do nosso país lá fora, e o moral da raça dentro deste país […]’

27 Fernando Pessoa, Da República (Lisboa: Ática, 1978), 193-212.

28 É da autoria de Ferreira do Amaral um dos mais interessantes livros sobre a participação portuguesa na Grande Guerra: A mentira da Flandres… e o medo (Lisboa: J. Rodrigues, 1922).

29 Coronel Mardel Ferreira, ‘Vitória mutilada’, A Guerra (Lisboa), Maio de 1926.

30 Este jornal tentou transformar os veteranos da Grande Guerra num escol nacionalista. Ver o seu segundo número, de 9 de Junho de 1923: ‘[…] Chamamos todos os Portugueses. Se querem, venham salvar Portugal.
De outro modo é impossível.
Por isso chamamos por vós portugueses de todas as classes.
Vós soldados, oficiais, valentes das duas guerras de África e da Flandres em quem reside mais do que em ninguém a consciência da Pátria e do seu destino, que vós defendeis e criais com o vosso sangue.
Vós
soldados homens humildes e heróicos das trincheiras ou das marchas infindáveis de guerras africanas, recrutas chamados à preparação para o sacrifício belo do futuro, todos vós:
O Nacionalismo é vosso, é o vosso sacrifício que o permite e lhe dá força. Que os vossos nomes em massa venham juntar-se aos nossos nomes, que o vosso esforço venha fazer grande o Nacionalismo Lusitano […]’
Ver ainda o relato do discurso de António de Cértima por ocasião das comemorações oficiais do 9 de Abril de 1927 perante, entre outros, o Ministro das Finanças, Sinel de Cordes:
‘– Não lhe disseram [ao soldado português] para onde ia, pelo que ia, nem ele foi alistar-se em partido ou facção política. Foi porque o mandaram, e bateu-se porque era preciso bater-se!
Referindo-se às consequências sociais da Grande Guerra, disse que o soldado lutou para que Portugal tivesse melhores dias e se enquadrasse na civilização das nações que querem Paz e querem Ordem.
– Como se fez então, procuremos nós agora e sempre honrar a Pátria, para que ela seja através dos séculos a mesma terra portuguesa, berço de heróis e de santos, de taumaturgos e de poetas!
– Cumpramos o que os mortos de guerra nos ordenam!’
A Guerra (Lisboa), Abril de 1927.

31 Assis Gonçalves: Relatórios para Oliveira Salazar, 1931-1939 (Lisboa: Comissão do Livro Negro Sobre o Regime Fascista, 1981), 25.

32 Assis Gonçalves: Relatórios para Oliveira Salazar, 1931-1939 (Lisboa: Comissão do Livro Negro Sobre o Regime Fascista, 1981), 13.

33 Curiosamente, um dos organizadores era um Capitão Santos Costa. Ver Diário da Manhã (Lisboa), 2 de Abril de 1933.

34 Diário da Manhã (Lisboa), 2 de Abril de 1933.

35 Diário da Manhã (Lisboa), 17 de Julho de 1934.

36 Oliveira Salazar, Discursos e notas políticas, Vol. III, 1938-1943, 2.a Edição (Coimbra: Coimbra Editora, 1959), 97.

© Publicações do Cidehus, 2012

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search