Version classiqueVersion mobile

O «saque de Évora» no contexto da Guerra Peninsular

 | 
Fernando Martins
, 
Francisco Vaz

Capítulo 8. O Impacto do Saque de Évora no Património Bibliográfico e Artístico da Cidade

Francisco António Lourenço Vaz

Texte intégral

1Em ano de comemoração do bicentenário e dado o interesse que o tema tem despertado, quer entre os investigadores, quer num público mais alargado, pretendemos com esta comunicação fazer uma análise sobre as consequências do saque para cidade no património bibliográfico e artístico das casas religiosas, os conventos mosteiros e recolhimentos, que foram afectados e em muitos casos vandalizadas pelos invasores, que destruíram e roubaram o espólio que encontraram, orientando o seu interesse sobretudo para os objectos de ouro e prata, mas destruindo outros bens culturais, nomeadamente, as colecções bibliográficas desses organismos. Com esta nossa análise, procuramos fazer um balanço e mesmo inventariar os danos sofridos com o saque de Évora, em 1808 pelas casas religiosas e instituições culturais, com destaque para a Biblioteca Pública. Tomamos como fonte alguns textos de Frei Manuel do Cenáculo, ou relacionados com a sua actuação, bem como as obras redigidas nos anos seguintes, de que é bom exemplo a Évora Lastimosa.

Évora 1808

  • 1 Cf. VAZ, 2008.

2Avaliar o impacto do saque e do vandalismo dos exércitos napoleónicos no património da cidade não é tarefa fácil. De facto, apesar de termos coligido diversos textos sobre o fatal tríduo de 29, 30 e 31 de Julho de 1808, não ressalta da sua leitura uma avaliação objectiva, não abundam os dados numéricos sobre as acções militares e, ao invés, são muitas as descrições qualitativas, com pormenores que em muitos casos dispensam a fotografia. Referimo-nos aos textos escritos por alguns autores eborenses no rescaldo da ocupação da cidade e publicados entre 1808-1814. Entre eles destacam-se a Évora Lastimosa, a Évora Gloriosa Justamente Exaltada e o Mapa Histórico e Politico da Cidade de Évora1.

3Em primeiro lugar, cingindo-nos às casas religiosas, comecemos por delimitar o nosso objecto de análise. Em Évora, em 1808, existiam 24 conventos, mosteiros e recolhimentos de diversas ordens religiosas ou congregações eclesiásticas. Devemos ter presente que todas estas casas religiosas tinham a sua igreja, mas havia também as igrejas paroquiais e a Sé metropolitana (6) e também a Misericórdia e Hospital eram consideradas instituições religiosas. Portanto temos um total de 32 organismos ou institutos religiosos de diversa ordem e património. Deste universo, e a dar crédito nos autores que nos deixaram o testemunho, apenas não terá sido saqueada a Igreja de Santo Antão, na Praça do Geraldo.

  • 2 GOMES, 1985.

4Por outro lado, e ainda como dado preliminar, temos de considerar que os conventos, mosteiros e misericórdias funcionavam, no início da época contemporânea e desde a sua fundação, como autênticos bancos, aceitando depósitos, dando empréstimos a juros e estas instituições tinham assim uma importante função socioeconómica que, no quadro de uma economia pré-capitalista, era de vital importância, uma vez que possibilitavam a circulação de capitais e combatiam o entesouramento. Eram, portanto, instituições com dinheiro e um património valiosíssimo que tinham adquirido ao longo de séculos, dado que a sua fundação remontava à Idade Média ou início da Época Moderna. Por exemplo, o Mosteiro da Cartuxa nasceu em finais do século XVI, por iniciativa e generosidade do seu fundador, o Arcebispo D. Teotónio de Bragança, que o dotou de valioso património. Pela traça do seu edifício, pelos numerosos bens nos quais se incluía a sua livraria, a Cartuxa afirmou-se desde início como uma das casas religiosas mais importantes do país2. Não é, portanto, de admirar que este e os restantes conventos tenham sido o alvo privilegiado dos invasores durante os três dias que ocuparam a cidade.

5O que mais interessa aos invasores é o vil metal, ouro e prata, que na época entre nós ainda eram sinónimo de dinheiro, e é ao procurar o vil metal que destroem, ameaçam vidas, praticam actos de iconoclastia. Tentemos aqui fazer um retrato da situação. Os invasores procuram o convento, arrombam as portas, procuram dinheiro e objectos de ouro e prata, dirigem-se à igreja onde profanam os sacrários, espalhando as hóstias e roubando os cálices, píxides, relicários e outros objectos de culto. Nas restantes dependências do convento, esquadrinham as celas dos religiosos em busca de dinheiro, partem mobílias, interessam-se por alguma roupa, na despensa e adega consomem alguns alimentos, bebem o vinho, espalham os restantes víveres. Quanto a imagens, pouco parecem interessar-lhe, a não ser as que são de prata ou ouro, ou os adereços, e por isso o roubo de diademas, cruzes, coroas e relicários de prata é uma constante.

6Como dissemos, os relatos sobre o saque não primam pela mentalidade quantitativa, preocupam-se isso sim em demonstrar de forma cabal a monstruosidade e irreligião dos franceses. Um bom exemplo é o relato pormenorizado com que são descritos os sacrilégios e profanações dos sacrários, que merecem de todos os autores uma descrição adjectivada e muito mais realista do que os atentados à vida e à integridade física das pessoas.

7De facto, se estabelecermos paralelismo entre os sacrilégios e as violações de mulheres, na época o termo usado era “forçamento de mulheres”, a diferença é evidente. Enquanto que os sacrilégios são mencionados com todos os pormenores, as violações são praticamente consideradas um “mal menor”. Devemos incluir esta atitude num contexto mental em que a o Santíssimo Sacramento era considerado o valor máximo a perseverar e a respeitar, muito superior a vida humana, considerada transitória e portanto com muito menos valor. O Deus sacramentado merece todos os respeitos e é considerado escandaloso que se espalhem as sagradas formas, que se lhe toque com as mãos. É que de facto nem todos podiam tocar no Santíssimo Sacramento. Vários são os testemunhos sobre religiosos que se apressaram em consumir as hóstias, ou que as deram a comungar aos fiéis ou que, depois de as encontrarem espalhadas nos mais diversos sítios, se apressaram a usar de todo o respeito para as comungar.

8Tomemos, a título de exemplo, como os dois atentados, sacrilégios e violações, são vistos em duas passagens da Évora Lastimosa do P. Joaquim da Silva. A primeira passagem em que se descrevem os sacrilégios cometidos na igreja do Convento de Nossa Senhora do Carmo:

  • 3 SILVA, 1808, in VAZ, 2008, p. 149.

Imediatamente que com bárbara violência arrombaram as portas da Igreja, se seguiu pelo inimigo a desumanidade, e o sacrílego desacato, atentado contra o Santíssimo Sacramento Eucarístico, com fúrias infernais eram as catervas da vil tropa, que com a maior aceleração correram ao Sacrário, e lhe desmantelaram a porta; roubaram três Vasos Sagrados, e derramaram as Sagradas Formas pelo chão com desprezo, e baixeza, das quais algumas foram achadas em diversas partes3.

9E a descrição de duas violações ocorridas nas dependências da Igreja de Santiago:

  • 4 Ob. cit. pp. 193-194.

Pelas duas horas da madrugada daquele dia Sábado, trinta de Julho de mil oitocentos e oito, entraram os Franceses nesta Igreja, dois dos quais chegaram à Capela-mor, onde nada ofenderam do Sagrado, e só apalparam as algibeiras de várias mulheres, que ah estavam, e lhes tiraram o dinheiro, que tinham: depois apartaram duas mulheres moças; e, tendo-as levado, sem maior violência, para o Quintal da Sacristia, ilicitamente usaram delas: o que ele Sacristão, estando sobre o telhado da Igreja, viu, e que uma ficara no primeiro Quintal, e a segunda fora para a Latrina, e que os Franceses as brindaram com várias coisas de seda, e de ornato da cabeça4.

10Se no primeiro caso, a tropa é brindada com vários epítetos, no segundo só se considera a acção ilícita e a violência até parece não ter sido muita.

11Como dissemos, é praticamente impossível fazer uma avaliação quantitativa e global sobre o roubo e vandalismo praticado pelo exército invasor. Podemos, todavia, tentar sistematizar o que aparece descrito nas diversas fontes. Se começarmos pela avaliação feita em moeda, que é referida pontualmente e no meio da descrição dos roubos de cálices, objectos de ouro e prata, da destruição de imagens e das ofensas a vida das pessoas, o quadro seguinte resume o montante indicado para algumas casas, incluindo o montante de moedas de ouro ou outra espécie.

Quadro – Avaliação em moeda corrente

  • 5 Além do roubo quinze moedas de ouro, que não contabilizámos, o relator indica: o depósito de esmola (...)

Casa

Avaliação (em réis)

Avaliação descritiva

Cartuxa

336.000

«...em dinheiro pouco mais de vinte e cinco moedas de ouro».

Convento de Santa Clara

230.400

«... e não se satisfazendo, ainda me meteram as mãos nas algibeiras, e levaram o restante».

Colégio de Nossa Senhora da Purificação

1.200.000

Convento de Nossa Senhora do Paraíso

1.950.000

Convento de S. José ou Convento novo

2.000.000

Colégio do Espírito Santo

3.400.000

«... as jóias de Nossa Senhora da Boamorte andariam na volta de quinze moedas de ouro»5.

Convento do Salvador

«...deram saque à Casa da Prelada; e todos os dinheiros de Rendas, e particulares das Religiosas, pratas, e ouro das mesmas, tudo tiraram.»

Recolhimento de Santa Marta

300.000

«...além de várias outras peças de prata, que na mesma casa estavam em penhor de dinheiros de empréstimo, que dela tinham saído».

Santa Casa da Misericórdia

6.300

«Da Casa da Tumba furtaram o dinheiro do rendimento, que lá estava, daquele mês, e depósito de viúvas».

Convento Santa Catarina de Sena

«Dando-se-lhes todo o dinheiro, que havia na Comunidade»

Superintendência da Décima Eclesiástica

«...os três semestres vencidos em S. João 1808 da Décima Eclesiástica»

Contribuição paga aos invasores

400.000

Total

9.822.700

(FONTE: SILVA, 1808 e 1814; VAZ, 2008)

  • 6 «E tendo mandado carregar os canhões já dentro da Cidade, e ficar a tropas em armas nas praças e na (...)

12Embora os números pequem muito por defeito, pois os dados são mais de cariz qualitativo, trata-se mesmo assim de uma quantia avultada. Acrescentámos 400.000 réis, montante pago a Loison, no primeiro dia, dado pelos eborenses para o exército não saquear a cidade e que, segundo um dos relatores, foi conseguida através de contribuição de diversas individualidades e pessoas6. Mas maiores foram certamente as consequências para o património artístico e bibliográfico.

Património Bibliográfico

13Relativamente às bibliotecas conventuais, as referências dos relatores do saque transmitem a ideia que os franceses pouco se interessaram pelo roubo de livros, o que não impediu que tivessem vandalizado muitos cartórios e livrarias conventuais, espalhando os livros e rasgando cadernos de várias obras. Perda significativa ocorreu no Mosteiro da Cartuxa, onde queimaram o cartório e a livraria foi lançada por terra, e rasgados pelo meio vários cadernos de algumas obras.

  • 7 GOMES, 1984.

14Sabemos que nesta época a Livraria da Cartuxa era uma das mais ricas da cidade. A historiografia tem sublinhado o valor que tinha a Livraria dos Cartuxos de Évora, herdada do seu fundador o Arcebispo D. Teotónio de Bragança e depois enriquecida ao longo de mais de duzentos anos. Os autores não poupam nos elogios e epítetos a este património bibliográfico, referindo livros impressos das edições raras, em que se incluiriam os primeiros autores da patrística, manuscritos gregos dos Santos Padres, e livros da sabedoria arábica, síriaca a de outras línguas orientais7.

  • 8 O nome desta versão bíblica, a primeira em grego, resulta do facto de, segundo a tradição, ter sido (...)
  • 9 Carta de Herbert Hill a Frei Manuel do Cenáculo, Lisboa, 01-08-1791, in GUZMÃO, 1944, t. 3. O bispo (...)
  • 10 As cartas de Frei Manuel do Cenáculo a Herbert Hill e a Frei José Loureiro foram transcritas por VA (...)
  • 11 «...e que revendo os manuscritos achara 5 vol. em fl. com cinco livros do Pentateuco, quatro e quin (...)

15A fama da livraria da Cartuxa tinha chegado além fronteiras. Com efeito, em Agosto 1791 o Professor Herbert Hill da Universidade de Oxford, que estava em Portugal para redigir a sua obra sobre o Mosteiro da Batalha, escreveu ao Bispo de Beja, D. Frei Manuel do Cenáculo, informando-o que estava encarregue pela sua universidade de enviar ao Reverendo Doutor Holmes a relação dos manuscritos existentes em Portugal da Bíblia Septuaginta, também conhecida como Bíblia dos setenta8. Como Holmes estava incumbido pela Universidade de Oxford de proceder ao confronto desses manuscritos em toda a Europa, sabendo da existência de vários livros dessa versão grega da Bíblia na biblioteca da Cartuxa, pedia ao bispo que intercedesse para que lhe fizessem chegar a relação dos textos9. O Bispo de Beja escreveu de imediato a Frei Vicente Ferreira e ao Prior da Cartuxa, Frei José de Loureiro. A este último informando-o do interesse da Universidade de Oxford nos textos bíblicos da Cartuxa, e ao segundo encarregando-o de fazer uma relação dos mesmos10. Pela relação enviada por Frei Vicente Ferreira ficamos a saber que na Cartuxa em 308-1791 existiam os 5 livros do Pentateuco e alguns comentários bíblicos em grego11. Portanto estas e outras raridades existentes na Cartuxa sofreram com o vandalismo dos invasores.

  • 12 GUZMÃO, 1944, p. 128.

16Outras grandes destruições aconteceram no Colégio da Purificação e na Biblioteca Pública de Évora. O Colégio estava na altura entregue Padres da Congregação da Missão de S. Vicente de Paulo, conhecidos também por padres de Rilhafoles e na livraria os soldados, conforme testemunha o Cónego Miguel Remigio, quebraram estantes, espalharam os livros e defecaram em cima deles. A acrescentar a este vandalismo os assaltantes ainda despedaçaram dois globos12.

17Quanto aos danos na Biblioteca Pública, a Narração de D. Manuel do Cenáculo é o texto que melhor retrata os estragos. De facto, é bastante explícito relativamente aos objectos que no Paço episcopal mais atracção exerceram sobre os invasores, uma vez que o corpo de oficiais aí ficou hospedado. Como testemunha o Arcebispo, apesar da promessa de Loison de não saquear o Paço, a verdade é que os franceses lançaram mão a tudo o que de valioso encontraram, incluindo a colecção de produtos naturais e grande número de livros que rasgaram e destruíram.

  • 13 CENÁCULO, 1809, in VAZ, 2008, p.40.

... não ficou quase nada das prata de que o meu antecessor se tinha proprovido; fiquei sem anel episcopal, todo o copioso monetário, que a tanto custo tinha juntado para deixar com a grande livraria que tenho edificado, a qual por si só dá tanto a ver a grande despesa que tenho feito para instrução do clero e fiéis deste rebanho, que um dos oficiais de grande patente, Mr. Pillet disse ao vê-la: eis aqui porque o arcebispo não tem dindinheiro; pois o tem gastado nisto – Tudo quanto era ouro e prata foi saqueado, como também rasgados os livros e feitos em pedaços os manuscritos, quebrando as mais pequenas e delicadas peças do museu natural e artificial, unicamente para levarem alguns pequenos remates de prata e oiro, fazendo em pedaços imagens de Cristo e Santos, em fim reduzindo tudo a um estado de fazer lástima ainda quem não é curioso13.

18Tudo leva a crer, portanto, que não foi apenas o roubo do ouro e prata que maiores estragos trouxe para o património que pacientemente e ao longo da vida D. Manuel do Cenáculo reunira. Foram também as colecções artificiais e, sobretudo, os livros manuscritos e impressos que se perderam. Neste testemunho Cenáculo sublinha a grande despesa que fizera para criar a Biblioteca Pública de Évora e também como muitos volumes foram destruídos pela fúria dos invasores. Este foi sem dúvida o primeiro grande revés na história da Biblioteca Pública, cuja fundação ocorrera em 1805 e tivera já a visita do Príncipe Regente em 1806.

  • 14 Carta de Frei Manuel Do Cenáculo, 14 de Novembro de 1808. VAZ, 2009, p. 378.

19Frei Manuel lamentará ainda em algumas cartas a amigos e personalidades políticas as perdas na sua colecção bibliográfica e museológica. Numa carta ao amigo Plácido Barroco, em Novembro de 1808, queixa-se que os invasores lhe roubaram: “todo o monetário de oiro e prata, e quanto era desses metais no Museu com estrago de outras coisas me levaram... manuscritos cortados a tesoura”14.

  • 15 «.. em livros é que se não cevou a sua cobiça; porque, (sendo Filósofos da moda, ou, por outra, Ped (...)

20A fúria dos invasores sobre os livros resulta mais do facto de, a semelhança de qualquer salteador, estarem mais empenhados em encontrar dinheiro, ouro e prata. É nessa sua ânsia que espalham, rasgam os livros ou, nos casos mais graves, queimam vários exemplares15. É possível que todas as bibliotecas conventuais, à semelhança do que aconteceu a Biblioteca Pública, tenham sofrido com este vandalismo, e nele tenham perdido valioso património bibliográfico.

  • 16 «Um dos Oficiais daqueles bandos, que entrou na Igreja, e me pareceu de comedido comportamento, se (...)

21Raras terão sido as excepções a este tipo de comportamento, caracterizado por um desinteresse em ficar com livros. De facto apenas encontrámos um relato que nos fala de um oficial da tropa que ficou com algumas obras da livraria particular do reverendo Lopes de Mira, doutorado e também beneficiado na igrejas de Santo Antão e de S. Tiago. Segundo o relato do próprio reverendo este oficial, que dominava e falava fluentemente o latim, levou-lhe um dos mais valiosos livros da sua livraria, a História da França escrita em Latim de autoria de Gregório Touron, e ainda um tratado sobre a decadência dos impérios. O testemunho do reverendo Lopes de Mira é mais um a falar da fúria com que os invasores trataram as bibliotecas, tendo por motivo a procura de dinheiro ou outros bens16.

22Vejamos agora a avaliação dos outros danos sofridos pelas casas religiosas segundo os relatos, nomeadamente a nível de objectos valiosos roubados e destruição de obras de arte das comunidades religiosas.

Património artístico

  • 17 «No dia seguinte às seis horas da manhã entrou mais tropa de soldados, que dispersos pelo Convento (...)

23É sabido que as diversas casas religiosas da cidade guardavam numerosos bens culturais, obras de arte, pinturas, imagens e objectos de culto de grande valor e antiguidade. O padrão que já definimos levou os invasores a roubar os objectos de ouro e prata que encontraram. Os testemunhos apontam também para uma atitude que se pautou por não levar objectos de grande dimensão, por isso as imagens de Nossa Senhora, de Cristo ou dos Santos sofreram mais pelo vandalismo que pelo roubo. Perderam foi os seus adereços: diademas, cruzes, jóias. Com efeito, os invasores roubaram preferencialmente anéis e outras jóias, as cruzes e crucifixos, cálices e outros vasos sagrados17. Tomando como base a Évora Lastimosa, inventariámos um total de 32 cálices de ouro e prata roubados, só para referir a contabilidade feita pelos relatores e sabendo que em 8 casas o que os relatos nos dizem é que roubaram todos os cálices e vasos sagrados. Quanto a cruzes referem-se as cruzes processionais, os crucifixos dos altares, outras cruzes com relíquias que os soldados roubavam também por serem de ouro ou prata, ou pensarem que o eram.

24Quanto às imagens sagradas poucas terão sido furtadas pelos invasores, mas muitas foram danificadas. Do mesmo modo, alguns painéis foram destruídos, ou danificados de foram irremediável. Transcrevemos aqui dois relatos. O primeiro o que os saqueadores fizeram no Convento dos Remédios.

  • 18 SILVA. 1808, in VAZ, 2008, p. 92.

Despedaçaram a Imagem de Nossa Senhora dos Remédios, que estava no Altar Mor, e a do Menino, que tinha na mão. A uma Imagem de Santo Alberto lhe levaram o rosto com duas cutiladas, uma de uma parte, outra de outra. Quebraram as maçanetas todas das grades, que dividem a Capela-mor do corpo da Igreja; e fizeram mais alguns destroços em castiçais, Cruzes, e mais adornos dos Altares. (...)
No coro despedaçaram um Painel, em que se representava a Imagem de Nosso Senhor Jesus Cristo, que estava na parte principal do mesmo coro. O Menino de Nossa Senhora do Carmo, que estava no nicho sobre a rexa do coro, atiraram com ele para a Igreja, aonde se achou; e à Senhora lhe arrancaram os olhos, quebraram toda a rexa do coro. Amassaram algumas trombetas do Órgão. Foi-se achar um Menino Jesus atado, por não dizer enforcado, em uma corda do relógio. Outras cousas mais destroçaram no coro, que por mais miúdas se não referem
18.

25Outro exemplo foi o que aconteceu no Colégio do Espírito Santo, na altura convento da Terceira Ordem de S. Francisco.

  • 19 SILVA. 1808, in VAZ, 2008, p. 139. Por exemplo, na igreja do Mosteiro do Espinheiro, de acordo com (...)

...logo que chegaram ao Altar da milagrosa Imagem de Nossa Senhora da Boa-morte, como raivosos leões despedaçaram as vidraças do anteparo da mesma Imagem; e, vendo as jóias, que lhe serviam de adorno, não só atroaram a Igreja com infernais risadas de um vil prazer, e satisfação, mas acelerados puxaram o féretro para fora, arrancaram a coroa, que estava na cabeça da mesma Imagem Sagrada, e veneranda, e atiraram com a cabeça para o chão, quebraram-lhe as mãos, e lhe furtaram treze anéis dos quinze, com que estavam ornaornadas; e a deixaram no maior desprezo.19

Considerações Finais

26Não houve em Évora, o que terá acontecido noutras cidades europeias ou mesmo em Lisboa, um comité de sábios para dizer aos soldados os objectos artísticos a retirar dos conventos e igrejas. Os soldados foram deixados à sua iniciativa e ignorância para saber o que retirar e entregues à sua fúria para destruir. Mesmo assim, e apesar de não termos um inventário exaustivo de todos os roubos e vandalismo, é possível constatar que muitas casas religiosas não perderam em 1808 apenas os anéis, mas também os próprios dedos.

27O mesmo ditado popular podemos dizer relativamente aos livros e peças museológicas. Pelas simples descrições feitas por Frei Manuel do Cenáculo, sabemos que muitos livros foram rasgados, manuscritos valiosos foram cortados a tesoura, a biblioteca-museu perdeu a grande maioria do monetário e a colecção de produtos naturais foi destruída para levar alguns pequenos remates de ouro e prata.

  • 20 ESPANCA, 1977, p. 171.

28Não restam dúvidas de que foi muito grande a perda para o património artístico e cultural da cidade, quer pela destruição pura e simples, quer pelo roubo. Difícil é contabilizar o montante, até porque muitas peças tinham um valor afectivo, eram pertença das comunidades há séculos e, por outro lado, os testemunhos raramente procedem a uma avaliação quantitativa. A Madre Priora de uma das casas mais humildes da cidade, o Convento de S. José, vulgarmente denominado Convento Novo, da Ordem de Santa Teresa de Jesus, diz-nos que o prejuízo causado pelo roubo (sem incluir a destruição e vandalismo da soldadesca) teria chegado aos 5.000 cruzados20. Deste modo, as casas religiosas eborenses sofreram um duro revés, quer em termos de fundos, quer de património durante os três dias de saque. É possível que jamais se tenham restabelecido desta perda.

29Maiores terão sido as ofensas à vida e integridade das pessoas: muitas foram as religiosas e seculares violadas, muitos foram enxovalhados publicamente, mesmo os que pertenciam à alta hierarquia do clero, como Frei Manuel do Cenáculo, que foi vítima do desrespeito dos franceses e que assistiu compungido aos acontecimentos, dando-nos depois uma narração dos factos. Outro exemplo foi o que aconteceu com um frade, ainda corista, do Convento das Mercês que os invasores despiram e passearam pelas ruas. Mas mais grave ainda foram os que morreram de forma violenta, como sucedeu com quatro clérigos fuzilados junto ao chafariz dos leões e depois ali mesmo sepultados em vala comum.

Bibliographie

Bibliografia

1 – Manuscritos

Biblioteca da Academia das Ciências de Lisboa (BACL), [Cartas de D. Frei Manuel do Cenáculo], Cod. 802V.

Biblioteca Nacional de Portugal (BNP), Cod. 1469 [Miscelânea], Anedocta, fl. 30v.

Biblioteca Nacional de Portugal, Cod. 1469 [Miscelânea], Noticia, fls. 86-88.

Biblioteca Pública de Évora (BPE), Cod. CXXVII 2-14

Biblioteca Pública de Évora (BPE), Cod. CXXIX/1-21 [Diário de Frei Manuel do Cenáculo 1794-1808], Rellação das pessoas mortas na Entrada dos Francezes, na cidade de Évora nos dias 28, 29, e 30 de Julho de 1808, fls.4.

Biblioteca Pública de Évora (BPE), Cod. 57, [Inventário feito no falecimento do Arcebispo de Évora, D. Frei Manuel do Cenáculo], 1814.

2 – Impressos

ANÓNIMO, Évora Jocoza e circunspecta, consórcio do Burlesco e da decencia ou Narração Historico-Politica, e Diplomatica das Festas de Évora na Paz geral de 1814 desde 29 de Julho ate 15 de Agosto, Elvas, Tipografia Popular, 1814, pp.29.

BARATA, Paulo J.S., Os Livros e o Liberalismo, Lisboa, Biblioteca Nacional de Lisboa, 2002.

CENÁCULO, D. Frei Manuel do, Memoria Descriptiva do assalto, entrada e saque de Evora pelos Francezes, em 1808. Impressa a expensas do Municipio em gratidão e lembrança do Arcebispo D. Frei Manuel do Cenáculo Villas Boas, Évora, Minerva Eborense, 1887.

ESPANCA, «Extinção do Convento do Salvador de Évora», A Cidade de Évora, n.º 61-62 p. 157.

ESPANCA, Túlio, «Évora na invasão francesa de 1808», A Cidade de Évora, n.º 39-40, 1957-1958, pp. 41-109.

ESPANCA, Túlio; «Subsídios para a história da Biblioteca Pública de Évora (1804-1950)», A Cidade de Évora, n.º 63-64, 1980-81, pp. 193-267.

FRANCO, António, Évora Ilustrada. Extraída da obra do mesmo nome do P. Manuel Fialho. Publicação, Prefácio e índices de Armando de Gusmão, Évora: Edições Nazareth, 1945 (1.a edição 1728).

GOMES, Pinharanda, O Arcebispo de Évora Dom Teotónio de Bragança, Braga, edição do autor, 1984.

GUZMÃO, Alexandre Nobre de, Catálogo da Correspondência dirigida a D. Frei Manuel do Cenáculo, Évora, 1944-1948.

LACERDA, João Limpo Pimentel de, Mappa Histórico-Militar-Político, e Moral da Cidade de Évora, ou exacta narração do Terrível Assalto, que à mesma Cidade deu o General Loison com hum Exército de nove mil homens em o Fatal Dia 29 de Julho de 1808, Lisboa, Oficina de António Rodrigues Galhardo, 1814.

NEVES, José Acúrsio das, História Geral da Invasão Francesa em Portugal, e da restauração deste Reino, Lisboa, Oficina Simão Thadeu Ferreira, 1810-1811.

PEREIRA, António Mexia Fouto Galvão, Évora no Seu Abatimento, gloriosamente exaltada ou Narração histórica do Combate, Saque, e Crueldades praticadas pelos Francezes em 29. 30. e 31. De Julho de 1808 na Cidade de Evora, Lisboa, Na Typografia Lacerdina, 1808.

PEREIRA, Gabriel Pereira, Estudos Eborenses. História e Arqueologia, Évora, Edições Nazareth, 1947-1950. (1.a ed. 1884-1893).

SÁ, José António de, Hum Portuguez aos Portuguezes, Lisboa, na Impressão Régia, 1810-1814.

SILVA, José Joaquim da Silva, Évora lastimosa pela deploravel catastrofe do fatal triduo de 29, 30, e 31 de Julho de 1808, Lisboa, Na nova Officina de Rodrigues Neves, 1809.

SILVA, José Joaquim da, Évora Lastimosa (...). Segunda parte, Lisboa, Na Impressão Régia 1814.

VAZ, Francisco e CALIXTO, José António, D. Frei Manuel do Cenáculo construtor de Bibliotecas, Lisboa, Caleidoscópio, 2006.

VAZ, Francisco, «Évora Lastimosa e outros textos sobre o saque de Évora pelo Exército Francês em 1808», Cultura. Revista de História e Teoria das Ideias, vol. XV, 2002, pp. 191-210.

VAZ, Francisco, «O pensamento e acção pastoral do Bispo de Elvas, D. José Joaquim da Cunha de Azeredo Coutinho (1742-1821)», Ibn Maruan, n.º 5, 1995, pp. 89-96.

VAZ, Francisco, As Ideias Pedagógicas nos fins do século XVIII - Bento José de Sousa Farinha, Lisboa, Tese de Mestrado apresentada à Universidade Nova de Lisboa, 1993.

VAZ, Francisco, Instrução e Economia. As Ideias Económicas no Discurso da Ilustração Portuguesa (1746-1820), Lisboa, Colibri, 2002.

VAZ, Francisco, O Saque de Évora pelos Franceses em 1808. Textos Históricos, Vale de Cambra, Caleidoscópio, 2008.

VAZ, Francisco, Coordenação de, Os Livros e Bibliotecas no Espólio Bibliográfico de D. Frei Manuel do Cenáculo. Repertório de Correspondência, Róis de Livros e Doações a Bibliotecas, Lisboa, Biblioteca Nacional, 2009.

VICENTE, António Pedro VICENTE, «Revoluções Ocidentais. Revoluções Atlânticas», As Revoluções Contemporâneas, coordenação de: Fernando MARTINS e Pedro Aires de OLIVEIRA, Lisboa, Edições Colibri, 2004. pp. 9-27.

VICENTE, Pedro, «Panfletos anti-Napoleão durante a Guerra Peninsular. Actividade editorial da Real Imprensa da Universidade de Coimbra», in Revista de História das Ideias, n.º 20, Coimbra, 1999.

Annexes

ANEXOS

Quadro 1 - Mosteiros, Conventos e Recolhimentos Eborenses (1808)

Casa

Ordem/Congregaçao

Sexo

Intra-muros

Convento de Santa Clara

S. Francisco

Feminino

Convento de Santa Catarina de Sena

S. Domingos

Feminino

Convento de Nossa Senhora do Paraíso

S. Domingos

Feminino

Convento de Santa Helena (ou do Calvario)

S. Franciso (reformadas)

Feminino

Convento do Salvador

S. Franciso (reformadas)

Feminino

Convento de S. José

S. Teresa de Jesus

Feminino

Recolhimento de Santa Marta

Carmelitas

Feminino

Convento de Santa Monica

Augustinianas

Feminino

Recolhimento das Orfãs da Piedade

Feminino

Recolhimento de Santa Maria Madalena

Reformatório para prostitutas

Feminino

Convento de S. Francisco

S. Francisco

Masculino

Colégio do Espirito Santo

Terceira Ordem da Penitêcia

Masculino

Colégio da Purificaçao

Vicente de Paulo (Padres de Rilhafoles)

Masculino

Convento de S. Domingos

Ordem dos Prefadores

Masculino

Colégio dos Cónegos Seculares

S. João Evangelista (Lóios)

Masculino

Convento de Nossa Senhora do Carmo

Carmelitas calçados

Masculino

Convento de Nossa Senhora das Mercês

Agostinhos descalços

Masculino

Convento Nossa Senhora da Graça

Agostihos calçados

Masculino

Extra-muros

Mosteiro de S. Bento

Cister – religiosas Bernardas

Feminino

Mosteiro da Cartuxa

S. Bruno

Masculino

Mosteiro de Nossa Senhora do Espinheiro

Ordem de S. Jeronimo

Masculino

Convento de Nossa Senhora dos Remédios

Carmelitas Descalços

Masculino

Convento de Santo Antoio dos Capuchos

Capuchos – Província da Piedade

Masculino

(Fontes: SILVA, 1808-1814, ESPANCA, 1993)

Quadro 2 - Saque e vandalismo na Cartuxa de Évora

Quadro 2 - Saque e vandalismo na Cartuxa de Évora

(Fonte: SILVA, 1808-1814)

Notes

1 Cf. VAZ, 2008.

2 GOMES, 1985.

3 SILVA, 1808, in VAZ, 2008, p. 149.

4 Ob. cit. pp. 193-194.

5 Além do roubo quinze moedas de ouro, que não contabilizámos, o relator indica: o depósito de esmolas dos seus devotos da Senhora da Boa Morte que passava de duzentos mil réis, os Pertences de Nossa Senhora da Natividade fariam o cômputo de três mil cruzados e o das pessoas particulares passava de cinco mil cruzados.

6 «E tendo mandado carregar os canhões já dentro da Cidade, e ficar a tropas em armas nas praças e nas estradas, ordenou que de pronto se lhe apresentassem munições e refrescos para os seus Soldados, e uma contribuição de muitos mil cruzados, dentro de quatro horas, findas as quais passaria a um saque geral, se o não contentassem a ele, e à sua tropa. E inexplicável o terror, e o susto, com que os Magistrados começaram logo a encher os Soldados de abundante pão, carne, arroz, vinho, e aguardente, e com que aprontaram a pesadíssima soma de mil cruzados, que aquele cruel, e aladroado Chefe embolsou, cheio de arrogância, e furor no seu quartel, que se lhe havia destinado em casa do Deão da Sé Metropolitana». LACERDA, 1814, in VAZ, 2008, p. 248.

7 GOMES, 1984.

8 O nome desta versão bíblica, a primeira em grego, resulta do facto de, segundo a tradição, ter sido redigida por 70 judeus emigrados em Alexandria. Dai também ser conhecida por Bíblia dos setenta.

9 Carta de Herbert Hill a Frei Manuel do Cenáculo, Lisboa, 01-08-1791, in GUZMÃO, 1944, t. 3. O bispo respondeu de imediato a esta solicitação em carta datada de Sines, 0110-1791, dirigida ao Doutor Herbert Hill, faz referência a várias obras que interessavam a Holmes e que pertenciam à Cartuxa de Évora. A carta contém uma anotação ao fundo onde diz que Holmes era o comunitário da Universidade e Herbert Hill o correspondente dessa Universidade em Lisboa.

10 As cartas de Frei Manuel do Cenáculo a Herbert Hill e a Frei José Loureiro foram transcritas por VAZ, 2009, pp. 523-524.

11 «...e que revendo os manuscritos achara 5 vol. em fl. com cinco livros do Pentateuco, quatro e quinto com todo o Palastério, tendo além do texto a cada vinte ou a muitos juntos exposições de Padres Gregos, mas que seria necessário para este fim mandar-me a edição de Roma dos Setenta de 1587, por onde o Dr. Holmes manda fazer a tal confrontação. E que por ora não podia determinar o século, mas que deviam ter antiguidade». Carta de Frei Vicente Ferreira a D. Frei Manuel do Cenáculo, datada de Évora, 19-01-1792; BPE, Cód. CXXVII 2-14, fl. 157. Sobre as respostas de Frei Manuel do Cenáculo, veja-se VAZ, 2009.

12 GUZMÃO, 1944, p. 128.

13 CENÁCULO, 1809, in VAZ, 2008, p.40.

14 Carta de Frei Manuel Do Cenáculo, 14 de Novembro de 1808. VAZ, 2009, p. 378.

15 «.. em livros é que se não cevou a sua cobiça; porque, (sendo Filósofos da moda, ou, por outra, Pedreiros livres) nenhum amor tem à verdadeira sabedoria, mas deixaram tudo em montão». SILVA. 1808, in VAZ, 2008, p. 95.

16 «Um dos Oficiais daqueles bandos, que entrou na Igreja, e me pareceu de comedido comportamento, se dirigiu comigo a minha casa, que, como as de mais da Cidade, estava já no imaginável desarranjo dos saques, que lhe haviam feito, e contemplado especialmente o desalinho, que eu lamentava, da minha livraria; porque os bárbaros tudo revolveram, e desordenaram, por ver se encontravam algum precioso depósito escondido; (...) e como, não obstante o seu carácter inculcado, a ocasião lhe dava liberdade para se aproveitar de algum dos meus trastes, fomentou a sua curiosidade na mesma livraria, e com termos de civilidade levou um dos mais preciosos livros da minha estimação pela raridade, que era a História da França escrita em latim por S. Gregório Turonense, em volume de fólio, que eu casualmente tinha aberto sobre a minha banca; e além deste, me tirou também um volume em oitavo, ainda em brochura, escrito em Francês, que era um Tratado sobre a decadência dos Impérios, impresso no século de quinhentos: e, estranhando-lhe de o querer levar, pois que no mesmo se desabonava a sua Nação, me respondeu que por todos os princípios o estimava, como quem conhecia que os Franceses modernos, cujos sentimentos ele não adoptava, só admitem por primeiras as causas segundas: e negam a Providência: e são piores que Átilas, Neros, e outros monstros da mesma analogia». SILVA. 1808, in VAZ, 2008, p. 176.

17 «No dia seguinte às seis horas da manhã entrou mais tropa de soldados, que dispersos pelo Convento fizeram nele imensos destroços em Oficinas, Coros, Capelas, e Oratórios, quebrando vidraças, despedaçando, e tirando todas as pratas, e ouro do adorno de todas as Santas Imagens, roubando também Relíquias preciosas». Relato dos acontecimentos no Mosteiro do Salvador, SILVA. 1808, in VAZ, 2008, p. 119.

18 SILVA. 1808, in VAZ, 2008, p. 92.

19 SILVA. 1808, in VAZ, 2008, p. 139. Por exemplo, na igreja do Mosteiro do Espinheiro, de acordo com o sacristão: «... o que fizeram das Sagradas Imagens, o das milagrosissímas do Senhor Morto, encerrado em uma vidraça, que quebraram, por examinarem se havia dentro algum depósito escondido; e de Nossa Senhora do Espinheiro, a quem furtaram uma Coroa rica, com que estava, e a do Menino, que tinha nos braços, tendo arremessado com o Menino para o chão, e onde também achamos para uma parte a cabeça de Nossa Senhora, e o resto da sua Imagem para outra; sendo esta Imagem objecto muito particular da veneração de todos os eborenses, do mesmo modo que sempre fora dos Senhores reis, que assistiram em Évora». Ob. cit. p. 91.

20 ESPANCA, 1977, p. 171.

Table des illustrations

Titre Quadro 2 - Saque e vandalismo na Cartuxa de Évora
Légende (Fonte: SILVA, 1808-1814)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4166/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 267k

© Publicações do Cidehus, 2010

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search