Version classiqueVersion mobile

Poder sobre as periferias

 | 
Fátima Farrica

Prefácio

Mafalda Soares da Cunha

Texte intégral

1Nos últimos anos a multiplicação de programas de estudos universitários pós-graduados no campo da História tem provocado uma assinalável proliferação de trabalhos monográficos. No caso concreto dos programas de mestrado ou de 2.° ciclo, os novos calendários académicos têm a duração de dois anos, pelo que os objectos de estudo têm que ser necessariamente muito circunscritos. O que constitui desde logo um desafio, já que nem sempre é fácil equacionar e responder a uma questão, simultaneamente inovadora e pertinente para a investigação académica, num tempo de formação tão escasso. Outro repto que se coloca é o da articulação com uma investigação empírica consistente, o que para os estudantes medievalistas e modernistas implica, para além do conhecimento dos fundos documentais, um bom domínio das técnicas paleográficas.

2O trabalho de mestrado que Fátima Farrica agora nos apresenta contornou habilmente todas estas dificuldades. Identificou primeiro a problemática da análise – os níveis de coesão entre centro e periferias –, utilizando o quadro teórico do sociólogo E. Shils. De seguida, elegeu o Estado e Casa de Bragança como terreno empírico da análise. As já aludidas exigências de operacionalização conduziram-na, depois, a circunscrever o estudo a três terras alentejanas – Vila Viçosa, Arraiolos e Monsaraz – e o marco cronológico ao período das Guerras da Restauração. Como se aprenderá pela leitura do texto, tanto a cronologia quanto os critérios de selecção destas terras foram ponderados em função da diversidade das suas características, com o intuito de validar melhor as futuras conclusões. Por isso equacionou um conjunto de hipóteses que testou através da investigação empírica em diversos núcleos arquivísticos. Como sempre ocorre, nem todas as premissas enunciadas obtiveram confirmação, embora outras problemáticas tenham nascido do próprio processo de levantamento e análise dos dados.

3Mas o sucesso desta trajectória de investigação é ainda devedor de outros factores. Desde logo da existência de fundos documentais sobre o governo das diversas terras da Casa de Bragança extremamente ricos em conteúdo e em volume de espécies. Estão depositados no Arquivo Histórico da Casa de Bragança e constituem-se como séries com notável continuidade e homogeneidade para o período após 1640. A fim de completar ou avaliar enfoques alternativos sobre as questões em análise, a autora cruzou-os, depois, com dados extraídos dos fundos dos arquivos municipais das terras seleccionadas.

  • 1 Vd. os resultados já obtidos pelo Projecto De todas as partes do mundo. O património do 5.° duque d (...)

4Do ponto de vista historiográfico, a pertinência deste estudo decorre das lacunas que até hoje persistem sobre as casas senhoriais em Portugal na época moderna. Como a autora bem explica, a exiguidade dos fundos documentais de arquivos privados ajuda a explicar a ausência desse tipo de trabalhos, mas a verdade é que o arquivo da Casa de Bragança dispõe de materiais inéditos de surpreendente qualidade que se mantêm quase todos por estudar. Se essa é uma das explicações para a Casa Ducal de Bragança ter vindo a merecer uma acrescida atenção por parte da historiografia portuguesa1, os níveis de conhecimento ainda são muito díspares, quer do ponto de vista temático, quer cronológico. As práticas governativas da casa e o perfil sociológico dos seus agentes para épocas posteriores a 1640 têm sido temas bastante descurados, pelo que também neste âmbito o trabalho apresenta grande novidade. Interessante é também o esforço comparativo que atravessa todo este estudo, em particular com outros casos portugueses e castelhanos. Servido por uma bibliografia adequada, que oscila entre estudos de maior fôlego sobre casas senhoriais e numerosos artigos disseminados por revistas académicas e obras colectivas, conduz-nos a constatações sobre as especificidades, mas também sobre os numerosos elementos que são comuns com a gestão senhorial dos Bragança.

5Deste modo o tratamento que Fátima Farrica fez das evidências recolhidas nas fontes esclarece com grande detalhe as relações políticas estabelecidas entre a casa ducal e as suas terras, colocando-as sempre em comparação com as práticas que tiveram lugar em outros municípios senhoriais. O foco da análise é os autos eleitorais e os seus intervenientes. Reconstituiu a complicada tramitação processual, explorando com bastante eficácia os significados do modelo eleitoral específico que os municípios da Casa de Bragança seguiam. Procedeu à caracterização social dos diversos participantes nesse processo (elegíveis, eleitos e nomeados) através de uma minuciosa análise prosopográfica. Indicadores como a naturalidade, a residência, o grau de participação política das terras, a qualidade dos desempenhos nos órgãos de governo local, o nível de riqueza, a formação académica e a experiência militar dialogam entre si, permitindo identificar as diversas camadas que compunham a elite das diferentes terras. Desvenda, também, muitos meandros das relações entre a Casa de Bragança e a vida local. Feitos de interesses ora contrapostos, ora confluentes. Deste modo, as tensões, os conflitos e os enredos tecidos entre os diversos actores - gente da governança, juízes de fora, ouvidores senhoriais e oficiais da casa senhorial - coexistem com procedimentos e práticas rotinizadas de construção de decisões. Dão-se ainda achegas para diferenciar as novas formas de gestão senhorial, uma vez que o seu titular deixou de ser um duque e passou a ser o rei de Portugal. O quadro político e social que nasce desta análise micro é complexo e plurifacetado, admitindo, no entanto, o desenho de grandes linhas de interpretação. Cuja descoberta se deixa agora à curiosidade do leitor.

6Finalmente uma palavra de elogio para o rigor, a minúcia e o entusiasmo presente em todo este trabalho. Fátima Farrica é uma jovem investigadora motivada, atenta, e responsável a quem os desafios de um trabalho árduo e tantas vezes solitário não desanimam. Tem entranhado o gosto dos arquivos que hoje parece bizarro à maior parte dos jovens historiadores. Também a capacidade de trabalhar em equipa, como se tem vindo a demonstrar no interior do grupo de investigação de que faz parte dentro do CIDEHUS-UÉ e da participação como tarefeira e bolseira em vários projectos académicos. São qualidades pessoais e de investigação que ficam agora patentes a todos os leitores, graças aos esforços convergentes do CIDEHUS-UÉ, da FCT-MCTES através do seu programa “Fundo de Apoio à Comunidade Científica” (FACC), da Fundação Eugénio de Almeida e das Câmaras Municipais de Viana do Alentejo e de Arraiolos.

7Dezembro de 2011

Notes

1 Vd. os resultados já obtidos pelo Projecto De todas as partes do mundo. O património do 5.° duque de Bragança, D. Teodósio I (PTDC/HAH/71027/2008), coord. Por Jessica Hallet, CHAM-UNL/UAç.

© Publicações do Cidehus, 2011

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search